P. 1
TemaIII a Numeros Complexos

TemaIII a Numeros Complexos

|Views: 6.283|Likes:
Publicado porandrewsgaleno

More info:

Published by: andrewsgaleno on Apr 13, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/04/2013

pdf

text

original

Definição 7 Dene-se conjunto dos números complexos como sendo:

C=­z = a+ bi : a,b∈R ∧ i =√−1®,
onde z
= a+ bi∈C se designa número complexo, a a parte real de z (a = Rez), b a
parte imaginária de z
(b = Imz) e i =√−1 a unidade imaginária.
Se
Imz 6= 0, z diz-se imaginário e se além disso Rez = 0, z diz-se imaginário puro.

O conjunto dos números complexos C pode ser considerado uma extensão (que conserva
todas as propriedades algébricas) do conjunto dos números reais R, extensão esta que
possui as seguintes propriedades adicionais:

• A equação x2

+1 = 0, admite pelo menos uma solução em C;
• Todo o elemento de C pode ser representado da forma a + bi em que a e b ∈ R e
i =√−1 (isto é, i é uma solução de x2

+ 1 = 0).

49

M aio de 2006

Repare-se que desta forma o conjunto dos números reais pode ser interpretado como um sub-
conjunto do conjunto dos números complexos e que no seio deste último, as raízes quadradas
de números negativos passam a ter significado.
Um facto semelhante a este está na base da construção do conjunto Z, isto é de todos
os números inteiros. Com efeito os números que constituem soluções de equações do tipo
x + n = 0, n ∈ N que não tinham significado no seio do conjunto dos números naturais
passam a adquirir sentido no seio do conjunto dos números inteiros.
No entanto, no conjunto C, não existe uma relação de ordem do tipo da existente em R :
"<, menor que".

Exemplo 24 Mostre que i é a raíz quadrada de1.

Resolução:

Recordando a denição de raíz quadrada de um número concluí-se imediatamente que i é a
raíz quadrada de
1 pois i2

=−1.

Exemplo 25 Determine:

1. i3

;

2. i4

;

3. i5

.

Resolução:

1. Notemos que i3

= i2

×i. Então, i3

=−1×i =−i, pois i2

=−1.

2. Notemos que i4

= i2

×i2

. Então, i4

= (−1)×(−1) = 1, pois i2

=−1.

3. Notemos que i5

= i4

×i. Então i5

= 1×i, pois i4

= 1.

Exemplo 26 Determine in

com n∈N.

Resolução:

Como i4

= 1, façamos n = q×4+ r com 0r < 4 e q∈N. Então,

in

= iq×4+r

= iq×4

×ir

= i4

×i4

×···×i4

×ir

= ir

com 0r < 4.

Teremos,

in

=

⎧⎪⎪⎨⎪⎪⎩

1 se r = 0,
i se r
= 1,
1 se r = 2,
i se r = 3.

Definição 8 Se a cada número complexo z associarmos o par ordenado Z = (a,b) em que
a
= Rez e b = Imz, Z diz-se o axo (ou a imagem) de z. Fixando a origem O no plano,
ao vector
−→0Z chama-se imagem vectorial de z.

50

M aio de 2006

O afixo de um número complexo diz-se um ponto do plano de Argand (ou simplesmente
plano complexo), plano esse cujas imagens dos números reais estão associadas ao eixo Ox
e as imagens dos números imaginários puros ao eixo Oy.

Exemplo 27 Represente no plano de Argand os axos dos seguntes números complexos:
2
+ 3i,4+2i,22i e 42i.

Resolução:

4

2

0

-2

-4

4

2

-2

-4

.

.

y

x

2 3

+ i

− +

4 2i

.

− −

2 2i

.

4 2

− i

4

2

0

-2

-4

4

2

-2

-4

.

.

y

x

2 3

+ i

− +

4 2i

.

− −

2 2i

.

4 2

− i

Exemplo 28 Represente no plano de Argand as imagens vectoriais dos seguintes números
complexos: 2
+ 3i,4+2i,22i e 42i.

Resolução:

4

2

0

-2

-4

4

2

-2

-4

.

.

y

x

2 3

+ i

− +

4 2i

.

− −

2 2i

.

4 2

− i

4

2

0

-2

-4

4

2

-2

-4

.

.

y

x

2 3

+ i

− +

4 2i

.

− −

2 2i

.

4 2

− i

Definição 9 Seja z = a + bi∈C qualquer.

1. Dene—se módulo de z, e representa-se por |z|, à distância do axo de z à origem,
isto é, à norma Euclidiana da imagem vectorial de z:

|z| = pa2 + b2.

2. Dene-se conjugado de z, e representa-se por z, como sendo

z = abi.

Geometricamente a operação de conjugação traduz-se no plano de Argand pela reexão
de z relativamente ao eixo real Ox.

51

M aio de 2006

3. Dene-se simétrico de z, e representa-se porz, como sendo

z =−abi.

Em termos geométricos, o axo dez é simétrico em relação à origem do plano de
Argand.

Exemplo 29 Determine o módulo, o conjugado e o simétrico dos seguintes números com-
plexos e represente-os no plano de Argand:

1. i;

2.2;

3. 34i.

Resolução:

1. Temos

|i| = |0+1i| = p02

+ 12

= 1 e i =−i = i.

2. Temos

|−2| = |−2+ 0i| = q(−2)2

+02

= 2,2 =−2+ 0i =−2 e −(−2) = 2.

3. Temos

|34i| = q32 + (−4)2

=√25 = 5, 34i = 3+ 4i e −(34i) =−3+ 4i.

-4 -3 -2 -1

1 2 3 4

-4

-3

-2

-1

1

2

3

4

x

y

3 4i

+

3 4i

− +

3 4i

i

i i

− =

2

2 2

− = −

-4 -3 -2 -1

1 2 3 4

-4

-3

-2

-1

1

2

3

4

x

y

3 4i

+

3 4i

− +

3 4i

i

i i

− =

2

2 2

− = −

52

M aio de 2006

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->