P. 1
A influência do treinamento de força na flexibilidade

A influência do treinamento de força na flexibilidade

|Views: 479|Likes:
Publicado porcinesiologia

More info:

Published by: cinesiologia on Apr 28, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/07/2014

pdf

text

original

ARTIGO DE REVISÃO A influência do treinamento de força na flexibilidade

Alice A. Cortes Adriana Montenegro Adriano C. Agra Carlos Ernesto Murilo S. de Andrade Júnior Programa de Pós Graduação em Educação Física - UGF RESUMO Objetivamos nesse artigo, informar as reais conseqüências de um treinamento resistido na flexibilidade de um indivíduo. O treinamento de força poderá ser realizado de várias formas, consistindo basicamente em uma carga a ser vencida pela musculatura envolvida no exercício. A flexibilidade é definida como a amplitude máxima fisiológica passiva em um dado movimento articular, considerando a individualidade da estrutura músculo – esquelética e qualquer tipo de limitação de movimento por lesão. Os artigos estudados apresentaram uma tendência positiva no treinamento de força sobre a flexibilidade, principalmente no que se refere ao controle do movimento. A melhoria na qualidade desse movimento, depende de vários fatores dentre eles a flexibilidade. Conclui-se que o treinamento de força, se não aumenta a flexibilidade ao menos a mantém, e que conjuntamente trabalhados, obtém–se um resultado mais significativo. Palavras Chaves: Treinamento de Força, Influência, Flexibilidade, Amplitude The influence of the training of force in flexibility ABSTRACT The purpose of this article is to highlight real consequences of an individual resistence training over his flexibility. The strength exercise can be carried in many ways, basically consisting of overcoming a certain level of resistence by using the muscles involved in exercise. The flexibility is defined as the passive physiological maximun amplitude in a given articular movement, considering the individuality of the skeleton-muscle structure and any kind of limitation caused by injury. The read articles presented a positive bias over the flexibility related to the strength exercises, moreover associated with the movement control. The quality improvement of that movement, depends on many factors, among them, the flexibility. The conclusion is that the strength exercises, even if they don`t increase flexibility, at least help in keeping it’s level, and when worked all together a more significant result can be obtained. Key words: strength exercises, influence, flexibility, amplitude. INTRODUÇÃO O treinamento uma de força de desenvolve aptidão, forma de

muscular, capacidade funcional, flexibilidade entre outros. A Flexibilidade determina a mobilidade total dos indivíduos, alem de promover agilidade, prevenção de acidentes e melhoria da capacidade mecânica dos musculos e articulações permitindo o aproveitamento mais

importantes constituindo

qualidades

excelente

preparação física, devido a sua facilidade de adaptação a condição física do indivíduo, melhorando a composição corporal resistência

1

Segundo Santarém (1998). onde Pollock e Col (1986) a classifica como essencial para a saúde e função fisiológica perfeita. Neste sentido. Treinamento da Flexibilidade A flexibilidade é importante para o atleta melhorar a qualidade do movimento. constatou que era de apenas 0. A flexibilidade de uma articulação caracteriza-se por vários fatores entre eles: a mobilidade. podendo ser definida como a amplitude máxima fisiológica passiva de um dado movimento articular. o aumento da força. sobrecarga. especificidade. A intensidade e o volume apresentam uma relação direta com o treinamento de força. a resistência muscular. a força e a flexibilidade se apresentam como qualidades físicas que se completam. eficiência Segundo Araújo (2000). segundo Fleck (1999) embora não existam estudos definitivos. Os exercícios resistidos ou exercícios com peso. a plasticidade e a maleabilidade. podendo realizar grandes amplitudes de movimento reduzindo os riscos de lesões músculos articulares. segundo Fleck (1999) a chance de lesão durante a execução de um treinamento de força é muito pequena. Zemper (1990) comparando as quantidades de lesões em jogadores de futebol americano causadas pela musculação. existem risco de lesão como em qualquer outra atividade física. como mudança na composição corporal. estética entre outros. desde um treinamento com peso à exercícios pliométricos ou até mesmo uma corrida em aclive. Antes de desenvolver força muscular. Os proprioceptores musculares são um dos mais importantes fatores de 2 . aumento de força. OBJETIVO O objetivo deste trabalho é mostrar as influências do treinamento de força na flexibilidade. assim como uma boa função músculo-esquelética. não diferem dos utilizados no treinamento desportivo. 2000). acredita-se que para desenvolver força em toda amplitude de movimento de uma articulação.74% do total de lesões. tais como o da individualidade biológica. Indivíduos quando procuram esta modalidade. o treinamento deve ser realizado também em toda a amplitude do movimento da articulação. a musculação promove estímulos para várias qualidades de aptidões físicas. a flexibilidade é um dos componentes da aptidão física.econômico de energia durante o esforço. motor e e aumentando a o aperfeiçoamento mecânica. Treinamento de Força O treinamento de força pode ser realizado de várias formas. a flexibilidade entre outros. melhora no desempenho de algum desporto. Relacionar a força com a flexibilidade apresenta íntima relação com a amplitude do movimento. na melhoria da composição corporal. podem ser conquistados. têm diferentes objetivos. e que esse número poderia ainda ser reduzido através de uma maior atenção aos procedimentos adequados no treinamento de força. a elasticidade. Alguns princípios utilizados para se treinar força. desenvolva flexibilidade articular (Bompa. entre outras. Todos estes fins.

segundo Thrash e Kelly (1987) um programa de treinamento com pesos para desenvolver força muscular não prejudica a flexibilidade e pode até aumentar a amplitude de determinados movimentos. provocando o relaxamento da musculatura (Dantas. os órgãos tendinosos de Golgi são tão flexibilidade. de tecido aumenta a elasticidade do músculo esquelético. Onde o estiramento do músculo age sobre fuso muscular provocando reflexo miotático. Exercícios de alongamento aumentam a flexibilidade dos tendões através de dois importantes tendinosa. Este trabalho conjunto apresenta-se importante também em relação ao controle do movimento onde apesar do trabalho da acompanha a hipertrofia muscular. Dos terminais nervosos saem calibrosos nervos Ia (aferentes). que fibras musculares. Hurley (1995) não constatou que o treinamento com peso desenvolvesse a unidade músculo tendão e fatores mecânicos na estrutura do esqueleto. ao estabelecer para o praticante um trabalho de flexibilidade. Força X Flexibilidade A proliferação de tecido conjuntivo que flexibilidade. podese forçar a musculatura além do ponto de segurança. O envelhecimento freqüentemente resulta na substancial perda da flexibilidade dos tendões e limites na movimentação. Baseado nesta concepção o treinamento de força pode auxiliar no ganho de conduzem a informação do estiramento do músculo para o corno posterior da medula espinhal. as fibras nucleares tipo bolsa são repuxadas e excitam os terminais nervosos chamados terminações anuloespiradas. 3 . mesmo quando obtida com exercícios parciais. o primeiro alonga mais. tecido esse que recobrem as invólucro conjuntivo (Dantas. Os órgãos tendinosos de Golgi reagem à tensão extrema sobre tendão.influência da flexibilidade. Os exercícios com pesos forçam os limites das amplitudes das articulações. al. Quando o músculo é alongado. Beedle. O fuso muscular é constituído envolvidas de por varias um fibras intrafusais. et. o que em conjunto com o aumento de tecido conjuntivo. indicando assim um trabalho simultâneo dessas duas aptidões. A musculação aumenta a quantidade de tecido conjuntivo. são viscosos e elásticos. 1999). podendo provocar traumas. explica os efeitos estimulantes desses exercícios sobre a flexibilidade. Se aplicarmos uma determinada força num músculo hipertrofiado e a mesma força for aplicada um músculo não treinado. 1999). Após uma sessão de musculação. Isto é devido a ambas trocas bioquímicas na efeitos na unidade músculo flexibilidade mediana ou acima da média na maioria das articulações e que comparados a outros atletas ficavam inferior apenas aos ginastas. (1991) constataram que levantadores olímpicos de peso tinham estimulados e têm o seu funcionamento inibido tantas vezes que. porém não afirmou também que ela fosse prejudicada. Todd (1985) afirma que pouca evidência científica ou empírica existe a favor da crença de que o treinamento de força resulta em diminuição da flexibilidade.

ou conjuntivo.flexibilidade aumentar a amplitude funcional do movimento. uma vida sedentária prejudica esta aptidão. assim como da capilaridade e capacidade oxidativa muscular. O trabalho de força feito conjuntamente com um trabalho de flexibilidade e de técnica de movimento. É de conhecimento diminuídas que as força e flexibilidade são maiores delineamento movimento. 1992 ). podem pelo menos manter o nível de flexibilidade ou até alongamento da célula favorece o crescimento da fibra muscular por aumentar o espaço físico. Noble e Wilkerson (1990) verificado num treinamento de bailarinos onde foi acrescentado um treinamento de força. o treinamento específico da força muscular leva a hipertrofia das fibras musculares. principalmente na estiramento muscular. O trabalho de hipertrofia deve ser acompanhado por um trabalho de flexibilidade. o desenvolvimento da força e da potência tem papel preponderante no controle deste movimento. femininas de ginástica artística. o exercício quando realizado. muscular. o do diminuição de guedas (Barros. ajudam a dissipar o lactado residual e a ajudando a manter do a viscosidade elasticidade tecido comprometimento da flexibilidade além de estar ligado ao envelhecimento parece ter íntima ligação com a inatividade física. 4 . o trabalho em conjunto do amplitude do movimento e um ganho na performance muscular (Farinati e Monteiro. Segundo Verkhoshanski (2000). Em relação ao aspecto neuromotor. a fim de evitar lesões nos praticantes (Ferreira. como pode notar Stalder. porém ainda é preciso fazer estudos longitudinais ( Fatori. 1999). tecido esse que recobre as fibras musculares (Farinati e Monteiro . com o alongamento anterior e posterior as sessões de treinamento poderá o e aumentar alcance força. Alguns autores acreditam que o seja. apresentou influência positiva em alguns exercícios ginásticos de atletas treinamento de força com a flexibilidade apresenta-se como o mais efetivo. 2001). partindo de um pré- exercícios de flexibilidade defendida por esta posição baseada evidências melhoras de vários benefícios incluindo: articulares. Porém baseado na maioria da literatura . Se falarmos da musculação é preciso levar em conta que os exercícios. A inclusão é da recomendação no crescimento para de mesmo aumentá-lo. parece ser mais viável para quem quer manter ou aumentar a flexibilidade. Os alongamentos executados após a limitações para atividades da vida diária. melhora na flexibilidade e obtendo assim uma melhora estética nos movimentos da dança. tamanho podendo diminuir a chance de lesões e remoção de alguns restos metabólicos. CONCLUSÃO Podemos concluir que o sessão de treinamento. 1992 ). 2000). uma atenção especial deve ser dada a medida que a hipertrofia muscular se torna extrema.

. Revista Brasileira da Ciência e Movimento. and N. Rio de Janeiro: Shape. p 20 – 27. Hipertrofia e seus efeitos sobre o rendimento da flexibilidade. se maior a flexibilidade. BOMPA. M.. Rosiedi. Nutrition and Health. n 3. and Stone. 4. Flexiteste Uma nova versão dos mapas de avaliação. BEEDLE. Wesilin. Sprint. p 231-257. 1999. 2000. embora um certo nível de flexibilidade pareça ser relevante para saúde. B. Validade da percepção subjetiva na avaliação da Fisiologia e Avaliação Funcional. HURLEY. envelhecimento. v 5. persson.. 1999. Correlação entre métodos lineares e adimensionais de avaliação da mobilidade articular. Cláudio Gil Soares de. 1986 ARAUJO. . FLECK. 4:21729. Orthop Sport Ther v 6.É de conhecimento diminuídas que as força e who weight train. consciente. São Paulo: Artes Médicas Sul. J. A Influência do trabalho de musculação realizado na máquina de força apolo na primeira fase de treinamento de ginástica artística feminina. DANTAS Estélio H. p 60-76. Phorte Editora. Revista Brasileira da Ciência e do Movimento n 8. Kinesis. MONTEIRO. Tudor O. São Paulo. desconhecem-se quais são seus níveis ótimo. Rio de Janeiro . Medicine . Pereira. v 8. v 2. BARROS. 2000. Strength training in the elderly to enhance health status. POLLOCK. E. Fox III. p 27. Cláudio Gil Soares de. Eunice Kiyoe.. Cláudio Gil Soares de. 2000. Tese de Doutorado Rio de Janeiro Instituto de Biofísica. p 47-53.73 FATORI. Medida e Avaliação da Flexibilidade. J. 1999. S. M. Cláudio Gil Soares de. melhor a saúde musculoarticular. J. Exercícios na saúde e na doença. 2000. p 110 – 115. ARAUJO. Efeitos benéficos da atividade física na aptidão física e saúde mental durante o Revista processo Brasileira de de stretching on the range of hip motion. Journal of Applied Sport Science Rsearch 5:150-54. ARAUJO. 1992. H. Ed. Y. Flexibility characteristics among athletes 5 . Steven e KRAEMER J. p 68 . 1987. HENRICSON.M. M. Nem sempre é apropriado acreditar. Paulo T.. I. Walace D. Jesse. Wilmore. The effeect of heat and flexibilidade de adultos. L.. v 2 . RJ: MEDSI. 1991.. 1993. FERREIRA.H.V. 1984. A S. K. n 2. B. Turíbio Leite. William Fundamentos do Treinamento de Força Muscular. Exercise. p 25-32. José Mauro Angeloti.. 2001. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARAUJO. R. C. Treinamento de força flexibilidade são maiores limitações para atividades da vida diária. p 15-20. Flexibilidade Alongamento e Flexionamento. Atividade Física e Saúde. FARINATI. Fredriksson. UFRJ. Universidade Estadual de Londrina.

Flexibility and Strengthtraining.) 2000. Journal of Applied Sport Science Research. STALDER. J. E. 4:74-75. José Maria. T. 1991. K.J. B. and Wilkerson. and Kelly.. 1997. Yuri (org. 4:94102. THRASH. Four year study of weight room injuries in a national sample of Hipertrofia Muscular – Body Building. VERKHOSHANSKI V. ZEMPER.. p 15-16. Conceituações e situação atual em exercícios resistidos.. Philip Cinesiologia e Anatomia Aplicada. Noble. M. 12:3234. Historical perspective: The myth of the muscle bound lifter. p 78 – 82.A. 7:37-41.. B. SANTAREM.. Journal of Applied Sport Science Research. Revista Âmbito Medicina Desportiva n. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan..RASCH J.1990 6 . National strength and conditiong association journal. National Strength and Conditioning Association Journal.º 31. Rio de Janeiro: college football teams. TODD.. The effects of suplemental weight training for ballet dancers..G.D.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->