Você está na página 1de 9

OS GÊNEROS LITERÁRIOS

A literatura, quanto à forma, pode se manifestar em prosa


ou verso.Quanto ao conteúdo e estrutura, podemos, inicialmente,
enquadrar as obras literárias em três gêneros: o lírico, quando um
“eu” nos passa uma emoção, um estado de espírito; o dramático,
quando “atores, num espaço especial, apresentam, por meio de
palavras e gestos, um acontecimento”; o épico, quando temos um
narrador (este último gênero inclui todas as manifestações
narrativas, desde o poema épico até o romance, a novela e o conto).
Entretanto, por nos parecer mais didática, adotamos uma
divisão em quatro gêneros literários, desmembrando do épico o
gênero narrativo, enquadrando as narrativas em prosa.
Poderíamos ainda reconhecer o gênero didático, despido da ficção,
não se identificando com a arte literária, ou, como afirma Wolfgang
Kayser, “o didático costuma ser delimitado como gênero especial
que fica fora da verdadeira literatura”.
Gênero lírico
Seu nome vem de lira, instrumento musical que
acompanhava os cantos dos gregos. Por muito tempo, até o final da
Idade Média, as poesias eram feitas para serem cantadas. Nas
obras líricas notamos o predomínio dos sentimentos, da emoção, o
que as torna subjetivas. Pertencem a este gênero os poemas em
geral, destacando-se:
§Ode e hino: os dois nomes vêm da Grécia e significam “canto”.
Ode é a poesia entusiástica, de exaltação. Hino é a poesia
destinada a glorificar a pátria ou dar louvores às divindades.
§Elegia: é a poesia lírica em tom triste. Fala de acontecimentos
tristes ou da morte de alguém. O “Cântico do calvário”, de Fagundes
Varela, sem dúvida é a mais famosa elegia da literatura brasileira,
inspirada na morte prematura de seu filho.
§Idílio e écloga: são poesias pastoris, bucólicas. A écloga difere do
idílio por apresentar diálogo.
Gênero lírico
§ Epitalâmio: poesia feita em homenagem às núpcias de alguém.
§ Sátira: poesia que se propõe corrigir os defeitos humanos,
mostrando o ridículo de determinada situação.
Quanto ao aspecto formal, as poesias podem apresentar forma
fixa ou livre. Das poesias de forma fixa, a que resistiu ao tempo,
aparecendo até nossos dias, foi o soneto.
O soneto é uma composição poética de catorze versos
distribuídos em dois quartetos e dois tercetos. Apresenta sempre
métrica – mais usualmente, versos decassílabos ou alexandrinos – e
rima. A palavra soneto significa “pequeno som”. Teria sido usada pela
primeira vez por Jacopo de Lentini, da Escola Siciliana (século XIII), e
mais tarde, difundida por Petrarca (século XIV).
Apesar de ser uma forma poética clássica, o soneto encontra
adeptos no Modernismo, como vemos na leitura abaixo.
Soneto de fidelidade
De tudo, ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.
Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.
E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama
Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.
(MORAES, Vinicius de. In: Antologia poética.
Rio de Janeiro, J. Olympio. p. 77.)
Gênero dramático
Drama, em grego, significa “ação”. Ao gênero dramático
pertencem os textos, em poesia ou prosa, feitos para serem
representados. Compreende as seguintes modalidades:
Tragédia: é a representação de um fato trágico, apto a
suscitar compaixão e terror.
Comedia: é a representação de um fato inspirado na vida e
no sentimento comum, de riso fácil, em geral criticando os
costumes.
Tragicomédia: é a mistura do trágico com o cômico.
Originalmente, significava a mistura do real com o imaginário.
Farsa: pequena peça teatral, de caráter ridículo e caricatural,
criticando a sociedade e seus costumes; baseia-se no lema
latino Ridendo castigat mores (“Rindo, corrigem-se os
costumes.”).
Gênero narrativo
Como já afirmamos, o gênero narrativo é visto como uma variante
moderna do gênero épico, caracterizando-se por se apresentar em
prosa. Manifesta-se nas seguintes modalidades:
§Romance: narração de um fato imaginário mais verossímil, que
representa quaisquer aspectos da vida familiar e social do homem.
Podemos dividi-lo em: romance de cavalaria, romance de costumes,
romance policial, romance psicológico, romance histórico etc.
§Novela: breve, mas viva narração de um fato humano notável, mais
verossímil que imaginário. É como um pequeno quadro da vida, com um
único conflito. Em geral, apresenta-se dividida em alguns poucos
capítulos.
§Conto: narração densa e breve de um episódio da vida; mais
condensada do que a novela e o romance. Em geral, não apresenta
divisão em capítulos.
§Fábula: narrativa inverossímil, com fundo didático; tem como objetivo
transmitir uma lição de moral.
Gênero narrativo
§Crônica: o seu nome já nos dá uma dica: crônica deriva do radical latino
crono, que significa “tempo”. Daí o seu caráter: relato de acontecimentos
do tempo de hoje, de fatos do cotidiano. Desde a consolidação da
imprensa, a crônica se caracterizou como uma seção de jornal ou revista
em que se comentam acontecimentos do dia-a-dia. Segundo Antonio
Candido, a crônica “é filha do jornal e da era da máquina, onde tudo acaba
tão depressa. Ela não foi feita originariamente para o livro, mas para essa
publicação efêmera que se compra num dia e no dia seguinte é usada para
embrulhar um par de sapatos ou forrar o chão da cozinha”. Por essa razão,
crônica foi considerada como um “gênero menor”. Modernamente, em
função da qualidade literária de cronistas como Carlos Drummond de
Andrade, Fernando Sabino, Rubem Braga, Paulo Mendes Campos, Rachel
de Queiroz, Luis Fernando Veríssimo, Lourenço Diaféria, entre outros, a
crônica é comparável ao conto, sem perder, no entanto, o seu tom
coloquial.
Gênero narrativo/épico
A epopéia é uma poesia de fôlego; é a narração em versos de um fato
grandioso e maravilhoso que interessa a toda uma coletividade. É uma
poesia objetiva, impessoal, baseada sempre na história de um povo. Entre
as mais famosas epopéias, destacamos: Ilíada e Odisséia (Homero, Grécia);
Eneida (Virgílio, Roma); Paraíso perdido (Milton, Inglaterra); Orlando Furioso
(Ludovico Ariosto, Itália); Os lusíadas (Camões, Portugal).
Na literatura brasileira, as principais epopéias foram escritas no século XVIII:
Caramuru (Santa Rita Durão); O Uraguai (Basílio da Gama); Vila Rica
(Cláudio Manuel da Costa).
Uma epopéia apresenta-se dividida em cinco partes:
§Proposição ou exórdio: é a apresentação do tema e do herói.
§Invocação: o poeta pede auxílio às musas inspiradoras.
§Dedicatória: o poeta dedica a obra a um protetor.
§Narração: é o desenvolvimento do tema e das aventuras do herói, com
exposição de fatos históricos.
§Epílogo: é o remate, o encerramento do poema.
O gênero narrativo/épico
“A essência da ficção é, pois, a narrativa. É a sua espinha dorsal,
correspondendo ao velho instinto humano de contar e ouvir estórias, uma das
mais rudimentares e populares formas de entretenimento. Mas nem todas as
estórias são arte. Para que tenha valor artístico, a ficção exige uma técnica de
arranjo e apresentação, que comunicará à narrativa beleza de forma, estrutura
e unidade de efeito. A ficção distingue-se da história e da biografia, por estas
serem narrativas de fatos reais. A ficção é produto da imaginação criadora,
embora, como toda arte, suas raízes mergulhem na experiência humana. Mas
o que a distingue das outras formas de narrativa é que ela é uma
transfiguração ou transmutação da realidade, feita pelo espírito do artista, este
imprevisível e inesgotável laboratório.
A ficção não pretende fornecer um simples retrato da realidade, mas
antes criar uma imagem da realidade, uma reinterpretação, uma revisão. É o
espetáculo da vida através do olhar interpretativo do artista, a interpretação
artística da realidade.”
(COUTINHO, Afrânio. Notas de teoria literária. 2. ed. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira,1978. p. 31.