Você está na página 1de 9

 Imunohematologia

- Antígeno: molécula ou substância capaz de estimular o sistema


imunológico a produzir um anticorpo. Estão presentes na membrana
das hemácias, onde se ligam aos anticorpos.

- Anticorpo (ou Imunoglobulina): proteína formada em resposta a um


estímulo. O contato com algo que o organismo não reconhece como
próprio faz em resposta o anticorpo. Os linfócitos B transformam-se
em plasmócitos (responsáveis pela fabricação dos anticorpos).
Quando livre, o anticorpo é encontrado no plasma.

- O contato com algo que o organismo não reconhece como próprio


faz o anticorpo em resposta, o qual reagirá com o antígeno.

- A reação Ag-Ac é reversível e exige condições apropriadas de pH,


temperatura e especificidade para encaixe perfeito entre Ag e Ac, e
qualquer mudança altera o equilíbrio, deslocando a reação por ter
ligação fraca. As reações ocorrem na membrana da hemácia, onde
estão os antígenos.

- Resposta primária: o primeiro contato com o antígeno origina


produção de anticorpos do tipo IgM. A exposição primária possui
declínio rápido na produção de Ac.

- Resposta secundária: o mesmo antígeno entra em contato, há


produção de IgG. A produção de Ac é rápida e os anticorpos
produzidos continuam na circulação por muito tempo (memória
imunológica).
- Princípio de ação das vacinas: no primeiro estímulo (1ª dose) ocorre
a produção de IgM, no segundo estímulo o efeito é duradouro, os IgG
produzidos permanecem no organismo.

- Potencial Zeta: é a força de repulsão entre as hemácias. A hemácia


apresenta carga negativa na membrana, e na ausência destas cargas
elas se juntariam quando se encontrassem (bola de sabão). Em NaCl
0,9%, o Na+ é atraído pela membrana da hemácia após a dissociação
e forma uma nuvem positiva ao redor de cada hemácia, o que ajuda
na repulsão entre elas. No sangue, os íons fazem esse papel. Cada
anticorpo chega com uma carga positiva e neutraliza uma carga
negativa, e quanto mais anticorpos maior é a neutralização na
membrana da hemácia e menor a força de repulsão. O anticorpo (que
é positivo) atravessa a nuvem (que também é positiva) porque essa
nuvem é móvel, e ainda pode-se centrifugar ou aquecer em banho
maria para ajudar o Ac). Ou seja, o que diz se a reação vai ou não
aglutinar é a capacidade de vencer o potencial zeta. Se o Ac
neutralizar a força de repulsão aglutina, caso contrário só sensibiliza.
O IgM tem mais cargas positivas e por isso neutraliza mais cargas na
membrana da hemácia e tem maior potencial de aglutinação.

- O IgM é aglutinante e o IgG é sensibilizante. O IgM não passa a


barreira hemato -placentária.

- Reação positiva: anticorpo encontra o antígeno e aglutina (vence o


potencial zeta).

- Reação negativa: anticorpo não encontra o antígeno e não aglutina

- Sensibilização: ocorre quando o anticorpo encontra o antígeno mas


não ocorre aglutinação. A hemácia fica revestida de Ac mas não
aglutina (não vence o potencial zeta).

- Panaglutinação: hemácias aglutinam sem a presença de anticorpos,


é uma aglutinação inespecífica que vence o potencial zeta.
- Existem quase 300 antígenos na membrana das hemácias, e estes
variam entre as pessoas (ex: sistema ABO). Não existe uma pessoa
que tenha todos os antígenos iguais aos de outra. Isso não impede a
transfusão de sangue, por exemplo, pois o sistema imune não é tão
forte e, por isso, só é necessária a equivalência entre ABO e Rh
(exposição primária pode ser Rh diferente na secundária a reação é
rápida e violenta).

- Classificação dos anticorpos:

a) anticorpo quente: temperatura ideal de reação é de 37ºC. É


perigoso na transfusão de sangue pois o corpo possui a temperatura
ideal para sua reação.

b) anticorpo frio: temperatura ideal de reação é de 12ºC

c) anticorpos naturais: são açúcares adquiridos pela alimentação,


contato com microorganismos, etc. (ex: anti-A e anti-B).

d) anticorpos imunes: produzidos por estímulo (todos os anticorpos


são imunes)

e) anticorpos irregulares: nem todas as pessoas possuem.

f) anticorpos regulares: todas as pessoas possuem (ex: anti-A e anti-


B)

g) completos: aglutinantes

h) incompletos: sensibilizantes

- Soro de Coombs: é uma anti-gamaglobulina humana (anti-


anticorpo). Pinga-se o soro de Coombs quando a hemácia estiver livre
(não aglutinar) ou quando não se tem certeza se um anticorpo é
aglutinante ou sensibilizante. Se após pingar o soro ocorrer
aglutinação as hemácias estavam sensibilizadas. O soro de Coombs é
utilizado toda vez que uma reação for negativa no primeiro momento.

- O sistema ABO é um dos mais importantes no sistema de grupos


sanguíneos. Divide os indivíduos e quatro grandes grupos: A, B, AB e
O. Os Ag desse sistema estão presentes em quase todas as células do
corpo e são de natureza glicolipídica e glicoprotéica. São antígenos de
produção indireta (o gene produz a enzima que incorpora o açúcar e
forma o antígeno): os antígenos do sistema ABO são açúcares.

Antígeno na Anticorpo no Grupo sanguíneo


hemácia plasma
H Anti-A e Anti-B O

A Anti-B A

B Anti-A B

AeB Nenhum AB

- Os anticorpos do sistema ABO são classificados como naturais,


regulares, frios (mas capazes de reagir a 37ºC), apresenta predomínio
de IgM e são fixadores de Complemento.

- Para a transfusão de sangue a preferência é entre isogrupos. O


doador universal de plasma é o AB, pois não possui nenhum
anticorpo. O tipo O é o doador universal de hemácias, pois no plasma
ele tem anti-A e anti-B.Se houver incompatibilidade ABO na
transfusão, em 15 minutos os rins param e as hemácias sofrem lise.

A B

AB

- Todos os tipos sanguíneos possuem o gene H ou h, ou seja, possuem


substância precursora. Essa substância precursora é transformada em
antígeno Bombay (falso O, não possui Ag A, B nem H), que só pode
receber sangue de outro Bombay. No grupo AB o gene H se
transforma, no grupo O não ocorre transformação deste gene. O
grupo O tem compatibilidade transfusional com os outros tipos pois
todos os outros “já foram” do tipo O por surgirem do gene e do
antígeno H.
- A produção dos antígenos do sistema ABO ocorrem indiretamente:

Gene Incorpora o açúcar

A N-acetil-galactosamina

B D-galactose

H Fucose

- Os portadores dos genes Se (Sese ou SeSe) secretam os Ag A, B e H


pelas lágrimas, suor, saliva, etc. Os portadores sese não secretam os
antígenos desta forma pois são Bombay.

- Sistema Rhesus (Rh): Segundo sistema mais importante e mais


complexo, com 49 antígenos identificados e diversas nomenclaturas.
Os antígenos são produzidos de maneira direta (gene produz o
antígeno) por dois genes: RHD e RMCE. O antígeno D é o mais
importante e altamente imunogênico. Há alguns genes evolvidos: D,
C, E, C, e. Quem tem o antígeno D é Rh+. Não existe dd. Os
anticorpos deste sistema geralmente são IgG.
• Na figura acima, os dois indivíduos do grupo o podem doar um
para o outro pois um deles não possui o c, causando uma resposta
imune primária, ou seja, produzirá o anticorpo anti-c. Não poderá ser
feita uma segunda exposição a este antígeno, pois o indivíduo já terá
os anticorpos prontos e a resposta secundária será rápida, podendo
haver lise celular.

