Você está na página 1de 5

http://afilosofia.no.sapo.pt/Aristoteles.htm - 01 ago. 2005.

Aristóteles
(384-322 a.C.)
É difícil classificar Aristóteles, tão rica e
multifacetada foi a sua obra. Nela
encontramos uma exaustiva compilação
dos conhecimentos do seu tempo, mas
também, uma filosofia que ainda hoje
influência a nossa maneira de pensar.
Nasceu em Estagira (e por isso é também
conhecido por "Estagirita"), colônia
fundada pelos calcidenses da Eubeia. Era
filho de Nicômaco, médico que se dizia
descendente do próprio Asclépio, e fora
outrora médico de Amintas II, rei da
Macedônia. Por morte do pai (366) viajou
para Atenas afim de aí prosseguir os seus
estudos. Entre a Escola retórica de
Isócrates e a Academia de Platão,
escolheu a última, onde acaba por
ascender a professor. Após a morte de
Platão, em 347, abandonou a Academia
provavelmente por divergências quanto à
escolha de Espeusito, sobrinho de Platão,
para a direção da escola.

.
Iniciou então uma atribulada viagem que o levou a Assos, na Ásia Menor, onde se
estabelecera uma comunidade de alunos da Academia, protegida pelo tirano
Hermias, rei de Atárnea. Este possibilita-lhe o contacto com a organização interna
e externa de um Estado (347-345). Casa entretanto com Pítias, sobrinha de
Hermias. A sua permanência foi subitamente interrompida, quando os persas
suspeitando que Hermias estava a colaborar com os macedônios, decidem
crucificá-lo em Persópolis (345). Aristóteles foge, refugiando-se em Mitilene, na
ilha de Lesbos, onde se dedica ao estudo da biologia.

Filipe da Macedônia - conquistador da Grécia -, devido à notoriedade que


entretanto adquirira, chama-o para preceptor do seu filho Alexandre, futuro
herdeiro do trono (343). A sua influência sobre o jovem príncipe foi enorme.
Alexandre revelou-se um aluno apaixonado pelos autores clássicos (diz-se que
adormecia com a Ilíada de Homero, debaixo da almofada, e até sonhava ser como
um dos seus heróis, Áquiles). Manifestou igualmente interesse pelas discussões
filosóficas, a investigação da natureza, a medicina, a zoologia, a botânica,
fazendo-se acompanhar nas suas expedições militares por um grupo de
investigadores.

Quando Alexandre subiu ao trono (335), Aristóteles regressou a Atenas, onde


criou a sua própria escola, o Liceu. Foi-lhe dado este nome porque estava situada
junto ao templo dedicado a Apolo Liceano. Os estudos concentravam-se sobre o
que hoje poderíamos denominar "ciências naturais", ao contrário da Academia,
onde era dada grande importância à geometria. Tinha dois tipos de cursos, os
"exotéricos" para o público, e os "esotéricos" destinados apenas a alunos iniciados
nas várias matérias. O liceu era um verdadeiro centro de investigação, apoiado
por Alexandre. Nele Aristóteles e os seus discípulos recolhiam informações acerca
de tudo, organizando depois estes dados num sistema global.

A morte de Alexandre, em 321, desencadeia uma guerra de libertação entre os


gregos e os macedônios que dominavam a Grécia desde Filipe. Aristóteles, como
era de esperar foi então acusado de colaborador dos macedônios, é perseguido,
refugiando-se em Cálcis, na Eubéia, onde morre no ano seguinte com 63 anos. A
direção do Liceu, após a sua saída foi confiada ao seu discípulo Teofrasto. Entre
os seguidores do Liceu, destacam-se Eudemo de Rodes, e, no século I, Andrônico
de Rodes.

Aristóteles escreveu um grande número de obras para o público não iniciado na


filosofia, sob a forma de diálogos, à semelhança do seu mestre Platão. Contudo
nenhum chegou até nós. As únicas "obras" que sobreviveram são constituídas
pelos seus apontamentos que escreveu para as suas aulas no Liceu. No século I
a.C. foram os mesmos organizados por Andrônico de Rodes.

Obras de Aristóteles

 Livros de lógica ("organon" ou instrumento): Categorias; Sobre a


Interpretação; Primeiros Analíticos ( 2 livros),; Segundo Analíticos (2 Livros);
Tópicos (8 livros); Refutações Sofísticas.

 Livros de física e a concepção do universo: Física (8 livros); Sobre o Céu (2


livros); Sobre a Geração e a Corrupção (2 livros); Meteorológicos (4 livros).

 Livros de psicologia: Acerca da Alma (3 livros); "Parva Naturalia" (4 tratados),


incluindo os seguintes livros: Acerca da percepção dos sentidos; Acerca da
memória e reminiscência; acerca do sono; acerca dos sonhos;
Livros de biologia: História dos Animais (10 livros, com partes de autoria
duvidosa); Acerca das partes dos animais (4 livros); acerca do movimento dos
animais; acerca da marcha dos animais; acerca da geração dos animais (5 livros).

Livros de metafísica: Foi Andrônico que atribuiu a estes livros (14) a


denominação de Metafísica (literalmente "depois da física), por os mesmo se
seguirem aos seus apontamentos que tratavam da física.

Livros de ética: Ética a Nicômaco (organizada por Nicômaco, filho de


Aristóteles); Ética a Eudemo (7 livros, organizados por Eudemo, discípulo de
Aristóteles); a Grande Moral ( 2 livros, com fragmentos das éticas anteriores e de
autoria duvidosa):

Livros de Política: Política (8 livros); Constituição de Atenas.

Livros sobre a linguagem e a estética: Retórica e Poética.

Principais Domínios de Investigação

Toda a sua filosofia assenta numa observação minuciosa da natureza, da


sociedade e dos indivíduos, organizando de uma forma verdadeiramente
enciclopédica. A sua idéia fundamental era a de tudo classificar, dividindo as
coisas segundo a sua semelhança ou diferença, obedecendo a um conjunto de
perguntas muito simples: Como é esta coisa ? (o gênero). O que é que a difere
das outras que lhe são semelhantes? (a diferença). A partir daqui começava a
hierarquizar todas as coisas, de uma forma tão ordenada que até então nunca
ninguém conseguira fazer.

Lógica: o primeiro sistema lógico, que permitiu estabelecer um conjunto de


princípios e regras formais por meio das quais se tornou possível distinguir as
conclusões falsas das exatas. Na Idade Média os seus escritos sobre lógica foram
os manuais mais importantes usados nas universidades, sobretudo na forma que
lhes deu o filósofo português Pedro Hispano (Papa João XXI).

Física: a física era a chave da natureza das coisas, não apenas da forma como
se comportavam no presente, mas também no que potencialmente viriam a
transformar-se. Quanto à constituição das coisas defendia a teoria dos quatro
elementos: água, terra, fogo e ar. Os corpos celestes, com exceção da terra, eram
constituídos por um quinto elemento puro e incorruptível. O universo é concebido
de forma hierarquizada, tendo no centro a terra, girando à sua volta todos os
corpos celestes.

Biologia: recusando a separação das idéias da natureza, como fazia Platão,


Aristóteles, apontou como tarefa para o investigador a de descobrir e classificar as
formas do mundo material. Os últimos 12 anos da sua vida foram preenchidos
com esta tarefa. Partindo de uma observação sistemática dos seres vivos, e não
desdenhando estudar vermes ou insetos, registrou perto de 500 classes diferentes
de animais, dos quais dissecou aproximadamente 50 tipos. Foi o primeiro que
dividiu o mundo animal entre vertebrados e invertebrados; sabia que a baleia não
era um peixe e que o morcego não era um pássaro, mas que ambos eram
mamíferos.

 Política: a sua primeira preocupação foi a elaborar uma listagem tão completa
quanto possível sobre os diferentes modelos políticos que existiam no seu tempo.
Enumerou um total de 158 constituições de cidades ou países diferentes. Partindo
da sua diversidade procurou depois as suas semelhanças e diferenças, pondo em
evidência o que constituía a natureza de cada regime. Evitou, quanto pode,
mostrar as suas preferências por um ou outro regime político.

Carlos Fontes

Aristóteles
Breve Bibliografia

Edições

Aristóteles - Metafísica. 3 Vols (com comentários). São Paulo. Loyola.

Aristóteles - Política. Lisboa. INCM.1998

Aristóteles - Política. Mem Martins (Lisboa). Europa-América. 2000

Aristóteles - Política. São Paulo Martins Fontes. 1998

Aristóteles - Constituição de Atenas. Lisboa. Fundação Calouste Gulbenkian.


2004

Aristóteles - Poética. Lisboa. INCM. 2000

Aristóteles - Retórica. Lisboa. INCM. 2000

Aristóteles - Retórica das Paixões. São Paulo. Martins Fontes. 2000

Aristóteles - Ética a Nicômaco. Brasília. unB. 2001

Aristóteles - Ética a Nicômaco. Lisboa. Edições 70. 2004

Aristóteles - Organon. VI volumes (Categorias, Analíticos Posteriores, etc).


Lisboa. Guimarães Editores.
Aristóteles - Organon. Edipro (Brasil). 2004

Aristóteles - Categorias. Porto. Porto Editora.

Aristóteles - Segundos Analíticos. Lisboa. INCM. 2005

Aristóteles - Tópicos. Lisboa. INCM. 2005

Aristóteles - Homem de Gênio e a Melancolia (O). Lacerda-BB (Brasil). 1998.

Aristóteles - Da Alma (De Anima). Lisboa. Edições 70. 2001

Aristóteles - Da Geração e da Corrupção, seguido de Convite à Filosofia. Landy


(Brasil). 2001

Aristóteles - Sobre a Geração e a Corrupção. Lisboa. INCM. 2005

Aristóteles - Os Económicos. Lisboa. INCM. 2005

Aristóteles - Diálogos e Obras Exortativas. Lisboa. INCM. 2005

Obras Completas de Aristóteles

A Imprensa Nacional- Casa da Moeda (Lisboa, Portugal), iniciou em 2005 a


publicação da obra completa de Aristóteles, incluindo as obras fragmentárias e os
apócrifos. Prevê-se a publicação de 43 volumes, devidamente anotados. Esta
excelente iniciativa será realizada em parceria com o Centro de Filosofia da
Universidade de Lisboa, sendo coordenado por António Pedro Mesquita.

Volumes publicados em 2005: Os Económicos; Retórica; Segundos Analíticos,


Tópicos; Sobre a Geração e a Corrupção; Diálogos e Obras Exortativas.

Comentários:

Gauthier - René-Antoine - Introdução à Moral de Aristóteles. Lisboa. Europa-


América