CAPÍTULO 1

Introdução à Economia ç

Aula 1 – Princípios Econômicos
Prof° Carlos Rosa, Eng. M.Sc.
1

O que é economia?
Economia é o estudo das escolhas feitas por pessoas quando existe escassez.

•E Escassez é uma situação na qual os recursos são limitados e podem ser utilizados de diferentes maneiras.

2

1

Escolhas da sociedade
Quando uma sociedade possui um p montante limitado de recursos, precisa sacrificar uma coisa para obter outra.
As decisões dos produtores, consumidores e governo determinam como um sistema econômico responde a três perguntas econômicas básicas:

3

Escolhas da sociedade
• S mais recursos são Se i ã destinados à produção de um bem, então menos recursos ficam disponíveis para a produção de outro bem. b

Quais bens devem ser produzidos?

4

2

Escolhas da sociedade • Como organizar a produção e que métodos e técnicas devem ser usados? Como estes bens devem ser produzidos? 5 Escolhas da sociedade • Como devem ser distribuídos os bens produzidos entre os membros da sociedade? Quem consome os bens produzidos? 6 3 .

8 4 . reservas p gás: recursos de petróleo e de g renováveis e não renováveis. como terra. água.Fatores de produção Fatores de produção. depósitos minerais. produtivos são os recursos usados para produzir bens e serviços: Recursos naturais Trabalho Capital físico Capital humano Capacidade empresarial 7 Fatores de produção Recursos naturais: • São fatores de produção criados pela ação da natureza. ou insumos produtivos.

10 5 .Fatores de produção Trabalho. Trabalho • Esforço humano — físico e mental — usado para produzir bens e serviços serviços. 9 Fatores de produção Capital Físico: • Composto de bens capazes de • produzir ou auxiliar a produção de outros bens e serviços serviços.

Fatores de produção Capital humano: p • Consiste no conhecimento e nas habilidades adquiridas por um trabalhador por meio da educação e da experiência. 11 Fatores de produção Capacidade empresarial: • Esforço usado para coordenar a produção e a venda de bens e serviços. 12 6 . Os empresários assumem riscos e comprometem seu tempo e dinheiro em um negócio sem qualquer garantia de lucro.

A fronteira de possibilidade de produção (FPP) A FPP consiste numa ilustração gráfica dos problemas econômicos básicos relacionados com a habilidade de uma sociedade em produzir bens e serviços. recursos não estão sendo plenamente utilizados e/ou usados de maneira eficiente. 14 7 . 13 A fronteira de possibilidade de produção (FPP) • Quando a economia opera no ponto i os t i. A FPP mostra as possíveis combinações de bens e serviços disponíveis a uma economia quando os todos os recursos são eficientemente empregados.

16 8 .A fronteira de possibilidade de produção (FPP) • O ponto h é desejável porque d já l representaria mais de ambos os bens. 15 A fronteira de possibilidade de produção (FPP) • O ponto e é uma das possíveis combinações í i bi õ de bens produzidos quando todos os recursos são empregados de maneira eficiente. mas esta socieade não pode atingi-lo com os seus recursos disponíveis.

torna-se possível aumentar a produção em 150 mil computadores ou em 2 missões espaciais.A fronteira de possibilidade de produção (FPP) • Ao ponto e. 17 A fronteira de possibilidade de produção (FPP) • Para aumentar a produção de um bem sem reduzir a de outro.  A partir do ponto f.  Para aumentar o número de missões espaciais de uma unidade. 18 9 . os recursos são destinados à produção de 4 missões espaciais e 380 mil computadores. 80 mil id d il computadores terão de ser sacrificados. com o aumento da FPP. a FPP deve se deslocar para cima.

Para aumentar a produção de um bem. torna-se necessário sacrificar progressivamente mais do outro bem.A fronteira de possibilidade de produção (FPP) • Recursos produtivos não são perfeitamente adaptáveis. Usamos mapas. – A curva de FPP é côncava porque os recursos produtivos não são perfeitamente adaptáveis na produção de diferentes bens. Hipóteses simplificadoras não precisam ser necessariamente realistas. 20 10 . para ir do ponto A ao B. 19 A maneira econômica de pensar Economistas usam hipóteses simplificadoras para p p p eliminar detalhes irrelevantes e focar o que realmente interessa. sendo apenas uma abstração da realidade. As hipóteses constituem a base de um processo analítico. mesmo sabendo que o mapa não descreve acuradamente as vias públicas. por exemplo.

Para determinar o custo de oportunidade. 22 11 . • Uma variável é uma medida de algo que pode assumir diferentes valores. considera se oportunidade considera-se apenas a melhor das alternativas possíveis. 21 PRINCÍPIO do custo de oportunidade PRINCÍPIO do custo de oportunidade O custo de oportunidade de algo consiste no sacrifício de obtê-lo. Para estudar a relação entre duas variáveis assumevariáveis. assume se que as demais variáveis não se alteram. • O que se sacrifica é a segunda melhor escolha.A maneira econômica de pensar A hipótese ceteris paribus é usada para explorar a relação entre duas variáveis. • Ceteris paribus é uma expressão latina que significa “tudo o mais mantido constante”.

de um bem necessariamente reduzirá a produção dos demais bens. t 23 Custo de oportunidade e possibilidade de produção • A fronteira de possibilidade de produção ilustra o conceito do custo de oportunidade para a economia inteira. Para aumentar o número de missões espaciais por uma unidade. 80 mil computadores devem ser sacrificados. 24 12 .   Explica por que a curva de possibilidade de produção é negativamente inclinada. Os preços são uma medida do custo de oportunidade porque fornecem informação sobre o valor de um bem relativamente a outro. Fenômeno que indica que a produção de um bem está sujeita a um custo de oportunidade crescente.PRINCÍPIO do custo de oportunidade Como os recursos são escassos um aumento na produção escassos.

25 Benefício marginal e custo marginal Benefício marginal: benefício adicional resultante de um pequeno aumento numa atividade. porém. Se possível. Custo marginal: custo adicional resultante de um pequeno aumento numa atividade. reduza o nível de uma atividade se seu custo marginal exceder o benefício marginal. selecione o nível em que o benefício marginal q g da atividade se iguala ao seu custo marginal. atividade 26 13 .PRINCÍPIO marginal PRINCÍPIO marginal Aumente o nível de uma atividade se seu benefício marginal exceder o custo marginal.

27 PRINCÍPIO dos retornos decrescentes PRINCÍPIO dos retornos decrescentes Suponha que a produção de um bem seja realizada com 2 ou mais insumos e que somente a quantidade de um deles seja aumentada enquanto os outros permanecem fixos. p ç dos retornos decrescentes —. a produção aumentará a uma taxa decrescente. Além de certo ponto — chamado ponto .Usando o princípio marginal Considere este exemplo de como uma barbearia utiliza o princípio p p p marginal para decidir se fecha ou se permanece aberta. 28 14 .

PRINCÍPIO dos retornos decrescentes 29 PRINCÍPIO da externalidade PRINCÍPIO da externalidade • Os custos ou benefícios relativos à produção ou ao consumo de determinados bens não são restritos à pessoa ou à organização que os está produzindo ou consumindo. 30 15 .

32 16 . A externalidade também é chamada de spill-over. O total de bens produzidos ou consumidos no p p livre mercado pode não corresponder à quantidade socialmente ótima.PRINCÍPIO da externalidade Uma externalidade t lid d ocorre quando pessoas alheias a uma decisão são a e adas por afetadas po ela. 31 PRINCÍPIO da externalidade O princípio da externalidade sugere que os custos ou benefícios de algumas decisões podem ‘ter reflexos’ sobre terceiros. pessoas não envolvidas naquela tomada de decisão.

id 33 Benefícios de externalidade Exemplos de benefícios de externalidade: • uma contribuição para a televisão pública beneficia aqueles que não contribuíram. • pessoas com maior grau de escolaridade se tornam melhores trabalhadores e cidadãos. • uma nova descoberta científica que trata uma doença muito comum.Benefícios de externalidade Uma externalidade positiva ocorre quando a produção ou consumo de um bem gera benefícios que não são restritos ao produtor ou consumidor. o que beneficia as pessoas à sua volta. 34 17 .

Custos de externalidade Uma externalidade negativa ocorre q quando a produção ou consumo de p ç um bem gera custos que não são restritos ao produtor ou consumidor. nominal O valor nominal de uma quantia em dinheiro é simplesmente seu valor de face. e não o seu valor nominal. Por exemplo: • • • • poluição do ar poluição da água poluição sonora depleção da camada de ozônio 35 Princípio do valor real Princípio do valor real O que importa às pessoas é o valor real da moeda — seu poder de compra —. O valor real de uma quantia em dinheiro é medido em termos da quantidade dos bens que essa quantia pode comprar. 36 18 .

A microeconomia foca a análise das unidades econômicas individuais. i t t incluindo: • salários reais versus nominais • PIB real versus PIB nominal • taxa de juros real versus nominal • oferta de moeda real versus nominal 37 Microeconomia Microeconomia é o estudo das escolhas feitas por famílias.Princípio do valor real O princípio do valor real se aplica a uma grande variedade de medidas econômicas importantes. empresas e governo e de que f forma estas escolhas afetam os t lh f t mercados de bens e serviços. 38 19 .

padrões de produção e consumo e outras decisões das unidades econômicas individuais. avaliar o mérito de políticas públicas. importações. competição.Microeconomia A análise microeconômica pode ser usada p p para: entender como os mercados operam e prever mudanças. sindicatos. realizar decisões pessoais ou gerenciais. impostos. 39 Microeconomia A microeconomia fornece ferramentas para a análise do impacto de: • regulações ambientais. 40 20 .

taxas de câmbio. padrão de vida. inflação.Macroeconomia A macroeconomia é o estudo da economia de um país como um todo. orçamento do governo federal. consumo e padrões de poupanças. A análise macroeconômica pode ser usada para: • entender como uma economia nacional funciona. ô • melhorar a capacidade de tomada de decisões sobre negócios. 42 21 . taxas de juros. • entender os grandes debates sobre política econômica. 41 Macroeconomia A análise macroeconômica pode ser usada para entender questões econômicas corriqueiras como: • desemprego.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful