Você está na página 1de 26

Relatório de Auditoria Contábil

MODELO DE RELATÓRIO DE AUDITORIA


CONTÁBIL

MODELO DISPONIBILIZADO GRATUITAMENTE PELO PORTAL DE AUDITORIA

www.portaldeauditoria.com.br 1
Relatório de Auditoria Contábil

WF Comercial Ltda

Curitiba - PR

RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 06/2006

(Exame das Demonstrações Contábeis de 31/dez/2005)

Este relatório refere-se ao exame das demonstrações contábeis dessa companhia, relativas ao
exercício findo em 31 de dezembro de 2005, em cumprimento ao nosso contrato de auditoria
independente, cujas visitas foram realizadas no mês de abril e maio de 2006.

O trabalho foi realizado segundo padrões usuais de auditoria, incluindo a aplicação de testes e
exames sobre operações, livros, registros, documentos, posições contábeis e controles
subsidiários, na extensão e profundidade julgadas necessárias.

Relacionamos, a seguir, os pontos julgados necessários nas circunstâncias.

O presente relatório se divide em duas partes, a saber:

I- RESUMO DOS PONTOS DESTACADOS

II - COMENTÁRIOS SOBRE AS SITUAÇÕES VERIFICADAS

www.portaldeauditoria.com.br 2
Relatório de Auditoria Contábil

I- RESUMO DOS PONTOS DESTACADOS

www.portaldeauditoria.com.br 3
Relatório de Auditoria Contábil

Pág. Data da
Regularização

1. REVISÃO CONTÁBIL

1.1 AJUSTES E RECLASSIFICAÇÕES ACOLHIDOS:


Ajustes e reclassificações acolhidos no balancete de
31/dez./2005, após terem sidos discutidos com a contadora da
empresa, como forma de adequar as demonstrações contábeis.
08 ___/___/____
1.2 BOLETINS DE CAIXA:
O relatório de caixa existente apresentou divergência com o
saldo contábil. 09 ___/___/____
1.3 CONTAS A RECEBER NÃO CONCILIADAS:
Não nos apresentaram conciliação e composição de saldos
das "Faturas a Receber". 10 ___/___/____
1.4 FATURAS A RECEBER:
Não nos apresentaram relatório do departamento financeiro
analítico por título e cliente. 10 ____/___/___
1.5 PROVISÃO PARA DEVEDORES DUVIDOSOS:
Não foi calculada e contabilizada a provisão referente ao ano
2.005. 11 ____/___/___
1.6 APLICAÇÕES FINANCEIRAS – APROPRIAÇÃO DOS
RENDIMENTOS:
As aplicações financeiras referente ao Paraná Banco S/A não
se encontravam atualizadas, contabilmente. 11 ___/___/____
1.7 APLICAÇÕES FINANCEIRAS – IRRF NÃO
CONTABILIZADO:
Durante o exercício de 2005, constatamos retenções de
imposto de renda na fonte, sobre aplicações financeiras, não
contabilizadas. 11 ___/___/____

www.portaldeauditoria.com.br 4
Relatório de Auditoria Contábil

1.8 ADIANTAMENTO A FORNECEDORES:


Não nos apresentaram composição do saldo da conta e não
nos informaram motivo da existência de adiantamentos
pendentes de longa data. 12 ___/___/____
1.9 ADIANTAMENTO SALARIAL:
A conta de Adiantamentos de Salário apresentou pendências
de longa data, bem como não são feitos contratos dos
empréstimos a funcionários. 12 ___/___/____
1.10 IOF S/ EMPRÉSTIMOS A FUNCIONÁRIOS:
Sobre os empréstimos a funcionários há a incidência de
IOF, à alíquota de 0,0041% ao dia. 13 ___/___/____
1.11 CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS CONTABILIZADOS A
MAIOR:
Os créditos tributários sobre os prejuízos fiscais foram
contabilizados a maior. 13 ___/___/____
1.12 ATIVO PERMANENTE – NECESSIDADE DE
REGISTROS INDIVIDUAIS:
Inexistência de controle patrimonial analítico sobre os bens
patrimoniais e projetos técnicos. 14 ___/___/____
1.13 ATIVO PERMANENTE – IMOBILIZAÇÃO DE
DESPESAS OPERACIONAIS:
Constatamos valores que caracterizam-se mais como
despesa operacional do que custo de aquisição ou
desenvolvimento de bens permanentes. 15 ___/___/____
1.14 ATIVO PERMANENTE – CONSIDERAÇÕES SOBRE
CÁLCULO DAS DEPRECIAÇÕES:
A depreciação não vem sendo calculada individualmente,
por item patrimonial.
Do ponto de vista fiscal, há a possibilidade de eventuais
questionamentos, em função das taxas de depreciação em uso.
16 ___/___/____
1.15 ATIVO PERMANENTE – IMOBILIZADO OBRAS:
Não nos informaram motivo de lançamento mensal. 17 ___/___/____
1.16 FORNECEDORES – AUSÊNCIA DE POSIÇÃO
FINANCEIRA:
Não nos apresentaram posição financeira analítica por
fornecedor e título, existência de divergência entre saldo
contábil e saldo da planilha de conciliação. 17 ___/___/____

www.portaldeauditoria.com.br 5
Relatório de Auditoria Contábil

1.17 FORNECEDORES – PROVISÃO FORA DO


PERÍODO DE COMPETÊNCIA:
Contabilização de notas fiscais fora do período de competência.
17 ___/___/____
1.18 FGTS A RECOLHER:
Existência de divergência entre valor devido e valor pago.
18 ___/___/____
1.19 INSS A RECOLHER:
Observamos divergências em dez./2005, entre saldo contábil,
folha de pagamento e recolhimento em jan./2006.
18 ___/___/____
1.20 PROVISÃO DE FÉRIAS:
Não nos apresentaram relatório de provisão de férias, e
segundo informações não é procedimento da empresa a
contabilização mensal da provisão para férias. 18 ___/___/____
1.21 PIS/COFINS - PARCELAMENTO:
Não atualizados os parcelamentos do PIS e da Cofins,
conforme extrato da Receita Federal. 19 ___/___/____
1.22 RETENÇÕES JUDICIAIS – COPEL:
A empresa está inadimplente desde junho de 2.005. 19 ___/___/____
1.23 SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOA FÍSICA –
FOLHA DE PAGAMENTO DE AUTÔNOMOS:
Não nos apresentaram folha de pagamento de autônomos.
20 ___/___/____
1.24 SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOA FÍSICA - ISS
SOBRE RECIBO DE PAGTO A AUTÔNOMOS:
Não nos apresentaram recolhimento referente ao ISS retido
sobre os Recibos de Pagamentos a Autônomos. 20 ___/___/____
1.25 SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOA FÍSICA –
RECOLHIMENTO DE INSS:
Não nos apresentaram recolhimento referente ao INSS sobre
serviços prestados por pessoa física em julho de 2.005.
21 ___/___/____
1.26 RETENÇÃO INSS CESSÃO MÃO-DE-OBRA
Em alguns casos, não retido o INSS s/ prestação de serviços,
conforme OS nº 209/99 do INSS. 21 ___/___/____
1.27 OBSERVAÇÕES QUANTO A DOCUMENTOS
CONTÁBEIS:
Ao efetuarmos análise em alguns documentos observamos
algumas imperfeições. 22 ___/___/____

www.portaldeauditoria.com.br 6
Relatório de Auditoria Contábil

1.28 PIS/COFINS A RECOLHER:


Existência de divergência entre valores devidos e valores
pagos. 23 ___/___/____
1.29 LALUR – NECESSIDADE DE ESCRITURAÇÃO:
A escrituração do Livro de Apuração do Lucro Real não se
encontrava escriturado 23 ___/___/____
1.30 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO – ESTRUTURA
DE APRESENTAÇÃO:
Os sistemas de informações contábeis da companhia não
proporcionam uma adequada distinção entre custos,
despesas comerciais e despesas administrativas.
24 ___/___/____

www.portaldeauditoria.com.br 7
Relatório de Auditoria Contábil

II - COMENTÁRIOS SOBRE AS SITUAÇÕES VERIFICADAS

www.portaldeauditoria.com.br 8
Relatório de Auditoria Contábil

1.1 AJUSTES E RECLASSIFICAÇÕES ACOLHIDOS

Destacamos, a seguir, os ajustes sugeridos para a adequação das demonstrações


contábeis, relativas ao exercício findo em 31 de dezembro de 2005.

Especificação das Contas Data de Ref. Ref. Valor R$

Ativo
112050002 – IRRF s/Aplicações Financeiras 29/02/05 (1) 265,08 D
112050002 – IRRF s/Aplicações Financeiras 31/03/05 (1) 283,93 D
112050002 – IRRF s/Aplicações Financeiras 30/04/05 (1) 228,87 D
112050002 – IRRF s/Aplicações Financeiras 31/05/05 (1) 199,91 D
112050002 – IRRF s/Aplicações Financeiras 30/06/05 (1) 212,18 D
112050002 – IRRF s/Aplicações Financeiras 31/07/05 (1) 251,22 D
112050002 – IRRF s/Aplicações Financeiras 31/08/05 (1) 241,15 D
112050002 – IRRF s/Aplicações Financeiras 30/09/05 (1) 210,69 D
112050002 – IRRF s/Aplicações Financeiras 31/10/05 (1) 211,11 D
112050002 – IRRF s/Aplicações Financeiras 30/11/05 (1) 216,56 D
112050002 – IRRF s/Aplicações Financeiras 31/12/05 (1) 224,55 D

Passivo
212030005 – Pis 31/12/05 (2) 52.428,73 C
212030001 – Cofins 31/12/05 (2) 145.741,40 C

Resultado
321040001 – Receitas Financeiras 29/02/05 (1) 265,08 C
321040001 – Receitas Financeiras 31/03/05 (1) 283,93 C
321040001 – Receitas Financeiras 30/04/05 (1) 228,87 C
321040001 – Receitas Financeiras 31/05/05 (1) 199,91 C
321040001 – Receitas Financeiras 30/06/05 (1) 212,18 C
321040001 – Receitas Financeiras 31/07/05 (1) 251,22 C
321040001 – Receitas Financeiras 31/08/05 (1) 241,15 C
321040001 – Receitas Financeiras 30/09/05 (1) 210,69 C
321040001 – Receitas Financeiras 31/10/05 (1) 211,11 C
321040001 – Receitas Financeiras 30/11/05 (1) 216,56 C
321040001 – Receitas Financeiras 31/12/05 (1) 224,55 C
41108 – Despesas Financeiras 31/12/05 (2) 198.170,13 D

D = Débito
C = Crédito
Resumo dos Lançamentos:
Ativo: R$ 2.545,25 D
Passivo: R$ 198.170,13 C
Resultado: R$ 195.624,88 D

www.portaldeauditoria.com.br 9
Relatório de Auditoria Contábil

As referências numéricas, entre parênteses, referem-se a:

(1) lançamentos das retenções de IRRF sobre aplicações financeiras;

(2) lançamento referente ajuste de juros sobre parcelamento de débitos com a Receita
Federal. Este lançamento não foi acatado pela contabilidade, o qual comentamos
com detalhes no item 1.22, deste relatório.

Durante nossos trabalhos foram efetuados outros ajustes e reclassificações, todavia não foi
praticável quantificá-los, pois surgiram em decorrência de diversas conciliações solicitadas
ao departamento contábil.

Os ajustes e reclassificações sugeridos tiveram por fim adequar os saldos contábeis da


empresa aos princípios fundamentais de contabilidade, melhorando, desta forma, sua
apresentação patrimonial, financeira e econômica.

1.1 BOLETINS DE CAIXA

O saldo contábil da conta caixa encerrou, em 31/dez./2005, com uma diferença de R$


2.145,00, em relação à posição do sistema financeiro “Máximo”, conforme
demonstramos:

Posição R$

Contábil 16.179,39
Financeira 14.034,39
Diferença constatada 2.145,00

A diferença acima não foi corrigida para o encerramento do balanço, pois, para tanto, é
necessário conciliar as posições contábil e financeira, de forma a identificar e analisar as
divergências existentes.

Alertamos para o fato de que esta situação já havia sido comentada em nosso relatório
anterior.

Outrossim, recomendamos a conciliação da conta, promovendo, assim, as devidas


correções, com vistas a proporcionar exatidão aos saldos contábeis e financeiros.

www.portaldeauditoria.com.br 10
Relatório de Auditoria Contábil

1.3 CONTAS A RECEBER NÃO CONCILIADAS

Até a data do término do nosso trabalho, não havia evidência de que a empresa efetuou
a conciliação contábil da conta "Faturas a Receber", com saldo em 31/dez./2005 no
valor de R$ 2.512.756,26, conseqüentemente não foi apresentada a composição do
saldo da conta.

A crédito desta conta vem sendo contabilizada mensalmente a importância de R$


10.628,75. Indagamos ao setor contábil sobre os referidos valores, que ao longo do ano
soma-se mais de cem mil reais. No entanto, não nos foi fornecida nenhuma explicação.

Alertamos que, a falta de controles internos e da conciliação contábil da conta podem


propiciar fraudes e desvios de valores, pois funcionários que têm conhecimento do fato
podem utilizá-lo para fins de desfalques.

Recomendamos proceder, mensalmente, à conciliação da conta acima citada,


promovendo o confronto de saldos com os relatórios do sistema financeiro, e nos casos
em que a empresa não possua os relatórios auxiliares, manter a composição de saldo
dos valores consignados na contabilidade, visando identificar os respectivos saldos.

1.4 RELATÓRIOS DAS CONTAS A RECEBER

O setor de Contas a Receber não emite, ao final de cada mês, relatório com a posição
analítica das duplicatas a receber, identificando os respectivos créditos por cliente, data
de vencimento e título.

Com isso, o saldo contábil registrado na conta de duplicatas a receber em 31/dez./2005,


era de R$ 2.512.756,26, sendo que não foi possível auditá-la, devido à inexistência de
relatórios auxiliares do setor financeiro, composição contábil dos saldos e incertezas dos
valores consignados, naquela data, no sistema de processamento de dados.

Devido à relevância dos saldos e à importância de manter o controle sobre as duplicatas


a receber, recomendamos emitir, ao final de cada mês, relatório com a composição de
saldo das contas a receber, constando analiticamente o nome do cliente, a data do
vencimento e o valor e número do título em aberto. Assim, a contabilidade poderá
conciliar o saldo contábil com os saldos dos relatórios auxiliares, servindo, estes, de
suporte e consistência aos lançamentos contábeis.

www.portaldeauditoria.com.br 11
Relatório de Auditoria Contábil

1.5 PROVISÃO PARA DEVEDORES DUVIDOSOS

Não foi calculada e contabilizada a provisão referente ao ano 2005, sendo que no ano de
2004 a referida provisão foi contabilizada.

Salientamos que a utilização de critérios contábeis distintos em exercícios financeiros


afetam a comparabilidade das Demonstrações Contábeis.

1.6 APLICAÇÕES FINANCEIRAS - APROPRIAÇÃO DOS RENDIMENTOS

Não foi atualizada a aplicação financeira efetuada em 22/nov./2005, no valor de R$


220.000,00, em renda fixa, no Banco Itaú S/A, sobre o assunto temos a comentar:

a) A Legislação Societária, Lei 6404/76 - artigo 187, determina que as receitas e os


rendimentos devem ser computados no resultado do período a que se referirem,
independente de sua realização em moeda; e

b) Do ponto de vista tributário, a determinação do Pis, da Cofins, do Imposto de Renda


e da Contribuição Social, depende da correta apropriação das receitas da companhia.

Sugerimos a adoção de planilhas auxiliares para o acompanhamento das aplicações


financeiras, visando propiciar meios para a contabilização tempestiva dos rendimentos
auferidos.

1.7 APLICAÇÕES FINANCEIRAS - IRRF NÃO CONTABILIZADO

Durante o exercício de 2005, constatamos que a empresa efetuou vários resgates das
aplicações existentes no Banco Itaú S/A e no Unibanco S/A, no entanto para várias datas
relativas aos resgates não havia o registro contábil da retenção do Imposto de Renda, que
é de 20% sobre o rendimento da aplicação.

De acordo com o artigo 773 do Decreto 3000, de 26/mar/2000, o imposto de renda retido
na fonte sobre os rendimentos de aplicações financeiras será considerado como
antecipação do imposto devido na declaração de ajuste anual, assim, a contabilização
inadequada dessas retenções tende a gerar ônus tributários desnecessários à companhia,
dada a ausência do crédito tributário a compensar.

www.portaldeauditoria.com.br 12
Relatório de Auditoria Contábil

Recomendamos solicitar os extratos das aplicações financeiras e confrontá-los com a


contabilidade, com o intuito de verificar se toda a retenção do imposto de renda está
contabilizada, em conformidade com os respectivos extratos.

1.8 ADIANTAMENTO A FORNECEDORES

Não nos apresentaram a composição do saldo da conta, a qual apresentava em


31/dez/2005 o saldo de R$ 85.886,12.

Alertamos para o fato de que em 31/dez/04 a conta já apresentava saldo de R$


82.797,12, evidenciando a existência de adiantamentos pendentes de longa data.

Recomendamos efetuar levantamento dos motivos pelos quais os adiantamentos


ainda estão pendentes, no intuito de regularizar a situação.

1.9 ADIANTAMENTO SALARIAL

A conta de Adiantamentos de Salário, cujo saldo em 31/dez./2005 era R$ 30.331,16,


apresentava algumas pendências, as quais elencamos abaixo:

Data Beneficiário Valor R$


05/jul./2005 João César dos Santos 1.200,00
01/set./2005 João César dos Santos 6.000,00
21/set./2005 João César dos Santos 3.500,00
02/out./2005 João César dos Santos 1.500,00
24/out./2005 João César dos Santos 3.500,00
10/nov./2005 João César dos Santos 1.000,00
14/nov./2005 João César dos Santos 2.000,00
20/jun./2005 Felipe Oliveira 500,00
20/jun./2005 Felipe Oliveira 2.500,00
09/out./2005 Fernando Alonso 1.200,00
07/nov./2005 Fernando Alonso 600,00
26/Out./2005 Mário Alfredo 1.000,00
27/mar./2005 Paulo 300,00
10/jul./2005 Tiago 143,56
15/ago./2005 Maurício 211,40
15/mai/2005 Tânia 200,68
15/mai./2005 Carlos 164,19

www.portaldeauditoria.com.br 13
Relatório de Auditoria Contábil

Também, os valores acima citados emprestados não estão suportados através de contratos
e nem há a cobrança de encargos financeiros sobre os mesmos.

Alertamos que empréstimos feitos a funcionários não firmados mediante contrato, e sem
cláusula de cobrança de encargos financeiros, poderão ser considerados pelo fisco como
adiantamentos salariais e tributados na fonte, na ocasião da liberação dos recursos,
conforme Instrução Normativa nº 49, de 10/mai./89.

Recomendamos ampliar as atenções sobre os adiantamentos pendentes de longa data,


haja vista, que, desta forma, eles se caracterizam como empréstimo, sendo necessária a
elaboração de contratos com previsão de cobrança de encargos financeiros.

1.10 INCIDÊNCIA DE IOF SOBRE EMPRÉSTIMOS A FUNCIONÁRIOS

Alertamos, também, que sobre os valores emprestados aos funcionários como acima
citado há a incidência de IOF, conforme determina a Lei 9.779/99.

A Portaria 385/99 do Ministério da Fazenda, estipulou que, a partir de 18/out./99, será


aplicada a alíquota de 0,0041% ao dia sobre empréstimos para pessoas físicas, para fins
de recolhimento do IOF. Apesar dos valores serem pequenos, recomendamos observar a
legislação acima citada.

1.11 CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS CONTABILIZADOS A MAIOR

Foi registrado a maior, no ativo circulante, o montante de R$ 122.990,32, referente


créditos tributários constituídos sobre prejuízos fiscais e bases negativas de contribuição
social, tendo como reflexo efeito positivo no patrimônio líquido, como demonstramos:

Descrição Valor R$ Percentual Valor do Crédito Contabilidade Diferença


Tributário
IRPJ
Prejuízo
Fiscal 783.933,80 25% 195.983,45 243.465,00 47.481,55

CSSL
Prejuízo
Fiscal 783.933,80 9% 70.554,04 146.062,81 75.508,77
Total 122.990,32
1.12 ATIVO PERMANENTE – NECESSIDADE DE REGISTROS INDIVIDUAIS

Persiste a situação já comentada em nosso relatório anterior quanto ao controle das


inversões fixas em bens patrimoniais e projetos técnicos, que vem sendo efetuado com
base nos saldos contábeis, os quais são demonstrados de forma sintética, não havendo,
portanto, um controle analítico sobre os bens do ativo imobilizado.

www.portaldeauditoria.com.br 14
Relatório de Auditoria Contábil

A individualização dos bens patrimoniais e projetos técnicos seria oportuna sob a ótica
administrativa e contábil, pois torna-se importante para:

 identificar o valor de aquisição, acréscimos posteriores, bem como a depreciação


ou amortização acumulada dos bens baixados;

 prover as bases de cálculo e apropriação de despesas de depreciação e amortização,


inclusive, por centro de custo;

 prover informações para efeito de política de capitalização e substituição de bens,


bem como, cobertura de seguros;

 manter adequado controle físico e contábil sobre os bens do ativo imobilizado;

 proporcionar uma melhor visualização das inversões patrimoniais procedidas ; e

 centralizar os gastos pertinentes a cada obra.

O controle analítico dos itens imobilizados, via de regra, efetua-se através de sistemas
informatizados e paralelos à contabilidade. Reiteramos nossas recomendações no sentido
de analisar a viabilidade de implantar-se um sistema desse gênero, visando aperfeiçoar
os meios de controles patrimoniais existentes na companhia.

1.13 ATIVO PERMANENTE - IMOBILIZAÇÃO DE DESPESAS OPERACIONAIS

Dentre as adições ao ativo fixo da companhia, persiste situação comentada em nosso


relatório anterior onde constatamos valores que se caracterizam como despesa
operacional ao invés de custo de aquisição ou desenvolvimento de bens permanentes,
conforme demonstramos, como exemplo, no quadro a seguir:

www.portaldeauditoria.com.br 15
Relatório de Auditoria Contábil

Nº do Fornecedor Discriminação Valor


Docto. R$

0039 Casa das Tintas Ltda. Tintas e vernizes.

9.294,03
058 Máquinas Pesadas Ltda. Serviço prestado com retroescavadeira.
2.513,73
059 Máquinas Pesadas Ltda. Serviço prestado com retroescavadeira.
2.454,50

Também, constatamos alguns valores transferidos no final do exercício de despesas


operacionais para serem registrados no ativo permanente. Tal procedimento gerou um
acréscimo de R$ 72.720,36 no saldo do imobilizado, bem como efeito positivo sobre o
resultado do exercício, com o conseqüente reflexo no patrimônio líquido. Abaixo
demonstramos as respectivas contas de resultados e seus saldos:

Código Nomenclatura Contábil R$


Contábil

4759 Despesas com Obras 13.304,05


4660 Despesas com Obras 2.842,48
4742 Despesas com Obras 20.340,99
4660 Serviços Prestados Pessoas Jurídicas 36.232,74
Total 72.720,36

A Lei 6404/76, Lei das Sociedades por Ações, em seu artigo 179, determina que no ativo
imobilizado serão classificados, exclusivamente, os bens e direitos destinados à
manutenção das atividades da companhia.

Excepcionalmente, admite-se a adição, ao custo de aquisição ou desenvolvimento, dos


gastos que objetivam uma melhoria no item imobilizado, em função do prolongamento de
sua vida útil, incremento na sua capacidade produtiva ou redução dos custos
operacionais.

Tendo em vista ser considerável a ocorrência dos lançamentos em epígrafe, reiteramos


nossas recomendações para a revisão dos registros contábeis do ativo imobilizado,
visando identificar e corrigir as classificações contábeis inadequadas, adequando-as às
disposições da legislação societária.

www.portaldeauditoria.com.br 16
Relatório de Auditoria Contábil

1.14 ATIVO PERMANENTE – CONSIDERAÇÕES SOBRE CÁLCULO DAS


DEPRECIAÇÕES

Os elementos que integram o ativo imobilizado possuem um tempo de vida útil


economicamente limitado, desta maneira, os respectivos custos devem ser alocados aos
exercícios beneficiados pelo seu uso, daí surge a necessidade de uma adequada
apropriação da depreciação dos bens de uso.

Após análise na política de depreciação adotada na companhia, observamos que


persistem situações comentadas em nosso relatório anterior:

a) A depreciação não vem sendo calculada individualmente, por item patrimonial,


sendo a despesa obtida mediante a aplicação de um percentual, predeterminado,
sobre o custo total dos bens de mesma natureza;

b) As taxas de depreciação, ora em uso, obedecem às práticas fiscais anteriores às


publicações das Instruções Normativas 162/98 e 130/99, da Secretaria da Receita
Federal.

Sobre o assunto comentamos:

1) A atual sistemática de cálculo não proporciona segurança quanto à exatidão das


quotas de depreciação, apropriadas no exercício, face a existência de taxas de
depreciação diferenciadas, mesmo para bens de mesma espécie; e

2) Do ponto de vista fiscal, há a possibilidade de eventuais questionamentos, em


função das taxas de depreciação em uso.

Reiteramos nossas considerações visando a implantação de controles individualizados


dos bens patrimoniais, conforme recomendações contidas no item 1.12, supra.

1.15 ATIVO PERMANENTE – IMOBILIZADO OBRAS

Observamos a contabilização mensal durante o ano de 2.005, do valor de R$ 12.628,25, o


qual é lançado a débito da conta “Imobilizado Obras”, e a crédito da conta “Faturas de
Água a Receber”, no entanto não nos informaram motivo deste lançamento.

Recomendamos que se efetue pesquisa para se levantar o motivo que originou os


lançamentos supra.

www.portaldeauditoria.com.br 17
Relatório de Auditoria Contábil

1.16 FORNECEDORES – AUSÊNCIA DE POSIÇÃO FINANCEIRA

Não nos apresentaram relatório com a posição do departamento financeiro por


fornecedor, para efetuar confronto com saldo contábil. Também não nos informaram
motivo da divergência entre a planilha de conciliação e o saldo contábil, a qual
demonstramos abaixo:

R$

Saldo Contábil em 31/dez/2005 201.343,68


Saldo da Planilha de Conciliação em dez/05 130.073,23

Divergência 71.270,45

Recomendamos proceder, mensalmente, à conciliação das contas de fornecedores,


promovendo o confronto de saldos com os relatórios do sistema financeiro, visando
identificar, analisar e corrigir as diferenças, porventura, existentes.

1.17 FORNECEDORES – PROVISÃO FORA DO PERÍODO DE COMPETÊNCIA

Observamos a contabilização de provisão de notas fiscais divergentes da data de emissão,


conforme demonstramos abaixo:

Nota Fiscal Fornecedor Valor Data Emissão Data


Contabilização
454 Barigui Construções 3.500,00 05/10/05 20/12/05
178 Barigui Construções 4.840,00 05/10/05 20/12/05
854 Barigui Construções 3.550,00 05/11/05 20/12/05
35 Barigui Construções 2.530,00 05/11/05 20/12/05
735 Barigui Construções 5.460,00 05/11/05 20/12/05

Recomendamos que as notas fiscais sejam contabilizadas dentro do período de


competência, pois as situações acima demonstradas tendem a causar distorções nas bases
de cálculo para apurações fiscais.

1.18 FGTS A RECOLHER

Após análise na conta acima observamos existência de diferença entre o valor


provisionado em dez./2005 e o recolhido em jan./2006, conforme demonstramos abaixo:
Saldo Contábil em 31/dez./2005 9.917,48
Valor Recolhido em jan./2006 9.385,76
Diferença 531,72

Recomendamos efetuar pesquisa para levantar o motivo da divergência acima e


posteriormente sua regularização.

www.portaldeauditoria.com.br 18
Relatório de Auditoria Contábil

1.19 INSS A RECOLHER

Observamos divergências entre saldo contábil em 31/dez./2005 e o recolhimento do INSS


em jan./2006, conforme demonstramos abaixo:

Saldo Contábil em 31/dez./2005 30.532,68


Valor Recolhido em jan./2006 28.114,22
Diferença 2.418,46

Recomendamos efetuar pesquisa para levantar o motivo da divergência acima e


posteriormente sua regularização.

1.20 PROVISÃO DE FÉRIAS

Não nos apresentaram relatório de provisão de férias, e segundo informações não é


procedimento da empresa a contabilização mensal da provisão para férias.

Alertamos para o fato de que, no regime de competência, as férias transcorridas e ainda


não gozadas devem ser provisionadas contabilmente, permitindo melhor apuração do
resultado.

A legislação fiscal (Decreto n. 3.000/99), no art. 337, parágrafos 1 a 3, permite a dedução


da formação dessa provisão, inclusive considerando a parcela proporcional, bem como a
relativa aos encargos sociais derivantes das férias. É exigido, no entanto, que a empresa
mantenha na data do Balanço uma posição analítica como suporte do valor provisionado.

Recomendamos que a empresa calcule e mantenha posição analítica da provisão para


férias, bem como efetue seu registro contábil.

www.portaldeauditoria.com.br 19
Relatório de Auditoria Contábil

1.21 PIS E COFINS - NÃO EFETUADA A ATUALIZAÇÃO DO PARCELAMENTO

Não foi reconhecido como despesa do exercício o valor referente às multas e os juros
sobre o processo de parcelamento do Pis e da Cofins, no montante de R$ 198.170,13,
como demonstramos:

Descrição Saldo Contábil Saldo Extrato do Diferença


Parcelameno

Pis 11.806,07 64.234,80 52.428,73


Cofins 60.851,14 206.592,54 145.741,40
Total 198.170,13

Recomendamos manter atualizados os respectivos parcelamentos.

1.22 RETENÇÕES JUDICIAIS - SANEPAR

Mensalmente é devido o pagamento de 50.000 TR’s (Taxa Referencial ) para a


Companhia Ltda, objetivando fazer frente aos serviços de fiscalização, de competência do
órgão concedente.

Nos pagamentos efetuados, são retidas 12.960 TR’s, visando amortizar empréstimos
concedidos àquela companhia e 11.112 TR’s em atendimento a mandado de penhora,
movido pela Companhia Sanepar, contra a concedente.

Referente ao repasse à Sanepar, mencionado supra, a empresa está inadimplente desde


junho de 2.005, gerando saldo devedor de R$ 33.526,31. Conforme informações a
situação é de conhecimento da diretoria.

Alertamos para o fato de que este repasse foi decidido pelo Poder Judiciário através do
Mandado nº 342/98, e o seu descumprimento poderá gerar sanções de natureza judicial.

1.23 AUTÔNOMOS – RESUMO DE PAGAMENTOS

A empresa não elabora o resumo mensal dos pagamentos aos prestadores de serviços
autônomos.

www.portaldeauditoria.com.br 20
Relatório de Auditoria Contábil

De acordo com o Artigo 225, do Decreto 3.048/99, é obrigatória a elaboração de folha de


pagamento, dos valores pagos, aos segurados a seu serviço.

Infração:

– Inobservância aos procedimentos obrigatórios.

Penalidade:

– Multa de R$ 563,27 a R$ 56.326,83 conforme a gravidade da infração.

1.24 SERVIÇOS PRESTADOS PESSOA FÍSICA – ISS SOBRE RECIBO DE


PAGAMENTO A AUTÔNOMOS

Não foram recolhidos os valores referente ao ISS retido sobre os Recibos de Pagamentos
a Autônomos, os quais relacionamos abaixo:

DATA NOME VALOR SERVIÇO ISS RETIDO


02/10/05 João Henrique da Silva 800,00 40,00
02/10/05 Cícero Gonçalves 500,00 25,00
02/10/05 Francisco Chaves 451,35 22,56

Recomendamos que se efetue o recolhimento do imposto o mais breve possível, no


intuito de desonerar o caixa da empresa com pagamentos de juros de mora e evitar
problemas de natureza fiscal.

1.25 SERVIÇOS PRESTADOS PESSOA FÍSICA – RECOLHIMENTO DE INSS

Não nos apresentaram recolhimento referente ao INSS sobre serviços prestados por
pessoa física em julho de 2.005.

Recomendamos efetuar levantamento, no sentido de verificar pendências referentes aos


recolhimentos de INSS sobre serviços prestados por autônomos.

1.26 OBRIGAÇÃO DE RETER INSS DAS CESSÕES DE MÃO-DE-OBRA

Não encontramos evidências da retenção do INSS (11%) e do respectivo recolhimento,


nas seguintes notas fiscais de prestação de serviços, as quais citamos a título de exemplo:
Data NF n.º Nome do Fornecedor Descrição do Serviço Valor R$

10/11/05 058 Costa Locadora de Serviço prestado c/


Máquinas retroescavadeira cfe
planilha 2.513,73
05/12/05 162 BR Construções Ltda Locação de um caminhão
basculante 2.830,00

www.portaldeauditoria.com.br 21
Relatório de Auditoria Contábil

05/12/05 164 BR Construções Ltda Locação de


retroescavadeira 5.500,00
05/12/05 008 Correia e Filhos Serviço de ampliação de
rede
7.226,75
04/08/05 0039 Oliveira e Cia Ltda Corte de terminais e
outros 9.294,03
14/11/05 1097 Mat. Construção e Serviços executados em
Serviços Ltda obras com material 3.994,36

De acordo com a Ordem de Serviço nº 209, de 20/maio/1999, as cessões de mão-de-obra


estão sujeitas à retenção do INSS, sob a alíquota de 11% (onze por cento), sendo a fonte
pagadora a responsável pela retenção e recolhimento.

Para que os prestadores de serviços se enquadrem nas regras do SIMPLES, com a


dispensa da retenção do INSS, deverão formalizar a opção de microempresa - ME no
Simples Federal, bem como a empresa deverá manter a documentação que comprove a
adesão no sistema ou cópia do CNPJ que contenha menção de adesão ao sistema.

No caso da empresa Oliveira e Cia Ltda, no valor de R$ 9.294,03 mencionado acima,


consta no documento fiscal a inscrição “Microempresa Optante pelo Simples PR".
Salientamos que a empresa deve estar registrada no Simples Federal, pois ela pode ter o
regime do Simples no Estado não aprovado pela Receita Federal, por isso é recomendável
que a empresa apresente cópia de documento de adesão ao Simples Federal.

www.portaldeauditoria.com.br 22
Relatório de Auditoria Contábil

Em se tratando de construção civil, a terraplanagem será considerado como mão-de-obra


15% do valor do serviço, nos demais serviços com a utilização de meios mecânicos, será
considerada como mão-de-obra 35% do valor do serviço. Nos casos em que não estiver
especificado no contrato a parcela da mão-de-obra, nas situações em que a prestadora
fornece também o material, será considerada como mão-de-obra o equivalente a 50 % do
valor constante da nota fiscal. Estes dispostos constam no item 17 da OS INSS 209, de
20/05/99.

Recomendamos que a empresa mantenha um rigoroso controle com as empresas de


prestação de serviços, quanto à retenção do INSS, pois em uma fiscalização do INSS,
mesmo não havendo a retenção, a empresa tem a obrigação do recolhimento.

1.27 OBSERVAÇÕES QUANTO A DOCUMENTOS CONTÁBEIS

Ao efetuarmos análise em alguns documentos observamos inadequações, as quais


relacionamos abaixo:

DATA NF FORNECEDOR VALOR REF.


05/12/05 162 BR Construções Ltda. 2.830,00 (1)
05/12/05 164 BR Construções Ltda. 5.500,00 (1)
05/12/05 163 BR Construções Ltda. 1.868,00 (1)
29/05/05 1516 Lojas Ltda. 161,00 (2)
25/10/05 1266 Com.e Manut.Ltda. 5.500,00 (3)

As referências numéricas, entre parênteses, referem-se a:

(1) Documento sem assinatura da Diretoria autorizando o pagamento;

(2) Documento refere-se à aquisição de vara e molinete, equipamento que, a princípio,


diverge dos fins e objetivos da empresa;

(3) Documento refere-se à aquisição de geofone eletrônico e válvula geradora de


ondas, os quais referem-se a Ativo Imobilizado, porém contabilizado como despesa
na conta “Serviço Prestados PJ”.

www.portaldeauditoria.com.br 23
Relatório de Auditoria Contábil

1.28 PIS E COFINS

Após análise nas bases de cálculos das contas acima, referente ao período de janeiro a
dezembro de 2.005, observamos recolhimentos a menor conforme demonstramos no
Anexo 01 deste relatório.

Recomendamos providenciar as regularizações das divergências a fim de evitar possíveis


problemas de natureza fiscal.

1.29 LALUR – NÃO ESCRITURADO REFERENTE O ANO DE 2.005

O recolhimento mensal do imposto de renda e da contribuição social, vem sendo


suspendido devido à apuração de prejuízos contábeis e fiscais. No entanto, a empresa não
nos apresentou a escrituração do Livro de Apuração do Lucro Real nem planilhas com a
base de cálculo do IRPJ e CSSL, referente a cada mês do ano de 2.0005.

A Instrução Normativa, em seu artigo 13, determina que a demonstração do lucro real
relativa ao período abrangido pelos balanços ou balancetes que comprovam a existência
de prejuízos fiscais deverá ser transcrita no Livro de Apuração do Lucro Real - LALUR,
observando-se o seguinte:

I - a cada balanço ou balancete levantado para fins de suspensão ou redução do


imposto de renda, o contribuinte deverá determinar um novo lucro real para o
período em curso, desconsiderando aqueles apurados em meses anteriores do
mesmo ano calendário;

II - as adições, exclusões e compensações, computadas na apuração do lucro real,


correspondentes aos balanços ou balancetes, deverão constar, discriminadamente,
na Parte A do LALUR, para fins de elaboração da demonstração do lucro real
do período em curso, não cabendo nenhum registro na Parte B do referido Livro.

Recomendamos fazer a escrituração do Lalur do ano de 2005, nos moldes da legislação


vigente, de forma a evitar eventuais contratempos de ordem fiscal. Salientamos, ainda,
que a empresa deverá montar a base de cálculo da Contribuição Social sobre o Lucro
Líquido de cada mês do ano.

www.portaldeauditoria.com.br 24
Relatório de Auditoria Contábil

1.30 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO – ESTRUTURA DE APRESENTAÇÃO

Os sistemas de informações contábeis da companhia não proporcionam uma adequada


distinção entre custos, despesas comerciais e despesas administrativas.

A Lei das Sociedades Anônimas, em seu artigo 187, determina que as demonstrações de
resultado devem destacar os custos e despesas de acordo com a sua natureza, razão pela
qual recomendamos envidar esforços visando redesenhar o atual fluxo de informações,
para estruturar a escrituração da companhia de acordo com os preceitos da legislação
societária.

****

Os comentários sobre os pontos acima descritos estão em conformidade com o que


determina a legislação vigente.

Recomendamos discutir a viabilidade de adequá-los, de modo a evitar contratempos de


natureza fiscal e societária.

Era o que nos cabia relatar.

Curitiba, 20 de Maio de 2006.

Atenciosamente.

MAPH AUDITORES INDEPENDENTES S/C

PAULO H.T.

www.portaldeauditoria.com.br 25
Relatório de Auditoria Contábil

OUTRAS PUBLICAÇÕES DE AUDITORIA – PORTAL DE AUDITORIA


(www.portaldeauditoria.com.br/auditoria.asp)

Publicações de Auditoria em formato eletrônico e com GARANTIA DE ATUALIZAÇÃO POR 12 MESES

Conheça as publicações disponíveis: (clique em mais informações para acessar maiores detalhes)

Auditoria - Teoria Manual de Relatórios de


e Prática Auditoria Interna Auditoria
Mais Informações
Mais Informações Mais Informações

Como Formar Manual Prático


Auditoria de Auditoria
equipe de
Gerencial Trabalhista
Auditores
Internos
Mais Informações
Mais Informações
Mais Informações

Auditoria e
Controles na
Auditoria Manual Prático de Terceirização
Tributária Auditoria Contábil

Mais
Mais Informações Informações
Mais Informações

VEJA OUTROS ASSUNTOS RELACIONADOS COM A AUDITORIA

Acompanhe nossos cursos abertos: http://www.portaldeauditoria.com.br/cursos.asp

Faça downloads gratuitos: http://www.portaldeauditoria.com.br/download.asp

Cadastre-se e fique informado sobre os principais assuntos de auditoria:


http://www.portaldeauditoria.com.br/contato.asp

A qualquer momento entre em contato conosco:


portaldeauditoria@portaldeauditoria.com.br

www.portaldeauditoria.com.br 26