Você está na página 1de 7

Num Bairro Moderno

m  

 
  
NUM BAIRRO MODERNO (EST. I-III)
omo uma câmara vai focando
todos os pormenores do espaço
interior e mesmo as referências
ao espaço exterior, que sugeremY [  
  


o bem-estar, o conforto, que se
vivia, num bairro moderno e
   
burguês.  
  
  


    



 Sinestesia.
esário comunga também neste
bem-estar, é um homem que vive   
neste conforto.
É muito mais chique dizer !  "    
 Hipálage.
em francês. onfere-lhe
outro estatuto.
  

 
 ujas persianas se abrem,
       possibilitando-nos a
#
  "
 contemplação do seu
interior.
!  
   

Hipálage.
Este confronto é explicitado por
um comentário pessoal. $ "%   
 
%& 
'       

      Tom deambulatório.
$  
  (
Suspensão súbita, completa ou
incompleta do movimento e da
sensação.
   

Õ uso do diminutivo ²
fragilidade implícita.
ontraste visual entre
Y   

  o branco, o negro e o
Refere-se à vendedeira como
se o seu olhar se fixa-se
) 
    colorido das frutas.
numa imagem, destacando o * 
(   +   
que o impressiona, $       Õ som vem
visualmente. 
 


 completar todo este
quadro.
Impressiona-lhe a
vendedeira frágil obrigada a    ( 

um trabalho pesado. As
características indiciam e
,  "      
 Õ motivo do olhar
reiteram uma ideia de       domina a composição.
debilidade, fragilidade que '   
     São elementos lexicais
acentua o peso da opressão que confirmam a



  

 importância que a
de que é vítima.
Tom altivo. percepção visual detém
[   
   - no poema.
.'  
"   

  

  .   
 rítica à desigualdade
e à injustiça social.
   
+(
*   
 
  
NUM BAIRRO MODERNO (EST. VI-VII)
Õ ´euµ lírico.
Y ' 
      &
A sinestesia aparece
'   
       como motor de
/'

  sensações, transmitindo a
)   
     (  visão impressionista da
$   0 
1& realidade.

2+    


 (Õlfacto)
$ 3   

Tipos sociais '   
 (Visão)
característicos do 3    

espaço urbano (Audição)
descrito. 4
"    

Gente do povo que
   

 

   contrasta com a
Pretérito imperfeito ² um imagem elegante,
percurso entre o acto de 5 
6

requintada do bairro
imaginar (de recompor a   
   [
[  burguês.
realidade) e a existência do 5  
  

real.


  
  
   

A forte consciência da
injustiça e de opressão, Y        
Auxilia a regateira,
que parece ser exclusiva    comungando com ela um
do poeta, pois a regateira
enfrenta-o com coragem e
)+ 
%      mesmo esforço e tornando-se
alegria. *        como que solidário da sua
$  
    condição.

A expressividade dos
7 8
verbos, das expressões Fica contagiado com a
que acompanham os seus    
  força interior da
movimentos.
#   
 vendedeira.
[      
 

  
  
 
  
Apesar de feia,
desprezada,« por ela
que o poeta nutre
simpatia.
å   

Y $9 "99%9 9 99 9


9 9 
* e 3 - rima %& 
 1 e 3 verso ² rima
cruzada.
emparelhada. '        

      * e 4 verso ² rima
interpolada.
$  
  ( 

Estrofes: 16 quintilhas.
Sílaba métrica: Versos decassilábicos ² 10 sílabas métricas.
SÍNTESE DAS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIO-ESTILÍSTICAS DE
CESÁRIO VERDE

Poetização do
real