P. 1
Análise da Dureza Total, Dureza de Cálcio e Dureza de Magnésio em Amostra de Água do Córrego Riacho Fundo

Análise da Dureza Total, Dureza de Cálcio e Dureza de Magnésio em Amostra de Água do Córrego Riacho Fundo

|Views: 1.754|Likes:
Publicado porNelson Luiz

More info:

Published by: Nelson Luiz on Apr 11, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/04/2013

pdf

text

original

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL DISCIPLINA QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL II PROFESSOR MSc.

DANIEL RODRIGUES

Análise da Dureza Total, Dureza de Cálcio e Dureza de Magnésio em Amostra de Água do Córrego Riacho Fundo

Autores: Alex Rosa Campani Daniel Gonçalves Zottich Diego Abreu Lemos Hugo de Brito Lisboa João Pedro da Silva Souza Vinícius A. F. Medeiros

Distrito Federal, 14 de abril de 2009.

sua dureza. Íons Mg+2 formam um complexo com ATP e estão presentes nas enzimas que controlam as reações de liberação de energia a partir do ATP. Dureza de uma água é a medida da sua capacidade de precipitar sabão. foi feita através do método da volumetria de complexação com solução de EDTA. pois são importantes agentes no organismo humano. não formando espuma até que o processo se esgote. está presente nos ossos e dentes. Portanto. INTRODUÇÃO A determinação de padrões físico-químico da água para o consumo humano é de suma importância. depende em grande parte do solo da qual se encontra. A determinação do teor cálcio e magnésio presentes em uma amostra de água superficial do Córrego Riacho Fundo. em concentrações não muito elevadas. É causada pela presença de cálcio e magnésio.1. Íons Ca+2 são importantes no processo de coagulação do sangue e são necessários para dar início à contração dos músculos e para manter o batimento regular do coração. principalmente. Já o cálcio. pois representa um bem utilizado por toda a humanidade formas múltiplas. tendo influencia sobre a predominância de íons Na+ e Mg2+ em algumas rochas progenitoras do solo através do intemperismo. nas águas que a possuem. São também essenciais para a transmissão de impulsos nervosos. a com posição química da água e. Com base nisto é necessário determinar as quantidades de Mg e Ca que representam a dureza da água.( Copyright 2002-2003 – Mundo do Químico ).2003). É de suma importância que a água apresente Ca e Mg. além de outros cátions(GAUTO. os sabões transformam-se em complexos insolúveis. . conseqüentemente. isto é.

3.7``S e 48° 02`17. A área de influência do córrego mostra-se sem a devida preservação necessária. MATERIAS E MÉTODOS 3. A geologia é composta por rochas do grupo Paranoá. com uma densa população nas proximidades e com a presença de um canal de despejo de águas pluviais da cidade Riacho Fundo II no corpo d`água. argilitos. Segundo Walter e Sampaio (1998). com inverno seco e verão chuvoso.2. Quanto à pedologia. o clima predominante na região é do tipo Aw (classificação de Köppen).1 ÁREA DE ESTUDO: O estudo foi realizado em um ponto do curso do córrego Riacho Fundo. pertencendo à região administrativa do Riacho Fundo – Distrito Federal. com a presença de arenitos.2`` W. A amostra de água foi coletada superficialmente no dia 04 de março de 2009 às 10:27h e acondicionada em local e temperatura adequados no Laboratório de Química Analítica da Universidade Católica de Brasília para posterior análise. com altitude de 1. siltitos.167 m em relação ao nível do mar. localizado às coordenadas geográficas 15º 52` 57. neossolos e solos hidromórficos nas regiões de nascente e nas regiões de mata de galeria. quartizitos e ardósias. 3.2 MATERIAS: . ocorrem latossolos vermelhos e vermelhos amarelados. através do método da volumetria de complexação com solução de EDTA. além de casos mais isolados de cambissolos. OBJETIVOS Objetivou-se com este trabalho a determinação da Dureza Total (Cálcio e Magnésio) e determinação do teor cálcio e magnésio presentes em uma amostra de água superficial do Córrego Riacho Fundo.

Bureta (25mL) .005 mol/L .Papel indicador universal . devem-se colocar os dados obtidos na fórmula abaixo: . Para fins de cálculo da dureza total.Indicador sólido de murexida em pó 3.Suporte Universal e garras .Para análise da determinação da dureza total e teor de cálcio foram utilizados os seguintes materiais: .Solução de NaOH – 0.Solução Tampão – pH 10 .Piceta com água destilada .Pêra 3.Agitador magnético e barra magnética . com solução de EDTA 0.Solução de EDTA – 0.Caneta para marcar vidraria .Indicador sólido negro de eriocromo 1% (m/v) Para determinação do teor de Cálcio e Magnésio da amostra foram utilizados os seguintes reagentes: .Pipeta volumétrica (50mL) .Solução de EDTA – 0.3 REAGENTES: Para determinação da dureza total da amostra foram utilizados os seguintes reagentes: .4 MÉTODOS: Para a determinação da dureza total e teor de cálcio foi utilizado o método da volumetria de complexação.5 mol/L .Erlenmeyer (250mL) .005 mol/L.005 mol/L .

Dureza Ca +2 æ mg ö +2 Mg + 2 ç ÷ = Dureza do Mg ´ 0. volumetria de complexação. Dureza Total (mg/L de CaCO3).2429 è L ø Onde: VEDTA – volume do titulante (mL). VAmostra – volume da amostra (mL) Para determinação da Dureza de Cálcio. Dureza de Magnésio e teor de Magnésio.4) Ca +2 ç ÷= L ø Vamostra è æ mg (CaCO3 )ö = (VEDTA ´ 1000) Dureza Ca +2 ç ÷ Vamostra è L ø Dureza Mg +2 = Dureza Total . VAmostra – volume de amostra (mL). apenas diferenciando na utilização da solução tampão de pH e no indicador. utilizou-se ainda o mesmo método. devem-se colocar os dados obtidos nas fórmulas abaixo: æ mg ö (VEDTA ´ 400.æ mg Dureza Total ç (CaCO3 )ö = (VEDTA ´ 1000) ÷ Vamostra è L ø Onde: VEDTA – volume do titulante (mL). Para fins de cálculo das durezas e dos teores de Cálcio e Magnésio. Dureza Ca+2 – Dureza do cálcio (mg/L de CaCO3). do teor de Cálcio. . Dureza Mg+2 – Dureza do magnésio (mg/L de CaCO3).

Realizar um teste em branco. 5. Medir o pH (devendo estar entre 12 e 13). 6.005 mol/L. 3. Transferir 100mL da amostra para um erlenmeyer.5mol/L num béquer. 11.005 mol/L até a mudança de cor (de vermelho para azul). Titular a amostra com solução de EDTA 0.5 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL: Determinação da Dureza Total da amostra: 1. 5. Inserir os dados na fórmula. 4. 9.005 mol/L e ajustar a posição zero. 2. Adicionar a barra magnética no erlenmeyer e acionar a agitação magnética. 7. Lavar uma bureta com aproximadamente 5 mL com solução de EDTA 0. Encher a bureta com solução de EDTA 0. Verificar o valor do pH utilizando papel indicador universal. . Adicionar 15 gotas do indicador negro de eriocromo no erlenmeyer.5 mol/L e colocar no erlenmeyer contendo a amostra. Transferir 100 mL da amostra para um erlenmeyer. Determinação do teor de cálcio da amostra: 1. Encher a bureta com solução de EDTA 0. 8. 2. utilizando água deionizada. Verificar o volume de EDTA 0. 4.3. Lavar uma bureta com aproximadamente 5mL de solução de EDTA 0.005 mol/L e ajustar o ponto zero.005 mol/L utiliazado. Revolver a amostra.005 mol/L. 12. 10. Adicionar 20 mL da solução de NaOH 0. Adicionar 5mL de solução tampão pH=10. 6. Pipetar 5 mL da solução NaOH 0. 3.

Pesar 0. sendo que a coloração correta seria inicialmente avermelhada. 9. 4. tais como o . Ferro e Níquel. Cobre. reaja formando uma solução estável. tais como Alumínio.7. que é um ácido. A análise do parâmetro Dureza Total foi indeterminado. Tal anomalia pode ser um indicativo da presença de metais.1 g de sólido de murexida na balança e colocar no erlenmeyer contendo a amostra. Inserir os dados na fórmula. passando a azulada após a titulação com a solução de EDTA. 12. Verificar o volume de EDTA utilizado. foram encontrados os resultados constantes da tabela abaixo. Para que a interferência não ocorra. 8. Realizar a prova em branco com água deionizada. Segundo Eco Química (2009) alguns íons metálicos. são utilizados algumas soluções inibidoras. Titular a amostra com solução de EDTA 0. Adicionar a barra magnética e agitar. e também a presença de matéria orgânica podem interferir no ponto de viragem do indicador negro de eriocromo. 11. Tabela 1: Resultados encontrados para os parâmetros em análise. fazendo com que o indicador. como o Fe2+. na amostra de água do Córrego Riacho Fundo. uma vez que ao se adicionar o indicador negro de eriocromo a solução apresentou-se na cor azulada. 10.005 mol/L até que a solução mude de cor. Cobalto. RESULTADOS E DISCUSSÕES Após todo o procedimento e experimental e análise estatística dos dados.

NaCN (Cianeto de Sódio) e o Na2S (Sulfeto de Sódio). provenientes principalmente de rochas calcárias.2 .ciclohexonodiaminatetracetato de magnésio).MgCDTA (1. não apresentando uma quantidade consideravelmente alta de íons Ca2+. . na maioria dos casos a dureza de Cálcio está em maiores quantidades que a de Magnésio. moderadamente duras e moles. Adaptada de Fernandes (2001). como sendo água mole. a água em análise seria classificada indiretamente e imprecisamente como mole. Fernandes (2001) classifica as águas. em duras. em relação à dureza total. A amostra classificada. Tabela 2: Classificação da água quanto à dureza. para que os resultados não sejam mascarados.e assim não tem a capacidade de precipitar uma quantidade considerada de sabões. mas se considerados outros íons dissolvidos pode-se obter resultados diferentes. se deve a geologia do local que não é de formação de rochas calcárias. o que não se evidencia na região. observando rigorosamente os parâmetros para que sejam alcançados os objetivos da análise. 5. prejudicando as conclusões. Sugere-se que seja feita uma nova análise. Considerando a dureza total como o somatório das durezas em Cálcio e Magnésio e que. conforme a tabela abaixo. quanto à dureza de cálcio. o que é justificado pela baixa concentração de íons Ca2+. diante da ineficiência do método utilizado. CONCLUSÕES Tomando como parâmetro o que foi relatado e os resultados encontrados para dureza total e dureza de cálcio pode-se considerar os resultados parcialmente inconclusivos. Sugerese que seja feita analise da presença de outros íons que possam realizar precipitação de sabões.

T..br/repositorio/4488/meusite/hidroanalitica/titulometricas. Hidroanalítica.B. A.htm> WALTER. 110p.com. Análise Titulométricas. B. SAMPAIO. 1998. . Disponível em: < http://ube164.pop. A vegetação da fazenda sucupira. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ECO QUÍMICA.M. Brasília: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia.6.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->