SUBJETIVIDADE E OBJETIVIDADE SUBJETIVIDADE Subjetividade é entendida como o espaço íntimo do indivíduo (mundo interno) com o qual ele se relaciona

com o mundo social (mundo externo), resultando tanto em marcas singulares na formação do indivíduo quanto na construção de crenças e valores compartilhados na dimensão cultural que vão constituir a experiência histórica e coletiva dos grupos e populações. A psicologia social utiliza frequentemente esse conceito de subjetividade e seus derivados como formação da subjetividade ou subjetivação. A subjetividade é o mundo interno de todo e qualquer ser humano. Este mundo interno é composto por emoções, sentimentos e pensamentos. Através da nossa subjetividade construímos um espaço relacional, ou seja, nos relacionamos com o "outro". OBJETIVIDADE Objetividade é a qualidade daquilo que é objetivo, externo à consciência, resultado de observação imparcial, independente das preferências individuais. Em epistemologia, o conceito de objetividade caracteriza a validade de um conhecimento ou de uma representação relativa a um objeto. Em outras palavras, o que é real e como sabemos se é verdadeiro o que inferimos a respeito da realidade? Isto depende, por um lado, do conceito do objeto alvo da atenção e, por outro, das regras normativas próprias da área em questão. Assim, do ponto de vista epistemológico, a objetividade não é sinônimo de verdade, embora seja comum confundir os dois [conceito]s, mas sim uma espécie de "índice de confiança" ou de "qualidade" dos conhecimentos e representações. Também não é sinônimo de fidelidade ao objeto ou à realidade, apesar de o termo ser muito utilizado com este significado, porque as regras normativas que permitem distingüir o que é objetivo do que não é são definidas, em cada contexto, pela comunidade de membros especializados no assunto. Ainda no campo da filosofia, Kant apresenta a objetividade como algo que tem validade universal, independentemente de religião, cultura, época ou lugar. Neste contexto, sua contrapartida é o relativismo. No campo da ciência, objetividade é a propriedade de teorias científicas de estabelecer afirmações inequívocas que podem ser testadas independentemente dos cientistas que as propuseram. Está diretamente relacionada ao atributo dos experimentos científicos de que deve ser possível reroduzílos. Para ser considerada objetiva, uma teoria, hipótese, asserção ou proposição deve ser passível de ser transmitida de uma pessoa para outra, demonstrável para terceiros, bem como representar um avanço no entendimento do mundo real. No campo do jornalismo, objetividade é um atributo de um texto final. Para que um texto seja considerado objetivo, ele deve ser claro e conciso, além de apresentar um ponto de vista neutro. Fato é que quando se tem um OBJETO, todos podem observá-lo. Os textos que tratam questões mais concretas tendem a ser mais objetivos, porque aquilo que se constitui como concreto é observável por todos. Vejamos um exemplo: Barack Obama assumiu o cargo de Presidente dos EUA em 20 de janeiro, substituindo George W. Bush. O trecho acima é OBJETIVO porque não depende da opinião de ninguém. É uma constatação, algo comprovável, observável. Portanto, as impressões do SUJEITO são deixadas de lado. Agora, vejamos o seguinte fragmento:

muitas vezes. derrubandoo do seu papel tirano de riscar. marcada pela presença do raciocínio e da lógica universal – quando o assunto for abordado e discutido de maneira genérica. O ideal seria que se unissem num só os dois modelos. por exemplo. Objetivamente: se a exposição do assunto se apresentar impessoal. as quais se estendem aos textos.Barack Obama não será um bom Presidente. na subjetividade. o que estar próximo da subjetividade. as impressões do observador. não. Fonte:http://pt. num tom impessoal. deixando transparecer. sua maneira pessoal.org/wiki/Objetividad… Redação . particular de ver e encarar as coisas. pontilhado de emoção e sentimentalismos: verbo na 1ª pessoa do singular – EU. escrevendo. Na redação subjetiva. predomina o que é observado. mas somos todos. Eu não me engano. “nós” não sou eu. Difusão Cultural do Livro. essencialmente. ou por uma maioria.wikipedia. (ENSINO DINÂMICO DE PESQUISA. É totalmente SUBJETIVO. Subjetivamente: caso predominem. Percebemos claramente que as impressões do SUJEITO. ao discutir um assunto. mas a colocação disso tudo dentro da redação deve se feita de modo impessoal: verbo na 3ª pessoa ou na 1° do plural – afinal. as opiniões pessoais são enfatizadas. Essa redação tem por finalidade básica instruir e/ou convencer o leitor. do tema dado. com idéias e posicionamentos que possam ser aceitos por todos. sem argumentos que façam todos enxergarem da mesma forma.59 e 60) . ela deve ser evitada por aproximar-se demasiadamente da narração. Na objetividade. através dos seus subtipos. um tom confessional. como a crônica. no nosso modo particular de ver as coisas. na exposição das idéias. corrigir. Sorocaba – São Paulo: DCL. apontar defeitos.Objetividade x Subjetividade Ao expor um problema. você pode agir de duas maneiras: objetiva ou subjetivamente. Daí que. no nosso pensar em relação aos fatos. está justamente aí. para fazê-lo baseamo-nos essencialmente em nossas opiniões. 1999. nem todos pensam assim. Essa modalidade depende. idéias efervescentes de características emotivas que pudessem tocar o leitor. afinal ele é “gente como nós”. procura-se antes de tudo. angariar a simpatia do leitor com a redação ao exposto. Então. a diferença entre os dois tipos de abordagens. Todos os americamos são iguais. p. De um modo geral. suas próprias opiniões. As idéias e o modo de se analisar e enfocar os problemas são pessoais.

Pode fazer tudo. Parem pra notar. trabalharam. danças e poses em closes ginecológicos. E saem sozinhas. só isso. milhões de solitários em meio a uma multidão de rostos cada vez mais estranhos. O próprio jornal. quase etéreos e inacessíveis. científicos. alcançaram sucesso profissional e. acadêmicos. Quem duvida do que estou dizendo. alguém duvida? Estamos é com carência de passear de mãos dadas. por exemplo. Empresários. num provérbio. sabe. Baladas recheadas de garotas lindas. o mal do século é a solidão". engenheiros que estudaram. o número que comunidades como: "Quero um amor pra vida toda!". essas coisas simples que perdemos nessa marcha de uma evolução cega. às metáforas. em contos e até em romance de ficção. Os temas subjetivos estão presentes em muitos tipos de textos: podem estar expressos num poema. o autor recorre. Unindo milhares. algo tão simples que a cada dia fica tão distante de nós. os sinais estão batendo em nossa cara todos os dias. etc. edita-as em seções especiais como os editoriais e cartas aos leitores. Assim. fatos. presentes principalmente em textos jornalísticos. . com roupas cada vez mais micros e transparentes. às metonímias ou a qualquer outro tipo de linguagem figurada para expor suas idéias. "Eu sou pra casar!" até a desesperançada "Nasci pra ser sozinho!". dar e receber carinho sem necessariamente ter que depois mostrar performances dignas de um atleta olímpico. técnicos. fazer um jantar pra quem você gosta e depois saber que vão "apenas" dormir abraçados. Pretensiosamente digo que assino embaixo sem dúvida alguma. a produção. Tem mulher contratando homem para dançar com elas em bailes. transmitindo-lhes conhecimento. dá uma olhada no site de relacionamentos Orkut.Linguagem subjetiva e linguagem objetiva Os temas subjetivos Entende-se por subjetivo aquele texto que expressa a visão pessoal do autor a respeito de algum assunto. se fosse. sozinhos. plásticos. desde que não interrompa a carreira. quando quer veicular opiniões próprias. Os temas objetivos Os temas objetivos procuram oferecer informações precisas para o leitor. E não é só sexo não. Tornamos-nos máquinas e agora estamos desesperados por não saber como voltar a "sentir". num pensamento.Arnaldo Jabor Uma vez Renato Russo disse com uma sabedoria ímpar: "Digam o que disserem. os novíssimos "personal dance". chegam sozinhas. incrível. ou melhor. Neste tipo de texto predomina a linguagem referencial. era resolvido fácil. numa crônica. • Exemplo de texto subjetivo: Crônicas Estamos com fome de amor . São mensagens que se orientam para o referente. advogados.

