Você está na página 1de 38
Cel: (11) 9267-3526 email: paulascardino@uol.com.br 1
Cel: (11) 9267-3526 email: paulascardino@uol.com.br 1
Cel: (11) 9267-3526 email: paulascardino@uol.com.br 1
Cel: (11) 9267-3526 email: paulascardino@uol.com.br 1
Cel: (11) 9267-3526 email: paulascardino@uol.com.br 1

Cel: (11) 9267-3526 email: paulascardino@uol.com.br

1

Espaço Confinado

(Definição)

qualquer

área não

projetada para ocupação

contínua;

a qual tem meios limitados de entrada e saída;

; a qual tem meios limitados de entrada e saída ; na qual a ventilação existente

na

qual a ventilação existente é insuficiente

para remover contaminantes perigosos e/ou deficiência/ enriquecimento de oxigênio que possam existir ou se desenvolverem.

2

PDF Creator - PDF4Free v2.0 Espaço Confinado Área Classificada: Área na qual uma atmosfera explosiva

Espaço Confinado

Área Classificada:

Área na qual uma atmosfera explosiva de gás está presente ou na qual é provável sua ocorrência a ponto de exigir precauções especiais para construção, instalação e utilização de equipamento elétrico.

3

Zonas Áreas perigosas são classificadas de acordo com a probabilidade do perigo. PDF Creator -

Zonas

Áreas perigosas são classificadas de acordo com a probabilidade do perigo.

são classificadas de acordo com a probabilidade do perigo. PDF Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com 4

4

Classificação

IEC

Definição de Zonas

Zona 0 (gases)

Área onde uma mistura explosiva ar/gás está continuamente ou presente por longos períodos Ex.: Interior de Vaso separador, superfície de líquido inflamável em tanques

Zona 1 (gases)

Área onde é provável ocorrer uma mistura explosiva em operação normal. Ex.: sala de peneira de lamas,sala de tanques de lama, mesa rotativa, respiro de tanques de processo.

Zona 2 (gases)

Área onde é pouco provável ocorrer uma mistura explosiva condições normais de operação e se ocorrer será por um curto período. Ex.: Válvulas, flanges e acessórios de tubulação para líquidos ou gases inflamáveis

e acessórios de tubulação para líquidos ou gases inflamáveis PDF Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com 5

5

Equipamento Intrinsecamente Seguro (Ex-i):

R

L

C
C

Um equipamento é intrinsecamente seguro quando não é capaz de liberar energia elétrica (faísca) ou térmica suficiente para, em condições normais (isto é, abrindo ou fechando o circuito) ou anormais (por exemplo, curto- circuito ou falta à terra), causar a ignição de uma dada atmosfera explosiva, conforme expresso no certificado de conformidade do equipamento.

6

PDF Creator - PDF4Free v2.0 Equipamento à Prova de Explosão ( Ex d ): É

Equipamento à Prova de Explosão (Ex d):

É todo equipamento que está encerrado em um invólucro

capaz de suportar a pressão de explosão

interna e não permitir que essa explosão se propague para o meio externo.

7

PDF Creator - PDF4Free v2.0 Espaço Confinado Riscos Atmosféricos: Condição em que a atmosfera ,

Espaço Confinado

Riscos Atmosféricos:

Condição em que a atmosfera, em um espaço confinado, possa oferecer riscos ao local e expor os trabalhadores ao perigo de morte, incapacitação, restrição da habilidade para auto–resgate, lesão ou doença aguda causada por uma ou mais das seguintes causas:

8

Gás/Vapor ou Névoa Inflamável

Gás/Vapor ou névoa inflamável em concentrações superiores a 10% do seu Limite Inferior de Inflamabilidade LII ou Lower Explosive Limit LEL;

L.I.I.

10%
10%

9

Atmosfera de risco:

(Poeiras Combustíveis)

Poeira combustível viável em uma concentração que se encontre ou exceda o Limite Inferior de Inflamabilidade LII ou Lower Explosive Limit LEL);

Inferior de Inflamabilidade LII ou Lower Explosive Limit LEL ); PDF Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com
Inferior de Inflamabilidade LII ou Lower Explosive Limit LEL ); PDF Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com

10

PDF Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com Faixa Rica Faixa Ideal Faixa Pobre 11

Faixa Rica Faixa Ideal Faixa Pobre

11

Curva de Correlação de gases inflamáveis

300%

250%

200%

150%

100%

LIE

50%

0%

Metano Acetileno Hidrogenio n-Hexano LIE 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100%
Metano
Acetileno
Hidrogenio
n-Hexano
LIE
10%
20%
30%
40%
50%
60%
70%
80%
90%
100%

13

Identificação dos Inflamáveis para medidas corretas –

Identificação dos Inflamáveis para medidas corretas – Detector de gás: quantifica uma atmosfera inflamável. Cada

Detector de gás:

quantifica uma

atmosfera inflamável.

Cada substância inflamável possui um L.I.I. % de Volume

O detector de gás inflamável deve ser calibrado com um gás padrão, que será a referência do mesmo em % de volume;

Quando um detector for calibrado com gás metano, LII = 5,0% VOL (por ex.), e, encontrar com uma atmosfera com gás Hexano, LII = 1,2% VOL, a leitura de 40% do LII será, na verdade, de 109% do LII;

Cuidado!!!

Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com Cuidado!!! Cromatógrafo: qualifica qual gás inflamável está

Cromatógrafo:

qualifica qual gás

inflamável está presente.

14

Medição em diferentes níveis de altura

è Devido à densidade dos gases.

níveis de altura è Devido à densidade dos gases. CH 4 = 0,55 CO = 0,97

CH 4

= 0,55

CO

= 0,97

Ar

= 1,00

H 2 S

= 1,19

Gasolina

= 3,40

15

O 2

O 2 >23% 20.9% 19.5% 10-11% 6-10% <6% PDF Creator - PDF4Free v2.0 Riscos Atmosféricos :
O 2 >23% 20.9% 19.5% 10-11% 6-10% <6% PDF Creator - PDF4Free v2.0 Riscos Atmosféricos :
O 2 >23% 20.9% 19.5% 10-11% 6-10% <6% PDF Creator - PDF4Free v2.0 Riscos Atmosféricos :

>23%

20.9%

19.5%

10-11%

6-10%

<6%

Riscos Atmosféricos:

Deficiência ou Excesso de Oxigênio

O 2 normal na atmosfera: 20,9% VOL

Concentração de oxigênio atmosférico abaixo de 19,5 % ou acima de 23 % em volume;

IPVS = < 12,5% Volume ao nível do mar.

23 % em volume; IPVS = < 12,5% Volume ao nível do mar. Aumento da inflamabilidade
23 % em volume; IPVS = < 12,5% Volume ao nível do mar. Aumento da inflamabilidade

Aumento da inflamabilidade dos materiais

Nivel normal de oxígenio no ar Nivel mínimo de oxígenio para uma entrada segura. A respiração se acelera e falta de coordenação, incremento da pulsação, euforia e dor de cabeça. Nauseas e vômitos, dificuldade de movimentos, perda de conhecimento, falhas mentais, rosto palido e labios azuis. A respiração cessa, seguindo de parada respiratória e a Morte em minutos.

e labios azuis. A respiração cessa, seguindo de parada respiratória e a Morte em minutos. http://www.pdf4free.com
e labios azuis. A respiração cessa, seguindo de parada respiratória e a Morte em minutos. http://www.pdf4free.com

16

Causas da deficiência de oxigênio

O 2

Consumo:

Ocorre tanto na combustão, quando o O 2 do ar reage com o material combustível (incêndios, por ex.), como na oxidação de metais.

17

Causas da deficiência de oxigênio

O 2

Diluição:

Dá-se a diluição quando gases inertes são utilizados na inertização de tanques ou de equipamentos que vão sofrer manutenção.

Nitrogênio, Argônio, Hélio, etc

18

Respirar excesso de Oxigênio)

Hiperoxia:

Efeitos:

1; vaso dilatação cerebral (risco de edema)

2; riscos no pulmão: bronco displasia (inflamação e espessamento)

3; aumento de radicais livres de oxigênio no sangue, e como conseqüência: lesão no Sistema Nervoso Central, o que por sua vez pode piorar o descrito no item 1.

19

Atmosfera de risco:

(Atmosferas Tóxica e IPVS)

Atmosfera de risco : (Atmosferas Tóxica e IPVS ) A concentração atmosférica de qualquer substância cujo

A concentração atmosférica de qualquer substância cujo Limite de Tolerância seja publicado na NR-15 do MTE ou em recomendação mais restritiva (ACGIH) e que possa resultar na exposição do trabalhador acima desse Limite de Tolerância;

Comparar LT’s da NR-15 e ACGIH e adotar o mais restritivo.

ACGIH: American Conference of Governmental Industrial Hygienists

20

Efeitos da Asfixia Bioquímica pelo Monóxido de Carbono (CO)

É absorvido pelo pulmão até 100 vezes mais rápido que o Oxigênio.

CO

pulmão até 100 vezes mais rápido que o Oxigênio. CO Limites de inflamabilidade no ar: Limite

Limites de inflamabilidade no ar:

Limite Superior: 75 % Limite Inferior: 12 %

IPVS = 1200 ppm

Limite de Tolerância (BRA) = 39 ppm;

TLV(EUA) = 25 ppm

CO x Tempo:

Ligeira dor de cabeça, desconforto (200ppm x 3hs) Dor de cabeça, desconforto (600ppm x 1 h) Confusão, dor de cabeça (1000 a 2.000 ppm x 2 hs) Tendência a cambalear (1.000 a 2.000 ppm x 1,5 hs) Palpitação leve (1.000 a 2.000 ppm x 30 minutos); Inconsciência (2.000 a 5.000 ppm); Fatal (10.000 ppm).

21

MONÓXIDO DE CARBONO (CO)

CO

CO 2 Asfixiante Simples

Atenção !

N 2 (78%) O 2 (20,9%) O 2 (19,9%) 1%
N 2 (78%)
O 2 (20,9%)
O 2 (19,9%)
1%

CO (1% = 10.000 ppm)

Não pode ser medido com oxímetro.

E.C. com 20,9% VOL de Oxigênio;

Recebe 1% de VOL de CO;

E.C. ficará com 19,9% de VOL e com presença de 10.000 ppm de CO, concentração esta, fatal para o ser humano;

O Oxímetro alarma com 19,5% de VOL para baixa concentração.

22

Efeitos da Asfixia Bioquímica pelo Gás Sulfídrico (H 2 S)

H 2 S

Gás Sulfídrico, H 2 S ou Sulfeto de Hidrogênio

Considerado um dos piores agentes ambientais agressivos ao ser humano. Em concentrações médias, inibe o olfato.

ao ser humano. Em concentrações médias, inibe o olfato. LT = 8ppm TLV= 10ppm IPVS =100

LT = 8ppm

TLV= 10ppm

IPVS =100 ppm

H 2 S x Tempo

Nenhum (8 ppm x 8 hs) Irritação moderada nos olhos e garganta (50 a 100 ppm x 1 h) Forte irritação (200 a 300 ppm x 1 h) Inconsciência e morte por paralisia respiratória (500 a 700 ppm x 1,5 h)

Inconsciência e morte por paralisia respiratória (>1000 ppm x minutos).

23

Espaço Confinado ( Condição de Entrada ) Condições ambientais que devem permitir a entrada em
Espaço Confinado ( Condição de Entrada ) Condições ambientais que devem permitir a entrada em
Espaço Confinado ( Condição de Entrada ) Condições ambientais que devem permitir a entrada em

Espaço Confinado (Condição de Entrada)

Espaço Confinado ( Condição de Entrada ) Condições ambientais que devem permitir a entrada em um
Espaço Confinado ( Condição de Entrada ) Condições ambientais que devem permitir a entrada em um
Espaço Confinado ( Condição de Entrada ) Condições ambientais que devem permitir a entrada em um

Condições ambientais que devem permitir a entrada em um espaço confinado onde

haja critérios técnicos de proteção

para riscos atmosféricos, físicos, químicos, biológicos, ergonômicos e/ou mecânicos que garantam a segurança dos trabalhadores.

24

Espaço Confinado (Riscos Biológicos)

Espaço Confinado ( Riscos Biológicos ) Bactérias , fungos , esgoto , tratamento de efluentes ,
Espaço Confinado ( Riscos Biológicos ) Bactérias , fungos , esgoto , tratamento de efluentes ,

Bactérias, fungos, esgoto, tratamento de efluentes, processos de limpeza pela ação de solventes ou produzidos pela reação química;

O contato com a pele, mucosas e vias respiratórias podem causar desde irritação até intoxicações generalizadas.

Espaço Confinado

(

recomendadas vacinas contra: tétano, hepatite A e B, vacina anti-gripal e, se necessário contra febre amarela e febre tifóide (esgoto subterrâneo).

riscos

biológicos)

e febre tifóide (esgoto subterrâneo). riscos biológicos ) Várias infecções de pele podem ser causadas pelo

Várias infecções de pele podem ser causadas pelo contato com matéria orgânica infectada de microorganismo – todas evitáveis com o uso de equipamentos de proteção adequados.

Engolfamento/Envolvimento:

Condição em que uma substância sólida

ou líquida, finamente dividida e flutuante na atmosfera, possa envolver uma pessoa e no processo de inalação, possa causar inconsciência ou morte por asfixia.

de inalação, possa causar inconsciência ou morte por asfixia . PDF Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com

27

Permissão de Entrada e Trabalho PET

A permissão de entrada que documenta a conformidade das condições locais e autoriza a entrada em cada espaço confinado, conforme apresentado no anexo A, deve identificar:

Nota:

A permissão de entrada é válida somente para uma entrada.

a)espaço confinado a ser adentrado;

b)objetivo da entrada;

c)data e duração da autorização da permissão de entrada;

d)trabalhadores autorizados a entrar num espaço confinado, que devem ser relacionados e identificados pelo nome e pela função que irão desempenhar;

e) assinatura e identificação do supervisor que autorizou a entrada;

f)riscos do espaço confinado a ser adentrado;

g)medidas usadas para isolar o espaço confinado e para eliminar ou controlar os riscos do espaço confinado antes da entrada.

28

Espaço Confinado (Supervisor de Entrada)

Espaço Confinado ( Supervisor de Entrada ) Pessoa com capacitação e responsabilidade pela determinação se as

Pessoa com capacitação e

responsabilidade pela determinação se as condições de entrada são aceitáveis e estão presentes numa permissão de entrada, como determina esta Norma.

29

Espaço Confinado (Trabalhador Autorizado)

Espaço Confinado ( Trabalhador Autorizado ) Profissional com capacitação que recebe autorização do empregador, ou
Espaço Confinado ( Trabalhador Autorizado ) Profissional com capacitação que recebe autorização do empregador, ou
Espaço Confinado ( Trabalhador Autorizado ) Profissional com capacitação que recebe autorização do empregador, ou
Espaço Confinado ( Trabalhador Autorizado ) Profissional com capacitação que recebe autorização do empregador, ou
Espaço Confinado ( Trabalhador Autorizado ) Profissional com capacitação que recebe autorização do empregador, ou

Profissional com capacitação que recebe autorização do empregador, ou seu representante com habilitação legal, para entrar em um espaço confinado permitido.

30

Espaço Confinado (Vigia)

Espaço Confinado ( Vigia ) Trabalhador que se posiciona fora do espaço confinado e monitora os

Trabalhador que se posiciona fora

do espaço confinado e monitora

os trabalhadores autorizados, realizando todos os deveres definidos no programa para entrada em espaços confinados.

31

Todo espaço confinado deve ser adequadamente sinalizado, identificado e isolado para evitar que pessoas não

Todo espaço confinado deve ser adequadamente sinalizado, identificado e isolado para evitar que pessoas não autorizadas adentrem a estes locais.

evitar que pessoas não autorizadas adentrem a estes locais. São solidariamente responsáveis pelo cumprimento da NBR

São solidariamente responsáveis pelo cumprimento da NBR 14787 os contratantes e contratados.

32

PDF Creator - PDF4Free v2.0 Espaço Confinado Que serviço vamos executar ???? Em casos de
PDF Creator - PDF4Free v2.0 Espaço Confinado Que serviço vamos executar ???? Em casos de
PDF Creator - PDF4Free v2.0 Espaço Confinado Que serviço vamos executar ???? Em casos de
PDF Creator - PDF4Free v2.0 Espaço Confinado Que serviço vamos executar ???? Em casos de

Espaço Confinado

Que serviço vamos executar ????

Em casos de trabalho em atmosfera

IPVS ou potencialmente capaz de atingir níveis de atmosfera

IPVS, os trabalhadores deverão estar treinados e utilizar EPI’s (equipamentos de proteção individual) que garantam sua saúde e integridade física.

33

Espaço Confinado (Atividades Agravantes)

Os trabalhos de solda, cortes a quente, tratamento

térmico, funcionamento de motores a combustão no interior de espaços confinados,

pode criar atmosferas de alto risco ou perigosas. A deficiência de oxigênio é causada pelo seu consumo, nas reações de combustão ou nos processos de oxidação, ou ainda deslocado pelos produtos de combustão. Os gases tóxicos, como o CO, são produzidos pela incompleta combustão. Outros gases podem ser produzidos pelo material aquecido; cádmio, por exemplo,

vapores de mercúrio,

chumbo e outros metais pesados.

por exemplo, vapores de mercúrio, chumbo e outros metais pesados. PDF Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com

34

Capacitação:

Definida por público alvo: supervisor de entrada, vigia e trabalhador autorizado.

definição de espaço confinado; riscos de espaço confinado; identificação de espaço confinado; avaliação de riscos; controle de riscos; calibração e/ou teste de resposta de instrumentos utilizados; certificado do uso correto de equipamentos utilizados; simulação; resgate; primeiros-socorros; ficha de permissão.

35

Reinício dos Trabalhos / Pausa

O reinício dos trabalhos, após uma paralisação, em função de anormalidades que coloquem em risco a segurança do trabalho,

deverá ser precedido de uma

reavaliação geral por todos os envolvidos, das condições ambientais de forma a garantir a segurança das atividades e dos seus executantes.

36

Espaço Confinado (Abandono de local)

Espaço Confinado ( Abandono de local ) A saída de um espaço confinado deve ser processada

A saída de um espaço confinado deve ser processada

imediatamente se:

o vigia e/ou o supervisor de entrada ordenarem abandono;

o trabalhador reconhecer algum sinal de perigo, risco ou sintoma de exposição a uma situação perigosa;

um alarme de abandono for ativado.

37

• NBR 14787 da ABNT

• Manual de Instalações Elétricas em Indústrias Químicas, Petroquímicas e de Petróleo - Atmosferas Explosivas Autor: Engº Dácio de Miranda Jordão - 3ª Edição

Editora Qualitymark - Tel.: 21-3860- 8422 www.qualitymark.com.br

Bibliografia

- Tel.: 21-3860- 8422 www.qualitymark.com.br Bibliografia • Manual de Proteção Respiratória Autores: Maurício

• Manual de Proteção Respiratória

Autores: Maurício Torloni e Antonio Vladimir Vieira site: www.abho.com.br

• TLV´s e BEIs – Limites de Exposição para substâncias químicas, agentes físicos – site: www.abho.com.br

substâncias: www.cetesb.sp.gov.br – emergências químicas – manual de produtos químicos perigosos.

• Cf: Rene Mendes em "Patologia do Trabalho 1995

38