P. 1
ÉTICA E MORAL 2011

ÉTICA E MORAL 2011

|Views: 313|Likes:
Publicado porladyamada

More info:

Published by: ladyamada on May 17, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/04/2014

pdf

text

original

Mariluce Santiago ÉTICA: A CRIAÇÃO DE VALORES A liberdade de escolha faz o homem sempre ter de responder pelos seus atos. Calm ntrada de noss om sua dis ae us!!!! rá c -Meu De anco e permita nada acontece B e e -Abra o r alarm qualque sem família. mmmm riiiiiiimm mmm.. a leitura de jornais e revistas estão sempre nos apresentando algumas situações que nos fazem refletir: da qüestra co é se e ban rente d ia de ge Famíl . o cinema. -Somo tudo pa a. mmmm Triiiiiiim fielt? -Alô. -Sim Geral do sua fam s com -Gerente stamo remos.. e -Sim üestrad onseguir o que s seq ra c e.. ores.. Leibniz ficção...Filosofia e Ética 2 /19 Profa.... a equip postos a Calma. ck Stan ê é o Ja ncial -Voc os Fina nco Eth Ba ília. as novelas. ewall ir Filme: F ... T mm Triiiiiiim m...

No dia 15 de novembro de 1998 foi encontrado morto por uma das amigas que o auxiliava. Segundo Neili é a mais velha brasileira a ter um proveta. pelo abandonada pela su scido com simples fato de ter na Penalizada Síndrome de Down. a avó reso eu morta. Revista FILOSOFIA: Ciência e Vida. Em 2003. com destaque na imprensa como morte assistida. 24 out. colocando o copo com canudo ao alcance de sua boca.]. 52. Ramon Sampedro solicitou à justiça espanhola o direito à eutanásia ativa. ira. a sua morte. . onde ficou claro que recebeu auxílio dos amigos. que a menina nasc médica a que Situação sustentou. Mariluce Santiago ● ● ● O Direito de Morrer Tetraplégico por 29 anos. foi gerada através de fertilização artificial. devido a tetraplegia. menina. mãe solte dá luz a morte prematura ao ancisco e duas crianças: Fr Clara. avaliar. Porém. 2010 me de Menina com Síndro pela Down é abandonada avó. teve Fernanda. de forma a não incriminar amigos ou familiares.. da central Tema 2006 Páginas da Vida.. A amiga foi incriminada pela polícia como responsável pelo homicídio. pois não era capaz de realizar nenhuma atividade. A pequena de vida. Sua luta judicial durou cinco anos e foi negado seu pedido.Filosofia e Ética 3 /19 Profa. nascida de cesariana. Sua morte foi causada pela ingestão de cianureto. certamente cada situação lhe causou algum tipo de reação. dilemas estão postos. A repercussão do caso foi mundial. resolve pelo parto de Clar receio da adotá-la. a com o abandono da sponsável médica Helena. Tinha assistência diária dos amigos. com familiares atitude dos demais lve mentir de Clara. Filmou os últimos instantes de vida. re a. bebê de (Folha de São Paulo. os Realidade ou ficção. Um movimento internacional de pessoas enviou cartas confessando o mesmo crime. junto com amigos. teve no Rio seu primeiro bebê. Vivian [. é apenas alguns dias a avó. O processo foi arquivado por impossibilidade de levantar todas as evidências. baseado na história de Ramon Sampedro. Em 1997 mudou de cidade e planejou. médicos. Novela ● ● ● Neili Gomes. 2009) MÃE AOS 52 ANOS Pronto. com Clara. tentar decidir. o diretor espanhol Alejandro Amenábar realizou o filme Mar Adentro. No entanto. a fita também documentou que foi ele próprio que realizou a ação de colocar o canudo na boca e sugar o conteúdo do copo. Estamos diante de dilemas que nos fazem pensar.

a partir do julgamento do que é certo ou errado diante de cada situação. VALOR . Assim. então. No nosso dia-a-dia. eles são expressão de nossas crenças. a partir da qual vamos nos orientar. da forma como pensamos e nos relacionamos com o outro.Filosofia e Ética 4 /19 Profa. agiu corretamente? Será que Sampedro tinha condições de tomar decisões sobre sua vida? • Quanto tempo de vida útil uma mulher de 52 anos tem para criar e acompanhar o crescimento e o desenvolvimento de um novo ser humano? Situações ou notícias como estas sempre nos impulsionam a fazer avaliações. sentimentos. responsabilidade. A isso damos o nome de senso moral. Mariluce Santiago • O que deve fazer o Gerente do Banco? Deve permitir a entrada dos bandidos? Denunciar para polícia? Salvar sua família? • A médica Helena. a decisão que tomamos nessas horas pode ser considerada nossa responsabilidade? Liberdade. consciência. Aristóteles já dizia: “a caracterização específica do homem em comparação com os outros animais é que somente ele tem o sentimento do bem e do mal. por nossas escolhas. será que agiu certo ao adotar a criança? A mentira foi por uma boa causa? Existe mentira justa? • E a amiga de Sampedro. do justo e do injusto e de outras qualidades morais”. pelas decisões que tomamos? Por que somos responsáveis mesmo quando estamos diante de situações que parecem nos obrigar a uma ação determinada? Há muitos momentos em nossas vidas em que nos sentimos simplesmente sem “escolha”. justo ou moralmente correto. encontramo-nos freqüentemente diante de situações nas quais a nossa decisão depende daquilo que consideramos bom. Toda vez que isso ocorre. O que nos torna responsável pelo que fazemos. estamos diante de uma decisão que envolve um julgamento moral da realidade. o homem age no mundo de acordo com valores. Mesmo sem nos darmos conta destes princípios. julgamento. emoções e valores. O senso moral e a consciência moral referem-se aos princípios que fundamentam nossas escolhas. valor moral são aspectos fundamentais quando falamos de ética. a estabelecer um julgamento. Por que. buscando o caminho ou decisão que nos parece ser o melhor. conscientemente ou não. reflexo da nossa existência ética e valores morais. a decidir. Avaliamos o que se passa a nossa volta.

1994) . CONSCIÊNCIA MORAL E JÚIZO DE VALOR Quando nascemos já encontramos valores morais instituídos. a obrigação de respeitar o estabelecido ou de transgredi-lo (se o estabelecido for imoral ou injusto) (Chauí. É o que nós chamamos de moral instituinte (em formação). as exigências feitas pela situação. “desejável”. Quando passamos a questioná-los. os valores tendem a sofrer alterações. os motoristas internalizaram a norma. a dos valores morais (do grego axios. justas ou injustas. por saber que é certo fazer. não internalizamos a regra moral. como há aqueles que param e respeitam o sinal. Se internalizarmos. estabelecendo juízos. Valor é a relação de não-indiferença entre o homem e os elementos com que se defronta. No caso. Fazemos por pressão (medo da multa). Assim. que vemos muitos motoristas furando o sinal vermelho quando não há nenhum guarda por perto. Nós já falamos que consciência é saber o que está fazendo. seja a situação mais simples ou mais complexa. A decisão de aceitar uma regra moral é fruto de uma reflexão pessoal consciente. “estimado”). Se pararmos apenas por receio da multa. que caminho seguir para chegar mais rápido ao destino ou mesmo que profissão escolher para o resto de nossa vida. que no caso são juízos de valor. decidindo e escolhendo uma delas antes de lançar-se na ação. A essa característica peculiarmente humana de discernir o justo do injusto.Filosofia e Ética 5 /19 Profa. Ao avaliarmos. a conformidade entre meios e fins (empregar meios imorais para alcançar fins morais é impossível). as conseqüências para si e para os outros. mas não por consciência. o que deve ser preferido do que deve ser preterido. A consciência moral manifesta-se. os valores permanecem. o bem do mal. Tem a capacidade para avaliar e pesar as motivações pessoais. os quais podemos ou não internalizar. dá-se o nome de consciência moral. em especial. Exemplo: uma pessoa consciente pára no sinal vermelho porque sabe que ultrapassá-lo pode representar riscos para si e para outros. que quer dizer “valioso”. quase sempre necessitamos avaliar as situações: seja que roupa usar para cada ocasião. estamos julgando. antes de tudo na capacidade para deliberar diante de alternativas possíveis. É por isso. certas ou erradas. Mariluce Santiago Como pudemos perceber. Isto quer dizer que constantemente avalia e julga suas ações para saber se são boas ou más. A axiologia é a área da filosofia que estuda a teoria dos valores em geral. O homem é um ser que possui um senso ético e uma consciência moral. e se chama internalização.

ele resulta o sentimento do dever ou da interdição de se praticarem determinados atos. Mariluce Santiago Consciência Moral: a faculdade de distinguir o bem do mal. Nossas dúvidas quanto à decisão a tomar põem à prova nossa consciência moral. ou sabemos que foram vividas por outros. como situações de extrema aflição e angústia. ao reconhecer o valor moral dos diferentes modos de proceder. A Consciência Moral acaba tendo maior importância que a própria lei. porque somos responsáveis por nossas opções. O que pensaram antes de agir? Não seria melhor que descansasse em paz? Não seria preferível deixá-lo morrer? Podemos desligar os aparelhos? Ou não temos o direito de fazê-lo? Que fazer? Qual a ação correta? Situações como essas – mais dramáticas ou menos dramáticas – surgem sempre em nossas vidas. 2010) Reflita sobre essa questão: o que impede a maioria dos motoristas de furar o sinal vermelho quando não há guardas por perto? Podemos dizer que é a Consciência? Sim. além das outras pessoas que poderão julgar nossos atos. na apreciação espontânea e imediata que o homem faz da sua própria conduta. quando os amigos ajudaram a Sampedro a tomar cianureto e pôr fim a sua vida. pois. julga. se estamos agindo com liberdade e responsabilidade. bem como ao enunciar juízos de valor acerca do seu agir. que avalia. Nesse aspecto. nós temos ainda a nossa consciência moral. e a aprovação ou o remorso por havê-los praticados (Aurélio. de que resulta o sentimento do dever ou da interdição de se praticarem determinados atos.Filosofia e Ética 6 /19 Profa. pois exigem que decidamos o que fazer. Em outras palavras. estabelece juízos de valor e decide o que fazer. Então. pois nem sempre teremos testemunhas dos nossos atos. no caso a Consciência Moral. Vivemos certas situações. nos acompanha por onde quer que seja. ou um árbitro. que pode ser definida como a capacidade de distinguir o bem do mal. e a aprovação ou o remorso por havê-los praticado. A consciência é uma faculdade natural do homem. É o caso que citamos no início do capítulo. nossa consciência é implacável. que justifiquemos para nós mesmos e para os outros as razões de nossas decisões e que assumamos todas as conseqüências delas. podemos resumir Consciência Moral é a faculdade que me aponta se estou agindo bem ou . A consciência moral consiste. Porém. tomando como parâmetro o bem a ser feito e o mal a ser evitado. a Consciência Moral funciona como um sensor interno.

experiências. na política e na religião. dos fatos e dos indivíduos e estão presentes na moral. É a balança que me permite usar com responsabilidade a minha liberdade. quando descrevemos as coisas como elas são. interpretando a realidade. aquilo que é. justa e honesta. A consciência se manifesta na capacidade de decidir diante de possibilidades variadas. atribuindo um significado. ou que este jovem é professor. “Juízos de valor avaliam coisas. ou que a chuva é boa para a plantação. explicam como as coisas são. existe o mundo dos fatos (juízos da realidade). estamos julgando. Exemplos: quando afirmamos que Sócrates é filósofo. Porém. acontecimentos. apresentando as coisas como elas são. os fatos e os seres são e por que são. ações. 1994). As duas primeiras referem-se à constatação de fatos inquestionáveis e evidentes: a morte e a racionalidade são atributos do ser humano e o caracterizam como tal. Diferença entre juízos de valor e juízos de fato Em outras palavras. estabelecendo um juízo de fato. intenções e decisões como bons ou maus. na vida. As duas últimas afirmações dizem respeito à interpretação e avaliação do comportamento de Pedro e Rosana. que está chovendo. decorrentes de alguma ação que será realizada. ou que este é um excelente professor. nas artes. que resultam da apreciação que se faz das coisas. estamos fazendo uma descrição da realidade. O homem é um animal racional. . Trata-se dos juízos da realidade ou juízos de fato. portanto. pessoas. São juízos de valor. bem como no âmbito das ciências e da filosofia.Filosofia e Ética 7 /19 Profa. desejáveis ou indesejáveis” (Chauí. Mariluce Santiago mal. Rosana é uma mulher boa. quando afirmamos que Sócrates foi o maior de todos os filósofos. sentimentos. Por fim. Enunciam. Pedro é um homem formidável. estados de espírito. emitindo um juízo de valor.” Papa João Paulo II Observe as seguintes afirmações: • • • • Todo homem é mortal. lembrando que os meus direitos começam aonde terminam o do outro. reflita: “A humanidade possui hoje instrumentos que podem transformar o mundo num jardim ou reduzi-lo a um monte de ruínas. presentes na vida cotidiana.

CONCEITOS FUNDAMENTAIS: ÉTICA E MORAL O que é Ética? E Moral? São termos iguais? Ou existe diferença? . sentimentos. Assim. preservar o ambiente. sociedade. A partir dos valores morais que atribuímos aos fatos. interpreta e avalia situações e acontecimentos. enquanto os juízos de valo enunciam aquilo que deve ser. os juízos de fato enunciam aquilo que é. vestir-se de acordo com a ocasião. Dessa forma. etc.Filosofia e Ética 8 /19 Profa. afirmando o que seria desejável ou reprovável. Enfim. intenções e comportamentos são condenáveis ou incorretos do ponto de vista moral. Assim é que desde cedo entramos em contato com esses valores e a nossa aceitação ou não destes irá determinar nossa conduta como boa ou ruim. enunciam normas que determinam o dever ser de nossos sentimentos. tais como respeitar os pais. preservar a vida. gostar mais de Fank ou MPB. nossos atos. respeitar colegas de escola. os valores são normas. elogiar ou criticar uma pessoa. a partir de um quadro referencial de valores que indicam aquilo que deve ser. a felicidade. a partir do que é tido como certo ou errado. identificar seus direitos e deveres. as regras e normas de comportamento. achar bom ou ruim um professor. bom ou ruim. pressupõe responsabilidade. É quando julgamos os fatos. comportar-se em público. não avalia. já encontra uma sociedade totalmente estruturada. Os juízos de valor resultam do exercício da consciência moral que. isto é. porque é pecado. Na perspectiva da ética ou da moral. isto é. o juízo de fato apenas descreve as coisas como são. bom ou mau: Os juízos éticos de valor são também normativos. podemos condenar ou ressaltar uma atitude. não julga. as pessoas. liberdade e autonomia. aceitar não comer carne de vaca. nossos comportamentos. com valores estabelecidos. o mundo. princípios ou padrões sociais aceitos ou mantidos por indivíduo. valorativo. todo e qualquer ser humano julga constantemente suas próprias ações bem como as dos outros. VALORES MORAIS O homem. ao nascer. as ações. São os valores morais. Enunciam também que atos. Já o juízo de valor é como o próprio nome diz. por sua vez. casar-se com apenas uma mulher. que servem regular a vida em grupo e como parâmetros para avaliar os fatos ou atitudes como negativos ou positivos. considerar a magreza como padrão de beleza. prescrevem as maneiras de agir. bonito ou feio. Nos alegrar ou sentir remorso por algo que fizemos. o mal. Os juízos éticos de valor nos dizem o que são o bem. os juízos de valor são normativos. etc. não interpreta. É o fato como o fato é. a realidade. Mariluce Santiago Portanto. São juízos que enunciam obrigações e avaliam intenções e ações segundo o critério do correto e do incorreto. classe.

