Você está na página 1de 12

30/11/04 ASSESSORIA PEDAGÓGICA Página 1 de 12

SCIPIONE EDUCAÇÃO

CARA OU COROA?

A FELICIDADE E A INFELICIDADE
BRIGITTE LABBÉ & MICHEL PUECH

KITS PEDAGÓGICOS

ATIVIDADES COMPLEMENTARES
PESQUISA DE LIVROS E VÍDEOS
AVALIAÇÃO

2004 – A felicidade e a infelicidade


30/11/04 ASSESSORIA PEDAGÓGICA SCIPIONE Página 2 de 12

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

1ª ATIVIDADE
Pergunte a seus alunos: O que é tratar bem alguém?
Marque os exemplos na lousa.
Peça para cada um escolher um dos exemplos e elaborar uma tirinha
de história em quadrinhos, mostrando essa ação e suas
conseqüências.

2ª ATIVIDADE
Distribua as letras das músicas abaixo e coloque-as para tocar.

FELICIDADE
Lupicínio Rodrigues

Felicidade foi-se embora


E a saudade no meu peito ainda mora
E é por isso que eu gosto lá de fora
Porque sei que a falsidade não vigora
A minha casa fica lá de trás do mundo
Onde eu vou em um segundo quando começo a cantar
O pensamento parece uma coisa à toa
Mas como é que a gente voa quando começa a pensar

SUPERFANTÁSTICO
Balão Mágico

Superfantástico amigo!
Que bom estar contigo
No nosso balão!
Vamos voar novamente
Cantar alegremente
Mais uma canção
Tantas crianças já sabem
Que todas elas cabem
No nosso balão
Até quem tem mais idade
Mas tem felicidade
No seu coração
Sou feliz, por isso estou aqui
Também quero viajar nesse balão!
Superfantástico!
No balão mágico,
O mundo fica bem mais divertido!
Superfantasticamente!
As músicas são asas da imaginação
30/11/04 ASSESSORIA PEDAGÓGICA SCIPIONE Página 3 de 12

É como a flor e a semente


Cantar que faz a gente
Viver a emoção
Vamos fazer a cidade
Virar felicidade
Com a nossa canção
Vamos fazer essa gente
Voar alegremente
No nosso balão!
Organize os alunos em duplas.
Peça para criarem uma poesia descrevendo o que é felicidade para
eles.
Organize um sarau para a leitura dos trabalhos.

3ª ATIVIDADE
Peça a cada aluno que descreva um momento de felicidade e um de
infelicidade.
Proponha que transformem os momentos escolhidos em quadrinhos.
Utilize as dicas abaixo.

COMO DESENHAR QUADRINHOS


Para desenhar os quadrinhos é preciso, além da inspiração, conhecer
algumas técnicas.

Se você tem uma idéia incrível para uma história em quadrinhos, já


está a meio caminho de conseguir fazê-la. Mas há etapas a serem
cumpridas antes de seu gibi ser um sucesso. Veja.

Criação dos personagens


Dos protagonistas aos tipos secundários, o
autor precisa planejar tudo, para não cair em
contradição mais tarde. O ideal é ter em mente
cada personagem, com a personalidade, o
aspecto físico, o estilo das roupas, os vícios e
as virtudes. Nessa fase, o artista deve desenhar
cada um dos tipos em posições variadas e com expressões faciais bem
marcadas. Treinando o seu traço não haverá perigo de, ao longo da
história, o personagem ficar irreconhecível.
30/11/04 ASSESSORIA PEDAGÓGICA SCIPIONE Página 4 de 12

Argumento e roteiro
O argumento é a idéia geral da história, com
começo, meio e fim. Quando é trocado em
miúdos, tem-se o roteiro, que deve ser planejado
quadro a quadro. Nessa fase as páginas são
diagramadas, as cenas descritas e os diálogos
finalmente definidos.

Desenho
A lápis, as linhas de todos os elementos das
páginas são marcadas: personagens, cenários,
balões (os textos escritos a lápis),
onomatopéias (palavras que reproduzem sons
naturais, como Tchibum! Pou! Crás!) e os
contornos dos quadrinhos.

Letras
Com tinta nanquim (ou uma caneta hidrográfica
preta de ponta fina), o texto dos balões e as
onomatopéias são finalizados. Os profissionais
trabalham com páginas cujo espaço para letras já
vem pré-marcado. Um erro muito comum para
quem está começando é entusiasmar-se demais e
desenhar todo o quadrinho antes de decidir o texto
que acompanhará a imagem. Quando chega a hora de preencher os
balões, descobre-se que o espaço é curto. Aí é tarde. Planeje, então, o
desenho e o texto simultaneamente. O melhor modo de fazer isso é
verificar o seu roteiro.

Arte-final
Como as letras, os demais elementos
gráficos recebem a tinta preta, cobrindo
cuidadosamente os traços a lápis e
corrigindo eventuais falhas. Você pode
optar por usar caneta ou pincel. Para
dar efeito de luz e sombra, pode-se
30/11/04 ASSESSORIA PEDAGÓGICA SCIPIONE Página 5 de 12

hachurar ou pontilhar. Nos quadrinhos de autor, o arte-finalista e o


desenhista são a mesma pessoa.

Cor
A última etapa antes da impressão do gibi é a
colorização dos quadrinhos. Os desenhistas
profissionais vêm usando cada vez mais
programas gráficos de pintura por
microcomputador. Na classe, os alunos podem
optar entre os lápis de cor, as canetinhas ou
outras técnicas de pintura que já tenham sido trabalhadas em sala de
aula.

Revista Nova Escola, abr. 1998.

4ª ATIVIDADE
Coloque na lousa:
“A cobiça é a causa da tristeza.
A cobiça é a causa do medo.
Se for eliminada a cobiça
Como poderão existir a tristeza e o medo?”
Dhammapada

Discuta com os alunos o significado de cobiça e como ela pode causar


tristeza.

5ª ATIVIDADE
Leve os alunos à biblioteca.
Leia o conto “Rosa Branca e Rosa Vermelha”, dos irmãos Grimm, para
os alunos. Este conto revela à criança que só com a transformação de
aspectos desagradáveis é possível alcançar a felicidade.

6ª ATIVIDADE
Forme pequenos grupos com os alunos.
Peça para cada um escrever um momento triste vivido.
Escolha um aluno do grupo de cada vez para relatar sua história.
Os outros integrantes do grupo devem fazer uma pequena encenação,
mas representando a história ao contrário, ou seja, interpretando um
fato feliz.
30/11/04 ASSESSORIA PEDAGÓGICA SCIPIONE Página 6 de 12

PESQUISA DE LIVROS E VÍDEOS

LIVROS
FELICIDADE
ROSEANA MURRAY
FTD
Este livro conta a mágica e a dificuldade de viver junto, do primeiro filho, do
irmão caçula, de continuar casado, de se separar. Cada casa tem sua história,
cada pessoa tem seu jeito. O que cada um pode fazer, na verdade, é escolher
que vai ser feliz.

AFINAL, É A FELICIDADE
LUCILIA ALMEIDA JUNQUEIRA DE PRADO
FTD
Rafael é um garoto que desde os sete anos usa muletas, mas que não deixou
que esse problema o impedisse de ser um rapaz feliz, realizado e apaixonado.

CRIANÇA FELIZ – CONTOS E CANTOS


VÁRIOS AUTORES
CRIANÇA FELIZ
Conjunto de livro e CD contendo contos de Cristina Porto, José Arrabal, Lúcia
Pimentel e Machado de Assis, entre outros, além de composições de Helena
Cabral e Oswaldo Biancardi, organizados por Nelly Novaes Coelho.

CONTOS JATAKA
NOOR INAYAT KHAN
ODYSSEUS EDITORA
Famosa coletânea de lendas sobre as vidas anteriores de Buda. Por sua
origem esses contos são sempre comparados a um colar (um mala, nome
sânscrito do terço de meditação, cujas contas são usadas para orar) ou uma
guirlanda de flores (em sânscrito jataka). Daí o nome original: Jatakamala, a
guirlanda de renascimentos do Buda. Nesse colar há um conto em cada
conta: a história de uma vida do Buda. Esses antigos contos são profundos
para os adultos e encantadores para as crianças. Suas aventuras são
resolvidas valorizando a compaixão, a coragem e a capacidade de amar.

A FAZENDA FELIZ
SUSANNAH LEIGH
SCIPIONE
Zica e Zeca ficaram encarregados dos preparativos finais para a grande feira
da roça. Há muita coisa a fazer, e eles não vão conseguir sozinhos. Eles
precisam de ajuda para encontrar animais perdidos, escolher flores bonitas,
separar bois bravos, superar perigos e chegar até os espantalhos. Além disso,
ainda têm de encontrar o Bolinha e os ratinhos roxos, que estão sempre se
escondendo. Essa história divertida propõe desafios que estimulam a
curiosidade infantil, auxiliando no desenvolvimento da observação, da
memorização e do raciocínio lógico.
30/11/04 ASSESSORIA PEDAGÓGICA SCIPIONE Página 7 de 12

ESTOU TRISTE
JOY WILT BERRY
CARAMELO
Os livros da coleção “Vamos Conversar” são divertidos e instrutivos, e ajudam
as crianças e seus pais a resolver problemas muito comuns da vida real.
Estou triste fala da tristeza das crianças diante de situações de perda e
saudade, e as ensina a lidar com isso.

O SAPO ESTÁ TRISTE


MAX VELTHUIJS
MARTINS FONTES
O Sapo está triste. Está com vontade de chorar, mas não sabe por quê. O
Rato tenta alegrá-lo, mas só consegue fazê-lo chorar mais ainda. Finalmente,
o Sapo começa a rir... e todo o mundo ri junto. O Sapo está feliz de novo, e o
Ursinho, por sua vez, fica muito aliviado. Com delicadeza, o autor fala dos
mistérios das variações de humor e do alívio que se sente quando uma
tristeza inexplicável vai embora.

FICAR TRISTE NÃO É RUIM


MICHAELENE MUNDY
PAULUS
Oferece uma visão realista e confortadora da perda, cheia de estímulos
positivos e alentadores para lidar com a perda na infância. A obra promove
um sentimento de pesar honesto e sadio.

O DIA EM QUE MIGUEL ESTAVA TRISTE


RUTH ROCHA
CALLIS
Como conseguir, em casa, a atenção dos adultos? Este livro revela os
sentimentos e as dificuldades do dia-a-dia infantil, facilitando aos leitores
reconhecer os próprios sentimentos e lidar com as próprias dificuldades.

DUAS DÚZIAS DE COISINHAS À-TOA QUE DEIXAM A GENTE FELIZ


OTÁVIO ROTH
ÁTICA
A felicidade é feita de pequenas coisas, que acontecem de repente e podem
até passar despercebidas. Mas que são capazes de fazer adultos e crianças
sentirem a mesma alegria.

AOS POUCOS FICO LOUCO


ULISSES TAVARES
SCIPIONE
Crise, guerra, violência, preconceito, poluição... Muitas coisas nesta vida
podem nos deixar loucos: de raiva, de amargura, de decepção. Mas o mundo
também nos oferece coisas boas: uma comida gostosa, um sorvete
refrescante, uma flor cheirosa e colorida, um bicho gracioso, uma paisagem
exuberante. Pense nisso tudo. E, na alegria ou na tristeza, extravase na
poesia.

OS DIAS FELIZES DE PAGU


NAIR DE MEDEIROS BARBOSA E RUY GENTILEZA
FTD
Neste livro Gentileza cuidou com carinho da cachorra Pagu, enquanto seu
dono viajava. Agradecida, Pagu deu-lhe uma lambida ao despedir-se e ele,
então, se lembrou que as crianças de rua também ficavam felizes com sua
atenção.
30/11/04 ASSESSORIA PEDAGÓGICA SCIPIONE Página 8 de 12

FELIZES PARA SEMPRE


AUGUSTO PESSÔA
ROCCO
História de um rei doente do mal de amores e de Manuel da Bengala, o
príncipe que, com três dias de nascido, já comia um boi inteiro. Reúne a Bela
e a Fera, a Moura Torta, a filha do pescador e Maria Borralheira, príncipes,
princesas, reis e rainhas, todos buscando o mesmo tesouro, que é a
felicidade. Emocionantes, divertidos, inesquecíveis, os encontros são tão
intensos como o sentimento que os motivou. E assim será até o fim dos
tempos, pois não existe nada que possa substituir a doce perspectiva de um
“felizes para sempre” na vida das pessoas sensíveis.

A TARTARUGA INFELIZ
THEREZINHA CASASANTA
BRASIL
Bilila era uma tartaruga acanhada, gentil e paciente. Todos gostavam dela,
mas Bilila era muito infeliz. É que Bilila não gostava da sua figura. Não
gostava do seu casco duro e escuro. Desejava ter um pêlo macio e bonito
como o de alguns animais.

AFINAL É A FELICIDADE
LUCILIA JUNQUEIRA DE ALMEIDA PRADO
FTD
A vida de Rafael era como a de muitos imigrantes no Paraná. Morava em uma
fazenda, vivia solto no meio das plantações de café. Até que uma doença
mudou o curso do seu destino. Mas não sua vontade de ser feliz.
30/11/04 ASSESSORIA PEDAGÓGICA SCIPIONE Página 9 de 12

VÍDEOS
A FELICIDADE NÃO SE COMPRA
FRANK CAPRA
132 MIN.
Na véspera de Natal, George Bailey está à beira do suicídio quando é salvo
por um anjo da guarda, em missão para ganhar suas asas. Morador de uma
pequena cidade, Bailey é daqueles que sempre pensou primeiro no próximo e
sacrificou seus sonhos em benefício de outros. Agora está desiludido. Mas o
anjo Clarence, numa tentativa de ajudá-lo para a vida, mostra-lhe como a
cidade seria diferente se ele não tivesse nascido. Num tom de humor e
ingenuidade, Frank Capra tece uma narrativa envolvente, onde demonstra
com freqüência ser um humanista inveterado. Seus princípios otimistas em
relação ao homem conseguem fazer do sofredor um herói, que mesmo em
momentos difíceis não sucumbe às armadilhas de um mundo hostil.

O GRILO FELIZ
2003, BRASIL
82 MIN.
O filme ocorre em uma floresta onde, em um pequeno povoado de indetos,
vivem o Grilo Feliz e sua turma. O Grilo Feliz e sua violinha, feita de casca de
amendoim, são o ponto de equilíbrio do grupo e do povoado. Ele anima todos
com sua música, sua alegria e bom humor. O Grilo tem uma musa inspiradora
que o ajuda em suas canções. É a amis bela e brilhante estrela do
firmamento, a Estrela Linda. Mas a paz é quebrada pela chegada do ambicioso
lagarto Maledeto e seu Bando do Brejo, formado por sapos guardiões, e Faz
tudo, um louva-deus hilariante e bajulador.

PERGUNTE-ME SE ESTOU FELIZ


2000, ITÁLIA
97 MIN.
Três inseparáveis aspirantes a atores e suas desastrosas vidas amorosas. Por
enquanto eles estão apenas fazendo "pontas" em produções artísticas: Aldo
como um figurante de ópera não confiável, Giacomo como dublador de filmes
de baixo orçamento, e Giovanni como um mímico nas lojas de departamentos
da cidade. O segredo do sucesso do trio? “Queremos nos divertir, a vida é um
jogo, e as pessoas podem sentir isso."

URSINHO POOH – UM ANO MUITO FELIZ


2002, EUA
63 MIN.
A alegria e a magia das festas de fim de ano nesta nova aventura do ursinho
Pooh. Para comemorar o novo ano, o Coelho planeja uma grande festa, mas
acaba se irritando com o Pooh e agora todos têm de fazer promessas para
melhorar no próximo ano e deixá-lo mais feliz. O que irá acontecer no Bosque
dos Cem Acres quando todos resolverem colocar suas promessas em prática?

FELIZ ANO VELHO


2002, BRASIL
Mário dá adeus à sua adolescência ao mergulhar e bater a cabeça em uma
pedra no fundo de um lago. Em crise, o que parecia difícil fica pior e o rapaz,
diante do que parecia o fim, começa a reviver e resgatar momentos
importantes de seu passado, até descobrir uma nova força em sua vida.
30/11/04 ASSESSORIA PEDAGÓGICA SCIPIONE Página 10 de 12

MEU PRIMEIRO AMOR


HOWARD ZIEFF
1991, EUA
98 MIN.
A pequena Vada é uma garotinha extremamente precoce que vive com seu
pai viúvo, um agente funerário. Quando ele se apaixona por uma funcionária,
enciumada, Vada busca o conforto da amizade de seu tímido vizinho, o garoto
Thomas J., descobrindo o primeiro amor e aprendendo a melhor lidar com as
perdas.

CHARLIE BROWN – FELICIDADE É...


1981, EUA
60 MIN.
Quatro episódios com a turminha muito engraçada de Charlie Brown.
30/11/04 ASSESSORIA PEDAGÓGICA SCIPIONE Página 11 de 12

AVALIAÇÃO

1. Defina felicidade e infelicidade. Dê um exemplo de cada.

2. Você concorda com a frase: “Interessante são as histórias que falam


de infelicidade”? Justifique.

3. Cite três situações que o deixam infeliz e três situações que o deixam
feliz.

4. O que você pensa de uma pessoa que se sente feliz com a infelicidade
do outro?

5. Leia o trecho da música abaixo e responda: Onde mora a felicidade?

DONA FELICIDADE
Trem da alegria

Lua lá no céu
Queijo, pão de mel
Na ponta do pincel
Mostra no papel
Onde encontrar
A tal da Dona Felicidade
Perguntei pro céu
Perguntei pro mar
Pro mágico chinês
Mas parece ninguém sabe
Onde a Felicidade
Resolveu de vez morar

6. Escreva um pequeno diálogo entre duas pessoas: uma muito feliz


porque passou de ano e a outra triste porque tirou a segunda melhor
nota da sala.

7. O que podemos fazer para não ficarmos presos à nossa infelicidade?

8. É vantajoso ser infeliz? Justifique.

9. O que acontece quando doamos a felicidade?

10. Quando a infelicidade entra na vida de alguém?


30/11/04 ASSESSORIA PEDAGÓGICA SCIPIONE Página 12 de 12

RESPOSTAS

1. Resposta pessoal.

2. Resposta pessoal.

3. Resposta pessoal.

4. Resposta pessoal.

5. Resposta pessoal.

6. Resposta pessoal.

7. Resposta pessoal.

8. Resposta pessoal.

9. Acontece um fenômeno raro, ela aumenta e ganhamos mais felicidade ainda.

10. A infelicidade entra na vida de alguém quando essa pessoa se limita a esperar
a felicidade sem fazer nada para alcançá-la.