P. 1
ACIDENTE DO TRABALHO

ACIDENTE DO TRABALHO

|Views: 441|Likes:
Publicado porGylnara Carvalhêdo

More info:

Published by: Gylnara Carvalhêdo on Apr 15, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/10/2012

pdf

text

original

ACIDENTE DO TRABALHO Conceito de Acidente de Trabalho Acidente é por definição, o acontecimento que determina, fortuitamente, dano que poderá

ser à coisa, material, ou pessoa. O artigo 19 da Lei 8.213/91, estabelece que acidente do trabalho é todo aquele decorrente do trabalho a serviço da empresa que provoca lesão corporal ou perturbação funcional que causa a morte, perda ou redução, permanente ou temporária, da capacidade para o trabalho. Por seu turno, os artigos 20 e 21 da Lei em comento, trazem outras entidades mórbidas que também são consideradas para efeitos de acidente de trabalho. O Decreto nº 2.172/97, em seus artigos 131 a 133, também regula sobre a matéria e, de modo específico, o artigo 131 do referido decreto dispõe que acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa, ou ainda pelo exercício do trabalho dos segurados especiais, e provoca lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte, a perda ou redução da capacidade para o trabalho, quer seja permanente, quer seja temporária. Assim, acidente do trabalho compreende, para a legislação previdenciária, a doença profissional, a doença do trabalho e aquelas equiparadas a acidente de trabalho. Outrossim, destaca-se que o infortúnio pode ser classificado como típico ou atípico, o primeiro decorrente de um acontecimento na prática do labor e o segundo proveniente de doença profissional relacionada a determinado tipo de atividade. Oportuno mencionar que o acidente de trabalho pode ocorrer no traj to e entre a residência do trabalhador e o local de trabalho, e vice-versa. Ainda sob esta ótica, importante dizer que todos aqueles acidentes sofridos fora do local e horário de trabalho, desde que o trabalhador esteja sob ordens da empresa também são con siderados acidente de trabalho. Muito embora exista esta diferenciação, o fato é que todos atingem a integridade do trabalhador, quer seja física, quer seja psíquica. A incidência do acidente do trabalho ocorre em 3 hipóteses: Quando ocorrer lesão corporal; Quando ocorrer perturbação funcional ou; Quando ocorrer doença. Elementos do Acidente do Trabalho Podem ser apontados os seguintes elementos caracterizadores do "infortúnio do trabalho"; A - A causalidade: o acidente do trabalho apresenta-se como um evento, acontece por acaso, não é provocado. B - A nocividade: o acidente deve acarretar uma lesão corporal, uma perturbação funcional física ou mental. C - a incapacitação: o trabalhador, em razão do acidente, deve ficar impedido de trabalhar e, em conseqüência, sofrer a lesão patrimonial da perda do salário.

via perícia médica. caput.o nexo etiológico: é a relação direta ou indireta entre a lesão pessoal e o trabalho subordinado realizado pela vítima. possibilita a interposição de ações relacionadas ao acidente do trabalho. e § 3º. o trabalhador eventual que sofra uma lesão ao prestar serviço à dada empresa poderá ser ressarcido no âmbito civíl. De outra banda. trata sobre esta comunicação no artigo 22. de prestações decorrentes do acidente do trabalho não exclui aresponsabilidade civil da empresa ou de terceiros. face à relevância social do tema aqui abordado. interpor ações tanto na área previdenciária. como o auxílio-doença. há que se dizer que. mas também para o empregador. à vítima. Destes quatro elementos. por autoridade pública). A Lei nº 8213/91.172/97 dispõe. A primeira hipótese citada. haja o nexo causal entre o acidente e o trabalho. as empresas adotam medidas coletivas e individuais para a proteção e segurança do trabalhador. Todas estas ações são ajuizadas face à Previdência Social. auxílio-acidente. se forem inócuas geram. desde que. e § 2º. Ocorrido o acidente do trabalho. como na área trabalhista. ação acidentária. no intuito de prevenir acidentes laborais. como já dito. vale a pena comentar um detalhe importante contido no último que é pressuposto para se falar de acidente de trabalho: é a subordinação. qual seja. quais sejam: ações acidentárias. tem por escopo lides que envolvam benefício previdenciário. não só para o trabalhador. caso a esfera administrativa não reconheça o benefício postulado. trabalhistas e indenizatórias. . é a responsável pela caracterização técnica. Reconhecidos pela perícia médica do INSS a incapacidade para o trabalho e o nexo entre o trabalho e o agravo. elencada ra na Classificação Internacional de Doenças (CID). a autarquia previdenciária. já que a ele não alcança o seguro acidentário. caput. seguro contra acidentes do trabalho. já que protegido pelas regras de acidente só serão aqueles que estejam em um sistema hierárquico. de acordo com a lei. visto que este infortúnio gera muitas consequências. aposentadoria por invalidez. Considera-se estabelecido o nexo entre o trabalho e o acidente quando se verificar nexo técnico epidemiológico entre a atividade da empresa e a entidade mórbida motivado da incapacidade. as quais. o dever de indenizar. Assim. Mediante estas ações o empregado vítima do acidente do trabalho pleiteia o recebimento de benefícios previdenciários. e tão-somente após a comunicação do acidente de trabalho (pela empresa. não há acidente de trabalho. no artigo 134. o Decreto nº 2. de acordo com a legislação especifica. pelo médico ou ainda. aos empregadores. via de consequência. pela entidade sindical. a respeito da comunicação do acidente. Tendo ocorrido o infortúnio. e esta se dá mediante a presença do nexo causal entre o trabalho e o acidente. o pagamento pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). via Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT). é possível. serão devidas as prestações acidentárias a que o beneficiário tenha direito. por seus dependentes. Disso se extrai que fora do contrato de trabalho típico. Assim sendo. Por sua vez.D . e uma indenização para a reparação dos danos sofridos. e ainda. pelo trabalhador. vez que.

. da a capacidade para o trabalho". permanente ou temporári . a Reclamação Trabalhista que tem por objeto questões afetas a relação de trabalho. 19.Por sua vez. Autor: Christie Danielle Sikorki. as seguintes entidades mórbidas" "Art. a teoria objetiva. embora não tenha sido a causa única. a aplicação da teoria da responsabilidade subjetiva ou. 11 desta Lei. haja contribuído diretamente para a morte do segurado.. Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa ou pelo exercício do trabalho dos segurados referidos no inciso VII do art. para efeitos desta Lei: I . com fulcro tanto no artigo 7º.213 de 1991. 8. todos do Código Civil. onde se verificará. nos termos do artigo anterior. assim dispõe: "Art. ou produzido lesão que exija atenção médica para a sua recuperação. 20.o acidente sofrido pelo segurado no local e no horário do trabalho. em conseqüência de. 21.. para redução ou perda da sua capacidade para o trabalho.o acidente ligado ao trabalho que.. especialista em Direito Processual pela Unisul e professora universitári --------------------------------------A lei n. conforme o caso. . inclusive de natureza indenizatória (dano moral e material) e o foro competente é a Justiça do Trabalho. II .. quando a atividade exercida pelo trabalhador implicar por sua natureza risco. "Art. provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte ou a perda ou redução. Equiparam-se também ao acidente do trabalho. Consideram-se acidente do trabalho. A ação acidentária tomará por base a responsabilidade civil. . inciso XXVIII da CF e os artigos 186. situação essa já pacificada. 187 e 927 e parágrafo único. advogada.

e que normalmente relacionadas pelo próprio legislador ( ver exemplo no apêndice) e as doenças profissionais atípicas. por isso. .º 77. de temperaturas extremas.. que não são peculiares determinados tipos de trabalho. inclusive veículo de propriedade do segurado. A distinção é importante. Mesopatia pode decorrer do excessivo esforço.077 de 24-01-1976 que "equipara-se ao acidentado o trabalhador acometido de doença do trabalho... cabendo. o empregado é considerado no exercício do trabalho. enquanto nas doenças atípicas inexiste qualquer presunção. que são conseqüência natural de certas profissões desenvolvidas em condições insálubres. § 1º Nos períodos destinados a refeição ou descanso. porque nas doenças profissionais típicas o nexo etiológico com a atividade do trabalhador é presumido pela lei. no local do trabalho ou durante este.o acidente sofrido pelo segurado ainda que fora do local e horário de trabalho: . ou por ocasião da satisfação de out as necessidades r fisiológicas. --------------------------- -------------------------------------------------------------------------------A propósito. do decreto n. o ônus de provar que a enfermidade teve causa em evento provocado pelo desempenho do contrato de trabalho. prescreve o artigo 167. de posturas viciosas.IV . d) no percurso da residência para o local de trabalho ou deste para aquela. mas que o operário vem a contrair por fato eventualmente ocorrido no desempenho da atividade laboral. qualquer que seja o meio de locomoção. à vitima. ditas mesopatias. As moléstias geradas pelo trabalho são divididas em dois grupos: doenças profissionais típicas ou tecnopatias. etc. II..

