P. 1
Gastrectomia Total

Gastrectomia Total

|Views: 1.003|Likes:

More info:

Published by: Karina Mariussi Signor on May 13, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/14/2013

pdf

text

original

"Gastrectomia total O que é: É a retirada cirúrgica do estômago (parcial ou totalmente) e linfonodos contíguos.

Para que é feita: É realizada para tratamento do câncer do estômago. Contraindicações mais comuns: Função cardiopulmonar comprometida, desnutrição severa, invasão pelo tumor de grandes vasos sangüíneos, doença metastática à distância. Como é feita: A via de acesso ao estômago pode ser feita através de videolaparoscopia (cirurgia realizada através de pequenos orifícios com o auxílio de uma câmera de vídeo e instrumentos especiais) ou cirurgia aberta. A primeira opção parece ser menos agressiva e permite uma recuperação mais rápida, mas a retirada de gânglios normalmente não é tão minuciosa. O tratamento consiste na retirada cirúrgica total ou parcial do estômago, de um avental de gordura preso ao estômago chamado “epiplon” ou “omento” e dos linfonodos (gânglios linfáticos) ao seu redor. Estes linfonodos também são encontrados ao redor das artérias que levam sangue até o estômago, fígado e baço. Como podem estar afetados pela doença, devem também ser retirados (linfadenectomia radical D2). A extensão de estômago que precisa se removida depende da localização do tumor. Tumores no antro normalmente são tratados com retirada parcial do estômago (gastrectomia parcial ou subtotal). Os de corpo, fundo e cárdia requerem a retirada completa do órgão (gastrectomia total). Se houver invasão direta de outros órgãos ao redor do estômago (fígado, pâncreas e baço, principalmente) é possível retirar a parte acometida destes órgãos “em bloco” com o estômago, ainda oferecendo oportunidade de cura. Faz-se então uma emenda entre o que restou do estômago e o intestino delgado (gastrectomia subtotal) ou entre o esôfago e o intestino delgado (gastrectomia total). Após o término do procedimento, é colocado um dreno próximo a área em que foi feita a emenda e no território onde os gânglios foram retirados. Opcionalmente, pode ser colocada uma sonda para alimentação precoce. Quanto tempo dura: 3-4h Recuperação pós-operatória: No período pós-operatório imediato o paciente deve ficar na sala de recuperação anestésica, quando bem acordado retorna para o quarto. Após uma gastrectomia subtotal, a dieta é iniciada por boca no 3o dia após a cirurgia, se o intestino estiver funcionando. No caso de uma gastrectomia total, entre o 7o e 10o dia. Se uma sonda nasoenteral tiver sido introduzida, a alimentação pela sonda é iniciada no 2o dia após a cirurgia. Inicialmente o paciente começa ingerindo alimentos líquidos, progredindo para alimentos pastosos e sólidos. Antes do início da dieta é realizado um exame onde o paciente ingere um contraste para verificação de possíveis vazamentos. Os drenos são retirados no dia da alta, se dosagem de amilase no líquido drenado for normal. Tempo médio de internação: • 5-7dias – gastrectomia subtotal • 7-10 dias –gastrectomia total Complicações mais freqüentes: clínicas • trombose venosa profunda e tromboembolismo pulmonar cirúrgicas • sangramento • pancreatite aguda / fístula pancreática • vazamento na anastomose gastrojejunal (emenda feita entre o estômago e o jejuno) • vazamento do coto duodenal (o duodeno é fechado na sua parte proximal, nesta cirurgia) • dumping (esvaziamento gástrico rápido, provocando diarréia) Alterações no estilo de vida: Devido à perda da capacidade de armazenamento do estômago, a quantidade de alimentos que o paciente é capaz de ingerir não é mais a mesma. Geralmente é necessária uma adaptação do hábito alimentar, onde menores porções de comida são ingeridas mais freqüentemente. A perda de peso é freqüente. O dumping melhora com o tempo." www.cirurgiadocancer.com/imagens/conte… É possível ter uma vida normal sim. É claro que a pessoa submetida ao procedimento não poderá alimentar-se como antes. É como se ela tivesse feito uma cirurgia para a obesidade mórbida, na qual o estômago é reduzido e não há presença de "anel". A injestão de carboidratos é prejudicada e, portanto, ela deve ser controlada. Algumas pessoas apresentam Síndrome de Dumping (quando ingerida uma quantidade de carboidratos como doces, macarrão, pães, etc de maneira inadequada, há uma aumento seguido de queda brusca na glicemia), diarréias freqüentes, alteração hábito alimentar (várias refeições

perda de peso e por aí vai. Mas nada que não dê para contornar.periódicas durante o dia: porque não há o reservatório do estômago).roche. muitos adaptam-se logo nos primeiros meses.cirurgiadocancer. []s Fonte(s): www. Mais informações: http://www.pt/sites-tematicos/info… Boa sorte.com/imagens/conteud… • • 2 anos atrás Denuncie .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->