Universidade Federal de Sergipe Campus Prof.

Alberto de Carvalho Centro de Biociências

Propriedades da membrana plasmática

Alunos: Aline Mendonça Santana, Laryssa Alves dos Passos, Patrícia Bispo de Jesus.

4º relatório de biologia celular, Referente á aula prática realizada No dia 07/10/2010. Acompanhado pela professora Célia Gomes de Siqueira.

Itabaiana SE 14/10/2010

Índi Int O j ti ã 3 6 t i ã 8 M t i i R lt C ncl ã Bi li i 2 .

Atualmente. Ligações na Membrana: A membrana não é uma estrutura covalente.Introdução: Membrana celular: na cel lar (ou membrana plasmática ou membrana citoplasmática). pontes de H. destinadas a uma compartimentação única. tem sistema para transporte ativo de íons. São estruturas altamente diferenciadas. do lado externo. As forças que mantém as biomoléculas na membrana são coulombianas. Elas são capazes de selecionar. por mecanismos de transporte ativo e passivo. e mantém as diferenças essenciais entre os meios interno e externo). por encontrar apoio em varias evidencias experimentais. Nenhum modelo está pronto. Estrutura básica da Membrana Plasmática: Modelo Mosaico Fluido . Existe uma grande variedade proteínas membranais. só visível ao microscópio eletrônico. seletivamente permeável (controla e entrada e saída de substâncias). As membranas plasmáticas de uns eucarióticos contêm quantidades particularmente grande de colesterol. do lado interno. M É o envolt rio que toda célula possui (define seus limites. Enzimas: É um importante catalisador que une ou separa moléculas. onde as proteínas da membrana estão engastadas na camada lipídica. que exercem várias funções. etc. A fluidez esta condicionada ao tipo de ligações intermoleculares na membrana. As moléculas de colesterol aumentam as propriedades da barreira da bicamada lipídica e devido a seus rígidos anéis planos de esteróides diminuem a mobilidade e torna a bicamada lipídica menos fluida. Composição e propriedades da Membrana: Todas as membrana biológicas são constituídas por uma dupla camada lipídica aproximadamente (45%) e proteína (55%) é altamente higroscópica. tanto para dentro como para fora das células. Sua espessura está entre 6 a 9 nm. 3 . a evolução das pesquisas irá melhorar o conhecimento atual. ou atravessando completamente a membrana. e diversas enzimas encravadas na dupla camada lipídica. os ingredientes que devem passar. na natureza. o modelo do mosaico fluido é o mais aceito. hidrofóbicas. são flexíveis e fluidas. possui poros. O termo mosaico se deve ao aspecto da membrana na microscopia eletrônica.Sugerido por Singer e Nicholson.

Operadores: são estruturas proteicas capazes de realizar transporte contra uma gradiente de concentração do soluto transportado. Os poros têm diâmetro variável apresentando um valor médio de 0.Poros ou canais: são "falhas" na membrana constituídas por proteínas ou por moléculas lipídicas.8 nm. Estruturas da membrana: . constituído principalmente por água. que é denominada meio extracelular (LEC). (células estas ditas excitáveis) que podem reagir a estímulos vindos do ambiente externo. fosfatidilserina e fosfalipidiletanolamina. Operam no sentido unidirecional e são dependentes do fornecimento de energia (ATP). Os canais com carga positiva facilitam a passagem de moléculas negativas e vice-versa. . negativa ou serem destituídos de cargas.   4 . A solução dentro e fora das células tem diferentes composições. em alta concentração. As células estão imersas em outra grande solução. Permitem a passagem de moléculas pequenas cujo diâmetro seja inferior ao diâmetro do poro. Os canais podem apresentar portões. em especial a célula do neurônio e células musculares. dessa forma. Esses canais podem ter carga positiva. E sabemos que as reações bioquímicas podem ocorrer somente nesta solução. Moléculas afins se difundem com facilidade através dessas zonas. Exemplos: lipídios e proteínas. Os processos de membrana são fenômenos que ocorrem na membrana celular que explicam como as células nervosas podem ser excitadas e transmitir esta excitação para outra parte do sistema nervoso e sistema muscular.Receptores: são locais (sítios) específicos da membrana onde podem se encaixar moléculas (mensageiras) que passam uma determinada informação à célula. Dentro das células existe um complexo ambiente químico. . frequentemente estão associados aos operadores. proteínas e saís inorgânicos (LIC). [1] Composição química dos líquidos extra e intracelulares: Fi ura 2: líquidos das células. denominado meio intracelular.A maioria dos lipídios que compõe a membrana são fosfolipídios dos quais predominam: fosfatidilcolina. esfingomielina. .Zonas de difusão facilitada: são regiões que possuem moléculas de uma determinada espécie química. Como já foi mencionado nosso corpo é constituído predominantemente por água. e este fato é muito importante para a função da célula. os processos de permeabilidade celular receptores. Alguns receptores podem estar acoplados a canais regulando.

a diálise e a difusão facilitada são consideradas como transporte passivo. quando o meio exterior é mais concentrado que o seu citoplasma e a célula perde água por osmose. mas não se rompe devido à parede de celulose. a membrana plasmática não é visível ao microscópio óptico. que é rígida. Se a célula não se mantiver em isotônica com o meio extracelular pode ocorrer à turgescência ou a plasmólise. podendo ocorrer à morte celular. separando se o citoplasma da parede celular. Seu volume sofre retração. 5 . Todavia sua existência já era conhecida antes do microscópio eletrônico. podendo ocorrer à ruptura da membrana e a morte celular. contra as leis da difusão. chama-se desplasmólise. Recolocada em meio isotônico ela volta ao volume normal. graças ao emprego de técnicas indiretas. No transporte ati o já se observa o consumo de energia pela célula. Em função dessas atividades. Quando colocada em meio hipotônico.os vacúolos dacélula perdem água ficandocom um aspecto contraído. dizemos que a membrana plasmática é dotada de permeabilidade seletiva. ao passar de uma solução hipertônica para uma solução hipotônica. Ele consiste na passagem de moléculas de um lado para o outro da membrana plasmática sempre contra um gradiente de concentração. só podendo ser vista ao microscópio eletrônico. a célula vegetal aumenta de volume.Junqueira cita em seu livro o seguinte: A membrana celular separa o meio intracelular do meio extracelular e é a principal responsável pelo controle da penetração e saída da substancia celular. Na di usão facilitada participam moléculas de natureza proteica que recolhem pequenas moléculas e íons do meio extracelular e os descarregam no meio intracelular e viceversa. Na plasmólise a célula perde água para o meio e se desidrata. Na turgescência a célula absorve um excesso de água que a faz aumentar de volume. [3] Ati idades da Membrana Plasmática: A osmose é a passagem de moléculas de água através de uma membrana semipermeável sempre no sentido do meio hipotônico para o meio hipertônico. Esta parede limita o aumento de volume da célula e o mantem dentro de uma faixa que não excede a resistência da membrana plasmática. pois em nenhuma delas ocorre dispêndio de energia pela célula. as células das plantas perdem agua e diminuem de volume. Este fenômeno se dá quando a célula é colocada em meio hipertônico. A diálise é a difusão de partículas do soluto das soluções químicas através da membrana plasmática sempre no sentido da solução mais concentrada para a solução menos concentrada. controlando as substâncias que entram ou saem do meio celular. Por sua diminuta espessura. A observação de que o volume das células se altera de acordo com a concentração das soluções em que elas são colocadas foi um dos primeiros indícios da existência da membrana celular. O aumento de volume sofrido por uma célula vegetal. Nas células das plantas ocorre um fenômeno que é: Em solução hipertônica. [2] Plasmólise: A plasmólise é a retração do volume das células por perda de água. A membrana realiza ainda o transporte ativo e o transporte em bloco. A água move-se do meiointracelular para o meioextracelular . Esse fenômeno é chamado plasmólise. A osmose. ou seja.

A célula promove modificações na sua superfície no sentido de englobar o material a ser recolhido ou eliminado. suas partes e suas reações em meios de diferentes concentrações. Compreende a endocitose (fagocitose e pinocitose) e a exocitose.  Diferentes níveis de concentração da célula. 6 . O transporte em bloco compreende o englobamento de substâncias cujo volume não poderia atravessar a membrana sem rompê-la.A absorção de sais pelas raízes das plantas e a passagem da glicose para o interior das células são exemplos de transporte ativo.  Observação da célula e da membrana celular vegetal (cebola). [4] Objeti o:  Geral:Nesse procedimento buscou-se o conhecimento da célula e da membrana plasmática de uma célula vegetal.  Especifico:  Conhecimento das partes das células em geral.  Observação da plasmólise.

 Observou-se ao Microscópio Opticoem 10X e 40X e desenhou-se o que se observou na de 40X. Observou-se ao Microscópio Optico em 4X. lamínula. Colocou-se ela em outra lamínula limpa com duas gotas de água destilada.  Azul de metileno/ fucsina/ vermelho congo.  Solução de Na Cl 3.  Cobriu-se com uma gota de solução fisiológica. colocou-se a lamínula e observou-a ao Microscópio Optico em 4X. bisturi (lâmina de barbear). retirou-se a lamínula e a epiderme que foi utilizada na observação.Materiais:  Epiderme de cebola (Allium cepa).  Por fim.0%.  Solução fisiológica (Na Cl 0.  Lâmina.  Água destilada. Desenhou-se o que se observou na de 40X. 10X e 40X. 10X e 40X e desenhou-se o que se observou na de 40X.0% sobre a epiderme.9%)  Papel de filtro Métodos:  Retirou-se um fragmento da epiderme inferior de cebola com auxílio de bisturi e colocou-se ela sobre a lâmina.  Tubos de ensaio.  Em seguida retirou-se a lamínula. sequou-se o excesso de água e colocou-se uma gota de solução Na Cl 3. 7 .

Isso se da pelo fato de a concentração da célula ser muito próxima da concentração da solução de Na Cl 0.Resultadodiscussões: Ao colocar a célula vegetal em meio á solução de 0. quando o meio externo e o meio interno tem a mesma concentração se da o nome de solução isotônica. por parecer com a concentração das células). Pode ser observado que o citoplasma separou-se da parede celular.9%%.9% de Na Cl (solução fisiológica) a célula fica no seu estado normal. E o meio mais concentrado tem o nome de hipertônico. 8 . Célula normal Já ao colocar a célula vegetal em meio à solução de 3% de Na Cl a célula apresentou algumas mudanças. a isso se da o nome de plasmólise.9% (por isso o nome fisiológica. Isso se da pelo fato de a concentração de fora 3% ser maior que a de dentro da célula 0. assim a célula perde de agua para o meio.

Esse processo se chama desplasmólise. Isso se da pelo fato de agora ter-se uma solução em meio hipotônico onde a célula vegetal aumenta seu volume.E quando se colocou a célula na agua destilada (0% de concentração) a célula voltou a como era no início. Desplasmólise 9 . pois retira agua do meio para dentro dela. mas ao contrario da célula animal ela não estoura por causa da parede celular.

e se colocarmos a célula em meio isotônico ela permanecera intacta. Assim pode se concluir que a membrana tem como uma de suas funções: controlar a entrada e a saída de agua e de outras substancia do seu meio intracelular. pois desgruda da parede celular ficando assim mais individualizada.Conclusão: Podemos concluir então que ao adicionarmos uma célula vegetal em meio hipertônico ela murcha deixando aparecer assim sua membrana ao microscópio óptico. Podendo ser visualizada ao microscópio óptico apenas quando esta murcha. Já se colocamos ela em meio hipertônico ela cresce voltando a membrana a sua posição na parede celular. nem perde nem ganha agua. 10 .

[1]Disponível em [http://paginas. Bases da biologia celular e molecular.com/2009/06/plasmolise. 11 .blogspot.br/~mflessa/bi6. Eduardo M. 4ª Edição. [3] Disponível em [http://labbioiee.78.ucpel. Rio de Janeiro RJ.php] acessado em 13/10/201 as 23h00min. [4] Disponível em [http://www. Editora Guanabara.F.br/alfa/citologia/citologia4.Bibliografia: [2] DE ROBERTS.html] acessado em 13/10/2010 ás 21h00min.portalsaofrancisco.tche. 2006. pág.html] acessado em 13/10/2010 às 21h15min.com.