P. 1
Introdução à Mecânica das Rochas Aula 2

Introdução à Mecânica das Rochas Aula 2

|Views: 845|Likes:
Publicado porMarcus Cândido

More info:

Published by: Marcus Cândido on May 17, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/17/2013

pdf

text

original

Licenciatura em Geologia Aplicada e do Ambiente - 2005/2006

INTRODUÇÃO À MECÂNICA DAS ROCHAS
Fernando M. S. F. Marques *

* Departamento de Geologia, Faculdade de Ciências de Lisboa

INTRODUÇÃO À MECÂNICA DAS ROCHAS INTRODUÇ

DEFINIÇÕES PRÉVIAS: DEFINIÇ PRÉ - SOLO – Material natural desagregável por imersão em água desagregá - ROCHA - Material natural não desagregável por imersão em água desagregá (Conceito substancialmente diferente do considerado na Geologia) - Descontinuidades – interrupções do contínuo de uma dada rocha, sem interrupç contí implicações genéticas: podem ser fracturas resultantes de esforços tectónicos em implicaç gené esforç tectó compressão, corte (cisalhamento), tracção, fracturas de descompressão, juntas (cisalhamento), tracç de estratificação, planos de xistosidade ou de clivagem xistenta, que impliquem estratificaç xistenta, quebra das propriedades mecânicas dos blocos de rocha adjacentes. adjacentes. - Compartimentação - Divisão do contínuo rochoso de um maciço por Compartimentaç contí maciç descontinuidades.

Mecânica das Rochas
Trata a resposta das rochas e dos maciços rochosos à aplicação de perturbações maciç aplicaç perturbaç No caso das perturbações naturais, a Mecânica das Rochas é aplicada à deformação das deformaç perturbaç rochas, no contexto da Geologia Estrutural:
-Estudo de Falhas, dobras e fracturas, causadas por tensões geradas por movimentos geradas orogénicos e outros processos geológicos (subsidência; diagénese; rifting; descompressão por orogé geoló (subsidência; diagé nese; rifting; exumação). exumaç Ou, no contexto da Geologia de Engenharia: -À análise da estabilidade de vertentes para estudos de perigosidade, ou previsão de impactes aná sobre obras: Resposta dos maciços aos agentes da geodinâmica externa (chuvas; inundações; maciç inundaç posição do nível piezométrico das águas subterrâneas; impactos de ondas; erosão de sopé) e à posiç ní piezomé sopé degradação da resistência dos maciços (fluência; cedência progressiva; erosão interna; degradaç maciç dissolução; meteorização) dissoluç meteorização)

No caso das perturbações causadas pelo homem, a Mecânica das Rochas é aplicada para perturbaç prever o comportamento dos maciços face às solicitações que lhe vão ser impostas, por: maciç solicitaç
-Escavações a céu aberto - taludes em obras lineares; minas a céu aberto; taludes de barragens e Escavaç cé cé albufeiras (encontros; margens) -Escavações e obras subterrâneas - actividade mineira; túneis rodoviários e ferroviários; Escavaç tú rodoviá ferroviá cavidades subterrâneas para armazenamento (combustíveis; resíduos); órgãos subterrâneos de (combustí resí barragens (galerias de desvio; centrais hidroeléctricas); centrais nucleares; instalações militares; hidroelé instalaç

Algarve: Praia de Porto de Mós (1993) Mó Cretácico inferior – Aptiano Cretá Margas e calcários de Porto de Mós calcá Mó

100m

- Alternância de camadas com grande contraste de resistência – calcários margosos e margas - Relaxação de tensões por exumação - Margas desagregam-se com os ciclos de secagem-molhagem - Cedência das margas aproveita fracturas pré-existentes nas camadas de calcário - Erosão marinha de sopé remove detritos e contribui para aumento do declive

Samouqueira, Rogil (Aljezur) Samouqueira, Carbónico, Namuriano médio-Vestefaliano inferior Carbó dioFormação da Brejeira Formaç

- Alternância de camadas com grande contraste de resistência – grauvaques e xistos argilosos - Relaxação de tensões por exumação - Xistos desagregam-se com os ciclos de secagem-molhagem - Cedência dos xistos aproveita fracturas pré-existentes nas camadas de grauvaque -Erosão marinha de sopé remove detritos e contribui para aumento do declive

Samouqueira, Rogil (Aljezur) Samouqueira,

So

- Fluência lenta dos xistos (relaxação de tensões existentes no interior do maciço por exumação – remoção do confinamento lateral da escarpa pela evolução natural da arriba) e basculamento em direcção ao exterior do talude (tombamento ou “toppling”). - Abertura de fendas de tracção junto ao topo da escarpa aproveitando descontinuidades pré-existentes: Fracturas e juntas de estratificação

Barragem do Funcho (Silves)
Carbónico, Namuriano médioCarbó dio-Vestefaliano inferior Formação da Brejeira Formaç Instabilidades (desabamentos) no acesso à barragem. Notar a inclinação natural das vertentes, que sugere um perfil transversal de equilíbrio natural.

Barragem de Odeleite - Carbónico, Viseano - Formação da Mértola Carbó Formaç Mé

So

Vista da vertente instável, com deslizamento planar ao longo das superfícies de estratificação. Esta instabilidade motivou extensas obras de estabilização ao longo da encosta (pregagens) e a construção de muro de suporte em betão armado com espessura da ordem de 6m, para assegura a estabilidade da central de bombagem que abastece de água o Algarve ocidental.

Orientação das escavações subterrâneas em relação a uma falha (plano a vermelho) em arenitos. Orientaç escavaç relaç Central subterrânea e sala dos transformadores do projecto Mingtan (Formosa) (Segundo Hoek, 2000) Hoek, Problemas: identificação, análise e representação tridimensional de zonas de baixa resistência (camadas, falhas, filões alterados) e da compartimentação do maciço rochoso.

Instabilidades controladas pela compartimentação do maciço (Hoek, 2000) compartimentaç maciç (Hoek, - Orientação e espaçamento de descontinuidades (fracturas e/ou juntas de estratificação) Orientaç espaç estratificaç

Projecto de Rio Grande, Argentina Escavação dos níveis inferiores da caverna Escavaç ní da central, com largura de 25m (Hoek, 2000) Hoek,

Cunhas de rocha definidas no maciço rochoso envolvente da caverna da central de Rio Grande maciç

Resultado de uma rotura explosiva (“rockburst”) numa mina em rochas com (“ rockburst” comportamento frágil, sujeita a tensões in situ muito elevadas (Segundo Hoek, 2000) frá Hoek,

Fracturação em discos de uma amostra de sondagem, causada pela relaxação de Fracturaç relaxaç tensões “in situ” muito elevadas (Hoek, 2000) situ” (Hoek,

ESCAVAÇÃO DE TÚNEIS EM ROCHAS BRANDAS

Perfil deformado

Perfil vertical de um modelo tridimensional de elementos finitos da deformação e rotura do maciço em torno da escavação. As setas indicam vectores de deslocamento e a deformada da escavação.

ESCAVAÇÃO DE TÚNEIS EM ROCHAS BRANDAS

Deformação da frente do túnel

Deslocamento radial atinge valor máximo a cerca de 1,5x o diâmetro da frente do túnel

Avanço do túnel

Deslocamento radial atinge 1/3 do valor final na frente do túnel

Deslocamento radial inicia-se para além da frente do túnel, a cerca de 0,5x o diâmetro

Padrão de deformação de um túnel em escavação

PROBLEMAS FUNDAMENTAIS EM MECÂNICA DAS ROCHAS
- Contraste de comportamento mecânico entre o material rocha e os maciços rochosos: - Papel fundamental das descontinuidades - Presença de zonas de baixa resistência no maciço - Alteração/degradação rápida de alguns tipos litológicos - Tensões existentes nos maciços e sua relaxação

Domínios de aplicação da Mecânica das Rochas Domí aplicaç
- Análise da estabilidade de vertentes (naturais): determinação da perigosidade (hazard) em estudos de risco, Aná determinaç (hazard) incluindo risco sísmico; análise e projecto de medidas de prevenção contra quedas de blocos sí aná prevenç - Análise da estabilidade de taludes (artificiais): projecto de escavação e selecção de métodos mais adequados Aná escava selecç mé (seguros e económicos) de escavação; dimensionamento de suportes provisórios e/ou definitivos econó escavaç provisó - Fundações em maciços rochosos (pontes, viadutos, edifícios de grande altura): caracterização dos maciços e Fundaç maciç edifí caracterizaç maciç dimensionamento de medidas contra o escorregamento de blocos - Barragens (de aterro, enrocamento, gravidade e arco), órgãos e estruturas associadas (ensecadeiras, túneis de enrocamento, (ensecadeiras, tú desvio, condutas forçadas, centrais hidroeléctricas subterrâneas) – Problemas de selecção de sítios, fundações, forç hidroelé selecç sí fundaç estabilidade e sustentação de escavações, estabilidade das margens da albufeira, impermeabilização do maciço sustentaç escavaç impermeabilizaç maciç - Túneis (rodoviários e ferroviários): escolha de traçado (localização e orientação), dimensionamento da forma e (rodoviá ferroviá traç (localizaç orientaç vãos, métodos de perfuração e sustentação mé perfuraç sustentaç - Cavidades subterrâneas para instalações industriais – selecção de sítios, projecto e selecção de métodos de instalaç selecç sí selecç mé escavação, análise de estabilidade e dimensionamento das cavidades e sua sustentação escavaç aná sustentaç - Cavidades subterrâneas para armazenamento de resíduos ( em especial de centrais nucleares) – selecção de resí selecç sítios, projecto e selecção de métodos de escavação, análise de estabilidade e dimensionamento das cavidades, selecç mé escavaç aná problemas de dissipação de calor e estabilidade a longo prazo, circulação de água e permeabilidade do maciço dissipaç circulaç maciç

Áreas afins à Mecânica das Rochas
- Geologia Estrutural - Mecânica dos Solos - Geologia de Engenharia - Geofísica Geofí - Engenharia Civil - Engenharia de Minas

ORIGEM E EVOLUÇÃO DA MECÂNICA DAS ROCHAS EVOLUÇ
- O estudo da Mecânica das Rochas iniciou-se nos anos 50, com fundamentos essencialmente físicos (impulsionado pela construção de grandes aproveitamentos hidroeléctricos e pelo desenvolvimento da exploração mineira a grandes profundidades) - Autonomizou-se como disciplina científica nos anos 60 - Em 1963 foi fundada a Sociedade Internacional de Mecânica das Rochas (ISRM)

- Anos 60: ênfase nos estudos sobre o material rocha - Anos 70: predomínio dos estudos sobre descontinuidades e caracterização de maciços rochosos - Anos 80: Análise numérica - Anos 90: propriedades dos materiais, ensaios em escala real, popularização dos meios informáticos, melhoria da aplicação dos princípios aos casos de obra

ORIGEM E EVOLUÇÃO DA MECÂNICA DAS ROCHAS EVOLUÇ
ESTUDOS PRECURSORES 1776 - Coulomb 1884 - Canal do Panamá (1908 - USACE) 1936 - Karl Terzaghi 1920 - 1958 - Josef Stini 1921 - Griffith (teoria de rotura de materiais) 1931 - Bucky (centrífuga para estudo de roturas em minas) DISCIPLINAS ENVOLVIDAS - Mecânica dos meios contínuos - Fotoelasticidade - Geologia estrutural

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->