P. 1
controle interno

controle interno

|Views: 591|Likes:
Publicado porsammyejhere

More info:

Published by: sammyejhere on Apr 18, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/29/2013

pdf

text

original

INTRODUÇÃO A reordenação econômica, política, social e cultural ocorrida no mundo nos últimos anos, determinou uma nova postura

dos empresários em relação aos seus ativos, pois, verifica-se que um grande número de empresas não sobrevive ao primeiro ano de existência. Entre uma série de motivos que levam a essa desastrosa situação, uma delas pode ser atribuída às deficiências em seus sistemas de controle interno. Os problemas de controle interno encontram-se, na empresa moderna, em todos os seus segmentos: compras, vendas, contas a pagar, contas a receber, estoques, etc. O exercício de um adequado controle sobre cada uma dessas áreas assume fundamental importância para que se atinjam os resultados mais favoráveis com menores desperdícios. Através deste trabalho, compreendemos o papel fundamental do controle interno no exercício das atividades da empresa, pois não se limita à área contábil e financeira, mas engloba os planos da organização e todos os métodos usados para proteger seus ativos, além de verificar a exatidão e fidedignidade de suas informações contábeis, financeiras, administrativas e operacionais, e promover a eficiência e eficácia operacional, bem como estimular a observância de normas e diretrizes da administração.

CONCEITOS

um estudo publicado com o título Internal Control ² Integrated Framework. médio e grande porte podem ter controles internos efetivos. estabelece como orientação específica as normas para o exercício profissional da auditoria interna e enfatiza que controle interno corresponde a qualquer ação tomada pela administração (assim compreendida tanto a alta administração como os níveis gerenciais apropriados) para aumentar a probabilidade de que os objetivos e metas estabelecidos sejam atingidos. mas em há uma unidade de pensamentos. métodos e procedimentos interligados utilizado com vistas a assegurar que os objetivos dos órgãos e entidades da administração pública sejam alcançados. evidenciando eventuais desvios ao longo da gestão. de forma confiável e concreta. todas as empresas de pequeno. É a base para todos os outros componentes. planos. por sua vez. através da Instrução SEST nº 02. métodos ou rotinas com os objetivos de proteger os ativos. traz o conceito de controle interno como sendo: o conjunto de atividades. O Departamento do Tesouro Nacional (1991). Almeida (2010. produzir dados contábeis confiáveis e ajudar a administração na condução ordenada dos negócios da empresa. p. Em 1992. até a consecução dos objetivos fixados pelo Poder Público. De acordo com Almeida (1996). d) Informação e comunicação ² As informações devem ser identificadas e comunicadas de uma forma e prazo que permitam às pessoas cumprirem suas responsabilidades. o Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission (COSO). b) Avaliação de Risco ² Toda e qualquer entidade. Os componentes são: a) Ambiente de Controle ² O ambiente de controle fixa o tom de uma organização. dada pelo Comitê de Procedimentos de Auditoria do Instituto Americano de Contadores Públicos Certificados (AICPA): ´O Controle Interno compreende o plano de organização e o conjunto coordenado de todos os métodos e medidas adotados na empresa para salvaguardar seus ativos. com o intuito de garantir razoável segurança do cumprimento dos objetivos. 95) cita a seguinte definição. . relacionados com integridade. gerentes e outros funcionários. competência e ambiente de controle. Imoniana (2001. 42) define Controle Interno como o conjunto de procedimentos. em 1992. verificar a exatidão e a veracidade das informações contábeis. Para o COSO controle interno consiste em cinco componentes. e) Monitoramento ² Sistemas de controles internos precisam ser monitorados ² avaliar a qualidade do desempenho do sistema com o passar do tempo ² e políticas e procedimentos modificados. determinando disciplina e estrutura. cujo relatório descreve controle interno como um processo efetuado pelo conselho de administração. enquanto influencia a consciência de controle de seu pessoal. enfrenta uma variedade de riscos vindos de fontes externas e internas que devem ser avaliados. para cumprir os seus objetivos. promover a eficiência das operações e fomentar maior adesão às políticas prescritas pela gerênciaµ.São muitos os conceitos dado para Controle Interno. quando necessário. De acordo com o estudo. Abaixo temos definições de alguns autores e entidades. através da Instrução Normativa nº 16. p. c) Atividades de Controle ² Controles das atividades ou procedimentos de controles são as políticas e procedimentos que asseguram o cumprimento dos objetivos e identificam os riscos relacionados. de 5 de outubro de 1986. o Instituto dos Auditores Internos do Brasil (AUDIBRA). de 20 de dezembro de 1991. elaborou. Mensagens e informações relevantes são comunicadas por todas as partes da empresa.

c) Contabilidade e Custódia de bens ² Poderia contabilizar um bem como despesa para se apropriar dele indevidamente. como por exemplo. eficiência e evitar erros. Vamos citar alguns exemplos de incompatibilidade entre as funções: a) Compras e Recebimentos de bens ² O funcionário poderia incluir um processo de compra falso no sistema. d) Recebimento de bens e contas a pagar ² Poderia incluir um documento falso no sistema. A seguir. contabilizá-lo e liberá-lo para pagamento na área financeira e posteriormente se beneficiar com o produto do pagamento.PRINCÍPIOS DO CONTROLE INTERNO Os princípios e fundamentos do controle interno não são uniformes para todas as empresas. Rotinas internas . c) Programação financeira do pagamento. b) Contagem física de títulos e comparação com o saldo da conta de investimentos do razão geral. devem ser segregados. Essas funções. Segregação de funções . d) Guarda de talonários de cheques em branco.Os ativos da empresa devem ser administrados por funcionários responsáveis. instruções para o preenchimento e destinações dos formulários internos e externos. alguns exemplos de tarefas internas de controle. . detectar erros e irregularidade. apurar as responsabilidades dos atos cometidos quando necessário. d) Inventário físico dos bens e comparação com suas contas do razão geral. As conferências dos ativos podem ser da seguinte forma: a) Contagem de caixa e comparação com o saldo do razão geral. b) Certificação do recebimento de bens ou prestação dos serviços. liberá-lo para pagamento e posteriormente se beneficiar com o produto do pagamento. Esse processo deve ser realizado por um funcionário que não tenha acesso aos ativos.Deve ter uma delimitação exata da responsabilidade de cada funcionário ou setor interno da empresa. b) Contabilidade e contas a pagar ² O empregado poderia incluir um documento falso no sistema. Conferência de ativos . evidenciar o recebimento do bem que não entrou na empresa e posteriormente se beneficiar com o produto do pagamento. Nesse manual devem conter informações sobre suas rotinas internas e formulários internos e externos a serem utilizados. mas que tenham poder limitado para evitar possíveis fraudes.A contabilização e o acesso aos ativos não podem ser feitos por um mesmo funcionário. e procedimentos internos referentes aos diversos setores da empresa. É responsabilidade da administração. Cada empresa deverá estabelecê-los dentro de sua realidade e estrutura.A empresa deve criar um manual de organização com todas as suas rotinas internas e com as instruções necessárias para estimular a normalização. o estabelecimento e a manutenção do sistema de controle interno adequado as atividades desenvolvidas pela empresa. Acesso aos ativos .Os ativos devem ser periodicamente contados e confrontados com os saldos dos registros contábeis. devido a possibilidade de manipulação de fatos que possam encobrir fraudes. Responsabilidade . para que não venha beneficiar-se de algum ativo e afirmar que o estão de acordo com os registros contábeis. Com a finalidade de assegurar que todos os procedimentos de controles sejam executados. que precisam de responsáveis definidos: a) Aprovação de aquisição de bens e serviços. c) Conciliações bancárias.

É necessário que haja um departamento de Auditoria interna na empresa para fiscalizar. classificações e controles conferidos.Normalmente os recursos técnicos. valores. Compreende-se ativos. Ao planejar um controle interno deve-se levar em consideração e com bom senso se ele é realmente necessário e se o seu custo será recompensado pelas vantagens obtidas por implantá-lo. y Prevenção e detecção de roubos e fraudes ² não é aceitável na atividade empresarial.Adequadação de equipe . . y Salvaguarda de ativos ² os ativos de uma organização representam a aplicação de seus recursos. Devendo ter registros somente de transações devidamente autorizadas e tendo seus cálculos. y Tempestividade ² as informações devem ser atuais e exatas. as empresas devem objetivar que este apresente as características a seguir relacionadas: y Confiabilidade ² propiciar a obtenção de informações corretas para executar suas operações. como físicos (estoques. deve-se a duplicação de esforços na execução das atividades e desencorajar o uso ineficiente dos recursos da empresa. pois são imprescindíveis no momento da tomada de decisões. Sistemas integrados . onde os controles internos contábeis devem atender a cinco objetivos básicos: ‡ Totalidade: todas as transações (fatos contábeis) devem ser registradas nos livros contábeis no período em ocorreram. TIPOS DE CONTROLE INTERNO O controle interno na empresa pode ser bem amplo. Controles Internos Contábeis Realizados para garantir a proteção dos ativos e a confiabilidade dos dados contábeis. direitos). humanos e financeiros das empresas são escassos. a ocorrência de roubos. dessa forma. Subordinação orgânica e funcional . imobilizado). para que haja uma boa administração desses recursos devemos planejar a hierarquia da empresa de modo que as atividades objetivas da empresa e não as intermediárias sejam subordinadas diretamente ao principal executivo ou ao controlador. fraudes e outras ações de natureza escusa. para facilitar podemos dividilo em controles contábeis e controles administrativos. Custos do controle x benefícios . As informações estão diretamente ligadas às decisões que a administração deseja tomar. Otimização no uso de recursos ² tanto quanto possível. revisar e avaliar se o controle interno está sendo bom o suficiente para suprir as necessidades empresariais. compreende-se que devem ser protegidos de qualquer ato que venha prejudicá-los. e não físicos (contas e receber.Não podemos nos esquecer que o custo do controle interno não deve exceder os benefícios por ele alcançados. sendo assim.A qualificação profissional e quantidade de empregados devem ser adequadas para atender as reais necessidades de cada área. tampouco em outras atividades.O controle interno deve possuir sistemas integrados de modo que uma área possa controlar outra. tendo por conseqüência prioridades em serem atendidas. Auditoria interna . OBJETIVOS DO CONTROLE INTERNO No momento em que se desenvolve um sistema de controle interno.

de tal forma que os planos operacionais anuais (refletidos no orçamento) sejam condizentes com os objetivos e metas estabelecidas a médio e longo prazo. e) A possibilidade de que um funcionário responsável por determinado controle possa abusar de sua responsabilidade (exemplo: um membro da administração poderia passar por cima de determinado controle). não quer dizer que a mesma esteja isenta de fraudes. de outro lado. são citadas as seguintes limitações: ´a) A exigência usualmente imposta pela administração de que um controle seja eficiente em relação a seu custo. (1988. resultante de fraude ou de erro. que o custo de um procedimento de controle não seja desproporcional em relação à perda potencial. p. Controles Administrativos Trata-se do plano da organização. ‡ Segurança Física: os acessos aos ativos e aos documentos que controlam o registro de suas movimentações são apropriadamente restritos a pessoal autorizado. obedecendo à legislação vigente. ou seja. d) A possibilidade de se escapar a controles por meio de conluio. distração. adequadamente classificada (contabilmente e fisicamente) e em tempo hábil. LIMITAÇÕES DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Quando se fala que a empresa mantém um bom controle interno. ‡ Exatidão: as transações são registradas no montante correto. permitindo à administração concentrar seus esforços nos aspectos realmente pertinentes à sua gestão. na IBRACON. falha de julgamento ou má interpretação de instruções. uma função de planejamento. seja com terceiros ou com membros da organização. f) A possibilidade de que os procedimentos poderão tornar-se inadequados em vista de mudanças nas condições. O controle no processo administrativo deve conter os seguintes fatores: ‡ Estrutura Organizacional: identificando as áreas responsáveis na hierarquia organizacional e a descrição de suas funções. capaz de conciliar os interesses das áreas com objetivos e as metas da organização como um todo. após o registro da transação. b) O fato de que a maior parte dos controles tende a ser direcionada para cobrir transações conhecidas e rotineiras e não as eventuais (transações fora do comum). a integração dos processos de planejamento e do plano orçamentário.µ . bem como a observância dos procedimentos poderá deteriorarse.‡ Validade: todas as transações registradas representam eventos econômicos realmente ocorridos e são executadas de acordo com os procedimentos determinados. c) O potencial de erro humano por desleixo. ‡ Integração dos processos de planejamento e orçamentos: essa tarefa pressupõe duas facetas: de um lado. implementando-as por meio da seleção de pessoal apropriado. ‡ Manutenção: os registros contábeis. 324). dos métodos e medidas coordenados e adotados em uma entidade para incrementar a eficiência operacional e promover a obediência às diretrizes estabelecidas. ‡ Racionalização de processos: simplificar os processos e operações. são adequadamente controlados e utilizados de forma que eles continuem a refletir as operações da entidade. remuneração adequada e monitoramento contínuo. treinamento.

CONCLUSÃO .Segundo Crepaldi (2002) na aplicação dos procedimentos de controle interno. descuidos ou outros fatores humanos. erros de juízo. é necessário que se conheça o funcionamento do sistema.emitir relatório-comentário dando sugestões para o aprimoramento do sistema de controle interno da empresa. p. podem ocorrer falhas ou distorções resultantes de entendimento precário das instruções.analisar as fraquezas ou falta de controle. AVALIAÇÃO DO CONTROLE INTERNO Para avaliar o sistema de controle interno. . a fim de determinar natureza. os princípios e procedimentos adotados e a rotina operacional da empresa. data e extensão dos procedimentos de auditoria. . Observe que o auditor sempre executa testes. a avaliação do sistema de controle interno compreende: ´.determinar os erros ou irregularidades que poderiam acontecer. que possibilitam a existência de erros ou irregularidades. No quadro abaixo é dado um exemplo ilustrativo da relação da avaliação do controle interno com o volume de testes de auditoria. mesmo no caso de o sistema de controle interno ser excelente. Segundo Almeida (2010. Neste quadro a nota 0 (zero) representa que não existe controle e a nota 8 (maxima) significa que o controle é excelente. vindo com isso a se tornar ineficaz.µ Nota-se que muitas vezes o sistema de controle interno adotado não cumpre sua finalidade devido à intenção de economia de recursos ou a uma implantação incompleta e sem acompanhamento. 52). .verificar se o sistema atual de controles detectaria de imediato esses erros ou irregularidades.

Jorge Augusto Gonçalves Reis. e em conseqüência evitará os indesejáveis custos. eram acionadas apenas depois dos prejuízos ocorridos. Controle Interno nas Empresas. Elizeu de Albuquerque Jacques. Normas e Procedimentos de Auditoria. BASE ² Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos. 2002. Por esse motivo. O controle interno se destina principalmente na prevenção e adoção de medidas que possibilitam reduzir a ocorrência de problemas. Contudo. Princípios Contábeis. Antonio Reske Filho. 2010. REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS ALMEIDA. com a finalidade de proteger o seu patrimônio. Ao adotá-lo a empresa estará evitando fraudes. é necessário que haja um auditor interno com a responsabilidade de fiscalizá-lo. . Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas . O CONTROLE INTERNO COMO FERRAMENTA PARA O SUCESSO EMPRESARIAL. São Paulo: Atlas. São Paulo: Atlas.É de extrema importância que as empresas adotem um sistema de controle interno adequado. Ao contrário do que ocorreria no passado. N. ou seja. JOSHUA ONOME IMONIANA. Marcelo Cavalcanti. Controle Interno nas Empresas. quando as perdas financeiras e o comprometimento da imagem da empresa muitas vezes já se encontravam em situações irreversíveis. 2 ed. não adianta ter um controle interno excelente se o mesmo não estiver sendo aplicado na prática. Revista eletrônica de Contabilidade. CREPALDI. 1988. Jorge Augusto Gonçalves Reis. COGNIÇÃO DA ESTRUTURA DE CONTROLE INTERNO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA . é impossível que haja uma boa gestão empresarial sem a implantação e utilização de um bom controle interno. erros ou omissões. JOULIANA JORDAN NOHARA .Universidade do Vale do Paraíba.Universidade do Vale do Paraíba. São Paulo: Atlas. Paulo David Marian. Silvio Aparecido. 2005. IBRACON.3 MAR-MAI/2005. Portanto. Auditoria Contábil. Luciana Mara Lemes. VOLUME I. Patrícia Mie Miyamoto Yoshida. Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas . Auditoria um curso moderno e completo.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->