Você está na página 1de 2

c  


    

Sócrates, um filósofo grego que viveu entre 470 e 399 a. C., foi condenado à morte.
Horas antes deste ingerir o veneno vários amigos foram ter com ele à prisão. Estavam
tristes e revoltados, pois consideravam Sócrates o homem mais justo e sensato que
conheciam e entendiam que as acusações contra ele eram falsas. Platão (discípulo e
amigo de Sócrates) descreveu as últimas horas de vida de Sócrates num livro chamado
0 .

Enquanto conversavam, é referido o problema da alma ser ou não imortal: será que a
morte é o fim de tudo ou, pelo contrário, depois dela existe uma outra vida? Os amigos
de Sócrates insistem para saber o que pensa ele sobre isso.
Sócrates aceita examinar o problema e diz: 

   



       


 
 
  



 
 

. (Platão, 0 , 5ª edição, Lisboa Editora, 1997,
pág. 45.)

Sócrates, tal como outros filósofos, foi algumas vezes acusado de andar com a cabeça
nas nuvens e de se interessar por assuntos inúteis e desligados da vida. Assim, ao dizer
que, uma vez que vai morrer, reflectir acerca da morte e do sentido da vida é
 está a dizer que esse assunto não é exterior à vida humana.

Ora, tal como Sócrates, nós também somos mortais. Também vamos morrer um dia. Por
isso, faz sentido ± é ³apropriado´ ± que reflictamos acerca da morte e do significado da
vida. Para nós, a morte não é um assunto inútil e desligado da vida. É um assunto que se
impõe a partir da nossa experiência.

Esse raciocínio pode estender-se a outros problemas filosóficos. Os problemas


filosóficos são problemas que se impõem a partir da nossa experiência e não assuntos
demasiado abstractos, inúteis e desligados da vida. Por isso, é apropriado reflectirmos
acerca deles.

Eis alguns exemplos.

Temos amigos, por isso é apropriado reflectir acerca da amizade.


Queremos ser felizes, por isso é apropriado reflectir acerca da felicidade.
Dizemos muitas vezes que certas coisas são belas e outras feias, por isso é apropriado
reflectir acerca da beleza.
Argumentamos, por isso é apropriado reflectir acerca dos argumentos e daquilo que os
torna correctos ou incorrectos.
Utilizamos diariamente palavras como ³verdadeiro´, ³falso´, ³justo´ e ³injusto´, por
isso é apropriado reflectir acerca da verdade e da justiça.
Etc.

Sendo assim, estudar filosofia e reflectir acerca dos problemas filosóficos não é perder
tempo com assuntos demasiado abstractos, inúteis e desligados da vida, mas sim tentar
esclarecer problemas que, pelo contrário, fazem parte da nossa vida. Ao estudar
filosofia e ao reflectirmos sobre esses problemas tornamo-nos conscientes de coisas
que, sem sabermos, já existiam na nossa vida.
* entrada do templo de Delfos, na Grécia, estava escrito um conselho que Sócrates
considerava fundamental: 


  
. Filosofar é uma forma de o pôr em
prática.

*-*-*-*

-  
     
 
 

--
; 

--
; ‘