Você está na página 1de 12

c  

 

CLÁUDIO HENRIQUE BARBIERI, NILTON MAZZER, FÁBIO HENRIQUE MENDONÇA, LUIZ


HENRIQUE FONSECA DAMASCENO

 

A escápula é um osso plano recoberto por músculos, com a dupla função de estabilizar e permitir a
mobilidade do ombro, movendo-se contra a parede torácica por um mecanismo de deslizamento entre
diferentes planos musculares. Ela é a base do membro superior, cuja função depende em grande parte da
sua livre movimentação sobre o gradeado costal; pode ser seriamente comprometida por processos
patológicos, como as fraturas e suas seqüelas.

Fraturas da escápula são relativamente raras, contando não mais que 5% das da cintura escapular e 1% de
todas as fraturas(1). A relativa invulnerabilidade da escápula às fraturas é resultante de três fatores: 1) sua
estrutura anatômica, com o centro tênue e as bordas espessas, que lhe conferem elasticidade e resistência;
2) sua grande mobilidade, que lhe permite ³escapar´ de traumatismos; e 3) seu envolvimento por um
verdadeiro coxim muscular(2). Apesar disso, as fraturas da escápula podem ocorrer como resultado de um
trauma direto de alta energia, sobre ela mesma ou sobre suas partes, de um trauma indireto, como a queda
com apoio no membro superior ou as luxações do ombro(1).

Lesões associadas às fraturas da escápula são freqüentes. Variam das rupturas musculares e formação de
gran-des hematomas às fraturas das partes recobertas por músculos (o corpo), do colo e da espinha,
seguidas dos traumas da parede torácica que resultam de mecanismo direto de alta energia. Estes são até
mesmo mais graves que a própria fratura da escápula, podendo retardar o seu diagnóstico(1,3-6).

Os sinais e sintomas iniciais das fraturas recentes da escápula são pouco característicos, com dor e
diminuição da mobilidade do ombro como um todo, ou da articulação glenoumeral em particular. O
diagnóstico radiográfico dessas fraturas implica a realização de incidências especiais, que constituem a
chamada série-trauma e incluem as vistas ântero-posterior e perfil verdadeiras e axilar, capazes de mostrar
o colo e o corpo da escápula e o acrômio. A tomografia computadorizada pode ser útil para melhor
caracterização das fraturas envolvendo a superfície articular da glenóide, havendo o recurso de
reconstrução tridimensional, que permite melhor interpretação da situação(1).

As fraturas da escápula ocorrem segundo alguns padrões, sendo as mais freqüentes aquelas que envolvem
o colo e o (1,4,6,7). Várias classificações das fraturas da escápula foram propostas, com base na sua
localização anatômica e freqüência. Desaut, em 1805, identificou dois tipos de fraturas da escápula, quais
sejam, as do acrômio e as do ângulo inferior, ambas com diferentes causas e tratamentos. Zdravkovic e
Damholt(8) identificaram três tipos de fraturas: I) do corpo; II) das apófises; e III) do ângulo
súperolateral, que inclui a glenóide e o colo. Thompson et al(6) reconheceram três classes de fraturas: I)
coracóide, acrômio e pequenas fraturas do corpo; II) glenóide e colo; e III) grandes fraturas do corpo.
Para as fraturas intra-articu-lares da glenóide, Ideberg(9) propôs uma classificação que reconhece cinco
tipos: I) avulsão da margem anterior, comumente associada às luxações anteriores do ombro; II) fratura
transversa da glenóide, com fragmento triangular inferior deslocado juntamente com a cabeça do úmero;
III) fratura oblíqua da glenóide, dirigida para borda superior da escápula e freqüentemente associada à
fratura ou luxação acromioclavicular; IV) fratura horizontal da glenóide, dirigida para a borda medial da
escápula; e V) combinação do tipo IV com fratura da borda inferior da glenóide.

A maioria das fraturas da escápula é tratada conservadoramente, com base na imobilização temporária e
início precoce de fisioterapia, para ganho de mobilidade. Entretanto, as fraturas intra -articulares da
glenóide costumam ser de indicação cirúrgica(10), para redução anatômica e fixação rígida, assim como a
fratura do colo associada à da clavícula ou à luxação acromioclavicular (ombro flutuante). Entretanto,
com exceção das fraturas que envolvam uma grande área da superfície articular da glenóide, podendo
causar instabilidade e incongruência, não se nota, na literatura, veemência na indicação do tratamento
cirúrgico para os demais tipos. Essa postura comedida provavelmente se deve a que muitas das fraturas
ficam autocontidas pelo envoltório muscular do subescapular e do supra e infra-espinhal, e a que a própria
abordagem cirúrgica da fratura é difícil, envolvendo certo grau de lesão muscular, com conseqüente
fibrose e aderências e prejuízo funcional.

No presente trabalho, foram estudados 120 casos de fraturas de escápula, sendo realizada avaliação
funcional do ombro em 45 pacientes, portadores de fraturas da escápula de vários tipos, que foram
submetidos a tratamento cirúrgico ou conservador. O objetivo foi cotejar o grau de recuperação funcional
com o tipo de fratura e o tratamento realizado.

MATERIAL E MÉTODOS
O trabalho, realizado no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, desenvolveu-
se em duas etapas. Inicialmente, foram estudados retrospectivamente os prontuários de 120 pacientes com
fraturas da escápula, tratados num período de 18 anos (1982-1999). Os prontuários médicos foram
revisados conforme protocolo previamente elaborado, para registro de todas as informações concernentes
à fratura, ao tratamento realizado e ao seguimento do paciente. Em seguida, os exames radiográficos
disponíveis do ombro, da data do trauma e do seguimento até a alta ambulatorial, foram estudados, com a
finalidade de classificar a fratura.

Do total de 120 pacientes estudados, 96 eram homens e 24, mulheres, com idade média de 34,75 anos
(variação: 8 a 77 anos). Apenas um paciente, de 65 anos de idade e vítima de atropelamento, faleceu logo
após o trauma. No concernente à profissão, 54 exerciam atividades braçais, 60 tinham trabalhos leves e
em seis casos a profissão era desconhecida. Quanto ao mecanismo de trauma, predominaram os de alta
energia (tabela 1), como os acidentes automobilísticos, atropelamentos, acidentes motociclísticos e
quedas de altura. Também foram encontrados casos de fratura da escápula por espancamento e crises
convulsivas. O mecanismo de trauma permaneceu indeterminado em quatro pacientes.

No total, foram diagnosticadas 142 fraturas, acometendo 123 escápulas. O lado direito foi o mais
acometido, com 66 casos. Em três pacientes a fratura foi bilateral. As fraturas foram classificadas de
acordo com a posição anatômica do traço, como: fraturas do corpo e do colo da escápula, processo
coracóide e acrômio(1). Já as fraturas intra-articu-lares da glenóide foram classificadas de acordo com
Ide-berg(9). Foram excluídos do estudo todos os pacientes cujas radiografias não eram suficientes para
permitir a classificação da fratura e em cujo prontuário não houvesse menção desta (15 casos).

Quanto ao tipo, predominaram as fraturas do corpo da escápula (53 casos), do colo (52 casos), do acrômio
(14 casos) e do processo coracóide (sete casos). As fraturas intra-articulares somaram 16 casos, sendo três
do tipo I, cinco do tipo II, quatro do tipo III e quatro do tipo IV de Ideberg(9 ). A associação de mais de
um tipo de fratura na mesma escápula ocorreu em 19 casos (tabela 2).

Os pacientes foram divididos por faixas etárias, tendo havido maior incidência das fraturas entre os 21 e
os 45 anos. O diagnóstico foi inicialmente feito por radiografia simples de tórax em 18 casos, quando da
avaliação do paciente politraumatizado. Apenas três pacientes tinham como lesão única a fratura da
escápula. Todos os outros apresentaram lesões associadas, que variaram com a gravidade do trauma
(tabela 3), sendo as mais freqüentes as fraturas de costelas, pneumotórax, fraturas da clavícula e outras
dos membros superiores e inferiores. Algumas vezes, várias dessas lesões associavam-se num mesmo
paciente.
O estado de consciência do paciente na admissão foi avaliado pela Escala de Coma de Glasgow, segundo
a qual 82 pacientes receberam 15 pontos. Pontuações de 14 ou menos foram atribuídas a números
significativamente menores de pacientes, tendo chegado a quatro pontos em apenas dois.

Doze dos 120 pacientes foram submetidos à tomografia computadorizada, para melhor interpretação dos
traços de fratura, tendo o diagnostico de fratura intra-articular da glenóide dos tipos I e II de Ideberg em
dois casos, fratura do colo em cinco e fratura do corpo noutros cinco casos.

No tocante ao tratamento realizado na época do atendimento, 106 pacientes foram tratados


incruentamente, com imobilização do ombro em abdução neutra e rotação inter-na, utilizando
enfaixamentos de tipo Velpeau ou tipóia vestida, por um período médio de quatro semanas. Os pacientes
eram instruídos, nesse período inicial, a mobilizar ativamente o cotovelo várias vezes ao dia, para
prevenir retrações dessa articulação. Na etapa seguinte, igualmente de quatro semanas, era iniciada a
mobilização ativa leve do ombro, com base em movimentos pendulares, para ganho de amplitude. Aqui
os pacientes eram encorajados a aumentar a amplitude e intensidade do exercício, conforme a dor e a
estabilidade o permitissem. Os 14 pacientes restantes foram submetidos a tra tamento cirúrgico, para
fixação interna das fraturas, por meios que variaram de parafusos isolados de compressão
interfragmentária até placas de reconstrução com vários parafusos (tabela 4).
Na segunda etapa do estudo, os pacientes foram convocados para uma reavaliação clínica, funcional e
radiográfica, tendo comparecido 45 dos 120 iniciais. No mesmo protocolo de revisão inicial dos
prontuários e radiografias, eram registrados os dados referentes à reavaliação clínica e funcional dos
pacientes que compareceram.

A avaliação clínico-funcional objetiva atual constou de: 1) medida goniométrica da mobilidade ativa e
passiva; 2) avaliação da estabilidade da articulação glenoumeral pelos testes da gaveta anterior e posterior
e do sinal do sulco; e 3) exame neurológico, pela avaliação da força muscular, dos reflexos e da
sensibilidade. Em complementação, era feita uma avaliação subjetiva, com questões referentes a: 1)
preservação da função após o acidente; 2) manutenção da atividade laborativa anterior ao acidente e, em
caso negativo, se isso deveu-se ao trauma ou a outra causa; e 3) presença de dor e uso compulsório de
analgésicos. O protocolo de avaliação foi aplicado aos 45 pacientes efetivamente reavaliados e cuja alta
ambulatorial tivesse ocorrido há, no mínimo, um ano. Além da avaliação clínico-funcio-nal, todos os
pacientes reavaliados foram submetidos também à avaliação radiográfica, nas incidências ântero-pos-
terior e perfil verdadeiros e axilar.

RESULTADOS
Dos 45 pacientes reavaliados, 36 eram homens e nove mulheres, com idade média de 35,39 anos
(variação: 11 a 77 anos) e seguimento médio de 5,35 anos (variação: 13 meses a 13 anos). Vinte e dois
pacientes eram trabalhadores braçais e os demais exerciam atividades leves. A Escala de Coma de
Glasgow no atendimento inicial havia mostrado valor 15 em 31 pacientes, 14 em cinco pacientes, nove
em dois, e sete e seis nos dois pacientes restantes, respectivamente. Foram detectadas 19 fraturas do corpo
da escápula (sendo uma associada à fratura intra-articular tipo II e outra à fratura do acrômio), 19 fraturas
do colo (sendo duas associadas à fratura do acrômio, uma à fratura do coracóide e outra à fratura do
acrômio e coracóide), três fraturas intra-articulares tipo II, três fraturas intra-articula-res tipo III, duas
fraturas do acrômio e quatro fraturas do processo coracóide. Quarenta pacientes haviam sido submetidos a
tratamento incruento, como descrito anteriormente. Os cinco restantes foram submetidos a tratamento
cirúrgico, como se segue: osteossíntese com placa de reconstrução AO de 3,5mm (fig. 1), para fratura do
colo da escápula, por via posterior (um caso); parafuso de compressão interfragmentária, para fratura
intra-articular tipo III da glenóide, por via anterior (um caso); osteossíntese com placa semitubular (1/3 de
cana) de 3,5mm e parafuso de compressão interfragmentária (fig. 2), para fratura intra-articular tipo II da
glenóide, por via posterior (um caso);

osteossíntese com placa semitubular (um terço de cana) de 3,5mm, para fratura do colo da escápula
associada à fratura do acrômio (um caso); e artroplastia parcial tardia do ombro, para fratura do colo da
escápula e acrômio, associada a fratura cominutiva da extremidade proximal do úmero (um caso).

Vinte e três desses pacientes foram vítimas de acidente automobilístico, oito de acidente motociclístico,
seis de queda de altura, sete de atropelamento e um de crise convulsiva.

Avaliação subjetiva
Na opinião dos próprios pacientes, 13 tiveram a função do ombro piorada, dentre eles, três submetidos a
tratamento cirúrgico, sendo dois com fratura concomitante do colo da escápula e do acrômio
(osteossíntese com placa semitubular e artroplastia, respectivamente) e um com fratura intra -articular tipo
II da escápula (osteossíntese com parafuso de compressão interfragmentária) (fig. 2).
Os dois outros pacientes de tratamento cirúrgico desse grupo, sendo um com fratura do colo da escápula
(fixada com placa de reconstrução) (fig. 1), e o outro com fratura intra-articular tipo III (fixada com
parafuso de compressão interfragmentária), não referiram qualquer prejuízo da função, o mesmo
ocorrendo com os restantes 30 pacientes, todos de tratamento incruento (fig. 3).

Trinta e quatro pacientes mantiveram-se no mesmo tipo de trabalho após o trauma, tendo os demais
mudado o tipo de atividade, três deles em conseqüência da fratura, dois dos quais haviam sido submetidos
a tratamento cirúrgico. Os restantes mudaram de atividade por outros motivos que não a fratura.

Quanto à dor, 27 pacientes não apresentavam qualquer queixa. Cinco pacientes tinham dor mínima, 11
tinham dor aos esforços, sendo dois de tratamento cirúrgico, e dois tinham dor em repouso, inclusive
aquele submetido à artroplastia. Sete pacientes, todos de tratamento incruento, faziam uso constante de
analgésicos.
Avaliação clínico-funcional

Diminuição da mobilidade do ombro foi observada em 13 pacientes, implicando limitação da abdução em


quatro, da rotação interna em três e da rotação externa em outros três, e limitação concêntrica em três.
Três dos pacientes desse grupo haviam sido tratados por método cirúrgico, inclusive aquele submetido à
artroplastia, cuja mobilidade era a pior de todos (tabela 5).

Instabilidade do ombro foi diagnostica em três pacientes, dois dos quais haviam tido fratura do colo da
escápula, um deles com fratura associada do acrômio. No terceiro, com fratura do corpo da escápula, a
instabilidade era devi-da à lesão concomitante do plexo braquial, com o esperado desequilíbrio muscular
(tabela 5).

O exame neurológico evidenciou diminuição da sensibilidade, nos territórios das raízes C5 e C6, em três
pacientes. Diminuição da força muscular de abdução e rotação externa foi detectada em dois pacientes.
Diminuição combinada da sensibilidade e da força muscular de abdução foi encontrada em outros dois,
ambos com lesão do plexo braquial. Excetuando os pacientes com lesão do plexo braquial, não podemos
afirmar com certeza que houve lesão neurológica específica, pois esta não foi confirmada por exame
eletroneuromiográfico. Porém, a presença de alteração de sensibilidade é fortemente sugestiva. Os demais
38 pacientes não apresentavam qualquer prejuízo neurológico (tabela 5).

Quanto às lesões associadas, haviam sido diagnosticados no atendimento inicial pneumotórax (sete),
fraturas de costelas ipsilaterais (12), contusão pulmonar (nove), fratura da clavícula ipsilateral (10), lesão
do plexo braquial ipsilateral (duas), lesão arterial no membro superior ipsilater al (uma), traumatismo
craniencefálico (13), outras lesões de membros superiores (10), fraturas dos membros inferiores (nove).
Outras lesões (fraturas de coluna, traumas de face, trauma abdominal, fraturas de bacias, etc.) foram
diagnosticadas em 27 casos.

DISCUSSÃO
As fraturas da escápula são uma entidade relativamente rara no cômputo geral das fraturas, o que é
confirmado pelo pequeno número de pacientes levantado (120) num período relativamente longo (18
anos), coincidindo com os achados de outros autores(1,5,7,9,11,12). Por outro lado, um número
considerável de fraturas da escápula é diagnosticado quase fortuitamente, através da avaliação
radiográfica de traumatismos do tórax(7), pois o paciente muitas vezes encontra-se clinicamente muito
instável para ser avaliado adequadamente pela equipe ortopédica. Foi o que ocorreu com 18 dos casos da
série inicial de 120 pacientes aqui analisada, fazendo com que a adequada avaliação ortopédica e
radiográfica do ombro só pudesse ser realizada até duas semanas após o trauma. Esse fato aponta para a
necessidade de levantar a suspeita sobre a fratura da escápula em todo paciente com história de trauma de
alta energia na região do ombro e com achados clínicos de deformidade, equimose, dor à palpação e à
movimentação, crepitação e diminuição da mobilidade ativa(1,7). A avaliação e o diagnóstico precoces
dessas fraturas são muito importantes, pois o tratamento adequado deve ser rapidamente instituído, para
que as seqüelas funcionais fiquem restritas ao mínimo possível.

Do mesmo modo que o diagnóstico de traumatismos torácicos altos deve levar à suspeita de fratura da
escápula, que permanece, por assim dizer, escondida, o diagnóstico desta fratura deve levar à suspeita de
lesão associada, que é freqüente e pode ser até de maior risco para a integridade do paciente, em vista do
que este deve ser cuidadosamente (1,5,7,11,13). Nesse aspecto, os achados desta série fo-ram
coincidentes com os da literatura(1), tendo sido observadas lesões comprometendo estruturas anatômicas
vitais próximas, como contusão pulmonar, pneumotórax e fraturas de costelas, além de lesões mais
distantes, como fraturas da clavícula, traumatismo craniencefálico e lesões dos demais membros. Essas
lesões, obviamente, tendem a aumentar a morbidade e mortalidade dos pacientes, que não podem ser
encarados como meros portadores de fraturas da escápula.

Um dado importante observado na presente série foi o envolvimento predominante de indivíduos jovens,
do sexo masculino, na faixa etária dos 21 aos 45 anos (média: 34 anos), o que está de acordo com o
mencionado na literatu-(3,5,6). Essa predominância é, de fato, esperada, pois esses indivíduos são os que
mais se expõem aos traumatismos de alta energia, os quais acarretam também maior número de lesões
associadas, fato igualmente confirmado nesta série, em que foram diagnosticadas mais de 150 lesões
associadas, com apenas três pacientes apresentando fratura isolada da escápula. O valor dessa informação
está ligado tanto ao aspecto médico da questão, dada a necessidade de maiores cuidados especializados,
como ao aspecto econômico, visto o longo período de incapacidade do paciente para o trabalho.

Outro dado importante observado nesta série, e igualmente descrito na literatura(5,11), foi o grande
número de fraturas causadas por traumatismos caracteristicamente de alta energia, mas envolvendo
principalmente trabalhadores braçais. Estes estão tipicamente mais expostos aos traumatismos de maior
energia na sua atividade profissional, mas sofreram em sua maioria traumatismos de natureza não
profissional (como o atropelamento), o que permite concluir que as fraturas da escápula dificilmente
resultam de acidentes do trabalho, exceto em casos como a queda de altura (comum em pedreiros).

Localmente, os problemas provenientes da fratura da escápula dependem da localização dos traços,


presença de cominuição e desvios. Em algumas séries(3-6,11,12), as fraturas do corpo da escápula
respondem por 65% a 90% dos casos, mas na presente série corresponderam a 37,3% dentre os 120
pacientes iniciais e a 40% (18 casos) dentre os 45 reavaliados. A maioria dos pacientes com fratura do
corpo da escápula reavaliados apresentou diminuição parcial da mobilidade do ombro, embora sem dor na
maioria deles (66%). A dor foi referida por 23 pacientes, sendo em repouso em três deles. Esse tipo de
fratura responde satisfatoriamente à imobilização numa tipóia, seguida de fisioterapia para ganho de
mobilidade(1,7), conforme observado nesta série. Nordqvist e Peterson(13) descrevem que, mesmo na
presença de desvio considerável dos fragmentos, os pacientes não apresentam queixas importantes de
perda da mobilidade ou de dor, sendo que cerca de 25% apresentam sintomas leves ou moderados no
ombro afetado. Referem, também, haver relação entre a perda funcional e a deformidade radiográfica
residual e a explicação para isso seria a perda da habilidade da escápula em deslizar livremente sobre a
parede torácica, devido às irregularidades da superfície óssea e à fibrose que se segue à cicatrização dos
músculos lesados. Sob essa visão, fraturas do corpo da escápula com desvios que produzam contato ou
excessiva proximidade dos fragmentos com o gradeado costal, que possam resultar em atrito e
conseqüente prejuízo funcional, deveriam ser reduzidas e fixadas. Contudo, existe a possibilidade de
realizar a regularização da proeminência mais tarde, quando o problema aparecer. Dois dos pacientes com
fratura do corpo da escápula apresentavam instabilidade do ombro (um deles por lesão do plexo braquial)
e se queixavam também de dor, que foi, na realidade, a queixa mais freqüente nesse grupo (oito
pacientes), com a característica de ser em repouso em dois deles.

Pacientes com fraturas desviadas do colo da escápula freqüentemente se queixam de fraqueza ao esforço
envolvendo atividades com abdução do braço. O sítio mais co-mum de desconforto nesses pacientes é o
espaço subacromial, visto que o colo se encurta e a cabeça umeral penetra por baixo do acrômio(7,13).
Ada e Miller(7) descrevem que as queixas de fraqueza e dor no espaço subacromial são secundárias à
lesão do manguito rotador. Com o desvio do fragmento colo-glenóide, o braço de alavanca normal do
manguito rotador é perdido, devido à diminuição da capacidade mecânica dos músculos. Com o aumento
da inclinação da face articular da glenóide, a força normalmente compressiva do manguito passa a ser de
cisalhamento(7). Dentre os 20 pacientes portadores desse tipo de fratura reavaliados na nossa série, 15
não apresentavam redução da mobilidade, três mostravam redução parcial e dois, limitação acentuada.

Dentre os pacientes com fraturas do corpo da escápula, a redução na mobilidade do ombro ocorreu em
quase to-dos os casos, levando à conclusão de que o comprometimento do manguito rotador nesses casos
foi maior, talvez por aderência do invólucro muscular da escápula ou pelo desvio ocasionado pela fratura.

Fraturas da espinha da escápula são também associadas com aparente disfunção do manguito rotador(7),
com fraqueza nas atividades em abdução por tempo prolongado, dor no espaço subacromial e dor noturna.
Certo grau de lesão da musculatura do manguito rotador é suspeitada nessas fraturas, devido à
cominuição e ao desvio dos fragmentos. Neviaser(10) chama a atenção para o problema imediato da
pseudo-ruptura do manguito em pacientes com fraturas da escápula e atribui isso ao hematoma
intramuscular, resultando em paralisia temporária. Na presente série, os casos de fraturas isoladas da
espinha da escápula não foram considerados em separado, mas em conjunto com as fraturas do corpo ou
do acrômio, dependendo do caso.

Fraturas intra-articulares da glenóide com desvio resultam em diminuição da mobilidade e dor aos
movimentos. Como fator complicador, a maioria desses pacientes apresenta outras lesões importantes,
que dificultam ou impedem o tratamento cirúrgico imediato. Por outro lado, eles tendem a melhorar
gradualmente, com o uso de antiinflamatórios não-esteróides e fisioterapia, e recuperam, ao menos
parcialmente, a mobilidade e a força muscular.

Fraturas do processo coracóide freqüentemente se associam com luxações da articulação


acromioclavicular graus I e II(7). Nesta série houve três fraturas do tipo ³ombro flutuante´, sendo que
dois casos foram operados por osteossíntese da clavícula com placa de reconstrução de 3,5mm. As
fraturas isoladas do processo coracóide foram poucas, não tendo sido observado prejuízo funcional motor
ou sensitivo, nem instabilidade.

O tratamento cirúrgico das fraturas da escápula tem sido descrito por vários autores(2,7,14), que referem
resultados bons a excelentes. Porém, nas maiores séries de pacientes relatadas, predominou o tratamento
incruento(3,7,12,13). Certamente, a indicação de tratamento cirúrgico fica restrita a tipos muito
específicos de fraturas, com a adição de outros fatores, como, por exemplo, os desvios e a s falhas ósseas,
principalmente nas fraturas intra-articulares. No caso das extra-articulares, Ada e Miller(7) propuseram o
tratamento cirúrgico para fraturas do colo da escápula com desvio angular maior que 40o ou translação
medial da superfície articular da glenóide maior que 1cm, complementando com fisioterapia precoce.
Assim trataram oito pacientes, cujos resultados funcionais foram bons, visto terem alcançado 85° de
abdução pura na articulação glenoumeral, com nenhum se queixando de dor noturna ou em repouso.
Referiram, ainda, que os pacientes com fratura intra-articular da glenóide e da espinha da escápula
associadas foram os que

apresentaram maiores problemas a curto e longo prazo, razão por que sugeriram que as indicações de
tratamento cirúrgico devam ser estendidas a esses tipos de fraturas. No nosso grupo inicial de 120
pacientes, 13 haviam tido tratamento cirúrgico, por apresentar fraturas com desvio e ter condições clínicas
para a cirurgia antes da consolidação. Porém, apenas cinco deles atenderam ao chamado para reavaliação
e o resultado não parece ter sido satisfatório, pois, apesar de nenhum apresentar instabilidade, três se
queixavam de dor, dois mostravam diminuição da mobilidade, sendo um caso de artroplastia do ombro, e
dois tiveram que mudar de atividade profissional.

CONCLUSÃO
Este estudo mostra que as fraturas de escápula decor-rem, em geral, de traumatismos de alta energia e
associamse a várias lesões, mas tendem a evoluir bem. Os pacientes com sintomas persistentes são, em
geral, os que sofreram traumatismos mais graves, casos em que o tratamento das lesões que levam a
maior risco de vida deve ter prioridade. Em alguns casos, o tratamento cirúrgico pode levar à melhora dos
resultados a longo prazo. Entretanto, a maioria dos casos tratados conservadoramente evoluiu com bom
resultado. Uma classificação que considerasse as fraturas complexas da escápula, permitindo melhor
comparação de resultados e determinação do prognóstico, seria interessante.

REFERÊNCIAS
1. Butters K.P.: ³The scapula (Chapter 10)´ in Rockwood C.A., Matsen

F.A. (eds.): The shoulder (Vol. 1). Philadelphia, W.B. Saunders, p.p. 335366, 1990.

Hardegger F.H., Simpson L.A., Weber B.G.: The operative treatment of scapular fractures. J Bone Joint
Surg [Br] 66: 725-731, 1984.

Armstrong C.P., Vanderspuy J.: The fracture of scapula: importance in management based on a series of
62 patients. Injury 15: 324-329, 1984.

Findlay R.T.: Fractures of scapula and ribs. Am J Surg 38: 489-494, 1937.

McGahan J.P., Rab G.T., Dublin, A.: Fractures of the scapula. J Trauma 20: 880 -883, 1980.

Thompson D.A., Flynn T.C., Miller P.W., Fisher R.P.: The significance of scapular fractures. J Traum a
25: 974-977, 1985.

Ada J.R., Miller M.E.: Scapular fractures. Clin Orthop 269: 174 -179, 1991.

Zdravkovic D., Damholt V.V.: Comminuted and severely displaced fractures of the scapula. Acta Orthop
Scand 45: 60-65, 1974.

Ideberg R.: ³Fractures of the scapula involving the glenoid fossa´ in Bateman J.E., Welsh R.P. (eds.):
Surgery of the shoulder. Philadelphia, B.C. Decker, p.p. 63-66, 1984.

Neviaser J.: Traumatic lesions: injuries in and about the shoulder joint. Am Acad Orthop Surg Instr
Course Lect 13: 187-216, 1956.

Imatani RJ.: Fractures of the scapula: a review of 53 fractures. J Trauma 15: 473 -478, 1975.

Wilber M.C., Evans E.B.: Fractures of the scapula. J Bone Joint Surg [Am] 59: 358 -362, 1977.

Nordqvist A., Peterson C.: Fracture of body, neck or spine of the scapula: a long term follow-up study.
Clin Orthop 283: 139-144,1992.

Fisher W.R.: Fractures of the scapula requiring open reduction: report of a case. J Bone Joint Surg 21:
459-461, 1939.