Você está na página 1de 211

física

mecânica
QUESTÕES DE VESTIBULARES 2009.1 (1o semestre) 2009.2 (2o semestre)
sumário
CINEMÁTICA
VESTIBULARES 2009.1 ............................................................
........................................................... 2 VESTIBULARES 2009.
2 ..............................................................................
....................................... 26
LEIS DE NEWTON
VESTIBULARES 2009.1 ............................................................
......................................................... 33 VESTIBULARES 2009.2
...............................................................................
...................................... 53
ENERGIA
VESTIBULARES 2009.1 ............................................................
......................................................... 61 VESTIBULARES 2009.2
...............................................................................
...................................... 88
GRAVITAÇÃO
VESTIBULARES 2009.1 ............................................................
......................................................... 96 VESTIBULARES 2009.2
...............................................................................
.................................... 101
ESTÁTICA
VESTIBULARES 2009.1 ............................................................
....................................................... 104 VESTIBULARES 2009.2
................................................................................
................................... 107
HIDROSTÁTICA
VESTIBULARES 2009.1 ............................................................
....................................................... 108 VESTIBULARES 2009.2
................................................................................
................................... 122
HIDRODINÂMICA
VESTIBULARES 2009.1 ............................................................
....................................................... 127 VESTIBULARES 2009.2
................................................................................
................................... 128
japizzirani@gmail.com
MECÂNICA: CINEMÁTICA
VESTIBULARES 2009.1
VESTIBULARES 2009.2 PÁG. 26 (UERJ-2009.1) - ALTERNATIVA: D Segundo o modelo simpli
ficado de Bohr, o elétron do átomo de hidrogênio executa um movimento circular uniform
e, de raio igual a 5,0×10–11m, em torno do próton, com período igual a 2×10–15s. Com o mesm
valor da velocidade orbital no átomo, a distância, em quilômetros, que esse elétron per
correria no espaço livre, em linha reta, durante 10 minutos, seria da ordem de: a)
102 b) 103 c) 104 *d) 105 (UERJ-2009.1) - ALTERNATIVA: C Os gráficos 1 e 2 repres
entam a posição S de dois corpos em função do tempo t.
(UERJ-2009.1) - ALTERNATIVA: C Os gráficos I e II representam as posições S de dois co
rpos em função do tempo t.
No gráfico I, a função horária é definida pela equação S = a1.t2 + b1.t e, no gráfico II, p
= a2.t2 + b2.t. Admita que V1 e V2 são, respectivamente, os vértices das curvas traçad
as nos gráficos I e II. Assim, a razão No gráfico 1, a função horária é definida pela equaç
1 b) 2 *c) 4 d) 8 (UNISA-2009.1) - ALTERNATIVA: A Um corpo é lançado verticalmente
para cima com velocidade inicial v0. Considerando a orientação da trajetória de baixo
para cima, os sinais a serem considerados para a velocidade inicial v0 e a acele
ração da gravidade g serão, respectivamente: *a) positiva e negativa; b) positiva e po
sitiva; c) negativa e positiva; d) negativa e negativa; e) faltam informações para d
efinir os sinais. (UFABC-2009.1) - ALTERNATIVA: C Em certa ocasião, enquanto regav
a um jardim, um jardineiro percebeu que, colocando a saída de água da mangueira quas
e na posição vertical e junto ao solo, se ele variasse a inclinação com a qual a água saía,
ela atingia posições diferentes, mas nunca ultrapassava a distância horizontal de 9,8
m do ponto de partida. Com essa informação, adotando g = 10 m/s2, desprezando a resi
stência do ar e sabendo que a água sai da mangueira com velocidade escalar constante
, pode-se concluir que essa velocidade vale, aproximadamente, em m/s, a) 14. b)
12. *c) 10. d) 8. e) 6. é igual a:
Assim, a equação que define o movimento representado pelo gráfico 2 corresponde a: a)
b) *c) d) (UERJ-2009.1) - ALTERNATIVA: A Ao se deslocar do Rio de Janeiro a Port
o Alegre, um avião percorre essa distância com velocidade média v no primeiro do
trajeto e 2v no trecho restante. A velocidade média do avião no percurso total foi i
gual a: *a)
b)
c)
d)
japizzirani@gmail.com
2
(UERJ-2009.1) - ALTERNATIVA: A Um avião sobrevoa, com velocidade constante, uma área
devastada, no sentido sul-norte, em relação a um determinado observador. A figura a
seguir ilustra como esse observador, em repouso, no solo, vê o avião.
(FGVRJ-2009.1) - ALTERNATIVA: C A figura mostra os gráficos da velocidade em função do
tempo de dois rapazes, João e Pedro, durante uma corrida.
Quatro pequenas caixas idênticas de remédios são largadas de um compartimento da base
do avião, uma a uma, a pequenos intervalos regulares. Nessas circunstâncias, os efei
tos do ar praticamente não interferem no movimento das caixas. O observador tira u
ma fotografia, logo após o início da queda da quarta caixa e antes de a primeira ati
ngir o solo. A ilustração mais adequada dessa fotografia é apresentada em:
*a)
b)
c)
Sobre essa corrida foram feitas três afirmações: I. Entre os instantes t = 0 e t = 2s,
os dois rapazes têm a mesma aceleração. II. No instante t = 14s, os dois rapazes estão
empatados na corrida. III. João venceu a corrida. Com base na análise do gráfico, assi
nale a alternativa que contém a(s) afirmação(ões) verdadeira(s). a) Apenas I. b) Apenas
II. *c) Apenas III. d) II e III. e) I, II e III. (VUNESP/UNISA-2009.1) - ALTERNA
TIVA: E Em um local em que as forças de resistência do ar podem ser desprezadas e a
aceleração da gravidade tem intensidade g = 10 m/s2, uma pequena esfera foi abandona
da a partir do repouso, de uma altura h em relação ao solo. Sabendo-se que durante o
último segundo de seu movimento de queda a esfera percorreu uma distância de 35 m, é
possível afirmar que a velocidade, em m/s, com que ela chegou ao solo foi de a) 10
. d) 35. b) 20. *e) 40. c) 25.
d)
(UFABC-2009.1) - ALTERNATIVA: A A instalação de turbinas eólicas é conveniente em locais
cuja velocidade média anual dos ventos seja superior a 3,6 m/s. O movimento do ar
em um parque eólico foi monitorado observando o deslocamento de partículas suspensa
s durante intervalos de tempos de duração irregular. DESLOCAMENTOS (m) INTERVALOS DE
TEMPO (s) - 175 35 - 90 18 - 135 27 A partir de uma trajetória de origem convenie
ntemente definida e supondo que o ar se movimente com aceleração nula, das funções apres
entadas, aquela que pode ser associada ao deslocamento do ar nessa região é *a) s =
20 - 5 . t b) s = - 5 + 15 . t c) s = 10 - 25 . t d) s = - 20 + 5 . t e) s = 15
- 30 . t
(PUCRIO-2009.1) - ALTERNATIVA: E Um pacote do correio é deixado cair de um avião que
voa horizontalmente com velocidade constante. Podemos afirmar que (desprezando
a resistência do ar): a) um observador no avião e um observador em repouso no solo vêe
m apenas o movimento vertical do objeto. b) um observador no avião e um observador
em repouso no solo vêem apenas o movimento horizontal do objeto. c) um observador
no solo vê apenas um movimento vertical do objeto, enquanto um observador no avião
vê o movimento horizontal e vertical. d) um observador no solo vê apenas um moviment
o horizontal do objeto, enquanto um observador no avião vê apenas um movimento verti
cal. *e) um observador no solo vê um movimento horizontal e vertical do objeto, en
quanto um observador no avião vê apenas um movimento vertical.
japizzirani@gmail.com
3
(PUCRIO-2009.1) - ALTERNATIVA: D Uma bola é lançada verticalmente para cima. Podemos
dizer que no ponto mais alto de sua trajetória: a) a velocidade da bola é máxima, e a
aceleração da bola é vertical e para baixo. b) a velocidade da bola é máxima, e a aceleraç
da bola é vertical e para cima. c) a velocidade da bola é mínima, e a aceleração da bola é
ula. *d) a velocidade da bola é mínima, e a aceleração da bola é vertical e para baixo. e)
a velocidade da bola é mínima, e a aceleração da bola é vertical e para cima. (PUCRIO-200
9.1) - ALTERNATIVA: D Um objeto é lançado verticalmente para cima de uma base com ve
locidade v = 30 m/s. Considerando a aceleração da gravidade g = 10 m/s2 e desprezand
o-se a resistência do ar, determine o tempo que o objeto leva para voltar à base da
qual foi lançado. a) 3 s *d) 6 s b) 4 s e) 7 s c) 5 s (PUCRIO-2009.1) - ALTERNATIV
A: A Uma família viaja de carro com velocidade constante de 100 km/ h, durante 2 h
. Após parar em um posto de gasolina por 30 min, continua sua viagem por mais 1h 3
0 min com velocidade constante de 80 km/h. A velocidade média do carro durante tod
a a viagem foi de: *a) 80 km/h. b) 100 km/h. c) 120 km/h. d) 140 km/h. e) 150 km
/h. (PUCRIO-2009.1) - ALTERNATIVA: A O ponteiro dos minutos de um relógio tem 1 cm
. Supondo que o movimento deste ponteiro é contínuo e que = 3, a velocidade de trans
lação na extremidade deste ponteiro é: *a) 0,1 cm/min. b) 0,2 cm/min. c) 0,3 cm/min. d
) 0,4 cm/min. e) 0,5 cm/min. (PUCRIO-2009.1) - ALTERNATIVA: C O movimento de um
objeto pode ser descrito pelo gráfico velocidade versus tempo, apresentado na figu
ra abaixo.
(PUCRIO-2009.1) - ALTERNATIVA: D Um objeto é lançado verticalmente para cima, de uma
base, com velocidade v = 30 m/s. Indique a distância total percorrida pelo objeto
desde sua saída da base até seu retorno, considerando a aceleração da gravidade g = 10
m/s2 e desprezando a resistência do ar. a) 30 m. *d) 90 m. b) 55 m. e) 100 m. c) 7
0 m. (PUCRIO-2009.1) - ALTERNATIVA: C Um satélite geoestacionário encontra-se sempre
posicionado sobre o mesmo ponto em relação à Terra. Sabendo-se que o raio da órbita des
te satélite é de 36 × 103 km e considerando-se = 3, podemos dizer que sua velocidade é:
a) 0,5 km/s. d) 3,5 km/s. b) 1,5 km/s. e) 4,5 km/s. *c) 2,5 km/s. (UFG/GO-2009.1
) - RESPOSTA: a) 4 meses b) 120o Sabe-se que a razão entre o período da Terra (TT) e
o de Mercúrio (TM), em torno do Sol, é da ordem de 4. Considere que os planetas Ter
ra e Mercúrio estão em órbitas circulares em torno do Sol, em um mesmo plano. Nessas c
ondições, a) qual é, em meses, o tempo mínimo entre dois alinhamentos consecutivos dos d
ois planetas com o Sol? b) Qual é, em graus, o ângulo que a Terra terá percorrido ness
e intervalo de tempo? (PUCPR-2009.1) - ALTERNATIVA: C O sistema rodoviário ainda é o
principal transportador de cargas agrícolas. Na maioria das vezes, é a única alternat
iva para movimentação desse tipo de produto, devido à escassez de hidrovias e ferrovia
s que liguem grandes distâncias e, ao mesmo tempo, situem-se perto das fazendas, c
om ramais e estações de embarque e descarga. O transporte de cargas agrícolas através da
navegação costeira (cabotagem) tem-se mostrado eficaz para a movimentação de grandes vo
lumes. No entanto, a utilização da cabotagem como alternativa a outros tipos de tran
sporte enfrenta problemas com a falta de navios e a inexistência de serviços com esc
alas regulares. Além disso, o Brasil possui 42 mil quilômetros de hidrovia, mas apen
as 10 mil quilômetros são efetivamente utilizados. A ineficiência no transporte de pro
dutos agrícolas também está presente nas ferrovias que, embora tenham recebido investi
mento com a privatização, ainda estão longe de suprir a demanda do setor do agronegócio.
Além da ampliação da malha, é urgente a modernização do maquinário. Com os trens e bitolas
uais, a velocidade média das composições não ultrapassa lentos 25 km/ h. Analise os iten
s a seguir e marque a alternativa CORRETA: a) Suponha que um caminhão faça um percur
so de 420 km em 6 h então sua velocidade média é 2,5 vezes maior que a velocidade média
dos trens. b) Se uma carga de soja percorrer, através de meio rodoviário, uma distânci
a de 3000 km com velocidade média de 60 km/h pode-se dizer que o percurso será feito
no máximo em dois dias. *c) Se a velocidade dos trens sofresse aumento de 5 km/h
na sua velocidade média, um percurso de 600 km poderia ser realizado em 4 horas a
menos. d) De acordo com estudos, a hidrovia é o transporte mais barato e menos uti
lizado no Brasil. Considerando que a velocidade das águas de um rio é de 15 km/ h e
que um barco está a 25 km/h em relação às águas desse mesmo rio, tem-se que a velocidade d
o barco em relação à terra se, se o barco desce o rio, é de 40m/s. e) Se uma carga de 20
ton de trigo é transportada por um caminhão por 10 h, com velocidade média de 50km/h,
e se o custo de transporte rodoviário é de R$ 0, 40 ton/km, o valor de transporte é d
e R$ 500,00.
Podemos afirmar que: a) a aceleração do objeto é 2,0 m/s2, e a distância percorrida em 5
,0 s é 10,0 m. b) a aceleração do objeto é 4,0 m/s2, e a distância percorrida em 5,0 s é 20
0 m. *c) a aceleração do objeto é 2,0 m/s2, e a distância percorrida em 5,0 s é 25,0 m. d)
a aceleração do objeto é 2,0 m/s2, e a distância percorrida em 5,0 s é 10,0 m. e) a acele
ração do objeto é 2,0 m/s2, e a distância percorrida em 5,0 s é 20,0 m.
japizzirani@gmail.com
4
(UNICENTRO/PR-2009.1) - ALTERNATIVA: A Um cachorro caminha, durante 200s, com ve
locidade constante de 3,0m/s no sentido de Sul para Norte, e, depois corre, dura
nte 100s, com velocidade constante de 8,0m/s no sentido de Leste para Oeste. A v
elocidade vetorial média do cachorro neste intervalo de tempo foi de *a) 3,3m/s b)
33m/s c) 5,5m/s d) 4,7m/s e) 11m/s (UFRJ-2009.1) - RESPOSTA: 32 × 106 voltas No d
ia 10 de setembro de 2008, foi inaugurado o mais potente acelerador de partículas
já construído. O acelerador tem um anel, considerado nesta questão como circular, de 2
7 km de comprimento, no qual prótons são postos a girar em movimento uniforme. Fig 2
2009 CIN
(VUNESP/UNINOVE-2009.1) - ALTERNATIVA: D Ao se aproximar de uma curva numa estra
da, um motorista, que imprimia a seu veículo a velocidade máxima, diminui uniformeme
nte a velocidade até um valor tal que lhe permita percorrê-la com segurança em movimen
to uniforme. Ao final da curva, ele acelera uniformemente até atingir a velocidade
máxima novamente, prosseguindo sua viagem. O gráfico da velocidade, em função do tempo,
que melhor representa a seqüência de procedimentos realizados pelo motorista é o da a
lternativa:
a)
b)
c)
Supondo que um dos prótons se mova em uma circunferência de 27 km de comprimento, co
m velocidade de módulo v = 240.000km/ s, calcule o número de voltas que esse próton dá n
o anel em uma hora.
*d)
(VUNESP/UNINOVE-2009.1) - ALTERNATIVA: A Atletas participam de um treinamento pa
ra uma maratona correndo por alamedas planas e retilíneas de uma cidade, que forma
m quarteirões retangulares. Um determinado atleta percorre 5 km da primeira alamed
a no sentido leste, em 30 min. A seguir, converge à esquerda e corre mais 4 km da
segunda alameda no sentido norte, em 20 min. Por fim, converge novamente à esquerd
a e corre mais 3 km da terceira alameda no sentido oeste, em 10 min. O módulo de s
ua velocidade vetorial média vale, aproximadamente, *a) 4,5 km/h. b) 5,1 km/h. c)
12 km/h. d) 8,5 m/min. e) 20,0 m/min. (VUNESP/UNINOVE-2009.1) - ALTERNATIVA: C U
m garoto, deslizando em seu “skate”, descreve um movimento retilíneo uniformemente var
iado cujo gráfico horário da posição, em função do tempo, está representado na figura. A co
spondente função horária é dada por a) S = 4 – 16.t – 4.t2. b) S = 4 + 16.t + 8.t2. *c) S =
20 – 16.t + 4.t2. d) S = 20 + 16.t – 4.t2. e) S = 20 + 16.t + 8.t2.
e)
(VUNESP/UNIVONE-2009.1) - ALTERNATIVA: C As rodas de um automóvel têm diâmetro de 60 c
m. Quando o veículo transita a 36 km/h e suas rodas não derrapam sobre o piso, a fre
qüência com que elas giram é, em Hz, de, aproximadamente, a) 16,7. b) 10,6. *c) 5,3. d
) 2,7. e) 1,4. (VUNESP/UNINOVE-2009.1) - ALTERNATIVA: A Num teste de balística, um
projétil foi lançado do solo sob um ângulo (sen = 0,6 e cos = 0,8) retornando ao solo
em 6,0 s. Considerando desprezível a resistência do ar e a aceleração da gravidade com
o valor 10 m/s2, a velocidade de lançamento do projétil, em m/s, e o respectivo alca
nce, em m, foram *a) 50 e 240. b) 50 e 120. c) 40 e 240. d) 40 e 120. e) 30 e 24
0.
japizzirani@gmail.com
5
(VUNESP/UNICID-2009.1) - ALTERNATIVA: A Dois jogadores de futebol A e B seguem p
aralelamente com a mesma velocidade constante em relação ao campo ( ), em que a linh
a reta entre os jogadores forma o ângulo com o sentido de movimento. Em dado insta
nte, o jogador A passa a bola para o jogador B, lançada horizontalmente e sem toca
r o gramado.
(UFF/RJ-2009.1) - ALTERNATIVA: E Na prova de lançamento de martelo nas Olimpíadas, o
atleta coloca o martelo a girar e o solta quando atinge a maior velocidade que
ele lhe consegue imprimir. Para modelar este fenômeno, suponha que o martelo execu
te uma trajetória circular num plano horizontal. A figura abaixo representa esquem
aticamente esta trajetória enquanto o atleta o acelera, e o ponto A é aquele no qual
o martelo é solto.
Desprezando os efeitos do ar, é correto afirmar que, para a bola chegar até o jogado
r B, o ângulo de lançamento da bola, em relação ao sentido de movimento do jogador A, de
pende apenas *a) do valor de . b) do módulo da velocidade da bola. c) do módulo da v
elocidade dos jogadores. d) do valor de e do módulo da velocidade da bola. e) do mód
ulo da velocidade da bola e do módulo da velocidade dos jogadores. (VUNESP/UNICID-
2009.1) - ALTERNATIVA: B Na tentativa de reproduzir uma cena em movimento, com u
m projetor de slides, um professor de Física uniu o porta-slides do projetor (raio
10 cm e capacidade para 16 slides) com a roldana de um motor elétrico (raio 1cm),
por meio de uma correia. Supondo que a correia não derrape, para projetar em 1 se
gundo os 16 slides, é necessário que o motor tenha a rotação, em r.p.m., de a) 500. *b)
600. c) 700. d) 800. e) 900. (UFPR-2009.1) - ALTERNATIVA: A A figura abaixo most
ra um modelo de uma catapulta no instante em que o seu braço trava e o objeto que
ele carrega e arremessado, isto é, esse objeto se solta da catapulta (a figura é mer
amente ilustrativa e não esta desenhada em escala). No instante do lançamento, o obj
eto está a uma altura de 1,0 m acima do solo e sua velocidade inicial V0 forma um ân
gulo de 45O em relação a horizontal. Suponha que a resistência do ar e os efeitos do v
ento sejam desprezíveis. Considere a aceleração da gravidade como sendo de 10 m/s2. No
lancamento, o objeto foi arremessado a uma distância de 19 m, medidos sobre o sol
o a partir do ponto em que foi solto. Assinale a alternativa que contém a estimati
va correta para o módulo da velocidade inicial do objeto. Fig 8 2009 CIN
Assinale a opção que representa corretamente a trajetória do martelo, vista de cima, a
pós ser solto.
a)
d)
b)
*e)
c)
(FUVEST-2009.1) - ALTERNATIVA: D Marta e Pedro combinaram encontrar-se em um cer
to ponto de uma auto-estrada plana, para seguirem viagem juntos. Marta, ao passa
r pelo marco zero da estrada, constatou que, mantendo uma velocidade média de 80 k
m/h, chegaria na hora certa ao ponto de encontro combinado. No entanto, quando e
la já estava no marco do quilômetro 10, ficou sabendo que Pedro tinha se atrasado e,
só então, estava passando pelo marco zero, pretendendo continuar sua viagem a uma v
elocidade média de 100 km/ h. Mantendo essas velocidades, seria previsível que os do
is amigos se encontrassem próximos a um marco da estrada com indicação de
a)
b)
c)
*d)
e)
*a) Entre 13,4 m/s e 13,6 m/s. b) Entre 12 m/s e 13 m/s. c) Menor que 12 m/s. d)
Entre 13,6 m/s e 13,8 m/s. e) Maior que 13,8 m/s.
(UFPB-2009.1) - ALTERNATIVA: A Na revista Superinteressante, foi publicado um ar
tigo afirmando que um fio de cabelo de uma pessoa cresce a uma taxa de 0,06 cm a
o dia. Sabendo-se que a distância entre duas camadas de átomos desse mesmo fio de ca
belo é de 1,0 angstrom (10–10 m) aproximadamente, é correto afirmar que o número de cama
das de átomos que surgem, a cada hora, é: *a) 2,5 × 105 c) 3,5 × 106 e) 3,0 × 106 5 4 b) 4
,0 × 10 d) 1,5 × 10
japizzirani@gmail.com
6
(UFPB-2009.1) - ALTERNATIVA: C Dois homens, com auxílio de duas cordas, puxam um b
loco sobre uma superfície horizontal lisa e sem atrito, conforme representação ao lado
.
(UFRJ-2009.1) - RESPOSTA NO FINAL Um móvel parte do repouso e descreve uma trajetóri
a retilínea durante um intervalo de tempo de 50s, com a aceleração indicada no gráfico a
seguir.
a) Faça um gráfico da velocidade do móvel no intervalo de 0 até 50 s. b) Calcule a distânc
ia percorrida pelo móvel nesse intervalo. Considere que os módulos e direções das forças e
xercidas pelos homens são dados por: F1 = 5N e F2 = 10N cos = 0,8 e cos = 0,6 Ness
a situação, é correto afirmar que a equação cartesiana da força resultante no bloco, em new
ons, é: a) -5i + 10 j d) -10i - 5 j b) 10i + 10 j e) 5i + 10 j *c) 10i - 5 j (UFPB
-2009.1) - RESPOSTA: afirmativas corretas: I, II e IV Um jogador de tênis de mesa
arremessa uma bola horizontalmente, com velocidade v0, de uma mesa com altura h.
A uma distância R dessa mesa existe uma chapa metálica fina e rígida com altura h/2,
conforme representado abaixo: RESPOSTA UFRJ-2009 a)
b) 1150 m
(IMT/MAUÁ-2009.1) - RESPOSTA: a) 70,7 km b) 100 km Dois exploradores querem encont
rar o templo perdido em meio a uma floresta, usando o fragmento de um mapa que i
ndica dois caminhos a partir do centro de uma determinada povoação. Cada um decide s
eguir uma rota. O explorador A segue a direção nordeste enquanto o B toma a direção lest
e, caminhando 50 km e, a partir dai, a direção norte até encontrar-se com o primeiro e
xplorador. Determine o comprimento total do percurso feito: a) pelo explorador A
; b) pelo explorador B´ Para facilitar seus cálculos, esboce um diagrama com as rota
s seguidas pelos exploradores. (UFTM-2009.1) - ALTERNATIVA: B Um corpo em movime
nto obedecia à função horária s = 20 + 2.t quando teve uma brusca mudança em seu tipo de m
ovimento. Se o movimento fosse estudado a partir desse ponto de mudança, sua função ho
rária seria dada por s = 32 + 2.t + 3.t2. Admitindo que o corpo não tenha mudado a d
ireção de seu movimento e considerando que, para ambas as situações, o sistema utilizado
para representar as grandezas físicas seria o Sistema Internacional, o instante q
ue corresponde à mudança de estado de movimento do corpo, em s, é a) 4. *b) 6. c) 8. d
) 12. e) 24. (UTFPR-2009.1) - ALTERNATIVA: D Um estudante observa um balão que sob
e verticalmente com velocidade de 18 km/h. Quando o balão encontra-se a 60 m de al
tura, o balonista, acidentalmente, deixa cair um pequeno objeto. Imediatamente,
o estudante passa a calcular o tempo de queda do objeto. Desprezando-se a resistên
cia do ar e considerando-se g = 10 m/ s2, o cálculo correto deve levar a um tempo
de queda de: a) 5,0 s. b) 3,5 s. c) 3,3 s. *d) 4,0 s. e) 10,9 s.
Nesse contexto, desprezando-se as perdas de energia da bola por atrito com o ar,
ou devido a possível impacto com a chapa, identifique as afirmativas corretas: I.
O menor valor que v0 pode ter, para que a bola passe por cima da parede, é R. II.
O tempo que a bola leva para atingir o solo não depende de v0. III. O tempo para
a bola cair a primeira metade da altura é o mesmo para a segunda metade. IV. A com
ponente horizontal da velocidade da bola, antes de atingir o solo, é v0. V. O temp
o de queda da bola, em um planeta cuja aceleração da gravidade seja 2g , será maior qu
e na Terra. (UNIOESTE/PR-2009.1) - ALTERNATIVA: E Em uma pista de testes um auto
móvel, partindo do repouso e com aceleração constante de 3 m/s2, percorre certa distânci
a em 20 s. Para fazer o mesmo trajeto no mesmo intervalo de tempo, porém com acele
ração nula, um segundo automóvel deve desenvolver velocidade de a) 20 m/s b) 25 m/s c)
80 km/h d) 100 km/h *e) 108 km/h
japizzirani@gmail.com
7
(CEFETMG-2009.1) - ALTERNATIVA OFICIAL: D Michael Phelps, o melhor nadador de to
dos os tempos, conquistou o maior número de medalhas de ouro na história dos Jogos O
límpicos, em uma só edição. Em agosto de 2008, ele quebrou o recorde mundial nos 200 m,
em nado borboleta, com um tempo de 1 minuto e 52 segundos. Nesse contexto, é corre
to afirmar que a a) força de empuxo atuando no nadador é nula. b) velocidade média do
nadador foi cerca de 7,82 m/s. c) força resultante atuando no nadador durante a pr
ova foi nula. *d) velocidade média do nadador foi aproximadamente 1,78 m/s. e) ace
leração do nadador durante a prova manteve-se constante. OBS.: Se a piscina não tiver
um comprimento de 200 m, o nadador precisou ir e voltar, portanto, sua velocidad
e média é zero. (CEFETMG-2009.1) - ALTERNATIVA: D Recentemente, o maior acelerador d
e partículas do mundo, o LHC (Grande Colisor de Hádrons) entrou em funcionamento. Se
u túnel possui uma circunferência de raio R = 4,3 km e está localizado na fronteira da
França com a Suíça, como representado na figura. Os prótons acelerados poderão atingir um
a velocidade de, aproximadamente, 99,9% da velocidade da luz (Adote c = 3 × 108 m/
s e = 3,14).
(UTFPR-2009.1) - ALTERNATIVA: C Nos problemas que envolvem o movimento de um cor
po na atmosfera terrestre, a resolução simplificada despreza os efeitos do atrito, l
evando a resultados que, em certos casos, podem ser muito diferentes dos realmen
te observados. Suponha um caso teórico em que um fuzil é disparado junto à superfície te
rrestre, apontando verticalmente para cima, de forma que o projétil suba e desça sob
re a mesma reta, atingindo a altura de +8.000 m. Qual das linhas indicadas no gráf
ico melhor representa o comportamento da sua aceleração durante o movimento?
a)
b)
Considerando as leis da física clássica, afirma-se: I - A aceleração das partículas é nula.
II - A velocidade angular é cerca de 69,7 × 103 rad/s. III - Os prótons são partículas que
não possuem carga. IV - Os prótons movem-se com freqüência de, aproximadamente, 11,1 kH
z. São corretas apenas as afirmativas a) I e II. b) I e IV. c) II e III. *d) II e
IV. e) III e IV. (UTFPR-2009.1) - ALTERNATIVA: B Durante um vôo de Curitiba a Brasíl
ia, o vento dominante sopra no sentido Leste-Oeste, a 60 km/h em relação à Terra. Para
que a viagem em relação à Terra se mantenha no sentido Sul-Norte e à velocidade de 600
km/h, é necessário que a velocidade em relação ao ar, mantida pelo piloto, seja: a) supe
rior a 60 km/h, no sentido Noroeste-Sudeste. *b) superior a 600 km/h, no sentido
Sudoeste-Nordeste. c) inferior a 600 km/h, no sentido Sudeste-Noroeste. d) supe
rior a 60 km/h, no sentido Nordeste-Sudoeste. e) inferior a 600 km/h, no sentido
Noroeste-Sudeste. (UTFPR-2009.1) - ALTERNATIVA: A Um automóvel se desloca durante
30 min a 100 km/h e depois 10 min a 60 km/h. Qual foi sua velocidade média neste
percurso? *a) 90 km/h b) 80 km/h c) 106 km/h d) 110 km/h e) 120 km/h
*c)
d)
e)
japizzirani@gmail.com
8
(UFG/GO-2009.1) - RESPOSTA: a) 10 m/s b) 7,11 m O Comitê Olímpico se preocupa com al
guns fatores aparentemente “irrelevantes” na realização das provas, como a velocidade do
vento, o tempo chuvoso, a altitude, etc., os quais podem influenciar os resulta
dos e recordes mundiais. Por exemplo, na prova de salto em distância, a atleta bra
sileira Maurren Maggi ganhou a medalha de ouro em Pequim com a marca de 7,04 m,
enquanto a medalha de prata foi obtida com a marca de 7,03 m. Tipicamente, o ângul
o de projeção para este tipo de prova varia entre 15o e 25o. Considerando que em Peq
uim o salto de Maurren Maggi foi realizado com um ângulo de 22,5o. a) Qual o módulo
da velocidade da atleta no momento do salto? b) Se este salto fosse realizado em
outro local, cuja aceleração da gravidade fosse 1% menor, qual seria a marca atingi
da por Maurren Maggi? Dados: Considere 1,408 e aceleração da gravidade igual a 10 m/
s2. (FGVSP-2009.1) - ALTERNATIVA: E Comandada com velocidade constante de 0,4 m/
s, a procissão iniciada no ponto indicado da praça Santa Madalena segue com o Santo
sobre o andor por toda a extensão da Av. Vanderli Diagramatelli. Fig 11 2009 CIN
(FGVSP-2009.1) - ALTERNATIVA: Uma grande manivela, quatro engrenagens pequenas d
e 10 dentes e outra de 24 dentes, tudo associado a três cilindros de 8 cm de diâmetr
o, constituem este pequeno moedor manual de cana. Fig 12 2009 CIN
Fig 13 2009 CIN
Ao produzir caldo de cana, uma pessoa gira a manivela fazendoa completar uma vol
ta a cada meio minuto. Supondo que a vara de cana colocada entre os cilindros se
ja esmagada sem escorregamento, a velocidade escalar com que a maquina puxa a ca
na para seu interior, em cm/s, e, aproximadamente, Dado: Se necessario use = 3 a
) 0,20. d) 1,25. *b) 0,35. e) 1,50. c) 0,70. (UNEMAT/MT-2009.1) - ALTERNATIVA: C
Um automóvel está em movimento uniformemente variado com aceleração escalar igual a –5 m/
s2, e sua velocidade escalar varia no tempo, de acordo com a tabela abaixo: T(s)
0 V(m/s) 10 1 5 2 0 3 –5 4 –10 5 –15 6 –20
Para garantir a segurança dos devotos, a companhia de trânsito somente liberará o trânsi
to de uma via adjacente, assim que a última pessoa que segue pela procissão atravess
e completamente a via em questão. Dados: A Av. Vanderli Diagramatelli se estende p
or mais de oito quarteirões e, devido à distribuição uniforme dos devotos sobre ela, o c
omprimento total da procissão é sempre 240 m. Todos os quarteirões são quadrados e têm área
de 10 000 m2. A largura de todas as ruas que atravessam a Av. Vanderli Diagrama
telli é de 10 m. Do momento em que a procissão teve seu início até o instante em que será
liberado o trânsito pela Av. Geralda Boapessoa, decorrerá um intervalo de tempo, em
minutos, igual a a) 6. b) 8. c) 10. d) 12. *e) 15.
Analise as afirmativas abaixo. I. A velocidade escalar inicial do automóvel é 10 m/s
. II. No instante de 2s, o automóvel pára e começa a mudar o sentido do seu movimento.
III. No intervalo de tempo entre 0 a 2s, o movimento do automóvel é retardado e pro
gressivo. IV. No intervalo de tempo entre 2 e 6s, o movimento do automóvel é acelera
do e retrógrado. Assinale a alternativa correta. a) Somente I e III são verdadeiras.
b) II e IV são falsas. *c) I, II, III e IV são verdadeiras. d) Somente I é verdadeira
. e) III e IV são falsas. (UEM/PR-2009.1) - RESPOSTA: SOMA = 29 (01+04+08+16) Duas
polias, A e B, de raios R1 = 10 cm e R2 = 20 cm, giram acopladas por uma correi
a de massa desprezível que não desliza, e a polia A gira com uma freqüência de rotação de 2
rpm. Assinale a(s) alternativa(s) correta(s). 01) A velocidade de qualquer pont
o P da correia é aproximadamente 0,21 m/s. 02) A freqüência angular de rotação da polia B é
2,0 rad/s. 04) A razão entre as freqüências de rotação das polias A e B é 2. 08) O período
rotação da polia A é 3,0 s. 16) A aceleração centrípeta experimentada por uma partícula de
sa m, colocada na extremidade da polia A (borda mais externa), é maior do que se a
mesma partícula fosse colocada na extremidade da polia B.
japizzirani@gmail.com
9
(UEM/PR-2009.1) - RESPOSTA: SOMA = 20 (04+16) Um corpo de massa 10,0 kg inicia s
eu movimento a partir do repouso e, após 10,0 s, sua velocidade é 20,0 m/s. Assinale
a(s) alternativa(s) correta(s). 01) Se o corpo realiza um movimento retilíneo uni
forme, sua velocidade é constante e igual a 20,0 m/s. 02) Se o corpo realiza um mo
vimento retilíneo uniformemente variado, sua aceleração é constante e igual a 1,0 m/s2.
04) Se o corpo realiza um movimento retilíneo uniformemente variado até o instante t
= 10,0 s, ele percorreu 100,0 m. 08) Se o corpo realiza um movimento retilíneo un
iformemente variado até o instante t = 5,0 s, sua velocidade atinge 15,0 m/s. 16)
Os gráficos abaixo descrevem, qualitativamente, o movimento do corpo, quando esse
realiza um movimento uniformemente variado.
(UFABC-2009.1) - RESPOSTA: d = 0,45 m Na natureza, muitos animais conseguem guia
r-se e até mesmo caçar com eficiência, devido à grande sensibilidade que apresentam para
a detecção de ondas, tanto eletromagnéticas quanto mecânicas. O escorpião é um desses anim
is. O movimento de um besouro próximo a ele gera tanto pulsos mecânicos longitudinai
s quanto transversais na superfície da areia. Com suas oito patas espalhadas em fo
rma de círculo, o escorpião intercepta primeiro os longitudinais, que são mais rápidos,
e depois os transversais.
A pata que primeiro detectar os pulsos determina a direção onde está o besouro. A segu
ir, o escorpião avalia o intervalo de tempo entre as duas recepções, e determina a dis
tância d entre ele e o besouro. Considere que os pulsos longitudinais se propaguem
com velocidade de 150 m/s, e os transversais com velocidade de 50 m/s. Se o int
ervalo de tempo entre o recebimento dos primeiros pulsos longitudinais e os prim
eiros transversais for de 0,006 s, determine a distância d entre o escorpião e o bes
ouro. (FATECSP-2009.1) - ALTERNATIVA: D César Cielo se tornou o maior nadador bras
ileiro na história dos Jogos Olímpicos ao conquistar a medalha de ouro na prova dos
50 m livres. Primeiro ouro da natação brasileira em Jogos Olímpicos, Cielo quebrou o r
ecorde olímpico com o tempo de 21s30’’, ficando a apenas dois centésimos de segundo do r
ecorde mundial conquistado pelo australiano Eamon Sullivan num tempo igual a a)
19s28’’. b) 19s30’’. c) 21s10’’. *d) 21s28’’. e) 21s32’’. (MACKENZIE-2009.1) - ALTERNATIVA:
po é abandonado do repouso de uma certa altura e cai, em queda livre (g = 10 m/s2)
, por 4 s. Após esses 4s, o corpo adquire velocidade constante e chega ao solo em
3 s. A altura da qual esse corpo foi abandonado era de a) 80 m b) 120 m c) 180 m
*d) 200 m e) 220 m (PUCMINAS-2009.1) - ALTERNATIVA: D Um arqueiro atira uma fle
cha, que percorre uma trajetória parabólica vertical até atingir o alvo. No ponto mais
alto da trajetória da flecha, a) a velocidade e a aceleração são nulas. b) a aceleração é
a. c) o vetor velocidade e o vetor aceleração são horizontais. *d) a componente vertic
al da velocidade é nula.
(UEM/PR-2009.1) - RESPOSTA: SOMA = 06 (02+04) Veja OBS. no final Um projétil é lançado
horizontalmente do alto de um rochedo de 490,0 m de altura, com uma velocidade
inicial de 30,0 m/s. Considere g = 9,8 m/s2 e assinale o que for correto. 01) O
projétil alcança o solo a uma distância horizontal de 580,0 m de seu ponto de lançamento
. 02) No eixo x, o objeto descreve um movimento retilíneo uniforme, com a = 0,0 m/
s2, e, no eixo y, um movimento retilíneo uniformemente variado, com uma aceleração de
9,8 m/s2, na direção vertical e no sentido de cima para baixo. 04) Em t = 5,0 s, o o
bjeto encontra-se nas coordenadas x = 150,0 m e y = 367,5 m. 08) Em t = 5,0 s, o
objeto possui uma velocidade vertical de módulo 30,0 m/s. 16) Após o lançamento, o ob
jeto alcança o solo em t = 30,0 s. OBS.: Precisa ser dado, no enunciado, a origem
e o sentido dos eixos de coordenads x e y. Foi adotado no solo em baixo do ponto
de lançamento.
(UFABC-2009.1) - RESPOSTA: a) 1,0 cm/s b) iguais c) 5,0 cm Um pequeno motor tem,
solidariamente associado a seu eixo, uma engrenagem de 2.10–2 m de raio. O motor
gira com rotação constante de freqüência 5 r.p.m. Uma segunda engrenagem, em contato com
a do motor, gira com período de rotação igual a 0,5 minuto. Nessa situação, determine: a)
a velocidade escalar de um dente da engrenagem do motor; b) a relação entre as velo
cidades escalares de um dente da engrenagem do motor e um dente da segunda engre
nagem; c) o raio da segunda engrenagem. (Se necessário, adote = 3)
japizzirani@gmail.com
10
(UFPR-2009.1) -RESPOSTA: a) 12×104 voltas b) 4 × 103 rad/s Em 10 de setembro de 2008
, a Organização Européia para Pesquisa Nuclear (sigla internacional CERN) ligou pela p
rimeira vez o acelerador de partículas Grande Colisor de Hádrons (LHC, em inglês), máqui
na com a qual se espera descobrir partículas elementares que comprovarão ou não o mode
lo atual das partículas nucleares. O colisor foi construído em um gigantesco túnel cir
cular de 27 km de comprimento, situado sob a fronteira entre a Suíça e a França e a um
a profundidade de 50 a 120 m. Prótons são injetados no tubo circular do LHC e, após al
gum tempo em movimento, atingem velocidades próximas à da luz no vácuo (c). Supondo qu
e após algumas voltas os prótons atinjam a velocidade constante de 0,18c, com base n
as informações acima e desprezando os efeitos relativísticos, determine: (Adote c = 3×10
5 km/s) a) Quantas voltas os prótons dariam ao longo do túnel no intervalo de um min
uto. b) A velocidade angular desses prótons.
(UFU-2009.1) - RESPOSTA: 1V; 2F; 3V; 4V Duas pedras são abandonadas do repouso, am
bas de uma altura de 20 m, porém uma na Terra e outra em Marte. Após 1 s, elas são obs
ervadas nas posições indicadas abaixo.
(UFPR-2009.1) - RESPOSTA: t = Um dos estudos feitos por Galileu trata do movimen
to de corpos em queda livre. Considere um objeto que cai em queda livre de uma a
ltura inicial de n metros, a partir do repouso, num local onde a aceleração da gravi
dade é g. Deduza uma expressão literal para o tempo necessário para esse objeto percor
rer o último metro do seu trajeto. Observe que a expressão deve ser dada em termos d
e n e g somente.
(UFMG-2009.1) - ALTERNATIVA: A Numa corrida, Rubens Barrichelo segue atrás de Feli
pe Massa, em um trecho da pista reto e plano. Inicialmente, os dois carros movem
-se com velocidade constante, de mesmos módulo, direção e sentido. No instante t1, Fel
ipe aumenta a velocidade de seu carro com aceleração constante; e, no instante t2, B
arrichelo também aumenta a velocidade do seu carro com a mesma aceleração. Considerand
o essas informações, assinale a alternativa cujo gráfico melhor descreve o módulo da vel
ocidade relativa entre os dois veículos, em função do tempo.
Considerando gterra = 10 m/s2 e gmarte = gterra 3, marque para as alternativas a
baixo (V) Verdadeira ou (F) Falsa. 1 ( ) O planeta A corresponde à Terra e o plane
ta B corresponde a Marte. 2 ( ) O módulo da velocidade da partícula em Marte, 3 s após
ser abandonada, é 30 m/s. 3 ( ) A pedra que é abandonada na Terra percorreu uma dis
tância de 20 m, após 2 s de queda. 4 ( ) Para que a pedra abandonada em Marte adquir
a uma mesma velocidade da abandonada na Terra, a pedra em Marte deve percorrer u
ma distância três vezes maior que a distância percorrida pela pedra na Terra.
*a)
b)
(UFU-2009.1) - RESPOSTA: 1V; 2F; 3F; 4V Em 10 de setembro de 2008, foi inaugurad
o na Europa o maior acelerador de partículas (LHC), que é capaz de acelerar prótons, e
m um anel de raio 4,5 km, até uma velocidade próxima da luz. Assuma que o movimento
do próton seja descrito pela mecânica newtoniana e que possua a velocidade da luz (3
× 10 8 m/s). Considerando = 3, marque para as alternativas abaixo (V) Verdadeira
ou (F) Falsa. 1 ( ) O próton gastará um tempo menor que 10–4 s para dar uma volta comp
leta no anel. 2 ( ) A freqüência de rotação do próton no interior do anel será 105 rotações
segundo. 3 ( ) A velocidade angular do próton será 105 rad/s. 4 ( ) O período de rotação d
o próton será 9 × 10–5 s.
c)
d)
(UERJ-2009.1) - RESPOSTA: d = 100 m Um avião, em trajetória retilínea paralela à superfíci
e horizontal do solo, sobrevoa uma região com velocidade constante igual a 360 km/
h. Três pequenas caixas são largadas, com velocidade inicial nula, de um compartimen
to na base do avião, uma a uma, a intervalos regulares iguais a 1 segundo. Desprez
ando-se os efeitos do ar no movimento de queda das caixas, determine as distâncias
entre os respectivos pontos de impacto das caixas no solo.
(UERJ-2009.1) - RESPOSTA: D/H = 4 /3 2,31 Em uma região plana, um projétil é lançado do
solo para cima, com velocidade de 400m/s, em uma direção que faz 60° com a horizontal.
Calcule a razão entre a distância do ponto de lançamento até o ponto no qual o projétil a
tinge novamente o solo e a altura máxima por ele alcançada. Considere g = 10 m/s2.
(UERJ-2009.1) - RESPOSTA: t = 8,0 s Dois móveis, A e B, percorrem uma pista circul
ar em movimento uniforme. Os dois móveis partiram do mesmo ponto e no mesmo sentid
o com as velocidades de 1,5 rad/s e 3,0 rad/s, respectivamente; o móvel B, porém, pa
rtiu 4 segundos após o A. Calcule o intervalo de tempo decorrido, após a partida de
A, no qual o móvel B alcançou o móvel A pela primeira vez.
japizzirani@gmail.com
11
(UERJ-2009.1) - RESPOSTA: vM = 10,0 m/s A velocidade de um corpo que se desloca
ao longo de uma reta, em função do tempo, é representada pelo seguinte gráfico:
(UFJF/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: B O gráfico abaixo representa a variação da posição x vers
us o tempo t de dois automóveis A e B, registrados por sensores que transferiram o
s dados para um computador. Interpretando o gráfico, pode-se afirmar com segurança q
ue:
Calcule a velocidade média desse corpo no intervalo entre 0 e 30 segundos. (UFSCar
-2009.1) - ALTERNATIVA: B Um navio é responsável por verificar a energia mareomotriz
de determinada região da costa. Na coleta de informações, o timoneiro traça uma rota ru
mo ao continente. Algum tempo depois, na cabine do capitão, um alarme alerta para
as leituras feitas automaticamente pelo sonar, que mostram a rápida diminuição da prof
undidade do leito oceânico. PROFUNDIDADE (m) 17 INSTANTE (s) 0 15 15 13 30 11 45
a) no instante t1, os dois automóveis têm a mesma velocidade. *b) no instante t2, o
automóvel B tem velocidade maior que o automóvel A. c) o automóvel A tem velocidade ma
ior que o automóvel B em todo o intervalo entre os instantes t1 e t2. d) no instan
te t2, o automóvel A ultrapassa o automóvel B. e) no instante t1, o automóvel A está um
pouco à frente do automóvel B.
Supondo que a inclinação do leito oceânico seja constante e sabendo que a quilha da em
barcação está 3 m abaixo da linha d’água, se nenhuma atitude for imediatamente tomada, o e
ncalhe irá ocorrer entre os instantes a) 1,0 minuto e 1,5 minutos. *b) 1,5 minutos
e 2,0 minutos. c) 2,0 minutos e 2,5 minutos. d) 2,5 minutos e 3,0 minutos. e) 3
,0 minutos e 3,5 minutos. (UFSCar-2009.1) - ALTERNATIVA: D O movimento de três cor
pos sobre a mesma trajetória reta tem as seguintes características: • Corpo X: realiza
um movimento progressivo, sendo que sua posição inicial era positiva. • Corpo Y: real
iza um movimento retrógrado, sendo que sua posição inicial era negativa. • Corpo Z: real
iza um movimento progressivo, tendo como posição inicial a da origem da trajetória. De
acordo com as características apresentadas, é correto afirmar que a) X e Y certamen
te se encontrarão, independentemente dos módulos das suas velocidades. b) Y e Z cert
amente se encontrarão, independentemente dos módulos das suas velocidades. c) X e Z
certamente se encontrarão, independentemente dos módulos das suas velocidades. *d) X
somente encontrará Z se o módulo da sua velocidade for menor que o módulo da velocida
de de Z. e) Y somente encontrará Z se o módulo da sua velocidade for maior que o módul
o da velocidade de Z. (UFJF-2009.1) - ALTERNATIVA: B Um carro vai de Juiz de For
a a Belo Horizonte. No caminho, após percorrer os primeiros 120 km até Barbacena em
uma hora e meia, ele pára por 30 minutos. Segue, então, até Belo Horizonte, demorando
mais 2 horas, numa velocidade média de 80 km/h. A velocidade média no percurso total
do carro foi: a) 60 km/h d) 90 km/h *b) 70 km/h e) 120 km/h c) 80 km/h
(VUNESP/FAMECA-2009.1) - ALTERNATIVA: B Um veículo arranca do repouso e percorre u
ma distância d em movimento retilíneo uniformemente variado e horizontal. Se partir
do repouso e percorrer a mesma distância d, descrevendo um movimento uniformemente
variado com aceleração duas vezes maior, o tempo gasto para percorrê-la será reduzido e
m, aproximadamente, a) 25%. *b) 30%. c) 45%. d) 50%. e) 70%.
(VUNESP/FAMECA-2009.1) - RESPOSTA: a) v1 / v2 = R1 / R2 b) a1 / a2 = 4R1 / R2 Co
nsidere dois móveis, 1 e 2, descrevendo movimentos uniformes nas pistas circulares
de raios R1 e R2, respectivamente.
Determine a relação a) v1 / v2 entre as velocidades lineares dos móveis 1 e 2, sabendo
que gastam o mesmo tempo para completar uma volta; b) a1 / a2 entre as acelerações
dos móveis 1 e 2, sabendo que agora, enquanto o móvel 1 efetua duas voltas completas
, o móvel 2 completa apenas uma volta.
japizzirani@gmail.com
12
(UNESP-2009.1) - ALTERNATIVA: B Admita que em um trator semelhante ao da foto a
relação entre o raio dos pneus de trás (rT) e o raio dos pneus da frente (rF) é rT = 1,5—r
F. Fig 23 2009 CIN
(ITA-2009.1) - ALTERNATIVA: C Considere hipoteticamente duas bolas lançadas de um
mesmo lugar ao mesmo tempo: a bola 1, com velocidade para cima de 30 m/s, e a bo
la 2, com velocidade de 50 m/s formando um ângulo de 30° com a horizontal. Con sider
ando g = 10 m/s2, assinale a distância entre as bolas no instante em que a primeir
a alcança sua máxima altura. a) d) b) e) *c)
(www.greenhorse.com.br/site/pops/204.html)
Chamando de vT e vF os módulos das velocidades de pontos desses pneus em contato c
om o solo e de fT e fF as suas respectivas freqüências de rotação, pode-se afirmar que,
quando esse trator se movimenta, sem derrapar, são válidas as relações: a) vT = vF e fT
= fF. *b) vT = vF e 1,5—fT = fF. c) vT = vF e fT = 1,5—fF. d) vT = 1,5—vF e fT = fF. e
) 1,5—vT = vF e fT = fF. (UNESP-2009.1) - RESPOSTA: hMÍN 18 m e hMÁX 22 m O buriti é uma
palmeira alta, comum no Brasil central e no sul da planície amazônica. Para avaliar
a altura de uma dessas palmeiras, um pesquisador provoca a queda de alguns de s
eus frutos e cronometra o tempo em que ela ocorre, obtendo valores compreendidos
entre 1,9 s e 2,1 s. Desprezando a resistência do ar exercida sobre os frutos em
queda, determine as alturas máxima e mínima de onde eles caíram. Adote g = 10 m/s2. (I
TA-2009.1) - ALTERNATIVA: B Um barco leva 10 horas para subir e 4 horas para des
cer um mesmo trecho do rio Amazonas, mantendo constante o módulo de sua velocidade
em relação à água. Quanto tempo o barco leva para descer esse trecho com os motores des
ligados? a) 14 horas e 30 minutos *b) 13 horas e 20 minutos c) 7 horas e 20 minu
tos d) 10 horas e) Não é possível resolver porque não foi dada a distância percorrida pelo
barco. (ITA-2009.1) - ALTERNATIVA: A Na figura, um ciclista percorre o trecho A
B com velocidade escalar média de 22,5 km/h e, em seguida, o trecho BC de 3,00 km
de extensão. No retorno, ao passar em B, verifica ser de 20,0 km/h sua velocidade
escalar média no percurso então percorrido, ABCB. Finalmente, ele chega em A perfaze
ndo todo o percurso de ida e volta em 1,00 h, com velocidade escalar média de 24,0
km/h. Assinale o módulo v do vetor velocidade média referente ao percurso ABCB.
(ITA-2009) - ALTERNATIVA: B (RESOLUÇÃO NO FINAL) Dentro de um elevador em queda livr
e num campo gravitacional g, uma bola é jogada para baixo com velocidade v de uma
altura h. Assinale o tempo previsto para a bola atingir o piso do elevador. a) t
= v/g d) t = ( – v)/g *b) t = h/v e) t = ( – v)/g c) t = (RESOLUÇÃO: ITA-2009.1 Supondo
-se que “para baixo” signifique verticalmente para baixo e levando-se em conta que p
ara o elevador em queda livre a gravidade aparente em seu interior é nula, o movim
ento da bola em relação ao elevador é retilíneo e uniforme. (UNIFESP-2009.1) - ALTERNATI
VA: A Um avião a jato, para transporte de passageiros, precisa atingir a velocidad
e de 252 km/h para decolar em uma pista plana e reta. Para uma decolagem segura,
o avião, partindo do repouso, deve percorrer uma distância máxima de 1 960 m até atingi
r aquela velocidade. Para tanto, os propulsores devem imprimir ao avião uma aceler
ação mínima e constante de *a) 1,25 m/s2. b) 1,40 m/s2. c) 1,50 m/s2. d) 1,75 m/s2. e)
2,00 m/s2. (FEI/SP-2009.1) - ALTERNATIVA: C Uma usina termoelétrica emite uma cer
ta quantidade de gás carbônico por hora funcionando de acordo com o gráfico abaixo. Co
m a nova lei ambiental promulgada pela prefeitura da cidade, cada fábrica ou usina
só pode emitir no máximo 11,4 toneladas por dia. Para atender à nova lei, quanto temp
o a usina pode funcionar por dia? a) 10 h b) 12 h *c) 14 h d) 16 h e) 18 h
*a) v = 12,0 km/h b) v = 12,00 km/h c) v = 20,0 km/h
d) v = 20,00 km/h e) v = 36,0 km/h
(FEI/SP-2009.1) - ALTERNATIVA: A Um automóvel está parado em um semáforo. Quando a luz
fica verde o motorista acelera o automóvel a uma taxa constante de 5 m/s2 durante
4,0 s. Em seguida, permanece com velocidade constante durante 40 s. Ao avistar
outro semáforo vermelho, ele freia o carro àquela mesma taxa até parar. Qual é a distância
total percorrida pelo automóvel? *a) 880 m b) 960 m c) 1 210 m d) 160 m e) 720 m
japizzirani@gmail.com
13
(FEI/SP-2009.1) - ALTERNATIVA: D Uma senhora deixa um vaso cair acidentalmente d
a janela de seu apartamento. O vaso atinge o solo 3 s após iniciar o movimento. Ad
ote g = 10 m/s2. Qual é a altura da janela em relação ao solo? a) 20 m *d) 45 m b) 35
m e) 50 m c) 40 m (FEI/SP-2009.1) - ALTERNATIVA: E Um automóvel inicia uma curva c
om raio de 75 m com velocidade v = 5 m/s, aumentando a sua velocidade a uma taxa
constante. Após 2,5 s sua velocidade é 15 m/s. Qual é a aceleração do automóvel neste mome
to? a) 2,0 m/s2 d) 4,0 m/s2 2 b) 2,5 m/s *e) 5,0 m/s2 2 c) 3,0 m/s
(UFU/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: A As figuras abaixo representam dois pontos A e B
sobre a superfície terrestre, em um mesmo meridiano. O ponto A está no equador e o
ponto B se encontra no hemisfério norte a uma latitude de 60 .
(FEI/SP-2009.1) - ALTERNATIVA: C (RESOLUÇÃO NO FINAL) Um arqueiro deverá acender uma p
ira olímpica com uma flecha, cuja ponta é incandescente. O arqueiro deverá disparar a
flecha com velocidade v0 formando ângulo com a horizontal, conforme esquema abaixo
. Qual deverá ser o valor mínimo de v 0 min para que ele consiga acender a pira? Des
prezar a resistência do ar. Dados: d = 80 m D=8m h = 55 m sen = 0,910 cos = 0,415
g = 10 m/s2 a) v0 min = 40,4 m/s b) v0 min = 35,2 m/s *c) v0 min = 39,3 m/s d) v
0 min = 41,2 m/s e) v0 min = 38,9 m/s
Sabendo que a Terra gira com velocidade angular e supondo que a Terra é de forma e
sférica com raio R, a alternativa que apresenta a relação entre as velocidades lineare
s desses dois pontos A e B é *a) vA / vB = 2 b) vA / vB = 2 /3 c) vA / vB = 1/ 2 d
) vA / vB = (UDESC-2009.1) - RESPOSTA: a) gráfico: parábola da eq. dada (fazer) b) v
= 0 c) dist. = 34 m e desloc. = 30 m O movimento de uma bola sobre uma trajetória
retilínea é descrito de acordo com a seguinte equação: x = 5 + 16t - 2t2, em que x é medi
do em metros e t em segundos. a) Faça o esboço do gráfico da posição em função do tempo. b)
lcule a velocidade da bola em t = 4,0 s. c) Calcule a distância percorrida pela bo
la e o seu deslocamento em t = 5,0 s. (UDESC-2009.1) - RESPOSTA: a) t = 0,25 s b
) v0 = 5 m/s hmáx 2,3 m c) v0 9,2 m/s Em uma partida de basquete, um jogador tem d
ireito a realizar dois lances livres. O centro da cesta está situado a uma distância
de 4,0 m da linha de lançamento e a uma altura de 3,0 m do solo, conforme a figur
a abaixo. A bola é lançada sempre a uma altura de 2,0 m do solo. No primeiro lançament
o, a bola é lançada com velocidade de 5,0 m/s, formando um ângulo de 30o com a horizon
tal, e não atinge a cesta. No segundo lançamento, a bola é lançada com uma velocidade de
sconhecida, formando um ângulo de 30o com a horizontal, e atinge a cesta. Dados: g
= 10 m/s2; cos 30o = 0,86; sen 30o = 0,50; tan 30o = 0,57; cos2 30o = 0,75.
RESOLUÇÃO: FEI/SP-2009.1 O menor valor de v0 (v0min) é aquele que a flexa atingi a pir
a no seu ponto mais à esquerda da figura e, o maior valor, é aquele que ela atinge o
lado mais a direita. Cálculo de v0min: tempo para atingir h = 55 m t = 80 / v0x h
= v0y.t - (1/2)gt2 v0x = 16,3 m/s (foi usado v0y / v0x= tan ) v0x = v0 / cos v0
= 39,3 m/s
(UFU/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: B Um balão encontra-se em movimento vertical para c
ima com velocidade constante de 10 m/s. No exato instante em que o balão está a 175
m acima do solo, um passageiro solta um pacote e dispara um cronômetro. Consideran
do g = 10 m/s2, marque a alternativa correta. a) O módulo da velocidade do pacote
ao chegar ao solo é 50m/s. *b) O pacote chega ao solo em 7s, após ter sido solto. c)
O pacote gasta 2s para atingir o ponto mais alto de sua trajetória, em relação ao sol
o. d) Em relação ao solo, a altura máxima atingida pelo pacote é 185 m.
a) Determine o instante em que a altura máxima é atingida pela bola no primeiro lançam
ento. b) Demonstre que a bola não atinge a cesta no primeiro lançamento. c) Determin
e a velocidade inicial da bola no segundo lançamento.
japizzirani@gmail.com
14
(UFV/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: A Uma bola é lançada horizontalmente com velocidade i
nicial . Ao percorrer horizontalmente 30 m ela cai verticalmente 20 m, conforme
mostrado no gráfico ao lado. Considere a aceleração da gravidade igual a 10 m/s2 e des
preze a resistência do ar. É CORRETO afirmar que o módulo da velocidade de lançamento vo
é: *a) 15 m/s b) 30 m/s c) 7,5 m/s d) 60 m/s
(UNIOESTE/PR-2009.1) - ALTERNATIVA: D Na figura abaixo estão representados os gráfic
os das velocidades de dois móveis A e B, os quais partem de um mesmo ponto a parti
r do repouso, em instantes diferentes. Ambos se movem no mesmo sentido em uma tr
ajetória retilínea.
(UFV/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: A Uma pedra está fixa na periferia de uma roda de r
aio R= 2 m e gira com velocidade linear de módulo constante V. Se A é o módulo da acel
eração da pedra, das opções abaixo, aquela que apresenta valores para V e A, em acordo c
om a cinemática do movimento circular uniforme, é: *a) V = 2 m/s e A = 2 m /s2. b) V
= 1 m/s e A = 4 m /s2. c) V = 4 m/s e A = 6 m /s2. d) V = 6 m/s e A = 0 m /s2.
(UFV/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: A Um bloco desliza em um plano inclinado sem atri
to com velocidade inicial de módulo v0, como mostrado na figura ao lado. Se a acel
eração da gravidade é g, o módulo da velocidade (v) do bloco, após este percorrer uma distâ
cia d ao longo do plano inclinado, é: *a)
Assinale a alternativa correta. a) Os móveis possuem a mesma aceleração. b) Os móveis se
encontram em t = 4s. c) Desde a partida até t = 4s o móvel A percorre 32 m. *d) No
instante em que os móveis se encontram a velocidade de B é 24 m/s. e) Ambos os móveis
desenvolvem movimento retilíneo e uniforme. (UNIFOR/CE-2009.1) - ALTERNATIVA: C Do
alto de uma torre, um corpo cai livremente a partir do repouso. Se o tempo de q
ueda é de 4,0 s, a razão entre as distâncias percorridas na segunda metade do tempo de
queda e na primeira metade desse tempo é a) 1 b) 2 *c) 3 d) 4 e) 5 (UNIFOR/CE-200
9.1) - ALTERNATIVA: E
b) c) v = v0 + gdsen d) v = v0 – gdsen / v0 / v0
A figura representa os vetores velocidade e aceleração de uma partícula no instante em
que ela passa pelo ponto P da sua trajetória.
(UFV/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: A Um veículo, movendo-se em linha reta, desacelera
uniformemente, a partir de 72 km/h, parando em 4,0 s. A distância percorrida pelo
veículo e o módulo de sua velocidade média durante a desaceleração são, respectivamente: *a
40 m e 10 m/s. b) 80 m e 20 m/s. c) 20 m e 5 m/s. d) 20 m e 20 m/s. (UNIOESTE/P
R-2009.1) - ALTERNATIVA: C A polia A de raio 10 cm está acoplada à polia B de raio 3
6 cm por uma correia, conforme mostra a figura. A polia A parte do repouso e aum
enta uniformemente sua velocidade angular à razão de 3,14 rad/s2. Supondo que a corr
eia não deslize e que a polia B parte do repouso, o tempo necessário para a polia B
alcançar a freqüência de 100 rev/min será de a) 1,91 s b) 3,82 s *c) 12,00 s d) 3,00 s e
) 3,60 s (Adote = 3,14)
Sendo | | = 5,0 m/s2, | | = 20 m/s, sen = 0,8 e cos = 0,6 é correto afirmar que a)
o móvel descreve uma trajetória circular. b) 5,0 s após passar pelo ponto P, o módulo d
a sua velocidade vale 40 m/s. c) o raio da trajetória (circunferência tangente a no
ponto P) vale 60 m. d) ao passar pelo ponto P, o movimento da partícula é retardado.
*e) o módulo da aceleração centrípeta da partícula no ponto P vale 4,0 m/s2. (UNIFAL/MG-2
009.1) - ALTERNATIVA: B Durante uma tempestade, um raio é avistado por um observad
or e o estrondo do trovão é ouvido 2,0 segundos depois. Qual a distância entre o obser
vador e o local da queda do raio? (Considere a velocidade do som no ar = 340,0 m
/s.) a) 540,0 m. *b) 680,0 m. c) 760,0 m. d) 1,10 Km. e) 0,85 Km.
japizzirani@gmail.com
15
(UFPE-2009.1) - ALTERNATIVA: A Uma partícula executa um movimento uniformemente va
riado ao longo de uma linha reta. A partir da representação gráfica da posição x da partícu
a, em função do tempo, mostrada abaixo, identifique o gráfico que descreveria corretam
ente a velocidade v da partícula, em função do tempo.
(UNIFAL/MG-2009.1) - RESPOSTA NO FINAL Considere que um projétil é lançado verticalmen
te para cima por um lança-projétil (uma espécie de mini-canhão) colocado sobre um trenzi
nho de brinquedo, como mostra a figura a seguir.
Considerando o exposto, execute o que se pede. a) Desenhe a trajetória do projétil c
onsiderando que o trenzinho realiza um Movimento Retilíneo e Uniforme, a partir do
referencial de quem está em repouso sobre o trenzinho. b) Desenhe a trajetória do p
rojétil considerando que o trenzinho realiza um Movimento Retilíneo e Uniforme, a pa
rtir de um observador externo em repouso em relação ao trem. *a) b) RESPOSTA: UNIFAL
-2009 a) b) a trajetória é parabólica
c)
d)
e)
b)
(UFPE-2009.1) - RESPOSTA: d = 85 m Um estudante de física deseja localizar o ponto
médio entre duas encostas de um vale. A figura mostra uma vista de cima das encos
tas e a posição do estudante.
(CEFETSP-2009.1) - ALTERNATIVA: A O crescente aumento do número de veículos automoto
res e o conseqüente aumento de engarrafamentos têm levado a Prefeitura do Município de
São Paulo a um monitoramento intensivo das condições de circulação nas vias da cidade. Em
uma sondagem, um funcionário da companhia de trânsito deslocou seu veículo, constatan
do que – permaneceu parado, durante 30 minutos; – movimentou-se com velocidade de 20
km/h, durante 12 minutos; – movimentou-se com velocidade de 45 km/h, durante 6 mi
nutos. Da análise de seus movimentos, pôde-se constatar que, para o deslocamento rea
lizado, a velocidade média desenvolvida foi, em km/h, *a) 10,5. b) 12,0. c) 13,5.
d) 15,0. e) 17,5. (CEFETSP-2009.1) - ALTERNATIVA: E Uma das características que tr
açam a paisagem de uma metrópole é o elevado número de edifícios, residenciais ou comercia
is. As empresas especializadas em transporte sabem que, de uma forma ou de outra
, precisam capacitar seus funcionários para contornar circunstâncias de alto grau de
complexidade. Assim, objetos de grande porte e impossíveis de serem desmontados d
evem ser içados pelo lado de fora dos prédios. Um piano de 400 kg, que estava sendo
erguido pelo lado externo de um prédio de apartamentos encontrava-se a 60 m do chão
quando, tragicamente, a corda que o suspendia se rompeu. A velocidade de chegada
desse piano ao solo, supondo uma aceleração da gravidade de intensidade 10 m/s2, é, e
m m/s, aproximadamente, Dado: considere que o piano cai a partir do repouso e qu
e a influên cia do ar é desprezível para esse problema. a) 15. b) 20. c) 25. d) 30. *e
) 35.
Ele faz explodir uma pequena bomba e registra os intervalos de tempo tD = 1,5 s
e tE = 0,5 s, respectivamente, entre a explosão e os primeiros ecos do lado direit
o (D) e do esquerdo (E). Sabendo-se que a velocidade do som vale v = 340 m/s, ca
lcule a distância perpendicular, d, entre a posição da explosão e a linha média, em metros
. Suponha que o ar está parado em relação ao solo.
japizzirani@gmail.com
16
(VUNESP/FMJ-2009.1) - ALTERNATIVA: C Numa viagem, um motorista passa pela placa
mostrada na Figura 1, quando sua velocidade é 30 m/s. Aciona os freios nesse insta
nte e, mantendo uma desaceleração constante até chegar à lombada, passa pela placa mostr
ada na Figura 2 quando sua velocidade é 20 m/s.
(UEPG/PR-2009.1) - RESPOSTA: SOMA = 19 (01+02+16) Com base no gráfico abaixo, que
representa os movimentos de duas partículas A e B, assinale o que for correto.
Pode-se afirmar que, para chegar da primeira placa à lombada, ele demorou um inter
valo de tempo, em segundos, de a) 10. b) 15. *c) 20. d) 25. e) 30. (FUVEST-2009.
1) - RESPOSTA: a) t1 = 0,50 s b) vH = 6,0 m/s c) t2 0,67 s O salto que conferiu
a medalha de ouro a uma atleta brasileira, na Olimpíada de 2008, está representado n
o esquema ao lado, reconstruído a partir de fotografias múltiplas. Nessa representação,
está indicada, também, em linha tracejada, a trajetória do centro de massa da atleta (
CM). Fig 33 2009 CIN
01) As partículas partem de pontos diferentes no mesmo instante. 02) As partículas d
escrevem movimentos uniformes com velocidades iguais. 04) No instante t = 5 s, a
s posições das partículas A e B serão dadas respectivamente por: SA = 5.v e SB = 20+ 5.v
08) As partículas partem do mesmo ponto em instantes diferentes. 16) Durante o mo
vimento, a partícula B mantém-se distante 20 m da partícula A. (UEPG/PR-2009.1) - RESP
OSTA: SOMA = 31 (01+02+04+08+16) Uma pequena esfera é abandonada em queda livre e
leva 5 segundos para chegar ao solo. Sobre este movimento, considerando a aceler
ação local da gravidade como 10 m/s2, assinale o que for correto. 01) A velocidade méd
ia da esfera durante o primeiro segundo foi de 5 m/s. 02) Ao final do terceiro s
egundo, a distância percorrida pela esfera foi de 45 m. 04) No último segundo da que
da, a esfera percorreu 45 m. 08) A velocidade da esfera ao final do quarto segun
do foi de 40 m/s. 16) O tempo de queda e a distância percorrida pela esfera seriam
os mesmos se ela tivesse caído com velocidade constante e igual a 25 m/s. (UFC/CE
-2009.1) - ALTERNATIVA: A Uma partícula de massa m gira em um plano vertical, pres
a a uma corda de massa desprezível, conforme a figura a seguir. No instante indica
do na figura, a corda se parte, de modo que a partícula passa a se mover livrement
e. A aceleração da gravidade local é constante e apresenta módulo igual a g.
NOTE E ADOTE: Desconsidere os efeitos da resistência do ar. Aceleração da gravidade na
Terra, g = 10 m/s2
Utilizando a escala estabelecida pelo comprimento do salto, de 7,04 m, é possível es
timar que o centro de massa da atleta atingiu uma altura máxima de 1,25 m (acima d
e sua altura inicial), e que isso ocorreu a uma distância de 3,0 m, na horizontal,
a partir do início do salto, como indicado na figura. Considerando essas informações,
estime: a) O intervalo de tempo t1, em s, entre o instante do início do salto e o
instante em que o centro de massa da atleta atingiu sua altura máxima. b) A veloc
idade horizontal média, VH, em m/s, da atleta durante o salto. c) O intervalo de t
empo t2, em s, entre o instante em que a atleta atingiu sua altura máxima e o inst
ante final do salto.
(VUNESP/FTT-2009.1) - ALTERNATIVA: C Uma ciclovia horizontal apresenta um trecho
em forma de quarto de circunferência com raio interno de 100 m. Um ciclista pedal
a por esse trecho percorrendo-o em 6,25 s, com velocidade constante. As rodas da
bicicleta têm raio de 40 cm. Então, a freqüência de giro dessas rodas é, em Hz, a) 1. b)
6,25. *c) 10. d) 10. . e) 6,25. .
Assinale a alternativa que descreve o movimento da partícula após a corda ter se rom
pido.
japizzirani@gmail.com
17
(UFC/CE-2009.1) - ALTERNATIVA: D Um relógio analógico possui um ponteiro A, que marc
a as horas, e um ponteiro B, que marca os minutos. Assinale a alternativa que co
ntém o tempo em que os ponteiros A e B se encontram pela primeira vez após as três hor
as. a) 15min 16 81 s. 90 b) 15min 21 81 s. 99 c) 16min 16 81 s. 99 *d) 16min 21
81 s. 99 81 e) 16min 21 s. 90 (UNICAMP-2009.1) - RESPOSTA: a) 32 km/h b) 4×102 s O
s avanços tecnológicos nos meios de transporte reduziram de forma significativa o te
mpo de viagem ao redor do mundo. Em 2008 foram comemorados os 100 anos da chegad
a em Santos do navio Kasato Maru, que, partindo de Tóquio, trouxe ao Brasil os pri
meiros imigrantes japoneses. A viagem durou cerca de 50 dias. Atualmente, uma vi
agem de avião entre São Paulo e Tóquio dura em média 24 horas. A velocidade escalar média
de um avião comercial no trecho São Paulo-Tóquio é de 800 km/h. a) O comprimento da traj
etória realizada pelo Kasato Maru é igual a aproximadamente duas vezes o comprimento
da trajetória do avião no trecho São Paulo-Tóquio. Calcule a velocidade escalar média do
navio em sua viagem ao Brasil. b) A conquista espacial possibilitou uma viagem d
o homem à Lua realizada em poucos dias e proporcionou a máxima velocidade de desloca
mento que um ser humano já experimentou. Considere um foguete subindo com uma acel
eração resultante constante de módulo aR = 10 m/s2 e calcule o tempo que o foguete lev
a para percorrer uma distância de 800 km, a partir do repouso. (CEFETGO-2009.1) -
ALTERNATIVA: C No acidente aéreo ocorrido no Brasil, no ano de 2006, entre um Boei
ng 737-800 Next Generation da Gol Linhas Aéreas e um Legacy N600L da companhia ame
ricana Excelaire Services, admitiu-se que, na ocasião da colisão, as duas aeronaves
viajavam a uma velocidade média de 800 km/h. Imaginando-se que, numa situação hipotética
, as duas aeronaves estivessem alinhadas frontalmente, como mostra a figura a se
guir, considerando que a altura do leme do Boeing, com relação à parte superior da fus
elagem, é algo em torno de 7,20 m e que, em situação de emergência, o piloto de um Legac
y pode comandar uma razão de subida da aeronave de 90,0 m/s, mantendo a velocidade
de 800 km/h na trajetória da rampa de subida, qual seria a distância mínima necessária
para que o piloto do Legacy, uma vez avistado o Boeing (fato que na realidade não
deve ter ocorrido), corrigisse em tempo sua altitude, subindo a aeronave, para e
vitar a colisão? Os cálculos devem levar em conta que o tempo de reação de um piloto (te
mpo que decorre entre perceber um perigo súbito e acionar qualquer comando direcio
nal do avião) é da ordem de 0,7 segundos. Fig 39 2009 CIN Fig 40 2009 CIN
(FURG/RS-2009.1) - ALTERNATIVA: C Numa tempestade, ouve-se o trovão 7,0 segundos a
pós a visualização do relâmpago. Sabendo que a velocidade da luz é de 3,0x108 m/s e que a
velocidade do som é de 3,4x102 m/s, é possível afirmar que a distância entre o local ond
e ocorreu o relâmpago e onde ele foi visto é de a) 6,2x106 metros. b) 4,8x101 metros
. *c) 2,4x103 metros. d) 2,1x109 metros. e) 4,3x106 metros. (VUNESP/UNICISAL-200
9.1) - ALTERNATIVA:A A distância aproximada entre Maceió e Recife é melhor expressa, e
m notação científica, por *a) 3,0 × 108 mm. b) 3,0 × 107 dm. c) 0,3 × 105 km. d) 3 000 000
. e) 3,0 × 106 m. (VUNESP/UNICISAL-2009.1) - ALTERNATIVA: B Um atleta em treinamen
to percorre os 4 km de uma alameda retilínea em 20 min, no sentido norte; converge
para a direita, percorrendo mais 5 km por uma alameda transversal, em 30 min, n
o sentido leste. Por fim, convergindo novamente para a direita, percorre os último
s 3 km de uma terceira alameda retilínea em 10 min, no sentido sul. O módulo de sua
velocidade vetorial média vale, aproximadamente, a) 4,0 km/h. *b) 5,1 km/h. c) 12
km/h. d) 20 m/min. e) 8,5 m/min. (VUNESP/UNICISAL-2009.1) - ALTERNATIVA: C Na pi
sta de skate da praia de Pajuçara, um garoto desliza, a partir do repouso, descrev
endo um movimento retilíneo uniformemente acelerado, cujo gráfico da posição, em função do
empo, está na figura.
A correspondente função horária é dada por a) S = 20 + 20.t – 5,0.t2. b) S = 20 – 20.t – 2,
2. *c) S = 20 – 1,25.t2. d) S = 20 – 2,5.t2. e) S = 20 – 5,0.t2. (VUNESP/UNICISAL-2009
.1) - ALTERNATIVA: C Num teste de balística, um projétil foi lançado do solo sob um ângu
lo de 45 com a horizontal (sen 45 = cos 45 = /2), retornando ao solo 360 m adiante
do ponto de lançamento. Considerando a aceleração da gravidade com o valor 10 m/s2, po
de-se dizer que a velocidade de lançamento do projétil foi, em m/s, de a) 10. b) 36.
*c) 60. d) 126. e) 252.
a) 340 m b) 350 m *c) 345 m d) 360 m e) 355 m
japizzirani@gmail.com
18
(VUNESP/UNICISAL-2009.1) - ALTERNATIVA: D Um veículo trafega por uma estrada retilín
ea e, em determinado instante, seu motorista avista uma praça de pedágio. Ele passa,
então, a desacelerar uniformemente até parar em frente à cabine de arrecadação, onde efet
ua o pagamento da tarifa para, em seguida, acelerar uniformemente no mesmo senti
do de viagem. O gráfico da posição, em função do tempo, que melhor representa o procedimen
to relatado é o da alternativa
(CEFETCE-2009.1) - RESPOSTA: 113,4 segundos Um garoto, em pé, às margens de um lago
de águas tranqüilas, joga uma pedra na água, para produzir ondas.
a)
*d)
b)
e)
c)
Supondo-se que o lançamento é feito obliquamente com velocidade Vo = 10 m/s, a 1,4 m
etros da superfície da água, determine após quanto tempo, a partir do lançamento da pedr
a, a onda formada atingirá a margem no ponto de lançamento. Considere a profundidade
do lago igual em todos os pontos e a velocidade das ondas na água igual a 10 cm/s
. Despreze a resistência do ar. (CEFETPI-2009.1) - ALTERNATIVA: B A velocidade média
de uma pessoa normal ( VP ) é aproximadamente 5,4 km/h. Os atletas olímpicos nas pr
ovas de 100 m rasos desenvolvem velocidades médias (VA )de 10 m/s e a lesma desloc
a-se com velocidade média (VL) de 1,5 mm/s. Escrevendo estas velocidades médias em o
rdem crescente de valores, encontramos: a) VP ; VA ; VL *b) VL ; VP ; VA c) VP ;
VL ; VA d) VA ; VP ; VL e) VL ;; VA ; VP (CEFETPI-2009.1) - ALTERNATIVA: A Cert
o automóvel tem sua velocidade alterada de 0 a 100 km/h em 4,5 s. Isto significa d
izer que sua aceleração média, em m/s2, corresponde aproximadamente a: *a) 6,2 b) 22,2
c) 5 d) 10 e) 8 (CEFETPI-2009.1) - ALTERNATIVA: D Um corpo em queda vertical no
vácuo possui, a partir do repouso, uma velocidade v após percorrer uma altura h. Pa
ra a velocidade ser 3.v, a distância percorrida será de: a) 3 h b) 6 h c) 4 h *d) 9
h e) 2 h (UFRGS-2009.1) - ALTERNATIVA: B Você sobe uma escada e, a meio caminho do
topo, de uma altura y, você deixa cair uma pedra. Ao atingir o topo da escada, de
uma altura 2y, você solta uma outra pedra. Sendo v1 e v2 os módulos das velocidades
de impacto no solo da primeira e da segunda pedra, respctimamente, a razão v 1 v
2 vale a) 1/2. *b) 1 . c) 1. d) . e) 2.
(VUNESP/UNICISAL-2009.1) - ALTERNATIVA: E Os cavalinhos do carrossel de um parqu
e de diversões encontram-se dispostos a 3,0 m do centro dele. Quando o carrossel e
fetua uma volta em 10 s, a velocidade linear média de uma criança montada num cavali
nho deverá ser, em relação ao solo e em m/s, próxima de a) 0,60. b) 0,90. c) 1,2. d) 1,5
. *e) 1,9. (CEFETCE-2009.1) - ALTERNATIVA: D Um móvel desloca-se em linha reta, su
jeito a uma aceleração escalar, cujo módulo varia com o tempo segundo o gráfico a seguir
. Sobre a velocidade do móvel, é correto afirmar-se que
a) é constante nos intervalos de 0s a 8s e de 10s a 18s. b) aumenta entre 0 e 8s e
diminui entre 8s e 10s. c) é constante em todo o intervalo *d) aumenta em todo o
intervalo e) diminui entre 10s e 18s. (CEFETCE-2009.1) - ALTERNATIVA: D Uma pess
oa pula verticalmente sobre uma cama elástica que se encontra fixa na carroceria d
e um caminhão o qual se desloca com velocidade constante em uma estrada horizontal
e retilínea. Desprezando a resistência do ar sobre a pessoa, devido ao movimento do
caminhão, é correto afirmar-se que a) quanto mais alto a pessoa pular, maior é o risc
o de ela cair na frente do caminhão. b) quanto mais alto a pessoa pular, maior é o r
isco de ela cair atrás do caminhão. c) quanto mais alto a pessoa pular, maior é o risc
o de ela cair do lado do caminhão. *d) não importa a altura que a pessoa pule: ela s
empre cairá no mesmo ponto sobre a cama. e) é necessário saber a massa da pessoa, para
afirmar algo sobre o ponto de queda da mesma.
japizzirani@gmail.com
19
(UFRGS-2009.1) - ALTERNATIVA: C (RESOLUÇÃO NO FINAL) A seqüência de pontos na figura aba
ixo marca as posições, em intervalos de 1 segundo, de um corredor de 100 m rasos, de
sde sua largada até a chegada. Fig 47 2009 CIN
(UFLA/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: D Três corpos 1, 2 e 3 movem-se segundo um movimen
to retilíneo e suas respectivas acelerações a1, a2 e a3 são mostradas no gráfico abaixo.
Assinale o gráfico que melhor representa a evolução da velocidde instantânia do corredor
. Fig 48 2009 CIN
Analisando esse gráfico, pode-se afirmar que as acelerações _ _ _ médias a1, a2 e a3 dos
três corpos entre os instantes t = 0 e t = 6 s, é: _ _ _ a) a3 > a2 > a1. _ _ _ b)
a2 > a1 > a3. _ _ _ c) a1 > a3 > a2. _ _ _ *d) a1 > a2 > a3. (UFLA/MG-2009.1) -
ALTERNATIVA: B As bicicletas de várias marchas possuem um conjunto de coroas, onde
é fixado o pedal, e um conjunto de catracas, que é fixada à roda traseira. O conjunto
de coroas é ligado ao conjunto de catracas por meio de uma corrente, a chamada tr
ansmissão. Suponha que um ciclista utilize uma coroa de raio R e uma catraca de ra
io r, tal que R = 2r, e que esse ciclista dê uma pedalada por segundo.Pode-se afir
mar que a) a velocidade angular da coroa e da catraca são iguais. *b) a velocidade
linear da transmissão é constante. c) a freqüência de rotação da catraca é metade da freqü
e rotação da coroa. d) a velocidade linear da transmissão na catraca é o dobro da veloci
dade linear da transmissão na coroa.
RESOLUÇÃO UFRGS-2009.1:
(UFLA/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: D Um móvel realiza um movimento retilíneo e sua velo
cidade em relação ao tempo é mostrada no diagrama abaixo. Sabe-se que o móvel no intante
to = 0 , partiu da posição So = 10 m; então, sua posição na trajetória no instante t = 7 s
a) 30 m. b) 20 m c) 40 m. *d) 50 m.
(UFLA/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: C Um móvel descreve um Movimento Uniformente Varia
do e o diagrama da posição versus tempo é mostrado abaixo. Analisandose esse diagrama,
pode-se afirmar que,
(UFRGS-2009.1) - ALTERNATIVA: B Uma roda de bicicleta de raio 50,0 cm roda sobre
uma superfície horizontal, sem deslizar, com uma velocidade angular constante de
2 rad/s. Em 1,0 s, o ponto central da roda percorre uma distância de a) /2 m. *b)
m. c) 2 m. d) 1,0 m e) 2,0 m.
a) no intervalo de 0 a t1, o movimento é acelerado progressivo. b) no intervalo de
t1 a t2, o movimento é retardado retrógrado. c) a partir do intante t2, o movimento
é acelerado retrógrado. d) a partir de t3, o movimento é retardado progressivo.
japizzirani@gmail.com
20
(UFLA/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: A O motor de um portão eletrônico possui uma polia d
entada, também chamada de pinhão, com raio de 10 cm, a qual é aclopada a uma cremalhei
ra de comprimento 4 m, presa ao portão. Ao acionar o motor, a polia gira com freqüênci
a de 30 rpm. Considerando a polia dentada no início da cremalheira, o tempo necessár
io para abrir ou fechar o portão totalmente é *a) 40/ s. b) 30 s. c) 7,5 s´ d) 3,14 s.
Fig 49 2009 CIN
(UFLA/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: B Uma pista de corrida tem sua forma indicada na
figura abaixo, na qual os trechos AB e CD são retas, e os trechos BC e DA são arcos
de circunferência de raio R.
(UFLA/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: C Um disco gira com aceleração angular constante em
torno de um eixo que passa pelo seu centro O (figura abaixo). A distância do centr
o do disco ao ponto A é representada por R, e a do ponto B é representada por 2R. Co
nsiderando a velocidade tangencial v, velocidade angular e aceleração centrípeta a rel
ativa aos pontos A e B, pode-se afirmar que a) vB = 2vA ; = 2 B ; aB = 2aA. A b)
vB = vA ; = B ; aB = aA. A *c) vB = 2vA ; = B ; aB = 2aA. A d) vB = vA ; = 2 B
; aB = aA. A
Um veículo, fazendo um teste nessa pista no trecho AB, mantém o módulo de sua velocida
de constante, nos trechos BC e CD, tem o módulo de sua velocidade aumentando e, fi
nalmente, no trecho DA, tem o módulo de sua velocidade diminuindo. A figura da alt
ernativa que representa CORRETAMENTE os vetores velocidade e aceleração em todos os
trechos da pista é:
a)
(UFLA/MG-2009.1) - RESPOSTA: a) SA = 5.t2 (SI) b) SB = 55.t – 50 (SI) Dois objetos
A e B movem-se em movimento retilíneo, cujas posições em função do tempo são mostradas no
ráfico abaixo.
*b)
c)
O objeto A move-se com aceleração constante a = 10 m/s2 a partir do repouso e o obje
to B move-se com velocidade constante. Resolva os itens a seguir. a) Equação horária S
A(t) do objeto A. b) Equação horária SB(t) do objeto B. (ACAFE/SC-2009.1) - ALTERNATIV
A: A Atletas de competição comumente expressam suas marcas em uma unidade que é o inve
rso da velocidade, geralmente em min/ km. Considerando que dois atletas, M e N,
têm seus desempenhos registrados respectivamente em (M) 3,5 min/km e (N) 4,0 min/
km para uma prova de 5000 m e admitindo-se velocidades constantes, a alternativa
correta é: *a) A distância entre os corredores, quando M cruza a linha de chegada, é
de 625 m. b) O corredor N é mais rápido que o M. c) A distância entre os corredores, q
uando M cruza a linha de chegada, é de 250 m. d) A velocidade de N é 4,0 m/s.
d)
(UNIFEI/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: C Um projétil é lançado com velocidade escalar vo a
partir do solo. O ângulo entre o vetor velocidade vo e a direção horizontal é q. Se a ve
locidade escalar do projétil ao atingir a altura y é v, qual seria a velocidade dest
e mesmo projétil a esta altura y, se o ângulo de lançamento mudasse de para 2 , manten
do-se a mesma velocidade inicial? Despreze a resistência do ar e suponha que 2 é men
or ou igual a /2 . a) 4v b) 2v *c) v d) v/2
japizzirani@gmail.com
21
(UNICENTRO/PR-2009.1) - ALTERNATIVA: C A partir do repouso, um carro percorreu o
trecho retilíneo de uma avenida, desenvolvendo a velocidade média de 45 km/h. Este
gráfico representa o comportamento da velocidade (v), em função do tempo (t), para os
primeiros 18 segundos da situação descrita. A partir dessas informações, é CORRETO afirmar
que a velocidade desse carro, no instante t = 13 s, foi de a) 45 km/h. b) 52 km
/h. *c) 54 km/h. d) 62 km/h. e) 65 km/h.
(UCS/RS-2009.1) - ALTERNATIVA: B Para repor a bola em jogo rapidamente, um golei
ro dá um chute e a bola sai de seus pés com uma velocidade inicial de 40 m/s, cuja d
ireção faz um ângulo de 30° com o chão. Ela percorre, horizontalmente, 100 m do campo e en
tra no gol adversário. Quanto tempo ela levou para entrar no gol, desde que perdeu
o contato com o pé do goleiro? (considere a aceleração da gravidade = 10 m/s2, cos30° =
0,9 e sen30° = 0,5) a) 1,6 s *b) 2,8 s c) 3,2 s d) 3,6 s e) 4,4 s
(UNICENTRO/PR-2009.1) - ALTERNATIVA: A No instante em que foi desligado, um vent
ilador estava girando com 300 rpm (rotações por minuto) e, após 40 segundos, as suas hél
ices pararam definitivamente. Durante esse intervalo de tempo, a velocidade decr
esceu uniformemente. Entre o instante em que foi desligado e o instante da parad
a definitiva, é CORRETO concluir que as hélices desse ventilador completaram *a) 100
voltas. b) 120 voltas. c) 180 voltas. d) 200 voltas. e) 240 voltas. (UFT/TO-200
9.1) - ALTERNATIVA:C Considere que a distância entre Palmas e Brasília seja de 900 k
m e a estrada seja sempre uma reta. Um carro indo de Palmas para Brasília, nesta e
strada, faz um terço do caminho a 120 km/ h, outro terço a 80 km/h e o restante a 60
km/h. Qual foi o módulo da velocidade média do carro durante esta viagem? a) 70,0 k
m/h b) 86,6 km/h *c) 80,0 km/h d) 75,5 km/h ((UFJF/MG-2009.1) - RESPOSTA NO FINA
L Dois carros estão se movendo em uma rodovia, em pistas distintas. No instante t
= 0 s, a posição do carro 1 é s01 = 75 m e a do carro 2 é s02 = 50 m. O gráfico da velocid
ade em função do tempo para cada carro é dado a seguir.
(UFJF/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: C Um canhão encontra-se na borda de um penhasco di
ante do mar, conforme mostra a figura. Esse canhão está a 78,4 m acima do nível do mar
, e ele dispara horizontalmente um projétil com velocidade inicial de 15,0 m/s. De
sprezando a resistência do ar e considerando a aceleração da gravidade como 9,8 m/s2,
em quanto tempo e a que distância da base do penhasco o projétil irá atingir o mar? a)
15,0 s; 15,0 m. b) 4,0 s; 96,7 m. *c) 4,0 s; 60,0 m. d) 240 s; 3600 m. e) 0,3 s
; 4,0 m.
(UFJF/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: B Três móveis A, B e C, cujos diagramas velocidade x
tempo estão representados abaixo, partem do repouso em um mesmo instante. Em um d
ado instante t posterior, os três apresentam a mesma velocidade. Os espaços percorri
dos pelos móveis entre o instante 0 e t valem respectivamente EA, EB e EC. Podemos
afirmar que: a) EA = EB = EC. *b) EA > EB > EC. c) EA < EB < EC. d) EA = EB EC.
e) EA > EB < EC.
(CESGRANRIO-2009.1) - ALTERNATIVA: B Uma partícula movimenta-se sobre uma reta ori
entada graduada em metros. Em certo momento, aciona-se um cronômetro. A tabela aba
ixo associa a posição da partícula sobre a reta com o tempo marcado no cronômetro desde
o seu acionamento. a) A partir do gráfico, encontre a aceleração de cada carro. b) Esc
reva a equação horária da posição para cada carro. c) Descreva, a partir da análise do gráf
, o que ocorre no instante t = 5s. RESPOSTA UFJF/MG-2009.1: a) a1 = 2 m/s2 e a2
= -4 m/s2 b) s1 = 75 -10t + t2 (S.I.) e s2 = 50 + 20t - 2t2 (S.I.) c) Em t = 5s
os dois carros momentaneamente param e invertem o sentido do movimento.
Sabendo-se que a posição muda com o tempo, de acordo com uma função polinomial do 3o gra
u, é correto afirmar que a velocidade escalar média no intervalo que vai de 0 a 4 se
gundos, em m/s, vale a) 2,5 d) 8,5 *b) 5,0 e)13,0 c) 7,5
japizzirani@gmail.com
22
(UFAL/AL-2009.1) - ALTERNATIVA: E Um automóvel em movimento retilíneo tem sua veloci
dade, em m/s, em função do tempo, em segundos, dada pelo gráfico a seguir. Seu desloca
mento, em metros, entre os instantes t = 2 s e t = 8 s, é igual a: a) 25 b) 18 c)
13 d) 12 *e) zero
(UEPG/PR-2009.1) - RESPOSTA: SOMA = 27 (01+02+08+16) Com base no gráfico abaixo, q
ue mostra o movimento retilíneo descrito por uma partícula ao longo do eixo dos x, a
ssinale o que for correto.
(UFAL/AL-2009.1) - ALTERNATIVA: C Duas partículas, A e B, inicialmente na mesma po
sição, movemse em sentidos opostos ao longo da mesma circunferência. Suas velocidades
angulares constantes têm módulos A = 10 rad/s e = 8 rad/s. Quando o encontro se der
novamente, a partícula B A terá realizado um deslocamento angular de: a) 120 b) 180 *c
) 200 d) 270 e) 275 (UFBA-2009.1) - RESPOSTA: 2,4 × 10–4 s e 5,2 × 102 Hz A medida da ve
ocidade da luz, durante muitos séculos, intrigou os homens. A figura mostra um dia
grama de um procedimento utilizado por Albert Michelson, físico americano nascido
na antiga Prússia. Um prisma octogonal regular com faces espelhadas é colocado no ca
minho óptico de um raio de luz. A luz é refletida na face A do prisma e caminha cerc
a de 36,0km atingindo o espelho, no qual é novamente refletida, retornando em direção
ao prisma espelhado onde sofre uma terceira reflexão na face C e é finalmente detect
ada na luneta.
01) No intervalo de tempo 0 t 4, o móvel descreve um movimento retardado progressi
vo. 02) No intervalo de tempo 6 t 8, o móvel descreve um movimento acelerado retrógr
ado. 04) No instante t = 8 s, o móvel inverte o sentido do seu movimento, passando
a executar um movimento acelerado retardado. 08) No intervalo de tempo 4 t 6, o
móvel encontra-se em repouso. 16) No intervalo de tempo 8 t 12, a aceleração do móvel é c
onstante e igual a 1,5 m/s2. (UEPG/PR-2009.1) - RESPOSTA: SOMA = 21 (01+04+16) U
m garoto lançou uma pedra obliquamente para cima, com velocidade inicial v0, e após
um intervalo de tempo t a pedra retornou ao solo. A respeito deste evento físico,
desconsiderando a força resistiva do ar, assinale o que for correto. 01) A compone
nte horizontal da velocidade da pedra permaneceu constante durante o movimento.
02) Quando a pedra atingiu a altura máxima, sua velocidade apresentava valor nulo.
04) A distância percorrida horizontalmente pela pedra foi proporcional ao dobro d
o tempo necessário para ela percorrer a distância vertical. 08) Os movimentos horizo
ntal e vertical de uma pedra lançada nestas condições estão sujeitos à aceleração da gravid
. 16) O tempo de permanência da pedra no ar foi proporcional à velocidade de seu lança
mento. (UNIMONTES/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: B Um barco atravessa um rio de 50 m
de largura, com velocidade máxima própria (imprimida apenas pelo motor do barco) de
módulo vb = 0,8 m/s. A correnteza tem velocidade constante de módulo vc = 0,6 m/s. O
barco sai do ponto A, numa margem, e chega ao ponto B, na outra (veja a figura)
. O módulo do deslocamento AB do barco é a) 37,5 m. *b) 62,5 m. c) 53,5 m. d) 26,5 m
. (UNIMONTES/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: C O gráfico abaixo representa a velocidade
de um móvel em função do tempo, durante seu movimento em linha reta. Baseado nesse gráfi
co, podemos afirmar CORRETAMENTE que a distância percorrida pelo móvel entre 0h e 6h
é de a) 200 km. b) 120 km. *c) 160 km. d) 100 km.
Fig 52 2009 CIN
O procedimento de Michelson consiste em girar o prisma de modo que, quando o pul
so de luz retornar, encontre a face B exatamente no lugar da face C. Considerand
o que a velocidade da luz é igual a 3,0.105 km/s e que a aresta do prisma é muito me
nor do que a distância entre o prisma e o espelho, • calcule o tempo que um pulso de
luz gasta para percorrer, ida e volta, a distância do prisma espelhado até o espelh
o; • calcule a freqüência de giro do prisma de modo que a face B esteja na posição da face
C, quando o pulso de luz retornar. (UECE-2009.1) - ALTERNATIVA: B Um corpo move
-se no plano XY, sendo as coordenadas de sua posição dadas pelas funções x(t) = 3t e y(t
) = t3 – 12t, em centímetros, com t em segundos. O módulo do deslocamento entre os ins
tantes t = 0 e t = 4 segundos, em centímetros, é a) 4. *b) 20. c) 38. d) 48.
japizzirani@gmail.com
23
(UNIMONTES/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: B Um observador, dentro de um ônibus estacion
ado, nota que está chovendo e que as gotas de chuva caem verticalmente, com veloci
dade V0, tal que V0 = 6,0 m/s, deixando riscos na janela (veja a figura). Dentro
de um ônibus que se move, em relação à terra, com velocidade V1, sendo V1 = 8,0 m/s, ou
tro passageiro nota que as gotas de chuva, ao atingirem a janela, deixam riscos
que formam ângulos com a vertical (veja a figura). Determine o módulo da velocidade
V das gotas de chuva para o passageiro do ônibus. a) 2,0 m/s. *b) 10,0 m/s. c) 6,0
m/s. d) 14,0 m/s.
Janela do ônibus estacionado Janela do ônibus em movimento
(UESPI/PI-2009.1) - ALTERNATIVA: B Um corpo move-se numa trajetória circular de ra
io r = m, com uma velocidade de módulo constante, v = 4 m/s. Para tal situação, quanto
tempo tal objeto leva para dar uma volta completa ao longo desta trajetória? a) (
2/ 2) s *b) ( 2/2) s c) ( /2) s d) ( 2/4) s e) (2/ ) s (UEMG-2009.1) - ALTERNATI
VA: B Um corpo apresentava uma velocidade de 60 km/h, quando aumentou sua veloci
dade rapidamente, mantendo-a durante um certo tempo. Depois disso, rapidamente d
iminuiu sua velocidade, atingindo o repouso e permanecendo nele. Assinale, nas a
lternativas abaixo, o gráfico da posição d em função do tempo t que MELHOR descreve o que
ocorreu com esse corpo: a) *b)
(UESPI/PI-2009.1) - ALTERNATIVA: B O acelerador de partículas circular LHC, situad
o na fronteira da Suíça com a França, gerará, a partir de 2009, cerca de 600 milhões de co
lisões entre prótons a cada segundo. Destas colisões, apenas 0,000017% serão de interess
e científico. Pode-se concluir que a ordem de grandeza do número de colisões de intere
sse científico por segundo será de: a) 100 *b) 102 c) 104 d) 106 e) 108
c)
d)
(UESPI/PI-2009.1) - ALTERNATIVA: B A posição de um móvel que executa um movimento unid
imensional ao longo de uma linha reta é dada em função do tempo por x(t) = 7t – 3t2. O t
empo t é dado em segundos, e a posição x, em metros. Nestas circunstâncias, qual é a veloc
idade média deste móvel entre os instantes de tempo t = 0 s e t = 4 s? a) 5 m/s *b)
-5 m/s c) 11 m/s d) -11 m/s e) 14,5 m/s (UESPI/PI-2009.1) - ALTERNATIVA: E Num p
laneta em que a aceleração da gravidade tem módulo 5 m/ s2, uma partícula cai em queda l
ivre a partir do repouso no instante t = 0. Denotando o eixo perpendicular à super
fície do planeta como eixo x, e considerando o seu sentido positivo para cima, ass
inale o gráfico que ilustra a velocidade vx desta partícula, em m/s, em função do tempo
t, em segundos. a) b) c)
(UFES-2009.1) - ALTERNATIVA: A Considerando que se levam 10 dias para percorrer
os 480 km do percurso do Caminho Novo, a velocidade escalar média da viagem, em km
/h, é *a) 2. b) 4,8. c) 20. d) 24. e) 48. (UEPG/PR-2009.1) - ALTERNATIVA: B A figu
ra abaixo mostra a trajetória de um corpo lançado com uma velocidade v, formando um ân
gulo q com a horizontal. Sobre este evento, assinale a alternativa correta.
d)
*e)
a) Após o lançamento, duas forças atuam no corpo: uma força vertical e uma força horizonta
l. *b) A equação da trajetória descrita pelo corpo é uma composição das equações horárias d
mentos uniforme e unifo rmemente variado. c) Desprezando a resistência do ar, em q
ualquer ponto da trajetória a velocidade total é constante. d) O alcance máximo depend
e apenas da velocidade de lançamento do corpo. e) Na vertical atua a aceleração da gra
vidade, e na horizontal a aceleração é uma função da velocidade e do tempo.
japizzirani@gmail.com
24
(UFTM-2009.1) - RESPOSTA: a) 2,88 m/s b) 1,80 m Para uma boa pescaria, além de um
bom local e boas iscas, é fundamental, também, usar equipamentos adequados. Com a fi
nalidade de facilitar o arremesso da isca e possibilitar maior força de tração depois
da fisgada, muitos pescadores utilizam carretilhas, que consistem num carretel o
nde a linha de pesca é enrolada, e numa manivela que faz o carretel girar. Uma car
acterística importante numa carretilha é a velocidade de giro que, em geral, vem imp
ressa no equipamento com números representados, por exemplo, assim: 4:1, ou seja,
com uma volta na manivela, o carretel gira quatro vezes. Fig 57 2009 CIN
Fig 58 2009 CIN
Considere que um pescador, depois de fisgar um peixe e retirá-lo da água, mantenha a
vara de pescar em repouso e, para trazê-lo para seu barco, esteja girando a maniv
ela de sua carretilha, que tem velocidade de giro 4:1, com uma freqüência constante
de 4 Hz. a) Admitindo que o peixe fisgado esteja subindo verticalmente, e que o
carretel com a linha enrolada tenha a forma de um cilindro com 3 cm de raio, det
ermine a velocidade escalar de subida do peixe. Adote = 3 e considere desprezível
a espessura da linha de pesca. b) Suponha que, para infelicidade do pescador, du
rante o movimento de subida o peixe escape do anzol e, caindo verticalmente, ati
nja a água com velocidade escalar de 6 m/s. Desprezando a resistência do ar e adotan
do g = 10 m/s2, determine, em relação ao nível da água, a máxima altura atingida pelo peix
e, enquanto estava subindo. (UFG/GO-2009.1) - RESPOSTA: a) 4 meses b) 120o Sabe-
se que a razão entre o período da Terra (TT) e o de Mercúrio (TM), em torno do Sol, é da
ordem de 4. Considere que os planetas Terra e Mercúrio estão em órbitas circulares em
torno do Sol, em um mesmo plano. Nessas condições, a) qual é, em meses, o tempo mínimo
entre dois alinhamentos consecutivos dos dois planetas com o Sol? b) Qual é, em gr
aus, o ângulo que a Terra terá percorrido nesse intervalo de tempo?
japizzirani@gmail.com
25
VESTIBULARES 2009.2
(UFPR-2009.2) - ALTERNATIVA: C Segundo Galileu Galilei, todos os movimentos desc
ritos na cinemática são observados na natureza na forma de composição dos referidos movi
mentos. Nesse sentido quando um pequeno parapente sobrevoa Matinhos para leste c
om velocidade de 60 km/h em relação ao ar, ao mesmo tempo em que o vento sopra para
o sul com velocidade de 80 km/h, é correto afirmar que a velocidade do parapente e
m relação ao solo e sua direção são respectivamente: a) 120 km/h – Sudeste. b) 140 km/h – S
ste. *c) 100 km/h – Sudeste. d) 20 km/h – Leste. e) 100 km/h – Leste.
(IFCE/CEFETCE-2009.2) - ALTERNATIVA: D Uma partícula se move em uma trajetória semic
ircular de raio R, partindo do repouso no ponto A até atingir uma velocidade tange
ncial v = 2R/T no ponto B, como indica a figura. A partir de B, a partícula passa
a frear com aceleração tangencial constante -a, até atingir o repouso no ponto C. Send
o o ângulo AÔB=2 /3 radianos, o valor de a é a) 5R . 3T2 b) 4R . T2 c) 6R . 5 T2 *d) 6
R . T2
Fig 59 2009 CIN (OBS.: A FIGURA NÃO FAZ PARTE DA QUESTÃO ORIGINAL) (UFPR-2009.2) - A
LTERNATIVA: C João vai à barbearia cortar seu cabelo e constata que seu cabelo cresc
e 1 cm a cada 45 dias. O crescimento ao longo de dois anos (considere 1 ano = 36
0 dias) e a velocidade aproximada de crescimento no Sistema Internacional de uni
dades (SI) serão respectivamente: a) 8 cm e 4,5 × 10-8 m/s. b) 16 cm e 3,8 × 10-4 m/s.
*c) 16 cm e 2,6 × 10-9 m/s. d) 16 cm e 7,5 × 10-2 m/s. e) 8 cm e 2,9 × 10-7 m/s. (UNI
FOR/CE-2009.2) - ALTERNATIVA: D É dado o gráfico s x t para certo movimento retilíneo.
e) 2 R . 3T2 (UFG/GO-2009.2) - ALTERNATIVA: E O tempo de reação é o tempo entre a perc
epção de um evento e o início efetivo da reação. As pessoas com condições fisiológicas norm
presentam tempo de reação da ordem de 0,75 segundos. Uma pessoa com alguma alteração fis
iológica tem este tempo aumentado para 2,0 segundos. Admitindo-se que, no trânsito,
a distância de segurança entre dois veículos a 72 km/h seja de 15 m no primeiro caso,
qual deve ser esta distância para o segundo caso, ou seja, com tempo de reação de 2,0
segundos? a) 20 m b) 28 m c) 33 m d) 36 m *e) 40 m (VUNESP/UNICID-2009.2) - ALTE
RNATIVA OFICIAL: B A partir do mesmo local da floresta, Lobo Mau e Chapeuzinho V
ermelho, após se depararem com o potencial incendiário, partem simultaneamente em di
reção à casa da Vovó. Fig 62 2009 CIN
A velocidade média no intervalo de 1,0 s a 4,0 s é, em m/s, a) 48 b) 16 c) -12 *d) -
16 e) -48 (UNIFOR/CE-2009.2) - ALTERNATIVA: A Uma pedra é abandonada, a partir do
repouso, do topo de uma torre em um local onde a aceleração da gravidade vale g = 10
m/ s2. Desprezando a resistência do ar e sabendo que, no último segundo de queda, a
pedra percorreu 55 m, pode-se concluir corretamente que a altura da torre é, em m
etros, *a) 180 b) 245 c) 275 d) 320 e) 405
Enquanto Chapeuzinho seguiu seu costumeiro caminho tortuoso em meio à floresta, Lo
bo Mau, esperto, seguiu por um atalho retilíneo direto à casa da Vovó. Sabendo-se que
após certo tempo ambos tenham se surpreendido com a chegada do outro no mesmo inst
ante à casa da velhinha, pode-se concluir que foi igual para ambos I. a distância pe
rcorrida; II. a velocidade escalar média; III. o deslocamento realizado. É correto o
contido em a) I, apenas. *b) III, apenas. c) I e II, apenas. d) II e III, apena
s. e) I, II e III.
(www.arionauro.com.br)
japizzirani@gmail.com
26
(UFOP/MG-2009.2) - ALTERNATIVA: B Um motorista dirige em uma estrada plana com v
elocidade constante. Uma pessoa que está parada no acostamento da estrada joga uma
moeda verticalmente para cima no momento em que o carro passa por ela. Despreza
ndo o atrito com o ar, marque a opção que indica como o motorista vê a trajetória da moe
da. a) c)
(UNIMONTES/MG-2009.2) - QUESTÃO ANULADA - RESPOSTA CORRETA: V0 = D g/(2H) Uma bola
, lançada horizontalmente da plataforma A, segue rumo à plataforma B. As plataformas
estão separadas por um fosso de largura D. A está a uma altura H em relação a B (veja a
figura). No local, a aceleração da gravidade é g. O menor valor do módulo V0 da velocid
ade de lançamento da bola, para que atinja a plataforma B, é dado pela expressão
a) V0 = D 2H/g . *b) d) b) V0 = H 2D/g . c) V0 = D 2g/H . d) V0 = H D/(2g) . (UN
IMONTES/MG-2009.2) - ALTERNATIVA: C Um objeto é solto de uma altura H e demora
 um
tempo t para chegar ao solo. A razão entre as distâncias percorridas na 1 e 2 metades
do tempo é a) 1/4. b) 2/3. *c) 1/3. d) 1/2. (IFMG/CEFETMG-2009.2) - ALTERNATIVA: D
O movimento de um corpo em trajetória retilínea está representado pelo seguinte gráfico
.
(UNIMONTES/MG-2009.2) - ALTERNATIVA: D Uma das manobras mais perigosas para o mo
torista é a ultrapassagem numa via de mão dupla. Nela, um veículo ultrapassa outro, in
vadindo a faixa da esquerda (contramão de direção), e, após atingir uma distância segura d
o veículo ultrapassado, retorna à faixa da direita. Consideremos a seguinte situação: um
automóvel A, deslocando-se a 108 km/h, ultrapassa um caminhão, de 20 m de comprimen
to, que se desloca a 72 km/h. No momento em que inicia a ultrapassagem, o automóve
l A percebe que um segundo automóvel, automóvel B, a 255 m de distância, vem em sua di
reção, deslocando-se a 108 km/h (veja a figura). As intensidades de todas as velocid
ades são dadas em relação ao leito da rodovia. O automóvel A pretende ultrapassar o cami
nhão, distanciar-se dele 20 m e, em seguida, retornar imediatamente à faixa da direi
ta.
6,0
Em relação à situação descrita, é CORRETO afirmar: a) O automóvel A não conseguirá efetuar
passagem e deverá desistir da manobra. b) No momento em que o automóvel A retornar à f
aixa da direita, estará a 25 m do automóvel B. Portanto, a ultrapassagem é possível. c)
No momento em que o automóvel A retornar à faixa da direita, estará a 50 m do automóvel
B. Portanto, a ultrapassagem é possível e será efetuada de modo tranquilo. *d) No mome
nto em que o automóvel A retornar à faixa da direita, estará a apenas 15 m do automóvel
B. Portanto, a ultrapassagem é possível, mas é de alto risco. (UNIMONTES/MG-2009.2) -
ALTERNATIVA: A De acordo com o Código Brasileiro de Trânsito, atravessar um sinal ve
rmelho constitui falta gravíssima. Ao perceber um semáforo fechado à frente, o motoris
ta de um carro, movendo-se a 20 m/s, freia com aceleração escalar constante de módulo
igual a 5,0m/s2 . A intenção do motorista é parar o veículo antes de atingir a faixa par
a pedestres, logo abaixo do semáforo. A distância mínima do carro à faixa, no instante e
m que se inicia a freada, para não ocorrer a infração, e o tempo gasto durante a fread
a são, respectivamente, iguais a *a) 40 m e 4,0 s. b) 38,5 m e 4,0 s. c) 30 m e 3,
0 s. d) 45 m e 4,5 s.
Se a distância percorrida, durante 40 s for igual a 280 m, o corpo a) parte do rep
ouso em t = 0 s. b) volta à posição inicial no instante 40s. c) fica em repouso no int
ervalo de 10 a 20 s. *d) atinge a velocidade máxima igual a 10 m / s. e) muda a di
reção do movimento nos últimos 20 s. (UFV/MG-2009.2) - ALTERNATIVA: C O gráfico abaixo i
lustra a posição x em função do tempo de um objeto em movimento retilíneo. Das opções abaix
a alternativa que mostra CORRETAMENTE o sinal das velocidades desse objeto em ca
da um dos instantes é:
a) VA > 0 , VB < 0 , VC > 0 b) VA > 0 , VB > 0 , VC = 0 *c) VA < 0 , VB = 0 , VC
> 0 d) VA < 0 , VB = 0 , VC < 0
japizzirani@gmail.com
27
(UFV/MG-2009.2) - RESPOSTA: a) 500 m b) 833 m 29. Um avião sobrevoa horizontalment
e uma área plana com velocidade constante de 300 km/h, conforme ilustrado na figur
a abaixo. Ao passar sobre o ponto A, ele libera um objeto. Este objeto, 10 segun
dos após ser liberado, atinge o solo no ponto B. Desprezando a resistência do ar e c
onsiderando a aceleração gravitacional de 10 m/s2, calcule:
(PUCSP-2009.2) - ALTERNATIVA: B A castanheira-do-pará (Bertholletia excelsa) é uma árv
ore majestosa (“a rainha da floresta”) devido às suas dimensões. Seu fruto, o ouriço, pode
atingir 1500g de massa. Quando um desses ouriços despenca da parte mais alta de u
ma castanheira de 45 m de altura, ver tical e diretamente até o solo, sua velocida
de máxima, em km/h, será de: (despreze qualquer tipo de atrito e adote g = 10m/s2).
a) 20 *b)108 c) 72 d) 30 Fig 63 2009 CIN e) 90
a) O valor da altura H em que o avião estava no instante que liberou o objeto. b)
A distância de separação entre os pontos A e B.
(UERJ/RJ-2009.2) - ALTERNATIVA: B Um foguete persegue um avião, ambos com velocida
des constantes e mesma direção. Enquanto o foguete percorre 4,0 km, o avião percorre a
penas 1,0 km. Admita que, em um instante t1 , a distância entre eles é de 4,0 km e q
ue, no instante t2 , o foguete alcança o avião. No intervalo de tempo t2 – t1 , a distân
cia percorrida pelo foguete, em quilômetros, corresponde aproximadamente a: a) 4,7
*b) 5,3 c) 6,2 d) 8,6 (UNIV.CAT.BRASÍLIA-2009.2) - RESPOSTA: F; V; F; V; V Quanto
ao movimento de uma partícula sob ação da aceleração da gravidade g = 10 m/s2, consideran
do a resistência do ar desprezível, julgue os itens a seguir, assinalando (V) para o
s verdadeiros e (F) para os falsos. 0.( ) Se a partícula é lançada para cima em uma tr
ajetória vertical com velocidade inicial de 5,7 m/s, o tempo de subida é menor que o
tempo de descida. 1.( ) Quando a partícula é lançada para cima em trajetória vertical n
o ponto mais alto da trajetória, a velocidade vale zero. 2.( ) Se a partícula é lançada
para cima, trajetória vertical, com velocidade inicial de 12 m/s, atinge uma altur
a máxima de 120 m. 3.( ) Se a partícula é lançada com velocidade inicial de 20 m/s, faze
ndo um ângulo de 15o com a horizontal, ela descreve uma trajetória parabólica. 4.( ) S
e a partícula é lançada com velocidade inicial de 10 m/s, o alcance máximo ocorre quando
o ângulo com a horizontal é de 45o. (UCS/RS-2009.2) - ALTERNATIVA: B Um escritor, e
nquanto escrevia sem inspiração, mantinha uma taxa constante de 2 letras digitadas p
or segundo. Foi quando teve uma ideia brilhante, que o deixou animado: aumentou
o ritmo, atingindo a taxa de 5 letras por segundo. Suponha que ele atinja essa t
axa em 4 segundos, sob aceleração constante. Qual é o valor dessa aceleração? a) 0,25 letr
as/s2 *b) 0,75 letras/s2 c) 1,25 letras/s2 d) 12 letras/s2 e) 20 letras/s2
(UCS/RS-2009.2) - ALTERNATIVA: C Um golfinho, num show aquático, saltou da água e at
ingiu uma altura vertical de 1,8 m. Considerando a aceleração da gravidade igual a 1
0 m/s2 e o golfinho como uma partícula, qual era sua velocidade no instante exato
em que ele saiu da água? a) 1,5 m/s b) 3 m/s *c) 6 m/s d) 10 m/s e) 18 m/s (MACKEN
ZIE-2009.2) - ALTERNATIVA: B Um aluno, estudando um movimento retilíneo uniformeme
nte variado, observa que um móvel percorre 28 m em 2 s, após passar pela origem da t
rajetória, e, nos 2 s seguintes, ele percorre mais 44 m. A distância que o móvel perco
rrerá nos próximos 2 s será de a) 48 m *b) 60 m c) 91 m d) 110 m e) 132 m (UFU/MG-2009
.2) - ALTERNATIVA: C A equação horária da posição de um móvel em movimento
 retilíneo e com
leração constante é dada por uma expressão do tipo z(t) = z0 v0z.t (a/2).t2 Assinale a
lternativa que pode representar a equação horária de uma bola lançada verticalmente para
cima. a) z(t) = 10 - 5t2 b) z(t) = 5t2 *c) z(t) = 8t - 5t2 d) z(t) = 7t + 5t2 (
UTFPR-2009.2) - ALTERNATIVA: C Um entregador de pizzas sai de motocicleta da piz
zaria e percorre 3,00 km de uma rua retilínea com velocidade média de 54 km/ h. Perc
ebendo que passou do endereço da entrega, retorna 500m na mesma rua, com velocidad
e média de 36 km/h, e faz a entrega. O módulo da velocidade média desenvolvida pelo mo
tociclista entre a pizzaria e o local onde entregou a pizza, em km/h, foi de: a)
45,0. d) 50,4. b) 40,5. e) 47,2. *c) 36,0.
japizzirani@gmail.com
28
(UFOP/MG-2009.2) - RESPOSTA: a) 1,2 s b) 6,0 m/s c) 1,8 m Um malabarista de circ
o deseja ter três facas no ar em todos os instantes. Ele arremessa uma faca a cada
0,4 s. Considerando g = 10 m/s2, responda às questões seguintes. a) Quanto tempo ca
da faca fica no ar? b) Com que velocidade inicial deve o malabarista atirar cada
faca para cima? c) A que altura se elevará cada faca acima de suas mãos?
(IFMG/EAFI-2009.2) - ALTERNATIVA: A Considere um ciclista competindo em uma pist
a circular de raio 90,0m conseguido dar uma volta em 27 segundos. Considerando =
3, a velocidade média desse ciclista vale: *a) 1,2km/min b) 20km/h c) 12km/h d) 5
4km/h e) 90m/s (UDESC-2009.2) - RESPOSTA: a) 4 km b) não Um motorista em seu carro
parte de São Bento do Sul para Joinville, distante 90 km. Na saída, decide ligar ‘o s
om’ CD em sua música predileta, cuja duração é de 3 minutos e 20 segundos. Considere que s
eu carro mantém a velocidade praticamente constante de 72 km/h durante toda a viag
em. Em relação a isso: a) Calcule a distância percorrida durante o tocar de sua música p
redileta. b) Se a duração completa do CD for de aproximadamente 1 hora, o motorista
conseguirá chegar a Joinville ouvindo todo o CD, sem repetição? Justifique sua respost
a. (UNESP-2009.2) - ALTERNATIVA: B O atleta jamaicano Usain Bolt foi um dos gran
des protagonistas dos Jogos Olímpicos de Pequim. Ele bateu seu próprio recorde mundi
al dos 100 metros com o tempo de 9,69 segundos e, na prova dos 200 metros rasos,
ele registrou o tempo de 19,3 segundos. Se Bolt corresse a prova de 200 metros
rasos com a mesma velocidade média com que correu a prova dos 100 metros, ele teri
a completado a prova em a) 15,4 segundos. *b) 19,4 segundos. c) 25,5 segundos. d
) 29,3 segundos. e) 30,4 segundos. (UNESP-2009.2) - RESPOSTA: a) V = –15 cm/s b) s
= 120 – 15t (cm; s) Um estudante realizou uma experiência de cinemática utilizando um
tubo comprido, transparente e cheio de óleo, dentro do qual uma gota de água descia
verticalmente, como indica a figura.
(FATECSP-2009.2) - ALTERNATIVA: A Não há como ir ao parque temático Hopi Hari sem perc
eber a réplica da Torre Eiffel. Um elevador de 69,5 m de altura que transporta, em
seus 20 assentos, visitantes que se dispõem a encarar a aventura de uma queda liv
re. Os assentos, que sobem com velocidade constante de 5 m/s, caem em queda livr
e por 35 m quando a velocidade é, gradativamente, reduzida por meio de um sistema
eletromagnético, até atingir o solo. Desprezando-se as forças resistivas e considerand
o g = 10 m/s2, no final do trecho percorrido em queda livre os corajosos visitan
tes atingem, em km/h, velocidade aproximada de *a) 95. b) 73. Fig 64 2009 CIN c)
37. d) 25. e) 18.
(IFMG/EAFI-2009.2) - ALTERNATIVA: D Um dos conceitos importantes da cinemática é o d
a equação de posição de uma partícula que a localiza em um sistema referencial ao longo do
tempo. Considere as equações de duas partículas A e B sendo dadas respectivamente por
: e XB = 41 – 8t XA = 5 + 10t Podemos dizer que o tempo e a posição de encontro valem
respectivamente: a) t = 1,0 s e X = 10 m b) t = 1,5 s e X = 10 m c) t = 2,0 s e
X = 20 m *d) t = 2,0 s e X = 25 m e) t = 2,5 s e X = 25 m (UECE-2009.2) - ALTERN
ATIVA: B Você está dirigindo um automóvel com velocidade constante de 20 m/s ao longo
de uma estrada reta e horizontal, seguindo um caminhão com a mesma velocidade e no
mesmo sentido. Em certo momento, um objeto, a 3 m de altura do solo, se despren
de da parte traseira do caminhão e vem ao chão. Despreze a resistência do ar, consider
e g = 10 m/s2 e trate o objeto como uma partícula puntiforme. A respeito da distânci
a mínima entre a frente do automóvel e a traseira do caminhão para que o objeto em que
da não atinja o automóvel, antes de bater no chão, pode-se afirmar corretamente que a)
deve ser de 20 3/5 metros. *b) qualquer distância não nula assegura que o objeto não
colidirá com o automóvel. c) deve ser de 40 3/5 metros. d) nessas condições, o objeto se
mpre atingirá o automóvel.
A tabela relaciona os dados de posição em função do tempo, obtidos quando a gota passou
a descrever um movimento retilíneo uniforme
A partir desses dados, determine a velocidade, em cm/s, e escreva a função horária da
posição da gota.
japizzirani@gmail.com
29
(UNESP-2009.2) - RESPOSTA: R = 1 Como indica a figura, dois atletas, A e B, perc
orrem uma pista circular em duas faixas diferentes, uma de raio 3 m e outra de r
aio 4 m, com velocidades constantes em módulo. Num certo instante, os atletas pass
am simultaneamente pelos pontos 1 e 2 indicados, estando o atleta B à frente do at
leta A por um ângulo de /2.
(VUNESP/UFTM-2009.2) - RESPOSTA: a) 12 s b) 60 km/h Segundo o roteiro de um film
e de ação, no momento em que o único vagão aberto e sem carga de um trem passa, um carro
em fuga o sobrevoa, deixando seu perseguidor do outro lado da composição ferroviária.
A partir desse instante, os dois atletas demoraram o mesmo intervalo de tempo pa
ra cruzarem juntos, pela primeira vez, a Linha de Chegada. Determine a razão R ent
re o módulo da velocidade tangencial do atleta A em relação ao atleta B. (VUNESP/UFTM-
2009.2) - RESPOSTA: a) 2,5 horas b) 360 km Em uma batalha aérea, um caça-bombardeiro
A, voando a 800 km/h, persegue outro, B, que voa a 640 km/h, ambos numa mesma t
rajetória retilínea. A figura mostra os dois aviões num instante t durante a perseguição.
Sabe-se que o avião A passa pelo ponto P da figura meia hora depois de B ter passa
do pelo mesmo ponto, e que os dois aviões têm velocidades constantes. Determine: a)
quanto tempo demora para o avião A alcançar o B, contandose a partir do instante em
que o avião B passa pelo ponto P (t = 0). b) qual a distância entre os aviões no insta
nte t mostrado na figura, sabendo-se que ela retrata a perseguição 15 min antes de o
avião A chegar ao ponto P. (UFU/MG-2009.2) - RESPOSTA: a) 612 m b) 4 s Em um dado
instante t0, um míssil é lançado do solo, com velocidade inicial de 120 m/s formando
um ângulo de 30 em relação ao plano horizontal. Um lançador de antimísseis está posicionad
certa distância d, conforme a figura. Dado: = 1,7
Observe as condições passadas para o pessoal encarregado dos efeitos especiais: – o tr
em tem comprimento de 240 m e o vagão aberto ocupa seu centro; – tanto o trem quanto
o carro do fugitivo mantêm velocidades constantes durante a ação, sendo que a velocid
ade do trem é de 10 m/s; – as direções do movimento do trem e do carro são perpendiculares
entre si e, no momento em que a frente da locomotiva se encontra diretamente al
inhada com o carro, a distância que separa o carro dos trilhos da estrada de ferro
é de 200 m. Para auxiliar na elaboração desse efeito especial, determine: a) o tempo
de duração da cena, contando desde o momento em que o carro se encontra a 200 m da l
inha até o momento em que ele sobrevoa o vagão do trem. b) a velocidade escalar média
que deve possuir o carro para que tudo ocorra conforme planejado, desconsiderand
o-se o movimento vertical realizado durante o voo sobre o vagão. (UFU/MG-2009.2) -
RESPOSTA: a) 78 m b) 80 m Um grupo de estudantes de uma escola queria estimar a
altura do prédio mais alto da cidade em que mora. Para isso, eles dispunham de 10
0 pequenas esferas de chumbo de massa 50 g cada, de um calorímetro, um termômetro, u
ma régua e uma máquina fotográfica. Realizaram, então, dois procedimentos: Procedimento
1: alguns estudantes colocaram todas as bolinhas de chumbo dentro de um saco plást
ico bem resistente e largaram o saco plástico, do repouso, do último andar do prédio.
Ao tocar o solo, o saco plástico contendo as esferas de chumbo foi rapidamente col
ocado em um calorímetro, evitando-se assim perdas de calor para o meio externo. Um
termômetro, acoplado ao calorímetro, indicou um aumento da temperatura média das esfe
ras de chumbo em 6oC e, utilizando todos os dados, os estudantes estimaram a alt
ura do prédio. Procedimento 2: outro grupo de estudantes posicionou-se na esquina
e fotografou o abandono do saco plástico contendo as bolinhas de chumbo, disparand
o a máquina fotográfica a cada segundo após o abandono do saco plástico. Utilizando a pr
imeira foto que tiraram (t = 1s), mediram, com a régua, a posição do saco plástico em re
lação ao topo do prédio e a altura do prédio. A partir desses dados, os estudantes deter
minaram a altura do prédio. Sabendo que o calor específico do chumbo é 130 J/(kg oC) e
que a aceleração da gravidade local é 10 m/s2, responda: a) Qual a altura do prédio obt
ida pelos estudantes ao realizarem o procedimento 1, desprezando-se as trocas de
calor entre as esferas de chumbo e as paredes internas do calorímetro? b) Qual a
altura do prédio obtida pelos estudantes ao realizarem o procedimento 2 e obterem
1,5 cm para a posição do saco plástico em relação ao topo do prédio e 24 cm para a altura d
prédio na primeira foto tirada?
O valor de d é igual à posição horizontal em que o míssil atinge seu ponto mais alto na tr
ajetória. Alguns instantes após o lançamento do míssil, um antimíssil é lançado verticalmen
com velocidade v0A. Considere g = 10 m/s2, despreze a resistência do ar e consider
e tanto o míssil quanto o antimíssil como pontos materiais. Com base nessas informações,
faça o que se pede. a) Determine o valor da posição horizontal d. b) Calcule em que i
nstante após o lançamento do míssil, o antimíssil deve ser lançado para atingir o míssil co
uma velocidade de 80 m/s.
japizzirani@gmail.com
30
(UECE-2009.2) - ALTERNATIVA: C Dois objetos puntiformes estão acima do nível do solo
, sobre uma reta vertical e separados por uma distância de 10 m. Simultaneamente,
os objetos são lançados um contra o outro com velocidades iniciais de módulo 10 m/s. Q
ual é, em metros, a altura de choque dos objetos supondo que um deles é lançado do sol
o? Observação: Despreze qualquer tipo de atrito e considere g = 10 m/s2. a) 7,50 b)
2,50 *c) 3,75 d) 5,55 (UECE-2009.2) - ALTERNATIVA: C Um raio de luz passa por um
a roda dentada, com N dentes, exatamente entre dois dos seus dentes, e reflete e
m um espelho localizado a uma distância H da roda. O raio incide em uma direção perpen
dicular ao plano da roda e do espelho. Sabendo que a velocidade da luz é c, calcul
e a velocidade angular da roda, em rad/s, para que o raio refletido atinja o cen
tro do dente imediatamente adjacente à abertura por onde passou o raio incidente.
Considere a largura dos dentes igual à abertura entre eles. c HN c b) HN c *c) 2HN
c d) 2 HN a) (UECE-2009.2) - ALTERNATIVA: D Um foguete sobe verticalmente com a
celeração constante. Logo no início de sua subida, em uma altura em que ainda se possa
considerar a aceleração da gravidade constante, uma peça se desprende e vem ao solo e
m uma trajetória vertical. Considere os quatro gráficos (I, II, III e IV) na figura
a seguir:
(UEM/PR-2009.2) - RESPOSTA: SOMA = 18 (02+16) Sabendo que as velocidades Va , Vb
e Vc das respectivas canoas a, b e c em relação à água têm o mesmo módulo e que a velocida
e da água em relação à margem é V, assinale o que for correto.
01) Se partiram juntas, a canoa a atinge o lado oposto do rio antes da canoa b.
02) Para atravessar o rio, a canoa a percorre um espaço menor que a canoa b. 04) O
módulo da velocidade resultante da canoa a é maior que o módulo da velocidade resulta
nte da canoa b. 08) O módulo da velocidade resultante da canoa b é maior que o módulo
da velocidade resultante da canoa c. 16) Para atravessar o rio, a canoa b percor
re um espaço menor que a canoa c. (UEM/PR-2009.2) - RESPOSTA: SOMA = 19 (01+02+16)
Dois móveis A e B partem simultaneamente de um mesmo ponto, em trajetória retilínea e
no mesmo sentido. As velocidades, em função do tempo t, em segundos, dos movimentos
de A e de B são representadas no gráfico abaixo.
Qual dos gráficos melhor representa a componente vertical da velocidade vy(t) da p
eça após se desprender do foguete e antes de tocar no solo? Observação: Considere o uso
de um sistema de referência com o eixo-y apontado verticalmente para cima. a) III
b) I c) II *d) IV (UEM/PR-2009.2) - RESPOSTA: SOMA = 30 (02+04+08+16) Um móvel em
movimento retilíneo uniformemente variado (M.R.U.V.) apresenta sua posição variando co
m o tempo segundo a equação x(t) = kt2 , em que k é uma constante e t é o tempo. De acor
do com essa equação, é correto afirmar que 01) a aceleração do móvel é k/2. 02) o coeficien
angular do gráfico da velocidade v, em função do tempo t, é 2k. 04) o coeficiente linear
do gráfico da velocidade v, em função do tempo t, é zero. 08) o coeficiente angular do
gráfico da posição x, em função de u, em que u = t2, é k. 16) o coeficiente linear do gráfi
da posição x, em função de u, em que u = t2, é zero.
Considerando o exposto, assinale o que for correto. 01) No instante t = 20s, os
móveis têm a mesma velocidade. 02) As acelerações aA(t) e aB(t), em função do tempo t, dos
eis A e B respectivamente, satisfazem aA(t) > aB(t), em que 0 < t < 10. 04) Entr
e 30 s e 40 s, o móvel B permaneceu em repouso. 08) Até o instante t = 40s, o móvel B
não havia alcançado o móvel A. 16) Entre os instantes t = 0 e t = 60 segundos, os móveis
A e B percorreram a mesma distância.
japizzirani@gmail.com
31
(UFLA/MG-2009.2) - ALTERNATIVA: A Um vaso cai com v0 = 0 de uma janela situada a
uma altura h em relação ao solo, atingindo-o com velocidade v. Desprezando-se os ef
eitos do atrito do ar, é CORRETO afirmar que, na metade do percurso: *a) a velocid
ade do vaso é v.
b) a velocidade do vaso é v 2. c) o tempo decorrido é igual à metade do tempo da queda
. d) a velocidade do vaso é 0,25 v. (UFLA/MG-2009.2) - ALTERNATIVA: C Uma partícula
executa um movimento retilíneo uniformemente variado (MRUV), e a equação de suas posições é
dada pela expressão: S = –3 – 2 t + t2, com S em metros e t em segundos. É CORRETO afirm
ar: a) a trajetória da partícula é parabólica. b) a velocidade média da partícula nos três
meiros segundos é igual à sua velocidade instântanea em t = 3 s. *c) a velocidade da p
artícula aumenta com o decorrer do tempo e passa pela origem das posições no instante
t = 3 s. d) no instante t = 3 s, o movimento é retardado retrógrado. (UFLA/MG-2009.2
) - ALTERNATIVA: B Um engenheiro projeta a curva de uma estrada e, para efeito d
e segurança, prevê que o veículo ao percorrê-la pode sofer uma aceleração centrípeta máxima
g, ou seja, duas vezes a aceleração da gravidade. Considerando o raio da curva R, po
de-se afirmar que a velocidade máxima de segurança prevista pelo engenheiro para um
veículo nessa curva é dada pela expressão: a) 2gR *b) c) (2gR)2 d)
japizzirani@gmail.com
32
MECÂNICA: LEIS DE NEWTON
VESTIBULARES 2009.1
VESTIBULARES 2009.2 PÁG. 53 (UERJ-2009.1) - ALTERNATIVA: D Uma pessoa de massa igu
al a 80 kg encontra-se em repouso, em pé sobre o solo, pressionando perpendicularm
ente uma parede com uma força de magnitude igual a 120 N, como mostra a ilustração a s
eguir.
(UFABC-2009.1) - ALTERNATIVA: E Considere duas equipes A e B, formadas por três ga
rotas cada uma, numa disputa de cabo-de-guerra sobre uma superfície plana e horizo
ntal, como mostra a figura.
A melhor representação gráfica para as distintas forças externas que atuam sobre a pesso
a está indicada em: a) b) c) *d)
A alternativa que mostra corretamente a força de tração aplicada pela corda nas mãos e a
força de atrito aplicada pelo solo nos pés, respectivamente, de uma integrante da E
quipe B, durante a disputa, é a) d)
OBS.: A RESPOSTA CORRETA É: (UERJ-2009.1) - ALTERNATIVA: A Com relação a questão acima e
considerando a aceleração da gravidade igual a 10 m.s–2, o coeficiente de atrito entr
e a superfície do solo e a sola do calçado da pessoa é da ordem de: *a) 0,15 b) 0,36 c
) 0,67 d) 1,28 (UERJ-2009.1) - ALTERNATIVA: D Uma pequena caixa é lançada sobre um p
lano inclinado e, depois de um intervalo de tempo, desliza com velocidade consta
nte. Observe a figura, na qual o segmento orientado indica a direção e o sentido do
movimento da caixa.
b)
*e)
c)
Entre as representações abaixo, a que melhor indica as forças que atuam sobre a caixa é:
a) b)
(PUCRIO-2009.1) - ALTERNATIVA: E Dois blocos A e B cujas massas são mA= 5,0 kg e m
B = 10,0 kg estão posicionados como mostra a figura a seguir.
c)
*d)
(PUCRIO-2009.1) - ALTERNATIVA: B Um bloco de massa m e colocado sobre um plano i
nclinado cujo coeficiente de atrito estático = 1 como mostra a figura. Qual e o ma
ior valor possível para o ângulo de inclinação do plano de modo que o bloco permaneca em
repouso? a) 30O *b) 45O c) 60O d) 75O e) 90O
Sabendo que a superfície de contato entre A e B possui o coeficiente de atrito estát
ico = 0,3 e que B desliza sobre uma superfície sem atrito, determine a aceleração máxima
que pode ser aplicada ao sistema, ao puxarmos uma corda amarrada ao bloco B com
força F, sem que haja escorregamento do bloco A sobre o bloco B. Considere g = 10
,0 m/s2. a) 7,0 m/s2 b) 6,0 m/s2 c) 5,0 m/s2 d) 4,0 m/s2 *e) 3,0 m/s2
japizzirani@gmail.com
33
(PUCRIO-2009.1) - RESOLUÇÃO: NO FINAL Um brinquedo de parque de diversões consiste (ve
ja as figuras abaixo) de um eixo vertical girante, duas cabines e um suporte par
a os cabos que ligam o eixo às cabines. O suporte é uma forte barra horizontal de aço,
de L = 8,0 m de comprimento, colocada de modo simétrico para poder sustentar as c
abines. Cada cabo mede d = 10 m.
CONTINUAÇÃO DA RESOLUÇÃO: PUCRIO-2009.1 a) O valor do raio R é dado por R = L/2 + d sen =
8 /2 + 10 × 0,5 = 4 + 5 = 9 m. b) A direção da força resultante FR é horizontal, no sentid
o do eixo de sustentação. c) Temos que T cos – Mg = 0 T = Mg / cos 30O = 1000 × 10 / 0,8
66 = 1,15 × 104 N. d) A força centrípeta é a componente horizontal de T, portanto: FR =
T sen = 1,15 × 104 × 0,5 = 5,77 × 103 N. (VUNESP/UNISA-2009.1) - ALTERNATIVA: D Um peq
ueno corpo, de dimensoes despreziveis e massa m, passa pelo ponto A com velocida
de 20 m/s e sobe a rampa, chegando ao ponto B, distante 25 m de A, com velocidad
e nula. Considerando a aceleracao da gravidade g = 10 m/s2, o coeficiente de atr
ito entre o corpo e o plano e igual a Dados: sen = 0,6 e cos = 0,8 a) 0. b) 0,15
. c) 0,20. *d) 0,25. e) 0,30.
Quando as pessoas entram nas cabines, o eixo se poe a girar e as cabines se incl
inam formando um ângulo com a vertical. O movimento das cabines e circular uniform
e, ambos de raio R. Considere a massa total da cabine e passageiro como M = 1000
kg.
(UNICENTRO/PR-2009.1) - ALTERNATIVA: C A figura mostra duas formigas identicas e
m cima de um disco que gira, num plano horizontal, com velocidade angular consta
nte em torno de seu centro. As formigas nao deslizam sobre o disco, e o coeficie
nte de atrito entre o disco e cada formiga vale .
Suponha que = 30O. Considere g = 10 m/s2 para a aceleração gravitacional e despreze
todos os efeitos de resistencia do ar. a) Desenhe na figura acima o raio R de ro
tação, para a trajetoria da cabine do lado direito, e calcule seu valor. b) Desenhe
na figura acima as forças agindo sobre a cabine do lado esquerdo. Qual a direção e o s
entido da forca resultante FR sobre esta cabine? c) Sabendo que as forças verticai
s sobre a cabine se cancelam, calcule a tensão no cabo que sustenta a cabine. d) Q
ual o valor da força centripeta agindo sobre a cabine? RESOLUÇÃO OFICIAL PUCRIO-2009.1
:
É CORRETO afirmar que a) a aceleração da formiga 1 é maior que a aceleração da formiga 2. b
a velocidade angular da formiga 1 é menor que a velocidade angular da formiga 2.
*c) a força resultante sobre a formiga 1 é menor que a força resultante sobre a formig
a 2. d) a velocidade tangencial da formiga 1 vale a metade da velocidade tangenc
ial da formiga 2. e) a aceleração da formiga 1 vale a metade da aceleração da formiga 2.
(UECE-2009.1) - ALTERNATIVA: QUESTÃO ANULADA Uma motocicleta de 120 kg se choca d
e frente com um automóvel de 800 kg, em uma rua horizontal. Sobre a força sofrida pe
los veículos, devido à colisão, assinale o correto. a) As forças sofridas pelos dois veícu
los são iguais. b) A motocicleta sofre maior força. c) O automóvel sofre maior força. d)
As forças sofridas pelos dois veículos vão depender de a colisão ser ou não elástica.
CONTINUA NA COLUNA DA DIREITA
japizzirani@gmail.com
34
(PUCPR-2009.1) - ALTERNATIVA: E De acordo com pesquisas, cerca de quatro milhões d
e pequenas propriedades rurais empregam 80% da mão-de-obra do campo e produzem 60%
dos alimentos consumidos pela população brasileira. Pardal e Pintassilgo acabaram d
e colher uma caixa de maçãs e pretendem transportar essa caixa do pomar até a sede da
propriedade. Para isso, vão utilizar uma caminhonete com uma carroceria plana e ho
rizontal. Inicialmente a caminhonete está em repouso numa estrada também plana e hor
izontal. Sabendo-se que o coeficiente de atrito estático entre a caixa e a carroce
ria é de 0,40, a aceleração máxima com que a caminhonete pode entrar em movimento sem qu
e a caixa escorregue, vale: (Considere g = 10 m/s2). a) a 2 m/s2 b) a 4 m/s2 c)
a 2 m/s2 d) a = 10 m/s2 *e) a 4 m/s2 (UFRJ-2009.1) - RESPOSTA: f = 5,0 N Um pequ
eno bloco de massa m = 3,0kg desliza sobre a superfície inclinada de uma rampa que
faz com a horizontal um ângulo de 30O, como indica a figura ao lado.
(VUNESP/UNICID-2009.1) - ALTERNATIVA: A Um bloco de massa 2 m é acoplado em outro
bloco de massa m, por meio de uma corda elástica com constante de elasticidade k.
O bloco de massa m é puxado por uma força F, paralela ao plano horizontal e paralela
à corda.
Desconsiderando as forças de atrito, a deformação da corda é dada por *a) 2 F/3 k. b) 2
k/3 F. c) 2 kF/3. d) 3 F/2 k. e) 3 k/2 F. (VUNESP/UNICID-2009.1) - ALTERNATIVA:
C É aplicada, sobre um corpo de massa 2 kg, que se encontra sobre uma superfície hor
izontal com atrito, uma força variável paralela ao plano. Os gráficos representam a re
lação entre força aplicada e tempo e entre velocidade e tempo.
Verifica-se que o bloco desce a rampa com movimento retilíneo ao longo da direção de m
aior declive (30 com a horizontal) com uma aceleração de módulo igual a g/3, em que g é o
módulo da aceleração da gravidade. Considerando g = 10m/s2, calcule o módulo da força de
atrito que a superfície exerce sobre o bloco. (VUNESP/UNICID-2009.1) - ALTERNATIVA
: A Uma criança, dentro de um veículo em movimento, com as janelas fechadas, segura
um balão de gás (preenchido com um gás de densidade ........... que a do ar). De repen
te, o carro freia bruscamente. Todos se movimentam para frente devido à ....... le
i de Newton, com exceção do balão, que se movimenta para trás. Assinale a alternativa
 qu
e preenche,
 correta e
 respectivamente,
 as lacunas da
 frase. *a) menor … 1. b) menor
… 2. c) maior … 3. d) maior … 1. e) menor … 3. (UECE-2009.1) - ALTERNATIVA: A A força
nte que age sobre um corpo de massa 2 kg, que está se movendo no sentido positivo
do eixo-x, é dada, em Newtons, pela expressão F = –6x, sendo x dado em metros. Se a ve
locidade do corpo, para x = 3,0 m, é v = 8,0m/s, então, para x = 4,0 m, sua velocida
de será, aproximadamente, *a) 6,5 m/s. b) 8,0 m/s. c) 9,0 m/s. d) –6,5 m/s.
Considerando que a aceleração da gravidade vale 10 m/s2, os coeficientes de atrito e
stático e dinâmico valem, respectivamente, a) 0,25 e 0,25. b) 0,25 e 0,50. *c) 0,50
e 0,25. d) 0,50 e 0,50. e) 1,00 e 0,50. (UDESC-2009.1) - ALTERNATIVA: A Na figur
a abaixo, o sul-africano Mark Shuttleworth, que entrou para história como o segund
o turista espacial, depois do empresário norte-americano Dennis Tito, flutua a bor
do da Estação Espacial Internacional que se encontra em órbita baixa (entre 350 km e 4
60 km da Terra). Fig 3 2009 NEW
Sobre Mark, é correto afirmar: *a) tem a mesma aceleração da Estação Espacial Internaciona
l. b) não tem peso nessa órbita. c) tem o poder da levitação. d) permanece flutuando dev
ido à inércia. e) tem velocidade menor que a da Estação Espacial Internacional.
japizzirani@gmail.com
35
(UDESC-2009.1) - ALTERNATIVA: B O gráfico abaixo representa a força de atrito (fat)
entre um cubo de borracha de 100 g e uma superfície horizontal de concreto, quando
uma força externa é aplicada ao cubo de borracha.
Assinale a alternativa correta, em relação à situação descrita pelo gráfico. Considere g =
0 m/s2. a) O coeficiente de atrito cinético é 0,8. *b) Não há movimento relativo entre o
cubo e a superfície antes que a força de atrito alcance o valor de 1,0 N. c) O coef
iciente de atrito estático é 0,8. d) O coeficiente de atrito cinético é 1,0. e) Há movimen
to relativo entre o cubo e a superfície para qualquer valor da força de atrito.
(UNICAMP-2009.1) - RESPOSTA: a) d = 10,0 m (figura no final) b) v = 12,0 m/s Os
pombos-correio foram usados como mensageiros pelo homem no passado remoto e até me
smo mais recentemente, durante a Segunda Guerra Mundial. Experimentos mostraram
que seu mecanismo de orientação envolve vários fatores, entre eles a orientação pelo campo
magnético da Terra. a) Num experimento, um ímã fixo na cabeça de um pombo foi usado par
a criar um campo magnético adicional ao da Terra. A figura abaixo mostra a direção dos
vetores dos campos magnéticos do ímã BI e o da Terra BT. O diagrama quadriculado repr
esenta o espaço em duas dimensões em que se dá o deslocamento do pombo. Partindo do po
nto O, o pombo voa em linha reta na direção e no sentido do campo magnético total e at
inge um dos pontos da figura marcados por círculos cheios. Desenhe o vetor desloca
mento total do pombo na figura e calcule o seu módulo. Fig 7 2009 NEW
(UFCG/PB-2009.1) - ALTERNATIVA: C Leia o texto seguinte: Fig 5 2009 NEW
b) Quando em vôo, o pombo sofre a ação da força de resistência do ar. O módulo da força de
istência do ar depende da velocidade v do pombo segundo a expressão Fres = bv2 , ond
e b = 5,0 × 10–3 kg/m. Sabendo que o pombo voa horizontalmente com velocidade consta
nte quando o módulo da componente horizontal da força exercida por suas asas é asas Fa
sas = 0,72 N, calcule a velocidade do pombo. FIGURA RESPOSTA UNICAMP-2009.1:
MGM/Time Warner Company
“O Discovery media quase cento e vinte metros de ponta a ponta, porém o reduzido uni
verso ocupado pela sua tripulação estava inteiramente encerrado no interior da esfer
a de doze metros de sua cabina pressurizada. A região equatorial da esfera de pres
são, poderíamos dizer a faixa compreendida entre Capricórnio e Câncer [analogia com o Gl
obo Terrestre], continha dois tambores de pequena rotação, com vinte metros de diâmetr
o. Fazendo uma revolução a cada dez segundos, esse carrossel ou centrífuga produzia um
a gravidade artificial suficiente para evitar a atrofia física que seria capaz de
ocorrer em conseqüência da total ausência de peso, permitindo, também, que as funções rotin
iras da vida fossem executadas em condições quase normais.”
CLARKE, Arthur C. 2001 Odisséia Espacial. 9. ed. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura
, 1985, p.91-92 (com adaptações).
Para um astronauta de 80 kg, seu “peso”, no local descrito no interior da Discovery,
é: a) 800 N. b) 480 N. *c) 288 N. d) 248 N. e) 133 N.
(UFOP-2009.1) - ALTERNATIVA: B Qual par de forças abaixo representa um par de ação e r
eação? a) O peso do bloco e a reação normal da mesa sobre o bloco. *b) A força de atração q
a Terra faz sobre um bloco e a força de atração que o bloco faz sobre a Terra. c) O pe
so de um navio e o empuxo que a água faz sobre a embarcação. d) Uma força horizontal pux
ando um bloco sobre uma mesa e a força de atrito da mesa sobre o bloco.
japizzirani@gmail.com
36
(UFPR-2009.1) - ALTERNATIVA: A Suponha uma máquina de lavar e centrifugar roupa co
m cuba interna cilíndrica que gira em torno de um eixo vertical. Um observador ext
erno à máquina, cujo referencial está fixo ao solo, acompanha o processo pelo visor da
tampa e vê a roupa “grudada” em um ponto da cuba interna, que gira com velocidade ang
ular constante. Se estivesse no interior da máquina, situado sobre a peça de roupa s
endo centrifugada, o observador veria essa peça em repouso. De acordo com a mecânica
, para aplicar a segunda Lei de Newton ao movimento da roupa no processo de cent
rifugação, cada observador deve inicialmente identificar o conjunto de forças que atua
sobre ela. Com base no texto acima e nos conceitos da Física, considere as seguin
tes afirmativas: 1. O observador externo à máquina deverá considerar a força peso da rou
pa, apontada verticalmente para baixo, a força de atrito entre a roupa e a cuba, a
pontada verticalmente para cima, e a força normal exercida pela cuba sobre a roupa
, apontada para o eixo da cuba, denominada de força centrípeta. 2. Um observador que
estivesse situado sobre a peça de roupa sendo centrifugada deveria considerar a f
orça peso da roupa, apontada verticalmente para baixo, a força de atrito entre a rou
pa e a cuba, apontada verticalmente para cima, a força normal exercida pela cuba s
obre a roupa, apontada para o eixo da cuba, e também uma outra força exercida pela r
oupa sobre a cuba, apontada para fora desta, denominada de força centrífuga, necessári
a para explicar o repouso da roupa. 3. O referencial fixo ao solo, utilizado pel
o observador externo à máquina, é chamado de não-inercial, e o referencial utilizado pel
o observador postado sobre a roupa sendo centrifugada é denominado de inercial. As
sinale a alternativa correta. *a) Somente a afirmativa 1 é verdadeira. b) Somente
a afirmativa 2 é verdadeira. c) Somente a afirmativa 3 é verdadeira. d) Somente as a
firmativas 1 e 2 são verdadeiras. e) As afirmativas 1, 2 e 3 são verdadeiras. (UFPB-
2009.1) - ALTERNATIVA: B Sobre um bloco com massa 1,0 kg, apoiado sobre uma mesa
horizontal (figura ao lado), existe uma força dada pela equação cartesiana F = 1i + 3
k , expressa no Sistema Internacional de Unidades (S.I.).
(UFERJ/UNIRIO-2009.1) - ALTERNATIVA: E Nas estradas de mão única, quando não há mpviment
o, é comum observarmos motoristas que se comportam como o mostrado na Situação 1: proc
urando seguir as curvas determinadas pela estrada, enquanto que outros, como o m
ostrado da Situação 2, para a mesma estrada, procuram retificar as curvas determinad
as pela estrada. Situação 1
O trajeto seguido pelo motorista está indicado pela linha vermelha. Situação 2
Sobre as duas situações descritas, a alternativa que melhor aplica os conceitos físico
s a cada uma delas é a) o motorista da situação 2 sente mais o efeito da inércia, seu ca
rro precisa de mais força de atrito para trafegar e, consequentemente, ele gasta m
ais os pneus. b) o motorista da situação 2 sente mais o efeito da inercia, seu carro
precisa de mais força de atrito para trafegar e, consequentemente, ele gasta meno
s os pneus. c) o motorista da situação 1 sente menos o efeito da inercia, seu carro
precisa de mais força de atrito para trafegar e, consequentemente, ele gasta menos
os pneus. d) o motorista da situação 1 sente mais o efeito da inércia, seu carro prec
isa de menos força de atrito para trafegar e, consequentemente, ele gasta menos os
pneus. *e) o motorista da situação 2 sente menos o efeito da inércia, seu carro preci
sa de menos força de atrito para trafegar e, consequentemente, ele gasta menos os
pneus. (UFRJ-2009.1) - RESPOSTA: a) T = m1.g b) a2 = –(m1+ m2)g m2 Duas pequenas e
sferas homogêneas de massas m1 e m2 estão unidas por um fio elástico muito fino de mas
sa desprezível. Com a esfera de massa m1 em repouso e apoiada no chão, a esfera de m
assa m2 é lançada para cima ao longo da reta vertical que passa pelos centros das es
feras, como indica a figura 1. A esfera lançada sobe esticando o fio até suspender a
outra esfera do chão. A figura 2 ilustra o instante em que a esfera de massa m1 p
erde contato com o chão, instante no qual o fio está ao longo da reta que passa pelo
s centros das esferas.
Considerando que o coeficiente de atrito cinético entre o bloco e a mesa é 0,2 e adm
itindo que, inicialmente, foi fornecida ao bloco uma velocidade de 4,0 m/s ao lo
ngo do eixo , é correto afirmar que o bloco, até parar, percorreu uma distância de: a)
16 m c) 32 m e) 80 m *b) 20 m d) 40 m
(IMT/MAUÁ-2009.1) - RESPOSTA: Fat = 20 N Um bloco de peso 20 N é pressionado contra
uma parede vertical pela força F horizontal de intensidade 80 N, permanecendo em r
epouso. Sendo o coeficiente de atrito estático entre o bloco e a parede igual a 0,
60, determine a força de atrito que a parede exerce sobre o bloco.
Considerando como dados m1 , m2 e o módulo da aceleração da gravidade g, calcule no in
stante em que a esfera de massa m1 perde o contato com o chão: a) a tensão no fio; b
) a aceleração da esfera de massa m2.
japizzirani@gmail.com
37
(UFERJ/UNIRIO-2009.1) - ALTERNATIVA: A Além dos cinco sentidos comumente conhecido
s: visão, audição, tato, paladar e olfato, possuimos também um sexto sentido que facilit
a o nosso equilíbrio. É o sentido gravitacional, que é percebido através na atuação do camp
gravitacional terrestre sobre um fluido do sistema vestibular que está localizado
no ouvidos interno. Quando uma pessoa encontra-se em pé e começa a rodopiar, ela ge
ra sobre este fluido efeitos associados à exestência de certas forças, ficando tonta,
ao parar de rodopiar. Considere uma molécula M do fluido mencionado, que se encont
ra a uma distância r do eixo de rotação quando a pessoa está rodopiando. Para um observa
dor que se encontra em um sistema de referência inercial e analisa macroscopicamen
te o comportamento dinâmico dessa molécula, o esquema que melhor representa as forças
que atuam sobre ela é Legenda: FCF força centrífuga FC força centrípeta P peso ponto por o
nde passa o eixo de rotação O M molécula do fluido d)
(FGVSP-2009.1) - ALTERNATIVA: B (Veja observação no final) A jabuticabeira é uma árvore
que tem seus frutos espalhados em toda a extensão de seus galhos e tronco. Após a fl
orada, as frutinhas crescem presas por um frágil cabinho que as sustentam. Cedo ou
tarde, devido ao processo de amadurecimento e à massa que ganharam se desenvolven
do, a força gravitacional finalmente vence a força exercida pelo cabinho. Considere
a jabuticaba, supondo-a perfeitamente esférica e na iminência de cair.
Esquematicamente, o cabinho que segura a pequena fruta aponta para o centro da e
sfera que representa a frutinha.
*a)
b)
e)
c)
Se essa jabuticaba tem massa de 8 g, a intensidade da componente paralela ao gal
ho da força exercida pelo cabinho e que permite o equilíbrio estático da jabuticaba na
posição mostrada na figura é, em newtons, aproximadamente, Dados: aceleração da gravidade
= 10 m/s2 sen = 0,54 cos = 0,84 a) 0,01. *b) 0,04. c) 0,09. d) 0,13. e) 0,17. O
BS.: Para encontrar a resposta deve-se fazer a componente tangencial da força exer
cida pelo cabinho equilibrar a componente tangencial do peso da jabuticaba. (CEF
ETMG-2009.1) - ALTERNATIVA: C Uma dentista, a fim de efetuar o alinhamento de um
dos dentes incisivos com os outros da arcada, fixou um elástico em dois molares,
passando pelo dente incisivo, como mostra a figura. Fig 15 2009 NEW
(UTFPR-2009.1) - ALTERNATIVA: D Uma pessoa de 600 N de peso está dentro de um elev
ador que possui uma balança corretamente calibrada dentro dele. A pessoa sobe na b
alança que indica uma massa de 48 kg. O que podemos concluir fisicamente deste fat
o? Considere g = 10 m/ s 2. a) Que o peso real da pessoa é de 540 N. b) Que o elev
ador está subindo com velocidade constante. c) Que o elevador está subindo acelerado
com 2,0 m/s2. *d) Que o elevador está subindo e diminuindo sua velocidade, com 2,
0 m/s2. e) Que o elevador está descendo e freando para parar com uma aceleração de 2,0
m/s2.
(CEFETMG-2009.1) - ALTERNATIVA: C Um bloco de massa igual a 2,0 kg é empurrado por
uma pessoa sobre uma superfície horizontal. Ao adquirir a velocidade de 10 m/s, e
le é solto e pára a uma distância de 20 m. Considerando g = 10 m/s2, o coeficiente de
atrito entre esse bloco e a superfície é, aproximadamente, a) 0,02. b) 0,13. *c) 0,2
5. d) 0,63. e) 0,73.
Se a tensão no elástico for 12 N, as componentes da força resultante nos eixos x e y v
alem, respectivamente, em newtons, a) 0,56 e 10,0. b) 0,60 e –0,72. *c) 0,72 e –19,9
. d) 3,50 e –4,73. e) 12,0 e 67,7.
japizzirani@gmail.com
38
(CEFETMG-2009.1) - ALTERNATIVA: A A figura, abaixo, mostra um paciente de massa
60 kg submetido a um tratamento de tração.
Dados: sen 31O = 0,51; cos 31O = 0,85 e g = 10 m/s2. Se o coeficiente de atrito
estático entre o paciente e a cama é 0,20, então, o valor máximo da massa m, em kg, a se
r pendurada para produzir uma força de tensão T, sem que ele se desloque, é, aproximad
amente, *a) 12,6. b) 13,2. c) 14,9. d) 15,4. e) 16,9. (PUCSP-2009.1) - ALTERNATI
VA: C
(UEM/PR-2009.1) - RESPOSTA: SOMA = 21 (01+04+16) Uma pista de corrida circular p
ossui um raio de 250 m. Considere g = 10 m/s2 e assinale a(s) alternativa(s) cor
reta(s). 01) Se a pista possuir um ângulo de inclinação com a horizontal de 45O, a vel
ocidade máxima que um piloto pode imprimir a uma moto de corridas de massa 200 kg,
para que a mesma se mantenha na trajetória circular sem se importar com o atrito
entre os pneus da moto e a pista é 50 m/s. 02) Se a pista possuir um ângulo de incli
nação com a horizontal de 45O, a força centrípeta experimentada por uma moto de corridas
de 200 kg, quando essa corre na pista a uma velocidade de 50 m/s, é 3000 N, sem d
epender da força de atrito. 04) Se a pista não for inclinada e o coeficiente de atri
to estático entre os pneus da moto e a pista for 0,36, a máxima velocidade com que a
moto de massa 200 kg poderá circular nessa pista será 30 m/s. 08) Se a pista não for
inclinada, a força centrípeta experimentada por uma moto de 200 kg, que corre nessa
pista com uma velocidade de 20 m/s, é 380 N. 16) Se a pista possuir um ângulo de inc
linação com a horizontal, a velocidade máxima com a qual uma moto pode circular depend
erá do raio da pista. (UEPB-2009.1) - ALTERNATIVA: B No dia 15 de junho de 2008, d
epois de um jogo sofrido, a seleção brasileira feminina de basquete conquistou a últim
a vaga para os Jogos Olímpicos de Pequim, depois de vencerem as cubanas, numa part
ida repleta de adrenalina, na final da repescagem do Pré-Olímpico Mundial de Madri.
Aos 4s finais do jogo, Mama fez um lançamento de bola, fechando o placar do jogo e
m 72 a 67.
Fig 16 2009 NEW
Suponha que, na tirinha acima, tenha ocorrido o “beijinho”, e na falta de outra mela
ncia de 5kg, o marido ciumento tenha largado uma maçã de 50g. Comparando as grandeza
s velocidade e força peso nas duas situações, pode-se afirmar que (considere g = 9,8m/
s2 e a altura da queda = 10m) a) a velocidade seria a mesma, valendo 196m/s, mas
a força peso seria diferente, valendo 10 vezes menos na queda da maçã. b) a velocidad
e seria a mesma, valendo 14m/s, mas a força peso seria diferente, valendo 10 vezes
mais na queda da maçã. *c) a velocidade seria a mesma, valendo 14m/s, mas a força pes
o seria diferente, valendo 100 vezes menos na queda da maçã. d) a força peso seria a m
esma, valendo 14N, mas a velocidade de queda seria diferente, valendo 10 vezes m
ais na queda da maçã. e) a força peso seria a mesma, valendo 49N, mas a velocidade de
queda seria diferente, valendo 100 vezes menos na queda da maçã.
Considerando que, nesta última bola lançada pela jogadora em direção à cesta, a velocidade
e trajetória da bola em um determinado instante são ilustradas pela figura ao lado,
e que os efeitos do ar são desprezados, a(s) força(s) que age(m) sobre a bola, ness
e instante, pode(m) ser representada(s) por: a) c) e)
*b)
d)
(UEM/PR-2009.1) - RESPOSTA: SOMA = 07 (01+02+04) Um corpo, solto próximo à superfície
da Terra, está sujeito à ação da força gravitacional oriunda da interação Terra-corpo. Com
e nessa afirmação, assinale o que for correto. 01) A força de reação, devido à atração grav
onal que a Terra exerce sobre o corpo, é a força de natureza gravitacional com que o
corpo atrai a Terra. 02) O campo gravitacional da Terra é representado pelo vetor
campo gravitacional g, que pode ser considerado constante quando medido ao nível
do mar. 04) A terceira lei de Kepler estabelece que o quadrado do período de revol
ução de um planeta em órbita do Sol é diretamente proporcional ao cubo do raio médio de su
a órbita. 08) Se colocarmos o corpo sobre uma mesa, ao nível do mar, a força de reação à fo
peso do corpo será a força normal originada do contato entre o corpo e a mesa. 16)
Um corpo colocado ora na superfície da Terra ora na superfície da Lua apresentará o me
smo peso e a mesma massa.
(UFABC-2009.1) RESPOSTA: a) figura no enunciado b) = 0,25 Do ponto de entrada em
uma curva fechada à direita até sua saída, o velocímetro de um carro indica um valor co
nstante de 36 km/h. Considere que • a curva é plana, horizontal e circular com centr
o em C; • o raio da curva que o carro descreve é de 40 m; • a aceleração local da gravidad
e tem valor g = 10 m/s2. RESPOSTA a)
a) Reproduza o desenho apresentado, indicando as direções e sentidos dos vetores vel
ocidade e aceleração, se julgar que existam, quando o carro se encontra no ponto ind
icado por P. b) Em seguida, determine o mínimo coeficiente de atrito estático entre
os pneus e a pista, supondo que o carro consiga fazer a curva sem derrapar.
japizzirani@gmail.com
39
(MACKENZIE-2009.1) - ALTERNATIVA: D Certo corpo começa a deslizar, em linha reta,
por um plano inclinado, a partir do repouso na posição xO = 0. Dados: sen = 0,6 cos
= 0,8 g = 10 m/s2
Sabendo-se que após 1,00 s de movimento, ele passa pela posição x1 = 1,00 m e que, com
mais 3,00 s, ele chega à posição x2, o coeficiente de atrito cinético entre as superfície
s em contato ( C ) e a posição x2 são, respectivamente, iguais a a) 0,25 e 16,00 m b)
0,50 e 8,00 m c) 0,25 e 8,00 m *d) 0,50 e 16,00 m e) 0,20 e 16,00 m (MACKENZIE-2
009.1) - ALTERNATIVA: A Um bloco A, de massa 6 kg, está preso a outro B, de massa
4 kg, por meio de uma mola ideal de constante elástica 800 N/m. Os blocos estão apoi
ados sobre uma superfície horizontal e se movimentam devido à ação da força F horizontal,
de intensidade 60N. Sendo o coeficiente de atrito cinético entre as superfícies em c
ontato igual a 0,4 , a distensão da mola é de *a) 3 cm b) 4 cm c) 5 cm d) 6 cm Dado:
g = 10 m/s2 e) 7 cm (MACKENZIE-2009.1) - ALTERNATIVA: E Um quadro, pesando 36,0
N, é suspenso por um fio ideal preso às suas extremidades. Esse fio se apóia em um pr
ego fixo à parede, como mostra a figura. Desprezados os atritos, a força de tração no fi
o tem intensidade de a) 20,0 N b) 22,5 N c) 25,0 N d) 27,5 N *e) 30,0 N
(PUCMINAS-2009.1) - ALTERNATIVA OFICIAL: A Um astronauta na Lua quer medir a mas
sa e o peso de uma pedra. Para isso ele realiza as seguintes experiências: I. Para
medir a massa, ele utiliza uma balança de braços iguais, colocando em um dos pratos
a pedra e, no outro, massas de valor conhecido, até obter o equilíbrio da balança. II
. Para medir o peso, ele utiliza um dinamômetro na vertical, pendurando a pedra na
extremidade e lendo seu peso na escala do aparelho. III. Para medir a massa, el
e deixa a pedra cair de uma certa altura e mede o tempo de queda, comparando-o c
om o tempo de queda de um objeto de massa conhecida, solto da mesma altura; a re
lação entre os tempos é igual à relação entre as massas. IV. Para medir o peso da pedra, o
stronauta a prende na ponta de um fio que passa por uma roldana fixa vertical; n
a outra ponta do fio, ele pendura objetos de peso conhecido, um de cada vez, até q
ue consiga o equilíbrio, isto é, até que a roldana pare de girar. As experiências CORRET
AS são: *a) I e II apenas. b) III e IV apenas. c) I, II e IV apenas. d) I, II, III
e IV.
(PUCMINAS-2009.1) - ALTERNATIVA: B Um objeto percorre uma circunferência em movime
nto circular uniforme. A força resultante sobre esse objeto a) é nula, porque não há ace
leração. *b) é dirigida para o centro. c) é tangente à velocidade do objeto. d) tem sentid
o contrário ao da velocidade.
(PUCMINAS-2009.1) - ALTERNATIVAS: 37-A e 38-A
AS QUESTÕES 37 E 38 REFEREM-SE AO GRÁFICO A SEGUIR.
Estudando-se o movimento de um objeto de massa 2kg, obtevese o gráfico velocidade
x tempo abaixo. A velocidade está em m/ s e o tempo, em segundo.
(PUCMINAS-2009.1) - ALTERNATIVA: D A massa de um veículo em repouso é 900 kg. Esse v
eículo entra em movimento numa estrada pavimentada e é acelerado até sua velocidade at
ingir 100 km/h. Considerando-se g = 10m/s2, é CORRETO afirmar: a) À medida que a vel
ocidade do veículo aumenta, o seu peso diminui e, a 100 km/h, seu peso é mínimo. b) À me
dida que a velocidade do veículo aumenta, aumenta também sua aderência ao solo fazendo
com que seu peso aumente. c) Pode-se considerar que, até a velocidade de 100 km/h
, o peso do veículo não se altera, porém, para velocidades muito maiores que 100 km/h,
o peso do veículo vai se reduzindo de maneira muito acentuada. *d) O peso do veícul
o é o mesmo, estando ele em repouso ou em alta velocidade.
QUESTÃO 37 - ALTERNATIVA: A É CORRETO afirmar que a distância percorrida pelo objeto e
ntre t = 0 e t = 1,4s foi aproximadamente de: *a) 0,7 m b) 1,8 m c) 0,1 m d) 1,6
m QUESTÃO 38 - ALTERNATIVA: A Entre os instantes t = 0,4s e t = 0,8s o módulo da fo
rça resultante sobre o objeto foi aproximadamente de: *a) 2,0 N b) 1,5 N c) 0,2 N
d) 0,8 N
japizzirani@gmail.com
40
(PUCMINAS-2009.1) - ALTERNATIVA: D Na montagem experimental ilustrada a seguir,
os fios e a polia têm massas desprezíveis e pode-se desconsiderar o atrito no eixo d
a polia. Considere g = 10m/s2.
(UFSC-2009.1) - RESPOSTA: SOMA = 24 (08+16) “Ao fazermos uma curva, sentimos o efe
ito da força centrífuga, a força que nos “joga” para fora da curva e exige um certo esforço
para não deixar o veículo sair da trajetória. Quanto maior a velocidade, mais sentimos
essa força. Ela pode chegar ao ponto de tirar o veículo de controle, provocando um
capotamento ou a travessia na pista, com colisão com outros veículos ou atropelament
o de pedestres e ciclistas.”
DENATRAN. Direção defensiva. [Apostila], p. 31, maio 2005. Disponível em: http://<www.
detran.sc.gov.br> Acesso em: 9 out. 2008.
A citação acima apresenta um erro conceitual bastante freqüente. Suponha o movimento d
escrito analisado em relação a um referencial inercial, conforme a figura abaixo:
Nessas condições, é CORRETO afirmar: a) Os corpos movem-se com velocidade constante. b
) A tensão no fio é de 30 N. c) A força do conjunto sobre a haste de sustentação é de 50 N.
*d) A aceleração dos corpos é de 5,0 m/s2. (UFMG-2009.1) - ALTERNATIVA: C Observe este
s quatro sistemas de roldanas, em que objetos de mesma massa são mantidos suspenso
s, em equilíbrio, por uma força aplicada na extremidade da corda:
Sejam F1 , F2 , F3 e F4 as forças que atuam numa das extremidades das cordas em ca
da um desses sistemas, como representado na figura. Observe que, em dois desses
sistemas, a roldana é fixa e, nos outros dois, ela é móvel. Considere que, em cada um
desses sistemas, a roldana pode girar livremente ao redor do seu eixo; que a cor
da é inextensível; e que a massa da roldana e a da corda são desprezíveis. Considerando-
se essas informações, em relação aos módulos dessas quatro forças, é CORRETO afirmar que a)
= F2 e F3 = F4. b) F1 < F2 e F3 < F4. *c) F1 = F2 e F3 < F4. d) F1 < F 2 e F3 =
F4.
Em relação ao exposto, assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S). 01. Um veículo de massa m
ercorre uma determinada curva de raio R sem derrapar, com velocidade máxima de módul
o constante v. Um segundo veículo com pneus idênticos ao primeiro, com massa quatro
vezes maior (4 m), deverá percorrer a mesma curva sem derrapar, com uma velocidade
máxima constante de módulo duas vezes menor (v/2). 02. Um veículo descrevendo uma cur
va em uma estrada plana certamente estará sob ação de uma força centrífuga, se opondo à for
de atrito entre os pneus e o chão. Se o atrito deixar de atuar, o veículo será lançado r
adialmente para fora da curva em virtude dessa força centrífuga. 04. Como o veículo es
tá em equilíbrio, atuam a força centrípeta (para “dentro” da trajetória) e a força centrífu
a “fora” da trajetória), com o mesmo módulo, a mesma direção e sentidos contrários. Essas f
constituem um par ação e reação, segundo a 3a Lei de Newton. 08. Se o veículo percorrer u
ma curva, executando uma trajetória circular, com o módulo da velocidade constante,
estará sujeito a uma aceleração. Pela 2a Lei de Newton, essa aceleração é provocada pela re
ultante das forças que atuam sobre o veículo. Como a força normal e o peso se anulam,
a força resultante é a força centrípeta que se origina do atrito entre os pneus e o chão.
16. Força é o resultado da interação entre dois ou mais corpos. Pela 3a Lei de Newton: “se
dois corpos A e B interagem, a força que A faz sobre B tem o mesmo módulo, a mesma
direção e sentido contrário à força que B faz sobre A”. Logo, não há força centrífuga atuan
o veículo, pois se o veículo (corpo A) é jogado para fora da curva, ele deveria ser at
raído por outro corpo, que naturalmente não existe.
japizzirani@gmail.com
41
(UFU-2009.1) - RESPOSTA: 1F; 2F; 3V; 4V Três blocos, em movimento, de massas MA =
4 kg, MB = 4 kg e MC = 2 kg estão ligados por fios ideais. Um dos fios passa por u
ma polia (também ideal), conforme figura abaixo.
(UFJF-2009.1) - ALTERNATIVA: D A figura a seguir mostra um tanque de guerra puxa
ndo um carro blindado em uma estrada, usando um cabo de aço inextensível e de massa
desprezível. A massa do carro blindado é maior que a massa do tanque. No momento mos
trado, o tanque está acelerando. Assinale a alternativa CORRETA. Fig 22 2009 NEW
O coeficiente de atrito cinético entre os blocos de massas MB e MC e a mesa é 0,25.
Considerando g = 10 m/s2, marque para as alternativas abaixo (V) Verdadeira ou (
F) Falsa. 1 ( ) O módulo da tensão do fio entre os blocos de massas MB e MC é o mesmo
que o do fio que está conectado ao bloco de massa MA. 2 ( ) A aceleração do bloco de m
assa MB é duas vezes maior que a do bloco de massa MA. 3 ( ) O valor da tensão do fi
o entre os blocos de massas MB e MC é T = 10 N. 4 ( ) A aceleração do bloco de massa M
A é 2,5 m/s2. (UFSCar-2009.1) - ALTERNATIVA: A Por ser o vestibular da UFSCar, a t
arefa era de grande responsabilidade e o fiscal de prova precisava ainda levar a
o fundo da sala toda uma fileira de carteiras. Exercendo sobre a primeira cartei
ra da fila uma força horizontal de intensidade constante, acelera essa carteira a
1 m/s2. Observa então que, na medida em que uma carteira passa a empurrar a próxima,
o conjunto todo tem sua aceleração diminuída, chegando a se tornar nula exatamente qu
ando a fila contém seis carteiras. Enquanto lia as instruções da prova, pairava na men
te do fiscal uma questão: Qual deve ser a intensidade da força de atrito que ocorre
entre uma carteira e o piso da sala? Responda a questão do fiscal, considerando qu
e: • As carteiras são idênticas, podendo ser consideradas pontos materiais que se move
m em linha reta. • As intensidades das forças de atrito estático máximo e de atrito dinâmi
co são muito próximas, podendo ser consideradas iguais. • O piso da sala é plano e horiz
ontal. • Cada carteira tem massa 25 kg. *a) 5 N. b) 6 N. c) 10 N. d) 15 N. e) 30 N
. (UFJF/MG-2009.1)
 - ALTERNATIVA: D Considere as seguintes afirmações: I - Segundo a
1 Lei de Newton, é necessária uma força resultante para manter com velocidade constant
e o movimento de um corpo se deslocando numa superfície horizontal sem atrito. II
- De acordo com a 2 Lei de Newton, a aceleração adquirida por um corpo é a razão entre a
força resultante que age sobre o corpo e sua massa. III - Conforme a 3 Lei de Newto
n, a força peso e a força normal constituem um par ação-reação. Assinale a alternativa que
ontém as afirmações CORRETAS. a) I e II. b) I e III. c) II e III. *d) somente II. e) t
odas estão corretas.
a) Como o tanque está acelerando, a intensidade da força que o tanque faz no carro b
lindado é maior que a intensidade da força que o carro blindado faz no tanque. b) Co
mo a massa do carro blindado é maior, a intensidade da força que o carro blindado fa
z no tanque é maior que a intensidade da força que o tanque faz no carro blindado. c
) Como a massa do carro blindado é maior, a intensidade da força que o carro blindad
o faz no tanque é menor que a intensidade da força que o tanque faz no carro blindad
o. *d) A intensidade da força que o tanque faz no carro blindado não é nem maior nem m
enor que a intensidade da força que o carro blindado faz no tanque. e) Como a mass
a do carro blindado é maior que a massa do tanque, é impossível o tanque conseguir pux
ar o carro blindado. (VUNESP/FAMECA-2009.1) - ALTERNATIVA: E Felipe Massa é mais u
m brasileiro que revelou ser um exímio piloto de carros de F1. Ao fazer uma curva
horizontal circular em alta velocidade, constante, a resultante centrípeta sobre o
carro a) independe da reação normal. b) independe do atrito. c) é diretamente proporc
ional à velocidade. d) é diretamente proporcional ao raio da curva. *e) tem intensid
ade constante. (PUCRS-2009.1) - ALTERNATIVA: B Um estudante empurra um armário, pr
ovocando o seu deslizamento sobre um plano horizontal, ao mesmo tempo em que o a
rmário interage com o plano por meio de uma força de atrito cinético. Essa força de atri
to mantém-se constante enquanto o armário é empurrado e o efeito da resistência do ar é de
sprezado. No instante representado na figura, a força F exercida pelo estudante te
m módulo ligeiramente superior ao módulo da força de atrito entre o armário e o plano.
Se o módulo da força F permanecer inalterado, o módulo da velocidade do armário ________
_; se o módulo de F diminuir, mas permanecer ainda superior ao módulo da força de atri
to, o módulo da velocidade do armário, nos instantes subseqüentes, _________; se o módul
o de F diminuir até tornar-se igual ao módulo da força de atrito, o módulo da velocidade
do armário, nos instantes subseqüentes, _________. A seqüência correta de preenchimento
das lacunas acima é: a) permanecerá constante – permanecerá constante – permanecerá consta
te *b) aumentará – aumentará – permanecerá constante c) aumentará – permanecerá constante –
irá d) permanecerá constante – diminuirá – atingirá o valor zero e) aumentará – diminuirá –
valor zero
japizzirani@gmail.com
42
(UNESP-2009.1) - ALTERNATIVA: B Em uma circular técnica da Embrapa, depois da figu
ra, Fig 24 2009 NEW
Fig 25 2009 NEW
(UNIFESP-2009.1) - ALTERNATIVA: D De posse de uma balança e de um dinamômetro (instr
umento para medir forças), um estudante decide investigar a ação da força magnética de um í
em forma de U sobre uma pequena barra de ferro. Inicialmente, distantes um do ou
tro, o estudante coloca o ímã sobre uma balança e anota a indicação de sua massa. Em segui
da, ainda distante do ímã, prende a barra ao dinamômetro e anota a indicação da força medid
por ele. Finalmente, monta o sistema de tal forma que a barra de ferro, presa a
o dinamômetro, interaja magneticamente com o ímã, ainda sobre a balança, como mostra a f
igura.
encontramos uma recomendação que, em resumo, diz: “No caso do arraste com a carga junt
o ao solo (se por algum motivo não pode ou não deve ser erguida…) o ideal é arrastá-la … re
uzindo a força necessária para movimentá-la, causando menor dano ao solo … e facilitando
as manobras. Mas neste caso o peso da tora aumenta.”
(www.cpafac.embrapa.br/pdf/cirtec39.pdf. Modificado.)
Pode se afirmar que a frase que destacamos em itálico é conceitualmente a) inadequad
a, pois o peso da tora diminui, já que se distribui sobre uma área maior. *b) inadeq
uada, pois o peso da tora é sempre o mesmo, mas é correto afirmar que em II a força ex
ercida pela tora sobre o solo aumenta. c) inadequada: o peso da tora é sempre o me
smo e, além disso, a força exercida pela tora sobre o solo em II diminui, pois se di
stribui por uma área maior. d) adequada, pois nessa situação a tora está integralmente a
poiada sobre o solo. e) adequada, pois nessa situação a área sobre a qual a tora está ap
oiada sobre o solo também aumenta. (FEI/SP-2009.1) - ALTERNATIVA: B Um dinamômetro e
m equilíbrio possui duas massas iguais de 5 kg em suas extremidades, conforme ilus
tração abaixo. Qual será a marcação do dinamômetro? Adote g = 10 m/s2. a) 25 N *b) 50 N c)
0 N d) 100 N e) 0 (FEI/SP-2009.1) - ALTERNATIVA: B Um dispositivo para descarreg
ar caixas de um caminhão é composto por uma rampa inclinada unindo a carroceria ao s
olo. O ângulo formado entre a rampa e o solo é . Qual deve ser o coeficiente de atri
to entre a caixa e a rampa para que a caixa desça com velocidade constante? Dados:
sen = 0,6 cos = 0,8 a) Para resolver o problema, é preciso conhecer a massa da ca
ixa. *b) = 0,75 c) = 0,50 d) = 0,25 e) = 0,48 (UDESC-2009.1) - RESPOSTA: a = 1,9
5 m/s2 Calcule a aceleração do sistema abaixo quando o corpo de massa M é puxado por u
ma força F que forma um ângulo com a horizontal. Sabendo-se que entre a superfície e o
corpo existe um coeficiente de atrito cinético . F Dados: F = 10N; M = 2kg; = 60o
; = 0,1; cos 60o = 0,5; sen 60o = 0,9 e g = 10 m/s2. M A balança registra, agora,
uma massa menor do que a registrada na situação anterior, e o dinamômetro registra um
a força equivalente à a) força peso da barra. b) força magnética entre o ímã e a barra. c)
a da força peso da barra com metade do valor da força magnética entre o ímã e a barra. *d)
soma da força peso da barra com a força magnética entre o ímã e a barra. e) soma das força
peso da barra e magnética entre o ímã e a barra, menos a força elástica da mola do dinamôm
tro. (UFU/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: C Um recipiente cilíndrico vazio foi pendurado
em uma mola de massa desprezível. Diferentes quantidades de água foram sendo coloca
das nesse cilindro para a determinação da constante elástica da mola. O gráfico abaixo m
ostra a força F aplicada à mola pelo peso do cilindro com água como função da elongação (x)
mola. Quando havia 2,1 kg de água no cilindro, a mola apresentava 10 cm de elongação.
Considerando g = 10 m/s2, a alternativa que fornece a massa do cilindro (vazio)
e a constante elástica da mola, respectivamente, é a) 0,4 kg e 500 N/m b) 1,0 kg e 2
50 N/m *c) 0,4 kg e 250 N/m e) 1,0 kg e 500 N/m
japizzirani@gmail.com
43
(UDESC-2009.1) - RESPOSTA: a) 8000 N b) 2000N Um carro de massa m=1000 kg com ve
locidade escalar constante de 72 km/h trafega por uma pista horizontal quando pa
ssa por uma grande ondulação, conforme figura abaixo e mantém a mesma velocidade escal
ar. Considerando que essa ondulação tenha o formato de uma circunferência de raio R =
50m. Considere g = 10 m/s2.
(UFV/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: A A figura ao lado mostra uma pedra caindo através
do ar no campo gravitacional da Terra. W representa o peso do corpo e R a força de
resistência do ar. É CORRETO afirmar que: *a) W atua na pedra mas a reação a W não atua n
a pedra. b) W e R formam um par ação e reação. c) R atua na pedra e não existe reação a est
orça. d) W atua na pedra e não existe reação a esta força.
R
Calcule, no ponto mais alto da pista: a) A força centrípeta no carro. b) A força norma
l. (UFMS-2009.1) - RESPOSTA: SOMA = 021 (001+004+016) Algumas aves de rapina, co
mo o gavião, planam calmamente a certas altitudes e, quando observam sua presa no
solo, mergulham em vôo com as asas esticadas para trás. O fato de o gavião esticar as
asas para trás diminui a força de arrasto aplicada pelo ar no gavião, permitindo-lhe a
lcançar maiores velocidades. Um biólogo, na tentativa de determinar a velocidade média
que o gavião desenvolve para agarrar sua presa, analisa a trajetória descrita pelo
gavião, observada em um plano perpendicular à linha de visada do biólogo, e que está rep
resentada na figura a seguir. Inicialmente o gavião está a 50m de altura do solo, no
ponto A, e a partir desse ponto, o gavião mergulha em vôo retilíneo, formando um ângulo
de 60o com a horizontal, e vai acelerado até o ponto B; e entre os pontos B e C,
o vetor velocidade do gavião permanece constante e, quando está no ponto C, a 5m de
altura do solo, o gavião muda apenas a direção da velocidade para agarrar a presa que
está no ponto D. Desde o início do mergulho, no ponto A, até o ponto C, em que a traje
tória é retilínea, o biólogo registra um intervalo de tempo igual a 3,0 s. Considere um
referencial fixo, no solo, e o ar em repouso, e assinale a(s) proposição(ões) correta(
s). Dado: sen 60o = 0,87
(UFV/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: B A massa da Terra é 81,22 vezes maior que a massa
da Lua. Com relação ao módulo da força gravitacional que a Terra exerce sobre a Lua, FT
L, e ao módulo da força gravitacional que a Lua exerce sobre a Terra, FL T, é CORRETO
afirmar que: a) FT L = 81,22FL T *b) FT L = FL T c) FT L = (81,22)2FL T d) FT L
= FL T / (81,22)2
(UFV/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: D Um atleta de massa m sobe uma corda leve vertic
al com seus próprios braços. A aceleração do atleta é constante e vale a. Se g é a aceleraç
gravidade, a tensão na corda vale: a) m(g – a) b) mg c) ma *d) m(g + a) (UFV/MG-200
9.1) - ALTERNATIVA: D A figura abaixo é um diagrama de corpo livre mostrando as três
forças que atuam em um bloco de massa m apoiado na superfície do solo, que é horizont
al e rígida. Considere as seguintes afirmações: I. O bloco possui aceleração. II. As forças
P e N formam um par ação e reação. III. O módulo de N é necessariamente maior que o módulo
P. É CORRETO o que se afirma apenas em: N a) I e II. F b) II e III. c) II. solo *d
) I e III. P (UFV/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: B O gráfico ao lado representa a veloc
idade V, em função do tempo t, de um veículo que se move em uma estrada reta. Com relação
ao módulo da força resultante que atua no veículo, é CORRETO afirmar que:
(001) A velocidade média do gavião, entre os pontos A e C, é maior que 60 km/h. (002)
Entre os pontos B e C, o sentido da força resultante no gavião é de B para C. (004) En
tre os pontos B e C, a força de arrasto que o ar aplica no gavião está na direção vertical
. (008) Entre os pontos C e D, como o gavião faz uma trajetória curva e com velocida
de constante, a força resultante no gavião é nula. (016) Entre os pontos A e B, como a
trajetória é retilínea, e a velocidade está aumentando, a força resultante no gavião, ness
trecho, está na direção da trajetória e possui sentido de A para B.
a) é menor no trecho A que no trecho B. *b) é maior no trecho C que no trecho A. c) é
maior no trecho B que no trecho C. d) é maior no trecho A que no trecho C.
japizzirani@gmail.com
44
(UFV/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: B Considere as afirmativas abaixo: I. Duas forças a
tuando em um corpo nunca formam um par ação e reação. II. A força de atrito atuando em um
corpo sempre tem sentido oposto ao da velocidade desse corpo. III. Uma força resul
tante atuando em um corpo sempre leva a uma variação no módulo da velocidade desse cor
po. É CORRETO o que se afirma apenas em: a) II e III. *b) I. c) I e III. d) III. (
UFV/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: A Uma pessoa de 60 Kg sobe em uma balança de mola qu
e está dentro de um elevador e as seguintes situações se apresentam: A – o elevador sobe
com aceleração constante de 2 m/s2. B – o elevador desce com aceleração constante de 2 m/
s2. C – o elevador cai em queda livre, quando os cabos de sustentação se rompem. Consi
derando a aceleração da gravidade igual a 10 m/s2, as indicações da balança, em Kg, para o
s casos A, B e C serão, respectivamente: *a) 72, 48, 0. b) 48, 72, 0. c) 72, 48, 6
0. d) 48, 72, 60. (UNIFOR/CE-2009.1) - ALTERNATIVA: B Uma caixa de massa 20 kg é a
rrastada horizontalmente por meio de uma força F , de intensidade 100 N e inclinad
a de 37° com relação à horizontal, conforme a figura. Se a aceleração da caixa tem módulo 2
m/s2, a força de atrito entre a caixa e a superfície de apoio vale, em newtons, a) 5
0 *b) 40 Dados: c) 30 sen 37° = 0,60 d) 20 cos 37° = 0,80 e) 10
(UNIFAL/MG-2009.1) - RESPOSTA: a) N1 = 40 N e N2 = 20 N
b) T = 4 N c) a = 2,0 m/s2 Uma criança puxa dois carrinhos com uma força horizontal
de 12 N, conforme figura abaixo. O carrinho 1 tem massa m1 = 4 kg e o carrinho 2
, m2 = 2 kg. Considere que a massa da corda que puxa o conjunto dos carrinhos e
a que une os dois sejam desprezíveis. Considere desprezível também o atrito entre as c
aixas e o solo. Considere g = 10 m/s2. Responda o que se pede.
a) Qual a força normal exercida sobre cada carro pelo chão? b) Qual a tensão na corda
que une os carrinhos? c) Qual a aceleração do conjunto? (CEFETSP-2009.1) - ALTERNATI
VA: C O cotidiano da cidade está repleto de situações como a quebra de veículos. Para fa
cilitar a sua retirada, fabricantes de automóveis acrescentaram uma alça para reboqu
e, fixa ao chassi dos carros.
(UNIFOR/CE-2009.1) - ALTERNATIVA: B Um bloco é lançado sobre uma superfície horizontal
, áspera, com velocidade inicial de 10 m/s. Ele pára após percorrer 20 m. Nestas condições
e, considerando g = 10 m/s2, é correto afirmar que o coeficiente de atrito entre
o bloco e o plano horizontal vale a) 0,15 *b) 0,25 c) 0,40 d) 0,50 e) 0,75 (UFPE
-2009.1) - RESPOSTA: F = 3,0 N A figura mostra um gráfico da velocidade de uma par
tícula de massa m = 0,5 kg em função do tempo.
Suponha que um carro quebrado seja puxado por um segundo veículo de igual modelo e
marca. Para que o conjunto sofra uma aceleração constante de 0,05 m/s2, a intensida
de da força que o asfalto exerce sobre os pneus que tracionam o carro da frente, q
uando estes giram devido à ação do motor, é, em N, Dados: – A massa de um desses carros =
900 kg. – Esse modelo de carro tem tração dianteira. – Exceto o atrito entre os pneus di
anteiros do carro que reboca, os demais atritos são desprezíveis. a) 45. b) 60. *c)
90. d) 120. e) 180. (VUNESP/FMJ-2009.1) - RESPOSTA: 32 ESFERAS Um bloco de massa
M = 10 kg está em repouso sobre uma mesa horizontal, ligado por um fio ideal a um
cesto, inicialmente vazio, de massa mC = 0,5 kg. O coeficiente de atrito estático
entre o bloco e a superfície de apoio vale 0,3.
Calcule o módulo da força resultante sobre a partícula, no instante t = 4 s, em newton
s.
Dentro do cesto são colocadas, uma a uma, pequenas esferas de metal de massa 80 g
cada. Determine o número mínimo de esferas que devem ser colocadas no cesto para que
se inicie o escorregamento do bloco sobre a mesa. Adote g = 10 m/s2 e considere
a polia ideal.
japizzirani@gmail.com
45
(FUVEST-2009.1) - RESPOSTA NO FINAL Um acrobata, de massa MA = 60 kg, quer reali
zar uma apresentação em que, segurando uma corda suspensa em um ponto Q fixo, preten
de descrever um círculo de raio R = 4,9 m, de tal forma que a corda mantenha um ângu
lo de 45 com a vertical.
(UEPG/PR-2009.1) - RESPOSTA: SOMA = 14 (02+04+08) A respeito das leis de Newton,
assinale o que for correto. 01) A massa de um corpo é inversamente proporcional à s
ua inércia. 02) Um corpo encontra-se em equilíbrio quando se movimenta com velocidad
e constante. 04) A leitura fornecida por uma balança de mola não informa o valor do
peso P de um corpo e sim o valor da força de contato F que ele exerce sobre a mola
. 08) Se a quantidade de movimento de uma partícula permanece constante, então a força
resultante sobre ela é nula. 16) A força de reação, em alguns casos, pode ser maior que
a força de ação. (UFC/CE-2009.1) - ALTERNATIVA: A Uma partícula de massa m gira em um p
lano vertical, presa a uma corda de massa desprezível, conforme a figura a seguir.
No instante indicado na figura, a corda se parte, de modo que a partícula passa a
se mover livremente. A aceleração da gravidade local é constante e apresenta módulo igu
al a g.
NOTE E ADOTE: Força centrípeta FC = m v2/R Adote 3 aceleração da gravidade na Terra, g =
10 m/s2 Visando garantir sua total segurança, há uma recomendação pela qual essa corda
deva ser capaz de suportar uma tensão de, no mínimo, três vezes o valor da tensão a que é
submetida durante a apresentação. Para testar a corda, com ela parada e na vertical,
é pendurado em sua extremidade um bloco de massa M0, calculada de tal forma que a
tensão na corda atenda às condições mínimas estabelecidas pela recomendação de segurança.
situação: a) Represente, no esquema da folha de respostas, a direção e o sentido das fo
rças que agem sobre o acrobata, durante sua apresentação, identificando-as, por meio d
e um desenho em escala. b) Estime o tempo tA, em segundos, que o acrobata leva p
ara dar uma volta completa em sua órbita circular. c) Estime o valor da massa M0,
em kg, que deve ser utilizada para realizar o teste de segurança. RESPOSTA: FUVEST
-2009.1: a)
Assinale a alternativa que descreve o movimento da partícula após a corda ter se rom
pido.
b) tA
4,2 s
c) M0
254,6 kg
(UEPG/PR-2009.1) - RESPOSTA: SOMA = 09 (01+08) A respeito da ação de uma força que atu
a sobre um corpo, assinale o que for correto. 01) A força de atrito é uma força tangen
cial à trajetória e seu sentido é sempre contrário ao da tendência do movimento. 02) Para
uma força constante, quanto maior for a distância do ponto de aplicação dessa força à sua l
nha de ação, menor será o momento. 04) Se a resultante das forças que atuam sobre um cor
po é nula, esse corpo está em repouso. 08) Para um referencial inercial, as forças oco
rrem aos pares e não há ação sem uma reação correspondente.
(UFC/CE-2009.1) - ALTERNATIVA: A Uma partícula de massa m descreve uma trajetória re
tilínea, passando pelos pontos P e Q, em seqüência, e parando em R, depois de passar p
or P e Q. Quando ela passa pelo ponto P, sua velocidade é v. Os trechos entre P e
Q, de comprimento 1 , e entre Q e R, de comprimento 2 , possuem coeficientes de
atrito cinético e 2 , respectivamente. Considere a aceleração da gravidade igual a g .
O ponto R está a uma distância de P. Assinale a alternativa que contém os comprimento
s 1 e 2 corretos, em função de , , v e g. *a) 1 = 2 - v2/(2 g) e 2 = v2/(2 g) - . b)
1 = 3 /2 - v2/(2 g) e 2 = v2/(2 g) - /2. c) 1 = 2 - v2/( g) e 2 = v2/( g) - . d
) 1 = 2 - v2/(3 g) e 2 = v2/(3 g) - . e) 1 = 3 /2 - v2/(3 g) e 2 = v2/(3 g) - /2
. (CEFETRJ-2009.1) - ALTERNATIVA: C Um engradado de refrigerantes (massa total 3
0,0 kg) apóia-se sobre a carroceria horizontal de uma caminhonete. Se o coeficient
e de atrito estático entre o engradado e a carroceria é 0,30 e g = 10 m/s2, a maior
aceleração que a caminhonete pode adquirir, numa pista horizontal, sem que o engrada
do se mova em relação a ela é a) 2,0 m/s2. b) 2,5 m/s2. 2 *c) 3,0 m/s . d) 4,0 m/s2.
japizzirani@gmail.com
46
(CEFETRJ-2009.1) - RESPOSTA NO FINAL Um bloco de massa m está em equilíbrio encostad
o em uma parede vertical como mostra a figura abaixo. Ele é mantido nesta posição sust
entado por uma esfera maciça homogênea de raio R e massa M. A esfera está presa à parede
por um fio fino e leve de massa desprezível que faz um ângulo com a parede e que pa
ssa pelo centro da esfera. O coeficiente de atrito estático entre todas as superfíci
es em contato (esfera-bloco e bloco-parede) é . a) Faça um diagrama de forças para a e
sfera na posição de equilíbrio indicado na figura, mostrando claramente as forças de ori
gem externa e as forças de origem interna ao sistema esfera-bloco. b) Desenhe um d
iagrama de forças para o bloco. RESPOSTA OFICIAL CEFETRJ-2009.1: a) T (externa); P
e (externa); b) N (interna)
(UFPel/RS-2009.1) - ALTERNATIVA: A Um caixote sobe um plano rugoso de inclinação 30° e
m relação a horizontal, puxado por uma força F aplicada por uma corda. Sendo Px a comp
onente da força peso tangente ao plano e Fc a força de atrito cinético entre o corpo e
a superfície e, sabendo que ele sobe o plano com movimento uniforme, conforme a f
igura, analise as afirmativas abaixo. I. O módulo de F é igual à soma de Px + Fc. II.
O módulo de F é igual à soma de P . sen 30° + c. P. III. O módulo de F é igual a Px. IV. O
ulo de F é igual a P . sen 30°+ c. P cos 30°. Estão corretas as afirmativas *a) I e IV.
b) I e II. c) II e IV. d) III e IV. e) II e III. (UFLA/MG-2009.1) - ALTERNATIVA:
C Duas forças F1 e F2 de módulos 30 N e 50 N têm suas direções indicadas no diagrama abai
xo. Considerando cos = 0,6 e sen = 0,8, as projeções F1X e F2X valem, respectivament
e: a) 18 N e –30 N. b) 24 N e –18 N. c) 18 N e –40 N. d) 30 N e –40 N.
(VUNESP/UNICISAL-2009.1) - ALTERNATIVA: B Um copo encontra-se em repouso sobre u
ma mesa horizontal, num local em que a aceleração da gravidade é constante. É correto af
irmar que a) a força peso do copo é a reação à força que a mesa exerce sobre ele. *b) a for
peso do copo e a reação normal da mesa sobre o copo se anulam. c) caso o copo seja a
rrastado sobre a mesa, a reação normal da mesa sobre o copo sofrerá alteração em sua direçã
d) caso o copo seja arrastado sobre a mesa, a reação normal da mesa sobre o copo sof
rerá alteração em sua intensidade. e) se uma pessoa apoiar sua mão sobre o copo, a reação n
rmal da mesa sobre ele diminuirá de intensidade. (CEFETCE-2009.1) - ALTERNATIVA: E
No sistema a seguir, em equilíbrio estático, os fios são ideais, e cada polia pesa Po
= 10 N. Sendo P = 30 N, o valor da tração T, que sustenta a polia superior, em newt
ons, é a) 7,5. b) 15. c) 20. d) 25. *e) 40.
(UFLA/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: A Na figura, dois corpos de massa m estão conectad
os a um corpo de massa M por meio de cabos ideais (inextensíveis e massa desprezível
) que passam pelas polias A e B. Considerando que o sistema encontra-se em equilíb
rio estático e que cos = 4/5 e sen = 3/5, a relação M/m é: *a) 1,2. b) 0,8. c) 1,6. d) 3
,14 (UFLA/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: B Em uma oficina mecânica, utiliza-se um acopl
amento de polias para elevar peças pesadas. Considere, na figura abaixo, as massas
das polias, dos cabos, bem como os atritos, desprezíveis. Para manter a carga Q d
e 1200 N em equilíbrio, o operador deve fazer uma força Fop de a) 600 N. *b) 300 N.
c) 1500 N. d) 1200 N.
(CEFETPI-2009.1) - ALTERNATIVA: B Uma caixa de massa 4 kg repousa sobre uma mesa
, quando é puxada verticalmente para cima por força de módulo 20 N. Assim a força que a
mesa exerce sobre a caixa vale: (Adote g = 10 m/s2) a) 30 N d) 50 N *b) 20 N e)
0 N c) 40 N (UFLA/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: C Um estudante com massa 70 kg, a fi
m de verificar as leis da Física, sobe em uma balança dentro de um elevador. O eleva
dor entra em movimento e a balança passa a indicar o valor de 60 kg. O estudante c
onclui que o elevador está a) descendo com velocidade constante. b) subindo e aume
ntando a velocidade. *c) descendo e aumentando sua velocidade. d) subindo com ve
locidade constante.
(UFLA/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: D Um estudante resolve puxar uma caixa de masssa
20 kg, inicidalmente em repouso, e aplica ma força constante de 100 N, a qual for
ma um ângulo com a horizontal, conforme mostra a figura abaixo. Considerando cos =
0,8 e sen = 0,6, coeficiene g = 10 m/s2, pode-se afirmar que a aceleração da caixa
será a) -0,9 m/s2. a) +0,9 m/s2. a) 1,11 m/s2. *d) 0 te de atrito estático µe = 0,7, c
oeficiente de atrito cinético µC = 0,5
japizzirani@gmail.com
47
(UFLA/MG-2009.1) - RESPOSTA:a) µ = 1/7 0,14 b) 0,71M.g Duas massas M idêndicas estão l
igadas por um fio ideal (inextensível e massa desprezível). O sistema desloca-se com
velocidade constante, como mostra a figura abaixo.
Considerando g a aceleração da gravidade, calcule os itens a seguir: a) coeficiente
de atrito cinético. b) tração que atura nos fios em função de M e g. (ACAFE/SC-2009.1) - A
LTERNATIVA: D Uma empresa de equipamentos esportivos lançou o novo traje para os s
eus nadadores. Com o foco na Olimpíada de Pequim, a empresa desenvolveu junto à Agênci
a Espacial Americana uma vestimenta que promete revolucionar a natação.
Disponível em http://www.lancenet.com.br/noticias, acesso em 15/10/2008. - Adaptad
o
(UNIFEI/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: A Os carros modernos têm um dispositivo que auxi
lia a frenagem dos veículos, denominado sistema ABS. Quando o motorista pisa com v
iolência no pedal do freio, esse sistema impede o travamento das rodas. Quando um
carro não tem esse dispositivo, o motorista não deve pisar muito forte no pedal do f
reio, a fim de evitar que o carro derrape no pavimento. Nesse caso, a habilidade
do motorista simula o efeito do ABS e o carro pára na menor distância possível após a f
renagem. Quando as rodas travam, a distância percorrida pelo carro durante a frena
gem é maior. Qual é a alternativa abaixo que explica melhor este efeito? *a) Se as r
odas travam, a área do pneu em contato com o pavimento desliza sobre ele e a força d
e atrito responsável pela desaceleração do carro é a força de atrito cinética, menor que a
orça de atrito estática máxima que atuaria sem o escorregamento. b) Quando as rodas tr
avam, o atrito contínuo entre a superfície do pneu em contato com o solo aquece de t
al forma a borracha, amolecendo-a e diminuindo muito o atrito, além de provocar um
a deformação no pneu a ponto de deixá-lo imprestável, podendo o mesmo explodir durante a
frenagem. c) Não é correto dizer que a distância percorrida pelo carro durante a fren
agem é maior no caso de derrapagem dos pneus no pavimento. O problema da derrapage
m é que o carro fica meio desgovernado e pode colidir com outro carro ou com algum
obstáculo próximo à pista. d) Quando as rodas travam, o carro tende a seguir uma traj
etória retilínea e, se o carro estiver seguindo um trecho em curva, o motorista é obri
gado a tirar o pé do freio, corrigir a trajetória do carro e depois voltar à frenagem,
para recuperar a desaceleração do carro. (UNICENTRO/PR-2009.1) - ALTERNATIVA: E Um
bloco de massa 0,50 kg está conectado a outro bloco de massa 1,0 kg por meio de um
fio inextensível e de massa desprezível, que passa por uma roldana ideal. Nessas co
ndições, o sistema movimenta-se sobre uma mesa plana e horizontal, com velocidade co
nstante (figura I). As posições dos blocos são, então, invertidas, de modo que o bloco d
e 0,50 kg passa a se movimentar sobre a mesa (figura II).
É correto afirmar que o “novo traje” para nadadores: a) aumenta a densidade da água. b)
transfere energia para o nadador. c) diminui o peso do nadador. *d) reduz a força
de atrito entre a água e o nadador. (ACAFE/SC-2009.1) - ALTERNATIVA: B Considerand
o a informação: “um corpo de massa m, em queda livre, próximo à superfície da Terra.” Com r
força peso que atua no corpo é correto afirmar que (...): a) aumenta com a velocidad
e do corpo. *b) é uma interação entre o corpo e a Terra. c) equilibra a massa do corpo
. d) é a força do corpo sobre o corpo.
(UNIFEI/MG-2009.1) - RESPOSTA: T = 0,30 N Um passarinho de massa m = 30 g está pou
sado no meio de um fio de seda esticado de comprimento igual a 5,0 m. Suponha qu
e a massa do fio seja desprezível, que cada metade do fio se mantenha reta e que o
s ângulos entre a direção horizontal e estas metades sejam iguais a = 30°. Calcule a ten
são no fio. Dado: g = 10,0 m/s2. (UNICENTRO/PR-2009.1) - ALTERNATIVA: A Um carro m
ovimentava-se sobre uma pista plana e horizontal com a velocidade de 72 km/h qua
ndo, então, o motorista acionou bruscamente os freios. Com as rodas travadas, a ve
locidade do carro diminuiu uniformemente até parar. Considere g = 10 m/s2, e que a
força proporcionada pelos freios equivaleu a 80% do peso do carro. A partir desse
s dados, é CORRETO afirmar que a distância total percorrida pelo carro, durante a fr
eada, foi de *a) 25 m. b) 23 m. c) 20 m. d) 16 m. e) 8,0 m.
Considerando-se que o coeficiente de atrito é igual para ambas as situações e g = 10 m
/s2, é CORRETO concluir que, na situação representada na figura II, o bloco de massa 1
,0 kg desce com aceleração de a) 0,50 m/s2. d) 3,0 m/s2. 2 b) 1,5 m/s . *e) 5,0 m/s2
. 2 c) 2,0 m/s . (CESGRANRIO-2009.1) - ALTERNATIVA: C Um pêndulo é constituído por uma
pequena esfera de massa 100 g presa a um fio ideal de 2 m de comprimento. Esse
pêndulo é abandonado de uma posição na qual seu fio está perfeitamente esticado e formando
um ângulo de 60 com a vertical. Considerando-se a gravidade igual a 10 m/s2, a int
ensidade, em newtons, da tração exercida pelo fio sobre a bola no ponto mais baixo d
e sua trajetória é a) 0 d) 3 b) 1 e) 4 *c) 2
japizzirani@gmail.com
48
(UFT/TO-2009.1) - ALTERNATIVA: B Um estudante levanta a extremidade de um livro
de 50,0 cm de comprimento a uma altura “h” (vertical). Em seguida, coloca uma borrac
ha na superfície inclinada deste livro com velocidade ( v ) não nula descendo o plan
o, conforme indicado na figura. O coeficiente de atrito cinético entre a superfície
do livro e a borracha é 0,75. Qual deve ser a altura “h” para que a velocidade ( v ) d
a borracha seja constante? a) 40,0 cm *b) 30,0 cm c) 35,0 cm v d) 20,0 cm
(UFPB-2009.1) - ALTERNATIVA: C Deseja-se utilizar uma ventosa, objeto similar a
um desentupidor de uso doméstico, para pendurar um jarro com plantas ornamentais e
m uma sala, situada em uma casa ao nível do mar, cujo teto é bastante liso e resiste
nte. Para realizar essa tarefa, considere as seguintes informações: * a massa do jar
ro com a planta é de, aproximadamente, 10kg ; * a ventosa tem massa desprezível e é es
vaziada completamente (caso ideal); 2 5 2 * g = 10 m/s e patm = 1,0 × 10 N/m . Nes
se contexto, para que a ventosa possa segurar esse jarro, a área mínima necessária des
sa ventosa é de: a) 1,0 cm2. d) 15,0 cm2. 2 b) 5,0 cm . e) 20,0 cm2. 2 *c) 10,0 cm
. (UFAL/AL-2009.1) - ALTERNATIVA: A O bloco da figura possui peso P e se encont
ra na iminência de movimento sob a ação de uma força de módulo constante F e direção perpen
ular à parede vertical. Se o coeficiente de atrito estático entre a parede e o bloco
é menor que 1, assinale a relação correta entre P e F. *a) 0 < P < F b) F < P < 2F c)
0 < F < P/2 d) P/2 < F < P e) 0 < F < P
(UCS/RS-2009.1) - ALTERNATIVA: B O tratamento dentário que utiliza broca para perf
urar os dentes do paciente necessita do atrito do corpo ou da roupa do paciente
com o tecido da cadeira do dentista. Sem esse atrito, no primeiro contato da bro
ca com o dente, o paciente deslizaria na cadeira, o que impossibilitaria a perfu
ração. Supondo, para fins de simplificação, que o paciente esteja deitado sobre a cadeir
a, a qual se encontra totalmente na horizontal (tanto o assento quanto o encosto
), que a broca aplique no seu dente uma força de 4 N com direção paralela à superfície do
móvel e que o paciente permaneça completamente parado, mesmo recebendo da superfície u
ma força normal de 800 N, qual é a força de atrito estático que age sobre esse paciente?
a) 0,005 N *b) 4 N c) 200 N d) 1 600 N e) 3 200 N (UFJF/MG-2009.1) - ALTERNATIV
A: E O gráfico representa o comprimento L de uma mola vertical, em função da massa m d
e corpos pendurados em sua extremidade. Considere g= 9,8 m/s2. O valor da consta
nte elástica da mola é: a) 2,0 N/m. b) 4,0 N/m. c) 0,2 N/m. d) 0,4 N/m. *e) 49 N/m.
(UFAL/AL-2009.1) - ALTERNATIVA: D A figura ilustra um pequeno bloco A, de massa
1 kg, sobre um grande bloco B, de massa 4 kg. Não há atrito entre os blocos. As forças
horizontais paralelas possuem módulos constantes F A = 24 N e FB = 12 N. Consider
ando a aceleração da gravidade g = 10 m/s2 e o coeficiente de atrito cinético entre o
bloco B e a superfície horizontal igual a 0,2, o módulo da aceleração relativa entre os
blocos, enquanto um bloco estiver sobre o outro, vale em m/s2: a) 9,5 b) 10 c) 1
0,5 *d) 23,5 e) 24,5 (UECE-2009.1) - ALTERNATIVA: B Dois blocos A e B, de massas
mA = 1,5 kg e mB = 0,5 kg, respectivamente, estão dispostos de forma que o bloco
B está sobre o bloco A e este último sobre uma superfície horizontal sem atrito. O coe
ficiente de atrito estático entre os blocos é = 0,4. Considerando g = 10 m/s2, qual é
a maior força que pode ser aplicada horizontalmente sobre o bloco A, de tal forma
que os dois blocos se movam juntos? a) 4 N *b) 8 N c) 16 N d) 32 N (UEPG/PR-2009
.1) - RESPOSTA OFICIAL: SOMA = 15 (01+02+ 04+08) Sobre o movimento que os corpos
executam, assinale o que for correto. 01) Quando sobre um corpo atua uma força qu
e o impulsiona, o movimento é chamado de variado. 02) Um movimento que se repete p
eriodicamente é chamado de movimento harmônico simples. 04) Após alguns segundos, um c
orpo em queda livre entra em movimento uniforme. 08) Desprezando-se a resistência
do ar, depois de um corpo ser lançado, sobre ele atua somente a força gravitacional.
(UFJF/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: C Uma pessoa com uma bengala sobe na plataforma
de uma balança. A balança assinala 70 kg. Se a pessoa pressiona a bengala contra a p
lataforma da balança, a leitura então: a) indicará um valor maior que 70 kg. b) indica
rá um valor menor que 70 kg. *c) indicará os mesmos 70 kg. d) dependerá da força exercid
a sobre a bengala. e) dependerá do ponto em que a bengala é apoiada sobre a platafor
ma da balança. (UFJF/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: A Sidiney descansa sob a sombra de
uma goiabeira e observa uma goiaba cair. Ele então afirma: posso calcular a força qu
e impele a goiaba em direção ao chão usando a equação dinâmica: F = m a. Em relação a essa
ação de Sidiney, é CORRETO o seguinte comentário: *a) A quantidade m é uma medida da inérci
da goiaba. b) A quantidade m é o peso da goiaba. c) Se a goiabeira estivesse em u
ma nave em órbita da Terra, m seria zero. d) Se a goiabeira estivesse na Lua, m se
ria menor do que na Terra. e) Não podemos utilizar a equação F = m a para esse caso.
japizzirani@gmail.com
49
(UCG/GO-2009.1) - ALTERNATIVA: B A invenção de máquinas pelo homem se deu com o objeti
vo de auxiliá-lo nas tarefas do dia a dia e facilitar sua vida. As primeiras máquina
s desenvolvidas eram bem simples e se baseavam somente em princípios mecânicos. Adot
e sen 45o = cos 45o = 0,71 e g = 10 m/s2. Considere as afirmações abaixo: I - Força, v
elocidade, pressão e corrente elétrica são todas grandezas vetoriais. II - Se a força re
sultante que atua sobre uma partícula for nula implicará que ela só pode estar em seu
estado de repouso e assim permanecerá, a menos que uma força resultante não nula atue
sobre ela. III - Uma caixa de massa 200 kg está em repouso sobre a carroceria de u
m caminhão que desloca-se com velocidade uniforme de 30 m/s em uma estrada plana e
retilínea. O coeficiente de atrito estático entre a carroceria e a caixa é e = 0,2. P
róximo ao seu destino o caminhão é freado por 20 s até parar. Podemos afirmar que durant
e o processo de frenagem a caixa não se deslocou. IV - Um projétil é disparado do pont
o P conforme mostra a figura abaixo, com uma velocidade de 10 m/s numa direção que f
orma um ângulo de 45 graus com a horizontal, atingindo o ponto Q. Considerando que
a resistência do ar é desprezível, a distância d em metros, é um valor superior a 10 metr
os.
(UNIMONTES/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: A Duas forças perpendiculares, F1 e F2, são apl
icadas num corpo de massa m que se encontra num dos vértices de um quadrado de lad
o a, sendo F2 = 2F1 a relação entre seus módulos (veja a figura).
O quadrado delimita uma região plana, horizontal e de superfície muito lisa, de modo
que o atrito entre o corpo e a superfície pode ser desprezado. Pode-se afirmar CO
RRETAMENTE que *a) o corpo se moverá em linha reta, abaixo da diagonal do quadrado
, com aceleração de módulo a = .F1 m . b) o corpo se moverá em linha reta, abaixo da dia
gonal do quadrado, com aceleração de módulo a = 3.F1 m . c) o corpo se moverá em linha r
eta, acima da diagonal do qua.F1 m . drado, com aceleração de módulo a = d) o corpo se
moverá em linha reta, acima da diagonal do quadrado, com aceleração de módulo a = 3.F1
m . (UNIMONTES/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: B Dois corpos de mesma massa, m = 2,00
kg, um de aço e o outro de alumínio, estão em repouso sobre uma superfície plana, de aço.
Os corpos possuem bases planas e de mesma área. A aceleração da gravidade no local é g =
10,0 m/s2. Na tabela abaixo, temos os coeficientes de atrito estático, e, e cinétic
o, c, entre oscorpos e a superfície.
Tipo de contato Aço sobre aço Alumínio sobre aço Coeficiente de atrito estático ( e) 0,740
0,610 Coeficiente de atrito cinético ( c) 0,570 0,470
Assinale o item que possui apenas proposições verdadeiras. a) I e II *b) III e IV c)
II e IV d) I e III (UNIMONTES/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: D Uma mola está presa a u
m bloco conforme a figura abaixo. Seu comprimento natural (sem estar comprimida
ou alongada) é 1,2 m e, na configuração representada no desenho abaixo, seu compriment
o é 1,5 m. Sabendo-se que a massa do bloco é 3,0 kg, determine o valor da constante
elástica, K, da mola. a) 30 N/m. Dado: g = 10 m/s2 b) 80 N/m. c) 20 N/m. *d) 50 N/
m.
(UNIMONTES/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: D Um trem de montanha-russa, seguindo seu p
ercurso, passa por um dos “loops”, cujo raio de curvatura é R. Um de seus vagões está no p
onto mais alto (veja a figura). O módulo da aceleração da gravidade no local é g. Para q
ue não haja força de reação dos trilhos sobre esse vagão no alto do “loop”, a máxima veloci
com que o trem deve passar por ele é a) . Fig 53 2009 NEW b) . c) *d) . .
Forças horizontais (paralelas à superfície plana), de mesma intensidade, F = 13,0 N, são
aplicadas simultaneamente aos dois corpos. É CORRETO afirmar que a) o corpo de aço
se moverá sob a ação de uma força de atrito cinético de intensidade a = 11,4 N. *b) o corp
o de aço não se moverá. c) o corpo de aço se moverá sob a ação de uma força de atrito cinét
intensidade a = 14,8 N. d) o corpo de alumínio se moverá sob a ação de uma força de atrito
cinético de intensidade a = 12,2 N.
(UESPI/PI-2009.1) - ALTERNATIVA: A Segundo a primeira lei de Newton, é correto afi
rmar que: *a) uma partícula com o módulo, a direção e o sentido de sua velocidade consta
ntes tem a força resultante, agindo sobre ela, nula. b) uma partícula com o módulo de
sua velocidade constante tem a força resultante, agindo sobre ela, nula. c) uma pa
rtícula com o módulo e o sentido de sua velocidade constantes tem a força resultante,
agindo sobre ela, nula. d) uma partícula com a direção e o sentido de sua velocidade c
onstantes tem a força resultante, agindo sobre ela, nula. e) uma partícula com o módul
o, a direção e o sentido de sua aceleração constantes tem a força resultante, agindo sobre
ela, nula.
japizzirani@gmail.com
50
(UESPI/PI-2009.1) - ALTERNATIVA: D A figura ilustra três blocos A, B e C, cada um
deles de massa M, conectados entre si através de fios ideais, inextensíveis e de mas
sas desprezíveis. O bloco C é puxado para a direita por uma força de módulo F, que é paral
ela ao plano horizontal. Não existe atrito entre os blocos e o plano horizontal. N
esta situação, qual é o módulo da força resultante que atua no bloco B? a) F b) F/2 c) 2F/
3 *d) F/3 e) Zero
(UFES-2009.1) - ALTERNATIVA: C As caravelas portuguesas utilizavam para desembar
que rápido de mercadorias uma prancha plana de madeira recoberta com gordura anima
l. Sobre essa rampa, caixas de madeira eram desembarcadas com atrito desprezível.
Considerando que |FA|, |FB| e |FC| sejam, respectivamente, o módulo da força resulta
nte sobre uma caixa nos pontos representados na figura esquemática ao lado, é CORRET
O afirmar que a) |FA| < |FB| < |FC|. b) |FA| > |FB| > |FC|. *c) |FA| = |FB| = |F
C|. d) |FA| = 0; |FB| < |FC|. e) |FA| = 0; |FB| > |FC|. (UEPG/PR-2009.1) - ALTER
NATIVA: C A respeito de máquinas simples, que são constituídas de apenas uma peça, assin
ale a alternativa correta. a) O rendimento de uma máquina simples é sempre menor do
que 1 (um). b) Só ocorre equilíbrio em uma alavanca se ela for interfixa. *c) Como n
a roldana fixa a vantagem mecânica é 1 (um), não ocorre economia de força. d) O quebra-n
ozes constitui uma alavanca interfixa. e) A vantagem mecânica de uma alavanca é esta
belecida pela razão entre a força motriz e a força resistente. (UEPG/PR-2009.1) - ALTE
RNATIVA: C O esquema abaixo mostra um sistema constituído por um corpo 1, colocado
sobre uma mesa e ligado por um fio a um corpo 2 suspenso no ar. Com relação às forças q
ue atuam nesse sistema, analise as seguintes afirmações.
UESPI/PI-2009.1) - ALTERNATIVA: E A figura ilustra um bloco de massa m que é aband
onado em repouso a uma distância vertical D de uma mola ideal não deformada, de cons
tante elástica k. O módulo da aceleração da gravidade no local é denotado por g, e as perd
as por atrito e resistência do ar são desprezadas. Para tal situação, qual é a deformação s
ida pela mola quando o bloco atinge sua velocidade máxima? a) (mg/k){1 - [1 + 2kD/
(mg)]1/2} b) (2mg/k){1 + [1 + kD/(mg)]1/2} c) kD2/(2mg) d) 2mg/k *e) mg/k
(UFES-2009.1) - RESPOSTAS NO FINAL Uma caixa de massa m = 500kg, em repouso, está
apoiada sobre uma superfície horizontal. Os coeficientes de atrito estático e cinético
entre a caixa e a superfície são, respectivamente, E = 0,4 e C = 0,3. A caixa é puxad
a por uma força F, horizontal e de intensidade constante, conforme mostra a figura
abaixo. Com base nessas afirmações,
g = 10 m/s2
a) faça o diagrama esquemático das forças que agem na caixa; b) calcule a intensidade
da força normal que age na caixa; c) calcule a intensidade da força de atrito que ag
e na caixa e a aceleração da caixa para uma força F de intensidade 1000N; d) calcule a
intensidade da força de atrito que age na caixa e a aceleração da caixa para uma força
F de intensidade 3000N. RESPOSTA UFES-2009.1: OBS.: A resposta oficial do item a
está abaixo. OBS.: A normal N e a força de atrito Fat constituem uma única força, que é a
reação do solo. a) b) N = 5000 N c) Fat = 1000 N e a = 0 d) Fat = 1500 N e a = 3,0
m/s2
I – Se a força resultante do sistema for maior do que a força de atrito que atua no co
rpo 1, o sistema se deslocará em movimento acelerado. II – A força de atrito que atua
no corpo 2 depende do peso do corpo 1. III – Se a força resultante do sistema for nu
la e o sistema estiver em movimento, esse movimento é uniforme. IV – O sistema ficará
em repouso somente se a força peso do corpo 1 for maior que a sua força de atrito. a
) Apenas a afirmação I é correta. b) Apenas a afirmação III é correta. *c) Apenas as afirma
I e III são corretas. d) Apenas as afirmações II e IV são corretas. e) Apenas as afirmações
I, II e IV são corretas. (UFOP-2009.1) - RESPOSTA: percurso C2 O desenho abaixo mo
stra uma curva plana de um percurso de corrida de carros. Para que se possa faze
r a curva com a maior velocidade possível, sem derrapar, qual percurso é o mais indi
cado? Note que R1 < R2. Justifique sua resposta.
japizzirani@gmail.com
51
(UFJF/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: B A figura abaixo mostra um tubo no formato de u
m segmento de círculo com centro em O. O tubo foi preso ao tampo de uma mesa horiz
ontal. Você está olhando de cima para o tubo. As forças de atrito e as forças produzidas
pelo ar são desprezíveis. Uma bola é lançada em alta velocidade em "p" e sai por "r". C
onsidere as seguintes forças distintas: i) Uma força para baixo devido à gravidade. ii
) Uma força exercida pelo tubo apontando na direção de q para O. iii) Uma força na direção
o movimento. iv) Uma força apontando de O para q. v) Uma força exercida pela mesa so
bre a bolinha, perpendicular à superfície e para cima. Quais das forças acima estão agin
do sobre a bola quando ela se encontra no ponto "q"? a) i e ii *b) i, ii e v c)
i e iii. d) i, ii e iii. e) i, iii e iv.
(UFMG-2009.1) - RESPOSTA NO FINAL Considere que dois objetos de massas M e m estão
pendurados nas extremidades de uma corda que passa por uma polia, como represen
tado na figura ao lado:
O eixo da polia é sustentado por um dinamômetro. Considere que M > m; que a massa da
corda e a da polia são desprezíveis; que a corda é inextensível; e que a polia pode gir
ar livremente em torno de seu eixo. Considerando essas informações, a) DESENHE e NOM
EIE, diretamente na figura, as forças que atuam nos objetos M e m. b) DETERMINE a
aceleração do objeto de massa m em função de M, m e g. c) DETERMINE a força indicada no di
namômetro em função de M, m e g. RESPOSTA UFMG-2009.1: a) b) c)
japizzirani@gmail.com
52
VESTIBULARES 2009.2
(UNIFOR/CE-2009.2) - ALTERNATIVA: D Um balão abandonado no ar desce com aceleração de
0,20 m/ s2. Retirando-se do balão a massa de 2,0 kg, quando solto, ele passa a sub
ir com aceleração de 0,20 m/s2. Considere o empuxo do ar constante nas duas situações e
adote g = 9,8 m/s2. A massa original do balão era, em kg, a) 20 b) 30 c) 40 *d) 50
e) 60
(UFG/GO-2009.2) - ALTERNATIVA: B Por causa do atrito com o ar, durante o voo, um
a abelha fica eletrizada com carga positiva. Ao pousar em uma flor, que é eletrica
mente neutra, o campo elétrico da abelha produz uma carga induzida em alguns grãos d
e pólen fazendo com que saltem pelo ar e fiquem presos aos pêlos deste inseto. A par
te da flor na qual ocorre a coleta do grão de pólen e a menor força para que o grão de pól
en fique preso à abelha, considerando que a massa do grão de pólen é de aproximadamente
1 × 10-8 gramas, são, respectivamente, a) antera e 1 × 10-7 N *b) antera e 1 × 10-10 N c
) estigma e 1 × 10-7 N d) estigma e 1 × 10-10 N e) ovário e 1 × 10-7 N (IFGO/CEFETGO-200
9.2) - ALTERNATIVA: D Infinita Highway
(Engenheiros do Hawaii)
(UNEMAT/MT-2009.2) - ALTERNATIVA: A Um pêndulo de massa 0,3 Kg e comprimento de 3
m tem velocidade no ponto mais baixo de seu deslocamento igual a 6 m/s. Logo, a
tração no fio nesse ponto mais baixo será: (Use g = 10 m/ s2 ) *a) 6,6 N b) 7,6 N c) 1
0,8 N d) 8,4 N e) 5,8 N
Fig 60 2009 NEW
(UNEMAT/MT-2009.2) - ALTERNATIVA: E Um professor está sustentando na palma da mão um
a caixa de madeira de massa igual a 2 kg. Após alguns minutos, ele lança verticalmen
te para cima a caixa de madeira, exercendo uma força de 30N. Nestas condições, analise
os itens a seguir. (Considere g = 10 m/s2) I. No momento antes do lançamento, a c
aixa de madeira exerce sobre a mão do professor uma força de 20N. II. No instante do
lançamento da caixa de madeira para cima, a caixa exerce sobre a mão do professor u
ma força de 30N. III. A força de reação ao peso da caixa de madeira, no momento antes do
lançamento, vale 20N e está aplicada na terra. IV. No momento antes do lançamento, a
caixa de madeira atrai a terra com a força de 30N. Assinale a alternativa correta.
a) Somente os itens I, II e IV estão corretos. b) Somente os itens I e II estão cor
retos. c) Somente os itens III e IV estão corretos. d) Somente o item II está corret
o. *e) Somente os itens II e III estão corretos.
“Você me faz, correr demais Os riscos desta Highway Você me faz, correr atrás Do horizon
te desta Highway ... 110, 120, 160 Só pra ver até quando O motor aguenta...” Só para sim
plificar os cálculos, suponha que ele acelere de 108 km/h até 144 km/h em 4 segundos
, em um retão plano e horizontal, e a massa do seu carro esportivo seja de 800kg.
Indique a única alternativa correta. Considere g = 10 m/s2. a) Nestes 4 segundos,
o carro percorreu 420 metros. b) A força resultante sobre o carro é nula devido à força
de resistência do ar. c) No caso de este carro fazer uma curva semicircular plana,
a força de atrito entre os pneus do carro e o asfalto exerce um Trabalho positivo
, que mantém o carro na pista. *d) O coeficiente de atrito entre os pneus do carro
e o asfalto, no momento desta aceleração, é = 0,25. e) Neste caso em particular, há um
furo na Terceira Lei de Newton, pois o carro acelera devido à explosão da gasolina d
entro do seu motor e não por alguma força externa que o impulsione.
(VUNESP/UNICID-2009.2) - ALTERNATIVA: C Suponha-se que sobre o centro de massa d
a (sonda) Kepler, com a finalidade de corrigir sua órbita, dois motores apliquem a
s forças indicadas pelos vetores a e b, que formam entre si um ângulo de 25 .
(IFCE/CEFETCE-2009.2) - ALTERNATIVA: B No pêndulo simples da figura, uma esfera de
massa m = 0,20 kg oscila, sem atritos, entre as posições extremas A e B. Sabe-se qu
e a aceleração da gravidade local g = 10,0 m/s2 e que sen = 0,6 e cos = 0,8. Na posição
A, o módulo da força de tração no fio e o módulo da aceleração da esfera valem a) 1,2 N e 8
m/s2. *b) 1,6 N e 6,0 m/s2. c) 1,6 N e 8,0 m/s2. d) 1,2 N e 6,0 m/s2. e) 2,5 N e
8,0 m/s2.
Sabendo-se que | a | = 8 N e | b | = 10 N, o módulo da força resultante da soma dess
as forças é, aproximadamente, em N, Dados: sen 25 = 0,4 cos 25 = 0,9 a) 21. b) 19. *c)
17. d) 15. e) 13.
japizzirani@gmail.com
53
(VUNESP/UNICID-2009.2) - ALTERNATIVA: B Leia alguns conceitos básicos da Física: I .
A trito: resistência que os corpos oferecem à mudança de seu estado de repouso ou de
movimento. II . Peso: força originada da ação da gravidade sobre um corpo com massa. I
II . A celeração: variação da quantidade de movimento de um corpo, por unidade de tempo.
Está correto o que se afirma em a) I, apenas. *b) II, apenas. c) I e III, apenas.
d) II e III, apenas. e) I, II e III. (UNIMONTES/MG-2009.2) - ALTERNATIVA: B Uma
força F, de intensidade 24 N, atua sobre o bloco A, que está em contato com o bloco
B (veja a figura). Os dois blocos movem-se sobre a superfície, sem atrito. A força
de contato (força com a qual o bloco A empurra o bloco B) é igual a (Dados: mA = 8,0
kg e mB = 4,0 kg) a) 12 N. *b) 8,0 N. c) 24 N. d) 6,0 N. (UNIMONTES/MG-2009.2)
- ALTERNATIVAS: 34) C 35) A Com base nas informações abaixo, responda às questões 34 e 3
5, considerando o enunciado a seguir. Uma massa puntual m = 0,10 kg está presa a u
ma das extremidades de um barbante de 1,0 m de comprimento. A outra extremidade
do barbante está presa a um pino que pode girar livremente (veja a figura). A mass
a m gira com velocidade de módulo V = 3,0 m/s, descrevendo uma trajetória circular.
(UNIMONTES/MG-2009.2) - ALTERNATIVA OFICIAL: C Um sistema mecânico é formado por dua
s polias ideais que suportam três corpos, A, B e C, de mesma massa, suspensos por
fios ideais, como mostrado na figura abaixo. O corpo B está suspenso simultaneamen
te por dois fios, um ligado ao corpo A e outro ao C. O módulo da aceleração da gravida
de, no local, é g. Podemos afirmar que a aceleração do corpo B será a) zero. b) g/2 para
baixo. c) g para cima. d) g/3 para cima.
(PUCRS-2009.2) - ALTERNATIVA: D Decidido a mudar de lugar alguns móveis de seu esc
ritório, um estudante começou empurrando um arquivo cheio de papéis, com cerca de 100k
g de massa. A força empregada, de intensidade F, foi horizontal, paralela à superfície
sobre a qual o arquivo deslizaria e se mostrou insuficiente para deslocar o arq
uivo. O estudante solicitou a ajuda de um colega e, desta vez, somando à sua força u
ma outra força igual, foi possível realizar a mudança pretendida. A compreensão dessa si
tuação foi tema de discussão na aula de Física, e o professor apresentou aos estudantes
um gráfico que relacionava as intensidades da força de atrito (fe, estático, e fc, cinét
ico) com as intensidades das forças aplicadas ao objeto deslizante.
QUESTÃO 34 A intensidade da tensão no fio é a) 9,0 N. b) 0,3 N. *c) 0,9 N. d) 10 N. QU
ESTÃO 35 O número de revoluções por minuto executadas pela massa puntual m é, aproximadame
nte, *a) 29. b) 20. c) 15. d) 27. (UNIMONTES/MG-2009.2) - ALTERNATIVA: D Um maca
co de 10kg sobe por uma corda de massa desprezível, que passa sobre o galho de uma
árvore (veja a figura). A corda pode deslizar, sem atrito, sobre a superfície do ga
lho. A outra extremidade da corda está presa a uma caixa cuja massa é 15 kg. O menor
valor do módulo da aceleração que o macaco deve ter ao subir pela corda, para erguer
a caixa, é igual a a) 9,8 m/s2. b) 2,4 m/s2. Dado: g = 9,8 m/s2 c) 7,3 m/s2. *d) 4
,9 m/s2. (PUCMINAS-2009.2) - ALTERNATIVA: D Quando em queda livre, uma pedra pes
ada e uma pedra leve têm a mesma aceleração porque: a) a força gravitacional é a mesma em
cada pedra. b) a resistência do ar é sempre zero em queda livre. c) a inércia das duas
pedras é a mesma. *d) a razão força/massa é a mesma para as duas pedras.
A correta relação entre as informações apresentadas no gráfico e a situação vivida pelos es
antes é: a) A força de atrito estático entre o arquivo e o chão é sempre numericamente igu
al ao peso do arquivo. b) A força de intensidade F, exercida inicialmente pelo est
udante, foi inferior ao valor da força de atrito cinético entre o arquivo e o chão. c)
O valor da força de atrito estático é sempre maior do que o valor da força de atrito ci
nético entre duas mesmas superfícies. *d) A força resultante da ação dos dois estudantes c
onseguiu deslocar o arquivo porque foi superior ao valor máximo da força de atrito e
stático entre o arquivo e o chão. e) A força resultante da ação dos dois estudantes conseg
uiu deslocar o arquivo porque foi superior à intensidade da força de atrito cinético e
ntre o arquivo e o chão.
japizzirani@gmail.com
54
(IFMG/CEFETMG-2009.2) - ALTERNATIVA: E A respeito das leis de Newton, afirma-se:
I - As forças de ação e reação atuam no mesmo corpo, possuem mesma direção e sentidos opos
. II - Para manter o movimento de um corpo, na presença de atrito, a resultante da
s forças sobre ele é diferente de zero. III - A segunda lei relaciona a massa de um
corpo com sua aceleração, sendo válida apenas em referenciais inerciais. IV - Para man
ter o movimento circular uniforme de um corpo, a componente tangencial da força re
sultante sobre ele é nula. V - Para manter o movimento retilíneo uniforme de um corp
o, na ausência de atrito, a resultante das forças sobre ele é nula. São corretas apenas
as afirmativas a) I, II e III. b) I, II e IV. c) I, IV e V. d) II, III e V *e) I
II, IV e V. (IFMG/CEFETMG-2009.2) - ALTERNATIVA: B A figura mostra um bloco de p
eso igual a 10 N, prestes a se mover sobre um plano inclinado de ângulo 30°. Dados:
g = 10 m/s2 sen 30° = 1/2 cos 30° = 2
(UEG/GO-2009.2) - ALTERNATIVA: B No jargão aeronáutico, fala-se costumeiramente em “qu
atro forças”: força de sustentação, força peso, força de propulsão e força de arrasto. O di
de corpo livre de um avião está representado abaixo.
Para um voo em linha reta, nivelado e com velocidade constante, tem-se: *a) S +
P = 0 e FA + E = 0 b) S + P + FA + E = 0 c) S + P = 0 e FA + E = 0 d) FA + E = 0
(VUNESP/UFTM-2009.2) - ALTERNATIVA: A Preparando-se para a montagem de um aquec
edor solar compacto, o instalador pôde experimentar um pequeno momento de aflição ao v
er que, por alguns instantes, o aparelho, ainda apenas apoiado sobre as telhas,
começara a escorregar. Por sorte, e devido ao atrito, o conjunto parou sua descida
pelo telhado.
Analisando essa situação, é correto concluir que a(o) a) força de atrito estática máxima so
re o bloco vale 8,0 N. *b) força de reação normal do plano sobre o bloco é 5 N. c) acele
ração do bloco, caso ele desça o plano, é 5 m/s2. d) coeficiente de atrito cinético entre
o plano e o bloco vale 0,5. e) coeficiente de atrito estático entre o plano e o bl
oco é 3/ . ((ACAFE/SC-2009.2) - ALTERNATIVA: B Um bloco de massa igual a 10 kg é aba
ndonado sobre um plano inclinado.
Sendo P, Fat e N, respectivamente, a força peso, a de atrito e a normal, e sendo o
ponto C o centro de massa do aquecedor solar, dos esquemas de vetores represent
ados, aquele que melhor representa a situação de equilíbrio estático do conjunto é: *a) d)
Admitindo-se que o coeficiente de atrito entre a superfície do corpo e a superfície
do plano seja 0,4, e que g = 10 m/s2, é correto afirmar que: a) a intensidade da f
orça de atrito aplicada ao corpo é de 25 N. *b) o corpo terá uma aceleração de 6,6 m/s2. c
) a intensidade força normal aplicada ao corpo é 40 N. d) a intensidade da força peso é
90 N. (PUCMINAS-2009.2) - ALTERNATIVA: A Duas pessoas jogam “cabo de guerra”, a cert
a altura do jogo, os participantes estão essencialmente em repouso, cada um deles
puxando a corda com a força de 350 N. Nessa situação, a tensão na corda é, em Newtons, igu
al a: *a) 350 b) 700 c) 175 d) 0
b)
e)
c)
japizzirani@gmail.com
55
(VUNESP/UFTM-2009.2) - ALTERNATIVAS : 12 D; 13 B Considere as informações seguintes
para responder às questões de números 12 e 13. Presente na memória da infância de todos, o
algodão doce é o resultado da solidificação de fios muito finos de açúcar derretido.
(MACKENZIE-2009.2) - ALTERNATIVA: D Em um ensaio físico, desenvolvido com o objeti
vo de se estudar a resistência à tração de um fio, montou-se o conjunto ilustrado abaixo
. Desprezado o atrito, bem como as inércias das polias, do dinamômetro (D) e dos fio
s, considerados inextensíveis, a indicação do dinamômetro, com o sistema em equilíbrio, é a
1,6 N b) 1,8 N c) 2,0 N *d) 16 N e) 18 N Dados: g = 10 m/s2, sen = 0,6 e cos =
0,8
O algodão doce é produzido com o auxílio de uma “engenhoca” muito simples. Nela, uma peque
na porção de açúcar é colocada em uma peça cilíndrica em forma de copo. Um resistor produz
ecimento, enquanto um motor faz o copo girar. Quando assume finalmente a forma líq
uida, o açúcar pode escapar por um dos inúmeros furos que o copo contém em sua lateral.
Em contato com o ar mais frio, o filete de açúcar derretido transforma-se em um fino
fio que, recolhido, assume a forma do chumaço tão conhecido. 12. De acordo com os p
rincípios da mecânica newtoniana e tendo como referência o chão sobre o qual a máquina é ap
iada, é correto afirmar que a) cada filete de açúcar derretido é empurrado para fora do
recipiente em alta rotação, devido unicamente à ação de uma força centrípeta. b) cada filet
e açúcar derretido é empurrado para fora do recipiente em alta rotação, devido unicamente à
ação de uma força centrífuga. c) cada filete de açúcar derretido é empurrado para fora do r
piente em alta rotação, devido à ação conjunta de uma força centrípeta proveniente do recip
te e de uma força centrífuga proveniente do açúcar derretido. *d) o que comanda a saída do
filete de açúcar derretido é a tendência de qualquer corpo de se mover em linha reta, q
uando a força responsável pelo movimento circular deixa de agir. e) o que comanda a
saída do filete de açúcar derretido é a tensão superficial do fio de açúcar derretido, que
pre está puxando mais açúcar derretido para fora do copocilíndrico. 13. O motor que movi
menta a máquina gira uma polia grande de 0,1 m de raio a 240 rpm. Conectada a essa
polia, por intermédio de uma correia, uma polia menor, de raio 4 cm, gira o copo
que contém o açúcar. Se as paredes desse copo estão a 8 cm de seu eixo de rotação, a veloci
ade escalar com que uma gota de açúcar derretido sai por um dos orifícios do copo, em
m/s, é, aproximadamente, Dado: = 3,1 a) 2. *b) 5 c) 8. d) 10. e) 13. (UNIFAL/MG-20
09.2) - ALTERNATIVA: C Considere os três diagramas ilustrados abaixo (I, II e III)
, referentes às forças que atuam sobre um corpo de massa m, nos quais os módulos das f
orças F1, F2 e F3 são idênticos. A relação entre os módulos das acelerações resultantes nes
rpo é: (Dados: sen 30° = 0,50 e cos 30° = 0,67) a) aI > aII> aIII b) aI = aII = aIII *
c) aI = aII > aIII d) aI = aII < aIII
(UTFPR-2009.2) - ALTERNATIVA: C Um ladrão tenta fugir carregando uma mala cheia de
barras de ouro. Considerando a densidade do ouro aproximadamente igual a 20 g/c
m3, g = 10 m/s2 e o volume ocupado pelas barras de ouro igual a 48 dm3, o peso,
em N, da mala teria um valor numérico próximo de: a) 24.000. b) 960. *c) 9.600. d) 9
6.000. e) 2.400. (UTFPR-2009.2) - ALTERNATIVA: A Uma partícula material está sujeita
à ação simultânea de 3 forças F1, F2 e F3, conforme está representado na figura. A força r
ltante (soma vetorial) que atua na partícula está corretamente representada na alter
nativa: *a) b) c) d) e) (UFOP/MG-2009.2) - RESPOSTA: a) 4,4 N b) 4,0 m Uma pedra
de massa m = 200 g é sustentada por um barbante quando gira em um plano vertical
no sentido horário, como mostrado na figura abaixo. A pedra realiza uma trajetória d
e raio igual a 50 cm, com velocidade escalar constante de 4,0 m/s.
Considerando o ponto mais alto da trajetória e que g é igual a 10 m/s2, faça o que se
pede. a) Determine o valor da tensão T do barbante. b) Suponha que a pedra esteja
a 5,0 m acima do solo (no ponto mais alto) e, nesse momento, o barbante se rompa
. Qual o alcance máximo da pedra?
japizzirani@gmail.com
56
(VUNESP/FTT-2009.2) - ALTERNATIVA: C Um dos fatores que mostram a educação, o respei
to para como ser humano e o nível de cidadania de uma sociedade é a existência, em hos
pitais, ruas e demais locais públicos, de rampas de acesso que facilitem a locomoção d
e portadores de deficiências físicas dependentes de cadeiras de rodas. Considere que
uma pessoa numa cadeira de rodas esteja parada numa rampa de 4 m de comprimento
, que permita uma elevação vertical de 0,4 m. Desprezando o atrito, adotando g = 10
m/s2 e considerando a massa do conjunto cadeira-pessoa igual a 80 kg, a força nece
ssária para mantê-la parada na rampa vale, em N, a) 20. b) 40. *c) 80. d) 400. e) 80
0.
(UFOP/MG-2009.2) - RESPOSTA: a) zero b) 350 × 10–3 m3 c) (5 - n).70 × 10–3 m3 Um sistema
de elevadores funciona com dois elevadores iguais conectados por duas polias se
m atrito, conforme mostra a figura. Cada elevador tem a lotação máxima de 5 passageiro
s. Os elevadores possuem um reservatório de água em seu interior, de modo que, para
o elevador que está acima descer, seu reservatório é abastecido. Assim que desce, ele é
esvaziado.
(IFMG/EAFI-2009.2) - ALTERNATIVA: A A ONU declarou o ano de 2009 como o ano inte
rnacional da Astronomia. Essa homenagem tem como objetivo comemorar os 400 anos
da primeira observação astronômica com telescópio realizada por Galileu Galilei. Esse ci
entista que viveu na época do renascimento europeu e fez várias contribuições para a ciênc
ia além de elucidar a queda dos corpos na superfície da Terra. Acerca da queda livre
dos corpos na superfície da Terra é correto afirmar: *a) Soltando dois corpos de ma
ssas diferentes no mesmo instante e de uma mesma altura, desprezando a resistência
do ar, eles chegam ao solo no mesmo instante e na mesma velocidade. b) Dois cor
pos de massas diferentes em queda livre terão aceleração da gravidade diferente. c) De
sprezando a resistência do ar, uma pequena pedrinha solta de uma ponte de 11,25 m
de altura, considerando g = 10 m/s2, gastará 5,0s para chegar ao solo. d) Soltando
dois corpos de massas diferentes no mesmo instante e da mesma altura o mais pes
ado chegará primeiro ao solo. e) Se você solta uma bola de aço de raio 4,0 cm do alto
de uma ponte, a esfera chegará ao solo com maior peso. (IFMG/EAFI-2009.2) - ALTERN
ATIVA: E Considere uma aeronave aterrissando. No momento em que ela toca o chão o
piloto verifica uma velocidade de 360km/h. Sendo o coeficiente de atrito cinético
igual a 0,5 e considerando g = 10 m/s2, o valor mínimo do comprimento da pista bem
como o tempo para parar valem respectivamente: a) 5km e 10s b) 4km e 10s c) 3km
e 10s d) 2km e 20s *e) 1km e 20s (UFMS-2009.2) - ALTERNATIVA: D Um tijolo está so
bre um plano inclinado com atrito suficiente para mantê-lo em repouso, veja a figu
ra. A linha pontilhada é imaginária dividindo o tijolo ao meio, e consequentemente f
icam definidas duas áreas de contato do tijolo com o plano, áreas A e B respectivame
nte. Considere a distribuição de massa, no tijolo, uniforme, e o coeficiente de atri
to entre todos os pontos da superfície de contato entre o tijolo e o plano, iguais
. Com fundamentos na mecânica, assinale a alternativa correta.
Considere os seguintes dados: massa de cada pessoa = 70 kg densidade da água = 1,0
× 103 kg/m3 aceleração da gravidade = 10 m/s2 Calcule o volume mínimo de água necessário p
ra que o sistema entre em iminência de movimento nas seguintes condições: a) com os do
is elevadores vazios. b) com o elevador superior vazio e o elevador inferior com
lotação máxima. c) com n passageiros no elevador superior, estando o elevador inferio
r com lotação máxima. (UTFPR-2009.2) - ALTERNATIVA: E Duas molas A e B suspensas verti
calmente, feitas de materiais diferentes, têm comprimentos iniciais LA = 400 mm e
LB = 50 mm. Um estudante testa as duas molas num laboratório, medindo seus comprim
entos finais L’A e L’B quando elas sustentam, em equilíbrio, respectivamente os pesos
PA = 5,0 N e PB = 2,5 N. Supondo que os comprimentos finais medidos são L’A = L’B = 45
0 mm, o valor do quociente kA / kB entre as constantes elásticas das duas molas é (s
uponha que os pesos pendurados não ultrapassem os limites de elasticidade das mola
s): a) 8. b) 2. c) 1. d) 1/4. *e) 16.
a) O tijolo não escorrega porque a força de atrito que a superfície aplica no tijolo é i
gual à força peso do tijolo. b) A força de atrito, aplicada no tijolo pela superfície do
plano, está realizando trabalho porque essa força não deixa o tijolo deslizar. c) A p
ressão, exercida pelo tijolo sobre a superfície de contato com o plano, é igual em tod
os os pontos dessa superfície. *d) A pressão, exercida pelo tijolo sobre a superfície
de contato B, é maior que a pressão exercida pelo tijolo sobre a superfície de contato
A. e) A pressão, exercida pelo tijolo sobre a superfície de contato B, é menor que a
pressão exercida pelo tijolo sobre a superfície de contato A.
japizzirani@gmail.com
57
(UDESC-2009.2) - RESPOSTA: a) 1,0 s b) 5 m/s2 c) 2,0 s Um bloco de massa m desli
za sobre um plano horizontal com velocidade constante. Exatamente no ponto B o b
loco encontra um plano inclinado, conforme é mostrado na figura. Despreze o atrito
entre o bloco e as superfícies dos planos. Dados: cos30o = 0,90; sen30o = 0,50; t
an30o = 0,60; g = 10 m/s2
(UFMS-2009.2) - ALTERNATIVA: B Uma cidade A está localizada sobre a linha equatori
al na intersecção com o meridiano 0°. Uma outra cidade B está localizada no paralelo 30° S
ul sobre o meridiano 36° ao Leste, veja a figura. Considere apenas o movimento de
rotação da Terra em torno de seu próprio eixo, e assinale a alternativa correta.
a) Calcule o tempo gasto pelo bloco para percorrer uma distância de 10,0 m sobre o
plano horizontal, quando sua velocidade for de 36,0 km/h. b) Determine a aceler
ação sofrida pelo bloco quando ele sobe o plano inclinado. c) Considere o caso em qu
e o bloco atinge o repouso no topo do plano inclinado (ponto C), devido ao atrit
o existente apenas na superfície do plano inclinado. Sabendo que AB - BC = 8,0 m ,
e que a desaceleração é de 4,0 m/s2, calcule o tempo gasto pelo bloco sobre o plano i
nclinado, que é exatamente o mesmo tempo gasto para percorrer a distância AB.
(UDESC-2009.2) - RESPOSTA: a) bloco 1: sim e bloco 2: não b) fazer c) 1,0 m/s2 log
o após tirar F Dois blocos de massas m1 e m2 são fixados nas extremidades de uma mol
a de constante elástica K = 10 N/m e mantidos em repouso sobre uma mesa por duas f
orças horizontais F, conforme mostra a figura abaixo.
a) O fuso horário solar entre as duas cidades é de 2,0 horas. *b) O fuso horário solar
entre as duas cidades é de 144 minutos. c) A aceleração centrípeta de uma pessoa em rep
ouso, nas cidades A e B, é igual. d) Devido ao efeito da rotação da Terra, dois objeto
s de massas iguais possuem maior peso aparente na cidade A do que na cidade B. e
) Com relação a um referencial inercial, a velocidade tangencial da cidade A é igual à v
elocidade tangencial da cidade B. (UFMS-2009.2) - RESPOSTA: SOMA = 007 (001+002+
004) Duas roldanas sem atrito estão penduradas no teto, e um fio de massa desprezíve
l passa horizontalmente pelas duas roldanas. Nas extremidades desse fio, estão pre
sas duas massas: m1, à esquerda, e m2 à direita. O fio entre as roldanas foi cortado
e, nas suas duas pontas, foi amarrado um dinamômetro também de massa desprezível, ess
e sistema é representado na figura abaixo. Considere a aceleração da gravidade uniform
e e igual a g=10m/s², despreze a resistência do ar, e assinale a(s) afirmação(ões) correta
(s).
Dados: – m1 = 10 kg; m2 = 20 kg; e = 0,60 e F = 70N. – Para encontrar a força elástica d
a mola, suponha que enquanto a força F estiver agindo, não existirá atrito. – Adote a ac
eleração da gravidade 10 m/s2 a) Quando as forças F deixarem de atuar haverá movimento n
os blocos 1 e 2? Justifique sua resposta. b) Quais as forças que atuam em cada blo
co (diagrama de corpo livre) logo após a força F deixar de atuar? c) Caso apenas o b
loco de menor massa se movimente, calcule a sua aceleração. (UECE-2009.2) - ALTERNAT
IVA: A Três esferas puntiformes, colineares, cada uma de massa m, estão presas umas às
outras e a um eixo de rotação por meio de três hastes rígidas, cada uma de comprimento
, inextensíveis e de massas desprezíveis em relação às massas das esferas. (001) Se m1 for
igual a m2, e o sistema estiver com velocidade constante, o campo gravitacional
não realiza trabalho resultante sobre o sistema. (002) Se uma massa for o dobro d
a outra, o sistema não estará em equilíbrio e o dinamômetro indicará uma força equivalente
4/3 do peso da menor delas. (004) Se uma massa for o dobro da outra, o sistema
não estará em equilíbrio e a menor massa subirá com uma aceleração igual a 1/3 de g. (008)
e m1 for igual a m2 e igual a 1kg, o sistema estará em equilíbrio e o dinamômetro indi
cará uma força equivalente a 20N. (016) Se m1 = m2 , e acrescentarmos m em uma delas
, o novo sistema não estará em equilíbrio e a leitura do dinamômetro não será alterada. (UF
S-2009.2) - ALTERNATIVA: D O tempo de parada de um veículo é a soma dos tempos de re
ação (intervalo de tempo entre a detecção de um obstáculo e o início da ação de frenagem) e
renagem. Sabendo que o tempo de reação é igual a 1,5 s e o fator de frenagem (coeficie
nte de atrito) é igual a 0,8, o alcance mínimo que deve ter os faróis de um carro traf
egando à noite a 72 km/h, para que o motorista possa parar ao avistar um obstáculo n
a pista, é de: (g = 10 m/s2) a) 25 m. b) 30 m. c) 40 m. *d) 55 m. e) 70 m.
O conjunto (eixo, haste, esfera, haste, esfera, haste, esfera), conforme visto n
a figura acima, gira no plano da prova (plano horizontal), em torno desse eixo d
e rotação, com velocidade angular constante. A tensão T nas hastes 1, 2 e 3 é, respectiv
amente: *a) 6m 2, 5m 2 e 3m 2. b) m 2, 2m 2 e 3m 2. c) 3m 2, 2m 2 e m 2. d) 3m 2
, 5m 2 e 7m 2.
japizzirani@gmail.com
58
(UEG/GO-2009.2) - RESPOSTA: a) não se altera b) permanece constante c) aumenta d)
aumenta Na caixa da figura abaixo existem duas forças aplicadas, F1 e F2. O módulo d
a força F1 é constante e diferente de zero. Inicialmente, o módulo de F2 é nulo, mas aum
enta em seguida.
(UNESP-2009.2) - ALTERNATIVA: E Uma bola de pequeno diâmetro deve ser elevada, len
tamente e com velocidade constante, à altura h. Considere duas opções: erguê-la mediante
o uso de uma corda e uma polia ideais (esquema I) ou empurrá-la ao longo do plano
inclinado (esquema II).
Com relação a uma mudança em seu módulo, o que a presença da força F2 provoca em cada uma d
s seguintes forças? a) Na força gravitacional sobre a caixa. b) Na força de atrito estát
ico entre a caixa e o chão. c) Na força normal que o chão faz na caixa. d) No módulo da
força de atrito estático máximo entre a caixa e o chão. (UNESP-2009.2) - ALTERNATIVA: A
Uma caixa apoiada sobre uma mesa horizontal movimenta-se com velocidade constant
e, submetida exclusivamente à ação de três forças, conforme indica o esquema.
Se desprezarmos o atrito, a bola é erguida com a aplicação da menor força, quando a) se
eleva a bola na vertical, utilizando a polia. b) se eleva a bola utilizando qual
quer uma das opções sugeridas. c) se empurra a bola ao longo do plano inclinado com ân
gulo igual a 60 . d) se empurra a bola ao longo do plano inclinado com o ângulo igua
l a 45 . *e) se empurra a bola ao longo do plano inclinado com o ângulo igual a 30 . (
VUNESP/UFTM-2009.2) - RESPOSTA: a) anti-horário b) 0,2 N Bancos para piano têm seu a
ssento circular montado sobre um longo parafuso, para que o pianista possa ajust
ar a altura adequada. Sobre um desses banquinhos, foi deixada uma pequena caixa
de madeira em uma posição afastada do centro do assento.
A força F1 é a que uma pessoa exerce empurrando a caixa ao longo da mesa; P é a força pe
so da caixa e F2 é a resultante das forças: de reação da mesa sobre a caixa e de atrito
que a mesa exerce sobre a caixa. Dos esquemas indicados, o que representa corret
amente a soma vetorial das forças F1, F2 e P é: *a) d)
b)
e)
c)
(UNESP-2009.2) - RESPOSTA: a = F/(m1+m2+m3) e F23 = F.m3/(m1+m2+m3); mesma direção e
sentido de F Três blocos, 1, 2 e 3, de massas respectivamente iguais a m1, m2 e m
3, encontram-se sobre um plano horizontal, podendo se deslocar sem atrito. Os bl
ocos estão sob ação da aceleração da gravidade g e de uma força F, como mostra a figura.
Visto de cima, quando o assento do banco é girado no sentido horário, a altura em re
lação ao chão é diminuída e, girando no sentido anti-horário, o assento sobe. Dado: massa d
caixa de madeira = 0,5 kg a) Girando o assento cada vez mais rápido, a partir de
certa velocidade, a caixa começa a deslizar. Em qual das situações, girando no sentido
horário ou no sentido anti-horário, a intensidade da força de atrito que ocorrerá entre
a caixa e o assento do banco será maior? Justifique sua resposta. b) Determine o
valor da força de atrito que atua sobre a pequena caixa de madeira quando ela, a 1
0 cm do centro de rotação do assento, devido à rotação, movimenta-se, sem escorregamento,
com velocidade escalar constante de intensidade 20 cm/s. (IFSP-2009.2) - ALTERNA
TIVA: E Um corpo de massa 200g, inicialmente em repouso, sob ação de uma força constan
te, atinge em 2s a velocidade de 54 km/h. A força que atuou no objeto durante esse
intervalo de tempo tem valor igual a a) 1500 N. b) 5400 N. c) 5,4 N. d) 150 N.
*e) 1,5 N.
Determine a aceleração do sistema e a força F23 que o bloco 2 exerce sobre o bloco 3,
em função de F, m1, m2 e m3.
japizzirani@gmail.com
59
(UEM/PR-2009.2) - RESPOSTA: SOMA = 05 (01+04) Dois projéteis, um de massa M e outr
o de massa m (M > m), são lançados simultaneamente, com a mesma velocidade v0, forma
ndo o mesmo ângulo com a horizontal. Considerando que sobre eles atua constantemen
te a mesma força resistiva F (figura abaixo), paralela à superfície horizontal, podemo
s afirmar corretamente que
01) o projétil de massa M tem maior alcance que o projétil de massa m. 02) a altura
máxima atingida pelo projétil de massa M é menor que a altura máxima atingida pelo projéti
l de massa m. 04) o módulo da força resultante que atua sobre o projétil de massa M é ma
ior que o módulo da força resultante que atua sobre o projétil de massa m. 08) o projéti
l de massa M atinge o solo antes que o projétil de massa m o faça. 16) o módulo da ace
leração do projétil de massa M é maior que o módulo da aceleração do projétil de massa m. (
R-2009.2) - RESPOSTA: SOMA = 11 (01+02+08) Os três blocos A, B e C da figura abaix
o se movem juntos sob a ação da força F paralela à superfície horizontal. A força de atrito
entre a superfície horizontal e o bloco C é nula. Desprezando a resistência do ar, ass
inale o que for correto.
01) Sobre o bloco A, atua uma força de atrito no mesmo sentido da força F. 02) Sobre
o bloco B, atua uma força de atrito em sentido contrário à força F. 04) Sobre o bloco C
, não atua força de atrito alguma. 08) A resultante das forças que atua no sistema for
mado pelos três blocos é F. 16) A resultante das forças que atua nos blocos A e B é nula
. (IFSP-2009.2) - ALTERNATIVA: A Assinale a alternativa correta. *a) Devido à atração
gravitacional exercida pela Terra sobre os corpos eles sofrem queda nas proximid
ades da superfície com uma variação de velocidade da ordem de 10 metros por segundo a
cada segundo. b) O peso de um corpo é uma grandeza física cujo valor é fixo, que não dep
ende de qualquer fator externo. c) As marés, alteração periódica no nível dos oceanos, são
roduzidas pela ação combinada dos ventos e da rotação da Terra. d) Quando dois corpos de
massas diferentes colidem, o de maior massa exerce sobre o de menor massa a força
de maior intensidade. e) A ausência de atmosfera na Lua se deve ao fato de a mesm
a não exercer atração gravitacional sobre objetos nas suas proximidades.
japizzirani@gmail.com
60
MECÂNICA: ENERGIA
VESTIBULARES 2009.1
VESTIBULARES 2009.2 PÁG. 88 (UFABC-2009.1) - ALTERNATIVA: B As baleias deslocam-se
na água por meio de suas nadadeiras caudais horizontais. Suponha que num dia de v
erão, determinada baleia de 40 toneladas de massa, numa viagem para águas mais frias
em busca de alimentos, esteja se movendo horizontalmente e tenha sua velocidade
aumentada de 1,4 m/s para 2,2 m/ s num certo intervalo de tempo. A intensidade
do impulso total aplicado sobre essa baleia, nesse intervalo de tempo, foi, em N
.s, igual a a) 16 000. d) 88 000. *b) 32 000. e) 144 000. c) 56 000. (FGVRJ-2009
.1) - ALTERNATIVA: A No estudo do decaimento radioativo de um nucleo atomico N,
inicialmente em repouso, foi observada a emissao de duas particulas com quantida
des de movimento p e q representadas na figura.
(VUNESP/UNISA-2009.1) - ALTERNATIVA: B Em um local em que a aceleração da gravidade
tem intensidade g = 10 m/s2, uma esfera de massa m = 2 kg se move ao longo da tr
ajetória esquematizada. Sua velocidade ao passar pelo ponto A é vA = 5 m/s e ao pass
ar por B, vB = 10 m/s.
Dessa forma, é possível concluir que o módulo do trabalho das forças não conservativas, ne
sse percurso, é a) nulo. *b) 75 J. c) 250 J. d) 325 J. e) 575 J. (UNICENTRO/PR-200
9.1) - ALTERNATIVA: A Considere um bloco que desce um plano inclinado (de inclin
ação constante) com velocidade constante. É CORRETO afirmar que, enquanto o bloco desc
e o plano, *a) sua energia mecânica diminui. b) uma vez que sua velocidade é constan
te, sua energia mecânica não se altera. c) o trabalho total realizado sobre o bloco
não é nulo. d) a energia cinética do bloco se transforma integralmente em energia pote
ncial gravitacional. e) a energia potencial gravitacional do bloco se transforma
integralmente em energia cinética. (VUNESP/UNICID-2009.1) - ALTERNATIVA: D Durant
e uma experiência de Física, um grupo de alunos dispunha de um conjunto de 4 esferas
idênticas, penduradas por fios muito leves, idênticos, pendentes de um teto comum.
No relatório, foram apresentados desenhos que reproduziam as condições inicial e final
observadas. A condição inicial é representada pela seguinte figura:
Sabendo que o nucleo emitiu apenas as duas particulas, podese afirmar que o veto
r que melhor representa a direcao e o sentido da velocidade do nucleo apos o dec
aimento e: *a) b) c) d) e) nulo
(UFABC-2009.1) - ALTERNATIVA: D Usado para descoberta de nichos arqueológicos, o g
eo-radar prova que é uma excelente tecnologia para detectar conexões clandestinas de
água em postos de gasolina. O aparelho, montado sobre um pequeno carrinho de quat
ro rodas, deve ser conduzido sobre toda a extensão do piso do posto de gasolina. P
ara tanto, o operador empurra o aparelho com o auxílio de uma haste inclinada a 54
com a horizontal, tal qual um carrinho de bebê.
Desconhecendo o material do qual as esferas são constituídas, a condição final poderia s
er representada por
Suponha que um geo-radar, com massa 20 kg, deva realizar a varredura de um pátio d
e área 100 m2. Sabendo que o aparelho cobre uma faixa de 0,5 m de largura e que o
operador empurra o aparelho com força constante de 80 N, na direção da haste, suficien
te para manter um movimento uniforme, o menor trabalho que o operador poderá reali
zar ao empurrar o aparelho, desconsiderando as manobras de 180 que devem ser feit
as para cobrir completamente a área prevista, é, em joules, Dados: sen 54 = 0,8, cos
54 = 0,6 e tg 54 = 1,4 a) 4 000. b) 4 800. c) 8 000. *d) 9 600. e) 22 400.
Está correto o contido em a) I e IV, apenas. b) II e III, apenas. c) III, apenas.
*d) III e IV, apenas. e) I, II, III e IV.
japizzirani@gmail.com
61
(UNICENTRO/PR-2009.1) - ALTERNATIVA: A A figura mostra duas esferas que se deslo
cam, em sentidos opostos, sobre uma pista horizontal, plana, e sem atrito.
(VUNESP/UNINOVE-2009.1) - ALTERNATIVA: C Num parque de diversões original, há um bri
nquedo que consta de dois carros A e B que podem deslizar livremente, sem atrito
considerável, sobre uma pista retilínea. O carro A pode atingir uma mola de constan
te K = 103 N/m e deformá-la. Uma criança, de 30 kg de massa, sobe no carro A e outra
, de 40 kg, no carro B. A partir de um estado de repouso, elas se empurram mutua
mente e partem em sentidos opostos. Após o contato, o carro B percorre, então, 4,0 m
em 1,0 s. Cada carro tem massa própria de 10 kg.
A esfera 1 tem massa m e velocidade de módulo 3V, e a esfera 2 tem massa 2m e velo
cidade de módulo V. A colisão que ocorre entre as esferas é perfeitamente elástica. Cons
idere | I1 | o módulo do impulso sofrido pela esfera 1 na colisão, e | I2 | o módulo d
o impulso sofrido pela esfera 2 na colisão. É CORRETO afirmar que *a) | I1 | = | I2
| b) | I1 | > | I2 | c) | I1 | < | I2 | d) a quantidade de movimento do sistema
vale 5mV. e) a quantidade de movimento do sistema é nula antes e depois da colisão.
(PUCPR-2009.1) - ALTERNATIVA: E A produção de alimentos é uma atividade essencial para
a existência humana que demanda efetivamente muita água. A chuva é a sua principal fo
nte. Para uma planta atingir o potencial produtivo, ela requer um volume de água p
ara o respectivo metabolismo. Normalmente, quando a chuva cai sobre uma plantação, e
m geral as gotas não causam danos às plantas. Isso ocorre porque as gotas de chuva não
estão em queda livre, mas sujeitas a um movimento no qual a resistência do ar deve
ser levada em consideração. Vamos supor que uma gota de chuva se forme numa altitude
de 1000m e cuja massa vale aproximadamente 1,5 × 10–3 g. Se na queda for considerad
a a resistência do ar, seu valor é tanto maior quanto maior a velocidade do corpo em
movimento. Para uma gota em queda a partir do repouso, a velocidade aumenta até u
m valor máximo denominado velocidade limite, ou terminal, em média 18 km/h e atuam s
obre a gota as seguintes forças: resistência do ar (FA), peso (P) e empuxo (E). A pa
rtir dessa velocidade, a gota cai em movimento retilíneo uniforme. (Considere g =
9,8 m/s2). Com base no exposto, assinale a alternativa CORRETA. a) Se a resistênci
a do ar e o empuxo fossem desprezados, a energia mecânica não se conservaria. b) Após
atingir a velocidade limite, nenhuma força age sobre a gota. c) Considerando-se ap
enas a parte do percurso em que a gota está em movimento retilíneo uniforme, tem-se
que ela sofre um acréscimo na sua energia cinética de 243 × 10 –6 J. d) Antes de a gota
atingir a velocidade terminal a resultante das forças que agem sobre ela é FR = E +
FA. *e) Se a resistência do ar e o empuxo fossem desprezados, a velocidade com que
a gota chegaria à superfície da terra seria de v = 140 m/s. (PUCRIO-2009.1) - ALTER
NATIVA: E Um astronauta flutuando no espaço lança horizontalmente um objeto de massa
m = 5 kg com velocidade de 20 m/s, em relação ao espaço. Se a massa do astronauta é de
120 kg, e sua velocidade final horizontal v = 15 m/s está na mesma direção e sentido d
o movimento da massa m, determine a velocidade do astronauta antes de lançar o obj
eto. a) 11,2 m/s. b) 12,2 m/s. c) 13,2 m/s. d) 14,2 m/s. *e) 15,2 m/s.
A máxima deformação que a mola sofre quando interage com o carro A vale a) 10 cm. b) 7
1 cm. *c) 1,0 m. d) 7,1 cm. e) 10 m. (VUNESP/UNINOVE-2009.1) - ALTERNATIVA: B Um
operário ergue uma carga de 50 kg de massa trazendo-a do chão até uma altura de 6,0 m
, onde ele se encontra. Para essa tarefa, o operário utiliza um moitão simples de um
a roldana fixa e outra móvel, como ilustra a figura.
Desprezando a inércia das roldanas e do cabo e considerando a aceleração da gravidade
com o valor 10 m/s2, pode-se afirmar que o trabalho realizado a) pelo peso da ca
rga é de 3 000 J. *b) pelo peso da carga é de –3 000 J. c) pela força exercida pelo operár
io é de 1 500 J. d) pela força exercida pelo operário é de –1 500 J. e) pela força exercida
pelo operário depende da velocidade constante com que a carga é erguida.
(UDESC-2009.1) - ALTERNATIVA: C O Sistema Internacional de unidades (SI) adota s
ete unidades fundamentais para grandezas físicas. Por exemplo, a unidade da intens
idade de corrente elétrica é o ampère, cujo símbolo é “A”. Para o estudo da Mecânica usam-s
unidades fundamentais associadas às grandezas físicas: comprimento, massa e tempo. N
esse sistema, a unidade de potência mecânica é: a) s3.(kg/m2) b) kg.(m/s2) *c) kg.(m2/
s3) d) kg.(m2/s) e) (m/s2)/kg
japizzirani@gmail.com
62
(UDESC-2009.1) - ALTERNATIVA: D Um jogador de futebol, ao cobrar uma falta, chut
a a bola de forma que ela deixa seu pé com uma velocidade de 25 m/s. Sabendo que a
massa da bola é igual a 400 g e que o tempo de contato entre o pé do jogador e a bo
la, durante o chute, foi de 0,01 s, a força média exercida pelo pé sobre a bola é igual
a: a) 100 N b) 6250 N c) 2500 N *d) 1000 N e) 10000 N
(UNICAMP-2009.1) - RESPOSTA: a) 32,0 kJ b) 15,0 CV A tração animal pode ter sido a p
rimeira fonte externa de energia usada pelo homem e representa um aspecto marcan
te da sua relação com os animais. a) O gráfico ao lado mostra a força de tração exercida po
um cavalo como função do deslocamento de uma carroça. O trabalho realizado pela força é d
ado pela área sob a curva F × d. Calcule o trabalho realizado pela força de tração do cava
lo na região em que ela é constante. Fig 6 2009 ENR
(UFCG/PB-2009) - ALTERNATIVA: B Em um laborató.1rio de Física, uma plataforma move-s
e sobre trilhos com movimento retilíneo uniforme com velocidade de módulo igual a 20
m/s em relação ao laboratório. Sara, na plataforma, observa que um corpo de 2,0 kg, s
ujeito a uma força resultante constante de 10N, move-se a partir do repouso. José, s
obre o piso do laboratório, observa o mesmo fenômeno vendo o corpo se mover na mesma
direção do movimento da plataforma. Após um intervalo de tempo de 4,0 segundos, medid
o a partir do início do movimento do bloco na plataforma, pode-se afirmar que a) c
omo o Princípio da Conservação da Energia é válido em qualquer referencial, o trabalho med
ido por Sara e José tem o mesmo valor. *b) a variação da energia cinética do bloco, medi
da por José, é de 1,2 x 103 J. c) o trabalho realizado pela força sobre o bloco, medid
o por Sara, vale 1,0 x 102 J. d) Sara e José verificarão, independentemente, que a v
ariação da energia cinética do bloco é de 4,0 x 102 J. e) o trabalho realizado pela força
sobre o bloco, medido por José vale 8,0 x 102 J. (UFCG/PB-2009.1) - ALTERNATIVA: D
A idéia sempre difundida de que a conversão de energia mecânica em energia elétrica é “lim
a” tem sido amplamente contestada por estudos de impactos ambientais em diversos c
asos. Para se avaliar a situação, veja o exemplo da hidrelétrica de Tucuruí, no Rio Toca
ntins, com queda vertical de água de 60m. Construída na década de 1980, apresenta em s
eu lago uma produção de metano (CH4), a 30m de profundidade, de 6 x 10–3 kg/m3, causad
a pelos restos vegetais submersos que não foram adequadamente tratados quando de s
ua construção. Em 1991, para gerar 18 TWh (6,5 x 1016 joules) de energia elétrica, pod
e-se afirmar que a quantidade, em toneladas, de CH4 exportada do reservatório pela
s turbinas, vale (DADOS: g = 10,0 m/s2 e dágua = 1000 kg/ m3) a) 6,5 x 1016. b) 1,
1 x 1014. c) 1,8 x 1013. *d) 6,6 x 105. e) 1,8 x 103. (UFCG/PB-2009.1) - RESPOST
A: a) –28O em relação ao eixo +X b) 2,3 × 103 m/s Num laboratório de Física Nuclear observa
se que um núcleo, inicialmente em repouso, desintegra-se emitindo um elétron e um ne
utrino. A quantidade de movimento do elétron é 1,2 x 10–22 kgm/s, na direção crescente do
eixo X e a do neutrino é de 6,4 x 10–23 kgm/s na direção decrescente do eixo Y. a) Deter
mine a direção da quantidade de movimento de recuo do núcleo residual. b) Considerando
a massa do núcleo residual igual a 5,8 x 10–26 kg, calcule o módulo de sua velocidade
.
b) No sistema internacional, a unidade de potência é o watt (1 W = 1 J/s). O uso de
tração animal era tão difundido no passado que James Watt, aprimorador da máquina a vapo
r, definiu uma unidade de potência tomando os cavalos como referência. O cavalo-vapo
r (CV), definido a partir da idéia de Watt, vale aproximadamente 740 W. Suponha qu
e um cavalo, transportando uma pessoa ao longo do dia, realize um trabalho total
de 444000 J. Sabendo que o motor de uma moto, operando na potência máxima, executa
esse mesmo trabalho em 40 s, calcule a potência máxima do motor da moto em CV. (UECE
-2009.1) - ALTERNATIVA: A A força resultante que age sobre um corpo de massa 2 kg,
que está se movendo no sentido positivo do eixo –x, é dada, em Newtons, pela expressão
F = –6x, sendo x dado em metros. Se a velocidade do corpo, para x = 3,0 m, é v = 8,0
m/s, então, para x = 4,0 m, sua velocidade será, aproximadamente, *a) 6,5 m/s. b) 8
,0 m/s. c) 9,0 m/s. d) –6,5 m/s. (UECE-2009.1) - ALTERNATIVA: D Um grupo de alunos
, no laboratório de física, afirma que observaram uma colisão perfeitamente elástica ent
re duas esferas metálicas bem polidas, em uma superfície horizontal, que resultou na
s duas esferas terminarem em repouso. Nenhuma força externa horizontal estava agin
do nas esferas no instante da colisão. Sobre o fato, assinale o correto. a) As vel
ocidades escalares iniciais das duas esferas eram iguais e suas massas eram idênti
cas. b) As velocidades escalares iniciais das duas esferas eram diferentes e sua
s massas eram, também, diferentes. c) As velocidades escalares iniciais das duas e
sferas eram iguais, mas suas massas não necessariamente eram idênticas. *d) A colisão
não pode ter ocorrido como afirmado pelo grupo. (UFOP-2009.1) - ALTERNATIVA: C Um
projétil de massa de 20,0kg disparado pelo canhão do veículo caça-tanques brasileiro Suc
uri-II possui uma velocidade inicial de 1450,0 m/s. Sabendo que, em determinado
momento, a cadência de tiro do equipamento é de 6,0 tiros/min, podemos afirmar que,
nessa situação, a potência aproximada, em Watts, dissipada pelo canhão para se obter um
alcance máximo do projétil vale: a) 2 x 104 b) 2 x 105 *c) 2 x 106 d) 2 x 107
japizzirani@gmail.com
63
(UFPR-2009.1) - ALTERNATIVA: B Em um cruzamento mal sinalizado, houve uma colisão
de dois automóveis, que vinham inicialmente de direções perpendiculares, em linha reta
. Em módulo, a velocidade do primeiro é exatamente o dobro da velocidade do segundo,
ou seja, v1 = 2v2. Ao fazer o boletim de ocorrência, o policial responsável verific
ou que após a colisão os automóveis ficaram presos nas ferragens (colisão inelástica) e se
deslocaram em uma direção de 45 em relação à direção inicial de ambos. Considere que a ma
o segundo automóvel é exatamente o dobro da massa do primeiro, isto é, m2 = 2m1 e que
a perícia constatou que o módulo da velocidade dos automóveis unidos, imediatamente após
a colisão, foi de 40 km/h. Assinale a alternativa que apresenta a velocidade corr
eta, em módulo, do automóvel 2, isto é, v2, imediatamente antes da colisão. a) 15 *b) 30
km/h. km/h.
(UFPB-2009.1) - ALTERNATIVA: B Sobre um bloco com massa 1,0 kg, apoiado sobre um
a mesa horizontal (figura abaixo), existe uma força dada pela equação cartesiana F = 1
i + 3k , expressa no Sistema Internacional de Unidades (S.I.).
c) 60 km/h. d) 15 km/h. e) 30 km/h.
Considerando que o coeficiente de atrito cinético entre o bloco e a mesa é 0,2 e adm
itindo que, inicialmente, foi fornecida ao bloco uma velocidade de 4,0 m/s ao lo
ngo do eixo , é correto afirmar que o bloco, até parar, percorreu uma distância de: a)
16 m c) 32 m e) 80 m *b) 20 m d) 40 m (UFPB-2009.1) - RESPOSTA: afirmativas cor
retas: I, III e IV Em um laboratório de Física, um estudante resolve analisar proces
sos envolvendo colisões frontais entre corpos. Para isso prepara a experiência descr
ita e representada a seguir: sobre uma mesa lisa e sem atrito, o estudante impri
me a um corpo A de massa M uma velocidade v1; esse corpo choca-se, de forma perf
eitamente inelástica, com o corpo B em repouso e também de massa M; em seguida, o co
njunto (corpos A e B) colide com um terceiro corpo C , também em repouso e com mas
sa 2M.
(UFERJ/UNIRIO-2009.1) - ALTERNATIVA: A Um megaton de TNT (Trinitrotolueno), que é
um explosivo, equivale a 4,2 × 1015 J. Admita que o asteróide 99942Apophis que, segu
ndo cálculos confiáveis da NASA passará próximo à Terra por volta de 2040, sofresse um des
vio em sua trajetória e viesse a se chocar com o nosso planeta. Considerando que s
ua massa é de aproximadamente 3 × 1010 kg e que sua velocidade de impacto, suposta c
onstante, seja de 12 km/s, a quantidade de energia que seria liberada durante o
choque, em megatons de TNT, é, aproximadamente, igual a *a) 514. b) 857. c)1029. d
) 1080. e) 2160.
(FUVEST-2009.1) - ALTERNATIVA: A Um caminhão, parado em um semáforo, teve sua trasei
ra atingida por um carro. Logo após o choque, ambos foram lançados juntos para frent
e (colisão inelástica), com uma velocidade estimada em 5 m/s (18 km/h), na mesma dir
eção em que o carro vinha. Sabendose que a massa do caminhão era cerca de três vezes a m
assa do carro, foi possível concluir que o carro, no momento da colisão, trafegava a
uma velocidade aproximada de *a) 72 km/h b) 60 km/h c) 54 km/h d) 36 km/h e) 18
km/h
(UFPB-2009.1) - RESPOSTA: afirmativas corretas: I e II No manual de instruções de um
a determinada caminhonete, constam as seguintes especificações: Massa de 1.000 kg. P
otência máxima de 5.104 W. Considerando que, na caminhonete, atuam apenas forças conse
rvativas, que ela parte do repouso e que foram decorridos 9 segundos do moviment
o desse veículo, identifique as afirmativas corretas relativas à caminhonete: I. Não c
onseguirá atingir a velocidade de 40 m/s. II. Poderá atingir uma velocidade de 25 m/
s. III. Poderá atingir, no máximo, uma velocidade de 27 m/s. IV. Poderá atingir, no máxi
mo, uma velocidade de 35 m/s. V. Poderá atingir, no máximo, uma velocidade de 20 m/s
, quando carregada com uma carga de massa 3.000 kg.
Nesse contexto, com relação às velocidades v1, v2 e v3, representadas na figura, ident
ifique as afirmativas corretas: I. v3 corresponde a 25% de v1. II. v2 correspond
e a 30% de v1. III. v3 corresponde a 50% de v2. IV. v2 corresponde a 50% de v1.
V. v3 é igual a v2. (UFPB-2009.1) - ALTERNATIVA: B Em uma partida de tênis, um jogad
or rebate uma bola com 60 gramas de massa, que chega a sua raquete com velocidad
e de módulo igual a 10 m/s. O impulso fornecido por esse jogador à bola tem intensid
ade 1,8 kg.m/s, mesma direção e sentido contrário ao de incidência da bola. Nessas circu
nstâncias, é correto afirmar que o módulo da velocidade da bola, logo após o rebatimento
, é de: a) 10 m/s c) 30 m/s e) 50 m/s *b) 20 m/s d) 40 m/s
japizzirani@gmail.com
64
(UFPB-2009.1) - ALTERNATIVA: D Para analisar mudanças entre energias cinética e pote
ncial elástica em um sistema mecânico massa-mola, um estudante de Física realiza o exp
erimento descrito e representado abaixo: fixa duas molas idênticas em paredes vert
icais opostas; assinala o ponto O como o de referência e as posições das extremidades
livres das molas por X1 e –X1; comprime a mola da direita com um bloco até um ponto
assinalado por X2; verifica que a energia potencial do sistema é de 16J; libera o
bloco a partir do repouso.
(UNIOESTE/PR-2009.1) - ALTERNATIVA: C Uma criança empurra e solta um carrinho sobr
e uma superfície plana, imprimindo neste uma certa velocidade inicial. Ela observa
que, depois de abandonado, o carrinho percorre 2 m até parar. Se a massa do carri
nho fosse o dobro e a criança o empurrasse imprimindo nele a mesma velocidade inic
ial, qual a distância percorrida pelo carrinho até parar? a) 1 m b) 1,5 m *c) 2 m d)
3 m e) 4 m (UFTM-2009.1) - ALTERNATIVA OFICIAL: E Dois amigos, o primeiro com p
eso de 490 N e o segundo com peso de 539 N, disputavam para ver quem pulava mais
alto ao realizarem saltos verticalmente para cima. A partir do solo, o primeiro
tomou impulso e elevou seu centro de massa em 0,4 m relativamente ao chão, enquan
to que o segundo, sob as mesmas condições do anterior, conseguiu elevar seu centro d
e massa em 0,5 m, também relativamente ao chão. Desconsiderando a existência de forças d
issipativas como a resistência do ar, a energia que faltou ao saltador que deu o p
ulo mais baixo, para que a altura por ele atingida se equiparasse à do vencedor, c
orresponde em J, aproximadamente, a a) 30. b) 40. c) 50. d) 60. e) 70. (UFTM-200
9.1) - ALTERNATIVA: D O bloco sobre a superfície plana e horizontal encontra-se in
icialmente em repouso em um trecho perfeitamente liso, devido a uma ação externa que
impede seu movimento. Quando essa ação deixa de existir, o sistema passa a se movim
entar.
A partir desse momento, o estudante observa que o bloco é arremessado em direção à mola
da esquerda, que sofre uma compressão até a posição –X2. Dessa forma, o bloco fica oscilan
do entre as molas. Desprezando as perdas de energia, verifica-se que o comportam
ento da energia cinética do bloco, em função da sua posição, está melhor representado no gr
co:
a)
b)
c)
*d)
Dois segundos após o início do movimento, o bloco sobre o plano entra em uma região ru
gosa, surgindo, por conta disso, uma força de atrito que, atuando uniformemente so
bre o corpo apoiado, dissipa toda a energia cinética do sistema. Sob essas condições,
pode-se concluir que o módulo da energia dissipada durante o movimento sobre a sup
erfície rugosa, em J, é Dado: aceleração da gravidade = 10 m/s2 a) 960. b) 1 080. c) 1 4
60. *d) 1 600. e) 1 820. (UTFPR-2009.1) - ALTERNATIVA: B Um corpo de 500 g é lançado
para cima com uma velocidade inicial de 8,0 m/s e atinge uma altura máxima de 2,8
m. Calcule a quantidade de energia dissipada pela resistência do ar na subida des
te corpo. (g = 10 m/s2) a) 14 J *b) 2,0 J c) 16 J d) 5,0 J e) 10 J
e)
japizzirani@gmail.com
65
(CETETMG-2009.1) - ALTERNATIVA: B Um malabarista lança uma de suas bolinhas com ve
locidade inicial v = 3 m/s com ângulo = 45O em relação a horizontal, conforme represen
tado abaixo. Adote sen 45O = cos 45O = 0,71 e g = 10 m/s2.
(FGVSP-2009.1) - ALTERNATIVA: B Devido a forças dissipativas, parte da energia mecân
ica de um sistema foi convertida em calor, circunstância caracterizada pelo gráfico
apresentado.
Desprezando a resistência do ar, é correto afirmar que a(o) a) altura máxima h é 45 cm.
*b) alcance horizontal máximo d é 90 cm. c) energia cinética da bolinha, no ponto h, é máx
ima. d) tempo para atingir a altura máxima h é igual a 0,6 s. e) energia mecânica da b
olinha, ao atingir a outra mão do malabarista, é nula.
Sabendo-se que a variação da energia potencial desse sistema foi nula, o trabalho re
alizado sobre o sistema nos primeiros 4 segundos, em J, foi, em módulo, a) 3 600.
*b) 1 200. c) 900. d) 800. e) 600.
(UTFPR-2009.1) - ALTERNATIVA: C Um jogador de ping-pong recebe a bola, que se de
sloca com módulo 6 m/s. Aplicando com sua raquete uma força de contato de 1,5 N na b
ola, faz com que sua velocidade inverta de sentido e que seu módulo se altere para
9 m/s. Sabendo que a massa da bola vale 3 g, pode-se estimar o tempo de contato
entre a raquete e a bola, em segundos, como sendo: a) 0,006. b) 0,018. *c) 0,03
0. d) 0,180. e) 0,360.
(UNEMAT/MT-2009.1) - ALTERNATIVA: A Um motor com potência de 150 KW impulsiona um
veículo por um período de 30 minutos. O trabalho realizado pela força motora medida em
Kwh e J é igual a: *a) 75 Kwh e 270 × 106 J b) 150 Kwh e 260 × 106 J c) 500 Kwh e 270
× 106 J d) 75 Kwh e 300 × 106 J e) 75 Kwh e 500 × 106 J
(FGVSP-2009.1) - ALTERNATIVA: D Num sistema isolado de forças externas, em repouso
, a resultante das forças internas e a quantidade de movimento total, são, ao longo
do tempo, respectivamente, a) crescente e decrescente. b) decrescente e crescent
e. c) decrescente e nula. *d) nula e constante. e) nula e crescente. (CEFETMG-20
09.1) - ALTERNATIVA: C Um bloco de massa igual a 2,0 kg é empurrado por uma pessoa
sobre uma superfície horizontal. Ao adquirir a velocidade de 10 m/s, ele é solto e
pára a uma distância de 20 m. Considerando g = 10 m/s2, o coeficiente de atrito entr
e esse bloco e a superfície é, aproximadamente, a) 0,02. b) 0,13. *c) 0,25. d) 0,63.
e) 0,73.
(UNEMAT/MT-2009.1) - ALTERNATIVA: A A figura abaixo mostra o esquema de um tobogã.
No ponto A da figura é abandonado um corpo com massa de 15 Kg, que se movimenta e
chega ao ponto B do plano horizontal com velocidade de 10 m/s. Adote g = 10 m/s
2
Com base nos dados e na figura, pode-se dizer que a quantidade de energia dissip
ada pelo atrito durante a descida do tobogã foi de: *a) 2250 J b) 1500 J c) 3250 J
d) 2500 J e) 1250 J
japizzirani@gmail.com
66
(PUCSP-2009.1) - ALTERNATIVA: C
Fig 16 2009 NEW
Suponha que, na tirinha acima, tenha ocorrido o “beijinho”, e na falta de outra mela
ncia de 5 kg, o marido ciumento tenha largado uma maçã de 50 g. Comparando as grande
zas velocidade e força peso nas duas situações, pode-se afirmar que (considere g = 9,8
m/s2 e a altura da queda = 10 m) a) a velocidade seria a mesma, valendo 196 m/s
, mas a força peso seria diferente, valendo 10 vezes menos na queda da maçã. b) a velo
cidade seria a mesma, valendo 14 m/s, mas a força peso seria diferente, valendo 10
vezes mais na queda da maçã. *c) a velocidade seria a mesma, valendo 14 m/s, mas a
força peso seria diferente, valendo 100 vezes menos na queda da maçã. d) a força peso se
ria a mesma, valendo 14 N, mas a velocidade de queda seria diferente, valendo 10
vezes mais na queda da maçã. e) a força peso seria a mesma, valendo 49 N, mas a veloc
idade de queda seria diferente, valendo 100 vezes menos na queda da maçã. (UEM/PR-20
09.1) - RESPOSTA: 09 (01+08) Projéteis de 100,0 g são disparados por uma metralhador
a presa a um dispositivo que, efetuando uma força mensurável e regulável, impede que a
arma recue quando a metralhadora é acionada. A velocidade de saída dos projéteis é 100,
0 m/s. Despreze a resistência do ar e considere g = 10,0 m/s2. Assinale o que for
correto. 01) Se a força exercida pelo dispositivo que prende a arma for 50,0 N, a
metralhadora disparará 5 balas por segundo. 02) Se a força exercida pelo dispositivo
que prende a arma for 50,0 N, o conjunto de projéteis disparados possuirá uma energ
ia cinética de 5000,0 J. 04) Um atirador aciona a metralhadora e dispara 5 balas c
ontra um bloco de madeira de massa 99,5 kg, inicialmente em repouso sobre uma su
perfície plana e sem atrito. Se todos os projéteis ficarem incrustados no interior d
o bloco, sua velocidade, ao final dos disparos, será 1,0 m/s. 08) Um atirador acio
na a metralhadora e dispara 5 balas contra um bloco de madeira de massa 99,5 kg,
inicialmente em repouso sobre uma superfície plana e com coeficiente de atrito ci
nético 0,0625. Se todos os projéteis ficarem incrustados no interior do bloco, ele p
ercorrerá uma distância de 0,2 m sobre a superfície até parar. 16) Se dispararmos soment
e um projétil de 100,0 g dessa metralhadora contra um pêndulo balístico de massa 49,9
kg e esse permanecer incrustado no interior do pêndulo, o pêndulo sofrerá uma elevação de
aproximadamente 9,0 cm. (UEM/PR-2009.1) - RESPOSTA: SOMA = 25 (01+08+16) Um bloc
o de 20,0 Kg, colocado sobre uma superfície plana e rugosa, é puxado na direção do eixo
x com velocidade constante de 1,0 m/s, por uma força F = 100,0 N, que faz um ângulo
de 30O com a horizontal. O coeficiente de atrito cinético entre o bloco e a superfíc
ie é 0,593. Considere g = 9,8 m/s2 e assinale a(s) alternativa(s) correta(s). 01)
O peso do bloco é 196 N. 02) A força de atrito cinético entre o bloco e a superfície é 196
N. 04) O trabalho realizado pela componente da força F na direção x, quando o bloco é p
uxado 5,0 m, é 500 J. 08) A energia cinética do bloco é 10 J. 16) O trabalho realizado
pela força de atrito quando o bloco é puxado 5,0 m é, aproximadamente, - 433 J.
(UEM/PR-2009.1) - RESPOSTA: SOMA = 00 (nenhuma é correta) Um bloco de massa 1,0 kg
é solto do ponto mais alto de um plano inclinado de 30O e a 2,5 m de altura, ambo
s em relação a horizontal. Considere g = 10,0 m/s2 e assinale o que for correto. 01)
Se não houver atrito entre o bloco e a superfície do plano inclinado, o bloco ating
e a base do plano a uma velocidade de 10,0 m/s. 02) O módulo da força de reação normal d
o plano inclinado é igual ao módulo da força peso do bloco. 04) Se houver atrito entre
o bloco e a superfície do plano inclinado, com coeficiente de atrito cinético 0,2,
o trabalho realizado pela força de atrito será J. 08) Se há atrito entre o bloco e a s
uperfície do plano inclinado, há conservação de energia mecânica. 16) A força resultante qu
age sobre o bloco e o faz se deslocar sobre o plano inclinado quando não há atrito
entre o bloco e a superfície do plano é igual a mgcos(30O). (UEPB-2009.1) - ALTERNAT
IVAS: 21 A e 22 B Leia o texto I para responder às questões 21 e 22. Texto I A estei
ra é o aparelho mais usado nas academias. As mais modernas possuem um computador c
om visor que informa o tempo, a distância, a velocidade, os batimentos cardíacos e a
s calorias gastas, entre outras funções. Fig 18 2009 ENR
Em uma academia de ginástica, uma jovem anda sobre uma esteira rolante horizontal
que não dispõe de motor [figura ao lado], movimentando-a. O visor da esteira informa
que ela andou a uma velocidade constante de 5,4 km/h e que, durante
 30 minutos,
foram consumidas 202,5 quilocalorias. Adote 1,0 cal = 4,0 J. 21 QUESTÃO - ALTERNAT
IVA: A Acerca do assunto tratado no texto I, responda à seguinte situação-problema: Qu
al é a distância, em km, percorrida pela jovem em relação à parte superior da esteira? *a)
2,7 b) 5,4 c) 6,0 d) 4,0 e) 3,5

22 QUESTÃO - ALTERNATIVA: B Ainda acerca do assunto tratado no texto I, responda à se
guinte situação-problema: Considerando-se que a energia consumida pela esteira se de
ve ao trabalho desempenhado pela força (supostamente constante) que a jovem exerce
u sobre a esteira para movimentá-la, como também à distância encontrada na questão anterio
r, a intensidade dessa força, em Newton (N), que a jovem exerce sobre a esteira, é:
a) 4,0 x 102 d) 6,0 x 102 2 *b) 3,0 x 10 e) 3,5 x 102 2 c) 5,0 x 10
japizzirani@gmail.com
67
(FATECSP-2009.1) - ALTERNATIVA: C Os modelos disponíveis da linha de motocicletas
de 125 cilindradas de um determinado fabricante apresentam uma das menores massa
s da categoria, 83 kg, e um melhor posicionamento do centro de gravidade. Resumi
ndo, diversão garantida para pilotos de qualquer peso ou estatura. O gráfico mostra
a variação da energia cinética do conjunto motociclista e uma dessas motocicletas em f
unção do quadrado de sua velocidade, sobre uma superfície plana e horizontal.
(UFPR-2009.1) - RESPOSTA: t = 2,8 s Na construção de um prédio, os operários utilizam um
pequeno motor, associado a uma roldana e corda, para transportar objetos pesado
s para as partes mais altas. Suponha que em dada situação seja necessário elevar a uma
altura de 27,5 m um recipiente contendo reboco cuja massa total seja igual a 38
kg. Despreze a massa da corda e considere que 1hp é igual a 746W. Calcule o tempo
, em segundos, para levantar esse recipiente a uma velocidade constante se o mot
or tiver 5 hp. (Considere g = 10 m/s2 - dado não disponível na prova) (PUCMINAS-2009
.1) - ALTERNATIVA: D São apresentadas a seguir diversas afirmativas sobre o concei
to de energia. É CORRETO afirmar: a) O fato de a energia não se conservar justifica
a necessidade que temos de economizar energia. b) O calor é uma forma de energia m
ecânica. c) Todos os corpos têm energia térmica que aparece na forma de calor quando são
colocados em ambientes de altas temperaturas. *d) Se forem consideradas todas a
s suas modalidades, a energia de um sistema isolado sempre se conserva. (UFSC-20
09.1) - RESPOSTA: SOMA = 17 (01+16) Uma tábua homogênea encontra-se em repouso sobre
um lago de águas calmas. Dois sapos estão parados nas extremidades desta tábua, como é
mostrado na figura. A massa do sapo da esquerda (sapo 1) é maior do que a do sapo
da direita (sapo 2). Em determinado momento, os sapos pulam e trocam de posição. Sup
onha que o atrito da tábua com a água seja desprezível.
Analisando os dados do gráfico, pode-se determinar a massa do motociclista que, em
kg, vale a) 45. b) 52. *c) 67. d) 78. e) 90. (UFSCar-2009.1) - ALTERNATIVA: E Q
uase terminada a arrumação do novo escritório, o engenheiro lamenta profundamente o ac
ontecido... Fig 21 2009 HDR
(Quino, ¡Yo no Fui!)
Considerando o sistema formado pelos dois sapos e a tábua, e as margens do lago co
mo referencial, é CORRETO afirmar que: 01. a quantidade de movimento do sistema co
nstituído pelos dois sapos e a tábua se conserva. 02. a quantidade de movimento do s
apo 1 é igual, em módulo, à quantidade de movimento do sapo 2, durante a troca de suas
posições. 04. a tábua fica em repouso enquanto os sapos estão no ar. 08. a distância hori
zontal percorrida pelo sapo 1 é igual à percorrida pelo sapo 2. 16. após os sapos tere
m trocado de posição, a tábua ficará em repouso. (VUNESP/FAMECA-2009.1) - ALTERNATIVA: C
Em um local em que a aceleração da gravidade g é constante, um carro de massa m parte
do repouso do ponto superior de uma rampa retilínea lisa, inclinada de um ângulo co
m a horizontal. O ponto em questão localiza-se a uma altura h em relação à base da rampa
. Ao passar pela base da rampa, o carro terá uma quantidade de movimento, cujo módul
o será dado por a) m.g.h . b) m.g.h.sen . *c) d) e) .
A partir da análise da figura e supondo que a água esguichada do furo venha de um ca
no proveniente de uma caixa d’água, analise as três afirmações seguintes. I. O nível de águ
a caixa que alimenta o encanamento se encontra acima do furo na parede. II. Se o
furo tivesse sido feito em um ponto mais baixo do que o indicado, a pressão que f
az a água esguichar seria maior. III. De todos os esguichos enviezados pelo prego,
aquele que sair pelo furo sob um ângulo de 45 com a horizontal terá o maior alcance.
É certo o que se afirma em a) I, apenas. b) I e II, apenas. c) I e III, apenas. d
) II e III, apenas. *e) I, II e III.
. .
japizzirani@gmail.com
68
(UFSC-2009.1) - RESPOSTA: SOMA = 20 (04+16) Em um parque de diversões, um pêndulo de
brinquedo é constituído por uma esfera metálica de massa m, amarrada a uma barra fina
, de massa desprezível e comprimento . O pêndulo deve ser lançado da altura máxima no po
nto A, girando em um plano vertical, com o objetivo de tentar completar a volta
e se aproximar, o máximo possível, novamente, do ponto A. Suponha que o pêndulo seja l
ançado com velocidade de módulo , a partir do ponto A, chegando só até o ponto D, na pri
meira oscilação. Após oscilar repetidas vezes, pára no ponto C. Despreze o atrito da esf
era com o ar.
(UFU-2009.1) - RESPOSTA: 1F; 2F; 3V; 4F Um astronauta de massa 100 kg carrega um
equipamento de massa igual a 5 kg para tentar consertar um satélite, em órbita ao r
edor da Terra. Em determinado momento, esse astronauta se solta da nave espacial
, permanecendo em repouso em relação ao sistema de referência mostrado na figura abaix
o.
Considere: cos 37O
sen 37O
0,8 0,6
Assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S). 01. Se o atrito entre a barra e o eixo de su
spensão fosse desprezível, a tensão na barra, no ponto C, seria três vezes o peso da esf
era. 02. Se o atrito entre a barra e o eixo de suspensão fosse desprezível, o módulo d
a velocidade que a esfera teria ao passar pelo ponto D seria . 04. Durante todo
o movimento do pêndulo, a tensão não realiza trabalho. 08. O trabalho realizado pelo a
trito entre os pontos A e D é 0,4.m.g. . 16. O trabalho realizado pelo atrito desd
e o ponto A até a parada definitiva do pêndulo no ponto C é –3mg .
(MACKENZIE-2009.1) - ALTERNATIVA: B Certo garoto, com seu “skate”, desliza pela ramp
a, descrevendo o segmento de reta horizontal AB, com movimento uniforme, em 2,0
s. As resistências ao movimento são desprezíveis. Considerando d igual a 20 m e o módulo
de g igual a 10 m/s2, o intervalo de tempo gasto por esse garoto para descrever
o segmento CD é, aproximadamente, de a) 1,0 s. *b) 1,4 s. c) 1,6 s. d) 2,0 s. e)
2,8 s.
A nave de comprimento 30 m possui uma velocidade constante v = 5 m/s, no sentido
contrário ao do eixo y da figura e, no instante t = 0 s, o bico da nave possui co
ordenadas (10 m, 30 m), conforme representadas na figura. O astronauta, para ten
tar alcançar a nave de volta, lança o equipamento paralelamente ao eixo x, com veloc
idade vxequipamento = – 4m/s. Desprezando as forças que os planetas exercem sobre o
astronauta e sobre a nave espacial, marque para as alternativas abaixo (V) Verda
deira ou (F) Falsa. 1 ( ) O astronauta não alcançará a nave, pois ele continuará em repo
uso após arremessar o equipamento. 2 ( ) Após arremessar o equipamento, o astronauta
alcançará uma velocidade igual a 4 m/s no sentido do eixo x. 3 ( ) Após 6 s, o bico d
a nave espacial estará na posição (10 m, 0 m ). 4 ( ) O astronauta irá se deslocar no se
ntido positivo de x, mas não conseguirá alcançar a nave. (UFSCar-2009.1) - ALTERNATIVA
: E Idéia para a campanha de redução de acidentes: enquanto um narrador exporia fatore
s de risco nas estradas, uma câmera mostraria o trajeto de um sabonete que, a part
ir do repouso em um ponto sobre a borda de uma banheira, escorregaria para o int
erior da mesma, sofrendo um forte impacto contra a parede vertical oposta.
(MACKENZIE-2009.1) - ALTERNATIVA OFICIAL: A Um pequeno carro tem massa 20,0 kg,
quando vazio. Contendo inicialmente uma massa de 10,0 litros de água ( = 1,00 g/cm
3), esse carro se desloca, nesse instante, com a velocidade escalar de 36 km/h.
Durante seu movimento, retilíneo e praticamente livre de qualquer força de resistência
, a água escorre por um orifício existente na base inferior, com vazão média de 0,50 lit
ro por segundo, durante os primeiros 10,0 s. A aceleração escalar média desse carro, n
esse intervalo de tempo, foi de a) 0,20 m/s2 b) 0,40 m/s2 c) 1,20 m/s2 d) 2,00 m
/s2 e) 2,40 m/s2
Para a realização da filmagem, a equipe técnica, conhecendo a aceleração da gravidade (10
m/s2) e desconsiderando qualquer atuação de forças contrárias ao movimento, estimou que
a velocidade do sabonete, momentos antes de seu impacto contra a parede da banhe
ira, deveria ser um valor, em m/s, mais próximo de a) 1,5. d) 3,0. b) 2,0. *e) 3,5
. c) 2,5.
japizzirani@gmail.com
69
(UNESP-2009.1) - ALTERNATIVA: E Um madeireiro tem a infeliz idéia de praticar tiro
ao alvo disparando seu revólver contra um tronco de árvore caído no solo. Os projéteis
alojam-se no tronco, que logo fica novamente imóvel sobre o solo. Nessa situação, cons
iderando um dos disparos, pode-se afirmar que a quantidade de movimento do siste
ma projétil-tronco a) não se conserva, porque a energia cinética do projétil se transfor
ma em calor. b) se conserva e a velocidade final do tronco é nula, pois a sua mass
a é muito maior do que a massa do projétil. c) não se conserva, porque a energia não se
conserva, já que o choque é inelástico. d) se conserva, pois a massa total do sistema
projétil-tronco não foi alterada. *e) não se conserva, porque o sistema projétil-tronco
não é isolado. (UNESP-2009.1) - ALTERNATIVA: C Suponha que os tratores 1 e 2 da figu
ra arrastem toras de mesma massa pelas rampas correspondentes, elevando-as à mesma
altura h. Sabe-se que ambos se movimentam com velocidades constantes e que o co
mprimento da rampa 2 é o dobro do comprimento da rampa 1. Fig 26 2009 ENR
(UNESP-2009.1) - RESPOSTA: F = 10,0 N Buriti é uma palmeira alta, comum no Brasil
central e no sul da planície amazônica. Um fruto do buriti – eles são pequenos e têm em méd
a massa de 30 g – cai de uma altura de 20 m e pára, amortecido pelo solo (o buriti dá
em solos fofos e úmidos). Suponha que na interação do fruto com o solo, sua velocidade
se reduza até o repouso durante o tempo t = 0,060 s. Considerando desprezível a res
istência do ar, determine o módulo da força resultante média exercida sobre o fruto dura
nte a sua interação com o solo. Adote g = 10 m/s2. (ITA-2009.1) - ALTERNATIVA: D Sab
e-se que o momento angular de uma massa pontual é dado pelo produto vetorial do ve
tor posição dessa massa pelo seu momento linear. Então, em termos das dimensões de compr
imento (L), de massa (M), e de tempo (T), um momento angular qualquer tem sua di
mensão dada por a) L0MT –1. b) LM0T –1. c) LMT –1. *d) L2MT –1. e) L2MT –2. (ITA-2009.1) -
LTERNATIVA: C A partir do repouso, um carrinho de montanha russa desliza de m so
bre uma rampa de 60° de inclinação e uma altura H = 20 corre 20 m num trecho horizonta
l antes de chegar em um loop circular, de pista sem atrito. Sabendo que o coefic
iente de atrito da rampa e do plano horizontal é 1 2, assinale o valor do raio máxim
o que pode ter esse loop para que o carrinho faça todo o percurso sem perder o con
tato com a sua pista.
Chamando de 1 e 2 os trabalhos realizados pela força gravitacional sobre essas tor
as, pode-se afirmar que: a) 1 = 2 2 ; 1 > 0 e 2 < 0 . b) *c) d) 2 e) 2
1
=2 = 1 = 1
2
;
1 1 1
<0 e <0 e >0 e
2
>0. >0. <0.
= 1
; 2 ; 2 ; 2
<0. 2
2 2
<0 e 1
(UNESP-2009.1) - RESPOSTA: P = 4,0 × 105 W Segundo informação da empresa fabricante, u
m trator florestal (Trator Florestal de Rodas 545C) é capaz de arrastar toras por
meio do seu cabo exercendo sobre elas uma força de módulo 2,0×105 N, com velocidade co
nstante de módulo 2,0 m/s. Desprezando a massa do cabo e supondo que a força por ele
exercida seja horizontal e paralela ao solo, determine a potência útil desenvolvida
pelo trator. (UNESP-2009.1) - RESPOSTA: x = 1,4 m A figura mostra, em corte, um
trator florestal “derrubadoramontoador” de massa 13 000 kg; x é a abscissa de seu cen
tro de gravidade (CG). A distância entre seus eixos, traseiro e dianteiro, é DE = 2,
5 m. Fig 27 2009 ENR
a) R = 8 b) R = 4( *c) R = 8(
m - 1) m - 1) m
d) R = 4(2 e) R = 40(
- 1) m - 1) 3 m
(ITA-2009.1) - ALTERNATIVA: C Considere um pêndulo simples de comprimento L e mass
a m abandonado da horizontal. Então, para que não arrebente, o fio do pêndulo deve ter
uma resistência à tração pelo menos igual a a) mg. d) 4mg. b) 2mg. e) 5mg. *c) 3mg. (FE
I/SP-2009.1) - ALTERNATIVA: E Um dispositivo composto de uma prancha horizontal
colocada sobre uma mola disposta na vertical foi construído para “amortecer” o descarr
egamento de fardos de algodão. Os fardos de 50 kg serão abandonados de uma altura de
3 m em relação à posição final da mola comprimida, para posterior retirada. Quando a mola
de constante elástica K = 6 000 N/m possui compressão máxima, a prancha é travada para
permitir a retirada do fardo. Qual é o valor da máxima compressão da mola? Obs.: despr
ezar os atritos e considerar g = 10 m/s2. a) 12,5 cm d) 100 cm b) 0,83 cm *e) 71
cm c) 50,0 cm
(J.S.S. de Lima et al. In www.scielo.br/pdf/rarv/v28n6/23984.pdf)
Admita que 55% do peso total do trator são exercidos sobre os pontos de contato do
s pneus dianteiros com o solo (2) e o restante sobre os pontos de contato dos pn
eus traseiros com o solo (1). Determine a abscissa x do centro de gravidade dess
e trator, em relação ao ponto 1. Adote g = 10 m/s2 e dê a resposta com dois algarismos
significativos.
japizzirani@gmail.com
70
(ITA-2009.1) - ALTERNATIVA: E (RESOLUÇÃO NO FINAL) Considere uma bola de basquete de
600 g a 5 m de altura e, logo acima dela, uma de tênis de 60 g. A seguir, num dad
o instante, ambas as bolas são deixadas cair. Supondo choques perfeitamente elástico
s e ausência de eventuais resistências, e considerando g = 10 m/s2, assinale o valor
que mais se aproxima da altura máxima alcançada pela bola de tênis em sua ascenção [sic]
após o choque. a) 5 m b) 10 m c) 15 m d) 25 m *e) 35 m RESOLUÇÃO ITA - 2009.1 A veloci
dade com que ambas as bolas chegam ao solo, tendo partido do repouso, é 10 m/s (co
nservação da energia mecâncica ou equação de Torricelli: v = . Sendo os choques perfeitame
nte elásticos, tem-se que a velocidade relativa de aproximação é igual à velocidade relati
va de afastamento. Assim:
(ITA-2009.1) - RESPOSTA: h = 2E2 (gm2c2) RESOLUÇÃO NO FINAL Um feixe de laser com en
ergia E incide sobre um espelho de massa m dependurado por um fio. Sabendo que o
momentum do feixe de luz laser é E/c, em que c é a velocidade da luz, calcule a que
altura h o espelho subirá.
RESOLUÇÃO: ITA-2009.1 Caráter corpuscular da radiação e analisar a interação entre o espelh
o feixe de luz como uma colisão elástica
Vafastamento = 20 m/s (colisão perJá que Vaproximação = 20 m/s feitamente elástica) e como
a massa da bola de tênis é m e a massa da bola de basquete é 10m, pela conservação daquan
tidade de movimento m(-10) + 10m×10 = (10m)v + m(v + 20) v = 70/11 m/s Daí, a veloci
dade da bola de tênis é v + 20 = 290/11 m/s. Portanto, hmáx = v2/2g = 34,75 m. (UNIFES
P-2009.1) - ALTERNATIVA: B Uma pessoa de 70 kg desloca-se do andar térreo ao andar
superior de uma grande loja de departamentos, utilizando uma escada rolante. A
figura fornece a velocidade e a inclinação da escada em relação ao piso horizontal da lo
ja.
Qdepois = Qantes
mV + (-E/c) = E/c V = 2E/mc mV2/2 = mgh h = 2E2 (gm2c2)
(UNIFESP-2009.1) - ALTERNATIVA: B No quadriculado da figura estão representados, e
m seqüência, os vetores quantidade de movimento da partícula A antes e depois de ela c
olidir elasticamente com a partícula B, que se encontrava em repouso.
Sabe-se que a soma das energias cinéticas das partículas A e B manteve-se constante,
antes e depois do choque, e que nenhuma interação ocorreu com outros corpos. O veto
r quantidade de movimento da partícula B após o choque está melhor representado por a)
d) *b)
Considerando que a pessoa permaneça sempre sobre o mesmo degrau da escada, e sendo
g = 10 m/s2, sen 30 = 0,50 e cos 30 = 0,87, pode-se dizer que a energia transferi
da à pessoa por unidade de tempo pela escada rolante durante esse percurso foi de
a) 1,4 × 102 J/s. d) 3,7 × 102 J/s. 2 *b) 2,1 × 10 J/s. e) 5,0 × 102 J/s. 2 c) 2,4 × 10 J/
s. (UFV/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: D Uma força F puxa um bloco de massa igual a 2,0
kg com velocidade constante ao longo de um plano inclinado sem atrito. O trabal
ho e a potência produzidos pela força F ao longo de todo o percurso são 1200 J e 20 W,
respectivamente. Considerando a aceleração da gravidade igual a 10 m/s2 e desprezan
do a resistência do ar, é CORRETO afirmar que o tempo gasto no percurso e a altura a
tingida pelo bloco são, respectivamente: a) 60 min e 60 m. b) 60 min e 1,0 m. c) 1
,0 min e 1,0 m. *d) 1,0 min e 60 m.
c)
(FEI/SP-2009.1) - ALTERNATIVA: C Um operário empurra uma caixa de 50 kg sobre uma
superfície horizontal e o coeficiente de atrito entre a caixa e o solo é = 0,20. O o
perário faz uma força de 300 N conforme indica a figura. Qual é o trabalho realizado p
ela força de atrito quando a caixa é deslocada de 2 m? Dados: g = 10 m/s2, sen = 0,8
e cos = 0,6 a) – 346 J b) – 266 J *c) – 296 J d) – 1 000 J e) – 500 J
japizzirani@gmail.com
71
(UNIESP-2009.1) - RESPOSTA: a) 6,0 × 10–2J b) 3,0 × 10–2m Uma pequena esfera A, com mass
a de 90 g, encontra-se em repouso e em contato com a mola comprimida de um dispo
sitivo lançador, sobre uma mesa plana e horizontal. Quando o gatilho é acionado, a m
ola se descomprime e a esfera é atirada horizontalmente, com velocidade de 2,0 m/s
, em direção frontal a uma outra esfera B, com massa de 180 g, em repouso sobre a me
sma mesa. No momento da colisão, as esferas se conectam e passam a se deslocar jun
tas. O gráfico mostra a intensidade da força elástica da mola em função de sua elongação.
(UFU/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: D Um bloco de 2 Kg de massa desloca-se, inicialme
nte, ao longo de um plano horizontal sem atrito com uma energia cinética inicial d
e 100 J. Durante um intervalo de tempo de 4s, uma força variável, como mostra o gráfic
o abaixo, é aplicada sobre o bloco, na mesma direção e no mesmo sentido da velocidade
inicial.
Considerando que as esferas não adquirem movimento de rotação, que houve conservação da qu
antidade de movimento na colisão e que não há atrito entre as esferas e a mesa, calcul
e: a) a energia cinética da composição de esferas AB após a colisão. b) quanto a mola esta
va comprimida no instante em que o gatilho do dispositivo lançador é acionado. (EAFI
/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: D Três esferas de massas M1, M2 e M3 tal que M1 < M2 <
M3 são abandonadas simultaneamente em três planos inclinados distintos, possuindo ângu
los de inclinações diferentes, porém com a mesma altura de elevação, conforme figura:
Após a aplicação dessa força (t = 4 s), a velocidade final do bloco será a) 60 m/s b) 30 m
/s c) 80 m/s *d) 50 m/s (UFF/RJ-2009.1) - RESPOSTA: a) 1,0 b) 1,0 m/s (horizonta
l) c) 4,1 m/s d) 40 cm Um projétil de massa m = 10 g viaja horizontalmente com a v
elocidade v = 1,0 x 102 m/s. Com esta velocidade, o mesmo atinge um bloco de mas
sa M = 0,99 kg, que está em repouso na beirada de uma mesa cujo tampo encontra-se
a uma altura h = 80 cm do chão, como mostra a figura. O projétil se aloja no bloco e
o conjunto cai da mesa. Considere desprezíveis as dimensões do bloco e do projétil qu
ando comparadas com as da mesa. Suponha g = 10 m/s2.
Desprezando os atritos, podemos afirmar que: a) as três esferas chegarão à base do pla
no no mesmo instante, porém com velocidades diferentes. b) as três esferas chegarão à ba
se do plano em instantes diferentes e velocidades também diferentes. c) as três esfe
ras terão a mesma aceleração e mesma velocidade na base do plano *d) as três esferas che
garão à base do plano com as mesmas velocidades, porém em tempos diferentes. e) devido
à inclinação dos planos serem diferentes, é impossível comparar e prever as velocidades e
instantes em que as esferas chegarão à base do plano. (UFV/MG-2009.1) - ALTERNATIVA
: C Um pequeno bloco é solto a partir do repouso do ponto A e desliza por um trilh
o, cujo perfil está representado na figura abaixo. O coeficiente de atrito é constan
te ao longo do trilho. Se KC representa a energia cinética do bloco no ponto C, KD
a energia cinética do bloco no ponto D e assim por diante, é CORRETO afirmar que: a
) KC = KE b) KD > KC *c) KC > KE d) KD = KF
a) Qual a razão entre os módulos das forças horizontais que atuam sobre o projétil e o b
loco durante a colisão? b) Com que velocidade, em módulo e direção, o conjunto sai da me
sa? c) Qual o módulo da velocidade do conjunto ao atingir o solo? d) A que distância
da base da mesa o conjunto atinge o solo? (UFV/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: A Um b
loco desliza em um plano inclinado sem atrito com velocidade inicial de módulo v0,
como mostrado na figura ao lado. Se a aceleração da gravidade é g, o módulo da velocida
de (v) do bloco, após este percorrer uma distância d ao longo do plano inclinado, é: *
a) b) c) d) . . . .
japizzirani@gmail.com
72
(UDESC-2009.1) - RESPOSTA: a) Q = +400 kg.m/s b) a = –7,0 m/s2 c) v = +5,0 m/s O m
ovimento retilíneo de um móvel de massa 10,0 kg acontece ao longo de uma pista horiz
ontal. O módulo de sua velocidade constante é de 5,0 m/s, quando uma força dependente
do tempo, inicialmente na mesma direção e no mesmo sentido do movimento do móvel, pass
a a atuar. Essa força, indicada no gráfico abaixo, atua sobre o móvel durante o interv
alo de 10,0 s, sempre na mesma direção do movimento.
(UFV/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: B Todo atirador profissional sabe que, ao dar um
tiro com um rifle, este sofrerá um recuo no instante do disparo. Dentre as leis da
Física abaixo relacionadas, a que explica este fenômeno é: a) a primeira lei da termo
dinâmica. *b) a lei da conservação da quantidade de movimento. c) a primeira lei de Ne
wton. d) a lei da conservação da energia. (UFMS-2009.1) - ALTERNATIVA: A O Triatlo é u
ma modalidade esportiva que combina, de forma seqüencial e sem interrupção, natação, cicli
smo e corrida. Com relação à parte do ciclismo, uma das preocupações dos treinadores e dos
atletas é a resistência do ar que aplica força de arrasto Fa contrária ao movimento. Es
sa força depende da seção transversal à direção do movimento, e aumenta com a velocidade v.
Um dos modelos teóricos para expressar essa força é dado pela expressão vetorial Fa = –bv,
onde b é uma constante de proporcionalidade. Um dos recursos utilizados pelo cicl
ista para diminuir essa força, durante o movimento, é curvar o seu corpo para a fren
te diminuindo a seção transversal. Um treinador, na tentativa de analisar a dependênci
a entre essa força e a maneira como o ciclista curva o corpo, faz um experimento c
om um ciclista. Na primeira parte do experimento, o ciclista desce ao longo de u
m declive, numa trajetória retilínea, a partir do repouso no ponto A, com a biciclet
a livre e sem pedalar, e sem curvar o corpo, veja a figura 1. Na 2a parte do exp
erimento, repete todo o procedimento da 1a parte e nas mesmas condições, no mesmo de
clive. A única diferença é que o ciclista curva o corpo para a frente diminuindo a seção t
ransversal, veja a figura 2. Para análise, o treinador escolhe o modelo teórico da f
orça proporcional à velocidade como citada acima, e verifica que a bicicleta atinge
uma velocidade constante antes de chegar ao final do plano nas duas partes do ex
perimento, só que, no segundo caso, o tempo de descida do ponto A ao B é menor que n
a 1a parte do experimento. Considere que a massa de todo o sistema é invariável e qu
e a única força contrária ao movimento é a força de arrasto causada pelo ar. Com fundament
os nas leis de Newton e nos conceitos de forças de arrasto, assinale a alternativa
correta. Fig 30 2009 ENR
Considerando que não há atrito entre o móvel e a pista, calcule: a) a quantidade de mo
vimento do móvel, 5,0 s após o início de atuação da força; b) a aceleração do móvel, 7,5 s
io de atuação da força; c) o valor da velocidade do móvel, imediatamente após cessar a atu
ação da força. (UFMS-2009.1) - RESPOSTA: SOMA = 010 (002+008) Um pêndulo rígido, na forma
de haltere com duas esferas de tamanhos diferentes, veja figura, está oscilando pr
eso a um eixo horizontal de massa desprezível fixo perpendicularmente em uma pared
e vertical. Em um dado instante, quando o pêndulo passa pela posição vertical, o eixo
solta-se da parede, e o pêndulo despenca em queda livre. Considere como sistema físi
co apenas o haltere e despreze a resistência do ar. Com relação ao momento em que o pênd
ulo despenca, antes de atingir o solo, e com fundamentos nos conceitos da mecânica
, assinale a(s) proposição(ões) correta(s).
(001) O pêndulo continua oscilando com o mesmo período que tinha antes. (002) O cent
ro de massa do haltere cai verticalmente com relação ao solo. (004) O centro de mass
a do haltere cai verticalmente com relação ao solo, descrevendo movimento de rotação com
velocidade angular constante com relação ao centro de massa da esfera maior. (008)
O centro de massa do haltere cai verticalmente com relação ao solo, enquanto o halte
re descreve movimento de rotação em torno do centro de massa do sistema. (016) O cen
tro de massa do haltere cai oscilando com relação ao solo.
*a) As forças de arrasto aplicadas no sistema ciclista e bicicleta no final do pla
no são iguais nos dois casos. b) A constante de proporcionalidade b, na equação Fa = –bv
, é menor na primeira parte do experimento do que na segunda parte. c) A força peso
aplicada no sistema realizou um trabalho maior na segunda parte do experimento d
o que na primeira parte. d) A constante de proporcionalidade b não possui unidades
, uma vez que é uma constante. e) A componente do módulo da força peso na direção da veloc
idade é sempre maior que o módulo da força de arrasto desde A até B nas duas partes do e
xperimento.
japizzirani@gmail.com
73
(UFV/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: B Uma pedra é lançada verticalmente para cima. Despre
zando-se a resistência do ar, o gráfico que representa CORRETAMENTE os comportamento
s da energia potencial gravitacional U e da energia cinética K da pedra em função do t
empo t é: a) *b)
(UNIFOR/CE-2009.1) - ALTERNATIVA: A Uma esfera de massa m = 200 g é presa à extremid
ade de um fio, de comprimento 0,50 m, com sua outra extremidade fixa conforme a
figura a seguir. Com o fio esticado na horizontal, abandona-se a esfera. Adote g
= 10 m/s2 e despreze forças resistentes ao movimento. Ao passar pelo ponto inferi
or de sua trajetória, a tração no fio vale, em newtons, m *a) 6,0 b) 4,0 c) 0,60 d) 0,
40 e) 0,20 (UFPE-2009.1) - ALTERNATIVA: C A aplicação da chamada “lei seca” diminuiu sig
nificativamente o percentual de acidentes de trânsito em todo o país. Tentando chama
r a atenção dos seus alunos para as conseqüências dos acidentes de trânsito, um professor
de Física solicitou que considerassem um automóvel de massa 1000 kg e velocidade igu
al a 54 km/h, colidindo com uma parede rígida. Supondo que ele atinge o repouso em
um intervalo de tempo de 0,50 s, determine a força média que a parede exerce sobre
o automóvel durante a colisão. a) 1,0 × 104 N b) 2,0 × 104 N *c) 3,0 × 104 N d) 4,0 × 104 N
e) 5,0 × 104 N (UFPE-2009.1) - ALTERNATIVA: D Um pequeno bloco de massa m é largado,
a partir do repouso, do ponto A, como mostrado na figura. O bloco desliza, com
atrito, dentro de uma calota esférica de raio R até o ponto B, onde atinge o repouso
. Considerando g, a aceleração da gravidade, calcule o trabalho realizado pela força p
eso do bloco, ao longo do percurso AB. a) - mgR/3 b) 0 c) mgR/3 *d) 2mgR/3 e) mg
R
c)
d)
(UFV/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: A Uma pessoa aplica uma força horizontal sobre um c
orpo de massa M, inicialmente em repouso, fazendo-o adquirir uma velocidade de mód
ulo v. Uma segunda pessoa também aplica uma força horizontal sobre outro corpo igual
ao primeiro, mas que possui velocidade inicial de módulo v. Neste segundo caso, a
ação da força aplicada faz com que o corpo entre em estado de repouso. Nos dois casos
os corpos se movem sobre uma superfície horizontal sem atrito. Com relação aos módulos
dos trabalhos realizados pelas duas pessoas, é CORRETO afirmar que: *a) são iguais.
b) o realizado pela segunda pessoa é nulo. c) o realizado pela primeira pessoa é mai
or que o realizado pela segunda pessoa. d) o realizado pela primeira pessoa é meno
r que o realizado pela segunda pessoa. (UFV/MG-2009.1) - RESPOSTA: a) W = –mgh/2 b
) F = mg/2 Uma folha de massa m cai verticalmente, partindo do repouso, de um ga
lho de árvore que está a uma altura h do solo. Imediatamente antes de tocar o solo,
a velocidade da folha vale, em , sendo g a aceleração da gravidade. módulo, a) Supondo
que durante a queda da folha atuou sobre ela, além do peso, uma força de atrito com
o ar vertical e constante, calcule o trabalho dessa força de atrito. Sua resposta
deve ser dada em termos de m, g e h. b) Calcule o módulo da força de atrito que atu
ou na folha. Sua resposta deve ser dada em termos de m e g. (UNIOESTE/PR-2009.1)
- ALTERNATIVA: A A figura abaixo mostra um bloco de 14 kg suspenso por duas mol
as ideais e idênticas e que sofreram uma deformação de 10 cm. O sistema está em equilíbrio
. Considere sen 45 = cos 45 = 0,7 e g = 10,0 m/s2. A energia potencial elástica arma
zenada em cada mola é *a) 5 J b) 14 J c) 1000 J d) 1400 J e) Nenhuma das respostas
anteriores.
(UFPE-2009.1) - RESPOSTA: a = 4,0 m/s2 Um pequeno bloco, posto em movimento a pa
rtir do ponto A com velocidade v0 = 6 m/s, desliza sem atrito até o ponto B, onde
a sua velocidade é v. O intervalo de tempo de trânsito entre A e B é t = 1,0 s.
Calcule a componente horizontal da aceleração média do bloco, entre os pontos A e B, e
m m/s2. Despreze a resistência do ar e considere g = 10,0 m/s2.
japizzirani@gmail.com
74
(UFPE-2009.1) - RESPOSTA: = 88,0 J Um bloco de massa m = 4,0 kg é empurrado, através
da aplicação de uma força F constante ao longo de um plano inclinado, como mostra a f
igura. O bloco parte do repouso no ponto 1 e chega ao ponto 2 com velocidade v =
2,0 m/s.
(CEFETSP-2009.1) - ALTERNATIVA: B Considere uma colisão frontal unidimensional ent
re um átomo de Hidrogênio (H) que se move com velocidade de módulo V e uma molécula de H
idrogênio (H2), em repouso. Sabe-se que após a colisão a molécula adquire velocidade de
módulo V/3. Sendo E1 e E2 as energias cinéticas do sistema antes e depois da colisão,
respectivamente, a relação E2 / E2 vale a) 1/4. *b) 1/3. c) 1/2. d) 2/3. e) 3/4. (VU
NESP/FMJ-2009.1) - ALTERNATIVA: B Dois blocos de massas m e 3m colidem frontalme
nte sobre uma superfície plana, horizontal e perfeitamente lisa. As figuras mostra
m dois instantes imediatamente antes e imediatamente depois da colisão.
Calcule o trabalho realizado pela força F, ao longo do trajeto de 1 a 2, em joules
. Despreze o atrito com o plano, a resistência do ar e considere g = 10,0 m/s2.
(UFPE-2009.1) - RESPOSTA: F = 2,0 N Uma torneira colocada a uma altura H = 0,8 m
do solo, não estando bem fechada, goteja. Cada gota tem em média a massa m = 0,5 g.
Pode-se afirmar que nesse processo a) houve conservação da quantidade de movimento e
da energia cinética do sistema. *b) houve conservação da quantidade de movimento e a
energia cinética do sistema diminuiu. c) houve conservação da quantidade de movimento
e a energia cinética do sistema aumentou. d) não houve conservação da quantidade de movi
mento e a energia cinética do sistema diminuiu. e) não houve conservação da quantidade d
e movimento e a energia cinética do sistema aumentou. Supondo que as colisões das go
tas com o solo durem em média t = 1 ms, calcule a força média que cada gota exerce sob
re o solo, durante a colisão, em newtons. Suponha que a velocidade inicial da gota
é nula e que toda a gota é absorvida pelo solo, no instante da colisão. Despreze a re
sistência do ar e considere g = 10 m/s2. (VUNESP/FMJ-2009.1) - ALTERNATIVA: E Duas
pessoas disputavam um jogo que consistia em empurrar dois blocos idênticos A e B,
inicialmente em repouso, sobre uma mesma superfície horizontal, começando numa mesm
a linha de partida. Venceria o jogo quem fizesse seu bloco parar mais próximo de u
ma linha de referência, pintada a 5 m da linha de partida. Numa situação de empate, o
bloco A parou 0,2 m antes da linha de referência e o bloco B parou 0,2 m depois de
la.
(CEFETSP-2009.1) - ALTERNATIVA: E Uma das características que traçam a paisagem de u
ma metrópole é o elevado número de edifícios, residenciais ou comerciais. As empresas es
pecializadas em transporte sabem que, de uma forma ou de outra, precisam capacit
ar seus funcionários para contornar circunstâncias de alto grau de complexidade. Ass
im, objetos de grande porte e impossíveis de serem desmontados devem ser içados pelo
lado de fora dos prédios. Um piano de 400 kg, que estava sendo erguido pelo lado
externo de um prédio de apartamentos encontrava-se a 60 m do chão quando, tragicamen
te, a corda que o suspendia se rompeu. A velocidade de chegada desse piano ao so
lo, supondo uma aceleração da gravidade de intensidade 10 m/s2, é, em m/s, aproximadam
ente, (Dado: considere que o piano cai a partir do repouso e que a influência do a
r é desprezível para esse problema.) a) 15. b) 20. c) 25. d) 30. *e) 35.
Desconsiderando a resistência do ar, e sendo EA a energia cinética fornecida ao bloc
o A nesse lançamento, e EB a energia cinética fornecida ao bloco B, pode-se afirmar
que EA / EB vale, aproximadamente, a) 0,36. b) 0,60. c) 0,72. d) 0,80. *e) 0,92.
japizzirani@gmail.com
75
VUNESP/FMJ-2009.1) - RESPOSTA: a) | W | = 36000 J b) v = 1,6 m/s Gruas são equipam
entos largamente utilizados em construção civil, pois podem movimentar objetos pesad
os tanto na direção horizontal quanto na vertical, além de poderem girar em torno de u
m eixo vertical, passando por sua torre. Pretende-se utilizar uma grua para leva
r uma caixa de massa m = 200 kg do ponto A, no solo, ao ponto C, no topo de um e
difício em obras, pelo percurso ABC mostrado na Figura 1. Do ponto A até o ponto B,
ela é levada em linha reta com velocidade constante de 0,5 m/s, em 60 s. Fig 32 20
09 ENR
(FUVEST-2009.1) - RESPOSTA NO FINAL Para testar a elasticidade de uma bola de ba
squete, ela é solta, a partir de uma altura H0, em um equipamento no qual seu movi
mento é monitorado por um sensor. Esse equipamento registra a altura do centro de
massa da bola, a cada instante, acompanhando seus sucessivos choques com o chão. F
ig 35 2009 ENR Fig 34 2009 ENR
NOTE E ADOTE: Desconsidere a deformação da bola e a resistência do ar. Aceleração da gravi
dade na Terra, g = 10 m/s2
Para ir verticalmente do ponto B ao ponto C, ela demora 10 s, com sua velocidade
variando segundo o gráfico mostrado na Figura 2.
A partir da análise dos registros, é possível, então, estimar a elasticidade da bola, ca
racterizada pelo coeficiente de restituição CR. O gráfico apresenta os registros de al
turas, em função do tempo, para uma bola de massa M = 0,60 kg, quando ela é solta e in
icia o movimento com seu centro de massa a uma altura H0 = 1,6 m, chocando-se su
cessivas vezes com o chão. A partir dessas informações: a) Represente, no Gráfico I da f
olha de respostas, a energia potencial da bola, EP, em joules, em função do tempo, i
ndicando os valores na escala. b) Represente, no Gráfico II da folha de respostas,
a energia mecânica total da bola, ET, em joules, em função do tempo, indicando os val
ores na escala. c) Estime o coeficiente de restituição CR dessa bola, utilizando a d
efinição apresentada abaixo. O coeficiente de restituição, CR = VR/VI, é a razão entre a ve
ocidade com que a bola é rebatida pelo chão (VR) e a velocidade com que atinge o chão
(VI), em cada choque. Esse coeficiente é aproximadamente constante nas várias colisões
. RESPOSTA: FUVEST-2009.1 a) b)
a) Determine o módulo do trabalho realizado pela força peso da caixa levada pela gru
a, no trajeto de A para B. Considere g = 10 m/s2. b) Calcule a máxima velocidade e
scalar atingida pelo objeto no trecho BC. (VUNESP/FTT-2009.1) - ALTERNATIVA: A N
o fundo de um poço de 16 m de profundidade, cheio de água, há um objeto de densidade 2
,5 × 103 kg/m3 e 5 litros de volume que deve ser resgatado. Dispõe-se de um motor qu
e deve trazer o objeto à tona em 10 s, com velocidade constante. Se a densidade ab
soluta da água é de 1,0 × 103 kg/m3 e a aceleração da gravidade vale 10 m/s2, a potência út
desse motor, em W, deve ser de *a) 120. b) 75. c) 15. d) 12. e) 7,5.
c) CR = 0,50 (VUNESP/FTT-2009.1) - ALTERNATIVA: B No laboratório de testes de cert
a montadora de automóveis, há uma pista retilínea e horizontal com um trecho bastante
liso. No início dessa pista, uma mola elástica de constante k, encontrase comprimida
de uma deformação x por um carro de massa m, em repouso. O sistema é liberado e o car
ro, após se soltar da mola, adquire uma energia cinética e uma quantidade de movimen
to que podem ser expressas, respectivamente, por a) k.x2/2 e k.x.m. *b) k.x2/2 e
x. c) k.x2/2 e k. d) k.x2 e x. e) k.x2 e k.m. . . . .
japizzirani@gmail.com
76
(FUVEST-2009.1) -RESPOSTA: a) 3,4 × 108J b) 148 km/h c) 0,53 A Com o objetivo de c
riar novas partículas, a partir de colisões entre prótons, está sendo desenvolvido, no C
ERN (Centro Europeu de Pesquisas Nucleares), um grande acelerador (LHC). Nele, a
través de um conjunto de ímãs, feixes de prótons são mantidos em órbita circular, com veloc
dades muito próximas à velocidade c da luz no vácuo. Os feixes percorrem longos tubos,
que juntos formam uma circunferência de 27 km de comprimento, onde é feito vácuo. Um
desses feixes contém N = 3,0 x 1014 prótons, distribuídos uniformemente ao longo dos t
ubos, e cada próton tem uma energia cinética E de 7,0 x 1012 eV. Os prótons repassam i
númeras vezes por cada ponto de sua órbita, estabelecendo, dessa forma, uma corrente
elétrica no interior dos tubos. Analisando a operação desse sistema, estime: a) A ene
rgia cinética total Ec, em joules, do conjunto de prótons contidos no feixe. b) A ve
locidade V, em km/h, de um trem de 400 toneladas que teria uma energia cinética eq
uivalente à energia do conjunto de prótons contidos no feixe. c) A corrente elétrica I
, em ampères, que os prótons em movimento estabelecem no interior do tubo onde há vácuo.
(UFC/CE-2009.1) - RESPOSTA NO FINAL Duas partículas A e B, de massa m, executam mo
vimentos circulares uniformes sobre o plano x y (x e y representam eixos perpend
iculares) com equações horárias dadas por x A (t) = 2a + acos( t), y A (t) = asen( t)
e x B (t) = –2a + acos( t), y B (t) = asen( t), sendo e a constantes positivas. a)
Determine as coordenadas das posições iniciais, em t = 0, das partículas A e B. b) De
termine as coordenadas do centro de massa do sistema formado pelas partículas A e
B no instante t = 0. c) Determine as coordenadas do centro de massa do sistema f
ormado pelas partículas A e B em um instante qualquer t. d) Mostre que a trajetória
do centro de massa é uma circunferência de raio a , com centro no ponto (x = 0, y =
0). RESPOSTA: UFC/CE-2009.1 a) xA = +2a e yA = 0: xB = –a e yB = 0 b) x = a e y =
0 c) x = acos( t) e y = asen ( t) d) equação da trajetória do CM: x2 + y2 = a2 (circun
ferência de raio a e centro em x = 0 e y = 0) (UFC/CE-2009.1) - RESPOSTA: a) FR =
25 N b) Q = 70 N—s A única força horizontal (ao longo do eixo x) que atua em uma partícu
la de massa m = 2 kg é descrita, em um dado intervalo de tempo, pelo gráfico abaixo.
NOTE E ADOTE: q = Carga elétrica de um próton = 1,6 × 10–19C c = 3,0 × 108 m/s 1 eletron-v
olt = 1 eV = 1,6 × 10–19 J
ATENÇÃO ! Não utilize expressões envolvendo a massa do próton, pois, como os prótons estão
elocidades próximas à da luz, os resultados seriam incorretos.
(VUNESP/FTT-2009.1) - ALTERNATIVA: D Numa pequena usina hidroelétrica, a vazão da água
é da ordem de 103 m3/s, caindo de uma altura de 40 m. Considerando 103 kg/m3 a de
nsidade da água, 10 m/s2 a aceleração da gravidade e 90% o rendimento da usina, a potênc
ia útil da usina é, em MW, a) 3,6. b) 36. c) 40. *d) 360. e) 400.
A partícula está sujeita a um campo gravitacional uniforme cuja aceleração é constante, ap
ontando para baixo ao longo da vertical, de módulo g = 10 m/s2. Despreze quaisquer
efeitos de atrito. a) Determine o módulo da força resultante sobre a partícula entre
os instantes t1 = 1 s e t2 = 3 s, sabendo que o impulso ao longo da direção horizont
al foi de 30 N—s no referido intervalo de tempo. b) Determine a variação da quantidade
de movimento da partícula, na direção horizontal, entre os instantes t2 = 3 s e t3 =
7 s. (UNICAMP-2009.1) - RESPOSTA: a) 2,0 m b) 9,0×1013 J A evolução da sociedade tem a
umentado a demanda por energia limpa e renovável. Tipicamente, uma roda d´água de moin
ho produz cerca de 40 kWh (ou 1,4×108 J ) diários. Por outro lado, usinas nucleares
fornecem em torno de 20% da eletricidade do mundo e funcionam através de processos
controlados de fissão nuclear em cadeia. a) Um sitiante pretende instalar em sua
propriedade uma roda d´água e a ela acoplar um gerador elétrico. A partir do fluxo de ág
ua disponível e do tipo de roda d´água, ele avalia que a velocidade linear de um ponto
da borda externa da roda deve ser v = 2,4 m/s . Além disso, para que o gerador fu
ncione adequadamente, a freqüência de rotação da roda d´água deve ser igual a 0,20 Hz. Qual
o raio da roda d´água a ser instalada? Use = 3. b) Numa usina nuclear, a diferença de
massa m entre os reagentes e os produtos da reação de fissão é convertida em energia, se
gundo a equação de Einstein E = mc2, onde c =3×108 m/s. Uma das reações de fissão que podem
ocorrer em uma usina nuclear é expressa de forma aproximada por (1000 g de U235) +
(4 g de neutrons) (612 g de Ba144) + (378 g de Kr89) + (13 g de neutrons) + ene
rgia. Calcule a quantidade de energia liberada na reação de fissão descrita acima.
(UEPG/PR-2009.1) - RESPOSTA: SOMA = 05 (01+04) Uma partícula de massa m, em movime
nto, sofre a ação de uma força F, em sentido oposto ao de seu movimento, durante um in
tervalo de tempo t. Como efeito da ação da força, a partícula experimenta uma variação Q em
sua quantidade de movimento. Sobre este evento, assinale o que for correto. 01)
A variação na quantidade de movimento da partícula em intensidade é igual a F. t . 02) C
omo efeito, devido à ação da força F, a partícula inverte o sentido do seu movimento. 04)
Se a intensidade da força F for reduzida à terça parte e se o intervalo de tempo t for
reduzido à metade, a variação na quantidade de movimento será igual à sexta parte de Q. 0
8) A energia mecânica total e a quantidade de movimento da partícula são conservadas.
16) Durante o intervalo de tempo t, a partícula sofre uma desaceleração.
japizzirani@gmail.com
77
(UNICAMP-2009.1) - RESPOSTA: a) Para v = 900 km/h e L = 50 m R 8,3×108 b) E = 7,5×10–2
7 J O aperfeiçoamento de aeronaves que se deslocam em altas velocidades exigiu o e
ntendimento das forças que atuam sobre um corpo em movimento num fluido. Para isso
, projetistas realizam testes aerodinâmicos com protótipos em túneis de vento. Para qu
e o resultado dos testes corresponda à situação real das aeronaves em vôo, é preciso que a
mbos sejam caracterizados por valores similares de uma quantidade conhecida como
número de Reynolds R . Esse número é definido como R = VL b, onde V é uma velocidade típi
ca do movimento, L é um comprimento característico do corpo que se move e b é uma cons
tante que depende do fluido. a) Faça uma estimativa do comprimento total das asas
e da velocidade de um avião e calcule o seu número de Reynolds. Para o ar, bar 1,5×10–5
m2/s. b) Uma situação de importância biotecnológica é o movimento de um micro-organismo nu
m meio aquoso, que determina seu gasto energético e sua capacidade de encontrar al
imento. O valor típico do número de Reynolds nesse caso é de cerca de 1,0×10–5, bastante d
iferente daquele referente ao movimento de um avião no ar. Sabendo que uma bactéria
de 2,0 m de comprimento tem massa de 6,0×10–16 kg , encontre a sua energia cinética médi
a. Para a água, bágua 1,0×10–6 m2/s. (UNICAMP-2009.1) - RESPOSTA: a) –3,6×10–2 J b) 50 N A
dução de fogo tem sido uma necessidade humana há milhares de anos. O homem primitivo p
rovavelmente obtinha fogo através da produção de calor por atrito. Mais recentemente,
faíscas elétricas geradoras de combustão são produzidas através do chamado efeito piezelétr
co. a) A obtenção de fogo por atrito depende do calor liberado pela ação da força de atrit
o entre duas superfícies, calor que aumenta a temperatura de um material até o ponto
em que ocorre a combustão. Considere que uma superfície se desloca 2,0 cm em relação à ou
tra, exercendo uma força normal de 3,0 N . Se o coeficiente de atrito cinético entre
as superfícies vale c = 0,60, qual é o trabalho da força de atrito? b) Num acendedor
moderno, um cristal de quartzo é pressionado por uma ponta acionada por molas. Ent
re as duas faces do cristal surge então uma tensão elétrica, cuja dependência em função da
ressão é dada pelo gráfico abaixo. Se a tensão necessária para a ignição é de 20 kV e a pon
ua numa área de 0,25 mm2, qual a força exercida pela ponta sobre o cristal? Fig 36 2
009 ENR
(UNICAMP-2009.1) - RESPOSTA: a) 5,0 W b) 1050 nm Thomas Edison inventou a lâmpada
utilizando filamentos que, quando percorridos por corrente elétrica, tornam-se inc
andescentes, emitindo luz. Hoje em dia, os LEDs (diodos emissores de luz) podem
emitir luz de várias cores e operam com eficiência muito superior à das lâmpadas incande
scentes. a) Em uma residência, uma lâmpada incandescente acesa durante um dia consom
e uma quantidade de energia elétrica igual a 1,2 kWh. Uma lâmpada de LEDs com a mesm
a capacidade de iluminação consome a mesma energia elétrica em 10 dias. Calcule a potênc
ia da lâmpada de LEDs em watts. b) O gráfico da figura 1 mostra como a potência elétrica
varia em função da temperatura para duas lâmpadas de filamento de Tungstênio, uma de 10
0 W e outra de 60 W. A potência elétrica diminui com a temperatura devido ao aumento
da resistência do filamento. No mesmo gráfico é apresentado o comportamento da potência
emitida por radiação para cada lâmpada, mostrando que quanto maior a temperatura, mai
or a potência radiada. Na prática, quando uma lâmpada é ligada, sua temperatura aumenta
até que toda a potência elétrica seja convertida em radiação (luz visível e infravermelha).
Obtenha, a partir do gráfico da figura 1, a temperatura de operação da lâmpada de 100 W.
Em seguida, use a figura 2 para encontrar o comprimento de onda de máxima intensi
dade radiada por essa lâmpada. Fig 20 2009 ELD
Fig 21 2009 ELD
(FURG/RS-2009.1) - ALTERNATIVA: B Para deformar uma mola em 10 cm, é empregada uma
força de 40 N. Se a mesma mola for deformada em 20 cm, qual a diferença na energia
potencial da mola em relação à situação anterior? a) 2 J *b) 6 J c) 8 J d) 10 J e) Zero
japizzirani@gmail.com
78
(FURG/RS-2009.1) - ALTERNATIVAS: 19 A e 20 D O enunciado a seguir refere-se às que
stões 19 e 20. Um objeto de massa m = 1kg, ao passar pelo ponto 1 de uma rampa, li
vre de atrito, tem energia cinética igual a 2 Joules. O ponto 1 está a uma altura de
h = 20 cm em relação ao ponto 2, situado na base da rampa. Considerando g = 10m/s2:
19) Qual a velocidade do objeto ao passar pelo ponto 2? *a) 2 m/s b) 8 m/s c) m/
s d) 2 m/s e) 20 m/s
(CEFETRJ-2009.1) - RESOLUÇÃO NO FINAL Um acrobata de massa m = 50 kg está fazendo uma
exibição pública. Ele encontra-se inicialmente em repouso na extremidade esquerda de u
ma tora de madeira de massa M = 200 kg e comprimento L = 4 m, que flutua sobre a
superfície de um lago tranqüilo. Em determinado instante, o acrobata dá um salto em d
ireção à extremidade direita da tora com uma velocidade que forma um ângulo = 15o com a
horizontal. Despreze o atrito entre a tora e a água, bem como os efeitos de resistên
cia do ar durante todo o movimento do sistema acrobata + tora. Considere g = 10
m/s2 a aceleração da gravidade local e admita que você possa considerar o acrobata com
o uma partícula. (Rigorosamente falando, você está analisando o movimento do centro de
massa do acrobata). a) Descreva qualitativamente o movimento do sistema acrobat
a + tora de madeira. b) Determine a velocidade inicial do acrobata necessária para
que ele atinja exatamente a extremidade direita da tora de madeira. RESOLUÇÃO CEFET
RJ-2009.1: a) Quando o acrobata pula, ele aplica sobre a tora uma força interna (e
stamos considerando o acrobata + a tora como o nosso sistema). Portanto, a soma
das forças externas que atuam sobre o sistema na direção horizontal é nula e o momento l
inear total do sistema se conserva nessa direção. Enquanto o acrobata se desloca par
a frente, a tora se desloca num sentido oposto. b) Pelo exposto no item anterior
mv cos = Mv  (1) onde v é o módulo da velocidade inicial do acrobata e v’ é o módulo da v
elocidade de recuo da tora. Para que o acrobata atinja exatamente a extremidade
direita da tora, devemos ter L = v  t + v cos .t (2) Tempo que o acrobata perman
ece no ar 0 = v – g t/2 t = 2v sen /g (3) De (1), (2) e (3) v2 = gL/[sen2 (1 + m/M
)] v = 8,0 m/s (VUNESP/UNICISAL-2009.1) - ALTERNATIVA: E Um paralelepípedo sólido, d
e peso P, é pressionado contra uma parede vertical por uma pessoa, que lhe aplica
uma força horizontal F, como mostra a figura. Apesar disso, o bloco escorrega pela
parede do ponto A ao ponto B, distantes h um do outro. O trabalho realizado, ne
sse deslocamento, pela força a) F é dado por F.h. b) peso do paralelepípedo é nulo. c) p
eso do paralelepípedo é negativo. d) normal da parede sobre o paralelepípedo é dado por
F.h. *e) normal da parede sobre o paralelepípedo é nulo. (VUNESP/UNICISAL-2009.1) -
ALTERNATIVA: B Num parque de diversões, há um brinquedo original que consta de um ca
rro impulsionado por uma mola elástica, a partir do repouso, como na figura I. O g
ráfico da figura II ilustra a intensidade dessa força elástica que a mola exerce no ca
rro quando for por ele comprimida. Considere a massa da criança mais a do carro ig
ual a 25 kg e a deformação da mola igual a 1,0 m no instante em que é liberada empurra
ndo o carro.
20) Após passar pelo ponto 2, a superfície se mantém livre de atrito por dois metros;
após os dois metros, a superfície apresenta coeficiente de atrito de 0,4 com o objet
o em questão. O que acontece com o objeto depois de passar no ponto 2? a) Ele dimi
nui a velocidade até parar, desde o ponto 2. b) Ele se move com velocidade constan
te nos primeiros dois metros e depois segue em movimento retilíneo uniformemente v
ariado, com aceleração positiva até que sua velocidade seja igual à do ponto 1. c) Ele s
egue com velocidade constante em todo percurso. *d) Ele se move com velocidade c
onstante nos primeiros dois metros e depois segue em movimento retilíneo uniformem
ente variado, com aceleração negativa até parar. e) Ele pára imediatamente, após passar o
ponto 2. (CEFETRJ-2009.1) - ALTERNATIVA: D Uma gota de chuva de massa 3,00 × 10–5 kg
cai verticalmente com velocidade escalar constante sob a influência da gravidade
(g = 10 m/s2) e da resistência do ar. O trabalho realizado sobre a gota pela gravi
dade e pela resistência do ar após a gota ter caído 100 m vale, respectimamente a) –3,00
× 10–2 J e 3,00 × 10–2 J b) 3,00 × 10–2 J e 3,00 × 10–2 J c) –3,00 × 10–2 J e –3,00 × 10–2
e –3,00 × 10–2 J
(CEFETRJ-2009.1) - ALTERNATIVA: C Uma bola rígida de 1,00 kg atinge uma parede tam
bém rígida com velocidade escalar constante de 10,0 m/s a um ângulo de 30,0o com a par
ede. A bola é refletida com a mesma velocidade escalar e com o mesmo ângulo. Se a bo
la fica em contato com a parede por 0,100 s, a força média exercida pela parede sobr
e a bola tem módulo igual a a) 50 N. b)50 N. *c) 100 N. d) 100 N.
Supondo desprezível o efeito de qualquer espécie de atrito, a velocidade que o carro
adquire após soltar-se da mola vale a) m/s. d) 3,6 km/h. *b) 2,0 m/s. e) 5,4 km/h
. c) 2,0 km/h.
japizzirani@gmail.com
79
(CEFETCE-2009.1) - RESPOSTA: a) Wa = ECa = 5,5 J b) Wb = ECb = 7,2 J Em um eleva
dor de altura 1,8 m, que se desloca para baixo com velocidade constante de 1,0 m
/s, uma lâmpada de massa 300 g se desprende do teto e cai até o piso. Calcule o trab
alho da força peso e a variação de energia cinética da lâmpada no deslocamento do teto ao
piso do elevador a) em relação ao referencial do elevador. b) em relação ao referencial
do solo. Despreze a resistência do ar e adote g = 10,0 m/s2.
(UFRN-2009.1) - ALTERNATIVA: C Para demonstrar a aplicação das leis de conservação da en
ergia e da quantidade de movimento, um professor realizou o experimento ilustrad
o nas Figuras 1 e 2, abaixo.
(UFRN-2009.1) - ALTERNATIVA: D A produção de energia proveniente de maré, sistema maré-m
otriz (no qual se utiliza o fluxo das marés para movimentar uma turbina reversível c
apaz de converter em energia elétrica a energia potencial gravitacional da água), co
nstitui-se numa alternativa de produção de energia de baixo impacto ambiental. Um si
stema desse tipo encontra-se em funcionamento na localidade de La Rance, França, d
esde 1966, com capacidade instalada de 240 megawatts. As figuras abaixo mostram,
esquematicamente, um corte transversal da barragem de um sistema maré-motriz, em
quatro situações distintas, evidenciando os níveis da água, nos dois lados da represa (o
ceano e rio), em função da maré. Fig 41 2009 ENR Fig 42 2009 ENR
Inicialmente, ele fez colidir um carrinho de massa igual a 1,0 kg, com velocidad
e de 2,0 m/s, com um outro de igual massa, porém em repouso, conforme ilustrado na
Figura 1. No segundo carrinho, existia uma cera adesiva de massa desprezível. Após
a colisão, os dois carrinhos se mantiveram unidos, deslocando-se com velocidade ig
ual a 1,0 m/s, conforme ilustrado na Figura 2. Considerando-se que a quantidade
de movimento e a energia cinética iniciais do sistema eram, respectivamente, 2,0 k
g.m/s e 2,0 J, pode-se afirmar que, após a colisão, a) nem a quantidade de movimento
do sistema nem sua energia cinética foram conservadas. b) tanto a quantidade de m
ovimento do sistema quanto sua energia cinética foram conservadas. *c) a quantidad
e de movimento do sistema foi conservada, porém a sua energia cinética não foi conserv
ada. d) a quantidade de movimento do sistema não foi conservada, porém a sua energia
cinética foi conservada. (UFRN-2009.1) - RESPOSTA: a) 900 J b) –810 J c) 90 J O con
ceito de energia é considerado fundamental para a ciência. No entanto, as variações de e
nergia só são percebidas nos processos de transformação desta, durante a realização de um t
abalho e/ou a transferência de calor. Para ilustrar a afirmação acima, considere que u
m caixote está sendo empurrado, ao longo de uma distância de 9,0 m, sobre o piso hor
izontal de um armazém, por um operário que realiza uma força horizontal constante de 1
00,0 N. Considere, ainda, que existe uma força de atrito de 90,0 N, produzida pelo
contato entre o piso e o caixote. Dados: • Trabalho realizado sobre um corpo por
uma força constante: W = F.d.cos , onde F é o módulo da força que atua sobre o corpo, d é
o módulo do vetor deslocamento do corpo e o ângulo entre a força e o vetor deslocament
o. • Teorema do trabalho-energia: WF = EC , onde Fr é o módulo r da força resultante. A
partir dessas informações, calcule a) o trabalho realizado pelo operário sobre o caixo
te; b) o trabalho que é convertido em energia térmica; c) a variação da energia cinética d
o caixote no processo. (CEFETPI-2009.1) - ALTERNATIVA: E Um bloco de massa m = 4
,0 kg encontra-se inicialmente com uma velocidade de 8,0 m/s em movimento retilíne
o. Ao passar por um ponto deabscissa x = 5,0 m uma força resultante passa a agir n
o bloco conforme o gráfico a seguir. Considerando que a força atua na mesma direção e se
ntido do eixo X, o valor da energia cinética desse corpo em x = 9 m é: a) 400 J d) 6
00 J b) 472 J *e) 628 J c) 500 J
Fig 43 2009 ENR
Fig 44 2009 ENR
As duas situações que permitem a geração de energia elétrica são: a) I e IV b) I e III c) I
e III *d) II e IV (UFRN-2009.1) - ALTERNATIVA: A Visando à preservação do meio ambien
te de forma sustentável, a sociedade atual vem aumentando consideravelmente a util
ização da energia dos ventos, através das turbinas eólicas. Nessa tecnologia, a primeira
transformação de energia acontece na interação das moléculas do ar com as hélices dos cata
ventos, transformando a energia cinética de translação das moléculas do ar em energia ci
nética de rotação das hélices. Nessa interação, *a) a variação da quantidade de movimento d
léculas do ar gera uma força resultante que atua sobre as hélices. b) a variação do moment
o angular das moléculas do ar gera uma força resultante que atua sobre as hélices. c)
a variação da força resultante exercida pelas moléculas do ar anula o momento angular da
s hélices. d) a variação da força resultante exercida pelas moléculas do ar anula a quanti
dade de movimento das hélices.
japizzirani@gmail.com
80
(UFRGS-2009.1) - ALTERNATIVA: B Você sobe uma escada e, a meio caminho do topo, de
uma altura y, você deixa cair uma pedra. Ao atingir o topo da escada, de uma altu
ra 2y, você solta uma outra pedra. Sendo v1 e v2 os módulos das velocidades de impac
to no solo da primeira e da segunda pedra, respctimamente, a razão v 1 v 2 vale a)
1/2 . . *b) 1 c) 1 . d) . e) 2 . (UFRGS-2009.1) - ALTERNATIVA: B Na modalidade
esportiva de salto com vara, o atleta salta e apóiase na vara para ultrapassar o s
arrafo. Mesmo assim, é uma exelente aproximação considerar que a impulsão do atleta para
ultrapassar o sarrafo resulta apenas da energia cinética adquirida na corrida, qu
e é totalmente armazenada na forma de energia de deformação da vara. Na situação ideal – em
que a massa da vara é desprezível e a energia potencial da deformação da vara é toda conve
rtida em energia potencial gravitacional do atleta –, qual é o valor aproximado do d
eslocamento vertical do centro de massa do atleta, durante o salto, se a velocid
ade da corrida é de 10 m/s? Considere g = 10 m/s2. a) 0,5 m. *b) 5,0 m. c) 6,2 m.
d) 7,1 m. e) 10,0 m.