- D fraco: é um D mais fraco, ou seja, um D sem todas as subunidades


que formam o antígeno D. O D fraco é um Rh positivo. Se usarmos o
soro anti-D e aglutinar é um Rh+. Se aglutinar com o soro de Coombs
é um Rh positivo D fraco. Em uma transfusão, o D fraco deve receber
sangue Rh-.

- Os anticorpos do sistema Rh são irregulares, imunes, quentes,


incompletos (ou sensibilizantes – IgG na maior parte). Em Rh-, os
anticorpos deste sistema só aparecem após transfusão sanguínea,
aborto ou gravidez, ou seja, contato com o antígeno D.

- Quanto mais vezes o receptor receber o Ag que ele não possui do


doador, maior a probabilidade do receptor criar o anticorpo contra
este antígeno.

- Tipagem Rh: detecta a presença ou ausência do antígeno D. Há três


possibilidades:

1- a pessoa não possui Ag D → reação negativa (não aglutina as


hemácias)

2- a pessoa possui Ag D → reação positiva (aglutina as hemácias)

3- a pessoa possui Ag D → reação negativa → sensibilização (Ac ligou


ao Ag mas não aglutinou)

- Testes pré-transfusionais: os que devem ser feitos no doador são a


tipagem ABO direta e reversa, tipagem Rh e PAI (Pesquisa de
Anticorpos Irregulares). No receptor, além destes deve-se fazer o
teste de Coombs direto e o de auto-Ac. Feito isso, deve ser realizada
a prova cruzada maior e menor entre os dois.

1- Tipagem ABO Direta: detecta a presença dos antígenos ABO na


membrana da hemácia.

2- Tipagem ABO Reversa: detecta a presença dos anticorpos do


sistema ABO no plasma. Sempre confirma a tipagem ABO direta. Se o
paciente estiver imunodeprimido (se Ac) ele pode aparecer como um
falso AB.
3- Tipagem Rh: detecta a presença do antígeno D na membrana da
hemácia.

4- Teste de Coombs Direto: detecta a presença de hemácias


sensibilizadas, anemia hemolítica autoimune, doença hemolítica do
recém nascido. Coloca-se o soro de Coombs junto com as hemácias
do paciente em um tubo de ensaio, homogeneizando. Se aglutinar as
hemácias estão sensibilizadas, então deve-se realizar uma eluição
das hemácias, retirar os Ac e identificá-los. Utilizado principalmente
em bebês devido à passagem de Ac da mãe para o feto pela barreira
hemato - placentária e no momento do parto por causa da grande
quantidade de sangue.
5- PAI (Pesquisa de Anticorpos Irregulares): feito junto ao teste de
Coombs indireto, se der positivo existem anticorpos irregulares no
plasma. Junta-se as hemácias comerciais (geralmente de dois frascos
contendo suspensões de hemácias com antígenos conhecidos) ao
plasma/soro do paciente. A identificação do Ac irregular é feita
usando o painel de hemácias.

6- Pesquisa de Auto-anticorpos: usa-se a hemácia do paciente junto


com seu soro/plasma para verificação de anticorpos atuantes nas
suas hemácias.

7- Prova cruzada maior: testa in vitro a compatibilidade entre as


hemácias do doador e o soro/plasma do receptor. É feito em várias
fases e termina com a adição do soro de Coombs. Se der positivo
(aglutinar) a bolsa não pode ser transferida.

8- prova cruzada menor: teste pouco usado, testa in vitro a


compatibilidade entre as hemácias do receptor e o soro/plasma do
doador. Também é feito em várias fases e termina com a adição do
soro de Coombs. Se der positivo a bolsa não pode ser transferida.

- Resultados duvidosos ou discrepantes: pode ocorrer por excesso de


Ac e causar hemólise (ocorre na tipagem ABO reversa), presença de
subgrupos ou reações fracas ou negativas na tipagem ABO direta,
outros anticorpos podem interferir no resultado.