2004

Biomecânica /

CINESIOLOGIA
É o estudo do movimento. Ciência do movimento combinando teorias e princípios da: Anatomia; fisiologia; psicologia; antropologia e mecânica.

BIOMECÂNICA
É a base da função músculo-esquelética. Os músculos produzem força que age através do sistema de alavancas ósseas. O sistema ósseo ou move-se, ou age estaticamente contra uma resistência. Caso uma carga seja aplicada ao sistema de alavancas, os músculos reagirão para controlar a carga. Estática - Repouso - Movimento Uniforme Dinâmica - Acelerando - Desacelerando

CINEMÁTICA
É a ciência relacionada com a descrição das posições e os movimentos do corpo no espaço, e permite uma descrição exata destas diversas posições corporais. Subdivide-se em:

I - ARTROCINEMÁTICA
Está relacionada aos movimentos das superfícies articulares em relação à direção do movimento da extremidade distal do osso (OSTEOCINEMÁTICA). Os movimentos entre as superfícies articulares são classificadas em 3 tipos. São eles: 1) Deslizamento / Translação Ocorre quando um ponto de uma superfície em movimento entra em contato com novos pontos sobre a outra superfície.
1

2004

Biomecânica /

2) Rolamento / Angular Ocorre quando novos pontos em uma superfície entram em contato com os novos pontos de uma segunda superfície. 3) Rotação / Giro É uma rotação ao redor de um eixo mecânico estacionário, longitudinal do próprio osso.

II- OSTEOCINEMÁTICA
É o estudo dos movimentos do osso. Os movimentos do osso são classificados em 2 tipos. São eles: 1) Rotação → É descrita como um simples giro ao redor de um eixo mecânico. Esta pode ser no sentido horário ou anti-horário e não é acompanhada por qualquer outro tipo de movimento. Uma rotação pura pode ocorrer somente na cabeça do fêmur, úmero e rádio. 2) Balanço → É qualquer outro movimento que não segue rotação pura. É subdividido em: 2a) Puro ou Cardinal → No balanço puro ou cardinal, o movimento não é simultâneo à rotação e consequentemente, o movimento cruza a menor rota entre dois pontos. 2b) Impuro ou Arqueado → No balanço impuro ou arqueado, a rotação ocorre simultaneamente e consequentemente a distância entre dois pontos é maior do que no balanço puro.

2

Nos casos em que as superfícies aparentarem ser planas. o deslizamento na articulação ocorre na mesma direção que a do movimento do osso. Na superfície côncava a cartilagem é maior nos perímetros (ao redor. Em uma superfície convexa existe mais cartilagem no centro da superfície. CADEIAS CINÉTICAS É a combinação de várias ações articulares que unem segmentos sucessivos. Limitação dos movimentos . O segmento distal movimenta-se em relação ao segmento proximal. Quando ambas as superfícies aparentam ser planas. a maior superfície é considerada como sendo convexa. a cartilagem irá alterar o contorno. no rebordo).Hipermobilidade Instabilidade Dor em outras articulações 1) ABERTA O segmento distal está livre no espaço e o segmento proximal está fixo. Quando a superfície convexa é estacionária e a côncava é móvel. Ex: Flexão de Joelho . Isquios Tibiais são antigravitacionais 3 . Quando a superfície côncava é estacionária e a convexa é movel.2004 Biomecânica / REGRA DO CÔNCAVO E DO CONVEXO As superfícies articulares sinoviais são classificadas como CÔNCAVAS OU CONVEXAS. o deslizamento na articulação ocorre na direção oposta ao do movimento do osso. Compensação .Fusão articular Rigidez dos tecidos moles Dor . .

O segmento que estiver livre terá maior amplitude de movimento. A gravidade é a força flexora) 3) MISTA (aberta e fechada) Ex: Subir escada [fase de suporte da extremidade (cadeia fechada)]. ultrapassando. retornando à posição anatômica. ultrapassando. Parte-se de uma abdução. se isto for possível. ou mesmo. 3) Abdução → É o movimento de um segmento corporal para longe (afastando-o) da linha central do corpo (linha mediana). O segmento proximal movimenta-se em relação ao segmento distal. o segmento dirigi-se para a linha mediana). Ex: Flexão do joelho .2004 Biomecânica / . 4 . ou mesmo. A gravidade é a força extensora 2) FECHADA O segmento proximal esta livre no espaço e o segmento distal está fixo. 2) Extensão → É o contrário. 4) Adução → É o contrário. Parte-se de uma posição fletida para posição anatômica. se isto for possível. Exemplo: ombro (após 90°. MOVIMENTOS ARTICULARES 1) Flexão → Quando um segmento corporal é movido num plano de tal modo que sua face anterior ou posterior aproxima-se da face anterior ou posterior do segmento corporal adjacente.Quadríceps é antigravitacional . [fase balanceio (cadeia aberta)].

pés em ângulo de 30°.2004 Biomecânica / 5) Rotação Medial → Ocorre quando a face anterior do segmento volta-se para o plano mediano do corpo. Postura ereta . 1) PLANO FRONTAL OU CORONAL: Divide o corpo em partes anterior (ventral) e posterior (dorsal). Movimentos: Abdução → segmento afasta-se da linha mediana do corpo. ou seja. artelhos. Nota: A terminologia deve referir-se à articulação em questão. palmas das mãos dirigidos para frente e com os dedos estendidos. * Os 3 planos são perpendiculares entre si. A face anterior do segmento volta-se para o plano lateral do corpo. Posição ortostática . * Seus eixos cruzam no centro de gravidade corporal (um ponto levemente à frente da 2a vértebra sacral). às ações articulares. Olhar à linha do horizonte. Com cabeça. Eixo sagital (ântero-posterior) ou horizontal (dorso/ventralmente). 6) Rotação Lateral → É o contrário. Obs : Circundução → É o movimento no qual uma parte do corpo descreve um cone cujo o vértice está na articulação e a base na extremidade distal da parte. 5 . Mento ereto . PLANOS E EIXOS Posição Corporal Anatômica Padrão . . Ocorre em articulações biaxiais e triaxiais.

Obs: Casos Especiais: Pronação do Antebraço → Rotação medial. Desvio Ulnar → Adução do punho. Desvio Radial → Abdução do punho. Eixo transverso ou horizontal. 2) PLANO SAGITAL OU SAGITAL MEDIANO: Divide o corpo nas metades direita e esquerda. Movimentos: Rotação medial → É uma rotação transversa orientada para a superfície anterior do corpo. Rotação lateral → É uma rotação transversa orientada para a superfície posterior do corpo. 6 . Obs: Quando a extensão ultrapassa a posição de referência anatômica. Extensão → 2 segmentos afastam-se entre si ou o ângulo articular aumenta. 3) PLANO HORIZONTAL OU TRANSVERSO: Divide o corpo nas metades inferior (caudal) e superior (cranial). Supinação do Antebraço → Rotação lateral. Movimentos: Flexão → 2 segmentos aproximam-se entre si ou o ângulo articular diminui. é chamada hiperextensão.2004 Biomecânica / Adução → segmento aproxima-se da linha mediana do corpo. Eixo longitudinal ou vertical.

detêm ou modificam o movimento dos corpos. respectivamente.2004 Biomecânica / Polegar . . Ao aplicar a cinética. Superficial e Profundo → distância em relação à superfície. Proximal e Distal → perto ou distante do tronco ou da raiz do membro. LINHA DE GRAVIDADE E BASE DE SUPORTE OU DE APOIO 1) Centro de Gravidade É o ponto dentro de um corpo (objeto) ao redor do qual todas as partículas de sua massa estão igualmente distribuídas. respectivamente. É o ponto que pode-se considerar que toda sua massa esteja concentrada. Rotação Medial do Tornozelo→ Inversão Rotação Lateral do Tornozelo→ Eversão OUTROS TERMOS DIRECIONAIS ANATÔMICOS . Músculos . Fricção . Gravidade . o Fisioterapeuta trabalha em especial com as forças exercidas pela: . .flexão/ extensão ocorrem no plano frontal .abdução/ adução ocorrem no plano sagital. No corpo humano adulto em posição anatômica localiza-se levemente anterior à 2ª 7 . Medial e Lateral → mais próximo ou mais distante da linha mediana. Resistência Externa Adicional CENTRO DE GRAVIDADE . CINÉTICA É um ramo da dinâmica que lida com as forças que produzem.

Localização da linha de gravidade dentro da base de suporte. puxando-o para baixo em direção ao centro da terra. Peso do corpo. Altura do centro de gravidade acima da base de suporte. Grau de Estabilidade ou Mobilidade .Centro de Gravidade Alto Pequena Base de Suporte Peso Leve 2) Linha de Gravidade . . Melhor Estabilidade . Nota: A gravidade está localizada e atua sobre o centro de gravidade do corpo apenas para fins didáticos. 3) Base de Suporte ou de Apoio 8 .sentido → de cima para baixo .intensidade → 9.homens + alto (ombros largos) .Centro de Gravidade Baixo Base de Suporte Ampla Linha de Gravidade no Centro da Base de Suporte Peso Grande Melhor Mobilidade .8 m/s2.2004 Biomecânica / vértebra sacral (S2) ou equivale 55% da altura da pessoa (aproximadamente).direção → vertical .criança + alto (cabeça. tronco) .mulheres + baixo (quadris largos) Depende de 4 fatores: . Tamanho da base de suporte. . É a linha ou direção de tração exercida pela ação da gravidade sobre um corpo em seu centro de gravidade (CG). .

ou fulcro. o centro de gravidade de um corpo deve se projetar dentro da Base de Suporte. . ou apoio) .A força que move F (ou mantém) ou potência P .Braço de Peso ou de Resistência (Bp ou BR) → É a distância perpendicular do eixo à linha de ação ( vetor ) da Resistência (R). 9 . Posição Ortostática (forma-se um quadrilátero) X X X X X X X X ESTABILIDADE INSTABILIDADE X X SISTEMA DE ALAVANCAS Os 5 componentes da alavanca são: .2004 Biomecânica / É a área formada abaixo do corpo pela conexão de uma linha contínua de todos os pontos em contato com o solo. através da linha da gravidade. Para se obter estabilidade.O peso P ou resistência R .O eixo (ou pivô.Braço de Força ou Braço de Potência (BF ou BP) → É a distância perpendicular do eixo à linha de ação ( vetor ) da Potência (P).

As alavancas dividem-se em 3 tipos: 1) INTERFIXA (Alavanca de 1ª Classe ou 1º Grau) BP BR A ∆ ↓ P ↓ R R e P no mesmo sentido e mesma direção.2004 Biomecânica / VANTAGEM MECÂNICA (V. 2) INTER . Potência → Ação do músculo através da sua inserção (ponto de aplicação da força). VM = Comprimento BP Comprimento BR CORPO HUMANO Eixo → Articulação Resistência → Peso do segmento (CG) e/ou resistência externa adicional.M) DA ALAVANCA: É a razão entre comprimento do BP e o comprimento do BR. Mantém a postura corporal e o equilíbrio.RESISTENTE (Alavanca de 2ª Classe ou 2º Grau) BR A ∆ R BP ↓ P ↑ R e P mesma direção e sentido opostos 10 . ↑ terá que ser a força muscular para manter o equilíbrio. Quanto ↓ for o BP (BF).

BR . . Esta disposição é projetada para proporcionar VELOCIDADE do segmento distal e para mover um peso pequeno a longa distância. 3) INTERPOTENTE (Alavanca de 3º Classe ou 3º Grau) p ↑ ∆ BP ↓ R P e R mesma direção e sentido opostos. Oferece desvantagem em relação a força. de modo que grandes pesos podem ser suportados ou movidos por uma pequena força. .2004 Biomecânica / . Oferece vantagem de Força. Sistema Antieconômico (sempre o BP será ↓ que o BR) . Sistema econômico (sempre o BR será ↓ que o BP). A BP BR ↓ R RESULTANTE VETORIAL DA AÇÃO MUSCULAR a) 1 componente perpendicular → vetor de deslocamento ou movimento. 11 .

Ossos Sesamóideos . Ângulo de 0° só compressão sem deslizamento. Aumentando os vetores da Força Muscular. TORQUE OU MOMENTO DE FORÇA P ou R = Newton ou Kg ou Libras Braço = Metros ou cm ou pés 12 .↑ o ângulo de inserção. Obs : A força de um músculo varia com o ângulo articular. Facilita o desempenho dos músculos.2004 Biomecânica / b) 1 componente paralelo → vetor de compressão articular ou estabilidade Resultante Vetorial → Ação Muscular ( vetor soma a+b ) a a+b b Osso Ângulo de 90° só deslizamento sem compressão.

Sempre se contrai ativamente para produzir uma contração concêntrica. Trabalha em prol do movimento desejado.2004 Biomecânica / P × BP Torque de Potência = R × BR É o produto do componente rotatório com a distância perpendicular Torque de Resistência Torque = componente rotatório × distância perpendicular TORQUE DE POTÊNCIA Tp = P x Bp TORQUE DE RESISTÊNCIA TR = R x BR RELAÇÃO ENTRE Tp E TR Tp > TR ( caracteriza a contração isotônica concêntrica ) Tp = TR ( caracteriza a contração isométrica estática ) Tp< TR ( caracteriza a contração isotônica excêntrica ) CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL DOS MÚSCULOS AGONISTA Movente para as ações articulares resultantes. isométrica ou excêntrica. 13 .

firme ou sustenta um osso ou parte óssea afim de que outro músculo ativo possa ter uma base firme sobre a qual traciona. (Flexão de tronco) Reto Anterior 14 . fato que determina a classificação do(s) agonista(s). Quando esses músculos se contraem simultaneamente. depende do ângulo articular analisado. que nem auxilia nem resiste ao movimento. e atuam como sinergistas auxiliares um do outro porque neutralizam a ação secundária indesejável do outro. SINERGISTA É um músculo que ancora. é um músculo (ou grupo muscular) que não se contrai. Neutralização de uma ação indesejada por outros músculos ativos. 1) Sinergista Auxiliar Ocorre durante a ação de 2 músculos que compartilham uma ação articular e tem uma 2a ação antagonista a do outro. mas que se alonga ou encurta passivamente para permitir que ele ocorra. A variação da ADM. Um músculo pode ser definido como sinergista sempre que ele se contrair ao mesmo tempo que o agonista. altera os torques de resistência e de potência.2004 Biomecânica / 1o Tipo → Primo-movente → Motor Primário ou Principal 2o Tipo → Movente Auxiliar → Motor Secundário ou Acessório ANTAGONISTA Normalmente. Obs: A ação de um músculo ou grupo muscular. Sua ação e sempre isométrica. agonista como motor principal ou motor acessório. eles atuam juntos para produzir ação comum desejada. Ex: Abdominais em DD.

atuam para evitar a flexão do punho. Extensores (sinergistas) .2004 Biomecânica / Oblíquos Externo D e E Interno D e E Oblíquos Externo Direito → inclinação lateral direita rotação esquerda Oblíquo Externo Esquerdo → inclinação lateral esquerda rotação direita As rotações ou inclinações são neutralizados pelos músculos opostos (ação) para permitirem e atuarem na flexão do tronco.flexão plamar das articulações metacarpofalangeanas. Enquanto o reto femoral se encurta na extremidade proximal 15 . o que resultaria numa perda da força contrátil. 2) Sinergista Verdadeiro Ocorre quando um músculo se contrai estaticamente para impedir qualquer ação numa das articulações atravessadas para um músculo bi ou pluriarticular em contração. MÚSCULOS BIARTICULARES E PLURIARTICULARES “Um músculo biarticular não pode atuar como músculo monoarticular para auxílio de outros músculos a menos que uma das ações articulares seja estabilizada por outros músculos. interfalangeanas proximais e distais. O efeito cinético do músculo sobre a 2ª articulação é diminuido”. o músculo se contrai mas não perde tanto do seu comprimento. Os músculos biarticulares tem a característica que permite que os músculos exerçam força concêntrica sem necessariamente se encurtarem significativamente. Ex: Punho Cerrado . Movimentos Convergentes (com referência à contração muscular) → quando o quadril e o joelho se fletem ou se estendem simultaneamente.

A extensão do quadril e flexão do joelho simultâneas encurtam os isquios tibiais em ambas as extremidades enquanto o reto femoral se alonga em ambas as extremidades. Potência é o trabalho dividido pelo tempo (Pm = ℑ ) Onde : 16 . o trabalho é realizado (ℑ = f x d). e vice-versa. RELAÇÃO VELOCIDADE DE CONTRAÇÃO X TENSÃO: Quanto maior a velocidade de contração menor será a tensão produzida pelos músculos. A flexão do quadril e extensão do joelho simultâneas encurtam o reto femoral e ambas as extremidades enquanto os ísquios tibiais se alongam em ambas as cextremidades. Idem para os ísquios tibiais. Quando um músculo é capaz de mover uma carga.2004 Biomecânica / para fletir o quadril. Movimentos Contracorrente (com referência à contração muscular) → um músculo biarticular de um par antagonista se encurta em ambas as extremidades enquanto o outro se alonga. RELAÇÃO COMPRIMENTO X TENSÃO: Um maior torque de potência é produzido quando os músculos estão em posição de préestiramento (alongados) antes de se contrairem. TIPOS DE CONTRAÇÕES MUSCULARES ISOTÔNICA: Contração muscular que promove movimento articular concêntrico e excentricamente com resistência constante ou variável. diz-se que o músculo realizou uma contração isotônica. ele se alonga distalmente quando o joelho se flete. PRÉ-ESTIRAMENTO MÁXIMO DO MÚSCULO ⇒ MAIOR RECRUTAMENTO DE FIBRAS MUSCULARES ⇒ MELHOR QUALIDADE DE CONTRAÇÃO MUSCULAR.

B) Excêntrica (de alongamento) .Velocidade de encurtamento constante → atividade das unidades motoras é diretamente proporcional à tensão.Velocidade de alongamento constante → atividade das unidades motoras é diretamente proporcional à tensão.Peso sobre músculo .M aumenta a resistência muscular aumenta a força muscular Desvantagens: • não é seguro se houver dor • não realizado em velocidades funcionais • não desenvolve velocidade de contração * ℑ em Joules ( J ) * ∆ t em segundos ( s ) * P em watts ( w ) • mensuração imprecisa • dor tardia a contração excêntrica • maior sobrecarga onde o músculo é mecanicamente mais fraco A) Concêntrica (de encurtamento) .D. ISOMÉTRICA: 17 .Músculo sobre peso .2004 Biomecânica / ∆ t Vantagens: • • • • mais motivador contração em toda A.

A Tipo de Tensão Tipo de Contração Função Força Externa oponente ao Músculo Menor Trabalho Externo pelo Músculo Positivo Negativo Nenhum Suprimento de Energia Isotônica Isotônica Isométrica Concêntrica Excêntrica Estática Aceleração Aumenta Diminui Aumenta Desaceleraçã Maior o Fixação Igual 18 . Vantagens : • • • • • • aumenta a força muscular estática utilização precoce na reabilitação auxilia no retardo da atrofia por desuso auxilia na reabsorção do derrame articular estimula mecanorreceptores fácil execução Desvantagens : • execução monótoma • não aumenta resistência e ou potência • não melhora a performance • não tem contração excêntrica em grandes grupos musculares aumenta a P. Quando um músculo exerce uma força contra um objeto que ele não consegue mover. A unidade mio tendinosa permanece no mesmo comprimento e tecnicamente não realiza nenhum trabalho externo.2004 Biomecânica / Ocorre o encurtamento dos componentes contráteis simultaneamente ao alongamento dos componentes elásticos do músculo.

Realizável em aparelhos como dinamômetros hidráulicos ou eletromecânicos. recebe a força e a devolve no nível adequado para preservar esta velocidade constante. Vantagens: • • • • • contração máxima em toda A. O mecanismo que mantém a velocidade constante.D.D.melhor performance Desvantagens: • aparelho de altíssimo custo • apenas um ângulo realiza o exercício por vez demora no posicionamento do paciente Resistência Isocinética Possibilita que a contração muscular gere um movimento de velocidade angular constante e consequentemente o desenvolvimento máximo de tensão muscular para cada posição A.M. não há carga se não for atingida a velocidade mensuração precisa contrações em velocidades funcionais desenvolvimento de potência . 19 .2004 Biomecânica / ISOCINÉTICO: Contração muscular onde a velocidade angular é constante. com resistência acomodativa ao esforço.M.

E. Atlas Colorido de Anatomia Humana de Mc Minn / P.H. – 4a ed. Lutjen-Drecoll.2004 Biomecânica / REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Abrahams. Yokochi. C. Rohen.. Anatomia Humana: Atlas Fotográfico de Anatomia Sistêmica e Regional / J. R. 2000. W. Werner Atlas de Anatomia Humana / Rudolf Spanner. Rohen. Carron. Lutjen-Drecoll. Moore. – 4a ed. – São Paulo: Manole. 1998. Spanner. – São Paulo: Manole. – Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. Moore. J. R. Dalley. S. Wilson. T. Anatomia Orientada para a Clínica / Keith L. H. Keith L. Hutchings. C.. Arthur F.T. Rudolf.. Guimarães. Spalteholz. Arthur F. P.W. 1988. Hutchings.. Dalley. – 1a ed. Werner Spalteholz. – 4a ed. Yokochi. Osvaldo 20 ... Marks Jr. 2001. – São Paulo: Roca. C. E. Abrahams.

Gould. Hall. – 1a ed. Andrée. Blandine Calais-Germin. L. Le Vean. Fisioterapia na Ortopedia e na Medicina do Esporte / James A. – 3a ed. – São Paulo: Manole. Cinesiologia e Anatomia Aplicada / Philip J. Heneine. Susan J. Philip J. Ibrahim Felippe Biofísica Básica / Ibrahim Felippe Heneine. Don Cinesiologia Clínica de Brunnstrom / Laura K. – São Paulo: Manole. – São Paulo: Manole. Lehmkuhl. – 7a ed. Knutzen.2004 Biomecânica / As Faces da Física: Volume único / Wilson Carron. – São Paulo: Atheneu. Kapandji. Carr. 1997. Joseph. – 2a ed. Don Lehmkuhl. 1993. Rasch. – 1a ed.1992. Bases Biomecânicas do Movimento Humano / Joseph Hamil. Smith. Gary Biomecânica dos Esportes: Um guia prático / Gary Carr. Kapandji. Laura K. 1997. A. Weiss. 1991. – Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2000. Weiss. Kathleen M. Knutzen.. Smith. 1991. Ronald F. Zernicke. 1 e 2 / Andrée Lamotte. Rasch. – São Paulo: Moderna. Hamil. James A. – São Paulo: Manole. Elizabeth L. Gould. – México: Trillas. 21 . Calais-Germain. – Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.. L. Barney Biomecânica del Movimento Humano: de Williams y Lissner / Barney Le Vean. – 5a ed. Osvaldo Guimarães. Blandine Anatomia para o Movimento: Vols. Fisiologia Articular / I. Whiting.. 1999. 2000. – 1a ed. 1997. Lamotte. Hall. 1998. – 1a ed. – São Paulo: Manole. I. Kathleen M. – 5a ed. Elizabeth L. Biomecânica Básica / Susan J. – São Paulo: Manole. – 1a ed. William C. – 1a ed. A.

