Você está na página 1de 3

Resenha: Anjos e Demônios

Autor: Dan Brown

O livro inicia-se com a morte de um físico do CERN e padre que descobriu


como produzir e armazenar a antimatéria, que possui implicações religiosas,
pois também é considerada como a prova do Gênese, que foi roubada e
instalada dentro dos muros do Vaticano.

Após a guarda Suíça, descobrir que tem algo de errado, pois uma de suas
câmeras sem fio também fora roubada, a imagem apenas mostrava um
tubo com uma gotinha flutuante dentro e um relógio em contagem
regressiva, ao ampliar e melhorar a imagem percebe-se que o tubo era do
CERN. Entraram em contato. Vitoria (filha do físico assassinado) e Langdon
(simbologista, chamado pelo CERN para tentar descobrir quem seria o
responsável pelo assassinato do físico) vão ao encontro do Vaticano.

Descobrem que uma antiga seita e inimiga do Vaticano estão de volta,


ameaçando explodir o Vaticano com a antimatéria, e como prova de que
tem coragem para fazê-lo, decidem matar quatro cardeais (os indicados
para o papado) e colocar neles uma marca a fogo em seus peitos um a cada
hora se ninguém os impedirem, e não querem nada em troca.

Langdon, conhecedor da seita dos Illuminatis, pede para ir à biblioteca do


Vaticano fazer uma pesquisa para descobrir onde seria o primeiro local do
assassinato. Ele volta com um poema que indicava o caminha, mas com
pouco tempo e com a ameaça em vista, acaba por se confundir e descobre
em cima da hora que o local é errado. Chegam, mas não podem fazer nada,
pois o primeiro cardeal já estava morto, em uma cova dentro em uma Igreja
de Roma, que simbolizava a Terra. Mas de acordo com o poema há uma
pista que pode ser seguida e o Sr. Langdon sabe qual é. Uma imagem de
anjo apontando para uma direção.

Já seguindo a direção apontada, chegam a Praça de São Pedro, repleta de


pessoas esperando que o conclave lhe informe o nome do próximo Papa. E
na busca do local exato, se perdem e quando chegam o segundo cardeal já
está ferido mortalmente, e não sobrevive, com a marca do Ar.

Mas dessa vez a pista é muito vaga e novamente o Sr. Langdon volta para a
biblioteca até descobrir qual seria o novo local onde poderiam pegar o
assassino. Faltando apenas alguns minutos para mais um assassinato,
chegam ao local, mas acabam confundindo o assassino com duas senhoras
que passam em frente à igreja. Quando percebem tal confusão percebem
que dentro da Igreja há labaredas, e saem correndo para entrar. Já dentro
da Igreja, percebem o terceiro cardeal está vivo e tentam afastá-lo do fogo,
o que é muito difícil, pois ele está pendurada pelos braços no teto da igreja
e a fogueira está abaixo do mesmo, que grita de tanta dor, os seus pés já
estão queimando, com a marca do Fogo. O assassino acerta Vitoria e deixa-
a desmaiada num canto da Igreja e tenda marta Langdon, que consegue
espaçar graças a uma tumba de mármore que cai sobre ele, mesmo com
falta de ar ele põe seu relógio para disparar o alarme e quando os
bombeiros chegam o resgatam com vida.

Quando recobra sua consciência observa outro anjo indicando nova direção,
mas dessa vez o enigma é grande, pois há diversas igrejas na mesma
direção. Ao perceber isso, e como o assassino estava marcando os cardeais
com os quatro elementos, percebeu que poderia ser apenas uma das
igrejas, que continham uma fonte na sua frente. Dirigiu-se para lá, o mais
depressa que conseguiu, e chegou antes do assassino, que logo em seguida
deu uma volta na fonte e parou ao lado da parte mais profunda. Langdon
percebendo entrou na fonte para tentar acertá-lo. Mas como era um
professor e Harvard e não um assassino, hesitou e quando o assassino
percebeu atirou sua vítima, o quarto cardeal todo amarrado com grandes
correntes , na fonte. Langdon tentou tirá-lo de lá, mas era muito pesado e
não conseguiu, pois quando conseguiu mover o cardeal, o assassino o
atacou e tentou matá-lo afogado, foi quando Langdon viu uma mangueira
do aerador da fonte, e usou-a para poder respirar e simulou um
afogamento. O assassino foi embora. Langdon voltou para ajudar o cardeal,
mas nada pode fazer apenas percebeu que seu peito estava marcado por
Água.

Langdon percebeu que Vitoria estava na posse do assassino, e descobriu a


última e mais difícil pista, onde era o esconderijo do assassino, o Castelo de
Sant’Angelo. Com a ajuda da impressa e dizendo que o quarto cardeal
estava morto na fonte, entrou no Castelo e foi seguindo o rastro de sangue
do assassino que foi acertado por um tiro no pé. Chegou a uma câmara que
tinha duas saídas opostas, uma dava para um corredor longo e outra para
uma escadaria que possuía claridade no topo. Langdon decidiu subir
encontrou o assassino tentado estrupar Vitoria, imobilizada e deitado sobre
um sofá. Com um pedaço de ferro na mão Langdon apesar de ferido, tentou
acertar o assassino que fugiu o tempo todo, quando de repente tomou o
ferro de Langdon e começou a tentar acertá-lo. Ao se esgueirar dos
ataques, Langdon começou a andar para o lado, chegando a uma sacada a
cerca de uns 30 metros de altura, percebeu que estava encurado, quando o
assassino soltou o ferro e caiu no chão. Era Vitoria, acertando as costas do
assassino com uma tocha, O assassino se levantou, Vitoria pegou a brasa da
tocha e queimou os olhos do assassino que andou vários passos para traz
até encostar-se na sacada, quando Vitoria apertou-lhe a tocha, novamente
contra o rosto, desequilibrou-se e caiu. Pode-se ouvir o barulho dos ossos
quebrando com o impacto.

Vitoria e Langdon desceram até a outra saída, e percorreram o túnel, no


final encontraram uma porta que não tinha maçaneta. Começaram a bater e
gritar, quando um dos guardas ouviu e foi ajudá-los. Quando a porta foi
aberta, correram para falar com o Sr. Camerlengo (camarista do papa
falecido), que estava no escritório papal juntamente com o diretor do CERN,
Sr. Kohler. Ao aproximarem ouviram-se gritos. Invadiram o recinto e o Sr.
Camerlengo estava caído a chá e gritou: “Illuminatus”. Um dos guardas
atirou no Sr. Kohler. Langdon foi ai seu encontro enquanto que os demais
foram socorrer o Camerlengo. Kohler entregou uma micro-câmera para
Langdon e pediu para que desse a impressa. Langdon achou que Kohler
tinha tentando matar o camerlengo, que naquele instante estava sendo
carregado para o helicóptero. Próximo as escadaria da Praça de São Pedro,
o camerlengo levanta-se da maca, posta-se ao chão e começa a rezar, sai
correndo e entra na cripta onde encontra-se o ossuário de São Pedro.
Langdon e os outros tentam impedi-lo, mas não conseguem. Ao final da
caminhada, eles encontram o tubo de antimatéria. O camerlengo sai da
cripta com o tubo nas mãos, entra no helicóptero. Langdon, achando que o
camerlengo vai detonar a antimatéria sobre o mar, entra no helicóptero
para ajudar. Nos céus do Vaticano, o camerlengo coloca seu pára-quedas e
tranca o tubo dentro do compartimento, dá adeus e pula. Langdon
desesperado procura um pára-quedas e encontra apenas uma capa de pára-
brisas, agarra-se nas pontas e pula também. Como um milagre consegue
sobreviver ao cair no rio Tibre. É socorrido por médico de um hospital, que
estavam a olhar para céu e ver a explosão da antimatéria juntamente com o
helicóptero. Ao recobrar a consciência Langdon procura saber onde está e o
que aconteceu, uma das enfermeiras mostra a micro câmera e diz que
ainda conseguiu salvar os vídeos de Langdon e coloca perto dos seus
ouvidos para ele ouvir. Com espanto, Langdon reconhece as duas vozes e
diz que precisa voltar ao vaticano com urgência. O hospital lhe dá uma
carona de helicóptero até os fundos do Vaticano. Ao entrar no pátio,
Langdon vê Vitoria triste e chorosa. Corre de encontro e os dois se abraçam.
Invadem a Basílica de São Pedro, enquanto os guardas socorrem, tratam e
vestem o camerlengo, que pousara no telhado da Basílica e o povo o
aclamava como santo.

Langdon liga a câmera em uma TV. Todos os cardeais que restaram


assistem um vídeo, onde o camerlengo assume autoria pela morte do físico
do CERN, dos quatro cardeais e confessa que matou o papa envenenado.
Quando o camerlengo chega, fica estupefato por todos olharem-no de forma
estranha e não o aclamarem, após todo o esforço que tinha feito para salvar
a Santa Igreja. Um dos cardeais lhe fala o aconteceu, o camerlengo tenta se
justificar dizendo que o Papa não era um homem puro, pois quebrara uma
promeça a Deus, e tivera um filho. O cardeal lhe explica que o Papa, havia
se apaixonado por uma freira e ambos gostariam de ter um filho, mas como
tinham feito votos eternos, resolveram que a freira sairia do convento e o
Papa lhe faria uma doação de esperma para uma inseminação artificial.
Como a mãe do camerlengo foi morta após uma ataque em uma igreja, o
papa, que na época era apenas um padre, resolveu adotá-lo e cuidar dele.
Com essa revelação o camerlengo saiu correndo e decidiu ir até a sacada do
escritório do escritório papal, jogou sobre si óleo e ateou fogo em seu corpo.

Dessa forma os erros que ele cometeu ficaram guardados dentro da igreja,
e o conclave seguiu-se normalmente, Langdon e Vitoria foram para um
hotel, onde descansaram para sair em busca de mais uma aventura.