1

Material de Material de Material de Material de
Apoio a disciplina de Apoio a disciplina de Apoio a disciplina de Apoio a disciplina de
Álgebra e Geometria Álgebra e Geometria Álgebra e Geometria Álgebra e Geometria
Computacional Computacional Computacional Computacional
2

MATRIZES

1. DEFINIÇÃO

Denominamos matriz de ordem m x n (lê-se m por n) o conjunto de números reais dispostos
em um quadro de m linhas (disposições horizontais) e n colunas (disposições verticais).
Algebricamente uma matriz A pode ser indicada por:


A=

33 32 31
23 22 21
13 12 11
a a a
a a a
a a a





O elemento
ij
a dotado de dois índices onde o primeiro, i, indica a linha e o segundo, j, indica a
coluna, às quais o elemento
ij
a pertence.

2. CLASSIFICAÇÃO DAS MATRIZES

2.1 - Matriz nula:

È a matriz que tem todos os seus elementos iguais a zero.

2.2 – Matriz quadrada:

È a matriz que tem o numero m linhas iguais o numero n de colunas.

2.3 – Matrizes identidade
A matriz quadrada de ordem n, em que todos os elementos da diagonal principal são iguais a 1
e os demais elementos são iguais a 0.
Representamos a matriz identidade por
n
I .
Linhas
Colunas
3

Exemplos:

=
1 0
0 1
2
I







2.4- Matriz oposta → Seja A
mXn
uma matriz qualquer, chamamos de matriz oposta de A e
indicamos (– A
mXn
), aquela matriz onde cada elemento correspondente ao da matriz A é o
oposto a ele.
Exemplo:
A
2X4
=






− −− − − −− − − −− −
− −− − − −− − − −− −
9 7 8 6
5 4 3 2
logo, - A
2X4
=






− −− −
− −− −
9 7 8 6
5 4 3 2


2.5- Lei de Formação de uma matriz: É uma regra que define como será o elemento de uma
matriz qualquer.

Exemplo: Construa a matriz a
3X2
onde a
ij
= 2i + j.

Resolução: Temos a matriz A
3X2
=
33 32 31
23 22 21
13 12 11
a a a
a a a
a a a
, portanto...
● a
11
= 2(1) + (1) = 2 + 1 ⇒ a
11
= 3
● a
12
= 2(1) + (2) = 2 + 2 ⇒ a
12
= 4
● a
21
= 2(2) + (1) = 4 + 1 ⇒ a
21
= 5
● a
22
= 2(2) + (2) = 4 + 2 ⇒ a
22
= 6
● a
31
= 2(3) + (1) = 6 + 1 ⇒ a
31
= 7
● a
32
= 2(3) + (2) = 6 + 2 ⇒ a
32
= 8

Diagonal principal
Diagonal principal

=
1 0 0
0 1 0
0 0 1
3
I
4

Logo... A
3X2
=
8 7
6 5
4 3


3. IGUALDADE DE MATRIZES

Duas matrizes ( )
ij
a A = e ( )
ij
b B = do tipo m x n são iguais quando apresentarem todos os
números correspondentes iguais.
Um número de A é correspondente de B, quando ocupa a mesma posição em sua tabela.

Exemplo:



=
4 3
2 1
A



=
4 3
2 1
B

a
11
= b
11
= c
11
= . . .
a
21
= b
21
= c
21
= . . .

a
ij
= b
ij
= c
ij
= . . .

Exemplo:

Sejam as matrizes A =
3 X 2
5 4 3
2 1 0
| || |
| || |
¹ ¹¹ ¹
| || |


\ \\ \
| || |
− −− −
− −− −
e B =
3 X 2
5 4 3
2 1 0
| || |
| || |
¹ ¹¹ ¹
| || |


\ \\ \
| || |
− −− −
− −− −

Como...
● a
11
= b
11
● a
21
= b
21
● a
12
= b
12
● a
22
= b
22
● a
13
= b
13
● a
23
= b
23

Logo A = B.



5

Exercícios
1) Determinar a, b, c e d para que se tenha
|
|
¹
|

\
|
=
|
|
¹
|

\
| −

d -
3
c
5b a

10 2
6
5
1


2) Determinar x, y e z que satisfaçam
|
|
¹
|

\
|

=
|
|
¹
|

\
|


0 5 6
4
3
2 - 1
1 5 3
2 1
z y
x


3) Determine p e q, tais que
|
|
¹
|

\
|
=
|
|
¹
|

\
|

− +
3 0
2 - 6

2 0
2
q p
q p


4) Verifique se existir m, m∈ ℜ, para que se tenha
|
|
¹
|

\
|
=
|
|
¹
|

\
|
+ −

0 0
0 2

3 3
9 2
m m
m


5) Verifique se existir m, m∈ ℜ, se existir
|
|
¹
|

\
|
=
|
|
¹
|

\
|


3
1 0

3 2
1 4
2
m
m


6) Seja ( )
2x3
a = A em que
2x3
a = i + j. Determine m, n, e p em B =
5 2 1
4 3
|
|
¹
|

\
|
− −
+
p m n
n m
, a fim
que tenhamos A = B.

7) Determine x e y reais de modo que
|
|
¹
|

\
|

=
|
|
¹
|

\
| −
2 1
1 1

2
1 2
4
x
x
y
y

Correção dos exercicios

1) Determinar a, b, c e d para que se tenha
|
|
¹
|

\
|
=
|
|
¹
|

\
| −

d -
3
c
5b a

10 2
6
5
1

a = -1 ; b =
6
1
− ; c = 6; d = - 10

6

2) Determinar x, y e z que satisfaçam
|
|
¹
|

\
|

=
|
|
¹
|

\
|


0 5 6
4
3
2 - 1
1 5 3
2 1
z y
x

x =
4
3
; y = -2 ; z = 1
3) Determine p e q, tais que
|
|
¹
|

\
|
=
|
|
¹
|

\
|

− +
3 0
2 - 6

2 0
2
q p
q p

p = 3; q = 3
4) Verifique se existir m, m ∈ℜ, para que se tenha
|
|
¹
|

\
|
=
|
|
¹
|

\
|
+ −

0 0
0 2

3 3
9 2
m m
m

Não existe m ∈ℜ
5) Verifique se existir m, m∈ℜ, se existir
|
|
¹
|

\
|
=
|
|
¹
|

\
|


3
1 0

3 2
1 4
2
m
m

m = -2
6) Seja ( )
2x3
a = A em que
2x3
a = i + j. Determine m, n, e p em B =
5 2 1
4 3
|
|
¹
|

\
|
− −
+
p m n
n m
, a fim que
tenhamos A = B.
m = -2 ; n = 4 ; p = -3
7) Determine x e y reais de modo que
|
|
¹
|

\
|

=
|
|
¹
|

\
| −
2 1
1 1

2
1 2
4
x
x
y
y

x = 1 ; y = -1




4. MATRIZ TRANSPOSTA

Uma matriz B é a matriz transposta da matriz A, se as linhas de B forem ordenadamente as
colunas de A.
Propriedades da Matriz Transposta
I ) (A + B)
T
= A
T
+ B
T
II) (A)
T
= A
T
7

III) (A
T
)
T
= A
IV) (AB)
T
= B
T
A
T

5. ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO ENTRE MATRIZES

Dado as matrizes A e B do tipo m x n, sua soma ou subtração A + B ou A – B é a matriz m
por n dos elementos correspondentes: ( )
ij
B A + =
ij
A +
ij
B ou ( )
ij
B A − =
ij
A -
ij
B

|
|
|
¹
|

\
|
+ + + +
+ + + +
+ + + +
= +
34 34 33 33 32 32 31 31
24 24 23 23 22 22 21 21
14 14 13 13 12 12 11 11
b a b a b a b a
b a b a b a b a
b a b a b a b a
B A
|
|
|
¹
|

\
|
− − − −
− − − −
− − − −
= −
34 34 33 33 32 32 31 31
24 24 23 23 22 22 21 21
14 14 13 13 12 12 11 11
b a b a b a b a
b a b a b a b a
b a b a b a b a
B A

Exemplo: Ao utilizar matrizes, surge naturalmente a necessidade de efetuarmos certas
operações. Por exemplo, consideremos as tabelas, que descrevem a produção de grãos em
dois anos consecutivos.

Produção de grãos (em milhares de toneladas durante o primeiro ano)

Soja feijão arroz Milho

Região A 4000 200 400 600
Região B 800 300 700 100
Região C 1000 100 500 800

Produção de grãos (em milhares de toneladas durante o segundo ano)

Soja feijão Arroz Milho
Região A 2000 20 250 300
Região B 5000 100 350 0
8

Região C 3000 150 650 650

Se quisermos montar uma tabela que dê a produção por produto e por região nos dois anos
conjuntamente, teremos que somar os elementos correspondentes as duas tabelas anteriores.


Produção de grãos (em milhares de toneladas durante os dois anos)

soja feijão Arroz Milho
Região A 6000 220 650 900
Região B 5800 400 1050 100
Região C 4000 250 1150 1450
A soma de duas matrizes A = [a
ij
] e B = [b
ij
], de ordem (m,n), é uma matriz C = [c
ij
] tal que:
c
ij
= a
ij
+ b
ij
Propriedades da Adição de Matrizes
I. A + (B + C) = (A + B) + C
II. A + 0 = 0 + A = A
III. - A + A = A - A = 0
IV. A + B = B + A
6. MULTIPLICAÇÃO DE UM ESCALAR POR MATRIZ
Considere a matriz


− −
=
3 5 3
1 2 3
A
Podemos efetuar a multiplicação de um escalar por uma matriz. Por exemplo:

=

+

1450 1150 250 4000
100 1050 400 5800
900 650 220 6000
650 650 150 3000
0 350 100 5000
300 250 20 2000
800 500 100 1000
100 700 300 800
600 400 200 4000
9


− −
= −
6 10 6
2 4 6
2A
7. MULTIPLICAÇÃO ENTRE MATRIZES
Suponhamos que a seguinte tabela forneça as quantidades das vitaminas A, B e C obtidas em
cada unidade dos alimentos I e II.
A B C
Alimento I 4 3 0
Alimento II 5 0 1
Na forma de matriz →

=
1 0 5
0 3 4
A
Se ingerirmos cinco unidades do alimento I e duas unidades do alimento II, quanto
consumiremos de cada tipo de vitamina?
Podemos representar o consumo dos alimentos I e II (nesta ordem) pela matriz "consumo" [5 2]
A operação que vai nos fornecer a quantidade ingerida de cada vitamina é o "produto":

| | 2 5 x

1 0 5
0 3 4
= | | 1 . 2 0 . 5 0 . 2 3 . 5 5 . 2 4 . 5 + + + = | | 2 15 30
Isto é, serão ingeridas 30 unidades da vitamina A, 15 de B e 2 de C.
Condição necessária
O número de colunas de A deve ser igual ao número de linhas de B.
A ordem da matriz resultante C
É dada pelo número de linhas de A e pelo número de colunas de B.
A (1, 4) B (4, 1)
Operação de multiplicação
10

Multiplica-se o 1º elemento de A pelo 1º elemento de B, o 2º elemento de A pelo 2º elemento
de B, 3º elemento de A pelo 3º elemento de B, etc. e soma-se os produtos.
Exemplo 1: Sejam as matrizes A
(1,4)
e B
(4,1)
:
| |
4 1
5 2 3 4
x
e
1 4
3
5
4
6
x

A (1,4) x B (4,1) = C(1,1)
Como a número de colunas de A é igual ao número de linhas de B, é possível realizar a
multiplicação.
C = [1 1] = [4.6 + 3.4 + 2.5 + 5.3] = [6 1]
Exemplo 2: Seja uma matriz A de ordem (2,3) e B de ordem (3,4), calcular a matriz produto C:
A (2, 3) e B (3, 4) = C (2,4)
Como a número de colunas de A é igual ao número de linhas de B, é possível realizar a
multiplicação.
Considere:

=
3 5 2
6 2 4
A

=
6 7 2 1
0 1 3 2
1 4 2 5
B
c
11
= 4x5 + 2x2 + 6x1 = 30
c
12
= 4x2 + 2x3 + 6x2 = 26
c
13
= 4x4 + 2x1 + 6x7 = 60
c
14
= 4x1 + 2x0 + 6x6 = 40
c
21
= 2x5 + 5x2 + 3x1 = 23
c
22
= 2x2 + 5x3 + 3x2 = 25
c
23
= 2x4 + 5x1 + 3x7 = 34
c
24
= 2x1 + 5x0 + 3x6 = 20
Portanto, o produto das matrizes A
(2,3)
e B
(3,4)
é a matriz:
11

( )

=
20 34 25 23
40 60 26 30
4 , 2
C
Propriedades da Multiplicação de uma Matriz por Outra
1. Dadas as matrizes A, B, C de ordem (m,n), (n,p) e (p,r), respectivamente, tem-se:
(AB) C = A (BC)
2. Dadas as matrizes A, B, C de ordem (m, n), (m, n) e (n, p), respectivamente, tem-se:
(A+B) C = AC + BC
3. Dadas as matrizes A, B, C de ordem (n, p), (n, p) e (m, n), respectivamente, tem-se:
C (A+B) = CA + CB
4. Dadas as matrizes A e B de ordem (m, n) e (n, p), respectivamente, tem-se para todo
número l:
(l A)B = A (l B) = l (AB)
5. A multiplicação matricial não é, em geral, comutativa.
A x B não é sempre igual B x A
6. Dadas duas matrizes A e B, se o produto delas for a matriz zero [0], não é necessário
que A ou B sejam matrizes zero.
Exemplo:

=

0 0
0 0
0 0
1 1
.
1 0
1 1

Entretanto, se A x B = 0 qualquer que seja B, então A = 0. Do mesmo modo, se A x B=0
qualquer que seja A, então B = 0.

12

Exercícios de Fixação
1) Seja as matrizes
1 1 2
3 2 1


= A
1 0 3
1 0 2 -

= B

=
4
2
1 -
C | | 1 - 2 = D , calcular
a) A + B
b) AC
c) BC
d) CD
e) DA
f) DB
g) 3. A
h) – D
i) D.(2A + 3B)
2) Escreva a matriz quadrada de dimensão 3x3 onde os elementos aij satisfazem a relação
aij = 2i + j

3) Dadas as matrizes | | 1 7 4 − = A | | 2 0 2 − = B e | | 5 5 5 = C

Pede-se:

a) Calcular A + B - C
b) Encontrar a matriz X tal que X + A - B = 0

4) Sendo

=
1 0 0
0 1 0
0 0 1
A e

=
25 4 1
5 2 1
1 1 1
B

a) determinar a matriz X tal que 3X + A - 2B = 0
b) determinar AB
c) determinar 3BA

13

5) Sendo

=
1 3
2 0
A e


=
1 4
4 1
B

Calcular os produtos AB e BA e verificar que eles são diferentes.

6) Determinar a matriz X na equação

2 1 1
0 1 2
1 0 1
. X =

13
4
6


7) Calcular o produto da matriz



0 0 2
1 1 2
1 0 3
x

1 0 1
1 1 0
0 1 2


8) Ache a matriz A do tipo 2 X 3 definida por j i a
ij
4 3 + =

9) Obter a matriz A = (a
ij
)
2x2
definida por a
ij
= 3 i - j.

10) Se A é uma matriz quadrada de ordem 2 e A
t
sua transposta, determine A, tal que A = 2 A
t
.

11) Sobre as sentenças:

I. O produto das matrizes A
3 x 2
. B
2 x 1
é uma matriz 3 x 1.
II. O produto das matrizes A
5 x 4
. B
5 x 2
é uma matriz 4 x 2.
III. O produto das matrizes A
2 x 3
. B
3 x 2
é uma matriz quadrada 2 x 2

É verdade que:

a) somente I é falsa;
b) somente II é falsa;
c) somente III é falsa;
d) somente I e III são falsas;
e) I II e III são falsas

14

12) Calcule

a)
|
|
¹
|

\
|
|
|
¹
|

\
|
2 -
3

4 1 -
3 - 5

b) ( )
|
|
|
¹
|

\
|
3
0
2
5 3 1
c)
|
|
|
¹
|

\
|
|
|
¹
|

\
|
0 4
1 2 -
6 1

2 1 -
5 3

d) ( ) 2 3 0
1
2
3

|
|
|
¹
|

\
|

e)
|
|
¹
|

\
|
|
|
¹
|

\
|
− 3 0
1 - 2

4 1
2 5

f)
|
|
|
¹
|

\
|
|
|
|
¹
|

\
|
2 1 2
2 2 1
1 2 2

1 1 0
0 1 1
0 0 1
13) Dadas as matrizes
4 3
1 1 -
0 2

|
|
|
¹
|

\
|
= A e
|
|
¹
|

\
|
=
0 1 0
3 2 1 -
B , calcule ( ) ( ) B A . B
t t
− + A .
14) Dada a matriz
1 0 0
0 0 1
0 1 2
|
|
|
¹
|

\
| −
, calcule A
2

15) Dados

=
1 5
2 3
A e

=
0 3
1 0
B , calcule AB e BA, mostrando que AB ≠ BA.
16) Calcular o produto da matriz



0 0 2
1 1 2
1 0 3
.

1 0 1
1 1 0
0 1 2


17) Obter a matriz A = (a
ij
)
2x2
definida por a
ij
= 3 i – j.

15


18) Se

=
1 0
2 1
M e

=
1 1
0 2
N , calcular MN – NM.
19) Se a matriz

=
1 0
2 1
M , então calcular a matriz ( )
2
t
A = A
20) São dadas as matrizes ( ) ( )
ij ij
b B e a = = A , quadradas de ordem 2 com a
ij
= 3i + 4j e
b
ij
= -4i – 3j. Se C = A + B, então calcular C
2
.

21) Obter a matriz A = (a
ij
)
2x2
definida por a
ij
= 3 i - j.

22) Na confecção de três modelos de camisas (A, B e C) são usados botões grandes (G) e
pequenos (p). O número de botões por modelos é dado pela tabela:


Camisa A Camisa B Camisa C
Botões p 3 1 3
Botões G 6 5 5


O número de camisas fabricadas, de cada modelo, nos meses de maio e junho, é dado pela
tabela:

Maio Junho
Camisa A 100 50
Camisa B 50 100
Camisa C 50 50

Nestas condições, obter a tabela que dá o total de botões usados em maio e junho.



16

23) Sobre as sentenças:

I. O produto das matrizes A
3 x 2
. B
2 x 1
é uma matriz 3 x 1.
II. O produto das matrizes A
5 x 4
. B
5 x 2
é uma matriz 4 x 2.
III. O produto das matrizes A
2 x 3
. B
3 x 2
é uma matriz quadrada 2 x 2

É verdade que:

a) somente I é falsa;
b) somente II é falsa;
c) somente III é falsa;
d) somente I e III são falsas;
e) I, II e III são falsas.

24) Se A é uma matriz 3 x 4 e B uma matriz n x m, então:

a) existe A + B se, e somente se, n = 4 e m = 3;
b) existe AB se, e somente se, n = 4 e m = 3;
c) existem AB e BA se, e somente se, n = 4 e m = 3;
d) existem, iguais, A + B e B + A se, e somente se, A = B;
e) existem, iguais, AB e BA se, e somente se, A = B.

25) Calcule

a)
|
|
¹
|

\
|

+
|
|
¹
|

\
|
− −

0 1 1
2
1
2 - 4
1 3 2
3 0 1


b)
|
|
|
¹
|

\
|
|
|
|
¹
|

\
| −
1 1 -
5 3 -
2 1
-
0 4
7 2
5 3


17

c)
|
|
|
¹
|

\
|
|
|
|
¹
|

\
|
− 4
2 -
0
-
5
3
1

d)
|
|
¹
|

\
|
+
|
|
¹
|

\
| −
1 - 0
4 - 5

0 3
3 2


26) Sejam as matrizes A = (a
ij
) em que a
ij
= i + 2j, e B = (b
ij
)
3 x 2
em que b
ij
= 1 + i + j.

a) Determine a matriz A + B.
b) Determine a matriz D = A – B

27) Sejam
|
|
¹
|

\
|
=
|
|
¹
|

\
|
=
|
|
¹
|

\
| −
=
0 1 -
3 - 1
C e
2 2 -
1 - 3
B
3 4
1 2
e A . Determine a matriz A + B + C.
28) Resolva as seguintes equações matriciais.

a)
|
|
|
¹
|

\
|
=
|
|
|
¹
|

\
|
+
2 -
3
11

5
1 -
3
X
b)
|
|
¹
|

\
|
=
|
|
¹
|

\
|
3 0
1 - 4

1 4
3 2
- X
29) Determine a matriz X em

=

+

− 4 3
2 - 1
- X
5 0
3 1 -

5 3
4 2


30) Sejam as matrizes A = (a
ij
)
7 x 9
, em que a
ij
= 2i – j e B = (b
ij
)
7 x 9
em que b
ij
= i + j. Seja
C = A + B, em que c
ij
= a
ij
+ b
ij
. Determine os elementos:

a) C
21

b) C
63

31) Resolva

o sistema matricial
¦
¦
¦
¦
¹
¦
¦
¦
¦
´
¦
|
|
|
¹
|

\
|
+
|
|
|
¹
|

\
|
=
|
|
|
¹
|

\
|
+
|
|
|
¹
|

\
|
= +
6 -
1
1

3
1 -
0
Y - X
3
1 -
2

5
4
3
Y X

18

32) Resolva o sistema matricial
¦
¦
¹
¦
¦
´
¦
|
|
¹
|

\
|
|
|
¹
|

\
|
=
|
|
¹
|

\
|
+
|
|
¹
|

\
|

=
|
|
¹
|

\
|
+ +

1 2
2 - 2
-
0 4
3 - 6
Y -
4
2
3
2 0

1
2
1
0 4

1 1
1 1
Y
X
X



Respostas dos exercícios

1)
a) A + B =
|
|
¹
|

\
|


2 1 5
4 2 1

b) AC =
|
|
¹
|

\
|
0
15

c) BC =
|
|
¹
|

\
|
1
6

d) CD =
|
|
|
¹
|

\
|



4 8
2 4
1 2

e) DA = ( ) 5 5 0
f) DB= ( ) 1 0 7 −
g) 3A =
|
|
¹
|

\
|
− 3 3 6
9 6 3

h) – D = ( ) 1 2 −
i) ( ) 13 10 21 −
2) A =
|
|
|
¹
|

\
|
9 8 7
7 6 5
5 4 3

3)
a) A + B – C = ( ) 4 2 3 − −
b) X + A – B = ( ) 3 7 6 − −
4)
19
a) 3X + A - 2B =
|
|
|
|
|
|
¹
|

\
|
3
49
3
8
3
2
3
10
1
3
2
3
2
3
2
3
1

b) AB =
|
|
|
¹
|

\
|
25 4 1
5 2 1
1 1 1


|
|
|
¹
|

\
|
=
75 12 3
15 6 3
3 3 3
3 ) BA c

5) AB =
|
|
¹
|

\
| −
11 7
2 8

BA =
|
|
¹
|

\
|
− 7 3
6 12


6) a = 1, b = 2, c = 5
7)
|
|
|
¹
|

\
|
− − 0 2 4
0 1 3
1 3 7

8)
|
|
¹
|

\
|
18 14 10
15 11 7

9)
|
|
¹
|

\
|
4 5
1 2


10)
|
|
¹
|

\
|
d b
c a
2 2
2 2

11) b

12)

a)
|
|
¹
|

\
|
−11
21

b) (17)
c) { }
d)
|
|
|
¹
|

\
|



2 3 0
4 6 0
6 9 0

20
|
|
¹
|

\
|
− 13 1
1 10
) e
f)
|
|
|
¹
|

\
|
4 3 3
3 4 3
1 2 1


13)
|
|
|
¹
|

\
|



16 12 6
8 6 3
0 3 3

14)
|
|
|
¹
|

\
|


1 0 0
0 1 2
0 2 3


15) a)
|
|
¹
|

\
|
|
|
¹
|

\
|
6 9
1 5
b)
5 3
3 6



16)
|
|
|
¹
|

\
|
− − 0 2 4
0 1 3
1 3 7


|
|
¹
|

\
|
4 5
1 2
) 17

|
|
¹
|

\
|


2 0
2 4
) 18

19) a = 2a ; b= 2c ; c = 2b ; d = 2d

|
|
¹
|

\
|
0 1
1 0
) 20

|
|
¹
|

\
|
4 5
1 2
) 21

22)
Maio Junho
Botões p 500 400
Botões G 1100 1050





21
23) b

24) a é falsa

25)

|
|
¹
|

\
|
− − 1 4 3
2
5
- 2 - 5
) a

|
|
|
¹
|

\
|
1 - 5
2 5
7 - 2
) b

|
|
|
¹
|

\
|
9 -
5
1
) c

|
|
¹
|

\
|


1 3
7 7
) d

26)

|
|
|
¹
|

\
|
13 10
11 8
9 6
) a

|
|
|
¹
|

\
|
1 0
1 0
1 0
) b

|
|
¹
|

\
| −
5 1
5 7
) 27

28)
|
|
¹
|

\
|
14 0
5 2
) a

|
|
¹
|

\
|
4 4
2 6
) b

|
|
¹
|

\
|
14 0
5 2
) 29

30) C
21
= 6
C
63
= 18

22
31)
|
|
|
|
|
|
¹
|

\
|
2
1
-
2
3
-
2 -
) a

|
|
|
|
¹
|

\
|
− −

2
7
2
1
1
2
1
) b


MATRIZ INVERSA

A matriz quadrada M, de ordem n, admite inversa se, e somente se, det M ≠ 0. Neste caso a
matriz M é chamada INVERSÍVEL. A sua inversa, que também é quadrada de ordem n e é
representada por M
-1
, além de existir, é única e é definida por:




Demonstra-se que: "Se A e B forem duas matrizes quadradas de ordem n, tais que A . B = I
n
,
então, necessariamente, B . A = I
n
e, portanto, A . B = B . A = I
n
." Por este motivo, apesar da
exigência da definição, A . B = I
n
é condição suficiente para A e B serem inversas uma da
outra.

Simbolicamente:



Exemplo:

A matriz inversa de

3 11
1 4
, por exemplo, é do tipo

d c
b a
, e da definição decorre que:

3 11
1 4

d c
b a
= ⇔

=

+ +
+ +

1 0
0 1
3 11 3 11
4 4
1 0
0 1
d b c a
d b c a


A x A
-1
= I
23


¹
´
¦
= +
= +
0 3 11
1 4
c a
c a
e
¹
´
¦
= +
= +
1 3 11
0 4
d b
d b

¹
´
¦
− =
=
11
3
c
a
e
¹
´
¦
=
− =
4
1
d
b


M=

3 11
1 4
⇒ =
−1
M



4 11
1 3



Assim sendo o processo apresentado, embora simples e claro por utilizar apenas a definição, é
muito trabalhoso, pois depende de um modo geral, da resolução de n sistemas e de n
equações a n incógnitas.

1) Obter a matriz inversa da matriz

=
1 2
1 3
A , se existir.

Supondo que

=
d c
b a
B é a matriz inversa da matriz A, temos:

=
1 2
1 3
AxB

d c
b a
=

1 0
0 1


Assim:

¹
´
¦
= +
= +
0 3 2
1 3
c a
c a
e
¹
´
¦
= +
= +
1 2
0 3
d b
d b


Resolvendo os sistemas: a = 1 b = –1 c = –2 e d = 3

Logo:



=
3 2
1 1
B



Calculando:

24



=
3 2
1 1
BxA

1 2
1 3
=

1 0
0 1


Portanto a matriz A é inversível e sua inversa é a matriz:


|
|
¹
|

\
|


= =

3 2
1 1
1
A B
Propriedades da matriz inversa
Considerando-se A uma matriz inversível, possui as seguintes propriedades:
I - A matriz inversa é única. Esta propriedade é decorrente do conjunto das matrizes quadradas
n x n com a operação binária de multiplicação de matrizes formar um monóide.
II - A matriz inversa de uma matriz inversível é também inversível, sendo que a inversa da
inversa de uma matriz é igual à própria matriz.
III - A matriz transposta de uma matriz inversível é também inversível, e a inversa da transposta
é a transporta da inversa:
IV - O produto de uma matriz inversível por sua transposta é também inversível.
V - O inverso de uma matriz multiplicada por um número (diferente de zero) é igual à matriz
inversa multiplicada pelo inverso desse número.
VI - O inverso do produto de matrizes inversível é igual ao produto das inversas dessas matrizes
com a ordem trocada.
VII - O determinante de uma matriz inversível é diferente de zero.

Exercícios

1) Verifique se
|
|
|
|
¹
|

\
| −
5
1
5
1
5
2
5
3
é a matriz inversa de
|
|
¹
|

\
|
− 3 1
2 1
.
2) Determine, se existir, a matriz inversa da matriz
|
|
¹
|

\
|

1 4
2
1
2
.
3) Seja a matriz
|
|
¹
|

\
|
=
4 3
2 1 -
A , Determine 10. A
-1
.
25
4) Sejam as matrizes
|
|
¹
|

\
|
=
1 1
2 3
A e
|
|
¹
|

\
|
=
4 3 -
1 0
B , determine:
a) A + A
-1

b) (A
-1
)
2
+ A
-1


5) Determine a matriz inversa, se existir, da matriz
|
|
¹
|

\
|
=
2 - 1 -
4 2
A
6) A inversa de
|
|
¹
|

\
|
=
x 2 -
3 - y
A é a matriz
|
|
¹
|

\
|
1 5 - x
4 - x x
. Determine x e y.
7) Determine a matriz inversa de

=
3 0 1
0 2 - 0
0 0 1
X .
8) Determine a inversa de

=
1 0 0
1 - 1 0
0 1 - 1
X
9) Usando a definição de matriz inversa, resolva a equação A. X = B, se
|
|
¹
|

\
|
=
2 1 -
0 1
A
|
|
¹
|

\
|
=
1 2
4 - 3
B
10) Determine a matriz inversa
a)
|
|
¹
|

\
|
=
2 1
1 0
A
b)
|
|
¹
|

\
|
=
5 7
2 3
A
c)
|
|
¹
|

\
|
=
2 3
3 5
A
d)
|
|
¹
|

\
|
=
5 3
1 - 2
A
11) Dada a matriz
|
|
¹
|

\
|
=
1 - 1
1 - 2
A , escreva a matriz B, tal que A . B = I.
R.
|
|
¹
|

\
|
=
2 - 1
1 - 1
A

26

12) Se
|
|
¹
|

\
|
=
1 2
2 1
A e
|
|
¹
|

\
|
=
2 0
1 3
B , determine X = (A . B
-1
)
t
.
R.
|
|
|
|
¹
|

\
|
=
6
1
6
5
3
2
3
1
X





























27
LISTA DE EXERCICIOS EXTRAS

1.) Construa as matrizes:
a) A = (a
ij
)
3x2
tal que a
ij
= (i – j)
3
.
b) B = (b
ij
)
4x2
tal que b
ij
=
i j se i j
i j se i j
+ ≤
− >
¦
´
¹
,
,
.
2.) Achar os elementos das diagonais principal e secundária da matriz A=(a
ij
)
3x3
nos casos
abaixo:
a) a
ij
= 3i – j
b) a
ij
= 5i
2
– 2j
3.) Calcule a soma dos elementos da 2ª coluna da matriz A = (a
ij
)
2x3
, em que a
ij
= 2i + j – 1.
4.) Determine a soma dos elementos da diagonal principal com os elementos da diagonal
secundária da matriz A de ordem 4 em que a
ij
= i – j.
5.) Sendo A=

2 8 4
3 7 3
5 6 2
9 5 1
. Determine A
t
.
6.) Sendo A=

− 7 22
15 11
. Determine A
t
e (A
t
)
t
. Que conclusão você chegou?
7.) Qual a matriz transposta da matriz quadrada A = (a
ij
) de ordem 2 com a
ij
=i
3
+2 ?
8.) Determine x e y para que as matrizes A e B sejam iguais:
a A
x x
y y
e B
b A
x
x
x
e B
)
)
=

=

= −
+

=

2
2
2
1 1
2 4
1
1
4
1
1

9.) Determine x, y, z para que a matriz


− =
3 z y
4 7 2
5 x 1
A seja simétrica.

Obs: chama-se matriz simétrica toda matriz quadrada A, de ordem n, tal que A
t
= A.
28
10.) Dadas A=

2 4
6 5
e B=


4 5
1 0
, calcule A + B e A - B.
11.) Dadas A=

11 9 3
7 5 1
, B=

12 10 8
6 4 2
e C=

− −
7 4 1
5 1 0
. Calcule:
a) A + B + C
b) A – B + C
c) A – B – C
d) –A + B – C
12.) Seja C= (c
ij
)
2x3
a soma das matrizes A=

5 4 3
2 1 0
e B=

11 10 9
8 7 6
. Calcule a soma c
21
+
c
22
+ c
23.


13.) Sendo A= (a
ij
)
1x3
tal que a
ij
= 2i - j e B= (b
ij
)
1x3
tal que b
ij
= -i + j + 1, calcule A + B.
14.) Dadas as matrizes:
A=

3 2
2 1
; B=

6 7
5 0
; C=



2 5
7 1
determine a matriz X tal que X + A = B - C.

15.) Calcule as matrizes 2A;
3
1
B e
2
1
(A+B) sendo dadas: A=

7 5
1 1
e B=

3 9
6 0
.
16.) São dadas as matrizes:
A=
|
|
¹
|

\
| −
8 2 6
2 4 0
; B=
|
|
¹
|

\
|


0 6 12
9 6 3
e C=
|
|
¹
|

\
|


2 1 1
0 1 0

Calcule:
a) 2

A – B + 3C
b)
2
1
A – (
3
1
B + C)
c) 3B – 4C + 2A

17.) Determine, em cada caso, a matriz X:
a) X =
t
2 7 1
5 2 1



b) X
t
3 2
0 0
1 5
2 1

=

+
29
Obs: se ocorrer AB=BA, dizemos que as matrizes A e B comutam.
c) 2X =
t
4 3 2
1 1 1

d)

=
2 7
4 1
7 2
1 1
X 3
t


18.) Responda:
a) Se A é do tipo 3x2 e B é do tipo 2x2 então AB é do tipo _______.
b) Se A é do tipo 5x3 e B é do tipo 3x1 então AB é do tipo _______.
c) Se A é do tipo 3x4 e B é do tipo 2x5 então AB _______.

19.) Se A=
|
|
¹
|

\
|
− 1 2
3 2
e B=
|
|
¹
|

\
|
1 2
0 1
. Calcule AB e BA. Agora responda: AB=BA?

20.) Se A=
|
|
¹
|

\
|
0 3
2 1
e B=
|
|
¹
|

\
|
5 3
2 6
. Calcule AB e BA. Agora responda: AB=BA?


21.) Calcule AB onde A=
|
|
¹
|

\
|
0 1
0 2
e B=
|
|
¹
|

\
|
0 3
0 0
.
22.) Calcule: a)
|
|
¹
|

\
|


4 1
3 5

|
|
¹
|

\
|
− 2
3

b)
|
|
|
¹
|

\
|
1 1 0
0 1 1
0 0 1

|
|
|
¹
|

\
|
2 1 2
2 2 1
1 2 2


23.) Sabendo que M=

1 0
2 1
e N=

1 1
0 2
, calcule MN - NM.

24.) Sendo A=



2 1 0
1 2 1
e B=


0 1
1 2
determine A
t
.B.

25.) Dadas


=
3 2 1 3
0 0 2 1
A e


=
0 1
1 2
B , determine:
a) ( )
t
B A⋅
30
b)
t
B A⋅
c) B A
t


26.) Sendo A=

1 0
1 1
, calcule A
2
= (A.A)

, A
3
= (A
2
.A), A
4
=(A
3
.A). Tente perceber como se
comportam as matrizes produtos e deduza a matriz A
n
(n≥1).

27.) Se A=

− 3 4
2 1
, determine A
2
+ 2A – 11.I
2
(onde I
2
é a matriz identidade de ordem 2).

28.) Determine a matriz inversa de cada matriz:
a) A=
|
|
¹
|

\
|
2 3
3 5

b) B=
|
|
¹
|

\
|
5 2
8 3


29.) Qual é a matriz inversa da matriz A=

8 4
2 1
?
30.) Calcule os determinantes das seguintes matrizes:

a) A= | | 5


b) B=

− −
2
1
2
2 3



c) C=


3 2
4 6




Obs: se os elementos de uma linha ou coluna qualquer de uma matriz A de ordem n
forem todos nulos, então detA=0.
31
Respostas
1.) a)


=
1 8
0 1
1 0
A b)

=
2 3
1 2
4 1
3 2
B

2.) a) Diagonal principal: 2; 4; 6.
Diagonal secundária: 0; 4; 8.
b) Diagonal principal: 3; 16; 39.
Diagonal secundária: -1; 16; 43.

3.) 8

4.) 0

5.)

=
2 3 5 9
8 7 6 5
4 3 2 1
A
t


6.) ( ) A A
t
t
=

7.)

=
10 3
10 3
A
t


8.) a) x = 1 e y = -2
b) não existe igualdade.

9.) x = 2; y = 5; z = -4

10.)

= +
6 9
5 5
B A

− −
= −
2 1
7 5
B A

32
11.)

= + +
30 23 12
8 8 3
C B A ) a


− −
= + −
6 3 4
4 0 1
C B A ) b

− − −

= − −
8 5 6
6 2 1
C B A ) c

− −
= − + −
6 3 4
4 0 1
C B A ) d

12.) 42

13.) [ 2 2 2 ]

14.)


=
5 0
4 0
X

15.)

= +

=

=
5 7
2
7
2
1
) B A (
2
1
1 3
2 0
B
3
1
14 10
2 2
A 2

16.) a)



6 3 3
0 3 0



2 4 2
4 1 1
) b



8 10 44
23 30 9
) c

17.) a)


=
2 5
7 2
1 1
X
b)



=
2 5
0 1
X
c)

=
2
1
X
2
1
2
3
2
1
2
1

33
d)



=
3
5
3
5
1
0
X

18.) a) 3x2 b) 5x1 c) não existe

19.)

=

=
7 2
3 2
BA e
1 0
3 8
AB

20.)

= =
6 18
12 12
BA AB

21.)

0 0
0 0


22.) a)

−11
21

4 3 3
3 4 3
1 2 2
) b

23.)



2 0
2 2


24.)



1 0
2 3
1 2


25.) a) não existe
b) não existe
c)



0 3
0 2
2 3
1 5


34
26.)

=

=

=

=
1 0
n 1
A ;
1 0
4 1
A ;
1 0
3 1
A ;
1 0
2 1
A
n 4 3 2


27.)

0 0
0 0


28.) a)




3 2
8 5
) b
5 3
3 2


29.) A não é inversível

30.) 26 )
2
5
) 5 ) c b a




35
DETERMINANTES
Como as matrizes tratadas neste estudo são quadradas, faz-se necessário identificar tais
matrizes. Uma matriz quadrada A de ordem n será denotada por A=[a
ij
] onde os índices
i=1,2,...,n indicam as linhas e os índices j=1,2,...,n indicam as colunas da matriz. O elemento da
linha i e da coluna j da matriz A será indicado por a
ij
.
O determinante de ordem 1 é indicado pelo próprio numero.
Exemplo:
Se A = 2, então o det. 2 2 = .
O determinante de ordem e é indicado pela igualdade da diferença entre o produto da diagonal
Exemplo:
( ) ( ) 8 6 - 14 3 x 2 e 7 x 2
7 2
3 2
= = = = A
O determinante de ordem 3 é definido por:











Exemplos :

A = 3 − , portanto det (A) = 3 − não é módulo de - 3.


B =
|
|
¹
|

\
|
− 0 3
5 2
, portanto det. (B) =
0 3
5 2

.

36

C =



5 4 0 0
2 1 5 6
7 8 0 4
2 3 9 1
, portanto det. (C) =
5 4 0 0
2 1 5 6
7 8 0 4
2 3 9 1


.

CÁLCULO DO DETERMINANTE

1 ) Primeira ordem → n = 1

A
1
=
11
a ∴ det. (A
1
) =
11
a
= a
11.

Exemplos:

A = 8 ∴ det. (A) =
8
= 8 (Não é módulo de 8)
B = 5 − −− − ∴ det. (B) =
5 − −− −
= - 5 (Não é módulo de -5)

2) Segunda ordem → n = 2

A
2
=
| || |
| || |
¹ ¹¹ ¹
| || |


\ \\ \
| || |
22 21
12 11
a a
a a
∴ det (A
2
) = ( a
11
. a
22
) - ( a
12
. a
21
).

Exemplo :

C =
| || |
| || |
¹ ¹¹ ¹
| || |


\ \\ \
| || |
− −− −
− −− −
4 3
2 1
∴ det (C) = = ( -1. 4 ) – [ 2. (-3) ] = - 4 + 6 ⇒ det (C) = 2

3 ) Terceira ordem → n = 3 (Regra de Sarrus)

A
3
=










33 32 31
23 22 21
13 12 11
a a a
a a a
a a a
∴ det (A
3
) =

32 31
22 21
12 11
33 32 31
23 22 21
13 12 11
a a
a a
a a
a a a
a a a
a a a



Manter Inverter
Manter
sinal
Inverter
sinal
37

A partir deste ponto, o processo é análogo ao da resolução do determinante de segunda ordem.

Exemplo :
D =










− −− −
− −− −
2 0 3
3 4 2
5 3 1
∴ det (D) =
0 3
4 2
3 1
2 0 3
3 4 2
5 3 1
− −− − − −− −
− −− −
= 8 - 27 + 0 – 60 - 0 - 12 ⇒



⇒ det (D) = - 91

3) Ordem maior ou igual a quatro → n ≥ 4 (Regra, ou teorema de Laplace)

Podemos aplicar a regra (ou teorema) de Lalace para o cálculo de determinantes de ordem n
≥ 2, porém, na prática, a utilizaremos quando o determinante for de ordem n ≥ 4.
Vamos aqui, tomar um exemplo numérico e a,partir dele extrair os elementos necessários para o
cálculo de um determinante de ordem 4, tal procedimento será estendido para qualquer
determinante em que se possa aplicar “Laplace”.

Exemplo :

Seja a matriz A =












− −− −
− −− −
1 3 0 4
2 0 1 3
3 1 2 4
0 2 3 1
, calcule det (A) =
1 3 0 4
2 0 1 3
3 1 2 4
0 2 3 1
− −− −
− −− −
.

Resolução: Usando “Laplace”, primeiramente vamos escolher uma fila (Linha ou coluna) do
determinante, como sendo a base para nossos cálculos. Esta escolha é arbitrária, porém mais
adiante daremos uma sugestão, para facilitarmos os cálculos.

Escolhendo, por exemplo, a segunda linha temos:

Manter
sinal
Inverter
sinal
38
det (A) =
24 23 22 21
A . 3 A . 1 A . 2 A . 4
1 3 0 4
2 0 1 3
3 1 2 4
0 2 3 1
+ ++ + + ++ + + ++ + = == =
− −− −
− −− −


Onde A
21
, A
22
, A
23
e A
21
são chamados de cofatores dos respectivos elementos.
Genericamente podemos indicar como cofator de a
ij
como sendo:




onde D
ij
é o determinante que se obtém ao eliminarmos a linha i e a coluna j referente ao
elemento do qual estamos calculando o cofator.

No nosso caso, os elemento envolvidos, referentes à segunda linha, são a
21
, a
22
, a
23
e a
24
, então
temos :


• A
21
= (-1)
2+1
. D
21
= (-1)
3
.
1 3 0
2 0 1
0 2 3
1 3 0
2 0 1
0 2 3 − −− −
− −− − = == =
− −− −
= - ( -16) ⇒ A
21
= 16

• A
22
= (-1)
2+2
. D
21
= (-1)
4
.
1 3 4
2 0 3
0 2 1
1 3 4
2 0 3
0 2 1
− −− −
− −− −
= == =
− −− −
− −− −
= 16 ⇒ A
22
= 16

• A
23
= (-1)
2+3
. D
23
= (-1)
5
.
1 0 4
2 1 3
0 3 1
1 0 4
2 1 3
0 3 1
− −− −
− −− − = == =
− −− −
= - ( -32) ⇒ A
23
= 32


• A
24
= (-1)
2+4
. D
24
= (-1)
6
.
1 0 4
2 1 3
0 3 1
3 0 4
0 1 3
2 3 1
− −− −
= == =
− −− −
− −− −
= - 32 ⇒ A
24
= -32

A
ij
= (-1)
i+j
. D
ij

39
d) D=

1 1 0
0 1 0
0 1 1


e) E=

− −
1 5 2
2 0 1
2 3 1


f) F=


6 1 0
2 4 0
3 5 0


Voltando ao determinante principal...

det. (A) =
24 23 22 21
A . 3 A . 1 A . 2 A . 4
1 3 0 4
2 0 1 3
3 1 2 4
0 2 3 1
+ ++ + + ++ + + ++ + = == =
− −− −
− −− −


Substituindo os cofatores, temos :

det. (A) = ) 32 .( 3 ) 32 .( 1 ) 16 .( 2 ) 16 .( 4 − + + +

Det. (A) = 64 + 32 + 32 – 96


Finalmente...

Exercícios

1) Calcule os determinantes das seguintes matrizes:

a) A= | | 5
b) B=

− −
2
1
2
2 3

c) C=


3 2
4 6












det (A) = 32

40
d)
2 1 3
x 4 2
1 4 2
=0

e)
1 x 1
x 1 1
1 x 1

− =0

f)
x 3 1
4 x 2
2 x 1
− −
− − =0

2) Seja A= (a
ij
) uma matriz quadrada de 2ª ordem, tal que a
ij
= i
2
+ i . j. Calcule det A.

3) Sendo A=
|
|
¹
|

\
|
2 0
3 1
e B=
|
|
¹
|

\
| −
0 2
3 1
.
Calcule det(A), det(B) e o det(AB). Responda: det(AB) = det(A) . det(B)?

4) Dadas A=

2 2
3 1
e B=

3 1 1
1 2 2
1 3 1
, calcule | | ) A det(
2
- 2 det (B).

5) Resolva as equações:
a)
7 5
2 x x +
=0

b)
5 1 x
2 3 x

+
=0

c)
1 x 3 5 x 4
2 x x 2
− +

=11


6) Calcule os determinantes:
3 2 1 3
5 1 2 0
2 0 3 1
1 3 2 4
) c
1 1 1 1
1 1 1 1
1 1 1 1
1 1 1 1
) b
1 2 3 1
1 2 5 1
4 1 3 4
1 3 1 2
) a
− −


− −
− − −
− −
− −
− −

41

7) Resolva 16
2 0 0 0
3 x 0 2
2 1 x 1
0 0 0 x
=
8) Calcule cada um dos determinantes a seguir, utilizando a regra de Sarrus.

3 2 5
) 4 1 3
2 3 4
a






0 3 0
) 2 3 1
4 2 5
b







9) Na equação a seguir, envolvendo determinantes, encontre os valores reais de x.

2 1 0 0 1
0 1 3 1 3 0 14
0 0 2 2
x
x
x x


− + =





10) Dadas as matrizes
2 1
2 2
0 1
A


= −



e
1 2 3
2 1 1
B

=


, e sendo N = 50 + det. ( A.B), encontre o
valor de N.

11) Dadas as matrizes
1 3
2 4
A

=


e
1 2
3 1
B

=


, calcular o determinante da matriz A . B


12) Se A = ( aij ) é matriz quadrada de ordem 3 tal que aij = i - j então podemos afirmar que o
determinante da matriz 5 A é igual a:

a) 12 b) 56 c) 0 d) 32 e) 2

13) Determine a soma dos elementos da diagonal principal da matriz A = ( aij )
3 X 3
, onde aij = i +
j se i ≥ j ou aij = i - j se i < j. Qual o determinante de A?
42
g)
2 1 3
x 4 2
1 4 2
=0

h)
1 x 1
x 1 1
1 x 1

− =0

i)
x 3 1
4 x 2
2 x 1
− −
− − =0


14) Seja A= (a
ij
) uma matriz quadrada de 2ª ordem, tal que a
ij
= i
2
+ i . j. Calcule det A.
15) Sendo A=
|
|
¹
|

\
|
2 0
3 1
e B=
|
|
¹
|

\
| −
0 2
3 1
.
Calcule det(A), det(B) e o det(AB). Responda: det (AB) = det(A) . det (B)?

16) Dadas A=

2 2
3 1
e B=

3 1 1
1 2 2
1 3 1
, calcule | | ) A det(
2
-2 det (B).

17) Resolva as equações:
b)
7 5
2 x x +
=0

d)
5 1 x
2 3 x

+
=0
e)
1 x 3 5 x 4
2 x x 2
− +

=11












18) Calcule os determinantes:
43
3 2 1 3
5 1 2 0
2 0 3 1
1 3 2 4
) c
1 1 1 1
1 1 1 1
1 1 1 1
1 1 1 1
) b
1 2 3 1
1 2 5 1
4 1 3 4
1 3 1 2
) a
− −


− −
− − −
− −
− −
− −


11) Resolva 16
2 0 0 0
3 x 0 2
2 1 x 1
0 0 0 x
=
19) Sejam as Matrizes:

A =
|
|
|
¹
|

\
|

4 0 1
3 1 2
2 2 2
, B =
|
|
|
¹
|

\
|
−1 9 6
5 0 3
3 3 3
e C =
|
|
|
¹
|

\
|

1 8 7
0 1 5
4 4 4



Encontre o determinante da equação det A – det 6B – det 2C

20) Calcular os determinantes.




21) Calcular os determinantes.


44
22) Calcular o valor de x.


23) Calcule o valor de x


24) Encontre o determinante de cada matriz.

a)
0 1 4 0
3 1 2 1
5 3 4 0
2 1 3 2


b)
1 4 0 2
1 6 4 3
4 1 2 1
3 0 0 0


c)
1 0 0 0
1 0 0 0
4 1 2 0
3 1 9 8



25) Determine o conjunto verdade da equação. 6
2 6 4 2
4 2 1
1 1
0 0 0 2
=



x
x x


26) Sabendo que 1470
4 3 2 7
8 5 5 2
2 1 6 7
11 4 3 2
− =
− −


, calcule os determinantes das seguintes matrizes.
27) Resolva as equações:

a)
0
2
1 0 1
1 0 0
0 1 1
1 0 0
2
x
x
x
x
x
x
= b) 0
2 3
1 2 3
=
− + x x
c) 12
2 1 3
1 2 1
2
=
x x


28) (ITA-2006) Sejam as matrizes



− −

=
0 2 / 3 1 5
1 2 1 1
3 2 5 2
1 2 / 1 0 1
A e



− −

=
5 2 / 1 1 5
1 1 1 1
3 2 2 1
1 2 / 1 3 1
B .
Determine o elemento c
34
da matriz ) ( B A C + = .

45
29) (UEL-PR) Uma matriz quadrada A é simétrica se A = A
T
. Assim se a matriz
|
|
|
¹
|

\
|


=
2 3 4
1 0
2 1 2
z x
y
A é simétrica, calcule x + y + z.



RESPOSTAS DOS EXERCICIOS

1) 0 ) f 9 ) e 1 ) d 26 ) c
2
5
) b 5 ) a −
2) -2

3) det(A) = 2; det(B) = -6; det(AB) = -12

4) 36

5) a) 5
b)
3
17

c)
2
1
; 1 −
d) 1
e) 0; 1
f) 0; -2

6) a) -180
b) -8
c) 4

7) x = 2


20)
a) 1
b) - 9
c) -40
46

21)
a) 121
b) b(a
2
– c
2
)
c) 4m + 8n -26

22)
a) x =
2
1

b) x = 0 ou x = -2
c) x =
2
3 ±

24) Encontre o determinante de cada matriz.

a)
0 1 4 0
3 1 2 1
5 3 4 0
2 1 3 2


b)
1 4 0 2
1 6 4 3
4 1 2 1
3 0 0 0


c)
1 0 0 0
1 0 0 0
4 1 2 0
3 1 9 8



Solução.

Aplicando Laplace é interessante escolher a linha ou coluna que possui mais zeros. Assim
elimina-se alguns cofatores.
a) A 1ª coluna ou a 4ª linha apresentam dois elementos nulos. Escolhendo a 1ª coluna, vem:
119 3 116 ] 35 32 )[ 1 ( ] 48 10 )[ 2 ( )] 7 )( 5 ( ) 16 )( 2 )[( 1 ( )] 16 )( 3 ( ) 2 )( 5 )[( 2 (
1 4
1 3
). 5 (
1 4
3 4
) 2 ( ) 1 (
1 4
3 4
). 3 (
1 4
1 2
). 5 ( ) 2 (
0 1 4
5 3 4
2 1 3
). 1 (
0 1 4
3 1 2
5 3 4
). 2 (
0 1 4 0
3 1 2 1
5 3 4 0
2 1 3 2
− = − − = − + − − = − + + − + − =
=
|
|
¹
|

\
| −
− +

+
|
|
¹
|

\
| −
− =
= −

+

=



OBS: Repare que no determinante 3 x 3 foram escolhidos nas 2ª colunas os elementos a
13
e a
23
.

b) A 3ª linha possui somente um elemento não nulo.
47
72 ] 24 ).[ 3 ( )] 6 ).( 4 ( ) 0 ).( 2 )[( 3 (
4 2
1 1
). 4 (
4 2
6 3
). 2 ( ). 3 (
4 0 2
6 4 3
1 2 1
). 3 (
1 4 0 2
1 6 4 3
4 1 2 1
3 0 0 0
= − − = − + − − =
=
|
|
¹
|

\
| −
+ − − =

− =



OBS: Repare que no determinante 3 x 3 foram escolhidos na 2ª coluna os elementos a
12
e a
22
.

c) O determinante de uma matriz triangular é o produto dos elementos da diagonal. Como um
desses elementos é zero, o determinante é nulo.

0 ) 1 ).( 0 ).( 2 ).( 8 (
1 0 0 0
1 0 0 0
4 1 2 0
3 1 9 8
= =



25) Determine o conjunto verdade das equações.

Solução.
a) Aplicando Laplace na linha 1, temos:


6
1
6
2 3
3 2 6 6 ] 2 14 20 ).[ 2 ( 6 )] 2 ).( 1 ( ) 14 ).( ( ) 20 ).( ).[( 2 (
6
6 4
2 1
). 1 (
2 4
4 1
). (
2 6
4 2
). ( ). 2 ( 6
2 6 4 2
4 2 1
1 1
0 0 0 2
=

= ⇒ = + ⇒ = + − ⇒ = − − + − + ⇒
⇒ =
|
|
¹
|

\
|
− +





⇒ =



x x x x x x
x x
x
x x


b) Aplicando Laplace na coluna 1, temos:

11
39
39 11 39 12 39 )] 6 ).( 2 ( ) ).( 1 ).[( 1 (
39
4
2
). 2 (
1
0
). 1 ( ). 1 ( 39
1 4
0 2
0 2 1
). 1 ( 39
1 0 4
2 1 3
0 0 2
0 2 0 1
− = ⇒ = − ⇒ = − ⇒ − = − + − ⇒
− =
|
|
¹
|

\
| −


− ⇒ − = − − ⇒ − =


x x x x x x
x
x
x
x
x
x
x
x
x



48
26) Sabendo que 1470
4 3 2 7
8 5 5 2
2 1 6 7
11 4 3 2
− =
− −


, calcule os determinantes das seguintes matrizes.
Solução.
Observando que os elementos se assemelham à matriz original, é possível aplicar as
propriedades dos determinantes.

a) =


− −
11 4 3 2
8 5 5 2
2 1 6 7
4 3 2 7
1470 b) =



4 14 2 7
8 4 5 2
2 14 6 7
11 4 3 2
0 c) =
− −


4 6 2 7
8 10 5 2
2 2 6 7
11 8 3 2
– 2940

27) Resolva as equações:

a)
0
2
1 0 1
1 0 0
0 1 1
1 0 0
2
x
x
x
x
x
x
= b) 0
2 3
1 2 3
=
− + x x
c) 12
2 1 3
1 2 1
2
=
x x


Solução.

O procedimento será encontrar determinantes por qualquer método e igualar ao valor do 2º
membro. Nos casos acima de 2 x 2, será utilizado o método de Laplace.
a) Laplace na 1ª linha
b) Det 2 x 2 natural.
c) Laplace na 1ª linha.
a) ( ) ( )
¦
¹
¦
´
¦
=
=
⇒ = + − − ⇒ = − − ⇒ − = − − − − ⇒
⇒ − = + − + − − ⇒ − = + − + − + − ⇒
⇒ − = − ⇒ =
2
1
0
0 ) 1 2 ( 0 2
] ).[ 1 ( ] ).[ ( ) ).( 1 ( ) ).( 1 ( ). 1 ( ) ).( 1 ( ) ).( ( ). (
) ).( ( ) 0 ).( 2 (
0 1
0 0
1 1
). 1 (
1 0
1 0
0 1
). (
0
2
1 0 1
1 0 0
0 1 1
1 0 0
2 3 2 2 3
3 2 2 3 2
2
2
x
x
x x x x x x x x x
x x x x x x x x x x x x x
x x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x


49
b)
4
9
9 4 0 3 6 6 2 0 ) 1 2 ( 3 ) 3 ( 2 0
2 3
1 2 3
= ⇒ − = − ⇒ = + − + ⇒ = − − + ⇒ =
− +
x x x x x x
x x


c)
2
3
4
6
6 4 12 5 6 12 ) 5 ).( ( ) 1 )( ( ) 3 ).( 2 ( 12
2 1 3
1 2 1
2
− ≡ − = ⇒ = − ⇒ = − + ⇒ = − + − − ⇒ = x x x x x x
x x


28) (ITA-2006) Sejam as matrizes



− −

=
0 2 / 3 1 5
1 2 1 1
3 2 5 2
1 2 / 1 0 1
A e



− −

=
5 2 / 1 1 5
1 1 1 1
3 2 2 1
1 2 / 1 3 1
B .
Determine o elemento c
34
da matriz ) ( B A C + = .
Solução.

Repare que não é preciso resolver toda a soma dos elementos. A informação que interessa é
somente o elemento c
34
. Como a soma relaciona elemento a elemento correspondente a sua
posição, temos que: c
34
= a
34
+ b
34
= 1 + 1 = 2.

27) (UEL-PR) Uma matriz quadrada A é simétrica se A = A
T
. Assim se a matriz
|
|
|
¹
|

\
|


=
2 3 4
1 0
2 1 2
z x
y
A é simétrica, calcule x + y + z.

Solução. A matriz
|
|
|
¹
|

\
|

− =
2 1 2
3 0 1
4 2
z y
x
A
T
é a simétrica. Igualando as matrizes A e A
T
, temos:

7 4 2 1
4 3 1
2 4 2
1 1
2 1 2
3 0 1
4 2
2 3 4
1 0
2 1 2
= + + − = + + ⇒
¦
¹
¦
´
¦
= ⇒ = −
= ⇒ =
− = ⇒ = −

|
|
|
¹
|

\
|

− =
|
|
|
¹
|

\
|


⇒ = z y x
z z
y y
x x
z y
x
z x
y
A A
T






50
51
SISTEMAS LINEARES

Um sistema linear é formado por um conjunto de m equações lineares, equações estas que se
caracterizam por apresentarem todas as incógnitas com potência de grau um.

Exemplos :
a )
¦
¹
¦
´
¦
= −
= +
2 5
6 3 2
y x
y x
b )
¦
¹
¦
´
¦
= +
= + −
0 11 2
0 2 6
y x
y x


c ) { 9 3 2 = + + − w z y x d )
¦
¹
¦
´
¦
= +
= + +
1 11 5
9
y x
z y x

MATRIZES ASSOCIADAS
No sistema
¦
¹
¦
´
¦
− = −
= +
2 y 5 x 2
1 y 3 x 4
temos...


|
|
¹
|

\
|
−5 2
3 4
Matriz incompleta


|
|
¹
|

\
|
− − 2 5 2
1 3 4
Matriz completa

REPRESENTAÇÃO MATRICIAL DE UM SISTEMA LINEAR

O sistema
¦
¹
¦
´
¦
= +
= −
5 3
3 2
y x
y x
pode ser escrito na forma matricial:
|
|
¹
|

\
|
=
|
|
¹
|

\
|
|
|
¹
|

\
| −
5
3
.
3 1
1 2
y
x
, onde:


52
|
|
¹
|

\
| −
3 1
1 2
É a matriz incompleta (ou dos coeficientes).

|
|
¹
|

\
|
y
x
É a matriz das incógnitas.

|
|
¹
|

\
|
5
3
É a matriz dos termos independentes.

SOLUÇÃO DE UM SISTEMA LINEAR

A solução de um sistema linear é a seqüência ordenada (n-upla) que é solução de cada uma
das equações do sistema.

Exemplos:

No sistema
¦
¹
¦
´
¦
= −
= +
1
3
y x
y x
, temos o par ordenado (2, 1) como solução do sistema, pois ele é
solução das duas equações do sistema.


No sistema
¦
¹
¦
´
¦
= −
= + −
0 2
2
z y
z y x
, temos a terna ordenada (0, 2, 4) como solução do sistema, pois
ele é solução das duas equações do sistema.

CLASSIFICAÇÃO DE UM SISTEMA LINEAR
Um sistema linear é classificado de acordo com seu número de soluções...



53











Exemplos :

O sistema
¦
¹
¦
´
¦
− = −
= + −
3 y x 3
5 y x
é S.P.D, pois o par ordenado ( 1, 6 ) é sua ÚNICA solução.

O sistema
¦
¹
¦
´
¦
= + −
= + −
2 z y x
10 z 5 y 5 x 5
é S.P.I, pois apresenta INFINITAS soluções, entre elas, podemos
citar : ( 1, 1, 2 ); ( 0, 2, 4 ); ( 1, 0, 1 ).

O sistema
¦
¹
¦
´
¦
= −
= −
3 y x
5 y x
é S.I, pois NÃO apresenta solução.

EXERCÍCIOS:

1 ) Verifique se ( 2, -1 ) é solução do sistema linear
¦
¹
¦
´
¦
= +
= −
1
5 2
y x
y x
.


SISTEMA LINEAR
POSSÍVEL IMPOSSÍVEL
DETERMINADO
INDETERMINADO
Possui solução
Solução única Infinitas soluções
Não possui solução
54
2 ) Idem para ( 1, 1, 1 ) no sistema
¦
¦
¹
¦
¦
´
¦
− = − +
= −
= + −
2 z 3
2
y
2
x
1 z x 2
0 y x
.

3 ) Idem para ( 0, -2, 5 ) no sistema
¦
¹
¦
´
¦
= −
= + +
= + −
7
4
7 3
z y
z y x
z y x
.

4 ) Considere o sistema {x - y = 1.

a ) Apresente algumas soluções do sistema.
b ) Classifique o sistema.

5 ) Construa a matriz incompleta e a matriz completa de :

a )
¦
¦
¹
¦
¦
´
¦
= + −
= +
1
3
2 4 3
2
1
2 1
x
x
x x
b )
¦
¹
¦
´
¦
= +
= −
= +
6 4
1
5 2 3
y x
y x
y x

6 ) Escreva o sistema associado às equações matriciais :

a )
|
|
¹
|

\
|
=
|
|
¹
|

\
|
|
|
¹
|

\
| −
3
0
.
1 3
1 2
y
x


b)
|
|
|
¹
|

\
|
− =
|
|
|
¹
|

\
|
|
|
|
¹
|

\
|


12
2
8
z
y
x
.
4 0 0
2 1 0
5 3 1


c )
|
|
¹
|

\
|

=
|
|
|
¹
|

\
|
|
|
¹
|

\
|
− 3
8
.
1 0 1
1 2 4
z
y
x



55
REGRA DE CRAMER
Existem alguns métodos para classificarmos e/ou resolvermos um sistema linear. Vamos
recordar a Regra (ou método) de Cramer. Tal regra consiste em separar o sistema em matrizes
e calcular seus determinantes. Então, a partir de divisões entre estes determinantes,
encontramos a solução do sistema.

Vamos a um exemplo prático...

Resolva o sistema
¦
¹
¦
´
¦
= − −
− = − − −
− = − +
4 4
3 3 2
5 2
z y x
z y x
z y x
, usando “Cramer”.
Resolução:

Calculando o determinante principal “D” ...

D = ⇒
− −
− − −

1 1 4
3 2 1
1 2 1
D = -36 ≠ 0, portanto S.P.D.

Calculando os determinantes das incógnitas ...

D
x
= ⇒
− −
− − −
− −
1 1 4
3 2 3
1 2 5
D
x
= -36.


D
y
= ⇒

− − −
− −
1 4 4
3 3 1
1 5 1
D
y
= 72.

D
z
= ⇒

− − −

4 1 4
3 2 1
5 2 1
D
z
= -72.

56
Logo x = ⇒


=
36
36
D
D
x
x = 1
y = ⇒

=
36
72
D
D
y
y = -2
z = ⇒


=
36
72
D
D
z
z = 2

Portando... S = {(1, -2, 2 ) }

Exercícios:

1 ) Resolva os sistemas lineares, usando “Cramer” :

a )
¦
¹
¦
´
¦
= −
= +
2 y x
6 y x
b )
¦
¹
¦
´
¦
− = − −
= − +
= + −
3 z y x 2
3 z 2 y 2 x
0 z y x
c )
¦
¹
¦
´
¦
= + −
= +
= −
1 z 2 x
3 z y
1 y 2 x


S = { ( 4, 2 ) } S = { ( 1, 3, 2 ) } S = { ( 3, 1, 2 ) }

DISCUTINDO UM SISTEMA LINEAR

Por Cramer, quando
¦ ¦¦ ¦
¦ ¦¦ ¦
¹ ¹¹ ¹
¦ ¦¦ ¦
¦ ¦¦ ¦
´ ´´ ´
¦ ¦¦ ¦
¦ ¦¦ ¦
¹ ¹¹ ¹
¦ ¦¦ ¦
´ ´´ ´
¦ ¦¦ ¦
→ →→ → = == =
→ →→ → ≠ ≠≠ ≠
I . S
ou
I . P . S
0 D
D . P . S 0 D
.

Na primeira parte do nosso curso, não vamos estudar os modos de determinar se um sistema é
S.P.I ou S.I, logo, ao classificarmos um sistema linear com D = 0, basta deixar indicado com
“S.P.I ou S.I”.

Exemplos:

57
1 ) discuta o sistema
¦
¹
¦
´
¦
= +
= +
2 my x 2
3 y x
em função de “m” :

Resolução:

D = →
m 2
1 1
D = m – 2.


Logo... S.P.D → D≠ 0 ⇒ m – 2≠ 0 ⇒ m≠ 2.


¦ ¦¦ ¦
) )) )
¦ ¦¦ ¦
` `` `
¹ ¹¹ ¹
I . S
OU
I . P . S
→ D = 0 ⇒ m – 2 = 0 ⇒ m = 2.

2 ) Idem para
¦
¹
¦
´
¦
= + +
= + +
= − −
9 z 5 y mx
6 z 3 y x 2
1 z y x



1) Considere o sistema
¦
¹
¦
´
¦
− = + + −
= + −
= − +
2 z y x
5 z y 2 x
0 z y 3 x 2
. Verifique se a) (2 , -1 , 1) e se b) (0 , 0 , 0) são
soluções.

2) Verifique quais das quádruplas são soluções do sistema
¹
´
¦
= − − +
= + + −
5 t 4 z 5 y 2 x 3
1 t 2 z y x 2
:
a) (1 , 5 , 0 , 2)
b) (-1 , 3 , -2 , 8)
c) |
¹
|

\
|
− 4 , 1 , 7 ,
2
1

d) (a , -2a , 2a -1 , 1 - 3a)


58
3) Calcule o valor de m para que (3 , -2 , 2m) seja solução do sistema:
¦
¹
¦
´
¦
= + −
− = + +
= − −
3 z 5 y 2 x 3
3 z y 2 x
9 z 2 y x


4) Calcule o valor de k para que (k + 1 , k - 1 , 2) seja solução do sistema:
¦
¹
¦
´
¦
= + +
− = − +
= + +
4 z y 5 x
8 z 3 y x 2
0 z y x


5) Calcule o valor de k para que o sistema
3 9
2 3
2
x y k
x y k
+ = −
− = +
¦
´
¹
seja homogêneo.

6) Expresse matricialmente os sistemas:
a)
¹
´
¦
= −
= +
0 y 3 x
5 y x 2


b)
¦
¹
¦
´
¦
= − + −
= +
− = + +
2 c b 5 a 3
0 c a
1 c b a 2

c)
¦
¦
¹
¦
¦
´
¦
− = + − +
= + −
= + −
= − + + −
5 t 4 z y 2 x
1 t 3 z y
0 t y x 2
2 t z y x


7) A expressão matricial de um sistema é:


=


7
4
b
a
1 3
5 2

Determine as suas equações.

8) Resolver os sistemas usando a Regra de Cramer:
a)
¹
´
¦
− = −
= +
4 y 3 x 2
5 y 2 x

b)
¹
´
¦
= + −
= +
1 y 4 x
2 y 2 x

59
c)
¦
¹
¦
´
¦
= − +
= + −
= − +
3 z 2 y 3 x 3
9 z 3 y x 2
2 z y 2 x

d)
¦
¹
¦
´
¦
= −
= −
= +
3 z y
5 z x
10 y x


9) Classifique e resolva os sistemas escalonados abaixo:
a)
¦
¹
¦
´
¦
=
= +
= − + −
10 z 5
2 z y 2
1 z y 3 x

b)
¦
¹
¦
´
¦
=
− = + −
= + −
0 z 7
3 z 3 y
2 z 4 y 2 x 3

c)
¦
¹
¦
´
¦
=
= +
= + +
18 z 6
23 z 5 y 4
14 z 3 y 2 x

¦
¹
¦
´
¦
= +
= + −
= − + −
¹
´
¦
= −
= + −
2 t z 3
3 t 2 z y
4 t z y 3 x 2
) e
2 z y
4 z y x
) d

¹
´
¦
= +
= − +
¹
´
¦
= − + −
= + − +
3 z y
2 z y 4 x
) g
2 t 2 z 3 y
1 t z y 2 x
) f


10) Resolva os sistemas usando o método do escalonamento:
a)
¹
´
¦
− = +
= −
9 y 5 x
8 y 2 x 4


b)
¹
´
¦
− = +
= +
7 y 3 x
11 y 5 x 2

60

c)
¹
´
¦
− = −
= +
2 y 5 x 3
4 y 3 x 2


d)
¹
´
¦
= +
= +
2 y 2 x 3
3 y 3 x 2


e)
¦
¹
¦
´
¦
− = + +
= − −
= + +
3 z 5 y 3 x 2
0 z 3 y x
0 z 2 y x


f)
¦
¹
¦
´
¦
= − −
= + +
= + +
1 z 3 y 2 x
9 z 3 y 4 x 3
0 z 2 y x


g)
¦
¹
¦
´
¦
− = + +
= + +
= + +
10 z 4 y 3 x 5
4 z 4 y 5 x 3
2 z 2 y 3 x


h)
¦
¹
¦
´
¦
= − +
= + −
= − +
0 z 5 y 4 x 3
0 z y 2 x 7
0 z 3 y 5 x 8



Respostas dos exercicios

1) a) sim b) não

2) a) sim c) não
b) não d) não

3) m = -1
4) não existe k que resolva o sistema
5) k = -3
61
6) a)

=

− 0
5
y
x
3 1
1 2

b)


=

− − 2
0
1
c
b
a
1 5 3
1 0 1
1 1 2

c)


=




− −
5
1
0
2
t
z
y
x
4 1 2 1
3 1 1 0
1 0 1 2
1 1 1 1


7)
¹
´
¦
= +
− = −
7 b a 3
4 b 5 a 2

8) a) S = {(1 , 2)}
b) S =
)
`
¹
¹
´
¦
|
¹
|

\
|
2
1
, 1
c) S = {(1 , 2 , 3)}
d) S = {(6 , 4 , 1)}

9) a) SPD S = {(-3 , 0 , 2)}
b) SPD S = ( ) { } 0 , 3 ,
3
8

c) SPD S = {(1 , 2 , 3)}
d) SPI S = {(6 , 2 + α , α); α∈ IR}
e) SPI S =
)
`
¹
¹
´
¦
∈ α |
¹
|

\
|
α
α − α − α −
IR ; ,
3
2
,
3
7 11
,
6
17 43

f) SPI S = {(5 - 5α + 3β , -2 + 3α - 2β , α , β); α, β ∈ IR}
g) SPI S = {(-10 + 5α , 3 – α , α) α ∈ IR}

10) a) S = {(1 , -2)}
b) S = {(68 , -25)}
c) S =
)
`
¹
¹
´
¦
|
¹
|

\
|
19
16
,
19
14

d) S = {(0 , 1)}
e) S = {(1 , -5 , 2)}
f) S = {(1 , 3 , -2)}
62
g) S = { }
h) S = {(0 , 0 , 0)





















































63

LISTA GERAL DE MATRIZES – OPERAÇÕES E DETERMINANTES

1) Dadas as matrizes
2 2
] [
x ij
a A = tal que
j
ij
i a = e
2 2
] [
x ij
b B = tal que
i
ij
j b = , determine:

a)
11 11
b a + b) ) .(
22 11 22
b b a + c)
21 21
.b a

2) (FGV-2005) As meninas 1 = Adriana; 2 = Bruna e 3 = Carla falam muito ao telefone entre si. A
matriz M mostra cada elemento a
ij
representando o número de telefonemas que “i” deu para “j”
no mês de setembro:
0 12 9
6 0 18
10 13 0
= M . Quem mais telefonou e quem mais recebeu ligações?
3) Uma matriz A é do tipo 3 x 5, outra matriz B é do tipo 5 x 2 e a matriz C é do tipo m x 4. Qual
o valor de m para que exista o produto (A.B).C?

4) Dadas as matrizes


=
3 1
5 3
A e | | 0 4 = B obtenha X tal que X.A = B.
5) Determine x e y na igualdade


=


+

6 12
8 4
8
5 1
4
3
y y
x

6) Dadas as matrizes


=
6 5 4
3 2 1
A e



=
3 4
0 3
2 1
B , determine A + 2.B
T
.



. 12
0
1 1 4
3 1 2
equação da solução a Encontre ) 7 = − −
n n
n
. 12
0
1 1 4
3 1 2
equação da solução a Encontre ) 8 = − −
n n
n
64


11) (AFA 2003) Sejam m e n números reais tais que m ≠ n e as matrizes

=
5 3
1 2
A e


=
1 0
1 1
B . Qual a relação necessária entre m e n para que a matriz nB mA C + = não seja
invisível.
Obs. Para que a matriz C não seja imersível, seu determinante deve ser nulo.

12 – Encontre o valor de x na matriz


=
x
A
3
2 1
sabendo que det A
-1
=
10
1
− .

13) Seja A
-1
a inversa de
|
|
¹
|

\
|
− −

=
2 1
4 9
A . Determine A + A
-1
.
14) (UC – GO) Determine x a fim de que a matriz
|
|
¹
|

\
|
=
x
A
0
2 1
seja igual a sua inversa.
15) Resolva os sistemas,
a)
¹
´
¦
= −
= +
1 2 3
5 3
y x
y x
b)
¹
´
¦
= −
= −
6 4 4
3
y x
y x


16) Determine o valor de a para que o sistema
¹
´
¦
= +
= −
6 4 2
8
y x
y ax
seja possível e determinado (SPD).
17) Determine o valor de k de modo que o sistema
¹
´
¦
= +
= +
k y x
y x
8 4
1 2
seja impossível (SI).

18) Discuta os sistemas abaixo em função do parâmetro k.

AB. calcule
2 1
3 5
e
4 0
3 2
0 1
Sendo 9)


=

− = B A
. matriz da inversa matriz a determine ,
4 3
5 4
Sendo 10) A A

=
65
a)
¹
´
¦
= +
= +
9 6 4
3 2
y x
y kx
b)
¹
´
¦
= +
= +
7 6
8 4 3
ky x
y x


19) Resolva os sistemas, se possível, e classifique-os.

a)
¦
¹
¦
´
¦
= − −
= + −
= + +
3 5
0 3 2
4 2
z y x
z y x
z y x
b)
¦
¹
¦
´
¦
= + −
= − +
= + +
6 3 4 5
4 2 3
6
z y x
z y x
z y x
c)
¦
¹
¦
´
¦
= + +
= + +
= + +
14 6 3 3
10 4 2 2
5 2
z y x
z y x
z y x
d)
¦
¹
¦
´
¦
= + −
= + −
= + +
9 7 2 3
5 4 3 2
4 3
z y x
z y x
z y x


20) (ITA – SP) Seja a um número real. Considere os sistemas lineares em x, y e z. Calcule o
valor de a para que o sistema
¦
¹
¦
´
¦
= + −
= + −
= − +
a z y
z y x
z y x
2
1 3
0
admita infinitas soluções.

21) Numa loja, os artigos A e B, juntos custam R$70,00. Dois artigos A mais um C custam
R$105,00 e a diferença de preços entre os artigos B e C, nessa ordem, é R$ 5,00. Qual o preço
do artigo C?

22) (UERJ) Um feirante separou um número inteiro de dúzias de tangerinas (t), de maçãs (m) e
de pêras (p). Observou que para cada maçã arrumada, havia 2 tangerinas. Com 90 dúzias, ele
fez lotes de 6 tangerinas, lotes com 6 maçãs e lotes com 4 pêras. Colocou em cada lote,
indistintamente, o preço de R$0,50. Arrecadou R$105,00 na venda de todos eles.
Calcule t, m, e p.

23) Misturam-se dois tipos de leite, um com 3% de gordura outro com 4% de gordura para obter,
ao todo, 80 litros de leite com 3,25% de gordura. Quantos litros de leite de cada tipo foram
misturados?
24) Determine, se existir, a inversa de
|
|
¹
|

\
|
=
2 0
3 1
A .
25) Determine a matriz X tal que X – A + B = 0, sendo dados
|
|
|
¹
|

\
|
− =
5
2
3
A e .
4
2
1
|
|
|
¹
|

\
|
− = B
26) Calcule det A, sendo:

a) A = (a
ij
) uma matriz quadrada de 2ª ordem, com a
ij
= i
2
+ ij.
66

b) A, a matriz dos coeficientes das incógnitas do sistema
¹
´
¦
= +
= −
6 5 2
10 3 7
y x
y x
na posição em que
27) Sabendo que
1 1
2 3


= a ,
0 2
3 1 −
= b e
7 4
4 2


= c , calcule o número real x tal que x = 3a -
2b + c
2
.

28) Aplicando a regra de Sarrus, calcule os determinantes:
a)
3
1
2
3
1
2
1
2 3






= a .

b)
1
2
1 1
2
2
2
b
b
b a a
ab a
b
+
=
.

29) Resolva a equação . 2
3
1
2 3
2
0
2
=


x
x

30) Seja a matriz quadrada .
1
1
2
3
3
1


+
=
x
x
x
x
x
A Calcule x de modo que det A = 0.
31) Classifique e resolva o sistema
¹
´
¦
− = −
= +
8 3 2
10 3
y x
y x
.
32) Classifique e resolva o sistema
¹
´
¦
= +
= +
5 2 2
10
y x
y x
.
33) Classifique e resolva o sistema
¹
´
¦
= +
= +
5
10 2 2
y x
y x
.
34) Discuta o sistema linear
¹
´
¦
= −
− = +
1
2
y x
y mx

35) Calcule os valores de a para que o sistema
¹
´
¦
= −
= +
0 6
1 2 3
y ax
y x
seja possível e determinado.
36) Calcule os valores de m para que o sistema
¹
´
¦
= + +
= + + +
0 ) 3 ( 2
7 ) 5 ( ) 2 (
y m x
y m x m
seja possível e
determinado.
67
37) (UF - SC) Sejam
3 4
) (
×
=
ij
a A e
4 3
) (
×
=
ij
b B duas matrizes definidas por j i a
ij
+ = e j i b
ij
+ = 2 ,
respectivamente. Se C B A = ⋅ , então qual é o elemento
32
c da matriz C ?

38) Resolva o sistema
¦
¦
¹
¦
¦
´
¦
|
|
¹
|

\
|


= −
|
|
¹
|

\
|

= +
18 1
3 4
4
19 9
5 8
3 2
Y X
Y X


39) Considere
|
|
¹
|

\
|
=
0 4
1 5
A . Determine ( )
t
A A +

2
1
.
40) Escreva a matriz A = (a
ij
) do tipo 3x4 sabendo que a
ij
= 2i – 3j.


68
LISTA GERAL DE MATRIZES – OPERAÇÕES E DETERMINANTES - GABARITO

1) Dadas as matrizes
2 2
] [
x ij
a A = tal que
j
ij
i a = e
2 2
] [
x ij
b B = tal que
i
ij
j b = , determine:

a)
11 11
b a + b) ) .(
22 11 22
b b a + c)
21 21
.b a

Solução. Não é necessário construir todas as matrizes. Basta identificar os elementos indicados.

a) 2 1 1
1 1
1 1
11 11
1
11
1
11
= + = + ⇒
¦
¹
¦
´
¦
= =
= =
b a
b
a

b) 20 ) 5 ( 4 ) 4 1 .( 4 ) .(
4 2
1 1
4 2
22 11 22
2
22
1
11
2
22
= = + = + ⇒
¦
¹
¦
´
¦
= =
= =
= =
b b a
b
b
a

c) 2 ) 1 ).( 2 ( .
1 1
2 2
21 21
2
21
1
21
= = ⇒
¦
¹
¦
´
¦
= =
= =
b a
b
a


2) (FGV-2005) As meninas 1 = Adriana; 2 = Bruna e 3 = Carla falam muito ao telefone entre si. A
matriz M mostra cada elemento a
ij
representando o número de telefonemas que “i” deu para “j”
no mês de setembro:
0 12 9
6 0 18
10 13 0
= M . Quem mais telefonou e quem mais recebeu ligações?
Solução.

Observe que a diagonal nula informa que ninguém ligou para si mesmo e, obviamente, não
recebeu ligação de si mesmo. Decodificando os valores das posições:
a) Adriana fez 23 ligações: 13 para Bruna e 10 para Carla.
b) Bruna fez 24 ligações: 18 para Adriana e 6 para Carla.
c) Carla fez 21 ligações: 9 para Adriana e 12 para Bruna.
d) Bruna foi quem mais telefonou. E recebeu 13 + 12 = 25 ligações.
e) Adriana foi a 2ª menina que mais ligou. E recebeu 18 + 9 = 27 ligações.
f) Carla foi quem menos ligou. E recebeu 10 + 6 = 16 ligações.
A resposta pedida é: Mais telefonou foi Bruna e recebeu mais ligações foi Adriana.

69
3) Uma matriz A é do tipo 3 x 5, outra matriz B é do tipo 5 x 2 e a matriz C é do tipo m x 4. Qual
o valor de m para que exista o produto (A.B).C?

Solução.

Para que exista o produto (A.B) é necessário que o número de colunas de A seja o mesmo de
linhas de B. Isso já acontece e o produto é do tipo 3 x 2. Isto é (A.B) possui 3 linhas e 2 colunas.
Para que seja possível o produto por C
mx4
o número de linhas de C deve ser o mesmo de
colunas de (A.B). Logo, m = 2.

4) Dadas as matrizes


=
3 1
5 3
A e | | 0 4 = B obtenha X tal que X.A = B.
Solução.

A é do tipo 2 x 2 e B é do tipo 2 x 1. Logo X é do tipo 2 x 1. Seja | | b a X = . Temos:
| | | | b a b a b a A X 3 5 3
3 1
5 3
. − + =


= . Igualando a B, vem:
7
10
3
7
6
. 5
7
6
14
12
12 14
0 3 5
12 3 9
0 3 5
) 3 ( 4 3
= = ⇒ = = ⇒ = ⇒
¹
´
¦
= −
= +

¹
´
¦
= −
→ = +
b a a
b a
b a
b a
x b a
. Logo,

=
7
10
7
6
X .
5) Determine x e y na igualdade


=


+

6 12
8 4
8
5 1
4
3
y y
x

Solução.
Somando as matrizes e igualando ao resultado, temos:

¹
´
¦
− = ⇒ − =
= ⇒ = −


=



=


+

3 6 2
5 4 1
6 12
8 4
2 12
8 1
6 12
8 4
8
5 1
4
3
y y
x x
y
x
y y
x


6) Dadas as matrizes


=
6 5 4
3 2 1
A e



=
3 4
0 3
2 1
B , determine A + 2.B
T
.
Solução.
Exibindo a transposta de B, temos:

− −
=
3 0 2
4 3 1
T
B . Efetuando a expressão, vem:
70

=

− −
+


=

− −
+


= +
0 5 0
5 8 3
6 0 4
8 6 2
6 5 4
3 2 1
3 0 2
4 3 1
2
6 5 4
3 2 1
. 2
T
B A


¹
´
¦
− =
=

±
= ⇒
±
= ⇒
±
=
= − − ⇒ = − − + −
= + + − − + − + − ⇒ = − − −
= − −
2
6

2
8 4

2
64 4

2
12 1 4 16 4
0 12 4 n 12 ) 2 (
12 ) 4 0 3 ( ) 0 ) 1 ( 2 ( 12
0
1
1

n
4
2

0
1 1 4
3 1 2

: segunda da produtos dos soma pela diagonal,
primeira da produtos dos soma a subtrair e matriz, da direita à colunas primeiras duas as copiar
em consiste que Sarrus, de regra a utilizar podemos 3x3 matriz uma de te determinan o achar Para
. 12
0
1 1 4
3 1 2
equação da solução a Encontre ) 7
2 2
n
n
n n
) .(- . -
n
n n n n n
n n n n n
n n
n
n n
n
¹
´
¦
− =
=

±
= ⇒
±
= ⇒
±
=
= − − ⇒ = − − + −
= + + − − + − + − ⇒ = − − −
= − −
2
6

2
8 4

2
64 4

2
12 1 4 16 4
0 12 4 n 12 ) 2 (
12 ) 4 0 3 ( ) 0 ) 1 ( 2 ( 12
0
1
1

n
4
2

0
1 1 4
3 1 2

: segunda da produtos dos soma pela diagonal,
primeira da produtos dos soma a subtrair e matriz, da direita à colunas primeiras duas as copiar
em consiste que Sarrus, de regra a utilizar podemos 3x3 matriz uma de te determinan o achar Para
. 12
0
1 1 4
3 1 2
equação da solução a Encontre ) 8
2 2
n
n
n n
) .(- . -
n
n n n n n
n n n n n
n n
n
n n
n
71


11) (AFA 2003) Sejam m e n números reais tais que m ≠ n e as matrizes

=
5 3
1 2
A e


=
1 0
1 1
B . Qual a relação necessária entre m e n para que a matriz nB mA C + = não seja
inversível.

Solução.

Multiplicando os escalares “m” e “n” pelas respectivas matrizes, temos:

i)

+
+ −
=


+

= + =
n m m
n m n m
n m B n A m C
5 3
2
1 0
1 1
.
5 3
1 2
. . .
Para que a matriz C não seja inversível, seu determinante deve ser nulo.



= ⇒

+ − +
+ − − + −
+ − +
=


=

− =
8 4
12 7
3 5

2 . 4 ) 3 ( 0 1 . 4 5 . 0
2 . 3 ) 3 )( 2 ( 1 . 3 5 ). 2 (
2 . 0 ) 3 .( 1 1 . 0 5 . 1
3x2. matriz uma será resultado O B. matriz da
coluna cada por A matriz da linha cada de produto pelo obtido será resultado O 2x2. uma por
3x2 matriz uma ndo multiplica estamos onde matrizes, de ção multiplica de questão uma é Essa
AB. calcule
2 1
3 5
e
4 0
3 2
0 1
Sendo 9)
AB AB
B A



=
¹
´
¦
=
− =

¹
´
¦
= +
= +
¹
´
¦
− =
=

¹
´
¦
= +
= +

¦
¦
¹
¦
¦
´
¦
= +
= +
= +
= +

=

=

=


4 3
5 4
é de inversa matriz a Portanto,
4
5

1 4 3
0 5 4
3
4

0 4 3
1 5 4

1 4 3
0 4 3
0 5 4
1 5 4

1 0
0 1
.
4 3
5 4
.
: seja ou , identidade matriz na resulta inversa sua pela da multiplica matriz uma que Sabemos
. matriz da inversa matriz a determine ,
4 3
5 4
Sendo 10)
1
1
A A
d
b
d b
d b
c
a
c a
c a
d b
c a
d b
c a
d c
b a
I A A
A A
72
ii) 0 ) ).( 3 ( ) 5 ).( 2 ( 0
5 3
2
0 det = + − + − ⇒ =
+
+ −
⇒ = n m m n m n m
n m m
n m n m
C . Desenvolvendo a
expressão e simplificando, temos: 0 6 7 0 3 3 5 2 10
2 2 2 2 2
= − − ⇒ = − − − − + n mn m mn m n mn mn m .
Resolvendo a equação em relação a “m”, vem.
¦
¦
¹
¦
¦
´
¦
− =

=

= =
+
= ⇒
±
=
+ ±
=
− − − ± − −
=
7 14
2
14
8 6
14
14
14
8 6
14
64 6
14
28 36 6
) 7 ( 2
) )( 7 ( 4 ) 6 ( ) 6 (
2 2 2 2 2
n n n n
n
n n n
m
n n n n n n n n
m .
Como pelo enunciado m ≠ n, a matriz não será inversível se 7m + n = 0.

12) Encontre o valor de x na matriz


=
x
A
3
2 1
sabendo que det A
-1
=
10
1
− .

Solução.

Como
A
A
det
1
det
1
=

conclui-se que
10
1
det
1
− =
A
. Logo, detA = - 10. Substituindo esse valor no
cálculo do determinante de A, temos: . 4 10 6 10
3
2 1
− = ⇒ − = − ⇒ − = x x
x


13) Seja A
-1
a inversa de
|
|
¹
|

\
|
− −

=
2 1
4 9
A . Determine A + A
-1
.
Solução.

O determinante da matriz é diferente de zero. Logo, possui inversa.

− −

=


− −
+

− −

= +
¦
¦
¹
¦
¦
´
¦
¹
´
¦
− = ⇒ − =
− = ⇒ − =

¹
´
¦
− = +
= + −

¹
´
¦
= − −
= + −
¹
´
¦
− = ⇒ − =
= ⇒ =

¹
´
¦
= +
= + −

¹
´
¦
= − −
= + −

=

− −


22 / 53 22 / 21
11 / 42 11 / 100
22 / 9 22 / 1
11 / 2 11 / 1
2 1
4 9
11 / 2 22 / 36 9
22 / 9 9 22
9 18 9
0 4 9
1 2
0 4 9
11 / 1 22 / 18 9
22 / 1 1 22
0 18 9
1 4 9
0 2
1 4 9
1 0
0 1
.
2 1
4 9
1
A A
b b
d d
d b
d b
d b
d b
a a
c c
c a
c a
c a
c a
d c
b a




73
14) (UC – GO) Determine x a fim de que a matriz
|
|
¹
|

\
|
=
x
A
0
2 1
seja igual a sua inversa.
Solução.

O produto da matriz A por ela mesma deverá resultar na matriz identidade.

¹
´
¦
= − + → − =
≠ + → =

¹
´
¦
± = ⇒ =
= +

=

+

=

0 ) 1 ( 2 2 1
0 ) 1 ( 2 2 1
1 1
0 2 2
1 0
0 1
0
2 2 1
1 0
0 1
0
2 1
.
0
2 1
2 2
x
x
x x
x
x
x
x x
.
Logo, o único valor que satisfaz é x = - 1.

15) Resolva os sistemas.

a)
¹
´
¦
= −
= +
1 2 3
5 3
y x
y x
b)
¹
´
¦
= −
= −
6 4 4
3
y x
y x

Solução.

Os sistemas podem ser resolvidos por qualquer método.
a)
¦
¦
¹
¦
¦
´
¦
=

=
|
¹
|

\
|
− =
=
⇒ − = − ⇒
¹
´
¦
= −
− = − − −
¹
´
¦
= −
× → = +
11
13
11
42 55
11
14
3 5
11
14
14 11
1 2 3
15 9 3 ) 3 (
1 2 3
5 3
x
y
y
y x
y x
y x
y x

Logo,
)
`
¹
¹
´
¦
|
¹
|

\
|
=
11
14
,
11
13
S . Sistema possível e determinado representado por retas concorrentes.

b) { } = → → − = ⇒
¹
´
¦
= −
− = − − −
¹
´
¦
= −
× → = −
S possível
y x
y x
y x
y x
Im 12 0
6 4 4
12 4 4 ) 4 (
6 4 4
3
. Retas paralelas distintas.

16) Determine o valor de a para que o sistema
¹
´
¦
= +
= −
6 4 2
8
y x
y ax
seja possível e determinado (SPD).
Solução.
O determinante da matriz dos coeficientes deverá ser diferente de zero.
2 / 1 2 4 0 ) 2 ( 4 0
4 2
1
) (
6 4 2
8
− ≠ ⇒ − ≠ ⇒ ≠ − − ⇒ ≠

= ⇒ →
¹
´
¦
= +
= −
a a a
a
D SPD
y x
y ax
.
74
17) Determine o valor de k de modo que o sistema
¹
´
¦
= +
= +
k y x
y x
8 4
1 2
seja impossível (SI). Isto é, para
que a representação geométrica da solução sejam retas paralelas distintas.

Solução.

Para que o sistema seja possível e indeterminado (SI), basta que se verifique a
proporcionalidade entre os coeficientes de “x” e “y”, mas não em relação aos termos
independentes. Isto é:

¹
´
¦
≠ ⇒ ≠ ⇒ ≠
→ = ⇒ =
⇒ ≠ =
4 8 2 ) 8 ).( 1 ( ) ).( 2 (
. 8 8 ) 4 ).( 2 ( ) 8 ).( 1 (
1
8
2
4
1
k k k
ok
k
.
Qualquer valor de “k” que não seja 4, tornará o sistema impossível.

18) Discuta os sistemas abaixo em função do parâmetro k.

a)
¹
´
¦
= +
= +
9 6 4
3 2
y x
y kx
b)
¹
´
¦
= +
= +
7 6
8 4 3
ky x
y x

Solução.

No caso geral em sistemas 2 x 2 a análise pode ser feita partindo das situações:
i) SPD
d
c
b
a
→ ≠ ii) SPI
f
e
d
c
b
a
→ = = iii) SI
f
e
d
c
b
a
→ ≠ =

a)
¦
¦
¹
¦
¦
´
¦
→ = ⇒ = =
→ ≠ ⇒ ≠ ⇒ ≠

¹
´
¦
= +
= +
) ( 6 / 8
9
3
6
2
4
) ( 6 / 8 8 6
6
2
4
9 6 4
3 2
SPI k
k
SPD k k
k
y x
y kx
. Não há valor de “k” que o torne
impossível.

b)
¦
¦
¹
¦
¦
´
¦
→ = ⇒ ≠ =
→ ≠ ⇒ ≠ ⇒ ≠

¹
´
¦
= +
= +
) ( 8
7
8 4
6
3
) ( 8 24 3
4
6
3
7 6
8 4 3
SI k
k
SPD k k
k
ky x
y x
. Não há valor de “k” que o torne
indeterminado.


75
19) Resolva os sistemas, se possível, e classifique-os.

a)
¦
¹
¦
´
¦
= − −
= + −
= + +
3 5
0 3 2
4 2
z y x
z y x
z y x
b)
¦
¹
¦
´
¦
= + −
= − +
= + +
6 3 4 5
4 2 3
6
z y x
z y x
z y x
c)
¦
¹
¦
´
¦
= + +
= + +
= + +
14 6 3 3
10 4 2 2
5 2
z y x
z y x
z y x
d)
¦
¹
¦
´
¦
= + −
= + −
= + +
9 7 2 3
5 4 3 2
4 3
z y x
z y x
z y x

Solução.

Os sistemas foram escalonados.

a) ⇒
¦
¹
¦
´
¦
= − −
= + −
= + +
3 5
0 3 2
4 2
z y x
z y x
z y x

3 1
2 1
5
2
L L
L L

− ⇒
¦
¹
¦
´
¦
= +
= +
= + +
17 11 6
8 3 5
4 2
z y
z y
z y x

3 2
5 6 L L −
¦
¹
¦
´
¦
− = −
= +
= + +
37 37
8 3 5
4 2
z
z y
z y x
. Calculando o valor de z,
temos: 1
37
37
=


= z ; 1
5
5
5
) 1 ( 3 8
5
3 8
= =

=

=
z
y ;
1 3 4 ) 1 ( 2 ) 1 ( 4
2 4
= − = − − =
− − =
x
z y x
.
Logo a solução é S = { 1, 1, 1}. O sistema é possível e determinado.
b) ⇒
¦
¹
¦
´
¦
= + −
= − +
= + +
6 3 4 5
4 2 3
6
z y x
z y x
z y x

3 1
2 1
5
3
L L
L L

− ⇒
¦
¹
¦
´
¦
= +
= +
= + +
24 2 9
14 4
6
z y
z y
z y x

3 2
9 L L −
¦
¹
¦
´
¦
=
= +
= + +
102 34
14 4
6
z
z y
z y x
. Calculando o valor de z,
temos: 3
34
102
= = z ;
2 12 14
) 3 ( 4 14 4 14
= − =
− = − =
y
z y
;
1 5 6 ) 3 ( ) 2 ( 6
6
= − = − − =
− − =
x
z y x
.
Logo a solução é S = { 1, 2, 3}. O sistema é possível e determinado.

c) ⇒
¦
¹
¦
´
¦
= + +
= + +
= + +
14 6 3 3
10 4 2 2
5 2
z y x
z y x
z y x
3 1
2 1
3
2
L L
L L


¦
¹
¦
´
¦
→ = + +
= + +
= + +
impossível
z y x
1 0 0 0
0 0 0 0
5 2
. Logo o sistema não possui solução.


d) ⇒
¦
¹
¦
´
¦
= + −
= + −
= + +
9 7 2 3
5 4 3 2
4 3
z y x
z y x
z y x
3 1
2 1
3
2
L L
L L

− ⇒
¦
¹
¦
´
¦
= +
= +
= + +
3 2 5
3 2 5
4 3
z y
z y
z y x
3 2
L L −

¦
¹
¦
´
¦
= +
= +
= + +
0 0 0
3 2 5
4 3
z y
z y x
. Calculando o valor de y,
temos:
5
2 3 z
y

= ;
5
2 17
5
2 3 20
3
5
2 3
4
3 4
z z
z
z
x
z y x
+
=
+ −
= −

− =
− − =
. A variável z é chamada variável livre.
Logo a solução é S = {
5
2 17 z +
,
5
2 3 z −
, z }. O sistema é possível e indeterminado.
76

20) (ITA – SP) Seja a um número real. Considere os sistemas lineares em x, y e z. Calcule o
valor de a para que o sistema
¦
¹
¦
´
¦
= + −
= + −
= − +
a z y
z y x
z y x
2
1 3
0
admita infinitas soluções.
Solução.
Escalonando o sistema:
¦
¹
¦
´
¦
+ − =
− = −
= − +
+

¦
¹
¦
´
¦
= + −
− = −
= − +
− ⇒
¦
¹
¦
´
¦
= + −
= + −
= − +
a
z y
z y x
L L a z y
z y
z y x
L L
a z y
z y x
z y x
2 1 0
1 2 4
0
2 2
1 2 4
0
2
1 3
0
3 2
2 1
.
Para que o sistema seja indeterminado o 2º membro da 3ª equação deve ser nulo. Logo,
2
1
= a .

21) Numa loja, os artigos A e B, juntos custam R$70,00. Dois artigos A mais um C custam
R$105,00 e a diferença de preços entre os artigos B e C, nessa ordem, é R$ 5,00. Qual o preço
do artigo C?
Solução.
De acordo com as informações do problema, temos o sistema:
¦
¹
¦
´
¦
= −
= +
= +
5
105 2
70
C B
C A
B A
. Escalonando,
vem:

¦
¹
¦
´
¦
= −
= +
= +
5
105 2
70
C B
C A
B A
2 1
2 L L − ⇒
¦
¹
¦
´
¦
= −
= −
= +
5
35 2
70
C B
C B
B A
3 2
2L L −

¦
¹
¦
´
¦
=
= −
= +
25
35 2
70
C
C B
B A
. Substituindo nas equações
anteriores, temos: 30
2
35 25
2
35
=
+
=
+
=
C
B ; 40 30 70 70 = − = − = B A . A resposta pedida é
R$25,00.

22) (UERJ) Um feirante separou um número inteiro de dúzias de tangerinas (t), de maçãs (m) e
de pêras (p). Observou que para cada maçã arrumada, havia 2 tangerinas. Com 90 dúzias, ele
fez lotes de 6 tangerinas, lotes com 6 maçãs e lotes com 4 pêras. Colocou em cada lote,
indistintamente, o preço de R$0,50. Arrecadou R$105,00 na venda de todos eles. Calcule t, m, e
p.
Solução.

Utilizando os dados do problema e as letras representantes das frutas, montamos o sistema:
77
¹
´
¦
÷ → = +
÷ → = +

¹
´
¦
× → = + +
= + +

¦
¹
¦
´
¦
= + +
= + +
=
) 5 ( 105 5 15
) 2 ( 1080 4 18
) 10 ( 105 5 , 0 5 , 0
1080 4 12 6
105 5 , 0 5 , 0 5 , 0
) 12 ( 90 4 6 6
2
p t
p t
p t t
p t t
p m t
p m t
t m
. Escalonando o
sistema simplificado, vem: ⇒
¹
´
¦
= +
= +
210 3
540 2 9
p t
p t
2 1
3L L −
¹
´
¦
− = −
= +
90
540 2 9
p
p t
. Logo, p = 90. Substituindo na
1ª equação, encontra-se 40
9
360
9
) 90 ( 2 540
9
2 540
= =

=

=
p
t e 80 ) 40 ( 2 2 = = = t m .

23) Misturam-se dois tipos de leite, um com 3% de gordura outro com 4% de gordura para obter,
ao todo, 80 litros de leite com 3,25% de gordura. Quantos litros de leite de cada tipo foram
misturados?

Solução.
Representando a quantidade de litros de leite com 3% de gordura como “x” e com 4% como “y”,
o resultado final deverá ser (x + y).3,25%. O sistema é:
¹
´
¦
= + −
= +

¹
´
¦
+ = +
= +
0 75 , 0 25 , 0
80
) ( 25 , 3 4 3
80
y x
y x
y x y x
y x
.
Multiplicando por 100 a 2ª equação e escalonando, vem:

¹
´
¦
= + −
= +
0 75 25
80
y x
y x
2 1
25 L L +
¹
´
¦
=
= +
2000 100
80
y
y x
. Calculando “y”, temos: 20
100
2000
= = y ;
60 20 80 = − = x . Logo serão misturados 60 litros de leite.

24) Determine, se existir, a inversa de
|
|
¹
|

\
|
=
2 0
3 1
A .
Solução.
Para que uma matriz possua inversa, é necessário que seu determinante seja diferente de zero.
Calculando: det A = (1.2 – 3.0) = 2 ≠ 0. Logo possui inversa.
Encontrar A
-1
significa encontrar a solução de:
|
|
¹
|

\
|
=
|
|
¹
|

\
|
|
|
¹
|

\
|
1 0
0 1
2 0
3 1
d c
b a
x . Desenvolvendo a
multiplicação e expressando o sistema, temos:
¹
´
¦
= +
= +
¹
´
¦
= +
= +
1 2 0
0 3
0 2 0
1 3
d b
d b
c a
c a
. Da 2ª equação, temos que: 2c = 0. Logo c = 0. Substituindo na 1ª equação,
78
temos: a + 0 = 1. Logo a = 1. A 4ª equação fornece 2d = 1. Logo d = 1/2. A 3ª indica que b = -
3d, logo b = -3/2.

Logo
|
|
¹
|

\
| −
=

2 / 1 0
2 / 3 1
1
A .
25) Determine a matriz X tal que X – A + B = 0, sendo dados
|
|
|
¹
|

\
|
− =
5
2
3
A e .
4
2
1
|
|
|
¹
|

\
|
− = B
Solução.
A equação X – A + B = 0 pode ser reescrita como: X = A – B. O exercício resume-se a encontrar
a matriz resultante da subtração elemento a elemento entre A e B.
.
1
0
2
4 5
) 2 ( 2
1 3
4
2
1
5
2
3
|
|
|
¹
|

\
|
=
|
|
|
¹
|

\
|

− − −

=
|
|
|
¹
|

\
|
− −
|
|
|
¹
|

\
|
− = − = B A X

26) Calcule det A, sendo:
a) A = (a
ij
) uma matriz quadrada de 2ª ordem, com a
ij
= i
2
+ ij.

Solução.

Uma matriz quadrada de 2ª ordem possui 2 linhas e 2 colunas. Primeiro precisamos construir a
matriz de acordo com a lei: a
ij
= i
2
+ ij.
a
11
= (1)
2
+ (1).(1) = 2 a
12
= (1)
2
+ (1).(2) = 3 a
21
= (2)
2
+ (2).(1) = 6 a
22
= (2)
2
+ (2).(2) =
8
Logo a matriz será: . 2 18 16 ) 6 . 3 8 . 2 ( det
8 6
3 2
− = − = − = ⇒
|
|
¹
|

\
|
= A A

b) A, a matriz dos coeficientes das incógnitas do sistema
¹
´
¦
= +
= −
6 5 2
10 3 7
y x
y x
na posição em que
aparecem.
Solução. A matriz dos coeficientes será: . 41 6 35 ) 2 . 3 ( ) 5 . 7 ( det
5 2
3 7
= + = − − = ⇒
|
|
¹
|

\
| −
= A A

27) Sabendo que
1 1
2 3


= a ,
0 2
3 1 −
= b e
7 4
4 2


= c , calcule o número real x tal que
79
3 2 -1 3 2 -1 3 2
a = 5 0 4 a = 5 0 4 5 0
2 -3 1 2 -3 1 2 -3
a = (3*0*1 + 2*4*2 + (-1)*5*-3) - ((-1)*0*2 + 3*4*(-3) + 2*5*1)
a = 31 - (-26) = 57
a
2
ab b
2
a
2
ab b
2
a
2
ab
b = 2a a+b 2b b = 2a a+b 2b 2a a+b
1 1 1 1 1 1 1 1
x = 3a - 2b + c
2
.
Solução.
Repare que os números estão entre barras e não colchetes. Além disso, as letras a,b, e c estão
em minúsculas. Essa forma de apresentação indica que cada letra vale o determinante dos
números. É preciso atenção para não confundir: representação de matriz com representação de
determinantes.
Então, temos: a = (3).(-1) – (-2).(1) = - 1; b = (-1).(0) – (3).(2) = - 6; c = (-2).(-7) – (4).(4) = - 2.
Logo x = 3(-1) – 2(- 6) + (- 2)
2
= - 3 + 12 + 4 = 13.

28) Aplicando a regra de Sarrus, calcule os determinantes:

Solução.

a)
3
1
2
3
1
2
1
2 3






= a .







b)
1
2
1 1
2
2
2
b
b
b a a
ab a
b
+
= .



b = [a
2
(a + b).1 + (ab).(2b).1 + (b
2
).(2a).1] – [(b
2
).(a + b).1 + (a
2
).(2b).1 + (ab).(2a).1]
b = [a
3
+ a
2
b + 2ab
2
+ 2ab
2
] – [ab
2
+ b
3
+ 2a
2
b + 2a
2
b]
b = a
3
+ a
2
b + 2ab
2
+ 2ab
2
– ab
2
- b
3
- 2a
2
b - 2a
2
b = a
3
- 3a
2
b + 3ab
2
- b
3
= (a – b)
3
.




80
x+1 3 x x+1 3 x x+1 3
3 x 1 = 0 3 x 1 3 x = 0
x 2 x-1 x 2 x-1 x 2
29) Resolva a equação . 2
3
1
2 3
2
0
2
=


x
x

Solução.
Precisamos encontrar o determinante e igualar a 2. Aplicando Sarrus, temos:





[2.1.(-3) + 3.(x).2 + (- 2).0.(x)] – [(- 2).1.2 + 2.(x).(x) + 3.0.(-3)] = 2
[-6 + 6x + 0] – [- 4 + 2x
2
+ 0] = 2 implicando em: 2x
2
+ 6x – 2 – 2 = 0.
Simplificando a equação vem: x
2
+ 3x - 2 = 0. Fatorando, vem: (x - 1). (x - 2) = 0.
Logo temos dois valores para x. S = {1,2}

30) Seja a matriz quadrada .
1
1
2
3
3
1


+
=
x
x
x
x
x
A Calcule x de modo que det A = 0.
Solução.
Precisamos encontrar o determinante e igualar a 0. Aplicando Sarrus, temos:





[(x + 1).(x).(x - 1) + 3.1.(x) + (x).3.2] – [(x).(x).(x) + (x + 1).2.1 + 3.3.(x - 1)] = 0
[x.(x
2
– 1) + 3x + 6x] – [x
3
+ 2x + 2 + 9x - 9] = 0. Cancelando x
3
e simplificando temos:
8x – 11x + 7 = 0. Logo 3x = 7 implicando em x = 7/3. S = {7/3}.

31) Classifique e resolva o sistema
¹
´
¦
− = −
= +
8 3 2
10 3
y x
y x
.
Solução.
Comparando as proporções dos coeficientes, temos:
3
1
2
3
≠ . Logo é possível e possui uma única
solução. Outra forma de descobrir isso é utilizar a Regra de Cramer e verificar que det
2 3 -2 2 3 -2 2 3
0 1 x = 2 a = 0 1 x 0 1 = 2
2 x -3 2 x -3 2 x
81
. 0 11 2 9 ) 2 . 1 ( )) 3 .( 3 ( det
3 2
1 3
≠ − = − − = − − = ⇒
|
|
¹
|

\
|

= A A Para encontrar as soluções, encontramos
. 0 22 8 30 )) 8 .( 1 ( )) 3 .( 10 ( det
3 8
1 10
≠ − = + − = − − − = ⇒
|
|
¹
|

\
|
− −
=
x x
A A E,
0 44 20 24 ) 2 . 10 ( )) 8 .( 3 ( det
8 2
10 3
≠ − = − − = − − = ⇒
|
|
¹
|

\
|

=
y y
A A .
Logo, x = 2
11
22
=


e y = 4
11
44
=


. S = {(2,4)}.
32) Classifique e resolva o sistema
¹
´
¦
= +
= +
5 2 2
10
y x
y x
.
Solução.
Comparando as proporções dos coeficientes, temos:
5
10
2
1
2
1
≠ = . Logo é impossível e não possui
solução. Outra forma de descobrir isso é utilizar a Regra de Cramer e verificar que det
. 0 2 2 ) 2 . 1 ( )) 2 .( 1 ( det
2 2
1 1
= − = − = ⇒
|
|
¹
|

\
|
= A A Para encontrar as soluções, encontramos
. 0 15 5 20 )) 5 .( 1 ( )) 2 .( 10 ( det
2 5
1 10
≠ = − = − = ⇒
|
|
¹
|

\
|
=
x x
A A E,
0 15 20 5 ) 2 . 10 ( )) 5 .( 1 ( det
5 2
10 1
≠ − = − = − = ⇒
|
|
¹
|

\
|
=
y y
A A .
Logo, x = impossível =
0
15
e y = impossível =

0
15
. S = { }.

33) Classifique e resolva o sistema
¹
´
¦
= +
= +
5
10 2 2
y x
y x
.
Solução.
Comparando as proporções dos coeficientes, temos:
5
10
1
2
1
2
= = . Logo é possível e possui
infinitas soluções. Outra forma de descobrir isso é utilizar a Regra de Cramer e verificar que det
. 0 2 2 ) 2 . 1 ( )) 2 .( 1 ( det
2 2
1 1
= − = − = ⇒
|
|
¹
|

\
|
= A A Para encontrar as soluções, encontramos
. 10 10 10 )) 5 .( 2 ( )) 1 .( 10 ( det
1 5
2 10
= − = − = ⇒
|
|
¹
|

\
|
=
x x
A A E,
. 0 10 10 ) 1 . 10 ( )) 5 .( 2 ( det
5 1
10 2
= − = − = ⇒
|
|
¹
|

\
|
=
y y
A A
82
Logo, x = ado er in min det
0
0
= e y = ado er in min det
0
0
= . Significa que escolhendo um valor
aleatório para x, podemos determinar y. Exemplos: x = 3, y = 5 – 3 = 2. De forma geral o par
ordenado solução pode ser escrito como S = {(k,5-k)}.
34) Discuta o sistema linear
¹
´
¦
= −
− = +
1
2
y x
y mx

Solução.
Utilizando o procedimento de comparar as razões entre os coeficientes, temos:
Para que o sistema possua solução única, 1
1
1
1
− ≠ ⇒

≠ m
m
. O mesmo poderia ser concluído
analisando a matriz dos coeficientes . 0 1 ) 1 . 1 ( )) 1 .( ( det
1 1
1
≠ − − = − − = ⇒
|
|
¹
|

\
|

= m m A
m
A Logo
possui solução única se m ≠ -1. Se m = - 1, o sistema seria impossível porque: .
1
2
1
1
1
1 −


=


OBS: Lembre que essa discussão é analítica e que uma representação geométrica implica em
retas concorrentes (solução única), coincidentes (indeterminado) ou paralelas (impossível).

35) Calcule os valores de a para que o sistema
¹
´
¦
= −
= +
0 6
1 2 3
y ax
y x
seja possível e determinado.
Solução.
Utilizando a comparação das razões dos coeficientes, temos que o sistema é possível e
determinado (solução única), se . 9 18 2
6
2 3
− ≠ ⇒ − ≠ ⇒

≠ a a
a


36) Calcule os valores de m para que o sistema
¹
´
¦
= + +
= + + +
0 ) 3 ( 2
7 ) 5 ( ) 2 (
y m x
y m x m
seja possível e
determinado.
Solução.
Utilizando a comparação das razões dos coeficientes, temos que o sistema é possível e
determinado (solução única), se . 10 2 6 5
3
5
2
2
2
+ ≠ + + ⇒
+
+

+
m m m
m
m m

Simplificando a equação, temos: m
2
+ 3m – 4 ≠ 0. Implica em (m + 4).(m – 1) ≠ 0. Logo basta
que m ≠ - 4 e m ≠ 1.
37) Calcule os valores de m para que o sistema
¹
´
¦
= +
= +
6 8
3 2
y mx
my x
tenha solução única.
Solução.
83
Utilizando a comparação das razões dos coeficientes, temos que o sistema é possível e
determinado (solução única), se . 16
8
2
2
≠ ⇒ ≠ m
m
m

Simplificando a equação, temos: m
2
– 16 ≠ 0. Implica em (m + 4).(m – 4) ≠ 0. Logo basta que m ≠
- 4 e m ≠ 4.

38) (UF - SC) Sejam
3 4
) (
×
=
ij
a A e
4 3
) (
×
=
ij
b B duas matrizes definidas por j i a
ij
+ = e j i b
ij
+ = 2 ,
respectivamente. Se C B A = ⋅ , então qual é o elemento
32
c da matriz C ?

Solução.
O elemento c
32
é o produto da 3ª linha da matriz A pela 2ª coluna da matriz B. Então bas ta
utilizar as leis de a
ij
e b
ij
para encontrar essa linha e coluna.
i) A 3ª linha de A possui os elementos: a
31
= 3 + 1 = 4; a
32
= 3 + 2 = 5; a
33
= 3 + 3 = 6.
ii) A 2ª coluna de B possui os elementos: b
12
= 2(1) + 2 = 4; b
22
= 2(2) + 2 = 6; b
32
= 2(3) + 2 = 8.
Logo, c
32
= a
31
b
12
+ a
32
b
22
+ a
33
b
32
= 4.4 + 5.6 + 6.8 = 16 + 30 + 48 = 94
OBS. Não é necessário formar as matrizes. Mas se fosse o caso elas seriam:
2 3 4 3 4 5 6
3 4 5 3 6 7 8
4 5 6 7 8 9 10
5 6 7
X

39) Resolva o sistema
¦
¦
¹
¦
¦
´
¦
|
|
¹
|

\
|


= −
|
|
¹
|

\
|

= +
18 1
3 4
4
19 9
5 8
3 2
Y X
Y X


Solução.
Multiplicando a 2ª equação por -2 em ambos os membros, temos:
¦
¦
¹
¦
¦
´
¦
|
|
¹
|

\
|


= −
|
|
¹
|

\
|

= +
18 1
3 4
4
19 9
5 8
3 2
Y X
Y X
Temos:
¦
¦
¹
¦
¦
´
¦
|
|
¹
|

\
|


= + −
|
|
¹
|

\
|

= +
36 2
6 8
8 2
19 9
5 8
3 2
Y X
Y X

Aplicando o método de adição, vem:
|
|
¹
|

\
|

= +
55 11
11 0
11 0 Y X .
x (-2)
84
Se Y =
|
|
¹
|

\
|
4 3
2 1
y y
y y
calculamos 11Y =
|
|
¹
|

\
|
4 3
2 1
11 11
11 11
y y
y y
=
|
|
¹
|

\
|

=
55 11
11 0
11Y .

Comparando os termos, vem:
¹
´
¦
= ⇒ =
− = ⇒ − =
¹
´
¦
= ⇒ =
= ⇒ =
. 5 55 11
. 1 11 11
. 1 11 11
. 0 0 11
4 4
3 3
2 2
1 1
y y
y y
y y
y y
Logo Y =
|
|
¹
|

\
|
− 5 1
1 0
.

Substituindo na 1ª equação do sistema e expressando o valor de X, temos:
|
|
¹
|

\
|

=
|
|
¹
|

\
|


|
|
¹
|

\
|

=
|
|
¹
|

\
|


|
|
¹
|

\
|

=
|
|
¹
|

\
|
4 6
2 8
15 3
3 0
19 9
5 8
5 1
1 0
3
19 9
5 8
2
4 3
2 1
x x
x x
.

Resolvendo agora os sistemas em x, temos:

¹
´
¦
= ⇒ =
− = ⇒ − =
¹
´
¦
= ⇒ =
= ⇒ =
. 2 4 2
. 3 6 2
. 1 2 2
. 4 8 2
4 4
3 3
2 2
1 1
x x
x x
x x
x x
. Logo X =
|
|
¹
|

\
|
− 2 3
1 4
. A solução é V = {
|
|
¹
|

\
|
− 2 3
1 4
,
|
|
¹
|

\
|
− 5 1
1 0
}

40) Considere
|
|
¹
|

\
|
=
0 4
1 5
A . Determine ( )
t
A A +

2
1
.
Solução.
Encontrar A
-1
significa encontrar a solução de:
|
|
¹
|

\
|
=
|
|
¹
|

\
|
|
|
¹
|

\
|
1 0
0 1
0 4
1 5
d c
b a
x .
Desenvolvendo a multiplicação e expressando o sistema, temos:

¹
´
¦
= +
= +
¹
´
¦
= +
= +
1 0 4
0 5
0 0 4
1 5
d b
d b
c a
c a
. Da 2ª equação, temos que: 4a = 0. Logo a = 0. Substituindo na 1ª equação, temos:
5(0) + c = 1. Logo c = 1. A 4ª equação fornece 4b = 1. Logo b = 1/4. A 3ª indica que d = -5b ou
d = -5/4.
85
Logo
|
|
¹
|

\
|

=

4 / 5 1
4 / 1 0
1
A . Calculando
|
|
¹
|

\
|


=
|
|
¹
|

\
|

|
|
¹
|

\
|

=

16 / 29 4 / 5
16 / 5 4 / 1
4 / 5 1
4 / 1 0
4 / 5 1
4 / 1 0
) (
2 1
x A .
Calculando a transposta, vem:
|
|
¹
|

\
|
=
0 1
4 5
t
A
Finalizando:
|
|
¹
|

\
|

=
|
|
¹
|

\
|
+
|
|
¹
|

\
|


= +

16 / 29 4 / 1
16 / 59 4 / 21
0 1
4 5
16 / 29 4 / 5
16 / 5 4 / 1
) (
2 1 t
A A













86
SISTEMA CARTESIANO ORTOGONAL NO PLANO

É um sistema composto por dois eixos perpendiculares entre si, ou seja, o eixo das abscissas
(eixo x ) e o eixo
das ordenadas (eixo y ) que dividem o plano em quatro quadrantes. Com este sistema, podemos
localiza pontos no plano que são chamados de pares ordenados ( ) y x, .



EXERCÍCIOS

1) Localize no plano cartesiano os pontos:

a) ( ) 2 , 3 A b) ( ) 4 , 1 − B c) ( ) 2 , 0 − C d) ( ) 0 , 5 − D e) ( ) 4 , 2 − − A

2) Determine o quadrante em que se encontra os pontos abaixo:

a) ( ) 15 , 7 A d) ( ) 1 , 5 − − D g) ( ) 1 , 7 − G
b) ( ) 2 , 3 − B e) ( ) 1 , 2 − E h) ( ) 4 , 4 − − H
c) ( ) 2 , 4 − C f) ( ) 4 , 3 F i) ( ) 5 , 0 I

3) O ponto B tem ordenada diferente de zero e abscissa nula, determine o eixo em que B se
encontra.

4) Dado o diagrama, determine as coordenadas dos pontos A, B, C, D e E:

87
−8 −7 −6 −5 −4 −3 −2 −1 1 2 3 4 5 6 7 8
−7
−6
−5
−4
−3
−2
−1
1
2
3
4
5
6
7
x
y
A
B
C
D
E


5) Represente, no sistema cartesiano ortogonal adequado, os pontos:
A(-1 , 4) D(-2 , -2) G(1 , 5 , 3) J(0 , 0 , 1)
B(3 , 3) E(-2 , 0) H(2 , 0 , 2) K(0 , 3 , 5)
C(2 , -5) F(0 , 1) I(2 , 2 , 3) L(2 , 4 , 0)

VETORES

Existem dois tipos de grandezas:

• Escalares: são as grandezas definidas por apenas um número real e acompanhadas de
uma unidade adequada, como comprimento, área, volume, massa, entre outras.
• Vetoriais: são as grandezas que precisamos conhecer seu módulo (ou comprimento ou
intensidade), sua direção e seu sentido, como força, velocidade, aceleração entre outras
e é representado por um segmento orientado (uma flecha).

Há diferença entre direção e sentido:

• Direção: horizontal, vertical, circular, inclinada.
• Sentido: à direita, à esquerda, anti-horário, horário.

88
O vetor é representado por um segmento orientado (uma flecha) sendo o seu módulo dado pelo
comprimento do segmento e direção e sentidos definidos.








NOTAÇÃO: AB (vetor correspondente ao segmento orientado com origem em A e extremidade
em B)

OBSERVAÇÕES
a) Os vetores u , v e w são paralelos, e indica-se por w v u // // , se os seus representantes
tiverem a mesma direção.

b) Os vetores u e v são iguais, e indica-se por v u = , se tiverem iguais o módulo, a direção e o
sentido.
c) Vetor nulo é aquele em que a origem coincide com a extremidade sendo indicado por 0 ou
AA e por não possui direção e nem sentido definidos, considera-se o vetor nulo ou zero paralelo
a qualquer vetor.
d) Vetor oposto possui mesmo módulo e mesma direção, porém com sentido contrário. Se
AB v = , o vetor BA é o oposto de AB , isto é, AB BA − = .

89
e) Dois vetores u e v são ortogonais se formarem ângulo reto (90º) e indica-se por v u ⊥ .

f) dois ou mais vetores são coplanares se existir algum plano onde estes vetores estão
representados.


u , v e w são coplanares u e v são coplanares e w não é coplanar a u e v

VETORES EM R
2

Os vetores de R
2
podem ser representados no plano cartesiano, conforme indicado na fig.2.

A figura acima mostra o vetor v cuja origem é o ponto A = (5, 4) e cuja extremidade é o ponto
B = (9, 9).
90
Em geral, usa-se na álgebra vetorial substituir o vetor por um vetor equivalente (vetor de mesmo
módulo, mesma direção ou direção paralela e mesmo sentido) cuja origem coincide com a
origem dos eixos cartesianos.
Esse vetor será indicado por v = (4, 5) onde (4, 5) são as coordenadas de sua extremidade.

O módulo do vetor v = (x, y), de acordo com o teorema de Pitágoras é

VETORES EM R
3

No espaço tridimensional, cada ponto é indicado por três coordenadas (x, y, z). Assim, todo
vetor de R
3
, localizado na origem será indicado por (x, y, z) onde (x, y, z) são as coordenadas de
suas extremidades.
Assim, o vetor u da figura abaixo, será u = (x, y, z).

O módulo do vetor u, de R
3
é determinado por


VETORES NO PLANO

Dados dois vetores
1
v e
2
v não paralelos, representados com a origem no mesmo ponto O e as
retas
1
r e
2
r contendo estes representantes, respectivamente,

91


Os vetores u , v , w, t , x e y , representados na figura, são expressos em função de
1
v e
2
v
por:

2 1
4 5 v v u + =
2 1
3 2 v v v + − =
2 1
4 v v w − − =
2 1
2 3 v v t − =
2 1
0 4 v v x + =
2 1
2 0 v v y + =

Aplicações da álgebra vetorial

Distância entre dois pontos

Sejam A = (x
1
, y
1
, z
1
) e B = (x
2
, y
2
, z
2
) dois pontos no espaço R
3
. A distância entre os pontos A e
B é igual ao módulo do vetor AB, que, conforme visto no capítulo 1, se determina por
, onde x = x
2
- x
1
, y = y
2
- y
1
e z = z
2
- z
1
.
No plano a distância entre os pontos (x
1
, y
1
) e (x
2
, y
2
) é .
Área de um triângulo
A área do triângulo é determinada por: A = b.h/2, que para o triângulo PQR torna-se A =
(1/2)PR.QS.
No triângulo PQR, tem-se: h = PQ.sen θ. Assim, a área é A = (1/2)PR.PQ.sen θ.
92


Ora, PR é o módulo do vetor u e QS o módulo do vetor v. Portanto, A = (1/2).| u |.| v |.sen θ.
O produto | u |. | v |. sen θ é exatamente o módulo do produto vetorial de u por v.
Portanto, temos A = (1/2). | u x v
Exemplo:- Calcular a área do triângulo de vértices A = (1, 2, 5), B = (5, -3, 7) e C = (0, -4, -2).
Façamos u = B - A e v = C - A. Desta forma teremos: u = (5 -1, -3 - 2, 7 - 5) e
v = (0 -1, -4 - 2, -2 - 5) ==> u = (4, -5, 2) e v = (-1, -6, -7).
Calculando u x v obtém-se: u x v = (47, 26, -29) cujo módulo é .
A área do triângulo é então: .
Obs.1 - Para encontrar a área do triângulo A = (x
1
, y
1
), B = (x
2
, y
2
) e C = (x
3
, y
3
), onde os lados
são pontos do plano, complete as coordenadas com z
1
= z
2
= z
3
= 0 e aplique o mesmo
raciocínio anterior.
Obs. 2 - A área do quadrilátero ABCD equivale à soma das áreas dos triângulos ABC e ACD.

PONTO MÉDIO DE UM SEGMENTO
Dados os pontos A (x
1
, y
1
) e B (x
2
, y
2
), o ponto médio é aquele que divide o segmento em dois
segmentos cujas medidas são iguais á metade da medida do segmento AB.
Na figura a seguir, M(xm, ym) é o ponto médio do segmento AB.

Pela semelhança dos triângulos ABB' e AMM' podem escrever:
AM / AB = AM' / AB' ==> 1 / 2 = (x
m
- x
1
) / (x
2
- x
1
) ==> 2x
m
- 2x
1
= x
2
- x
1
==> 2x
m
= x
2
+ x
1
==>
x
m
= (x
2
+ x
1
)/2.
93
Pela semelhança dos triângulos BAB' e BMM' tira-se BM / BA = BM' / BB' ==> 1 / 2 = (y
2
- y
m
) /
(y
2
- y
1
) de onde se conclui y
m
= (y
2
+ y
1
)/2.
Portanto, o ponto médio do segmento AB, com A (x
1
, y
1
) e B (x
2
, y
2
), é [(x
1
+ x
2
)/2, (y
1
+ y
2
)/2].
O raciocínio pode ser estendido para o espaço R
3
, sendo [(x
1
+ x
2
)/2, (y
1
+ y
2
)/2, (z
1
+ z
2
)/2] as
coordenadas do ponto médio do segmento AB, sendo A = (x
1
, y
1
, z
1
) e B = (x
2
, y
2
, z
2
).

Exercícios

1) Calcule a área do triângulo formado pelos pontos médios dos lados do triângulo ABC sendo
A = (3, 2, 5), B = (5, -3, 7) e C = (0, -4, -2).
2) Calcule a área e o perímetro do triângulo ABC se A = (3, 2, 5), B = (5, -3, 7) e C = (0, -4, -2).
3) Note que o triângulo ABC dos exercícios 1 e 2 é o mesmo. Compare as áreas obtidas nos
dois exercícios. Que conclusão se pode tirar a respeito da área de um triângulo e da área do
triângulo formado pelos pontos médios desse triângulo?
4) Calcule as medidas das medianas do triângulo de vértices A = (3, 2, 5), B = (5, -3, 7) e
C = (0, -4, -2).
5) Em cada caso, calcule a distância entre os pontos A e B e represente-os no sistema de
coordenadas cartesianas adequado:
a) A(1 , 3) e B(-2 , 1).
b) P(3 , -4) e O é a origem.
c) A(0 , 2 , 1) e B(2 , 2 , 3)
d) A(1 , 2 , 2) e B(2 , 5 , 6)
6) O triângulo ABC tem vértices A(3 , 1); B(-1 , 1) e C(-1 , 4). Calcule o seu perímetro. Desenhe
o triângulo.
7) Determinar o ponto P∈ IR
2
, pertencente ao eixo y, eqüidistante dos pontos A (2 , 0) e B (2 , 4).
8) Determinar o ponto P∈ IR
3
, pertencente ao eixo x e eqüidistante dos pontos A(-1 , 2 , 5) e
B (1 , 4 , 2).
9) Determinar o ponto P∈ IR
3
, eqüidistante dos pontos A (0 , 1 , 2) e B (4 , -1 , 3) cuja ordenada
é o triplo da abscissa e cuja cota é nula.
10) Determinar o ponto P∈ IR
2
, de abscissa 5, que dista 2 do ponto A(4 , 1).
11) Determine a área e o perímetro de um quadrado que tem como vértices consecutivos os
pontos A (3 , 5 , 2) e B (4 , 0 , 2).
12) Dê as coordenadas do vetor AB, calcule a sua norma e faça a representação gráfica:


94

a) A(2 , 5)
B(1 , 3)

b) A(-1 , 4)
B(3 , 4)

13) Determine a extremidade do segmento que representa o vetor v
r
= (2 , -5) sabendo que sua
origem é o ponto A(-1 , 3).

14) Dados A(0 , 1); B(1 , 0); C(1 , 2) e D(2 , 1) mostre que CD AB = . Represente graficamente.


Respostas dos exercícios
5) a) 13 un
b) 5 un
c) 2 2 un
d) 26 un

6) 12 un

7) P(0 , 2)

8) P |
¹
|

\
|
− 0 , 0 ,
4
9


9) P |
¹
|

\
|
− − 0 ,
4
63
,
4
21


10) P(5 , 1 + 3 ) ou P(5 , 1 - 3 )

11) Área = 26 un
2

Perímetro = 4 26 un
c) A(1 , -1)
B(-2 , -3)

d) A(3 , 2)
B(3 , 2)
e) A(2 , 4 , 4)
B(2 , 7 , 6)
95
12) a) un 5 AB ); 2 , 1 ( AB = − − =
b) un 4 AB ); 0 , 4 ( AB = =
c) un 13 AB ); 2 , 3 ( AB = − − =
d) un 0 AB ); 0 , 0 ( AB = =
e) un 13 AB ); 2 , 3 , 0 ( AB = =
13) (1 , -2)
14) ) 1 , 1 ( CD AB − = =

IGUALDADE DE VETORES

Dois vetores ( )
1 1 1
, , z y x u = e ( )
2 2 2
, , z y x v = são iguais se, e somente se,
2 1
x x = ,
2 1
y y = e
2 1
z z = , escrevendo-se v u = .

OPERAÇÕES COM VETORES

Sejam os vetores ( )
1 1 1
, , z y x u = e ( )
2 2 2
, , z y x v = e ℜ ∈ α . Define-se:
1) ( )
2 1 2 1 2 1
, , z z y y x x v u + + + = +
2) ( )
1 1 1
, , z y x u α α α α =

VETOR DEFINIDO POR DOIS PONTOS

Sendo ( )
1 1 1
, , z y x A a origem de um vetor e ( )
2 2 2
, , z y x B a sua extremidade, e se AB v = ,temos:
( )
1 2 1 2 1 2
, , z z y y x x v A B v − − − = ⇔ − =
OBS: da equação A B v − = , podemos tirar:
• Origem: v B A A B v − = ⇔ − =
• Extremidade: v A B A B v + = ⇔ − =



96
Exercícios
1) Dados A(0 , 1); B(1 , 0); C(1 , 2) e D(2 , 1) mostre que CD AB = . Represente graficamente.

2) Calcule o vetor soma e o vetor diferença em cada caso. Faça a representação gráfica de
todos os vetores:

a) AB a =
r

A (1 , 2)
B (5 , 7)


b) AB a =
r

A (7 , 3)
B (9 , 7)
Respostas dos exercicios
1) ) 1 , 1 ( CD AB − = =

2) a) ) 4 , 2 ( b a e ) 6 , 6 ( b a = − = +
r
r
r
r

b) ) 2 , 7 ( b a e ) 6 , 3 ( b a = − − = +
r
r
r
r


MÓDULO DE UM VETOR

2 2 2
z y x v + + =

EXERCÍCIOS

1) Determinar o valor de x e y sabendo que ( ) 3 , 1 + = x u e ( ) 5 2 , 5 − = y v são iguais.

2) Dados os vetores ( ) 3 , 1 − = u e ( ) 2 , 1 − = v , determinar:
a) v u 2 3 + b) v u 2 3 −

3) Determinar o vetor x na igualdade x v u x + = +
2
1
2 3 , sendo dados ( ) 1 , 2 − = u e ( ) 4 , 2 − = v .
CD b =
r

C (3 , 9)
D (5 , 10)
CD b =
r

C (6 , 8)
D (1 , 10)
97

4) Encontrar os números
1
a e
2
a tais que
2 2 1 1
v a v a v + = , sendo dados ( ) 10 , 2 = v , ( ) 3 , 5
1
= v e
( ) 1 , 2
2
− = v .

5) Dados os pontos ( ) 1 , 2 − A , ( ) 3 , 1 − B e ( ) 2 , 4 − C , determinar o ponto D de modo que AB CD
2
1
= .

6) Sendo ( ) 2 , 4 − A e ( ) 4 , 1 B extremidades de um segmento, determinar os pontos F e G que dividem
AB em três segmentos de mesmo comprimento.

7) Dados os vetores ( ) 1 , 3 − = u e ( ) 1 , 2 − − = v , determinar:
a) u b) v u + c) v u 3 2 −

8) Determinar, no eixo Ox , um ponto P que seja equidistante dos pontos ( ) 1 , 2 − − A e ( ) 5 , 4 − B .

9) Dados os pontos ( ) 1 , 1 , 0 − A e ( ) 1 , 1 , 1 − B e os vetores ( ) 1 , 1 , 2 − − = u , ( ) 1 , 3 , 0 − = v e ( ) 2 , 2 , 1 − = w , verificar se
existem os números
1
a ,
2
a e
3
a tais que v a u a AB a w
3 2 1
+ + = .

10) Sabendo que o ponto ( ) n m P , , 3 − pertence à reta que passa pelos pontos ( ) 4 , 2 , 1 − A e
( ) 1 , 3 , 1 − − B , determinar m e n .

11) Dados os vetores j i u + − = 2 , j i v − = e j i w 3 2 + = , determinar:
a) v u − 2 b) w u v 2 + − c) w v u − − 2
2
1
d) w v u
2
1
2
1
3 − −

12) Dados os vetores ( ) 1 , 3 − = u e ( ) 2 , 1 = v , determinar o vetor x tal que:
a) ( ) x u x v u − = + − 2
3
1
4 b) ( ) ( ) u x u v x 3 4 2 2 3 − = − −

13) Dados os pontos ( ) 1 , 3 − A , ( ) 5 , 2 B , ( ) 3 , 1 − C e ( ) 0 , 0 O , calcular:
a) AB OA − b) BC OC − c) CB BA 4 3 −

14) Dados os vetores ( ) 2 , 4 − = u , ( ) 5 , 1 − = v e ( ) 12 , 6 − = w , determinar
1
a e
2
a tais que v a u a w
2 1
+ = .
98

15) Dados os pontos ( ) 3 , 4 − A e ( ) 1 , 1 − B e o vetor ( ) 2 , 3 − = v , calcular:
a) ( ) v A B 2 + − b) ( ) v B A − − c) ( ) A B B − + 2 d) ( ) B A v − − 2 3


16) Sejam os pontos ( ) 5 , 1 − A e ( ) 1 , 3 B . Determinar o vetor ( ) b a v , = tal que:
a) v A B 2 + = b) v B A 3 + =

17) Dados os pontos ( ) 3 , 2 − A e ( ) 5 , 2 − B , determinar os pontos M e N pertencentes ao segmento
AB tais que AB AM
2
1
= e AB AN
3
2
= .

18) Dados os vetores ( ) 1 , 1 − = u , ( ) 3 , 4 − = v e ( ) 8 , 6 − = w , calcular:
a) u b) v c) w

19) Calcular os valores de a para que o vetor ( ) 2 ,− = a u tenha módulo 4.

20) Encontrar o ponto P de eixo Ox de modo que a sua distância ao ponto ( ) 2 , 3 − A seja igual a 5.

21) Dados os pontos ( ) 3 , 2 , 2 − A e ( ) 5 , 1 , 1 − B e o vetor ( ) 4 , 3 , 1 = v , calcular:
a) v A 3 + b) ( ) v B A − − c) ( ) A B B − + 2 d) ( ) A B v − − 3 2

22) Dados os pontos ( ) 3 , 2 , 1 − A , ( ) 4 , 1 , 2 B e ( ) 1 , 3 , 1 − − − C , determinar o ponto D tal que 0 = + CD AB .

23) Sabendo que w v u 2 4 3 = − , determinar a, b e c, sendo ( ) c u , 1 , 2 − = , ( ) 3 , 3 , − = b a v e ( ) 0 , 1 , 4 − = w .

Dados os vetores ( ) 1 , 3 , 2 − = u , ( ) 2 , 1 , 1 − = v e ( ) 0 , 4 , 3 − = w

24) Determinar o vetor x de modo que w x x v u 2 4 3 + = + − ;

25) Encontrar os valores
1
a ,
2
a e
3
a tais que ( ) 5 , 13 , 2
3 2 1
− − = + + w a v a u a .

99
PRODUTO ESCALAR

Chama-se produto escalar de dois vetores k z j y i x u
1 1 1
+ + = e k z j y i x v
2 2 2
+ + = , e se
representa por v u • , ao número real
2 1 2 1 2 1
z z y y x x v u + + = • .
O produto escalar de u por v também é indicado por > < v u, e se lê “ u escalar v ”.
Exemplos:
1) Dados os vetores k j i u 8 5 2 + − = e k j i v − − = 2 5 , calcule v u • .

2) Sejam os vetores ( ) 1 , 2 , 3 − = u e ( ) 1 , 4 , 1 − = v . Calcular:

a) ( ) ( ) v u v u − • + 2 b) u u • c) u • 0

3) Dados os vetores ( ) 1 , , 4 − = α u e ( ) 3 , 2 ,− = α v e os pontos ( ) 2 , 1 , 4 − A e ( ) 2 , 1 , 3 − B , determinar o valor de
α tal que ( ) 5 = + • BA v u .
EXERCÍCIOS

1) Dados os vetores ( ) 1 , 3 , 1 − − = u e ( ) 4 , 1 , 1 − = v , calcular:

a) ( ) v u − • 2 b) ( ) ( ) u v v u 2 3 − • + c) ( ) ( ) v u v u − • + d) ( ) ( ) u v v u − • +

2) Sejam os vetores ( ) 1 , , 2 a u = , ( ) 2 , 1 , 3 − = v e ( ) 4 , 2 , 1 2 − − = a w . Determinar a de modo que
= • v u ( ) ( ) w v v u + • + .

3) Dados os pontos ( ) 0 , 1 , 4 − A , ( ) 2 , 1 , 2 − B e ( ) 2 , 3 , 1 − C e os vetores ( ) 1 , 1 , 2 = u e ( ) 3 , 2 , 1 − − = v , obter o vetor x
tal que:

a) ( )v u AB x v x • + = + 2 3 b) ( ) ( ) x v v u x v BC 3 − • = •





100
PRODUTO VETORIAL

DEFINIÇÃO DE PRODUTO VETORIAL: Chama-se produto vetorial de dois vetores
k z j y i x u
1 1 1
+ + = e k z j y i x v
2 2 2
+ + = , tomados nesta ordem, e se representa por v u x , ao vetor.
k j i x x
2 2
1 1
2 2
1 1
2 2
1 1
2 2 2
1 1 1
y x
y x
z x
z x
z y
z y
v u
z y x
z y x
k j i
v u − − = ⇔ =
O produto vetorial de u por v também é indicado por v u ∧ e lê-se “ u vetorial v ”.

Dispositivo prático para o cálculo de v u x

( ) ( ) ( )k y x y x j x z x z i z y z y v u
1 2 2 1 1 2 2 1 1 2 2 1
x − + − + − =

EXERCÍCIOS
1) Calcular v u x para k j i u 4 3 2 + + = e k i v + = .

Se k j i u − − = 3 ,
k j i v + + − = 2
e
k i w + =
, determinar:

1)
( ) ( ) v 3 x 2v

2) ( ) ( ) u x w x w u +
3) ( ) ( ) u x v x v x u
4)
( ) w x v u −

5)
( ) w x v x u

6)
( ) w x v x u

7)
( ) w u + v x

8) w x v x u u +
9)
( ) v u • v x

101
10)
( ) w u • v x

11)
( ) w x v u •

12) Dados os pontos ( ) 1 , 2 , 2 − A , ( ) 1 , 0 , 3 − B e ( ) 2 , 1 , 3 − − C , determinar o ponto D tal que AC x BC AD = .

VETORES LINEARMENTE DEPENDENTES E LINEARMENTE INDEPENDENTES

• NO PLANO
Dois vetores u e v são ditos linearmente dependentes ( ) LD se um deles for nulo ou se forem
vetores paralelos. Caso isso não ocorra, os vetores são ditos linearmente independentes ( ) LI .
Logo, concluímos que os vetores ( )
1 1
, y x u = e ( )
2 1
, y x v = são linearmente dependentes ( ) LD se e
somente se as correspondentes componentes são proporcionais, ou seja, existe α tal que
¹
´
¦
=
=
2
1 1
y y
y x
α
α
.

• NO ESPAÇO

Os vetores u e v são ditos linearmente dependentes ( ) LD se um deles for nulo ou se forem
vetores paralelos. Caso isso não ocorra, os vetores são ditos linearmente independentes ( ) LI .
Análogo ao plano, os vetores ( )
1 1 1
, , z y x u = e ( )
2 2 1
, , z y x v = são linearmente dependentes ( ) LD se e
somente se as correspondentes componentes são proporcionais, ou seja, existe α tal que
¦
¹
¦
´
¦
=
=
=
2 1
2 1
2 1


z z
y y
x x
α
α
α
.
Os vetores ( )
1 1 1
, , z y x u = , ( )
2 2 1
, , z y x v = e ( )
3 3 3
, , z y x w = são ditos linearmente dependentes ( ) LD se
0
3 3 3
2 2 2
1 1 1
=
y y x
z y x
z y x
.

EXEMPLOS
Dados os vetores ( ) 4 , 2 = a , ( ) 8 , 4 = b , ( ) 5 , 3 = c , ( ) 0 , 0 = d , |
¹
|

\
|
=
2
3
,
2
1
e , verifique se os vetores são
linearmente dependentes ou independentes:

102
1) { } b a,
2) { } c a,
3) { } d a,
4) { } e a,
5) { } d c,

Verifique se os vetores abaixo são linearmente dependentes ou linearmente independentes:

1) ( ) 2 , 1 , 1 − − − = u , ( ) 3 , 1 , 0 = v e ( ) 11 , 3 , 4 − = w
2) ( ) 3 , 1 , 1 − = u , ( ) 3 , 1 , 2 = v e ( ) 4 , 1 , 1 − − = w



EXERCÍCIOS

Dados os vetores abaixo, verifique se os vetores são linearmente dependentes ou
independentes:

1) |
¹
|

\
|
=
9
1
,
27
5
a e ( ) 5 , 3 = b

2) ( ) 12 , 6 − = c e ( ) 5 , 3 − = d

3) ( ) 4 , 2 = e e ( ) 0 , 0 = f

4) ( ) 1 , 0 , 1 = g e ( ) 0 , 1 , 0 = h

5) ( ) 2 , 3 , 1 = i e ( ) 1 , 1 , 2 = j

6) ( ) 2 , 1 , 1 − = k , ( ) 0 , 1 , 2 − = l e ( ) 2 , 0 , 1 = m

7) ( ) 1 , 2 , 1 = n , ( ) 1 , 5 , 4 − = o e ( ) 7 , 1 , 1 − = p
103

8) |
¹
|

\
|
− − =
2
1
,
2
1
,
2
7
q e ( ) 1 , 1 , 7 − − = r
9) Determine λ ∈ IR, de modo que os vetores a
r
= (-1 , 0 , λ), b
r
= (2 , -3 , 5) e c
r
= (λ , 2 , 1)
sejam LD.

10) Determine λ ∈ IR, de modo que os vetores a
r
= (λ , -1 , 2), b
r
= (0 , λ , 3) e c
r
= (4, -3 , 11)
sejam LI.


EQUAÇÃO DA RETA NO PLANO

A reta tem como equação uma função de primeiro grau, podendo se apresentar sob diversas
formas. Entre as formas iremos analisar: as paramétricas, a reduzida, a geral e a segmentária.
Seja então a reta apresentada na figura abaixo:

Equações paramétricas

Uma reta fica perfeitamente definida se conhecermos um de seus pontos e uma direção paralela
a ela.
Sejam então: A(x
o
, y
o
) um ponto da reta, u = (a, b) um vetor paralelo à reta e P(x, y) um ponto
genérico dessa reta.
Como a reta r é paralela ao vetor u, podemos escrever: P - A = λ .u ⇔ (x - x
o
, y - y
o
) = λ.(a, b)
⇔ x - x
o
= λa e y - y
o
= λb ⇒

que são as equações paramétricas da reta.

104
Exemplos:-

1) Escrever a equação da reta que passa pelo ponto (2, -4) cuja direção é definida pelo
vetor (5, 3).
Solução:- A solução é imediata de acordo com o que foi visto acima.
Resposta: x = 2 + 5λ e y = -4 + 3λ.
2) Verifique se o ponto (3, - 8) pertence ou não à reta x = -2 + λ e y = 4 + 2λ.
Solução:- Para que (3, -8) pertença à reta, estas coordenadas devem verificar as duas
equações.
Na primeira equação: 3 = -2 + λ ⇒ λ = 5. Levando esse valor para a segunda equação resulta:
y = 4 + 2.5 = 14. Como y deve ser igual a -8, o ponto não pertence à reta.
3)Construa o gráfico da reta x = -2 - 3λ e y = 7 + 2λ.
Solução:- Para construir o gráfico basta determinar dois pontos da mesma. Para isso, atribui-se
valores
para λ e calculam-se os valores de x e y. Assim, para λ = 0, temos: x = -2 - 3.0 = -2 e
y = 7 + 2.0 = 7.
Para λ = -1, x = -2 - 3.(-1) = 1 e y = 7 + 2.(-1) = 5. Temos assim dois pontos (-2, 7) e (1, 5).
Marcando esses pontos no sistema de eixos cartesianos, e ligando-os por uma reta teremos o
gráfico construído.

4) Dê um vetor v da forma (9x, 12) que seja paralelo à reta x = -2 + 3λ e y = 7 - 2λ.
Solução:- Um vetor paralelo à reta é u = (3, -2), tirado da própria equação. Ora, se v é paralelo à
reta então v é paralelo a u. Assim v = ku ⇒ (9x, 12) = k(3, -2) ⇒ -2k = 12 e 3k = 9x. De -2k = 12
tira-se k = -6 que levado em 3k = 9x ⇒ -18 = 9x ⇒ x = -2. O vetor é então (-18, 12).
105
.
Equação segmentária
Eliminando o valor de nas equações paramétricas obtém-se:

que é a equação segmentária da reta.

Nesta forma, (a, b) é um vetor paralelo à reta e (x
0
, y
0
) é um ponto conhecido.

Equação reduzida

Da equação segmentária da reta, tiramos bx - bx
o
= ay - ay
o
⇒ ay = bx - bx
o
+ ay
o

y = (b/a)x + (ay
o
- bx
o
). Fazendo b/a = m e ay
o
- bx
o
= h, resulta: y = mx + h . Esta forma de
apresentação da equação da reta é chamada de forma reduzida.
Observe que m = b/a é a tangente do ângulo que o vetor (a, b) forma com o eixo positivo dos x.
O coeficiente m (= b/a) é chamado de inclinação, ou coeficiente angular ou declividade da reta.
Além disso, se fizermos x = 0, resulta y = h, de onde se conclui que (0, h) é o ponto onde a reta
corta o eixo vertical. O parâmetro h é chamado de parâmetro linear da reta.
Com relação ao vetor que define a direção da reta, podemos escrever (1, b/a) = (1, m) é paralelo
a a.(1, b/a) = (a, b). Ou seja, o vetor (1, m) é paralelo à reta y = mx + h.

Equação geral

Da expressão bx - bx
o
= ay - ay
o
podemos obter bx + (-a) y + a y
o
– b x
o
= 0. Substituindo b por
A, (-a) por B e ay
o
- bx
o
por C, a igualdade anterior fica A x + B y + C = 0. Esta forma é
chamada equação geral da reta.
Se considerarmos dois vetores (A, B) e (a, b), seu produto escalar é A a + B b. Como foi feito
A = b e B = - a, teremos A a + B b = b a + (- a) b = b a – a b = 0 ⇒ (A, B) é perpendicular a
(a, b). Como (a, b) é paralelo à reta, podemos concluir que (A, B) é um vetor perpendicular à reta
A x + B y + C = 0.



106
EXERCÍCIOS:

1) Seja x = 3 + 4λ e y = -5 + 2λ as equações paramétricas da reta. Escreva as equações
simétricas, reduzida e geral para essa mesma reta.

2) Seja y = 2x - 7 e 4x + 3y + 2 = 0 as equações reduzida e geral de duas retas. Escreva as
demais formas de equações dessas retas.

3) Dê um vetor paralelo à cada uma das retas abaixo:
a) x = -5 + 6λ e y = 8 - 3λ
b) (x - 2)/5 = (y + 7)/3
c) y = 2x + 5
d) 3x + 4y + 5 = 0

4) Construa o gráfico de cada uma das retas citadas no exercício 3.

5) Dê um vetor perpendicular a cada uma das retas citadas no exercício 3.

6) O vetor (k + 1, 7) é perpendicular à reta (i) 3x + 4y + 5 = 0, (ii) y = 2x - 5
(iii) (x - 2)/5 = (y + 7)/3 (iv) x = -5 + 6λ e y = 8 - 3λ . Determine, para cada caso, o valor de k.

7) Escreve, na diferentes formas da reta, a equação da reta que satisfaça as condições:
(a) passa pelo ponto (-8, 9) e é paralela ao vetor (4, -2)
(b) passa pelo ponto (5, -4) e é perpendicular ao vetor (7, -1)

8) Calcule a área e o perímetro do triângulo cujos lados são segmentos das retas y = 2x - 9, 3x +
4y - 1 = 0 e (x - 1)/2 = (x + 1)/3.
9) Dar as equações vetorial e paramétricas da reta r que passa por A(1 , -1) e tem vetor diretor
v
r
=(3 , 4). Faça a representação gráfica.

10) Verifique se os pontos B(4 , 3) e C(3 , 1) pertencem à reta r do exercício anterior.

11) Determine as equações vetorial e paramétricas da reta r determinada pelos pontos A(1 , 1) e
B(2 , -3).

107
12) Determine as equações vetorial e paramétricas da reta r que passa pelos pontos A(1 , 0 , 1)
e B(0 , 1 , 0).
12) Dadas as equações paramétricas de uma reta r, achar uma equação vetorial de r:

13) Verifique se o ponto P(4 , 1 , -1) pertence à reta r: X=(1 , 0 , 1) + λ(2 , 1 , 1) ; λ∈IR.

14) Dar as equações vetorial e paramétricas da reta r que passa pela origem do sistema
cartesiano e que tem vetor diretor v
r
=(2 , 1 , 3). Represente graficamente.

PARALELISMO E PERPENDICULARISMO DE RETAS EM R
2

As condições de paralelismo e perpendicularismo de duas retas podem ser analisadas a partir
dos vetores paralelos ou perpendiculares às retas.
Lembrando:

(i) Dadas as equações x = x
o
+ aλ e y = y
o
+ bλ, (a, b) é um vetor paralelo à reta.
(ii) Na forma Ax + By + C = 0, (A, B) é um vetor perpendicular à reta.
(iii) Na forma y = m x + h, m = a/b, sendo (a, b) o vetor paralelo à reta.
(iv) Para duas retas paralelas, seus vetores (a, b) e (a’, b’) são da forma (a’, b’) = k(a, b) onde k
é um número real.
(v) Para duas retas perpendiculares, os vetores (a, b) e (a’, b’) também serão perpendiculares.
Neste caso, o produto escalar é nulo, ou seja, a a’ + b b’ = 0.
Usando as condições acima, é simples verificar se duas retas são paralelas ou perpendiculares,
bem como encontrar uma reta que seja paralela ou perpendicular a outra reta dada.
Exemplo 1:
¦
¹
¦
´
¦
λ − =
λ =
λ + =
5 6 z
2 y
3 1 x

108
Determine a equação da reta que passa pelo ponto (2, 7) e que seja paralela à reta cujas
equações paramétricas x = 4 - 2λ e y = 5 + 3λ.
Solução:- Como a reta é paralela à reta dada, o vetor que define a direção de ambas é (-2, 3).
Temos então: x = 2 - 2λ e y = 7 + 3λ.
Exemplo 2:
Determine a equação da reta que passa pelo ponto (-2, 5) e é paralela à reta y = 4x + 3.
Solução:- Como m = 4, temos 4 = a/b. Como a reta passa pelo ponto (-2, 5), terá:
5 = 4.(-2) + h h = 13. Portanto, a equação da reta será y = 4x + 13.
Exemplo 3:
Determine a equação da reta paralela à 3x – 2y + 4 = 0, que passa pelo ponto (1, 7).
Solução:- (3, – 2) é um vetor perpendicular à reta dada. Como se quer uma reta paralela à
primeira, este vetor também será perpendicular à reta cuja equação se quer determinar.
Assim, 3.1 – 2.7 + C = 0 C = 11 3x – 2y + 11 = 0.
Exemplo 4:
Escreva a equação da reta que passa pelo ponto (2, -1), que seja perpendicular à reta
r: 3x + 2y + 5 = 0.
Solução:- O vetor (3, 2) é perpendicular à reta r, portanto, é paralelo à reta s. Assim, a equação
da reta é x = 2 + 3λ e y = -1 + 2λ.
Exemplo 5:
Escreva a equação da reta que passa pelo ponto (2, -1), perpendicular à reta
x = 2 + 4λ e y = 5 - 3λ.
Solução:- O vetor (4, -3) é paralelo à reta dada. Portanto, perpendicular à reta pedida. O vetor
paralelo à reta pedida (a, b) deve ser tal que (a, b).(4, -3) = 0. Quaisquer valores de a e b que
satisfaçam o produto, pode ser usado como vetor paralelo à reta. Pode-se então fazer a = 3 e
b = 4, pois 3.4 + 4(-3) = 0. Assim, a equação da reta pedida é x = 2 + 3λ e y = -1 + 4λ.

EXERCÍCIOS:
109

1. Considere a reta r, dada por suas equações paramétricas: x = 3 - 2λ e y = -5 + 4λ. Escreva,
nas formas reduzidas e segmentária, a equação da reta que passa pelos pontos (-2, 3), sendo a
mesma:
a) paralela a r
b) perpendicular a r.
2. Considere a reta r, dada sob a forma reduzida y = (2/3)x - (4/5). Escreva, na forma geral e
paramétrica, a equação da reta que passa pelo ponto (-1, -5), sendo a mesma:
a) paralela a r
b) perpendicular a r.
3. Considere a reta r, dada sob a forma geral, 3x - 2y + 6 = 0. Escreva nas formas geral,
reduzida e paramétrica, a equação da reta que passa pelo ponto (2, 5), sendo a mesma:
a) paralela a r
b) perpendicular a r.
4) Uma reta r passa pelo ponto (-4, 1) e tem sua direção definida pelo vetor (4, 5). Escreva a
equação paramétrica da reta que passa pelo ponto (1, -2) se a mesma é:
a) paralela a r
b) perpendicular a r.
5) Estude a posição relativa das retas:
a) r: X = (-1 , 0 , -1) + λ (2 , 3 , 2)
s: X = (0 , 0 , 0) + u (1 , 2 , 0)
c) r: X = (1 , -1 , 1) + λ (-2 , 1 , -1)
s: X = (3 , 3 , 0) + u (2 , -1 , 1)
b) r: X = (8 , 1 , 9) + λ (2 , -1 , 3)
s: X = (3 , -4 , 4) + u (1 , -2 , 2)
d) r: X = (-3 , 4 , 1) + λ (1 , 4 , 3)
s: X = (0 , 2 , 2) + u (1 , 1 , -1)


6) Verifique se as retas são ortogonais:
a) r: X = (1 , 2 , 3) + λ (1 , 2 , 1)
s: X = (2 , 4 , 4) + u (-1 , 1 , -1)

b) r: X = (0 , 1 , 0) + λ (3 , 1 , 4)
s: X = (-1 , 1 , 0) + u (1 , 0 , 1)
110


A RETA NO ESPAÇO R
3

Para o espaço tridimensional são consideradas três coordenadas (x, y, z). A determinação da
equação de uma reta nesse espaço tem as mesmas características que a equação da reta no
espaço R
2
, diferenciando apenas no número de coordenadas.
Sejam então,
a) um ponto (x
0
, y
0
, z
0
) conhecido,
b) o vetor v = (a, b, c) paralelo à reta r e
c) (x, y, z) um ponto genérico da reta r, conforme indicados na figura abaixo.


O vetor u = (x - x
0
, y - y
0
, z - z
0
), por ser paralelo a v = (a, b, c), é tal que u = λv, o que permite
escrever:
(x - x
0
, y - y
0
, z - z
0
) = λ.(a, b, c) = (aλ, bλ, cλ).
Aplicando a definição de igualdade de vetores, conclui-se:
x - x
0
= aλ ⇔ x = x
0
+ aλ; y - y
0
= bλ y = y
0
+ bλ e z - z
0
= cλ z = z
0
+ cλ.
As equações:
x = x
0
+ aλ λλ λ
y = y
0
+ b λ λλ λ
z = z
0
+ cλ λλ λ,
são denominadas equações paramétricas da reta.
Explicitando λ nas equações pode-se também escrever

que constituem as equações segmentárias da reta.

É importante não esquecer que (a, b, c) é um vetor paralelo à reta enquanto que (x
0
, y
0
, z
0
) é um
ponto da reta.

111
POSIÇÕES RELATIVAS DE DUAS RETAS EM R3.

A figura a seguir mostra diversas retas no espaço tridimensional, ou seja, em R
3
.

Na figura o vetor u define as direções de retas como u e t, enquanto que r define a direção da
reta r.
O vetor u é perpendicular ao vetor v. Assim, o produto escalar u.v é nulo.
Entretanto, as retas r e u são perpendiculares enquanto que as retas r e t são ortogonais.
Para que as retas sejam perpendiculares, além do produto u.v ser nulo, o sistema formado pelas
equações das duas retas deve ter solução única.
No caso de serem ortogonais, não concorrentes, a solução do sistema formado pelas duas retas
não deve ter solução.
Para retas paralelas, os vetores que definem suas direções também serão paralelos. Assim, se s
e w são os vetores que definem as direções das retas, deve-se ter s = k. w.
Quando, as retas não são paralelas e o produto escalar dos vetores que definem suas direções
não for nulo, as retas serão concorrentes obliquas se o sistema apresentar solução única ou
serão reversas oblíquas se o sistema não tiver solução.

EXERCÍCIOS
1 - Escreva a equação da reta cuja direção é definida pelo vetor (2, 1, 2) e que passe pelo
ponto (-2, 3, 4).
2 – Escreva, na forma segmentária, a equação da reta que passa pelo ponto (3, 4, 2), paralela
à reta:
x = 3 + 2λ y = -4 + 7λ z = -5 - 3λ.

112
3 – Considere os pares de retas abaixo. Informe a posição de uma em relação à outra.
a) (x – 3)/2 = (y + 2)/-3 = (z – 5)/4 e [x = 4 – 8λ ; y = 10 + 12λ ; z = 15 – 16λ]
b) [x = 1 + 2λ ; y = 4 + 3λ ; z = - 3 + 4λ] e [x = 9 + 3λ ; y = -7 + 2λ ; z = 2 - 3λ]
c) [x = 1 + 2λ ; y = 4 + 3λ ; z = - 3 + 4λ] e [x = 2+ 3λ ; y = 5 + 2λ ; z = (-5/3) - 3λ]

4 – Ache o valor de a para que as retas (x – 3)/2 = (y + 2)/-3 = (z – 5)/4 e [x = 1 + 2λ ; y = 4 +
3λ ; z = a + 4λ] sejam concorrentes.

5 - Dê um vetor na forma (20, n, m) que seja paralelo à reta (x - 2)/4 = (y - 1)/3 = (z + 4)/(-2).

6 - Dê um vetor na forma (a, b, 15) que seja paralelo à reta x = -3 + 4λ, y = 2 - 3λ, z = 5 + 2λ.

7 - Dê um ponto que pertença à reta do exercício 05 e outro que pertença à reta do exercício 6.

8 - Determine um vetor na forma (5, 2a - 1, a) que seja perpendicular à reta do exercício 5.

9 - Determine um vetor na forma (2a + 2, 3a, 1), que seja perpendicular à reta do exercício 6.

10 - Determine a equação da reta, nas formas paramétricas e segmentária, que passa pelos
pontos (2, 1, 2) e (5, -1, 7).

11 - Verifiquem se o ponto (6, -1, 0) pertence à reta que passa pelos pontos (4, -2, 3) e (5, 1, 5).

12 - Sejam A = (7, -13, 6), B = (4, -4, 5) e C = (9, -19, 2). Entre eles, qual (ou quais) passa (ou
passam) pela reta que contém os pontos (3, -1, 2) e (2, 2, 1).

13 - Determine a equação da reta suporte da mediana relativa ao lado AB do triângulo de
vértices A = (7, -13, 6), B = (4, -4, 5) e C = (9, -19, 2).



MATRIZES

1. DEFINIÇÃO Denominamos matriz de ordem m x n (lê-se m por n) o conjunto de números reais dispostos em um quadro de m linhas (disposições horizontais) e n colunas (disposições verticais). Algebricamente uma matriz A pode ser indicada por:

 a11 A= a 21  a 31 

a12 a 22 a 32

a13  a 23   a 33  

Linhas

Colunas

O elemento a ij dotado de dois índices onde o primeiro, i, indica a linha e o segundo, j, indica a coluna, às quais o elemento a ij pertence.

2. CLASSIFICAÇÃO DAS MATRIZES 2.1 - Matriz nula: È a matriz que tem todos os seus elementos iguais a zero. 2.2 – Matriz quadrada: È a matriz que tem o numero m linhas iguais o numero n de colunas. 2.3 – Matrizes identidade A matriz quadrada de ordem n, em que todos os elementos da diagonal principal são iguais a 1 e os demais elementos são iguais a 0. Representamos a matriz identidade por I n . 2

Exemplos: 1 0 I2 =   0 1 

Diagonal principal

1 0 0  I 3 = 0 1 0    0 0 1   
Diagonal principal 2.4- Matriz oposta → Seja AmXn uma matriz qualquer, chamamos de matriz oposta de A e indicamos (– AmXn), aquela matriz onde cada elemento correspondente ao da matriz A é o oposto a ele. Exemplo:
− 2 − 3 4 − 5  A2X4 =   − 6 − 8 − 7 9  2 3 − 4 5  - A2X4 =   6 8 7 − 9 

logo,

2.5- Lei de Formação de uma matriz: É uma regra que define como será o elemento de uma

matriz qualquer.
Exemplo: Construa a matriz a3X2 onde aij = 2i + j.

a11
Resolução: Temos a matriz A 3X2 = a 21

a12 a 22 a32

a13 a 23 , portanto... a 33

a 31
● a11 = 2(1) + (1) = 2 + 1 ⇒ a11 = 3 ● a12 = 2(1) + (2) = 2 + 2 ⇒ a12 = 4 ● a21 = 2(2) + (1) = 4 + 1 ⇒ a21 = 5 ● a22 = 2(2) + (2) = 4 + 2 ⇒ a22 = 6 ● a31 = 2(3) + (1) = 6 + 1 ⇒ a31 = 7 ● a32 = 2(3) + (2) = 6 + 2 ⇒ a32 = 8

3

. .. aij = bij = cij = . IGUALDADE DE MATRIZES Duas matrizes A = (a ij ) e B = (bij ) do tipo m x n são iguais quando apresentarem todos os números correspondentes iguais. 4 . .. a21 = b21 = c21 = .. ● a11 = b11 ● a12 = b12 ● a13 = b13 ● a21 = b21 ● a22 = b22 ● a23 = b23 Logo A = B.. Exemplo: 0 1 − 2 Sejam as matrizes A =  3 − 4 5     2X3 0 1 − 2 B=  3 − 4 5     2X3 − 1 2  B=   3 − 4 e Como. . A3X2 = 5 6 7 8 3. .3 4 Logo. . quando ocupa a mesma posição em sua tabela. Exemplo: − 1 2  A=   3 − 4 a11 = b11 = c11 = . Um número de A é correspondente de B.

b. m ∈ ℜ .10 6 5 . a fim    que tenhamos A = B. se existir   −2  1  0 1 =  3  m 3    3 4 m + n 6) Seja A = (a 2x3 ) em que a 2x3 = i + j. n. m ∈ ℜ . d = .d    2 10   3 a = -1 .Exercícios − 5   a 5b   −1    1) Determinar a. b. tais que   0 2 p − q 0 3       2 m − 9  2 0   4) Verifique se existir m. y e z que satisfaçam   3 y 5 z − 1 =     − 6 5 3  4 0 − 2   6 . para que se tenha    m − 3 m + 3  =  0 0     4 − m2 5) Verifique se existir m. c e d para que se tenha 6  =  c . c e d para que se tenha  6  =  c . Determine m. 2x − 1 y 4   1 1 =  7) Determine x e y reais de modo que  x  y 2   − 1 2     Correção dos exercicios − 5   a 5b   −1    1) Determinar a. b = − 1 .2 p+q =  3) Determine p e q.d    2 10   3 x   1 -2  1 −2  2) Determinar x. c = 6. e p em B =   n − 1 m − 2 p 5  .

y e z que satisfaçam   3 y 5 z − 1 =     − 6 5 x= 3  4 0 3 . n. para que se tenha    m − 3 m + 3  =  0 0     Não existe m ∈ ℜ 4 − m2 5) Verifique se existir m. y = -1 4. tais que   0 2 p − q 0 3      p = 3. m = -2 . Propriedades da Matriz Transposta I ) (A + B)T = AT + BT II) (A)T = AT 6 . se as linhas de B forem ordenadamente as colunas de A. z = 1 4 − 2   6 . Determine m. p = -3 2x − 1 y 4   1 1 =  7) Determine x e y reais de modo que  x  y 2   − 1 2     x = 1 . n = 4 . m ∈ ℜ . MATRIZ TRANSPOSTA Uma matriz B é a matriz transposta da matriz A. e p em B =   n − 1 m − 2 p 5  . q = 3  2 m − 9  2 0   4) Verifique se existir m. a fim que    tenhamos A = B.2 p+q =  3) Determine p e q. se existir   −2  m = -2 1  0 1 =  3  m 3    3 4 m + n 6) Seja A = (a 2x3 ) em que a 2x3 = i + j. m ∈ ℜ . y = -2 .x   1 -2  1 −2  2) Determinar x.

Por exemplo. que descrevem a produção de grãos em dois anos consecutivos.III) (AT)T = A IV) (AB)T = BTAT 5. consideremos as tabelas. surge naturalmente a necessidade de efetuarmos certas operações.Bij  a11 + b11  A + B =  a 21 + b21 a + b 31  31  a11 − b11  A − B =  a 21 − b21 a − b 31  31 a12 + b12 a 22 + b22 a 32 + b32 a12 − b12 a 22 − b22 a 32 − b32 a13 + b13 a 23 + b23 a 33 + b33 a13 − b13 a 23 − b23 a 33 − b33 a14 + b14   a 24 + b24  a 34 + b34   a14 − b14   a 24 − b24  a 34 − b34   Exemplo: Ao utilizar matrizes. ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO ENTRE MATRIZES Dado as matrizes A e B do tipo m x n. Produção de grãos (em milhares de toneladas durante o primeiro ano) Soja Região A Região B Região C 4000 800 1000 feijão 200 300 100 arroz 400 700 500 Milho 600 100 800 Produção de grãos (em milhares de toneladas durante o segundo ano) Soja Região A Região B 2000 5000 feijão 20 100 7 Arroz 250 350 Milho 300 0 . sua soma ou subtração A + B ou A – B é a matriz m por n dos elementos correspondentes: ( A + B )ij = Aij + Bij ou ( A − B )ij = Aij .

4000 200 400 600 2000 20 250 300 6000 220 650 900   800 300 700 100  + 5000 100 350 0  = 5800 400 1050 100        1000 100 500 800  3000 150 650 650 4000 250 1150 1450       Produção de grãos (em milhares de toneladas durante os dois anos) soja Região A Região B Região C 6000 5800 4000 feijão 220 400 250 Arroz 650 1050 1150 Milho 900 100 1450 A soma de duas matrizes A = [aij] e B = [bij]. MULTIPLICAÇÃO DE UM ESCALAR POR MATRIZ Considere a matriz  − 3 2 − 1 A=   3 5 − 3 Podemos efetuar a multiplicação de um escalar por uma matriz.Região C 3000 150 650 650 Se quisermos montar uma tabela que dê a produção por produto e por região nos dois anos conjuntamente. de ordem (m. A + (B + C) = (A + B) + C A+0=0+A=A -A+A=A-A=0 A+B=B+A 6. IV.n). II. III. é uma matriz C = [cij] tal que: cij = aij + bij Propriedades da Adição de Matrizes I. Por exemplo: 8 . teremos que somar os elementos correspondentes as duas tabelas anteriores.

quanto consumiremos de cada tipo de vitamina? Podemos representar o consumo dos alimentos I e II (nesta ordem) pela matriz "consumo" [5 2] A operação que vai nos fornecer a quantidade ingerida de cada vitamina é o "produto":  4 3 0 2] x   = [5. A (1. Condição necessária O número de colunas de A deve ser igual ao número de linhas de B. 4) B (4.3 + 2. A ordem da matriz resultante C É dada pelo número de linhas de A e pelo número de colunas de B. 15 de B e 2 de C. serão ingeridas 30 unidades da vitamina A.4 + 2. MULTIPLICAÇÃO ENTRE MATRIZES Suponhamos que a seguinte tabela forneça as quantidades das vitaminas A. A Alimento I Alimento II 4 5 B 3 0 C 0 1  4 3 0 Na forma de matriz → A =   5 0 1 Se ingerirmos cinco unidades do alimento I e duas unidades do alimento II. − 6 4 − 2 − 2A =    6 10 − 6 7.5 5. 1) Operação de multiplicação 9 . B e C obtidas em cada unidade dos alimentos I e II.0 + 2.1] = [30 15 2] 5 0 1 [5 Isto é.0 5.

e soma-se os produtos.5 + 5.3] = [6 1] Exemplo 2: Seja uma matriz A de ordem (2.3) e B(3.1) = C(1.1): [4 3 2 5]1x 4 e 6  4   A (1. o 2º elemento de A pelo 2º elemento de B.4) é a matriz: 10 .4) e B(4. 3) e B (3. 3º elemento de A pelo 3º elemento de B.4). calcular a matriz produto C: A (2. 4) = C (2.3) e B de ordem (3.1) 5    3 4 x1 Como a número de colunas de A é igual ao número de linhas de B.Multiplica-se o 1º elemento de A pelo 1º elemento de B.4) x B (4.4 + 2. C = [1 1] = [4. é possível realizar a multiplicação. o produto das matrizes A (2. etc. Exemplo 1: Sejam as matrizes A (1.4) Como a número de colunas de A é igual ao número de linhas de B. Considere: 4 2 6 A=   2 5 3 5 2 4 1  B = 2 3 1 0    1 2 7 6    c21 = 2x5 + 5x2 + 3x1 = 23 c22 = 2x2 + 5x3 + 3x2 = 25 c23 = 2x4 + 5x1 + 3x7 = 34 c24 = 2x1 + 5x0 + 3x6 = 20 c11 = 4x5 + 2x2 + 6x1 = 30 c12 = 4x2 + 2x3 + 6x2 = 26 c13 = 4x4 + 2x1 + 6x7 = 60 c14 = 4x1 + 2x0 + 6x6 = 40 Portanto.6 + 3. é possível realizar a multiplicação.

n). não é necessário que A ou B sejam matrizes zero. Dadas as matrizes A. n) e (n. n) e (n.30 26 60 40 C (2. Do mesmo modo. 11 . C de ordem (m. respectivamente. Dadas as matrizes A. B. C de ordem (n. p) e (m. tem-se: C (A+B) = CA + CB 4. se o produto delas for a matriz zero [0]. Dadas duas matrizes A e B. tem-se para todo número l: (l A)B = A (l B) = l (AB) 5. respectivamente. então A = 0. Dadas as matrizes A.r). Exemplo: 1 1 1 1 0 0 0 1.4 ) =   23 25 34 20 Propriedades da Multiplicação de uma Matriz por Outra 1. tem-se: (AB) C = A (BC) 2. C de ordem (m. p). então B = 0. se A x B=0 qualquer que seja A. B. p). A multiplicação matricial não é. em geral. n). Dadas as matrizes A e B de ordem (m. se A x B = 0 qualquer que seja B. B. tem-se: (A+B) C = AC + BC 3. (m. p). comutativa. respectivamente. respectivamente.p) e (p.n). (n.0 0 = 0 0      Entretanto. (n. A x B não é sempre igual B x A 6.

(2A + 3B) 2) Escreva a matriz quadrada de dimensão 3x3 onde os elementos aij satisfazem a relação aij = 2i + j 3) Dadas as matrizes A = [4 7 − 1] B = [− 2 0 2] e C = [5 5 5] Pede-se: a) Calcular A + B .1 C =  2  D = [2 .Exercícios de Fixação 1 2 3  1) Seja as matrizes A =   2 1 − 1 .B = 0 1 0 0 1 1 1  0 1 0 e B = 1 2 5  4) Sendo A =     0 0 1  1 4 25     a) determinar a matriz X tal que 3X + A .1] .C b) Encontrar a matriz X tal que X + A .2B = 0 b) determinar AB c) determinar 3BA 12 . A h) – D i) D. calcular   4   a) A + B b) AC c) BC d) CD e) DA f) DB g) 3.2 0 1 B=   3 0 1 .

b) somente II é falsa. 10) Se A é uma matriz quadrada de ordem 2 e At sua transposta. O produto das matrizes A3 x 2 . B3 x 2 é uma matriz quadrada 2 x 2 É verdade que: a) somente I é falsa. d) somente I e III são falsas.0 2  1 4  5) Sendo A =   e B = 4 − 1 3 1    Calcular os produtos AB e BA e verificar que eles são diferentes. III. O produto das matrizes A2 x 3 . determine A. B5 x 2 é uma matriz 4 x 2.j. c) somente III é falsa. tal que A = 2 At. B2 x 1 é uma matriz 3 x 1. 1 0 1  6) Determinar a matriz X na equação 2 1 0 . O produto das matrizes A5 x 4 . II. e) I II e III são falsas 13 . 11) Sobre as sentenças: I. X =   1 1 2    6 4   13   0 1   2 1 0 3  2 − 1 1  x 0 1 1  7) Calcular o produto da matriz      − 2 0 0  1 0 1      8) Ache a matriz A do tipo 2 X 3 definida por a ij = 3i + 4 j 9) Obter a matriz A = (aij) 2x2 definida por aij = 3 i .

12) Calcule  5 . calcule AB e BA.2 1 c)  . 0 1 1 16) Calcular o produto da matriz      − 2 0 0  1 0 1      17) Obter a matriz A = (aij) 2x2 definida por aij = 3 i – j. calcule (A + B ).1 2 3 t t 13) Dadas as matrizes A =  . 14 .     3 4    2 − 1 0   14) Dada a matriz  1 0 0  . (A − B) .2         2   b) (1 3 5)  0   3    1 6   3 5    . 5 1    0 1   2 1 0 3  2 − 1 1  .1 2    4 0    3   d)  2  (0 − 3 2) 1    5 2   2 .3  3  a)   .1 1  e B =   0 1 0  . calcule A2  0 0 1   3 2 0 1  15) Dados A =   e B = 3 0 .1 e)   − 1 4  0 3        1 0 0  2 2 1     f)  1 1 0   1 2 2   0 1 1  2 1 2      2 0    .1 4   . mostrando que AB ≠ BA.

15 . quadradas de ordem 2 com aij = 3i + 4j e bij = -4i – 3j. 21) Obter a matriz A = (aij)2x2 definida por aij = 3 i . B e C) são usados botões grandes (G) e pequenos (p). de cada modelo. 0 1  1 1  1 2 t 19) Se a matriz M =   . é dado pela tabela: Maio Camisa A Camisa B Camisa C 100 50 50 Junho 50 100 50 Nestas condições. então calcular a matriz A = A 0 1  ( ) 2 20) São dadas as matrizes A = (a ij ) e B = (b ij ) . nos meses de maio e junho. calcular MN – NM.1 2  2 0 18) Se M =  e N =   . então calcular C2. Se C = A + B. O número de botões por modelos é dado pela tabela: Camisa A Camisa B Camisa C Botões p Botões G 3 6 1 5 3 5 O número de camisas fabricadas. 22) Na confecção de três modelos de camisas (A. obter a tabela que dá o total de botões usados em maio e junho.j.

O produto das matrizes A2 x 3 . n = 4 e m = 3. e somente se. 24) Se A é uma matriz 3 x 4 e B uma matriz n x m. A + B e B + A se. iguais. e somente se. b) somente II é falsa. b) existe AB se.23) Sobre as sentenças: I. 25) Calcule  1 0 − 3  4 . B2 x 1 é uma matriz 3 x 1. A = B. B3 x 2 é uma matriz quadrada 2 x 2 É verdade que: a) somente I é falsa. B5 x 2 é uma matriz 4 x 2.3 5   4 0   -1 1     16 . então: a) existe A + B se. e) existem. AB e BA se. II e III são falsas. d) somente I e III são falsas. O produto das matrizes A3 x 2 . e somente se. c) somente III é falsa.2 1    + a)  2 2 − 3 − 1  1 − 1 0       3 − 5  1 2      b)  2 7  . d) existem. e somente se. . e somente se. O produto das matrizes A5 x 4 . III. e) I. A = B. c) existem AB e BA se. n = 4 e m = 3. iguais. II. n = 4 e m = 3.

2   − 5  4       2 − 3  5 . b) Determine a matriz D = A – B  2 − 1  3 .4  d)   3 0  + 0 -1        26) Sejam as matrizes A = (aij) em que aij = i + 2j.1 =  3   5   .3   e B= 27) Sejam A =    . em que cij = aij + bij .1 3 1 .Y =  .1 +  1    3   . Determine a matriz A + B + C.    4 3      28) Resolva as seguintes equações matriciais.  3   11      a) X +  . e B = (bij)3 x 2 em que bij = 1 + i + j. 1  0     c)  3  . a) Determine a matriz A + B.1  5  3        31) Resolva o sistema matricial  0  1        X .1 0  . em que aij = 2i – j e B = (bij)7 x 9 em que bij = i + j. . Determine os elementos: a) C21 b) C63   3  2        X + Y =  4  +  .1 b) X .  4 1 =  0 3          2 4 .2      2 3   4 .2 29) Determine a matriz X em   +  0 5 = X .2 2  e C =  .3 4  − 3 5      30) Sejam as matrizes A = (aij)7 x 9 .6       17 .1  1 . Seja C = A + B.

2 1          2  4  Respostas dos exercícios 1)  − 1 2 4 a) A + B =   5 − 1 2    15  b) AC =   0   6 c) BC =   1   − 2 1    d) CD =  4 − 2   8 − 4   e) DA = (0 5 5 ) f) DB= (− 7 0 1)  3 6 9 g) 3A =   6 − 3 3    h) – D = (− 2 1) i) (− 21 10 13)  3 4 5   2) A =  5 6 7  7 8 9   3) a) A + B – C = (− 3 2 − 4 ) b) X + A – B = (− 6 − 7 3) 4) 18 .3  2 .2   X -Y=  4 0  .  1 1  4 0   0    X + Y +   1 1 =  1 − 1 +  3     2  2 32) Resolva o sistema matricial   6 .

2B =  3 2  3 1 1 1    b) AB = 1 2 5  1 4 25    3 3 3    c) 3BA =  3 6 15   3 12 75     8 − 2 5) AB =   7 11      12 6  BA =  − 3 7    2 3 1 8 3 2  3 10  3 49   3 6) a = 1. b = 2.1  3 2 a) 3X + A . c = 5 3 1  7   1 0 7)  3  − 4 − 2 0    7 11 15  8)  10 14 18     2 1 9)   5 4     2 a 2c  10)   2b 2d     11) b 12)  21  a)   − 11    b) (17) c) { } 0 − 9 6   d)  0 − 6 4   0 − 3 2   19 .

d = 2d 0 20)  1  2 21)  5  22) 1  0  1  4  Maio Botões p Botões G 500 1100 Junho 400 1050 20 . b= 2c . c = 2b . 10 1  e)   − 1 13     1 2 1    f)  3 4 3  3 3 4   3 −3 0    13)  3 − 6 8   6 − 12 16     3 − 2 0   14)  2 − 1 0  0 0 1    6 3  5 1  15) a)   3 5  b)  9 6         3 1  7   1 0  3 16)  − 4 − 2 0    2 17)  5  4 18)  0  1  4  − 2  − 2  19) a = 2a .

23) b 24) a é falsa 25) 5  5 -2 .7   b)  5 2   5 -1    1   c)  5  . a)  2   3 − 4 −1 2 .9    7 − 7 d)   3 −1     26) 6 9   a)  8 11 10 13     0 1   b)  0 1  0 1    7 − 5 27)  1 5     28) 2 5  a)   0 14      6 2 b)   4 4    2 5  29)   0 14     30) C21 = 6 C63 = 18 21 .

é única e é definida por: A x A-1 = I Demonstra-se que: "Se A e B forem duas matrizes quadradas de ordem n. necessariamente. então. B = In. por exemplo. B . A = In.  2  1  1  −  b)  2 − 1 − 7    2  2 MATRIZ INVERSA A matriz quadrada M. de ordem n. admite inversa se. e somente se. A .31)     -2 3 a)  . Simbolicamente: Exemplo:  4 1 A matriz inversa de   . é do tipo 11 3 a b   c d  . que também é quadrada de ordem n e é representada por M-1. A = In e. tais que A . Neste caso a matriz M é chamada INVERSÍVEL. apesar da exigência da definição.  2  1 . det M ≠ 0. B = In é condição suficiente para A e B serem inversas uma da outra. e da definição decorre que:   4b + d  1 0  4 1  a b  1 0  4a + c 11 3  c d  = 0 1  ⇔ 11a + 3c 11b + 3d  = 0 1 ⇔           22 . B = B . A sua inversa. A . além de existir. portanto." Por este motivo.

temos: c d  3 1 a b  1 0 AxB =   =  2 1  c d  0 1 Assim:  3a + c = 1  2a + 3c = 0 e 3b + d = 0   2b + d = 1 Resolvendo os sistemas: a = 1 b = –1 c = –2 e d = 3  1 − 1 B=  − 2 3  Logo: Calculando: 23 . embora simples e claro por utilizar apenas a definição. se existir. 3 1 1) Obter a matriz inversa da matriz A =   . da resolução de n sistemas e de n equações a n incógnitas. pois depende de um modo geral. 2 1 a b  Supondo que B =   é a matriz inversa da matriz A.⇔  4a + c = 1  11a + 3c = 0 e  4b + d = 0  11b + 3d = 1 ⇔  a=3  c = −11 e b = −1  d = 4  4 1  3 − 1 −1 M=   ⇒ M = − 11 4  11 3   Assim sendo o processo apresentado. é muito trabalhoso.

 1 − 1 3 1 1 0 BxA =   =  − 2 3  2 1 0 1 Portanto a matriz A é inversível e sua inversa é a matriz:  1 − 1 B = A −1 =  − 2 3     Propriedades da matriz inversa Considerando-se A uma matriz inversível.A matriz transposta de uma matriz inversível é também inversível. Exercícios 3  1) Verifique se  5 1  5 − 2  5  é a matriz inversa de 1   5   1 2   − 1 3 . II .O inverso de uma matriz multiplicada por um número (diferente de zero) é igual à matriz inversa multiplicada pelo inverso desse número.1 2 -1 3) Seja a matriz A =   3 4  . e a inversa da transposta é a transporta da inversa: IV . III .O produto de uma matriz inversível por sua transposta é também inversível. sendo que a inversa da inversa de uma matriz é igual à própria matriz. V .O inverso do produto de matrizes inversível é igual ao produto das inversas dessas matrizes com a ordem trocada.O determinante de uma matriz inversível é diferente de zero. VI . Determine 10.    1  2. possui as seguintes propriedades: I . Esta propriedade é decorrente do conjunto das matrizes quadradas n x n com a operação binária de multiplicação de matrizes formar um monóide. 1  −2 2) Determine.    24 . A .A matriz inversa é única. se existir.A matriz inversa de uma matriz inversível é também inversível. VII . a matriz inversa da matriz    4  .

X = B.1 . A =  1 . Determine x e y.1   0 0 1     1 0 9) Usando a definição de matriz inversa.3 2  0 1 4) Sejam as matrizes A =   1 1  e B =  .5 1    1 0 0  7) Determine a matriz inversa de X = 0 . se existir.1 0  8) Determine a inversa de X = 0 1 .3 6) A inversa de A =   .2     y .    1 . escreva a matriz B. B = I.1  R.1 d) A =  3 5      2 . determine:        a) A + A-1 b) (A-1)2 + A-1 2 4 5) Determine a matriz inversa.2     25 .   1 0 3    1 . resolva a equação A. da matriz A =   .3 4  .1 11) Dada a matriz A =   1 .4  x   . x .2 x  é a matriz    x .1 . tal que A . se A =   -1 2     3 .2 0 .4 B= 2 1     10) Determine a matriz inversa 0 1 a) A =  1 2     3 2 b) A =  7 5    5 3 c) A =  3 2     2 .

X =  3 5  6 2  3 1  6 26 . B ) .        1  R. determine X = (A .1 2 3 1 -1 t 12) Se A =   2 1  e B =  0 2  .

Que conclusão você chegou? 22 − 7 7. 7 3  8 2 11 15  t t t 6.) Calcule a soma dos elementos da 2ª coluna da matriz A = (aij)2x3.) Qual a matriz transposta da matriz quadrada A = (aij) de ordem 2 com aij=i3+2 ? 8. 1 x 5  9.) Determine x. i + j.) Achar os elementos das diagonais principal e secundária da matriz A=(aij)3x3 nos casos abaixo: a) aij = 3i – j b) aij = 5i2 – 2j 3.) Determine x e y para que as matrizes A e B sejam iguais: x 2 a) A =  y x  y2   1 1 e B=  − 2 4  x2    b) A =  x − 1  x + 1   4   e B =  1  1   Obs: chama-se matriz simétrica toda matriz quadrada A. Determine At. y. em que aij= 2i + j – 1.) Sendo A=  3  4 5 9 6 5  . se i ≤ j b) B = (bij)4x2 tal que bij =  . 1 2 5. de ordem n.) Sendo A=   . 4. Determine A e (A ) .   y z − 3   27 .LISTA DE EXERCICIOS EXTRAS 1. z para que a matriz A = 2 7 − 4 seja simétrica. se i > j 2.) Determine a soma dos elementos da diagonal principal com os elementos da diagonal secundária da matriz A de ordem 4 em que aij = i – j. tal que At = A.) Construa as matrizes: a) A = (aij)3x2 tal que aij = (i – j)3. i − j.

Dadas as matrizes:  1 2 A=   . 7   15.10.B. B= A=    6 2 8  Calcule: a) 2 A – B + 3C b) 1 1 A – ( B + C) 2 3 1 B 3 e  − 3 6 9   12 − 6 0  e C=    c) 3B – 4C + 2A 17. B= 2 3  0 5 7 6 . 13.) 5 6  Dadas A=   e B= 4 2 0 − 1 5 4  . em cada caso. Calcule: 1 4 7    11.C.) 16. calcule A + B. São dadas as matrizes: 0 4 − 2  . Calcule a soma c21 +   Sendo A= (aij)1x3 tal que aij = 2i . a matriz X:  1 2 5 a) X =    − 1 7 2 t 1 2 0 0 b) X +  =  5 1 2 3 t 28 .j e B= (bij)1x3 tal que bij= -i + j + 1.) Determine. calcule A + B e A .   2 4 6  8 10 12 e C=   0 − 1 − 5 .   1 1 (A+B) sendo dadas: A=  2 5 0 − 1 0   1 − 1 2    1 0 6  e B= 9 3 .) 6 7 8  9 10 11 .) Calcule as matrizes 2A.) 1 5 7  Dadas A=   . B= 3 9 11 a) A + B + C b) A – B + C c) A – B – C d) –A + B – C 0 1 2 12.) Seja C= (cij)2x3 a soma das matrizes A=   e B= 3 4 5 c22 + c23. C=   − 1 7   5 − 2 determine a matriz X tal que X + A = B .) 14.

0 1   1 2 − 1 2 − 1 t 24.NM.) Sabendo que M=   e N= 1 1 .) 2 0 Calcule AB onde A=   1 0  e B=     5 − 3  3  Calcule: a)    − 1 4   − 2       0 0  3 0 .) Responda: a) Se A é do tipo 3x2 e B é do tipo 2x2 então AB é do tipo _______. calcule MN . dizemos que as matrizes A e B comutam. 0 − 1 2     1 2 0 0 2 − 1 25. 21. Calcule AB e BA.    22. Calcule AB e BA.)  1 0 0   2 2 1     b)  1 1 0   1 2 2   0 1 1  2 1 2       1 2 2 0  23.B. Agora responda: AB=BA?    Obs: se ocorrer AB=BA. 1 1 1 c) 2X =   2 3 4  t 1 1  1 4 d) 3 X t =  −  2 7 7 2 18.)  6 2   3 5  . b) Se A é do tipo 5x3 e B é do tipo 3x1 então AB é do tipo _______.  2 3  e B= Se A=     − 2 1  1 2 Se A=   3 0  e B=     1 0   2 1  . Agora responda: AB=BA?    19.) 20. determine: 3 − 1 2 3   a) (A ⋅ B ) t 29 .) Sendo A=   e B= 1 0  determine A .) Dadas A =   e B = 1 0  . c) Se A é do tipo 3x4 e B é do tipo 2x5 então AB _______.

então detA=0.) Determine a matriz inversa de cada matriz: 5 3 a) A=  3 2    3 8 b) B=  2 5     1 2 Qual é a matriz inversa da matriz A=  ? 4 8  Calcule os determinantes das seguintes matrizes: a) A= [5] 29.)  − 3 − 2 1 b) B=  2  2   6 − 4  c) C=   2 3  Obs: se os elementos de uma linha ou coluna qualquer de uma matriz A de ordem n forem todos nulos.A). A4=(A3.) 30.A). Tente perceber como se 0 1   comportam as matrizes produtos e deduza a matriz An (n≥1). A3= (A2. 1 2  2 27.) Sendo A=  .I2 (onde I2 é a matriz identidade de ordem 2).A) .b) A ⋅ B t c) A t ⋅ B 1 1 26.) Se A=   . determine A + 2A – 11. calcule A2 = (A. 4 − 3 28. 30 .

) a) x = 1 e y = -2 b) não existe igualdade.) 0  1 2 3 4 5. 3. 4.) a) Diagonal principal: 2. Diagonal secundária: 0.) 5 5 A +B =   9 6 7  5 A −B =    − 1 − 2 31 .Respostas 0 − 1 1.) A t =   3 10  8.) x = 2. Diagonal secundária: -1. 16. 8.) (A t ) = A t 3 10  7. b) Diagonal principal: 3. z = -4 10. 4. 6.) 8 4. 16.) a) A = 1 0    8 1    2 1 b) B =  2  3 3 4  1  2 2. 43. y = 5. 39. 9.) A = 5 6 7 8    9 5 3 2   t 6.

) 0 − 4 X=  0 5  15.) 0 − 3 0 a)   3 − 3 6  1 1 − 4 b)   − 2 4 2  − 9 30 23 c)    44 − 10 8  17.)  1 − 1 a) X = 2 7    5 2     − 1 0 b) X =    − 5 2  12 c) X =  12   12  1 3  2  2  32 .) 2 2 2A =   10 14 0 2 1 B=  3 3 1 1 7  1 2 ( A + B) =  2 2 5 7   16.) 3 8 8 a) A + B + C =   12 23 30   − 1 0 − 4 b) A − B + C =   − 4 3 6  6  −1 2 c) A − B − C =   − 6 − 5 − 8 4 1 0 d) − A + B − C =   4 − 3 − 6  12.11.) 13.) 42 [2 2 2] 14.

) 12 12 AB = BA =   18 6  0 0 0 0    21  a)   − 11 21.) a) não existe b) não existe 5 − 1 3 − 2  c)  2 0    3 0  33 .) 2 2 1 b) 3 4 3    3 3 4    2 − 2 0 − 2   23. 0 − 5 3 d) X =   − 1 5 3  18.) 24.) 8 3 AB =   0 1 e 20.) 2 − 1 3 − 2   0 1    25.) a) 3x2 b) 5x1 c) não existe 2 3  BA =   2 7  19.) 22.

0 1 0 0   0 0  2 − 3 a)   − 3 5  A não é inversível 1 3 A3 =  .) a) 5 b) 5 2 c) 26 34 .) − 5 8  b)    2 − 3 29. 0 1 1 4 A4 =  .) 28.)  1 2 A2 =  .) 30. 0 1  1 n An =   0 1 27.26.

.2.n indicam as colunas da matriz. 2 = 2 . (B) = − 3 0 .2. O determinante de ordem 1 é indicado pelo próprio numero.n indicam as linhas e os índices j=1... Exemplo: Se A = 2.3.. portanto det (A) = − 3 não é módulo de . Uma matriz quadrada A de ordem n será denotada por A=[aij] onde os índices i=1. O determinante de ordem e é indicado pela igualdade da diferença entre o produto da diagonal Exemplo: A= 2 3 2 7 = (2 x 7 ) e (2 x 3) = 14 ..6 = 8 O determinante de ordem 3 é definido por: Exemplos : A = − 3 . O elemento da linha i e da coluna j da matriz A será indicado por aij.. faz-se necessário identificar tais matrizes. então o det.    35 .DETERMINANTES Como as matrizes tratadas neste estudo são quadradas.. portanto det. 2 5  2 5 B=   − 3 0  ..

(B) = − 5 = . a22 ) . 4 ) – [ 2. A2 =  a   21 a 22  Inverter Manter Exemplo :  − 1 2 C=   − 3 4  ∴ det (C) = = ( -1. a21 ). CÁLCULO DO DETERMINANTE 1 ) Primeira ordem → n = 1 A1 = a 11 ∴ det. (A) = 8 = 8 (Não é módulo de 8) B = − 5 ∴ det. Exemplos: A = 8 ∴ det.( a12. portanto det.4 + 6 ⇒ det (C) = 2    3 ) Terceira ordem → n = 3 (Regra de Sarrus) a 11 a 12 A3 = a 21 a 22  a 31 a 32  a 13  a 23   a 33   a 11 ∴ det (A3) = a 21 a 12 a 22 a 32 a 13 a 11 a 12 a 31 a 23 a 21 a 22 a 33 a 31 a 32 Inverter sinal Manter sinal 36 . (-3) ] = .5 (Não é módulo de -5) 2) Segunda ordem → n = 2  a 11 a 12   ∴ det (A2) = ( a11. (C) = 1 2  4 5 1 4 −6 0 −9 3 2 0 8 7 5 0 1 2 4 5 . 1 −9  4 0 C=  − 6 5  0  0 3 2 8 7  . (A1) = a11 = a11.

0 . a segunda linha temos: 37 . porém. a utilizaremos quando o determinante for de ordem n ≥ 4. Exemplo : 3 − 2 0 2 1 3  . calcule 1 0 2  0 3 1 3 −2 0 2 1 3 . Esta escolha é arbitrária. para facilitarmos os cálculos. ou teorema de Laplace) Podemos aplicar a regra (ou teorema) de Lalace para o cálculo de determinantes de ordem n ≥ 2. na prática. primeiramente vamos escolher uma fila (Linha ou coluna) do determinante.A partir deste ponto. o processo é análogo ao da resolução do determinante de segunda ordem.12 ⇒ −3 0 2 −3 0 Inverter sinal ⇒ det (D) = . Exemplo :  1 3 − 5 D = 2 4 3    − 3 0 2    1 ∴ det (D) = 2 3 −5 1 4 3 2 3 4 = 8 . porém mais adiante daremos uma sugestão. por exemplo. Vamos aqui.91 Manter sinal 3) Ordem maior ou igual a quatro → n ≥ 4 (Regra. tal procedimento será estendido para qualquer determinante em que se possa aplicar “Laplace”. como sendo a base para nossos cálculos. tomar um exemplo numérico e a. 1 0 2 3 1  1  4 Seja a matriz A =   3  − 4 1 det (A) = 4 3 −4 0 Resolução: Usando “Laplace”. Escolhendo.27 + 0 – 60 .partir dele extrair os elementos necessários para o cálculo de um determinante de ordem 4.

D21 = (-1) . a23 e a24. Genericamente podemos indicar como cofator de aij como sendo: Aij = (-1)i+j. os elemento envolvidos.32 ⇒ A24 = -32 −4 0 1 −4 0 3 1 6 38 . A23 e A21 são chamados de cofatores dos respectivos elementos.A 23 + 3. D21 = (-1) . são a21.1 det (A) = 4 3 3 −2 0 2 1 3 = 4. 3 0 2 = 3 0 2 = 16 ⇒ A22 = 16 −4 3 1 −4 3 1 1 4 1 • A23 = (-1)2+3. D24 = (-1) . a22.( -32) ⇒ A23 = 32 −4 0 1 −4 0 1 • A24 = (-1) 2+4 3 −2 1 3 0 .A 21 + 2. referentes à segunda linha. então temos : • A21 = (-1) 2+1 3 −2 0 3 −2 0 .( -16) ⇒ A21 = 16 0 3 1 0 3 1 3 • A22 = (-1) 2+2 1 −2 0 −2 0 .A 24 1 0 2 3 1 −4 0 Onde A21. A22. 3 1 0 = 3 1 2 = . 1 0 2 = − 1 0 2 = .A 22 + 1. Dij onde Dij é o determinante que se obtém ao eliminarmos a linha i e a coluna j referente ao elemento do qual estamos calculando o cofator. 3 3 0 1 3 0 1 2 = − 3 1 2 = . D23 = (-1)5 . No nosso caso.

Voltando ao determinante principal. (A) = 4 3 −4 0 Substituindo os cofatores.(32 ) + 3..( −32) Det. 3 −2 0 2 1 3 = 4.A 23 + 3. (A) = 64 + 32 + 32 – 96 Finalmente.A 22 + 1.. (A) = 4.(16 ) + 1.A 24 1 0 2 3 1 1 det. det (A) = 32 Exercícios 1) Calcule os determinantes das seguintes matrizes: a) A= [5]  − 3 − 2 1 b) B=  2  2   6 − 4  c) C=   2 3  1 1 0 d) D= 0 1 0   0 1 1   1 3 2 e) E= − 1 0 − 2   2 5 1    0 5 3  f) F= 0 4 − 2   0 1 6    39 .A 21 + 2...(16 ) + 2. temos : det.

  1 1 3   5) Resolva as equações: a) x x+2 5 7 =0 2 4 1 d) 2 4 x =0 3 1 2 1 x 1 b) x+3 2 x −1 5 =0 e) 1 − 1 x =0 1 −x 1 c) 2x x−2 =11 4x + 5 3x − 1 1 f) − 2 x 2 1 6) Calcule os determinantes: x − 4 =0 −3 −x 2 a) 4 1 1 b) 1 1 4 c) −1 0 −3 1 3 3 1 1 4 1 −1 5 − 2 3 − 2 −1 1 −1 1 1 1 1 −1 −1 1 1 2 5 −1 −1 −1 −1 −2 3 2 1 3 0 1 −2 3 40 .2) Seja A= (aij) uma matriz quadrada de 2ª ordem. Responda: det(AB) = det(A) . tal que aij= i2 + i .    Calcule det(A).  1 3 3) Sendo A=   0 2  e B=     − 1 3   2 0 . det(B)? 1 3 4) Dadas A=   e B=  2 2 1 3 1 2 2 1 . calcule [det( A )] 2 .2 det (B). Calcule det A. det(B) e o det(AB). j.

utilizando a regra de Sarrus. = 16 3 2 5 a) 4 1 3   2 3 4    0 3 0 b)  −2 3 1     4 −2 5   9) Na equação a seguir.B). e sendo N = 50 + det.j se i < j. onde aij = i + j se i ≥ j ou aij = i .x 0 0 0 7) Resolva 1 x 1 2 2 0 x 3 0 0 0 2 8) Calcule cada um dos determinantes a seguir. ( A. encontre o    2 1 1 0 1   valor de N.j então podemos afirmar que o determinante da matriz 5 A é igual a: a) 12 b) 56 c) 0 d) 32 e) 2 13) Determine a soma dos elementos da diagonal principal da matriz A = ( aij )3 X 3 . Qual o determinante de A? 41 . B 2 4   12) Se A = ( aij ) é matriz quadrada de ordem 3 tal que aij = i . envolvendo determinantes. 1 3   −1 2  11) Dadas as matrizes A =   e B =  3 1  . calcular o determinante da matriz A . 2 1 0   0 x 1   0 −1 3  +  1 3 x 0  = 14      0 0 x   −2 x 2       2 −1  −1 2 3 10) Dadas as matrizes A =  −2 2  e B =   . encontre os valores reais de x.

Calcule det A. tal que aij= i2 + i . det (B)? 1 3 16) Dadas A=   e B=  2 2 1 3 1 2 2 1 .  1 3 15) Sendo A=   0 2  e B=     − 1 3   2 0 .    Calcule det(A).   1 1 3   17) Resolva as equações: b) x x+2 5 7 =0 d) x+3 2 x −1 5 2x =0 x−2 e) 4x + 5 3x − 1 =11 2 4 1 g) 2 4 x =0 3 1 2 1 x 1 h) 1 − 1 x =0 1 −x 1 1 i) − 2 x 2 1 x − 4 =0 −3 −x 18) Calcule os determinantes: 42 . j. calcule [det( A )] 2 -2 det (B). Responda: det (AB) = det(A) . det(B) e o det(AB).14) Seja A= (aij) uma matriz quadrada de 2ª ordem.

43 . 21) Calcular os determinantes.2 a) 4 1 1 b) 1 1 4 c) −1 0 −3 1 3 3 1 1 4 1 −1 5 − 2 3 − 2 −1 1 −1 1 1 1 1 −1 −1 1 1 2 5 −1 −1 −1 −1 −2 3 2 1 3 0 1 −2 3 x 0 0 0 11) Resolva 1 x 1 2 2 0 x 3 0 0 0 2 19) Sejam as Matrizes: = 16 2 2 2    A =  2 1 − 3 . 1 0 4    3 3 3    B = 3 0 5  e C =  6 9 − 1    4 4 4    5 −1 0 7 8 1   Encontre o determinante da equação det A – det 6B – det 2C 20) Calcular os determinantes.

1 x x −1 x 1 2 −4 2 4 6 −2 =6 2 −3 4 1 5 11 2 8 26) Sabendo que 7 6 2 −5 = −1470 .22) Calcular o valor de x. 7 2 −3 −4 27) Resolva as equações: x 0 0 1 a) 1 0 x 1 0 x 0 1 x 1 = 2 x2 0 x b) x + 3 2x −1 3 2 2 x =0 x c) 1 2 1 = 12 1 0 3 1 2 3 − 1/ 2 1 1 −2 −2 B= − 1 1 1   5 − 1 1/ 2 1 3 . e 44 . 23) Calcule o valor de x 24) Encontre o determinante de cada matriz. calcule os determinantes das seguintes matrizes. 2 3 −1 2 1 1 3 0 0 0 0 3 4 1 0 8 9 1 3 4 1 a) 0 4 −3 5 1 2 0 4 b) −1 2 1 3 2 0 4 4 6 −1 c) 0 2 1 0 0 0 0 0 0 −1 2 0 0 25) Determine o conjunto verdade da equação. 1  5 0 1 / 2 − 1  1 − 2 5 2 − 3   28) (ITA-2006) Sejam as matrizes A =  1 −1 2 1    − 5 1 3 / 2 0  Determine o elemento c34 da matriz C = ( A + B ) .

calcule x + y + z. Assim se a matriz  2 −1 2 y    A =  x 0 z − 1 é simétrica.29) (UEL-PR) Uma matriz quadrada A é simétrica se A = AT. 4 3 2    RESPOSTAS DOS EXERCICIOS 5 2 1) a) 5 2) -2 b) c ) 26 d) 1 e) − 9 f) 0 3) det(A) = 2. d) 1 e) 0.9 c) -40 45 . -2 6) a) -180 b) -8 c) 4 7) x = 2 20) a) 1 b) . det(AB) = -12 c) − 1. 4) 36 5) a) 5 b) − 17 3 1 2 det(B) = -6. 1 f) 0.

Escolhendo a 1ª coluna. + (−5). − (3). a) A 1ª coluna ou a 4ª linha apresentam dois elementos nulos. 4 − 3 5 = 4 1 0 4 1 0   4 −3 2 1 4 −3 3 −1  + (1) (2) = = (2) (5). Aplicando Laplace é interessante escolher a linha ou coluna que possui mais zeros. 2 1 3 + (1). Assim elimina-se alguns cofatores. vem: 2 3 1 2 0 4 −1 2 1 1 3 0 0 4 −3 5 4 −3 5 3 −1 2 = (2). 2 3 a) −1 2 1 1 3 0 b) 0 3 2 0 0 3 4 1 c) 8 9 1 0 2 1 0 0 0 3 4 1 0 4 −3 5 1 2 0 4 −1 2 1 0 4 4 6 −1 0 0 0 −1 Solução. b) A 3ª linha possui somente um elemento não nulo. 46 .   4 1 4 1 4 1  4 1      = (2)[(5)(−2) + (−3)(16)] + (1)[(2)(16) + (−5)(7)] = (2)[−10 − 48] + (1)[32 − 35] = −116 − 3 = −119 OBS: Repare que no determinante 3 x 3 foram escolhidos nas 2ª colunas os elementos a13 e a23.21) a) 121 b) b(a2 – c2) c) 4m + 8n -26 22) a) x = 1 2 b) x = 0 ou x = -2 c) x = ± 3 2 24) Encontre o determinante de cada matriz.

0 0 0 −1 2 1 3 2

−1 2 1  3 6 −1 1  = = (−3). 3 4 6 = (−3). (−2). + (4).  4 6 −1 2 4 2 4   2 0 4 0 4 1

3 4

= (−3)[(−2).(0) + (4).(−6)] = (−3).[−24] = 72
OBS: Repare que no determinante 3 x 3 foram escolhidos na 2ª coluna os elementos a12 e a22. c) O determinante de uma matriz triangular é o produto dos elementos da diagonal. Como um desses elementos é zero, o determinante é nulo.

8 9 1 0 2 1 0 0 0

3 4 1 = (8).(2).(0).(1) = 0

0 0 0 −1

25) Determine o conjunto verdade das equações. Solução. a) Aplicando Laplace na linha 1, temos:

2 0 0 1 x x

 2 −4 1 −4 1 2 =6⇒ = 6 ⇒ (2). ( x). − ( x). + (−1).  x 1 2 −4 6 −2 4 −2 4 6   2 4 6 −2 3− 2 1 = 6 6

0 −1

⇒ (2).[( x).(20) + (− x).(14) + (−1).(−2)] = 6 ⇒ (2).[20 x − 14 x + 2] = 6 ⇒ 6 x + 2 = 3 ⇒ x =

b) Aplicando Laplace na coluna 1, temos:

1 0 2 0 2 0 0 −x

1 2 0  0 −x 2 −x  = −39 = −39 ⇒ (−1). 2 0 − x = −39 ⇒ (−1). (1). − (2).  1 x 3 1 x −2 4 x    4 1 x 4 0 1 x 39 11

⇒ (−1).[(1).( x) + (−2).(6 x)] = −39 ⇒ x − 12 x = 39 ⇒ −11x = 39 ⇒ x = −

47

2 −3

4 1 5

11 2 8 = −1470 , calcule os determinantes das seguintes matrizes.

26) Sabendo que

7 7

6 2

2 −5

−3 −4

Solução. Observando que os elementos se assemelham à matriz original, é possível aplicar as propriedades dos determinantes.
−3 −4 1 5 4 2 8 11 = 1470 2 −3 2 −3 =0

7

2 6

4 14 4

11 2 8

8 2

11 2 8 = – 2940

a)

7

2 −5 2 −3

b)

7 7

6 2

2 −5

c)

7 7

6 2

2 − 5 10

14 − 4

−6 −4

27) Resolva as equações:

x 0 0 1

a)

1 0

x 1 0 x 0 1 x 1

=

2 x2 x 0

b)

x + 3 2x − 1 3 2

2 x
=0

x

c) 1 2 1 = 12

1 0

3 1 2

Solução. O procedimento será encontrar determinantes por qualquer método e igualar ao valor do 2º membro. Nos casos acima de 2 x 2, será utilizado o método de Laplace. a) Laplace na 1ª linha b) Det 2 x 2 natural. c) Laplace na 1ª linha.

x 1 0 1 x 1 x 1 0 2 x2 = ⇒ ( x). x 0 1 − (1). 0 x 0 = (2).(0) − ( x).( x 2 ) ⇒ x 0 1 x 0 0 x 1 1 0 x 1 0 x 1 1 0
a) ⇒ ( x).(( x).(− x) + (−1).( x) ) + (−1). (1).( x 2 ) + (1).( x) = − x 3 ⇒ ( x).[− x 2 − x] + (−1).[ x 2 + x] = − x3 ⇒

x 0 0 1

(

)

x = 0  ⇒ − x − x − x − x = − x ⇒ −2 x − x = 0 ⇒ − x(−2 x + 1) = 0 ⇒  1 x = 2 
3 2 2 3 2

48

b)

x + 3 2x − 1 9 = 0 ⇒ 2( x + 3) − 3(2 x − 1) = 0 ⇒ 2 x + 6 − 6 x + 3 = 0 ⇒ −4 x = −9 ⇒ x = 3 2 4

2 x x 6 3 c) 1 2 1 = 12 ⇒ (2).(3) − ( x)(−1) + ( x).(−5) = 12 ⇒ 6 + x − 5 x = 12 ⇒ −4 x = 6 ⇒ x = − ≡ − 4 2 3 1 2

28) (ITA-2006) Sejam as matrizes

0 1 / 2 − 1  1 − 2 5 2 − 3  A=  1 −1 2 1    − 5 1 3 / 2 0 

e

3 − 1/ 2 1 1 −2 −2 B= − 1 1 1   5 − 1 1/ 2

1 3 . 1  5

Determine o elemento c34 da matriz C = ( A + B ) . Solução. Repare que não é preciso resolver toda a soma dos elementos. A informação que interessa é somente o elemento c34. Como a soma relaciona elemento a elemento correspondente a sua posição, temos que: c34 = a34 + b34 = 1 + 1 = 2. 27) (UEL-PR) Uma matriz quadrada A é simétrica se A = AT. Assim se a matriz

 2 −1 2 y    A =  x 0 z − 1 é simétrica, calcule x + y + z. 4 3 2   

x 4  2   Solução. A matriz A =  − 1 0 3  é a simétrica. Igualando as matrizes A e AT, temos:  2 y z −1 2  
T

x 4  − 1 = x ⇒ x = −1  2 −1 2 y   2      A = A ⇒  x 0 z − 1 =  − 1 0 3  ⇒ 2 y = 4 ⇒ y = 2 ⇒ x + y + z = −1 + 2 + 4 = 7 4 3 2   2 y z − 1 2  z − 1 = 3 ⇒ z = 4     
T

49

50 .

SISTEMAS LINEARES Um sistema linear é formado por um conjunto de m equações lineares..  y  =  5  .. equações estas que se caracterizam por apresentarem todas as incógnitas com potência de grau um. Exemplos : 2 x + 3 y = 6  a)   5x − y = 2  − 6 x + 2 y = 0  b)   2 x + 11y = 0  c) {x − y + 2 z + 3w = 9 d) x + y + z = 9    5 x + 11y = 1  MATRIZES ASSOCIADAS  4 x + 3y = 1  No sistema  2 x − 5 y = − 2  temos. onde:          51 . 4 3    2 − 5    Matriz incompleta 1  4 3   2 − 5 − 2  Matriz completa    REPRESENTAÇÃO MATRICIAL DE UM SISTEMA LINEAR 2 x − y = 3  O sistema  pode ser escrito na forma matricial: x + 3y = 5   2 − 1  x   3    1 3  .

pois   2y − z = 0  ele é solução das duas equações do sistema. temos a terna ordenada (0. CLASSIFICAÇÃO DE UM SISTEMA LINEAR Um sistema linear é classificado de acordo com seu número de soluções. 1) como solução do sistema. pois ele é x − y = 1  solução das duas equações do sistema. 2 − 1    1 3  É a matriz incompleta (ou dos coeficientes). No sistema x − y + z = 2  .  5   SOLUÇÃO DE UM SISTEMA LINEAR A solução de um sistema linear é a seqüência ordenada (n-upla) que é solução de cada uma das equações do sistema. 2.  y    3   É a matriz dos termos independentes. temos o par ordenado (2. 4) como solução do sistema. 52 .    x   É a matriz das incógnitas... Exemplos: x + y = 3  No sistema  .

2 ).I. 3x − y = − 3  5x − 5y + 5z = 10  O sistema  é S. pois NÃO apresenta solução. pois apresenta INFINITAS soluções.I. 6 ) é sua ÚNICA solução. entre elas. 1. ( 1.D. 0. podemos  x−y+z=2  citar : ( 1. 4 ). 2.P.SISTEMA LINEAR POSSÍVEL Possui solução IMPOSSÍVEL Não possui solução DETERMINADO Solução única INDETERMINADO Infinitas soluções Exemplos : −x + y = 5  O sistema  é S.  x + y =1  53 . 1 ). x − y = 3  EXERCÍCIOS: 2 x − y = 5  1 ) Verifique se ( 2. -1 ) é solução do sistema linear  . ( 0. x − y = 5  O sistema  é S.P. pois o par ordenado ( 1.

 y  =  − 3      z     54 . -2. b ) Classifique o sistema. 1 ) no sistema  2 x − z = 1 x y  2 + 2 − 3z = − 2  . 5 ) Construa a matriz incompleta e a matriz completa de :   3 x1 + 4 x 2 = 2  a)   x1 + x2 = 1  − 3  3x + 2 y = 5  b)  x − y =1  4x + y = 6  6 ) Escreva o sistema associado às equações matriciais :  2 − 1  x   0  a)   3 1  . 4 ) Considere o sistema {x . 5 ) no sistema  x + y + z = 4  y−z=7  . y  =  3          −1 3 5   x  8       b)  0 1 − 2  .  y  =  − 2   0 0 4   z   12        x 4 2 1     8  c)   1 0 − 1 . a ) Apresente algumas soluções do sistema.  −x + y = 0  2 ) Idem para ( 1. 3x − y + z = 7  3 ) Idem para ( 0. 1.y = 1.

 4x − y − z = 4  Resolução: Calculando o determinante principal “D” .REGRA DE CRAMER Existem alguns métodos para classificarmos e/ou resolvermos um sistema linear. −5 4 2 −1 −1 −1 Dx = − 3 − 2 − 3 ⇒ Dx = -36.. a partir de divisões entre estes determinantes. usando “Cramer”. Vamos recordar a Regra (ou método) de Cramer. 55 .. 1 4 2 −1 −5 4 Dz = − 1 − 2 − 3 ⇒ Dz = -72.. Então. Calculando os determinantes das incógnitas . Vamos a um exemplo prático.D.. Tal regra consiste em separar o sistema em matrizes e calcular seus determinantes. encontramos a solução do sistema.. portanto S..  x + 2y − z = − 5  Resolva o sistema − x − 2 y − 3z = − 3 . 1 4 2 −1 −1 −1 D = − 1 − 2 − 3 ⇒ D = -36 ≠ 0.P. 1 4 − 5 −1 4 −1 Dy = − 1 − 3 − 3 ⇒ Dy = 72.

2 ) } DISCUTINDO UM SISTEMA LINEAR  D ≠ 0 → S . ao classificarmos um sistema linear com D = 0. 2 ) } Exercícios: 1 ) Resolva os sistemas lineares.I”.I  Por Cramer.I.P . S = {(1. -2. Exemplos: 56 . D  S.. 3. não vamos estudar os modos de determinar se um sistema é S.P. usando “Cramer” : x + y = 6  a)  x − y = 2   x − y +z = 0  b )  x + 2 y − 2z = 3 2 x − y − z = − 3   x − 2y = 1  c )  y +z = 3 − x + 2 z = 1  S = { ( 4.P. 2 ) } S = { ( 1.P.I ou S.I    Na primeira parte do nosso curso.I ou S. basta deixar indicado com “S.. = →   S. quando D 0  ou .Logo x= y= z= D x − 36 = ⇒ x=1 D − 36 Dy D = 72 ⇒ y = -2 − 36 D z − 72 = ⇒z =2 D − 36 Portando. 2 ) } S = { ( 3. logo. 1.

0) são − x + y + z = −2  soluções. 1 . -2 . S.  2 x − y + z + 2t = 1 2) Verifique quais das quádruplas são soluções do sistema  : 3 x + 2y − 5z − 4t = 5 a) (1 . 5 . S. Logo.P. 4  2  d) (a .I    x − y − z =1  2 ) Idem para  2x + y + 3z = 6 mx + y + 5z = 9   2x + 3 y − z = 0  1) Considere o sistema  x − 2y + z = 5 . 8) 1  c)  . 3 .P..D → D ≠ 0 ⇒ m – 2 ≠ 0 ⇒ m ≠ 2. Verifique se a) (2 . 2) b) (-1 . -1 . S.3a) 57 . 1) e se b) (0 . 2a -1 . − 1 . x+y =3  1 ) discuta o sistema  em função de “m” : 2x + my = 2  Resolução: D= 1 1 2 m → D = m – 2.I   OU  → D = 0 ⇒ m – 2 = 0 ⇒ m = 2. -2a . 0 .. 0 . 7 .

3) Calcule o valor de m para que (3 . 8) Resolver os sistemas usando a Regra de Cramer: x + 2y = 5 a)  2x − 3 y = −4  x + 2y = 2 b)  − x + 4 y = 1 58 . k .  x − 2y = k + 3 6) Expresse matricialmente os sistemas: 2x + y = 5 a)  x − 3 y = 0 2a + b + c = −1  b) a + c = 0 − 3a + 5b − c = 2  − x + y + z − t = 2 2x − y + t = 0  c)  y − z + 3t = 1  x + 2 y − z + 4 t = −5  7) A expressão matricial de um sistema é: 2 − 5 a − 4 3 1  b = 7       Determine as suas equações.1 . 2m) seja solução do sistema:  x − y − 2z = 9   x + 2y + z = −3 3 x − 2y + 5z = 3  4) Calcule o valor de k para que (k + 1 . 2) seja solução do sistema:  x+y+z=0  2x + y − 3z = −8  x + 5y + z = 4  3 x + y = k 2 − 9 5) Calcule o valor de k para que o sistema  seja homogêneo. -2 .

x + 2y − z = 2  c) 2x − y + 3z = 9 3 x + 3 y − 2z = 3  x + y = 10  d) x − z = 5 y − z = 3  9) Classifique e resolva os sistemas escalonados abaixo: − x + 3 y − z = 1  a)  2y + z = 2  5z = 10  3 x − 2y + 4z = 2  b)  − y + 3z = −3  7z = 0  x + 2y + 3z = 14  c)  4 y + 5z = 23  6z = 18  x − y + z = 4 d)   y−z=2 2x − 3 y + z − t = 4  e )  y − z + 2t = 3  3z + t = 2   x + 2y − z + t = 1 f)   − y + 3 z − 2t = 2 x + 4 y − z = 2 g)   y+z=3 10) Resolva os sistemas usando o método do escalonamento: 4 x − 2 y = 8 a)   x + 5 y = −9 2x + 5 y = 11 b)   x + 3 y = −7 59 .

 2x + 3 y = 4 c)  3 x − 5 y = −2 2x + 3 y = 3 d)  3 x + 2y = 2  x + y + 2z = 0  e)  x − y − 3z = 0 2x + 3 y + 5z = −3  f)  x + y + 2z = 0  3 x + 4 y + 3z = 9  x − 2y − 3 z = 1   x + 3 y + 2z = 2  g)  3 x + 5 y + 4z = 4 5 x + 3 y + 4z = −10  8 x + 5 y − 3z = 0  h)  7 x − 2y + z = 0 3 x + 4 y − 5z = 0  Respostas dos exercicios 1) a) sim 2) a) sim b) não 3) m = -1 b) não c) não d) não 4) não existe k que resolva o sistema 5) k = -3 60 .

3 . 2)} f) S = {(1 . 1)} 9) a) SPD S = {(-3 . 2 . -2)} b) S = {(68 . 3)} S = {(6 .5α + 3β . α. α) α ∈ IR} b) SPD c) SPD d) SPI e) SPI f) SPI g) SPI 10) a) S = {(1 .2 1   x  5 6) a)    =   1 − 3  y  0  2 1 1  a − 1 b)  1 0 1  b  =  0       − 3 5 − 1 c   2       − 1 1 1 − 1  x   2   2 − 1 0 1  y   0    =   c)   0 1 − 1 3  z   1        1 2 − 1 4   t  − 5  2a − 5b = −4 7)   3a + b = 7 8) a) S = {(1 . 2 . 3 . -5 . . 0 )} S = {(1 . 1)} e) S = {(1 .2β . 2)}  1  b) S = 1 . . -2)} 61 . 4 . β). α). 3 – α . -2 + 3α .   19 19  d) S = {(0 . α . α∈ IR}  43 − 17α 11 − 7α 2 − α   S =  .   2  c) S = {(1 . β ∈ IR} S = {(-10 + 5α . -25)}  14 16  c) S =  . α . α ∈ IR  6 3 3    S = {(5 . 2 + α . 0 . 2)} S = {(8 3 . 3)} d) S = {(6 .

0 .g) S = { } h) S = {(0 . 0) 62 .

Qual o valor de m para que exista o produto (A. Quem mais telefonou e quem mais recebeu ligações? 0 9 3) Uma matriz A é do tipo 3 x 5. n 0 n 2 1 3 8) Encontre a solução da equação 4 − 1 n − 1 = 12.BT. determine: a) a11 + b11 b) a22 . outra matriz B é do tipo 5 x 2 e a matriz C é do tipo m x 4.   4 5 6    4 − 3   2 1 3 7) Encontre a solução da equação 4 − 1 n − 1 = 12. A matriz M mostra cada elemento aij representando o número de telefonemas que “i” deu para “j” 0 no mês de setembro: M = 18 13 10 0 12 6 .C? 3 5  4) Dadas as matrizes A =   e B = [4 0] obtenha X tal que X. n 0 n 63 .b21 2) (FGV-2005) As meninas 1 = Adriana.LISTA GERAL DE MATRIZES – OPERAÇÕES E DETERMINANTES 1) Dadas as matrizes A = [aij ]2 x 2 tal que aij = i j e B = [bij ]2 x 2 tal que bij = j i .(b11 + b22 ) c) a21.B). 1 − 3  x 3  − 1 5   4 8  5) Determine x e y na igualdade  + =  4 y   8 y  12 − 6 1 − 2 1 2 − 3 6) Dadas as matrizes A =  e B = 3 0  .A = B. determine A + 2. 2 = Bruna e 3 = Carla falam muito ao telefone entre si.

   15) Resolva os sistemas. Determine A + A . determine a matriz inversa da matriz A. Obs.    1 2 14) (UC – GO) Determine x a fim de que a matriz A =   0 x  seja igual a sua inversa. 64 . 3 4  2 1 11) (AFA 2003) Sejam m e n números reais tais que m ≠ n e as matrizes A =  e  3 5 − 1 1 B=  . seu determinante deve ser nulo.   1 2    0 4  4 5 10) Sendo A =  .  3 x − 9 4  -1 13) Seja A-1 a inversa de A =   − 1 − 2  . 1 0 5 − 3 9) Sendo A = − 2 3 e B =   calcule AB. Qual a relação necessária entre m e n para que a matriz C = mA + nB não seja  0 1 invisível. 4 x + 8 y = k 18) Discuta os sistemas abaixo em função do parâmetro k. x + 3 y = 5 a)  3 x − 2 y = 1 x − y = 3 b)  4 x − 4 y = 6 ax − y = 8 16) Determine o valor de a para que o sistema  seja possível e determinado (SPD). − 1 2 1 -1 12 – Encontre o valor de x na matriz A =   sabendo que det A = − 10 . 2 x + 4 y = 6 x + 2 y = 1 17) Determine o valor de k de modo que o sistema  seja impossível (SI). Para que a matriz C não seja imersível.

de maçãs (m) e de pêras (p). kx + 2 y = 3 a)  4 x + 6 y = 9 3 x + 4 y = 8 b)  6 x + ky = 7 19) Resolva os sistemas. o preço de R$0. x + y + 2z = 4  a) 2 x − 3 y + z = 0 5 x − y − z = 3  x + y + z = 6  b) 3x + 2 y − z = 4 5 x − 4 y + 3z = 6  x + y + 2 z = 5  c) 2 x + 2 y + 4 z = 10 3x + 3 y + 6 z = 14   x + y + 3z = 4  d) 2 x − 3 y + 4 z = 5 3x − 2 y + 7 z = 9  20) (ITA – SP) Seja a um número real. Com 90 dúzias. sendo dados A =  − 2  e B =  − 2 . e p. e classifique-os. juntos custam R$70. Quantos litros de leite de cada tipo foram misturados? 1 3 24) Determine. Observou que para cada maçã arrumada. m. Arrecadou R$105. com aij = i2 + ij. se existir.00 e a diferença de preços entre os artigos B e C. ao todo. um com 3% de gordura outro com 4% de gordura para obter.00. os artigos A e B. ele fez lotes de 6 tangerinas. y e z. é R$ 5.00 na venda de todos eles. 5  4      26) Calcule det A. sendo: a) A = (aij) uma matriz quadrada de 2ª ordem. Dois artigos A mais um C custam R$105. Considere os sistemas lineares em x. se possível. 80 litros de leite com 3. Calcule o x + y − z = 0  valor de a para que o sistema  x − 3 y + z = 1 admita infinitas soluções. Calcule t. 23) Misturam-se dois tipos de leite.    3  1      25) Determine a matriz X tal que X – A + B = 0. lotes com 6 maçãs e lotes com 4 pêras. Qual o preço do artigo C? 22) (UERJ) Um feirante separou um número inteiro de dúzias de tangerinas (t). havia 2 tangerinas. Colocou em cada lote.25% de gordura. a inversa de A =  0 2 . indistintamente. − 2 y + z = a  21) Numa loja. nessa ordem.50.00. 65 .

66 . −3 3 −2 1 −1 . x −3 3 x  x 1 . 2 x − 3 y = −8  x + y = 10 32) Classifique e resolva o sistema  .7 x − 3 y = 10 b) A. a matriz dos coeficientes das incógnitas do sistema  na posição em que 2 x + 5 y = 6 27) Sabendo que a = 2b + c2. ax − 6 y = 0 (m + 2) x + (m + 5) y = 7 36) Calcule os valores de m para que o sistema  seja possível e 2 x + (m + 3) y = 0 determinado. calcule os determinantes: 3 −2 1 −1 a) a = 2 −3 −2 −1 .  2 x − 1 x +1 30) Seja a matriz quadrada A =  3   x 3 x + y = 10 31) Classifique e resolva o sistema  . calcule o número real x tal que x = 3a - a2 ab 2a a + b b) b = 1 1 b2 2b . x + y = 5 mx + y = −2 34) Discuta o sistema linear  x − y = 1 3 x + 2 y = 1 35) Calcule os valores de a para que o sistema  seja possível e determinado. Calcule x de modo que det A = 0. 1 2 29) Resolva a equação 0 2 3 −2 1 x = 2. 2 x + 2 y = 5 2 x + 2 y = 10 33) Classifique e resolva o sistema  . 28) Aplicando a regra de Sarrus. b= −1 3 2 0 e c= −2 4 4 −7 .

 4 0  . 67 . respectivamente.SC) Sejam A = (aij ) 4×3 e B = (bij ) 3×4 duas matrizes definidas por aij = i + j e bij = 2i + j . Determine A    ( ) 40) Escreva a matriz A = (aij) do tipo 3x4 sabendo que aij = 2i – 3j. Se A ⋅ B = C . então qual é o elemento c32 da matriz C ?   8 5 2 X + 3Y =   − 9 19      38) Resolva o sistema   X − 4Y =  4 − 3    1 − 18       5 1 −1 2 39) Considere A =  + At .37) (UF .

E recebeu 18 + 9 = 27 ligações.GABARITO 1) Dadas as matrizes A = [aij ]2 x 2 tal que aij = i j e B = [bij ]2 x 2 tal que bij = j i . Quem mais telefonou e quem mais recebeu ligações? 0 9 Solução. 68 . f) Carla foi quem menos ligou. Decodificando os valores das posições: a) Adriana fez 23 ligações: 13 para Bruna e 10 para Carla. d) Bruna foi quem mais telefonou.b21 Solução. 1  a11 = 1 = 1 a)  ⇒ a11 + b11 = 1 + 1 = 2 b11 = 11 = 1  a 22 = 2 2 = 4  b) b11 = 11 = 1 ⇒ a 22 .(b11 + b22 ) c) a21.(1) = 2 b21 = 12 = 1  2) (FGV-2005) As meninas 1 = Adriana.b21 = (2). E recebeu 13 + 12 = 25 ligações. e) Adriana foi a 2ª menina que mais ligou.(1 + 4) = 4(5) = 20  2 b22 = 2 = 4 1  a 21 = 2 = 2 c)  ⇒ a 21 . A matriz M mostra cada elemento aij representando o número de telefonemas que “i” deu para “j” 0 no mês de setembro: M = 18 13 10 0 12 6 .(b11 + b22 ) = 4. Basta identificar os elementos indicados. Não é necessário construir todas as matrizes. E recebeu 10 + 6 = 16 ligações. determine: a) a11 + b11 b) a22 . A resposta pedida é: Mais telefonou foi Bruna e recebeu mais ligações foi Adriana. c) Carla fez 21 ligações: 9 para Adriana e 12 para Bruna. Observe que a diagonal nula informa que ninguém ligou para si mesmo e. b) Bruna fez 24 ligações: 18 para Adriana e 6 para Carla. não recebeu ligação de si mesmo.LISTA GERAL DE MATRIZES – OPERAÇÕES E DETERMINANTES . 2 = Bruna e 3 = Carla falam muito ao telefone entre si. obviamente.

temos: x  4 3  − 1 5   4 8  x − 1 8   4 8  x − 1 = 4 ⇒ x = 5  +  8 y  = 12 − 6 ⇒  12 2 y  = 12 − 6 ⇒ 2 y = −6 ⇒ y = −3 y          1 − 2 1 2 − 3 6) Dadas as matrizes A =  e B = 3 0  . Seja X = [a b] . 1 3 4 Exibindo a transposta de B. 7  Solução.3) Uma matriz A é do tipo 3 x 5. A = [a b]  = [3 a + b 5a − 3b] . 3a + b = 4 → ( x3) 9a + 3b = 12  12 6 10 6 . A é do tipo 2 x 2 e B é do tipo 2 x 1. X =  ⇒ ⇒ 14a = 12 ⇒ a = = ⇒b= 7 =  14 7 3 7 7 5a − 3b = 0 5a − 3b = 0  x 3  − 1 5   4 8  5) Determine x e y na igualdade  + =  4 y   8 y  12 − 6 10  . temos: B T =   .A = B. Logo. outra matriz B é do tipo 5 x 2 e a matriz C é do tipo m x 4. 3 5  4) Dadas as matrizes A =   e B = [4 0] obtenha X tal que X. vem: − 2 0 − 3 69 . Efetuando a expressão. Para que seja possível o produto por Cmx4 o número de linhas de C deve ser o mesmo de colunas de (A.B) possui 3 linhas e 2 colunas. 1 − 3 Solução. Igualando a B. Isso já acontece e o produto é do tipo 3 x 2. vem: 1 − 3 6 5.C? Solução. Somando as matrizes e igualando ao resultado. Para que exista o produto (A. Qual o valor de m para que exista o produto (A.B) é necessário que o número de colunas de A seja o mesmo de linhas de B.BT.B).   4 5 6    4 − 3   Solução.B). Logo. Temos: 3 5  X . m = 2. Logo X é do tipo 2 x 1. determine A + 2. Isto é (A.

Para achar o determinante de uma matriz 3x3 podemos utilizar a regra de Sarrus.(-12 ) 2 ⇒ n= 70 .1. que consiste em copiar as duas primeiras colunas à direita da matriz.(-12 ) 2 ⇒ n= n = 6 4 ± 64 4±8 ⇒ n= ⇒ 2 2 n = −2 2 n 1 0 3 n 8) Encontre a solução da equação 4 − 1 n − 1 = 12. que consiste em copiar as duas primeiras colunas à direita da matriz.B T =   + 2 − 2 0 − 3 = 4 5 6  + − 4 0 − 6 = 0 5 0 4 5 6          2 1 3 7) Encontre a solução da equação 4 − 1 n − 1 = 12.1. e subtrair a soma dos produtos da primeira diagonal.4. e subtrair a soma dos produtos da primeira diagonal. pela soma dos produtos da segunda : 2 n 1 0 3 n 2 n 1 0 n = 6 4 ± 64 4±8 ⇒ n= ⇒ 2 2 n = −2 4 − 1 n − 1 4 − 1 = 12 ⇒ ( −2n + n(n − 1) + 0) − ( −3n + 0 + 4n) = 12 ( −2n + n 2 − n) − n = 12 ⇒ n 2 − 4n − 12 = 0 n= 4 ± 16.1 2 − 3  1 3 4  1 2 − 3  2 6 8  3 8 5 A + 2 . n 0 n Para achar o determinante de uma matriz 3x3 podemos utilizar a regra de Sarrus. pela soma dos produtos da segunda : 2 1 3 2 1 4 − 1 n − 1 4 − 1 = 12 ⇒ (−2n + n(n − 1) + 0) − (−3n + 0 + 4n) = 12 n 0 n n 0 (−2n + n 2 − n) − n = 12 ⇒ n 2 − 4n − 12 = 0 n= 4 ± 16-4.

onde estamos multiplicando uma matriz 3x2 por uma 2x2.2   1 .   1 2    0 4  Essa é uma questão de multiplicação de matrizes. O resultado será uma matriz 3x2.2  8  0 .(−3) + 0. temos: 2 1 − 1 1 2m − n m + n  i) C = m. 1. Qual a relação necessária entre m e n para que a matriz C = mA + nB não seja  0 1 inversível. 1 0 5 − 3 9) Sendo A = − 2 3 e B =   calcule AB.5 + 3. a matriz inversa de A é A −1 =   − 3 4   2 1 11) (AFA 2003) Sejam m e n números reais tais que m ≠ n e as matrizes A =  e  3 5 − 1 1 B=  . 71 .1    4 5 10) Sendo A =  . Multiplicando os escalares “m” e “n” pelas respectivas matrizes.5 + 4 .5 + 0 . 3 4 Sabemos que uma matriz multiplicada pela sua inversa resulta na matriz identidade. determine a matriz inversa da matriz A. seu determinante deve ser nulo. A −1 = I 4a + 5c = 1 4a + 5c = 1 a = 4 →   4b + 5d = 0  4 5   a b  1 0   3a + 4c = 0 c = −3 3 4. ou seja : A. c d  = 0 1 ⇒ 3a + 4c = 0 ⇒ 4b + 5d = 0 b = −5       →   3b + 4d = 1 3b + 4d = 1 d = 4   4 − 5 Portanto.B = m. Solução.  + n. A + n.1  5 − 3 (−2).1 (−2)(−3) + 3. 0 1 =  3m 5m + n 3 5     Para que a matriz C não seja inversível. O resultado será obtido pelo produto de cada linha da matriz A por cada coluna da matriz B.2 ⇒ AB = − 7 12  AB =       4 0(−3) + 4.

 ⇒ =  − 1 − 2 c d      0 1  − 9b + 4d = 0 ⇒ − 9b + 4d = 0 ⇒ 22d = −9 ⇒ d = −9 / 22   − b − 2d = 1 9b + 18d = −9 9b = −36 / 22 ⇒ b = −2 / 11  − 9 4  − 1 / 11 − 2 / 11 − 100 / 11 42 / 11  A + A−1 =  + =   − 1 − 2  1 / 22 − 9 / 22  − 21 / 22 − 53 / 22 72 . Substituindo esse valor no conclui-se que det A 10 det A cálculo do determinante de A. 3 x − 9 4  -1 13) Seja A-1 a inversa de A =   − 1 − 2  . O determinante da matriz é diferente de zero. − 9a + 4c = 1 − 9a + 4c = 1 22c = 1 ⇒ c = 1 / 22 ⇒ ⇒  − 9 4  a b  1 0 − a − 2c = 0 9a + 18c = 0 9a = −18 / 22 ⇒ a = −1 / 11 .  3 x Solução. − 1 2 1 -1 12) Encontre o valor de x na matriz A =   sabendo que det A = − 10 . = = ⇒m= 2(7) 14 14  6n − 8n = − 2n = − n  14 14 7  Como pelo enunciado m ≠ n.  6n + 8n 14n  14 = 14 = n − (−6n) ± (−6n) 2 − 4(7)(− n 2 ) 6n ± 36n 2 + 28n 2 6n ± 64n 2  m= .10. possui inversa.(5m + n) − (3m). 3m 5m + n Desenvolvendo a expressão e simplificando. temos: 1 2 = −10 ⇒ x − 6 = −10 ⇒ x = −4. vem.ii) det C = 0 ⇒ 2m − n m + n = 0 ⇒ (2m − n). Como det A−1 = 1 1 1 = − . a matriz não será inversível se 7m + n = 0. Logo. Logo.    Solução. Determine A + A . detA = . temos: 10m 2 + 2mn − 5mn − n 2 − 3m 2 − 3mn = 0 ⇒ 7 m 2 − 6mn − n 2 = 0 .(m + n) = 0 . Resolvendo a equação em relação a “m”.

x + 3 y = 5 a)  3 x − 2 y = 1 Solução.1.  11 11   x − y = 3 → × (−4) − 4 x − 4 y = −12 ⇒ 0 = −12 → Im possível → S = { }. 2 + 2 x = 0 1 2 1 2 1 0 1 2 + 2 x 1 0  x = 1 → 2 + 2(1) ≠ 0 .  2 4 2 x + 4 y = 6 73 . O determinante da matriz dos coeficientes deverá ser diferente de zero. 14   y = 11  x + 3 y = 5 → × (−3) − 3 x − 9 y = −15  ⇒ −11 y = −14 ⇒  a)   3 x − 2 y = 1 3x − 2 y = 1  x = 5 − 3 14  = 55 − 42 = 13    11 11  11    13 14  Logo. Sistema possível e determinado representado por retas concorrentes. x − y = 3 b)  4 x − 4 y = 6 Os sistemas podem ser resolvidos por qualquer método. a −1 ax − y = 8 → ( SPD) ⇒ D = ≠ 0 ⇒ 4a − (−2) ≠ 0 ⇒ 4a ≠ −2 ⇒ a ≠ −1 / 2 .    Solução. Retas paralelas distintas. 15) Resolva os sistemas. = ⇒ = ⇒ 2 ⇒ .1 2 14) (UC – GO) Determine x a fim de que a matriz A =   0 x  seja igual a sua inversa.  . b)   4 x − 4 y = 6 4 x − 4 y = 6 ax − y = 8 16) Determine o valor de a para que o sistema  seja possível e determinado (SPD). o único valor que satisfaz é x = . O produto da matriz A por ela mesma deverá resultar na matriz identidade. 0 x 0 x  x 2  0 1    0 1  0    x = 1 ⇒ x = ±1  x = −1 → 2 + 2(−1) = 0 Logo. S =  . 2 x + 4 y = 6 Solução.

x + 2 y = 1 17) Determine o valor de k de modo que o sistema  seja impossível (SI). 1 2 1 = ≠ ⇒ . 4 8 k (2). Isto é. 74 . Para que o sistema seja possível e indeterminado (SI). 3 x + 4 y = 8 b)  6 x + ky = 7 No caso geral em sistemas 2 x 2 a análise pode ser feita partindo das situações: i) a c ≠ → SPD b d ii) a c e = = → SPI b d f iii) a c e = ≠ → SI b d f k 2 ≠ ⇒ 6k ≠ 8 ⇒ k ≠ 8 / 6 → ( SPD)  kx + 2 y = 3  4 6  a)  ⇒ . Isto é: (1). tornará o sistema impossível.(8) ⇒ 2k ≠ 8 ⇒ k ≠ 4 Qualquer valor de “k” que não seja 4. 18) Discuta os sistemas abaixo em função do parâmetro k. Não há valor de “k” que o torne  6 x + ky = 7  3 = 4 ≠ 8 ⇒ k = 8 → ( SI ) 6 k 7  indeterminado. para 4 x + 8 y = k que a representação geométrica da solução sejam retas paralelas distintas.(k ) ≠ (1).(8) = (2). Solução. b) 3 4 ≠ ⇒ 3k ≠ 24 ⇒ k ≠ 8 → ( SPD) 3x + 4 y = 8  6 k   ⇒ .(4) ⇒ 8 = 8 → ok. Não há valor de “k” que o torne 4 x + 6 y = 9  k = 2 = 3 ⇒ k = 8 / 6 → ( SPI ) 4 6 9  impossível. mas não em relação aos termos independentes.  kx + 2 y = 3 a)  4 x + 6 y = 9 Solução. basta que se verifique a proporcionalidade entre os coeficientes de “x” e “y”.

x + y + z = 6  b) 3x + 2 y − z = 4 5 x − 4 y + 3z = 6  x + y + 2 z = 5  c) 2 x + 2 y + 4 z = 10 3x + 3 y + 6 z = 14   x + y + 3z = 4  d) 2 x − 3 y + 4 z = 5 3x − 2 y + 7 z = 9  Os sistemas foram escalonados. z }. Calculando o valor de z. − 37 z = −37  x = 4 − y − 2z − 37 8 − 3 z 8 − 3(1) 5 = 1. 34 z = 102  y = 14 − 4 z = 14 − 4(3) x = 6 − y − z 102 = 3.19) Resolva os sistemas. O sistema é possível e determinado. x = 4 − (1) − 2(1) = 4 − 3 = 1 − 37 5 5 5 Logo a solução é S = { 1. A variável z é chamada variável livre. 0 + 0 + 0 = 0 0 + 0 + 0 = 1 → impossível   x + y + 3z = 4  d) 2 x − 3 y + 4 z = 5 ⇒ 2 L1 − L2 3x − 2 y + 7 z = 9 3L1 − L3   x + y + 3z = 4  5 y + 2 z = 3 ⇒ 5 y + 2 z = 3 L2 − L3   x + y + 3z = 4  5 y + 2 z = 3 ⇒ . x + y + 2z = 4  a) 2 x − 3 y + z = 0 ⇒ 2 L1 − L2 5 x − y − z = 3 5 L1 − L3  temos: z = x + y + 2z = 4  5 y + 3z = 8 ⇒ 6 y + 11z = 17 6 L2 − 5 L3  x + y + 2z = 4  5 y + 3z = 8 . se possível. Calculando o valor de y. Calculando o valor de z. x = 4− − 3z = = 5 5 5 5 Logo a solução é S = { 17 + 2 z 3 − 2 z . 3 − 2z 20 − 3 + 2 z 17 + 2 z . . Logo o sistema não possui solução. 0 + 0 = 0  x = 4 − y − 3z 3 − 2z temos: y = . . O sistema é possível e determinado. y = = = = 1. x + y + z = 6  b) 3x + 2 y − z = 4 ⇒ 3L1 − L2 5 x − 4 y + 3z = 6 5 L1 − L3  temos: z = x + y + z = 6   y + 4 z = 14 ⇒ 9 y + 2 z = 24 9 L2 − L3  x + y + z = 6   y + 4 z = 14 . x + y + 2z = 4  a) 2 x − 3 y + z = 0 5 x − y − z = 3  Solução. 2. x + y + 2z = 5  c) 2 x + 2 y + 4 z = 10 ⇒ 2 L1 − L2 3x + 3 y + 6 z = 14 3L1 − L3  x + y + 2z = 5  . 5 5 75 . 3}. 1. 1}. y = 14 − 12 = 2 x = 6 − ( 2) − (3) = 6 − 5 = 1 34 Logo a solução é S = { 1. . . O sistema é possível e indeterminado. e classifique-os.

temos: B = R$25. A resposta pedida é 2 2 22) (UERJ) Um feirante separou um número inteiro de dúzias de tangerinas (t). montamos o sistema: 76 . o preço de R$0.00. Calcule o x + y − z = 0  valor de a para que o sistema  x − 3 y + z = 1 admita infinitas soluções. Escalonando. Qual o preço do artigo C? Solução. Com 90 dúzias. e p. havia 2 tangerinas.00 e a diferença de preços entre os artigos B e C. Colocou em cada lote. y e z.20) (ITA – SP) Seja a um número real. nessa ordem. C = 25  Substituindo nas equações C + 35 25 + 35 = = 30 . Logo. Dois artigos A mais um C custam R$105.  A + B = 70  De acordo com as informações do problema.00. A = 70 − B = 70 − 30 = 40 . de maçãs (m) e de pêras (p). ele fez lotes de 6 tangerinas. Utilizando os dados do problema e as letras representantes das frutas. Solução. 2 21) Numa loja. indistintamente. Observou que para cada maçã arrumada. − 2 y + z = a  Solução. − 2 y + z = a − 2 y + z = a L2 + 2 L3 0 = −1 + 2a    Para que o sistema seja indeterminado o 2º membro da 3ª equação deve ser nulo. m. Considere os sistemas lineares em x. a = 1 . Arrecadou R$105. lotes com 6 maçãs e lotes com 4 pêras. os artigos A e B. temos o sistema: 2 A + C = 105 .50.00. B − C = 5  vem:  A + B = 70  2 A + C = 105 ⇒ 2 L1 − L2 B − C = 5  anteriores. Calcule t. x + y − z = 0 x + y − z = 0 x + y − z = 0    Escalonando o sistema:  x − 3 y + z = 1 ⇒ L1 − L2 4 y − 2 z = −1 ⇒ 4 y − 2 z = −1 .00 na venda de todos eles.  A + B = 70  2 B − C = 35 ⇒ B − C = 5 L2 − 2 L3   A + B = 70  2 B − C = 35 ⇒ . é R$ 5. juntos custam R$70.

0) = 2 ≠ 0.  100 y = 2000 y= 2000 = 20 .5t + 0. e escalonando.25( x + y) − 0. 100 x = 80 − 20 = 60 . Substituindo na  − p = −90 1ª equação. Representando a quantidade de litros de leite com 3% de gordura como “x” e com 4% como “y”. vem:  ⇒ L1 − 3L2 3t + p = 210 9t + 2 p = 540 . 80 litros de leite com 3. o resultado final deverá ser (x + y). Substituindo na 1ª equação. 77 . temos: vem:  x + y = 80 ⇒  25 L1 + L2 − 25x + 75 y = 0  x + y = 80 . a inversa de A =  0 2 . Logo c = 0. Logo. temos: a + 3c = 1  0a + 2c = 0 b + 3d = 0  0b + 2d = 1 . Para que uma matriz possua inversa.75 y = 0 Multiplicando por 100 a 2ª equação Calculando “y”.5 p = 105  9t + 2 p = 540 sistema simplificado. um com 3% de gordura outro com 4% de gordura para obter.    Solução. Desenvolvendo a            multiplicação e expressando o sistema. Escalonando o 6t + 6m + 4 p = 90(12) ⇒  0.25% de gordura. Logo possui inversa. se existir.3. ao todo. p = 90. temos que: 2c = 0. 1 3 24) Determine.m = 2t 6t + 12t + 4 p = 1080 18t + 4 p = 1080 → ÷(2)  ⇒ . Calculando: det A = (1.5 p = 105 → ×(10) 15t + 5 p = 105 → ÷(5) 0.2 – 3. 9 9 9 23) Misturam-se dois tipos de leite. encontra-se t = 540 − 2 p 540 − 2(90) 360 = = = 40 e m = 2t = 2(40) = 80 .  1 3  a b   1 0 Encontrar A-1 significa encontrar a solução de:   0 2  x c d  =  0 1  .  3x + 4 y = 3. Logo serão misturados 60 litros de leite. O sistema é:  x + y = 80  x + y = 80 ⇒ .25%. Quantos litros de leite de cada tipo foram misturados? Solução. é necessário que seu determinante seja diferente de zero.25x + 0. Da 2ª equação.5t + t + 0.5m + 0.

a11 = (1)2 + (1). sendo: a) A = (aij) uma matriz quadrada de 2ª ordem. Logo d = 1/2. sendo dados A =  − 2  e B =  − 2 . A matriz dos coeficientes será: A =   2 5  ⇒ det A = (7. A 4ª equação fornece 2d = 1.temos: a + 0 = 1.    7 x − 3 y = 10 b) A.(1) = 2 8  2 3 Logo a matriz será: A =   6 8  ⇒ det A = (2. b= e c= 4 −7 .(2) = aparecem.    3 −2 1 −1 −1 3 2 0 −2 4 27) Sabendo que a = . com aij = i2 + ij. 4  5      Solução. A 3ª indica que b = 3d.6) = 16 − 18 = −2. logo b = -3/2.(1) = 6 a22 = (2)2 + (2).2) = 35 + 6 = 41. Primeiro precisamos construir a matriz de acordo com a lei: aij = i2 + ij. Uma matriz quadrada de 2ª ordem possui 2 linhas e 2 colunas. A equação X – A + B = 0 pode ser reescrita como: X = A – B. Solução. O exercício resume-se a encontrar a matriz resultante da subtração elemento a elemento entre A e B.    3  1      25) Determine a matriz X tal que X – A + B = 0.       1  5   4  5 − 4    26) Calcule det A.5) − (−3. calcule o número real x tal que 78 .  7 − 3 Solução. a matriz dos coeficientes das incógnitas do sistema  na posição em que 2 x + 5 y = 6 a12 = (1)2 + (1).8 − 3.  3  1   3 − 1   2         X = A − B =  − 2  −  − 2  =  − 2 − (−2)  =  0 .(2) = 3 a21 = (2)2 + (2). 1 − 3/ 2 Logo A −1 =   0 1/ 2  . Logo a = 1.

6.2a2b . Logo x = 3(-1) – 2(. as letras a.6) + (.1.3 + 12 + 4 = 13.1 + (a2).(2b).b.2b + c2. Repare que os números estão entre barras e não colchetes.(2a).(-1) – (-2). É preciso atenção para não confundir: representação de matriz com representação de determinantes.(2) = . c = (-2).1] b = [a3 + a2b + 2ab2 + 2ab2] – [ab2 + b3 + 2a2b + 2a2b] b = a3 + a2b + 2ab2 + 2ab2 – ab2 .b3 = (a – b)3. e c estão em minúsculas. Além disso. −3 3 −2 1 −1 a) a = 2 −3 a= 3 5 2 2 0 -3 -1 4 1 a= 3 5 2 2 -1 0 4 -3 1 3 5 2 2 0 -3 a = (3*0*1 + 2*4*2 + (-1)*5*-3) .(1) = .(-7) – (4). −2 −1 .2)2 = . calcule os determinantes: Solução. 28) Aplicando a regra de Sarrus. 79 .b3 . Solução.x = 3a . 1 a2 ab b2 b = 2a a+b 2b 1 1 1 a2 ab 2a a+b 1 1 b = [a2(a + b).(4) = .(2b).(a + b).(0) – (3).1 + (b2).3a2b + 3ab2 .2.1 + (ab). Então.(2a). Essa forma de apresentação indica que cada letra vale o determinante dos números. b = (-1).2a2b = a3 .1] – [(b2).((-1)*0*2 + 3*4*(-3) + 2*5*1) a = 31 .(-26) = 57 a2 ab 2a a + b b) b = 1 1 a2 ab b2 b = 2a a+b 2b 1 1 1 b2 2b . temos: a = (3).1 + (ab).

1. 2 x − 3 y = −8 Solução. Simplificando a equação vem: x2 + 3x .(x)] – [(.1). temos: 2 0 2 3 1 x -2 x = 2 -3 a= 2 0 2 3 1 x -2 x -3 2 0 2 3 1 x = 2 [2.(x). S = {7/3}. Logo 3x = 7 implicando em x = 7/3.1) + 3. temos: 3 1 ≠ .(x). Aplicando Sarrus.2} x +1 30) Seja a matriz quadrada A =  3   x 3 x  x 1 . Precisamos encontrar o determinante e igualar a 2.(x .(x2 – 1) + 3x + 6x] – [x3+ 2x + 2 + 9x . Cancelando x3 e simplificando temos: 8x – 11x + 7 = 0. 3 x + y = 10 31) Classifique e resolva o sistema  .(-3)] = 2 [-6 + 6x + 0] – [.(x) + (x + 1).1.1.1 + 3. (x .(-3) + 3.(x) + 3.2] – [(x).3. Aplicando Sarrus.2).  2 x − 1 Solução. Outra forma de descobrir isso é utilizar a Regra de Cramer e verificar que det 80 .4 + 2x2 + 0] = 2 implicando em: 2x2 + 6x – 2 – 2 = 0.0.(x).9] = 0. x −3 Solução.2) = 0.2.2 + (.(x .3. temos: x+1 3 x 3 x 1 = 0 x 2 x-1 x+1 3 3 x x 2 x x+1 1 3 x-1 x 3 x 2 = 0 [(x + 1).1)] = 0 [x. Comparando as proporções dos coeficientes.2 = 0.2 0 29) Resolva a equação 2 3 −2 1 x = 2.(x).2). vem: (x . Precisamos encontrar o determinante e igualar a 0. Logo é possível e possui uma única 2 3 solução. S = {1. Fatorando.0. Calcule x de modo que det A = 0.(x) + (x).2 + 2. Logo temos dois valores para x.

(5)) = 20 − 5 = 15 ≠ 0.2) = −24 − 20 = −44 ≠ 0 . Ax =     5 1  2 10    ⇒ det Ay = (2.2) = 2 − 2 = 0. E. Para A=   2 2 encontrar as soluções. Comparando as proporções dos coeficientes. E. Ay =   1 5  81 .(2)) − (1.4)}. x + y = 5 Solução.(2)) − (1. Ay =    2 5  Logo. E. 32) Classifique e resolva o sistema  2 x + 2 y = 5 Solução. temos: 2 2 10 = = . encontramos    10 1    ⇒ det Ax = (10. x = 15 − 15 = impossível e y = = impossível . Logo é possível e possui 1 1 5 infinitas soluções. Ay =    2 − 8 Logo. Para A= 2 2   encontrar as soluções. encontramos 10 1   ⇒ det Ax = (10. S = { }.(1)) − (2. Outra forma de descobrir isso é utilizar a Regra de Cramer e verificar que det 1 1   ⇒ det A = (1.1) = 10 − 10 = 0. Outra forma de descobrir isso é utilizar a Regra de Cramer e verificar que det 1 1   ⇒ det A = (1.(2)) − (1. S = {(2.(−3)) − (1. Logo é impossível e não possui 2 2 5 solução.2) = 2 − 2 = 0. encontramos 10 2   ⇒ det Ax = (10.(−3)) − (1. temos: 1 1 10 = ≠ .2) = 5 − 20 = −15 ≠ 0 .(−8)) = −30 + 8 = −22 ≠ 0. Ax =     5 2  1 10   ⇒ det Ay = (1. x = − 44 − 22 =2 ey= = 4 . Para encontrar as soluções.3 1  A=   2 − 3  ⇒ det A = (3.(5)) − (10.(5)) − (10. Ax =    − 8 − 3  3 10    ⇒ det Ay = (3.2) = −9 − 2 = −11 ≠ 0.(−8)) − (10. Comparando as proporções dos coeficientes. 0 0 2 x + 2 y = 10 33) Classifique e resolva o sistema  .(5)) = 10 − 10 = 10. − 11 − 11  x + y = 10 .

podemos determinar y. 1 −1 1 possui solução única se m ≠ -1. O mesmo poderia ser concluído 1 −1 m 1  A=  1 − 1 ⇒ det A = (m. x = 0 0 = in det er min ado e y = = in det er min ado . y = 5 – 3 = 2. Utilizando a comparação das razões dos coeficientes. o sistema seria impossível porque: OBS: Lembre que essa discussão é analítica e que uma representação geométrica implica em retas concorrentes (solução única).4 e m ≠ 1. temos: Para que o sistema possua solução única. mx + y = −2 34) Discuta o sistema linear  x − y = 1 Solução. Logo basta que m ≠ . Utilizando a comparação das razões dos coeficientes. a −6 (m + 2) x + (m + 5) y = 7 36) Calcule os valores de m para que o sistema  seja possível e 2 x + (m + 3) y = 0 determinado. De forma geral o par ordenado solução pode ser escrito como S = {(k. temos que o sistema é possível e determinado (solução única). 82 . 3 x + 2 y = 1 seja possível e determinado.(−1)) − (1.Logo. 37) Calcule os valores de m para que o sistema  mx + 8 y = 6 Solução. 2 x + my = 3 tenha solução única. se m+2 m+5 ≠ ⇒ m 2 + 5m + 6 ≠ 2m + 10.5-k)}. Utilizando o procedimento de comparar as razões entre os coeficientes. temos que o sistema é possível e determinado (solução única). coincidentes (indeterminado) ou paralelas (impossível). temos: m2 + 3m – 4 ≠ 0.(m – 1) ≠ 0.1. Significa que escolhendo um valor 0 0 aleatório para x. se 3 2 ≠ ⇒ 2a ≠ −18 ⇒ a ≠ −9. Exemplos: x = 3. Implica em (m + 4). analisando a matriz dos coeficientes m 1 ≠ ⇒ m ≠ −1 . 2 m+3 Simplificando a equação. Se m = . Solução. 35) Calcule os valores de a para que o sistema  ax − 6 y = 0 Solução. Logo    −1 1 − 2 = ≠ .1) = − m − 1 ≠ 0.

então qual é o elemento c32 da matriz C ? Solução.Utilizando a comparação das razões dos coeficientes. respectivamente. se 2 m ≠ ⇒ m 2 ≠ 16. Então bas ta utilizar as leis de aij e bij para encontrar essa linha e coluna. vem:  0 11  0 X + 11Y =   − 11 55  .6 + 6. ii) A 2ª coluna de B possui os elementos: b12 = 2(1) + 2 = 4. temos:   8 5 2 X + 3Y =   − 9 19        X − 4Y =  4 − 3    1 − 18  x (-2)       5  8 2 X + 3Y =   − 9 19      Temos:  − 2 X + 8Y =  − 8 6    − 2 36       Aplicando o método de adição. Se A ⋅ B = C . 38) (UF . Implica em (m + 4).(m – 4) ≠ 0. b32 = 2(3) + 2 = 8. a32 = 3 + 2 = 5. temos: m2 – 16 ≠ 0. Não é necessário formar as matrizes.4 + 5. b22 = 2(2) + 2 = 6. temos que o sistema é possível e determinado (solução única). a33 = 3 + 3 = 6. Logo basta que m ≠ .    83 . Logo. Mas se fosse o caso elas seriam: 2 3 4 5 3 4 5 6 4 5 6 7 3 3 7 4 6 8 5 6 7 8 9 10 X   8 5 2 X + 3Y =   − 9 19      39) Resolva o sistema   X − 4Y =  4 − 3    1 − 18       Solução. O elemento c32 é o produto da 3ª linha da matriz A pela 2ª coluna da matriz B. c32 = a31b12 + a32b22 + a33b32 = 4. Multiplicando a 2ª equação por -2 em ambos os membros.SC) Sejam A = (aij ) 4×3 e B = (bij ) 3×4 duas matrizes definidas por aij = i + j e bij = 2i + j .8 = 16 + 30 + 48 = 94 OBS.4 e m ≠ 4. i) A 3ª linha de A possui os elementos: a31 = 3 + 1 = 4. m 8 Simplificando a equação.

   2 x4 = 4 ⇒ x4 = 2.y Se Y =  1 y  3 y2   calculamos 11Y = y4    11 y1 11 y 2   0 11     11 y 11 y  = 11Y =  − 11 55  . Da 2ª equação. Logo a = 0. vem: 11y1 = 0 ⇒ y1 = 0.  3 4    Comparando os termos. temos:  4 1 . Substituindo na 1ª equação. temos: x  2 1  x3 x2   8 5   0 1  8 5   0 3   8 2             =  − 9 19  − 3 − 1 5  =  − 9 19  −  − 3 15  =  − 6 4  .  −1 5 }        5 1 −1 2 40) Considere A =  + At .    Substituindo na 1ª equação do sistema e expressando o valor de X.  4 0  . . 5 1  a b  1 0 Encontrar A-1 significa encontrar a solução de:   4 0  x c d  =  0 1  .  11y 2 = 11 ⇒ y 2 = 1. A 3ª indica que d = -5b ou 84 . Determine A    ( ) Solução. temos: 5(0) + c = 1. Logo X =   − 3 2  . A solução é V = {  2 x3 = −6 ⇒ x3 = −3. Logo b = 1/4. x4            Resolvendo agora os sistemas em x.  0 1 Logo Y =   −1 5 . temos: 5a + c =1  4a + 0c = 0 5b + d = 0  4b + 0d =1 d = -5/4.            Desenvolvendo a multiplicação e expressando o sistema. 2 x1 = 8 ⇒ x1 = 4.  2 x2 = 2 ⇒ x2 = 1. A 4ª equação fornece 4b = 1.  11y 4 = 55 ⇒ y 4 = 5.  4 1   0 1   − 3 2  . temos que: 4a = 0. 11y3 = −11 ⇒ y3 = −1. Logo c = 1.

               5 4 Calculando a transposta. Calculando ( A ) =  1 − 5 / 4  x 1 − 5 / 4  =  − 5 / 4 29 / 16  . vem: At =  1 0     1 / 4 − 5 / 16   5 4   21 / 4 59 / 16  Finalizando: ( A −1 ) 2 + At =   − 5 / 4 29 / 16  +  1 0  =  − 1 / 4 29 / 16             85 . 0 1/ 4   0 1 / 4   0 1 / 4   1 / 4 − 5 / 16  −1 2 Logo A −1 =   1 − 5 / 4  .

determine o eixo em que B se encontra.5) 3) O ponto B tem ordenada diferente de zero e abscissa nula.4) g) G(− 7. D e E: 86 .−2 ) d) D(− 5. podemos localiza pontos no plano que são chamados de pares ordenados ( x.−4) i) I (0. y ) . Com este sistema. determine as coordenadas dos pontos A.−2) d) D(− 5.−4) 2) Determine o quadrante em que se encontra os pontos abaixo: a) A(7.SISTEMA CARTESIANO ORTOGONAL NO PLANO É um sistema composto por dois eixos perpendiculares entre si.−1) e) E (2.4) c) C (0. C.1) h) H (− 4.2) c) C (4. B.2) b) B(− 1.15) b) B(− 3.−1) f) F (3. 4) Dado o diagrama.0) e) A(− 2. EXERCÍCIOS 1) Localize no plano cartesiano os pontos: a) A(3. ou seja. o eixo das abscissas (eixo x ) e o eixo das ordenadas (eixo y ) que dividem o plano em quatro quadrantes.

à esquerda. 4 . velocidade. inclinada. 2 . 5 . massa. entre outras. área. 1) K(0 . volume. 1) G(1 . 2) I(2 . Sentido: à direita. 3) H(2 . 5) L(2 . -5) D(-2 . 87 . Vetoriais: são as grandezas que precisamos conhecer seu módulo (ou comprimento ou intensidade). 0) F(0 . 3) J(0 . 0 . 3) C(2 . os pontos: A(-1 . horário. 4) B(3 . circular. -2) E(-2 .7 6 5 4 3 2 1 −8 −7 −6 −5 −4 −3 −2 −1 −1 −2 −3 −4 −5 −6 y A C B x 1 2 3 4 5 6 7 8 E D −7 5) Represente. 0) VETORES Existem dois tipos de grandezas: • • Escalares: são as grandezas definidas por apenas um número real e acompanhadas de uma unidade adequada. no sistema cartesiano ortogonal adequado. 0 . como força. 3 . aceleração entre outras e é representado por um segmento orientado (uma flecha). anti-horário. sua direção e seu sentido. como comprimento. vertical. Há diferença entre direção e sentido: • • Direção: horizontal.

a direção e o sentido. c) Vetor nulo é aquele em que a origem coincide com a extremidade sendo indicado por 0 ou AA e por não possui direção e nem sentido definidos. b) Os vetores u e v são iguais. e indica-se por u = v . 88 . se tiverem iguais o módulo.O vetor é representado por um segmento orientado (uma flecha) sendo o seu módulo dado pelo comprimento do segmento e direção e sentidos definidos. porém com sentido contrário. BA = − AB . se os seus representantes tiverem a mesma direção. o vetor BA é o oposto de AB . Se v = AB . considera-se o vetor nulo ou zero paralelo a qualquer vetor. NOTAÇÃO: AB em B) OBSERVAÇÕES (vetor correspondente ao segmento orientado com origem em A e extremidade a) Os vetores u . v e w são paralelos. isto é. d) Vetor oposto possui mesmo módulo e mesma direção. e indica-se por u // v // w .

f) dois ou mais vetores são coplanares se existir algum plano onde estes vetores estão representados. 89 . u . conforme indicado na fig. 4) e cuja extremidade é o ponto B = (9. 9).2.e) Dois vetores u e v são ortogonais se formarem ângulo reto (90º) e indica-se por u ⊥ v . v e w são coplanares u e v são coplanares e w não é coplanar a u e v VETORES EM R2 Os vetores de R2 podem ser representados no plano cartesiano. A figura acima mostra o vetor v cuja origem é o ponto A = (5.

cada ponto é indicado por três coordenadas (x. usa-se na álgebra vetorial substituir o vetor por um vetor equivalente (vetor de mesmo módulo. respectivamente. y). y. localizado na origem será indicado por (x. z) onde (x. Assim. de R3 é determinado por VETORES NO PLANO Dados dois vetores v1 e v 2 não paralelos. y. 5) onde (4. de acordo com o teorema de Pitágoras é VETORES EM R3 No espaço tridimensional. O módulo do vetor u. o vetor u da figura abaixo. y. será u = (x. todo vetor de R3. 90 . mesma direção ou direção paralela e mesmo sentido) cuja origem coincide com a origem dos eixos cartesianos. y.Em geral. z). Esse vetor será indicado por v = (4. z) são as coordenadas de suas extremidades. 5) são as coordenadas de sua extremidade. representados com a origem no mesmo ponto O e as retas r1 e r2 contendo estes representantes. Assim. O módulo do vetor v = (x. z).

y = y2 . A área do triângulo é determinada por: A = b.sen θ. A distância entre os pontos A e B é igual ao módulo do vetor AB.y1 e z = z2 . onde x = x2 . t . tem-se: h = PQ. y1) e (x2. a área é A = (1/2)PR. w .h/2. que. No plano a distância entre os pontos (x1. y2.sen θ. conforme visto no capítulo 1. x e y . representados na figura. Assim.QS. 91 . y1. se determina por .x1. são expressos em função de v1 e v 2 por: u = 5v1 + 4v 2 v = −2v1 + 3v 2 w = −4v1 − v 2 t = 3v1 − 2v 2 x = 4v1 + 0v 2 y = 0v1 + 2v 2 Aplicações da álgebra vetorial Distância entre dois pontos Sejam A = (x1.z1. No triângulo PQR. que para o triângulo PQR torna-se A = (1/2)PR. y2) é Área de um triângulo . z2) dois pontos no espaço R3.Os vetores u . v .PQ. z1) e B = (x2.

O produto | u |. Portanto.5) e v = (0 -1.2x1 = x2 .Ora. y1). Portanto. 26. Obs. temos A = (1/2). -3. ym) é o ponto médio do segmento AB. complete as coordenadas com z1 = z2 = z3 = 0 e aplique o mesmo raciocínio anterior. M(xm. 5).A área do quadrilátero ABCD equivale à soma das áreas dos triângulos ABC e ACD. -6.1 . | u x v Exemplo:. PR é o módulo do vetor u e QS o módulo do vetor v. -29) cujo módulo é A área do triângulo é então: . -2 . 7 . Pela semelhança dos triângulos ABB' e AMM' podem escrever: AM / AB = AM' / AB' ==> 1 / 2 = (xm . y2). Desta forma teremos: u = (5 -1.| u |.x1 ==> 2xm = x2 + x1 ==> xm = (x2 + x1)/2. 2.Calcular a área do triângulo de vértices A = (1. 92 .sen θ. Na figura a seguir. . -3 . -4 .x1) ==> 2xm . 2 .A e v = C . -4.2.A. 2) e v = (-1. B = (x2. | v |. Façamos u = B . y1) e B (x2. -2).x1) / (x2 . onde os lados são pontos do plano. Calculando u x v obtém-se: u x v = (47. B = (5. -5. y2) e C = (x3. 7) e C = (0.Para encontrar a área do triângulo A = (x1. sen θ é exatamente o módulo do produto vetorial de u por v.5) ==> u = (4.2. o ponto médio é aquele que divide o segmento em dois segmentos cujas medidas são iguais á metade da medida do segmento AB. A = (1/2). -7).| v |. Obs. PONTO MÉDIO DE UM SEGMENTO Dados os pontos A (x1. y3).

c) A(0 . Compare as áreas obtidas nos dois exercícios. é [(x1 + x2)/2. com A (x1. de abscissa 5. -3. (y1 + y2)/2. o ponto médio do segmento AB. -4. 1) e B(2 . 3) cuja ordenada é o triplo da abscissa e cuja cota é nula. -4. 7) e C = (0. 1) e C(-1 . 3) e B(-2 . b) P(3 . 2.ym) / (y2 . 1). -3. 3) Note que o triângulo ABC dos exercícios 1 e 2 é o mesmo. eqüidistante dos pontos A (0 . y2). 2 . 5) Em cada caso. 4). 3) d) A(1 . -3. -4) e O é a origem. 7) e C = (0. 1 . 6) 6) O triângulo ABC tem vértices A(3 . 5). 2. -2). -4. O raciocínio pode ser estendido para o espaço R3. 5). 5). que dista 2 do ponto A(4 . 0 . 5) e B (1 . 7) Determinar o ponto P∈ IR2. 12) Dê as coordenadas do vetor AB . 1). calcule a sua norma e faça a representação gráfica: 93 . y1) e B (x2. Calcule o seu perímetro. calcule a distância entre os pontos A e B e represente-os no sistema de coordenadas cartesianas adequado: a) A(1 . 7) e C = (0. sendo A = (x1.y1) de onde se conclui ym = (y2 + y1)/2. 2 . Portanto. 2) e B(2 . B = (5. z1) e B = (x2. B(-1 . (y1 + y2)/2]. 1). 2 . eqüidistante dos pontos A (2 . 11) Determine a área e o perímetro de um quadrado que tem como vértices consecutivos os pontos A (3 . 4). y2. B = (5. 2) e B (4 . 5 . sendo [(x1 + x2)/2. 0) e B (2 . Desenhe o triângulo. B = (5. 2) Calcule a área e o perímetro do triângulo ABC se A = (3. -2). 5 . 2). 10) Determinar o ponto P∈ IR2. -2). pertencente ao eixo y. 9) Determinar o ponto P∈ IR3. pertencente ao eixo x e eqüidistante dos pontos A(-1 . z2).Pela semelhança dos triângulos BAB' e BMM' tira-se BM / BA = BM' / BB' ==> 1 / 2 = (y2 . Exercícios 1) Calcule a área do triângulo formado pelos pontos médios dos lados do triângulo ABC sendo A = (3. 2 . 4 . 2) e B (4 . Que conclusão se pode tirar a respeito da área de um triângulo e da área do triângulo formado pelos pontos médios desse triângulo? 4) Calcule as medidas das medianas do triângulo de vértices A = (3. 8) Determinar o ponto P∈ IR3. 2. 2). -1 . y1. (z1 + z2)/2] as coordenadas do ponto médio do segmento AB.

0   4  63  21  9) P  − . 4) B(2 . Respostas dos exercícios 5) a) 13 un b) 5 un c) 2 2 un d) 26 un 6) 12 un 7) P(0 . 1 - 3) 11) Área = 26 un2 Perímetro = 4 26 un 94 . 3).a) A(2 . -5) sabendo que sua origem é o ponto A(-1 . 2)  9  8) P  − . 1) mostre que AB = CD . 0 4  4  10) P(5 . C(1 . 7 . B(1 .− . 0 . 2) e) A(2 . 1 + 3 ) ou P(5 . 3) b) A(-1 . 1). 0). 4) B(3 . 4 . 2) e D(2 . 4) c) A(1 . Represente graficamente. 6) r 13) Determine a extremidade do segmento que representa o vetor v = (2 . -1) B(-2 . 5) B(1 . -3) d) A(3 . 14) Dados A(0 . 2) B(3 .

z1 ) e v = ( x 2 . y1 = y 2 e z1 = z 2 . y 2 . 0). e somente se. Define-se: 1) u + v = ( x1 + x 2 . z1 ) e v = ( x 2 . AB = 0 un AB = 13 un e) AB = (0 . OPERAÇÕES COM VETORES Sejam os vetores u = ( x1 . d) AB = (0 . − 2). z 2 ) a sua extremidade. z1 ) a origem de um vetor e B( x 2 . podemos tirar: • • Origem: v = B − A ⇔ A = B − v Extremidade: v = B − A ⇔ B = A + v 95 . y 2 .12) a) AB = ( −1 . 2). z 2 − z1 ) OBS: da equação v = B − A . escrevendo-se u = v . z1 + z 2 ) 2) α u = (α x1 . AB = 5 un AB = 4 un AB = 13 un c) AB = ( −3 . -2) 14) AB = CD = (1 . y1 . 3 . y1 + y 2 . x1 = x 2 . y 2 − y1 . 0). y1 . 13) (1 . − 2). b) AB = ( 4 .temos: v = B − A ⇔ v = ( x 2 − x1 . α y1 . α z1 ) VETOR DEFINIDO POR DOIS PONTOS Sendo A( x1 . y 2 . z 2 ) são iguais se. y1 . − 1) IGUALDADE DE VETORES Dois vetores u = ( x1 . e se v = AB . z 2 ) e α ∈ ℜ .

−3) e v = (− 1. 6) e a − b = (7 . 10) r b) a = AB A (7 . 4) r r r r b) a + b = ( −3 .2) . 10) Respostas dos exercicios 1) AB = CD = (1 . 96 1 2 . 2) Dados os vetores u = (1.3) e v = (5. 2) MÓDULO DE UM VETOR v = x2 + y2 + z2 EXERCÍCIOS 1) Determinar o valor de x e y sabendo que u = (x + 1. sendo dados u = (2. 1) mostre que AB = CD . 7) r b = CD C (3 . 7) r b = CD C (6 . Faça a representação gráfica de todos os vetores: r a) a = AB A (1 .−1) e v = (− 2.4 ) .Exercícios 1) Dados A(0 . 2) Calcule o vetor soma e o vetor diferença em cada caso. − 1) r r r r 2) a) a + b = ( 6 . Represente graficamente. 9) D (5 .2 y − 5) são iguais. B(1 . 1). 6) e a − b = ( 2 . determinar: a) 3 u + 2 v b) 3 u − 2 v 3) Determinar o vetor x na igualdade 3x + 2u = v + x . 8) D (1 . 0). 2) B (5 . 2) e D(2 . C(1 . 3) B (9 .

B(1.−5) e w = (6.−1) e w = (− 1.−1) e os vetores u = (− 2.−3) e C (− 4.3) e v 2 = (2. 5) Dados os pontos A(− 2. m. 9) Dados os pontos A(0. determinar m e n . B(2.2.5) . 7) Dados os vetores u = (3.−1.−3.4 ) extremidades de um segmento.−1) e B(1.10) . v = i − j e w = 2i + 3 j .−1) e v = (− 2.−2.1) . no eixo Ox . v1 = (5. calcular: a) OA − AB b) OC − BC c) 3BA − 4CB 14) Dados os vetores u = (− 4. v = (1. v = (0.2) .3) e O(0. a 2 e a3 tais que w = a1 AB + a 2 u + a3 v .1) . n ) pertence à reta que passa pelos pontos A(1. determinar os pontos F e G que dividem AB em três segmentos de mesmo comprimento.2) . sendo dados v = (2. 11) Dados os vetores u = −2i + j . C (− 1.1. determinar a1 e a 2 tais que w = a1 u + a 2 v . um ponto P que seja equidistante dos pontos A(− 2.2) . determinar: a) u b) u + v c) 2u − 3v 8) Determinar. 10) Sabendo que o ponto P(− 3.−2 ) e B(1.1) .1) e v = (1.2 ) .4) Encontrar os números a1 e a 2 tais que v = a1 v1 + a 2 v 2 . determinar o vetor x tal que: a) 4 u − v + ( ) 1 x = 2u − x 3 b) 3x − 2v − u = 2 4 x − 3u ( ) ( ) 13) Dados os pontos A(− 3.−12) . 2 6) Sendo A(4.−1) .−1) e B(− 4.4) e B(− 1. verificar se existem os números a1 .1. 97 .5) .3.1) . determinar o ponto D de modo que CD = 1 AB .−1) .0 ) . determinar: a) 2u − v b) v − u + 2w c) 1 u − 2v − w 2 d) 3u − v − w 1 2 1 2 12) Dados os vetores u = (− 3.

3.3) e B(1.4) e C (− 1. determinar o ponto D tal que AB + CD = 0 . Dados os vetores u = (− 2. a 2 e a3 tais que a1 u + a 2 v + a3 w = (− 2.4.−2 ) .−2 ) tenha módulo 4.5) e o vetor v = (1. calcular: a) A + 3v b) ( A − B ) − v c) B + 2(B − A) d) 2v − 3(B − A) 22) Dados os pontos A(1.5) .13. 98 . 23) Sabendo que 3u − 4v = 2w . B(2. v = (a.0) 24) Determinar o vetor x de modo que 3u − v + x = 4 x + 2 w .15) Dados os pontos A(− 4.−1. sendo u = (2. calcular: a) u b) v c) w 19) Calcular os valores de a para que o vetor u = (a.−1) .−5) .8) .−3. determinar a.1) .−3) e B(− 2.−3) .1.2. 25) Encontrar os valores a1 .−2.3.−1. c ) . determinar os pontos M e N pertencentes ao segmento AB tais que AM = 1 2 AB e AN = AB . v = (4.−3) e w = (− 6.4) .2 ) seja igual a 5. b e c.1.0 ) . 2 3 18) Dados os vetores u = (− 1.1) .3) e B(− 1.−5) e B(3.−1. 20) Encontrar o ponto P de eixo Ox de modo que a sua distância ao ponto A(− 3. b − 3.1) e o vetor v = (3. calcular: a) (B − A) + 2v b) ( A − B ) − v c) B + 2(B − A) d) 3v − 2( A − B ) 16) Sejam os pontos A(1.1) . b ) tal que: a) B = A + 2v b) A = B + 3v 17) Dados os pontos A(2. 21) Dados os pontos A(2. Determinar o vetor v = (a.−2) e w = (− 3.3) e w = (4. v = (1.

1) .−1) e v = (1. a.3) e os pontos A(− 4. ao número real u • v = x1 x 2 + y1 y 2 + z1 z 2 .4 ) .4) .1. ( )( ) 3) Dados os pontos A(4.−1.2.1.−2) e C (1. obter o vetor x tal que: a) 3x + 2v = x + AB • u v ( ) b) BC • v x = u • v v − 3 x ( ) ( ) 99 .2) .1.−4.1) . O produto escalar de u por v também é indicado por < u. calcule u • v .PRODUTO ESCALAR Chama-se produto escalar de dois vetores u = x1 i + y1 j + z1 k e v = x 2 i + y 2 j + z 2 k .2 ) e B(3.−3) . Determinar a de modo que u•v = u +v • v+ w . B(2. determinar o valor de α tal que u • v + BA = 5 .2) e w = (2a − 1.2. v > e se lê “ u escalar v ”.−1. Calcular: a) u + v • 2u − v ( )( ) b) u • u c) 0 • u 3) Dados os vetores u = (4. ( ) EXERCÍCIOS 1) Dados os vetores u = (1.−1) e v = (α .−2.2 ) e os vetores u = (2. v = (3. Exemplos: 1) Dados os vetores u = 2i − 5 j + 8k e v = 5i − 2 j − k . calcular: a) 2u • − v ( ) b) u + 3v • v − 2u ( )( ) c) u + v • u − v ( )( ) d) u + v • v − u ( )( ) 2) Sejam os vetores u = (2.0) .1) e v = (− 1. 2) Sejam os vetores u = (− 3.−3. e se representa por u • v . α .−3.−1.1) e v = (1.−1.−2.

ao vetor.PRODUTO VETORIAL DEFINIÇÃO DE PRODUTO VETORIAL: Chama-se produto vetorial de dois vetores u = x1 i + y1 j + z1 k e v = x 2 i + y 2 j + z 2 k . i u x v = x1 x2 j y1 y2 k z1 ⇔ u x v = z2 y1 y2 z1 z2 x1 x2 z1 z2 x1 x2 y1 y2 i− j− k O produto vetorial de u por v também é indicado por u ∧ v e lê-se “ u vetorial v ”. Se u = i − 3 j − k . e se representa por u x v . determinar: 1) 2v x 3v ( )( ) ( )( ) 2) u x w + w x u 3) u x v x v x u 4) u − v x w 5) u x v x w ( )( ) ( ) 6) u x (v x w ) 7) u x (v + w) 9) ( ) 8) u x v + u x w (u x v)• v 100 . v = −i + 2 j + k e w = i + k . tomados nesta ordem. Dispositivo prático para o cálculo de u x v u x v = ( y1 z 2 − y 2 z1 )i + (z1 x 2 − z 2 x1 ) j + ( x1 y 2 − x 2 y1 )k EXERCÍCIOS 1) Calcular u x v para u = 2i + 3 j + 4k e v = i + k .

os vetores u = (x1 . z 2 ) são linearmente dependentes (LD ) se e somente se as correspondentes componentes são proporcionais.0. existe α tal que  x1 = α y1 .8) .10) u x v • w 11) u • v x w ( ) ( ) 12) Dados os pontos A(2. verifique se os vetores são   2 2 linearmente dependentes ou independentes: 101 . y1 ) e v = (x1 . determinar o ponto D tal que AD = BC x AC . e =  . y3 EXEMPLOS 1 3 Dados os vetores a = (2.−1) . y1 . existe α tal que  x1 = α x 2   y1 = α y 2 .2) . concluímos que os vetores u = (x1 .−1) e C (− 3. B(3. y 2 ) são linearmente dependentes (LD ) se e somente se as correspondentes componentes são proporcionais. y 3 . Caso isso não ocorra.−1. z1 ) e v = (x1 . ou seja. d = (0.4) . os vetores são ditos linearmente independentes (LI ) .   y = α y2 • NO ESPAÇO Os vetores u e v são ditos linearmente dependentes (LD ) se um deles for nulo ou se forem vetores paralelos. VETORES LINEARMENTE DEPENDENTES E LINEARMENTE INDEPENDENTES • NO PLANO Dois vetores u e v são ditos linearmente dependentes (LD ) se um deles for nulo ou se forem vetores paralelos. v = (x1 .  .0) . z = α z 2  1 Os vetores u = (x1 .5) . Análogo ao plano. z 2 ) e w = (x3 . os vetores são ditos linearmente independentes (LI ) . y 2 .2. z 3 ) são ditos linearmente dependentes (LD ) se x1 x2 x3 y1 y2 y3 z1 z2 = 0 . Caso isso não ocorra. c = (3. y 2 . y1 . b = (4. Logo. z1 ) . ou seja.

 e b = (3.−1. l = (2.2) .−1.7 ) 102 .−1.11) 2) u = (1. c} 3) {a.1) e h = (0.−5) 3) e = (2.0.0 ) 4) g = (1. v = (2.−3.3.2) 7) n = (1. b { } 2) {a. v = (0.2) e j = (2.−1. Verifique se os vetores abaixo são linearmente dependentes ou linearmente independentes: 1) u = (− 1.5. e} 5) { d } c.1.12) e d = (3. o = (4.1.1.1) 6) k = (1.−1.1. d } 4) {a.3) e w = (4.5) 27 9   2) c = (− 6.1) a.1) .−1.2.3) e w = (− 1.0) e m = (1.4) EXERCÍCIOS Dados os vetores abaixo.0 ) 5) i = (1.0.−1) e p = (1.−2) .4) e f = (0. verifique se os vetores são linearmente dependentes ou independentes: 1) a =   5 1 .3) .

-1 .− . yo) um ponto da reta. EQUAÇÃO DA RETA NO PLANO A reta tem como equação uma função de primeiro grau. 11) sejam LI. de modo que os vetores a = (λ .7 1 1 8) q =  . Seja então a reta apresentada na figura abaixo: Equações paramétricas Uma reta fica perfeitamente definida se conhecermos um de seus pontos e uma direção paralela a ela. 1) sejam LD. 3) e c = (4. a reduzida. 2). y) um ponto genérico dessa reta.xo = λa e y . -3 .xo. 5) e c = (λ . a geral e a segmentária. u = (a. b = (2 . de modo que os vetores a = (-1 .yo = λb ⇒ que são as equações paramétricas da reta. 0 . b) ⇔ x . 103 . r r r 10) Determine λ ∈ IR. Sejam então: A(xo. podendo se apresentar sob diversas formas.(a.yo) = λ.−1)   2 2 2 r r r 9) Determine λ ∈ IR. Como a reta r é paralela ao vetor u. λ). λ . 2 . y . -3 .u ⇔ (x .−  e r = (7. Entre as formas iremos analisar: as paramétricas. b = (0 . podemos escrever: P .−1.A = λ . b) um vetor paralelo à reta e P(x.

Exemplos:-

1) Escrever a equação da reta que passa pelo ponto (2, -4) cuja direção é definida pelo vetor (5, 3). Solução:A solução é imediata de acordo com o que foi visto acima.

Resposta: x = 2 + 5λ e y = -4 + 3λ. 2) Verifique se o ponto (3, - 8) pertence ou não à reta x = -2 + λ e y = 4 + 2λ. Solução:- Para que (3, -8) pertença à reta, estas coordenadas devem verificar as duas equações. Na primeira equação: 3 = -2 + λ ⇒ λ = 5. Levando esse valor para a segunda equação resulta: y = 4 + 2.5 = 14. Como y deve ser igual a -8, o ponto não pertence à reta. 3)Construa o gráfico da reta x = -2 - 3λ e y = 7 + 2λ. Solução:- Para construir o gráfico basta determinar dois pontos da mesma. Para isso, atribui-se valores para λ e calculam-se os valores de x e y. Assim, para λ = 0, temos: x = -2 - 3.0 = -2 e y = 7 + 2.0 = 7. Para λ = -1, x = -2 - 3.(-1) = 1 e y = 7 + 2.(-1) = 5. Temos assim dois pontos (-2, 7) e (1, 5). Marcando esses pontos no sistema de eixos cartesianos, e ligando-os por uma reta teremos o gráfico construído.

4) Dê um vetor v da forma (9x, 12) que seja paralelo à reta x = -2 + 3λ e y = 7 - 2λ. Solução:- Um vetor paralelo à reta é u = (3, -2), tirado da própria equação. Ora, se v é paralelo à reta então v é paralelo a u. Assim v = ku ⇒ (9x, 12) = k(3, -2) ⇒ -2k = 12 e 3k = 9x. De -2k = 12 tira-se k = -6 que levado em 3k = 9x ⇒ -18 = 9x ⇒ x = -2. O vetor é então (-18, 12).
104

.

Equação segmentária
Eliminando o valor de nas equações paramétricas obtém-se:

que é a equação segmentária da reta. Nesta forma, (a, b) é um vetor paralelo à reta e (x0, y0) é um ponto conhecido.

Equação reduzida
Da equação segmentária da reta, tiramos bx - bxo = ay - ayo ⇒ ay = bx - bxo + ayo ⇒ y = (b/a)x + (ayo - bxo). Fazendo b/a = m e ayo - bxo = h, resulta: apresentação da equação da reta é chamada y = mx + h . Esta forma de de forma reduzida.

Observe que m = b/a é a tangente do ângulo que o vetor (a, b) forma com o eixo positivo dos x. O coeficiente m (= b/a) é chamado de inclinação, ou coeficiente angular ou declividade da reta. Além disso, se fizermos x = 0, resulta y = h, de onde se conclui que (0, h) é o ponto onde a reta corta o eixo vertical. O parâmetro h é chamado de parâmetro linear da reta. Com relação ao vetor que define a direção da reta, podemos escrever (1, b/a) = (1, m) é paralelo a a.(1, b/a) = (a, b). Ou seja, o vetor (1, m) é paralelo à reta y = mx + h.

Equação geral
Da expressão bx - bxo = ay - ayo podemos obter bx + (-a) y + a yo – b xo = 0. Substituindo b por A, (-a) por B e ayo - bxo por C, a igualdade anterior fica chamada equação geral da reta. Se considerarmos dois vetores (A, B) e (a, b), seu produto escalar é A a + B b. Como foi feito A = b e B = - a, teremos A a + B b = b a + (- a) b = b a – a b = 0 ⇒ (A, B) é perpendicular a (a, b). Como (a, b) é paralelo à reta, podemos concluir que (A, B) é um vetor perpendicular à reta A x + B y + C = 0. A x + B y + C = 0. Esta forma é

105

EXERCÍCIOS:
1) Seja x = 3 + 4λ e y = -5 + 2λ as equações paramétricas da reta. Escreva as equações simétricas, reduzida e geral para essa mesma reta. 2) Seja y = 2x - 7 e 4x + 3y + 2 = 0 as equações reduzida e geral de duas retas. Escreva as demais formas de equações dessas retas. 3) Dê um vetor paralelo à cada uma das retas abaixo: a) x = -5 + 6λ e y = 8 - 3λ b) (x - 2)/5 = (y + 7)/3 c) y = 2x + 5 d) 3x + 4y + 5 = 0 4) Construa o gráfico de cada uma das retas citadas no exercício 3. 5) Dê um vetor perpendicular a cada uma das retas citadas no exercício 3. 6) O vetor (k + 1, 7) é perpendicular à reta (i) 3x + 4y + 5 = 0, (ii) y = 2x - 5 (iii) (x - 2)/5 = (y + 7)/3 (iv) x = -5 + 6λ e y = 8 - 3λ . Determine, para cada caso, o valor de k.

7) Escreve, na diferentes formas da reta, a equação da reta que satisfaça as condições: (a) passa pelo ponto (-8, 9) e é paralela ao vetor (4, -2) (b) passa pelo ponto (5, -4) e é perpendicular ao vetor (7, -1) 8) Calcule a área e o perímetro do triângulo cujos lados são segmentos das retas y = 2x - 9, 3x + 4y - 1 = 0 e (x - 1)/2 = (x + 1)/3. 9) Dar as equações vetorial e paramétricas da reta r que passa por A(1 , -1) e tem vetor diretor r v =(3 , 4). Faça a representação gráfica. 10) Verifique se os pontos B(4 , 3) e C(3 , 1) pertencem à reta r do exercício anterior. 11) Determine as equações vetorial e paramétricas da reta r determinada pelos pontos A(1 , 1) e B(2 , -3).

106

Neste caso. 0 . Usando as condições acima. Na forma y = m x + h. o produto escalar é nulo. 1 .12) Determine as equações vetorial e paramétricas da reta r que passa pelos pontos A(1 . b) e (a’. λ∈IR. Lembrando: (i) (ii) (iii) Dadas as equações x = xo + aλ e y = yo + bλ. sendo (a. b) é um vetor paralelo à reta. (a. b) onde k é um número real. b’) também serão perpendiculares. (v) Para duas retas perpendiculares. 0 . Na forma Ax + By + C = 0. os vetores (a. B) é um vetor perpendicular à reta. ou seja. a a’ + b b’ = 0. 0). m = a/b. Exemplo 1: 107 . -1) pertence à reta r: X=(1 . 3). b) o vetor paralelo à reta. b’) são da forma (a’. b) e (a’.  x = 1 + 3λ   y = 2λ z = 6 − 5 λ  12) Dadas as equações paramétricas de uma reta r. 1) . Represente graficamente. achar uma equação vetorial de r: 13) Verifique se o ponto P(4 . 1 . 1) e B(0 . 14) Dar as equações vetorial e paramétricas da reta r que passa pela origem do sistema r cartesiano e que tem vetor diretor v =(2 . seus vetores (a. 1 . é simples verificar se duas retas são paralelas ou perpendiculares. 1) + λ(2 . (A. bem como encontrar uma reta que seja paralela ou perpendicular a outra reta dada. b’) = k(a. PARALELISMO E PERPENDICULARISMO DE RETAS EM R2 As condições de paralelismo e perpendicularismo de duas retas podem ser analisadas a partir dos vetores paralelos ou perpendiculares às retas. (iv) Para duas retas paralelas. 1 .

Quaisquer valores de a e b que satisfaçam o produto. Portanto. Solução:. Solução:. que passa pelo ponto (1. Exemplo 2: Determine a equação da reta que passa pelo ponto (-2. -1).Como a reta é paralela à reta dada.1 – 2.Determine a equação da reta que passa pelo ponto (2. 7) e que seja paralela à reta cujas equações paramétricas x = 4 . 3). b). a equação da reta pedida é x = 2 + 3λ e y = -1 + 4λ. Como a reta passa pelo ponto (-2.Como m = 4. 7). o vetor que define a direção de ambas é (-2. 3. C = 11 3x – 2y + 11 = 0. este vetor também será perpendicular à reta cuja equação se quer determinar.(3. a equação da reta é x = 2 + 3λ e y = -1 + 2λ. 5) e é paralela à reta y = 4x + 3. 2) é perpendicular à reta r.O vetor (3. – 2) é um vetor perpendicular à reta dada. -3) é paralelo à reta dada.3λ. pode ser usado como vetor paralelo à reta. Exemplo 5: Escreva a equação da reta que passa pelo ponto (2. pois 3.(4. Solução:. O vetor paralelo à reta pedida (a. -1). h = 13.2λ e y = 7 + 3λ. 5). é paralelo à reta s. portanto. que seja perpendicular à reta r: 3x + 2y + 5 = 0.2λ e y = 5 + 3λ. Pode-se então fazer a = 3 e b = 4. Solução:.7 + C = 0 Exemplo 4: Escreva a equação da reta que passa pelo ponto (2. perpendicular à reta x = 2 + 4λ e y = 5 .4 + 4(-3) = 0. Portanto. Temos então: x = 2 . Solução:. terá: 5 = 4. Como se quer uma reta paralela à primeira. Assim. temos 4 = a/b. -3) = 0. Assim.O vetor (4. b) deve ser tal que (a. a equação da reta será y = 4x + 13.(-2) + h Exemplo 3: Determine a equação da reta paralela à 3x – 2y + 4 = 0. EXERCÍCIOS: 108 . Assim. perpendicular à reta pedida.

-1) b) r: X = (0 . sendo a mesma: a) paralela a r b) perpendicular a r. dada sob a forma geral. 1 . Considere a reta r. -1) 6) Verifique se as retas são ortogonais: a) r: X = (1 . 1 . 0) b) r: X = (8 . 4 . 2) s: X = (0 . 1) 109 . 3 . 3). 4) Uma reta r passa pelo ponto (-4.(4/5). 5). -1 . -4 . 1 . 2 . 2 .1. Escreva. nas formas reduzidas e segmentária. dada por suas equações paramétricas: x = 3 . 0) + λ (3 . 3x . Escreva. -5). -2) se a mesma é: a) paralela a r b) perpendicular a r. 2) + µ (1 . Escreva nas formas geral. 4) + µ (-1 . 3 . 1) e tem sua direção definida pelo vetor (4. -2 . 1) s: X = (2 . -1 . 0 . 3) s: X = (0 . 1 . 1 . -1) s: X = (3 . 4) s: X = (-1 . 5) Estude a posição relativa das retas: a) r: X = (-1 . a equação da reta que passa pelos pontos (-2. 0 .2λ e y = -5 + 4λ. 4 . sendo a mesma: a) paralela a r b) perpendicular a r. 3. dada sob a forma reduzida y = (2/3)x . 0) + µ (1 . 0 . -1 . Escreva a equação paramétrica da reta que passa pelo ponto (1. 9) + λ (2 . sendo a mesma: a) paralela a r b) perpendicular a r. Considere a reta r. a equação da reta que passa pelo ponto (-1. 1) d) r: X = (-3 . 4) + µ (1 . 2) c) r: X = (1 . reduzida e paramétrica. 4 . 3) s: X = (3 . Considere a reta r.2y + 6 = 0. 5). -1) + λ (2 . 0) + µ (2 . 2 . a equação da reta que passa pelo ponto (2. 1) + λ (-2 . 1 . 2. 2 . 1 . na forma geral e paramétrica. 0) + µ (1 . 3) + λ (1 . 1) + λ (1 .

y. por ser paralelo a v = (a. y0. conclui-se: x . 110 . z .z0).x0. Explicitando λ nas equações pode-se também escrever que constituem as equações segmentárias da reta. b. As equações: x = x0 + aλ y = y0 + b λ z = z0 + cλ. c) paralelo à reta r e c) (x.x0. y . O vetor u = (x . b) o vetor v = (a. b. y .z0) = λ. c). z0) é um ponto da reta. diferenciando apenas no número de coordenadas. b. bλ.(a. y.x0 = aλ ⇔ x = x0 + aλ. cλ).y0. c) é um vetor paralelo à reta enquanto que (x0. É importante não esquecer que (a. y .A RETA NO ESPAÇO R3 Para o espaço tridimensional são consideradas três coordenadas (x. y0. conforme indicados na figura abaixo. Aplicando a definição de igualdade de vetores. Sejam então. z . c) = (aλ. A determinação da equação de uma reta nesse espaço tem as mesmas características que a equação da reta no espaço R2. o que permite escrever: (x . a) um ponto (x0. são denominadas equações paramétricas da reta.z0 = cλ z = z0 + cλ. é tal que u = λv. z0) conhecido. z) um ponto genérico da reta r.y0 = bλ y = y0 + bλ e z . z).y0. b.

a equação da reta que passa pelo ponto (3. os vetores que definem suas direções também serão paralelos. A figura a seguir mostra diversas retas no espaço tridimensional.v ser nulo. Assim. as retas r e u são perpendiculares enquanto que as retas r e t são ortogonais. w. 4. 2) e que passe pelo ponto (-2. 4). Para retas paralelas. Entretanto. paralela à reta: x = 3 + 2λ y = -4 + 7λ z = -5 . é perpendicular ao vetor u v. enquanto que r define a direção da reta O vetor r. as retas serão concorrentes obliquas se o sistema apresentar solução única ou serão reversas oblíquas se o sistema não tiver solução. o sistema formado pelas equações das duas retas deve ter solução única. EXERCÍCIOS 1 . em R3. 1. 3. No caso de serem ortogonais. 2). Quando. as retas não são paralelas e o produto escalar dos vetores que definem suas direções não for nulo. Assim. não concorrentes. o produto escalar u.Escreva a equação da reta cuja direção é definida pelo vetor (2.3λ. na forma segmentária.POSIÇÕES RELATIVAS DE DUAS RETAS EM R3. 2 – Escreva. 111 . ou seja.v é nulo. se s e w são os vetores que definem as direções das retas. Para que as retas sejam perpendiculares. Na figura o vetor u define as direções de retas como u e t. a solução do sistema formado pelas duas retas não deve ter solução. além do produto u. deve-se ter s = k.

7 . 2) e (2. -2. y = 10 + 12λ . 1). 0) pertence à reta que passa pelos pontos (4.3 + 4λ] e [x = 2+ 3λ .Determine a equação da reta.3λ] 4 – Ache o valor de a para que as retas (x – 3)/2 = (y + 2)/-3 = (z – 5)/4 e [x = 1 + 2λ . -19. -4. -19. 112 .3 + 4λ] e [x = 9 + 3λ . z = .2)/4 = (y . qual (ou quais) passa (ou passam) pela reta que contém os pontos (3. 6). que passa pelos pontos (2. 2.3λ. z = 2 . Informe a posição de uma em relação à outra. -1.Dê um vetor na forma (a. b.Verifiquem se o ponto (6. 1). -13. -1. y = -7 + 2λ . 3a. 5) e C = (9. y = 4 + 3λ .Determine um vetor na forma (2a + 2. 15) que seja paralelo à reta x = -3 + 4λ. 7).Sejam A = (7.Determine um vetor na forma (5. y = 4 + 3λ . 1. z = (-5/3) . 10 .3λ] c) [x = 1 + 2λ . 12 . z = 15 – 16λ] b) [x = 1 + 2λ . y = 2 . -4. a) (x – 3)/2 = (y + 2)/-3 = (z – 5)/4 e [x = 4 – 8λ . n. 8 . nas formas paramétricas e segmentária. 13 . 5). que seja perpendicular à reta do exercício 6. z = . 3) e (5. Entre eles.Dê um ponto que pertença à reta do exercício 05 e outro que pertença à reta do exercício 6. y = 5 + 2λ . -1. y = 4 + 3λ . a) que seja perpendicular à reta do exercício 5. 2) e (5. z = a + 4λ] sejam concorrentes.3 – Considere os pares de retas abaixo.Determine a equação da reta suporte da mediana relativa ao lado AB do triângulo de vértices A = (7. 2). m) que seja paralelo à reta (x . 6). 2a . 9 .1)/3 = (z + 4)/(-2). 2). -13. 6 . 5 .Dê um vetor na forma (20. B = (4. 5) e C = (9.1. 11 . B = (4. 1. z = 5 + 2λ.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful