P. 1
Trabalho de Primeiros Socorros

Trabalho de Primeiros Socorros

|Views: 3.348|Likes:
Publicado porLindy Nobre Scher

More info:

Categories:Types, Resumes & CVs
Published by: Lindy Nobre Scher on Apr 20, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/19/2013

pdf

text

original

PRIMEIRO SOCORROS NUTRIÇÃO 2º AM

CAIO CEZAR FERNANDA NOVAES LINDIANE NOBRE SCHER PRISCILA HABIB ROSE SOUZA

ENTORSES, LUXAÇÕES E IMOBILIZAÇÕES

Itabuna – Bahia 06/04/2011
5

CAIO CEZAR FERNANDA NOVAES LINDIANE NOBRE SCHER PRISCILA HABIB ROSE SOUZA

ENTORSES, LUXAÇÕES E IMOBILIZAÇÕES

Trabalho Acadêmico apresentado à Faculdade de Tecnologia e Ciências de Itabuna, elaborado pelos (ª) acadêmicos (ª) do Curso de Nutrição, 2º AM, como requisito a obtenção de crédito na disciplina Primeiro Socorros, para apreciação do professor Fábio Oliveira.

Itabuna – Bahia 06/04/2011
6

Por mais longa que seja a caminhada o mais importante é dar o primeiro passo. Vinícius de Moraes 7

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO....................................................................... 05 2 ENTORSES............................................................................ 06 3 LUXAÇÕES.............................................................................07 4 IMOBILIZAÇÕES.....................................................................10 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS......................................................19 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS............................................20

8

1 – INTRODUÇÃO
Entorse é a torção de uma articulação, com lesão dos ligamentos (estrutura que sustenta as articulações). Os cuidados são semelhantes aos da fratura fechada. Luxação é o deslocamento de um ou mais ossos para fora da sua posição normal na articulação. Os primeiros socorros são também semelhantes aos da fratura fechada. Não se deve fazer massagens na região, nem tentar recolocar o osso no lugar. Imobilize o indivíduo com o auxilio de uma tala ou tipóia.

9

ENTORSES
Entorse pode ser definida como uma separação momentânea das superfícies ósseas, ao nível da articulação. A lesão provocada pela deformação brusca, geralmente produz o estiramento dos ligamentos na articulação ou perto dela. Os músculos e os tendões podem ser estirados em excesso e rompidos por movimentos repentinos e violentos. Uma lesão muscular poderá ocorrer por três motivos distintos: distensão, ruptura ou contusão profunda.

A entorse manifesta-se por uma dor de grande intensidade, acompanhada de inchaço e equimose no local da articulação. O socorrista deve evitar a movimentação da área lesionada, pois o tratamento da entorse, também consiste em imobilização e posterior encaminhamento para avaliação médica. Em resumo, o objetivo básico da imobilização provisória consiste em prevenir a movimentação dos fragmentos ósseos fraturados ou luxados. A imobilização diminui a dor e pode ajudar a prevenir também uma futura lesão de músculos, nervos, vasos sangüíneo, ou ainda, da pele em decorrência da movimentação dos fragmentos ósseos. 10

Se a lesão for recente, esfrie a área aplicando uma bolsa de gelo ou compressa fria, pois isso reduzirá o inchaço, o hematoma e a dor. Entorses é o resultado de movimentos bruscos que a articulação realiza acima do normal. Se a lesão for mais violenta pode resultar em torções de osso configurando um quadro de luxação. As entorses são lesões de partes moles podendo ser leves e graves. A - Diagnóstico de entorse leve: dor, impotência funcional e aumento de volume; B - Diagnóstico de entorse grave: dor, impotência funcional, derrame articular, equimose com e sem rompimento ligamentar. C - Exames complementares: Radiografia simples por muitas das vezes vem associada à entorse apresentando fraturas. Ultra-som (U.S.), Ressonância Magnética (R.N.M.) para confirmação de lesão ligamentar ou Radiografia com manobra de stress. D – Tratamento: Imobilização com gesso (talas gessadas). Aplicações de gelo por 24 horas, em seguida calor local, analgésicos e antiflogísticos.

LUXAÇÕES
A luxação é uma lesão onde as extremidades ósseas que formam uma articulação ficam deslocadas, permanecendo desalinhadas e sem contato entre si. O desencaixe de um osso da articulação (luxação) pode ser causado por uma pressão intensa, que deixará o osso numa posição anormal, ou também por uma violenta contração muscular. Com isto, poderá haver uma ruptura dos ligamentos. Os sinais e sintomas mais comuns de uma luxação são: dor intensa, deformidade grosseira no local da lesão e a impossibilidade de movimentação. Em caso de luxação, o socorrista deverá proceder como se fosse um caso de fratura, imobilizando a região lesada, sem o uso de tração. No entanto, devemos sempre lembrar que é bastante difícil distinguir a luxação de uma fratura. Luxação perda da contigüidade das superfícies ósseas das articulações necessita forte trauma. 11

Características da luxação do ombro: - Ângulo reto no ombro / braço - Paciente chega segurando a mão - O braço luxado parece mais curto - Parece faltar a cabeça do úmero

Luxação de cotovelo

Luxação inter falangiana proximal

O “ombro em dragona” Deformidade – Característica da luxação escápulo-umeral.

12

Luxação do ombro

Luxação do joelho

Luxação voluntária do joelho

Radiografia de luxação ombro

Luxação do tornozelo

Luxação do quadril

13

Como corrigir a luxação do ombro: I-Tração, rotação externa, adução; II-Rotação interna; III-Imobilizar: Velpeau gessado por 3 semanas (“Kocher”). Elementos de estabilidade:  Contornos recíprocos de articulação (Ex: Fêmur)  Ligamentos internos e externos (Ex: Joelhos)  Cápsula articular potente  Músculos (Ex: Mm. que envolvem o ombro).

♣ Etiologia: trauma direto, indireto, congênita, luxação habitual. ♣ Tipo: fechada, aberta. ♣ Quadro clínico: dor menos intensa e por curto período, impotência funcional absoluta, deformidades típicas. Imediatas: luxações abertas (infecções, lesão de vasos e nervos) Complicações: Tardias: rigidez, luxação recidivante, artrose Tratamento imediato: Redução sob anestesia, imobilização, fisioterapia.

IMOBILIZAÇÃO
É uma ação de imobilizar um membro ou qualquer outra parte móvel do corpo humano, com a finalidade de facilitar o transporte ou resgate da vítima, levando-a até os hospitais, onde são tomadas providencias médicas e definitivas Se o membro fraturado estiver dobrado, o socorrista não poderá imobilizá-lo adequadamente. Deverá então, com muito cuidado, aplicar uma tração manual para endireitá-lo, o que impedirá a pressão sobre os músculos, reduzindo a dor e o sangramento que estejam ocorrendo no local da lesão. A tração deverá ser aplicada com firmeza observando o alinhamento do osso até que o membro fique totalmente imobilizado. Se o socorrista puxar em linha reta, não causará

14

nenhuma lesão. No entanto, recomenda-se não insistir na manobra caso a vítima informar que a dor está ficando muito forte. Improvise uma tala Amarre delicadamente o membro machucado (braços ou pernas) a uma superfície, como uma tábua, revista dobrada, vassoura ou outro objeto qualquer. Use tiras de pano, ataduras ou cintos, sem apertar muito para não dificultar a circulação sanguínea. Improvise uma tipóia Utilize um pedaço grande de tecido com as pontas presas ao redor do pescoço. Isto serve para sustentar um braço em casos de fratura de punho, antebraço, cotovelo, costelas ou clavícula. Só use a tipóia se o braço ferido puder ser flexionado sem dor ou se já estiver dobrado. Obs. Jamais alinhe uma fratura

15

Imobilização de cotovelo

Braço imobilizado com apoio de uma bandagem triangular

Imobilização do braço esticado com uma tala e quatro bandagens.

16

Imobilização do braço dobrado com uma tala e quatro bandagens e uma bandagem de apoio.

Imobilização com braço esticado e na posição encontrada, semi dobrado

17

Seqüência de imobilização da mão e dedos

2º Seqüência de imobilização da mão com apoio de uma tipóia

Imobilização da mandíbula

18

Imobilização no nariz

Bandagem no tórax

A imobilização na coluna cervical é feita após ter aplicado técnicas de estabilização da coluna cervical e a colocação de um colar cervical conforme o tamanho da pessoa.

Técnica para girar caso não haja respiração ou esteja com dificuldade de respirar

Imobilização da bacia ou do fêmur

Imobilização do pé ou tornozelo

19

Imobilização da tíbia

Imobilização do tornozelo

SEQÜÊNCIA UNIVERSAL DE PROCEDIMENTOS

01) Remover da perna a ser tracionada, roupas, calçados, cordões, etc; 02) Explicar a vítima, que irá sentir dor no procedimento, mas que é necessário para sua melhora; 03) Verificar se há pulso distal; 04) Ter a mão a tala adequada à vítima (adulto ou infantil); 05) Ajustar as correias na tala, medindo ao longo da perna da vítima ( a não fraturada); 06) Há necessidade de 02 socorristas, sendo que um deles é para segurar a perna da vítima exercendo firme e suave tração; 07) O outro coloca o “T” no tornozelo com argolas voltadas para a planta do pé. 20

08) O socorrista 2, passa a exercer a tração através das argolas ao “T”. 09) Este mesmo (socorrista 2) ergue a perna da vítima suavemente, mantendo a tração, somente o necessário para colocar a tala embaixo do membro afetado. 10) O socorrista nº 1, desliza suavemente a Tala Imobilizadora para baixo do membro fraturado, sendo que a parte superior, deverá ficar apoiada confortavelmente contra a região glútea. 11) O socorrista que após, colocar a tala, prende o tirante na virilha, tomando cuidado para não pressionar os órgãos genitais ou a artéria femoral; 12) Continuando, prende o tirante do tornozelo ao gancho de tração com as argolas; 13) Gire devagar e cuidadosamente o regulador de tração (carretilha), até que a última sinta alívio da dor. Quando a vítima tiver inconsciente, o procedimento é até que o compartimento do membro inferior lesionado aproxime-se do normal; 14) Continue monitorando o pulso distal e a perfusão periférica; 15) Prender o restante dos tirantes (correias) iniciando pelo tirante que fica acima ao tornozelo. Em seguida o que fica imediatamente abaixo do joelho, prosseguindo o que fica acima do joelho e por último o da coxa; 16) Um socorrista ergue o suporte elevatório da tala; 17) O segundo socorrista verifica novamente o pulso distal e a perfusão periférica; 18) Coloca-se a vítima na prancha longa.

21

3. CONSIDERAÇÕES FINAIS
O objetivo básico da imobilização provisória consiste em prevenir a movimentação dos fragmentos ósseos com entorses ou luxados feito por profissionais de resgate, saúde ou médicos, certamente diminuirá a dor e prevenirá uma lesão muscular, de nervos e vasos sangüíneos. O resultado de movimentos bruscos que a articulação realiza acima do normal. Se a lesão for mais violenta pode resultar em torções de osso configurando um quadro de luxação. As entorses são lesões de partes moles podendo ser leves e graves.

22

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Miranda, Edalton, Bases de Anatomia e Cinesiologia, Rio de Janeiro, Editora Sprint,2000. James A. Gould III,M,S.,P.T. Fisioterapia na Ortopedia e na Medcina do Esporte ,Editora Manole ltda, 2ª Edição, São Paulo, SP, 1993. Ribeiro, Edson Passos, Traumatologia Osteoarticular, 2ª Edição,São Paulo, SP, 1984.

23

Bonnin,J.G.,Manual de Traumatologia, 1ª Edição, Rio de Janeiro,RJ, 1952.

ANEXO

24

25

26

27

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->