Você está na página 1de 3

Linguagem Corporal

Quando um policial fala com alguém pode ocorrer que esta


pessoa esteja mentindo, ou que não diga toda a verdade. Pode até ser que
esteja falando a verdade. Como sabê-lo? Uma técnica interessante é a
interpretação da linguagem corporal, algo que se faz instintivamente e que
melhora com a prática e o trato com as pessoas. Os empregados e os
garçons, por exemplo, sabem muito bem disso.
Estas técnicas não são um “detector de mentiras”, mas podem
orientar, junto com a experiência, para um outro caminho. Devemos nos dar
conta de que não só servem para que interpretemos, mas também para que
nos interpretem. Assim, o conhecimento do significado de alguns gestos
servirá tanto para que os reconheçamos nas pessoas como para que os
evitemos (ou para que os forcemos) em nós mesmos.
Uma parte importantíssima na linguagem verbal são os olhos.
Olhar claramente nos olhos de outro significa segurança e sinceridade.
Quando estamos conversando com alguém, não olharemos para os lados,
nem observaremos doentia e curiosamente os sapatos, calças, camisa ou o
penteado. Manteremos o contato ocular, mas sem fixar o olhar em excesso:
isso fazem os loucos. De todo jeito, se quisermos fixar o olhar durante muito
tempo em alguém sem nos cansarmos psicologicamente, olharemos para o
cenho. Para o outro não fará diferença.
Outra parte fundamental do corpo são as mãos. Dão ênfase ao
que estamos dizendo, mas também distraem. Gesticular passando-as
próximo ao rosto de outra pessoa incita à violência. Não se esqueça que, em
nossas intervenções, temos que ter sempre a mão dominante (com a qual
empunhamos) pronta para sacar ou para proteger a arma de quem nos
possa querer tirá-la.
Há situações em nossa sociedade em que o contato físico
(tapinhas nas costas, etc.) é necessário e bem visto, mas isso muda muito
quando estamos trabalhando. Da mesma maneira nunca se deve levar as
mãos nos bolsos, pois denota passividade e falta de interesse (além de uma
má imagem e falta de proteção da arma, como já mencionamos).
Se alguém finge interesse em uma conversa, a outra pessoa se
dará conta facilmente por seus gestos e maneiras. Mover-se nervosamente
ou levantar-se, cruzar e descruzar as pernas, mover-se no assento ou olhar
constantemente o relógio demonstra tédio e é uma grande falta de respeito.
Se tiver que olhar a hora, faça-o no relógio da outra pessoa.
Intercalar sorrisos cordiais e francos na conversa transmite
confiança, alegria e boa disposição. Sorrir freqüentemente pode se
transformar o gesto num trejeito e dar a impressão que é vazio e fingido.
Apertar exageradamente os lábios pode denunciar que se tem dúvidas ou
desconfiança sobre o que o outro está dizendo ou sugerir que não está
realmente expressando o que pensa ou sente.

Ato Significado
Acariciar o queixo Tomada de decisões
Entrelaçar os dedos Autoridade
Puxar as orelhas Insegurança
Olhar para baixo Não acreditar no que ouve
Esfregar as mãos Impaciência
Apertar o nariz Avaliação negativa
Bater ligeiramente os dedos Impaciência
Sentar-se com as mãos agarrando a Segurança em si mesmo e
cabeça por trás superioridade
Inclinar a cabeça Interesse
Palma da mão aberta Sinceridade, franqueza e inocência
Caminhar ereto Confiança e segurança em si
mesmo
Parar com as mãos na cintura Boa disposição para fazer algo
Brincar com o cabelo Falta de confiança em si mesmo e
insegurança
Comer as unhas Insegurança ou nervosismo
Manter a cabeça descansando sobre Tédio, aborrecimento
as mãos ou olhar para baixo
Unir os tornozelos Apreensão
Mãos agarradas nas costas Fúria, ira, frustração e apreensão
Cruzar as pernas, balançando Aborrecimento, tédio
ligeiramente o pé
Braços cruzados na altura do peito Atitude defensiva
Caminhar com as mãos nos bolsos ou Abatimento
com os ombros encurvados
Mãos nas faces Avaliação
Esfregar um olho Dúvida
Tocar ligeiramente o nariz Mentir, duvidar ou contradizer algo

Interesses relacionados