P. 1
Fordismo e Taylorismo

Fordismo e Taylorismo

|Views: 441|Likes:
Publicado porvitor1331

More info:

Published by: vitor1331 on Apr 17, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/03/2013

pdf

text

original

Fordismo.

Idealizado pelo empresário estadunidenseHenry Ford (1863-1947), fundador da Ford Motor Company, o Fordismo é um modelo de produção em massa que revolucionou a indústria automobilística a partir de janeiro de 1914, quando introduziu a primeira linha de montagem automatizada. Ford utilizou à risca os princípios de padronização e simplificação de Frederick Taylor e desenvolveu outras técnicas avançadas para a época. Suas fábricas eram totalmente verticalizadas. Ele possuía desde a fábrica de vidros, a plantação de seringueiras, até a siderúrgica. Ford criou o mercado de massa para o s automóveis. Sua obsessão era tornar o automóvel tão barato que todos poderiam comprá -lo, porém mesmo com o barateamento dos custos de produção, o sonho de Henry Ford permaneceu distante da maioria da população. Uma das principais características do Fordismo foi o aperfeiçoamento da linha de montagem. Os veículos eram montados em esteiras rolantes que movimentavam -se enquanto o operário ficava praticamente parado, realizando uma pequena etapa da produção. Desta forma não era necessária quase nenhuma qualificação dos trabalhadores. Outra característica é a de que o trabalho é entregue ao operário, em vez desse ir buscá -lo, fazendo assim a analogia à eliminação do movimento inútil. O método de produção fordista exigia vultosos investimentos e grandes instalações, mas permitiu que Ford produzisse mais de 2 milhões de carros por ano, durante a década de 1920. O veículo pioneiro de Ford no p rocesso de produção fordista foi o mítico Ford Modelo T, mais conhecido no Brasil como "Ford Bigode". Juntamente com o sucesso do Fordismo, com as vendas do lendário modelo "T", surgiu um ciclo o qual mudou a vida de muitos americanos da época, o chamado ciclo da prosperidade, graças ao aumento de vendas do Ford "T" muitos outros setores tiveram um desenvolvimento substancial, setores como o têxtil, siderúrgicas, energia (combustível), entre tantos outros que foram afetados direta ou indiretamente com a fabricação desses carros, pois com eles mais rodovias foram construídas propiciando uma maior locomoção da população e criando polos comerciais ao longo de sua extensão. O Fordismo teve seu ápice no período posterior à Segunda Guerra Mundial, nas décadas de 1950 e 1960, que ficaram conhecidas na história do capitalismo co mo Os Anos Dourados. Entretanto, a rigidez deste modelo de gestão industrial foi a causa do seu declínio. Ficou famosa a frase de Ford, que dizia que poderiam ser produzidos automóveis de qualquer cor, desde que fossem pretos. O motivo disto era que a tint a na cor preta secava mais rápido e os carros poderiam ser montados mais rapidamente. A partir da década de 1970, o Fordismo entra em declínio. A General Motors flexibiliza sua produção e seu modelo de gestão. Lança diversos modelos de veículos, várias cor es e adota um sistema de gestão profissionalizado, baseado em colegiados. Com isto a GM ultrapassa a Ford, como a maior montadora do mundo. Na década de 1970, após os choques do petróleo e a entrada de competidores japoneses no mercado automobilístico, o Fordismo e a Produção em massa entram em crise e começam gradativamente a serem substituídos pela Produção enxuta, modelo de produção baseado no Sistema Toyota de Produção. Em 2007 a Toyota torna-se a maior montadora de veículos do mundo e pôe um ponto final no Fordismo.

Taylorismo
Taylorismo ou Administração científica é o modelo de administração desenvolvido pelo engenheiro estadunidenseFrederick Taylor (1856-1915), que é considerado o pai da administração científica. Caracteriza-se pela ênfase nas tarefas, objetivando o aumento da eficiência ao nível operacional. É considerada um subcampo da perspectiva administrativa clássica. O fato mais marcante da vida de Taylor foi o livro que publicou em 1911 "Princípios de Administração Científica" com esse livro ele tenta convencer aos leitores de que o melhor jeito de administrar uma empresa é através de um estudo, de uma ciência. A ideia principal do livro é a racionalização do trabalho que nada mais é que a divisão de funções dos trabalhadores e com isso Taylor critica fortemente a ³Administração por incentivo e iniciativa´ ,que acontece quando um trabalhador por iniciativa própria sugere ao patrão idéias que possam dar lucro a empresa incentivando seu superior a dar -lhe uma recompensa ou uma gratificação pelo esforço demonstrado o que é criticado por Taylor pois uma vez que se recompensa um subordinado por suas idéias ou atos, tornamo -nos dependentes deles. Taylor acredita na ideia da eficiência e eficácia que é a agilidade e rapidez dos funcion ários gerando lucro e ascensão industrial. Princípios Fundamentais do livro de Taylor "Princípios de Administração Científica": Princípio do Planejamento: Substituir os métodos empíricos por métodos científicos e testados. Princípio da Seleção: Como o próp rio nome diz seleciona os trabalhadores para sua melhores aptidões e para isso são treinados e preparados para cada cargo.

Metodologia taylorista de estudo
Taylor iniciou o seu estudo observando o trabalho dos operários. Sua teoria seguiu um caminho de baixo para cima, e das partes para o todo; dando ênfase na tarefa. Para ele a administração tinha que ser tratada como ciência. Desta forma ele buscava ter um maior rendimento do serviço do operariado da época, o qual era desqualificado e tratado com desleixo pelas empresas. Não havia, na época, interesse em qualificar o trabalhador, diante de um enorme e supostamente inesgotável "exército industrial de reserva". O estudo de "tempos e movimentos" mostrou que um "exército" industrial desqualificado significava baixa produtividade e lucros decrescentes, forçando as empresas a contratarem mais operários. Taylor tinha o objetivo de acelerar o processo produtivo, ou seja, produzir mais em menos tempo, e com qualidade.
y

y

y y y y

segundo Taylor a gerência caberia: afixar trabal hadores numa jornada de trabalho controlada, supervisionada, sem interrupções, a seu controle da, podendo o trabalhador só parar para descansar, quando for permitido, particularização de cada movimento. Taylor afirma que a gerência não podia deixar o contr ole do processo de trabalho nas mãos dos trabalhadores, neste caso como os trabalhadores, conheciam mais a função do que o gerente, estes deveriam aprender os métodos de trabalho para então cobrar dos trabalhadores; As ideias começaram a ser divulgadas no século XX. Ele procurava a eficiência no trabalho, por isso tinha que eliminar todos os desperdícios de tempo; Considerava a o ritmo lento de trabalho e a vadiação como inimigas da produção. Para Taylor o processo de trabalho não devia estar nas mãos dos trabalhadores, e que de fato estava através do trabalho combinado, sua grande descoberta foi os conhecimentos da produção do processo combinada. Estava concentrado mais nos operários do que na gerência, e neste caso esse processo e as decisões deveriam pas sar por ela e não pelo trabalhador.

y

Com o conhecimento da produção a gerência poderia estabelecer os tempos necessários: assim, fixou a distribuição do tempo de trabalho.

Taylor não estava interessado no avanço tecnológico, mas preocupado em controlar o tr abalho a qualquer nível de tecnologia.
y y

Fez pesquisa para analisar como o trabalhador poderia produzir mais num ritmo de trabalho controlado. Também acreditava que o trabalhador devia apenas aprender a executar uma função, não podia perder tempo analisando o trabalho, visto que ele não tinha nem tempo para isso, nem dinheiro, isso caberia a gerência.

Organização racional do trabalho
Objetivava a isenção de movimentos inúteis, para que o operário executasse de forma mais simples e rápida a sua função, estabel ecendo um tempo médio, a fim de que as atividades fossem feitas em um tempo menor e com qualidade, aumentando a produção de forma eficiente.
y y

y y y

y y y

Estudo da fadiga humana: a fadiga predispõe o trabalhador à diminuição da produtividade e perda de qualidade, acide ntes, doenças e aumento da rotatividade de pessoal. Divisão do trabalho e especialização do operário* Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos, cada um se especializaria e desenvolveria as atividades em que mais tivessem aptidões. Desenho de cargos e tarefas: desenhar cargos é especificar o conteúdo de tarefas de uma função, como executar e as relações com os demais cargos existentes. Incentivos salariais e prêmios por produtividade Condições de trabalho: O conforto do operário e o ambiente físi co ganham valor, não porque as pessoas merecessem, mas porque são essenciais para o ganho de produtividade Padronização: aplicação de métodos científicos para obter a uniformidade e reduzir os custos Supervisão funcional: os operários são supervisionados p or supervisores especializados, e não por uma autoridade centralizada. Homem econômico: o homem é motivável por recompensas salariais, econômicas e materiais.

