P. 1
FORMAÇÃO DE PREÇOS MENSALIDADES ESCOLARES

FORMAÇÃO DE PREÇOS MENSALIDADES ESCOLARES

|Views: 929|Likes:
Publicado porBruno Souza

More info:

Published by: Bruno Souza on Apr 25, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/18/2013

pdf

text

original

Ano: 1999

MENSALIDADES ESCOLARES
I - ASPECTOS GERAIS
Na formação dos preços das mensalidades escolares, diversos aspectos devem ser levados em consideração, seguidos e pesados, para a tomada da correta decisão. •

FORMAÇÃO DE PREÇOS

OS OBJETIVOS DA INSTITUIÇÃO - Os objetivos institucionais (carisma) constituem, via de regra, o primeiro e mais importante fator na estruturação do preço a ser cobrado dos alunos, quando não determinam o perfil do mesmo. A conseqüência natural é a adoção de diferentes procedimentos com relação aos preços, para o atendimento dos objetivos estabelecidos. A AÇÃO GOVERNAMENTAL - A presença da ação do Governo se faz sentir intensamente nas escolas, já que determina o tipo de planilha que devo usar, remete para a negociação dos preços com as famílias, determina custos até então inexistentes (encargos para a seguridade social), limita isenções, enfim, engessa a iniciativa da administração em muitos casos. A formulação do preço das mensalidades está de certa forma anulada para uma parcela significativa de situações, restando ao administrador escolar uma atuação e gerenciamento eficaz nos custos incorridos e estratégias de ação. A DEMANDA POR SERVIÇOS – Muito se tem discutido nas escolas se a evasão se dá pelo elevado custo das mensalidades, pela baixa qualidade dos serviços prestados, pela má administração, ou por quaisquer outros motivos. Deve-se tentar determinar a razão pela qual nossa escola foi escolhida, estabelecer e trabalhar esses pontos fortes. Determinar também por qual razão muitos alunos saíram, e trabalhar esses pontos fracos na nossa instituição, buscando uma demanda compatível com os investimentos e planejamento efetuado. Esse estudo deve incluir também horário das aulas (turno diurno/noturno, e cursos profissionais oferecidos x solicitados/procurados. A CONCORRÊNCIA – Dependendo da nossa situação como escola perante a concorrência,
devemos definir o tipo de nossa escola (pontos fortes) e estabelecer também o perfil da concorrência. Em função disso, poderemos estabelecer nosso preço (se a demanda é forte não precisamos seguir a concorrência, do contrário, a concorrência pode determinar o limite de preço que podemos cobrar). A concorrência deve determinar também a qualidade e diversidade dos serviços que oferecemos aos alunos, reforçando sempre os nossos pontos fortes e minimizando nossos pontos fracos. Devemos estar atentos, também, à oferta de vagas por parte do Estado e procurar sempre nos antecipar ao futuro. Se o Estado passar a oferecer mais vagas do que a demanda, certamente nossa escola somente terá alunos por opção da família (onde muitas vezes o preço está em segundo plano). Será que é sempre assim?

II – PLANILHA DE CUSTOS
Já é do pleno conhecimento dos dirigentes de escolas, o modo legal pelo qual se calcula o valor da anuidade escolar. Reeditada já pela 65ª vez, a Medida Provisória das Mensalidades Escolares (MP 1890-65 de 26/08/1999).

1

Formação de Preços nas Escolas

4 2. 4. 25% com custeio e 10% para lucro (com base na receita).3 2.3 1. para avaliar necessidade de nova negociação. Isso. pelas instituições isentas. que deveriam ser calculadas mensalmente para o acompanhamento dos valores negociados. 1. na prática. 2. em abril. a fim de verificar possível defasagem. quando for o caso. vejamos o anexo II da referida MP: Componentes dos Custos (despesas) 1.2 COFINS 8.Ora. Existem outros tipos de planilhas.4 2. Sabe-se que a distribuição dos custos.6 2. segundo estudos. 6.2 1. TOTAL GERAL Número de Alunos Pagantes (3+6+7) Número de Alunos Não Pagantes Valor da última mensalidade do ano-base Valor da mensalidade após o reajuste proposto R$ R$ em ____/____/____ Esta é a forma legal de se calcular a mensalidade. 5.1 2. 1/3 com custeio e mais a taxa de reinvestimento (lucro). 2 Formação de Preços nas Escolas .2 2.1 1. significaria uma despesa de 65% com pessoal. e deve ser seguida e é a planilha a ser enviada ao INSS. PESSOAL Pessoal Docente Encargos Sociais Pessoal Técnico e Administrativo Encargos Sociais DESPESAS GERAIS E ADMINISTRATIVAS Despesas com Material Conservação e Manutenção Serviços de Terceiros Serviços Públicos Imposto Sobre Serviços (ISS) Outras Despesas Tributárias Aluguéis Depreciação Outras Despesas SUBTOTAL ( 1 + 2 ) PRÓ-LABORE VALOR LOCATIVO SUBTOTAL ( 4 + 5 ) Ano-Base R$ Ano planejado R$ 7.1 PIS/PASEP 7. CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS 7. deveria obedecer uma proporção ideal: 2/3 com salários e encargos. mais simples ainda.5 2.7 2.9 3.8 2.

tanto que não merece mais que uma pequena olhadela. por óbvio deveremos concentrar nossos esforços de administração e criatividade nesse segmento. Como na fixação do preço temos que negociar com os pais e seguir legislação vigente. não temos totalmente definido o nosso produto/serviço. chegando até a 90/95% em alguns casos).2. deveríamos adotar algumas regras das companhias aéreas e empresas de transporte coletivo: O produto é o bilhete de passagem individual ou o produto é o vôo/viagem? Os custos devem ser calculados por passageiro ou por vôo/viagem? Na escola. Os custos variáveis seriam representados por materiais gastos em função da quantidade de alunos.2 1.1 1. PESSOAL (65%) SALÁRIOS Pessoal Docente Pessoal Técnico e Administrativo ENCARGOS SOCIAIS E TRABALHISTAS Pessoal Docente Pessoal Técnico e Administrativo CUSTEIO (25%) TAXA DE REINVESTIMENTO (10%) Ano-Base R$ Ano planejado R$ 4. via de regra.2.CUSTOS EFETIVOS Se sabemos que 65% dos nossos gastos são com pessoal (normalmente essa proporção é bem mais significativa. o que. Isso porque. Toda a literatura existente sobre custos é praticamente dirigida ao segmento industrial. o total de horas/homem gastas com o produto.2 2. nos resta envidar os esforços com os aspectos por nós controláveis: CUSTOS COM PESSOAL. 5. Em uma escola. valor agregado a cada novo produto a partir de uma matriz.1. 1.2 1. 3. já que se conhecem os preços dos insumos. onde há. Valor da mensalidade ( 4/5) III .1. TOTAL DOS CUSTOS Número de Alunos Pagantes (1+2+3) 6. e como deve ser minha matriz de cálculo. convenhamos.A Planilha poderia ser mais ou menos assim: Componentes dos Custos (despesas) 1. de formas a se estabelecer o preço de venda para cada produto. é muito difícil de definir quais são os custos fixos e os custos variáveis incidentes. Fica relativamente simples e fácil (talvez trabalhoso) o cálculo do custo de produção e/ou venda. os impostos incidentes na venda e assim por diante. prioritariamente.1 1. o produto é o aluno ou é a turma/sala de aula? meus custos por aluno (individualmente) ou por alunos (por turmas)? Devo calcular 3 Formação de Preços nas Escolas . claramente. é ínfimo e irrisório na fixação do preço. Por analogia. grosso modo.1 1.

cada vez mais fixos e ligados ao produto turma.Fundamental (antigo curríc atividades) cabe a nós a definição de aulas especializadas (inglês. veremos que os resultados poderão ser surpreendentes (normalmente pelo lado negativo para o administrador). educ. Podemos deduzir que esta escola deveria ter entre 48 a 50 turmas. etc. professores. isso tudo nos remete a um competente planejamento de nossa matriz de gastos. é fácil estabelecer a proporcionalidade dos custos que cada turma consome. confortavelmente. Assim. Existem outros aspectos que influenciam nossos custos mas fora do nosso controle (legislação. Acima desse número de turmas.Nosso entendimento é de que os custos devam ser calculados por unidade de trabalho: turma ou sala de aula.CUSTEIO POR ATIVIDADE Não é bastante ao administrador escolar saber qual o seu custo/aluno/mês e a partir deste valor estabelecer se o empreendimento é viável ou deficitário. Fazendo um cálculo dos custos. Turmas pequenas. certamente trarão prejuízos e desequilíbrio financeiro no Se houver ociosidade nas turmas. Ora. a capacidade de pagamento das famílias. além de otimização de resultados. De fácil compreensão. o custo/aluno aumenta consideravelmente já que se duplicam os custos. alemão.200 alunos. infraestrutura. Imagine uma escola com 2. começamos a trabalhar com algumas variáveis controláveis pela própria escola em função de seu planejamento didático/pedagógico. Temos que cumprir com nossa missão de modo profissional e eficaz. salas. Imagine que esta escola tem espaço físico para acolher. aproveitem para praticar a 4 Formação de Preços nas Escolas . limpeza. filantropia. estabelecimento de ensino. Ocorre que. recursos pedagógicos marginais (laboratório de informática. quando o cálculo do custo é feito por turmas. Não importa se tenho 12 ou 25 alunos em uma sala de aula. procurando eficiência e eficácia. que todo o planejamento é voltado para as turmas: horário de aula. devemos direcionar nossa administração para manter turmas completas e procurar não abrir novas turmas com poucos alunos. que nos autolimita na fixação do preço. Dentre as variáveis poderíamos destacar: Número de alunos por turma/sala. dissídios. a partir da própria mudança na estrutura dos custos das instituições. espanhol. 45 alunos por sala de aula. material de apoio. O custeio por atividade representa um novo enfoque de cálculo. se for Ens.física) adicionais ao trabalho do(a) professor(a) regente. Veja-se no dia-a-dia de uma escola. luz. economia) Também fora do nosso controle. os custos são basicamente os mesmos. O princípio básico deste sistema de custos é tornar direto o maior número possível de custos proporcionais através de direcionadores de custos (cost drivers) específicos. IV . isenções. todos representativos de custos. laboratório de ciências e outros). Então. já que são de fácil assimilação.

Demonstrativo da Remuneração dos Professores (por curso/turma) Estabelecimento: Mantenedora: Curso: Nome do Professor Disciplina (Educ.Infantil – Ens Fundamental I – Ens Fundamental II – Ens Médio) Horas Semanais Valor da Hora/Aula REMUNERAÇÃO BRUTA 5 Formação de Preços nas Escolas .

..: Turma: Prof. Educação Física ________________________________ Irmão(a) Assistente (estagiário) Aux.: Turma: Prof....>>> Prof.: Turma: Prof.: Ensino Fundamental – Nível I Turma: Prof...: (1ª/4ª séries) Turma: Prof.: Salário do(a) Professor(a) (regente) 1/6 Repouso Remunerado Quadriênio ( %) Aprimoramento Acadêmico ( ________________________________ Salário Bruto..: Turma: Prof.Técnicos TOTAL SALÁRIOS PAGOS ) %) Encargos Sociais ( TOTAL DESPESAS DE PESSOAL CUSTEIO CUSTO TOTAL Nº alunos Custo por aluno (atual) Capacidade de alunos na turma Preço/aluno para turma lotada 6 Formação de Preços nas Escolas .Imagine-se a seguinte planilha para o acompanhamento dos preços: Grade de Gastos Mensais Curso: Turma: Prof..... Línguas (Inglês/espanhol) Prof.

5 e 6) são de fácil preenchimento e assimilação. turma a turma. detalhada. percebem adicionais diferentes (quadriênio. são apenas modelos. concluindo que os valores de preços ora praticados estão perfeitamente equilibrados com as necessidades e os custos. O primeiro nos informa sobre os gastos com salários. V . Sabe-se que os professores. certamente estaremos chegando mais perto do ponto de equilíbrio. Não há razão de se pagar aprimoramento acadêmico de X% (professor com aprimoramento em analise de sistemas gerenciais) se a área em que atua o professor não tiver nada a ver com sua especialização. 1172 – salas 205 e 209 90035-002 Porto Alegre – RS Fone/Fax 0 XX 51 3118015 7 Formação de Preços nas Escolas . Cada escola deverá adaptar os modelos às suas necessidades/características. para determinada turma. Procurar não adiar o início dos trabalhos para o próximo ano ou o outro. em razão de detalhes que transformam os salários dos professores.922 Rua Ramiro Barcelos. certamente teremos custos diferentes para as diversas turmas. permite o correto preenchimento da planilha de custos. Queremos ressaltar que os modelos de planilha apresentados (exceto o anexo II da MP 1890-65) bem como modelos de demonstrativos. aprimoramento acadêmico) nos salários. por exemplo. Cabe-nos verificar o quanto nós necessitamos. Calculada a planilha. ERNO BRUNO LEONHARDT Administrador CRA-RS 17. Surpreendamse agradavelmente já agora. e que o conceito de unidade de trabalho (como unidade) também seja apreendido. se o valor que pagamos a maior no salário em razão desse aprimoramento é compatível com o retorno em qualidade para o próprio aluno.CONCLUSÃO Não estamos concluindo o trabalho com recomendações. Nesta planilha. no futuro. Essa informação. Se isto acontecer. Nos interessa que o enfoque apresentado para o conhecimento do custo/aluno/turma seja bem assimilado. também temos excelente oportunidade para comparar os valores pagos em salários para professores com a mesma função e sua repercussão nos custos. e assim por diante.Os dois formulários (fls. O que interessa é obter o melhor resultado. etc. além de constatarmos as relações de custo/atual x custo/ideal. em razão de sua formação pessoal. um professor com tal aprimoramento.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->