Colonização de rainhas de formigas cortadeiras Atta spp. (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) em spp.

diferentes ambientes
PESQUERO, M.F.¹; PESQUERO, M.A.² 1- Aluno bolsista (PBIC-UEG) Universidade Estadual de Goiás UnUMorrinhos. 2- Prof. Dr. Orientador Universidade Estadual de Goiás UnU-Morrinhos.

Introdução
y

As formigas cortadeiras do gênero Atta Fabricius pertencem à tribo Attini, encontradas desde o sul dos EUA até o norte da Argentina com várias espécies distribuídas no Brasil. Elas utilizam substratos vegetais frescos para cultivar o fungo Leucoagaricus gongylophorus (Singer) que é utilizado para alimentar os imaturos. Esse hábito alimentar diferenciado dos outros grupos de formigas confere às cortadeiras um importante papel na reciclagem de nutrientes, na dispersão de sementes e no estabelecimento e regeneração de florestas tropicais, mas também como pragas de grande variedade de plantas cultiváveis.

Soldado de Atta spp. . spp.

.

.

1983).. . A densidade de formigas cortadeiras em reflorestamentos de eucalipto não combatidos quimicamente pode chegar a 73.9 colônias por hectare (CALDEIRA et al.Introdução y A expansão das fronteiras agro-silvo-pastoris são responsáveis pela fragmentação da paisagem dos biomas ocasionando um acelerado crescimento populacional e dispersão destes insetos na América do Sul (FOWLER. 2005) representando um custo adicional na produção devido ao controle predominantemente químico.

Majer & Recher (1999) discutem que além de favorecerem algumas espécies-praga. incluindo aquelas que são inimigos naturais de pragas. caracteriza-se pela baixa heterogeneidade ambiental. supressão do sub-bosque e baixa adaptabilidade de espécies herbívoras. os reflorestamentos de eucaliptos são pobres em biodiversidade devido à ausência de estratificação vertical. . tais como as relações predador-presa dentro das teias alimentares e o controle natural de pragas. (2003) discutem a importância da preservação de áreas de vegetação nativa junto aos sistemas de cultivo para o resgate dos processos ecológicos. que associada ao controle químico não seletivo de pragas. 1983. sistema de produção agrícola bastante difundido no Brasil.Introdução y A monocultura. 2000) e vegetação nativa (RAO. ZANETTI et al. contribui para a redução na riqueza de espécies. 2000). A importância de predadores e parasitóides no controle de formigas cortadeiras tem sido reportada em reflorestamentos de eucalipto (ALMEIDA et al. Altieri et al.

Objetivo y Testar a influência do tipo de ambiente sobre o sucesso de colonização de rainhas de saúva recém-fecundadas. .

um reflorestamento de Eucaliptus sp. ii. sem subbosque e com 46ha de área. de 0.uma área de floresta estacional semidecidual com área aproximada de 115ha. . 49º06'03" W): i. de cinco anos.uma área de pastagem com capim Brachiaria sp. iii.GO (17º43'54" S.Material e Métodos y O estudo foi desenvolvido em três áreas de complexidade ambiental distintas na cidade de Morrinhos .1ha.

sp. .Reflorestamento de Eucaliptus sp.

Parque Municipal Jatobá Centenário .

sp.Área de pastagem com capim Brachiaria sp. .

diferentes pontos sobre a superfície do solo para iniciarem a escavação do ninho. Frascos plásticos transparentes (12cm de diâmetro) aprisionaram as rainhas para assegurar que elas escavassem nos pontos preestabelecidos. .Material e Métodos y Em cada um dos três ambientes. foi simulada uma colonização. marcados com uma haste e uma fita colorida (Figura 1). A distância entre os pontos nunca foi menor do que um metro. onde cada rainha foi depositada e.

floresta estacional semidecídua e pasto sp.Figura 1.. . Método de fixação das rainhas e marcação dos pontos preestabelecidos de cada ambiente (reflorestamento de Eucalypto sp. de braquiária).. braquiária).

Várias rainhas foram colocadas dentro de frascos plásticos (12 cm de diâmetro.Material e Métodos y Após a fundação da colônia. . o frasco plástico era retirado do local. 25 cm de altura) contendo terra até 20 cm de altura e mantidos à temperatura ambiente em laboratório para servirem como tratamento controle.

2003). A identificação das espécies de saúvas foi obtida somente para as rainhas que produziram operárias (FOWLER et al.Material e Métodos y O sucesso de colonização foi obtido através da proporção de colônias que apresentaram rainha. O efeito dos ambientes sobre o sucesso de colonização foi comparado pelo teste não paramétrico de qui-quadrado. operárias jovens e fungo simbionte após 100 dias de clausura da rainha (ARAÚJO et al.. . 1993)..

respectivamente).62.0001). Smith) e A. Entretanto.) foram identificadas neste estudo.31. P= 0. P = 0. ambiente controle onde 48% das rainhas tiveram sucesso de colonização (Tabela 1). apenas o reflorestamento apresentou colônias com atividade (Tabela 1).Resultados e Discussão y As espécies de saúvas Atta laevigata (F. mas foi menor comparado com o observado em laboratório ( 2 = 14.38. .25.57 e 2 = 0. P = 0. sexdens (L. o sucesso de colonização nesse ambiente não foi significativamente diferente dos observados nos ambientes de floresta e pastagem ( 2 0. Até os 100 de experimentação.

Tabela 1. em atividade de forrageio e que obtiveram sucesso no estabelecimento durante o experimento de colonização simulada nos quatro ambientes de estudo. Número de colônias iniciais. .

tais como doenças e má formação genética antes da abertura do primeiro olheiro.Resultados e Discussão y Os resultados obtidos em laboratório indicam que aproximadamente metade das rainhas recém-fecundadas morre por causas intrínsecas. Entretanto. . abrindo possibilidade de ação de microorganismos antagônicos e patogênicos. esses fatores não puderam ser avaliados separadamente devido à não esterilização do solo no experimento controle.

lagartos e outros insetos.29%) ocorreu durante o período de préincubação. foram observados ataques às rainhas por aves como anu-preto (Crotophaga ani L. sendo atribuído a esse controle natural a ação predatória de aves. Durante nossas coletas em zona rural e urbana. Autuori (1950) estimou uma grande taxa de mortalidade (99.95%) de rainhas de Atta durante o período de fundação colonial.Resultados e Discussão y As baixas taxas de sucesso de colonização condizem com os resultados Augustin & Santos (2006) que obtiveram uma taxa de sobrevivência de 4. sapos.) e lagartos [Tropidurus torquatos (Wied)] (Figura 3.) . sendo que a maior taxa de mortalidade (58.3% de colônias recém-fundadas mantidas em diferentes substratos.

Resultados e Discussão .

Essa atividade não foi observada no ambiente de floresta e. U= 7.3 dias. Além da predação.Resultados e Discussão y A atividade de forrageio ocorreu ap·. em ambiente de floresta na Venezuela. n=4) do que no laboratório (74.2 dias.). É provável que esse animal seja o Tatu-galinha (Dasypus novemcinctus L. P < 0. à predação por Dasypus sp.iveis antagônicos ao fungo simbionte podem ter contribuído para a morte das rainhas neste ambiente. (ROCHA & DALPONTE. Rao (2000) atribuiu a baixa taxa de sobrevivência de colônias jovens de Atta spp. a presença de entomopatógenos e poss.os um período de tempo ligeiramente maior no campo (pastagem e eucalipto 81± 7. n = 13) (Mann-Whitney. 2006). um dos fatores que pode ter contribuído para isso foi o grande número de rainhas predadas (25) por um vertebrado que escavou os locais onde elas estavam.4 ± 5..05).uma espécie comum no ambiente cerrado. .

antes mesmo do início da atividade de forrageio. principalmente vertebrados. as condições biológicas intrínsecas são preponderantes. . Entretanto. a predação por inimigos naturais. além de microrganismos antagônicos presentes no solo contribuem com o restante da mortalidade das rainhas durante os primeiros momentos de vida da colônia.Considerações finais y O presente estudo permite concluir que dentre os fatores que reduzem o sucesso de colonização das formigas saúvas.

Bras. A.. 29(1): 105-112. K. 8(28): 145-150. M. A.Avifauna e o sub-bosque como fatores auxiliares no controle biológico das saúvas em florestas implantadas. J.O. In: Della Lucia. H.. T. Cerne. 2000. J. Entomol. J. 2003... 2003. Contribuição para o conhecimento da saúva (Atta spp. M. Zanetti. Distribuição espacial de sauveiros (Hymenoptera: Formicidae) em eucaliptais. C.. 2006. Araújo. Della Lúcia. Altiere.Hymenoptera: Formicidae). I. N.. p. F. Lavras 11(1): 34-39. Nicholls (eds). Majer. (ed. 1993.V. A. Soc. Silvicultura.. E. C.A influência da vegetação de entorno sobre as populações de inseto em áreas cultivadas.Viçosa: Editora Folha de Viçosa.C. Autuori. M. O. Della Lucia. G. M. D. Brasil. 1758 (Hymenoptera: Formicidae).). M. J.Vilela. I.. Alves. Santos. J.. E. Nicholls. L. Soc. . Rao. Arquivos do Instituto Biológico. Revista Árvore. C.Referências Bibliográficas y y y y y y y y y y y y Almeida. Zanuncio. 19: 325-331. H. M. 30(4): 669-677. Jaffé.A. Número de formas aladas e redução dos sauveiros iniciais. C. Dalponte. 1983. 16: 209-225. O Papel da Biodiversidade no manejo de pragas. A. 2000a. E. Distribution patterns of paraguayan leaf-cutting ants (Atta and Acromyrmex) (Formicidae:Attini). 28 (2): 185-200. J. C. G. A. 1999. H. A. C.. D. F. Studies on Neotropical Fauna and Environment. J. Kasuya. G. J. J. As formigas cortadeiras.T. F. Silva. 4-25. Composição e caracterização da fauna de mamíferos de médio e grande porte em uma pequena reserva de cerrado em Mato Grosso. C. Sociometria de rainhas recém-fecundadas de Atta sexdens Linnaeus. M. E. Entomol. N. Posição taxonômica das formigas cortadeiras. Caldeira. G. M. H. 2006.) densities in forest isolates: the potential role of predation. Impacto da queima controlada da cana-deaçúcar na nidificação e estabelecimento de colônias de Atta biphaerica Forel (Hymenoptera: Formicidae). M. J. Efeito da densidade e do tamanho de suveiros sobre a produção de madeira em eucaliptais. Augustin.Variation in leaf-cutter ant (Atta sp. Moraes. Zanuncio. 1950. Are eucalipts Brazil-s friend or foe? An entomological viewpoint. An.A. C. D.. C. 18: 121-128.M. Laranjeiro.M. Ribeirão Preto. Moreira. In: Altiere. Mendes Filho. R. Journal ofTropical Ecology. Rocha. Ribeiro. Brasil. Silva. Leite. Recher. R. An. 1983a. Fowler. C. 2005. Juiz de Fora-MG. T. Zanetti. Fowler.. M. . 226p. F. Holos..S. Pp 37-41 In: Semana de Biologia. Entomol. Neotrop. 32(4): 685-691. E.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful