P. 1
Eutanásia - final

Eutanásia - final

|Views: 252|Likes:
Publicado porPedro Couto

More info:

Published by: Pedro Couto on Apr 12, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/23/2014

pdf

text

original

Eutanásia

Ética Cristã
Seminário Teológico Baptista - Extensão Norte

Pedro Daniel Gonçalves Couto

Índice
Prefácio ! Introdução ! Compreender os Conceitos!
O que é a Vida?! O que é a Morte?!

3 4 5
5 5

Eutanásia!
O que é a Distanásia?! O que é a Ortotanásia?!

7
7 7

Breve História da Eutanásia! Tipos de Eutanásia!

8 9

Perspectivas !
Perspectiva do Paciente / Doente! Perspectiva da Família! Perspectiva Médica! Perspectiva da Sociedade em Geral!

11
11 11 12 13

Argumentos !
Argumentos a Favor! Argumentos Contra!

15
15 15

O que a Bíblia diz...! Conclusão ! Bibliografia!

16 18 19

!

Página 2 de 20

Eliel Harada. John Pallister. que me incentivou a inscrever-me no curso.Prefácio Este trabalho foi realizado no âmbito da disciplina de Ética Cristã da Extensão Norte do Seminário Teológico Baptista. ao professor da disciplina. por isso acho que se deve alertar as pessoas sobre os males que esta prática pode trazer à comunidade. Parece que este pode ser um dos próximos passos que a sociedade irá querer dar. pelo debate e troca de ideias que pudemos ter quando fiz a apresentação oral do trabalho. pelos ensinos que tem ministrado no curso e aos meus estimados colegas da disciplina. Decidi escolher este tema devido à recente legalização do aborto em Portugal. e. que me ajudou também a firmar alguns conceitos! . Queria deixar aqui os meus agradecimentos primeiro ao Pr. ! Página 3 de 20 .

! Página 4 de 20 . expor o que a Bíblia diz sobre o assunto. acaba por se tornar mais difícil definir a nossa opinião.Introdução Falar sobre o tema da eutanásia pode ser algo bastante controverso e. bem como expor perspectivas. Neste trabalho quero fazer uma desambiguação de conceitos e sub-conceitos que estão relacionados com a eutanásia. e existem muitas variáveis. Mas o tema é maior do que muitas vezes a comunidade pensa. e. normalmente existem duas facções opostas: aquela que é a favor da prática e aquela que é contra. e acaba por se subdividir em várias categorias. finalmente. alguma argumentação que é comum ser feita quando se debate este tema e.

Génesis 1:26-27 (ARA) Podemos encontrar esta descrição feita mais detalhadamente no capítulo 2 do livro de Génesis. a vida e a morte espero dar ao leitor um panorama mais geral sobre o tema. sobre toda a terra e sobre todos os répteis que rastejam pela terra. O que é a Morte? A morte pode ser definida como o fim das funções biológicas que sustentam a vida de um organismo: o fim da vida. pois. como podemos ver no acto da criação. nós devemos-lha apenas a Ele. Tudo o que Deus criou foi afectado com a entrada do pecado no mundo. O que é a Vida? A vida pode ser definida como um espaço de tempo entre a concepção e a morte de um organismo. Depois de Deus ter criado o mundo e tudo o que nele há. e Deus deu ao homem uma única ordem: não comer o fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal. pois a nos deu de graça. homem e mulher os criou. A vida perfeita criada por Deus foi afectada. ou seja. Deus criou também o homem. à imagem de Deus o criou. e. o apóstolo Paulo esclarece novamente que a morte é a consequência do pecado. Criou Deus. à sua imagem e semelhança (Génesis 1:26-27). tenha ele domínio sobre os peixes do mar. Pela razão de Deus nos ter dado vida. depois de ter criado a vida. mais precisamente em Génesis 1:26-27: “Também disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem.Compreender os Conceitos Para perceber o que é a eutanásia e as implicações que esta tem. o homem à sua imagem. conforme a nossa semelhança. a humanidade quebrou a sua relação com Deus. tal como Deus disse que aconteceria. sobre os animais domésticos. ao expor os dois conceitos mais gerais que estão ligados à eutanásia. A vida é um dom de Deus e foi-nos dada por Ele. o homem morreria (Génesis 2:16-17).” . Mas o homem foi tentado (Génesis 3:1-5). sobre as aves dos céus. Surgiu a morte. precisamos de conhecer e perceber as áreas que a sua prática afecta. não conseguiu cumprir a única ordem proibitiva dada por Deus (Génesis 3:6). ! Página 5 de 20 . Então. Foi nesse momento que o pecado entrou no mundo. Em Romanos 6:23. pois no dia em que isso acontecesse.

que vai ser explorada na secção seguinte. desnutrição. Foi também aí que a violência entrou no mundo. ou seja. além da morte por causas naturais. num acto violento (Génesis 4:8). existem mais 3 tipos de morte: o homicídio. Abel. quando Caim. E por fim temos a eutanásia. que surgiu pouco tempo depois do pecado entrar no mundo. o filho do primeiro casal criado por Deus. Uma outra forma de terminar com a vida é o suicídio. quando a própria pessoa termina com a sua própria vida. mas não da mesma forma.Todos somos pecadores e. como acidentes. a morte irá chegar a todos. por estarmos alienados de Deus. ! Página 6 de 20 . De uma forma generalizada. predação. ou da morte através de factores externos. quando a vida de um indivíduo termina por motivos de doença ou de velhice. entre outros. Ao longo da história da humanidade começaram a surgir “novas formas” da morte chegar. matou o seu irmão.

proporcionando ao doente uma “morte suave” e sem sofrimento físico. Evita-se assim que o paciente sofra cada vez mais. basicamente o contrário da eutanásia. O que é a Distanásia? Fonte: [4] A distanásia é. nem nenhum tratamento proporcionou melhorias para ele. em que uma pessoa acaba com a vida de outra pessoa. a vida a outra pessoa. É necessário realçar duas características do acto da eutanásia: primeiramente. Esta prática implica que o doente venha a sofrer mais. como medicamentos ou aparelhos em doentes que já estiveram com este tipo de suporte. Os conceitos são a Distanásia e a Ortotanásia. ! Página 7 de 20 . deve ser sempre controlada e assistida por um especialista.Eutanásia Fontes: [1-3] A palavra eutanásia. pois o seu fim de vida é prolongado. e consiste em atrasar o mais possível o momento da morte. também chamada de “morte voluntária” ou “morte por misericórdia” provém da junção de duas palavras gregas “eu” e “thanatos”. que significa “má morte”. para benefício desta. que significa literalmente uma “boa morte”. A eutanásia envolve um conjunto de métodos que permitam que o doente tenha uma morte sem sofrimento. É comum confundirem-se alguns conceitos que. com o mínimo de sofrimento possível. sem a interferência da ciência. mas sim o momento da morte. pois cada um destes conceitos é diferente e tem um significado próprio. usando todos os meios possíveis. com o objectivo de abreviar o seu sofrimento e. quando praticada. de alguma forma estão relacionados com a eutanásia. prolongando então a vida de um doente incurável ou já biologicamente morta através de meios artificiais. evitando-se que o doente fique ligado a equipamentos de suporte avançado de vida. e é importante não serem trocados. Muitos dizem que a distanásia não prolonga a vida. deixando a doença evoluir. esta prática implica que uma pessoa. e em segundo lugar a vida dessa pessoa só é tirada se houver algum “benefício” e caso esta se encontre num estado de sofrimento causado por algum tipo de doença incurável ou uma doença terminal e dolorosa. tem de tirar. deliberadamente. A palavra distanásia provém do grego “dis” e “thánatos”. permitindo-lhe assim uma morte digna. O que é a Ortotanásia? A ortotanásia é conhecida por ser a morte natural. mas não tiveram melhorias.

fez o mesmo que Saul e morreu com ele. enterravam os idosos e os doentes ainda vivos. pois o escudeiro não quis matar Saul (1 Samuel 31:1-6 1). Breve História da Eutanásia Fontes: [1. 5. como Platão. Algumas tribos e populações rurais Sul-Americanas nómadas sacrificavam os anciãos e os doentes. Saul pegou então na espada e lançou-se em cima dela. Sócrates e Epicuro defendiam que o o sofrimento de uma doença que provocasse dor era uma justificação para cometer suicídio. E quando o escudeiro viu que Saul estava morto. Perante isto. mas muitos deles foram mortos pelos filisteus. Nas comunidades pré-celtas e celtas era muito comum os filhos matarem os pais quando estes estivessem muito velhos e doentes. Assim morreram naquele dia Saul. mudando apenas os métodos de local para local e de época para época. Os filisteus perseguiram Saul e os seus filhos e entre estes mataram Jónatas. porque tinha muito medo. para não serem pagãos a mata-lo. Em Esparta era obrigatório matar os recém-nascidos que tivessem alguma deficiência. a prática de eutanásia é legal na Bélgica. na Suíça e nos estados de Oregon e Washington dos Estados Unidos da América.Normalmente pensa-se que a eutanásia é um conceito recente. os doentes sem cura eram atirados para o rio com a boca e as narinas tapadas com lama ritual. um dos relatos de pedido de eutanásia mais antigos encontra-se cerca de 1095 a. para não os expor aos ataques dos animais. podemos concluir que a eutanásia não é uma prática que ocorre ou que surgiu apenas nos nossos dias. quando Saul pediu ao seu escudeiro que o matasse. aliás. na Holanda. no Luxemburgo. Na Índia. é algo que vem a acompanhar a sociedade ao longo dos tempos.” .” Mas o escudeiro não quis fazê-lo. Abinadab e Malquichua. Depois concentraram o peso do ataque contra Saul. o seu escudeiro e todos os seus homens. Os Israelitas puseram-se em fuga. para que não sejam estes pagãos a matar-me. mas na verdade. Actualmente.. 6] A eutanásia é uma prática que vem acompanhando a sociedade ao longo dos tempos. Na Birmânia. Não é algo que surgiu apenas no século XX. Alguns filósofos da Grécia antiga. C. 1 “Os filisteus atacaram Israel no monte de Guilboa. É algo que está com a humanidade desde há muito tempo atrás. Portanto. Saul acabou por cometer suicídio.1 Samuel 31:1-6 (BPT) ! Página 8 de 20 . Não encontramos apenas exemplos da Bíblia. os seus três filhos. gabando-se do que fizeram. Outras práticas de eutanásia foram também relatadas. Saul disse ao seu escudeiro: “”Desembainha a tua espada e atravessa-me com ela. depois destes exemplos. como vamos ler em seguida. Os archeiros encontraram-no e feriram-no gravemente.

provavelmente devido ao período de guerra. mas ele é contra. sem ter dado o devido consentimento ou sem ter manifestado algum tipo de opinião sobre o assunto. mas foi a classificação proposta por Neukamp. no caso do médico indicar ao paciente uma quantidade de medicamentos ou mesmo uma substância que seria letal para o paciente. Neste critério temos a eutanásia activa e a eutanásia passiva. O suicídio assistido é quando uma pessoa ajuda outra a matar-se a si própria. • Eutanásia Não-Voluntária O processo de eutanásia é realizado sem que o paciente tenha conhecimento sobre o que se está a passar. que tem de estar em “boas” condições psicológicas. por exemplo. dispositivos ou substâncias letais para provocar. quanto à vontade do paciente. que queria enfatizar a responsabilidade do agente no acto da eutanásia. • Eutanásia Involuntária O processo de eutanásia é realizado contra a vontade do paciente. que prevaleceu e que é usada actualmente. Cada um destes tipos de eutanásia ainda pode ser classificado quanto ao tipo de acção. surgiram várias tentativas de classificação da eutanásia. também a eutanásia voluntária também engloba o conceito de suicídio assistido.Tipos de Eutanásia Fontes: [7-9] No início do século XX (entre 1928 a 1942). o profissional de saúde mata o paciente a pedido dele. Com a ! Página 9 de 20 . mas os dois conceitos são ligeiramente diferentes. a eutanásia involuntária e a eutanásia não-voluntária. para este tomar quando quisesse terminar com a sua vida. De acordo com a sua proposta. O paciente não sabe que vão praticar a eutanásia nele. métodos. nomeadamente em relação ao agente: na eutanásia voluntária. Quanto ao consentimento do paciente. por exemplo. ou seja. em 1937. sendo “forçado” a morrer contra a sua vontade. quando um médico dá uma injecção letal ao paciente. de grandes massacres e de eugenia que se vivia na altura. quanto à forma como ela é praticada. Actualmente. ou seja. É semelhante a um homicídio. por exemplo. • Eutanásia Voluntária O processo é realizado de acordo com a vontade e o consentimento do paciente. um profissional de saúde usar uma injecção letal num paciente terminal para terminar com a sua vida e com o seu sofrimento é um exemplo disto. o paciente sabe que vão praticar a eutanásia nele. a eutanásia pode ser classificada de acordo com o critério seleccionado. ou seja. quanto ao consentimento do paciente ou quanto ao tipo de acção. • Eutanásia Activa Usa-se o conceito de eutanásia activa quando se usam meios. temos a eutanásia voluntária. causar ou forçar a morte de um doente. ou seja.

pois envolve uma acção. cuidados paliativos são “cuidados prestados a doentes em situação de intenso sofrimento decorrente de doença incurável em fase avançada e rapidamente progressiva. que fica entre os dois tipos de eutanásia activa e passiva. 5. Como tal. sendo então considerado um caso de eutanásia passiva. Este é um exemplo de um caso ambíguo. 2010 [cited 2011 18 de Janeiro]. O objectivo consiste em promover. ou por determinação médica. 2. porque o tratamento é inútil e ineficaz para manter o paciente vivo. Um outro aspecto importante a referir além dos tipos de eutanásia.! Cuidados Paliativos.Fonte: [17. Available from: http://www. o bem-estar e a qualidade de vida destes doentes. • Eutanásia Passiva Fonte: [10] Usa-se o termo de eutanásia passiva quando existem acções que de uma forma propositada desencadeiem a morte do paciente.. A eutanásia passiva não é quando se interrompe um tratamento. deixando que a doença siga o seu curso normal..htm. Eutanásia Voluntária Activa Eutanásia Involuntária Activa Eutanásia Não-Voluntária Activa Eutanásia Voluntária Passiva Eutanásia Involuntária Passiva Eutanásia Não-Voluntária Passiva Um caso difícil. 3.] ! Página 10 de 20 . Fonte: [9] Apesar da distinção entre eutanásia activa e passiva ser bastante clara. É considerada eutanásia activa ou passiva? Desligar a máquina pode ser considerado um caso de eutanásia activa. evitando assim que o paciente tenha de passar por tratamentos dolorosos e ineficazes. tanto quanto possível e até ao fim. 2 Cuidados Paliativos: de acordo com o Portal da Saúde. quer seja através da paragem de um tratamento eficaz extremamente necessário para manter a vida do paciente. ou mesmo por decisão de ambos.pt/portal/conteudos/enciclopedia+da+saude/cuidados +paliativos/cuidadospaliativos. Um exemplo disso é desligar a máquina de suporte avançado de vida a um paciente. ficamos ao todo com seis tipos de eutanásia: 1. ou por pedido do paciente. É isso que vai ser abordado na secção seguinte. existem casos em que essa distinção não se aplica de uma forma tão linear. mas a causa de morte do paciente seria a sua doença.portaldasaude.evolução dos cuidados paliativos2 torna-se cada vez mais difícil justificar este tipo de eutanásia. é a forma como ela é vista pelas pessoas que lidam com ela.” . 6. 4.

sem esperança. se a família vier à presença do doente triste. os doentes estão cansados de viver uma vida sem qualidade. Se a família se mostrar mais animada. ! Página 11 de 20 . nem todos os que possuem uma doença ou se encontram num estado deste tipo desejam morrer. não por motivos egoístas na sua perspectiva. irá sentir-se um peso na vida deles e quererá acabar com a sua vida. não fazendo sofrer mais as pessoas que o rodeiam. políticos e o próprio amor que sentem pela pessoa que está em sofrimento contam. Ao tratar bem fisicamente o doente. deprimido e cansado. as chances de pedir eutanásia para terminar com o seu sofrimento são mais escassas. o doente irá começar a sentir-se como um peso para a família. Quem que se encontra neste tipo de situação tem de ter o devido acompanhamento físico.Perspectivas É importante ter a noção daquilo que o paciente / doente passam quando estão numa fase terminal e. ficam fartos de se sentirem como um fardo para a sua família e para a sociedade. pois se o doente vê a família e amigos. Perspectiva da Família Nesta altura da vida do doente a família tem um papel fulcral para a decisão que ele possa vir a tomar: se quer ou não desistir da vida. então. Os factores económicos também possuem um certo peso na opinião da família. e. mas grande parte das vezes o amor que a família sente pelo paciente é maior do que o amor pelo dinheiro. em estado terminal. A opinião da família diverge de cultura para cultura. Estas pessoas lutam todos os dias para viverem mais um pouco. num estado triste. Se o paciente tiver o acompanhamento adequado. mas sim por motivos altruístas. é normal que o assunto “eutanásia” acabe por surgir nas suas mentes. isso irá trazer alegria ao doente. como estão mais sensíveis. então também começa a pesar no ânimo da família. caso contrário. momentos de intenso sofrimento físico e psicológico. e. psicológico e social. Perspectiva do Paciente / Doente As pessoas que se encontram num estado muito grave de alguma doença crónica e incurável. factores como os valores morais. Noutros casos. Os factores psicológicos também contam. desanimada. com analgésicos e outros medicamentos adequados para minimizar os efeitos da doença e da dor que esta provoca. mas nem sempre é assim. as chances do doente pedir a eutanásia são menores. certamente têm momentos de desespero. religiosos. que estava habituado a ver de uma forma alegre. pois se a família começa a ficar sem recursos monetários porque tem de estar a pagar os cuidados necessários a um doente no fim de vida. ficando muitas vezes a sós com o seu sofrimento. talvez ainda mais do que os factores físicos.

É a favor da prática da Eutanásia? 2.” “São muitas as razões viáveis para justificar a minha opção: . que tinha duas questões: 1. ninguém nos garante que a nossa vida esteja terminada. A favor da prática da eutanásia: “Não concordo com o sofrimento sem solução técnica. enquanto vivemos. realizei um inquérito a um conjunto de 6 profissionais de saúde. nem que se prolongue uma vida com cuidados cujo fim não tem nada a ver com a qualidade de vida que todo o ser humano tem direito. Qual a razão da sua escolha? Na primeira questão. sendo que sempre o doente ou quem o representa legalmente terá opção de escolha!” “Penso que não devemos prolongar o sofrimento de um ser humano e dos que o rodeiam quando temos a certeza de que qualquer prática médica não vai alterar o seu estado. ! Página 12 de 20 . “É a favor da prática da Eutanásia?”. e apesar de não ser apologista de que essa data se antecipe. obtive os seguintes resultados: Não 50% Sim 50% Sim Não Entre as diversas razões.A incurabilidade de uma doença não é razão para a eutanásia. Ninguém tem a data de morte marcada.O processo eutanásia implica a participação mais ou menos activa de uma pessoa (a maior parte das vezes um profissional de saúde) na morte de outra. mesmo ligados às máquinas através do suporte avançado de vida. .” Contra a prática da eutanásia: “A vida deve sempre prevalecer. transcrevi algumas que achei mais relevantes.Perspectiva Médica A opinião médica também é importante.” “Porque quem nos dá a vida é Deus e só ele a pode tirar. o que muitas vezes implica um grande esforço pessoal e profissional. em certos casos não se justifica prolongar uma vida quando não há "vida". para obter opiniões de médicos reais. duas a favor da prática da eutanásia e três contra. sem sofrimento (ortotanásia). Portanto. Devemos dar a cada doente uma morte digna. só mesmo Deus. e. Quer a distanásia quer a eutanásia são soluções que não são éticas para qualquer profissional de saúde.

Será que realmente sabem o que a prática da eutanásia implica e o que a legalização dela pode trazer para a sociedade? Será que sabem que ao legalizarem a prática da eutanásia estão a abrir uma “caixa de pandora”. e ainda têm de viver com um medo acrescido de serem mortas. vemos que os médicos têm de manter o máximo respeito pela vida humana.Criem-se Cuidados Paliativos de qualidade e nenhum doente pedirá a eutanásia nem nenhum médico tomará a decisão de aceitar um pedido como razoável (Daniel Serrão). e não descarta-la como se fosse algo banal. como por exemplo. que poderá ter repercussões bastante negativas na sociedade. Mesmo sob ameaça. com medo de serem vítimas de eutanásia a pedido da família. 5 http://www. a favor e contra. Os criadores deste tipo de petições são. Declaração de Genebra: declaração que foi concebida como uma modernização do Juramento de Hipocrátes. Temos um exemplo actual dos lar de idosos na Holanda. com argumentos sólidos contra a prática da eutanásia e há argumentos a favor. Principalmente na internet tem-se visto um aumento do nº de adeptos da prática da eutanásia na camada jovem da sociedade.com/PeticaoVer. quando deviam estar a ser tratadas e a usufruir das regalias a que têm direito nos lares? Será que os apoiantes da prática da eutanásia já se colocaram na pele destas pessoas? 3 4 Juramento de Hipócrates: é uma declaração que os médicos têm de proferir quando se formam.Fonte: [11] Com esta declaração. em que os idosos fogem para um asilo na Alemanha. na sua maioria.” As opiniões médicas dividem-se. que todos os médicos recém formados têm de proferir. o número de apoiantes da prática da eutanásia tem vindo a aumentar. país onde a Eutanásia está legalizada. já estão fragilizadas pela própria idade. e estar de acordo com os preceitos morais que estão incluídos na declaração. em petições online 5. Um desses preceitos é: ! ! ! “Manterei o mais alto respeito pela vida humana.. actualizado para a Declaração de Genebra4 em 1948. jovens. Há opiniões firmes.peticaopublica. e um quarto desses casos são de eutanásia não-voluntária ou involuntária. Fonte: [12] Como será estar na pele dessas pessoas que. da política e do tipo de regime instaurado no país. De acordo com as estatísticas. Perspectiva da Sociedade em Geral Apesar de ser um assunto bastante controverso e em que as opiniões divergem em duas. As opiniões diferem de cultura para cultura.” .aspx?pi=AHM2009 Página 13 de 20 ! . Dentro da perspectiva médica deve ser referido o Juramento de Hipócrates3. não usarei meu conhecimento médico em princípios contrários às leis da natureza. desde sua concepção. que normalmente quando os médicos se formam têm de proferir a declaração. na Holanda existem cerca de quatro mil casos de eutanásia por ano. Hoje em dia.

vamos explorar alguns dos argumentos usados para favorecer ou contradizer a prática da eutanásia. ! Página 14 de 20 .Na próxima secção.

de forma a evitar tratamentos tortuosos e que muitas vezes rebaixam o ser humano. mesmo que esse alguém lhe peça. que foi referido anteriormente. permitindo assim que este possa ter uma vida de qualidade.. mesmo se ele o pedisse (. pois não é licito tirar a vida de alguém..Argumentos Fonte: [13] É importante conhecer a argumentação usada a favor desta prática. É uma forma de se banalizar a vida. existe o juramento de Hipócrates. ! Página 15 de 20 . ainda que ele o quisesse. Com o avanço da medicina. É um homicídio. que considera a vida como um dom sagrado. É considerado um crime. ao menos tem autonomia na altura da morte. bem como a que é usada para a refutar. Outros dizem que é para preservar a qualidade de vida e a dignidade do paciente. apenas Ele a pode tirar. A eutanásia é uma forma de usurpação do direito à vida humana. Outros dizem que é uma forma de “devolver” o controlo da vida à pessoa. Argumentos a Favor Muitos dos argumentos dados pela comunidade que é a favor da prática da eutanásia é que ela é feita para evitar a dor e o sofrimento das pessoas em fase terminal e sem nenhuma qualidade de vida.Fonte: [14] Dentro da perspectiva médica. Também é muito usado o argumento que morrer de forma pouco dolorosa é morrer de uma forma digna.) nem é lícito sequer quando o doente já não estivesse em condições de sobreviver. como esta foi dada por Deus. por isso a eutanásia acaba com o sofrimento da pessoa. nunca se sabe quando poderá surgir uma nova cura ou um tratamento revolucionário. permitindo-a morrer dignamente. e se esta não tem autonomia sobre o corpo e sobre a doença que lhe surgiu. sob a qual o médico não pode optar pela vida ou morte de alguém. e.” . Argumentos Contra Santo Agostinho escreveu que “Nunca é lícito matar o outro. que pode alterar o estado do doente.

