P. 1
Relatório Cobre_1

Relatório Cobre_1

|Views: 546|Likes:
Publicado porThyrone Martins

More info:

Published by: Thyrone Martins on May 08, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/27/2015

pdf

text

original

1.

Resumo
Para a determinação do cobre na amostra de latão, utilizou -se o método de precipitação selectiva que permitiu separar os diferentes componentes da amostra, tendo -se simultaneamente verificado a inexistência de estanho e de chumbo. Através do método gravimétrico efectuou -se o doseamento do cobre, tendo a primeira fase o objectivo de reduzir o cobre ao estado Cu
+

e a segunda fase fazer precipitar o cobre com o

tiocianato de amónio sob a forma de tiocianatocuproso. Obteve -se então uma percentagem de 55,7 % de cobre na amostra de latão, valoreste enquadrado na bibliografia consultada (55 a 95% Cu).

..... Resumo ................. 10 ................................... 6.. ............................................................ 2........... 3 Parte Experimental ........ 7 4......... 6 Procedimento Experimental ............................................ Introdução Teórica .................3................................................................................ ....... 3..... ................. ........................................................... .............. ............................................. ............ 5..... ................ . 3...................................... ...... .......... Reagentes .............. .............. .... .......... 9 Bibliografia ......................... 6 Material e Equipamento ... .......... 8 Conclusões ............ ............................................................ 3............................................. ......Índice 1....................... 6 3.............................. Resultados e Discussão ..............................2.............1.. ..... .... .............................................. ................ ........................... .............. .......... .....................

a conversão e a electrólise.2. maquinaria e equipamento industrial. tais como a flotação.Esta diversidade de valências deve -se às suas propriedades.S-1 . É bastante resistente à corrosão. tornando -o um material económico. construção.Não necessita de manutenção. Assim sendo.Doseamento do Cobre num latão 3 2. Introdução Teórica O cobre foi o primeiro metal a ser descoberto e utilizado acerca de 6. resiste muito bem à oxidação e também à água do mar. etc. É depois da prata o melhor condutor eléctrico.Cº -1 O cobre é um metal bastante relevante em várias áreas tais como: electricidade. com símbolo químico (Cu).500 anos na Mesopotâmia. existem provas arqueológicas de que era utilizado na substituição da pedra como ferramenta de trabalho. [1. o cobre passa por várias etapas de purificação e separação. penalizando a maquinabilidade. encontra-se entre os metais nobres e os metais mais susceptíveis de ataque.P ode ser encontrado em várias formas. Após a sua extracção.mm-2 0. [2. electrónica. equipamentos de transporte.94 cal .1. [1] O cobre pertence ao grupo de metais pesados .Ÿ-1 . É bastante maleável e dúctil. mas ainda assim protege as camadas inferiores. sendo a mais frequente em depósitos de sulfuretos . pois os produtos de corrosão formam uma película que é pouco resistent e. até estar no estado puro . tais como o sulfureto de cobre -ferro (CuFeS 2) ou calcopirite. a fundição. Os romanos deram o nome de cuprum. Massa atómica Número atómico Massa volúmica Estrutura cristalina Temperatura de recristalização Ponto de fusão Ponto de ebulição Coeficiente de dilatação linear Condutividade eléctrica (20 C0) Condutividade térmica Tabela 1: Principais propriedades do cobre 29 63. armas e objecto de ornamentação. pois o cobre era proveniente da ilha de Chipre onde se pensam ter existido as primeiras minas.86 kg/dm3 Cúbica de faces centradas 230 C º 1083 Cº 2360 Cº 17 x10-6 Cº -1 60 m. Cm -1 .3] A tabela a seguirmostra as suas principais propriedades . 3] . P ode ser reciclado vezes sem conta sem que haja perca das suas propriedades . o que permite trabalhar a frio.546 8.

entre outros . O latão é mais fácil de moldar do que o cobre ou o zinco e alterar a quantidade dos elementos da liga do latão. O cobre e as suas ligas podem ser dissolvidos por intermédio de ácidos tais como o nítrico (HNO 3) e o clorídrico (HCl). como instrumentos de sopro. [3] Utilizando o método de precipitação selectiva. criando assim respectivamente: o cuproníquel. tais como fechaduras. As proporções são importantes de acordo com o fim a que se destina. transferência eléctrica e electrólise. os mais correntes são: o níquel . podem tornar o latão mais rij o ou mais suave para traba lhar. troca de iõe s. de acordo com a seguinte equação redox: 2Cu2+ + HSO3. e sinos. podemos separar os componentes de uma amostra tendo em conta a solubilidade em dete rminados compostos. e para fabricar instrumentos musicais. tais como: precipitação gravimétrica. este precipita sob a forma de sulfato de chumbo (PbSO4). extracção por solventes.+ H2O 2Cu + + SO4 2. este precipita sob a forma de ácido meta -estânico (H 2SnO3). [3] Aproveitando essa propriedade . Outro composto que pode est ar presente no latão é o chumbo. cobre alumínio e bronze. o zinco. o latão. o alumínio e o estanho. que provoca a redução do cobre(II) a cobre (I). oxidando o cobre a Cu 2+ de acordo com a seguinte equação redox: Cu (s) + 2 NO 3. o primeiro passo do trabalho prático consiste exactamentena solubilizaçãoda amostra de latão com á cido nítrico.+ 4 H+ Cu2+ + 2 NO2 (g) + 2H 2O A formação de um precipitado nesta fase indica a presença de estanho. engrenagens. criando assim várias ligas de cobre. onde a quantidade de zinco encontra-se entre os 5% e os 45 %. Actualmente existem diversos métodos de extracção do cobre de acordo com o fim a que se destina. para fabricar componentes em que é necessário baixo atrito . [5] Esta liga é utilizada para fabricar objectos decorativos. especialmente quando aquecido . O doseamento do cobre inicia com a adição de hidrogenossulfito de sódio (NaSO 3). contendo também estanho e chumbo entre 1% e 2%. dada a sua aparência brilhante que se assemelha ao ouro. sendo esteadequado para grandes quantidades de cobre(método preferencial na indústria ) e aqueles mais adequados para a química analítica e para pequenas quantidades de cobre .Doseamento do Cobre num latão 4 O cobre é miscível com vários elementos. rolamentos.+ 3H+ . pelas suas propriedades acústicas.Adicionando ácido sulfúrico. A liga entre o cobre e o zinco pertence ao grupo dos latões.

(CuSCN). de acordo com a seguinte equação: Cu+ + SCN-CuSCN (s) . o cobre reage com o tiocianato de amónio.Doseamento do Cobre num latão 5 Após reduzido. precipita ndo sob a forma de tiocianatocuproso.

45. R 8. d=1. p.eb. Kitasato. 69% . (C) corrosivo. 96% .84. Provetas graduadas . PRONALAB. PRONALAB. 98.5ºC.012g. Soluções aquosas de tiocianato de amónio 10% e 0. y y y Balança: Precisa 400M.: 279.1. Solução aquosa de hidróxido de amónio 4M .01% .mol-1. Soluções aquosas de hidrogenos sulfito de sódio 10% e 0. Parte Experimental 3.6ºC.mol -1.2. y y y y y Material e Equipamento Cadinho filtrante de Gooch G4 .35. y Ácido sulfúrico: H2SO4. d=1. y Reagentes Ácido nítrico: HNO 3.08 g.35. 63. (C) corrosivo. Erlenmeyer.: 120. R 8. S 23. S 26/30/45. p. Placa de aquecimento: VELP Scientifica . y y y y Solução de ácido sulfúrico 96% . 3.48.01% . (O) comburente. Banho de aquecimento: Memmert . 36. 26. Copos de precipitação .eb. .Doseamento do Cobre num latão 6 3.

A t i i 0. lfit i it l l t f i t f lfit li l l f i i i l 00 i .  0 i fi ít i 1. fi lf i i i fi l . t l A i i 10% i i ti ti i i 0%. t f l lf i t i it t l t . Pr c dim nt E 0. 10 li t l rim ntal i it 1 . . 10 . l t fi t i i t t i t it 10%. lfit f i t i i t i fi i .3. A t l l l . t l t i . t l l i t t 0 t f t i i . t t i t . i i l t f t . f i t t i it t t fi . i i f l li i i l . .t l t 3.f i l íli l 10 l l .01% t f ti   ¢ ¥ ¦§ ¤ ¢© ¢¨ ¢ §¤¦¥¤ £¢¡ .t l 1:1 ti ti 0. ifi t l . P i i t t A i A i i i fi t .01%. fi l it t i l f f . i i t t l it t i l li .S i i i i l l t i it ti i it fi . S 0. 0 100 l t tt . ilt í i 110 i t . l i t .A i i t i ifi i t li 0 t . i l fi l t t . f i t i t l t i it t 1 .

pois o cobre neste estado de oxidação forma um complexo com estas características. o que significa que a amostra não apresentava estanho. Adicionámos então hidrogenossulfito de sódio 40% (solução stock da qual preparámos a solução a 10%) pelo que se verificou a formação de precipitado branco. Logo podemos afirmar que a amostra não tinha chumbo. adicionámos hidróxido de amónio até a solução tornar -se alcalina.4932 g Cu 63. nesta altura a solução tornou-se verde e não apresentava precipitado. que desapareceu com o aquecimento dasolução. a mudança de cor da solução de azul -clara à azulescura. realizámos dois ensaios de precipitação selectiva. Como obtivemos 0. calculada através da equação: ‡‘”†‡…‘„”‡     .55g Cu x O que dá uma percentage m de cobre na amostra aproximadamente igual a 56 %. indica-nos exactamente isto. Para verificarmos a presença de cobre no estado de oxidação 2+. nomeadamente a do estanho e a do chumbo. Este facto pode se dever à concentração da so lução de hidrogenossulfito de sódio 10% não ser exactamente essa.Doseamento do Cobre num latão 8 4. embora não saibamos a origem do precipitado. Após a redução do Cu 2+ a Cu+adicionámos tiocianato de amónio 10%.63 gCuSCN 0. pelo que podemos afirmar que o precipitado que inicialmente apareceu não era sulfato de chumbo. Seguidamente. Após a solubilização da amostra com ácido nítrico.994g de tiocianatocuproso. não verificámos a formação de precipitado. calculámos a massa de cobre no precipitado da seguinte forma: 121. com o objectivo de separarmos estes compostos para os mesmos não interferirem aquando da precipita ção do cobre sobre a forma de tiocianatocuproso. após a adição do ácido sulfúrico.994gCuSCN x = 0. Resultados e Discussão Para a determinação do cobre na amostra. verificámos a formação de um precipitado branco muito disperso na solução. para promover a formação do tiocianatocuproso.

95% Cu). pois não houve formação des tes precipitados. Conclusões Podemos concluir. concluímos que o teor de cobre obtido e m comparação com a bibliografia consultada.Doseamento do Cobre num latão 9 5. encontra -se dentro do que é esperado para este tipo de amostra (55 . . que esta não continha estanho nem chumbo. pela análise da amostra de latão. Após o tratamento dos resultados.

Travassos. [3] F..F. E. Lisboa. Electrometalurgia das soluções aquosas (Princípios fundamentais). P..W. Laboratório de engenharia civil. Volume II. Seabra.org. página consultada em 17/Mar/2011 [6] Robalo. página consultada em 17/Mar/2011. C. Alegria . G.Doseamento do Cobre num latão 10 6. 1ª ed. 2011.M. . [5] http://www.V. Dyer. Lisboa 1981. L. Gago. [4] I. Abril 1961. Washington. Módulo de Química 2. 1987.brass. Leddicotte.org. 2ª ed.N. Bibliografia [1] http://www.icsg. Martins. The radiochemistry of copper . Laboratórios Integrados 2 ± Protocolo de Trabalhos Práticos. [2] A. Metalurgia geral .... Instituto Superior de Engenharia de Lisboa.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->