P. 1
07 juizes

07 juizes

|Views: 196|Likes:
Publicado porBetoKG
comentário bíblico adventista
comentário bíblico adventista

More info:

Published by: BetoKG on May 21, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/21/2011

pdf

text

original

Sections

JUÍZES

VOLTAR
INTRODUÇÃO 1. Título. O livro dos Juizes recebe seu nome dos títulos de quem governou a Israel depois da morte do Josué. Moisés, ao dar instruções respeito do governo dos israelitas depois de seu estabelecimento no Canaán, havia ordenado: "Juizes e oficiais porá em todas suas cidades que Jehová seu Deus dará-te em suas tribos" (Deut. 16: 18). portanto, quando Moisés já não vivia para exercer as funções legislativas, nem Josué para desempenhar as executivas, nomearam-se juizes que constituíram a autoridade civil mais elevada do país. O livro dos Juizes é a história do período que seguiu imediatamente à morte do Josué. Nesse período a autoridade governamental do Israel esteve em mãos dos juizes. As pessoas que deram o nome a este livro cumpriram uma função maior que as funções civis dos juizes estipuladas na lei mosaica. Na maioria dos casos, os juizes foram chamados a realizar seu grande obra diretamente por nomeação divina (caps. 3: 15; 4: 6; 6: 12; etc.), e entraram nela mais como libertadores da opressão estrangeira que como governantes civis. Na verdade, a mesma necessidade de sua chamada e seus grandes façanhas surgiram por causa da anarquia que fazia que todos os procedimentos comuns fossem ineficazes contra a apostasia e opressão prevalecentes. Os mais ilustres de entre eles foram heróis nacionais mais bem que líderes civis ou religiosos. "Generais" ou "chefes", provavelmente seria um título mais exato, pois realizaram façanhas principalmente militares. Sem embargo, depois de que cada juiz "liberou" ao povo, governou-o durante o resto de sua vida. Daí que o nome Juizes parecesse o mais apropriado para o livro quando foi escrito. Séculos mais tarde em Cartago, cujo povo tinha o mesma origem racial e lingüística que os hebreus, um governante político também era conhecido como "juiz", sufet (Heb. shafat). 2. Autor. Não se sabe quem escreveu o livro dos Juizes. Segundo a antiga tradição feijão, seu autor foi Samuel (veja o Talmud babilônico, Baba Bathra 14b, 15a). É óbvio que isto é uma conjetura, e embora concorde com muitos dos feitos, outros fatores parecem não dar base para este ponto de vista. Um dito favorito do autor do livro dos Juizes é: "Naqueles dias não havia rei no Israel; cada um fazia o que bem lhe parecia" (caps. 17: 6; 21: 25; cf. caps. 18: 1; 19: 1). acredita-se que isto pode sugerir que o autor poderia haver estado a favor de um rei, como se houvesse dito na verdade: "Tais coisas não teriam sido toleradas, mas nesse tempo não havia rei no Israel para manter a ordem, e todos podiam fazer o que lhes desejava muito". 302 Posto que Samuel opunha-se à idéia de um rei para o Israel, alguns pensaram que é improvável que ele fora o autor de sortes palavras. As provas internas assinalam possíveis limites de tempo dentro dos quais se

aqueles dias não havia rei no Israel" (cap. 17: 6), indica que o livro foi escrito depois da instituição da monarquia com o Saúl. Por outra parte, há evidências de que deve ter sido escrito antes do reinado do David, ou por o menos a começos de seu reinado. O cap. 1: 21 anota que os jebuseos não tinham sido expulsos de Jerusalém, mas sim ali viviam com os filhos de Benjamim "até hoje". A história bíblica nos indica que os jebuseos permaneceram em posse de Jerusalém, ou pelo menos da cidadela do Sion, até quando a cidade foi capturada pelo David depois de concluir seu reinado de sete anos no Hebrón (2 Sam. 5: 6-9; 1 Crón. 11: 4-9). portanto, o livro dos Juizes possivelmente foi escrito durante os primeiros sete anos do reinado do David antes de que capturasse a Jerusalém. 3. Marco histórico. Embora seja impossível fixar com exatidão o tempo justo no suceder histórico do Próximo Oriente quando ocorreram os sucessos registrados no livro de os Juizes, não seria muito errado dizer que o livro abrange o período desde 1400 a 1050 AC. O tempo exato não poderá ser determinado com precisão enquanto não fixe-se definitivamente a data do êxodo, e atualmente não existem suficientes dados históricos que nos capacitem para decidir com certeza absoluta entre as teorias em conflito. Para mais comentário sobre este ponto ver T. I, págs. 198-206; T. II, págs. 120-122. As tabuletas da Amarna e outras inscrições revelam que os cananeos, que mantinham a posse da terra, estabeleceram-se ali durante séculos antes da invasão dos hebreus. Sua civilização datava de muito tempo, e sob a influência dos grandes impérios da Mesopotamia e Egito havia alcançado um grau considerável de desenvolvimento. A gente estava organizada baixo governantes subordinados que obedeciam ao faraó. Mas apesar disto lutavam constantemente entre si, e assim chegaram a ser peritos na arte de a guerra. Entretanto, frente a um perigo comum se uniam mais ou menos sob um caudilho. Suas cidades fortificadas os protegiam nas colinas e seus carros de ferro os faziam temíveis nos vales, o qual se aprecia pelos restos materiais de sua civilização que desenterraram os arqueólogos. A arte e a arquitetura parecem demonstrar que houve uma decadência imediata e marcada depois da invasão dos hebreus. Entretanto, na esfera das verdades espirituais, e portanto na moral e a filosofia da vida, os hebreus demonstraram grande superioridade sobre os habitantes aborígenes. Os cananeos eram conhecidos em todo o Próximo Oriente como mercados e comerciantes (mais tarde no hebreu a palavra cananeo chegou a significar "mercado"), mas também eram peritos em agricultura. Por não ter suficiente fé em Deus, os israelitas não puderam expulsar aos cananeos, de maneira que se conformaram a viver junto a eles depois dos primeiros anos de guerra. Durante todo este período os hebreus não constituíram uma nação solidamente unida. Às vezes duas ou três tribos puderam formar uma aliança temporária contra um inimigo comum. O canto da Débora do cap. 5 de Juizes mostra que até em tempo de grande perigo era impossível unir a todas as tribos em uma confederação. A luta entre as tribos era o bastante comum (caps. 8: 1-3; 12: 1-6; 20: 1-48). Isto se deveu em parte para a falta de comunicação e intercâmbio entre as tribos por causa das cadeias de fortalezas cananeas que dividiam a terra. Com bastante rapidez os recém chegados começaram a aprender os métodos de 303 agricultura dos habitantes mais antigos, porque os hebreus tinham sido principalmente nômades até então. A religião cananea girava em volto de ritos para assegurar a fertilidade do chão. Havia muitas festividades em honra de deidades agrícolas pelas ricas colheitas que tinham concedido. Ao adotar os métodos agrícolas do país, muitos dos hebreus foram induzidos

4. Tema. Este libero relata as vicissitudes do povo hebreu no período que seguiu a a morte do Josué até o tempo do Samuel, em cujos dias surgiu a monarquia. Em um sentido especial, Josué tinha sido escolhido para levar a cabo e completar o programa iniciado pelo Moisés. Quando Josué morreu, os israelitas -privados tanto da direção autorizada do Moisés como da experiência executiva do Josué- entraram em um período de direção independente e trataram de consolidar a pátria recém ganha. antes desta época, a existência dos hebreus tinha flutuado entre o desassossego e o movimento. Primeiro, padeceram escravidão; logo, uma peregrinação prolongada no deserto, e finalmente as penúrias do acampamento e a conquista. O livro do Josué, que é principalmente uma biografia desse grande dirigente, relata as fases finais dessa conquista. O livro de os Juizes apresenta o próximo passo na história dos israelitas, e os mostra enfrentando-se ao desafio da transição de um povo migratório e pastoril a uma nação estabelecida e agrícola. Ao abrir o livro nos achamos em uma atmosfera de ardor bélico. Lemos aproxima de preparativos militares à medida que as tribos começam a dispersar-se depois das campanhas unidas sob o mando do Josué. Se reúnen conselhos de guerra, e logo se ouça o choque das armas ao subir as tribos do vale do Jordão para tomar posse dos distritos que lhes havia meio doido em sorte conquistar. Uma batalha segue a outra. Os carros de ferro avançam velozmente pelos vales; as costas estão arrepiadas de homens armados. As canções são de luta e conquista; os grandes heróis são os que ferem os inimigos do Israel no "quadril" e o "coxa" (Juec. 15: 8). Embora os hebreus obtêm conquistar a região montanhosa não podem jogar aos cananeos das planícies. Quando se apagou o fragor da batalha, os cananeos ainda retinham a posse de uma larga cadeia de cidades fortificadas que corriam do oriente até o ocidente, do monte Fere através do Ajalón, Saalbim, Gabaón, Beerot, Quiriat-jearim, e Jerusalém. Mais para o norte, Isacar, Zabulón, Aser e Neftalí ficaram separadas das tribos da Canaán central por outra barreira de fortalezas desde mar através do Dor, Haroset-goim, Meguido, Taanac e Ibleam, até o rio Jordão. O rico vale do Jezreel que conduzia até Jordão, passando pela fortaleza do Bet-seán, estava ainda em mãos dos cananeos. Estas duas cadeias de fortalezas cortavam o país e faziam que fossem virtualmente impossíveis a comunicação e a unidade entre as tribos. Isoladas como estavam uma de outra por estas cidades sem conquistar, as tribos hebréias ficavam expostas ao ataque, e só com dificuldade podiam formar confederações parciais contra seus inimigos a fim de aferrar-se aos centros que tinham conquistado em meio de uma população hostil. As constantes invasões de outros povos trouxeram luta e opressão às tribos hebréias. Do nordeste chegaram invasores mesopotámicos; do sudeste, os moabitas; do este, madianitas e amonitas; e do sudoeste, os filisteus. Posto que a apostasia e idolatria tinham debilitado os vínculos de unidade nacional que tinha forjado a lealdade a sua religião, os hebreus foram incapazes de resistir estes ataques. Entretanto, os sofrimentos da escravidão produziam arrependimento 304 e faziam que a gente voltasse uma vez mais ao culto do Senhor. Logo, compadecido deles, Deus suscitava um libertador ou "juiz", que quebrantava o jugo da opressão e julgava ao povo até sua morte. Este é o tema do livro. O tema principal que expõe o autor de Juizes é que o pecado e a apostasia da verdadeira religião atraem sobre um povo o desagrado de Deus. A fim de

só podem ser evitados mediante um arrependimento genuíno e um retorno a Deus. Quando há um verdadeiro arrependimento, Deus suscita a pessoas ou circunstâncias que trazem liberação e alívio. A história deste período se registrou em um marco que apresenta as seguintes grandes proposições: a retidão exalta a nação, mas o pecado é a ofensa de qualquer povo; os maus companheiros arruínam as boas intenções e a preparação; a degeneração moral sempre traz consigo debilidade nacional; os assuntos do povo escolhido, Israel, estavam sob o cuidado imediato da Providência; o pecado nacional atrai o castigo divino; o propósito do Senhor é que o castigo que acompanha o pecado seja educativo, não vingativo; retira-se o justo castigo quando este produz o arrependimento sincero; a liberação nunca provém de esforços humanos sem ajuda, mas sim da fortaleza e o entusiasmo inspirados pelo Espírito de Deus. Estes princípios do governo de Deus explicam -conforme diz o autor as alternativas de apostasia e servidão, arrependimento e liberação que caracterizam a história deste período. Estas vicissitudes, tão admiravelmente ilustradas pelo autor nos relatos que referiu, elevam o livro dos Juizes do nível das narrações históricas à posição de uma filosofia sagrada da história. EI autor inspirado do livro se preocupou mais de assinalar as lições que deviam aprender-se da história que registrava que da história mesma. Até uma leitura superficial do livro dos juizes revela que o propósito do autor era demonstrar que a mão de Deus se manifestava nos sucessos que aconteceram aos israelitas em sua nova pátria. O resultado estava sob o controle de Deus, e ele guiava as vicissitudes que aconteceram ao povo de tal maneira que aprendesse por experiência que sua única felicidade e segurança dependiam de servir ao Senhor. Um tema secundário do livro é que as aflições do Israel se deveram em grande medida à má influência de seus vizinhos pagãos. Algum poderia perguntar, se os idólatras habitantes da terra foram os instrumentos que fizeram cair aos hebreus na tentação, por que Deus não expulsou aos cananeos e amorreos e evitou assim a apostasia de seu povo. O autor oferece evidentemente uma resposta a esta objeção em uma seção do livro (cap. 3: 1-4). Aqui declara que o Senhor reconhece o valor das dificuldades na formação do caráter; por esta razão, deixou aos cananeos na terra para provar se o Israel lhe serviria. Um propósito adicional do autor foi descrever como, sob a direção e bênção de Deus, várias tribos pequenas puderam estabelecer-se permanentemente em uma terra estranha e hostil; como adquiriram fama seus heróis; e como, em meio de diversos interesses e influências modeladoras, a lealdade a seu único Deus evitou que fossem absorvidas por outros povos. O livro dos Juizes se divide em cinco seções bem definidas. Começa com um prefácio histórico general (caps. 1: 1 a 2: 5) ou visão da conquista parcial da terra depois que teve sido repartida entre as diferentes tribos pelo Josué. As tribos se apoderaram sozinhas de sua herança particular, ou às vezes várias delas se uniram quando se viram frente a uma forte resistência. Apesar de seus esforços, os israelitas só obtiveram um êxito parcial em seu propósito de tomar posse das 305 porções das terras que lhes atribuíram. O autor apresenta a narração de tal maneira que demonstre que o fracasso do povo se deveu a sua falta de confiança no Senhor e de fidelidade para com ele. Desta maneira informa ao leitor a respeito de a base de todas as dificuldades subseqüentes do Israel, e de por que se permitiu que os cananeos permanecessem na terra. As relações do Israel com os cananeos que ficaram formam o marco de fundo da história dos seguintes capítulos e explicam por que foram necessários os juizes. A este bosquejo histórico segue uma segunda introdução (caps. 2: 6 a 3: 6), cujo objeto é mostrar como a apostasia religiosa que seguiu à morte de

castigo divino; mas quando se arrependeu, o Senhor lhe enviou liberação por meio de juizes sucessivos. Tendo exposto seu tema, o autor procede então a relatar a história de as tribos baixo 12 juizes (caps. 3: 7 a 16: 31). É uma história de pecado que repete-se vez detrás vez, e da graça divina, que oferece sempre novos médios de liberação. relatam-se com amplitude as façanhas heróicas de seis desses libertadores, e de outros seis meramente se mencionam com breves detalhes. O episódio das usurpações do Abimelec se expõe com mais amplitude para acautelar ao povo do perigo de escolher um monarca que não cumprisse com as especificações divinas (ver Deut. 17: 15). O livro termina com dois apêndices. Ambos descrevem sucessos que ocorreram em a primeira parte do período de losjueces. O primeiro (caps. 17 e 18) relata a idolatria da Micaía e do santuário setentrional que albergou suas imagens na tribo de Dão até a morte do Elí; o segundo apêndice (caps. 19 aos 21) registra o vil ato dos benjamitas do Gabaón e a vingança infligida sobre essa tribo pelas outras tribos. Finaliza com um relato das providências tomadas para salvar à tribo de Benjamim da extinção depois de que fora virtualmente extirpada por ter apoiado aos gabaonitas culpados. 5. Bosquejo. I. Prefácio histórico general: a situação quando começa a história, 1: 1 a 2: 5. A. As tribos procuram consolidar os territórios que lhes atribuíram na Palestina,

1: 1-36. 1. Judá e os lhes jante, 1: 1-20. 2. Benjamim, 1: 21. 3. Manasés e Efraín, 1: 22-29. 4. Zabulón, 1: 30. 5. Aser, 1: 31, 32. 6. Neftalí, 1: 33. 7. Dão (no sul), 1: 34-36. B. A razão de seu fracasso, 2: 1-5. II. Introdução temática: resumo do autor ou interpretação da história hebréia durante

este período, 2: 6 a 3: 6. A. Prólogo histórico que se relaciona com o livro do Josué, 2: 6-10. B. A interpretação que faz o autor da história que agora

2: 11 a 3: 6. III. A história dos juizes, 3: 7 a 16: 31. A. Otoniel quebranta a opressão de invasores do nordeste (Mesopotamia), 3:7-11. B. Aod libera dos invasores do sudeste (moabitas), 3: 12-30. C. Samgar. 3: 31. 306 D. Débora e Barac liberam da opressão dos cananeos do norte, 4: 1 a 5: 31. E. Gedeón, 6: 1 a 8: 32. 1 a 8: 21. 1. Rechaço de uma invasão dos madianitas do este, 6: 2. Sucessos seguintes da carreira do Gedeón, 8: 22-32. F. A usurpação do Abimelec, filho do Gedeón, 8: 33 a 9: 57. G. Tola, 10: 1, 2. H. Jair, 10: 3-5. I. Jefté, 10: 6 a 12: 7. 1. Destrói a invasão amonita do este, 10: 6 a 11: 33. 2. Sacrifica a sua filha, 11: 34-40. 3. Luta entre tribos enquanto Jefté é juiz, 12: 1-7. J. Ibzán, 12: 8-10. K. Elón, 12: 11, 12. L. Abdón, 12: 13-15. M. Nascimento e aventuras do Sansón, 13: 1 a 16: 31. IV. Um dobro apêndice: Dois sucessos que ocorreram durante o período dos juizes,

17: 1 a 21: 25. A. Origem da idolatria da Micaía e do santuário de seus ídolos em Dão (ao norte),

17: 1 a 18: 31. 1. A feitura de imagens, 17: 1-6.

2. Um levita renegado chega a ser sacerdote, 17: 7-13. 3. A transferência das imagens a Dão (Lais) mediante a migração de

os danitas, 18: 1-31. 19:1 B. Uma ação perversa dos benjamitas e suas terríveis conseqüências,

a 21:25. 1. Os benjamitas da Gabaa abusam da concubina de um levita e lhe causam

a morte, 19: 1-28. 2. O castigo do povo de Benjamim de parte das outras tribos, 19: 29 a

20: 48. 3. O método para livrar do juramento das tribos, de maneira que a de

Benjamim pudesse ser preservada da extinção, 21: 1-25. CAPÍTULO 1 1 Os fatos do Judá e Simeón. 4 Derrota e morte do Adoni-bezec. 8 Tira de Jerusalém. 10 Tira do Hebrón. 11 Otoniel recebe a Acsa como esposa por haver tomado a cidade do Debir. 16 Os filhos do ceneo moram no Judá. 17 Tira de Fôrma, Gaza, Ascalón e Ecrón. 21 Os fatos de Benjamim. 22 Da casa do José, que conquista Bet-o. 30 Do Zabulón. 31 Do Aser. 33 Do Neftalí. 34 De Dão. 1 ACONTECIO depois da morte do Josué, que os filhos do Israel consultaram ao Jehová, dizendo: Quem de nós subirá primeiro a brigar contra os cananeos? 2 E Jehová respondeu: Judá subirá; hei aqui que eu entreguei a terra em seus mãos. 3 E Judá disse ao Simeón seu irmão: Sobe comigo ao território que me há adjudicado, e briguemos contra o cananeo, e eu também irei contigo ao teu. E Simeón foi com ele. 4 E subiu Judá, e Jehová entregou em suas mãos ao cananeo e ao ferezeo; e feriram deles no Bezec a dez mil homens. 5 E acharam ao Adoni-bezec no Bezec, e brigaram contra ele; e derrotaram ao cananeo e ao ferezeo.

6 Mas Adoni-bezec fugiu; e lhe seguiram e 307 lhe prenderam, e lhe cortaram os polegares das mãos e dos pés. 7 Então disse Adoni-bezec: Setenta reis, cortados os polegares de suas mãos e de seus pés, recolhiam as migalhas debaixo de minha mesa; como eu fiz, assim me há pago Deus. E lhe levaram a Jerusalém, onde morreu. 8 E combateram os filhos do Judá a Jerusalém e tomaram, e passaram a seus habitantes a fio de espada e puseram fogo à cidade. 9 Depois os filhos do Judá descenderam para brigar contra o cananeo que habitava nas montanhas, no Neguev, e nos planos. 10 E partiu Judá contra o cananeo que habitava no Hebrón, a qual se chamava antes Quiriat-arba; e feriram o Sesai, ao Ahimán e ao Talmai. 11 dali foi aos que habitavam no Debir, que antes se chamava Quiriat-sefer. 12 E disse Caleb: que atacar ao Quiriat-sefer e tomar, eu lhe darei meu Acsa filha por mulher. 13 E tomou Otoniel filho do Cenaz, irmão menor do Caleb; e lhe deu seu Acsa filha por mulher. 14 E quando ela se ia com ele, persuadiu-a que pedisse a seu pai um campo. E ela se desceu do asno, e Caleb lhe disse: O que tem? 15 Então lhe respondeu: me conceda um dom; posto que me deste terra do Neguev, me dê também fontes de águas. Então Caleb lhe deu as fontes de acima e as fontes de abaixo. 16 E os filhos do ceneo, sogro do Moisés, subiram da cidade das palmeiras com os filhos do Judá ao deserto do Judá, que está no Neguev perto de Arem; e foram e habitaram com o povo. 17 E foi Judá com seu irmão Simeón, e derrotaram ao cananeo que habitava em Sefat, e a assolaram; e puseram por nomeie à cidade, Fôrma. 18 Tomou também Judá a Gaza com seu território, Ascalón com seu território e Ecrón com seu território. 19 E Jehová estava com o Judá, quem jogou nos das montanhas; mas não pôde jogar nos que habitavam nos planos, os quais tinham carros ferrados. 20 E deram Hebrón ao Caleb, como Moisés havia dito; e ele arrojou dali aos três filhos do Anac. 21 Mas ao jebuseo que habitava em Jerusalém não o arrojaram os filhos de Benjamim, e o Jebuseo habitou com os filhos de Benjamim em Jerusalém até hoje. 22 Também a casa do José subiu contra Bet-o; e Jehová estava com eles. 23 E a casa do José pôs espiões no Bet-o, cidade que antes se chamava Luz. 24 E os que espiavam viram um homem que saía da cidade, e lhe disseram: nos mostre agora a entrada da cidade, e faremos contigo misericórdia. 25 E ele lhes mostrou a entrada à cidade, e a feriram fio de espada; mas deixaram ir a aquele homem com toda sua família.

chamou Luz; e este é seu nome até hoje. 27 Tampouco Manasés jogou nos do Betseán, nem aos de suas aldeias, nem aos de Taanac e suas aldeias, nem aos do Dor e suas aldeias, nem aos habitantes de Ibleam e suas aldeias, nem aos que habitam no Meguido e em suas aldeias; e o cananeo persistia em habitar naquela terra. 28 Mas quando o Israel se sentiu forte fez ao cananeo tributário, mas não o arrojou. 29 Tampouco Efraín jogou no cananeo que habitava no Gezer, mas sim habitou o cananeo em meio deles no Gezer. 30 Tampouco Zabulón jogou nos que habitavam no Quitrón, nem aos que habitavam no Naalal, mas sim o cananeo habitou em meio dele, e foi tributário. 31 Tampouco Aser jogou nos que habitavam no Aco, nem aos que habitavam em Sidón, no Ahlab, no Aczib, na Helba, no Afec e no Rehob. 32 E morou Aser entre os cananeos que habitavam na terra; pois não os arrojou. 33 Tampouco Neftalí jogou nos que habitavam no Bet-semes, nem aos que habitavam no Bet-anat, mas sim morou entre os cananeos que habitavam na terra; mas lhe foram tributários os moradores do Bet-semes e os moradores de Bet-anat. 34 Os amorreos acossaram aos filhos de Dão até o monte, e não os deixaram descender aos planos. 35 E o amorreo persistiu em habitar no monte de Fere, no Ajalón e em Saalbim; mas quando a casa do José cobrou forças, fez-o tributário. 36 E o limite do amorreo foi da ascensão do Acrabim, desde a Sela para vamos. 308 1. Morte do Josué. A expressão "aconteceu depois da morte do Josué" forma o cabeçalho de todo o livro. Com estas palavras o autor prossegue a narração do mesmo ponto onde o autor do Josué a tinha deixado. O livro do Josué havia começado exatamente da mesma maneira: "Aconteceu depois da morte de Moisés servo do Jehová" (Jos. 1: 1). Os sucessos e incidentes que o autor de Juizes está por relatar pertencem ao período que segue à morte do Josué. Não pode determinar-se com precisão o tempo transcorrido entre a morte de Josué e o primeiro destes acontecimentos, mas é provável que esse lapso não tivesse sido muito comprido, porque o livro de Juizes se inicia com o relato da dispersão das tribos a suas respectivas herdades depois de que Josué deu sua parte a cada uma. Filhos do Israel. Provavelmente só as tribos cujas terras ficavam ao oeste do Jordão. Consultaram. A palavra hebréia que aqui se emprega é a mesma que se usa para referir-se à "consulta" do sacerdote ao Urim e ao Tumim (Núm. 27: 21). Possivelmente se usou esse

conselho do Senhor. Enquanto Josué vivia, tinham dependido dele. Neste transe, sem seu caudilho e frente ao perigo, não confiaram em sua própria sabedoria mas sim, em harmonia com a instrução do Moisés, pediram a Deus que os guiasse (ver Sant. 1: 5). Seu pedido era singelo e direto, livre de "vões repetições" (Mat. 6: 7). A eloqüência da oração radica em seu sentido de necessidade e em sua forma direta. Na atualidade também é imperativo que o povo de Deus procure a direção divina antes de fazer decisões vitais. Esta busca de Deus não deve fazer-se em forma apressada nem descuidada, nem tendo já de antemão a idéia fixa e a decisão feita em quanto ao pedido que se faz. Tal oração em busca de direção divina é uma brincadeira. Deus só aceita a quem lhe aproxima com sinceridade e docilidade, que estão dispostos a seguir o caminho famoso por ele. Subirá. Estas palavras sugerem que as tribos estavam acampadas nas planícies em volto do Jericó e Gilgal. No relato posterior se nota o mesmo (caps. 1: 16; 2: 1). As duas cidades estavam a 270 m sob o nível do mar, enquanto que alguns dos lugares que os israelitas deviam atacar estavam entre 800 e 1.200 m sobre o nível do mar. A palavra hebréia 'alah, aqui traduzida "subir", também se usa muitas vezes para expressar a idéia de "sair à batalha". Em relação com a guerra, a idéia de "subir" pode haver-se originado no costume de que a defesa geralmente ocupava os terrenos altos. Primeiro. Pergunta-a "Quem ... subirá primeiro?" indica a incerteza desse povo que já não tinha quem o dirigisse. dava-se conta de que cada tribo devia lançar-se por si só para conquistar a parte do país que lhes tinha sido concedida por sorteio. Mas qual das tribos tinha que ser a que daria o primeiro passo à frente, passo tão necessário para animar às outras? Desejavam ter um caudilho famoso Por Deus que dirigisse a campanha. 2. Judá subirá. Podemos supor que receberam esta resposta mediante Finees, o supremo sacerdote, quem pôde ter consultado ao Urim e Tumim. Os homens do Judá deviam tomar a dianteira, possivelmente porque constituíam a tribo mais numerosa (Núm. 2). Também podem ter sido os mais valentes porque entre eles tinham a Caleb, o único que muitos anos antes, com o Josué, tinha insistido ao povo a subir para conquistar à terra, frente à oposição dos outros dez espiões. Durante a peregrinação pelo deserto, Judá sempre havia encabeçado a marcha. Nesta ocasião essa tribo foi designada para que iniciasse a campanha. Eu entreguei a terra. Esta é uma declaração profético. fala-se do que certamente ia a ocorrer como se já se cumpriu. "A terra" neste caso se refere a a posse do Judá. 3. Sobe comigo. Judá e Simeón eram filhos de Leoa (Gén. 29: 33, 35). Era natural que essas dois tribos se ajudassem, já que suas terras eram contigüas. Em realidade, diz-se

filhos do Judá" (Jos. 19: 1). A parte que lhes havia meio doido às duas tribos estava aproximadamente entre duas linhas riscadas dos extremos norte e sul do mar Morto até o Mediterrâneo. Embora a confederação meridional de os cananeos tinha sido derrotada durante as campanhas do Josué, ficavam muitos baluartes que deviam conquistar as mesmas tribos que foram ocupar o território. 309 A cooperação entre irmãos é o proceder mais sábio quando se apresentam tarefas difíceis que realizar. Os mais fortes não deveriam desprezar a não ser desejar a ajuda de outros, até dos que pudessem ser mais débeis. Judá era a tribo maior, e Simeón a menor; entretanto, Judá pediu a ajuda do Simeón. Também devesse notar-se que os que solicitam ajuda também devem estar dispostos a dá-la, assim como nesta ocasião Judá ofereceu assistir ao Simeón mais tarde. Os cristãos devessem fortalecer-se mutuamente contra os destrutivos artifícios do reino de Satanás. Os que desta maneira e com o espírito de amor se ajudam mutuamente, têm direito a esperar que Deus bondosamente benzerá seus esforços combinados. 4. Bezec. Não se precisou a localização desta cidade. Pareceria ter estado perto de Jerusalém, pois imediatamente depois desta batalha os israelitas a atacaram. Alguns pensaram que pode ter sido o nome de um território e não de uma cidade, e sugeriram que se referiria à região entre o Jericó e Jerusalém. Em 1 Sam. 11: 8 se menciona uma aldeia chamada Bezec, mas possivelmente não seja o mesmo lugar, já que se encontra ao nordeste do Siquem e está fora da zona da campanha empreendida pelo Judá na parte sul do país. Entretanto, diz-se que os ferezeos participaram desta batalha, e geralmente se os menciona em relação com as montanhas boscosas ao norte e ao leste do Siquem (Jos. 17: 15). O nome ferezeo vem de uma palavra que significa "campo aberto", e poderia considerar-se como equivalente do término moderno "beduíno", que significa "homem de uma tribo nômade". 5 Adoni-bezec. Literalmente, "senhor do Bezec", ou seja, o governante do Bezec. 6 Cortaram-lhe os polegares. Nas guerras da antigüidade se cometiam tais atrocidades para impedir que os prisioneiros capturados participassem de novo na guerra. diz-se que em alguns casos os gregos mutilavam as mãos dos prisioneiros o suficiente como para que não pudessem usar a lança ou o arco, mas os deixavam em condicione de poder seguir trabalhando. O castigo aplicado ao Adoni-bezec o impediria de seguir como rei. cortavam-se os polegares dos pés para fazer que resultasse difícil correr, o que se considerava essencial para os guerreiros de aquela época. 7. Setenta reis. Diversos personagens reais que em diferentes momentos do reinado de Adoni-bezec tinham composto o cortejo de reis subjugados que ele mantinha em forma miserável em seu corte, logo depois de havê-los mutilado. Na Palestina os

zona circundante. Como eu fiz. Adoni-bezec reconheceu que merecia o castigo do qual era objeto. Como muitos outros o têm feito depois, em seu castigo reconheceu seu crime. Embora Deus seja lento em castigar aos culpados e adia o castigo esperando que se arrependam, finalmente todos se verão obrigados a admitir sua culpa diante do tribunal divino. Quanto melhor é confessar a culpa agora, diante do propiciatorio, para ser assim liberado da ira vindoura! Jerusalém. Não há indícios de que as tribos tivessem tentado reter essa cidade nesta ocasião. Em realidade, o registro bíblico indica que a cidade continuou em mãos dos jebuseos até que a capturou David vários séculos mais tarde (2 Sam. 5: 6, 7). Não foi a não ser durante o reinado do David quando Judá dominou em realidade o sul da Palestina. Posto que a cidade de Jerusalém não estava dentro do território do Judá ou Simeón, é provável que essas tribos a houvessem abandonado depois de havê-la tomado e queimado. Onde morreu. O autor não diz quanto tempo viveu Adoni-bezec depois de ter sido levado a Jerusalém. Possivelmente sua morte ocorreu pouco tempo depois. 9. Descenderam. Na primeira parte da campanha "subiram" à batalha desde o Gilgal às mesetas do centro da Palestina. Depois das colinas "descenderam" para lutar nas três regiões bem diferenciadas do sul da Palestina: as "montanhas", o "Neguev" (ao sul), e "os planos" (a Sefela). As montanhas. No AT se usa este término para designar as colinas da Judea, que são uma continuação da cadeia montanhosa central que corre com o passar do país, de norte ao sul. Neguev. Ao sul do Hebrón as montanhas são menos abruptas, os vales menos profundos e as colinas se vão arredondando até transformar-se gradualmente no deserto do sul ou Neguev. Esta zona árida e escassamente povoada se estende de um pouco ao norte da Beerseba para o sul, até a Cadesbarnea, 310 e ao oeste para o mar. Hoje o denomina também Neguev, nome que aparece regularmente em o AT (Heb. négeb). A palavra em si significa terra seca e árida. Mas como lhes era tão familiar a zona do sul do Canaán, os hebreus usaram a palavra négeb para referir-se ao "sul" (Gén. 24: 62; Jos. 15: 4, 21; Eze. 47: 19). Neste versículo, "Neguev" refere-se à zona geográfica já descrita. Os planos. Heb. shefelah. Entre as colinas do Judá e a planície filistéia que borda o mar, há uma zona de colinas baixas e arredondadas, de escassa elevação. Esta zona de colinas baixas na fronteira de Filistéia recebia o nome da Sefela, é dizer "planos". 10.

Hebrón. Esta cidade se encontrava mais ou menos a metade de caminho entre Jerusalém e Beerseba, a 30 km de ambas as cidades, na parte mais elevada das montanhas do Judá, a 1.000 m sobre o nível do mar. O nome anterior de a cidade tinha sido "Quiriat-arba", ou seja, "Cidade da Arba". Arba foi o pai do Anac (Jos. 15: 13; 21: 11; cf. cap. 14: 15). No Hebrón estavam as sepulturas do Abraão, Sara, Isaac, Blusa de lã, Jacob e Leoa. É evidente que neste versículo o autor faz uma descrição geral da captura do Hebrón, porque mais adiante neste mesmo capítulo afirma que Caleb tomou ao Hebrón e matou aos três filhos do Anac (vers. 20). Sesai. Os três gigantes aparecem mencionados também em relação com a visita de Caleb a esta cidade, quando os doze espiões reconheceram a terra (Núm. 13: 22, 28). No Juec. 1: 20 os chama filhos do Anac, o que poderia significar que estes três nomes representam a três clãs dos anaceos. 11. Foi. O uso do singular nesta passagem apóia o que se disse antes, que o autor se referia ao Caleb e a seu clã, e não a toda a tribo do Judá e Simeón. Debir. O antigo nome do Debir tinha sido Quiriat-sefer (Jos. 15: 15), que significa "cidade de livros". Devido ao significado deste nome, os eruditos pensaram que esta cidade poderia ter tido uma biblioteca famosa, similar às bibliotecas reais que o rei assírio Asurbanipal engrandeceu muito. A maioria dos eruditos concordam em que pode identificar-se a Debir com o Tell Beit Mirsim, ruína desenterrada pelo Dr. W.F. Albright. Não se encontrou nenhuma biblioteca; mas a cidade não foi totalmente desenterrada. A evidência arqueológica mostra que Debir foi arrasada por um incêndio excepcionalmente devastador, seguido pela ocupação dos hebreus, quem reedifcaron a cidade. 12. Eu lhe darei. É evidente que a cidade estava muito bem defendida. Caleb tentou incitar a os jovens ambiciosos dos diferentes clãs de suas tribos para que fossem mais valentes. Por isso ofereceu a sua filha em matrimônio a aquele cujo grupo irrompesse primeiro na cidade. Por isso se desprende do relato que segue, parece que a cidade capturada passou a ser território do afortunado vencedor. Este relato evidência a fortaleza das cidades meridionais dessas montanhas. Anteriormente, quando José repartiu os diversos setores do país entre as tribos, Caleb se referiu a sua força invicta e obteve permissão para conquistar a região pelas almas (Jos. 14: 11). 13. Irmão menor do Caleb. Gramaticalmente, estas palavras poderiam referir-se tanto ao Cenaz como ao Otoniel. Se se referirem ao Cenaz, Otoniel teria sido sobrinho e não irmão do Caleb. É impossível saber que parentezco existia em realidade entre eles. O autor usa

diferença de idade entre o Otoniel e Acsa, Se o afeto que se sentir por uma mulher anima a um homem a tão penosos esforços e tão perigosas aventuras, quanto devêssemos arriscar movidos pelo amor do Senhor.? 14. Quando ela se ia. 0, "quando ela veio" (BJ). Indubitavelmente Acsa tinha estado encerrada com as outras mulheres e os meninos, longe da zona de batalha, em um lugar seguro. Mas, depois da vitória, seu pai certamente a habra chamado para apresentá-la publicamente a seu marido, para honrá-lo por sua valentia e para apresentar um exemplo diante das tropas. Naqueles tempos os pais consertavam os matrimônios e davam a suas filhas a quem agradava. Sem embargo, sempre que não se abusasse deste costume, não exigia a uma senhorita casar-se com um homem ao qual não poderia amar (Gén. 24: 57, 58; PP 168). Persuadiu-a. Segundo o vers. 15, Acsa lhe pediu um campo a seu pai. O hebreu diz que ela incitou-o a ele para que pedisse, e o grego da LXX diz que o marido a incitou a 311 ela para que pedisse, coisa que parece mais normal. Entretanto, é possível que a passagem dê a entender que ela solicitou a vênia de seu marido para pedir a seu pai o campo ou o persuadiu de que os dois deviam pedi-lo. desceu-se do asno. Acsa reverenciava a seu pai, e por isso se desmontou para lhe falar. Entre os beduínos, o costume exige que o que pede um favor, deve baixar-se de seu arreios e aproximar-se do xeque a pé. 15. Neguev. Heb., négeb, "terra árida", que também significa "sul" pois a terra árida encontrava-se ao sul da Palestina (ver com. vers. 9). A parte que lhe havia correspondido estava no árido Neguev, portanto necessitava mananciais para seus rebanhos. Seu novo marido não estava disposto a pedir esses mananciais, mas sentindo-se segura de sua posição como filha favorita, Acsa apresentou imediatamente seu pedido quando o jovem casal já se dispunha a ocupar seu território. Em resposta a seu pedido, Caleb lhe deu as "fontes de acima e as fontes de abaixo". No território que se encontra entre o Debir e Hebrón há uma região que tem 14 fontes, localizada-se em 3 grupos. Possivelmente foram dois destes grupos os que Caleb deu a sua filha recentemente casada. Aparentemente o pedido da Acsa era normal e apropriado, pelo qual Caleb acessou. Nosso Pai celestial, que nos dá o que nos corresponde, certamente será tão razoável e afetuoso como qualquer pai terreno. Nos subtração exercer a mesma sabedoria da Acsa e pedir a Deus que nos dê os elementos que poderão melhorar nossa vida segundo ele o considere conveniente e apropriado. Deus está disposto a nos dar fontes de água para fertilizar uma vida ressecada. O nos dará "todas as coisas muito mais abundantemente do que pedimos ou entendemos" se tão somente as pedimos (F. 3: 20). 16. Ceneo.

estreitamente ligado com o Israel, mas sem perder sua identidade independente e separada. Por haver-se aliado com o Israel e haver-se unido com ele na campanha militar, lhe permitiu compartilhar o galardão e estabelecer-se no território do Judá. Mais tarde, um ramo de seu clã se estabeleceu no norte, no território do Neftalí (cap. 4: 11, 17). A cidade das palmeiras. chama-se usualmente ao Jericó a "cidade das palmeiras" (Deut. 34: 3; 2 Crón. 28: 15). Mas a antiga Jericó tinha sido destruída e a nova Jericó não tinha sido construída ainda (1 Rei. 16: 34). É pois provável que esta "cidade das palmeiras" tivesse sido outra cidade na mesma zona (ver com. Jos. 6: 26). Esse lugar foi uma vez famoso por suas palmeiras e jardins. Josefo apresenta uma magnífica descrição de sua formosura (Guerras iV. 8. 3). Arem. Este lugar, onde se estabeleceram os lhes jante, está no Neguev, a 27 km ao sul do Hebrón. 17. Fôrma. Este nome significa "consagrado", quer dizer, consagrado a uma destruição total. Este foi o novo nome que os hebreus puseram ao Sefat. Os arqueólogos não determinaram ainda sua localização. Entretanto se sugeriu que poderia ser Tell esh-Sheri'ah (chamado também Tell o- Msh~sh), perto de Beerseba e Siclag. Fôrma estava no território do Simeón (Jos. 19: 4), o que concordaria com a declaração feita neste versículo. 18. Tomou também Judá a Gaza. Parece que a partir deste momento Judá prosseguiu a campanha sem mais ajuda. Do Neguev, passou à planície marítima e seguiu para o norte, atacando as cidades da costa. A mais meridional destas era Gaza, e tomaram por surpresa, junto com o Ascalón e Ecrón. Assim caíram em mãos dos israelitas estes três centros da confederação filistéia. Entretanto, parece que os hebreus conquistaram estes lugares fortes por meio de ataques sorpresivos e rápidos, mas depois não puderam as reter quando os filisteus reagruparam suas forças e contra-atacaram aos israelitas, porque o seguinte versículo afirma que Judá não pôde jogar nos que habitavam nos planos (ver também cap. 3: 3). 19. Com o Judá. Judá não pôde obter mais que um êxito parcial por causa de uma evidente superioridade dos armamentos de seus inimigos. por que foi assim se os carros ferrados não eram nada ante o poder de Deus, cujos carros são milhares de anjos? O poder infinito estava a seu alcance, mas a tribo do Judá não pôde dominar totalmente a seus inimigos. O autor de juizes explica mais tarde a razão disto (ver com. cap. 2: 14-23). Carros ferrados. Nas zonas montanhosas, onde não podiam manobrar a cavalaria nem os carros, venciam as audazes bandas de hebreus que podiam mobilizar-se com agilidade. 312

podiam repelir suas incursões. Por esse tempo o uso do ferro estava começando a generalizar-se entre os cananeos, quem era mais adiantados em metalurgia que os nómades hebreus. Acabavam de aprender dos hititas e horeos o uso de carros e cavalos, e os empregaram bem contra a infantaria hebréia, que não pôde fazer frente a este superior instrumento bélico. 21. Habita em Jerusalém. Segundo o vers. 8, a tribo do Judá já tinha capturado a cidade de Jerusalém. Talvez a razão pela qual não consolidou seus lucros foi porque a cidade em realidade estava no território de Benjamim. A fronteira entre as duas tribos ficava justamente ao sul da cidade, no vale do Hinom (Jos. 15: 8). depois de seu humilhante derrota ante os do Judá, os jebuseos não ofereceram resistência aos benjamitas que se estabeleceram em volto de sua cidade. Ao lhe faltar a resolução necessária para tomar a cidade, o povo de Benjamim se mesclou pacificamente com os pagãos jebuseos. Vários séculos mais tarde, compreendendo a importância de possuir esta cidadela, David a atacou e a tomou. depois disto, parece que os dois grupos viveram juntos amigablemente nessa zona, porque na última parte do reinado do David se fala da Arauna jebuseo como se tivesse sido um respeitável cidadão. Certamente, como tal se comportou (2 Sam. 24: 18). Entretanto, durante o período dos juizes, os jebuseos preponderaram na cidade (Juec. 19: 11, 12). O povo de Benjamim não aproveitou plenamente suas oportunidades. Até hoje. Esta expressão sugere que o livro de Juizes foi escrito antes de que David tomasse a cidade. 22. A casa do José. A tribo do Efraín, e a meia tribo do Manasés que viviam na Palestina ocidental. A metade da tribo do Manasés se estabeleceu em Transjordania. Bet-o. Significa, "casa de Deus". Estava a 16 km ao norte de Jerusalém na zona montanhosa central. Esta cidade foi célebre porque ali Jacob recebeu seu visão da escada que ia ao céu e seu nome se derivou disso acontecimento (Gén. 28: 10-22). Mais tarde se fez famosa por ser o centro do culto idolátrico estabelecido pelo Jeroboam, quem transformou ao Bet-o em um dos santuários nacionais do reino setentrional do Israel (ver 1 Rei. 12: 29). Jehová estava com eles. A diferença de Benjamim, que nunca se aventurou pela fé, estas tribos saíram à guerra e obtiveram vitórias mediante a bênção de Deus. 23. Pôs espiões no Bet-o. Quer dizer, os de "a casa do José" reconheceram cabalmente o lugar antes de atrever-se a atacar, para determinar a melhor maneira de conquistar a cidade. acrescenta-se uma nota histórica para explicar que antes a cidade se chamava Luz.