e daí? Seja ridículo. em vez de se limitar a repetir os slogans pretensamente corretos politicamente. Espero que tenha sido um problema temporário e que a coluna volte a ser semanal.com. Todo mundo quer ter alguém ao seu lado. Jose Paulo Carneiro Cartas dos Leitores à revista Época. você vai descobrir mais cedo ou mais tarde que o tempo pra ser feliz é curto. abobalhados. retardamos o envelhecimento e estamos a cada dia mais belos e mais sozinhos.olavodecarvalho. Dá pra ser um homem de negócios e tomar iogurte com o dedo ou uma advogada de sucesso que adora rir de si mesma por ser estabanada. Reserve. mas se eu não pedir que fique comigo.. Bolo de arroz 3 xícaras de arroz 1 colher (sopa) de manteiga 1 gema 1 frango 1 cebola picada 1colher (sopa) de molho inglês 1colher (sopa) de farinha de trigo 1 xícara de creme de leite salsa picadinha Prepare o arroz branco. pra quê pensar nele. o que realmente não dá é continuarmos achando que viver é out. aquela pessoa que passou hoje por você na rua. pois a leitura dessa coluna é uma das raras oportunidades que ainda temos de tomar contato com reflexões e análises elaboradas por um intelectual que realmente tem um pensamento independente.htm Exemplo de texto objetivo: Carta aos leitores. Ao mesmo tempo. http://www. faça o frango ao molho. saia gritando e falando bobagens. todas essas emoções nos fazem parecer ridículos. vão querer pular fora. desosse e desfie. Exemplo de texto objetivo ou denotativo. que o vento não pode desmanchar o nosso cabelo ou que eu não posso me aventurar a dizer pra alguém: "vamos ter bons e maus momentos e uma hora ou outra. Quando pronto.org/textos/cartasleitoresepoca. Sei que estou parecendo o solteirão infeliz. não pense nele e se ele é pequeno demais.Disponível em < http://pensador. não seja frustrado. Quem disse que ser adulto é ser ranzinza? Um ditado tibetano diz que se um problema é grande demais. Mais (estou muito brega!). um dos dois ou quem sabe os dois. mas hoje em dia é feio. amor. bem solto. etc.br/cronicas_de_arnaldo_jabor/> • A Revista Época: Fiquei decepcionado ao não encontrar esta semana a coluna do Olavo de Carvalho. tenho certeza de que vou me arrepender pelo resto da vida". receitas. brega. Alô gente! Felicidade. Antes idiota que infeliz! Arnaldo Jabor. retire os pedaços.uol. e cada instante que vai embora não volta.Vivemos cada vez mais tempo. mas pelo contrário. bem temperado e saboroso. démodé.. pra chegar a escrever essas bobagens (mais que verdadeiras) é preciso encarar os fantasmas de frente e aceitar essa verdade de cara limpa. quem sabe ali estivesse a oportunidade de um sorriso a dois. talvez nunca mais volte a vêla. "pague mico". .

detalhe adicional sobre linguagem denotativa. o molho inglês. A denotação é encontrada em textos de natureza informativa. com função referencial. junte a gema.. a farinha de trigo e leve ao fogo para engrossar.Quando o arroz estiver pronto. como textos jornalísticos ou científicos.. Coloque o frango no meio e despeje por cima o molho. visto que o emissor busca informar objetivamente o receptor. coloque numa forma de buraco e leve ao forno. Vire o arroz. referindo-se a uma realidade concreta ou imaginaria. utiliza a linguagem denotativa. No caldo que sobrou do frango. literal. Retire do fogo e junte o creme de leite. Sirva quente. Quando o emissor busca objetividade de expressão da mensagem. a manteiga. já assado. junte a cebola. As palavras são empregadas em sua significação usual. . num prato.

3. ficção. O tema essencialmente informativo ou tende para questões filosóficas? Há no texto marcas da impessoalidade.Como interpretar temas de redação: temas objetivos e temas subjetivos Dissertação objetiva: Os temas objetivos são baseados em observações concretas. Descubra a idéia núcleo. à saude. a mitos. Temas intermediários Alguns temas sugerem tanto textos objetivos como subjetivos. desde que em seus aspectos reais. assimilações: há no seu repertório fatos conhecidos relacionadas com essas citações? Onde ocorreu isso? .prevalece a informação. numa crônica.faça comparações. embora fique explícito o seu conhecimento sobre o assunto. no entanto. etc. o desenvolvimento do seu ponto de vista. pesquisas. televisão. Entre esses. Crie palavras-chave para o texto. O texto vai determinar qual a posição que o autor tomou. percebendo as informações nele contidas. etc. etc. desmatamento. Leia o texto atentamente e faça-o com senso crítico. 2. procedimentos políticos sobre certas áreas. fenômenos. seu argumento sobre o tema proposto . mais facilidades terá para compor seus argumentos. • O texto produzido deve ser convincente para o leitor. sentido da vida. Conhece o autor? Se sim. 6. contos. a fatos históricos. O autor pode recorrer à figuras de linguagem. 5. Atenta-se para: Caracteriza-se por dados impessoais e não pelo ponto de vista do autor. metonímias e outras. tente situar-se no contexto histórico de sua época. como metáforas. aquecimento global. internet. se mais informativa ou argumentativa. Tente trazer a idéia para a atualidade . questões indígenas. destacam-se: poluição. amizade. Pode-se usar no texto fatos comprovados. Diante do tema Alguns procedimentos importantes diante de um fragmento de texto. ciúmes.o seu domínio sobre o assunto. ou há marcas dos argumentos do autor? 4. procedimentos políticos de fomento à cultura. avanços tecnológicos. descobertas. destruição da natureza. Os temas subjetivos podem estar presentes num poema. mesmo que seja de um fragmento. 7. globalização. • Dissertação subjetiva Como reconhecer e trabalhar este tipo de tema: Este tipo de tema prevalecem as observações pessoais do autor. Sublinhe as palavras significativas e procure sinônimos para elas. o ponto que o escritor tomou como tema. a visão do autor é mais importante. ou seja. quanto mais associa o seu tema ao seu conhecimento de mundo. não só pelos argumentos como também pelos fatos apresentados . Os temas subjetivos são aqueles que voltam para o ser humano: amor. em fatos reais. ou de um texto: 1.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful