Você está na página 1de 20

WEB-SATELLITE

CENTRAL SATELLITE DE PRODUÇÃO CAPÍTULO 3

CUBO MÁGICO
Uma novela de
JOÃO PEDRO TUSSET
Direção
Ary Coslov e Marcelo Travesso

Direção Geral/Núcleo
Ricardo Waddington

Personagens deste capítulo:


ANDRÉ INÁCIO
ANTÔNIA LEANDRO
AUGUSTINHO LORENA
BRANCA MARIANA
CAMILA MAURÍCIO
CÁSSIO MIMI
DANIEL NICOLE
DÉBORA PÉRICLES
EDGAR RENATO
EVA RODRIGO
FERNANDA SOLANGE
HELENA STEPHANIE

Participações especiais:
GAROTÃO / PESSOAS DO VELÓRIO / MORADORES DA VILA

Atenção
“Este texto é de propriedade intelectual exclusiva da WEB-SATELLITE LTDA e por conter informações
confidenciais, não poderá ser copiado, cedido, vendido ou divulgado de qualquer forma e por qualquer meio, sem
o prévio e expresso consentimento da mesma. No caso de violação do sigilo, a parte infratora estará sujeita às
penalidades previstas em lei e/ou contrato.”
CUBO MÁGICO CAPÍTULO 3 PÁG.: 2

CENA 0/INTRODUÇÃO:

INSERIR LEGENDA: NO CAPÍTULO ANTERIOR DE CUBO MÁGICO... ESTA CENA


FUNCIONA COMO UM COMPACTO QUE INICIA OS CAPÍTULOS, CONTENDO A
ÚLTIMA CENA DO CAPÍTULO ANTERIOR, DANDO O CLIMAX PARA A
CONTINUAÇÃO DO ACONTECIMENTO.

EVA – (CHOROSA) Sim... (SE CONTROLA) O papai, ele...

DANIEL – (TEL./TENSO) O que houve com o papai? Você tá me


deixando preocupado Eva!

EVA – (COM A VOZ TREMENDO) Ele morreu, Daniel. O papai


morreu (CHORANDO) Mataram ele!

DANIEL – (SEM REAÇÃO) Morto?

DANIEL DEIXA O TELEFONE CAIR, PERPLEXO. FERNANDA PÕE A MÃO NO ROSTO,


TAMBÉM INCRÉDULA.

CORTA PARA:

CENA 1/APARTAMENTO DE DANIEL/QUARTO DO CASAL –


INT/NOITE:

DANIEL JOGA UMA MALA ENCIMA DA CAMA E COMEÇA A COLOCAR UM


MONTE DE ROUPAS DENTRO, MUITO NERVOSO. FERNANDA ESTÁ PARADA NA
PORTA, REVOLTADA.

FERNANDA – Não seja inconseqüente Daniel. Mesmo que a gente saia


agora daqui, nunca vamos chegar para o enterro!

DANIEL – (MUITO NERVOSO) É o meu pai Fernanda! Eu não posso


ficar aqui sabendo que... (SE SEGURA) aconteceu isso com
ele.

FERNANDA – Você tem que se acalmar, arrumar as coisas com calma.


CUBO MÁGICO CAPÍTULO 3 PÁG.: 3

DANIEL – (GRITA) Será que você não entende o que eu estou


sentindo Fernanda? O meu pai está morto! Eu não consigo
agir com calma, pensar com calma! Me respeita, me entende!

FERNANDA – (CALMA) Eu entendo. Deve estar sendo muito difícil pra


você.

DANIEL – (CHORANDO) Não importa quando eu chegue no Brasil!


Eu tenho que dar um último adeus pra ele.

FERNANDA – Tudo bem. (CHEGA PERTO DELE) Você tem razão.

DANIEL – (CHORANDO) Nós nunca tivemos uma boa relação, mas...


Ele faz parte de mim!

FERNANDA ABRAÇA DANIEL.

FERNANDA – (AFAGA) Sinto muito meu amor, muito!

DANIEL – (CHORA) Me ajuda Fernanda, me ajuda a fazer com que


isso seja mentira! Me ajuda, por favor...

DANIEL CHORA, AGARRADO EM FERNANDA, QUE NÃO SABE O QUE DIZER.

CORTA PARA:

CENA 2/CASA DE SOLANGE/COZINHA – INT/DIA:

SOLANGE, MIM, ANDRÉ, STEPHANIE E MAURÍCIO ESTÃO TOMANDO CAFÉ DA


MANHÃ. SOLANGE ESTÁ SÉRIA E APÁTICA, SEM DAR NENHUMA PALAVRA.
MIMI E MAURÍCIO SE OLHAM PREOCUPADOS.

MIMI – Mamãe, a Branca Castanho perguntou se o casaco que ela


pediu pra você costurar ficou pronto.

MAURÍCIO FAZ CARA FEIA PRA ELA. SOLANGE SE SEGURA PARA NÃO
CHORAR.

MIMI – (CONFUSA) Digo... hã... na verdade eu não digo nada


(SEM GRAÇA).
CUBO MÁGICO CAPÍTULO 3 PÁG.: 4

ANDRÉ – Nossa mamãe você tá com uma cara de peixe morto! Parece
que levou uma bolada na cara.

STEPHANIE – (RINDO) Parece mesmo!

SOLANGE – Eu não levei bolada nenhuma André, me deixa quieta no


meu canto.

ANDRÉ – Ih coroa, já vi que o clima hoje nessa casa vai ficar pesado.

STEPHANIE – Gente como eu queria ir no velório daquele velho rico que


morreu. Parece que vai ser na mansão. “Mó” legal não é
André?

ANDRÉ – Pô seria massa minha cor-de-jambo! Pena que a gente é


pobre, pobre não vai nesses lugares.

MIMI – Será que poderíamos falar de outra coisa. O tempo, por


exemplo, está lindo hoje. Aposto em ensolarado 37 graus.

ANDRÉ – (IGNORA) O velho Alberto empacotou e ninguém sabe


quem atirou. Deve ser algum inimigo, coisa de empresário
ladrão e safado.

STEPHANIE – Ou gente que quer ficar com o dinheiro sujo dele.

SOLANGE – (SE CONTROLA) Vocês não falem isso do Alberto. Não


sabem do que está falando! Ele não é e nunca foi nenhum
bandido!

ANDRÉ – Fica sussa mãe, aquele lá não vai roubar mais o dinheiro de
ninguém.

SOLANGE – (ALTO) Alberto nunca foi ladrão. Vocês devem respeitar


ele, quem ele foi e o que fez pra sociedade!

ANDRÉ – Tá nervosa e defendendo ele por que?

MAURÍCIO – Chega André! A mamãe tá mal, você sabe muito bem por
que e tá fazendo isso pra provocar! Será que dá pra sair?
CUBO MÁGICO CAPÍTULO 3 PÁG.: 5

ANDRÉ – Eita Maurício! Eu vou, não precisa gritar. Vem Teffy.

ANDRÉ PEGA STEPHANIE E OS DOIS SAEM DA CASA. MAURÍCIO PASSA A MÃO


EM SOLANGE, QUE COMEÇA A CHORAR.

MAURÍCIO – Vai passar mãe, você vai ver.

SOLANGE – (CHORANDO) Não Maurício. Nunca vai passar. Um amor


de uma vida nunca passa.

CORTA PARA:

CENA 3/CASA DE SOLANGE/FRENTE – EXT/DIA:

ANDRÉ E STEPHANIE SAEM DO PORTÃO DA CASA E SOBEM NUMA MOTO


PARADA NO MEIO FIO. ANDRÉ ACELERA E DOIS SAEM, MUITO RÁPIDO E
FAZENDO BARULHO. EM SEGUNDO PLANO, LORENA OBSERVA TUDO DA
JANELA DE SUA CASA.

CORTA PARA:

CENA 4/CASA DE LORENA/SALA – INT/DIA:

LORENA SAI DA BEIRA DA JANELA REVOLTADA. MARIANA ORGANIZA O SOFÁ


DA SIMPLES SALA DA CASA, QUE É PEQUENA.

LORENA – O André ainda vai se matar com essa namorada andando


desse jeito.

MARIANA – Impressionante mamãe, ele faz de tudo pra envergonhar a


Solange e infernizar o pessoal aqui da vila.

LORENA – Nós não podemos é nos meter! Depois vão falar da gente
ainda.

MARIANA – É melhor, vamos ficar quietinhas mesmo.

LORENA – (SENTA NO SOFÁ) Ai filha, fiquei tão impressionada com


o que fizeram com o Alberto.
CUBO MÁGICO CAPÍTULO 3 PÁG.: 6

MARIANA – Eu também fiquei mamãe! Jamais podia imaginar que


fossem... matar ele justo na festa que a gente foi contratada
pra trabalhar!

LORENA – Que tragédia. (PENSA) Mas o clima lá tava estranho, você


deve ter percebido.

MARIANA – Claro que eu percebi, uma energia negativa, sei lá.

LORENA – Eu sou muito sensitiva, vi logo que alguma coisa de ruim ia


acontecer. Mas não podia imaginar que fosse isso!

MARIANA – O bom é que pagaram pelo nosso trabalho de garçonetes né.


Só faltava a gente se matar de trabalhar e não receber nada.

LORENA – Deus seja louvado. Independente de qualquer coisa, esse


dinheiro veio numa boa hora. Estamos com muitas contas
atrasadas.

MARIANA – Sim. (MUDA) Será que o Augustinho tá pronto pra escola


hein? A van daqui a pouco passa aqui.

LORENA – Esse menino se enrola demais Mariana!

AUGUSTINHO VEM CHEGANDO, TODO MULAMBENTO E CARREGANDO A


MOCHILA.

AUGUSTINHO – Já to aqui mãe.

MARIANA – Vai indo lá pra calçada esperar a sua van. Tu sabe que eles
não esperam você.

AUGUSTINHO – (DESANIMADO) Que saco ir pra escola!

MARIANA – Augusto! Respeito hein!

AUGUSTINHO – Tá bom mãe.

AUGUSTINHO SAI DE CASA. MARIANA OLHA PRA LORENA SEM PACIÊNCIA.

MARIANA – (LEVANTA) E eu tenho aquela faxina pra fazer na Tijuca.


Vou pegar minhas coisas.
CUBO MÁGICO CAPÍTULO 3 PÁG.: 7

LORENA – (PULA) Já ia me esquecendo que eu tenho que lavar a


roupa!

AS DUAS VÃO, MAS DE REPENTE OUVEM–SE GRITOS, ALGUÉM GRITANDO O


NOME DE MARIANA DESESPERADAMENTE. LORENA E MARIANA SE OLHAM.

LEANDRO – (EM OFF/GRITANDO) Mariana! Mariana! Mariana


aparece aqui sua cachorra!

MARIANA – Mas que merda é essa?

LORENA – Você ainda pergunta?

CORTA PARA:

CENA 5/CASA DE LORENA/FRENTE – EXT/DIA:

AUGUSTINHO ESTÁ PÁRADO NO PORTÃO, COM MEDO, ENQUANTO LEANDRO


GRITA BÊBADO, COM UMA GARRAFA DE UISQUE NA MÃO. MARIANA E
LORENA SAEM DE CASA PRA VER A CONFUSÃO.

LEANDRO – (GRITA) Mariana o que você pensa que tá fazendo!

MARIANA – Leandro sai da frente da minha casa! Olha o escândalo que


tu tá fazendo homem!

LEANDRO – (GRITA) Essa casa ai é minha, sempre foi minha!

LORENA – Não, essa casa é minha seu cafajeste!

LEANDRO – (GRITA) Velha! Velha bruxa! Você que envenenou a


Mariana contra mim, fez ela se separar! Mariana, volta pra
mim, eu te amo!

MARIANA – Nunca, eu nunca voltaria pra você, sue nojento. Para se me


perseguir, larga da minha vida!

LEANDRO – Nunca Mariana. Você é o grande amor da minha vida e eu


te quero, quero você pra mim!

LORENA – Se você não sair daqui eu vou chamar a polícia!


CUBO MÁGICO CAPÍTULO 3 PÁG.: 8

LEANDRO – Chama, velha fofoqueira! Pode chamar, eu não tenho medo


de polícia nenhuma.

MARIANA – Você tem que entender que o nosso relacionamento já


acabou Leandro, muda de vida, parte pra outra.

LEANDRO – (BEBE MAIS) Nenhuma mulher vai ocupar seu lugar


Mariana!

LORENA – (PEGA O CELULAR) Ele vai ver o que eu vou fazer.

MARIANA – Não mamãe, não faz isso. Deixa a polícia de fora!

LORENA – Mariana, esse homem tá infernizando sua vida desde a


separação! Você precisa fazer alguma coisa.

MARIANA – O Augusto não iria querer ver o pai dele sendo preso,
vamos deixar ele ir embora.

LEANDRO – (GRITANDO) Mariana, eu te amo!

UM POUCO LONGE DALI, INÁCIO E ANTÔNIA DESCEM DO CARRO NA FRENTE


DE SUA CASA E OBSERVAM A CONFUSÃO. MARIANA VÊ QUE ELES ESTÃO
OLHANDO E PUXA LORENA.

MARIANA – Vamos mamãe.

MARIANA, LORENA E AUGUSTINHO ENTRAM NA CASA. LEANDRO FICA


GRITANDO PRA ELA, MAIS BÊBADO.

CORTA PARA:

CENA 6/RIO DE JANEIRO/RUAS – EXT/DIA:

SONOPLASTIA: CORPITCHO – MARIA RITA. MOSTRAR A MOVIMENTAÇÃO DAS


RUAS DA CIDADE. FOCAR NO CARRÃO DE NICOLE, ANDANDO PELA RUA.
NICOLE ELEGANTE, DE PRETO, OUVINDO A MÚSICA DA SONOPLASTIA NO
RÁDIO E DANDO UMAS DANÇADINHAS. NICOLE PÁRA O CARRO NO
SEMÁFORO, E OLHA NO RELÓGIO IMPACIENTE. DE REPENTE, UM GAROTÃO DE
CUBO MÁGICO CAPÍTULO 3 PÁG.: 9

SUNGA PASSA POR ELA. NICOLE ABRE A BOCA CHOCADA E TIRA OS ÓCULOS,
OLHA PRA TRÁS E FAZ CARA DE DESEJO.

NICOLE – Eu to dizendo que isso sim que é o melhor da vida!


(GARGALHADA) Delícia!

O SEMÁFORO ABRE E NICOLE, ATRAPALHADA, DÁ A PARTIDA.

CORTA PARA:

CENA 7/CASA DE INÁCIO/SALA – INT/DIA:

INÁCIO ABRE A PORTA DA CASA E DÁ DE CARA COM MARIANA, COM UMA


CESTA DE BOLINHOS. ELA SORRI.

MARIANA – Bom dia!

INÁCIO – Bom dia...

MARIANA – Eu sou a Mariana, moro logo ali na rua. Você deve ser o
novo vizinho.

INÁCIO – Sim, exatamente. Inácio.

MARIANA – Eu trouxe esses bolinhos para que vocês se sintam bem


recebidos. A vila é um lugar ótimo pra se viver.

INÁCIO – (PEGA A CESTA) Mas que gentileza sua Mariana! Fico


muito agradecido.

MARIANA – E tem mais uma coisa. Vocês viram antes ali uma discussão
que aconteceu...

INÁCIO – Não se preocupe Mariana! Pra ser sincero, eu não devo ter
ouvido nada.

MARIANA SORRI. ANTÔNIA SURGE POR TRÁS DO MARIDO E TAMBÉM SE JUNTA


NA PORTA.

ANTÔNIA – Veja só... (OLHA MARIANA DOS PÉS A CABEÇA)


CUBO MÁGICO CAPÍTULO 3 PÁG.: 10

INÁCIO – Antônia essa é a Mariana, vizinha ali da frente. Ela trouxe


bolinhos!

ANTÔNIA – Bolinhos... Nossa isso foi muito gentil.

MARIANA – Foi pra que vocês se sintam bem recebidos aqui na vila.

ANTÔNIA – É, vai ser difícil morar nesse lugarzinho. Não deve


acontecer nada de interessante aqui, mas a gente se vira!

INÁCIO – (ENVERGONHADO) Antônia...

MARIANA – Ela tem razão. Mas as vezes a gente joga cartas, se você
quiser.

ANTÔNIA – (PENSA) Ah claro! Agora eu estou te reconhecendo! Você


é a moça que tava fazendo barraco ali na frente antes.

MARIANA – Sim, me desculpe pelo desconforto.

ANTÔNIA – Que nada, pode brigar bastante, eu adoro um barraco!

ANTÔNIA SORRI E SAI. INÁCIO TAMBÉM SORRI E FECHA A PORTA. MARIANA


VAI SAINDO DO JARDIM DA CASA.

ANTÔNIA – (EM OFF) Você tava dando encima dela, eu vi Inácio!

INÁCIO – (EM OFF) Que encima o que, ela só veio trazer bolinhos,
foi gentil conosco!

ANTÔNIA – (EM OFF) Sabe o que eu faço com essas coisas nojentas?
Enfio no...

MARIANA COLOCA A MÃO NA BOCA E SAI CORRENDO.

CORTA PARA:

CENA 8/MANSÃO DOS CASTANHO – EXT/DIA:

FACHADA DA MANSÃO. VÁRIOS CARROS PARADOS ALI, AS PESSOAS


ENTRANDO PRO VELÓRIO DE ALBERTO.

CORTA PARA:
CUBO MÁGICO CAPÍTULO 3 PÁG.: 11

CENA 9/MANSÃO DOS CASTANHO –INT/DIA:

O CAIXÃO COM O CORPO DE ALBERTO ESTÁ NO MEIO DA SALA, FECHADO,


COM UMA FOTO DE ALBERTO SORRINDO NA PONTA. VÁRIAS PESSOAS ESTÃO
ALI, COMOVIDAS COM A SITUAÇÃO. HELENA, EVA, CAMILA E OUTROS
PARENTES ESTÃO PERTO DO CAIXÃO, CHORANDO E DESOLADOS. CLOSE EM
HELENA, FINGIDA.

HELENA – (FINGE CHORO) Por que Alberto, por que foi acontecer
isso com você! Eu não acredito!

EVA – (EMOCIONADA) Nós vamos te levar pra sempre papai.

CAMILA – Eu só queria olhar pra ele. (CHORA) Pegar nele, mesmo


que seja pela última vez.

HELENA – (FUNGA) Alberto vai ser enterrado como sempre viveu,


feliz. Não quero ninguém observando o corpo dele e falando
como se tivesse pena. A última imagem que terão dele
(OLHA PRA FOTO GIGANTE NA PONTA DO CAIXÃO)
É de felicidade.

CAMILA – (CHORA) Ele vai fazer muita falta.

HELENA SE ABRAÇA EM EVA E CAMILA.

HELENA – Nós vamos nos unir minhas filhas, dar a volta por cima, eu
tenho certeza. Seu pai vai zelar por nós onde quer que esteja!

AS TRÊS CHORAM. DÉBORA TAMBÉM SE EMOCIONA COM A CENA,


ACALENTADA POR PÉRICLES. RENATO OBSERVA TUDO COM INVEJA, BRANCA
OBSERVA SÉRIA.

CORTA PARA:

CENA 10/CASA DE SOLANGE/QUARTO DE SOLANGE – INT/DIA:

SOLANGE ARRUMA ALGUMAS ROUPAS NO SEU ARMÁRIO. NICOLE ABRE A


PORTA E VAI ENTRANDO, INDO ATÉ A AMIGA.
CUBO MÁGICO CAPÍTULO 3 PÁG.: 12

NICOLE – Solange, minha amiga!

SOLANGE – (ABRAÇA) Nicole... Me ajuda Nicole!

NICOLE – (AFAGA) Calma, tudo vai ficar bem, eu estou aqui.

SOLANGE – (COMEÇA A CHORAR) Você sabe o quanto eu amava ele


Nicole, não podiam ter feito isso.

NICOLE – (SE AFASTA) Eu sei Solange. Foi uma tragédia terrível,


um choque pra todo mundo.

SOLANGE – Foi ela amiga, foi a Helena! Aquela mulher é que matou o
Alberto.

NICOLE – A polícia está investigando, ninguém sabe direito quem fez,


por que fez...

SOLANGE – A Helena é a assassina! Ela nunca amou o Alberto, esteve


com ele por dinheiro, matou ele por ambição!

NICOLE – Não fale assim Solange.

SOLANGE – Mas é verdade. Era pra nós sermos felizes, eu e Alberto


estávamos apaixonados! Mas ela foi lá e tirou ele de mim, por
que viu que ele estava se dando bem na vida. O que
aconteceu? Solange ficou a ver navios. (TEMPO) A Helena é
capaz de tudo por dinheiro!

NICOLE – Eu sei, eu sei que ela não vale nada. Mas não mataria o
Alberto, ela não teria coragem pra fazer isso.

SOLANGE – Teria, teria muita coragem sim.

NICOLE – Bom... eu cortei o caminho do enterro dele pra vir aqui te


ver.

SOLANGE – Ah você vai?

NICOLE – Não tenho como não ir, Alberto me ajudou muito depois da
morte do meu marido.
CUBO MÁGICO CAPÍTULO 3 PÁG.: 13

SOLANGE – Você ta certa, tem que ir mesmo.

NICOLE – E eu vim te convidar pra vir junto comigo no enterro lá na


mansão.

SOLANGE – Eu? Ir lá? Não Nicole, eu não posso... Você ficou maluca.

NICOLE – Solange, eu sei que você quer dar o último adeus pra ele,
vamos comigo, eu vou estar do seu lado.

SOLANGE – Mais a Helena, ela não vai permitir minha entrada lá.

NICOLE – Duvido que ela arme algum escândalo no velório do marido


dela, tem fotógrafos lá também. (SORRI) Vamos?

SOLANGE – (COM MEDO) Eu não sei...

CLOSE EM SOLANGE.

CORTA PARA:

CENA 11/CASA DE SOLANGE/SALA – INT/DIA:

NICOLE E SOLANGE ESTÃO PASSANDO PELA SALA PRA SAIR DE CASA QUANDO
ANDRÉ ENTRA DE REPENTE, APRESSADO.

SOLANGE – Meu filho, que pressa toda é essa? Você não tinha saído?

ANDRÉ – Esqueci uns “bagulhos” aqui mãe, no meu quarto, a Teffy tá


me esperando lá fora.

NICOLE – Esse é o seu filho André, Solange? Nossa, faz anos que eu
não o vejo. (ESPANTADA) Cresceu!

SOLANGE – Sim, é ele. Cumprimenta a Nicole meu filho, lembra–se


dela? Grande amiga minha de infância.

ANDRÉ – Beleza dona Nicole? Prazer...

NICOLE – (INTERESSADA) Prazer é todo meu.

NICOLE OBSERVA ANDRÉ COM DESEJO.

CORTA PARA:
CUBO MÁGICO CAPÍTULO 3 PÁG.: 14

CENA 12/MANSÃO DOS CASTANHO/SALA – INT/DIA:

CONTINUA VELÓRIO DE ALBERTO, AS PESSOAS POR ALI, SENDO SERVIDAS DE


ÁGUA E CHÁS. HELENA CONTINUA NA FRENTE DO CAIXÃO, JUNTO DE EVA.
CAMILA ESTÁ ABRAÇADA EM EDGAR. CORTA PRA PORTA, CÁSSIO ENTRA NA
MANSÃO, INDO DEVAGAR ATÉ PERTO DO CAIXÃO. ALGUMAS PESSOAS SE
OLHAM E COMENTAM. CÁSSIO CUMPRIMENTA ALGUNS QUE ESTÃO ALI E FICA
OBSERVANDO O CAIXÃO. RENATO FALA COM BRANCA.

RENATO – Mas o que esse Cássio Moretti está fazendo aqui?

BRANCA – Não sei, mas que a presença dele faz mal, ah ela faz! Ele
tem cara de bandido.

RENATO – Aquela revistinha que ele comanda sempre faz matérias


difamando a empresa, isso é ruim. Alguém devia expulsá–lo.

BRANCA – Por favor, não vá fazer nada Renato, isso é um velório!

RENATO – E quem é você pra me mandar fazer alguma coisa? Sai


daqui Branca, vai rezar três Ave Maria no banheiro.

BRANCA RESPIRA E SAI. RENATO FICA OBSERVANDO CÁSSIO. RODRIGO, FILHO


DE CÁSSIO, VAI SE APROXIMANDO DE CAMILA E EDGAR, ACANHADO.

RODRIGO – Oi Camila... Meus pêsames pelo seu pai.

CAMILA – (LIMPA AS LÁGRIMAS) Obrigada Rodrigo.

RODRIGO – Foi um choque até pra mim, eu sinto muito. Conta comigo
pelo que precisar viu?

EDGAR – (GROSSO) Ela já ouviu rapaz, agora circula que ela tá


abalada.

RODRIGO – Tudo bem...

RODRIGO SAI DE PERTO E SE JUNTA À CÁSSIO. HELENA SE VIRA PARA EVA.

HELENA – Eu vou tomar um pouco de ar filha, fica bem aqui.


CUBO MÁGICO CAPÍTULO 3 PÁG.: 15

EVA – Pode ir mamãe, aproveita pra comer alguma coisa, a


senhora está pálida.

HELENA CONCORDA E VAI SAINDO. ELA PASSA POR RENATO, FAZ UMA CARA
E ELE A SEGUE PRA FORA DA MANSÃO.

CORTA PARA:

CENA 13/MANSÃO DOS CASTANHO/JARDIM – EXT/DIA:

RENATO E HELENA ESTÃO EM LUGAR MAIS AFASTADO DA MANSÃO, LÁ FORA


NO JARDIM. ELES CONVERSAM.

HELENA – Agora é esperar pra abertura desse maldito testamento meu


filho.

RENATO – Será minha mãe? Eu me preocupo em pensar que o Alberto


possa ter pregado uma peça em todos nós.

HELENA – Não, eu sabia todos os passos do seu pai, com certeza


metade daquilo vai pra mim, outra pros filhos.

RENATO – Então quer dizer que a senhora será a chefona do Cubo


Mágico?

HELENA – E você ainda tem duvida? (RI) Quando eu pisar na


presidência, não vai ter quem me segure.

RENATO – Eu vou estar do seu lado, como sempre estou, pronto pra te
ajudar a humilhar toda essa gente interesseira!

