Você está na página 1de 12

CRONOLOGIA

HISTÓRIA DO CORPO DE BOMBEIROS


1851
Ocorre um incêndio na Rua do Rosário (atual Rua XV de Novembro), o incêndio é extinto por uma bomba manual emprestada
por um francês chamado Marcelino Gerard.
1852
Em decorrência de tal incêndio, é apresentado na Assembléia Provincial, pelo então Brigadeiro Machado de Oliveira um
Projeto de Lei de um Código sobre Prevenção de Incêndios. Nesse Código estavam regulamentados os serviços de prevenção
e extinção de incêndios, ficando o povo, por lei, obrigado a cooperar com a Policia nos dias de incêndio.
1856
Surge o Corpo de Bombeiros da Corte (atual Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro).
1861
Ocorre um incêndio em uma livraria na Rua do Carmo.
1863
Novo incêndio, desta vez na Rua do Comércio em uma loja de ferragens.
1870
Um barril de pólvora explode no centro da cidade de São Paulo.
Criado uma Turma de Bombeiros
1875
É criada uma "Turma de Bombeiros" com 10 homens egressos do Corpo de Bombeiros da Corte e que ficaram adidos à Cia
de Guarda de Urbanos.
1880
Um incêndio na Faculdade de Direito, determina a criação Oficial do Corpo de Bombeiros (10 de março de 1880). O então
Alferes José Severino Dias é designado em 24 de julho Comandante da Seção de Bombeiros com 20 homens (praças)
oriundos da Cia de Urbanos.
1883
Ocorre a 1ª troca de comando.
1888
O efetivo da Seção de Bombeiros aumenta para 30 praças.
1890
Elevação a categoria de "Companhia de Bombeiros". O efetivo aumenta para 60 homens. O Comandante passa a ser um
Capitão.
É criada a 6ª Zona de Bombeiros no município de Santos (atual 6º Grupamento de Incêndio).
1891
O’Connel Jersey assume o comando.
É criado a Estação Oeste de Bombeiros (2ª Zona) - atual 2º Grupamento de Incêndio responsável pelo atendimento dos
bairros da Barra Funda, Campos Elíseos e Lapa e a Estação Norte de Bombeiros (3ª Zona).
1893
Os movimentos de tropas federalistas no sul do país e a situação agitada do povo diante dos acontecimentos subversivos
(Revolta da Armada), faziam com que os brasileiros temessem uma guerra civil.
Um contingente do Corpo de Bombeiros segue para Santos integrando a Força Policial, juntando-se às tropas em defesa da
causa republicana.
1895
É inaugurada a 3ª Zona de Bombeiros, responsável pelo atendimento dos bairros da Moóca, Brás, Belém, Penha e Vila
Prudente (atual 3º Grupamento de Incêndio).
1896
São inauguradas as estações do Norte e Oeste, inicia-se o funcionamento do 1º Sistema de Alarmes, o "GENERST".
1900
Unem-se todas as forças policiais em uma só "FORÇA PÚBLICA". É criado o Corpo Municipal de Bombeiros de Campinas,
seu efetivo inicial era de 8 homens.
1906
A Força Pública recebe instrução de uma missão francesa.
1909
É impresso o 1º Manual de Instrução. Chegam os primeiros veículos automóveis. Inaugura-se o 2º Sistema de Alarmes, o
"GAMEWELL".
Decreto 1.714 – de 18 de março de 1909 – Regulamento para os Divertimentos Públicos. No Capítulo X – “Do Serviço de
Bombeiros e das Medidas Preventivas de Incêndio”. Foi a 1a Legislação sobre prevenção.
1911
São colocadas em todos os bairros da cidade de São Paulo 160 novas caixas de avisos de incêndio.
1912
Começam a funcionar as Oficinas do Corpo de Bombeiros, cuidando de suas viaturas e equipamentos.
1915
É impresso o 2º Manual de Instrução.
1917
O Coronel Soares Neiva deixa o Corpo de Bombeiros para comandar a Força Pública.
1924
O Corpo de Bombeiros é transformado em Batalhão de Bombeiros Sapadores.
1929
Ocorre uma grande compra de automóveis e equipamentos.
1930
Afonso Luiz Cianciulli assume o Comando do Batalhão de Bombeiros Sapadores.
1931
Volta a denominação "Corpo de Bombeiros".
1932
Mulheres são empregadas no Corpo de Bombeiros para suprir a falta de efetivo, que estava sendo empregado nas frentes de
luta durante a Revolução Constitucionalista.
O Corpo de Bombeiros entrega a sua Invernada ao Regimento de Cavalaria por não possuir mais cavalos ou muares.
1935
Os serviços de extinção de incêndios são transferidos para o Município da Capital.
1936
O Corpo de Bombeiros deixa a tutela do Estado e passa a ser administrado pelo município. É impresso o 3º Manual de
Instrução.
1942
É firmado o primeiro convênio entre o Estado e a Prefeitura de São Paulo. O Corpo de Bombeiros passa a ser Estadual.
1947
Ocorre a manifestação de desejo de autonomia. É destacada em Santos a 6ª Companhia do Corpo de Bombeiros (hoje 6º
Grupamento de Incêndio).
1948
As oficinas do Corpo de Bombeiros são transferidas para a Força Pública.
1949
Pela 1ª vez um Oficial do Corpo de Bombeiros segue em viagem de estudos para os EUA.
1951
Entra em funcionamento a Escola de Bombeiros.

O Serviço de Prevenção do Corpo de Bombeiros no Estado de São Paulo iniciou-se nessa época, quando a ligação de água
era condicionada à apresentação do Projeto de Prevenção e Combate a Incêndio aprovado junto ao Corpo de Bombeiros, uma
vez que que a legislação da época não obrigava as edificações possuírem equipamentos contra incêndio. Sendo assim os
proprietários apresentavam um jogo de plantas da edificação e os Oficiais do Corpo de Bombeiros designados para o serviço
de prevenção carimbavam nas plantas onde os extintores seriam instalados.
1952
O Corpo de Bombeiros recebe 9 viaturas importadas dos EUA e Alemanha.
1954
São editados os novos Manuais de Instrução em vários volumes.
É criado o 4º Grupamento de Incêndio com sede na região da Vila Mariana, na capital.
1955
É inaugurada a rede de rádio do Corpo de Bombeiros.
1957
Vários Oficiais do Corpo de Bombeiros são transferidos.
1959
São lançados ao mar 10 lanchas destinadas ao Serviço de Salvamento.
1961
O Serviço de bombeiros atravessa uma grande crise gerada por fatores políticos e econômicos que atingem a Força Pública
como um todo. Jovens Oficiais do Corpo de Bombeiros iniciam uma greve, ao final frustada, mas que paralisaram os serviços
de bombeiros por cerca de 24 horas. O motivo principal da greve eram os salários que se apresentavam em níveis
insuportáveis. De imediato o Corpo de Bombeiros perde toda uma geração de Oficiais, que por haverem participado do
movimento por melhores salários, é transferida para outras unidades principalmente no interior. Há, em consequência uma
quebra na transmissão das técnicas e da experiência, obrigando que o aprendizado a nível de Oficiais voltasse à estaca zero.

Elaborada a primeira Especificação para Instalações de Prevenção e Combate a Incêndios.


1963
Elaborada a Segunda Especificação para Instalações de Prevenção e Combate a Incêndios.
1964
Grande compra de Auto-Bombas (Os famosos "Volta ao Mundo").
É fundada a Companhia Escola de Bombeiros, seu 1º Comandante e fundador, foi o Capitão PM Luis Sebastião Malvásio.
1965
Elaborada a Terceira Especificação para Instalações de Prevenção e Combate a Incêndios.
1967
Inicia-se a demolição da Estação Central.
É criado o 8º Grupamento de Incêndio, na região do ABCD.
1969
Elaborada a quarta Especificação para Instalações de Prevenção e Combate a Incêndios.
1970
É criado o 10º Grupamento de Incêndio, com sede no município de Marília.

1972
Em 24 de fevereiro, ocorre o incêndio do Edifício Andraus de 31 andares, 16 pessoas morrem e 375 ficam feridas, o Corpo de
Bombeiros envia 31 viaturas e dezenas de carros pipas. O Incêndio provoca o surgimento de um Grupo de Trabalho para
estudar e propor reforma dos Serviços de Bombeiros.