Lynn Palmer. Ciência da Flexibilidade / Michael J. Powers. – 2a ed. – 1a ed. 2000.. Green. Charles A. – São Paulo: Manole.... Joseph J. 2000. – São Paulo: Manole. Fundamentos das Técnicas de Avaliação Musculoesqueléticas / M. Turek. – 5a ed. Reese. Ortopedia: Princípios e sua Aplicação Vols. 2000. Manual Fotográfico dos Testes Ortopédicos e Neurológicos / Josoph J. Hans-Werner Stedfeld. – 4a ed.2004 Biomecânica / Biomecânica da Lesão Musculoesquelética / William C. – Rio de Janeiro: Revinter. Robert W. Hans-Werner Joelho: Procedimentos Diagnósticos / Michael Strobel. 2001. Palmer. – 3a ed. 22 . Ronald F. Jahn. Strobel. Rockwood Jr. Mark E. Samuel L. White. Roger M. – São Paulo: Manole. – 2a ed.3a ed. – Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. Powers. Bucholz. Zernicke. M. 2000. Kaltenborn. Green. Edward T. – Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.2 e 3 / Samuel L. David P. – Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2000. – São Paulo: Manole. – 1a ed. Mark E. Michael J. Epler. Howley. Scott K.. Lynn. David P. Freddy M. –3a ed. 2000. Rockwood. Alter. Bases Neuromecânicas da Cinesiologia / Roger M. – Porto Alegre: Artmed. Bucholz. Warren T. 1991. Stedfeld. – São Paulo: Manole. Kaltenborn. Nancy Berryman Teste de Função Muscular e Sensorial / Nancy Berryman Reese. 1. Mobilização Manual das Articulações: Método Kaltenborn de Exame e Tratamento das Articulações-Vol. White. Fisiologia do Exercício: Teoria e aplicação ao Condicionamento e ao Desempenho / Scott K. Warren T. 1999. Turek. – 2a ed. Alter. Enoka.1 e 2 / Charles A. 1999. Epler. Jahn. Enoka. – 1a ed. Marcia E. Marcia E. Robert W. Whiting. Howley. Edward T. – São Paulo: Manole. 1993.. Cipriano. Michael.. 1: Extremidades / Freddy M. Cipriano. Fraturas em Adultos Vols.

– São Paulo: Manole. Gary L. Fisioterapia em Ortopedia e Medicina no Esporte / Terry R.. Harrelson.. Mc Poil. Thomas G. – São Paulo: Manole.2004 Biomecânica / Prentice. – 1a ed. Ellenbecker. Esquemas de terapia / Gunter Dobler. 2001. Manipulação e Mobilização: Técnicas para Membros e Coluna / Susan L. Mc Poil. Técnicas de Reabilitação em Medicina Esportiva / William E. – 3a ed. Gary L. Kevin E. – São Paulo: Santos. – 1a ed. Reabilitação Física das Lesões Desportivas / James R. Patologia da Articulação Patelo-Femoral / John P. James R. Andrews. – 1a ed. – São Paulo: Manole. Lent. Malone. Terry R.. Hitz. William E. Andrews. Wilk. – São Paulo: Atheneu. – 1a ed. Reabilitação dos Ligamentos do Joelho / Tood S. – Rio de Janeiro: Revinter. 2000. – 1a ed. Gunter Cinesiologia: Fundamentos. 2000. 2000. Edmond. Prentice. John P. 2002. – 2a ed. 2003. 2000. Dobler. Prática. 23 . Roberto Cem Bilhões de Neurônios: Conceitos Fundamentais de Neurociência / Roberto Lent. – 3a ed. Edmond. Malone. Fulkerson. Fulkerson. – São Paulo: Manole. Arthur J. Ellenbecker.. Tood S. – Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. Susan L. Thomas G. Harrelson. Hitz. 2002. Wilk. Arthur J. Kevin E.