Índice

y

1 História

y y y y y y y

o 1.1 Correntes sociológicas 2 A sociologia como ciência da sociedade 3 Comparação com outras ciências sociais 4 Sociologia da Ordem e Sociologia da Crítica da Ordem 5 A evolução da Sociologia como disciplina 6 Áreas de estudo em Sociologia 7 Tópicos e palavras-chave em Sociologia 8 Sociólogos notórios

1

Sociologia
A Sociologia é uma das ciências humanas que estuda as unidades que formam a sociedade, ou seja, estuda o comportamento humano em função do meio e os processos que interligam os indivíduos em associações, grupos e instituições. Enquanto o indivíduo na sua singularidade é estudado pela psicologia, a Sociologia tem uma base teórico-metodológica, que serve para estudar os fenômenos sociais, tentando explicá-los, analisando os homens em suas relações de interdependência. Compreender as diferentes sociedades e culturas é um dos objetivos da sociologia. Os resultados da pesquisa sociológica não são de interesse apenas de sociólogos. Cobrindo todas as áreas do convívio humano ² desde as relações na família até a organização das grandes empresas, o papel da política na sociedade ou o comportamento religioso ², a Sociologia pode vir a interessar, em diferentes graus de intensidade, a diversas outras áreas do saber. Entretanto, o maior interessado na produção e sistematização do conhecimento sociológico atualmente é o Estado, normalmente o principal financiador da pesquisa desta disciplina científica. Assim como toda ciência, a Sociologia pretende explicar a totalidade do seu universo de pesquisa. Ainda que esta tarefa não seja objetivamente alcançável, é tarefa da Sociologia transformar as malhas da rede com a qual a ela capta a realidade social cada vez mais estreitas. Por essa razão, o conhecimento sociológico, através dos seus conceitos, teorias e métodos, pode constituir para as pessoas um excelente instrumento de compreensão das situações com que se defrontam na vida cotidiana, das suas múltiplas relações sociais e, consequentemente, de si mesmas como seres inevitavelmente sociais. A Sociologia ocupa-se, ao mesmo tempo, das observações do que é repetitivo nas relações sociais para daí formular generalizações teóricas; e também se interessa por eventos únicos sujeitos à inferência sociológica (como, por exemplo, o surgimento do capitalismo ou a gênese do Estado Moderno), procurando explicá-los no seu significado e importância singulares. A Sociologia surgiu como uma disciplina no século XVIII, na forma de resposta acadêmica para um desafio de modernidade: se o mundo está ficando mais integrado, a experiência de pessoas do mundo é crescentemente atomizada e dispersada. Sociólogos não só esperavam entender o que unia os grupos sociais, mas também desenvolver um "antídoto" para a desintegração social. Hoje os sociólogos pesquisam macroestruturas inerentes à organização da sociedade, como raça ou etnicidade, classe e gênero, além de instituições como a família; processos sociais que representam divergência, ou desarranjos, nestas estruturas, inclusive crime e divórcio. E pesquisam os microprocessos como relações interpessoais. Sociólogos fazem uso frequente de técnicas quantitativas de pesquisa social (como a estatística) para descrever padrões generalizados nas relações sociais. Isto ajuda a desenvolver modelos que possam entender mudanças sociais e como os indivíduos responderão a essas mudanças. Em alguns campos de estudo da Sociologia, as técnicas qualitativas ² como entrevistas dirigidas, discussões em grupo e métodos etnográficos ² permitem um melhor entendimento dos processos sociais de acordo com o objetivo explicativo.

Entretanto. A Sociologia surge no século XIX como forma de entender essas mudanças e explicá-las. 1. . Montesquieu também pode ser encarado como um dos fundadores da Sociologia . (corrente que teve grande força no século XIX). uma vez que os estudos micro-sociológicos podem estar associados ou ajudarem no melhor entendimento de problemas macro-sociológicos. Antes. que a Sociologia é datada historicamente e que o seu surgimento está vinculado à consolidação do capitalismo moderno.talvez como o último pensador clássico ou o primeiro pensador moderno. as qualitativas. da Ciência Política e da Antropologia. às pesquisas micro-sociológicas. é necessário frisar. de forma muito clara. Em que pese o termo Sociologie tenha sido criado por Auguste Comte (em 1838). políticas e culturais ocorridas no século XVIII. Em Comte. História Émile Durkheim Gilberto Freyre Karl Marx Vilfredo Pareto Georg Simmel Ferdinand Tönnies Max Weber A Sociologia é uma área de interesse muito recente. se a pessoa pudesse compreender este progresso. poderia prescrever os "remédios" para os problemas de ordem social. As transformações econômicas. que esperava unificar todos os estudos relativos ao homem ² inclusive a História. o uso de ambas as técnicas de coleta de dados pode ser complementar. mas foi a primeira ciência social a se institucionalizar. a Psicologia e a Economia. a objetivos explicativos distintos ou dependem da natureza do objeto explicado por certa pesquisa sociológica: o uso das técnicas quantitativas é associado às pesquisas macro-sociológicas. normalmente. colocaram em destaque mudanças significativas da vida em sociedade com relação a suas formas passadas. No entanto. portanto. como as Revoluções Industrial e Francesa. seu esquema sociológico era tipicamente positivista. baseadas principalm ente nas tradições.2 Os cursos de técnicas quantitativas/qualitativas servem. e ele acreditava que toda a vida humana tinha atravessado as mesmas fases históricas distintas e que.

formação de sindicatos e movimentos revolucionários. como por seu novo protagonismo político já que junto a estas transformações de ordem econômica pôde-se perceber o papel ativo da sociedade e seus diversos componentes na produção e reprodução da vida social. o que se distingue da percepção de que este papel seja privilégio de um Estado que se sobrepõe ao seu povo. pelas novas condições de existência por ela criada. desvinculando-se das preocupações especulativas e metafísicas e diferenciando-se progressivamente enquanto forma racional e sistemática de compreensão da mesma. das quais podem se citar. tendo como fundador Auguste Comte e seu principal expoente clássico em Émile Durkheim.3 Esta disciplina marca uma mudança na maneira de se pensar a realidade social. a imposição de prolongadas horas de trabalho. pois colocava a sociedade num plano de análise relevante. de fundamentação analítica. O surgimento da Sociologia prende-se em parte aos desenvolvimentos oriundos da Revolução Industrial. Neste momento. Este fato é importante para o surgimento da Sociologia. como objeto que deveria ser investigado tanto por seus novos problemas intrínsecos. convertendo grandes massas camponesas em trabalhadores industriais. as terras e as ferramentas sob o controle de um grupo social. 4 . a Sociologia não é uma ciência de apenas uma orientação teórico-metodológica dominante. O triunfo da indústria capitalista foi pouco a pouco concentrando as máquinas. que divide de modo central a sociedade entre burgueses (donos dos meios de produção) e proletários (possuidores apenas de sua força de trabalho). e etc. (2) a sociologia compreensiva iniciada por Max Weber. Há paralelamente um aumento do funcionalismo do Estado que representa um aumento da burocratização de suas funções e que está ligado majoritariamente aos estratos médios da população. Máquinas foram destruídas. e (3) a linha de explicação sociológica dialética. dos artesãos independentes. Não demorou para que as manifestações de revolta dos trabalhadores se iniciassem. atos de sabotagem e exploração de algumas oficinas. não poderiam deixar de provocar modificações na forma de conhecer a natureza e a cultura. Assim. O desaparecimento dos proprietários rurais.1. roubos e crimes. não necessariamente em ordem de importância: (1) a positivista-funcionalista.. para o pensamento social. Correntes sociológicas Porém. Trata-se das modificações que vinham ocorrendo nas formas de pensamento. Ela traz diferentes estudos e diferentes caminhos para a explicação da realidade social. 1. tiveram um efeito traumático sobre milhões de seres humanos ao modificar radicalmente suas formas tradicionais de vida. Assim é que a Revolução Industrial significou. originada pelo Iluminismo. fundadas pelos seus autores clássicos. de matriz teóricometodológica hermenêutico-compreensiva. que se achavam em curso no ocidente europeu desde o século XVI. pode-se claramente observar que a Sociologia tem ao menos três linhas me stras explicativas. Mas uma outra circunstância concorreria também para a sua formação. algo mais do que a introdução da máquina a vapor. se consolida a sociedade capitalista. evoluindo para a criação de associações livres. As transformações econômicas. Ela representou a racionalização da produção da materialidade da vida social.

Sociologia não se desenvolve apenas no contexto europeu. que mesmo não sendo um sociólogo e sequer se pretendendo a tal. políticas. em grande medida. quando muito. econômicas. assim. lhe será uma "jaula" que o transcenderá e lhe determinará a identidade. A sociologia como ciência da sociedade Ainda que a Sociologia tenha emergido em grande parte da convicção de Comte de que ela eventualmente suprimiria todas as outras áreas do conhecimento científico. Desde o funcionamento de estruturas macrossociológicas como o Estado. originadas pelos seus três principais autores clássicos. vai debruçar-se sobre todos os aspectos da vida social. algo bem diverso da perspectiva acadêmica europeia. hoje ela é mais uma entre as ciências. educacionais. quando a organização é observada e estudada podem se verificar as falhas assim alterar seu sistema de funcionamento e gerar lucro. Ainda que seja relativamente mais tardio seu aparecimento nos Estados Unidos. Nos EUA a Sociologia esteve de certo modo "engajada" na resolução dos "problemas sociais". a Sociologia tem de obedecer aos mesmos princípios gerais válidos para todos os ramos de conhecimento científico. instituições sociais e suas interações sociais. é importante perceber que. Martin Bulmer e Roscoe C. Ao contrário das explicações filosóficas das relações sociais. especialmente a teuto-francesa. originaram quase todos os posteriores desenvolvimentos da Sociologia. Atualmente. Muitos dos teóricos que almejavam conferir à sociologia o estatuto de ciência. Thomas. Hinkle. Como ciência. sejam estes naturais ou sociais. Entre os principais nomes do estágio inicial da sociologia norte-americana. levando à sua consolidação como disciplina acadêmica já no início do século XX É interessante notar que a . Uma das primeiras e grandes preocupações para com a sociologia foi eliminar juízos de valor feitos em seu nome. inevitavelmente. Para compreender o surgimento da sociologia como ciência do século XIX. psicológicas. A Sociologia. as explicações da Sociologia não partem simplesmente da especulação de gabinete. buscaram nas ciências naturais as bases de sua metodologia já mais avançada. e um ceticismo metodológico a fim de extirpar os elementos "incontroláveis" e "dóxicos" recorrentes numa ciência ainda muito nova e dada a grandes elucubrações. ele se dá. ela estuda organizações humanas. sem jamais esquecer-se que o homem só pode existir na sociedade e que esta. nesse contexto histórico social. a classe social ou longos processos históricos de transformação social ao comportamento dos indivíduo num nível microsociológico. com enfoque científico. 2. que visa discernir entre bem e mal. as ciências teóricas e experimentais desenvolvidas nos séculos XVII. Esta disciplina tem se concentrado particularmente em organizações complexas de sociedades industriais. Park. podem ser citados: William I. aplicando mormente o método comparativo. e as discussões epistemológicas mais desenvolvidas. contribuindo com os lucros e resultados da organização. baseada. deu início a uma profícua linha de explicação sociológica. na observação casual de alguns fatos. Estas três matrizes explicativas. a observação empírica. Dessa forma foram empregados métodos estatísticos. por motivações diferentes que as da velha Europa (mas certamente influenciada pelos europeus. O sociólogo dentro da organização intervem diretamente sobre os resultados da empresa. Diferentemente da ética. a ciência se presta à explicação e à compreensão dos fenômenos.iniciada por Karl Marx. apesar das peculiaridades dos fenômenos sociais quando . XVIII e XIX inspiraram os pensadores a analisar as questões sociais. especialmente pela sociologia britânica e positivista de Herbert Spencer). Robert E.

consequentemente. Já o enfoque da Sociologia é na ação dos grupos. representada por aquilo que ficou conhecido como Teoria Crítica ou. Quanto a Psicologia social. sejam eles empresas privadas ou Centrais de Inteligência. talvez. até mesmo. a Sociologia pode ser orientada como uma 'ciência da ordem'. kantiana. isto é. ao mesmo tempo. a Filosofia social intenta criar uma teoria ou "teorias" da sociedade. para alcançarem maiores patamares de liberdades políticas e de bem-estar social. Entretanto. aquele que se refere a produção e troca de mercadorias. . à revelia dos interesses e valores da comunidade democrática com vistas a manter o status quo. em vista do tipo de conhecimento que produz. como mostrado por Karl Marx e outros. 3. Ela pode ser um tipo de conhecimento orientado no sentido de promover um melhor entendimento dos homens acerca de si mesmos. 4. no entanto. Deve ser notado. entretanto. além de se interessar mais pelos comportamentos do que pelas estruturas sociais. Por outro lado. imprevisíveis e impassíveis de uma análise objetiva. entre outros. Esforços nesse sentido são visíveis nas obras de modernos teóricos sociais. objetivando explicar as variâncias no comportamento social em suas ordens moral. Jürgen Habermas. Nesse aspecto. a teoria social de Marx e. negando às humanas tal estatuto com base na inviabilidade de qualquer controle dos d ados tipicamente humanos. ora afastando-as e. pode servir a diferentes tipos de interesses. Tais peculiaridades. Sociologia da Ordem e Sociologia da Crítica da Ordem A Sociologia. ora tentando aproximar as ciências. Escola de Frankfurt. da abordagem cientí ica da f sociedade. A produção sociológica pode estar voltada para engendrar uma forma de conhecimento comprometida com emancipação humana. as obras de Max Horkheimer. como mais popularmente se diz. Comparação com outras ciências sociais No começo do século XX. utilizando-se de os valores morais e políticos do iluminismo liberal mesclados com os ideais socialistas. considerados por muitos. Por fim.5 comparados com os fenômenos de natureza e. Theodor Adorno. estética e históricas. a diferença entre Sociologia e Antropologia tem mais a ver com os problemas teóricos colocados e os métodos de pesquisa do que com os objetos de estudo. seja complexo apreender tal abordagem. À primeira vista. a pesquisa em Economia é frequentemente influenciada por teorias sociológicas. Max Weber. foram e continuam sendo o foco de muitas discussões. que mesmo a Antropologia faz pesquisa em sociedades industrializadas. sociólogos e antropólogos que conduziam estudos sobre sociedades não-industrializadas ofereceram contribuições à Antropologia. reunindo um arcabouço de conhecimento que entrelaça a filosofia hegeliana. representam uma das mais profícuas vertentes da filosofia social. Já a Economia diferencia-se da Sociologia por estudar apenas um aspecto das relações sociais. ela se preocupa também com as motivações exteriores que levam o indivíduo a agir de uma forma ou de outra. na ação geral. seus resultados podem ser utilizados com vistas à melhoria dos mecanismos de dominação por parte do Estado ou de grupos minoritários.

Na América Latina. Áreas de estudo em Sociologia Os sociólogos estudam uma variedade muito grande de assuntos. Na década de 80 a sociologia finalmente volta a ser disciplina no ensino médio. porém. isto diz respeito. por exemplo. na medida em que as suas preocupações passam a ser o subdesenvolvimento. ao trabalhador rural. Nesse sentido. submetendo a produção do conhecimento não ao progresso da ciência por si ou da sociedade. êxodos. e estudos sobre índios e negros Nas décadas seguintes de 40 e 50 a sociologia voltou para as classes trabalhistas tais como salários e jornadas de trabalho. nas questões de reforma agrária e movimentos sociais na cidade e no campo e a partir de 1964 o trabalho dos sociólogos se voltou para os problemas sócio políticos e econômicos originados pela tensão de se viver em um país cuja forma de poder é o regime militar. Para ter uma idéia geral sobre esses assuntos. Segue uma pequena lista de áreas e tópicos de estudo na Sociologia.e também ocorreu a profissionalização da sociologia. 6. Há. 5. Na década de 60 a sociologia se preocupou com o processo de industrialização do país. no qual o Estado. e outros assuntos culminantes. visite o sítio do Comitê de Pesquisa da Associação Internacional de Sociologia. o meio indireto. Desde o início a sociologia vem-se preocupando com a sociedade no seu interior. como na orientação de políticas públicas promovidas nem sempre de acordo com o interesse das maiorias ou no respeito às minorias. e analisando temas como abolição da escravatura. desde lá cada vez mais foi de fundamental participação para a sociedade mundial e também brasileira. podendo mesmo servir à finalidades antidemocráticas. ela vai sofrer influências das teorias marxistas.6 As formas como a Sociologia pode ser uma 'ciência da ordem' são diversas. mas aos seus interesses materiais imediatos. voltam também em relação ao estudo da mulher. aos conflitos entre as classes sociais. como principal ente financiador de pesquisas nas áreas da sociologia escolhe financiar aquelas pesquisas que lhe renderam algum tipo de resultado ou orientação estratégicas claras: pode ser tanto como melhor controlar o fluxo de pessoas dentro de um território. A evolução da Sociologia como disciplina A sociologia no mundo foi-se mostrando presente em várias datas importantes desde as grandes revoluções. o uso do conhecimento sociológico é potencialmente perigoso. Além da preocupação com a economia política e mudanças sociais apropriadas com a instalação da nova república. autoritárias e arbitrárias. No Brasil nas décadas de 20 e 30 a sociologia estava num estudo sobre a formação da sociedade brasileira. Ela pode partir desde a perspectiva do sociólogo individual. por exemplo. e também comunidades rurais. y y y y y y Demografia social Microssociologia Sociologia ambiental Sociologia da administração Sociologia da arte Sociologia do conhecimento . a sociologia sofreu influencias americanas e europeias.

7 o Sociologia da ciência Sociologia da cultura sociologia da educação y y y y y y y y y y y y y y y y y y y y Sociologia econômica o Desenvolvimento econômico o Sociologia das organizações Sociologia da educação Sociologia das emoções Sociologia das histórias em quadrinhos Sociologia industrial Sociologia jurídica Sociologia funcionalista Sociologia médica Sociologia do esporte Sociologia política Sociologia das relações de gênero Sociologia da religião Sociologia rural Sociologia do trabalho Sociologia urbana Sociologia da violência e da criminalidade Sociologia da linguagem Leituras em sociologia 7. Sociólogos notórios y y y y y y y y y y y y y y y y y y y y Émile Durkheim Fernando Henrique Cardoso Herbert Marcuse Jürgen Habermas Karl Marx Max Horkheimer Max Weber Raymond Aron Robert K. Merton Talcott Parsons Theodor Adorno Walter Benjamin Gilberto Freyre Georg Simmel Niklas Luhmann Auguste Comte Pierre Bourdieu Norbert Elias Ralf Dahrendorf Alfred Schütz .

Uma cl ci l é um grupo de pessoas que t m st tus social similar segundo critérios di ersos. seja ela pré-capitalista ou caracteri ada por um capitalismo desenvolvido. Segundo a óptica marxista. e as cl sses domin das por aquela. que controla direta ou indiretamente o Estado. a história da humanidade é a sucessão das lutas de classes. especialmente o econômico. em praticamente toda sociedade. Di erencia-se da casta social na medida em que ao membro de uma dada casta normalmente é impossí el mudar dest tus. uma das maiores catedrais do mundo. e aquela impõe a sua estrutura social mais adequada para a perpetuação da exploração.             . Segundo a mesma visão de mundo. na Alemanha. existe a cl sse domin nte. de forma que sempre que uma classe dominada passa a assumir o papel de classe dominante. reproduzida inexoravelmente por uma estrutura social implantada pela classe dominante. surge em seu lugar uma nova classe dominada.8 Índi y y y y 1 Pri rdi 2 C it li moderno 3 Cl es soci is no Brasil 4 Classes sociais nos Estados Unidos Cl i l Mendi o j nto à Catedral de Col nia.

que. 9. 2. 1.400 Classe C2: maior que R$ 950 Classe D: maior que R$ 600 Classe E: maior que R$ 400 Classe F: menor que R$ 200 .600 Classe B2: maior que R$ 2. em diversos países. 2. a estratificação das classes sociais segue a convenção baixa. tipicamente com dificuldades económicas. Capitalismo moderno A partir da Idade Contemporânea. embora não sofra de dificuldades. com o desenvolvimento do sistema capitalista industrial (e mesmo do pós-industrial). a classe média é uma minoria e a classe baixa é a maioria da população. Primórdios Na Idade Média. Classe social define-se como conjunto de agentes sociais nas mesmas condições no processo de produção e que têm afinidades políticas e ideológicas. Nota-se. a classe dominante era formada pelos senhores feudais. donos das terras através da aplicação de compulsão e coerção(Uso da força física ou ameaça direta ou indireta ao individuo podend o atingir sua moral a fim de levá-lo a praticar uma ação que o mesmo não tem vontade própria de praticá-la. 3. não vive propriamente com grande margem financeira. porém. 5. podem ser dividas em três níveis diferentes. o estrato considerado mais comum e mais numeroso. e a classe dominada era formada pelos camponeses. portanto.400 Classe A2: maior que R$ 8.300 Classe C1: maior que R$ 1. entretanto a avaliação ideal seria por bens disponíveis e não pela renda.). É do papel ocupado por cada classe que depende o nível de fortuna e de rendimento. normalmente existe a noção de que as classes sociais.9 A divisão da sociedade em classes é consequência dos diferentes papeis que os grupos sociais têm no processo de produção.100 Classe B1: maior que R$ 4. que era composta pelos camponeses (alguns eram senhores feudais) e podia passar para uma classe dominante caso recebesse terras como prêmio de suas conquistas. 7. é possível encontrar outras classes. dentro dos quais há subníveis. A classe média é. seguindo a teoria de Karl Marx. Uma classe à parte era a classe dos guerreiros. média e alta. de acordo a Fundação Getúlio Vargas. 4. Classe A1: inclui as famílias com renda mensal maior que R$ 14. que. 8. Desta interpretação. o género de vida e numerosas características culturais das diferentes classes. Atualmente. nos países de Terceiro Mundo. 6. Já o DIEESE utiliza uma classificação por salários mínimos [1]: y y y y y y y Até 1 Salário Mínimo Mais de 1 a 2 Salários Mínimos Mais de 2 a 3 Salários Mínimos Mais de 3 a 5 Salários Mínimos Mais de 5 a 10 Salários Mínimos Mais de 10 a 20 Salários Mínimos Mais de 20 Salários Mínimos Outra classificação da consultoria Target: 1. sendo que as duas primeiras designam o estrato da população com pouca capacidade financeira. e a última possui grande margem financeira.

arquitetos bem conceituados. Composto por juízes. professores universitários bem graduados. ou bem-qualificados. bem-qualificados ou que ocupam funções políticas e/ou de direção. grandes fazendeiros. Foi exatamente esse furor econômico que possibilitou a criação de algo até então inédito na história do país. etc. E ora sejam vistas como uma institui o social já anti a. as pessoas que pertencem a este grupo. 2. as classes sociais tais como as . os altos funcionários do Estado. Composto por médicos. 4. o maior contingente populacional se encontra classificado como parte das classes sociais mais baixas. desembargadores. assessores e gerentes de grandes empresas e indústrias em geral. Composto por grandes empresários. A classe mais abastada e com maior poder de renda. advogados bem-qualificados. é composta de quatro grupos sociais distintos. presidentes de empresas estatais. pertencem a ela. etc.10 3. os que sobrevivem dos gastos dos quatro grupos ou seja. grandes banqueiros. donos de construtoras famosas e tradicionais. e também de donos de empresas que assessoram as maiores. os que gravitam em torno desse núcleo principal. Os grupos sociais da classe social mais abastada são: 1. proprietários de bares chiques. aqueles que prestam serviços . embora não tenham um ganho mensal altíssimo como os empresários de sucesso. reduto paulistano das classes mais abastadas. Em uma rápida análise da organização dessas classes no país. indiretamente ou atendem diretamente a classe mais abastada. ilustres e que detinham grande fortuna antigamente. etc. militares de alto escalão. de academias caras. . tem um status social elevado e vivem na classe alta. grandes acionistas. Tendo suas variações. portanto. com três classes distintas. e pelo seu ganho. conhecemos no Brasil atual tem suas ori ens datadas do início dos anos cinqüenta quando o país passou a vivenciar um verdadeiro boom de crescimento econômico que duraria até o fi nal dos anos setenta. de cursos de línguas conceituados. 3. sendo que há exceções. funcionários estatais eleitos. de colégios particulares. Atualmente. estes participam de associações elitistas. os que diri em diretamente a maquinaria capitalista do país. percebe a seguinte distribuição: -se Vista dos Jardins. grandes industriais. de clubes. Justamente como qualquer nação em desenvolvimento. ou as tradicionais. funcionários bem situados dentro dos três poderes. engenheiros conceituados 5. por que existem famílias nobres (elite tradicional. promotores. Composto de diretores. como profissionais liberais escritores. políticos. Cl soci is no B sil São frequentes as análises sobre a organização das classes socioeconômicas no Brasil. a classe média brasileira. ilustres e que detinham grande fortuna antigamente). especialistas. observa-se no país uma estrutura social típica de qualquer nação capitalista contemporânea.

*Tendo as suas exceções. plantonistas de clínicas particulares. funcionários públicos em empregos bem situados. os profissionais com ensino superior. etc. Panorama de um bairro de classe média da cidade de São Paulo. torneiros mecânicos. seguranças bem -qualificados. vendedores de lojas mais caras. engenheiros recém -formados. de empresas ou do governo.Em suma. 4. fresadores. metalúrgicos. Composto por diretores e supervisores de colégios e escolas públicas. . enfermeiras experientes. instrumentistas. professores sem doutorado do colegial de colégios privados. etc. cozinheiros-chefes. 1. os profissionais com ensino superior empregados em funções medianas em empresas. advogados e funcionários concursados. Composto por médicos do sistema público. criada pela expansão do emprego público e pela criação de empregos privados que exigiam qualificação intermediária. eletricistas e encanadores de competência e renome. os trabalhadores manuais de maior qualificação e os operários especializados de indústrias públicas e privadas. etc. inspetores de qualidade. 2. Discute-se então a nova classe média brasileira. Composto por mecânicos. os trabalhadores que prestam serviços diretamente aos grupos mais ricos. professores doutorados de colégios e universidades particulares e de cursinhos. os funcionários de escritório mais qualificados. etc. 3. pilotos e motoristas bem-qualificados. delegados de polícia em início de carreira. bancários de postos intermediários. analistas. Vista da favela da Rocinha na cidade do Rio de Janeiro. Composto por chefes em geral. 5. É com base na alta renda desses grupos sociais que se forma uma nova camada de clientes.11 Tendo as suas exceções. empregadas domésticas mais qualificadas.

Classes sociais nos Estados Unidos estrutura social dos Estados Unidos é um conceito vagamente definido que faz uso de termos e percepções comumente usados no país. garçons. notaremos que essa parcela de apenas 20% cont olaria quase 67% de r toda a renda nacional. Entre eles estaria a renda anual do lar. merendeiras.12 Vale lembrar que a classe média brasileira está plenamente integrada nos modernos padrões de consumo de massas. toda a classe alta brasileira. Tipicamente. a controlar 50. fornecidos por classes mais baixas: 1.9% de toda a renda disponível no país. a maior parte dos americanos utiliza um sistema de cinco ou seis classes para descrever sua sociedade. O ³Primeiro Mundo´ vivido pela classe alta. 5. jardineiros de praças públicas. etc. Tais como os faxineiros. o ³Segundo Mundo´ das classes médias. 4. chegavam. o nível de educação e a ocupação daqueles que estão em idade economicamente ativa. É com base nessa constatação importante que se diz [carece de fontes] que no Brasil a sociedade é fraturada em três mundos. Composto por aqueles que prestam serviços aos que trabalham dentro dos escritórios. que não passam de uma imitação mais barata do ³primeiro mundo´ das classes altas. distribuição de classes no Brasil é distorcida pela desigualdade social. cabeleireiros mal-pagos. cozinheiros pouco qualificados. limpadores de rua. tais como os Office e Moto boys e faxineiros. os que prestam serviços a baixos preços às classes médias. Trabalhadores rurais de pequenas propriedades familiares. Composto por outros operadores industriais. O padrão de consumo da classe média também é muito beneficiado por serviços baratos. 4. 3. Se somarmos a esse contingente a parte mais rica da classe média brasileira. Estados Unidos. . em 1980. já que ambos não possuem renda. outros 10 % da população nacional. são essas as classes que são comumente identificadas na atual sociedade americana: Subúrbios americanos são frequentemente citados como redutos da classe média. mantidas em condições de pobreza e miséria. Composto por empregadas domésticas pouco qualificadas. ou seja. vendedores de lojas baratas. ou seja. e por fim temos o ³Terceiro Mundo´ das classes mais baixas. San Jose. pedreiros. Fora da distribuição de classes acima mencionada temos aqueles que estão desempregados ou aqueles que não possuem terras. os funcionários não-qualificados de escritórios. etc. os trabalhadores industriais menos (ou não) qualificados. 2. Os 10 % mais ricos da população nacional. Embora seja possível identificar dezenas de classes sociais nos Estados Unidos apenas fazendo o uso de tais critérios. longe de serem incluídas no mercado de consumo de massas. onde as características do próprio primeiro mundo aparecem extremadas. os funcionários não-qualificados do Estado.

em média.000 até US$32. aqueles que compõe essa classe são cerca de 15% da população americana (de acordo com os estudos de Thompson.[5] 4. De acordo com alguns estudiosos como Michael Zweig. No geral.000 anuais. além de não possuirem na diplomas de ensino superior. etc. Muitos só possuem o diploma de conclu do são colegial. é comum que fiquem no linear da pobreza. Classe Média (Middle Class) .500 anuais.[2] 2.000 até US$62.500 a US$150. diplomas. 1. Considerando sua renda média. Tem renda igual ou superior a US$ 200.000 anuais. essa classe pode chegar a representar a maioria da população americana e pode também ser chamada de "Classe média-baixa (Lower Middle Class). Aqueles com enorme influência. Possuem renda inferior a US$15. possuem uma renda que pode variar de US$32. A Classe Alta (Upper Class). Essa classe compõe cerca de 1% da população total do país e retêm em torno de um terço de todas as riquezas. . A Classe média-alta consiste dos chamados "profissionais do colarinho-branco" com alta qualificação (certificados. A Classe Média-Alta (Upper-Middle Class).000 anuais.[5] Famílias típicas dessa classe possuem. São profissionais de qualificação intermediária. renda dupla combinada (dois indivíduos trabalham) e portanto tem uma renda equivalente àqueles profissionais da classe média-alta (como os advogados).000 anuais. afetando a sensação de segurança no emprego. fato que resulta em uma alta taxa de satisfação em relação aos seus empregos. doutorados. Os trabalhadores dessa classe normalmente gozam de grande liberdade e autonomia no ambiente de trabalho. Perfazem cerca de 45% da população americana que não freqüentou o ensino superior. pós-doutorados. Membros desse grupo tem uma tremenda influência sobre as principais instituições do país. Classe Trabalhadora (Working Class). A transferência de empregos para países em desenvolvimento aparece como sendo o principal problema desse estrato social.[6] Ela inclui os chamados "profissionais de colarinho-azul" assim como alguns "colarinhos-brancos" que ganham salários relativamente baixos. Possuem renda que pode variar de US$15. Embora grande parte desses indivíduos possua emprego. Essa classe inclue os pobres e os membros sem instrução e marginalizados da sociedade americana. Sua renda varia de US$62.) e uma renda alta. podendo ou não possuir educação superior.13 Moradias improvisadas às margens de uma linha de trem de Los Angeles. cursos.[3][4] 3. 5. Classe Baixa (Lower Class). Hickey e Gilber). riqueza e prestígio.

etiqueta e comportamentos de elite. cultura significa a herança social e total da Humanidade. que significa cultivar) é um conceito de várias acepções. por exemplo. Assim. [5] Por ter sido fortemente associada ao conceito de civilização no século XVIII. a arte. comumente. sobretudo. as crenças. símbolos e práticas sociais artificiais (isto é. [3] Definições de cultura foram realizadas por Ralph Linton. a moral. como um todo. [9] Essa definição geral pode sofrer mudanças de acordo com a perspectiva teórica do sociólogo ou antropólogo em questão. sendo a mais corrente a definição genérica formulada por Edward B. Malinowski e outros cientistas sociais. comportamentos. sobretudo conforme a formulação de Tylor. hierarquização) entre ³cultura erudita´ e ³cultura 1. uma cultura singifica determinada variante da herança social. a cultura muitas vezes se confunde com noções de: desenvolvimento. podendo causar confusão quando se propõe uma reflexão mais aprofundada do que é cultura. [4] Em um estudo aprofundado. como termo específico. cultura. y y Agricultura ± acepção original do termo cultura. Alfred Kroeber e Clyde Kluckhohn encontraram pelo menos 167 definições diferentes para o termo cultura. eventualmente. como empregado por Varrão. na França e na Inglaterra dos séculos XVIII e XIX. os costumes e todos os outros hábitos e aptidões adquiridos pelo homem como membro da sociedade´. na língua latina. Essa confusão entre cultura e civilização foi comum. compõese de grande número de culturas.14 Índice y y y y 1 Principais conceitos 2 Mudança Cultural 3 Percepção e etnocentrismo 4 Cultura em animais Cultura Cultura (do latim colere. Principais conceitos Diversos sentidos da palavra variam consoante a aplicação em determinado ramo do conhecimento humano. a lei. como a música erudita européia (o termo alemão ³Kultur´ ± cultura ± se aproxima mais desta definição). cada uma das quais é característica de um certo grupo de indivíduos´ [10] Enquanto a definição de Tylor é muito genérica. seu antepassado etimológico tinha o sentido de ³agricultura´ (significado que a palavra mantém ainda hoje em determinados contextos). a altas formas de manifestação artística e/ou técnica da humanidade.Do ponto de vista das ciências sociais (isto é. [1] Em Roma. da sociologia e da antropologia). onde cultura se referia a um ideal de elite. Franz Boas. outras . a cultura é um conjunto de ideias. que se refere ao cultivo da terra para produção de espécies vegetais úteis ao consumo do homem. De acordo com Ralph Linton. Tylor. [2] Cultura é também associada. Clifford Geertz. ³como termo geral. bons costumes. [8] Ciências sociais . educação. não naturais ou biológicos) aprendidos de geração em geração por meio da vida em sociedade. Leslie White. segundo a qual cultura é ³aquele todo complexo que inclui o conhecimento. [6] Ela possibilitou o surgimento da dicotomia (e.

O homem só se torna homem porque vive no seio de um grupo cultural. ou seja. um sofá ou uma mesa não seriam ³cultura´) ± posição fortemente criticada por White. em algumas concepções de cultura. erudição. No dia-adia das sociedades civilizadas (especialmente a sociedade ocidental) e no vulgo costuma ser associada à aquisição de conhecimentos e práticas de vida reconhecidas como melhores. este sentido normalmente se associa ao que é também descrito como "alta cultura". em seus símbolos tais como padrões artísticos e mitos.). do fogo e de habitações. y y Filosofia . Segundo a definição pioneira de Edward Burnett Tylor. etc. cultura exclui os registros materiais dos homens como tais da classificação (ex. à qual os homens indistintamente devem se enquadrar). comportamentos (Kroeber) ou simbolização de comportamento. um conjunto de conhecimentos teóricos e práticos que se aprende e transmite aos contemporâneos e aos vindouros. em biologia uma cultura é normalmente uma criação especial de organismos (em geral microscópicos) para fins determinados (por exemplo: estudo de modos de vida bacterianos. e é empregado apenas no singular (não existem c lt ras. Por seu turno.). A cultura é o resultado dos modos como os diversos grupos humanos foram resolvendo os seus problemas ao longo da história. Dentro do contexto da filosofia. uma vez que a cultura simbólica é extremamente frágil. Cultura é criação. White). Essa forma de cultura (material) é preservada no tempo com mais facilidade. desenvolver longa pelagem e grossas camadas de gordura sob a pele para viver em ambientes mais frios ± ele simplesmente adaptouse com o uso de roupas. mais rápida do que uma possível evolução biológica. Em outras concepções (como onde cultura é entendida como conjunto de idéias). a partir de uma vivência e tradição comum. incluindo a cultura material (L. A evolução cultural é mais rápida do que a ¡ ¡ ¡ ¡ . arte. por exemplo. A cultura é um fator de humanização. escritos. a cultura é um conjunto de respostas para melhor satisfazer as necessidades e os desejos humanos. etc. A principal característica da cultura é o chamado mecanismo adaptativo: a capacidade de responder ao meio de acordo com mudança de hábitos.[11] Vale lembrar que. se apresentam como a identidade desse povo. sob a etnologia (ciência relativa especificamente do estudo da cultura) a cultura seria "o complexo que inclui conhecimento. superiores. Entretanto fala -se também em cultura material (por analogia a cultura simbólica) quando do estudo de produtos culturais concretos (obras de arte. A cultura é um sistema de símbolos compartilhados com que se interpreta a realidade e que conferem sentido à vida dos seres humanos. costumes e outras aptidões e hábitos adquiridos pelo homem como membro da sociedade". O uso de abstração é uma característica do que é cultura: os elementos culturais só existem na mente das pessoas. estudos microecológicos.15 definições são mais restritivas. O homem não só recebe a cultura dos seus antepassados como também cria elementos que a renovam. isto é. ferramentas. crenças. O homem não precisou. neste último sentido. Antropologia .esta ciência entende a cultura como o totalidade de padrões aprendidos e desenvolvidos pelo ser humano. Portanto corresponde. Os autores debatem se o termo se refere mais corretamente a idéias (Boas. Cultura é informação. sendo a cultura a forma como esse conjunto de fatores biológicos se apresentam nas sociedades humanas. seus costumes e tradições transmitidas de geração para geração que.cultura é o conjunto de manifestações humanas que contrastam com a natureza ou comportamento natural. Linton). leis. às formas de organização de um povo. o comportamento é apenas biológico. Malinowski. morais. apenas uma c lt ra ideal.

cidades e estados. daí a fixação em aldeamentos. no sentido de que somente modificações realmente proveitosas. reduzindo o esforço das novas gerações. Um exemplo de vantagem obtida através da cultura é o desenvolvimento do cultivo do solo. Traços se perdem. a falta de um destes elementos (por exemplo. outros se adicionam. O 'ambiente' exerce um papel fundamental sobre as mudanças culturais. interferir na escolha de membros para o governo ou na aplicação de leis. Modificações na maneira de produzir podem. em velocidades distintas nas diferentes sociedades." O que permite uma percepção cultural mais intensa é o contato com outras culturas. Como mecanismo adaptativo e cumulativo. serão adotadas evitando o esforço da sociedade em adotar. ao rejeitar a evolução biológica. As modificações trazidas por uma geração passam à geração seguinte. o aumento populacional é assim causa e conseqüência do avanço cultural . Há também a descoberta. Dois mecanismos básicos permitem a mudança cultural: a invenção ou introdução de novos conceitos. 2. que gerou novo problema: produzir alimento para uma população maior. e depois rejeitar um novo conceito. e que sejam por isso inevitáveis. Mudança Cultural A cultura é dinâmica. minimizando os efeitos de escassez de caça ou coleta. tende a encarar seus padrões culturais como os mais racionais e mais ajustados a uma boa vida. A mudança acarreta normalmente em resistência. Percepção e etnocentrismo O ser humano comum. 3. Desenvolvimentos técnicos ± facilitados pelo maior número de me tes pe sa tes ± permitem que essa dificuldade seja superada. a cultura sofre mudanças. a supressão de um aspecto da cultura) causaria o mesmo efeito de uma amputação ou defeito físico. a alteração mínima de somente um deles pode ocasionar efeitos em todos os outros. Além disso a cultura é também um mecanismo cumulativo. A resistência à mudança representa uma vantagem. A agricultura também permitiu o crescimento populacional de maneira acentuada. Quando muito. talvez ainda pior. de modo que a cultura transforma-se perdendo e incorporando aspectos mais adequados à sobrevivência. Visto que os aspectos da vida cultural estão ligados entre si. ¢ ¢ ¢ .16 biológica. percebe algo que é inadequado e que "poderia ser de outra forma. a agricultura. imerso em sua própria cultura. e a difusão de conceitos a partir de outras culturas. embora não único: os homens mudam sua maneira de encarar o mundo tanto por contingências ambientais quanto por transformações da consciência social. pois esta age em substituição a elementos que constituiriam o ser humano. o homem torna-se dependente da cultura. Com ela o homem pôde ter maior controle sobre o fornecimento de alimentos. mas por sua vez induzem a um novo aumento da população. por exemplo. que é um tipo de mudança cultural originado pela revelação de algo desconhecido pela própria sociedade e que ela decide adotar. No entanto. Também pôde abandonar o nomadismo.

os chimpanzés apresentam comportamentos diferentes conforme as sociedades estudadas. [12] A técnica de produção de ferramentas. Os estudiosos da cultura utilizam o chamado relativismo cultural contra o etnocentrismo: consideram cada aspecto cultural em relação à cultura estudada. especialmente primatas). É possível. Kathy Schick e Nichobs Tolh. etc. dentro de algumas concepções de cultura. Portanto. a despeito de prejudicar o entendimento e relação com outras culturas. já que não existem critérios objetivos para realizar esta diferenciação. na opinião de alguns cientistas. percebem-se diferenças na forma como a cultura existe entre os primatas. A grande diferença. No entanto. a tendência é rejeitar a outra cultura como inferior.). De acordo com Andrew Whiten. É consenso entre os antropólogos que caracterizar culturas entre ³superiores´ e ³inferiores´ é uma impropriedade científica. isto é. o Chimpanzé é um primata que possui cultura. suficiente para afirmar que primatas possuem cultura. 4. a diferença entre a cultura humana e a cultura dos primatas deve ser entendida em outros termos. É comprovado. além de sua forma de uso. os chimpanzés possuem um rico repertório de ferramentas (clavas. por exemplo. O processo de difusão da cultura entre primatas ainda está sendo estudado. identificar uma "espécie de cultura" em alguns animais superiores. os primatas não somam inovações tecnológicas para produzir produtos tecnologicamente mais complexos. O famoso ³grooming´. e não em relação à sua própria cultura. perfuradores.[13] A existência da produção de cultura material e transmissão desta cultura socialmente é.17 Mas. que diferentes sociedades de chimpanzés apresentam formas de vocalização únicas às suas populações. especialmente mamíferos (e dentro destes. é ensinada de geração em geração entre os chimpanzés. também. uma vez que se dá este contato. é que entre os primatas não ocorre o chamado efeito catraca. como inatural. entre essas duas manifestações culturais. do ponto de vista antropológico. serve justamente para preservar a identidade de uma cultura frente à possível difusão de preceitos de outras culturas. É o chamado etnocentrismo. é diferente de sociedade para sociedade. [14] Além da produção de ferramentas. Cultura em animais de acordo com a definição de cultura de Tylor. uma barreira que. enquanto sujeitos formados dentro de outro sistema de valores. Algo semelhante ocorre com os primatas Bonobos. .

dificilmente se tornam itens da cultura popular. pelo contrário.1. é o resultado de acabou. cultura de massa ou cultura pop é a cultura vernacular .3 A evolução progressiva 3.1 Teorias Tradicionais o 3. Cultura Popular ou Cultura Pop é a cultura vernacular . formam-se correntes. . na medida em que um pequeno grupo de indivíduos terá maior interesse numa área da qual a cultura popular mais generalizada se percebe apenas parcialmente a existencia. O conteúdo da cultura popular é determinado em grande parte pelas indústrias que disseminam o material cultural.20 Cultura popular Cultura popular.1 A sociedade de massas o 3. do povo. Os itens culturais que requerem grande experiência.2 A indústria da cultura o 3.isto é. como por exemplo as indústrias do cinema. televisão e editorais.1. treino ou reflexão para serem apreciados.1 Vestígios da teoria da indústria da cultura y 4 A cultura popular 1.2. Índice y 1 Características y 2 Fontes y 2. Dentro da cultura popular.isto é. Características A cultura popular está constantemente mudando e é específica quanto ao local e ao tempo. bem como os meios de comunicação.2 Estudos contemporâneos o 3.1 Feedback y 3 Estudos y y 3. No entanto. do povo que existe numa sociedade moderna.1. a cultura popular não pode ser descrita como o produto conjunto dessas indústrias. Uma opinião amplamente sustentada é a de que a cultura popular tende a ser superficial.

Esse facto gera frequenteme nte um feedback. Por outro lado. escritores de guiões . tal como sempre aconteceu.2. usualmente. existindo. tais como o modo como se dissemina ou que características são necessárias para que um item em particular se torne parte da cultura popular. sendo modificadas no processo. Entre elas. televisão. Por outro lado. conhecidas por mitos urbanos. 3. Tanto os factos académicos como as histórias das notícias são modificadas por transmissão folclórica. muito diferente da primeira.por exemplo. as quais se espalham pela população de boca em boca.e ao mencionar a banda num dos episódios da série propagaram a fama deste grupo para milhões de outros indivíduos. encontram-se a indústria da música popular. É alimentada principalmente à custa das indústrias que têm lucros a inventar e promover material cultural. bem como as comunidades científicas e académicas. Por isso digo isso sobre as culturas populares. em forma de anedotas ou de calão. Por sua vez. Um exemplo mais inocente será o dos escritores dos guiões da série de desenhos animados Os Simpsons terem tido conhecimento da banda de música Kraftwerk pela boca de amigos e conhecidos . Fontes 21 A cultura de massa tem múltiplas origens. no mundo pré-industrial. eventualmente de forma exagerada. Por exemplo. Este ponto forma outro ingrediente da cultura de massa. Estas incluem os media de notícias. Apesar de ser repetidamente mortificado pelos abastecedores de cultura comercial. as crenças e opiniões acerca dos produtos da cultura comercial são espalhados de boca em boca. Uma fonte diferente de cultura popular são as comunidades profissionais que providenciam fatos ao público.leia-se. na realidade. levanta uma série de questões importantes e interessantes. os estereotipos sobre os homossexuais presentes na cultura popular podem ter uma influência importante nos filmes com personagens homossexuais. bem como editoras de livros e jogos de computador. cinema e televisão comercial . seja. frequentemente acompanhados por interpretação. tal e qual como o folclore. . o público tem os seus próprios gostos e nem sempre são previsíveis quais os itens culturais a ele vendidos que obterão sucesso. é o elemento folclórico. uma cultura folclórica. O trabalho de cientistas e académicos é usualmente minado pelos media de notícias e é transmitido ao público com ênfase em pseudofactos com poder para impressionar ou outros itens com atração inerente. obviamente. 2. rádio. cinema.são. na medida em que a porção folclórica da cultura popular serve como uma alimentação da porção comercial. a cultura de massa como hoje é entendida não existia. Esta camada anterior de cultura ainda persiste na nossa sociedade. sendo por vezes transformadas em perfeitas falsidades. isto pode originar um feedback.1 Feedback Os trabalhadores criativos na música. Estudos Embora a cultura popular não seja particularmente prestigiosa. no entanto. propagando os estereotipos. muitos dos mitos urbanos não têm nenhuma origem factual e foram simplesmente inventados por diversão. são. eles próprios membros de uma sociedade cultural. por exemplo. Uma segunda fonte da Cultura Popular. folcloricamente . Inclusivamente. membros totalmente inseridos naquela.

como foi o caso dos EUA e Inglaterra. O modelo capitalista de cultura procurou meios para lucrar com uma cultura que ultrapassasse as fronteiras e atingisse o mundo. o desenvolvimento de um complexo sistema de comunicação internacional e o crescimento dos movimentos políticos das massas. sendo uma expressão autêntica das necessidades do povo.2 Estudos contemporâneos 3. a cultura popular não ameaça a alta cultura. diametralmente oposta à teoria aristocrática. Ao longo do século XX. tais como Theodor W. Como escreve Swingewood (1977). pura e desinteressada da cultura de massa comercializada. Nesse tipo de sociedade. como a família e a religião. Nesta visão. A sociedade prevista por Ortega y Gasset. 3. é denominada frequentemente por evolucionismo progressivo e é mais optismista. Max Horkheimer e Herbert Marcuse.1. a organização industrial em larga escala.1 Teorias Tradicionais 3. a arte só consegue sobreviver se conseguir cortar as suas ligações com as massas. É geralm ente considerada como uma combinação de estudos de comunicação com estudos culturais. através da especialização em tarefas. Segundo estes autores. isso com a ajuda da tecnologia em franco £ £ . neste caso não existe a questão da dominação da cultura. a teoria da indústria da cultura foi desenvolvida pelos teóricos da Escola de Frankfurt. a concentração de populações urbanas. a centralização crescente do poder de decisão. este tipo de teoria foi utilizada para distinguir a arte autónoma.1. Eliot e outros autores é uma dominada por massas filistinas. as massas são dominadas por uma indústria de cultura que obedece somente à lógica do capitalismo. 3. 3. influenciada pela ideologia liberal pluralista.1 A sociedade de massas A sociedade de massas formou-se durante o processo da industrialização do século XIX. Adorno. S. Alan Swingewood escreveu em O Mito da C lt ra de Massa (1977) que a teoria aristocrática da sociedade de massas está ligada à crise moral causada pelo enfraquecimento dos centros tradicionais de autoridade.2.1 Vestígios da teoria da indústria da cultura Surge com a chegada da burguesia ao poder em alguns países capitalistas.2 A indúst ia da cultura À primeira vista.22 Os estudos de cultura popular são uma disciplina académica que estuda a cultura popular. sem centros ou hierarquias de autoridade moral ou cultural.3 A evolução progressiva Uma terceira teoria acerca da cultura popular. expansão do tempo de lazer e álbuns de música e livros baratos. T.1. refugiando-se nos valores ameaçados. 3. As discussões académicas sobre a cultura popular iniciaram-se mal se formou a sociedade de massas contemporânea e os trabalhos inicialmente desenvolvidos sobre cultura popular ainda influenciam os contemporâneos. Encara a economia capitalista como a criação de oportunidades para que qualquer indivíduo possa participar numa cultura completamente democratizada pela educação em massa.

sobretudo na universidade. Em outras palavras. Brown e Barnett). Desde que os homens deixaram a caça e a colheita como modo de subsistência. e como nós devemos pensar e agir. o agrupamento de indivíduos. ou seja. e constantemente ficaríamos incertos às prováveis reações dos outros. o que se espera que façamos. por uma série de direitos e deveres. composta de status.23 desenvolvimento (imprensa. Embora a realidade social não tenha a organização de uma colméia. a estrutura social refere-se à colocação e à posição de indivíduos e de grupos dentro desse sistema. aceitos e praticados entre si. No entanto em termos sociológicos existem grupos sociais que mantêm entre si relações de dominação e de subordinação. não saberíamos como agir. ou estruturas. pesquisa para se obter o conhecimento. portanto não é viavel a uma maioria. por um lado.É uma cultura em que a sociedade valoriza como superior ou dominante. . constitui a estrutura social de uma sociedade (Cf. Esta exige estudo. um sentido para o lugar ao qual pertencemos. A cultura erudita está ligada à elite. se não o fosse. Cultura erudita Cultura erudita é a produção acadêmica centrada no sistema educacional. impondo assim uma cultura massificada para diversos povos com culturas distintas. em um sistema de posições interligadas. que dá a cada um de nós. Trata-se de uma cultura produzida por uma minoria de intelectuais das mais diversas especialidades. está subordinada ao capital pelo fator de viabilizar esta cultura. eles nunca mais alcançaram o mesmo equilíbrio entre a liberdade e a autonomia. Estrutura social é. e geralmente saídos dos segmentos superiores da classe média e da classe alta. cinema). A realidade social revela padrões. A vida social é um constante cabo-de-guerra entre o nosso desejo de ser livre e a nossa necessidade de ser parte da estrutura social. o mundo social é o caos. e a ordem e a estabilidade por outro lado. e sim a uma classe social que por sua vez possui condições para investir nesses aspectos e em fim obter o conhecimento. Sem estrutura. Estrutura social Partindo da constatação de que os membros e os grupos de uma sociedade são unidos por um sistema de relações de obrigação. definitivamente. ela não deixa de ser organizada. de acordo com as posições que resultam dos padrões essenciais de relações de obrigação. televisão. rádio. que é o lugar que ocupamos. isto é.