Você está na página 1de 2

PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Uma bomba centrífuga trabalha transferindo energia cinética para o


fluido e transformando-a em energia potencial, seja esta de posição
ou, mais frequentemente, de pressão no bocal de descarga da
bomba. Esta ação é realizada empregando os conceitos do Princípio
de Bernoulli.

Acionada mecanicamente por um eixo rotativo, a rotação do rotor da


bomba transfere energia para o fluido através das palhetas do rotor.
O fluido presente na sucção entra no olho do rotor - uma cavidade de
diâmetro menor, interna - a partir de onde escoa em direção ao
diâmetro externo pelos canais formados entre as palhetas do rotor. O
fluido deixa o rotor com considerável velocidade absoluta a parcela
de energia cinética - que deve ser convertida em energia potencial de
pressão. Isto é realizado nas partes não rotativas.

A forma mais frequente de recuperação de energia nas partes não


rotativas é uma carcaça com formato encaracolado, dito voluta, que
termina em um bocal de recalque. Outra forma usual de dispositivo
recuperador de energia é uma série de palhetas estáticas, chamada
de difusor. O difusor com palhetas pode ser seguido de um canal de
retorno - dirigindo o fluido a outro rotor - ou a um coletor espiral,
muito semelhante a uma voluta.

A energia transferida pela bomba centrífuga ao fluido é função do


diâmetro do rotor, da rotação de acionamento e do projeto do rotor.
Se a descarga requer uma energia ainda mais alta que a fornecida
pela bomba ao fluido, não há escoamento: o fluido é somente
pressurizado.

Uma bomba centrífuga necessita ser selecionada com vistas a uma


aplicação: a simples instalação de uma bomba centrífuga qualquer
em uma instalação hidráulica não garante o funcionamento da
instalação. A aplicação requer adequação entre a bomba instalada, o
sistema de tubulações empregado e do manancial supridor do fluido
bombeado.

BOMBAS MÚLTIPLO ESTÁGIO

Bombas Centrífugas Multiestágio são bombas dotadas de dois ou


mais rotores internos, localizados um deles no corpo e os demais em
seu(s) estágio(s), sendo que, cada estágio comporta um único rotor

Para saber o número de rotores e estágios desse modelo, precisamos


contar quantos estágios (peça que lembra um anel e que fica entre o
motor ou a intermediária, e o corpo) a bomba possui. Uma bomba
com quatro estágios possui em sua composição, cinco rotores (um no
corpo e mais quatro nos estágios).
Esse modelo além de atingir uma grande vazão, também consegue
alcançar altos índices de altura manométrica. Seus bocais de sucção
e recalque podem ser produzidos para conexões em rosca (BSP)

Uma bomba centrífuga que contenha mais de um rotor é uma bomba


centrífuga multiestágios. Cada estágio fornece ao fluido uma
determinada energia, sendo que estas se adicionam. Havendo
necessidade de maior energia - mais pressão - aumentamos o
número de rotores dispostos em série. Os rotores podem estar
montados no mesmo eixo ou, mais raramente, em eixos distintos.

Como em todas as bombas, a energia é fornecida pelo acionador:


motor elétrico, motor de combustão interna, turbina a vapor, etc.