INTRODUÇÃO

O presente texto tem como objetivo discutir sobre o tema ³Dança, Escola e Infância´. Segundo o PCN de Educação Física(1997, p.15), o trabalho de Educação Física nas séries iniciais do ensino fundamental é importante, pois possibilita aos alunos terem, desde cedo, a oportunidade de desenvolver habilidades corporais e de participar de atividades culturais, como jogos, esportes, lutas, ginásticas e danças, com finalidades de lazer, expressão de sentimentos, afetos e emoções. A dança por ser cultura de movimento demarca manifestações culturais de comunidades e povos, servindo como um meio de comunicação através do movimento. O mais importante quando se ensina qualquer coisa para uma criança, é despertar seu interesse pelo mesmo. Quando nos referimos à dança especificamente, não pode ser diferente, com isso visando logicamente uma atividade saudável, podemos explorar diversas formas de dança, sendo aplicada a partir de brincadeiras tradicionais, cada qual para uma faixa etária específica. A dança não se resume em aquisição de habilidades, mas o aprimoramento das habilidades básicas, fundamentais do movimento, no desenvolvimento das potencialidades humanas e sua relação com o mundo.

3

´ (BOTELLI. Nas escolas às praticas da Educação Física sempre vem vinculada aos esportes coletivos. expressão. a infância é o período de desenvolvimento do ser humano que vai do nascimento à puberdade e divide-se em três fases: a primeira infância. 2010. arte. que é uma manifestação cultural e social. As atividades pedagógicas devem partir do simples para o mais complexo. além de ajudar a saúde mental e corporal. saltitar. linguagens. p. puxar. É muito 4 . estando presente principalmente entre nós brasileiros. a dança deve ser uma atividade tanto para meninas. ritmo. forma. de 0 a 3 anos. subir.. citado por MIGLIORINI e TEIXEIRA. empurrar. ³. correr. Além de tudo. 2009) Através da música. equilibrar. A dança contribui para o desenvolvimento psicomotor da criança.´ (GIFFONI. sexo ou situação física ou mental. dentre elas a dança. como para meninos. rolar. rastejar. todos têm o direito e a possibilidade de viver a experiência da dança. reduzindo a ansiedade e stress. colocamos a dança no universo da criança. além de concorrer de forma acentuada para o desenvolvimento in tegral do ser humano. agrupamento e distribuição.DANÇA. todo ser humano pode dançar. sentimentos. galopar e lançar.. comunicação. Também pode trabalhar outras disciplinas utilizando a dança como ferramenta de aprendizagem. deslizar. sem distinção de idade. ESCOLA E INFÂNCIA De acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). saltar. deixando de lado outras atividades importantes. etc. estimulando também a criatividade. a dança envolve vários fatores. Desenvolvimento da noção de tamanho. oportunizando que a criança crie seus próprios movimentos. tais como as relações com outras pessoas. além de precisar de uso de diversas habilidades motoras associadas geralmente à música. favorecendo assim facilitar o desenvolvimento das capacidades motoras e a criatividade das crianças. emoção. girar. 7) Na escola. ³A dança apresenta-se como uma das atividades mais completas. dos 3 a 6 anos e a terceira infância. promovendo as práticas de vivências corporais e experimentações rítmicas. pendurar. As atividades a serem aplicadas com as crianças devem ser naturais envolvendo o andar. rodopiar. como um importante modo de expressão. dos 7 anos até a puberdade (12 para as mulheres e 14 para os homens). a segunda infância.

de forma livre e espontânea. memorização. a interagirem com as outras crianças e adultos. Através da dança pode-se contribuir para que o aluno entenda melhor como funciona seu corpo. ou seja. Antes mesmo. Segundo Ferraz. portanto a criança desde o nascimento já é um ser pleno de ritmo. representando uma forma da criança manifestar e explorar as habilidades motoras. dançando as músicas da moda à sua maneira. fazendo com que ela não tenha problemas na fase adulta. As crianças aprendem pelas experiências do seu próprio corpo e a se movimentar no espaço. afetividade 5 . Possibilita ao aluno desempenho individual para que se exija sua auto reflexão frente às atividades e participação em duplas.importante em qualquer fase da vida. acontecendo a partir de estímulos sonoros. com a transmissão de conhecimento. as aulas possuem um caráter lúdico e dinâmico. concentração e atenção. quando o bebê demonstra ritmo e emite movimentos. De acordo com o autor a dança tem uma grande relação com a educação. no contexto escolar o professor pode trabalhar com quatro tipos de dança: A dança criativa. Na fase pré-escolar. fazendo dançar o seu corpinho. proporcionando um exercício físico e mental. aos seis meses. trios e grupos maiores para propiciar o enriquecimento de experiências corporais. com criatividade. melhora na postura. estimulando a criança a dançar e a usar sua imaginação. geralmente partindo de uma brincadeira infantil. assim a criança terá a oportunidade de trabalhar o conhecimento do seu próprio corpo. Segundo HAETINGER (2005). et al (2010). além de guiar os indivíduos no processo de apropriação de objetivações genéricas para si. estética e melhoria no relacionamento interpessoal. terá mais facilidade para ser alfabetizada. certamente. utilizando seus movimentos naturais. O professor servindo como mediador. relacionados ao prazer e a alegria. A criança por volta de 2 anos é capaz de emitir sons e as coreografias das músicas. por exemplo. ao mesmo tempo controlamos e coordenamos os movimentos corporais associados ao pensamento. citado por SILVA. Uma criança que na pré-escola participa de aulas de dança. noções de espaço e lateralidade. ou seja. desenvolver e fortalecer a identidade cultural. melhorar a comunicação e expressão. A ligação que o ser humano tem com a dança começa já no útero. melhora no comportamento. percebemos nos gestos de bater as mãozinhas. Quando dançamos. a dança tem um papel bastante significativo na luta pela transformação das relações sociais. a criança já utiliza o ritmo de forma cadenciada. auxiliando no seu desenvolvimento e ainda trabalhando as expressões corporais e faciais de forma espontânea. ficando mais livres e desinibidas. onde as crianças inventam a própria coreografia. e principalmente na infância.

Devem-se levar em conta as fases do desenvolvimento motor da criança para essa atividade. As rodas cantadas favorecem a coordenação. é a Iniciação na Dança Folclórica. ritmo e imagens. Estão geralmente ligadas a datas comemorativas do calendário escolar e variam conforme a região do país. as associações mentais. com os outros homens. a criança começa o processo de imitação. A dança na escola não deve ter como o objetivo de executar movimentos corretos e perfeitos seguindo um padrão técnico imposto. a coordenação. Aqui os movimentos são coletivos. a lateralidade. dos dois aos três anos. A segunda forma que se pode trabalhar na escola. a observação. favorecendo uma expressão mais autêntica da criança e a compreensão dos aspectos culturais envolvidos na dança. mais agitado ou lento. o controle do corpo. As danças folclóricas na infância devem ter um caráter lúdico e motivador. pois em nosso país a diversidade cultural existente é enorme. descontração e sem a rigidez que inibe. a lateralidade. a criança usando o corpo para expressar imagens e ações relacionadas na letra da música. ou seja. mente e espírito 6 . a criança movimenta no ritmo que música sugere. Deve estar voltada para tornar o aluno um cidadão participativo. Na 3ª Fase. desestimula e desagrega as crianças. Promovem as relações entre movimento. que integram ritmos e imagens às habilidades motoras. O professor deve ser cuidadoso para não transformar esse tipo de dança em uma prática muito regrada e com movimentos pré-definidos. É uma manifestação onde corpo. o equilíbrio. a fluência verbal e a vocalização. com o sagrado. o grupo sendo mais importante que a manifestação individual. é vivenciar a relação do homem consigo próprio. É muito usada nas apresentações infantis em datas comemorativas. Não podem de forma alguma seguir um padrão. dos primeiros passos até os dois anos. a partir de referências visuais. tratando a dança com alegria. Na 1ª Fase. Na 2ª Fase. com o imaginário. é a dança figurativa. a criança já começa a dominar algumas habilidades motoras básicas e aí sim pode trabalhar a dança criativa. Pode-se também trabalhar com Rodas Cantadas. após os 3 anos. a dicção e a vocalização. deixando a criança se expressar de forma livre com as associações feitas a partir das imagens sugeridas pela música. com coreografias bem simples.e cognição. exclui. com alegria e descontração. ³Dançar. crítico e responsável. a dicção. Outro tipo de dança que pode estar incluída entre as atividades. havendo grande possibilidade de trabalhar os aspectos culturais e regionais na escola. assim. surgindo competição entre alunos. Esse tipo de dança trabalha com a imaginação. que é uma variação da dança figurativa.

