Você está na página 1de 2

CHARGE E CARTUM

Charge é um estilo de ilustração que tem por finalidade satirizar, por meio de
uma caricatura, algum acontecimento atual com uma ou mais personagens envolvidas.
A palavra é de origem francesa e significa carga, ou seja, exagera traços do caráter de
alguém ou de algo para torná-lo burlesco. Muito utilizadas em críticas políticas no
Brasil. Apesar de ser confundido com cartoon (ou cartum), que é uma palavra de
origem inglesa, é considerado como algo totalmente diferente, pois ao contrário da
charge, que sempre é uma crítica contundente, o cartoon retrata situações mais
corriqueiras do dia-a-dia da sociedade. Mais do que um simples desenho, a charge é
uma crítica político-social onde o artista expressa graficamente sua visão sobre
determinadas situações cotidianas através do humor e da sátira. Para entender uma
charge, não é preciso ser necessariamente uma pessoa culta, basta estar por dentro do
que acontece ao seu redor. A charge tem um alcance maior do que um editorial, por
exemplo, por isso a charge, como desenho crítico, é temida pelos poderosos. Não é à toa
que quando se estabelece censura em algum país, a charge é o primeiro alvo dos
censores.

O termo charge vem do francês charger que significa carga, exagero ou, até
mesmo ataque violento (carga de cavalaria). Isto significa aqui uma representação
pictográfica de caráter, como diz no primeiro parágrafo, burlesco e de caricaturas. É um
cartum que satiriza um certo fato, como idéia, acontecimento, situação ou pessoa,
envolvendo principalmente casos de caráter político que seja de conhecimento do
público.

As charges foram criadas no princípio do século XIX (dezenove), por pessoas


opostas a governos ou críticos políticos que queriam se expressar de forma jamais
apresentada, inusitada. Foram reprimidos por governos (principalmente impérios),
porém ganharam grande popularidade com a população, fato que acarretou sua
existência até os tempos de hoje.

Um cartoon, cartune ou cartum é um desenho humorístico acompanhado ou


não de legenda, de caráter extremamente crítico retratando de uma forma bastante
sintetizada algo que envolve o dia-a-dia de uma sociedade.

O termo é de origem britânica, e foi pela primeira vez utilizado neste contexto
na década de 1840, quando a revista Punch publicou uma série de charges que
parodiavam estudos para os frescos do Palácio de Westminster, adaptados para satirizar
acontecimentos da política contemporânea. O significado original da palavra cartoon é
mesmo "estudo", ou "esboço", e é muito utilizada nas artes plásticas.

Este tipo de desenho é ainda considerado uma forma de comédia e mantém o


seu espaço na imprensa escrita atual.

O que é a charge?

O termo charge é proveniente do francês “charger” (carregar, exagerar). Sendo


fundamentalmente uma espécie de crônica humorística, a charge tem o caráter de
crítica, provocando o hilário, cujo efeito é conseguido por meio do exagero. Ela se
caracteriza por ser um texto visual humorístico e opinativo, que critica um personagem
ou fato específico.

Segundo Rabaça e Barbosa, A charge é um tipo de cartum “cujo objetivo é a


crítica humorística de um fato ou acontecimento específico, em geral de natureza
política”. (Rabaça e Barbosa, 1978: 89) De acordo com os autores do Dicionário de
comunicação, uma boa charge deve procurar um assunto atual e ir direto onde estão
centradas a atenção e o interesse do público leitor. RABAÇA (1978).

A construção da charge é também muitas vezes baseada na remissão a outros


textos, verbais ou não. O que a torna singular é o modo perspicaz com que demonstra
sua capacidade de congregar, num jogo de polifonia e ambivalência, o verso e o reverso
do que tematiza.

A charge é um tipo de texto atraente aos olhos do leitor; afinal, enquanto a


imagem é de rápida leitura, transmitindo múltiplas informações de uma só vez. No
entanto, o leitor do texto chárgico tem que estar bem informado acerca do tema
abordado, para que possa compreender e captar seu teor crítico. Afinal, ali está
focalizada e sintetizada uma certa realidade. E somente os que conhecem essa realidade
efetivamente entendem a charge.

A charge relata um fato ocorrido em uma época definida, dentro de um


determinado contexto cultural, econômico e social específico e que depende do
conhecimento desses fatores para ser entendida. Fora desse contexto ela provavelmente
perderá sua força comunicativa, portanto é perecível. Justamente por conta desta
característica, a charge tem um papel importantíssimo como registro histórico.

Também é importante verificar que a charge serve de estímulo à leitura de


outros textos contidos nos jornais e revistas em que aparece; ou seja, possibilita
atividades mais dinâmicas, interessantes, desenvolvendo ainda o interesse do aluno pela
leitura e pela busca de novas informações. Além disso, ela tem muitas vezes o objetivo
de convencer, influenciar – de acordo com uma determinada ideologia – o imaginário
do interlocutor, a fim de torná-lo mais consciente da realidade. Afinal, a educação
precisa ser eficaz, enquanto formadora de cidadãos capazes de entender a realidade e
interferir nela, e é exatamente por esse motivo o professor deve estar sempre atualizado
para exercer sua função como formador de opinião, orientar o aluno, ser capaz de fazer
com que este aprenda e entenda novas possibilidades além do seu conhecimento de
mundo, ou seja, que o discente possa compreender que há outras realidades a serem
absorvidas.

CHARGE CARTUM
caricatura desenho
temporal atemporal
fatos relevantes cotidiano social
crítica social/política humor
exagero pitoresco