HELENA – Claro, esqueceu que somos eu e você nessa? A sua hora


chegou meu filho, a nossa hora! Chega de anos sendo
humilhado, agora é a sua vez.

RENATO – (IRONIZANDO) Seu sofrimento na beira do caixão foi


muito tocante dona Helena. Até eu cheguei a me emocionar.

HELENA – Eu sempre era a melhor atriz dos teatros da minha antiga


escola. E cá entre nós, um bom colírio ajuda e muito.
CUBO MÁGICO CAPÍTULO 3 PÁG.: 16

RENATO – Só tem um problema mamãe, na verdade dois problemas.

HELENA – Que problemas?

RENATO – E o Daniel? Ele pode voltar e querer exigir alguma coisa,


até mesmo acabar com os nossos planos.

HELENA – Você ainda acha que ele volta? Daniel não tá nem ligando
pra morte do pai, quer mais é aproveitar a vida com aquela
mulher micheteira que ele arrumou.

RENATO – Falando nisso, o segundo problema está no Cássio Moretti.


Ele está lá dentro, observando tudo.

HELENA – Isso sim é perigoso, ele pode influenciar a filha dele a fazer
com que o Daniel volte pro Brasil. Além de acabar com a
reputação do nosso império após a morte do Alberto. Mas
fazer o que, expulsar eu não posso. Vai ser um escândalo
maior.

RENATO – O jeito é ficar de olho.

HELENA – Agora vamos voltar pra lá meu filho, tenho que chorar mais
um pouco.

RENATO DÁ UMA RISADA E OS DOIS VÃO CAMINHANDO DE VOLTA.

CORTA PARA:

CENA 14/MANSÃO DOS CASTANHO/SALA – INT/DIA:

BRANCA ESTÁ CAMINHANDO PROCURANDO ALGUMA COISA QUANDO DÁ DE


CARA COM DÉBORA, QUE PARTE PRA CIMA DELA.

DÉBORA – (SORRINDO) Boa tarde Branca, minha linda!

BRANCA OLHA ESTRANHANDO. DÉBORA PERCEBE ONDE ESTÁ E TIRA O


SORRISO DA CARA.

DÉBORA – (SÉRIA) Que tragédia terrível! Estou abaladíssima.

BRANCA – (PONDERADA) Sim.


CUBO MÁGICO CAPÍTULO 3 PÁG.: 17

DÉBORA – Olha Branca, pode contar comigo pra tudo viu? Qualquer
coisa mesmo, eu vou te apoiar como uma irmã.

BRANCA – Que gentileza Débora, obrigada.

DÉBORA – Você viu a Nicole? Andei por aí e não vi ela ainda.

BRANCA – Não... não sei onde está Nicole. Talvez ela venha para o
enterro.

DÉBORA – Entendo. É que a minha filha Elisa fala muito do filho dela,
o Vitor Hugo. Sinto uma “vibe” boa entre eles.

BRANCA – Isso você conversa com ela, não comigo.

DÉBORA – Tem razão, olha eu te ocupando com os meus problemas.


Me desculpe.

BRANCA – Não tem problema.

DÉBORA – Olha que engraçado, nossos maridos são grandes amigos.


Péricles fala demais do Renato, um grande empresário.

BRANCA – Digamos que ao dois sejam bons sócios, Renato gosta do


Péricles.

DÉBORA – Ah gosta? (ORGULHOSA) Os dois tem cara de que


nasceram amigos de infância. Sabe aqueles que jogavam bola
juntos?

BRANCA – (TENTA SAIR) Débora, eu vou atrás do Renato tudo bem?


Qualquer dia a gente se encontra e conversa melhor.

DÉBORA – Eu apareço na sua casa, a gente toma um chá, vai ser ótimo.
Chá inglês das cinco da tarde! Chiquérrimo.

BRANCA BALANÇA A CABEÇA E SAI. DÉBORA DESANIMA.

DÉBORA – Frígida! Por isso que o marido vive te ignorando!

PÉRICLES – (APARECE) Não foi dessa vez Débora...


CUBO MÁGICO CAPÍTULO 3 PÁG.: 18

DÉBORA – Ainda meu amor, ainda! Essa Branca é idiota, logo eu viro
amiga ela. Imagina o patamar que isso deve ser? Só Débora
Couto e Braga pra conseguir isso!

CORTA PARA:

CENA 15/AVIÃO – INT/NOITE:

SONOPLASTIA: AMOR MEU GRANDE AMOR – FREJAT. DANIEL ESTÁ DORMINDO


PROFUNDAMENTE NO SEU BANCO. FERNANDA ESTÁ ENCOSTADA SOBRE ELE,
OBSERVANDO O CÉU PELA JANELA. ELA OLHA PARA DANIEL E ALISA O ROSTO
DELE.

FERNANDA – Meu amor, grande amor da minha vida. Você é tudo pra
mim, não sei o que seria de mim sem você.

DANIEL – (DESPERTANDO ZONZO) O que foi Fernanda?

FERNANDA – (ALISA) Não... dorme... Só estava dizendo o quanto te


amo.

DANIEL – (ABRAÇA ELA) Eu também te amo Fernanda.


Pertencemos um ao outro pra sempre.

FERNANDA SORRI. DANIEL ADORMECE NOVAMENTE.

CORTA PARA:

CENA 16/MANSÃO DOS CASTANHO – EXT/DIA:

NICOLE E SOLANGE ESTÃO SAINDO DO CARRO, PRONTAS PRA ENTRAR NA


MANSÃO. SOLANGE ESTÁ NERVOSA.

SOLANGE – Nicole... eu acho que devíamos ir embora! Eu não devo


fazer isso. Vai criar um clima ruim aí dentro.

NICOLE – Negativo Solange, nós chegamos até aqui e vamos entrar.


Ninguém pode te tirar o direito de se despedir do Alberto,
nem que seja como amiga.

SOLANGE – (MÃO NO PEITO) Coragem Solange, coragem.


CUBO MÁGICO CAPÍTULO 3 PÁG.: 19

CORTA PARA:

CENA 17/APARTAMENTO FULEIRO/QUARTO – INT/DIA:

APARTAMENTO VAGABUNDO QUALQUER DA CIDADE, TODO SUJO E


BAGUNÇADO. PALOMA ESTÁ SE PENTEANDO NA FRENTE DO ESPELHO
QUANDO SEU CELULAR COMEÇA A TOCAR. ELA ATENDE.

PALOMA – (CELULAR) Pode falar...

MISTERIOSO – (VOZ ROBÓTICA) Lia! Meu diabinho chamado Lia. Que


bom falar com você.

PALOMA – (RINDO) O prazer de falar com você é todo meu.


(RESPIRA) Em breve Lia! Meus documentos falsos saem
hoje.

MISTERIOSO – Ótimo, vamos continuar com o que a gente combinou. Está


dando tudo certo. Aquele velho palhaço já empacotou, falta a
família medíocre dele.

PALOMA – Pelo que depender de mim, vai dar tudo certo.

MISTERIOSO – É pra isso que eu te pago uma fortuna!

PALOMA COMEÇA A RIR, ACHANDO A SITUAÇÃO ENGRAÇADA. CLOSE EM


PALOMA.

CORTA PARA:

CENA 18/MANSÃO DOS CASTANHO/SALA – INT/DIA:

HELENA, CAMILA, EVA, EDGAR, RENATO, BRANCA, TODOS EM VOLTA DO


CAIXÃO. HELENA AINDA CHORANDO, COM UMA CARA MUITO DEPRIMIDA.
NICOLE E SOLANGE ENTRAM NA SALA, ATRAINDO OS OLHARES. CÁSSIO SE
ALERTA E FAZ SINAL PARA RODRIGO. AS DUAS VÃO INDO E SE PARAM NA
FRENTE DO CAIXÃO, DANDO DE CARA COM A FAMÍLIA. SOLANGE RESPIRA
FUNDO, CONTROLANDO O CHORO. HELENA ERGUE OS OLHOS E LEVA UM
CUBO MÁGICO CAPÍTULO 3 PÁG.: 20

BAQUE AO VER SOLANGE ALI. CLOSE EM HELENA. CLOSE EM SOLANGE. AS


DUAS SE ENCARAM.

SOLANGE – (OFEGANTE) Meu Deus, Alberto...

HELENA – (ALTO) Mas o que essa vagabunda pistoleira está fazendo


dentro da minha casa?

SOLANGE LEVA UM SUSTO, HELENA SE APROXIMA DELA, ENCARANDO. CLIMA


DE TENSÃO. A IMAGEM CONGELA E FORMA AS FACES DE UM CUBO MÁGICO.
UMA MÃO “PEGA” O CUBO DA TELA E COMEÇA A ORGANIZAR OS LADOS.

CORTA.

(FINAL DO CAPÍTULO)

Os créditos sobem ao som de “As Máscaras – Claudia Leitte”.

Interesses relacionados