1

O RESUMO DO LEVIATÃ DE THOMAS HOBBES

O homem concerne o principio individual e em seu conjunto sua mútua determinada qualidade ou qualquer outro acidente de um corpo exterior ao nosso, que vulgarmente chamamos de objeto. Qualquer coisa imaginada é finita.Portanto,não existe idéia ou concepção de qualquer espécie que possamos chamar infinit a.Nenhum homem pode conservar em sua mente imagem de infinita magnitude,nem conceber infinita sabedoria,tempo infinito,força infinita ou infinito poder. Da mesma forma que muita experiência significa prudência, muita ciência dos latinos faz uma distinção entre prudentia e sapientia, dando o primeiro nome à experiência e o segundo a ciência. Os que confiam apenas na autoridade dos livros seguem cegamente ao cego.Eles são como aqueles que,confiando nas falsas regras de um professor de esgrima,se aventuram presunçosamente diante de um adversário,podendo vir a ser mortos ou aleijados. Existem duas espécies de conhecim ento: o conhecimento do fato e o conhecimento da conseqüência de uma afirmação para outra. O registro do conhecimento dos fatos denomina-se história;o registro da ciência são livros que contêm a demonstração das conseqüência de uma afirmação para outra. O poder natural é a eminência das faculdades do corpo ou da mente, tais como: força, aparência, prudência, habilidade, eloqüência, liberalidade e nobreza extraordinárias. Instrumentais são os poderes adquiridos por meio dessas faculdades ou pela sorte,e servem como meios ou instrumentos para alcançar reputação,riquezas,amigos e os secretos desígnios de Deus,a que os homens chamam boa sorte.O maior de todos os poderes humanos é o poder integrado de vários homens unidos com o consentimento de uma pessoa natural ou civil:é o poder do Estado ou aquele de um representativo numero de pessoas,cuja ações estão sujeitas à vontade de determinadas pessoas em particular,como é o poder,como também ter amigos,pois isso significa união de forças. Assim, a fonte da honra civil é o Estado, e depende da vontade do soberano. Por isso,é temporal e se denomina honra civil,como a magistratura,os cargos públicos,os títulos honoríficos e,em alguns lugares,os uniformes e as comendas.Os homens honram os que possuem essas honrarias,porque elas significam o favor do Estado;esse favor é poder.A competição por riquezas,prazeres,honrarias e outras formas de poder conduz à luta,à inimizade e à guerra.Os meios que um competidor utiliza para a realização de seus desejos são matar ou subjugar,suplantar ou repelir a outrem.A competição por louvores,principalmente,induz a reverenciar a antiguidade,pois os homens competem com os vivos e não com os mortos,e atribuem a estes muito mais do que o devido,para obscurecer a glória daqueles.O desejo do conhecimento e das artes da paz inclina os

está obrigado a ser o primeiro a cumprir com sua parte tem o dever de fazê-lo. Um homem.que.seja por meio da revelação sobrenatural . A lei natural (Lex naturalis) é a norma ou regra geral estabelecida pela razão que proíbe o ser humano de agir de forma a destruir sua vida ou privar-se dos meios necessários a sua preservação.A natureza da justiça consiste no cumprimento dos pactos válidos. o contrato é a palavra com que os homens designam a transferência mútua de direitos. A razão nada inspira além disso. os juramentos (isto é.então. Num Estado civil onde existe um poder apto a coagir os que.a devoção dos homens ao que temem e a tomada de coisas casuais como prognósticos consistem na semente natural da religião.são ridículas a outros.entre a lei e o direito há a mesma diferença que existe entre a obrigação e a liberdade.é preciso fazer distinção entre esses enunciados.seja por meio de seus mensageiros.feita pelos que têm tratado desse assunto. as súplicas respeitosas.Assim o direito é a liberdade de agir ou omitir.Também não fazemos pacto com Deus.por conseguinte.não há propriedade e.que.de proteção contra algum outro poder estranho ao seu. as meditações.dado que. as oblações. o faz levando em consideração o direito que lhe foi reciproc amente transferido.em razão das diferentes imaginações.a crendice em fantasmas.de alguma forma.ou em outros ritos ainda.esse temor não é razoável e.não há injustiça.que são incompatíveis quando dizem respeito à mesma matéria .não havendo Estado. Em vista da confusão entre jus e Lex. ou com a esperança de ser beneficiado.enquanto a lei obriga a agir ou omitir.a não ser pela mediação daqueles com que Deus falou. garantir a outro que cumprirão suas promessas) que eles assumem ao invocar tais poderes.Assim.conseqüentemente .mas deixa que cada um persista nesse caminho.quem.a ignorância das causas.todos os homens têm direito a tudo.e confie nos que considera mais sábios . ao transferir um direito ou renunciar a ele.2 homens a obedecerem a um poder comum. A veneração que os homens manifestam.dese nvolveu cerimônias tão diversas.Assim. . aos poderes invisíveis nada mais é que expressão de sua reverência perante outros homens: são os donativos. a conduta sóbria. A definição comum da justiça na escolástica é: a justiça é a vontade constante de dar a cada um o que é seu. por natureza.violaram sua palavra.Portanto.de outra forma.que falam em seu nome.pois esse desejo carrega consigo um desejo de tempo livre e.direito e lei.por isso.e essa validade começa com o estabelecimento de um poder civil que obrigue os homens a cumpri -los. Onde não há Estado.em virtude do pacto. os agradecimentos.não existe o poder coercitivo.realizadas por alguns homens.juízos e paixões dos diferentes homens. nesse caso.é também diante dessa instituição que tem início o direito de propriedade.é impossível saber se nossos pactos foram ou não aceitos. as petições.

ele acreditava em um Estado Civil onde a vontade geral é manifestada.a se ajudar mutuamente e se unir no combate ao inimigo comum.ao contrário. mas por serem membros de um Estado. e à caridade.dizemos que os dois braços de um Estado são a força e justiça.para identificar o que é contrário ou não é contrário à regra. para ele foi uma forma que o homem achou para mandar em seus súditos. naturais são as que têm sido eternamente leis. mas se tornaram leis pela vontade daqueles que exerceram o poder soberano sobre outros. onde Deus expressa sua vontade através de leis. para ele o homem é ser naturalmente mau. Para Hobbes o homem é um animal.A lei foi criada.então.pelas regras que o Estado lhe impõe. consistem nas virtudes morais.3 Leis civis são aquelas que os homens são obrigados a respeitar. o Estado cristão é baseado nos mandamentos da Bíblia Sagrada. são também chamadas de leis morais.oralmente ou por escrito.fazendo referencia ao apostolo Paulo.isto é. A lei civil é constituída. não por serem. pois luta pela sua preservação.Mas um Estado não poderia subsistir se a força estivesse numa mão em que a justiça não tivesse a autoridade para comandar e governar.ademais.assim como dos judeus .empregando tais regras para diferenciar o que é certo do que é errado. porque Deus falou somente para alguns. ele também cita as atrocidade da igreja católica na idade media. como a justiça. ou por qualquer outro sinal suficiente de sua vontade. As leis podem ser divididas em naturais e positivas. membros deste ou daquele Estado em particular. podem ser escritas ou dadas a conhecer aos homens por qualquer outro meio que responde à vontade de seu legislador.enquanto a segunda está depositada nas mãos do parlamento.para todo súdito. o qual denomina de fábulas. a equidade e todas as práticas espirituais que conduzem à paz. as positivas são as que não existem desde a eternidade.para limitar a liberdade natural dos indivíduos. .residindo a primeira no rei.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful