P. 1
(P)Psicologia-Infantil

(P)Psicologia-Infantil

|Views: 18.176|Likes:
Publicado porThierrie Magno

More info:

Categories:Types, Speeches
Published by: Thierrie Magno on Apr 13, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/09/2014

pdf

text

original

‡ A Psicologia do Desenvolvimento estruturou-se
enquanto campo do conhecimento científico
através da contribuição de três principais
teóricos:
‡ Charles Darwin (1872) contribuiu com a sua
teoria evolutiva
‡ Sigmund Freud (1981) foi o primeiro teórico a
estabelecer uma relação entre o
desenvolvimento e a formação da
personalidade. Sua teoria da evolução da libido
representou um marco da psicologia do
desenvolvimento.
‡ Stanley Hall (1904-1922)

PERSPECTIVAS PSICANALÍTICAS:
Enfatizam o inconsciente e os conflitos
no início da vida.

A ² Teoria Psicossexual de FREUD: forças
motivacionais inconscientes motivam o
comportamento humano e que as perturbações
emocionais que o indivíduo venha a apresentar
durante toda a sua vida se devem a conflitos no
início de sua vida: do nascimento até a
puberdade.

Personalidade é formada pelas estruturas
psíquicas: ID (instintos), EGO (consciência do
EU), SUPEREGO (código moral) e se desenvolve
pelas fases oral, anal, fálica,
período de latência e fase genital.

B ² Teoria Psicossocial de Erikson:
enfatiza que os estágios psicossociais
por toda a vida influenciam o
desenvolvimento do ego.

Cada etapa do desenvolvimento implica
em uma crise psicossocial, sendo
resolvida conforme a maturação do
indivíduo com aspectos positivos ou
negativos balanceados.

C ² Teoria relacional de MILLER: defende que a
personalidade se desenvolve no contexto dos
relacionamentos emocionais cuja ênfase está
na interação de fatores inatos da experiência.
Conceito de personalidade de Miller: se inicia na interação
dinâmica com o outro.
Para esta teoria o bebê não se identifica com a primeira
pessoa que lhe cuida, em função do que a pessoa é, mas
em função do que a pessoa faz. O bebê responde às
emoções das outras pessoas, sente-se confortável
quando os outros se sentem confortáveis e atua para
construir relacionamentos mais íntimos.
Durante a primeira e segunda infância, em vez de lutarem
por autonomia e individuação, tanto meninos como
meninas continuam a das mais importância às ligações
íntimas. A cisão entre o desenvolvimento feminino e
masculino ocorrerá somente durante os anos escolares.

PERSPECTIVAS DA APRENDIZAGEM
PERSPECTIVAS DA APRENDIZAGEM
: enfatiza a
importância do ambiente e o comportamento
observável. O desenvolvimento é contínuo.

A ² Behaviorismo: Interesse reside no comportamento
observável e não no inconsciente.
O desenvolvimento resulta da aprendizagem com base
na experiência e na adaptação ao ambiente. O
ambiente modela o comportamento da criança,
portanto a ênfase dessa teoria reside na
importância da experiência.
No Behaviorismo clássico há o condicionamento clássico
de Pavlov (1849/1936) e o condicionamento operante
teorizado por Skinner e Watson.
Segundo Skinner (1988), o behaviorismo é a filosofia
do comportamento que mediante a análise
experimental do comportamento sugere que o
ambiente desempenha as funções anteriormente
atribuídas aos sentimentos e estados internos do
organismo.

B ² Sociocognitivismo ou aprendizagem

social: reconhece a importância da
cognição. A criança atua sobre o ambiente
e aprende por imitação de um modelo por
meio da observação. Aprender a língua, a
lidar com a agressão, a desenvolver senso
moral e os comportamentos adequados para
o seu sexo.
As crianças aprendem no contexto social
observando e imitando modelos: a pessoa é
um

contribuinte

ativo

na
aprendizagem.`Para Bandura (1992) a
experiência pode ser modificada por
fatores inatos.

PERSPECTIVAS COGNITIVAS: as
pessoas são ativas e por sua ação
conhecem o mundo
A ² Teoria cognitiva: O teórico dessa
corrente é Jean Piaget (1896-1980)
psicólogo e epistemólogo suíço,
descreve como as pessoas desenvolvem
o conhecimento, como pensam.
Piaget propõe estágios diferentes do
desenvolvimento. Em cada estágio a
pessoa pensa diferente. Cada estágio
também é alicerce para o próximo
estágio.

Os três princípios da
teoria cognitiva de Piaget:

1. Organização cognitiva: tendência para os
sistemas de conhecimento cada vez mais
complexos no desenvolvimento dos estágios
cognitivos usando esquemas que são padrões
organizados de comportamento.

2. Adaptação: dois momentos: assimilação e
acomodação. A assimilação é a incorporação da
nova informação as já existentes e a
acomodação é a estrutura cognitiva que se
modifica pela assimilação.
3. Equilibração: resultado do funcionamento do
complexo cognitivo em cada estágio.

‡ A psicologia genética de Piaget
(1995) surgiu para explicar o
problema epistemológico da origem,
da possibilidade, dos limites e da
validade do conhecimento.
‡ Para Piaget as mudanças são
qualitativas no pensamento: entre a
primeira infância e a adolescência. A
pessoa é um iniciador ativo do
desenvolvimento. Há interação de
fatores inatos e da experiência.

A psicologia genética de Piaget promove uma
descrição do desenvolvimento cognitivo
humano que se apóia em três grandes eixos ou
princípios.

1. A inteligência humana representa uma determinada
forma de adaptação biológica. Por meio da inteligência,
o organismo humano alcança um equilíbrio nas suas
relações com o meio;
2. O conhecimento manifesta-se como fruto de um
autêntico processo de construção. Para Piaget as
pessoas não nascem providas das noções e categorias
de pensamento, mas que são elaboradas no decorrer do
desenvolvimento. Assim sendo a herança traz os
reflexos iniciais do bebê e determinadas variantes
funcionais, responsáveis pela direcionalidade e
organização do processo, o que construiria a base a
partir da qual a construção cognitiva inicia.

3. O conhecimento é elaborado e nasce
nos intercâmbios entre o sujeito e o
objeto. Logo, o conhecimento nunca é
uma cópia da realidade, nem tampouco
algo que se possa originar
completamente à margem das
características dos objetos, mas surge
por força da interação entre o sujeito
e objeto. Conhecer significa sempre em
atuar sobre a realidade de maneira
ativa e transformadora, física ou
mentalmente.

‡ Unidade básica de organização é o esquema.
‡ O esquema de uma ação define-se como o
conjunto estruturado das características
generalizáveis dessa ação.
‡ Piaget indica o processo de desenvolvimento
cognitivo que se define como uma sucessão
de estágios qualitativamente diferentes e
que se vinculam na aparição das diferentes
estruturas.
‡ As formas de equilíbrio do indivíduo formam
as estruturas variáveis que são quatro:
‡ 1. estágio sensório-motor;
‡ 2.estágio pré-operatório;
‡ 3. estágio operatório concreto;
‡ 4. estágio operatório formal.

B- Teorias neopiagetianas ou de
processamento da informação: analisam
os

processos

fundamentais
subjacentes ao comportamento:
percepção, atenção, memória, resolução
dos problemas.
Estuda como as pessoas adquirem,
transformam e usam a informação por
meio da manipulação de símbolos ou
imagens mentais.
Os seres humanos são processadores de
símbolos. Há interação entre os
fatores inatos e da experiência.

C ² Teoria da Metacognição: aponta o conhecimento e o
monitoramento sobre os próprios processos mentais.
O principal representante é o psicólogo americano Howard
Gardner (2005) com sua teoria das Inteligências
Múltiplas.
Nesta teoria, Gardner tentou ampliar o alcance do
potencial humano além dos confins do escore de QI.
Ele questionou seriamente a validade de se determinar a
inteligência de um indivíduo tirando-se este indivíduo de
seu meio ambiente natural e pedindo-lhe para fazer
tarefas isoladas que jamais havia feito antes ² e jamais
escolheria para fazer novamente.
Gardner sugere que a inteligência tem mais a ver com a
capacidade de 1) resolver problemas e 2) criar produtos
em ambientes com contextos ricos e naturais.
Gardner ofereceu um meio de mapear a ampla gama de
capacidades dos seres humanos, ao agrupar essas
capacidades em oito categorias, ou,
´inteligências abrangentes.

PERSPECTIVAS CONTEXTUAIS: Contexto
vai além do espaço, refere as condições de
vida (físicas, sociais, emocionais) em
diferentes culturas, países, ideologias,
religiões, credos, momentos sócio-históricos

‡ Estudos sobre práticas de criação entre pais
de diferentes níveis sócio-econômicos
encontraram os seguintes resultados:
‡ Pais com funções mais simples enfatizaram
valores mais voltados para a conformidade e a
obediência
‡ Pais que ocupam funções mais executivas
enfatizaram mais valores ligados á autonomia
e à iniciativa (pensar por sí próprio e de
maneira lógica).

‡ Abordagens do desenvolvimento como o co-
construtivismo e a ecológica tem enfatizado as
mútuas influências entre o indivíduo e o contexto,
inclusive o sistema cultural no qual o desenvolvimento
se dá.

‡ No co-construtivismo o foco de atenção são os
processos bidirecionais entre sujeito e ambiente.
Considera-se o desenvolvimento como determinado
pela relação entre o organismo e o ambiente
circundante, com destaque para a cultura, com seus
valores e crenças. Assim as práticas de cuidado e de
educação de filhos estão diretamente relacionados
com as crenças e valores construídos por uma cultura
que é também produto de história dos indivíduos.
‡ Na teoria bioecológica de Brofrenbrenner (1990) há
uma ênfase na relação de reciprocidade, de tal forma
que mãe e filho se influenciam, assim como são
influenciados por outras pessoas, não
necessariamente presentes no ambiente físico
imediato.

A- Teoria Bioecológica: de acordo com
Brofenbrenner (1996) as interconexôes entre
os diversos níveis ou subsistemas que
compõem o ambiente ecológico são
importantes forças que afetam o crescimento
psicológico.
Nessa concepção, o macrossistema (que inclui
os conjuntos de crenças ou ideologias)
influencia no cuidado à criança podendo
resultar em diferenças desenvolvimentais.
Assim, a responsabilidade pode depender de
numerosos fatores do ambiente, incluindo as
concepções dos indivíduos sobre a
maternidade, filhos e sistemas de criação,
dependentes em última análise, das idéias e
práticas culturais compartilhadas por um
grupo social.

B ² Teoria sociocultural de Vygotski
(1896-1934) compõe a perspectiva
contextual, pois propõe uma perspectiva
histórico-cultural, enfatizando a
interação dialética do homem e o seu
meio sócio-cultural.
´Ao mesmo tempo em que o ser humano
transforma o seu meio para atender
suas necessidades básicas, transforma-
se a si mesmoµ (Vygotski, 1991, p.89).

‡ Para este autor o contexto sociocultural de
uma criança tem impacto importante no seu
desenvolvimento.
‡ A ênfase do desenvolvimento reside na
experiência.
‡ Ele enfatiza também a origem cultural das
funções psíquicas: a linguagem é um signo
mediador por excelência (pensamento e
linguagem), enfatizando que a aprendizagem e
o desenvolvimento estão inter-relacionados
desde o primeiro dia de vida do indivíduo, o
que chama de zona de desenvolvimento
proximal ZDP.

‡ ´A Zona de Desenvolvimento Proximal
da criança é a distância entre seu
desenvolvimento real, que se
acostumam determinar através da
solução independente de problemas sob
a orientação de um adulto ou em
colaboração com companheiros mais
capazesµ. (VYGOTSKI, 1998, 9.96).
‡ A teoria de Vygotski também propõe a
valorização da interação e a
necessidade de desafiar a criança,
ressaltando, porém, que sempre há um
limite.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->