Você está na página 1de 17

INFILTRAÇÕES

(TRECHOS)
Acupuntura Literária

novos fluxos nos meridianos psíquicos.

estilhaçar a crosta estagnada do senso comum


com os punhos nus da estranheza.

a Cura da Linguagem
a Linguagem da Cura

(as palavras estão adoecidas,


sujas, pesadas, contaminadas
pela fuligem da sociedade industrial.
estagnadas no exílio tridimensional.)
rugido multicor desmantelando
essa procissão monótona

não se assuste com o êxtase


com a metamorfose ígnea

traduzir os estranhamentos que saltam das brechas

esculpir o silêncio
manter vivo o Espanto

a linguagem como trampolim


para o Assombro

a mente é submissa à qualquer voz autoritária

vc não percebe a importância da tua Voz e do teu Sangue?


nesse mundo anêmico e monótono?
direciono-me ao essencial
inacessível aos afogados na superfície

desatar a costura nociva que a mente engendra

olhos ocos de turista


prontos para serem preenchidos
pelos incessantes fluxos da descoberta.

Brisa dentro do crânio


Borboleta adejando jóias
Hálito róseo da aurora
Silhueta insana do sonho

Imagens acordando no cinema psíquico

o xamã precisa essencialmente e primordialmente


do extraordinário.do Misterium Tremendum. do Inefável.

Quantas mortes me mantêm?


Quantas vidas me matam?

Precipício de Visões
A sabedoria tem pés dançarinos

tocar o sublime nas vísceras,

a risada nas lágrimas.

ESTAMOS VIVOS

SOMOS A VIDA

é inescapável.

esses são os pecados, essa é a casca, vê?


e Aqui, o núcleo.claro, raro, luminoso, impecável. indomável.
indomesticável ao adestramento das mentiras sociais.
abençoada estranheza inata
abençoada trajetória excêntrica

laboratório Alquímico.
esboços, rastros da grande Obra.
Arte.
Ar’s Magna.

ouro da autenticidade do Ser

O que está fazendo?

– conectando vastidões
o vento nada abandona

Eles ouviram

o riso

das estrelas

um grãozinho, um inseto, um pedaço de dna


eram respeitados e reconhecidos.
partes integrantes e integradas do Mistério.
do Kosmos. já que para Eles não havia divisão
entre o quer que seja.
uma coisa não poderia ser mais importante do que outra,
pois para Eles não havia o pequeno e o grande
havia apenas o infinito.

& a Vida era sua revelação

através de seus fluxos ritmos imagens

e isso é Poesia.

*
Onde

extou. texto já escrito?

o que é isso nos seus olhos, o que andou lendo?

seus olhos estão densos, obscuros


não está lendo
demasiadamente o mundo?

não conseguiu nas entrelinhas enxergar o infinito?

Noite. os espectros tornam-se reais,


e a realidade, espectral.
minha pupila úmida bebe os raios da lua.
pérola gotejante.

os que me são próximos,


tornam-se distantes, inacessíveis.
uma película se posta entre nós,
uma película abissal,
a película da concordância perceptual
perante o real.
uma borboleta sonhou chuang tsé

crocodilos sonham

tribos inteiras

nas margens do Nilo

xamãs

são também jaguares

& beija-flores

árvores são cidades dançarinas

&

insetos são deuses

de galáxias distantes
transformar toda necessidade em arte,
até que a arte seja a única necessidade.

se vc olhar demorada e atentamente para qualquer coisa, essa coisa


começará a latejar, brilhar. esse latejar é o êxtase implícito em qualquer
pedaço de existência. aceno do insondável.

perfurar a carcaça do aparente.


adentrar o incorruptível.
o caminho crepita.
é importante, penso, que percebamos o efêmero
enquanto ainda há tempo.adquirir certa intimidade
com a Morte, com a possibilidade de em um milissegundo
termos uma Revelação súbita e infinita.

as asas se atrofiam na baixa atmosfera da rotina


o esplendor se obscurece com a fuligem do mundo na película do visível
vozes da seriedade cinza
conduzem à ausência de carícia

cópia sem cor de si.

alucinação opressiva nas retinas do medo.

lâminas-cédulas esquartejando almas


Contaminação/inversão da palavra “Deus”

Do

UM ABSOLUTO ATUANTE

para

um absolutista obsoleto

RUÍNAS DA TECNOSFERA

sombria tecnosfera,
você não ouve a voz dos poetas, dos profetas,
do trovão ou do silêncio

sombria tecnosfera,
as florestas repletas de vida indomável,
os prados plenos de ausência humana
te aterrorizam

sombria tecnosfera,
cédulas doentias selaram
os olhos dos teus devotados clientes
que nada mais enxergam.
a Mentira construiu essa cidade,

baniu o amor

e a Doença é sua especial convidada.

fortaleza

contra a Vida, o Espírito, o Silêncio, a Beleza.

escolas / igrejas / manicômios / hospitais

escritórios / automóveis / cemitérios / restaurantes

mercados / condomínios / bancos bares

academias / indústrias / apartamentos/ prisões

cédula$ & arma$ & mentira$ & palavra$


igrejas de terror

tochas de desespero

faróis frios esquartejam

risadas postiças

atiçadas pelo álcool

nascidos para serem triturados

no moinho da miséria cinza

- - -

cova fervilhante

cadáveres boiando na vida

a civilização do enfado já foi longe demais,


tudo o que não conduz ao êxtase
deve ser abandonado

a civilização da morte já foi longe demais


tudo o que não conduz à vida
deve ser abandonado

a civilização profana utilitária do patriarcado machista


já foi longe demais
tudo o que não honra o feminino, a liberdade,
a nossa sagrada verdade íntima
deve ser abandonado.
POEMAS

é nítido que há algo aqui.

algo mais presente do que tudo que já foi presenciado,

algo estranhamente explícito e camuflado

algo que não precisa ser confirmado

e que não pode ser negado.

um som inaudível

um vento impalpável

talvez seja a única coisa

que possamos dizer que está aqui.

nossa própria existência é incerta,

e o que chamamos de real, duvidoso.

tudo o que foi nomeado pode ser contestado,

mas esse algo, não.

não pode ser contestado, não pode ser nomeado

e é até mesmo redundante mencioná-lo.


vegetais em gestos de cálice colhem pedaços do céu e me oferecem.
restos de viagem escorrem no meu rosto.
latidos, vozes infantis, frescos cheiros mesclam-se na brisa azul.
repouso numa tapeçaria dourada de folhas secas
e contemplo uma chuva de silêncio
abrigado no canto dos pássaros.

botão entreaberto
começando a revelar a totalidade de seu esplendor

f
agulhas
de seda
na luz da flor
o Sol

sapateia no oceano

as nuvens são

labareda&gelo

sutileza marcial
delicadeza apreendida nas tormentas da guerra
paciência cultivada nos campos de batalha
doçura resgatada das lutas cáusticas

agonia
ágon

guerra florida
que te faz entrar
em sintonia

----------------------------------------------------------------------------------------------------------

Escrito por Pedro Ivo Bernardo de Souza

Interesses relacionados