Você está na página 1de 3

Porque polir o fio de uma lâmina de faca ou canivete?

Uma série de fatores irão influenciar o desempenho de uma lâmina, sendo talvez os de
maior destaque, a geometria ( tanto da lâmina quanto do fio propriamente dito ), tipo de
aço, tratamento térmico e o nível de polimento do fio.

Como esta última variável pode causar estranheza a alguns, vamos tentar demonstrar o
porque disto.

Quais os principais fatores envolvidos na degradação do fio? Desgaste/abrasão,


rolamento/dobra, micro-fraturas e oxidação/ferrugem ( alguns podem dizer que a
oxidação se encaixa em “abrasão química”, mas acho que são dois “animais” diferentes!
).

Aqui vai uma imagem de microscopia eletrônica retirada de um trabalho de Landes, e


usada em um artigo de Cliff Stamp no extinto CutleryScience:

Coarse stone vs ceramic and strop.jpg (92.3 KiB)

Bom, a imagem já diz tudo, mas vamos deixar tudo bem “mastigadinho”, não para os
amigos que já freqüentam estes fóruns, mas para aqueles entusiastas que só descobriram
agora sua paixão por lâminas e estão apenas começando na “febre do aço”.

Notem que um dos efeitos básicos de se ter um fio terminado em meio mais
coarse/grosso, quer seja ele um rebolo, pedra, lixa, diamante, etc, é além de deixar uns
“dentes” bem pronunciados, literalmente aumentar a superfície total do fio para uma
mesma unidade de área; é mais ou menos como o nosso cérebro ou um pedaço de
dobradinha ( bucho de boi ), pois devido as reentrâncias e irregularidades, para uma
mesma seção padrão, tem áreas bem maiores que superfícies mais planas e lisas.

Este tipo de fio apesar de menos durável, tem suas aplicações, pois como é muito
agressivo, o torna ideal para tarefas que vão envolver basicamente os chamados “slice
cuts”, que são os cortes por deslizamento da lâmina sobre o objeto alvo, como por
exemplo fatiar um tomate bem maduro. Mas notem que o que pode ser excelente para o
tomate maduro, já não é tão bom se o alvo for uma peça de carne, que tenderá a ter
algumas fibras rasgadas ao invés de cortadas.

E só um parêntesis aqui: mesmo os fios bem polidos, em última análise e sob aumento
considerável, irão apresentar algum nível de “serrilhamento ou dentes”; é por isso que
eu prefiro o fio mais polido mesmo para fatiar tomate maduro!

Mas porque este fio se vai mais rápido que o polido? Bom, vejamos o caso de um aço
sabidamente resistente à abrasão, que é o D2. Este aço tem carbonetos primários de
cromo literalmente monstruosos em termos de tamanho. Quando você tem a superfície
de contato aumentada e afinada pelos sulcos, você tem muitos destes carbonetos
literalmente se despreendendo da matriz do aço e caindo, gerando uma superfície ainda
mais irregular, mais susceptível ainda à rolamento, oxidação e desgaste ( a matriz é bem
mais “mole” que os carbonetos de cromo, no caso presente ).

No caso do rolamento do fio, também fica explicado sua maior tendência com este tipo
de acabamento, porque como você tem estrias muito profundas e desuniformes no fio,
há uma natural menor sustentação da borda do mesmo, permitindo que ela role/dobre
em alguns ou vários pontos.

Este mesmo princípio explica as micro-fraturas que ocorrem naqueles aços mais
“duros” e menos susceptíveis ao rolamento por causa desta dureza; eles simplesmente
devido aos sulcos são mais propensos à fratura do que ao rolamento, mas a causa
permanece a mesma: menor sustentação da borda do fio.

E por último a oxidação/ferrugem, que simplesmente erode a superfície e sub-superfície


do aço por oxidação, fazendo com que o óxido originado simplesmente se despreenda
da matriz e caia, criando crateras irregulares. Como você tem uma superfície muito
maior exposta à oxidação e em partes do fio ( sulcos ) uma espessura menor de aço,
então sua deterioração é bem mais acelerada.

Pode-se atingir níveis incríveis de polimento de fio, à custa de muito trabalho e


equipamentos relativamente caros, mas há tal necessidade?

Na verdade não!!!

Um fio polido a um nível de uma cerâmica de grit 2.000 e depois “stropado” em couro
com óxido de cromo ( tamanho de partícula de 0,5 mícron ), é em termos práticos e de
relação custo/benefício o melhor que pode se obter. Tenham em mente que em uma
navalha afiada manualmente por um mestre em afiação, o fio propriamente dito tem
cerca de 1 mícron de espessura!

Ir além deste nível de polimento, com certeza lhe dará um nível de fio que literalmente
irá fatiar papel higiênico de folha ultra macia e fina, deixando um corte “limpo” e
definido; entretanto este tipo de fio não dura! O simples fato de com esta mesma lâmina
você fatiar uma folha de papel A4 de gramatura normal, fará você perder este fio
matador... sua lâmina continuará capaz de fatiar papel fino como os de bula de remédios
com cortes cirúrgicos ( limpos ) e até fazer a barba ( um pouco deconfortável ), mas
você não mais será capaz de fatiar a mesma folha de papel higiênico sem esgarçá-la.

Então, para que gastar mais tempo e dinheiro para ir além de um nível que irá atender a
99,9% de suas necessidades de corte?

Então concluindo: para fins práticos de durabilidade e qualidade de fio, um fio polido
até um grit de 2.000 em cerâmica ( equivale a 4.000 em pedras japonesas ) e depois
passado em um strop de couro com óxido de cromo é tudo do que você precisa!

Nota: o óxido de cromo tem tamanho de partícula de 0,5 mícron; não confundir isso
com o tamanho dos carbonetos primários de cromo, que no caso do D2 tem tamanhos
de até 60 mícrons, com 30 mícrons sendo a média.