Você está na página 1de 76

Ivete Maria Assef Fernandes

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 2


 É o estudo dos sinais e sintomas do ser
humano.
 Pode ser também chamada de propedêutica.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 3


 Ensinar técnicas relacionadas ao exame físico,
sendo a parte mais importante para a
realização de um diagnóstico.
 Ações relacionadas.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 4


Composto:
 Anamnese;
 Entrevista Clínica;

Será abordado posteriormente.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 5


 “Estado de completo bem- estar físico,
mental e social e não meramente a ausência
de enfermidade”.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 6


 Necessidades fisiológicas;
 Necessidades de segurança;
 Necessidades de amor e companhia;
 Necessidades de auto-estima;
 Necessidades de auto-realização.

MASLOW

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 7


Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 8
VARIÁVEIS INTERNAS:
 Estágio de desenvolvimento;
 Formação intelectual;
 Percepção de funcionamento;
 Fatores emocionais;
 Fatores espirituais.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 9


VARIÁVEIS EXTERNAS:
Práticas familiares;
Fatores socioeconômicos;
Formação cultural.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 10


 Necessidades psicossociais;
 Necessidades psicobiológicas;
 Necessidades psicoespirituais.

Wanda de Aguiar Horta

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 11


 Aceitação;  Espaço;
 Aprendizagem;  Gregária;
 Amor;  Lazer;
 Atenção;  Liberdade;
 Orientação (tempo e
 Auto estima;
espaço);
 Auto imagem;  Participação;
 Auto-realização;  Recreação;
 Comunicação;  Segurança;
 Criatividade;
Gregária:a necessidade de viver em
grupo com o objetivo de integrar com
os outros e realizar trocas sociais.”

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 12


 Ambiente;  Oxigenação;
 Abrigo;  Nutrição;
 Eliminação;  Percepção(sentidos);
Exercícios;  Regulação: térmica,

hormonal, neurológica,
 Eliminações; hidrossalina,eletrolítica
 Hidratação; imunológica,
Integridade física;
crescimento celular,

vascular
 Integridade cutâneo  Sexualidade;
mucosa  Sono e repouso.
 Locomoção;  Terapêutica.
 Mecânica corporal;

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 13


 Religiosa ou teológica;

 Ética ou filosofia de
vida.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 14


 Um paciente mulher;30  Iniciou quimioterapia,
anos; professora de está tendo queda de
cabelo, náuseas e vômito
escola de inglês... em acompanhado de
um exame preventivo diarréia. Teve de tirar
de rotina detectou um uma licença médica
nódulo de mama que porém não pode se
ausentar por muito
resultou em uma tempo.
cirurgia para retirada  É solteira, está
da mama namorando há 3 anos e
(mastectomia0 e pretendia formar uma
esvaziamento axilar... vida matrimonial no final
do ano.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 15


 Necessidades  Identifique os
psicossociais; problemas;

 Necessidades  As intervenções;
psicobiológicas;
 Tipo de ação.
 Necessidades
psicoespirituais.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 16


 Estratégias de promoção da saúde

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 17


 Prevenção primária:
Tem como objetivo a promoção da saúde;
compreende programas de educação em
saúde, imunizações e atividades de aptidão
física e nutricional.
 Tudo que se relaciona a prevenção de
doenças e promoção da saúde.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 18


 Prevenção Secundária:
 Voltada para reduzir gravidade e gerenciando
os riscos em pessoas que já estão com
problemas de saúde ou doenças, evitando
complicações ou prejuízos ao paciente
decorrentes da condição do mesmo.
 Atividades:diagnóstico e intervenção.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 19


 Prevenção Terciária:
 Atividades direcionadas a reabilitação quando
o paciente apresenta uma incapacidade ou
uma condição que pode ser permanente ou
irreversível e que possa gerar uma
complicação do quadro em que se encontra.
 Objetivo: diminuir os efeitos e gerenciar os
riscos, além de prevenir complicações.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 20


 Fatores que podem prejudicar a
vulnerabilidade do paciente.
 É necessário a compreensão destes fatores
para que a enfermagem desempenhe um bom
papel.
 Podem ser incluídos nas seguintes categorias:
genéticas, fisiológicas, etária, ambiente, estilo
de vida além de considerar patologias,
predisposição, personalidade entre outros.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 21


 Genético e Fisiológicos:

Envolvem o funcionamento do organismo;


A predisposição genética ou hereditária

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 22


 Idade:
 Umenta ou reduz a suscetibilidade a doenças.
Ex. o prematuro, o idoso.
Tipos de doenças que predispõe em
determinadas faixas etárias.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 23


 Ambiente:

 O ambiente (água, ar, solo entre outras


coisas), em que a pessoa trabalha ou vive
pode determinar ou aumentar a
probabilidade de desenvolver determinadas
doenças.
 A enfermagem deve sempre considerar o
indivíduo, família, comunidade e ambiente de
trabalho.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 24


 Estilo de Vida:
 Envolvem as prática, hábitos,
comportamentos, estilo de vida que podem
ter efeitos positivos ou negativos e se
tornarem fatores de risco para doenças
específicas.
 Ex.: obesidade, vida noturna,
alimentação,estresse, etc.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 25


 Identificar fatores de risco constitui a
primeira etapa na promoção da saúde e
prevenção de doenças

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 26


 Estado em que o indivíduo pode ter reduzido
ou deteriorado o funcionamento físico,
intelectual, emocional, social ou espiritual.

 A doença pode ser aguda ou crônica.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 27


 Geralmente de curta duração, abrupta e pode
ser grave.
 Pode afetar o organismo em qualquer
dimensão.
 Os sintomas surgem intensos e abrandam
após um determinado período geralmente
curto.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 28


 Geralmente dura longos períodos.
 O paciente pode ter recaídas;
 Os sintomas flutuam entre amenos e
intensos;
 Os fatores de risco podem interferir de
maneira significante;
 É importante analisar o comportamento das
doenças.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 29


 Forma com que as pessoas monitoram seus
corpos e controlam os sintomas assim como
as ações paliativas e curativas.
 Fatores que influenciam:
 História pessoal;
 Situação e condição social;
 Cultura e regras sociais;
 Oportunidades;
 Instituições existentes na comunidade.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 30


 Mudanças no comportamento;
 Alterações no estado emocional;
 Impacto na Imagem corporal;
 Impacto sobre o auto conceito;
 Impacto sobre os dinâmica familiar.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 31


 Encontrar os significados;
 Organizar seus pensamentos;
 Desenvolver novas idéias baseada em
evidências;
 Pensar que não existe uma única resposta;
 Hierarquia das necessidades;
 Inter-relacionar o conhecimento...não
fragmentar o conhecimento.
 Planejar as ações.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 32


 Implantação;
 Planejamento;
 Organização;
 Execução;
 Avaliação

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 33


 Diagnóstico de enfermagem;
 Intervenção de enfermagem (NIC);
 Resultados (NOC).

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 34


 Consulta;
 Histórico;
 Exame Físico;
 Diagnóstico;
 Prescrição;
 Evolução;
 Elaboração do relatório de enfermagem.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 35


Atribuição do enfermeiro:

 Descrevem reações humanas, alterações do


estado de saúde.
 Serve para orientar os objetivos e as
intervenções de enfermagem.
 Envolve: Análise e interpretação dos
dados,verificação dos problemas e
priorização dos problemas.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 36


 É necessário:

o Pensamento crítico;
o Conhecimento teórico;
o Experiência.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 37


Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 38
 “É o conjunto de ações realizadas pela enfermeira, em
uma sucessão ordenada,
para conhecer a situação de saúde da clientela e tomar
decisões quanto à assistência a ser prestada, visando
mudanças favoráveis à saúde”.

 Res. COFEN 159/1993: institui a consulta de


enfermagem como uma atividade do enfermeiro
utilizando métodos científicos para identificar situações
de saúde/ doença para implementar medidas que
contribuam para a recuperação, promoção e proteção
da saúde, prevenção, reabilitação do indivíduo, família e
comunidade.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 39


 Utiliza-se de questionário com perguntas,
avaliações subjetivas e objetivas identificando
as necessidades básicas afetadas ou não,
condições que possam interferir no processo
saúde/doença.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 40


 realizada pelo profissional de saúde ao seu
paciente, que tem a intenção de ser um ponto
inicial no diagnóstico de uma doença.
 É uma entrevista que busca relembrar todos
os fatos que se relacionam com a doença e à
pessoa doente.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 41


 Objetivo:
Compreender o indivíduo; como ele entende
o processo saúde-doença, sua perspectivas e
como poderá ser sua participação no plano
de cuidados.

A entrevista deve ser compreensiva senão


será apenas coleta de dados...aí qualquer um
pode fazer

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 42


 Entrevista é o como (PROCESSO)
 Coleta de Dados é o resultado (PRODUTO).

Entender como é o paciente, sua percepção,


sua vivência.
Isto facilitará o exame físico, o diagnóstico e o
SAE =>Planejamento da assistência de
enfermagem e implementação.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 43


Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 44
 Habilidades como:
Ouvir;entender; explorar dados; respeitar
limites pessoais; demonstrar interesse e
conhecimento; ser receptivo; estabelecer
diálogo e comunicação.

 Saber empregar a autoridade com senso de


“igualdade”, conhecimento, experiência,
habilidade profissional.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 45


 Preparar o ambiente e clima favorável;
 Preparo técnico;
 Desempenho;
 Desenvolvimento de habilidades;
 Desejo de compreensão;
 Consciência do “principiante”.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 46


 Ser verdadeiro;
 Falar o necessário;
 Ouvir atentamente;
 Não interromper (estabelecer limites);
 Dar respostas claras;
 Atenção para não influenciar o paciente;
 Comportamento adequado.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 47


 É mais que um diálogo organizado;
 É um instrumento na prática profissional para
coletar dados no início do contato com o
paciente;
 A enfermagem deve aproveitar todos os
momentos para coletar dados (nos
procedimentos, com a família, etc.).
 É importante atingir a necessidade de
segurança do paciente e família (confiança).

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 48


 Introdução.
 Corpo.
 Fechamento.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 49


 Apresentar-se: enfermeiro Fulano de Tal.
 Perguntar nome/ sobrenome e a preferência
de ser chamado.
 Não usar apelidos, nem diminutivos.
 Explicar necessidade da entrevista para colher
informações para melhor assistência e
segurança dos mesmos.
 Após estabelecer a empatia dar início a
entrevista proprimente dita: CORPO.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 50


 Encorajar e estimular a expressar seus
sentimentos, sinais e sintomas, outros.
 Queixa principal;
 Direcionar a abordagem para se ter uma visão
global;
 Doenças anteriores;
 Curso da doença atual, tempo e duração;
 Ampliar a coleta de dados a medida que
avança na entrevista;

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 51


 Analisar estado físico e emocional do
paciente;
 Obter dados sobre hábitos, costumes, etc.
 Obter dados sobre eliminações e
funcionamento do corpo.
 Procurar utilizar um instrumento criado na
instituição – evitar cópias.
 Se necessário anotar algo, peça licença ao
paciente (não deixá-lo falando sozinho).

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 52


 Nesta fase: conscientizar o paciente sobre o
fechamento da entrevista e oportunidade
para expor novos dados ou algo que possa
ter se esquecido;
 Fazer leve resumo sobre a entrevista;
 Lembrar o paciente que ele pode passar a ser
o entrevistador relacionado as suas dúvidas;
 Finalizar com educação e orientação.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 53


 Habilidade técnica ;
 Conhecimento e capacidade para interpretar
os dados e correlacionar;
 Crenças, valores...estar atento;
 Referencial técnico-filosófico;
 Habilidade de relacionamento interpessoal
(comunicação verbal e não verbal e ambiente
interno).

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 54


Atenção ao elaborar as questões ao paciente:
 Questões abertas:
 Propicia a oportunidade de expor ;
 São menos assustadoras e constrangedoras;
 Facilita o relacionamento interpessoal;
 Estar atento para não desviar o foco da resposta
a pergunta elaborada;
 Utilizar questões fechadas nas questões
relacionadas as necessidades psicossociais;
 Evitar o por quê?
 Usar o “hum!...sim!...continue! Estimulando a
resposta

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 55


Aberta:
 Explique-me como é a sua dor...
 Fale-me sobre o que está sentindo agora.
 O que você faz quando sente esta dor?
Fechada:
 Você toma analgésico quando sente a dor?
 Você não está sentindo nada agora está?
 Você está tomando remédio agora, não está?

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 56


 Estar atento aos gestos, posturas, tom de
voz, olhar, expressão facial, boca, sorriso,
modo de andar, sentar, deitar...
 A comunicação não verbal envolve todas as
manifestações do comportamento não
expressas por palavras...percebemos se a
pessoa está irritada, nervosa, ansiosa, triste,
depressiva, alegre, preocupada, com dor...
 Porém, estar atento a manifestações
diferentes de acordo coma personalidade das
pessoas.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 57


Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 58
Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 59
Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 60
Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 61
 Estar atento as condições do entrevistado e
do entrevistador.
 Se o enfermeiro está alterado
emocionalmente, com sua capacidade
sensorial afetada poderá não distinguir e nem
interpretar dados adequadamente.
 Desta forma não realizar a entrevista se não
estiver em condições adequadas.
 Quanto ao paciente se estiver com dor , em
situação de urgência e emergência aguardar
o momento propício.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 62


 Lembrar que a entrevista coexiste com a
observação e documentação.
 A observação é o processo básico na
profissão do enfermeiro e durante a
entrevista pode ajudar muito.
 A documentação é um recurso auxiliar para
que a realização da entrevista que permite
registrar dados que serão utilizados no
momento e pose ajudar no futuro do paciente
e durante outras etapas do processo de
enfermagem.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 63


 Local adequado favorecendo a privacidade
(utilizar recursos para propiciar um ambiente
onde o paciente se sinta seguro e confortável);
 Tempo para a realização da entrevista sem
interrupções dando importância a este momento.
 Temperatura do ambiente agradável;
 Iluminação adequada e de preferência natural;
 Evitar barreiras, fica em pé (altura dos olhos),
barulho, odores, televisão, entra e sai de
pessoas.
 Proporcionar conforto e bem estar ao paciente.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 64


Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 65
 Enfocar os seguinte aspectos:
• História de VIDA;
• Significado da internação;
• Avaliação das condições emocionais e
mentais.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 66


 Identificar possíveis problemas emocionais e
mentais do paciente/e ou psíquicos.
 Se tiver esta percepção deixar que o paciente
exponha seus conflitos para só após
realizarmos os questionamentos.
 Estabelecer aliança terapêutica...para isto
algumas condições serão necessárias:

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 67


 Aceitação da pessoa do paciente:considerar
como ser humano, com sentimentos e
valores(aceitar não significa concordar com
atitudes).
 Disponibilidade interna: querer cuidar interno,
disponibilidade de tempo e de lugar.
 Encorajamento contínuo à expressão espontânea
do outro (aceno de cabeça, etc.).
 Empatia :capacidade de tentar ver o mundo como
a outra pessoa o vê sem perder a própria
identidade transmitida pela comunicação verbal e
não verbal.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 68


 Envolvimento emocional: não perder a
objetividade da sua ação, observar e avaliar suas
próprias atitudes.
 Confiança: o paciente deve sentir isto.
 Compromisso: de foram profissional.
 Sigilo profissional: ações éticas.
 Atitude de não julgamento: o paciente terá mais
clareza do profissionalismo do enfermeiro.
 Estímulo a auto-estima: estimular o paciente a
redescoberta, a auto-admiração, a auto-estima.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 69


 É necessário ter consciência dos sentimentos
de dependência, de interdependência , de
independência do paciente.
 Fenômenos de transferência e
contratransferência: estar atento a não
assumir a representação experimentada pelo
paciente. Estabelecer interação adequada e
respeitar o paciente como ser humano.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 70


 Identificação;
 Família;
 Significado da vida anterior (adolescência);
 Atividade/trabalho;
 Moradia;
 Adoecer;
 Projetos para o futuro.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 71


 Humor ansioso;
 Tensão;
 Medo;
 Insonia;
 Dificuldades intelectuais;
 Humor depressivo;
 Sintomas somáticos;
 Comportamento durante a entrevista.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 72


 Deve avaliara a oritentação, a memória, a
habilidade em cumprir tarefas e a linguagem
do paciente.
 Orientação: Data, dia da semana, nome, etc.
 Memória:Idade, data de nascimento, nome da
mãe ou responsável...
observar o tipo morfológico.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 73


 Brevelíneo;
 Normolíneo;
 Longelíneo.

 Deve-se observar a relação proporcional


entre pescoço, braços, ossos frontais, mãos e
dedos.
 Muitas patologias estão associadas ao biótipo
do paciente.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 74


 Determinar o peso (sem roupas pesadas);
 Determinar a altura;

 É importante avaliar também:


Postura;
Locomoção.
Itens que podem auxiliar no diagnóstico e
identificação das necessidades afetadas,
sinais e sintomas.

Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 75


Ivete Maria Assef Fernandes. 27/04/2011 76