1973
É criado o 2º Grupamento de Busca e Salvamento, na zona sul da capital.
1974
Em 01 de fevereiro ocorre o incêndio do Edifício Joelma de 23 andares, 189 pessoas morrem, o Corpo de Bombeiros envia ao
local 26 viaturas e 318 bombeiros.
É criado o 1º Grupamento de Busca e Salvamento, na área central da Capital.
1975
Ocorre a preconizada reestruturação dos serviços de bombeiros. Em razão do incêndio do Joelma, é publicado o novo Código
de Obras de São Paulo.
É criado o 9º Grupamento de Incêndio, com sede no município de Ribeirão Preto.
Elaborada a quinta Especificação para Instalações de Prevenção e Combate a Incêndios.
1978
Elaborada a sexta Especificação para Instalações de Prevenção e Combate a Incêndios.
1979
Entra em funcionamento o 3º Sistema de Alarmes, o telefone 193. É firmado convênio entre o Estado e a Prefeitura.
Médicos do Hospital das Clínicas da USP preocupados com a alta mortalidade nos Pronto-Socorros, produzidas pela
ineficiência e inadequação do atendimento pré-hospitalar e transporte de vítimas, começam a se interessar no gerenciamento
do atendimento das emergências em geral.
1981
Em 14 de fevereiro, ocorre um incêndio na Av. Paulista, no edifício Grande Avenida de 23 andares, o Corpo de Bombeiros
envia ao local 20 viaturas e 300 bombeiros, 17 pessoas morrem e 53 são feridas, entre elas 11 bombeiros e 10 do efetivo do
Comando de Operações Especiais da PM.
1983
É oficializado pela Secretaria Estadual da Saúde a CRAP - Comissão de Recursos Assistenciais de Pronto Socorro, com a
participação de inúmeros órgãos ligados ao atendimento das vítimas, contando com a participação do Corpo de Bombeiros.
Foi editado o Decreto Estadual no 20.811 –- Especificações para Instalação Proteção Contra Incêndios – 1983. Foi a primeira
legislação de prevenção com cunho de obrigatoriedade de instalações de proteção ativa e passiva nas edificações.
Editado os Despachos Normativos, decorrentes do Decreto Estadual no 20.811.
Editada as interpretações Formais do Decreto Estadual no20.811.
1985
É criado o 3º Grupamento de Busca e Salvamento, responsável pelas atividades de Prevenção de Afogamentos e Salvamento
Marítimo, com sede no município do Guarujá.
1986
Através da Associação de Intercâmbio entre EUA e Brasil, denominada "Companheiros da América", o Corpo de Bombeiros
envia um grupo de 4 Oficiais, juntamente com 01 Oficial da Defesa Civil e 3 médicos à cidade de Chicago, para a realização
de um Curso de Técnicos em Emergências Médicas.
1987
É criado a CAMEESP - Comissão de Atendimento Médico às Emergências do Estado de São Paulo, que apresentou proposta
para a criação de um projeto piloto de atendimento pré-hospitalar denominado "SISTEMA INTEGRADO DE ATENDIMENTO
ÀS EMERGÊNCIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO.
1988
É criado o Projeto Salva-Mar (3º GBS), criando um novo perfil do "Guarda-Vidas" no litoral paulista possibilitando uma
cobertura mais abrangente e eficiente, com a aquisição de novos equipamentos e maior grau de instrução, dimunuindo o
número de óbitos por afogamento.
1989
Os Secretários Estaduais da Segurança e da Saúde assinam a resolução Conjunta SS/SSP Nº 42, que definia as formalidades
de implantação do PROJETO RESGATE.
São criados os 13º, 14º, 15º e 16º Grupamentos de Incêndio.
Constituição Estadual – Prevê o Código Estadual de Proteção Contra Incêndio e Emergências, o Quadro de Bombeiros e
Unidade Orçamentária
1990
É colocado em prática o Serviço de Resgate com atuação na Grande São Paulo e em 14 municípios do estado, sendo
empregadas 36 Unidades de resgate, 02 Unidades de Suporte Avançado e 01 helicóptero.
1991
É formada uma turma de 40 "bombeiras", entre elas, 05 Oficiais, denominadas "Pioneiras do Fogo".
1992
O Corpo de Bombeiros promove o 3º Seminário Nacional de Bombeiros na cidade de Ribeirão Preto.
1983
o
Foi editado o Decreto Estadual n 38.069 –- Especificações para Instalação Proteção Contra Incêndios – Substituiu o Decreto
Estadual no 20.811, incorporando os Despachos Normativos e as Interpretações Formais.
Editadas as Consultas Técnicas, em âmbito interno, referentes ao Decretp Estadual no 38.069/93.
Editadas as Instruções Técnicas referentes a assuntos não contemplados pelo Decreto Estadual no 38.069/93.
1994
O Serviço de Resgate do Estado de São Paulo é consolidado através do Decreto Lei nº 38.432, garantindo sua
operacionalização através da Polícia Militar do Estado de São Paulo, por intermédio do Corpo de Bombeiros e do Grupamento
de Rádiopatrulha Aérea.
É criado o 1º Grupamento de Incêndio (Comando de Bombeiros da Capital).
1995
Em 29 de janeiro, ocorre uma explosão em uma loja de fogos no bairro de Pirituba na Capital, 33 casas são atingidas e 15
pessoas morrem, o Corpo de Bombeiros enviou ao local 15 viaturas e 62 bombeiros.
O Corpo de Bombeiros realiza o seu 1º Seminário de Agilização da intervenção Operacional com a presença de mais de 300
bombeiros entre Oficiais e Praças.
1996
É implantado o Sistema de Despacho assistido por computador no Centro de Operações de Bombeiros (COBOM) na Capital.
É criado o 12º Grupamento de Incêndio (sede em Bauru).
Ocorre em 11 de junho uma explosão no Shopping Center Plaza de Osasco causada por vazamento de GLP sob o piso da
área de restaurantes, 41 pessoas morrem e mais de 48o pessoas são feridas, o Corpo de Bombeiros envia para o local 38
viaturas e 167 bombeiros.
Ocorre em 31 de outubro a queda da aeronave Fokker 100 da TAM no bairro do Jabaquara, 99 pessoas morrem, o Corpo de
Bombeiros envia para o local 28 viaturas e 107 bombeiros. O Corpo de Bombeiros realiza o seu 2º Seminário de Agilização da
intervenção Operacional com a presença de mais de 300 bombeiros entre Oficiais e Praças.
1997
É lançado o MANUAL DE FUNDAMENTOS do Corpo de Bombeiros. Com mais de 360 páginas e mais de 880 ilustrações, o
MANUAL aborda 18 temas ligados às principais áreas de atuação dos serviços de bombeiros.
A SIRENE, popularmente conhecida como BITONAL (dois tons lá-lá/ré-ré), com 4 (quatro) cornetas, frequência de 435/450 Hz
e 580/600 Hz, com intensidade de som de 113 dh, a aproximadamente 7 (sete) metros, passa a ser destinada, para uso
exclusivo e restrito aos veículos pertencentes ao CORPO DE BOMBEIROS da Polícia Militar do Estado de São Paulo.
Seguindo uma nova filosofia de atendimento à grandes emergências - SICOE (Sistema de Comando de Operações em
Emergência).
É apresentada a nova viatura de "COMANDO DE OPERAÇÕES, destinada a ser empregada em grandes ocorrências
servindo sempre como Posto de Comando e oferecendo ao Comandante das Operações todo o suporte técnico necessário ao
planejamento estratégico e à coordenação tática das ações inerentes à emergência.
O Corpo de Bombeiros realiza o seu 3º Seminário de Agilização da intervenção Operacional com a presença de mais de 300
bombeiros entre Oficiais e Praças.
1998
Proposta de currículo do CFO/BM – Graduação Superior.
Proposta do Quadro de Bombeiros.

Missão do Corpo de Bombeiros


• Proteção da vida, do patrimônio e do meio-ambiente.

• Ser modelo de excelência nos serviços de bombeiros através da prevenção e do atendimento operação.
INCÊNDIO NO ESTADO DE SÃO PAULO - 1997
POR TIPO DE OCUPAÇÃO

TERRAS/TERRENOS
2%
3% 3% 2% 2%
1%
6% HABITACAO

VIAS DE TRANSP./L.P

COMERCIAL
16%
INDUSTRIA

OUTROS

ACIDENT. GEOGRAFIC.
43%
OBRAS/DIVERSOS

ENSINO/LAZER/DIVER.

22%
PRESTACAO DE SV.
INCÊNDIOS NO ESTADO DE SÃO PAULO - 1997
CAUSAS POSSÍVEIS CONHECIDAS

ATO INCENDIARIO

22%
INSTAL. ELETR.INADEQ.(CURTO CIRCUITO,SOBREC.)

BRINCADEIRA DE CRIANCAS

DISPLICEN. DE FUM.C/ PONTA DE CIGARRO OU FOS.


51% 8%
DISPLICENCIA AO COZINHAR
4%
PRATICA DE ACOES CRIMINOSAS
4%
3%
SUPERAQUECIMENTO DE EQUIPAMENTO
2%
2% IGNICAO ESPONTANEA

2%
VAZAMENTO DE GLP
2%
OUTRAS CAUSAS
OCORRÊNCIAS ATENDIDAS NO ESTADO DE SÃO PAULO NOS ÚLTIMOS 5 ANOS

148.777
131.973
160.000

125.056
118.803

117.653
Incêndio

110.246
140.000

92.941
120.000

92.770
Salvamento

74.462
100.000

70.287

63.793
59.427
58.720
55.235

80.000
52.566

Resgate

39.692
37.226
35.631

60.000
31.468

28.326
35.210
32.738

28.272
27.678

TAC

25.716
40.000

20.000
Prevenção
0
1994 1995 1996 1997 * 1998