morada onde todos os seres se vão encontrar. o nosso espírito volta para Ele (Eclesiastes 12:7 7).” Eclesiastes 12:7 (BPT) 8 “”Eu sou o caminho. aperfeiçoar-mo-nos e aproximar-mo-nos de dʼEle. é uma acção condenada pelas escrituras.”” .” (BPT) Com isto. Em Êxodo 20:13.8 Se a pessoa em questão for crente em Jesus Cristo. vemos que Deus e só Deus tem a palavra final sobre a morte e só Ele é soberano para saber quando e como a morte de uma pessoa irá acontecer: “Bem sei que me farás regressar à morte. E o homem tornou-se um ser vivo. Ao precipitarmos a morte através da eutanásia não estamos a cumprir a vontade de Deus. Fontes: [15.. principalmente se a pessoa não for crente em Jesus Cristo.” . respondeu Jesus.. “Ninguém pode chegar ao Pai sem ser por mim. sendo 1 Samuel 31:1-6 um deles. Quem opta pela eutanásia.. Soprou-lhe nas narinas e deu-lhe respiração e vida. pertencem os livramentos da morte.. É Deus que nos dá vida (Génesis 2:7 6) e quando Deus entende. E em Êxodo 23:7 volta a reafirmar a ideia: “Evita as falsas declarações e não condenes à morte o inocente e o justo. um caminho fácil para escapar às dificuldades e aos obstáculos da vida. a eutanásia é uma tentativa de usurpação da autoridade e do poder de Deus. porque eu condenarei essa injustiça. e é através deste que iremos amadurecer.” . como já foi referido anteriormente. não pode “tomar as rédeas” e decidir quando quer que um familiar ou médico coloque um fim à sua vida.Génesis 2:7 (BPT) 7 “Então o que é pó volta para a terra donde veio.) a Deus. 6 “O Senhor Deus modelou o homem com barro da terra. e. por essa razão. pois o destino dela após a morte será o afastamento definitivo de Deus..” . um dos mandamentos dados por Deus. e como sabemos e foi mencionado anteriormente. E o sopro da vida volta para Deus. diz-nos “Não matarás”.João 14:6 (BPT) ! Página 16 de 20 . Deus permite o sofrimento.Salmos 68:20b (ECA) Portanto.Job 30:23 (BPT) “(. 16] São poucas ou quase nulas os textos bíblicos que fazem referência à eutanásia. A morte não é algo bom. está a optar por um atalho. o Senhor. pois Jesus. é a consequência do pecado humano. a verdade e a vida”. a verdade e a vida” e que ninguém pode chegar a Deus sem ser por Ele. em João 14:6 disse-nos que Ele é “o caminho.. então é porque confiou a sua vida nas mãos dʼEle.O que a Bíblia diz. que a tinha dado.

tem de ser submetido a uma série de rigorosos testes para o comprovar..)” . não é errado nem condenável deixar o corpo da pessoa “desligar”. Se fosse da vontade de Deus. essa pessoa estaria viva ou então existiria ainda alguma solução para o problema. Neste caso. ! Página 17 de 20 . Com isto vemos que a vida é um dom herdado de Deus e não devemos abdicar dele. Devemos ter em conta também que morte cerebral é diferente de coma.Eclesiastes 8:8a (ARA) 9 Para declarar que um paciente está num estado de morte cerebral.A Bíblia também não nos comanda a fazer tudo o que conseguirmos para manter uma pessoa viva. “Ninguém tem poder para segurar a vida nem para decidir o dia da morte (. Só depois disto é que é declarado o estado de morte cerebral. em que já não há mais nenhuma solução médica.. encontrando-se num estado vegetativo de morte cerebral9 (distanásia). se esta apenas estiver viva apenas com a ajuda de máquinas de suporte avançado de vida.

e se não forem casos excepcionais.” . Sem dúvida que quem se encontra neste tipo de situações deve pedir orientação a Deus para decidir aquilo que vai efectivamente fazer. em que apenas o corpo da pessoa é mantido biologicamente vivo com a ajuda do suporte avançado de vida. É uma morte errada. Em Tiago 1:5 diz que “Se alguém não tem sabedoria suficiente. é considerado um caso de distanásia. que a dá a todos de graça. os argumentos que são favoráveis à eutanásia que replicam que apoiam a eutanásia para evitar que o paciente sofra. Significa que estamos a equiparar-nos a Deus.Conclusão Com o aumento da qualidade e a evolução dos cuidados paliativos. nos casos de morte cerebral.” (BPT). por exemplo. principalmente nos países mais desenvolvidos. e. praticar e apoiar a prática da eutanásia significa que estamos a tirar uma vida antes do tempo. têm cada vez menos fundamentos. É assassínio. “A eutanásia não é apenas uma morte fácil. peça-a a Deus. desligar as máquinas significa a morte física ou corporal da pessoa. pois.Fonte: [2] ! Página 18 de 20 . e ser-lhe-á dada. sem humilhar ninguém. Só Ele sabe qual a melhor altura para a morte de cada um de nós. uma decisão destas nunca deve ser feita de “ânimo leve”. a usurpar o Seu poder. Gay-Williams .J. Por outro lado. Não é apenas morrer. e. Tomar a decisão de terminar com a vida de uma pessoa é extremamente difícil.

[cited 2011.br/revista/texto/1861/a-eutanasia. Available from: http://www. Available from: http://www.2. Available 8.! Rosa. Available from: http://criticanarede.aaldeia.gotquestions.com/html/errodaeutanasia.! Raposo. Tipos de eutanásia. Available from: http://jus.B.01. distanásia e ortotanásia: delimitações conceituais necessárias. Available from: http://vida.ufrgs.com/messages/ kohl_political_science_euthanasia. 38-47.F. 2007 [cited 2011 18 de Janeiro]. Available from: http://duvida-metodica.html.III .! Kohl.C. 2005 [cited 2011 18 de Janeiro]. 4. Available from: http://jus.! Agostinho.htm. Epístola.html.org/portugues/Biblia-eutanasia.! Idosos fogem da Holanda com medo da eutanásia. FOCO Nº 55 [cited 2011 18 de Janeiro].! Vaz. A Eutanásia .00.F. 2003. W. Distanásia.! MARTIN. J. A. [cited 2011 18 de Janeiro].J. Eutanásia.fbbc. A.uol. Eutanásia: Viver é um direito ou uma obrigação? .! Borges.J.1 Histórico da Eutanásia.! O que a Bíblia diz sobre a eutanásia? [cited 2011 18 de Janeiro]. 1ª ed2002. Eutanásia Passiva.! Goldim.R.Argumentos a Favor/Contra. 13.htm.18]. 7. 2002 [cited 2011 18 de Janeiro]. 9.com/articles/1778/1/Eutanaacutesia/pagina1. 11. Tipos de Eutanásia. 2003 from: http://www. [cited 2011 18 de Janeiro]. auxílio a suicídio.! Williams. J.P. F.com. 2.! Pallister. Available from: http:// 3.br/revista/texto/7571/ eutanasia-ortotanasia-e-distanasia.! Paganelli.de/dw/article/0.webartigos.net/eutanasia-passiva/.! Declaração de Genebra.html.html.aaldeia. 10. 6.. O problema ético da eutanásia. I. 15.! Eutanásia: Uma questão de Vida e de Morte . Ética Cristã Hoje.uol. S. 12.com. S. 1994 [cited 2011 18 de Janeiro].Bibliografia 1. Available from: http://www.3 Eutanásia.com/2010/04/tipos-de-eutanasia. Revista Paraense de Medicina.com/ argumentos-a-favorcontra/. Available from: http://eutanasia11a.G. 2009 [cited 2011 18 de Janeiro].. [cited 2011 2011. 5.html. 2004 criticanarede.html. Available from: http:// www. 17: p. Available from: http:// vida.wordpress.br/bioetica/eutantip. 14.C.2144.A Eutanásia na História dos Povos. ! Página 19 de 20 .net/distanasia/.1050812.! Vários. The Bible Speaks On Euthanasia. 2010 [cited 2011 18 de Janeiro]. O erro da eutanásia.com/html/eticaeutanasia. C. 2003 [cited 2011 18 de Janeiro].blogspot. 16. R.dw-world. Ortotanásia e Distanásia .

Edição Comum . Lisboa. S.M. A Bíblia Para Todos .P. Paulo. Eutanásia: Direito de Matar ou Direito de Morrer? 2005 [cited 2011 18 de Janeiro]. Sociedade Bíblica de Portugal. São Paulo.Revista e Actualizada.e. Sociedade Bíblica do Brasil.! Marisa Passos. Available from: http:// www. 2002 (ECA) ! Página 20 de 20 .notapositiva.Edição Contemporânea de Almeida.pt/portal/conteudos/enciclopedia+da+saude/cuidados +paliativos/cuidadospaliativos. Bíblia de Referência Thompson . Editora Vida. 1999 (ARA) 3.Tradução Interconfessional.H. Bíblia de Estudo Almeida .portaldasaude. Traduções Bíblicas Utilizadas 1. 18.htm.! Cuidados Paliativos.com/ trab_estudantes/trab_estudantes/filosofia/filosofia_trabalhos/eutanasia. 2009 (BPT) 2.htm. Available from: http://www. 2010 [cited 2011 18 de Janeiro]. J.17.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->