representado por várias linguagens (música. raramente a dança. Se o contexto for significativo para a criança. a dança. mas também na vida adulta. não importando se os resultados estão perfeitos. comemorações de casamentos. a expressão corporal. compreendê-la. como qualquer outro recurso pedagógico. emocionais.´ (NANNI. tem conseqüências importantes em seu desenvolvimento. que pode significar uma maior consciência e transcendência de si mesmo. pois a criança já traz para escola vasta cultura familiar.não estão separados. tem a dança como opção de lazer e aspectos profissionais. 2010). a mímica. passando por vários momentos de transformações em conjunto com a sociedade. que hoje. intelectuais e estéticas e que tenha prazer na dança não somente enquanto criança. O professor deve incentivar as crianças em seus progressos. enriquecendo sua prática e servindo como instrumento transformador. possibilitando um aprendizagem significativa. A dança na vida dos homens primitivos tinha diversos significados: dançava-se para imitar o ritmo da natureza. mesmo com as dificuldades encontradas. ³Confunde-se sua história com a história da humanidade. A LDB 9394/96 garante o ensino de arte. porque estão extremamente ligadas desde o principio da existência da vida. mas. morais. dança. 2009) Compete a cada professor desenvolver as potencialidades de suas crianças. Segundo MARQUES (1996). mas estimulando a criatividade da criança. como parte obrigatória do currículo da Educação Básica. é necessário que este não aceite propostas já pré-determinadas sem antes questioná-la. saudação aos deuses. respeitando as suas capacidades físicas. O professor não precisa demonstrar amplo domínio de estilos e técnicas de dança. teatro e artes visuais). a música e o teatro são trabalhados. dançava-se para comemorar a colheita. A criança pequena tende a imitar o seu professor. seja pela falta de especialistas nas escolas ou o despreparo dos professores. modificando-a e adaptando-a sempre que necessário a realidade de seus alunos. Desta forma a educação através da dança possibilita a formação de cidadãos com uma visão mais crítica autônoma e participativa na sociedade. dançar permite um contato maior com o corpo. Para que a proposta curricular tenha o resultado desejado pelo educador. simplesmente coragem para quebrar determinados preconceitos ligados a ela. 7 . discuti-la. a formação de professores que atuam na área de dança é um dos maiores problemas no que diz respeito ao ensino desta modalidade em nosso sistema de ensino.´ (BOTELLI. citado por SILVA. O ideal seria o professor fazer uma capacitação com especialistas. et al.

para ser incorporado na sua vida. mas favorecer aos educandos condições de poderem refletir sobre o que é passado pelos meios que regem o ³poder´ da informação. e assim. O educador tem que explorar o potencial do aluno. Isso nos leva à problemática de que devemos rever nossos valores culturais. de forma que evidenciem políticas de estimulação a aprendizagem e apreciação da dança. 8 . mas desperte o senso crítico de seus educandos a respeito deles. Ele deve alertar seus alunos sobre os interesses da indústria cultural para que seu trabalho não omita a existência dos estilos comerciais. pois estaria tirando a individualidade da criança e inibindo sua criatividade e espontaneidade. perceber o que pode ser bom e ruim. os professores não podem ficar presos a reproduções de passos ou apresentação técnica. As atividades devem ser flexíveis para possibilitar a participação de todos. sendo assim. seja na necessidade de elaborar outras atividades e ainda modificar aquelas contempladas no planejamento. É impossível evitar a interferência da mídia na escola.Não se deve adotar uma didática massificante e mecânica. favorecendo seu desenvolvimento.

A dança vista como uma expressão corporal envolvente e que dá base. de forma implícita. Ao entrar para a escola a criança já possui certos conhecimentos. percebendo e acompanhando ritmos e melodias. quebrando alguns preconceitos incutidos. até mesmo pela família. a cultura de cada região. deve-se levar a conhecer. A atividade de dança na escola deve ter como meta principal a ampliação dos conhecimentos sobre o corpo em movimento. Não somente as brincadeiras que tanto despertam o amor e interesse pela arte da dança. interatividade. a integração social. 9 . e isso não poderá ser deixado de lado pela escola e principalmente pelos professores. explorar e experimentar diferentes maneiras de se deslocar pelo espaço e interagir com os colegas. no caso de crianças tímidas e introspectivas pode-se trabalhar o lado emocional deixando-a menos inibida e mais participativa.CONCLUSÃO Através deste texto. através da observação. tais como a coordenação motora. o professor pode trabalhar várias outras informações. Vimos também que através da dança. pois a mesma é parte do desenvolvimento integral das crianças. buscamos colocar em evidência a importância da dança para a educação escolar. ela traz certa bagagem cultural do meio onde vive. de avali r o comportamento da a criança e detectar algumas de suas necessidades que se exprimem através desse exercício corporal. mas também as tradicionais aulas de dança em si são de extrema importância ao desenvolvimento físico e emocional da criança.

com/efd150/a-danca-noambito-escolar. TEIXEIRA. Disponível em < http://portal. 2010. nº 150. vol. SILVA. Revista Digital.ufjf. In: RIBEIRO (org). Secretaria de Educação Fundamental. In: O universo Criativo da criança na educação. 1997. 248. BRASIL. 27834-27841. Porto Alegre: Instituto Criar. Campinas.htm>. 23.. v. 2.96p. et al. p.394. Ano 15. Parâmetros curriculares nacionais: Educação Física / Secretaria de Educação Fundamental. cap. Juiz de Fora. 2002. Esporte. J. nov de 2010. jan. 2005.mec. MIGLIORINI. Acesso em 31 de out de 2010. 02. GALLARDO. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Trajetórias e políticas da Federação de Arte-Educadores do Brasil: anais da XV CONFAEB.br/seb/arquivos/pdf/livro07. p. Mabel Emilce. Diogo Santos. P.php?journal=RBCE&page=issue&op=view&path %5B%5D=95&path%5B%5D=showToc>. de 2010. 2009. 23 dez. Lei nº 9. Rev. Cienc.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS HAETING. S. Brasília: MEC/SEF.efdeportes. Seção 1. Giselle Emanuelle. Diário Oficial da República Federativa do Brasi].pdf>. Disponível em: < http://www. Roberta Mota. Bras.rbceonline. 3.pdf>. Acesso em 14 de Nov. de 2010. BOTELLI.. v. Brasília. Universo da Expressão . P. As danças na mídia e as danças na escola. S. 105-118.gov.A dança na escola. de 2010 BRASIL. Buenos Aires. Acesso em 07 Nov. Brasília: Ministério da Educação. Disponível em <http://www.br/faefid/files/2010/08/TCC-Roberta-Teixeira-e-Giselle-MiglioriniBenef%C3%ADcios-Comportamentais-da-Dan%C3%A7a-na-SegundaInf%C3%A2ncia.br/revista/index. Dança-Educação: uma contribuição da expressão corporal-dança. 134. Max G. n. n. de 20 de dezembro de 1996. 10 .org. 1996. 49-56. SBORQUIA. DF. A dança no âmbito escolar. Benefícios Comportamentais da Dança na Segunda Infância. p. Disponível em < http://www. Acesso em 07 de Nov.

pdf>.Volume 3. Isabel A. Número 1. Dançando na escola. junho/1997.unesp.MARQUES.rc. Acesso em 14 de Nov. Disponível em: <http://www.br/ib/efisica/motriz/03n1/artigo3. MOTRIZ . de 2010 11 .

junto às crianças. em duplas. interação com o grupo e tantas outras habilidades que podem ser desenvolvidas. Aparelho de som. cadência. Cada criança fará uma pose em cima do x desenhado. Como Brincar: Afaste as cadeiras e mesas e distribua as folhas de jornal pelo chão. quatro bases. pedir à criança que faça estátua de diversas maneiras: estátuas em duplas e trios.PLANO DE AULA Tema: Dança na Escola Público Alvo: Educação Infantil Objetivo Geral: socialização. no alto. noção de espaço. Comunicar. CDs com músicas de diferentes ritmos. 2º Momento . Cada dupla fica em cima de uma folha. baixo. Pode trabalhar tempo e espaço nessa brincadeira. Pare a música. Materiais: Jornal. emoções e estados afetivos. o par sai da brincadeira. Vence 12 . movimentos. Se isso acontecer. através do movimento. o gosto pela dança que envolve o corpo (gestos. desafios). Pode variar.Dança do jornal A meninada dança cuidando para não rasgar o jornal. y Metodologia: 1º Momento ± Dança Livre Estátua Dançando ± Desenhe x em vários locais da sala. lateralidade. como equilíbrio. Não vale sair de cima do papel nem rasgá-lo. e peça as crianças para irem dançando conforme o ritmo da música. Coloque a música e as crianças começam a dançar. Desenvolver. compasso. a cada mudança de ritmo. médio. Trabalhar os elementos motores. ritmo. três bases. tornando as crianças mais solidárias e participativas. Objetivos: y y y Conhecer e valorizar as possibilidades expressivas do próprio corpo. coordenação motora.

agora já posso entrar Lê lê a. para entrar na casa do Zé Lê lê a. bater o pé.. Se algumas crianças não toparem dançar por timidez. para entrar na casa do Zé Bater palma. bem lá no alto Agora eu vou andar batendo pé Batendo pé.. para entrar na casa do Zé Bater palma. agora já posso entrar Lê lê a. devagarinho Agora vou andar abaixadinho Abaixadinho. bater o pé. agora já posso entrar Mas você tem que abraçar o colega também Mas você tem que abraçar o colega também Abraçar o colega. para entrar na casa do Zé Lê lê a. abaixadinho Agora eu vou andar bem lá no alto Bem lá no alto. agora já posso entrar Mas você tem que dá uma rodada também Mas você tem que dá uma rodada também Dá uma rodada. agora já posso entrar Lê lê a. para entrar na casa do Zé Lê lê a. agora já posso entrar Lê lê a. bater o pé. iniciativa e alegria nas brincadeiras diversas. bater o pé..quem cumprir o objetivo. agora já posso entrar Mas você tem que dá um pulinho também Mas você tem que dá um pulinho também Dá um pulinho. dá uma rebolada. agora já posso entrar Mas você tem que dá uma rebolada também Mas você tem que dá uma rebolada também Dá uma rebolada. para entrar na casa do Zé Lê lê a.. bater o pé. para entrar na casa do Zé Bater palma. agora já posso entrar Agora Eu Vou Andar (Andar Devagarinho) (Xuxa) Composição: Cláudia Vargas Agora eu vou andar devagarinho Devagarinho.. um avião Avaliação: As crianças serão observadas durante as aulas em relação à participação.. bater o pé... para entrar na casa do Zé Bater palma. bater o pé... para entrar na casa do Zé Lê lê a. bater o pé.. batendo a mão Agora eu vou andar com a mão no chão Com a mão no chão. dá um pulinho..... Bater palma. 13 . Bater palma. 3º Momento ± Dança Figurativa Utilizar a música ³Andar Devagarinho´ e ³A casa do Zé´ e pedir a criança que dança conforme a música pede: A Casa Do Zé Bia Bedran Pra entrar na casa do Zé Tem que bater o pé Pra entrar na casa do Zé Tem que bater o pé Lê lê a. batendo pé Agora eu vou andar de marcha ré De marcha ré. dá uma rodada... agora já posso entrar Mas você tem que bater palmas também Mas você tem que bater palmas também Bater palma. bater o pé. dá uma rodada. para entrar na casa do Zé Bater palma. agora já posso entrar Lê lê a. agora já posso entrar Lê lê a. de marcha ré Agora eu vou andar batendo a mão Batendo a mão.. Uma maneira de incrementar a atividade é variar os ritmos musicais tocando músicas mais lentas e outras mais agitadas. Bater palma. Bater palma. com a mão no chão Eu vou andar que nem um avião Um avião. bater o pé. dá um pulinho.. convide-as para serem juízes com você e observar se os colegas não infringem as regras.. dá um pulinho.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful