Você está na página 1de 8

Centro Educacional SESC Cidadania

Formando Cidadãos
Ensino Fundamental II

Goiânia, ____/___ /10 7º ano Turma: ____ Nº: ____


Nome do (a) aluno (a): ______________________________________________
Professor (a): Valéria de Paula Silva
Valor: 10,0 Nota: _________ Ass. Prof.: ___________

Instruções
1. Utilize somente caneta esferográfica preta ou azul para responder às questões;
2. Respostas a lápis ou a caneta especiais (florescente e outras): o aluno perde o direito a possíveis
reclamações;
3. Respostas sem cálculo e a lápis: o aluno perde o direito de possíveis reclamações;
4. Uso de calculadora e dicionário nas avaliações só com autorização do professor e não é permitido o
empréstimo;
5. É proibido o uso de corretivo nas avaliações.

Apostila de Educação Física


2º Bimestre – Handebol
O handebol é muito parecido com o futebol, porém é jogado com
as mãos, como diz o seu próprio nome em inglês: hand = mão e ball = bola.
A bola pode ser deslocada durante o jogo através de passes, driblando ou
dando até três passos sem driblá-la. Sendo que após receber um passe,
driblar a bola e segurá-la não é permitido driblá-la novamente.
O jogo é iniciado no centro da quadra pela equipe que vencer o
sorteio da posse de bola. A outra equipe deve ficar em sua área a três
metros da bola. Após o apito do árbitro os jogadores podem movimentar a
bola em qualquer direção. Durante a partida, entretanto, após ser marcado
um gol, para nova saída, a equipe que sofreu o gol, uma vez posicionada
corretamente, não precisa esperar o posicionamento defensivo da outra equipe. O objetivo do
jogo de handebol é marcar gols, isto é, colocar a bola dentro da baliza do adversário. Para isso é
necessário:
- que a bola seja deslocada por vários jogadores, que a passam entre si para penetrar mais
facilmente na quadra adversária, uma vez que individualmente isso é muito mais difícil, mas
sem invadir a área de goleiro.
- que os jogadores de um time, passando a bola entre si, desloquem-na até uma posição que
permita o arremesso à baliza.
Vence a partida a equipe que, ao final, tiver marcado o maior número de gols. Poderá
também haver empate. Uma equipe de handebol é composta por sete titulares e sete reservas.
Oficialmente, uma partida de handebol compõe-se de dois tempos com duração de trinta minutos
cada um e intervalo de dez minutos. Cada equipe tem direito a um pedido de tempo de um
minuto (time out) em cada meio tempo de jogo. Os jogos oficiais contam com a participação de
dois árbitros, um secretário para fazer anotações e um cronometrista para marcar o tempo. Estes
são os oficiais do handebol.

Uma equipe tem as seguintes posições: goleiro, armadores, pontas (laterais) e pivô. A seguir
considerações sobre as posições.
1 – Goleiro: é o único que pode transitar dentro da área, e também pode atuar na linha.
2, 3 e 4 – Armadores (central, direito e esquerdo): jogadores de impulsão – principais artilheiros do
jogo; o armador central também é o responsável por pensar as jogadas e organizar o
posicionamento do time em quadra.
5 e 6 – Pontas (laterais): atletas de explosão e velocidade, que atuam nas laterais da quadra.
7 – Pivô: jogador de força tem como principal função se infiltrar na defesa adversária, além de
servir os armadores.

1
Observe atentamente a figura a seguir, que representa uma quadra de handebol de salão:

Exercícios de fixação
Objetivo 4.4. Conhecer, descrever e identificar o jogo, características, objetivo, número de
jogadores e tempos de jogo do desporto handebol.
1– Descreva como se dá o inicio do jogo de handebol, a que distância os jogadores que não estão
de posse da bola devem permanecer e em que direção à bola poderá ser jogada?(0,5)

2– Uma equipe de handebol é formada por quantos jogadores titulares e quantos reservas?(0,5)

1. Fundamentos básicos do handebol


1.1. Manejo de bola
O handebol é um jogo muito simples, semelhante ao futebol, porém jogado com as mãos. No
handebol a bola deve ser deslocada através de passes, o atleta também pode conduzir a bola,
dando até três passos para depois passá-la ou arremessá-la. Esta maneira de conduzir a bola
permite ao jogador maior velocidade, segurança e naturalidade nos movimentos.
Recomendações para recepção da bola:
Receba a bola sempre com as duas mãos.
Erga a cabeça, olhando a trajetória da bola.
Mantenha os braços semiflexionados para amortecer o impacto da bola.
Incline um pouco o tronco em direção à bola.
Assim que recebe a bola, o jogador deve segurá-la prendendo-a fortemente entre os dedos,
pois do contrário corre o risco de perdê-la. Quando um adversário tentar tomar-lhe a bola, o
jogador puxa-a para junto de seu corpo, protegendo-a. Mas atenção: não é permitido ficar mais
que três segundos segurando a bola sem movimentá-la. Assim, para evitar a perda da bola, muitas
vezes é necessário passá-la a um companheiro.

1.2. Manejo de corpo


É a capacidade de movimentar-se e controlar seu próprio corpo, sendo muito importante
para o aprendizado de todos os outros fundamentos. São corridas (para frente, para trás, laterais e
com mudanças de direção), paradas bruscas, giros, fintas e saltos.

1.3. Fintas
Fintas são movimentos que o jogador realiza para desequilibrar e confundir o adversário. As
fintas são muito usadas para escapar dos adversários durante a condução da bola, fugir de uma

2
marcação, alcançar uma posição melhor para receber um passe, interceptar um passe adversário
e infiltrar-se numa defesa.

1.4. Passes
O passe pode ser executado com as duas mãos, porém o
melhor é fazê-lo com uma das mãos devido ao tamanho da bola
e à maior liberdade de movimentos que ele permite. Tipos de
passe: frontal, baixo, picado e de costas.
O passe frontal é o mais comum e o mais fácil de ser
executado. O passe frontal picado serve não somente para
enganar o adversário, como também para dificultar-lhe o
trabalho de interceptação da bola, principalmente se ele for alto. O passe baixo é usado para
distâncias curtas. Deve ser executado quando o jogador está de costas para a defesa e precisa
manter a bola bem protegida. Outro tipo é o passe de costas, muito utilizado para se penetrar na
defesa adversária e chegar a uma posição adequada ao arremesso. O atleta segura à bola leva o
corpo para um lado e lança a bola para trás. Desta maneira, faz com que o adversário se
desloque, deixando um lado livre para que possa executar o passe.
Conduzindo a bola, utilizando fintas e passes, as equipes chegam perto da área de goleiro e
se preparam para fazer o arremesso ao gol.
Recomendações para o passe:
Mantenha sempre a bola fortemente segura nas mãos.
O braço deve estar alto, normalmente com o cotovelo mais elevado que o ombro.

1.5. Arremessos
Para arremessar a bola ao gol, usa-se a mesma técnica do passe, porém empregando mais
força e velocidade, procurando enganar o goleiro quanto à direção da bola. De preferência a
bola deve bater primeiro no chão, bem próximo às balizas, pois isto dificulta a defesa.
Tipos de arremessos: simples, com salto e com queda para frente.

1.6. Recepção
Está diretamente relacionado ao passe. É o ato de receber a bola de um companheiro.

1.7. Drible
O drible em handebol corresponde à ação do (a) jogador (a) em impulsionar
consecutivamente a bola contra o solo, podendo para isto, utilizar uma das mãos isoladamente ou
as duas alternadamente. Ele é também uma das formas de fazer a bola avançar para a quadra
adversária.

Exercícios de fixação
Objetivo 4.1 - Conhecer e descrever os fundamentos básicos do handebol: manejo de corpo,
manejo de bola, finta, drible, arremesso, passes e recepção.
3 – Explique o fundamento finta, utilizado no handebol. (1,0)

4 – Cite três recomendações para recepção da bola: (1,0)

5 – De acordo com o texto acima, comente sobre o arremesso do handebol e cite dois exemplos
deste fundamento. (1,0)

3
2. Táticas do handebol
2.1. Técnica defensiva – como marcar
Durante uma partida, as ações defensivas e ofensivas alternam-se de tal forma que pela
lógica deverá prevalecer o resultado positivo em favor da equipe que conseguir maior número de
tentos (gols) e se defender melhor, evitando que o adversário tenha êxito em sua ação ofensiva.
Posição básica defensiva do jogador: pernas afastadas, um dos pés um pouco avançado,
pernas ligeiramente flexionadas, braços levantados acima dos ombros.
a) Como se deslocar na posição defensiva: deslocar-se para frente, para trás e para os lados,
evitando cruzar as pernas ou saltar para não perder o equilíbrio caso o adversário faça
fintas; antecipar-se no sentido de ocupar espaços, impedindo as progressões e mesmo a
passagem do adversário.
b) Movimentação constante dos braços: utilizar os braços e as mãos para se apoderar da bola
não dominada pelo adversário, interceptando passes, na disputa da bola rebatida, nas
atitudes de defesa dos arremessos.
c) Saber fazer uso do corpo para obstruir a ação do adversário: barrar com o tronco o
caminho do adversário, mesmo que ele não esteja com a posse da bola.
Sistema de marcação individual: a defesa individual deve ser a mais utilizada por aqueles que
estão começando a jogar. Neste tipo de defesa, a habilidade de cada defensor é fundamental,
pois ele é diretamente responsável por um atacante. Caso este defensor falhe, a equipe deverá
dar cobertura necessária fazendo trocas de marcação. Esta situação ou condição favorece a que
cada defensor não fique limitado a sua ação individual de simplesmente marcar um dos
atacantes, mas estar concentrado no jogo para desenvolver uma visão periférica observando todo
o jogo e aprendendo, assim, a fazer trocas e coberturas quando necessárias.
Quando está na defesa, o jogador deve:
Sempre se manter entre a própria baliza e o adversário;
Procurar atrapalhar os movimentos do adversário que está de posse da bola, mas sem
cometer faltas desnecessárias. Não pode agarrar, empurrar ou segurar o adversário;
Acompanhar atentamente todas as jogadas da equipe atacante. Nunca deve perder a
bola de vista;
Fazer marcação tão mais próximo do atacante, quanto mais próximo estiver ele da área de
goleiro;
Procurar levar o atacante para as laterais da quadra. Assim, o adversário terá menor
espaço para movimentar-se;
Estar preparado para iniciar rapidamente um contra-ataque tão logo consiga neutralizar
um ataque.

2.2. Sistema ofensivo


Apresentamos uma formação básica, onde colocamos os jogadores atacantes em duas
linhas, ou seja, três jogadores posicionados mais próximos à linha de tiro livre ou de 9 metros e outros
três que se colocam próximos à área de gol ou linha de 6 metros:
A partir desse posicionamento básico, são feitas as mudanças de direção e principalmente
infiltrações, aberturas de espaços entre os jogadores da defesa.
Contra – ataque: é uma jogada rápida, que constitui a melhor maneira de se chegar ao gol
do adversário, pois quando perde a bola, o ataque adversário nem sempre consegue se organizar
para a defesa. Ou seja, recupera-se a bola que estava na sua quadra e sua equipe parte para o
ataque na quadra do adversário.

3. Para ser um bom atacante do handebol


a) Estude bem seu marcador;
b) Antecipadamente, tenha na cabeça a jogada que executará quando receber a bola;
c) Seja capaz, mesmo sem olhar, de saber do posicionamento
ofensivo dos seus companheiros;
d) Durante a condução da bola, nunca para pensar o que fará com
ela;
e) Não permaneça parado. Movimente-se bastante;
f) Mantenha-se afastado do seu marcador;
g) Surpreenda seu adversário com velocidade;
h) Ameace sempre o arremesso ao gol;
i) Use suas habilidades, mas não seja individualista;
j) Apóie seus companheiros na quadra, oriente sem ser agressivo e
comemore com sua equipe qualquer ação de sucesso.
4
Exercícios de fixação
Objetivo 4.5 – Conhecer sistema defensivo e ofensivo do desporto handebol.
6– De acordo com o texto acima, descreva sobre o que se pede: (2,0)
A) Posição básica defensiva do jogador

B) Como se deslocar na posição defensiva

C) A intenção da movimentação constante dos braços

D) Sistema de marcação individual

7 - O que é contra-ataque? Explique. (0,5)

8– Cite três atitudes de um bom atacante do handebol. (1,0)

4. Regras e penalidades do handebol

4.1. A área de goleiro


No handebol, a área de goleiro é tão importante que quase todo o jogo depende dela. O
próprio goleiro de uma equipe pode sair da sua área e jogar como qualquer jogador, desde que
não tenha a bola em seu poder no momento de saída da área.
Fora de sua área, o goleiro é considerado um jogador de quadra e está sujeito às mesmas
regras que os demais. Pode voltar para sua área a qualquer momento.
Ao jogador é permitido barrar com o tronco o caminho do adversário, mesmo que ele não
esteja com a posse de bola.
As principais faltas do jogador são:
Agarrar, empurrar, segurar o adversário;
Invadir a área de goleiro;
Usar os pés para apossar-se da bola ou defender-se;
Ficar com a bola na mão por mais de três segundos;
Dar mais de três passos sem bater ou passar a bola.
A primeira coisa que você deve saber é que somente o goleiro tem o direito de permanecer
em sua área. A área de goleiro é violada sempre que um jogador (adversário ou não):
Invade-a propositadamente;
Pisa ou cai sobre a linha de área de goleiro com qualquer parte do corpo, e se beneficia
desta ação.
Então, se durante o jogo a bola chegar até a área de goleiro, poderá ser devolvida à quadra
somente pelo goleiro. É proibido a qualquer outro jogador tocar na bola que ali se encontrar,
parada ou rolando ou mesmo com o próprio goleiro.

5
4.2. Tiro Lateral
No centro da quadra, o árbitro apitou, dando início à partida, e a bola foi passada para um
companheiro. O jogador recebeu a bola, conduziu até a quadra adversária e arremessou. A bola
foi interceptada por um adversário e saiu pela linha lateral ou linha de fundo. Um tiro lateral será
assinalado pelo árbitro. A bola será reposta em jogo por um jogador que, colocando com um ou os
dois pés sobre a linha de lateral, a passa a outro companheiro. Desde que o jogador se mantenha
com um pé sobre a linha lateral, poderá fazer a reposição de qualquer maneira, mas de
preferência com uma das mãos.
No handebol, para cobrar qualquer penalidade o jogador não pode tirar o pé de apoio do
chão.

4.3. Tiro Livre


Se um jogador, de posse da bola, é agarrado quando tenta infiltrar-se entre seus adversários,
o árbitro marca a infração e determina o tiro livre.
Na cobrança do tiro livre os jogadores da defesa podem ficar alinhados um ao lado do outro,
com os braços levantados, formando uma barreira. Devem estar a uma distância igual ou superior
a três metros em relação ao atacante com a bola.
O tiro livre é cobrado da linha de tiro livre quando a infração ocorre nas intermediações da
área de goleiro. Pode ser executado sem esperar a autorização do árbitro e a formação de
barreira. Porém se o árbitro apitar, o arremesso deverá ser executado dentro do tempo de três
segundos. Caso se esgote o tempo, será cobrado tiro livre pelo adversário.
Durante a execução do tiro livre, nenhum jogador da equipe que está de posse da bola
poderá ficar entre a linha de gol e a linha de tiro livre. Além disso, ao jogador atacante não é
permitido atirar a bola contra a barreira. O jogador poderá arremessar ao gol, por cima ou pelo
lado da barreira, desde que não ameace a integridade física do adversário. Essas infrações são
punidas com tiro livre.
O tiro livre é aplicado quando o jogador:
Toca a bola com os pés
Entra e sai irregularmente da quadra;
Maneja a bola irregularmente;
Comete infração nas imediações da área de gol;
Agarra, empurra ou segura o adversário;
Dá mais de três passos com a bola na mão;
Soca a bola para tirá-la do adversário;
Atira-se sobre a bola que está rolando.
Quando as infrações não são cometidas nas imediações da área de goleiro, o tiro livre é
cobrado do local exato onde ocorreu à infração.

4.4. Tiro de sete metros


Quando o jogador se conduz irregularmente, agarra o adversário para
impedir clara oportunidade de marcar gol ou lança intencionalmente a bola
para o goleiro da própria equipe, é aplicada a penalidade do tiro de sete
metros.
Algumas recomendações para o tiro de sete metros:
a) O tiro de sete metros deverá ser executado pelo jogador em até três
segundos;
b) Na cobrança do tiro de sete metros o jogador não poderá tirar o pé de
apoio do chão; No entanto, é permitida a queda do corpo para frente;
c) Após o apito do árbitro, o jogador não poderá bater a bola no chão;
d) Se o jogador que cobrar o tiro de sete metros infligir qualquer uma das regras acima, a
execução será invalidada e será cobrado um tiro livre contra a equipe do infrator;
e) Os jogadores da equipe adversária não poderão ultrapassar a linha de tiro livre até que o tiro
de sete metros seja cobrado. Se isto acontecer, haverá repetição da cobrança do tiro de sete
metros.

4.5. Exclusão
Uma exclusão deve ser dada nos seguintes casos:
a) Substituições irregulares;
b) Repetidas infrações no comportamento para com o adversário;
c) Conduta antidesportiva repedida por parte de um jogador.
6
A exclusão será sempre de dois minutos de jogo, durante os quais o jogador punido não
poderá ser utilizado. Sua equipe só poderá ser completada depois de esgotado o tempo de
punição. Se um mesmo jogador for excluído por três vezes, será desqualificado automaticamente.
A equipe cujo jogador tenha sido desqualificado jogará com um elemento a menos durante
um período de dois minutos. Passado este tempo, a equipe pode colocar outro em seu lugar.

4.6. Expulsão
A expulsão será dada em caso de agressão dentro ou fora da quadra. Considera-se motivo
de expulsão uma agressão física cometida contra um jogador, árbitro, secretário e demais oficiais
ou espectador.
O árbitro anuncia a expulsão elevando os antebraços cruzados na altura da cabeça. O
jogador expulso não será substituído.

Exercícios de fixação
Objetivo 4.6 – Conhecer regras e penalidades do desporto handebol.
09– Cite três situações onde o tiro livre é aplicado. (1,0)

10 – Cite duas recomendações para a execução do tiro de sete metros. (0,5)

11 - De acordo com o texto acima, assinale com um (x) a alternativa correta: (0,5)
a) Um jogador comete falta violenta sobre o adversário, toma atitude antidesportiva, faz
reclamações ou gestos ofensivos. O árbitro determina:
( ) exclusão temporária ( ) tiro de sete metros

b) Ao cometer infração grave pela terceira vez, o jogador será:


( ) advertido ( ) desqualificado

Para refletir

A ESCOLA DOS BICHOS - Rosana Rizzuti


Conta-se que vários bichos decidiram fundar uma escola. Para isso reuniram-se e começaram
a escolher as disciplinas. O Pássaro insistiu para que houvesse aulas de vôo. O Esquilo achou que a
subida perpendicular em árvores era fundamental. E o Coelho queria de qualquer jeito que a
corrida fosse incluída. E assim foi feito, incluíram tudo, mas... cometeram um grande erro. Insistiram
para que todos os bichos praticassem todos os cursos oferecidos.
O Coelho foi magnífico na corrida, ninguém corria como ele. Mas queriam ensiná-lo a voar.
Colocaram-no numa árvore e disseram: "Voa, Coelho". Ele saltou lá de cima e "pluft"... coitadinho!
Quebrou as pernas. O Coelho não aprendeu a voar e acabou sem poder correr também. O
Pássaro voava como nenhum outro, mas o obrigaram a cavar buracos como uma toupeira.
Quebrou o bico e as asas, e depois não conseguia voar tão bem, e nem mais cavar buracos.
SABE DE UMA COISA?
Todos nós somos diferentes uns dos outros e cada um tem uma ou mais qualidades próprias
dadas por DEUS. Não podemos exigir ou forçar para que as outras pessoas sejam parecidas
conosco ou tenham nossas qualidades. Se assim agirmos, acabaremos fazendo com que elas
sofram, e no final, elas poderão não ser o que queríamos que fossem e ainda pior, elas poderão
não mais fazer o que faziam bem feito.
RESPEITAR AS DIFERENÇAS É AMAR AS PESSOAS COMO ELAS SÃO.

12- Responda as questões abaixo: (0,5)


A) Quando fazemos parte de uma equipe devemos respeitam as diferenças uns dos outros?
Explique.
b) Você acredita que todos se esforçam para fazer o melhor de si durante os jogos? Você
percebe em quais as situações encontra facilidade ou dificuldade para jogar? Explique.
7
Referências Bibliográficas
Gomes Nogueira. Cláudio José. EDUCAÇÃO FÍSICA NA SALA DE AULA. Rio de Janeiro: SPRINT – 3ª edição, 2000.
Valadares, Solange e Araújo, Rogéria. EDUCAÇÃO FÍSICA NO COTIDIANO ESCOLAR. Regras esportivas oficiais. Belo
Horizonte: Ed. Fapi LTDA.1ª edição, 1999.
Ventura Teixeira. Hudson. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS. São Paulo: Ed. Saraiva – 4ª edição, 2001.
Gomes Nogueira. Cláudio José. EDUCAÇÃO FÍSICA NA SALA DE AULA. Rio de Janeiro: SPRINT – 3ª edição, 2000.

Vamos lembrar Gabriel Garcia Marques:


“Aprendi que um homem só tem o direito de olhar o outro de cima para baixo para
ajudá-lo a se levantar”.

Objetivos Valor Nota


4.4 1,0
4.1 3,0
4.5 3,5
4.6 + Texto 2,5
Nota Final ----