Você está na página 1de 7

Técnicas de Estudo

I – Como estudar?
Para que você atinja os objetivos propostos para o(s) curso(s) que escolheu, você deve seguir as orientações
em questão.

1. Ler os textos, certificando-se de tê-los entendido bem:

• consultando o dicionário sempre que encontrar palavras desconhecidas, com isto você compreende o
texto e enriquece o seu vocabulário;

• procurando compreender as idéias do autor e interpretando-as, isto é, traduzindo-as com palavras suas;

• guardando na memória o que leu. Lembre-se de que para estudar não basta uma única leitura. Leia tantas
vezes quantas forem necessárias para conseguir uma compreensão exata do texto;

• lendo em voz alta sempre que o texto lhe parecer sem sentido, pois a entonação ajuda a compreensão.

2. Realizar todas as atividades propostas:

• analisando os textos, exemplos e sugestões constantes das janelas.


3. Realizar as pesquisas solicitadas.

4. Discutir os temas com os colegas.

5. Consultar livros especializados, obras de referência ou pessoas que dominem o assunto, para
enriquecer seus conhecimentos.

Como você pode ver, o sucesso na realização de nossos cursos está muito ligado à sua habilidade de leitura.
Por isso, vamos conversar um pouco sobre condições favoráveis e desfavoráveis à leitura.

II – Quais as causas da má leitura?


Veja algumas causas que dificultam a compreensão do que se lê.

• Prevenção contra a leitura – Se antes de começar a ler você pensa que não vai entender nada, que o
conteúdo é muito extenso, você está formando um juízo precipitado da leitura. Assim, você acaba sem
entender nada mesmo.
• Leitura apressada – Se você estiver com muita pressa, certamente vai ler sem prestar atenção, pulando
palavras, frases ou, até mesmo, parágrafos inteiros. Vai ler a mesma linha duas vezes e pular a seguinte.
Desta forma não haverá a necessária concentração.

• Vista fraca – Se você lê um pouco e fica logo com os olhos ardendo, dor de cabeça, às vezes até com
enjôo, cuidado! Você pode estar com vista fraca e isso precisa ser corrigido. Do contrário, seu rendimento
para a leitura será cada vez menor. Lembre-se de que é muito importante que você cuide da iluminação
de seu local de trabalho.

• Posição inadequada – O hábito de ler deitado é um bom motivo para “chamar o sono”. Ou, se além desse,
você arranja uma posição forçada e incômoda para ler, é lógico que ficará cansado e com dores no corpo e
isso só prejudicará sua leitura, além de tirar toda a sua motivação.

• Leitura mecânica – Quando você lê um texto sem se dar conta do que está lendo, fazendo isto
automaticamente, você não apreende os conhecimentos que estão sendo transmitidos e a leitura não é
proveitosa.
• Vocabulário pobre – A pessoa, que tem vocabulário pobre e cujo conhecimento de significados de palavras
é mínimo, fará uma leitura difícil e lenta, pois ela não terá condições de reconhecer as palavras.

III – Quais as condições favoráveis ao Estudo?


Veja aqui alguns fatores que facilitam a aprendizagem e sua retenção.

• Estabelecer um horário e lugar fixos para o estudo – A organização de um horário de estudo é, muitas
vezes, útil para estabelecer hábitos regulares de estudo e, assim, possibilitar ao estudante a utilização
máxima do seu tempo e da sua energia.

• Procurar ter à mão todos os recursos de que irá necessitar – dicionário, papel para anotações, caneta,
aparelho de som, o formulário Memorial etc.

Em relação ao lugar, se você muda constantemente, existe a possibilidade de não ter todo o seu material à
mão e a todo momento ter que buscá-lo.
• Participar ativamente do estudo – A aprendizagem com a utilização de vários sentidos – visão, audição,
tato – facilita a retenção dos conteúdos. Assim, procure estabelecer contato com o material através de
tantos meios sensoriais quantos forem possíveis. Primeiramente, leia o texto, depois faça uma revisão
preferencialmente em voz alta a fim de organizar os seus pensamentos. Após dominar o texto, analise as
janelas, relacionando-as com ele. Estabeleça conexões entre os temas e a sua realidade. Faça a síntese
dos textos, usando técnicas de redução do texto e, em especial, o mapa conceitual. Você encontrará
orientações a esse respeito no próximo texto.

Lembre-se de enriquecer as sínteses com sua contribuição pessoal.

• Fazer as reflexões sugeridas – Não tenha pressa de prosseguir o estudo. As reflexões são importantes
para possibilitar a você se envolver por inteiro na aprendizagem.

Distribuir racionalmente os períodos de estudo – Organize seu horário de estudo de maneira que não fique
saturado.

Procure variar seu programa de estudos, alternando entre escrever, ler, refletir, resolver problemas etc.

• Estudar com compreensão – Um material organizado e com sentido, ou seja, com significado, é mais
facilmente retido. Para que isso ocorra, você deve se dedicar a descobrir os princípios e as leis que ligam
as várias partes do assunto que você está estudando. Esta visão global das leis e princípios gerais
facilitará, sem dúvida, a compreensão dos detalhes.

Lembre-se: a simples memorização dos textos não lhe servirá para nada.

• Ter atenção e concentração – A atenção e a concentração são importantes para quem estuda. Quanto
mais nos concentramos, mais facilidade temos de aprender.

Isto varia naturalmente, de uma pessoa para outra – algumas conseguem se concentrar durante um tempo
mais longo, outras podem se concentrar melhor em intervalos mais curtos.

A dificuldade de concentração é um dos problemas básicos dos estudantes, ou seja, dificuldade de manter-se
atento às suas atividades. Como conseqüência, as horas dedicadas ao estudo prolongam-se, e o produto final –
o que realmente se conseguiu aprender – é muito pouco.

É possível eliminar, pelo menos, as causas externas de perturbação da concentração e, ao mesmo tempo,
podemos reduzir as dificuldades internas através de treinamento. No primeiro caso, por exemplo, você pode
evitar, enquanto estiver estudando: visitas, telefonemas, conversas paralelas, música barulhenta, muito
trabalho.

Difícil mesmo é vencer os fatores internos de distração. O que seriam estes fatores? São preocupações
pessoais, de ordem afetiva ou não, que tornam quase impossível a concentração no estudo. Se você verificar
que as suas dificuldades de estudar estão neste campo, deixe o estudo de lado por alguns momentos e tente
solucionar tais dificuldades, antes de retomá-lo novamente, desligando-se delas a partir do momento em que
começar a estudar.

Fonte: CETEB - Centro de Ensino Tecnológico de Brasília