Você está na página 1de 71

CURSO DE ANÁLISE

GRÁFICA

PROFESSOR
JOSÉ FARIA DE AZEVEDO
FILHO
HISTÓRICO

C H IN E S E S
C AN D LE

D O W E L L IO T T IN D IC A D O R E S
T E O R IA B A S E O N D AS S IS T E M A S
CONCEITOS BÁSICOS

• ANÁLISE FUNDAMENTALISTA
• ANÁLISE TÉCNICA
• ANÁLISE DE MERCADO
FORMAÇÃO DE
TENDÊNCIAS DE ALTA

• OS INSIDERS COMPRAM PRIMEIRO

• OS PROFISSIONAIS DE MERCADO
COMPRAM DEPOIS

• O POVÃO É ROUBADO
FORMAÇÃO DE
TENDÊNCIAS DE BAIXA

• OS INSIDERS VENDEM PRIMEIRO

• OS PROFISSIONAIS DE MERCADO
VENDEM DEPOIS

• O POVÃO É ROUBADO NOVAMENTE


EXEMPLO ANTIGO I
EXEMPLO ANTIGO II
EXEMPLO RECENTE
OS SINAIS TÉCNICOS
RETAS DE TENDÊNCIA
• SUPORTE DE ALTA
• RESISTÊNCIA DE ALTA
• CANAIS DE ALTA
• SUPORTE DE BAIXA
• RESISTÊNCIA DE BAIXA
• CANAIS DE BAIXA
• RETORNO
RETA SUPORTE DE ALTA
• ELA É DEFINIDA PELOS DOIS
PONTOS MÍNIMOS (FUNDOS) MAIS
PRÓXIMOS.
• É CORRIGIDA À PROPORÇÃO QUE A
ALTA SE ACENTUA.
• SEU ROMPIMENTO MOSTRA
REVERSÃO DA TENDÊNCIA DE ALTA
E MOMENTO PARA VENDAS.
RETA SUPORTE DE ALTA
RETA SUPORTE DE ALTA
EXEMPLOS DE RETAS DE
TENDÊNCIA
EXEMPLOS DE RETAS DE
TENDÊNCIA
EXEMPLOS DE RETAS DE
TENDÊNCIA
SUPORTE & RESISTÊNCIA
SUPORTE & RESISTÊNCIA
NÃO ESQUECER QUE:
• TODO TOPO É UMA RESISTÊNCIA
• TODO FUNDO É UM SUPORTE
• ELES INVERTEM SEUS PAPÉIS
DEPOIS DE ULTRAPASSADOS.
• QUANTO MAIOR O VOLUME NO
FUNDO OU TOPO, MAIOR POTENCIAL
DE INVERSÃO.
TEORIA DOW

• TENDÊNCIAS PRIMÁRIAS, DURAM


ACIMA DE UM ANO.
• TENDÊNCIAS SECUNDÁRIAS SÃO
AQUELAS SUPERIORES A SEIS
MESES.
• TENDÊNCIAS TERCIÁRIAS DURAM
PELO MENOS TRÊS MESES.
FORMAÇÕES

• APARECEM NAS CHAMADAS ZONAS


DE CONGESTÃO.
• TODA VEZ QUE OS PREÇOS
INTERROMPEM UMA ALTA OU
BAIXA, TEMOS CONFIGURAÇÕES
CARACTERÍSTICAS DE REVERSÃO
OU CONSOLIDAÇÃO DO
MOVIMENTO.
FORMAÇÕES

• CONSOLIDAÇÃO : • REVERSÃO :

• TRIÂNGULOS • CABEÇA/OMBROS
• RETÂNGULOS • DERIVAS
• FLÂMULAS • CUNHAS
• BANDEIRAS • TOPO DUPLO
• FUNDO DUPLO
• ILHAS
TRIÂNGULOS
TRIÂNGULOS
TRIÂNGULOS
TRIÂNGULOS
RETÂNGULOS
FLÂMULAS & BANDEIRAS
CABEÇA & OMBROS
CABEÇA & OMBROS
CUNHAS & DERIVAS

• ELAS SEMPRE APARECEM PARA


REVERTER UM TENDÊNCIA. AO
CONTRÁRIO DE FLÂMULAS OU
BANDEIRAS, SUA INCLINAÇÃO É NO
MESMO SENTIDO DA TRAJETÓRIA
ANTERIOR. EM CASO DE DÚVIDA,
VERIFIQUE A SITUAÇÃO DOS
INDICADORES.
CUNHAS & DERIVAS
CUNHAS & DERIVAS
TOPO & FUNDO DUPLO
TOPO & FUNDO DUPLO
GAPS

• GAPS SÃO OS INTERVALOS ENTRE


DUAS BARRAS NO GRÁFICO.
• NAS ALTAS A COTAÇÃO MÍNIMA
FICA ACIMA DA COTAÇAO MÁXIMA
ANTERIOR.
• NAS BAIXAS, A COTAÇÃO MÁXIMA
FICA ABAIXO DA MÍNIMA ANTERIOR.
TIPOS DE GAPS

• GAP COMUM OU DE ÁREA


• GAP DE CORTE
• GAP DE FUGA
• GAP DE EXAUSTÃO
• GAP DE TAMANHO
EXEMPLOS DE GAPS
INDICADORES TÉCNICOS

• SÃO OS CHAMADOS GRÁFICOS


AUXILIARES.
• SÃO UTILIZADOS DE ACORDO COM A
SITUAÇÃO DOS PREÇOS :
• INDICADORES DE TENDÊNCIA
• INDICADORES PARA CONGESTÕES
INDICADORES TÉCNICOS
MÉDIAS MÓVEIS
• SÃO COMO RETAS DE TENDÊNCIA,
SEM PONTOS DE APOIO DEFINIDOS.
• OS SINAIS DE ALTA SÃO DADOS
QUANDO OS PREÇOS ROMPEM PARA
CIMA A MÉDIA.
• OS DE BAIXA, QUANDO ELES CORTAM
A MÉDIA PARA BAIXO.
• O CRUZAMENTO CONFIRMA
EXEMPLOS DE
MÉDIAS MÓVEIS
ÍNDICE DE FORÇA
RELATIVA
• O I.F.R. É UM INDICADOR DE
ESGOTAMENTO DE ALTAS E BAIXAS.
• É PLOTADO EM ESCALA LINEAR,
SENDO 80 O NÍVEL OVERBOUGHT E
20 A ZONA OVERSOLD.
• SUAS DIVERGÊNCIAS MOSTRAM
TAMBÉM FINAIS DE CICLOS.
EXEMPLOS DE ÍNDICE
DE FORÇA RELATIVA
FORÇA RELATIVA
NOTAS IMPORTANTES

• TODA FIGURA DE REVERSÃO É


ACOMPANHADA POR DIVERGÊNCIAS
NESTE INDICADOR.
• CUNHAS, DERIVAS, TOPOS E FUNDOS
DUPLOS SE CONFIRMAM PORQUE O
I.F.R. NÃO MANTÉM A MESMA
TRAJETÓRIA DOS PREÇOS.
DIVERGÊNCIAS NO I.F.R.
ON BALANCE VOLUME
OBV
• OBV PODE SER INTERPRETADO COMO
SALDO DO VOLUME ACUMULADO. ELE
É CALCULADO CONSIDERANDO-SE
POSITIVAS AS QUANTIDADES NOS
PREGÕES DE ALTA E NEGATIVAS
VERIFICADAS NOS PREGÕES DE BAIXA.
EXEMPLO DE OBV
ESTOCÁSTICO

• É UM OSCILADOR EXTREMAMENTE
ADEQUADO PARA OPERAÇÕES DE
CURTO PRAZO.
• TRABALHA EM ESCALA LINEAR (DE
ZERO A CEM), MOSTRANDO OS
PONTOS DE COMPRA E VENDA
QUANDO A LINHA CHEIA CRUZA A
PONTILHADA.
EXEMPLO DE ESTOCÁSTICO
CONVERGENCE &
DIVERGENCE
• É BOM INDICADOR PARA
REVERSÕES DE TENDÊNCIAS
INTERMEDIÁRIAS. CALCULA-SE
ATRAVÉS DA DIFERENÇA ENTRE
DUAS MÉDIAS MÓVEIS (MACD), COM
O CRUZAMENTO DE SUA PRÓPRIA
MÉDIA MOSTRANDO OS PONTOS DE
COMPRA OU VENDA.
EXEMPLO DE MACD
TIPOS DE TELAS
GRÁFICOS DIÁRIOS
TIPOS DE TELAS
GRÁFICOS INTRADAY
EXEMPLO DE TELA PARA O
CURTO PRAZO
CASOS REAIS
FIBONACCI
FIBONACCI
1 primária
IBOV (13,534.00, 13,640.00, 13,512.00, 13,564.00 +34.0000) 18500

29/01/01 Análise Ibovespa Previsão do final


18000
18023
08/06/01
Teoria de Elliott da onda 2 secundária:
07/03/2002
17500
17000
15644
25/02/2002 16500
B 16000
(1) secundária 15500
07/01/02 15000
14412
14500
3
b Flat ? B ? 14000
Probabilidade 13500
A 12613 10 % 13000
c
a 12500
23/04/01 4 12058
13325 A 12000
11502 75 %
11500
1 10711
15 %
11000
projeções da 10500
27/09/01 onda 2 secundária
Início onda 3 2 9704
10000

C2
9500
primária primária
9000

c 2001 Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec 2002 Feb Mar Apr May
CONSIDERAÇÕES FINAIS
• TODA ATENÇÃO É POUCA.
• DISCIPLINA É FUNDAMENTAL.
• TREINE ANTES DE OPERAR.
• FUJA DE DICAS
• CONFIRME OS PONTOS DE COMPRA E
VENDA.
• UTILIZE OS INDICADORES.
• FUJA DOS FUNDAMENTALISTAS.