Você está na página 1de 4

História da Eletricidade

• 570-560 AC, Tales de Mileto, atritou âmbar (elektron) com pele


de animal e atraiu pequeninas sementes de grama.

Apenas no séc XVI a eletricidade passa a ser discutida


com vigor científico.

• Em 1550, Gerolamo Cardano discute em seu livro De Subtilitate


as diferenças entre forças elétricas e forças magnéticas.
• Em 1600, William Gilbert, o primeiro a estudar
sistematicamente a eletricidade e o magnetismo, publica De
Magnete, onde explica que outros materiais, além do âmbar,
adquiriam, quando atritados, a propriedade de atrair outros
corpos, e chamou a força observada de elétrica.

Ele dizia: Atribuo, essa eletrificação à existência de um "fluido" que,


depois de removido de um corpo por fricção, deixava uma
"emanação".

se aproximam dos conceitos modernos,

fluido seja substituída por "carga" e emanação, por "campo


elétrico".

• Em 1660, no estudo da eletrostática, Otto von Guericke,


prefeito da cidade alemã de Magdeburgo, inventa a primeira
máquina chamada de Elektrisiermaschine. Era feita de uma
esfera de enxofre atravessada por uma barra presa a uma
manivela, que quando movimentada fazia a bola girar em alta
velocidade. Guericke protegeu a mão com uma luva, que ao ser
encostada na bola eletrizou-a instantaneamente. A bola
começou a atrair outras bolas de enxofre suspensas por fios
que, após encostarem na bola maior, começaram a atrair outros
objetos menores. Otto conclui então que a eletricidade podia
passar de um corpo para o outro.
• Em 1675, Robert Boyle observa que as forças elétricas podem
atuar no vácuo.

Apenas no séc XVII, descobre-se a bioeletricidade, a pilha


voltaica, comprova-se dois tipos de força, de atração e e
repulsão e defini-se carga positiva e negativa.

• O cientista Luigi Aloisio Galvani realiza estudos em animais e,


numa rã, constata a presença do chamado "fluido de energia":
bioeletricidade.
Em continuidade, o fisiologista detecta o fenômeno tendo como
causa reações químicas; então tenta a analogia para criar um
desenvolvedor, mas seus próprios conceitos tornam-se
obstáculos intransponíveis. Porém, seu trabalho foi
compartilhado e suas idéias desdobradas, outorgando-lhe a
condição de imprescindível na criação de Alessandro Volta

• 1733 o francês Charles Du Fay comprova a existência de dois


tipos de força elétrica: uma de atração, já conhecida, e outra de
repulsão.

• 1750 - Benjamin Franklin, que atribuiu sinais - positivo e


negativo - para distinguir os dois tipos de carga. Nessa época,
já haviam sido reconhecidas duas classes de materiais:
isolantes e condutores.
• Foi Benjamin Franklin quem demonstrou, pela primeira vez, que
o relâmpago é um fenômeno elétrico, através da sua famosa
experiência com uma pipa (papagaio). Ao empinar a pipa num
dia de tempestade, Franklin consegue obter efeitos elétricos
através da linha e percebe então que o relâmpago resultava do
desequilíbrio elétrico entre a nuvem e o solo.
• A partir dessa experiência, ele produz o primeiro pára-
raios.
• 1800 - Alessandro Volta, a pilha voltaica.

Inicialmente, Volta experimentou células individuais em série,


cada célula sendo um cálice de vinho cheio de salmoura na qual
dois electrodos dissimilares foram mergulhados. A pilha elétrica
substituiu o cálice com um cartão embebido em salmora.

O número de células, e consequentemente, a tensão elétrica


que poderiam produzir, estava limitado pela pressão exercida
pelas células de cima, que espremiam toda a salmora do cartão
da célula de baixo.

• No final do século XVIII, importantes descobertas no estudo das


cargas estacionárias foram conseguidas com os trabalhos de
Joseph Priestley, Lord Henry Cavendish, Charles Augustin de
Coulomb e Siméon-Denis Poisson. Os caminhos estavam
abertos e em poucos anos os avanços dessa ciência foram
espetaculares.
• Século XIX
• prática. Em 1820, o francês André-Marie Ampère demonstra as
relações entre correntes paralelas,
• em 1831 Michael Faraday faz descobertas que levam ao
desenvolvimento do dínamo, do motor elétrico e do
transformador.

• O aproveitamento dos novos conhecimentos na


indústria e na vida cotidiana iniciou-se no fim do
século XIX.

• Em 1873, o cientista belga Zénobe Gramme demonstrou que a


eletricidade podia ser transmitida de um ponto a outro através
de cabos condutores aéreos.

• Em 1879, o americano Thomas Edison inventa a lâmpada


incandescente e,

• 1881, dois anos depois, constrói na cidade de Nova York a


primeira central de energia elétrica com sistema de
distribuição. A eletricidade já tinha aplicação no campo das
comunicações, com o telégrafo e o telefone elétricos e, pouco a
pouco, o saber teórico acumulado foi introduzido nas fábricas e
residências.

• O descobrimento do elétron por Joseph John Thomson, na


década de 1890, pode ser considerado o marco da passagem
da ciência da eletricidade para a da eletrônica, que
proporcionou um avanço tecnológico ainda mais acelerado.
• 1820 - Hans Christian Ørsted observa que uma corrente elétrica
causa uma perturbação em uma bússola próxima, ilustrando a
interação entre eletricidade e magnetismo. André-Marie
Ampère consegue desenvolver e explicar o fenômeno.
• 1827 - Georg Simon Ohm publica Die galvanische Kette
mathematisch bearbeitet (O Circuito Galvânico Investigado
Matematicamente), trabalho no qual desenvolve a teoria de
circuitos, incluindo a sua Lei de Ohm.
• 1831 - Michael Faraday determina experimentalmente o
fenômeno da indução magnética entre duas bobinas,
formulando o princípio do transformador. A indução também é
observada através do uso de um ímã permanente, obtendo-se
desta forma o princípio dos motores e geradores elétricos.
• 1864 - James Clerk Maxwell apresenta em A Treatise on
Electricity and Magnetismo as quatro equações do
eletromagnetismo, consolidando os experimentos de Faraday.
Tais equações prevêem a existência das ondas
eletromagnéticas, e anuncia que a própria luz é uma forma de
eletromagnetismo.
• 1879 - Thomas Alva Edison inventa a primeira lâmpada elétrica
comercialmente viável.
• Brasil - A eletricidade começa a ser utilizada no país,
além da Europa e dos Estados Unidos, logo após o
invento do dínamo e da lâmpada elétrica. No mesmo
ano, D. Pedro II inaugura a iluminação da estrada de
ferro.
• 1880 - Edison patenteia o sistema de distribuição elétrica.
• 1881 - Brasil - A primeira iluminação externa pública do país
é inaugurada na atual Praça da República, em São Paulo.
• 1882 - Edison implementa o primeiro sistema de distribuição
elétrica, em corrente contínua a 110 volts, em Manhattan.
• 1883 - Brasil - Entrou em operação a primeira usina
hidrelétrica do país, instalada na cidade de Diamantina,
Minas Gerais. D. Pedro II inaugura, na cidade de Campos, o
primeiro serviço público municipal de iluminação elétrica
do Brasil e da América do Sul.
• 1888 - Heinrich Hertz comprova a existência das ondas
eletromagnéticas, confirmando a teoria de Maxwell.
• 1890 (aproximadamente) - Ocorre uma disputa entre Nikola
Tesla e Edison na implementação dos sistemas de distribuição
elétrica, a chamada Guerra das Correntes. Finalmente vence
Tesla, com a corrente alternada, essencialmente pelas
características dos transformadores em elevar a tensão,
diminuindo as perdas na transmissão de energia.
• 1892 - Tesla publica a base do sistema de corrente alternada.
George Westinghouse patrocina os projetos de Tesla.
• 1893 - Charles Proteus Steinmetz desenvolve uma formulação
matemática para o estudo de circuitos em corrente alternada.
• 1892 - Tesla realiza a primeira transmissão de rádio; porém,
esta invenção é creditada, embora sob controvérsias, a
Guglielmo Marconi em 1904.