Benefícios do método de Taylor
Benefícios para os trabalhadores: 1. Os salários chegaram a atingir, em alguns casos, o dobro do que era antes; 2. Os funcionários passaram a se sentir mais valorizados e isso fez com que exercessem seus ofícios com mais prazer. Se sentiam mais acolhidos pela empresa; 3. A jornada de trabalho foi reduzida consideravelmente; 4. Vantagens, como dias de descanso remunerados lhes foram concedidos. Benefícios para os empregadores no método de Taylor: 1. Produtos com qualidade superior aos anteriores; 2. Ambiente de trabalho agradável tanto para o chão de fábrica quanto para a diretoria, evitando assim distúrbios e conflitos que podem gerar situações negativas dentro da empresa (greves e desestimulo, por exemplo); 3. Redução de custos extraordinários dentro do processo produtivo, como a eliminação de inspeções e gastos desnecessários.

Uma vida de suor e dedicação
O dia a dia dos quase sete milhões de trabalhadores da construção civil inclui longas jornadas de trabalho e atividades que exigem muito esforço físico. Aos 63 anos de idade, o encarregado de obras, Manoel dos Santos Lins, conta que acorda t odos os dias às quatro horas da manhã. O trajeto para o trabalho inclui dois ônibus e um trem. ³É cansativo, mas a gente se acostuma. Quando a gente volta pra casa à noite, não quer saber de outra coisa além de dormir´. Veja abaixo a entrevista do encarregado Manoel sobre a rotina na construção civil: Apesar de todas as dificuldades, o encarregado de obras diz que se considera uma pessoa feliz. ³Agradeço a Deus toda hora, porque ele me dá força para trabalhar e lutar contra todos os problemas´. O eletricista Uilton Nunes Ferreira ± que há 14 anos saiu da Bahia em busca de melhores oportunidades de trabalho ± comemora a recente compra de uma motocicleta. ³Antigamente eu precisava acordar às quatro e meia da manhã. Como agora tenho um transporte próp rio posso sair de casa um pouco mais tarde´. Ele explica que quando chegou à capital paulista não possuía nenhuma qualificação profissional. ³No início fui trabalhando e aprendendo o serviço na prática. Depois que comecei a trabalhar em algumas empresas maiores tive que fazer alguns cursos para me especializar. Dentro da construção civil, posso dizer que sei fazer um pouco de tudo´. O eletricista diz que considera o setor bastante atrativo e com muitas possibilidades de emprego. Uilton revela que em 2011 planeja iniciar a faculdade de engenharia civil. ³Em termos de emprego a construção civil é uma área que está muito boa. Quero me formar em engenharia civil e continuar trabalhando com construção´.

Abuso nos canteiros de obra
Mas para alguns trabalhador es a rotina na construção não é feita de apenas boas lembranças. O cansaço do serviço pesado aliado às precárias condições de trabalho em algumas obras provoca problemas de saúde e doenças ocupacionais que podem impedir que o trabalhador exerça sua profiss ão. O pedreiro O.S.M ± que prefere não se identificar ± diz que há mais de dois anos sofre com fortes dores de coluna. Ele atribuí os sintomas ao excesso de peso e às precárias condições em algumas obras em que trabalhou no interior do estado. ³Quando voc ê está começando a aprender o trabalho, é obrigado a fazer várias coisas erradas. Muitos lugares abusam mesmo. Às vezes eu carregava tanto peso durante o dia, que quando deitava para dormir não me aguentava de tanta dor´. O.S.M. fala que muitos empresário s também não se importam com os alojamentos e a alimentação dos trabalhadores. ³Em muitas obras em que trabalhei pelo interior nós não tínhamos nem um colchão decente pra dormir. Imagina só como é para uma pessoa que carrega peso o dia inteiro sob o sol fo rte e não tem nem uma cama com um pouco de conforto pra descansar´. Atualmente, o pedreiro diz que trabalha legalmente em uma empresa que presta serviço em diversas obras públicas. ³Não há vantagem melhor do que trabalhar em um lugar que cumpre tudo o que manda a lei´.

Criador e criatura
Mesmo com todas as dificuldades que envolvem a cadeia produtiva da construção civil no Brasil, os trabalhadores entrevistados pelo Vermelho se dizem otimistas com o crescimento do setor. Durante as entrevistas para a sér ie de matérias especiais, os trabalhadores foram unânimes ao reivindicar melhores salários, mas também relataram a satisfação de ver concluída uma obra que cus tou tanto esforço e dedicação. O relato do encarregado Manoel mostra que além de tijolo e concret o, as paredes dos prédios construídos por ele também foram feitas com muita dedicação e amor.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->