Você está na página 1de 56

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS


CURSO DE CONSERVAÇÃO E RESTAURO
DISPLINA DE RESTAURAÇÃO DE PINTURA
Prof.ª ANDRÉA LACERDA BACHETTINI

A CAMADA PICTÓRICA

Do “Manual de Restauración de Cuadros”


de Nicolaus Knut

Alunas: Paula Reisser e Silvana Salazar


5° Semestre.
Até início do século XIX...

Camada de um quadro formada por Deterioração do quadro de Niccolo di


vários estratos. Pietro Gerini (1368-1415).
Alterações condicionadas pela camada pictórica
RUGAS

Camadas grossas de pintura.


Aglutinou-se com muito óleo e
pouco pigmento.
Amarelecimento

Amarelecimento Primário → “Reação de Escuridão”


Um problema de clima e uma sequela de secagem, porém
reversível
Amarelecimento Secundário → envelhecimento
propriamente dito.

Linhaça conforme o
óleo utilizado,
Nozes
amarela +
Papoula
Perda do Poder de Cobertura

A pintura a óleo ao secar perde o poder de cobertura que tinha quando


recém pintada.
No caso acima, linhas do desenho original ficaram visíveis.
No caso, a camada inferior
– de cor escura – se
acentua sobre a camada
superior – de cor clara.

Isto se deve à uma


modificação no índice de
refração, principalmente
nos pigmentos que
reagem com o óleo, como
o branco de chumbo.
Descoloração
A descoloração,
provocada pela ação
da luz e do oxigênio,
ocorre nos corante
naturais, principalmente
nas lacas vermelhas e
nos matizes azuis.

Em certos casos pode-


se reconhecer a
luminosidade inicial nas
zonas marginais
coberta pela moldura.
Empardecimento

Numa série de quadros dos séculos XVI e XVII, as pradarias e as


folhas das árvores, inicialmente verdes, atualmente são pardas. É o
empardecimento do Resinato de Cobre.
Deslizamento, Corrimento
Pregas marcadas na camada
pictórica, devido à uma secagem
aparente das camadas.

Isto ocorre quando o óleo de


papoula (adormidera) é utilizado,
pois seus óleos graxos amolecem
novamente após a 1ª secagem
CRAQUELÊ
Gretas e Fendas
Gretas de contração inicial

Se formam na secagem das camadas de pinturas, e somente nestas, como


consequência de processos químicos e físicos. Depende das características e
granulação do pigmento, do tipo de óleo secante, da base de preparação e
técnica pictórica.
O craquelê em espiral tem um desenvolvimento concêntrico. As
causas de sua formação são desconhecidas.
Em muitos casos, os
retoques antigos são
reconhecidos por meio
dos craquelês de
contração inicial que
neles se formam.
As fendas de idade se estendem, partindo do suporte, por todas as
camadas do quadro. As camadas pictóricas suportam cargas
mecânicas devidas fundamentalmente à constante mudança da
umidade relativa do ar. Quadros antigos possuem camadas duras,
não elásticas e quebradiças.
Em pinturas sobre
tela com base de
preparação
espessa, as fendas
de idade costumam
ser de malhas mais
amplas que nos de
base menos
espessa.
Em certos casos, a forma das
fendas de idade permite
reconhecer o tecido do suporte
têxtil.

Os quadros com telas de malha


larga podem ter fendas em
forma de “grelha”que
corresponde às dimensões dos
interstícios dos fios.
Branqueamento
As camadas pictóricas ficam
esbranquiçadas pela
umidade relativa do ar muito
alta, pelo contato direto com
água (condensação)ou por
ácidos.

A causa é a perda do
contato entre o grânulo de
pigmento e o aglutinante, o
que provoca mudança da
refração da luz.
Deteriorações de desenvolvimento
horizontal

Desprendimento das camadas, levantamentos, bolhas, bolsas de ar e


falha do aglutinante.
Este fenômeno é mais frequente nas pinturas sobre madeira do que em
tela
A camada do quadro se separou do suporte e somente se
mantém pelas tensões que ela mesma provoca. O perigo
deste tipo de deterioração reside no fato de que geralmente
não é visível e só pode ser constatada ao se bater com
cuidado (percussão) a camada do quadro.
Em quadros com suporte em madeira
Uma grande redução no suporte em Os levantamentos e descamações
madeira origina levantamentos das se concentram na zona do suporte
camadas com anéis más largos
Falha de aglutinante Formação de bolsas
O contato direto da tela com
Camada do quadro que se água ocasiona levantamentos
separou do suporte têxtil. e descamações muito
marcados
Contato com Água

Quando a pressão do vapor no


anverso e no reverso do quadro é
diferente, se produz uma difusão do
vapor d’água. Então suas moléculas
percorrem toda a estrutura do quadro.
Nos quadros em tela, se
observam dois tipos de
“trabalho”devido às variações
climáticas

Bolsas formadas entre o suporte


têxtil e o tecido do entelamento
Bolhas de Queimadura
Influência do calor na
superfície do quadro

Estrutura do quadro antes do aquecimento.

O calor provoca a contração do verniz. Gases se


formam e originam a formação de bolhas.

A camada pictórica fica


desprotegida, pequenas bolhas se
formam nas bordas do craquelê.

O calor se propaga na próxima


camada. A pictórica se separa da
base e se formam bolhas em seu
interior.
As bolhas aumentam. Por
suas finíssimas fissuras
saem produtos de
desintegração na forma de
gases.

Nas camadas pictóricas com


muito aglutinante as fissuras
se convertem em grandes
brechas.

As bolhas estouram.
Grandes crateras se formam
que podem chegar à base de
preparação.
ATENTADOS
MOFO
FIXAÇÃO DA
CAMADA
PICTÓRICA
Camadas
fixadas
Facing (faceamento)
com papel japonês
para evitar
descamação.
Fixações
malsucedidas
Remoção do facing
Fixação no caso de obras com suporte em madeira
O adesivo é introduzido na camada com o pincel através das fendas de
idade ou de pequenos orifícios e os levantamentos são reduzidos com
espátula quente.
Os desprendimentos em “forma de tenda”só podem ser “amassados” sem
danificar a camada se foi realizada previamente a climatização do
suporte e produzida a dilatação da madeira. Em outros casos, por se tratar
de um risco, se são pequenos se recomenda um “não tratamento”, desde
que as condiciones de conservação sejam adequadas.
Consolidação com mistura cera/resina é um procedimento que só deve
ser usado em condições muito concretas, ou seja, no caso de o quadro já
ter sido consolidado com este material.
Método da Injeção: Para poder introduzir o adesivo foi perfurado com
uma agulha repetidamente, o adesivo é injetado nos desprendimentos com
um seringa aquecida
Uma bomba e um funil É absorvido o ar das
com a borda siliconada cavidades da estrutura
são os instrumentos do quadro e assim
necessários para pequenas borbulhas se
consolidar uma camada criam no adesivo que é
pictórica pelo método previamente aplicado
funil. com pincel.
Camada pictórica “pulverulenta”

Os insetos agem até atingir a camada pictórica, isso é denominado de


pseudodesprendimento.
O suporte em madeira está tão
afetado pela ação das larvas e
dos insetos que basta uma
ligeira pressão sobre a
superfície do quadro para que
ela se afunde.
Pontes de cola
Pigmentos integrados mediante os fixadores
Encrostamentos
Suporte têxtil

A camada do quadro é fixada com cola de peixe


utilizando uma mesinha de baixa pressão sobre a
qual se coloca o quadro.
Tratamento de quadros danificados por ácidos e
pastas decapantes

Peter Paul Rubens, Pequeno Juízo Final, 1620.


Pinacoteca de Munique, Alemanha.
A superfície consolidada com a mistura cera/resina foi alisada com
uma lâmina e uma escova.
Tratamento das bolhas de Queimadura

As bolhas de queimadura são aquecidas com uma lâmpada especial e


são assentadas com uma espátula quente