Você está na página 1de 5

Curso Gestão da Qualidade Aula 6 – GRD – Gerência Rotina Diária

Gestão da Qualidade

Curso de Engenharia da Qualidade FAENQUIL - 2º semestre de 2.005

Aula 6 Gerenciamento da Rotina do Dia-a-Dia

Prof. Msc. Marco Antonio Pereira

TQC: GPD (Diretrizes) e GRD (Rotina Diária) GPD CONSELHO Liderança da Empresa •Olhar para fora
TQC: GPD (Diretrizes) e GRD (Rotina Diária)
GPD
CONSELHO
Liderança da Empresa
•Olhar para fora da empresa
PRESIDENTE
•Olhar para o futuro da empresa
DIRETOR
ÊNFASE NA
GERÊNCIA
DIRETRIZES
INTER-
CHEFE
DIRETRIZES
FUNCIONAL
DEPARTAMENTO
GRD
CHEFE
CHEFE
Unidade Gerencial
SEÇÃO
SEÇÃO
Básica
ROTINA DO
DIA-A-DIA
STAFF
STAFF
ÊNFASE NA
GERÊNCIA
FUNCIONAL
SUPERV
SUPERV
SUPERV
SUPERV
SUPERV
SUPERV
Objetivo: dar a esta
“microempresa” toda
autonomia possível
para conduzir o “seu
negócio” no dia-a-dia.
OPERADORES
GRD - Modelo Auto-Aplicável (proposta de Falconi) 1ª FASE “ENTENDA 0 SEU TRABALHO” 2ª FASE
GRD - Modelo Auto-Aplicável (proposta de Falconi)
1ª FASE
“ENTENDA 0 SEU
TRABALHO”
2ª FASE
3ª FASE
“ARRUMANDO A CASA”
“AJUSTANDO A MÁQUINA”
4ª FASE
“CAMINHANDO
PARA O FUTURO”
ENTENDA O
ARRUMANDO
SEU TRABALHO
A CASA
PADRONIZAR
ELIMINAR
ANOMALIAS
APERFEIÇOAR
MONITORAR
MONITORIAMENTO
GERENCIAR
APERFEIÇOAR
GARANTIR
PARA MANTER
MANTER
QUALIDADE
GERENCIAR P/
APERFEIÇOAR
FUTURO
MELHORAR
MELHORAR
PRATICAR SOLUÇÃO
RH
DE PROBLEMAS
Prof. Msc. Marco Antonio Pereira
pereira@marco.eng.br

Bibliografia Utilizada

Controle da Qualidade Total (no estilo japonês) Vicente Falconi Campos Vicente Falconi Campos

Gerenciamento da Rotina do Trabalho do Dia-a-Dia Vicente Falconi Campos Vicente Falconi Campos

Padronização de Empresas Vicente Falconi Campos Vicente Falconi Campos

GRD Gerenciamento da Rotina Diária Definição: São as ações e verificações diárias conduzidas para que
GRD
Gerenciamento da Rotina Diária
Definição: São as ações e verificações diárias conduzidas para que cada
pessoa possa assumir as responsabilidades no cumprimento das obrigações
conferidas a cada indivíduo e a cada organização.
Atuação:
• Na perfeita definição da AUTORIDADE e RESPONSABILIDADE de cada pessoa;
• Na padronização dos PROCESSOS e do TRABALHO;
• Na monitoração dos RESULTADOS de processos e na comparação com as metas;
• Na AÇÃO CORRETIVA no PROCESSO, a partir dos DESVIOS encontrados nos
RESULTADOS, quando comparados com as METAS;
• Num bom ambiente de trabalho (5S) e na máxima utilização do potencial mental das
pessoas
• Na busca contínua da PERFEIÇÃO.
Forma de Implantação:
• Modelo Auto Aplicável – Reuniões Sistemáticas e Permanentes.
• Consultoria Externa.

GRD: Consultoria INDG - www.indg.org.br

1. Diagnóstico Inicial (2 a 5 dias)

2. Treinamento na Gestão para Resultados (1 mês)

3. Esforços de Melhoria com Foco em Resultados (3 a 12 meses)

3.1. Definição de Metas

3.2. Análise dos Problemas e Identificação de Causas

3.3. Estabelecimento e Execução dos Planos de Ação

3.4. Monitoramento dos Resultados

3.5. Atuação Corretiva

4. Padronização do Trabalho (3 a 6 meses)

4.1. Mapeamento dos Processos

4.2. Identificação de Tarefas Críticas

4.3. Estabelecimento dos Padrões

4.4. Treinamento Operacional

4.5. Estruturação dos Sistemas de Auditoria e Supervisão

5. Tratamento de Anomalias (3 a 6 meses)

5.1. Estruturação e Implementação do Sistema

5.2. Atuação Corretiva sobre Desvios

5.3. Identificação de Desvios Crônicos

6. Avaliação Final de Resultados (1 mês)

6.1. Identificação de novas oportunidades de melhoria

6.2. Relatório Final

1

Curso Gestão da Qualidade Aula 6 – GRD – Gerência Rotina Diária

FUNDAMENTO DO GRD: PDCA

Definir as metas Atuar Definir os corretivamente/ aperfeiçoar. métodos que permitirão atingir as metas
Definir
as
metas
Atuar
Definir os
corretivamente/
aperfeiçoar.
métodos que
permitirão atingir
as metas propostas
Educar e
Verificar os
resultados da tarefa
executada
Treinar
Executar
a tarefa
P
(coletar
dados)
(planejar)
PLAN
A
(atuar)
C
ACTION
(checar)
CHECK
D
(desempenhar)
DO
GRD e PDCA: Melhoria X Manutenção GERENCIAMENTO PARA MANUTENÇÃO GERENCIAMENTO PARA MELHORIAS META PADRÃO: 1
GRD e PDCA: Melhoria X Manutenção
GERENCIAMENTO PARA MANUTENÇÃO
GERENCIAMENTO PARA MELHORIAS
META PADRÃO:
1
PROBLEMA: Identificação do problema
1
Qualidade Padrão, Custo
S
ANÁLISE DO FENÔMENO:
Padrão,
P
Reconhecimento das características do
2
2
P.
O. P. para atingir as metas
problema
padrão
ANÁLISE DO PROCESSO: Descoberta
D
3
3
EXECUÇÃO: Cumprir o P. O .P.
das causas principais
PLANO DE AÇÃO: Contramedidas às
4
4
causas principais
VERIFICAÇÃO:
Confirmação da efetividade do
EXECUÇÃO: Atuação de acordo com o
P.
O .P.
D
5
“Plano de Ação”
C
6
VERIFICAÇÃO: Confirmação da
EFETIVO ?
C
efetividade da ação
SIM
EFETIVO ?
NÃO
NÃO
AÇÃO CORRETIVA:
SIM
PADRONIZAÇÃO: Eliminação definitiva
A
5
Remoção do Sintoma.
das causas
7
Ação na causa
A
CONCLUSÃO: Revisão das atividades e
8
planejamento para trabalho futuro
MANTER

GRD: Local de Implantação

DEFINIÇÃO DA FUNÇÃO

Unidade Gerencial Básica FORNECEDORES MACROPROCESSO PRODUTOS CLIENTES AVALIAÇÃO DE MAPEAR PROCESSOS PROCESSOS
Unidade Gerencial Básica
FORNECEDORES
MACROPROCESSO
PRODUTOS
CLIENTES
AVALIAÇÃO DE
MAPEAR PROCESSOS
PROCESSOS
PRIORIZAR
COLETAR DADOS
LEVANTAR
PROBLEMAS
ELABORAR
DEFINIR META
PADÕES
CLASSIFICAR
EDUCAR &
TREINAR
COMPARAR META
PRIORIZAR
1
2
3
4
5
6
7
8
A
P
DELEGAÇÃO
C
D
MASP / ANÁLISE DE FALHA
ANALISE DE PROCESSO

PADRONIZAÇÃO

Prof. Msc. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br

GRD e PDCA: Melhoria X Manutenção

DIRETRIZES ANUAIS DA ALTA ADMINISTRAÇÃO PROBLEMAS CRÔNICOS METAS ANUAIS PRIORITÁRIOS MELHORIA REVISÃO PERIÓDICA
DIRETRIZES ANUAIS DA ALTA ADMINISTRAÇÃO
PROBLEMAS CRÔNICOS
METAS ANUAIS
PRIORITÁRIOS
MELHORIA
REVISÃO PERIÓDICA
A
P
DOS PROBLEMAS
CRÔNICOSCRÔNICOS
C
D
AÇÃO
CORRETIVA
PADRONIZAÇÃO
MANTÉM
A
P
C
D
PRODUTOS
GRD: Mentalidade ATUAÇÃO CORRETIVA ATUAÇÃO NO PROCESSO (MEIOS) PARA MANTER E MELHORAR OS RESULTADOS META:
GRD: Mentalidade
ATUAÇÃO CORRETIVA
ATUAÇÃO NO PROCESSO (MEIOS)
PARA MANTER E MELHORAR OS
RESULTADOS
META: “SATISFAZER MAIS AS
PESSOAS QUE OS
CONCORRENTES E DE MANEIRA
MAIS ECONOMICA”.
A
P
MÉTODO:
CUMPRIR OS PADRÕES
•PADRÃO DE SISTEMA
C
D
•PADRÃO TÉCNICO DE PROCESSO
•PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO
ITENS DE CONTROLE:
COMO ESTÃO MEUS RESULTADOS?
COMO ELES SE COMPARAM COM AS
METAS? COMO SE COMPARAM COM
OS BENCHMARKS
EXECUÇÃO: TRABALHO DISCIPLINADO DE
ACORDO COM OS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS
PADRÃO.
5S
MORAL: MOTIVAÇÃO, UNIÃO, PARTICIPAÇÃO,
AMIZADE, APRENDIZADO, CRESCIMENTO

GRD: Procedimentos Gerais para Implementação

 

DEFINIÇÃO DA FUNÇÃO

 
 
 
 

MACROFLUXOGRAMAS

 

EDUCAÇÃO E

EDUCAÇÃO E  
 

TREINAMENTO

 

FLUXOGRAMAS

   
  TREINAMENTO   FLUXOGRAMAS     • PADRÕES DEFINIÇÃO DAS   SATISF.CLIENTES
  TREINAMENTO   FLUXOGRAMAS     • PADRÕES DEFINIÇÃO DAS   SATISF.CLIENTES
  TREINAMENTO   FLUXOGRAMAS     • PADRÕES DEFINIÇÃO DAS   SATISF.CLIENTES
  TREINAMENTO   FLUXOGRAMAS     • PADRÕES DEFINIÇÃO DAS   SATISF.CLIENTES

PADRÕES

DEFINIÇÃO DAS

 

SATISF.CLIENTES

DEFINIÇÃO DOS

TAREFAS

PRIORITÁRIAS

AVALIAÇÃO DE

 

ITENS DE

PRODUTO/SERVIÇO

CONTROLE

 

E PROCESSO

 

GERENCIAIS

AUTO-

 

INSPEÇÃO

PROCEDIMENTO

INSPEÇÃO PROCEDIMENTO

OPERACIONAL

AUTO

TREINAMENTO

   

MÉTODO DE SOLUÇÃO DE PROBLEMAS (MELHORIA DOS PADRÕES)

CONTROLE

NO TRABALHO

 
 
   
 

DELEGAÇÃO

2

Curso Gestão da Qualidade Aula 6 – GRD – Gerência Rotina Diária

GRD: Premissa Básica Definição de FUNÇÕES dos colaboradores

DIREÇÃO GERENCIAIS GERENCIA FUNÇÕES SUPERVISÃO OPERACIONAIS OPERAÇÃO
DIREÇÃO
GERENCIAIS
GERENCIA
FUNÇÕES
SUPERVISÃO
OPERACIONAIS
OPERAÇÃO

Nível Hierárquico x Papel de Resposnabilidade

NÍVEL PAPEL E RESPONSABILIDADE HIERÁRQUICO 0 25% 50% 75% 100% ALTA C ADMINISTRAÇÃO B GERÊNCIA
NÍVEL
PAPEL E RESPONSABILIDADE
HIERÁRQUICO
0
25%
50%
75%
100%
ALTA
C
ADMINISTRAÇÃO
B
GERÊNCIA
SUPERVISOR
A
OPERADOR

A- MANUTENÇÃO: CUMPRIMENTO DAS OPERAÇÕES PADRONIZADAS E ELIMINAÇÃO DA CAUSA FUNDAMENTAL DE PROBLEMAS (DESVIOS). MANUTENÇÃO DO “NÍVEL DE CONTROLE”.

B- MELHORIA: ELIMINAÇÃO DAS CAUSAS FUNDAMENTAIS QUE CAUSAM RESULTADOS INDESEJAVEIS. ESTABELECIMENTO DE NOVOS “NÍVEIS DE CONTROLE”. NOVAS IDÉIAS.

C- DESENVOLVIMENTO: DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS, PROCESSOS, MERCADOS, ETC.

Conceitos Fundamentais GRD

3 2 2 , 2 , 6 4 1 7 5 ) 0 9 9
3
2
2
,
2
,
6 4
1
7 5
)
0
9 9
J FMAMJ JASOND
0 1

Item de Controle

Problema

 

Padronização

Prof. Msc. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br

TIPO DE TRABALHO EXERCIDO EM CADA FUNÇÃO

SITUAÇÃO NORMAL OCORRÊNCIA DE ANOMALIAS FUNÇÕES DIREÇÃO *Estabelece METAS que garantem a sobrevivência da
SITUAÇÃO
NORMAL
OCORRÊNCIA DE ANOMALIAS
FUNÇÕES
DIREÇÃO
*Estabelece METAS que
garantem a sobrevivência
da empresa a partir do
plano estratégico.
*Estabelece METAS para corrigir a “Situação
Atual”.
*Compreende o “Relatório da Situação Atual”.
*Atinge METAS (PDCA).
GERENCIA- *Treina função supervisão
MENTO
*“Relatório da Situação Semestralmente”.
*Elimina as anomalias crônicas, atuando nas
causas fundamentais (PDCA).
*Revê periodicamente as anomalias detectando
as anomalias crônicas (Análise de Pareto).
*Verifica diariamente as anomalias no local de
ocorrência, atuando completamente à função
supervisão.
SUPERVISÃO
*Verifica se a função
operação está cumprindo os
procedimentos operacionais
padrão
*Treina a função operação
*Registra as anomalias e relata para a função
gerencial.
*Conduz Análise das Anomalias, atacando as
causas imediatas (p. ex: o padrão foi
cumprido?).
OPERAÇÃO
*Cumpre os Procedimentos
Operacionais Padrão
*Relata as anomalias.
OPERACIONAIS
GERENCIAIS

Pit Stop 1

Pit Stop 1 Que nível de CARGO você está? Quais suas principais funções no cargo que

Que nível de CARGO você está?

Quais suas principais funções no cargo que exerce?

Onde você gasta a maior parte de seu tempo? AGREGAR VALOR OU AGREGAR CUSTO

GRD: CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DO PROCESSO GERENCIAL

AUTORIDADE MATÉIAS- EQUIPAMENTOS INFORMAÇÕES PRIMAS (FINS) CONDIÇÕES PROCEDIMENTOS PESSOAS AMBIENTAIS SUA
AUTORIDADE
MATÉIAS-
EQUIPAMENTOS
INFORMAÇÕES
PRIMAS
(FINS)
CONDIÇÕES
PROCEDIMENTOS
PESSOAS
AMBIENTAIS
SUA ÁREA GERENCIAL
(MEIOS)
ITENS DE
CONTROLE
ITENS DE
VERIFICAÇÃO
FORNECEDORES
RESPONSABILIDADE METAS RESULTADOS QUALIDADE TOTAL SATISFA- CLIENTES EMPREGADOS ÇÃO DAS ACIONISTAS PESSOAS
RESPONSABILIDADE
METAS
RESULTADOS
QUALIDADE TOTAL
SATISFA- CLIENTES
EMPREGADOS
ÇÃO DAS
ACIONISTAS
PESSOAS
VISINHOS
METAS RESULTADOS QUALIDADE TOTAL SATISFA- CLIENTES EMPREGADOS ÇÃO DAS ACIONISTAS PESSOAS VISINHOS OBJETIVO

OBJETIVO

3

Curso Gestão da Qualidade Aula 6 – GRD – Gerência Rotina Diária

GRD: ORIGEM E ABRANGÊNCIA DOS ITENS DE CONTROLE

VOCÊ é o Presidente desta “pequena empresa”

QUALIDADE DE INTRÍNSECA CUSTO (CUSTO, PREÇA, LUCRO, MARGEM). LOCAL CERTO ENTREGA QUANTIDADE CERTA PRODUTOS PRAZO
QUALIDADE DE INTRÍNSECA
CUSTO (CUSTO, PREÇA, LUCRO,
MARGEM).
LOCAL CERTO
ENTREGA
QUANTIDADE CERTA
PRODUTOS
PRAZO CERTO
SEGURANÇA
LOCAL CERTO
QUANTIDADE CERTA
PRAZO CERTO
PESSOAS
MORAL
 
 

MATÉIAS-

MÁQUINA M E D I D A

MÁQUINA M E D I D A

MEDIDA

MÁQUINA M E D I D A
MÉTODO MÃO DE

MÉTODOMÃO DE

MÉTODO MÃO DE

MÃO DE

AMBIENTE

OBRA

GRD: Tabela de Itens de Controle PRODUTO ITEM DE UNIDA- PRIORI- FREQÜEN- MÉTODO DE (OU
GRD: Tabela de Itens de Controle
PRODUTO
ITEM DE
UNIDA-
PRIORI-
FREQÜEN-
MÉTODO DE
(OU
CONTROLE
DE DE
DADE
(A, B, C)
CIA
CONTROLE
FUNÇÃO)
MEDIDA
QUANDO
COMO
ATUAR
ATUAR
VENDAS
MARKET
% DAS
A
1 VEZ/MÊS
SEMPRE
CONVOCAR
SHARE DO
VENDAS
QUE FOR
REUNIÃO
PRODUTO “X”
SOBRE
INFERIOR A
DOS
TOTAL DE
50%
GERENTES,
VENDAS,
VENDEDORE
ETC
DE
S
DA ÁREA
PRODUTO
E
SIMILAR
ASSISTÊNCI
A TÉCNICA
DETERMINA
R CAUSAS E
TOMAR
AÇÕES.

Exemplo: Itens de Controle de uma Diretoria de Logística

Item de Controle

 

Prazo

Necessidades

 
  Prazo Necessidades   Número de pedidos não entregues aos

Número de pedidos não entregues aos

Produtos

Clientes

   
Produtos Clientes     clientes nos prazos

clientes nos prazos

Produtos entregues

Clientes

Produto conforme pedido

Quantidade (volume) Faturam. Correto

 
entregues Clientes Produto conforme pedido Quantidade (volume) Faturam. Correto   Carteira de pedidos x faturamento

Carteira de pedidos x faturamento

aos clientes

Externos

 
aos clientes Externos   Lead Time Total

Lead Time Total

 

Integridade do Produto

Custo Entregas

 

Número de divergências entre pedidos & entregas relativos a:

   

•Produto conforme pedido

 

•Quantidade (volume)

•Integridade do Produto

 
  •Faturamento

•Faturamento

 

Custos de entrega dos Pedidos

Produção

planejada

 

Manufatura/

Quantidade

   

Produção Planejada x realizada no fechamento

   

Modelos

 

Obedecendo as restrições da Manufatura

    Modelos   Obedecendo as restrições da Manufatura
 

Vendas

Prazo

 

•Quantidade

 

•Modelo

 
  Número matérias-primas (itens) faltantes na produção

Número matérias-primas (itens) faltantes

na produção

Produção

 

Quantidade/Prazo

     
Produção   Quantidade/Prazo       Número de NCM – não conform. de

Número de NCM – não conform. de

Manufatura

Qualidade (Liberada)

   
Manufatura Qualidade (Liberada)     materiais.

materiais.

 

Flexibilidade de Fornecimento

       

Evolução custo mat. prima

Abastecida (Mat. Dir./ Indir.)

 

Baixo custo aquisição

   

Evolução custo material indiretoAbastecida (Mat. Dir./ Indir.)   Baixo custo aquisição    

 

Estoques

   

Valor do estoque  Estoques    

Prof. Msc. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br

GRD: Método para a determinação de Itens de Controle da Rotina

(para qualquer nível hierárquico)

Reúna seu staff e seus subordinados imediatos

“Quais são os nossos produtos/serviços?

Quem são os clientes (internos ou externos) de cada produto? Quais são as suas necessidades?

Determine itens de controle da qualidade

Determine itens de controle de custo

Determine itens de controle de entrega

Determine itens de controle de moral

Determine itens de controle de segurança

Monte a “Tabela de Itens de controle”.

GRD: Representação Gráfica dos Resultados de um Item de Controle

3 MELHOR 2,67 2,45 2 “META” = 1,22 (50% DA MÉDIA DO ANO ANTERIOR) ÍNDICE
3
MELHOR
2,67
2,45
2
“META” = 1,22
(50% DA
MÉDIA DO
ANO
ANTERIOR)
ÍNDICE DE
DEFEITOS
(%)
1
“BENCHMARK”
(MELHOR
CONCORRENTE
DO MUNDO)
0
90
91
J
F
M
A
M
J
J
A
S
O
N
D

Pit Stop 2

Pit Stop 2 Defina ITENS DE CONTROLE em suas funções. Qualidade Intrínseca Custo Entrega Segurança Moral

Defina ITENS DE CONTROLE em suas funções.

Qualidade Intrínseca

Custo

Entrega

Segurança

Moral

4

Curso Gestão da Qualidade Aula 6 – GRD – Gerência Rotina Diária

Problema

é o resultado indesejável (de um trabalho ou processo).

é o resultado indesejável (de um trabalho ou processo) . ANOMALIAS são “pequenos problemas” que muitas

ANOMALIAS são “pequenos problemas” que muitas vezes passam despercebidos. São normalmente conhecidos por falhas.

despercebidos. São normalmente conhecidos por falhas . CRÔNICOS são problemas enraizados na cultura da

CRÔNICOS são problemas enraizados na cultura da organização e muitas vezes não são vistos como problemas pois fazem parte do cotidiano e são encarados como normais .

PADRONIZAÇÃO

 

“Documento consensado estabelecido para um objeto, desempenho, capacidade, ordenamento, estado, movimento, seqüência, método, procedimento, responsabilidade, dever,

autoridade,

maneira de pensar, conceito, etc., com o objetivo de

unificar e simplificar de tal maneira que de forma honesta, seja conveniente e lucrativo para as pessoas envolvidas.”

(JIS)

 

Compromisso documentado utilizado em comum e repetidas vezes por todas as pessoas envolvidas.”

(Masao Umeda)

PADRÃO:

MANUAL DE IMPLEMENTAÇÃO DO GERENCIAMENTO DA ROTINA

Manual de Implementação do Gerenciamento da Rotina
Manual
de
Implementação
do
Gerenciamento
da Rotina

Sumário:

1.

Introdução

2.

Objetivos

3.

Quem Deve Utilizar Este Manual

4.

Como Utilizar Este Manual

5.

Conceitos Básicos

5.1

Definição de Processo

5.2

Etapas do Gerenciamento da Rotina

5.3

Método PDCA

6.

Método de Implementação do Gerenciamento da Rotina

6.1

Definição da Função

6.2

Avaliação de Processo

6.3

Analise de Processo

6.4

Padronização

7. Anexos Formulários Padronizados Técnicas e Ferramentas da Qualidade Glossário

Prof. Msc. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br

PROPOSTA DE FLUXOGRAMA DO “SISTEMA DE TRATAMENTO DAS ANOMALIAS” DENTRO DE UMA UNIDADE GERENCIAL BÁSICA

OPERADOR STAFF-ENGENHARIA SUPERVISOR GERENTE DE PROCESSO AUTORIZA A REMOÇÃO DO RELATA A SINTOMA OCORRÊNCIA DA
OPERADOR
STAFF-ENGENHARIA
SUPERVISOR
GERENTE
DE PROCESSO
AUTORIZA A REMOÇÃO DO
RELATA A
SINTOMA
OCORRÊNCIA DA
ANOMALIA
VERIFICA O CUMPRIMENTO
DOS PADRÕES
SIM
NÃO
POR QUÊ?
TREINAMENTO?
FOOL-PROOF?
CONDUZ ANÁLISE DA
ANOMALIA NO LOCAL
ATUA NA CAUSA
IMEDIATA
REVÊ DIARIAMENTE OS
RELATÓRIOS DE ANOMALIA,
COMPLETANDO-OS
ESTABELECE PRIORIDADE, (ANÁLISE DE PARETO)
FAZ O RELATÓRIO DA
ANOMALIA
RESOLVE O PROBLEMA DEFINITIVAMENTE
ATUANDO NA CAUSA FUNDAMENTAL
PDCA

PADRONIZAÇÃO

TREINAMENTO DOS EXECUTANTES MACROFLUXO FLUXOGRAMA DOS PROCESSOS CRÍTICOS TAREFAS CRÍTICAS PADRONIZAR MANUAL DE
TREINAMENTO DOS
EXECUTANTES
MACROFLUXO
FLUXOGRAMA DOS
PROCESSOS CRÍTICOS
TAREFAS CRÍTICAS
PADRONIZAR
MANUAL DE
PADRONIZAÇÃO
MANUAL DE
TREINAMENTO
Um Bom Padrão é: • Direcionado para o usuário • Simples • Exeqüível • Mensurável
Um Bom Padrão é:
• Direcionado para o usuário
• Simples
• Exeqüível
• Mensurável
• Atual
• Prático de revisar
• Baseado na prática
• Resultado de consenso
• Formalizado
• Parte de um sistema
• Aquele localizado na mente das pessoas

Plano de Implantação do GRD

GERENC. DE PROCESSOS
GERENC. DE
PROCESSOS

DEFINIR A

DEFINIR MISSÃO

FUNÇÃO

IDENTIFICAÇÃO DE CLIENTES, FORNEC. PRODUTOS E PROCESSOS.

 
 

DEFINIR INDICADORES DE RESULTADOS

LEVANTAMENTO DE PROBLEMAS

ESTABELECER A

ANÁLISE DE

PRIORIZAR

PROCESSOS

RESOLVER PROBLEMAS

 

EDUCAR E TREINAR PARA PADRONIZAÇÃO

PADRONIZAR OS

PROCESSOS

CONSTRUIR FLUXOGRAMA DOS PROCESSOS

 

DEFINIR PROCESSOS CRÍTICOS

 

INICIAR PADRONIZAÇÃO

MONTAR O MANUAL E TREINAR

DESDOBRAR CARACTERÍSTICAS DA QUALIDADE

ESTABELECER

ESTABELECER INDICADORES DE RESULTADOS

AVALIAÇÃO DE

PROCESSO

ANALIZAR CAPACIDADE DOS PROCESSOS

 

REDUZIR DISPERSÃO

ACOMPANHAR ATRAVÉS DE GRÁFICOS

5W 1H

5