(UFLA/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: D Num parque de diversões, um carrinho, sobre tril
hos, é tracionado por um motor de potência média 20.000 W, num trecho reto e plano, de
forma que o carrinho, partindo do repouso, atinja a velocidade de 25 m/s em 10
s. A massa do carrinho é a) 1000 kg. b) 820 kg. c) 2000 kg. *d) 640 kg. (UFLA/MG-2
009.1) - ALTERNATIVA: A Um carrinho de massa 6 kg desloca-se horizontalmente, se
m atrito, com velocidade vA de 4 m/s, quando um bloco de massa 2 kg cai vertical
mente sobre o carrinho, atingindo-o com velocidade vB de 5 m/s (ver figura) e ag
regando-se a ele. Após o choque, a velocidade do conjunto carrinho-bloco será *a) 3
m/s. b) 2 m/s. c) 6 m/s. d) 9 m/s.
(UNIFEI/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: C Um projétil é lançado com velocidade escalar vo a
partir do solo. O ângulo entre o vetor velocidade vo e a direção horizontal é . Se a vel
ocidade escalar do projétil ao atingir a altura y é v, qual seria a velocidade deste
mesmo projétil a esta altura y, se o ângulo de lançamento mudasse de para 2 , mantend
o-se a mesma velocidade inicial? Despreze a resistência do ar e suponha que 2 é meno
r ou igual a /2 . a) 4v b) 2v *c) v d) v/2
(UFRGS-2009.1) - ALTERNATIVA: A Um bloco, movendo-se com velocidade constante V0
, colide frontalmente com um conjunto de dois blocos que estão em contato e em rep
ouso (V = 0) sobre uma superfície plana sem atrito, conforme indicado na figura ab
aixo.
Considerando que as massas dos três blocos são iguais e que a colisão é elástica, assinale
a figura que representa o movimento dos blocos após a colisão. *
(UNIFEI/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: B Uma bola de massa m repica em uma parede. O ân
gulo de incidência i é praticamente igual ao ângulo de reflexão r ( i r ), e a velocidad
e escalar vi antes da colisão é aproximadamente igual à velocidade escalar vf após a col
isão (vi vf v), de modo que podemos considerar essa colisão como elástica. Considerand
o essas aproximações, qual das afirmações abaixo é falsa? a) A variação do momento linear d
ola é, em módulo, igual a 2m.v.cos , na direção e no sentido da normal à face da parede on
de incide a bola. *b) Não há conservação do momento linear, pois há uma variação do momento
near da bola, que não é acompanhada de uma variação igual, mas no sentido contrário, do mo
mento linear da parede, que permanece o tempo todo imóvel. c) Sempre há conservação do m
omento linear; entretanto, neste caso, pode-se também dizer que a energia mecânica t
ambém se conserva. d) A variação do momento linear da parede é, em módulo, igual a 2m.v.co
s , na direção da normal à face da parede onde incide a bola e no sentido contrário ao s
entido desta normal, ou seja, para dentro da parede. (UFT/TO-2009.1) - ALTERNATI
VA: B O trabalho realizado por uma força ao esticar uma determinada mola, sem alte
rar sua constante elástica, de seu tamanho original “x cm” até “(x+2) cm” é de 10 joules. Q
o trabalho realizado por uma força para esticar a mesma mola de “(x+2) cm” até “(x+4) cm”?
a) 20 joules *b) 30 joules c) 40 joules d) 25 joules
japizzirani@gmail.com
81
(UNIFEI/MG-2009.1) - RESPOSTA: a) 2,0 m/s b) 1,2 N (direção: vertical, sentido: para
cima) Um cubo de gelo de 40 g de massa desliza sem atrito e oscila entre os doi
s extremos da figura. O raio do semicilindro é igual a 20 cm.
(CESGRANRIO-2009.1) - ALTERNATIVA: C Uma bola de raio muito pequeno é abandonada,
no vácuo, a uma altura de 5 metros, chocando-se com uma superfície horizontal. Esse
choque é parcialmente elástico, com coeficiente de restituição e = /2. Imaginando-se que
essa bola possa quicar infinitamente, e considerando-se a aceleração da gravidade i
gual a 10 m/s2, a distância total percorrida pela bola, em metros, valerá a) 10,0 b)
12,5 *c) 15,0 d) 17,5 e) 20,0 (UCS/RS-2009.1) - ALTERNATIVA: C Uma brincadeira
tradicional para meninos é o jogo com bolinhas de gude. A técnica do polegar, inicia
lmente pressionado contra o dedo indicador e depois esticado rapidamente, tem co
mo objetivo gerar mira e potência para lançar uma bolinha de vidro contra outras. Su
ponhamos que, durante os 0,5 segundos em que o polegar estica-se para dar impuls
o à bolinha, a qual neste processo de aceleração desloca-se 0,03 m, esse polegar tenha
gerado uma potência de 0,06 W. Nessas condições, qual o valor da força que atuou sobre
a bolinha de gude? a) 0,05 N b) 0,20 N *c) 1,00 N d) 30,00 N e) 400,00 N (UFJF/M
G-2009.1) - ALTERNATIVA: B A figura representa um bloco que, após um impulso inici
al, está subindo uma superfície curva. Podemos afirmar que:
(a) Quando o cubo passa pelo fundo da trajetória semicircular, qual é a sua velocida
de? (b) No instante em que o cubo passa pelo fundo da trajetória, qual é o módulo, a d
ireção e o sentido da força que a superfície do semicilindro exerce sobre ele? Dado: g =
10,0 m/s2. (UNICENTRO/PR-2009.1) - ALTERNATIVA: D Um bloco de massa m desce por
uma rampa, a partir do repouso e, na parte mais baixa, colide com outro bloco d
e massa 2m, que estava parado (figura I). Após a colisão, esses dois blocos passam a
se movimentar juntos, sobre uma pista plana e horizontal (figura II).
Considere EI a energia mecânica do bloco ao iniciar a descida e EF a energia mecânic
a do sistema após a colisão. Despreze as forças de atrito em toda a movimentação descrita.
Com base nessas informações, é CORRETO afirmar que a razão EI / EF equivale a a) 1. b)
1,5. c) 2. *d) 3. e) 3,5. (CESGRANRIO-2009.1) - ALTERNATIVA: B Um corpo move-se
em trajetória retilínea sob a ação de uma única força F, variável e paralela à trajetória.
abaixo mostra a variação da intensidade da força (| F|) em função da sua posição (d).
a) o módulo da velocidade está aumentando. *b) o módulo da velocidade está diminuindo. c
) o movimento é uniforme. d) o movimento é necessariamente circular. e) o movimento é
retilíneo. (UFJF-2009.1) - ALTERNATIVA: B Duas pessoas encontram-se em repouso sob
re uma plataforma flutuante, uma em uma extremidade e a outra na extremidade opo
sta. A plataforma está em repouso em águas tranqüilas de um lago. A pessoa que está na e
xtremidade esquerda tem massa de 50 kg; a que está na extremidade direita, 80 kg e
a plataforma, 100 kg. As pessoas então se movem, cada uma com velocidade de 5 m/s
em relação ao lago, a de 50 kg para a direita e a de 80 kg para a esquerda. Descons
iderando o atrito da plataforma com a água, qual será a velocidade adquirida pela pl
ataforma em relação ao lago?
Considerando-se que o corpo não sofra a ação de forças dissipativas, o trabalho, em joul
es, realizado pela força F quando o corpo se desloca de d = 0 m a d = 8 m é a) 22 d)
19 *b) 21 e) 18 c) 20
a) zero. *b) 1,5 m/s para a direita. c) 1,5 m/s para a esquerda. d) 5 m/s para a
direita e) 5 m/s para a esquerda.
japizzirani@gmail.com
82
(UFBA-2009.1) - RESOLUÇÃO NO FINAL Buscando melhorar a segurança de seus veículos, as fábr
icas de automóveis fazem testes de impacto, a fim de avaliar os efeitos sobre a es
trutura dos carros e sobre seus ocupantes. Como resultado dessa iniciativa, as p
esquisas têm conduzido à construção de carros com carroceria menos rígida, que se deformam
mais facilmente em caso de colisão. Em um teste realizado, um veículo de 1000,0 kg,
movendo-se com velocidade igual a 72,0 km/h e dirigido por controle remoto foi
arremessado contra uma parede de concreto. A colisão, completamente inelástica, duro
u 0,05 segundos. Analise a decisão dos fabricantes de produzir automóveis com carroc
eria menos rígida e calcule a intensidade da força média exercida pela parede sobre es
se veículo. RESOLUÇÃO UFBA-2009.1: A análise da equação Fmedio t = m. v pode ilustrar a esc
lha dos fabricantes de veículos. A variação da quantidade de movimento expressa no lad
o direito da equação, dividida pelo intervalo de tempo no qual essa variação se realiza
dá a força média que atua sobre o veículo. Assim, quanto maior for o intervalo de tempo
Dt menor será a força média impulsiva. A escolha de carrocerias menos rígidas eleva o te
mpo do choque. A carroceria, quando se deforma, atua como um amortecedor para o
choque. Numericamente, a força média é calculada por: Fmedio t = m. v vf = 0 e vi = 20
m/s (72 km/h) v = –20m/s e t = 0,05 s (m = 1000,0 kg) Fmedio = –4,0 × 105 N (UCG/GO-2
009.1) - ALTERNATIVA: A Dois corpos são ligados por um fio ideal que passa por dua
s roldanas ideais. Uma extremidade do fio está ligada a uma bola de massa m, a uma
distância R da roldana. A outra extremidade está ligada a um bloco de massa M = 2m,
colocado no solo. A bola é então deslocada de um ângulo , a partir de sua posição de equi
líbrio, ponto B, até o ponto A de onde é solta a partir do repouso. Considerando que a
resistência do ar é desprezível e que 0° < < 90°, pode-se afirmar que:
(UECE-2009.1) - ALTERNATIVA: A O corpo A, de massa 2 kg, move-se com velocidade
constante de 4 m/s, com direção ao longo do eixo x, no sentido positivo desse eixo.
O corpo B, de massa 6 kg, move-se com velocidade constante de 3 m/s, com direção ao
longo do eixo y, no sentido negativo desse eixo. O módulo da velocidade do centro
de massa do sistema composto pelos dois corpos A e B, em m/s, é aproximadamente *a
) 2,5. b) 5,5. c) 10,5. d) 15,5.
(UECE-2009.1) - ALTERNATIVA: C Uma partícula de massa M e velocidade de módulo v col
ide com uma superfície plana, fazendo um ângulo de 30° com a mesma. Após a colisão a partíc
la é refletida com uma trajetória cuja direção também faz um ângulo de 30° com a superfície
o ilustrado na figura ao lado. Considerando que o módulo da velocidade da partícula
continua o mesmo, após a colisão, a alteração na quantidade de movimento da partícula na d
ireção perpendicular à parede devido à colisão é, em módulo, igual a: A) 0. B) Mv 2. *C) Mv
) 2Mv.
(UECE-2009.1) - ALTERNATIVA: D A figura abaixo mostra o perfil de uma pista de s
kate, feita do mesmo material do ponto U ao ponto Y.
I - A tração T no fio é máxima quando a bola passsa pelo ponto B. II - A tração T no fio no
ponto A é igual a zero. III - No ponto B a força resultante, FR, é igual à força centrípeta
FC, que é igual à tração T no fio. IV - Se o cos < 1/2 então o bloco de massa M é deslocad
para cima Assinale o item que possui apenas proposições verdadeiras. *a) I e IV b)
II e III c) I, II e IV d) II e IV (UECE-2009.1) - ALTERNATIVA: C Uma escada rola
nte foi projetada para transportar 10 pessoas por minuto do primeiro para o segu
ndo andar de um Shopping Center. A escada tem 12 m de comprimento e uma inclinação d
e 30o com a horizontal. Supondo que cada pessoa pesa 800 N, o consumo de energia
da escada rolante, com capacidade máxima, será a) 80 W. b) 400 W. *c) 800 W. d) 400
0 W.
Uma jovem skatista parte do ponto U com velocidade nula, passa pelos pontos V, X
e chega ao ponto Y com velocidade nula. Com base no exposto, assinale o correto
. a) A energia cinética em V é igual à energia potencial gravitacional em U. b) A ener
gia cinética em V é igual á energia potencial gravitacional em X. c) A energia cinética
em V é igual à energia potencial gravitacional em Y. *d) A energia cinética em V é maior
que a energia potencial gravitacional em X.
japizzirani@gmail.com
(UEPG/PR-2009.1) - RESPOSTA OFICIAL: SOMA = 28 (04+08+16) Um objeto é lançado vertic
almente para cima, com velocidade v0. A respeito da velocidade inicial do objeto
e da energia mecânica do evento, assinale o que for correto. 01) A energia do sis
tema só será máxima quando o tempo decorrido do lançamento for igual a t = 2v0 g 02) No
ponto de altura máxima, a energia mecânica do evento será mínima. 04) A velocidade de qu
eda do objeto será negativa. 08) O tempo para que o corpo atinja a altura máxima será
t = v0/ g 16) Desconsiderando a resistência do ar, a única força que atua no sistema é a
força peso.
83
(UEPG/PR-2009.1) - RESPOSTA: SOMA = 31 (01+02+04+08+16) Um bloco de massa m é solt
o, a partir do repouso, do topo de um plano inclinado de altura h que forma um âng
ulo com a horizontal, como mostra a figura abaixo. A respeito deste evento físico,
considerando que não existe atrito entre o bloco e a superfície do plano inclinado,
assinale o que for correto.
(UESPI/PI-2009.1) - ALTERNATIVA: A Para levar uma partícula material de um ponto A
até um ponto B, a força resultante agindo sobre ela realiza trabalho igual a 5 J. S
abe-se também que, nesse percurso, 5 J de energia são dissipados. A variação da energia
potencial da partícula, entre os pontos A e B, vale, em joules, *a) –10. b) –5. c) 0.
d) 5. e) 10. (UESPI/PI-2009.1) - ALTERNATIVA: C Um corpo de massa m = 2 kg se mo
vimenta sobre uma superfície horizontal sem atrito, com velocidade constante v = 8
m/s. Tal corpo choca-se frontalmente com um outro de mesma massa, que se encont
rava em repouso sobre a superfície. Sabe-se que, após a colisão, os dois corpos aderem
um ao outro, passando a se movimentar juntos. Em tal contexto, qual é a velocidad
e do conjunto de corpos unidos após o choque entre eles? a) 10 m/s b) 6 m/s *c) 4
m/s d) 2 m/s e) 1 m/s (UEMG-2009.1) - ALTERNATIVA: C Cada ponto mostrado na figu
ra, abaixo, representa a posição ocupada por um mesmo móvel. O intervalo de tempo entr
e duas posições sucessivas é igual. A posição inicial é a posição 1.
01) Inicialmente a energia potencial é máxima e a energia cinética é mínima. 02) A velocid
ade do bloco ao atingir a base do plano inclinado é igual a v = . 04) A aceleração do
bloco durante a descida é a = g.sen . 08) A distância percorrida pelo bloco durante
a descida é x = h sen . 16) Quando o bloco atinge a base do plano inclinado, a ene
rgia potencial é mínima e a energia cinética é máxima. (UNIMONTES/MG-2009.1) - ALTERNATIVA
: C Consideremos o movimento de uma pedra, lançada verticalmente para cima com vel
ocidade inicial V0, sendo desprezível a resistência do ar ao seu movimento. Durante
sua ascensão, é CORRETO afirmar que a) a energia cinética da pedra permanece constante
. b) a energia potencial da pedra permanece constante. *c) a energia mecânica da p
edra permanece constante. d) a energia mecânica da pedra diminui. (UNIMONTES/MG-20
09.1) - ALTERNATIVA: A É conhecido que uma nave espacial é constituída por estágios. Qua
ndo está em ascensão, a nave adquire maior velocidade cada vez que um estágio é lançado fo
ra. Isso está de acordo com o princípio da *a) conservação da quantidade de movimento. b
) gravitação universal. c) conservação da energia potencial. d) conservação da energia ciné
a. UESPI/PI-2009.1) - ALTERNATIVA: E A figura ilustra um bloco de massa m que é ab
andonado em repouso a uma distância vertical D de uma mola ideal não deformada, de c
onstante elástica k. O módulo da aceleração da gravidade no local é denotado por g, e as p
erdas por atrito e resistência do ar são desprezadas. Para tal situação, qual é a deformaçã
ofrida pela mola quando o bloco atinge sua velocidade máxima? a) (mg/k){1 - [1 + 2
kD/(mg)]1/2} b) (2mg/k){1 + [1 + kD/(mg)]1/2} c) kD2/(2mg) d) 2mg/k *e) mg/k
Em relação à situação descrita, quatro estudantes fizeram as seguintes afirmações: Felipe:
esultante das forças que atuam no móvel é nula. Ubirajara: A aceleração do móvel é diferent
e zero. Fabiana: A energia cinética do móvel aumenta de 1 para 4. Rafael: A energia
cinética do móvel permanece constante de 1 para 4, pois o movimento é acelerado. Fizer
am afirmações CORRETAS: a) Ubirajara e Rafael. b) Felipe e Fabiana. *c) Ubirajara e
Fabiana. d) Felipe e Rafael. (UFES-2009.1) - RESPOSTA: a) 2 m/s b) –1 m/s c) 5 J d
) não Um bloco A é lançado em um plano horizontal com velocidade de módulo vA= 4,0 m/s.
O bloco A tem massa mA= 2,0 kg e colide frontalmente com uma esfera B de massa m
B= 5,0 kg. Inicialmente, a esfera encontra-se em repouso e suspensa por um fio i
deal de comprimento L, fixo em O, como mostra a figura abaixo. Após a colisão, a esf
era atinge uma altura máxima de hB= 0,20 m. Os atritos do bloco A e da esfera B co
m a superfície são desprezíveis.
Com essas informações, a) determine o módulo da velocidade da esfera B, imediatamente
após a colisão; b) determine o módulo e o sentido da velocidade do corpo A, após a colisão
; c) determine a diferença entre a energia cinética do sistema, antes e após a colisão;
d) responda se a colisão foi ou não perfeitamente elástica. Justifique a sua resposta.
japizzirani@gmail.com
84
(UEPG/PR-2009.1) - ALTERNATIVA: B Em que consiste o Teorema do Impulso? a) Se co
rpos de massas diferentes forem submetidos a um impulso de igual intensidade, as
suas velocidades serão iguais. *b) O impulso aplicado a um corpo num certo interv
alo de tempo mede a variação da quantidade de movimento no mesmo intervalo de tempo.
c) Se a força aplicada em um corpo for variável, a quantidade de movimento desse co
rpo é constante. d) Sendo o impulso uma grandeza vetorial, quando aplicado num cor
po, ele altera a sua trajetória. e) A aceleração de um corpo permanece constante quand
o ele recebe um impulso.
(UFG/GO-2009.1) - ALTERNATIVA: 41 E e 42 C O texto a seguir refere-se às questões 41
e 42. A saltadora brasileira Fabiano Murer terminou as Olimpíadas de Pequim em déci
mo lugar, após descobrir, no meio da competição, que o Comitê Organizador do Jogos havia
perdido uma de suas varas, a de flexibilidade 21. Fig 55 2009 ENR
(UEPG/PR-2009.1) - ALTERNATIVA OFICIAL: B A respeito de conservação de energia, assi
nale a alternativa correta. a) Quando um corpo desliza sobre um plano inclinado
com velocidade constante, sua energia varia. *b) O trabalho realizado por uma fo
rça resultante que atua sobre um corpo em movimento é igual à variação da energia cinética
esse corpo. c) Quando uma força atua num sistema ideal, a energia do sistema perma
nece constante. d) Se um corpo cair de uma altura H e atingir o solo, ele retorn
ará sobre a mesma trajetória, atingindo uma altura h. e) A energia potencial de um c
orpo diminui quando ele é lançado verticalmente para cima. (UFJF/MG-2009.1) - RESPOS
TA: a) v = 5,0 × 106 m/s b) f = 1,9 × 102 Hz e T = 5,4 × 10–3 s c) F = 9,3 × 10–18 N O Gran
e Colisor de Hádrons, ou LHC (Large Hadron Collider, em inglês), é mais um componente
do complexo de aceleradores do Conselho Europeu para Investigação Nuclear, ou CERN (
Conseil Européen pour la Recherche Nucléaire, em francês), que se situa na fronteira d
a França com a Suíça. Quando acionado, o LHC produz feixes de prótons e íons em velocidade
s que se aproximam da velocidade da luz. Ele faz com que os feixes colidam uns c
om os outros e em seguida registra os eventos resultantes dessas colisões. O LHC é u
m acelerador circular, nele as partículas são impulsionadas ao redor de um caminho c
ircular e mantidos nesta trajetória. O perímetro da circunferência do LHC é de 27,0 km.
Considere, nos cálculos abaixo, a massa do próton como 1,6 x 10–27 kg e = 3,14. Consid
erando um próton com energia cinética de 125 keV ( = 2,00 x 10–14 J) viajando dentro d
o LHC em movimento circular uniforme: a) Calcule a velocidade deste próton. b) cal
cule o período e a freqüência de revolução deste próton. c) calcule a força necessária para
er o próton na trajetória circular.
VEJA, São Paulo, p. 128, 27 ago, 2008. (Adaptado)
41. Considerando que este tipo de vara se comporta como uma mola ideal, qual é a c
onstante, em N/m, da mola ideal equivalente a uma vara de flexibilidade 21? (Dad
o: g = 10 m/s2) a) 9,25 × 10–6 b) 9,25 × 10–4 c) 1,081 × 101 d) 1,081 × 102 *e) 1,081 × 103
42. Com a técnica adequada, considere que, ao flexionar a vara, a atleta consiga u
m acréscimo de energia equivalente a 20% de sua energia cinética antes do salto. Na
corrida para o salto, a atleta atinge a velocidade de 8,0 m/s e seu centro de ma
ssa se encontra a 80 cm do solo. Nessas condições, desconsiderando a resistência do ar
, a altura máxima, em metros, que a atleta consegue saltar é: (Dado: g = 10 m/s2) a)
3,84. b) 4,00. *c) 4,64. d) 4,70. e) 4,80.
N (UFJF/MG-2009.1) - RESPOSTA: a) F = 1,3 × 10 b) 6,0 × 10–6 s c) P = 3,3 × 102 W Ainda
considerando um próton viajando no LHC e as informações dadas no enunciado da questão ac
ima: a) calcule a força constante necessária para acelerar um próton, a partir do repo
uso em uma trajetória retilínea, para que ele atinja a energia de 2,00 × 10–14 J em uma
distância de 15,0 m. b) calcule o intervalo de tempo em que o próton percorre os 15,
0 m, nas condições do item a. c) Em uma porção de um feixe do LHC existem aproximadament
e 1011 prótons. Calcule a potência média necessária para acelerar todos estes prótons, par
a que cada um deles atinja a energia de 2,00 × 10–14 J, nas condições dos itens (a) e (b
).
–15
(UFG/GO-2009.1) - ALTERNATIVA: E Um ônibus urbano, trafegando por uma avenida plan
a de Goiânia, colide na parte traseira de um carro que se encontra parado em um se
máforo. Nesta situação, vo e vf são, respectivamente, as velocidades escalares finais do
ônibus e do carro, imediatamente após o choque. Sendo as quantidades de movimento d
o sistema Qini antes do choque e Qfin, imediatamente após o choque, tem-se a) vo =
vf e Qini > Qfin. b) vo > vf e Qini = Qfin. c) vo = vf e Qini< Qfin. d) vo > vf
e Qini > Qfin. *e) vo < vf e Qini = Qfin.
japizzirani@gmail.com
85
(UFMG-2009.1) - RESPOSTA: a) v 0,5 m/s b) E 0,36 J Uma bola é lançada horizontalment
e, de certa altura, e cai sobre uma superfície rígida, plana e horizontal. Uma parte
da trajetória dessa bola está mostrada nesta fotografia estroboscópica, que consiste
na superposição de diversas imagens registradas em instantes consecutivos: Fig 56 20
09 ENR
(UFOP-2009.1) - RESPOSTA: a) 1,0 m/s b) conserv. quant. mov. c) Sim d) Não Um jove
m de massa 60,0kg está parado sobre uma pista de patinação no gelo, perfeitamente lisa
, quando apanha seu cachorro de massa 20,0kg, que se movia horizontalmente, em s
ua direção, com velocidade de 4,0m/s. Sabendo que g = 10,0 m.s–2, faça o que se pede. a)
Calcule a velocidade do jovem e de seu cachorro, depois que o cachorro foi apan
hado pelo jovem. b) Explicite qual princípio da Física é exemplificado pelo fenômeno aci
ma. c) O resultado do item A seria o mesmo se a pessoa, em vez de estar sobre o
gelo, estivesse sobre uma superfície bastante áspera? Justifique. d) O caso do item
C viola o princípio descrito no item B? Explique.
Nessa figura, tanto na escala horizontal quanto na vertical, cada divisão mede 10
cm. Adote g = 10,0 m/s2. A massa da bola é de 0,20 kg e, na foto, o intervalo de t
empo entre uma exposição e outra é de 0,020 s. Considerando essas informações, a) DETERMIN
E o módulo da velocidade da bola no instante em que ela é lançada horizontalmente. JUS
TIFIQUE sua resposta. b) CALCULE a energia dissipada na segunda colisão da bola co
m a superfície. JUSTIFIQUE sua resposta. (UFOP-2009.1) - RESPOSTA: a) 1,0 cm/s b) –
5,0 × 10–3 J c) não Considere o movimento de queda de uma partícula de massa, m, em um m
eio fluido cuja força de viscosidade pode ser modelada como sendo proporcional à vel
ocidade da partícula. Considerando g = 10,0 m/s2, m = 10,0 g e o coeficiente da fo
rça de viscosidade como b = 10,0 kg/s, resolva os itens abaixo. a) Qual a velocida
de terminal da partícula? b) Supondo-se que no instante t = 0,0 s, a velocidade da
partícula fosse v0 = 1,0 m/s, calcule a variação da energia cinética da partícula desse i
nstante até o instante em que ela atinge a velocidade terminal. c) Ocorre conservação
de energia mecânica? Explique. (UFOP-2009.1) Considerando que, na figura abaixo, u
ma esfera de massa m = 0,01 kg está em equilíbrio, suspensa através de cabos, faça o que
se pede. Dados: cos45o = sen45o 0,7; cos30o 0,9 e sen30o = 0,5.
(UFTM-2009.1) - RESPOSTA: a) 100 cm b) 0,5 m/s Num jogo de sinuca, um jogador pr
etende fazer a seguinte jogada: golpear a bola 1 com o taco para que ela atinja
a bola 2, parada, lançando-a para a caçapa A. Em seguida, desviada de sua trajetória o
riginal e com velocidade escalar constante, a bola 1 deve sofrer duas colisões con
tra as tabelas nos pontos B e C, de forma análoga à reflexão da luz em espelhos planos
, e atingir a bola 3, parada. Para ser encaçapada depois de atingida, a bola 2 dev
e partir numa direção que faz 30° com a direção na qual a bola 1 se movia inicialmente.
Sabendo que todas as bolas têm a mesma massa e que a bola 1 tinha velocidade V1 =
1 m/s imediatamente antes do choque contra a bola 2, determine, supondo que a jo
gada tenha sido realizada com sucesso, a) a distância percorrida pela bola 1, desd
e a colisão com a tabela no ponto B até o impacto contra a bola 3; b) o módulo da velo
cidade da bola 1, imediatamente depois da colisão contra a bola 2.
a) Represente, na figura, as forças que estão presentes. b) Sendo g = 10,0 m/s2, cal
cule o valor das forças presentes. c) O cabo é cortado no ponto A, indicado na figur
a, e a esfera cai. Calcule a quantidade de calor gerada no impacto da esfera com
o solo, admitindo-se que toda energia mecânica foi convertida em calor.
OBS.: Para os choques serem de forma análoga à reflexão da luz em B e C e de conformid
ade com as medidas dadas, o ângulo mostrado na figura não pode ser 60o. Se no enunci
ado estivesse escrito que o choque é de forma análoga à reflexão da luz apenas no ponto
C então, o enunciado fica correto. Dessa maneira que foi encontrado a resposta do
item a (100 m).
japizzirani@gmail.com
86
(UFU/MG-2009.1) - RESPOSTA: a) 4,0 m/s b) 6,0 m/s c) 12,0 J d) 6,8 m Um bloco de
massa m1 = 2 kg é solto do alto de um trilho no ponto A a partir do repouso. Desl
iza ao longo do trilho suposto sem atrito e se choca com outro bloco de massa m2
= 1 kg que inicialmente está em repouso no ponto B, a uma altura do solo h 2 = 5
m, na extremidade horizontal direita do trilho. Ocorre uma colisão perfeitamente i
nelástica; os blocos se grudam e se deslocam juntos até o ponto C, distante 4 m (na
horizontal) de B.
Considerando a aceleração gravitacional g = 10 m/s2, determine a) a velocidade dos b
locos imediatamente após a colisão. b) a velocidade com a qual o bloco de massa m1 c
hega para colidir com o bloco de massa m2 . c) a variação da energia mecânica do siste
ma durante a colisão. d) a altura do ponto A (h1) para que os blocos consigam cheg
ar ao ponto C.
japizzirani@gmail.com
87
VESTIBULARES 2009.2
(UFOP-2009.2) - ALTERNATIVA: C Três astronautas estão no espaço, fora da nave espacial
, conforme mostrado na figura a seguir, e decidem brincar de arremessar-se. Todo
s os astronautas possuem a mesma massa e estão inicialmente em repouso. Os astrona
utas A e B estão próximos um do outro, e o astronauta C está distante deles. O astrona
uta A empurra o astronauta B, que adquire velocidade v para a direita, na direção de
C. Quando B encontra C, eles se mantêm unidos. Marque a opção que apresenta a configu
ração final das velocidades de cada astronauta.
(UFG/GO-2009.2) - ALTERNATIVA: A Deseja-se transportar um corpo de massa m até uma
plataforma situada a uma altura h do solo. Dois caminhos são possíveis, uma rampa R
e uma escada E, conforme esboçado na figura.
a) A, B e C parados b) A parado, B e C com velocidade v para a direita *c) A com
velocidade v para a esquerda, B e C com velocidade v 2 para a direita d) A com
velocidade v 2 para a esquerda, B e C parados
Considere que se aplica uma força constante para levar o corpo de massa m até o topo
, sendo FE e FR respectivamente as componentes da força paralela ao deslocamento d
o bloco da base da escada ao topo e da base da rampa ao topo. Sendo WE e WR os t
rabalhos realizados ao longo da escada e da rampa, respectivamente, pode-se conc
luir que *a) FE > FR e WE = WR. b) FE < FR e WE > WR. c) FE = FR e WE < WR. d) F
E < FR e WE = WR. e) FE = FR e WE = WR. (UFOP/MG-2009.2) - ALTERNATIVA: C A esfe
ra mostrada na figura abaixo inicialmente se desloca sobre um plano horizontal c
om velocidade constante V0, quando a partir do ponto A é obrigada a deslizar sem a
trito pela trajetória ABCDEF, sem perder o contato com a pista.
(UNIFOR/CE-2009.2) - ALTERNATIVA: C Um bloco de massa 2,0 kg é lançado, de baixo par
a cima, ao longo de um plano inclinado de 30° com a horizontal, com velocidade ini
cial de 10 m/s. Após percorrer 5,0 m o bloco para. O trabalho realizado pela força d
e atrito que atua no bloco nesse deslocamento, em joules, foi de a) –100 Dados: b)
–75 g = 10 m/s2 *c) –50 d) –25 sen30° = 0,50 e) –5,0
(UNIFOR/CE-2009.2) - ALTERNATIVA: C Uma esfera de argila úmida, de massa 200 g, ca
i a partir do repouso, da altura de 5,0 m e, no choque com o solo, se deforma e
permanece parada. Adotando g = 10 m/s2, o módulo do impulso sofrido pela argila du
rante o choque é, em N—s, a) 0,20 b) 1,0 *c) 2,0 d) 10 e) 20 (UNEMAT/MT-2009.2) - AL
TERNATIVA: A Sobre uma superfície horizontal, uma pessoa arrasta um bloco de madei
ra maciça com um fio inextensível. A força de tração tem intensidade de 30 N e forma um âng
lo de 30 com a horizontal. O bloco de madeira se desloca com movimento uniforme.
Considerando desprezível a força de atrito e os dados acima, pode-se dizer que o tra
balho da força de tração para que o bloco se deslocasse 20 m foi de: (Dados: cos30 = 0,
86 ; sen30 = 0,50 ; tg30 = 0,58) *a) 516 J b) 348 J c) 300 J d) 600 J e) 251 J
Considerando a figura acima e a lei de conservação de energia, indique a alternativa
correta. a) A energia cinética da esfera no ponto A é maior do que a energia cinética
em qualquer outro ponto da trajetória. b) A energia mecânica no ponto B é maior do qu
e no ponto D. *c) A soma da energia potencial da esfera no ponto C e no ponto E é
igual à energia potencial em A. d) No ponto F, a velocidade da esfera é V0. (VUNESP/
UNICID-2009.2) - ALTERNATIVA: E Durante a ascensão, foguetes de grandes dimensões, c
omo o que levou a (sonda) Kepler ou os que levaram ao espaço as missões Apollo, aban
donam grandes seções do corpo do foguete, os estágios, à medida que eles deixam de possu
ir combustível em seu interior. A eliminação desse “peso morto” se dá por mero desencaixe e
no momento que antecede o funcionamento do próximo estágio, esse desacoplamento se
justifica pelo motivo de o foguete ter a) aumentada sua inércia. b) diminuída sua po
tência útil. c) adquirido impulso adicional. d) ganhado o auxílio de um par ação-reação. *e
umentada sua capacidade de aceleração.
japizzirani@gmail.com
88
(IFGO/CEFETGO-2009.2) - ALTERNATIVA: E Teorema
(Legião Urbana)
“...É exagero E pode até não ser O que você consegue Ninguém sabe fazer. Parece energia mas
só distorção E não sabemos se isso é problema Ou se é a solução....” A palavra “energia”, q
zada por artistas, pode ter sentidos diversos. Entretanto, quando utilizada por
físicos, tem seu sentido muito bem definido. Sobre o tema, indique a única afirmação inc
orreta. Considere g = 10 m/s2 , Lfusão gelo = 80 cal/g e 1 cal = 4 J. a) Se toda a
energia potencial gravitacional de uma pequena bola de 400 g, a 100 metros altu
ra, pudesse ser utilizada para derreter gelo a 0 oC, conseguiríamos apenas 1,25 g
de água. b) Se um jaboti de 2 kg estiver à 5400 km/h, sua energia cinética será a mesma
que um carro de fórmula 1 de 800 kg a 270 km/h. c) Duas esferas de massas muito pe
quenas, eletrizadas com cargas +q e –q, estão se deslocando em um campo elétrico unifo
rme, na mesma direção e no mesmo sentido, como indica a figura a seguir. V1 e V2 são d
uas superfícies equipotenciais. Ambas as esferas passam por V1 com 2 joules de ene
rgia cinética e nenhuma energia potencial. Se em V2 a energia cinética de +q for nul
a, a energia cinética de –q será 4J.
(VUNESP/UNICID-2009.2) - ALTERNATIVA: E Para o lançamento de uma granada conhecida
por obus, utilizase um lançador que nada mais é do que um tubo cilíndrico com inclinação
ajustável que permite a mira em alvos relativamente distantes. O obus é abandonado d
o topo do lançador, descendo por seu interior quase que em queda livre. Ao tocar o
fundo, uma espoleta detona uma carga explosiva que impulsiona o projétil para for
a do lançador. Em relação ao solo horizontal, no ponto mais alto da trajetória parabólica
que uma dessas granadas realiza ao atravessar o ar sem resistência significativa,
o obus possui energia mecânica que, relativamente ao momento em que sai, expelido
pelo lançador, é a) menor, com energia potencial diferente de zero e energia cinética
nula. b) menor, com energia cinética diferente de zero e energia potencial nula. c
) aproximadamente igual, com energia potencial diferente de zero e energia cinétic
a nula. d) aproximadamente igual, com energia cinética diferente de zero e energia
potencial nula. *e) aproximadamente igual, com energias potencial e cinética dife
rentes de zero. (VUNESP/UNICID-2009.2) - ALTERNATIVA: E Após sua lenta ascensão, o c
arrinho lotado de pessoas inicia, praticamente do repouso, a descida pela rampa
que liga o ponto mais alto do brinquedo ao nível da água, a 3,2 m abaixo. Enquanto d
esce a rampa, o atrito é muito reduzido pela água que escorre por esta, tornando pos
sível admitir que a perda de energia por atritos seja desprezível. Lá em baixo, quando
o carrinho toca a água, seu formato especialmente calculado, borrifa água enquanto
o freia até sua parada. Se o carrinho com seus ocupantes somava uma massa de 450 k
g, o módulo do trabalho realizado pela água durante o processo de frenagem é, em J, ap
roximadamente, Dado: g = 10 m/s2 a) 2 900. b) 5 600. c) 8 500. d) 12 300. *e) 14
400. (IFCE/CEFETCE-2009.2) - RESPOSTA: a) b) c) Sobre um plano inclinado fixo, é
colocado o bloco A de massa m, que permanece imóvel devido ao atrito estático (o coe
ficiente de atrito estático A é igual ao coeficiente de atrito cinético). A uma distânci
a L, medida sobre o plano inclinado e acima de A, o bloco B, também com massa m, é l
argado do repouso (ver figura). O coeficiente de atrito estático B é igual ao coefic
iente de atrito cinético. O bloco B desliza sobre o plano, acelerando uniformement
e, até sofrer uma colisão perfeitamente inelástica com A. Assumindo que a duração da colisã
é desprezível e que a força de contato entre os blocos é paralela ao plano inclinado e
desprezando a resistência do ar e o tamanho dos blocos, determine:
d) Dois objetos, muito distantes de quaisquer outros corpos, estão o primeiro a –120
oC e o segundo a –130 oC. Então, fluirá calor, que é a energia térmica, do objeto que está
a –120 oC. *e) O conceito de Energia está diretamente relacionado ao conceito de Tra
balho. Se uma pessoa tem de elevar um objeto qualquer até uma certa altura, o Plan
o Inclinado é uma maneira de ela realizar menos Trabalho que elevando o objeto ver
ticalmente.
(UNIMONTES/MG-2009.2) - ALTERNATIVA: C Uma bomba de 5,0 HP é usada para retirar água
de um poço cuja profundidade é 18 metros, sendo g = 10,0 m/s2, 1 HP = 750 W e a den
sidade da água igual a 1000 kg/m3. Se, em 7 horas de operação, foram retirados 420.000
litros de água, o rendimento da bomba foi de a) 50%. b) 20%. c) 80%. d) 60%.
a) a velocidade do bloco B, imediatamente antes da colisão; b) a velocidade dos bl
ocos A e B, imediatamente após a colisão; c) a força de contato entre os blocos A e B,
enquanto eles descem o plano inclinado juntos. As respostas devem ser dadas em
função de m, A, B, ,L e g.
japizzirani@gmail.com
89
(UFG/GO-2009.2) - RESPOSTA: a) h1 + F02.t02/(8.g.m2) b) 1,0 Um pêndulo constituido
de uma corda ideal de comprimento e de uma esfera de massa m, executa um movime
nto harmônico simples entre as alturas h1 e h3. Na posição 1, um impulso é aplicado por
uma força F variável perpendicular ao fio, de acordo com o gráfico da figura, em unida
des do Sistema Internacional de Unidades (SI). Despreze a resistência do ar.
(UNIMONTES/MG-2009.2) - ALTERNATIVA: D (RESOLUÇÃO NO FINAL) Um vagão de trem de compri
mento L possui, numa de suas extremidades, um canhão e uma grande quantidade de ba
las próximas a ele (veja a figura). O vagão está em repouso, mas pode deslocar-se livr
emente sobre um trilho plano e retilíneo. O canhão atira, para a direita, e as balas
permanecem dentro do vagão depois de se chocarem contra a parede, do lado oposto
ao do armamento.
Após lançar todas as balas, o canhão poderia deslocar-se, no máximo, de a) L/2. b) L/4.
c) L/3. *d) L. RESOLUÇÃO UNIMONTES-2009.2: ver figura abaixo m massa das balas M mas
sa do canhão + vagão Mt = M + m V velocidade do canhão + vagão v velocidade das balas es
paço percorrido pelo canhão + vagão em Dt = t S s espaço percorrido pela bala em Dt = t
Conservação da quantidade de movimento: MV = mv v = (M/m)V S = V.t e s = v.t (L = S
+ s) L = V.t + v.t = V.t + (M/m)V.t L = V.t[1+ (Mt -m)/m] L = V.t(Mt/m) M = Mt -
m L = S(Mt/m) portanto, quando m tender a Mt: S = L
a) Após a aplicação do impulso, calcule a altura h4 atingida pelo pêndulo. Expresse a re
sposta em função de F0, t0, h1, m e g. b) Calcule a razão entre os períodos de oscilação an
es e após a aplicação do impulso.
(UNIMONTES/MG-2009.2) - ALTERNATIVA: A A figura que se segue mostra a geometria
de uma colisão entre duas bolas de massas mA = 4 kg e mB = 3 kg. Ache os módulos dos
componentes da velocidade da bola de massa mA, nas direções x e y, respectivamente,
após a colisão. *a) (10 – 3 b) 3 c) (5 – d) 2 e e3 ) 2e3 2 ) 2e3 2 (UFG/GO-2009.2) - RE
SPOSTA: a) 350 W b) 31,5 N Em uma competição de ciclismo, as estratégias utilizadas pe
los ciclistas envolvem, principalmente, a execução do movimento com potência constante
e a eliminação, sempre que possível, dos efeitos da resistência por atrito e por arrast
e do ar. Com o vento favorável, o que equivale a anular a resistência do ar, um cicl
ista sobe uma ladeira, de inclinação 10o, com velocidade constante de 10 km/h e em u
ma reta, sem vento, o mesmo ciclista mantém a velocidade constante de 40 km/h. Dad
os: massa do ciclista + bicicleta = 70 kg g 10 m/s2 sen 10o 0,18 cos 10o 0,98 Co
nsiderando o exposto, calcule: a) a potência dispendida pelo ciclista; b) a intens
idade da força de resistência no trecho plano. (PUCMINAS-2009.2) - ALTERNATIVA: B Tr
abalho mecânico é feito quando: a) um objeto se move. *b) uma força move um objeto. c)
uma força é aplicada a um objeto. d) a energia não se conserva.
(UNIFAL/MG-2009.2) - ALTERNATIVA: A Conforme ilustrado na figura abaixo, um bloc
o de 1Kg é liberado a partir do repouso em um ponto A de uma descida, situado a um
a altura H de 8 m. O bloco desliza para baixo passando no ponto B com uma veloci
dade de 2m/s. O trabalho realizado pela força de atrito que atua sobre este bloco
durante o percurso do ponto A até B é: (Adote aceleração da gravidade g = 10 m/s2) *a) –78
J b) –80 J c) 78 J d) 80 J
japizzirani@gmail.com
90
(PUCRS-2009.2) - ALTERNATIVA: A A figura a seguir mostra a curva característica do
desempenho do motor de um carro modelo 1.0, relacionando a potência, em cavalo-va
por (cv), desenvolvida pelo referido motor e a rotação desse motor, em rotações por minu
to (rot/min). Considere 1cv = 735,5W.
Analisando os dados mostrados no gráfico e considerando que o motor do carro opera
na potência máxima, durante 10 s, desenvolvendo uma velocidade constante de 72 km/h
, o trabalho realizado pelo motor e a força média exercida por ele são, respectivament
e, de _________ e _________. 2,6 × 103 N *a) 5,1 × 105 J 2 b) 7,0 × 10 J 9,7 × 10–1 N 2 c)
7,0 × 10 J 3,5 × 100 N 6 d) 1,0 × 10 J 5,1 × 103 N 3 e) 1,4 × 10 J 7,0 × 100 N (UNIFAL/MG-
009.2) - ALTERNATIVA: B Considere duas partículas de massas m1 e m2 que se movem c
om velocidades de mesmo módulo em trajetórias distintas, sendo que m1 > m2, conforme
ilustrado abaixo. Após a colisão no ponto P, as partículas se grudam e passam a se mo
ver numa única trajetória. Sobre este movimento, após a colisão, a direção CORRETA está rep
entada: a) na letra a. *b) na letra b. c) na letra c. d) na letra d.
(PUCMINAS-2009.2) - ALTERNATIVAS: 35 B e 36 D As questões 35 e 36 referem-se ao te
xto a seguir. A ideia da conservação de algumas grandezas nas ciências é muito antiga.O
poeta romano Lucrécio (século I a.c) afirmava que nada pode mudar o conjunto das coi
sas porque não há lugar exterior para onde possa ir ou de onde possa vir qualquer es
pécie de coisa. Mais tarde, o cientista francês Antoine L. Lavousier (1743-1794) mos
trou através de experiências cuidadosas que a massa contida em qualquer sistema fech
ado permanece constante. Mas, em se tratando de movimento, a questão de sua conser
vação vai além de se conservar apenas a velocidade. Uma compreensão para a conservação do m
vimento surgiu junto com o conceito da grandeza denominada quantidade de movimen
to (p), definida inicialmente como uma grandeza escalar da seguinte forma: p = m
v em que m e v são respectivamente a massa e a velocidade escalar do objeto. Porém a
conservação da quantidade de movimento só se tornou possível depois que Newton lhe atri
buiu um caráter vetorial substituindo-a por p = mv (os negritos em p e v indicam q
ue são grandezas vetoriais). A partir daí, foi possível atribuir sinal (+/-) à quantidad
e de movimento bem como obter seus componentes no plano e no espaço, que são condições e
ssenciais para que a quantidade de movimento de um sistema antes e depois de uma
interação pudesse manter-se inalterada.
(GASPAR, Alberto. Física. Vol. Único. Manual do professor, pág.22)
QUESTÃO 35 (ALTERNATIVA: B) A figura mostra um objeto de massa m1 = 2kg, que desli
za sobre um superfície sem atrito com uma velocidade de 6m/s. O objeto colide com
um segundo corpo em repouso, de massa m2 = 4kg. A partir daí, os objetos passam a
se mover juntos em linha reta com uma velocidade Vc.
É CORRETO afirmar que a velocidade do conjunto é: a) Vc = 6 m/s *b) Vc = 2 m/s c) Vc
= 0,8 m/s d) Vc = 4 m/s QUESTÃO 36 (ALTERNATIVA: D) Se considerarmos que o movime
nto ocorre sem a presença de atrito, é CORRETO afirmar sobre a energia cinética do sis
tema: a) A energia cinética tem o mesmo valor antes e depois da colisão, ou seja, a
energia cinética se conserva. b) A energia cinética antes da colisão é menor que após a co
lisão. c) Não é possível aplicar o conceito de conservação de energia a esse caso. *d) A en
rgia cinética antes da colisão é maior que após a colisão. (ACAFE/SC-2009.2) - ALTERNATIVA
: D As leis da Física podem ser utilizadas para descrever os fenômenos que ocorrem n
a Natureza e para efetuar previsões, citandose as leis de conservação da energia mecânic
a e da quantidade de movimento. No choque entre dois móveis é possível prever a veloci
dade dos móveis, após o choque, utilizando-se o princípio de conservação da quantidade de
movimento (momento linear). Isto é garantido, se: a) a resistência do ar for desprez
ada. b) as forças dissipativas forem desprezadas. c) as forças de atrito forem despr
ezadas. *d) as forças externas forem desprezadas.
(PUCMINAS-2009.2) - ALTERNATIVA: A A figura mostra quatro situações em que uma força a
ge sobre um mesmo bloco apoiado sobre uma superfície de atrito desprezível. As forças
são iguais em módulo e, em cada caso, o bloco se desloca a uma distância x. O maior tr
abalho é realizado na situação: *a) A b) B c) C d) D
japizzirani@gmail.com
91
(UERJ/RJ-2009.2) - ALTERNATIVA: D Os esquemas abaixo mostram quatro rampas AB, d
e mesma altura AC e perfis distintos, fixadas em mesas idênticas, nas quais uma pe
quena pedra é abandonada, do ponto A, a partir do repouso.
(UFU/MG-2009.2) - ALTERNATIVA: C Numa estação de esqui, João está deslizando tranquilame
nte sobre uma superfície horizontal, sem atrito, com velocidade constante igual a
10 m/s. Em um dado instante, João é atingido por um enxame de vespas “gigantes”, cada um
a com massa igual a 10 g, que se deslocavam com velocidade média igual a 20 m/s no
sentido contrário ao de João. Maria, observando o acontecimento, nota que, após o cho
que entre João e o enxame de vespas, a velocidade de João cai para 8 m/s, e quase to
das as vespas que colidiram ficaram coladas no uniforme de João. Conhecendo a mass
a de João, 75 kg, rapidamente ela estimou a quantidade de vespas que se chocaram c
om João. Assinale a alternativa que melhor representa a estimativa de Maria. a) 35
0 b) 440 *c) 540 d) 750 (UTFPR-2009.2) - ALTERNATIVA: D Toda grandeza física pode
ser expressa matematicamente, em função de outras grandezas físicas, através da fórmula di
mensional. Utilizando-se dos símbolos dimensionais das grandezas fundamentais do S
.I., determine a fórmula dimensional da grandeza física potência. A alternativa corret
a é: a) M.L.T–1 b) M.L–2.T–3 c) M–1.L3.T–2 *d) M.L2.T–3 e) M.L.T–2 (UTFPR-2009.2) - ALTERNA
B Um jogador de futebol chuta uma bola de 400 g, inicialmente em repouso, e ela
sai com uma velocidade de 72 km/h. O tempo de contato entre o pé do jogador e a b
ola é de 0,02 s. Calcule a força média aplicada pelo pé do jogador sobre a bola. a) 10 k
gf *b) 400 N c) 20 kgf d) 144 N e) 28.8 N (UTFPR-2009.2) - ALTERNATIVA: E Uma cr
iança de 30 kg brinca de patins com seu pai de 70 kg. O pai está patinando com uma v
elocidade 0,50 m/s e a criança com 2,0 m/s, um em direção ao outro. Ao encontrar a cri
ança, o pai a segura. O que acontece fisicamente com os dois logo depois do abraço,
supondo que o pai continue segurando a criança nos braços e que mantenha o equilíbrio.
(Desconsidere o atrito). a) Os dois adquirem uma velocidade de 0,35 m/s no mesm
o sentido da velocidade da criança antes da colisão. b) Os dois adquirem uma velocid
ade de 0,95 m/s no mesmo sentido da velocidade do pai antes da colisão. c) Os dois
adquirem uma velocidade de 1,4 m/s no mesmo sentido da velocidade do pai antes
da colisão. d) Os dois adquirem uma velocidade de 3,2 m/s no mesmo sentido da velo
cidade da criança antes da colisão. *e) Os dois adquirem uma velocidade de 0,25 m/s
no mesmo sentido da velocidade da criança antes da colisão. (UTFPR-2009.2) - ALTERNA
TIVA: D Um bloco de massa 1 kg é lançado com velocidade v0 = 2,0 m/s para cima ao lo
ngo de um extenso plano inclinado a 45o. O bloco permanece em contato com o plan
o, de modo que o coeficiente de atrito entre ambos vale 0,6. Nestas condições, o blo
co sobe até uma posição limite e desce, retornando à posição de lançamento com velocidade v
1,0 m/s. O trabalho realizado pela força de atrito durante o movimento considerad
o é, em joules, igual a: a) – 1,0. b) – 0,5. c) – 2,0. *d) – 1,5. e) – 2,5.
Após deslizar sem atrito pelas rampas I, II, III e IV, a pedra toca o solo, pela p
rimeira vez, a uma distância do ponto B respectivamente igual a dI , dII , dIII e
dIV . A relação entre essas distâncias está indicada na seguinte alternativa: a) dI > dI
I = dIII > dIV b) dIII > dII > dIV > dI c) dII > dIV = dI > dIII *d) dI = dII =
dIII = dIV (UCS/RS-2009.2) - ALTERNATIVA: E Vampiro é um personagem de ficção, tradici
onal nos filmes de terror. Uma das formas de matar vampiros é expô-los à luz do Sol, p
orque pegam fogo. Um engenheiro, ao assistir a vários filmes a respeito, percebeu
que a energia da luz do Sol, que os mata, é bem menor do que a energia que os vamp
iros liberam na combustão. Isso os tornaria, se de fato existissem, uma fonte de e
nergia. Suponha que, ao receber uma desprezível quantidade de luz solar, um vampir
o libere 400 Joules por segundo durante meio minuto. Presumindo que toda a energ
ia liberada possa ser transformada em energia elétrica, quantos vampiros deveriam
ser queimados simultaneamente para alimentar uma fábrica com demanda de 600 000 W
durante meio minuto? a) 100 b) 400 c) 600 d) 1200 *e) 1500 (MACKENZIE-2009.2) -
ALTERNATIVA: E Uma esfera de 12,5 g de massa repousa sobre uma mola helicoidal,
comprimida e travada, conforme ilustra a figura 2. Sabe-se que a constante elástic
a da mola é k = 500 N/m e que em seu estado natural encontra-se como ilustrado na
figura 1. Desprezando-se qualquer resistência ao movimento, após destravar-se a mola
, a esfera atingirá uma altura máxima de ........................, em relação ao nível A e
, quando passar pelo ponto correspondente à metade desta altura, o módulo de sua qua
ntidade de movimento será........................... . As medidas que preenchem co
rretamente as lacunas acima são, respectivamente, a) 10 m e 2,8 kg.m/s. b) 2,5 m e
4,4 × 10–2 kg.m/s. c) 25 m e 140 kg.m/s. d) 50 m e 280 kg.m/s. *e) 5,0 m e 8,8 × 10–2 k
g.m/s. Dado: g = 10 m/s2
japizzirani@gmail.com
92
(VUNESP/FTT-2009.2) - ALTERNATIVA: A Uma das causas mais frequentes da procura d
o serviço médico de pronto-socorro por pais com crianças são as quedas e os acidentes do
mésticos. Considere, por exemplo, uma criança que corre a 3 m/s, quando, sem percebe
r que uma porta de vidro estava fechada, bate nela com a cabeça, recebendo da port
a uma força média de 900 N. Sabe-se que, nessas condições, depois de um intervalo de tem
po de 0,01 s, sua cabeça está parada em relação à porta. Se a mesma criança, com a mesma ve
ocidade, batesse sua cabeça contra uma porta almofadada que amortecesse o impacto,
parasse num intervalo de tempo dez vezes maior, pode-se afirmar que a força média a
plicada pela cabeça da criança na porta, na segunda situação, valeria, em N, *a) 90. b)
180. c) 900. d) 1 800. e) 9 000. (UDESC-2009.2) - RESPOSTA: a) 548,3 kJ b) 500 m
c) 8420 N A tabela abaixo apresenta algumas características de automóveis, segundo
seus fabricantes: potência do motor, massa, tempo mínimo que o veículo gasta para perc
orrer de 0 a 100 km/h e velocidade máxima que pode atingir. Considere os dados da
tabela.
(UDESC-2009.2) - RESPOSTA: a) 2508 N, 23o com a direção inicial e para cima b) 375 J
c) a força média tem a mesma direção da variação da velocidade. Uma bola de futebol de mas
a 0,5 kg desloca-se da direita para esquerda com velocidade de 10,0 m/s quando é c
hutada, deslocando-se com uma velocidade de 40 m/s em um ângulo de 30o para cima e
para direita, no mesmo plano da velocidade inicial. Considere: cos 30o = 0,9, s
en 30o = 0,5 e arctan 0,43 = 23o. a) Determine a força resultante média sobre a bola
. Considere o intervalo de colisão 0,01 s. b) Determine a variação da energia cinética d
a bola. c) Por que a velocidade final da bola não tem a mesma direção da força média que a
tua sobre ela? (UDESC-2009.2) - RESPOSTA: a) 10 m/s b) 5 N c) 25 J Um bloco de m
assa 0,50 kg é liberado, a partir do repouso, no ponto A do plano inclinado mostra
do na figura. Ao passar pelo ponto C, a energia mecânica do bloco é exatamente a met
ade de sua energia mecânica no ponto B. A superfície do plano inclinado entre os pon
tos A e C tem um comprimento total de 20,0 m. Há atrito entre o bloco e a superfície
somente a partir do ponto B, que se localiza exatamente no meio do plano inclin
ado. Dados: cos30o = 0,90; sen30o = 0,50; tan30o = 0,60; g = 10 m/s2
Em relação a isso: a) Calcule a energia fornecida pelo motor para acelerar o automóvel
A de 0 a 120 km/h, no menor tempo possível. b) Calcule a distância percorrida pelo
automóvel B até atingir sua velocidade máxima, no menor tempo possível. c) Depois de ati
ngir sua velocidade máxima, o automóvel C leva 2,5 s para parar completamente, após os
freios serem aplicados. Calcule a força exercida pelos freios sobre o veículo.
Calcule: a) A velocidade do bloco quando atinge o ponto B do plano inclinado. b)
A intensidade da força de atrito que atua sobre o bloco quando ele se desloca ent
re os pontos B e C do plano inclinado. c) O valor do trabalho realizado pela força
de atrito no plano horizontal para parar o bloco, após passar pelo ponto C.
(UDESC-2009.2) - RESPOSTA: a) 22,0 kJ em relação ao solo b) 14,83 m/s c) 11,0 m Em u
ma montanha-russa em construção, um carrinho de teste e massa igual a 200 kg passa p
elo ponto A, a 6,0 m de altura, com uma velocidade de 10 m/s, conforme ilustra a
figura abaixo. Fig 65 2009 ENR
(UDESC-2009.2) - RESPOSTA: a) 1000 N b) 2,0 kg.m/s c) 9,8 m/s Analise os seguint
es eventos mostrados na figura abaixo. I – Um bloco de material desconhecido, cuja
massa é 500 g e cujo comprimento horizontal é 0,80 m, está em repouso sobre uma super
fície horizontal lisa. Um projétil de massa 10 g, com velocidade horizontal de 500 m
/s, aproxima-se do bloco. II – O projétil penetra o bloco. III – O projétil atravessa co
mpletamente o bloco e deixa-o sem modificar sua trajetória horizontal. A velocidad
e do projétil na saída é 300 m/s. O bloco, após a saída do projétil, passa a moverse com ve
ocidade horizontal constante de 4,0 m/s.
Considerando que o atrito entre o carrinho e o trilho seja desprezível e que a ace
leração da gravidade seja igual a 10 m/s2, determine: a) a energia mecânica no ponto B
; b) o módulo da velocidade do carrinho no ponto C, que fica ao nível do solo; c) a
altura máxima que o carrinho poderá atingir até parar (ponto D).
Desprezando a variação na massa do bloco devido à passagem do projétil em seu interior,
a deformação do projétil, o atrito entre o bloco e a superfície horizontal, calcule: a)
o valor da força média de resistência à passagem do projétil através do bloco; b) a variaçã
quantidade de movimento do bloco; c) qual seria a velocidade final do sistema bl
oco+projétil, se o projétil ficasse encravado no bloco e não o atravessasse.
japizzirani@gmail.com
93
(UFMS-2009.2) - ALTERNATIVA: A Um atleta, ao terminar o pré-aquecimento em uma aca
demia, sobre uma esteira horizontal, analisa as informações indicadas no painel elet
rônico da esteira que indica o seguinte: Distância percorrida = 5,0 km; velocidade méd
ia = 20,0 km/h; calorias gastas pelo atleta = 200 kcal. Considere 1cal = 4,18 J,
e que toda a energia, gasta pelo atleta, foi para realizar trabalho sobre a est
eira a uma potência constante. Assinale a alternativa correta. *a) A força média, na d
ireção horizontal, aplicada na esteira pelo atleta, foi maior que 160 N. b) A potência
média realizada pelo atleta sobre a esteira, nesse aquecimento, foi maior que 1,0
Kw. c) A força média, na direção horizontal, aplicada na esteira pelo atleta, foi menor
que 160N. d) A potência média realizada pelo atleta sobre a esteira, nesse aquecimen
to, foi menor que 500W. e) O tempo que o atleta permaneceu sobre a esteira, em p
réaquecimento, foi de 30 minutos. (UFMS-2009.2) - RESPOSTA: SOMA = 025 (001+008+01
6) A linha contínua da figura representa a trajetória de uma bola após ser lançada obliq
uamente da origem de um referencial Oxy, com uma velocidade inicial Vo. A bola d
escreve uma trajetória parabólica e, em seguida, colide com o chão, no ponto x1, e, após
descrever uma nova trajetória parabólica que está contida no mesmo plano vertical da
trajetória anterior, colide novamente com o chão no ponto x2. A altura máxima h2, da s
egunda trajetória, é igual a um quarto da altura máxima h1, da primeira trajetória, e a
distância entre x1 e x2 é igual à metade da distância entre a origem O e x1. Considere a
aceleração da gravidade uniforme e o movimento da bola apenas de translação no plano da
página. Assinale a(s) afirmação(ões) correta(s).
(UNESP-2009.2) - ALTERNATIVA: C Um engenheiro pretende comprar um guindaste e ob
tém a tabela seguinte, que relaciona suas características técnicas:
Considerando a aceleração da gravidade local igual a 10 m/s2, o guindaste pesquisado
tem potência igual a a) 100 kW. b) 110 kW. *c) 120 kW. d) 130 kW. e) 140 kW. (UNE
SP-2009.2) - RESPOSTA: 2 × 104 degraus Os médicos costumam orientar que alguns hábitos
podem ser alterados no dia-a-dia, visando contribuir com a queima de mais calor
ias, por exemplo, subir escadas em vez de usar o elevador. Suponha que uma barra
de 100 gramas de chocolate forneça uma energia igual a 450 kcal e que toda a ener
gia fornecida pelo chocolate possa ser convertida em trabalho. Qual o menor número
de degraus de uma escada que uma pessoa, de massa 90 kg, deverá subir para gastar
a energia fornecida por 200 gramas de chocolate? Considere: a aceleração da gravida
de igual a 10 m/s2; a altura de um degrau igual a 20 cm e que 1 caloria é equivale
nte a 4 joules. (UNESP-2009.2) - RESPOSTA: = – 0,40 J A tabela relaciona as massas
que foram dependuradas na extremidade de uma mola e os diferentes comprimentos
que ela passou a ter, devido à deformação que sofreu.
(001) Se a trajetória é parabólica, então a interação do ar com a bola é desprezível. (002)
antidade de movimento da bola, na direção horizontal, não se conserva durante a colisão
da bola com o chão. (004) O tempo de queda da bola, na primeira trajetória parabólica,
é igual a um quarto do tempo de queda da segunda trajetória parabólica. (008) O solo
não aplica forças na bola na direção horizontal, durante a colisão. (016) A variação do vet
velocidade da bola possui a direção vertical e sentido para baixo durante a subida e
durante a descida em ambas as trajetórias. (UNESP-2009.2) - ALTERNATIVA: E Um car
rinho de supermercado, com massa total igual a 10 kg, está a uma velocidade V, qua
ndo colide frontalmente com outro carrinho de massa 50 kg, inicialmente em repou
so. Suponha que, imediatamente após a colisão, os dois carrinhos fiquem encaixados u
m ao outro, deslocando-se com velocidade de 0,50 m/s. Desprezando os atritos, de
termine o módulo da velocidade V antes da colisão. a) 1,0 m/s. b) 1,5 m/s. c) 2,0 m/
s. d) 2,5 m/s. *e) 3,0 m/s.
Determine o trabalho, em joules, realizado pela força elástica da mola quando deform
ada de 20 cm. Considere a mola ideal e admita a aceleração da gravidade igual a 10 m
/s2. (UFES-2009.2) - ALTERNATIVA: C Um bloco de massa m é lançado, por uma mola de c
onstante elástica k, ao longo de um trilho. O trilho faz um “loop” de raio R, como mos
tra a figura. Sendo qualquer forma de atrito desprezível, o menor comprimento de c
ompressão que deve sofrer a mola, para que o bloco não perca contato com o trilho, é d
e: a) b) *c) mgR 2k mgR k 5mgR k d) e) 2mgR k 5mgR k
japizzirani@gmail.com
94
(VUNESP/UFTM-2009.2) - RESPOSTA: a) 12 m/s b) 24 m Numa montanha coberta de neve
e inclinada de um ângulo em relação à horizontal, uma criança e seu trenó, somando 30 kg,
artem do repouso do ponto A, descem a montanha e param no ponto C, após passarem p
elo ponto B. No trecho AB, o atrito pode ser desprezado e, no trecho BC, o coefi
ciente de atrito entre o trenó e a neve é constante e vale 0,3.
(UECE-2009.2) - ALTERNATIVA: A Um objeto puntiforme desliza sob a ação da gravidade
sobre uma semi-esfera cuja seção plana é fixada ao solo. Considere que o objeto parte
do ponto mais alto, mediante a aplicação de uma perturbação muito pequena, de modo que s
e possa considerar como nula sua velocidade inicial. Considere desprezíveis todos
os atritos e suponha constante a aceleração da gravidade. No instante em que o objet
o perde contato com a semi-esfera, a fração da energia mecânica correspondente à energia
cinética é *a) 1/3. c) 1/2. b) 2/3. d) 1/4. (IFSP-2009.2) - ALTERNATIVA: C Usando o
princípio de conservação da energia mecânica, determine a que altura acima do solo, um
corpo de massa m, abandonado de uma altura H, sob ação exclusiva do campo gravitacio
nal terrestre g, terá metade da velocidade com que atingirá o solo, e assinale a alt
ernativa que corresponde ao resultado. a) H 2. b) 2H 3. *c) 3H 4. d) H 4. e) H 2
.
Adotando-se g = 10m/s2, sen = 0,6, cos = 0,8 e desconsiderando-se a resistência do
ar, determine: a) a máxima velocidade atingida pela criança no trecho ABC. b) a dis
tância total percorrida pelo trenó, desde a partida em A até a parada em C. (UECE-2009
.2) - ALTERNATIVA: A Duas massas puntiformes se chocam frontalmente. Uma delas t
em velocidade inicial de módulo V e massa M, e a outra tem velocidade inicial nula
e massa m. Considere o caso em que a massa m pode ser considerada desprezível se
comparada à massa M. Nessa situação, o módulo da velocidade final da menor massa, após o c
hoque, é Observação: Considere o choque perfeitamente elástico. *a) 2V. b) V. c) V/2. d)
V/4. (UEM/PR-2009.2) - RESPOSTA: SOMA = 08 (08) Duas massas m1 e m2 estão inicial
mente em repouso, sobre uma superfície horizontal sem atrito, como ilustra a figur
a abaixo. São aplicadas em cada uma delas uma força constante F, até atingirem o final
do plano horizontal, na posição B da figura. Nessa posição, as forças são removidas e, dec
rrido um tempo t de queda, as massas atingem o solo. Considere que m2 = 2m1, des
preze a resistência do ar e assinale o que for correto.
(UFPel-2009.2) - ALTERNATIVA: E Uma pedra com 10 g de massa é lançada verticalmente
para cima a partir do alto de uma torre de 25 m de altura, com velocidade de 20,
0 m/s. Desprezando a resistência do ar e considerando g = 10 m/s2, é correto afirmar
, em relação à pedra, que: a) no ponto mais alto da trajetória, sua aceleração era nula e s
a energia cinética era máxima. b) a distância percorrida em 4 s foi de 15 m e sua ener
gia potencial era máxima nesse instante. c) em menos de 5 s ela atingiu o solo e,
nesse instante, sua energia mecânica era igual a sua energia potencial. d) ela per
correu uma distância de 45 m enquanto esteve no ar e sua energia cinética era máxima n
o ponto mais alto da trajetória. *e) em 4 s seu deslocamento foi nulo e sua energi
a potencial era igual à do instante do lançamento. (UFLA/MG-2009.2) - ALTERNATIVA: D
Um corpo de massa 10 kg é lançado veticalmente com v0 = 10 m/s, voltando no ponto d
e lançamento com velocidade de 9 m/s. Sabendo-se que sobre esse corpo atuam as força
s peso e de resistência do ar, o trabalho realizado pela força de resistência do ar é: a
) 0 J b) 9,8 J c) 81 J *d) 95 J (UFLA/MG-2009.2) - ALTENATIVA: B O gráfico abaixo
representa a potência em função do tempo com que o trabalho da força resultante atua sob
re um corpo de massa 10 kg. Considerando que, no instante t0 = 0 s, o corpo tem
velocidade de 5 m/s, no instante t = 10 s, sua velocidade será de: a) 5 m/s *b) 15
m/s c) 5 m/s d) 9,8 m/s
01) Ao atingirem a posição B, as velocidades das massas são iguais. 02) Ao atingirem a
posição B, as acelerações das massas são iguais. 04) Até atingirem a posição B, as massas
eram o mesmo impulso. 08) Até atingirem a posição B, o trabalho realizado pela força F é o
mesmo para as massas. 16) As massas atingem o solo ao mesmo tempo.
japizzirani@gmail.com
95
MECÂNICA: GRAVITAÇÃO
VESTIBULARES 2009.1
VESTIBULARES 2009.2 PÁG. 101
(VUNESP/UNINOVE-2009.1) - ALTERNATIVA: C A massa da Terra é da ordem de 6.1024 kg
e a constante de gravitação universal vale 6,7.10–11 N.m2/kg2. Uma nave espacial orbit
a ao redor da Terra com velocidade 2. órbita dessa nave é, em m, de a) 2.105. d) 2.1
08. 6 b) 2.10 . e) 2.109. 7 *c) 2.10 . .103 m/s. O raio da
(VUNESP/UNICID-2009.1) - ALTERNATIVA: D Caso a Terra, por um motivo desconhecido
, tivesse a distância entre ela e o Sol quadruplicada, para manter uma órbita estável,
teria seu período de translação e sua velocidade de translação multiplicados, respectivam
ente, por a) 2 e 1/2. b) 4 e 4. c) 4 e 16. *d) 8 e 1/2. e) 8 e 4. (UFERJ/UNIRIO-
2009.1) - ALTERNATIVA: B “Como é que um corpo interage com outro, mesmo à distância?” Com
o desenvolvimento da idéia d Campo Gravitacional criado por uma massa, passou a se
explicar a força de atração gravitacional com mais clareza e melhor entendimento: uma
porção de matéria cria em torno de si um campo gravitacional, onde cada ponto é associa
do um vetor aceleração da gravidade. Quando um outro corpo é colocado neste ponto, pas
sa a sofrer a ação de uma força de origem gravitacional. PRIMEIRA FIGURA
(UDESC-2009.1) - ALTERNATIVA: B A aceleração da gravidade na superfície do planeta Mar
te é aproximadamente 4,0 m/s2. Considere: MTerra = 6 × 106 kg, RTerra = 6,4 × 106 m e
G = 6,7 × 10–11 Nm2/kg2. Calcule a que altura da superfície da Terra deve estar uma pe
ssoa com massa de 100,0 kg, para ter o mesmo peso que teria na superfície de Marte
. a) 1,0 x 107 m *b) 3,6 x 106 m c) 4,0 x 1014 m d) 6,4 x 106 m e) 1,36 x 107 m
(UFCG/PB-2009.1) - ALTERNATIVA OFICIAL: D Recentemente confirmou-se a existência d
o exoplaneta HD74156d pertencente ao Sistema HD74156 na constelação de Hydra. Exopla
netas são corpos em órbita de estrelas fora do Sistema Solar e com órbitas permanentes
. Trata-se do primeiro planeta teoricamente previsto desde a descoberta de Netun
o em 1840. Veja o quadro que apresenta algumas características das órbitas para três d
os exoplanetas do sistema, incluindo o HD74156d:
Idéia semenhante se aplica para o campo elétrico gerado por uma carga Q, com uma car
ga de prova q colocada num ponto P. próxima a Q, que sofre a ação de uma força elétrica F.
SEGUNDA FIGURA
TERCEIRA FIGURA
Com base nas informações, pode-se afirmar que a) dos três planetas, o c é o que tem uma ór
bita cuja forma mais se aproxima de uma circunferência. b) o valor de X, no quadro
, é, certamente, menor que 0,29 UA. c) como o semi-eixo maior da órbita do planeta d
é 3,4 vezes o semi-eixo maior da órbita do planeta b, o valor de W, no quadro, é 3,4
vezes 1,1 x 105 dia2/(UA)3. *d) o valor 1,1 x 105 dia2/(UA)3 é próximo do valor para
o Sistema Solar. e) o valor de X, no quadro, é comparável com o semi-eixo maior da ór
bita da Terra em torno do Sol.
Com relação às três figuras, na ordem em que elas aparecem e, ainda com relação ao texto en
nciado, analise as afirmativas abaixo. I - Para que o corpo de massa m seja atra
ido pela Terra, é necessário que ele esteja eletrizado. II - Para que a carga elétrica
q da segunda figura seja submentida à força indicada, é necessário que ela esteja carre
gada positivamente. III - Se o corpo de massa m, da primeira figura, estiver neg
ativamente carregado, ele sofrerá uma força de repulsão. IV - Não importa a carga do cor
po de massa m, da primeira figura, matéria sempre atrai matéria na razão inversa do pr
oduto de suas massas. V - A carga elétrica q, na terceira figura, com toda certeza
é negativa. Pode-se afirmar que a) somente IV é verdadeira. *b) somente II e V são ve
rdadeiras. c) somente II, III e V são verdadeiras. d) somente I e IV são verdadeiras
. e) todas são verdadeiras.
96
(UFTM-2009.1) - ALTERNATIVA: C Com respeito às leis de Kepler, é correto dizer que a
) as velocidades vetoriais dos planetas em torno do Sol são constantes. b) a forma
elíptica da trajetória de um planeta qualquer depende da trajetória do que o antecede
. *c) o período de translação de um planeta e a distância média do planeta ao Sol relacion
am-se não linearmente. d) quanto mais perto do Sol estiver um planeta em relação aos d
emais, maior será seu período de translação. e) um planeta possui maior velocidade escal
ar quando está mais afastado do Sol. (UTFPR-2009.1) - ALTERNATIVA: B Dentre as alt
ernativas a seguir, assinale aquela que apresenta um conceito errôneo sobre o estu
do do Campo Gravitacional. a) Um corpo de massa m gera a sua volta um campo grav
itacional. *b) O campo gravitacional terrestre varia com a altitude, porém não obser
vamos a mesma variação com a latitude. c) A força gravitacional é uma força de campo, ou s
eja, existe sem a necessidade de contato entre os corpos. d) Embora não possamos v
er ou tocar o campo gravitacional, podemos sentir seus efeitos. e) A Terra não é per
feitamente esférica, sendo REQUADOR > RPOLOS, conseqüentemente gEQUADOR < gPOLOS. (P
UCSP-2009.1) - ALTERNATIVA: D Fig 17 2009 GRA
(UEM/PR-2009.1) - RESPOSTA: SOMA = 07 (01+02+04) Um corpo, solto próximo à superfície
da Terra, está sujeito à ação da força gravitacional oriunda da interação Terra-corpo. Com
e nessa afirmação, assinale o que for correto. 01) A força de reação, devido à atração grav
onal que a Terra exerce sobre o corpo, é a força de natureza gravitacional com que o
corpo atrai a Terra. 02) O campo gravitacional da Terra é representado pelo vetor
campo gravitacional g, que pode ser considerado constante quando medido ao nível
do mar. 04) A terceira lei de Kepler estabelece que o quadrado do período de revol
ução de um planeta em órbita do Sol é diretamente proporcional ao cubo do raio médio de su
a órbita. 08) Se colocarmos o corpo sobre uma mesa, ao nível do mar, a força de reação à fo
peso do corpo será a força normal originada do contato entre o corpo e a mesa. 16)
Um corpo colocado ora na superfície da Terra ora na superfície da Lua apresentará o me
smo peso e a mesma massa. (UEPB-2009.1) - ALTERNATIVAS: 24 D e 25 C Leia o texto
II para responder às questões 24 e 25. Texto II Fig 19 2009 GRA
Visão panorâmica do Sistema Solar
Garfield, com a finalidade de diminuir seu peso, poderia ir para quais planetas?
Considere a tabela a seguir e gTerra = 9,8m/s2, MT = Massa da Terra e RT = Raio
da Terra: Em 24 de agosto de 2006, sete astrônomos e historiadores reunidos na XX
VI Assembléia Geral da União Astronômica Internacional (UAI), em Praga, República Tcheca
, aprovaram a nova definição de planeta. Plutão foi reclassificado, passando a ser con
siderado um planeta anão. Após essa assembléia o Sistema Solar, que possuía nove planeta
s passou a ter oito.
(Adaptado de Mourão, R. R. Freitas. Plutão: planeta-anão. Fonte: www.scipione.com.br m
ostra_artigos.)

24 QUESTÃO - ALTERNATIVA: D Sabendo que a distância média da órbita da Terra é 1,5 x 1011
, e a de Plutão é 60 x 1011 m, e que a constante K é a mesma para todos os objetos em ór
bita do Sol, qual o período de revolução de Plutão em torno do Sol em anos terrestres? (
Expresse o resultado de forma aproximada como um número inteiro. Dado 3,2) a) 270
b) 260 c) 280 *d) 256 e) 250 =
a) Marte, Urano e Saturno b) Vênus, Urano e Netuno c) Marte, Vênus e Saturno *d) Mer
cúrio, Vênus e Marte e) Mercúrio, Vênus e Júpiter (UFPR-2009.1) - RESPOSTA NO FINAL A revo
lução na Astronomia teve início no século 16, quando o astrônomo polonês Nicolau Copérnico
u” a Terra do centro do Universo e a fez girar, assim como os demais planetas, ao
redor do Sol. Mas foi o alemão Johannes Kepler, assistente do astrônomo dinamarquês Ty
cho Brahe, quem descobriu as leis que regem os movimentos dos planetas ao redor
do Sol, que são: a lei das órbitas, a lei das áreas e a lei dos períodos. Enuncie corret
amente a lei das áreas e explique qual a principal consequência dessa lei no movimen
to dos planetas. RESPOSTA UFPR-2009.1: Lei das áreas: as áreas varridas pelos raios
vetores que unem o Sol aos planetas são diretamente proporcionais aos tempos gasto
s no trecho considerado Principal consequência: a velocidade do planeta em relação ao
Sol é maior no periélio que no afélio.

25 QUESTÃO - ALTERNATIVA: C Acerca do assunto tratado no texto II, tendo como base
a história dos modelos cosmológicos (gravitação), assinale a alternativa correta. a) A s
egunda Lei de Kepler assegura que o módulo da velocidade de translação de um planeta e
m torno do Sol é constante. b) Copérnico afirma, em seu modelo, que os planetas gira
m ao redor do Sol descrevendo órbitas elípticas. *c) Segundo Newton e Kepler a força g
ravitacional entre os corpos é sempre atrativa. d) Tanto Kepler como Newton afirma
ram que a força gravitacional entre duas partículas é diretamente proporcional ao prod
uto de suas massas e inversamente proporcional ao cubo da distância entre elas. e)
O modelo heliocêntrico de Ptolomeu supunha a Terra como o centro do Universo e qu
e todos os demais astros, inclusive o Sol, giravam ao redor dela fixos em esfera
s invisíveis cujos centros coincidiam com a Terra.
97
(UERJ-2009.1) - RESPOSTA: dmín = 3c2 (8 GR2) Leia as informações a seguir para a solução d
esta questão. O valor da energia potencial, Ep, de uma partícula de massa m sob a ação d
o campo gravitacional de um corpo celeste de massa M é dado pela seguinte expressão:
EP = GmM r
Nessa expressão, G é a constante de gravitação universal e r é a distância entre a partícul
o centro de massa do corpo celeste. A menor velocidade inicial necessária para qu
e uma partícula livre-se da ação do campo gravitacional de um corpo celeste, ao ser la
nçada da superfície deste, é denominada velocidade de escape. A essa velocidade, a ene
rgia cinética inicial da partícula é igual ao valor de sua energia potencial gravitaci
onal na superfície desse corpo celeste. Buracos negros são corpos celestes, em geral
, extremamente densos. Em qualquer instante, o raio de um buraco negro é menor que
o raio R de um outro corpo celeste de mesma massa, para o qual a velocidade de
escape de uma partícula corresponde à velocidade c da luz no vácuo. Determine a densid
ade mínima de um buraco negro, em função de R, de c e da constante G. (VUNESP/FAMECA-2
009.1) - ALTERNATIVA: C Considere um satélite natural de massa m em órbita circular
estável, de raio R, ao redor de um planeta de massa M. G é a constante de gravitação uni
versal. A energia cinética desse satélite pode ser expressa por a) G.M/2.R. b) G.M/2
.R2. *c) G.M.m/2.R. d) G.M.m/2.R2. e) G.m/2.R. (PUCRS-2009.1) - ALTERNATIVA: D U
m satélite geoestacionário é um tipo especial de satélite que orbita no plano do equador
terrestre, e que permanece em repouso em relação a um observador em repouso em relação à
Terra. Para um observador que do espaço observasse a Terra e o satélite girando, I.
o sentido de rotação do satélite seria contrário ao da Terra. II. o período de rotação do s
te seria o mesmo da Terra. III. a velocidade angular do satélite seria a mesma da
Terra. IV. a força centrípeta exercida sobre o satélite seria menor do que o seu peso
na superfície da Terra. As alternativas corretas são, apenas, a) I e II. b) II e IV.
c) I, II e III. *d) II, III e IV. e) I, III e IV. (UNESP-2009.1) - RESPOSTA: g
7,97 m/s2 Desde maio de 2008 o IBAMA recebe imagens do ALOS (satélite de observação av
ançada da Terra) para monitorar o desmatamento na floresta Amazônica. O ALOS é um satéli
te japonês que descreve uma órbita circular a aproximadamente 700 km de altitude. São
dados o raio e a massa da Terra, rT = 6 400 km e M = 6,0—10 24 kg, respectivamente
, e a constante gravitacional, G = 6,7—10–11 N—m2/kg2. Determine o módulo da aceleração da
ravidade terrestre, em m/s2, na altitude em que esse satélite se encontra.
(ITA-2009.1) - ALTERNATIVA: C Desde os idos de 1930, observações astronômicas indicam
a existência da chamada matéria escura. Tal matéria não emite luz, mas a sua presença é inf
rida pela influência gravitacional que ela exerce sobre o movimento de estrelas no
interior de galáxias. Suponha que, numa galáxia, possa ser removida sua matéria escur
a de massa específica > 0, que se encontra uniformemente distribuída. Suponha também q
ue no centro dessa galáxia haja um buraco negro de massa M, em volta do qual uma e
strela de massa m descreve uma órbita circular. Considerando órbitas de mesmo raio n
a presença e na ausência de matéria escura, a respeito da força gra vitacional resultant
e F exercida sobre a estrela e seu efeito sobre o movimento desta, pode-se afirm
ar que a) F é atrativa e a velocidade orbital de m não se altera na presença da matéria
escura. b) F é atrativa e a velocidade orbital de m é menor na presença da matéria escur
a. *c) F é atrativa e a velocidade orbital de m é maior na presença da matéria escura. d
) F é repulsiva e a velocidade orbital de m é maior na presença da matéria escura. e) F é
repulsiva e a velocidade orbital de m é menor na presença da matéria escura.
(UNIFESP-2009.1) - ALTERNATIVA: C Estima-se que o planeta Urano possua massa 14,
4 vezes maior que a da Terra e que sua aceleração gravitacional na linha do equador
seja 0,9g, em que g é a aceleração gravitacional na linha do equador da Terra. Sendo R
U e RT os raios nas linhas do equador de Urano e da Terra, respectivamente, e de
sprezando os efeitos da rotação dos planetas, RU / RT é a) 1,25. b) 2,5. *c) 4. d) 9.
e) 16.
(EAFI/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: A Isaac Newton, ao propor a lei da gravitação univer
sal, imaginou que a força que atrai uma maçã e a faz cair no solo é a mesma que mantém a L
ua em sua órbita. Acerca da(s) força(s) que mantêm o movimento da Lua ao redor da Terr
a podemos afirmar, exceto: *a) existem duas forças que mantêm a Lua em sua órbita, a f
orça centrípeta e a força de atração gravitacional. b) a força gravitacional entre a Terra
a Lua pode ser calculada pela fórmula F = mV2 /R onde m  é a massa da Lua, V  sua
velocidade média ao redor da Terra e R  o raio de sua órbita. c) a força centrípeta qu
e mantém a Lua em órbita em volta da Terra é igual à força gravitacional entre elas. d) po
de-se igualar a força centrípeta dada pela pela expressão F = mV2/ R com a força gravita
cional dada pela expressão F = G mTerra.mLua / d2 e) através da força centrípeta, que é fi
sicamente a força gravitacional em se tratando do movimento Terra-Lua, pode-se cal
cular a velocidade média do satélite natural do nosso planeta.
(UFV/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: B A massa e o raio de um planeta A são duas vezes m
aiores que os de um planeta B. É CORRETO afirmar que a razão entre as acelerações da gra
vidade na superfície dos planetas A e B (gA/gB) é: a) 2 *b) 1/2 c) 1/4 d) 4
98
(UFV/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: B A massa da Terra é 81,22 vezes maior que a massa
da Lua. Com relação ao módulo da força gravitacional que a Terra exerce sobre a Lua, FT
L, e ao módulo da força gravitacional que a Lua exerce sobre a Terra, FL T, é CORRETO
afirmar que: a) FT L = 81,22FL T *b) FT L = FL T c) FT L = (81,22)2FL T d) FT L
= FL T / (81,22)2 (CEFETSP-2009.1) - ALTERNATIVA: D É sabido que o movimento das águ
as, devido às marés oceânicas, pode ser aproveitado na geração de energia elétrica de uma f
rma limpa e auto-sustentável. O movimento de subida e descida das águas pode acionar
uma turbina e gerar energia elétrica. Isso ocorre nas chamadas usinas maremotrize
s. Em algumas regiões de baías e de estuários do planeta, a diferença entre a maré alta e
baixa pode chegar a 15 metros. As marés oceânicas resultam a) da dilatação térmica sofrida
pela água, devido ao seu aquecimento. b) do movimento oscilatório natural da água do
mar. c) da energia transportada por grandes ondas que surgem periodicamente em a
lto-mar. *d) da atração gravitacional exercida pela Lua e pelo Sol. e) de freqüentes a
tividades sísmicas que ocorrem no relevo marinho devido à acomodação de placas tectônicas.
(UFPel/RS-2009.1) - ALTERNATIVA: E Johannes Kepler, famoso astrônomo alemão, estudou
os dados das observações do astrônomo dinamarquês Tycho Brahe para entender o movimento
dos corpos celestes. Como resultado desse estudo que durou 17 anos, Kepler desc
obriu as três leis sobre o movimento dos planetas. Analise as leis abaixo. I. “Qualq
uer planeta gira em torno do Sol, descrevendo uma órbita elíptica, da qual o Sol ocu
pa um dos focos”. II. “A reta que une um planeta ao Sol varre áreas iguais em tempos i
guais”. III. “Os quadrados dos períodos de revolução dos planetas são proporcionais aos cub
s dos raios de suas órbitas”. Corresponde(m) corretamente às Leis de Kepler a) I e II
apenas. b) I e III apenas. c) II e III apenas. d) apenas a I. *e) I, II e III. (
CEFETPI-2009.1) - ALTERNATIVA: E As Leis de Kepler descrevem os movimentos dos p
lanetas de nosso sistema solar, tomando o Sol como referencial. A respeito desta
s leis é correto afirmar que: a) as órbitas dos planetas são elípticas e o Sol se locali
za no centro. b) o segmento imaginário que une o centro do Sol e o centro do plane
ta varre áreas não proporcionais aos intervalos de tempo dos percursos. c) as órbitas
dos planetas são circulares e o Sol se localiza no centro. d) o cubo do período de r
evolução de cada planeta em torno do Sol é diretamente proporcional ao quadrado da dis
tância média desse planeta ao Sol. *e) o quadrado do período de revolução de cada planeta é
diretamente proporcional ao cubo do raio médio da respectiva órbita. (UFLA/MG-2009.1
) - ALTERNATIVA: D Existem milhares de corpos gravitando em torno da Terra, desd
e lixo até estações espaciais. Pode-se afirmar que a velocidade orbital desses corpos
a) é tanto maior quanto maior for sua altitude. b) depende de sua massa e da massa
da Terra. c) independe da massa da Terra. *d) independe de sua massa. (UFPB-200
9.1) - ALTERNATIVA: B Duas partículas de massas iguais a m estão localizadas em vértic
es opostos de um quadrado de lado d. Duas outras partículas, , estão localizadas nos
outros dois com massas iguais a m. vértices desse quadrado. Nessa situação, o módulo da
força gravitacional que age sobre uma das partículas de maior massa é dado por: a) Gm
2 d
2
(VUNESP/FMJ-2009.1) - ALTERNATIVA: C O planeta Urano, descoberto em 1781, aprese
nta como peculiaridade, o fato de seu eixo de rotação ser praticamente paralelo ao p
lano de sua órbita, ou seja, é um planeta “deitado”. O raio de Urano é 4 vezes maior do qu
e o raio da Terra, e sua massa é aproximadamente 16 vezes maior que a da Terra. Se
ndo gU e gT as intensidades dos campos gravitacionais criados por Urano e pela T
erra em suas respectivas superfícies, pode-se afirmar que a) gU = (1/4) gT. b) gU
= (1/2) gT. *c) gU = gT. d) gU = 2 gT. e) gU = 4 gT. (VUNESP/UNICISAL-2009.1) -
ALTERNATIVA: B Uma nave espacial, de 2 000 kg de massa, desloca-se em órbita circu
lar ao redor da Terra a 13 600 km acima da superfície terrestre. Considere o raio
terrestre com o valor 6 400 km, a massa da Terra 6.1024 kg e a constante de grav
itação universal 6,7.10–11 N.m2/kg2. A energia cinética dessa nave vale, em joules, apro
ximadamente, a) 2 × 109. *b) 2 × 1010. c) 4 × 109. d) 4 × 1010. e) 8 × 109. (CEFETPI-2009.
1) - ALTERNATIVA: A Certo planeta hipotético tem uma massa três vezes maior que a ma
ssa da Terra e o raio duas vezes menor que o raio da Terra. Considerando que a a
celeração da gravidade na superfície da Terra é g = 10 m/s2, o peso de um corpo de massa
m = 2,0 kg na superfície desse planeta vale: *a) 240 N d) 2,4 N b) 2,0 N e) 24 N
c) 200 N
(2
+ 1)
d) 2
Gm 2 d2
*b) 3
Gm 2 d
2
e)
3 Gm 2 2 d2
2 c) Gm 2 d (UCG/GO-2009.1) - RESPOSTA: AFIRMAÇÃO CORRETA Notícias de vida e morte nos
chegam diariamente pelas imagens da televisão, pelas ondas de rádio, pelos cabos da
internet, pelas fibras ópticas das redes de telecomunicações, etc. Considere a afirmação
abaixo e diga se ela é CORRETA ou FALSA. Os sinais de TV são retransmitidos por satéli
tes geoestacionários, cujo período de rotação em torno da Terra é de 24 h. Para tais satéli
es a razão entre o quadrado do seu período de rotação pelo cubo do raio de suas órbitas ci
rculares em torno da Terra é constante. O raio de uma órbita geoestacionária deve ser
superior a 35 mil quilômetros. Considere G = 6,67 × 10–11 Nm2/kg2; T = 86,4 × 103 s; MTe
rra= 6 × 1024 kg e RTerra= 6.400 km.
99
(UFJF/MG-2009.1) - RESPOSTA: a) 1,92×1027kg b) 6,45dias O ano de 2009 será o Ano Int
ernacional da Astronomia, em homenagem aos 400 anos da primeira utilização de um tel
escópio para observações astronômicas, feitas por Galileu Galilei. Dentre suas principai
s descobertas, estão o relevo na Lua e a existência de satélites no planeta Júpiter. Gal
ileu observou Júpiter, durante vários dias em janeiro de 1610, e notou que quatro ob
jetos celestes acompanhavam o planeta dançando em torno dele. Sabe-se, hoje, que e
sses objetos são satélites do planeta. A tabela abaixo indica o raio da órbita dos satél
ites e o tempo que eles demoram para dar uma volta completa em torno de Júpiter. P
ara resolver esse problema, você precisará da terceira lei de Kepler, que afirma que
o quadrado do período de revolução é proporcional ao cubo do raio da órbita. A constante
de proporcio8 × 1010 kg — dias2 , em que M M km 3 é a massa de Júpiter em quilogramas. n
alidade pode ser escrita como
(UECE-2009.1) - ALTERNATIVA: C A velocidade alveolar de um planeta que descreve
uma trajetória praticamente circular de raio R em torno do Sol, com período de trans
lação T, é, aproximadamente, igual a R T 2 R b) T a) R2 T 2 d) 4 R T *c)
(UECE-2009.1) - ALTERNATIVA: B Considerando que o diâmetro da Lua é, aproximadamente
, 4 vezes menor que o da Terra, e que a densidade da Lua é, aproximadamente, 2 vez
es menor que a densidade da Terra. Considerando que ambas, a Terra e a Lua, seja
m esféricas e com densidades uniformes, a aceleração da gravidade na superfície da lua é,
aproximadamente, igual a a) 1 8 da aceleração da gravidade na superfície da Terra. *b)
1 32 da aceleração da gravidade na superfície da Terra. c) 1 64 da aceleração da gravidad
e na superfície da Terra. d) 1 128 da aceleração da gravidade na superfície da Terra. (U
ESPI/PI-2009.1) - ALTERNATIVA: A Uma partícula é lançada verticalmente, a partir da su
perfície de um planeta, com velocidade igual à velocidade de escape, ve, daquele pla
neta. Desprezando os atritos e a influência de outros planetas e estrelas, o módulo
da velocidade desta partícula a uma distância infinita do planeta de origem é igual *a
) a zero. b) a ve 2 c) à velocidade da luz. d) a 2ve e) a infinito. (UFES-2009.1)
- ALTERNATIVA OFICIAL: D Com a finalidade de monitorar o desmatamento na Florest
a Amazônica, deseja-se colocar em órbita um satélite de massa m a uma altitude h. Se o
raio da Terra é R, o período de rotação do satélite é a) 2 h R b) 2 c) R+h g R+h g R g R+h
g g R+h
Satélite Io Europa Ganimedes Calisto
Raio da órbita (km) 421,6 × 103 670 × 103 1000 × 103 1883 × 103
Período (dias) 1,77 3,55 ? 16,69
A relação linear entre o quadrado do período dos satélites e o cubo de suas distâncias a Jú
iter é representada no gráfico a seguir. Fig 50 2009 GRA
Note que os números da abscissa do gráfico encontram-se multiplicados pelo fator 101
8.
a) A partir das informações do texto e do gráfico, calcule o valor aproximado da massa
de Júpiter. b) A partir das informações do gráfico e da tabela, calcule o valor aproxim
ado do período de revolução de Ganimedes. (UFPB-2009.1) - RESPOSTA: I, II e IV Em uma
aula sobre Gravitação, um professor de Física propõe aos seus alunos analisarem o sistem
a constituído por um planeta de massa m e raio r, o qual se encontra em órbita circu
lar de raio R0 em torno de uma estrela de raio R e massa M. Com o objetivo de av
aliar os conhecimentos desses alunos acerca do assunto, o professor elabora as a
firmativas abaixo. Considerando R0 >> R + r, dentre essas afirmativas, identifiq
ue as corretas: I. Se a massa do planeta fosse 2m, o período de rotação não se alteraria
. II. Se o raio do planeta fosse 2r, o período de rotação não se alteraria. III. Se o ra
io da órbita fosse 2R0, o período de rotação não se alteraria. IV. Se o raio da estrela fo
sse 2R, o período de rotação não se alteraria. V. Se a massa da estrela fosse 2M, o períod
o de rotação não se alteraria.
2 (R + h) R 2 (R + h) R 2 (R + h) R
*d)
e)
100
VESTIBULARES 2009.2
(UNEMAT/MT-2009.2) - ALTERNATIVA: B Na superfície da terra, a aceleração da gravidade é
de aproximadamente 9,8 m/s2. Um ponto situado a uma altura de 8.RT (RT = raio da
terra) tem a aceleração da gravidade aproximadamente de: a) 0,25 m/s2 *b) 0,12 m/s2
c) 0,75 m/s2 d) 2,5 m/s2 e) 6,53 m/s2
(UNIMONTES/MG-2009.2) - ALTERNATIVA: D Sobre a superfície da Terra, o valor da ace
leração da gravidade, g, pode ser calculado através da expressão g = GM/R2 , sendo G a c
onstante gravitacional, M a massa e R o raio da Terra, respectivamente. Em muito
s problemas, como os de queda livre, por exemplo, consideramos o valor de g cons
tante. Essa consideração é CORRETA quando a) a massa do corpo envolvido no problema é pe
quena em relação à massa da Terra. b) as dimensões do corpo envolvido no problema são pequ
enas em relação às dimensões da Terra. c) utilizamos o conceito de objeto pontual e conc
entramos toda a massa do corpo em seu centro de massa. *d) a altura do corpo env
olvido no problema, em relação ao solo, é muito pequena se comparada ao raio da Terra.
(PUCPR-2009.2) - ALTERNATIVA: A Um astrônomo observa uma pequena lua que orbita u
m planeta. Através das imagens obtidas pelo telescópio, ele pôde medir o diâmetro da órbit
a circular e o tempo que essa lua leva para ir de um ponto diametralmente oposto
a outro da órbita. Com base nos dados obtidos pelo astrônomo, analise as afirmativa
s: I. O período da órbita da lua pode ser determinado. II. A velocidade escalar média
com que a lua se movimenta em torno do planeta pode ser determinada. III. A mass
a do planeta pode ser determinada. IV. A massa da lua pode ser determinada. Assi
nale a alternativa CORRETA. *a) As afirmativas I, II e III são corretas. b) As afi
rmativas II, III e IV são corretas. c) As afirmativas I, III e IV são corretas. d) A
s afirmativas III e IV são corretas. e) Todas as afirmativas são corretas. (VUNESP/U
FTM-2009.2) - ALTERNATIVA: C A distância entre a Lua e a Terra está vagarosamente au
mentando. Se um dia essa distância, em relação ao que é hoje, aumentar em 100%, a força gr
avitacional que vincula a Lua com a Terra será, relativamente à intensidade que se t
em hoje, a) 15%. b) 20%. *c) 25%. d) 50%. e) 75%. UFU/MG-2009.2) - ALTERNATIVA:
C Com os valores aceitos para as massas e os raios médios da Terra e da Lua, obtém-s
e uma aceleração da gravidade na superfície da Terra seis vezes maior do que a aceleração
da gravidade na superfície da Lua. Suponha que seja possível reconstruir a Lua, alte
rando seu raio e sua massa. Para que a aceleração da gravidade na superfície da Lua se
ja igual à aceleração da gravidade na superfície da Terra, deve-se a) multiplicar a mass
a da Lua por 6 e dividir o seu raio por 6. b) multiplicar a massa da Lua por 6 e
dividir o seu raio por 3. *c) multiplicar a massa da Lua por 3/2 e dividir o se
u raio por 2. d) multiplicar a massa da Lua por 5/2 e dividir o seu raio por 2.
(VUNESP/FTT-2009.2) - ALTERNATIVA: E Um ambiente de “microgravidade” está longe de ser
, na verdade, livre de campos gravitacionais. O aparente flutuar de objetos e pe
ssoas dentro de veículos espaciais nessas circunstâncias devese ao fato de estarem s
ujeitos exclusivamente ao campo gravitacional local. Considere que a altitude de
130 km corresponda a 0,02R, onde R representa o raio da Terra, e que na superfíci
e da Terra a intensidade do campo gravitacional seja 10 N/kg. Nessa altitude, o
campo gravitacional vale, aproximadamente, em N/kg, a) 0,02. b) 1,2. c) 7,5. d)
8,8. *e) 9,6.
(UNIV.CAT.BRASÍLIA-2009.2) - RESPOSTA: V; V; V; F; F O ano de 2009 foi escolhido p
ela Organização das Nações Unidas (ONU) como o Ano Internacional da Astronomia, em comem
oração aos 400 anos das primeiras descobertas astronômicas realizadas por Galileu Gali
lei. Uma das maiores realizações de Galileu foi a descoberta de que havia corpos pla
netários em órbita de Júpiter. Hoje sabe-se que o planeta gigante possui mais de sesse
nta satélites. Os quatro satélites mais brilhantes de Júpiter descobertos por Galileu
foram Io, Europa, Ganimedes e Callisto, chamados de satélites Galileanos em sua ho
menagem. Com base nas leis de Kepler e na lei da gravitação universal de Newton, jul
gue os itens a seguir, assinalando (V) para os verdadeiros e (F) para os falsos.
0.( ) As órbitas dos satélites de Júpiter são elipses em que Júpiter ocupa um dos focos.
1.( ) A linha que liga Ganimedes a Júpiter varre áreas iguais em tempos iguais. 2.(
) A lei da gravitação universal de Newton pode ser aplicada ao estudo do movimento d
os satélites de Júpiter. 3.( ) A órbita do satélite Europa é praticamente circular. Se o p
eríodo de sua órbita é de 3,5 dias e o raio de órbita é de 7×105 km, sua velocidade orbital
de 2×105 km/dia. 4.( ) A massa do planeta Júpiter é equivalente a 320 vezes a massa da
Terra e seu diâmetro é 11 vezes maior que o diâmetro terrestre. Assim, é correto afirma
r que a aceleração da gravidade na superfície de Júpiter é mais de vinte vezes maior que a
aceleração da gravidade na superfície da Terra.
(VUNESP/UNICID-2009.2) - ALTERNATIVA: A A sonda Kepler claramente foi batizada c
om esse nome em homenagem a Johannes Kepler, matemático e físico, que formulou as três
leis dos sistemas planetários. Considere: I. O período de translação de um planeta é tant
o maior quanto maior o raio médio da órbita que ele descreve em torno do Sol. II. Pe
la Lei das Áreas, pode-se dizer que o módulo da aceleração de um planeta num movimento d
e translação em torno do Sol é constante. III. O tempo que um planeta leva para dar um
a volta em torno do Sol, dividido pelo cubo da distância do planeta ao Sol, é uma co
nstante do mundo físico. É correto o contido em *a) I, apenas. b) II, apenas. c) I e
III, apenas. d) II e III, apenas. e) I, II e III. (IFCE/CEFETCE-2009.2) - RESPO
STA: v’ = .v A Lua orbita com velocidade v em torno da Terra em uma trajetória aprox
imadamente circular. Se a massa da Terra fosse o dobro da que conhecemos, qual d
everia ser a velocidade escalar da Lua, em função de v, para que ela mantivesse a me
sma órbita?
101
(UECE-2009.2) - ALTERNATIVA: A Sobre a impossibilidade de se colocar um satélite e
m órbita da Terra em um plano que não passe pelo centro do planeta, é correto afirmar
que essa impossibilidade *a) se deve à ação da componente da força gravitacional perpend
icular ao plano orbital, que causará o escape do satélite deste plano. b) se deve à li
mitação imposta pela lei de Kepler, que prevê a relação de proporcionalidade entre o quadr
ado do período da órbita do satélite e o cubo do raio dessa órbita. c) decorre do fato d
e o eixo perpendicular ao plano orbital do satélite ter que coincidir com o eixo d
e rotação da terra para manter a órbita planar. d) não existe, bastando que sejam ajusta
dos o raio e o período orbital para uma dada massa do satélite. (UFMS-2009.2) - RESP
OSTA: SOMA = 004 (004) Recentemente foi divulgado um noticiário sobre a colisão no e
spaço entre dois satélites em órbita em torno da Terra, sendo um deles de origem russa
com massa igual a 3 vezes a massa do outro que era norte-americano. Considere o
s satélites como partículas, que a colisão foi central e que, antes da colisão, os satélit
es tinham órbitas circulares estáveis em torno da Terra. Com fundamentos na mecânica,
assinale a(s) afirmação(ões) correta(s). (001) Para dois satélites manterem órbitas circul
ares de mesmo raio em torno da Terra, o de maior massa deverá ter menor velocidade
de translação do que o de menor massa. (002) Os dois satélites, antes de colidir, pos
suíam trajetórias circulares de mesmo raio, portanto os dois estavam submetidos à mesm
a força centrípeta. (004) Imediatamente antes da colisão, o módulo da quantidade de movi
mento de translação do satélite russo era igual a 3 vezes o módulo da quantidade de movi
mento de translação do satélite americano. (008) A energia cinética do satélite russo, ant
es da colisão, era igual a 3 vezes a energia cinética do satélite russo. (016) Um satéli
te que mantém sua órbita circular e com uma velocidade angular constante, em torno d
a Terra, possui o vetor quantidade de movimento de translação constante. (UNESP-2009
.2) - ALTERNATIVA: A Admitindo a Terra como perfeitamente esférica e desprezando o
s efeitos do seu movimento de rotação, o módulo da aceleração da gravidade terrestre g var
ia com a distância d em relação ao centro da Terra, conforme a expressão: g= Considerand
o G a constante de gravitação universal, MT a massa da Terra e RT o raio da Terra, o
peso de um corpo de massa M, localizado à altura H da superfície terrestre, é dado po
r *a)
(UNESP-2009.2) - RESPOSTA: T = 3 × 1010 s A tabela apresenta as características de d
ois planetas que giram ao redor de uma mesma estrela, tal como os planetas do si
stema solar giram em torno do Sol.
Sabendo-se que a 3.a Lei de Kepler afirma que o quadrado do período de revolução (T2)
de cada planeta em torno de uma estrela é diretamente proporcional ao cubo da distân
cia média (d3) desse planeta à estrela, determine o período de revolução T1 do planeta 1,
em segundos, em relação à estrela.
(UECE-2009.2) - ALTERNATIVA: B Um planeta de raio R produz, na sua superfície, uma
aceleração gravitacional g. A que distância r, sendo r > R, do centro do planeta a ac
eleração gravitacional é igual a g 5 ? a) R *b) R c) 5 R d) 10 R (UEM/PR) - RESPOSTA:
SOMA = 27 (01+02+08+16) No seu movimento de translação, a Terra descreve uma trajetóri
a elíptica ao redor do Sol. Considerando que a única força que atua sobre ela, em toda
a trajetória, devese à atração gravitacional entre a Terra e o Sol, podemos afirmar cor
retamente que 01) a velocidade da Terra é máxima, no periélio. 02) a energia potencial
gravitacional da Terra em relação ao Sol é máxima, no afélio. 04) a força que o Sol faz so
re a terra é máxima, no afélio. 08) a energia mecânica total do sistema Terra-Sol é a mesm
a, no afélio e no periélio. 16) o trabalho realizado pela força atrativa que o Sol faz
para levar a Terra do periélio ao afélio é negativo.
b)
c)
d)
e)
(IFSP-2009.2) - ALTERNATIVA: C Johannes Kepler (1571 1630) foi um matemático e ast
rônomo alemão cuja principal contribuição à astronomia e astrofísica foram as três leis do
imento planetário. Kepler estudou as observações do lendário astrônomo Tycho Brahe, e desc
obriu, por volta de 1605, que estas observações seguiam três leis matemáticas relativame
nte simples. Suas três leis do movimento planetário desafiavam a astronomia e física d
e Aristóteles e Ptolomeu. Sua afirmação de que a Terra se movia, seu uso de elipses em
vez de epiciclos, e sua prova de que as velocidades dos planetas variavam, muda
ram a astronomia e a física. Ceres é um planeta anão que se encontra no cinturão de aste
roides, entre Marte e Júpiter. Ceres tem um diâmetro de cerca de 950 km e é o corpo ma
is maciço dessa região do sistema solar, contendo cerca de um terço do total da massa
do cinturão. Supondo que Ceres esteja a 2,8 UA ( Unidades Astronômicas ) do Sol, uti
lizando a terceira lei de Kepler, calcule e assinale a alternativa que correspon
de aproximadamente ao período orbital de Ceres em torno do Sol, em termos do período
orbital da Terra. a) 5,2 anos terrestres. b) 5,6 anos terrestres. *c) 4,6 anos
terrestres. d) 3,8 anos terrestres. e) 3,2 anos terrestres.
102
(UFPel-2009.2) - ALTERNATIVA: B Suponha que a massa da Terra aumente em 9 vezes
o seu valor. Baseado na Gravitação e no texto, a distância entre a Terra e a Lua para
que a força de atração gravitacional entre ambas permanecesse a mesma deveria ser a) 3
vezes menor. *b) 3 vezes maior. c) 9 vezes maior. d) 9 vezes menor. e) 6 vezes
menor. (UFLA/2009.2) - ALTERNATIVA: C Em um dos sistemas planetários da constelação Ob
eron da Galáxia NGC 5632-4R, um planeta A descreve uma trajetória circular de raio R
A em um tempo TA, enquanto um planeta B descreve uma trajetória circular de raio R
B = 4RA, em um tempo TB. Podese afirmar que a relação TA TB é: a) 1/64 b) 1/128 *c)1/8
d) 1/4
103
MECÂNICA: ESTÁTICA
VESTIBULARES 2009.1
VESTIBULARES 2009.2 PÁG. 107 (UNICENTRO/PR-2009.1) - ALTERNATIVA: D A figura, que
está desenhada fora de escala, mostra a situação inicial de um sistema composto por um
a haste de massa desprezível equilibrada em um apoio, e dois blocos de gelo. Em ca
da extremidade da haste há um bloco de gelo preso, e o sistema se encontra inicial
mente em equilíbrio. Com o passar do tempo os dois blocos de gelo derretem a uma t
axa constante de 10g por segundo.
(VUNESP/UNINOVE-2009.1) - ALTERNATIVA: D Uma loja ostenta em sua fachada um cart
az que anuncia sua presença. O cartaz está pendurado em dois pontos numa barra homogên
ea de peso próprio, a qual é articulada na parede em uma de suas extremidades e sust
entada por um cabo na outra. O cabo, inclinado, está preso à parede em seu outro ext
remo. A figura ilustra a descrição dada.
O esquema de forças atuantes sobre a barra está corretamente esboçado na alternativa:
a) É CORRETO afirmar que a) na situação inicial M1 = M2. b) na situação inicial 4M1 = M2.
c) com o passar do tempo o equilíbrio do sistema se mantém. *d) com o passar do temp
o o sistema se desequilibra de modo que M1 desce e M2 sobe. e) com o passar do t
empo o sistema se desequilibra de modo que M1 sobe e M2 desce. (FUVEST-2009.1) -
ALTERNATIVA: B Em uma academia de musculação, uma barra B, com 2,0 m de comprimento
e massa de 10 kg, está apoiada de forma simétrica em dois suportes, S1 e S2, separa
dos por uma distância de 1,0 m, como indicado na figura. Para a realização de exercícios
, vários discos, de diferentes massas M, podem ser colocados em encaixes, E, com s
eus centros a 0,10 m de cada extremidade da barra. O primeiro disco deve ser esc
olhido com cuidado, para não desequilibrar a barra. Dentre os discos disponíveis, cu
jas massas estão indicadas abaixo, aquele de maior massa e que pode ser colocado e
m um dos encaixes, sem desequilibrar a barra, é o disco de a) 5 kg Fig 9 2009 EST
*b) 10 kg c) 15 kg d) 20 kg e) 25 kg
b)
c)
*d)
e)
(FEI/SP-2009.1) - ALTERNATIVA: D Deseja-se construir um dispositivo para elevar
cargas de até 300 kg. A carga é presa a uma extremidade de uma prancha, como mostra
a figura, e o operador sobe na extremidade oposta da prancha. Se o operador tem
no máximo 70 kg, qual deve ser a menor distância d indicada na figura para que a car
ga seja elevada do chão? a) 2,8 m b) 3,2 m c) 5,0 m *d) 6,0 m e) 15,0 m
(UNIFOR/CE-2009.1) - ALTERNATIVA: D Uma escada AB, uniforme, homogênea e de peso P
, tem sua extremidade A apoiada numa parede perfeitamente lisa e a outra extremi
dade B no chão áspero. Na posição representada, a escada está prestes a escorregar. Nessas
condições, a força de atrito entre o chão e a escada vale a) 3P/4. b) 5P/4. c) P/2 *d)
3P/8 e) P/4
104
(UTFPR-2009.1) - ALTERNATIVA: D A trave de equilíbrio é um esporte olímpico praticado
exclusivamente por mulheres. A trave constituída de madeira é um aparelho de 5m de c
omprimento, massa de 100 kg e que, através de dois pilares de apoio, é fixada a cert
a altura do chão. Considere que uma ginasta de 45 kg encontra-se em repouso na pos
ição indicada abaixo. Determine as forças de reação que cada pilar de sustentação exerce so
a trave de madeira (considere g= 10 m/s2).
(UFABC-2009.1) - RESPOSTA: 45 N Um suporte para vasos é preso a uma parede vertica
l, como mostra a figura. Ele é fixo na parede por um parafuso colocado no ponto A
e fica apenas apoiado na parede no ponto B, na mesma vertical de A. Um vaso de m
assa total 3 kg é pendurado no ponto C do suporte e o sistema é mantido em equilíbrio.
a) RA = 752 N e RB = 624 N b) RA = 680 N e RB = 580 N c) RA = 920 N e RB = 752 N
*d) RA = 860 N e RB = 590 N e) RA = 560 N e RB = 480 N (FGVSP-2009.1) - ALTERNA
TIVA: A A fim de se manter o reservatório das caixas d’água sempre com volume máximo, um
mecanismo hidráulico conhecido como bóia emprega o princípio de Arquimedes. Uma bóia po
de ser resumida nas seguintes partes: flutuador (A), alavanca em “L” (barra torcida
no formato da letra L e que liga os pontos A, B e C), articulação (B) e válvula (C). S
eu funcionamento conta com o empuxo a que o flutuador fica submetido conforme o
nível de água sobe. Se o volume de água está baixo, o braço BC da alavanca deixa de ficar
vertical, não exercendo força sobre a válvula C, permitindo que a água jorre do cano (D)
. A válvula C somente permanecerá fechada se, devido à força de empuxo sobre o flutuador
, o braço BC assumir a posição vertical.
Sabe-se que o ângulo entre AC e AB é reto e que a massa do suporte é desprezível. Adotan
do g = 10 m/s2, determine a intensidade da força com que o suporte comprime a pare
de no ponto B. (UFF/RJ-2009.1) - RESPOSTA: a) f = Mgx/L b) = h – Mgx/k.L c) F = g(
m + Mx/L) d) a/g = 1 + Mx/m.L Um objeto de massa M repousa sobre uma prancha de
comprimento L apoiada por uma de suas extremidades. A outra extremidade da pranc
ha está ligada a uma mola de constante elástica k, que termina por uma esfera de mas
sa m. Uma força externa F aplicada a esta esfera é responsável por esticar a mola até qu
e seu comprimento h seja suficiente para manter a prancha em equilíbrio na horizon
tal. As massas da prancha e da mola são desprezíveis em comparação com m e M. O diagrama
abaixo representa a situação descrita:
Fig 14 2009 HDR
Considere que, em condições normais de funcionamento, uma bóia mantenha a entrada de águ
a fechada ao ter metade de seu volume submerso na água do reservatório. Uma vez que
os braços AB e BC da alavanca em “L” guardam entre si a proporção de 5:1, a intensidade da
força com que a alavanca empurra a válvula contra o cano, em newtons, é Dados: Volume
submerso da bóia = 1.10–3 m3; Densidade da água = 1.103 kg/m3; Aceleração da gravidade =
10 m/s2; Massa do conjunto bóia e flutuador desprezível; Desconsiderar a influência da
pressão atmosférica sobre a válvula. *a) 50. b) 100. c) 150. d) 200. e) 250.
Suas respostas aos itens que se seguem devem ser funções apenas das quantidades esca
lares identificadas no diagrama e da aceleração da gravidade local g. a) Determine o
módulo da força aplicada pela mola sobre a prancha. b) Determine o comprimento da m
ola quando relaxada. c) Determine o módulo da força F necessária para manter a prancha
na horizontal. d) Num dado instante, o agente externo responsável pela força F deix
a de atuar e esta força desaparece. Determine a razão entre a aceleração de queda, neste
instante, da massa m e g, a aceleração da gravidade local.
105
(UFPE-2009.1) - REPOSTA: x = 60 cm Deseja-se localizar a posição do centro de massa
(CM) de uma tora de madeira de comprimento L = 1,0 m. A tora é colocada em repouso
na horizontal, com uma extremidade apoiada em um suporte fixo e a outra sobre u
ma balança.
(UNICAMP-2009.1) - RESPOSTA: a) 5,0×106 N b) 4,5×108 N.m Grandes construções representam
desafios à engenharia e demonstram a capacidade de realização humana. Pontes com estr
uturas de sustentação sofisticadas são exemplos dessas obras que coroam a mecânica de Ne
wton. a) A ponte pênsil de São Vicente (SP) foi construída em 1914. O sistema de suspe
nsão de uma ponte pênsil é composto por dois cabos principais. Desses cabos principais
partem cabos verticais responsáveis pela sustentação da ponte. O desenho esquemático da
figura 1 abaixo mostra um dos cabos principais (AOB), que está sujeito a uma força
de tração T exercida pela torre no ponto B. Fig 37 2009 EST
Com o arranjo mostrado na figura à esquerda, a balança indica uma leitura igual a P1
= 300 N. A seguir, inverte-se as extremidades da tora e a nova pesagem da balança
é reduzida para P2 = 200 N. Determine a distância x (figura à esquerda), em centímetros
, do centro de massa da tora ao eixo do suporte fixo. (CEFETSP-2009.1) - ALTERNA
TIIVA: E O obelisco em homenagem aos “soldados constitucionalistas de 32” foi vítima d
e um trágico acidente. Com a construção do túnel “Airton Senna”, o alicerce do monumento se
viu abalado, fazendo com que toda sua estrutura pendesse para um lado, perdendo
sua verticalidade. Com relação a essa circunstância, analise: I. Antes da construção do tún
l, a força com que o planeta atraía o obelisco para baixo, o peso, e a força com que o
solo sustentava o obelisco, a força normal, constituíam um par ação-reação. Após a obra do
l, a força normal deixou de atuar, apesar da estrutura ainda manter o equilíbrio. II
. Supondo que o monumento se comportasse como um corpo rígido apenas apoiado sobre
o solo, o risco dele efetivamente tombar só pode ocorrer no momento em que a proj
eção de seu centro de gravidade cair em um ponto fora da área de sua base. III. Apesar
de sua posição ligeiramente inclinada em relação ao solo em que se apóia, se há garantias
ue hoje o monumento não mais se movimente relativamente ao solo onde foi construído,
pode-se entender que a resultante de todas as forças que nele atuam hoje é nula. Po
de-se afirmar que está correto o contido apenas em a) II. b) III. c) I e II. d) I
e III. *e) II e III. (CEFETGO-2009.1) - ALTERNATIVA: B Uma pessoa tenta, manualm
ente, com uma pequena chave de roda, desapertar uma porca que prende a roda de u
m carro que foi excessivamente apertada por um borracheiro. Depois de várias tenta
tivas sem êxito, ela literalmente sobe sobre a chave de roda, apoiando um de seus
pés na extremidade livre da mesma, a 30 cm do eixo da porca (ver figura), e assim,
com seu peso perpendicular à barra, consegue seu objetivo. Sabendo-se que a massa
da pessoa é 70 kg e pode exercer, com as mãos, uma força perpendicular à barra de, no máx
imo, 294 N, qual seria o comprimento mínimo de um pedaço de cano, envolvendo complet
amente a barra-alavanca da chave de roda, que ela poderia utilizar para aumentar
o braço desta alavanca e assim resolver o problema manualmente, de maneira mais fác
il, segura e com menos esforço? (Considere a aceleração da gravidade g = 9,8 m/s2 e 70
kg como sendo a massa correspondente ao peso mínimo capaz de girar a porca). a) 7
0,5 cm *b) 69,5 cm c) 68,5 cm d) 70,0 cm e) 69,0 cm
A componente vertical da tração TV tem módulo igual a um quarto do peso da ponte, enqu
anto a horizontal TH tem módulo igual a 4,0×106 N . Sabendo que o peso da ponte é P =
1, 2 × 107 N, calcule o módulo da força de tração T. b) Em 2008 foi inaugurada em São Paulo
a ponte Octavio Frias de Oliveira, a maior ponte estaiada em curva do mundo. A f
igura 2 mostra a vista lateral de uma ponte estaiada simplificada. Fig 38 2009 E
ST
O cabo AB tem comprimento L = 50 m e exerce, sobre a ponte, uma força TAB de módulo
igual a 1,8 × 107 N . Calcule o módulo do torque desta força em relação ao ponto O. Dados:
sen 45o = cos 45o = 2
(UFLA/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: D Uma barra AB não-homogênea de 60 cm de comprimento
e peso de 100N está apoiada horizontalmente, em equilíbrio estático, conforme figura
abaixo. É suportada em A por uma mesa e em B por um dinamômetro D. Considerando seu
centro de massa (CM) localizado a 15 cm de B, pode-se afirmar que a leitura do d
inamômetro é a) 400 N. b) 25 N. c) 400/3 N. *d) 75 N.
(UEPG/PR-2009.1) - RESPOSTA OFICIAL: SOMA = 24 (08+16) Sobre equilíbrio mecânico dos
corpos, assinale o que for correto. 01) A resultante das forças que agem sobre um
corpo em equilíbrio pode ser nula. 02) Um corpo suspenso por um fio, na vertical,
está em equilíbrio instável. 04) Um corpo encontra-se em equilíbrio somente quando está e
m repouso. 08) O momento resultante do sistema de forças que age sobre um corpo, e
m relação a qualquer ponto, é nulo. 16) A resultante das forças internas de um corpo é sem
pre nula.
106
(UNICENTRO/PR-2009.1) - ALTERNATIVA: B Numa atração de circo, um homem de massa 70 k
g está equilibrando-se horizontalmente na extremidade de uma prancha rígida e homogêne
a, de massa 180 kg, que está apoiada sobre um suporte. O comprimento da prancha é ig
ual a y e o homem está a uma distância x em relação ao ponto de apoio. A figura ilustra
a situação. Com base nessas informações, é CORRETO concluir que, para o conjunto (homem +
prancha) se manter em equilíbrio, a razão x/y equivale a a) 0,28. *b) 0,36. c) 0,39.
d) 0,61. e) 0,64.
VESTIBULARES 2009.2
(UFV/MG-2009.2) - ALTERNATIVA: B Um corpo de massa m = 300 kg repousa sobre um s
uporte de massa desprezível. O suporte, por sua vez, repousa sobre duas balanças em
forma de triângulo, conforme ilustrado na figura abaixo. A aceleração da gravidade loc
al é g = 2 m/s2. Sabendose que a massa encontra-se duas vezes mais próxima da balança à
esquerda que da balança à direita, é CORRETO afirmar que as leituras fornecidas pelas
balanças à esquerda e à direita, respectivamente, serão: a) 1000 N e 2000 N *b) 400 N e
200 N c) 1500 N e 1500 N d) 2000 N e 1000 N
(UFPB-2009.1) - ALTERNATIVA: B Dois jarros com plantas, com massas M1 e M2, são pe
ndurados nas extremidades de uma haste leve e resistente de comprimento d. Essa
haste é então apoiada sobre um pino vertical, também resistente, preso ao piso. A uma
distância d 3 do pino está pendurado o jarro com massa M1, conforme figura ao lado.
Nessa circunstância, para que o sistema fique em equilíbrio na posição horizontal, o val
or da massa M2 será de: a) M1. *b) M1 2. c) 2M1. d) 4M1. e) M1 4. (UECE-2009.1) -
ALTERNATIVA: C Uma escada está apoiada entre uma parede vertical sem atrito e o chão
(horizontal), conforme mostra a figura a seguir. Considerando que a escada se c
omporta como uma barra homogênea de 5 m e peso 100 N, e sabendo que o coeficiente
de atrito estático entre a escada e o chão é 0,5, a distância máxima x que a base da escad
a pode estar da parede, sem deslizar, é, aproximadamente, igual a a) 1,5 m. b) 2,5
m. *c) 3,5 m. d) 4,5 m.
(UTFPR-2009.2) - ALTERNATIVA: E Uma barra rígida e homogênea está em equilíbrio suspensa
por uma corda, conforme está representado na figura. Na extremidade esquerda, a b
arra sustenta um peso de 40,0 N e na direita, um peso de 20,0 N. O peso da barra
, em newtons, tem valor igual a: a) 5,0. b) 10,0. c) 20,0. d) 30,0. *e) 40,0.
(UECE-2009.2) - ALTERNATIVA: A Uma caixa cúbica, sem o tampo superior, é constituída d
e cinco lâminas metálicas iguais, finas, uniformes e de mesmo material, conforme a f
igura a seguir. No sistema de referência da figura, as coordenas x, y e z do centr
o de massa da caixa são *a) (a/2, a/2, 2a/5). b) (a/2, a/2, a/2). c) (2a/5, 2a/5,
2a/5). d) (4a/5, a/5, a/5).
107
MECÂNICA: HIDROSTÁTICA
VESTIBULARES 2009.1
VESTIBULARES 2009.2 PÁG. 122 (UFG/GO-2009.1) - RESPOSTA: d = 2,5×103 kg/m3 Entre out
ras propriedades físicas, um líquido é identificado pela sua densidade. Para se determ
inar a densidade de um líquido em um laboratório de pesquisa, foi utilizado um método
que consiste de um tubo cilíndrico fechado nas extremidades, com um orifício lateral
muito estreito, que impede a entrada de ar. Inicialmente, o tubo, na horizontal
, é preenchido com o líquido. Em seguida, o tubo é posicionado verticalmente com o ori
fício tampado. Nesta situação, ao liberar a abertura, o líquido escoa até atingir o equilíb
io a uma altura h, conforme esboçado na figura. Qual é a densidade do líquido? Dados:
Pressão atmosférica p0 = 1,0×105 N/m2 Aceleração da gravidade g = 10 m/s2 h = 4,0 m
(PUCRIO-2009.1) - ALTERNATIVA: A Um bloco de massa m = 9000 kg é colocado sobre um
elevador hidráulico como mostra a figura a seguir.
(UERJ-2009.1) - ALTERNATIVA: D Duas bóias de isopor, B1 e B2 , esféricas e homogêneas,
flutuam em uma piscina. Seus volumes submersos correspondem, respectivamente, a
V1 e V2 , e seus raios obedecem à relação R1 = 2R2 . A razão a) 2 b) 3 c) 4 *d) 8 (UFAB
C-2009.1) - ALTERNATIVA: D Considere que uma baleia, durante sua “exibição”, permaneça em
repouso por alguns segundos, com 1/5 do volume de seu corpo fora da água. fig 1 20
09 HDR
ÿ ÿÿ
A razão entre o diâmetro do pistão (dP) que segura a base do elevador e o diâmetro (dF)
onde deve-se aplicar a força F é de dP/ dF = 30. Encontre a força necessária para se lev
antar o bloco com velocidade constante. Considere g = 10 m/s2 e despreze os atri
tos. *a) 100 N b) 300 N c) 600 N d) 900 N e) 1000 N (PUCRIO-2009.1) - ALTERNATIV
A: D Um balão de festa de aniversário de massa m = 10 g está cheio de gás. Sabendo-se qu
e as densidades do ar e do gás são ar = 1,3 g/cm3 e gás = 0,3 g/cm3, determine o volum
e de gás contido no balão para que o mesmo possa flutuar. a) 0,01 cm3 b) 0,1 cm3 c)
1 cm3 *d) 10 cm3 e) 100 cm3 (UFRJ-2009.1) - RESPOSTA: peso = 6,0 N Um cilindro h
omogêneo flutua em equilíbrio na água contida em um recipiente. O cilindro tem 3/4 de
seu volume abaixo da superfície livre da água, como ilustra a figura I.
entre os volumes submersos é dada por:
Para que esse cilindro permaneça em repouso com a sua face superior no mesmo nível q
ue a superfície livre da água, uma força F, vertical e apontando para baixo, é exercida
pela mão de uma pessoa sobre a face superior do cilindro, como ilustra a figura II
.
Admitindo-se que a densidade da água do mar seja 1,00 g/cm3, a densidade da baleia
, nessa situação, vale, em g/cm3, a) 0,10. b) 0,20. c) 0,50. *d) 0,80. e) 1,20.
Sabendo que o módulo de F é igual a 2,0 N e que a água está em equilíbrio hidrostático, cal
ule o módulo do peso do cilindro.
108
(UNICENTRO/PR-2009.1) - ALTERNATIVA: E A figura mostra uma balança digital sobre a
qual se encontra um recipiente com água, e uma esfera que flutua, em equilíbrio, na
água. Nesta situação a balança indica um peso de 20N, e a temperatura do recipiente, da
água e da esfera é de 20OC. Considere os coeficientes de dilatação do recipiente e da e
sfera desprezíveis.
(VUNESP/UNICID-2009.1) - ALTERNATIVA: A Para uma feira de ciências, um estudante m
ontou um sistema em que os três corpos, de mesma massa, permanecem em equilíbrio. Do
is sobre os pistões cilíndricos A e B, cujo êmbolo é preenchido com líquido incompressível
, um terceiro está suspenso por um sistema de roldanas, sem massa e com cordas ine
xtensíveis, conforme mostra a figura.
Considere as três situações de equilíbrio seguintes descritas pelas três figuras.
A razão entre o raio do cilindro A e do cilindro B é dada por . *a) b) 2 . c) 2 d) 4
. e) 8 . .
(UDESC-2009.1) - ALTERNATIVA: B O gráfico abaixo ilustra a variação da pressão em função da
profundidade, para um líquido contido em um reservatório aberto. Considere g = 10 m/
s2.
(esfera apoiada no fundo do recipiente)
Considerando que o sistema foi aquecido de modo que as temperaturas da água e da e
sfera passem a ser de 40OC, qual das opções seguintes melhor descreve o sistema nest
a nova situação de equilíbrio? a) figura 1, com valor indicado pela balança maior que 20
N. b) figura 2, com valor indicado pela balança menor que 20N. c) figura 2, com va
lor indicado pela balança igual a 20N. d) figura 3, com valor indicado pela balança
menor que 20N. *e) figura 1, com valor indicado pela balança igual a 20N.
(VUNESP/UNINOVE-2009.1) - ALTERNATIVA: D O gráfico a seguir ilustra os valores da
pressão p medidos por um mergulhador no interior de certo líquido, em função da profundi
dade h.
No local onde se encontra o reservatório, os valores da pressão atmosférica e da densi
dade do líquido são, respectivamente, iguais a: a) 5,0x105 N/m2 e 3,0x104 kg/m3. *b)
5,0x104 N/m2 e 3,0x103 kg/m3. c) 1,0x105 N/m2 e 1,0x103 kg/m3. d) 1,5x104 N/m2
e 3,6x104 kg/m3. e) 0,5x105 N/m2 e 3,3x103 kg/m3. (UFF/RJ-2009.1) - ALTERNATIVA:
D O aumento da temperatura anual média da Terra tem sido atribuído às modificações provoc
adas pelo homem. O aquecimento global é sentido nos pólos, comprovado pela diminuição da
s áreas geladas. Considere um grande iceberg. Parte do seu volume, que estava acim
a do nível da água, se separa, deixando de fazer parte do iceberg, e cai no mar. Ass
inale a afirmativa correta, considerando a nova situação do iceberg. a) A pressão exer
cida pela água no fundo do mar, sob o iceberg, diminui. b) O volume de água deslocad
o pelo iceberg permanece o mesmo. c) O nível do mar sobe. *d) O empuxo sobre o ice
berg diminui. e) A densidade do iceberg diminui.
Considerando a aceleração da gravidade de 10 m/s2, a massa específica desse líquido vale
, em kg/m3, a) 5,0.102. b) 2,5.103. c) 4,0.103. *d) 5,0.103. e) 1,0.104.
109
(UFOP-2009.1) - ALTERNATIVA: C Qual o número mínimo de balões esféricos de gás Hélio que um
menino de massa de 15,0 kg precisa segurar para sustentar seu peso, sabendo-se q
ue o raio do balão é de 50,0 cm e que as densidades do ar e do Hélio são respectivamente
dar = 1,2 g / e dHe = 0,2 g / ? (Despreze a massa da borracha dos balões e consid
ere 3,0 e g = 10,0 m/s2). a) 10 b) 20 *c) 30 d) 40 (UFRJ-2009.1) - RESPOSTA: V1
= 880 cm3 e V2 = 80 cm3 Dois corpos, 1 e 2, tem a mesma massa, mas são constituídos
de materiais diferentes, cujas respectivas densidades, 1 e 2, são tais que 1 = 2 1
1. Quando os dois corpos são suspensos numa balança sensível de braços iguais, na presença
do ar, verifica-se que e necessário adicionar um pequeno contrapeso de 1,0 g de m
assa ao corpo 1, de modo a compensar a diferença de empuxos causados pelo ar e equ
ilibrar a balança como ilustra a figura a seguir.
(UFTM-2009.1) - ALTERNATIVA: A Todo tanque de lavar roupas possui uma tampa que
permite a drenagem da água no momento desejado. Quando o tanque está vazio, a tampa,
de peso desprezível, apenas se apóia nas paredes do ralo, sem exercer compressões lat
erais.
A força vertical para cima a ser aplicada sobre a tampa, a partir da qual é possível r
etirá-la do ralo que ela veda, quando o tanque está completamente cheio com apenas águ
a, é, em N, Considere: aceleração da gravidade, g = 10 m/s2 densidade da água = 103 kg/m
3 pressão dentro da tubulação do esgoto igual à pressão atmosférica local área do disco que
mpõe a tampa = 20 cm2 *a) 10. b) 15. c) 20. d) 30. e) 40.
Calcule os volumes V1 e V2 dos corpos 1 e 2 supondo que a densidade do ar tenha
o valor = 1,25 x 10-3 g/cm3 e que o volume do contrapeso seja desprezível. (IMT/MA
UÁ-2009.1) - RESPOSTA: e = 1,00 m Determine a espessura mínima que deve ter umal pla
ca de gelo de 3,0 m2 flutuando na água para suportar um urso de massa 300 kg. Fig
10 2009 HDR
(CEFETMG-2009.1) - ALTERNATIVA: A O empuxo é uma força que surge quando um corpo é ime
rso em um fluido, portanto é correto afirmar que *a) o volume do corpo submerso é ig
ual ao volume da água deslocada. b) a força de empuxo sobre um corpo submerso varia
com a profundidade. c) o peso aparente de um corpo imerso em um fluido é igual a s
ua massa. d) o volume do corpo submerso é igual ao dobro do volume da água deslocada
. e) a força de empuxo é inversamente proporcional ao volume do corpo deslocado.
A densidade da água é 1,00 × 103 kg/m3 e a do gelo 0,90 kg/m3. (UNIOESTE/PR-2009.1) -
ALTERNATIVA: B Uma bola é jogada numa piscina com água e bóia com 2/3 do seu volume pe
rmanecendo fora da água. Analise as alternativas seguintes e assinale a INCORRETA.
a) O empuxo sobre a bola é igual ao peso da água deslocada pela mesma. *b) Como a b
ola está em equilíbrio então a densidade da bola é igual a densidade da água. c) A densida
de da bola é igual a 1/3 da densidade da água. d) A densidade da bola pode ser difer
ente da densidade do material que a constitui. e) Quando um navio está flutuando,
em equilíbrio na água, ele sofre um empuxo que é igual ao seu próprio peso.
(UTFPR-2009.1) - ALTERNATIVA: A Uma bexiga de látex de formato alongado, cheia de
ar, está em repouso, totalmente submersa na água de uma piscina, presa por um elástico
num azulejo do fundo. Na presença do campo gravitacional da Terra, verificam-se d
ois fatos: I) o elástico impede que a bexiga suba para a superfície; II) o ar da bex
iga se encontra mais comprimido do que estaria fora d’água. No contexto da situação desc
rita, é válido afirmar que: *a) A grandeza física envolvida no fato I fica determinada
por uma intensidade, uma direção e um sentido; ao passo que a grandeza física envolvi
da no fato II fica determinada apenas por uma intensidade. b) A grandeza física en
volvida no fato II fica determinada por uma intensidade, uma direção e um sentido; a
o passo que a grandeza física envolvida no fato I fica determinada apenas por uma
intensidade. c) A grandeza física envolvida no fato I fica determinada apenas por
uma intensidade; o mesmo se aplica à grandeza física envolvida no fato II. d) A gran
deza física envolvida no fato I fica determinada por uma intensidade, uma direção e um
sentido; o mesmo se aplica à grandeza física envolvida no fato II. e) Não é correto car
acterizar direção e sentido nos fatos I e II, pois não se estabelecem situações de movimen
to.
110
(UTFPR-2009.1) - ALTERNATIVA: B Um cubo de um certo material tem aresta de 2,0 c
m e massa igual 64,0 g. A densidade desse cubo, em unidades do Sistema Internaci
onal de Unidades (SI), tem valor numérico igual a: a) 32,0. *b) 8000,0. c) 0,80. d
) 8,0. e) 320,0. (UTFPR-2009.1) - ALTERNATIVA: E A pressão exercida sobre um deter
minado corpo é dada por p = A.B.C. Considerando que as unidades das grandezas são un
idades do Sistema Internacional e que a unidade da grandeza B é ms–2, da grandeza C é
metro, podemos afirmar que a unidade da grandeza A é: a) kg / m b) N / m c) N / m3
d) kg.m / s *e) kg / m3 (UTFPR-2009.1) - ALTERNATIVA: A Um dos esportes que mai
s atrai o público, devido a sua precisão e plasticidade, é o salto ornamental. Oficial
mente, a plataforma superior de salto localiza-se a 10m de altura e a profundida
de da piscina deve ser superior a 4m. Considerando que a apresentação de um atleta é c
oncluída com um perfeito mergulho, a pressão absoluta quando o corpo do atleta encon
tra-se na profundidade de 3m é aproximadamente igual a: (dados: água = 1 g/cm3, g =
10 m/s2, P0 = 1 atm = 105 Pa).
(FGVSP-2009.1) - ALTERNATIVA: A A fim de se manter o reservatório das caixas d’água se
mpre com volume máximo, um mecanismo hidráulico conhecido como bóia emprega o princípio
de Arquimedes. Uma bóia pode ser resumida nas seguintes partes: flutuador (A), ala
vanca em “L” (barra torcida no formato da letra L e que liga os pontos A, B e C), ar
ticulação (B) e válvula (C). Seu funcionamento conta com o empuxo a que o flutuador fi
ca submetido conforme o nível de água sobe. Se o volume de água está baixo, o braço BC da
alavanca deixa de ficar vertical, não exercendo força sobre a válvula C, permitindo qu
e a água jorre do cano (D). A válvula C somente permanecerá fechada se, devido à força de
empuxo sobre o flutuador, o braço BC assumir a posição vertical.
Fig 14 2009 HDR
*a) 1,3 atm b) 1,6 atm c) 13 atm d) 1,06 atm e) 3 atm (UEM/PR-2009.1) - RESPOSTA
: SOMA = 17 (01+16) Um béquer é preenchido com 1,0 kg de água (d = 1,0 g/cm3) até o volu
me de 1,0 litro. Considere o valor da pressão atmosférica 1,01 × 105 Pa e g = 9,8 m/s2
. Assinale a(s) alternativa(s) correta(s). 01) A pressão em um ponto P situado 5,0
cm abaixo da superfície do líquido é, aproximadamente, 1,01 × 105 Pa. 02) Se colocarmos
uma pedra de gelo de 1,0 cm3 e densidade 0,58 g/cm3 no interior do béquer, ela af
undará. 04) Se colocarmos uma pedra de gelo de 1,0 cm3 e densidade 0,58 g/cm3 no i
nterior do béquer, ela estará sujeita a um empuxo de 10,5 × 10-1 N. 08) Se colocarmos
uma pedra de gelo de 1,0 cm3 e densidade 0,58 g/cm3 no interior do béquer, o volum
e de líquido deslocado será 0,35 cm3. 16) Se aquecermos o líquido no interior do béquer à
temperatura de 50,0 C, sua densidade diminuirá e seu volume aumentará.
Considere que, em condições normais de funcionamento, uma bóia mantenha a entrada de águ
a fechada ao ter metade de seu volume submerso na água do reservatório. Uma vez que
os braços AB e BC da alavanca em “L” guardam entre si a proporção de 5:1, a intensidade da
força com que a alavanca empurra a válvula contra o cano, em newtons, é Dados: Volume
submerso da bóia = 1 .10–3 m3; Densidade da água = 1.103 kg/m3; Aceleração da gravidade =
10 m/s2; Massa do conjunto bóia e flutuador desprezível; Desconsiderar a influência d
a pressão atmosférica sobre a válvula. *a) 50. b) 100. c) 150. d) 200. e) 250.
(UEPB-2009.1) - ALTERNATIVA: C Um motorista, ao dirigir-se ao posto de combustível
para abastecer o seu carro com gasolina, determina: “Não encha muito pra o tanque não
estourar”. Para ele, o tanque de combustível do carro não suporta a pressão exercida pe
la gasolina, caso esteja cheio. A atitude deste motorista despertou o interesse
de um dos frentistas, em determinar a pressão exercida pela gasolina no fundo do t
anque do carro. Para isso pesquisou e obteve as seguintes informações: massa específic
a da gasolina = 0,7 g/ cm3, área da base do tanque A = 8 x 10–2 m2, a altura do tanq
ue h = 0,5 m, e aceleração da gravidade g = 10 m/s2. Considerando que o tanque é um re
tângulo, o frentista conseguiu, através de seus estudos, calcular que a pressão exerci
da pela gasolina no fundo do tanque em N/m2 é de: a) 4,0 x 103 b) 2,8 x 103 *c) 3,
5 x 103 d) 3,5 x 10–1 e) 2,8 x 10–1
111
(UFPR-2009.1) - RESPOSTA: h 48,5 cm Um garoto brinca em uma piscina com uma bola
de borracha de 0,2 kg e raio 5 cm. Em um determinado momento, o garoto submerge
a bola com as duas mãos, tal que seu centro fica a 0,3 m abaixo da superfície, e de
pois a libera, afastando as duas mãos simultaneamente. A partir desse momento, a b
ola apresenta um movimento vertical. Considerando a densidade da água igual a 1 × 10
3 kg/m3 e desprezando a resistência da água e do ar, determine a altura a que se ele
vará o centro da bola acima da superfície da água. (Adote g = 10 m/s2 - dado não forneci
do na prova).
(UFMG-2009.1) - ALTERNATIVA: B Um estudante enche dois balões idênticos K e L, usand
o, respectivamente, gás hélio (He) e gás hidrogênio (H2). Em seguida, com um barbante, e
le prende cada um desses balões a um dinamômetro, como mostrado nesta figura:
(PUCMINAS-2009.1) - ALTERNATIVA: A A figura representa duas caixas d’água, abertas p
ara o ar, interligadas por um cano com uma válvula de passagem. A caixa da esquerd
a está cheia.
Quando a válvula é aberta, a caixa da direita começa a encher até que o nível da água nas d
as caixas seja o mesmo. É CORRETO afirmar: *a) Ao final do processo, a pressão no fu
ndo da caixa à esquerda será menor que no início. b) Durante o processo, a velocidade
de escoamento da água é constante. c) Ao final do processo, a pressão no fundo da caix
a à direita será maior que a pressão no fundo da caixa à esquerda. d) Durante o processo
, a velocidade de escoamento da água aumenta.
Os dois balões têm o mesmo volume e ambos estão à mesma temperatura. Sabe-se que, nessas
condições, o gás hélio é mais denso que o gás hidrogênio. Sejam EK e EL os módulos do empu
atmosfera sobre, respectivamente, os balões K e L. Pela leitura dos dinamômetros, o
estudante verifica, então, que os módulos da tensão nos fios dos balões K e L são, respec
tivamente, TK e TL. Considerando-se essas informações, é CORRETO afirmar que A) TK > T
L e EK = EL. *B) TK < TL e EK = EL. C) TK < TL e EK EL. D) TK > TL e EK EL. (UER
J-2009.1) - RESPOSTA: M = 101 ton Dois vasos cilíndricos idênticos, 1 e 2, com bases
de área A igual a 10 m2, são colocados um contra o outro, fazendo-se, então, vácuo no i
nterior deles. Dois corpos de massa M estão presos aos vasos por cabos inextensíveis
, de acordo com o esquema a seguir. Considere g = 10 m/s2 e patm = 1,01 × 105 Pa
(UFSC-2009.1) - RESPOSTA: SOMA = 10 (02+08) Um brinquedo de peso P e densidade e
stá amarrado a um fio. O fio enrosca e fica preso na grade de proteção de um refletor
no fundo de uma piscina cheia de água, como mostra a figura. O fio é bastante fino e
só pode suportar uma tensão de módulo, no máximo, igual a três vezes o módulo do peso do b
inquedo. Sabese que a relação entre a densidade do brinquedo e a densidade da água ( águ
a) é água = /3.
Despreze o atrito nas roldanas e as massas dos cabos e das roldanas. Determine o
valor mínimo de M capaz de fazer com que os vasos sejam separados. Em relação ao expo
sto, assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S). 01. O fio arrebenta e o brinquedo sobe.
02. O brinquedo permanece em equilíbrio na posição mostrada na figura. 04. O módulo da
força de empuxo é duas vezes maior que o módulo do peso do brinquedo. 08. O módulo da te
nsão no fio é igual ao dobro do módulo do peso do brinquedo. 16. A massa do brinquedo
submerso é igual à massa de água deslocada. 32. A força de empuxo independe da massa de ág
ua deslocada. (UFJF-2009.1) - ALTERNATIVA: C O mmHg (milímetro de mercúrio) é uma unid
ade de medida de pressão porque: a) equivale ao peso de uma coluna de mercúrio de 1m
m de diâmetro. b) equivale ao comprimento horizontal de 1 mm de mercúrio. *c) equiva
le à pressão exercida por uma coluna de mercúrio de 1 mm de altura. d) equivale à pressão
exercida por uma coluna de mercúrio de 1 mm de diâmetro. e) equivale ao peso de uma
coluna de mercúrio de 1 mm de altura.
112
(UFSCar-2009.1) - ALTERNATIVA: E Quase terminada a arrumação do novo escritório, o eng
enheiro lamenta profundamente o acontecido... Fig 21 2009 HDR
(VUNESP/FAMECA-2009.1) - RESPOSTA: a) p = 2,4 × 105 Pa b) t = 4,0 s Um objeto, de
2,0 litros de volume e densidade absoluta 1,5.103 kg/m3, encontra-se imerso no f
undo de um poço com água (densidade 1,0.103 kg/m3) a 24 m de profundidade. Para resg
atá-lo até a superfície livre utiliza-se uma corda de massa desprezível ligada a um moto
r, que desenvolve 60 W de potência útil.
(Quino, ¡Yo no Fui!)
A partir da análise da figura e supondo que a água esguichada do furo venha de um ca
no proveniente de uma caixa d’água, analise as três afirmações seguintes. I. O nível de águ
a caixa que alimenta o encanamento se encontra acima do furo na parede. II. Se o
furo tivesse sido feito em um ponto mais baixo do que o indicado, a pressão que f
az a água esguichar seria maior. III. De todos os esguichos enviezados pelo prego,
aquele que sair pelo furo sob um ângulo de 45 com a horizontal terá o maior alcance.
É certo o que se afirma em a) I, apenas. b) I e II, apenas. c) I e III, apenas. d
) II e III, apenas. *e) I, II e III. (UFJF-2009.1) - ALTERANTIVA: B Um barco flu
tua porque: a) A intensidade da força de empuxo sobre o barco é maior do que a inten
sidade da força peso do barco. *b) A intensidade da força de empuxo sobre o barco é ig
ual à intensidade da força peso do barco. c) A intensidade da força normal somada com
a intensidade da força de empuxo sobre o barco é igual à intensidade da força peso do ba
rco. d) A intensidade da força de empuxo sobre o barco é menor do que a intensidade
da força peso do barco. e) A intensidade da força normal somada com a intensidade da
força de empuxo sobre o barco é maior do que a intensidade da força peso do barco. (V
UNESP/FAMECA-2009.1) - ALTERNATIVA OFICIAL: D Um balão contém gás em seu interior e es
tá totalmente imerso num recipiente com água. O sistema tem peso desprezível, pois é men
os denso do que o ar e está preso a um dinamômetro atado ao fundo do recipiente, com
o mostra a figura. O dinamômetro registra um valor T. O balão é, então, retirado do reci
piente e passa por uma transformação isotérmica em que sua pressão é reduzida à metade. Rec
locado no recipiente com água, o balão é novamente preso ao dinamômetro, o qual deve acu
sar um valor a) T/4. b) T/2. c) T. d) 2.T. e) 4.T.
Considere a aceleração da gravidade g = 10 m/s2 e determine a) a variação da pressão hidro
stática, em Pa, experimentada pelo objeto em seu resgate; b) o intervalo de tempo
necessário para trazer o objeto à tona com velocidade constante.
(PUCRS-2009.1) - ALTERNATIVA: A Uma lata de refrigerante vazia, colocada na supe
rfície de uma lagoa, irá boiar se tivermos o cuidado de não deixar entrar água no seu in
terior. No entanto, se amassarmos completamente a lata, ela afunda na água. Isso o
corre porque a lata amassada *a) desloca um volume menor de água do que a lata int
acta, diminuindo o empuxo exercido pela água. b) apresenta-se com densidade menor
do que a da lata intacta, facilitando o mergulho na água. c) tem seu peso diminuído
e, portanto, o empuxo sobre ela é menor. d) possui massa maior do que a lata intac
ta e, portanto, tem peso maior. e) sofre o efeito de uma pressão atmosférica maior,
a qual lhe confere uma densidade maior do que a da água. (ITA-2009.1) - RESPOSTA:
a) h = PaLA (APa + mg) b) h’ = m ( A) Para ilustrar os princípios de Arquimedes e de
Pascal, Descartes emborcou na água um tubo de ensaio de massa m, comprimento L e ár
ea da seção transversal A. Sendo g a aceleração da gravidade, a massa específica da água, e
desprezando variações de temperatura no processo, calcule:
a) o comprimento da coluna de ar no tubo, estando o tanque aberto sob pressão atmo
sférica Pa, e b) o comprimento da coluna de ar no tubo, de modo que a pressão no int
erior do tanque fechado possibilite uma posição de equilíbrio em que o topo do tubo se
situe no nível da água (ver figura).
113
(UNESP-2009.1) - RESPOSTA: p = 1,4×105 Pa e m = 1,5 g As figuras mostram uma versão
de um experimento – imaginado pelo filósofo francês René Descartes e bastante explorado
em feiras de ciências – conhecido como ludião: um tubinho de vidro fechado na parte su
perior e aberto na inferior, emborcado na água contida em uma garrafa PET, fechada
e em repouso. O tubinho afunda e desce quando a garrafa é comprimida e sobe quand
o ela é solta. Fig 28 2009 HDR
(UNIFESP-2009.1) - ALTERNATIVA: A Um fluido A, de massa específica A, é colocado em
um tubo curvo aberto, onde já existe um fluido B, de massa específica B. Os fluidos
não se misturam e, quando em equilíbrio, B preenche uma parte de altura h do tubo. N
este caso, o desnível entre as superfícies dos fluidos, que se encontram à pressão atmos
férica, é de 0,25 h. A figura ilustra a situação descrita.
Na figura 1, o ludião está em equilíbrio estático, com um volume aprisionado de ar de 2,
1 cm3, à pressão atmosférica p0 = 1,0—105 Pa. Com a garrafa fechada e comprimida, é possíve
mantê-lo em equilíbrio estático dentro d’água, com um volume de ar aprisionado de 1,5 cm3
(figura 2). Fig 29 2009 HDR
Considerando que as interações entre os fluidos e o tubo sejam desprezíveis, pode-se a
firmar que a razão B / A é *a) 0,75. b) 0,80. c) 1,0. d) 1,3. e) 1,5. (UNIFESP-2009.
1) - RESPOSTA: a) 1,2 × 105 Pa = 1,2 atm b) 7,6 × 10–2 m3 = 76 litros Uma pessoa com m
assa de 80 kg, suspensa por um cabo de massa e volume desprezíveis, atado a um din
amômetro, é colocada em um tanque com água de tal forma que fique ereta, na posição vertic
al e completamente imersa. Considerando que a massa específica da água é de 103 kg/m3,
que a pressão atmosférica local é de 1,0 × 105 N/m2 e a aceleração da gravidade g = 10 m/s
e que a água e a pessoa estão em repouso em relação ao tanque, calcule: a) a pressão exte
rna nos pés dessa pessoa, que se encontram 2,0 m abaixo do nível da água. b) o volume
da pessoa, se o peso aparente registrado pelo dinamômetro é de 40 N. (FEI/SP-2009.1)
- ALTERNATIVA: C Na montagem abaixo, o recipiente A está totalmente cheio de óleo c
uja densidade é de 800 kg/m3, o recipiente B está cheio de água cuja densidade é de 1 00
0 kg/m3 e a proveta C está cheia de um líquido cuja densidade é 1 250 kg/m3. Sobre a p
ressão em cada ponto, é correto afirmar que:
Determine a massa do tubinho e a pressão do ar contido no ludião na situação da figura 2
. Despreze o volume deslocado pelas paredes do tubinho; supõe-se que a temperatura
ambiente permaneça constante. Adote, para a densidade da água, água = 1,0 g/cm3. (ITA
-2009.1) - ALTERNATIVA: D Uma balsa tem o formato de um prisma reto de comprimen
to L e seção transversal como vista na figura. Quando sem carga, ela submerge parcia
lmente até a uma profundidade h0. Sendo a massa específica da água e g a aceleração da gra
vidade, e supondo seja mantido o equilíbrio hidrostático, assinale a carga P que a b
alsa suporta quando submersa a uma profundidade h1.
a) PA1 > PA2 > PA3 b) PA1 = PB1 = PC1 *c) PA3 < PB3 < PC3 d) PA2 = PB3 > PC3 e)
PA3 > PB3 = PC3 (EAFI/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: D Considere um cubo de gelo de a
resta 5 cm colocado na água. Observa-se que 4,6 cm da aresta do cubo fica imersa n
a água. Este fato se justifica devido: (Considere: Dgelo = densidade do gelo e Dágua
= densidade da água) a) Dgelo = Dágua b) Dgelo = 0,40 . Dágua c) Dgelo = 4,6 . Dágua *d
) Dgelo = 0,92 . Dágua e) apenas com esses dados é impossível comparar as densidades e
ntre as substâncias
a) P = b) P = c) P = *d) P = e) P =
g L (h12 - h02) sen g L (h12 - h02) tan g L (h12 - h02) sen /2 g L (h12 - h02) t
an /2 g L (h12 - h02) 2 tan /2
114
(EAFI/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: C Considere três esferas A, B e C com as seguintes
dimensões e massas:
(UFMS-2009.1) - RESPOSTA: SOMA = 018 (002+016) Uma nave espacial está muito distan
te de qualquer corpo celeste, numa região de campo gravitacional nulo e movimentan
do com velocidade constante com relação a um referencial inercial. Preso na estrutur
a da nave espacial, existe um recipiente que contém um líquido e, no seu interior, f
lutua em repouso um corpo impermeável, rígido e de menor massa específica que o líquido.
Através de um pistão, o astronauta da nave pode pressionar o líquido, veja a figura.
Com fundamentos na hidrostática, assinale a(s) proposição(ões) correta(s).
Sendo Da, Db, Dc as densidades das esferas A, B e C, respectivamente, podemos af
irmar que: a) Da = Db = Dc b) Da < Db = Dc *c) Da > Db > Dc d) Da = Db > Dc e) D
a < Db < Dc (UDESC-2009.1) - RESPOSTA NO FINAL Um bloco cúbico de massa 0,720 kg e
com aresta de 10,0 cm flutua sobre a interface entre uma camada de água e uma cam
ada de um fluido desconhecido de densidade de 0,700 g/cm3, conforme mostra a fig
ura abaixo. Dados: pressão atmosférica = 1,0×105 Pa, densidade da água = 1,0×103 kg/m3; g
= 10 m/s2.
a) Determine a pressão manométrica no fundo do recipiente. b) Determine a que distânci
a, abaixo da interface entre a água e o fluido, está situada a face inferior do bloc
o. c) Faça um desenho explicativo sobre o que ocorreria se o bloco fosse colocado
no recipiente, sendo substituídos a água e o fluido pelo mesmo volume de glicerina e
de etanol, cujas densidades são 1,260 g/cm3 e 0,791 g/cm3, respectivamente. RESPO
STA: UDESC-2009.1 a) p = 10,34×104 Pa b) 0,67 cm c)
9,1 cm
(001) Se o astronauta mantiver uma força aplicada no pistão, no sentido de 1 para 3,
após o equilíbrio das pressões, o corpo será movimentado no sentido de 3 para 1. (002)
Se o astronauta mantiver uma força aplicada no pistão, no sentido de 3 para 1, após o
equilíbrio das pressões, todos os pontos do fluido ficarão na mesma pressão, e a força de
empuxo sobre o corpo será nula. (004) Se o astronauta mantiver uma força aplicada no
pistão, no sentido de 1 para 3, após o equilíbrio das pressões, a pressão no ponto 1 será
aior que no ponto 3. (008) Se o astronauta observar que o corpo se movimenta no
sentido de 4 para 2, e a nave continuar com velocidade constante, com relação ao ref
erencial inercial, pode-se concluir que passou a existir um campo gravitacional
no sentido de 4 para 2 nessa região. (016) Se o corpo se movimentar numa certa dir
eção e num certo sentido, pode-se concluir que a pressão do fluido diminuiu nessa direção
e nesse sentido. (UFV/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: C Três vasilhames idênticos contêm um
mesmo volume de água. Dentro de cada um há um corpo em equilíbrio hidrostático, conforme
mostra a figura ao lado. Com relação aos módulos dos empuxos EA, EB e EC que a água exe
rce nos corpos A, B e C, respectivamente, é CORRETO afirmar que: a) EA > EB > EC.
b) EA < EB = EC. *c) EA = EB > EC. d) EA = EB = EC.o
(UDESC-2009.1) - RESPOSTA: a) v = 8,0 m/s b) t = 2,0 s c) F = 0,2 N Uma pequena
esfera é solta 3,20 m acima da superfície de um lago cuja profundidade é de 4,80 m. A
massa da esfera é 120,0 g. Imediatamente após adentrar no lago, a esfera passa a afu
ndar com velocidade constante de 4,0 m/s. Despreze a resistência do ar, considere
g = 10 m/s2, que a esfera é feita de um material cuja densidade é 1,20 g/cm3, e que
a densidade da água é 1,00 g/ cm3 . a) Qual a velocidade da esfera ao atingir a água?
b) Qual o tempo total gasto pela esfera até atingir o fundo do lago? c) Qual o val
or da força de resistência exercida pela água?
(UFV/MG-2009.1) - RESPOSTA: a) peso, normal e empuxo b) mog/5 c) o = 1,25 L Um o
bjeto de volume V encontra-se sobre uma balança dentro de um recipiente contendo u
m líquido, de densidade L, conforme ilustra a figura ao lado. O objeto possui mass
a mo. Entretanto, a balança dentro do líquido mede uma massa aparente cinco vezes me
nor. Sendo g a aceleração da gravidade, faça o que se pede: a) Desenhe no espaço abaixo
um diagrama mostrando e nomeando todas as forças que atuam no objeto quando este s
e encontra imerso no líquido, sobre a balança. b) Calcule o módulo da força mínima necessár
a para levantar o objeto da balança. c) Calcule a densidade o do objeto em função de L
.
115
(UFV/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: C Uma esteira rolante depositou lentamente minério
de ferro em um navio cargueiro, levando o navio, em um dado instante, a afundar
e atingir o repouso no fundo do mar. Seja PA o peso do navio antes do depósito do
minério e PF o peso do navio após este atingir o fundo do mar. Assumindo que o minério
começou a ser depositado no navio no instante t = 0, o gráfico abaixo que represent
a CORRETAMENTE o comportamento do empuxo E que atua no navio em função do tempo t é: E
a) PF b) E PF
(UNIOESTE/PR-2009.1) - ALTERNATIVA: D No sistema da figura abaixo, a porção AC contém
mercúrio, BC contem óleo e o tanque aberto à atmosfera contém água. As alturas indicadas sã
: ho = 10 cm, h1 = 5 cm, h2 = 20 cm e as densidades são: Hg = 13,6 ×103 kg m–3, óleo = 0
,8 × 103kg m–3 e água = 1,00 × 103 kg m–3. O ponto A é interno ao recipiente que contém mer
, a pressão atmosférica é 1,0 x 105 Pa e g = 10,0 m s–2. Nestas condições, pode-se afirmar
ue
PA
PA
E *c) PF d)
E PF
PA
PA a) a pressão no nível B é maior que a do nível C. b) a pressão no nível C é menor que a
ponto A. c) a pressão no ponto A é igual à pressão no nível O, na superfície da água. *d) a
essão no ponto A é de 7,42 x 104 Pa. e) a pressão no ponto A é de 1,286 x 105 Pa. (UFPE-
2009.1) - ALTERNATIVA: A O peso molecular da água é 18 g. Considerando uma gota de o
rvalho com volume 0,6 mm3, calcule a ordem de grandeza do número de moléculas de água
nesta pequena gota. Sabe-se que a densidade da água é d = 1,0 g/cm3 e o Número de Avog
adro é NA = 6,0 x 1023 *a) 1019 b) 1020 c) 1021 d) 1022 e) 1023 (UFPE-2009.1) - AL
TERNATIVA: E Um tubo fechado contém dois líquidos não miscíveis de densidades d1 e d2. N
a parte superior é feito vácuo. Mantendo-se o tubo na vertical, verifica-se que as c
olunas dos líquidos têm comprimentos L1 e L2, respectivamente, como indicado na figu
ra. Considerando a aceleração da gravidade local igual a g, determine o valor da pre
ssão no fundo do recipiente. a) gd1 (L1 + L2) b) gd2 (L1 + L2) c) g (d1 + d2) (L1
+ L2) d) g (d1 - d2) (L1 + L2) *e) g (d1 L1 + d2 L2)
(UFV/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: C Um recipiente COMPLETAMENTE cheio de um líquido q
ualquer é colocado sobre o prato de uma balança. Um bloco de madeira é cuidadosamente
colocado no recipiente, permanecendo flutuando, e o excesso de líquido derramado é t
otalmente retirado do prato da balança. As figuras abaixo ilustram as duas situações,
ANTES e DEPOIS.
Comparando os valores da leitura da balança nessas duas situações, é CORRETO afirmar que
, na situação DEPOIS, o valor é: a) maior, pois a densidade do líquido é menor que a da ma
deira. b) menor, pois a densidade do líquido é maior que a da madeira. *c) igual, in
dependente da densidade do líquido e da madeira. d) maior ou menor, dependendo do
peso do bloco de madeira e do líquido derramado. (UFV/MG-2009.1) - RESPOSTA: a) pe
so, normal e empuxo b) N = g.L3.(dM + dA) Um bloco de metal, na forma de um cubo
de lado L, é mergulhado em um recipiente cheio de água, afunda e fica em repouso ap
oiado no fundo do recipiente. Sejam g a aceleração da gravidade e dA e dM as densida
des da água e do metal respectivamente. a) Desenhe na figura abaixo as setas que r
epresentam as forças que atuam no bloco enquanto esse está em repouso no fundo do re
cipiente. Identifique claramente cada uma das forças.
b) Calcule o módulo da força que a superfície do fundo do recipiente faz no bloco (força
normal). Sua resposta deve ser dada em termos de L, g, dA e dM.
(UFPE-2009.1) - RESPOSTA: dM / dág = 8 Para determinar a densidade de um certo met
al, pesa-se uma peça do metal no ar e posteriormente a peça imersa em água. Seu peso n
o ar é de 800 N e na água é de apenas 700 N. Qual é a razão entre as densidades do metal e
da água?
116
(CEFETSP-2009.1) - ALTERNATIVA: E A crosta terrestre flutua sobre o magma líquido
de forma análoga a um bloco de gelo que flutua em água líquida. Considere um bloco de
granito flutuando, em equilíbrio, numa porção de magma, e as informações da tabela a segui
r. MATERIAL água líquida magma gelo granito DENSIDADE (g/cm3) 1,0 3,0 0,9 2,7
Pode-se afirmar que a porcentagem do bloco de granito imersa nesse magma a) depe
nde da massa do bloco de granito. b) depende do volume do bloco de granito e do
volume de magma. c) é menor que a porcentagem do bloco emersa do magma. d) é maior q
ue a porcentagem imersa de um bloco de gelo flutuando em água. *e) é igual à porcentag
em imersa de um bloco de gelo flutuando em água. (VUNESP/FMJ-2009.1) - ALTERNATIVA
: E No sistema de vasos comunicantes da figura, a área da secção transversal do ramo B
é cinco vezes maior que a do ramo A e ambos são fechados por dois êmbolos de massas d
esprezíveis. Um fluido incompressível está confinado na região limitada pelos êmbolos. Ini
cialmente, coloca-se sobre o êmbolo do ramo A uma caixa de massa 2 kg e, para mantê-
la em equilíbrio, é necessário colocar sobre o êmbolo do ramo B uma caixa de massa m, de
sconhecida (Figura 1). Em seguida, inverte-se a posição das caixas e, nessa nova sit
uação, para continuar mantendo o equilíbrio, é necessário colocar outra caixa de massa M s
obre a de massa 2 kg (Figura 2).
(UEPG/PR-2009.1) - RESPOSTA: SOMA = 10 (02+08) Sobre os fundamentos da hidrostátic
a, assinale o que for correto. 01) A mistura de duas substâncias de densidades abs
olutas distintas gera uma terceira cujo valor de densidade é um valor fixo compree
ndido entre o maior e o menor valor das densidades das substâncias que lhes deram
origem. 02) Quando um corpo é mergulhado num fluido, a pressão sobre ele aumenta à med
ida que aumenta a sua profundidade. 04) A pressão no fundo de um fluido contido em
um recipiente depende do formato do recipiente que o contém e da superfície exposta
ao ar livre. 08) A ascensão de um balão na atmosfera e a flutuação de um pedaço de cortiça
na água caracterizam um mesmo princípio hidrostático. (CEFETGO-2009.1) - ALTERNATIVA:
D Uma criança brincando mergulha até o fundo de uma piscina levando uma garrafa de c
oca-cola tampada contendo ar no seu interior. Sabendo-se que a massa da garrafa
plástica tampada corresponde a 32 g e que o seu volume é aproximadamente 640 mL (con
siderando-se apenas o seu volume interno e desprezando-se o volume do invólucro plás
tico), qual a força resultante e a aceleração que atuará nesta garrafa, respectivamente,
logo após ser solta pela criança no fundo da piscina? (Considere a aceleração da gravid
ade g = 9,8 m/s2 e a densidade da água d = 1 g/ cm3). a) 6,90 N e 200 m/s2 b) 4,96
N e 184 m/s2 c) 6,96 N e 188 m/s2 *d) 5,96 N e 186 m/s2 e) 5,90 N e 182 m/s2
UFPel/RS-2009.1) - ALTERNATIVA: D Analise cada uma das afirmativas feitas sobre
o texto, indicando se ela é verdadeira (V) ou falsa (F). Um balão, cheio de um certo
gás, tem volume igual a 8,0 m3. A massa total do balão (incluindo o gás) é de 6,4 Kg. C
onsidere a massa específica do ar igual a 1,3 Kg/m3 e g = 10 m/s2. A massa M, em k
g, vale a) 4. b) 6. d) 24. *e) 48. ( ) O peso total do balão é de 64 N. ( ) O empuxo
que o balão recebe do ar é de 104 N. ( ) Se o balão for abandonado, ele cairá, porque s
ua densidade é maior que a do ar. ( ) Para uma pessoa segurar o balão, ela deverá exer
cer nele uma força igual e contrária ao empuxo que ele recebe do ar. ( ) Se esse balão
fosse abandonado na superfície da Lua, ele não receberia empuxo, pois lá não existe atm
osfera. Com base em seus conhecimentos sobre Hidrostática, quais são, respectivament
e, as indicações corretas? a) V, V, F, F e F. b) V, F, F, V e F. c) F, F, V, V e F.
*d) V, V, F, F e V. e) F, V, V, F e V. (CEFETPI-2009.1) - ALTERNATIVA: C As dime
nsões das grandezas primitivas básicas são: comprimento [L], massa [M] e tempo [T]. As
dimensões das grandezas derivadas Força e Pressão são, nesta ordem, iguais a: a) M.L–2T –1
e M.L–1T –1 b) M.L–1T –1 e M.LT –1 *c) M.LT –2 e M.L–1T –2 d) M.LT –1 e M.L–2T –1 e) M.LT –
c) 12.
(VUNESP/FTT-2009.1) - ALTERNATIVA: A No fundo de um poço de 16 m de profundidade,
cheio de água, há um objeto de densidade 2,5.103 kg/m3 e 5 litros de volume que deve
ser resgatado. Dispõe-se de um motor que deve trazer o objeto à tona em 10 s, com v
elocidade constante. Se a densidade absoluta da água é de 1,0.103 kg/m3 e a aceleração d
a gravidade vale 10 m/s2, a potência útil desse motor, em W, deve ser de *a) 120. b)
75. c) 15. d) 12. e) 7,5.
117
(UFRN-2009.1) - ALTERNATIVA: C Quando alguém tenta flutuar horizontalmente, na água,
assume uma posição na qual seu centro de flutuabilidade, ponto de aplicação da força de e
mpuxo, Fe, está localizado em seu corpo, acima do seu centro de gravidade, onde at
ua a força peso, Fg, conforme mostrado na Figura 1, abaixo. Essas duas forças formam
um binário que tende a girar o corpo até que elas se alinhem na direção vertical, confo
rme mostrado na Figura 2. Fig 45 2009 HDR
(UFRGS-2009.1) - ALTERNATIVA: C Na figura abaixo, estão representados, em corte la
teral, três recipientes de base circular que foram preenchidos com o mesmo líquido a
té uma altura h. As superfícies do líquido em cada recipiente estão submetidas à pressão at
osférica pa.
Fig 46 2009 HDR
Na figura, p1, p2 e p3 indicam os valores da pressão no fundo dos recipientes. Nes
sa situação, pode-se afirmar que a) p1 > p2 > p3. b) p1 = p2 > p3. *c) p1 = p2 = p3.
d) p1 = p2 < p3. a) p1 < p2 < p3. (UFLA/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: D Um reservatór
io cheio de água está apoiado sobre uma superfície horizontal. Dois blocos de mesmo vo
lume, um de chumbo outro de cobre, repousam sobre o fundo do reservatório. Conside
rando que a massa específica do chumbo é maior do que a massa específica do cobre ( Pb
> Cu), pode-se afirmar que a) o empuxo sobre o bloco de chumbo é maior que o empu
xo sobre o bloco de cobre. b) o empuxo sobre o bloco de chumbo é menor que o empux
o sobre o bloco de cobre. c) com Pb > Cu e ambos possuem o mesmo volume, a força n
ormal da superfície sobre o bloco de chumbo é menor que a força normal da superfície sob
re o bloco de cobre. *d) o empuxo sobre os blocos é o mesmo. (UNICENTRO/PR-2009.1)
- ALTERNATIVA: E Um submarino estava imerso e parado nas águas do oceano, a uma p
rofundidade de 60 metros. O Capitão decide movimentá-lo verticalmente para cima até qu
e ele fique a 10 metros da superfície da água. Com o sistema de propulsão desligado, e
ssa manobra foi, então, realizada lentamente com velocidade de ascensão constante, d
e maneira que a força de resistência viscosa da água foi desprezível. Considere que dura
nte essa subida as densidades, do submarino e da água do oceano, sejam representad
as, respectivamente, por dS e dA. Para o peso do submarino e a força de empuxo pro
porcionada pela água, considere PS e EA. É CORRETO concluir que, durante o movimento
de subida do submarino, as grandezas físicas citadas se relacionaram, de modo que
a) dS > dA e PS > EA. b) dS > dA e PS < EA. c) dS < dA e PS < EA. d) dS < dA e
PS = EA. *e) dS = dA e PS = EA. (UCS/RS-2009.1) - ALTERNATIVA: C Para que um balão
suba, é necessário enchê-lo com gases, de modo que ele sofra um empuxo do ar. Desprez
ando o peso do balão, qual característica esses gases devem possuir com relação ao ar? a
) Igual densidade de massa b) Maior densidade de massa *c) Menor densidade de ma
ssa d) Maior capacidade de ionização e) Menor capacidade de ionização
Em relação a essas duas forças, é correto afirmar que a) o empuxo é a força que a água exer
sobre o corpo, enquanto o peso é a força exercida pelo corpo sobre a Terra. b) o emp
uxo é a força que o corpo exerce sobre a água, enquanto o peso é a força exercida pelo cor
po sobre a Terra. *c) o empuxo é a força que a água exerce sobre o corpo, enquanto o p
eso é a força exercida pela Terra sobre o corpo. d) o empuxo é a força que o corpo exerc
e sobre a água, enquanto o peso é a força exercida pela Terra sobre o corpo. (CEFETPI-
2009.1) - ALTERNATIVA: D Sobre o estudo da HIDROSTÁTICA destacam-se os princípios e
teoremas abaixo: I. Quando um corpo está flutuando em equilíbrio num líquido em repous
o, seu peso e o empuxo que ele sofre do líquido têm intensidades iguais. II. Todo co
rpo mergulhado parcial ou totalmente num líquido em equilíbrio sofre a ação de uma força v
ertical para cima, de intensidade igual ao peso do volume de líquido deslocado pel
o corpo. III. Qualquer acréscimo de pressão exercido num ponto de um fluido ( gás ou líq
uido) em equilíbrio se transmite integralmente a todos os pontos desse fluido e às p
aredes do recipiente que o contém. Analizando-os, podemos afirmar que: a) somente
III é verdadeiro. b) somente I é verdadeiro. c) somente II é verdadeiro. *d) todos são v
erdadeiros. e) todos estão errados. (UFLA/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: D A figura aba
ixo mostra um corpo de volume 1000 cm3, totalmente imerso na água e preso a um din
amômetro D que indica 60 N. Considerando g = 10 m/s2 e densidade da água 1 g/cm3, po
dese afirmar que o peso real do corpo é: D a) 60 N. b) 50 N. c) 100 N. *d) 70 N.
118
(UNICENTRO/PR-2009.1) - ALTERNATIVA: D Uma esfera de massa m estava flutuando em
equilíbrio, totalmente imersa em um líquido, sem tocar o fundo do recipiente, à tempe
ratura ambiente (situação I). Quando esse conjunto foi submetido a uma variação de tempe
ratura, a esfera passou a flutuar em equilíbrio, parcialmente emersa (situação II).
(UFPB-2009.1) - RESPOSTA: I e V Em um laboratório de Física, dois estudantes pretend
em estudar possíveis dependências da altura da coluna de mercúrio com a pressão atmosféric
a e as formas dos vasos que contêm essa substância. Para isso, eles usam um tubo de
ensaio com raio R, enchendo-o completamente com mercúrio. Em seguida, colocam esse
tubo em posição invertida em um recipiente, que também contém mercúrio. O tubo então é des
pado, e observa-se que a altura da coluna de mercúrio no tubo é h, conforme represen
tação na figura 1.
Considerando-se que o coeficiente de dilatação volumétrica da esfera é menor que o coefi
ciente de dilatação do líquido, é CORRETO concluir que, da situação I para a situação II, o
unto foi a) aquecido e o empuxo sobre a esfera aumentou. b) aquecido e o empuxo
sobre a esfera diminuiu. c) aquecido e o empuxo sobre a esfera não se alterou. *d)
resfriado e o empuxo sobre a esfera não se alterou. e) resfriado e o empuxo sobre
a esfera aumentou. (UFJF/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: C Em uma brincadeira numa pi
scina, uma pessoa observa o esforço exercido para empurrar uma bola de futebol par
a o fundo. A massa da bola de futebol é bem menor que a massa de um volume de água i
gual ao volume da bola. Admitindo que o volume da bola não se altere com a profund
idade e que no início da observação ela já esteja totalmente submersa, assinale a altern
ativa que melhor descreve o que é observado. a) A força que se precisa fazer para em
purrar a bola com velocidade constante para o fundo aumenta à medida que a profund
idade aumenta. b) A força que se precisa fazer para empurrar a bola com velocidade
constante para o fundo diminui à medida que a profundidade aumenta. *c) A força que
se precisa fazer para empurrar a bola com velocidade constante para o fundo é a m
esma à medida que a profundidade aumenta. d) Observa-se que a bola fica sem peso d
entro d água e, portanto, não é preciso fazer força para empurrar a bola para o fundo. e
) Observa-se que não é preciso empurrar a bola para o fundo, já que ela afunda sozinha
. (UFJF/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: E Dois líquidos que não se misturam, de densidades
diferentes d1 e d2, são colocados em um tubo em forma de U. Quando estão em equilíbri
o, as colunas dos líquidos têm alturas h1 e h2 acima do nível que passa pela superfície
de contato entre eles, como mostra a figura ao lado. A razão das densidades d1 d2 é
igual a a) 1 b) h1 – h2 c) h1 + h2 d) h1 h2 *e) h2 h1 (UFJF/2009.1) - ALTERNATIVA:
C O mmHg (milímetro de mercúrio) é uma unidade de medida de pressão porque: a) equivale
ao peso de uma coluna de mercúrio de 1mm de diâmetro. b) equivale ao comprimento ho
rizontal de 1 mm de mercúrio. *c) equivale à pressão exercida por uma coluna de mercúrio
de 1 mm de altura. d) equivale à pressão exercida por uma coluna de mercúrio de 1 mm
de diâmetro. e) equivale ao peso de uma coluna de mercúrio de 1 mm de altura.
Nesse contexto, identifique as afirmativas corretas: I. A altura da coluna de me
rcúrio será menor do que h, se essa mesma experiência for realizada no topo de uma mon
tanha muito alta. II. A altura da coluna de mercúrio será menor do que h, se essa me
sma experiência for repetida usando um tubo com raio 2R. III. A altura da coluna d
e mercúrio será maior do que h, se o recipiente da figura 1 for trocado pelo da figu
ra 2. IV. A altura da coluna de mercúrio será maior do que h, se o recipiente da fig
ura 1 for trocado pelo da figura 3. V. A altura da coluna será maior do que h, se
o mercúrio for substituído por água. (UFAL/AL-2009.1) - ALTERNATIVA: D Uma variação positi
va de pressão é aplicada a um fluido incompressível confinado num recipiente. Embora a
s pressões hidrostáticas pA e pB, em dois pontos A e B no líquido, aumentem, o valor d
a diferença (pA – pB) não muda, em relação ao seu valor observado antes da variação de pres
Tal enunciado diz respeito ao princípio de: a) Galileu. b) Bernoulli. c) Arquimede
s. *d) Pascal. e) Stevin. (UCG/GO-2009.1) - RESPOSTA: AFIRMATIVA CORRETA A figur
a mostra uma bola de massa m presa por um fio ideal, imersa em um líquido cuja den
sidade é cinco vezes a densidade da bola. O centro da bola está a uma profundidade h
.
Analise a afirmativa a seguir e responda se ela é CORRETA ou FALSA. Cortando o fio
, a bola sobe com uma aceleração de 4g e sua velocidade a uma profundidade h/2 é , ond
e g é a aceleração da gravidade. Despreze a resistência do líquido. (UECE-2009.1) - ALTERN
ATIVA: B O gálio é um elemento químico metálico, cujo ponto de fusão é 30 °C e cuja densida
= 6,1 g/cm3. A altura, em metros, da coluna de um barômetro de gálio sob pressão atmos
férica, ao nível do mar (105 Pa e g = 10 m/s2) , num ambiente a 40 °C, é, aproximadament
e, a) 0,6. *b) 1,6. c) 16,0. d) 61,0.
119
(UEPG/PR-2009.1) - RESPOSTA: SOMA = 11 (01+02+08) A respeito da densidade, um pr
incipio de fundamental importância no cotidiano, assinale o que for correto. 01) Q
uando uma substância tem a sua estrutura natural alterada pela adição, no seu interior
, de uma outra substância, a densidade da substância resultante se altera. 02) Quand
o o volume de uma determinada substância é reduzido, sua densidade aumenta. 04) Para
uma mesma temperatura, as densidades das substâncias são iguais e constantes. 08) A
densidade de uma substância é determinada pela massa dos seus átomos e o espaçamento en
tre eles.
(USPI/PI-2009.1) - ALTERNATIVA: C No recipiente mostrado na figura, a densidade
do líquido em repouso é denotada por , e a aceleração da gravidade, por g. Com todas as
grandezas expressas no Sistema Internacional de Unidades, a diferença de pressão ent
re os pontos A e B é dada por a) g/5. b) g/4. *c) 3 g. d) 4 g. e) 5 g.
(UEPG/PR-2009.1) - RESPOSTA: SOMA = 05 (01+04) A respeito de pressão, assinale o q
ue for correto. 01) A pressão atmosférica sobre a superfície terrestre varia de acordo
com a altitude. 02) No interior de um líquido, qualquer que seja a profundidade,
a pressão tem sempre o mesmo valor. 04) A pressão no interior de uma câmara de ar depe
nde da quantidade de ar e da temperatura existentes dentro dela. 08) A pressão no
fundo de uma represa de água depende do volume de água armazenado.
(UFES-2009.1) - ALTERNATIVA: B Com 56,52g de ouro, faz-se uma esfera oca que flu
tua na água com metade de seu volume submerso. Dentre os valores abaixo, o que mai
s se aproxima ao raio da esfera é (considere = 3,14) a) 2 cm. *b) 3 cm. c) 4 cm. d
) 9 cm. e) 27 cm. (UFES-2009.1) - ALTERNATIVA: A A Embraer (Empresa Brasileira d
e Aeronáutica S.A.), instalada no Pólo Tecnológico de São José dos Campos-SP, é uma das mai
res empresas fabricantes de aviões do mundo. Fig 54 2009 HDR
(UEPG/PR-2009.1) - RESPOSTA: SOMA = 17 (01+16) Sobre os conceitos fundamentais d
a mecânica dos fluidos, assinale o que for correto. 01) Um balão de gás sobe se o gás em
seu interior for menos denso que o ar atmosférico. 02) Quando ocorre um aumento n
o volume de um corpo, a sua densidade também aumenta. 04) A pressão hidrostática no fu
ndo de um lago é inversamente proporcional à profundidade desse lago. 08) Se a força a
plicada sobre uma área de pressão for duplicada, a pressão nessa área será reduzida à metad
do seu valor inicial. 16) Ao tomar suco com um canudo, você não suga o suco. Em vez
disso, você reduz a pressão dentro do canudo, permitindo que a pressão atmosférica pres
sione o suco e o faça subir através do canudo.
(UNIMONTES/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: C Um recipiente contém um líquido homogêneo de de
nsidade 0,8 g/cm3. Adotando-se g = 10 m/s2, calcule a pressão efetiva, devida apen
as à coluna de líquido, a 0,6 m de profundidade, e a diferença de pressão entre dois pon
tos, A e B, que estão, respectivamente, nas profundidades de 0,7 m e 0,5 m. a) Pe
= 2300 N/m2; P = 5600 N/m2. b) Pe = 3600 N/m2; P = 1380 N/m2. *c) Pe = 4800 N/m2
; P = 1600 N/m2. d) Pe = 1600 N/m2; P = 4800 N/m2. (UNIMONTES/MG-2009.1) - ALTER
NATIVA: A Numa prensa hidráulica (veja a figura), os diâmetros dos êmbolos, cuja seção ret
a é circular, são d1 e d2, tais que d1 = 2 d2. A relação F1 F2 entre as intensidades das
forças exercidas nos dois êmbolos, quando situados no mesmo nível, é igual a *a) 4. b)
2. c)1/2. d)1/4.
A velocidade do ar acima das asas de um avião é maior do que a velocidade do ar abai
xo delas. Por isso, a pressão sobre a superfície inferior das asas é maior do que a pr
essão sobre a superfície superior. Considerando que a diferença de pressão seja P e que
a área efetiva das asas seja A, calcule o empuxo dinâmico (força ascensional). A respo
sta CORRETA é *a) A P. d) gA P. b) P/A. e) g P/A. c) A/ P. (UEPG/PR-2009.1) - RESP
OSTA: SOMA = 14 (02+04+08) A respeito de um corpo que é colocado no interior de um
líquido, assinale o que for correto. 01) Se o líquido for mais denso que o corpo, e
ste afundará. 02) Sendo o coeficiente de dilatação desse corpo maior que o do líquido, s
e todo o sistema for aquecido, o corpo se deslocará para a superfície do líquido. 04)
Se esse corpo for trocado por um outro, de maior massa e do mesmo material, o co
rpo substituto manterá a mesma posição do corpo anterior. 08) Se o peso desse corpo fo
r menor que o peso do líquido deslocado pelo corpo, ele emergirá. (UFJF/MG-2009.1) -
ALTERNATIVA: D Um objeto é colocado na água onde fica flutuando com 4/5 de seu volu
me submerso.Conhecendo a densidade da água água = 1000 kg/m3 calcule a densidade o d
o objeto. a) o = 200 kg/m3 b) o = 400 kg/m3 c) o = 600 kg/m3 3 3 *d) o = 800 kg/
m e) o = 1200 kg/m
120
(UERJ-2009.1) - ALTERNATIVA: C Uma fração do volume emerso de um iceberg é subitamente
removida. Após um novo estado de equilíbrio, os valores finais da densidade e do vo
lume submerso do iceberg, d2 e V2 , apresentam, respectivamente, as seguintes re
lações com os valores iniciais d1 e V1 : a) d2 > d1 e V2 < V1 b) d2 = d1 e V2 = V1 *
c) d2 = d1 e V2 < V1 d) d2 < d1 e V2 > V1 (UFU/MG-2009.1) - RESPOSTA: a) 0,89VO
b)0,92VO c) subirá Um iceberg (bloco de gelo com densidade volumétrica = 0,92 g/ cm3
) de volume VO cm3 (onde VO é uma constante) bóia na água do mar (de densidade volumétri
ca = 1,03 g/cm 3).
Esse iceberg derrete-se completamente e se mistura com a água do mar. a) Determine
o volume do iceberg que se encontra submerso (parte que se encontra abaixo do nív
el da água do mar), antes de ele derreter. b) Encontre o volume total de água líquida
(de densidade volumétrica = 1,0 g/cm3), resultante da transformação do iceberg ao se d
erreter. c) Desprezando qualquer outro fator (como as variações de temperatura, sali
nização, densidade da água do mar, por exemplo) e utilizando apenas a comparação das respo
stas dos itens a e b, explique o que ocorrerá com o nível da água do mar (subirá, descerá,
ou permanecerá inalterado) se icebergs boiando nessa água derreterem.
121
VESTIBULARES 2009.2
(UFPR-2009.2) - ALTERNATIVA: A Arquimedes de Siracusa descobriu que dois corpos
não podem ocupar o mesmo espaço num mesmo tempo e, além disso, todo corpo mergulhado e
m um fluido experimenta uma força contrária ao seu peso denominada “Empuxo”. Dentro dess
e contexto, observa-se que um bloco cúbico de madeira (d = 0,65 g/cm3), com 20 cm
de aresta, flutua na água (d = 1,0 g/cm3). A altura do cubo que permanece dentro d
a água tem o valor de: *a) 13 cm. b) 20 cm. c) 15 cm. d) 18 cm. e) 16 cm. (UNIFOR/
CE-2009.2) - ALTERNATIVA: B Uma haste maciça de alumínio tem 2,0 m de comprimento e
secção transversal em forma de T, com as dimensões abaixo dadas em cm.
(IFCE/CEFETCE-2009.2) - ALTERNATIVA: B A parte visível de um iceberg, acima da sup
erfície do mar, representa apenas uma fração de seu volume total. Sabendo-se que a den
sidade do gelo é 0,92 g/cm3 e a da água do mar é 1,0 g/cm3, a razão entre o volume total
e o volume da parte submersa de um iceberg é mais próxima de a) 0,92. *b) 1,1. c) 1
,2. d) 1,9. e) 2,1. (IFGO/CEFETGO-2009.2) - ALTERNATIVA: A Pra Ser Sincero
(Engenheiros do Hawaii)
Fig 61 2009 HDR
“...Sabemos tudo A nosso respeito Somos suspeitos De um crime perfeito Mas crimes
perfeitos Nunca deixam suspeitos...” Houve uma tentativa de cometer um crime perfe
ito em Siracusa, mas Arquimedes lá estava e não só descobriu o crime como também a quant
idade de ouro roubada. Suponha que havia 800 g de ouro para fazer uma coroa, cuj
a densidade era 20 g/cm3. O desonesto joalheiro substituiu 200 g de ouro pela me
sma massa de prata, cuja densidade era de 10 g/cm3. Arquimedes foi chamado para
descobrir se havia ou não mistura de prata nesta coroa, aqui chamada de Coroa de A
rquimedes. Indique a conclusão correta. Considere g = 10 m/ s2, dágua = 1 g/cm3 e dm
ercúrio = 13,6 g/cm3. *a) Quando totalmente mergulhada em água e abandonada, a Coroa
de Arquimedes ficará sujeita a uma força resultante de módulo 7,5 N. b) O volume de o
uro na coroa era de 25 cm3. c) Quando Arquimedes mergulhou totalmente a tal coro
a em água, o empuxo foi de 0,75 N. d) Se a coroa for totalmente mergulhada em mercúr
io, ela flutuará. e) Uma outra coroa, toda feita em prata, também com 800 g, desloca
rá menos água que a Coroa de Arquimedes, se ambas forem totalmente mergulhadas. (IFC
E/CEFETCE-2009.2) - RESPOSTA: a) 7,1 N b) 850 kg/m3 c) 1000 kg/m3 Um cubo maciço d
e madeira, com aresta h = 10,0 cm, flutua com 85,0% de seu volume submerso no líqu
ido A (ver figura do lado esquerdo). Ao ser colocado no líquido B, o cubo afunda,
repousando em uma balança que, então, indica um peso de 0,140 kgf (ver figura do lad
o direito). A densidade do líquido B, B é 710 kg/ m3. Determine:
A densidade do alumínio é d = 2,7 × 103 kg/m3. A massa da haste é, em kg, a) 81 *b) 54 c
) 41 d) 27 e) 14 (UNIFOR/CE-2009.2) - ALTERNATIVA: D Um balão abandonado no ar des
ce com aceleração de 0,20 m/ s2. Retirando-se do balão a massa de 2,0 kg, quando solto
, ele passa a subir com aceleração de 0,20 m/s2. Considere o empuxo do ar constante
nas duas situações e adote g = 9,8 m/s2. A massa original do balão era, em kg, a) 20 b
) 30 c) 40 *d) 50 e) 60 (IFCE/CEFETCE-2009.2) - ALTERNATIVA: C O aquecimento glo
bal vem causando o derretimento das calotas polares, responsáveis pelo equilíbrio cl
imático do planeta. Se a área coberta pelos mares e pelos oceanos for expressa por A
e a V, em profundidade média dos mesmos por P, um aumento seu volume, devido ao d
erretimento das calotas polares, considerando-se que a variação da área coberta pelos
mares e pelos oceanos é desprezível, acarretará um acréscimo, em seu nível P, de a) A.A/P
+ V. b) P + V/A. *c) V/A. d) V/P + A. e) 2 V/A.
a) a força de empuxo sobre o cubo quando submerso no líquido B, em N; b) a densidade
do cubo de madeira, em kg/m3; c) a densidade do líquido A, em kg/m3. Usar g = 10
m/s2.
122
(VUNESP/UNICID-2009.2) - ALTERNATIVA: A Devido a uma dificuldade espacial, a tub
ulação de água limpa de um banheiro assume em certo ponto do interior da parede uma es
tranha geometria que, entre outras coisas, foi responsável pela rachadura acidenta
l ocorrida durante uma reforma, provocando o vazamento da água do interior do cano
.
(UFOP/MG-2009.2) - ALTERNATIVA: C Para que seja possível emergir e submergir, os s
ubmarinos utilizam-se de “tanques de lastro”, que são enchidos com água ou esvaziados de
acordo com a necessidade. Com base nesse fato, é correto afirmar: a) Para emergir
o submarino, enche-se o tanque de lastro, pois assim aumenta seu volume. b) Par
a emergir o submarino, esvazia-se o tanque de lastro, pois assim diminui o seu v
olume. *c) Para submergir o submarino, enche-se o tanque de lastro, pois assim a
umenta sua densidade. d) Para submergir o submarino, esvazia-se o tanque de last
ro, pois assim diminui sua densidade. (IFMG/CEFETMG-2009.2) - ALTERNATIVA: D Um
cilindro de madeira de massa igual a 600 g flutua com 3/4 do seu volume submerso
em água. Nessas condições, a(o) (Dados: g = 10 m/s2 e densidade da água = 1,0 g/cm3) a)
peso do cilindro é igual a 8,0 N. b) volume do cilindro é igual a 750 cm3. c) empux
o sobre o cilindro vale 0,60 N. *d) densidade do cilindro vale 0,75 g/cm3. e) vo
lume de água deslocado é igual a 800 cm3. (UFV/MG-2009.2) - ALTERNATIVA: A A figura
abaixo ilustra uma pessoa equilibrando um caminhão por meio de um elevador hidráulic
o. O caminhão tem 10 toneladas de massa e está apoiado sobre um pistão cuja área é de 6 m2
. Sabendo que a área do pistão no qual a pessoa atua é de 30 cm2, é CORRETO afirmar que
o valor do módulo da força que esta pessoa exerce sobre o pistão é de: (Considere a acel
eração da gravidade local g = 10 m/s2.) *a) 50 N b) 150 N c) 200 N d) 500 N
Como os canos estavam cheios de água, deve-se esperar que no interior deles, a água,
representada em cor acinzentada, permanecerá em repouso conforme o indicado em
*a)
b)
c)
d)
(UEG/GO-2009.2) - ALTERNATIVA: A O sistema cardiovascular dos humanos é constituído
de um tubo fechado através do qual o sangue flui devido ao bombeamento exercido pe
lo coração. Para bombear o sangue, as paredes do coração se contraem (sístole) e relaxam (
diástole) periodicamente, batendo em média 100 vezes por minuto. Considere que a den
sidade do sangue seja igual à densidade da água (d água = 1,0 kg/ m3) e que o coração cons
iga bombear o sangue a uma pressão de 150 mmHg acima da pressão atmosférica. Para efei
to de cálculo, considere 1 atm = 750 mmHg. Fazendo a analogia entre o sistema card
iovascular e uma coluna de líquido, até que altura o coração consegue bombear o sangue?
*a) 2,0 metros b) 1,5 metros c) 1,0 metro d) 0,5 metro
e)
(UERJ/RJ-2009.2) - ALTERNATIVA: B A maior profundidade de um determinado lago de
água doce, situado ao nível do mar, é igual a 10,0 m. A pressão da água, em atmosferas, n
a parte mais funda desse lago, é de cerca de: a) 1,0 *b) 2,0 c) 3,0 d) 4,0
123
(UERJ/RJ-2009.2) - ALTERNATIVA: C A figura a seguir representa um fio AB de comp
rimento igual a 100 cm, formado de duas partes homogêneas sucessivas: uma de alumíni
o e outra, mais densa, de cobre. Uma argola P que envolve o fio é deslocada de A p
ara B.
Durante esse deslocamento, a massa de cada pedaço de comprimento AP é medida. Os res
ultados estão representados no gráfico abaixo:
(UCS/RS-2009.2) - ALTERNATIVA: B Os samurais são antigos guerreiros japoneses que,
pelas lendas, apresentavam grande habilidade como espadachins e dispunham de es
padas afiadíssimas, que lhes permitiam cortar grossos objetos rapidamente. Suponha
mos que o golpe de um samurai com sua espada afiada aplique a mesma força que o go
lpe de um soldado com uma espada não tão afiada, mas que o golpe do samurai resulte
num corte melhor do que o do soldado. Por que isso acontece? a) A lâmina da espada
do samurai tem uma área de contato menor e por isso exerce uma menor pressão. *b) A
lâmina da espada do samurai tem uma área de contato menor e por isso exerce uma pre
ssão maior. c) A espada do samurai tem menos massa que a do soldado, portanto, por
definição, terá sempre mais energia cinética que a do soldado. d) A espada do soldado é m
ais rígida do que a do samurai, portanto, por definição, terá sempre menos energia cinétic
a que a do samurai. e) A espada do soldado é menos rígida que a do samurai, portanto
, por definição, terá sempre menos energia cinética que a do samurai. (UERJ/RJ-2009.2) -
ALTERNATIVA: C Uma pessoa totalmente imersa em uma piscina sustenta, com uma da
s mãos, uma esfera maciça de diâmetro igual a 10 cm, também totalmente imersa. Observe a
ilustração:
A razão entre a densidade do alumínio e a densidade do cobre é aproximadamente igual a
: a) 0,1 b) 0,2 *c) 0,3 d) 0,4 (UFU/MG-2009.2) - ALTERNATIVA: A A superfície de um
planeta, recentemente descoberto, foi analisada por um grupo de astronautas por
meio de uma sonda mecânica. Foi verificado que a maior parte do planeta era compo
sta por certo líquido “X” até então desconhecido. A sonda utilizada consistia de um cilind
ro reto maciço, de base circular, que foi imersa verticalmente (direção z) dentro do líq
uido “X”, conforme indicado nas figuras apresentadas a seguir.
A massa específica do material da esfera é igual a 5,0 g/cm3 e a da água da piscina é ig
ual a 1,0 g/cm3. A razão entre a força que a pessoa aplica na esfera para sustentála e
o peso da esfera é igual a: a) 0,2 b) 0,4 *c) 0,8 d) 1,0 (UTFPR-2009.2) - ALTERNA
TIVA: D Um barômetro é um instrumento usado para medir a pressão atmosférica. A figura a
baixo representa um destes instrumentos numa forma simples. Ele é constituído de um
tubo de vidro fechado em uma de suas extremidades e preenchido com mercúrio, que é m
ergulhado em um prato contendo também mercúrio. A coluna desce até uma altura de 76 cm
acima do nível do mercúrio do prato. Por que isto ocorre?
Analisando-se a força de empuxo sobre a sonda, em função do deslocamento em z, os astr
onautas concluíram que a densidade do líquido era diretamente proporcional a z, isto
é, = 0.z, onde é constante. Nesse caso, assinale a alternativa que melhor 0 represe
nta a força de empuxo observada, em função da posição vertical z da sonda. *a) b)
c)
d)
a) Por causa da capilaridade, que provoca uma adesão das moléculas de mercúrio nas par
edes do vidro que impede o seu escoamento. b) Porque quando o líquido descer, a co
luna de mercúrio formará um vácuo na parte de cima do tubo que impedirá que o líquido esco
e. c) Porque o vácuo formado na parte de cima do tubo produz uma pressão negativa qu
e suporta todo o peso da coluna de mercúrio. *d) Porque a coluna de mercúrio dentro
do tubo exerce uma pressão na base, que é a mesma pressão da atmosfera exercida no mer
cúrio no prato, ocorrendo o equilíbrio. e) Por causa da tensão superficial do mercúrio,
que forma uma película superficial que impede o seu escoamento para fora do prato.
124
(IFMG/EAFI-2009.2) - ALTERNATIVA: B Existem regiões do litoral brasileiro em que é c
omum, perto das praias, encontrarmos lagoas de água doce. Considere um mergulhador
mergulhando a 5,0 m de profundidade no mar e depois mergulhando também a 5,0 m de
profundidade em uma lagoa no mesmo nível do mar. Sendo Pmar a pressão no mergulhado
r no mar e Pla a pressão no fundo da lagoa, podemos dizer que: a) Pmar = Pla *b) P
mar > Pla c) Pmar < Pla d) Só é possível fazer comparações abaixo de 10m de profundidade.
e) Só é possível fazer comparações abaixo de 20m de profundidade. (UDESC-2009.2) - RESPOST
A: a) 1,04 × 105 N/m2 b) 1,2 g/cm3 c) 25 cm O tubo em forma de U da figura abaixo
contém 3 líquidos diferentes L1, L2 e L3. As densidades dos líquidos L2 e L3 são 1,6 g/c
m3 e 1,0 g/cm3, respectivamente. Considere Patm = 105 N/m2 e g = 10 m/s2.
(UFMS-2009.2) - ALTERNATIVA: D A figura mostra um recipiente em repouso com água s
obre uma mesa, e dois balões, sendo o da esquerda de vidro (inflexível), e o da dire
ita de borracha (flexível), e estão totalmente imersos na água mantendo suspensos, em
equilíbrio, dois blocos sólidos de densidade maior que a água, impermeáveis e de massa i
gual a 1,0 kg cada. Todo esse sistema se encontra no alto de uma montanha acima
do nível do mar onde a pressão atmosférica é P. Considere a aceleração da gravidade igual a
10 m/s2 e, com fundamentos na mecânica dos fluidos, assinale a alternativa correta
.
a) A força de empuxo aplicada pela água em cada balão é igual a 10N. b) A força de empuxo
aplicada pela água em cada bloco é igual ao peso da água que os balões deslocaram. c) Se
esse sistema for levado até o nível do mar onde a pressão atmosférica é maior que P, a pr
essão da água aumentará apenas na sua superfície. *d) Se esse sistema for levado até o níve
do mar, onde a pressão atmosférica é maior que P, a força de empuxo no balão de borracha
diminuirá, e o bloco puxará o balão para o fundo. e) Se esse sistema for levado até o níve
l do mar, onde a pressão atmosférica é maior que P, a força de empuxo no balão de vidro au
mentará e puxará o bloco para cima.
Em relação a isso determine: a) a pressão na superfície de separação entre os líquidos L2 e
; b) a densidade do líquido L1; c) a altura da coluna de L2 acima da superfície de s
eparação entre L2 e L3 após o equilíbrio, caso o líquido L1 seja retirado do tubo em forma
de U. (UDESC-2009.2) - RESPOSTA: a) 160 cm 3 e 2,4 N b) 3,0 N e 0,6 N c) 2,25 × 1
03 Pa Um cilindro, cuja área da base é igual a 20 cm2, está flutuando em um líquido de d
ensidade igual a 1,5 × 103 kg/m3, conforme ilustra a figura abaixo. Considere g =
10 m/s2.
(UNESP-2009.2) - RESPOSTA: 1560 mm e 1040 mm O esfignomanômetro de Riva-Rocci foi
um dos primeiros aparelhos desenvolvidos para se medir a pressão arterial. Atualme
nte, devido ao mercúrio presente nesses aparelhos, eles vêm sendo substituídos por esf
ignomanômetros eletrônicos, sem mercúrio, para reduzir impactos ambientais. Para uma p
essoa saudável, a pressão arterial máxima equilibra a coluna de mercúrio a uma altura máxi
ma de 120 mm e a pressão arterial mínima equilibra a coluna de mercúrio a uma altura mín
ima de 80 mm. Se o esfignomanômetro de Riva-Rocci utilizasse água ao invés de mercúrio,
quais seriam as alturas máxima e mínima, em milímetros, da coluna de água que seria equi
librada pelos valores máximos e mínimos da pressão arterial de uma pessoa saudável? Cons
idere que a densidade do mercúrio é 13 vezes maior que a da água. (UNESP-2009.2) - RES
POSTA: 1,2 × 105 Pa e 780 mmHg Dois mergulhadores, A e B, estão submersos em um tanq
ue, a diferentes profundidades, de forma que a distância vertical entre eles é de 1,
3 metro, como indica a figura. Sabendo-se que o manômetro localizado no pulso do m
ergulhador B indica uma pressão de 880 mmHg, determine essa pressão, em pascal, e a
indicação do manômetro do mergulhador A, em mmHg.
a) Calcule o volume do líquido deslocado pelo cilindro e o empuxo exercido sobre e
le. b) Suponha agora que o cilindro seja empurrado de forma que ele afunde compl
etamente no líquido. Nesta condição, determine o valor do empuxo que atua sobre o cili
ndro e a força exercida para mantê-lo totalmente submerso. c) Determine o valor da p
ressão manométrica no fundo do recipiente.
Admita que a densidade do mercúrio é 13 vezes maior que a da água e que a pressão atmosfér
ica na superfície do tanque seja de 760 mmHg ou 1,0 × 105 Pa.
125
(VUNESP/UFTM-2009.2) - RESPOSTA: a) 20 kg b) 300 N Abandonado à deriva nas águas tra
nquilas de um lago, um tonel de 50 litros flutua em posição vertical, mantendo 3/5 d
e seu volume fora da água, como mostra o desenho.
Para esse tonel, admitindo que a densidade da água do lago tem valor 1.103 kg/m3 e
que a aceleração da gravidade tem valor g = 10 m/s2, determine: a) sua massa, em kg
. b) a intensidade da menor força que se deve aplicar verticalmente e para baixo,
sobre o centro do tonel, de modo a torná-lo completamente submerso. (UFPel-2009.2)
- ALTERNATIVA: A De acordo com a Hidrostática, analise as afirmações abaixo. I) O emp
uxo que atua em um corpo é tanto maior quanto maior for a quantidade de líquido que
ele desloca. II) O valor do empuxo que atua em um corpo mergulhado em um líquido é i
gual ao peso do líquido deslocado pelo corpo. III) Todo corpo mergulhado em um líqui
do e que não esteja em contato com as paredes do recipiente que o contém, recebe um
empuxo vertical, para cima, igual ao peso do líquido deslocado pelo corpo. IV) Um
balão sobe na atmosfera porque sua densidade média é menor do que a do ar. Como a dens
idade do ar diminui com a altitude, o valor do empuxo sobre o balão diminuirá enquan
to ele sobe. V) Um objeto pendurado em um dinamômetro está totalmente mergulhado num
líquido sem encostar no fundo do recipiente. Em relação à situação descrita, se o objeto e
tiver parado, a indicação do dinamômetro é igual ao empuxo que o corpo recebe do líquido.
Quantas afirmativas estão INCORRETAS? *a) Uma. b) Duas. c) Três. d) Quatro. e) Cinco
. (UFLA/MG-2009.2) - ALTERNATIVA: D Um corpo C, no ar, pesa 0,185 N. Quando esse
corpo é preso a um dinamômetro D fixado no fundo de um reservatório de água, o dinamômetr
o passa a indicar a leitura de 0,815 N (figura abaixo). Considerando a densidade
da água 10 3 kg/m3, pode-se afirmar que a densidade do corpo é: a) 1,2 × 103 kg/m3 b)
1,0 × 103 kg/m3 c) 3,14 × 103 kg/m3 *d) 0,185 × 103 kg/m3
126
MECÂNICA: HIDRODINÂMICA
VESTIBULARES 2009.1
VESTIBULARES 2009.2 PÁG. 128 (UFCG/PB-2009.1) - ALTERNATIVA: D O perfil da asa de
um avião está sob a ação de um fluxo de ar como mostra a simulação na figura. Fig 4 2009 HD
(UFMS-2009.1) - RESPOSTA OFICIAL: SOMA = 005 (001+004) A roda d’água de uma bomba hi
dráulica está girando com velocidade angular constante igual a W. A roda d’água possui d
iâmetro D e está sendo alimentada pelo topo, no ponto A, por uma vazão constante de água
. Depois de meia volta, a água é despejada na parte inferior da roda, no ponto B, co
m a mesma vazão e velocidade do ponto A. A bomba hidráulica retira água, no ponto E, d
e um reservatório, a uma vazão constante e igual a 2 (kg/s), cujo nível de água está a uma
altura Y1 do solo, e a bombeia até uma altura Y2 do solo, no ponto S, com a mesma
vazão e velocidade no ponto E, veja a figura. Considere a água como um fluido ideal
e com fundamentos na mecânica dos fluidos, assinale a(s) proposição(ões) correta(s). Fi
g 31 2009 HDR
Em relação ao experimento é CORRETO afirmar que a) o módulo da velocidade do ar é maior ac
ima do perfil do que abaixo dele porque, aí, o ar percorre uma distância maior. b) a
pressão exercida pelo ar sobre o perfil na parte de baixo é menor do que a pressão ex
ercida por ele na parte de cima do perfil. c) a pressão do ar sobre o perfil é menor
na parte de cima porque a velocidade do ar nessa região é maior. *d) a pressão exerci
da pelo ar sobre a parte superior do perfil é menor e, como conseqüência, sua velocida
de é maior nessa região. e) nenhuma das alternativas anteriores é satisfatória no contex
to da análise do experimento. (UFBA-2009.1) - RESOLUÇÃO NO FINAL Um experimento intere
ssante e de fácil execução pode ser realizado com uma fita de papel. Esse experimento
consiste em aproximar a fita do lábio inferior e soprá-la, verificando-se, então, que
ela se eleva.
(001) O trabalho realizado pelo campo gravitacional, em um elemento de massa de ág
ua que foi despejado no topo superior da roda, no ponto A, até ser despejado na pa
rte inferior da roda, no ponto B, não depende da velocidade angular W da roda d água
. (002) A potência motriz média, realizada pela roda d’água, depende da velocidade angul
ar W da roda. (004) O torque motriz médio, realizado pela roda com relação ao eixo de
rotação, depende do diâmetro da roda. (008) O trabalho realizado pelo campo gravitacio
nal em um elemento de massa que foi bombeado desde a entrada na bomba, no ponto
E, até a saída do condutor, no ponto S, depende da vazão 2 em que a água é bombeada e do d
esnível (Y2 – Y1). (016) Se multiplicarmos a vazão 2 (kg/s) pela altura Y2 (m), e pela
aceleração da gravidade (m/s2), teremos um resultado em unidades de energia em Joul
es. (FEI/SP-2009.1) - ALTERNATIVA: A Em uma caixa d’água havia uma rachadura por ond
e escoaram 105,135 litros de água em 10,0 s. Qual é a vazão deste vazamento em L/s? *a
) 10,5135 b) 105,315 c) 1,531 d) 1005,31 e) 15,315 (UFJF/MG-2009.1) - ALTERNATIV
A: A Uma caixa d água de 1000 L deve ser enchida em até 2 horas por meio de um cano
de secção reta constante de área 3,00 cm2. Qual é a velocidade mínima que a água deve ter n
cano? *a) 46,3 cm/s b) 674 cm/s c) 23,9 cm/s d) 312 cm/s e) 51,3 cm/s
Considerando que o papel utilizado tem a gramatura (massa por unidade de área) igu
al a 75,0 g/m2 e espessura desprezível, que o módulo da aceleração da gravidade local é ig
ual a 10,0 m/s2 e que a densidade do ar é de 1,3 kg/m3, • explique por que o papel s
e eleva; • calcule a força resultante, por unidade de área, em um ponto do papel, quan
do alguém sopra a fita com velocidade de 2,0 m/s. RESOLUÇÃO UFBA-2009.1: O papel se el
eva devido a pressão na face superior ser menor que na face inferior. Da equação de Be
rnoulli: p = p – p0 = v2/2 = 1,3.2,02/2 p = 2,60 N/m2 peso do papel por unidade de
área: = (0,075kg/m2).10m/s2 FR = A p– = 1,85 N/m2
127
VESTIBULARES 2009.2
(UFMS-2009.2) - RESPOSTA: SOMA = 014 (002+004+008) As formigas constroem seus fo
rmigueiros, com várias galerias subterrâneas, que se comunicam entre si e com a supe
rfície do solo. A figura abaixo mostra uma galeria que possui duas comunicações extern
as em alturas diferentes, sendo a abertura A mais alta e a B mais baixa. O gráfico
ao lado mostra a distribuição da velocidade do vento com a altura y nessa região, e n
ota-se que, devido ao atrito entre o solo e o ar, a velocidade do vento aumenta
com a altura y atingindo um valor limite a partir de uma determinada altura. As
aberturas A e B possuem secções planas e paralelas ao plano horizontal e as velocida
des do vento nessas aberturas também são horizontais. Considere todo o ar na mesma t
emperatura e como um fluido ideal, a abertura A muito distante da abertura B, e,
com fundamentos na mecânica dos fluidos, assinale a(s) afirmação(ões) correta(s).
(001) A velocidade do ar, na abertura A, é menor que a velocidade do ar na abertur
a B. (002) A pressão do ar, na abertura A, é menor que a pressão do ar na abertura B.
(004) O ar circulará pela galeria, entrando pela abertura B e saindo pela abertura
A. (008) Se o vento nessa região estiver com a mesma distribuição de velocidades, não i
mporta o seu sentido, isto é, da direita para a esquerda ou da esquerda para a dir
eita, a diferença entre a pressão da abertura A e a pressão da abertura B será a mesma.
(016) Se as aberturas A e B estivessem na mesma altura, circularia ar pela galer
ia, da abertura A para a abertura B.
128