prescrições e valores que regulamentam o comportamento dos indivíduos na sociedade. a luta pela sobrevivência da família são princípios éticos universais. segundo Chauí (2000): Ética como o ramo da filosofia que se dedica a questões sobre valores. por que o homem cria esses valores. Em resumo. Diferença entre Ética e Moral Apesar da origem das palavras apresentarem uma semelhança entre os termos. podemos considerar: 1. A moral está mais para a ação. pois ali estará sua mente. o agir segundo determinados valores e a ética está mais para a reflexão. do lugar. Essa dificuldade em distinguir a Ética da Moral tem a ver com a própria etimologia das palavras. estamos entrando no campo da ética. aceito de acordo com a cultura de cada povo. Mas. com o desenvolvimento da sociedade. o casamento monogâmico ou poligâmico é um valor moral. podemos apresentar uma primeira diferença entre Ética e Moral como sendo a primeira mais teórica que a segunda. Ou seja. comportamento. 2. que a filosofia se encarrega de explicar. que significa praticamente a mesma coisa: maneira de se comportar regulada pelo uso. voltada para a reflexão sobre os fundamentos da moral. Quer dizer. em outras palavras: hábitos. Mariluce Santiago O senso comum geralmente trata Ética e Moral como sinônimos. qual a importância deles para a vida em sociedade. no Brasil houve uma época em que mulher não podia votar ou vestir-se com liberdade. Era um valor moral aceito para a época. Ou seja. tempo ou cultura. Partindo dessas duas definições. a moral trata de aspectos de condutas específicas. Os valores evoluem com o tempo. geográfico e cultural dos valores morais. histórico. a análise dos princípios que reagem a moral. É uma reflexão sobre a moral. queremos apresentar algumas outras diferenças entre ética e moral: o caráter particular. juízos morais e como devemos conduzir a nossa vida. como veremos a seguir. . pois estão relacionadas com o agir humano em sociedade. Moral é o conjunto de normas. Ética deriva da palavra grega Éthos. Ética é princípio. sobre as regras. da preservação da vida. Já a ética é universal. o respeito ao cônjuge. princípios constantes e universais em qualquer lugar que o homem estiver. o querer bem do parceiro. Quando passamos a refletir sobre esses valores. da cultura. mas hoje não. moral é temporal. regulam nossas vidas. o debate. costumes.Filosofia e Ética 9 /19 Profa. Ética é permanente. A palavra Moral vem do latim morale. que não diferem nem de lugar. há algumas diferenças entre Ética e Moral. que diz respeito ao modo de ser. É a filosofia da moral. costumes. podemos definir. porque trata da busca do bem. Partindo do texto acima. É a discussão. Em filosofia. a moral sofre influência do tempo. Afinal. os valores morais estão instituídos.

moral é cultural. de capacidade para controlar e orientar desejos. ou seja. a querer e a fazer alguma coisa. isto é. da dimensão do OUTRO. por não estar submetido a poderes externos que o forcem e o constranjam a sentir. deve atender a quatro características. Moral é ação. reconhecer-se como autor da ação. isto é. Toda existência tem o lado da alteridade. o do gerente do banco. mas o poder para autodeterminar-se. isto é. responsabilizando-se por ela e por seus resultados. Mariluce Santiago 3. Tal sujeito só é responsável pelo que faz quando age isento de qualquer forma de coação e constrangimento. avaliar os efeitos e conseqüências dela sobre si e sobre os outros. Ética é universal. No esquema abaixo. ser capaz de reflexão e de reconhecer a existência dos outros como sujeitos éticos iguais a ele. O sujeito. avisar a polícia e ver o que acontece? Será que poderíamos responsabilizá-lo por qualquer conseqüência de sua decisão? O sujeito ético ou moral deve responder pelos seus atos. o que você pensa que ele deveria fazer? Será que ele tem alguma “escolha” diante da questão: abrir o cofre e proteger sua família ou correr o risco. sentimentos (para que estejam em conformidade com a consciência) e de capacidade para deliberar e decidir entre várias alternativas possíveis.Filosofia e Ética 10 /19 Profa. assumi-la bem como às suas conseqüências. 434): Ser consciente de si e dos outros. dando a si mesmo as regras de conduta. seguiremos as características enfatizadas por Chauí (2000. quando age livremente. Ser dotado de vontade. . atitudes e ações. 4. tendências. Ser responsável. deve avaliar os efeitos e as conseqüências de suas ações (através da consciência moral). A Moral é regra. para que seja responsável por sua ação. isto é. isto é. isto é. 5. Ser livre. Ética é questionamento: Por que? Ética = Éthos Princípios Universais Reflexão e Valores Moral = Morales Regras p/ as ações coletivas Hábitos e Costumes A ética pressupõe análise e reflexão antes do agir. A liberdade não é tanto o poder para escolher entre vários possíveis. respondendo por elas. Ética é reflexão. ser capaz de oferecer-se como causa interna de seus sentimentos. p. impulsos. CARACTERÍSTICAS DO SUJEITO ÉTICO Relembrando o exemplo que abordamos no início deste capítulo.

sermos responsáveis por nós próprios. Três constituintes fundamentais da vida ética: 1º) Consciência: característica da espécie humana. em sentido geral. Para exemplificar. Entretanto. formulada pela primeira vez pelo meteorologista do MIT (Massachusetts Institute of Technology) Edward Lorenz. não existe o sujeito ético. vamos abordar uma manchete que foi bastante comentada na época: Presidência admite que Lula assistiu cópia pirata do filme Dois Filhos de Francisco O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assistiu mesmo a uma cópia pirata do filme Dois Filhos de Francisco durante viagem presidencial no dia 18 de outubro. Enquanto a consciência psicológica possibilita ao homem escolher. a consciência moral. por mais simples que sejam. no seio de uma sociedade organizada. Mariluce Santiago Portanto. sem coação ou força. em condições normais. orienta a escolha. mas também pelas outras pessoas. A assessoria de imprensa da presidência admitiu ao site Terra. um tufão pode atingir Nova York”. que "a cópia exibida no trajeto presidencial do dia 18 de outubro era não oficial". segundo a própria determinação. que permite ao homem saber o que está fazendo e julgar os atos realizados. A idéia de que somos responsáveis pelos nossos atos e que uma decisão nossa tem conseqüências diretas sobre nossa vida e na vida do outro está expressa na teoria do Efeito Borboleta. não podemos falar em ética e moral sem abordar essas características: Liberdade => Responsabilidade => Consciência O homem somente poderá ser julgado por sua ação se está livre para decidir. pequenas decisões podem resultar em grandes alterações ao nosso redor. conforme publicaram os principais jornais de São Paulo. O que significa isso? A idéia de que na vida pequenos gestos. normas e prescrições. 3º) Responsabilidade: Situação de um agente consciente com relação aos atos que ele pratica voluntariamente (compromisso com o outro). o sujeito torna-se responsável por suas escolhas e pelas suas conseqüências. A responsabilidade implica. Não há liberdade sem consciência. isso é fundamental. Para exercer sua liberdade. não tragam conseqüências. 2º) liberdade: Poder de agir.Filosofia e Ética 11 /19 Profa. afinal “nenhum homem é uma ilha”. não modifiquem nossas vidas e também a do outro. se tem consciência dos seus atos. Não há como pensar que nossas escolhas. Em se tratando de ética. que diz “'se uma borboleta bater as asas na China. Uma decisão hoje trará conseqüências amanhã. com seus valores. . o homem precisa estar consciente. na noite de quarta-feira (9/11). Sob ameaça ou aprisionado.

Com a pirataria de cigarros. vamos nos deter a um aspecto da questão: que mal pode haver em uma pessoa assistir um simples CD pirata? Se pensarmos isoladamente.6 bilhões BRASÍLIA. No topo da lista dos produtos falsificados de maior circulação no país estão roupas.9 bilhão apenas no ano passado. www. que em 2004 faturou R$ 6. cigarros. "A ajudância de ordens já foi devidamente advertida". como vimos na reportagem. Mas. segundo a assessoria. Já no setor de cigarros. Principalmente porque não .terra. os caixas das empresas também sangram com as perdas de receita e os investimentos para enfrentar os criminosos. RIO e SÃO PAULO . A Associação Brasileira da Indústria do Vestuário (Abravest) informa que a pirataria abocanha quase 8% do faturamento do setor. é um pequeno gesto. O DVD do filme Dois Filhos de Francisco chega às lojas somente em 7 de dezembro. CDs e brinquedos perdem anualmente. Mariluce Santiago Ainda de acordo com a assessoria de imprensa do Planalto.br (acesso em novembro de 2005) Bem. R$ 5. Apenas os fabricantes de roupas. CDs. As fraudes ultrapassam R$ 3 bilhões anuais. porque de fato não é isso que acontece.br É por isso que não podemos conceber a nossa ação como um algo isolado ou com conseqüências individuais.folhaonline. cigarros. É quase todo o dinheiro que o Governo gasta em um ano com educação.A indústria da pirataria está fazendo o Brasil perder R$ 10 bilhões por ano na arrecadação de impostos. www.6 bilhões. brinquedos e. cigarros e brinquedos perdem 5.com. considerando a teoria do Efeito Borboleta. afeta a vida de todos. pelo menos. Leia a notícia abaixo: Indústrias de vestuário. saneamento e habitação. o mercado paralelo movimentou R$ 1.3 bilhão em impostos no ano passado. departamento que cuida de pequenos detalhes do gabinete do presidente. um pequeno gesto com grandes efeitos.Filosofia e Ética 12 /19 Profa. remédios. até mesmo. calçados. ocorreu uma falha da ajudância de ordens. o Governo perdeu R$ 1. Quando decido comprar um CD pirata. a decisão é minha. sem querer julgar a atitude da equipe do Presidente. Além do prejuízo estimado pela Receita Federal em impostos que deixam de ser pagos à União (R$ 6 bilhões) e aos Estados.com. Isso é pouco mais de um quarto de toda a indústria nacional de fumo. Mas.6 bilhões.

Determinismo e liberdade não se excluem. então pergunto a você: o que ser livre? Será que ser livre é fazer tudo o que quisermos. Embora a nossa liberdade seja restringida por fatores objetivos que cercam a nossa existência concreta. A liberdade é sempre uma liberdade concreta. Embora os defensores dessa posição admitam a existência das determinações de origem externas. apesar de todos os fatores sociais e subjetivos que atua sobre cada indivíduo. que afirmou que “o homem está condenado a ser livre”.Filosofia e Ética 13 /19 Profa. A maior expressão dessa concepção filosófica acerca da liberdade é encontrada no pensamento de Jean-Paul Sartre. e isso será tanto mais eficiente quanto maior for a nossa consciência a respeito desses fatores. ⇒ A relação dialética entre liberdade e determinismo: o homem é determinado e livre ao mesmo tempo. mas se complementam. costumes). seja por sua natureza biológica (necessidades e instintos). segundo COTRIM (2002): ⇒ Determinismo absoluto: a liberdade não existe. Nessa perspectiva não faz sentido pensar em uma liberdade absoluta. Liberdade Liberdade. sem qualquer espécie de limite? Que mundo teríamos se assim pudéssemos viver? O homem está preparado para ser livre? Vale dizer: Somos totalmente livres? Do ponto de vista filosófico. podemos sempre atuar no sentido de alargar as possibilidades dessa liberdade. pois o homem é sempre determinado. normas. Mariluce Santiago estamos sozinhos. ele sempre possui uma possibilidade de escolha e pode agir livremente a partir de sua autodeterminação. podemos sintetizar três respostas diferentes para essa questão. impulsos etc. as ações individuais seriam causadas e determinadas por fatores naturais ou constrangimentos sociais. liberdade Abre as asas sobre nós Falamos muito sobre liberdade. ⇒A liberdade absoluta: o homem é sempre livre. sustentam a tese de que o indivíduo possui uma liberdade moral que está acima dessas determinações. e as de origem interna. nem em uma negação absoluta da liberdade. tais como desejos. sociais. somos 180 milhões de brasileiros. Ou seja.. seja por sua natureza histórico-social (leis. Ou seja. e a liberdade seria apenas uma ilusão. . situada no interior de um conjunto de condições objetivas de vida.

Para Sartre o homem possui apenas sua consciência. uma vez que foi lançado no mundo. Ele não é determinado por nenhuma outra força que não seja a força de sua própria vontade e escolha. O que isso quer dizer? Quer dizer que quando digo que não vou enfrentar determinado desafio porque sou fraco. todavia. Condenado porque não se criou a si mesmo. na verdade eu escondo sob a capa da minha fraqueza a possibilidade de ser qualquer outra coisa. Responsabilidade “Semeia um pensamento. é livre. somos obrigados a fazer inúmeras escolhas. No decorrer de nossa vida. decidiu fugir de um campo de concentração nazista para fazer parte da resistência francesa contra a ocupação alemã. portanto. É o que posso expressar dizendo que o homem está condenado a ser livre. agi. algumas diante de situações limites. Diferente dos animais. colhe um hábito. como por exemplo ser uma pessoa forte. e como. colhe um destino”. colhe um ato. no entanto. A liberdade de escolha lhe confere a plena liberdade. o homem é um ser consciente. minha concepção se torna em ato. mas responsáveis pelas suas conseqüências. que tomei determinada decisão. Quando escolho. semeia um caráter. O próprio Sartre viveu uma dessas situações. Para Sartre o homem é senhor do seu destino e. colhe um caráter. É preciso lembrar. responsável pelo seu próprio destino). isso porque este filósofo era ateu. que nos levam a exercitar nossa liberdade. Daí decorrem várias conseqüências. Sartre dizia que o homem está condenado a ser livre.Filosofia e Ética 14 /19 Profa. semeia um ato. semeia um hábito. Mariluce Santiago Jean-Paul Sarte (1905-1980) O homem é livre para decidir. quando em 1940. Só o é em duas condições: a) O ato deve ser consciente b) O ato deve ser livre. não acreditava na existência divina e nem na determinação de forças sobrenaturais sobre o destino do homem. mas escolhe ser fraco. Para Sartre. minha responsabilidade está . Sartre é considerado o filósofo da corrente do existencialismo (corrente filosófica que se interessa pela vida concreta do homem. Faço algo. e por isso é plenamente responsável pelos seus atos. durante a Segunda Guerra Mundial. Essa condição permite que o indivíduo projete sua ação e também suas conseqüências. (Marion Lawense) O homem não é responsável por todos os atos que pratica. é responsável por tudo o que faz (Sartre). responsáveis por seus atos. o homem não nasce fraco.

então. avaliam-se os meios em relação aos fins. meu caro jovem. Mariluce Santiago instalada nas conseqüências de meus atos. O jovem se curvou. E retrucou: “Fiz diferença para essa pequena estrela”. o homem lhe perguntou: “O que está fazendo?” “O sol está subindo e a maré está baixando. de justificar as razões das próprias ações. uma relação de amizade. responsabilitas. e que conseqüências esperar. tornam-se fundamentais dois aspectos: consciência e liberdade Responsabilidade . seu ato não se reflete apenas sobre você. além da arrebentação das ondas. porque foram escolhas que fizemos: ou como uma ação direta ou porque nos omitimos e deixamos as coisas acontecerem como se fossem naturais e não fruto da ação humana. para poder deliberar.Filosofia e Ética 15 /19 Profa. pegou mais uma estrela do mar e atirou-a carinhosamente de volta ao oceano. Assim. E. . No processo de escolha das condutas. mas a todos os que habitam conosco esse universo.do lat. se eu não as devolver ao mar. Caso você resolva abandonar seu trabalho. quando avistou um jovem rapaz que parecia dançar ao longo das ondas. “Mas. Responsabilidade é um grande pilar que sustenta a existência ética. irão morrer”. todo o homem é responsável. seus estudos. estar em condições de responder pelos atos praticados. E todos conhecem o velho axioma: "a minha liberdade termina onde inicia a do outro". Consciência do Ser Responsável e Livre para Agir: A estrela do mar Um homem fazia um passeio pela praia. Você não vai conseguir fazer qualquer diferença”. realizar constantemente as escolhas. E tudo isso é nossa responsabilidade. não se pode falar em LIBERDADE SEM RESPONSABILIDADE. ao alvorecer.. de respondere = responder. pesa-se o que será necessário para realizá-las. consciente e livre para decidir sobre seus atos. Ao se aproximar.. Já falamos também que qualquer atitude que tomemos têm conseqüências que não se relacionam apenas a nós. Assim. Mas essa proposição deve valer sempre no sentido inverso também. Porque todo homem é racional. Se você resolve guiar seu automóvel completamente alcoolizado seu ato apresenta perigo potencialmente lesivo também a outros. quais ações a fazer. percebeu que o jovem pegava estrelas do mar na areia e as atirava suavemente de volta a água. A princípio. há quilômetros e quilômetros de praias cobertas de estrelas do mar.

C. movido por uma sabedoria prática em busca do equilíbrio entre o excesso e a deficiência. DOUTRINAS ÉTICAS Para facilitar o estudo das doutrinas éticas. correlacionados historicamente: ética grega. em qualquer campo. preferimos dividi-las nos seguintes segmentos.). quem desconhece o bem. na antigüidade grega.Filosofia e Ética 16 /19 Profa.C. pelo menos sob o ponto de vista formal.) considerou que ninguém pratica voluntariamente o mal. Somente o ignorante não é virtuoso. pois todo homem quando fica sabendo o que é bem. ou teorias acerca da moral. Para Epicuro (341-270 a. Estava lançada então a idéia de hedonismo que é uma concepção ética que assume o prazer como princípio e fundamento da vida moral. um bem: o Bem Supremo ou Sumo Bem. já é possível identificar traços de uma abordagem com base filosófica para os problemas morais e até entre os filósofos conhecidos como présocráticos encontramos reflexões de caráter ético. para isso é necessário a posse . que seria resultado do exercício perfeito da razão. todos nós fomos dotados da capacidade de fazer diferença. ou seja. através de Aristóteles (384 . por sua vez. o homem virtuoso é aquele capaz de deliberar e escolher o que é mais adequado para si e para os outros. É preciso escolher entre eles os mais duradouros e estáveis. ser bom na medida em que o meio termo não é facilmente encontrado: "Por isso a bondade tanto é rara quanto nobre e louvável". Daí ser difícil. quando buscavam entender as razões do comportamento humano.C. o homem sente-se dono de si e conseqüentemente é feliz. só age mal. Assim sendo. mesmo antes de Aristóteles. segundo Aristóteles. Aristóteles (384-322 a. função própria do homem. Sendo assim. Mariluce Santiago Assim como este jovem. e nem todos são igualmente bons. Ao praticar o bem. tende a um fim que é. A virtude seria o conhecimento das causas e dos fins das ações fundadas em valores morais identificados pela inteligência e que impelem o homem a agir virtuosamente em direção ao bem.322 a. afirma que toda a atividade humana. ética cristã medieval. Na Grécia. ética moderna e ética contemporânea. reconhece-o racionalmente como tal e necessariamente passa a praticálo.) e suas idéias sobre a ética e as virtudes éticas. A busca do bem e da virtude Sócrates (470-399 a. Mas. porém.C) o prazer é um bem e como tal o objetivo de uma vida feliz. vamos partir do princípio que a história da ética teve sua origem. E também mais sublime e humano. Eis nosso maior desafio. Porque somos responsáveis e livres. existem muitos prazeres.

Essa virtude é a prudência. Bem-aventurados aqueles que são brandos e pacíficos. através da qual podemos selecionar aqueles prazeres que não nos trazem a dor ou perturbações.Filosofia e Ética 17 /19 Profa. porque herdarão a Terra. Os melhores prazeres não são os corporais . Bem-aventurados aqueles que são misericordiosos. O estóico é um cidadão do cosmo não mais da pólis. cuja conduta ética deve se pautar pelo amor a Deus (concretizado na fé) e pelo amor ao próximo (expresso pela caridade). porque alcançarão misericórdia. porque o reino dos céus é para eles. O bem supremo é viver de acordo com a natureza. porque contribuem para a paz da alma. e nem todos são igualmente bons.mas os espirituais. Hedonismo Toda concepção ética que assume o prazer como princípio e fundamento da vida moral. porque serão saciados.fugazes e imediatos . O universo é um todo ordenado e harmonioso onde os sucessos resultam do cumprimento da lei natural racional e perfeita. O sermão da montanha ( São Mateus.mas os espirituais. sem se deixar levar por paixões. 1-12) traduz a concepção ética dominante no cristianismo: Bem-aventurados os pobres de espírito. para isso é necessário a posse de uma virtude sem a qual é impossível a escolha. O homem virtuoso é aquele que enfrenta seus desejos com moderação aceitando seu destino.fugazes e imediatos . porque verão a Deus. existem muitos prazeres. Mas. . Mariluce Santiago de uma virtude sem a qual é impossível a escolha. Bem-aventurados os que sofrem perseguição pela justiça. Essa virtude é a prudência. porque contribuem para a paz da alma. Para os estóicos (por exemplo. O amor como bem maior A moral cristã se fundamenta na existência de Deus e de homens criados à Sua imagem e semelhança. através da qual podemos selecionar aqueles prazeres que não nos trazem a dor ou perturbações. Sêneca e Marco Aurélio) o homem é feliz quando aceita seu destino com imperturbabilidade e resignação. Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça. Bem-aventurados os que choram. porque serão consolados. 5. porque deles é o reino dos céus. aceitar a ordem universal compreendida pela razão. Bem-aventurados aqueles que têm puro o coração. Para Epicuro (341-270 a.C) o prazer é um bem e como tal o objetivo de uma vida feliz. Os melhores prazeres não são os corporais . Zenão. É preciso escolher entre eles os mais duradouros e estáveis. afetos interiores ou pelas coisas exteriores.

porque é grande o vosso galardão nos céus. Kant propõe que a razão humana é a base da moralidade. Kant afirma que.segundo a qual uma ação é moralmente correta se tende a promover a felicidade e condenável se tende a produzir a infelicidade. Nosso corpo e nossa alma são feitos de apetites. -. Kant afirma que nossa razão nos conduz a agir de modo ético e. considerada não apenas a felicidade do agente da ação mas também a de todos afetados por ela. O bem e o mal: questão de utilidade O Utilitarismo é um tipo de ética normativa -. por minha causa. enquanto que nossos impulsos nos fazem egoístas e aprisionados aos desejos. mesmo às custas dos outros. que nos leva a agir por interesse. vos injuriarem e vos perseguirem e. Isto é. impulsos. O fundamento para esta lei de Kant é a crença de que uma pessoa deve comportarse de forma igual a que ela esperaria que outra pessoa se comportasse na mesma situação. disserem todo mal contra vós. de modo egoísta e passional. tornando assim seu próprio comportamento uma lei universal. portanto. mentindo.Filosofia e Ética 18 /19 Profa. Jeremy Bentham e John Stuart Mill. Mariluce Santiago Bem-aventurados sois quando. desejos. Os valores que todos devem adotar Outro filósofo importante que pensa sobre ética é o filósofo alemão moderno Immanuel Kant Kant afirma que não somos apenas seres racionais. A ética do cristianismo possui uma característica absoluta. opondo-se a que o indivíduo deva perseguir seus próprios interesses. livre. temos uma parte "animal" que nos domina além da nossa racionalidade. e se opõe também a qualquer teoria ética que considere . toda ação deve ser tomada com um senso de responsabilidade ditado pela razão. ou seja. O Utilitarismo rejeita o egoísmo. Regozijai-vos e exultai. Esta característica está fundamentada na crença num Deus infinitamente perfeito que almeja que os homens sejam bons de acordo com a perfeição imutável da Sua própria natureza. Segundo Kant. também somos submetidos à natureza. precisamos que nossa razão nos faça agir de modo livre e independente a estes instintos. precisamos ter "dentro de nós" uma lei moral: "Age sempre de tal maneira que tua ação possa servir como lei universal". essa é a nossa parte natural. pois assim perseguiram aos profetas que viveram antes de vós. Por isso. Esta afirmação é conhecida como Imperativo Categórico.com origem nas obras dos filósofos e economistas ingleses do século XVIII e XIX. A filosofia moral de Kant afirma que a base para toda razão moral é a capacidade do homem de agir racionalmente. para evitar sermos dominados pelos nossos instintos. A lei moral de Kant é baseada na idéia de que os seres humanos são racionais e independentes. Em sua obra. Metafísicas da Ética (1797).

S. Convite á Filosofia. Paulo: Ática. São Paulo: Saraiva. de acordo com o Utilitarismo. o valor da ação estará sempre nas vantagens que foi capaz de trazer ou nas conseqüências da sua concretização. 2005. Mariluce Santiago ações ou tipos de atos como certos ou errados independentemente das conseqüências que eles possam ter. Gilberto. Paulo: Makron Books. A concepção utilitarista da moralidade faz depender a moralidade das ações das suas conseqüências: se o resultado de uma ação for favorável ao maior número. 2009. então a ação será moralmente correta e moralmente incorreta se os resultados não forem positivos para a maioria. é possível que uma coisa boa venha a resultar de uma motivação ruim no indivíduo.Filosofia e Ética 19 /19 Profa. Filosofia e Administração. S. Bibliografia Consultada: CHAUÍ. MÁTTAR. Marilena. J. Fundamentos da Filosofia. . Independentemente do que se tenha praticado. 2009. COTRIM. O Utilitarismo assim difere radicalmente das teorias éticas que fazem o caráter de bom ou mal de uma ação depender do motivo do agente porque.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->