-------------------------------------------------------------------------------- Risco Profissional De acordo com Carnelutti. Isso significa que as concausas são igualadas às causas propriamente ditas. o mesmo a que se expõe todos os homens. É justa tal paridade porque no acidente poderemos ter reflexos no que toca ao estado anterior da vítima. Uma vez porém. expõe ao risco específico do -se trabalho. " . expondo-se. de caráter alimentar. já que não há necessidade da causa única para a configuração do acidente do trabalho. ao risco genérico.É necessário frisar que as concausas geram efeitos. mas agravado. o trabalho. -----------------------------------------------------------. ou as suas eventuais superveniências mórbidas. Os fatores do risco profissional estão ai. e. É necessário que algo ocorra para que se dê a sua concretização. Em determinadas circunstâncias. entretanto.-------------------- A tese dominante da cumulatividade O que o empregado recebe da Previdência Social nem sequer pode ser qualificado como indenização. i. que lhe permite sobreviver enquanto subsistir a causa incapacitante. o regime jurídico do infortúnio é o mesmo ( Lei n. É o caso do telhadeiro. comprovado que a lesão súbita ou a doença se originaram do trabalho. de "um beneficio especial. se nesse risco se verifiquem a presença de fatores capazes de produzirem aquele resultado. o risco genérico poderá agravar em função do -se trabalho executado . o acidente. Quando se fala em risco tem-se a idéia de alguma coisa em potencial que influirá ou não para o aparecimento do acid ente. o do risco genérico. E isso é o risco profissional. pois trata-se na verdade.. por si só não gera o acidente. provocado pelo calor e irradiações solares. O empregado está sujeito a três modalidades de risco Como homem. do dano na pessoa do empregado. de sofrer os efeitos da insolação. que passa o dia sobre o telhado. durante o verão. O estado anterior principalmente: o ferimento no diabético ou no hemofílico.367/76 ).º 6. expõe-se ao risco. Como empregado.

------ Como registrar os acidentes do trabalho e seus equivalentes na Previdência Social? O instrumento formal de registro dos acidentes do trabalho seu equivalentes na Previdência Social é a Comunicação do Acidente do Trabalho . A cumulação é plena e não apenas complementar. podem formalizar a comunicação do acidente o próprio . Ensina Maria Helena Diniz que "sendo o dano um pressuposto da responsabilidade civíl. seguida pela grande maioria dos tribunais locais. caso necessite de tempo de afastamento do trabalho superior a 30 dias. com a consciência do grave risco a que se expõe o trabalhador na empresa. o Trabalhador dirige-se ao Serviço de Urgência ou ao Serviço médico da Empresa. "não só continua em vigor como tem ampliada a margem da sua incidência.A . ao acidentado ou dependentes. O trabalhador será então convocado pela perícia de acidente do trabalho. A .C. T.1992 em seu artigo 142 estabelece que a empresa deve fornecer cópia da C. prevê que. T. onde ela será registrada. O decreto 611 de 21. e a culpa grave consiste na omissão das medidas de segurança do trabalho." O dolo ocorre quando o acidente deriva da intenção criminosa de lesar o operário. salvo se ele puder provar alguma causa de escusa. e ao sindicato da categoria do trabalhador.. será obrigado a repará-lo aquele a quem a lei onerou com tal responsabilidade. A . quando esta é credenciada para realizar este tipo de atendimento. à Previdência Social. O verso da C. O serviço que atendeu o acidentado/doente é responsável pelo encaminhamento da C. é preenchido pelo médico que atende o acidentado. A . dado que a causa jurídica de cada uma das reparações é totalmente diversa da outra.T. . De posse da C. T. Além disso. nos casos em que a empresa não emitir a C.. nos casos de dolo ou culpa grave do patrão. no sentido de que a Súmula 229. A . -------------------------------------------------------------------------. T. que autoriza a cumulação da indenização acidentaria e da indenização de Direito comum. A .07.Daí a jurisprudência atual do STF. T.

tendo-se comprovado o nexo causal.administrativamente. O acesso aos benefícios do seguro de acidente do trabalho do INSS. o o paciente terá que submeter-se à Perícia de Acidente do Trabalho. Se o afastamento do trabalho deve se prolongar por período superi r a quinze dias. A caracterização do acidente de trabalho deve ser feita pelo INSS. Jurisprudência .tecnicamente. seus dependentes. através da Perícia Médica do INSS. b) a doença e o trabalho c) a "causa mortis" e o acidente.o que tem sido alegado como um dos motivos do sub-registro dos acidentes leves. o trabalhador terá acesso aos benefícios do Seguro de Acidente do Trabalho do INSS. o médico que o assistiu ou qualquer autoridade pública. que estabelecerá o nexo de causa e efeito entre: a) o acidente e a lesão. O acidente do trabalho deverá ser caracterizado: I . II . que é financiado por contribuição das empresas. a entidade sindical competente. que estabelecerá o nexo entre o trabalho exercido e o acidente. através do setor de benefícios do INSS. num percentual sobre a folha de pagamento proporcional ao grau de risco da atividade. (1a 3%).acidentado. Os primeiros quinze dias de tratamento do acidente ou da doença profissional devem ser remunerados integralmente pelo empregador . conforme estabelece o artigo 143 do Decreto 611/92: Artigo 143.

ut notas taquigráficas. não exclui a promoção da responsabilidade fundada no art. Relator RELATÓRIO O Sr. 50.297. Resolve. RESOLVE o Supremo Tribunal Federal. recebida do acidentado em termos amplos.Lafayette de Andrada. relator o ilustre desembargador Aguiar Dias: "responsabilidade civíl. 159 do Código Civíl ementa . 159 do CC. A índole transacional da reparação por acidente do trabalho exclui a sua cumulação com a indenização de Direito comum".art.Embargos rejeitados. unanimemente. com a declaração de que o indenizado nada mais reclamaria a qualquer titulo pelo evento. 1º Turma. em sessão plena. 10 de maio de 1963 . Ministro Vilas Boas: Decidiu a 4. Brasília. Acórdão Relatados estes autos de recurso Extraordinário n.º Câmara Cível.Vilas Boas. Presidente . Custas ex lege.Responsabilidade Civíl . embargante Cia. Relator o eminente Ministro Gonçalves de Oliveira: . A quitação. da Guanabara. Ferro Carril Carioca e embargado João Cardoso Oliveira. Acidente do Trabalho.Acidente de Trabalho . porém a eg. Cumulação de ações. desprezar dos embargos.

Cumulação permitida. por ilícita. afastada a prejudicial acolhida. 159.): "A responsabilidade. quea lei atribui ao empregador nos acidentes do trabalho. À Mesa. 152 e seguintes. João Cardoso de Oliveira. Embargado: João Cardosode Oliveira. Extr. com um pequeno acréscimo. se ocorreu a culpa equiparada ao dolo". Ao dolo se equipara a culpa do patrão que. Ministro Lafayette de Andrada. limito-me a reproduzir. Ação de Direito comum. DECISÃO Como consta da ata. a cláusula que elimina a prestação de que o dolo. Ferro Carril Carioca. Embargos da Companhia ferro Carril Carioca. Provimento do recurso para que. a decisão foi a seguinte: rejeitaram os embargos. no rec. pois é defesa. Desprezo os embargos. julgue a Câmara a causa no seu merecimento. recebida do acidentado."Acidente no trabalho. Embargante: Cia . não exclui a responsabilidade pela culpa. Sr. a fls. ou a culpa lata equiparável ao dolo. VOTO Para rejeitar os embargos. impugnação do embargo. seja causa. 19473 (fls 84. o que disse o eminente Ministro Hahnemann Guimarães. Presidencia do Exmo. visando maiores ganhos. . expõe o empregado ao perigo. que obriga o empregador a reparar o dano segundo o artigo 159 do Código Civíl" O adendo é que não obsta à demanda a plena e rasa quitação. Unânime. com a declaração de que nada mais reclamaria a qualquer titulo da empresa. a fls. a saber.

5.Relator: Exmo.297. José Luiz Dias. Impedido o Exmo. por se acharem licenciados .63. Victor Nunes. Gonçalves de Oliveira. 50.Sr.06.63 (STF. Srs. Aud. Wagner. . Editora Ltr. Sr. in Jardel Noronha e Odaléa Martins. Texto Trabalhado: AnníbalFernandes -pag 99 a 107. RE. 1996 5º edição São Paulo SP. Vilas Boas. civíl e acidentária do trabalho. Lys Esther.São Paulo. CAMPOS. doença e trabalho no Brasil.os Exmos. Isto é trabalho de gente? Vida. Editora Vozes . Candido Motta Filho e Ary Franco. Ministro Vilas Boas. ac de 10. "ACIDENTE DE TRABALHO" ROCHA. Ausentes. Curso de Direito Previdenciário 2ºedição São Paulo editora LTr. Ministros Pedro Chaves.SP . Tomaram parte no julgamento os Exmos. Enciclopédia Saraiva de Direito páginas 89-97. 49-50 -------------------------------------------------------------------------------- BIBLIOGRAFIA BALERA. Srs.. Ministro Hahnemann Guimarães. Responsabilidade penal. Publ. Ministros Luiz Gallotti.05. Pleno . v 12 p. Ribeiro da Costa e Barros Barreto. Referencias da Súmula do STF.

b) quaisquer dos locais já referidos e o local de pagamento da retribuição. Humberto. em 13/08/2008 INTRODUÇÃO Acidente de trabalho aquele que se verifique no local e no tempo de trabalho.jurid.Fonte: Jornal Jurid (http://secure. produzindo lesão corporal. Juíza Lilian Lygia Ortega Mazzeu julgado em 13/07/2008 . o ocorrido: 1. ou de ganho.br). . Acidente do Trabalho e Responsabilidade civíl comum.com. ou a morte. Editora Saraiva São paulo SP 1987 « Página anterior 1 2 Próxima página »Nota do artigo: sem nota 448 votos 12345ok Acidente do trabalho durante o aviso prévio indenizado reintegra o Empregado TRT-2ª Região . ou o local onde deva ser prestado assistência ou tratamento decorrente de acidente de trabalho. Considera-se também acidente de trabalho. perturbação funcional ou doença de que resulte redução na capacidade de trabalho. No trajeto. Rel. normalmente utilizado e durante o período ininterrupto habitualmente gasto.THEODORO JÚNIOR. c) o local de trabalho e o de refeição.RO 01996200747102004. de ida e de regresso entre: a)o local de residência e o local de trabalho.

bem como por motivo de força maior ou caso fortuito. pois os efeitos legais dos contratos por prazo determinado seriam idênticos para os contratos por prazo indeterminado. que deve ser depositado em conta judicial com correção monetária e à disposição do juízo. Entender de outro modo seria dar guarida à insegurança e à incerteza nas relações jurídicas. MG. 07. Incorre em culpa o empregador que altera o contrato de trabalho de empregado (desvio de função) para deslocá-lo para exercer a função de vigia em canteiro de obras. na eventualidade de inadimplência. "b".4ª T. DANOS PROVENIENTES DE ACIDENTE DO TRABALHO . Sobrevindo a morte do empregado (homicídio) no exerc ício da função. por determinação da entidade empregadora.INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS E MATERIAIS. 11 da Lei 8 n.INCISO XXVIII DO ART. o trabalhador presta qualquer serviço relacionado com o seu trabalho e as instalações que constituem o seu local de trabalho habitual. 7º/CF . nos termos do inciso XXVIII do art. ACIDENTE DO TRABALHO . ACIDENTE DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CONTRATUAL E LEGAL DO EMPREGADOR. (TRT-RO-6106/00 . que constitui modalidade de contrato a termo. art. sem observar a exigência de prévia qualificação para o exercício desta atividade.RESPONSABILIDADE CONTRATUAL E LEGAL DO EMPREGADOR PERANTE O INFORTÚNIO . 2.CONTRATO . impossível a hipótese de "despedida obstativa" ao gozo da estabilidade provisória do art. Quando o trajeto normal tenha sofrido interrupções ou desvios determinados pela satisfação de necessidades atendíveis do trabalhador. o que distorceria em demasiado a lei e inviabilizaria o instituto da CLT. 443.00) CONTRATO DE SAFRA . tudo sem prejuízo da constituição de um capital. que se aplica às empresas que contratam mão-de-obra agrícola em época de safra.HOMICÍDIO CONSUMADO POR TERCEIRO DURANTE A JORNADA LABORAL .10. 8.213/91. Apelo provido para condenar o recorrido a pagar a recorrentes danos morais e materiais. garantia de emprego aplicável somente aos contratos por prazo indeterminado. Se o acidente do trabalho ocorreu na vigência de contrato de safra. deve o empregador indenizá-lo.ESTABILIDADE PROVISÓRIA.Publ.d) o local onde. Juiz Antônio Álvares da Silva .MORTE . para garantir o pagamento da pensão mensal alimentícia decretada neste juízo. § 2º. 7º/CF.Rel. .

As informações das CAT¶s permitem. que culminou com sua posterior morte. que apura rá as causas e conseqüências do fato.a executar tarefa sem equipamentos mínimos de segurança. para sua configuração. As CAT¶s são documentos úteis para se conhecer a história dos acidentes na empresa. De igual sorte. sofreu queda de cerca de 7 metros de altura. concorre com culpa o prestador de serviço que não adota condutas mínimas de segura nça no desempenho de sua atividade. a trabalhador autônomo que sofreu acidente. À viúva a pensão é garantida até que essa contraia novas núpcias. DEVIDO. sem equipamento de proteção. por exemplo. Com base neste enten dimento.01) CAT ± COMUNICAÇÃO DE ACIDENTE DO TRABALHO Na ocorrência do acidente de trabalho o empregado deve levar o fato ao conhecimento da empresa. DANO MORAL PURO. além de possibilitar o resgate das atas da CIPA com as investigações e informações complementares referentes aos acidentes.IMPOSSIBILIDADE. O pensionamento é devido aos familiares. Caso em que a ausência de fiscalização e vigilância da execução do trabalho acarretou a queda do prestador de serviço. ao realizar o conserto de um telhado no estabelecime nto da empresa. ou até quando a vítima completaria 72. ficando com sequelas irreversíveis e incapacidade de ex ercer a profissão de pedreiro ³EMENTA: RESPONSABILIDADE CIVIL. A comunicação gera o processo administrativo com a finalidade de proteger o empregado. 19. O acidente de trabalho não requer. Esta por sua vez deve comunicar o fato à Previdência Social através da CAT (Comunicação de Acidente do Trabalho). MG. selecionar os acidentes por ordem de importância. CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO.4ª T. de imediato. MAJORAÇÃO.05. quando autorizado ± tacitamente que seja. a existência de vínculo de emprego. os Desembargadores da 7ª Turma do TRT RS condenaram uma empresa a pagar indenização por danos materiais e morais. liberando o benefício adequado ao acidentado.Rel. relativamente às despesas pessoais da vítima. CRITÉRIOS PARA FIXAÇÃO.Publ. CULPA CONCORRENTE VERIFICADA. razão pela qual se impõe reconhecer a concorrência de culpa no caso em tela. fraturando o tornozelo direito e a coluna vertebral. VERIFICADA. à autoridade competente. necessariamente. Mostra-se responsável a tomadora de serviço por danos sofridos pelos prestador. de tipo. de gravidade da lesão ou localizá -los no tempo. A empresa deverá comunicar o acidente do trabalho à Previdência Social até o 1 o dia útil da ocorrência e. Outrossim. PENSIONAMENTO. descontado 1/5.ESTABILIDADE PROVISÓRIA . em caso de morte. QUANTUM. no valor de R$ 40 mil. .PRAZO DETERMINADO . sob pena de multa. AUSÊNCIA DE EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA. é de ser abatido da cifra o percentual de culpa da vítima par a implementação do sinistro. Juiz Antônio Álvares da Silva .5 . RESPONSABILIDADE DO CONTRATANTE PELO EVENTO DANOSO. CONFIGURADO.DE SAFRA . AUSÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO E VIGILÂNCIA NA EXECUÇÃO DA TAREFA. (TRT-RO-3465/01 . O contratado.

70018321190. Quantum majorado. 5ª Câmara Cível. na mensuração do dano. hão de ser ponderadas para adequada e justa quantificação da cifra reparatória -pedagógica. Os filhos. por conseguinte.07). a condição financeira. têm garantido o pensionamento até completarem a idade de 25 anos. características como a condição social. pois presumíveis. Relator: Paulo Sérgio Scarparo. Configurado dano moral puro que. critérios fixos e objetivos para tanto. média de tempo de vida da população gaúcha.anos de idade. . Tribunal de Justiça do RS. julgado em 07. em contrapartida. a cultural. não havendo no sistema brasileiro. DERAM PARCIAL PROVIMENTO A TODOS OS APELOS´ (Apelação Cível n.03. Outrossim. mister que o juiz considere aspectos subjetivos dos envolvidos. bem como o abalo psíquico suportado. Assim. prescinde da investigação dos prejuízos.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->