para recordar a vicissitude pela qual Jacob passou ali (ver com. vers. 22). Evidentemente a nova aldeia não estava no mesmo lugar da antiga, porque no livro do Josué aparecem os dois nomes como se se tratasse de dois lugares diferentes mas próximos um do outro (Jos. 16: 2). Originalmente a cidade estava no território de Benjamim, mas muito perto da fronteira do Efraín (Jos. 18: 13, 21, 22). 24. Os que espiavam. Literalmente, "vigilantes". antes de aproveitar do terror que embargava ao cativo atemorizado pelo que considerava seria uma morte segura, os espiões asseguraram-lhe ao viajante que não lhe aconteceria nada. Devido a ele lhes mostrou uma entrada secreta à cidade, os hebreus tomaram facilmente e mataram a espada a todos os habitantes, com exceção desse homem e sua família. 26. Edificou uma cidade. Nada se sabe da cidade edificada por esta pessoa. Possivelmente para sossegar seu conscientiza por ter entregue sua cidade, foi a um país distante e fundou ali outra cidade a qual lhe pôs o mesmo nome da que tinha traído. 27. Tampouco Manasés. O autor prossegue seu relato, avançando da zona meridional do país, tomada pelo Judá, para o centro e o norte da Palestina. A partir deste ponto a narração mostra uma nova tendência. Até este momento os hebreus tinham ganho vitórias e tinham sofrido derrotas. A seguir aparece simplesmente uma lista de cidades fortes cananeas que as diferentes tribos não foram capazes de tomar. As cidades cujos habitantes os do Manasés não puderam expulsar, formavam uma cadeia de fortificações que guardavam todos os passos ou desfiladeiros das montanhas. 313 Bet-seán. No extremo oriental desta linha cananea de defesa, estava a antiga cidade do Bet-seán. achava-se no lugar onde o terreno relativamente plano do vale do Jezreel começa a baixar ao Jordão. É uma das cidades mais antigas da Palestina, e em diversos momentos foi o centro de culto de numerosas deidades pagãs. Era uma fortaleza extremamente segura, localizada-se em uma alta colina que se foi formando com as ruínas de épocas anteriores. Por sua localização estratégica, dominava as rotas a Damasco. As escavações no lugar revelaram que durante vários séculos (até o século XII AC), foi a sede de uma guarnição egípcia. Em tempos do Saúl estava em mãos dos filisteus, cujos centros principais se encontravam longe de ali, no sul do país. É possível que David a tivesse tomado mais tarde, porque se a menciona como uma das cidades do Salomón (1 Rei. 4: 12). Por muito tempo a conheceu como Escitópolis, porque foi tomada pelos escitas aproximadamente pela época do Jeremías. Hoje recebe o nome do Tell o Hutsn. Na vizinha aldeia do Beis~n se conserva o antigo nome. As outras cidades fortificadas nomeadas neste versículo dominavam os passos que levavam das montanhas centrais da Samaria a fértil planície de Esdraelón (ou Meguido). Meguido, no extremo ocidental desta linha de defesa, dominava a grande estrada que unia ao Egito com a Mesopotamia. Por esta razão teve um lugar importante nas campanhas egípcias contra os grandes

8 km ao sudeste do Meguido. Suas aldeias. Literalmente, "suas filhas": as pequenas aldeias que rodeavam estas cidades fortificadas. Persistia em habitar. Quer dizer que insistentemente os cananeos resistiram e repeliram os intentos dos hebreus por desalojá-los. Com toda razão compreendiam que se obtinham reter esta cadeia de fortalezas poderiam dominar todas as rotas principais de transporte e comércio, e além disso, manteriam separadas as tribos para impedir que os hebreus pudessem formar uma confederação unida. Aplicaram a régia militar de dividir para vencer. 28. Fez ao cananeo tributário. Heb. mas. "Fazer tributário" não traduz a verdadeira idéia deste vocábulo hebreu, que significa, mas bem, gente obrigada a realizar trabalhos forçados. A palavra não implica tanto o trabalho em si, como os homens que deviam fazê-lo. Tanto David como Salomón usaram o sistema de partidas obrigatórias para realizar diferentes projetos de construção ou fortificação de cidades (1 Rei. 5: 13; 9: 15, 21). Nas zonas onde dominavam os hebreus, os cananeos vencidos deveram trabalhar para reedificar as cidades capturadas e reforçar as fortificações. Mas não o arrojou. Até nas regiões onde os hebreus eram fortes, permitiu-se que permanecessem muitos cananeos que se submeteram ao trabalho forçado em troca do privilegio de viver em suas aldeias ou em seus imóveis. A história posterior de este livro indica o perigo que isto constituiu para a religião e a moral de os hebreus. 29. Gezer. Antiga cidade cananea na fronteira sudoeste do Efraín, perto do território filisteu, a 30,8 km ao noroeste de Jerusalém. Os cananeos retiveram a posse desta cidade (1 Sam. 27: 8; 2 Sam. 5: 25; 1 Crón. 20: 4), até que um faraó tomou e a deu como presente a sua filha, esposa do Salomón (1 Rei. 9: 16). Então Salomón a reconstruiu como fortaleza fronteiriça. A escavação desta cidade permitiu achar muitos artigos domésticos cananeos, um grande templo cananeo e numerosos exemplos do costume cananea de enterrar a meninos nos fundamentos das casas que estavam em construção. 30. Tampouco Zabulón. A partir daqui o autor começa a relatar o que aconteceu às tribos cujas herdades estavam no norte da Palestina, além da planície de Esdraelón. Nada se diz quanto à tribo do Isacar, embora no canto de Débora (cap. 5) aparece como uma das tribos mais agressivas. O relato que se dá aqui de cada uma das diversas tribos é mais ou menos o mesmo. Não foram suficientemente fortes para atacar as fortalezas que estavam dentro do

dominar ao inimigo como o tinham feito as tribos meridionais. Simplesmente cercearam parcelas aqui e ali, como e onde puderam, e assim se estabeleceram entre os antigos habitantes. 31. Tampouco Aser. A tribo do Aser não teve mais êxito que Zabulón. Sua porção era a 314 planície marítima e as colinas baixas ao norte do Carmelo. Era o território dos fenícios que ainda não se feito famosos como comerciantes marítimos. Ao estabelecer-se ali entre os cananeos, os do Aser parecem ter estado mais expostos à influência cultural e religiosa que qualquer outra tribo. depois de um tempo relativamente curto parecem ter perdido em boa medida suas características religiosas. Quando Débora chamou as tribos para que apresentassem um frente unido contra os cananeos, disse que "manteve-se Aser à ribeira do mar, e ficou em seus portos" (cap. 5: 17). No Jos. 19: 30 se diz que tocaram ao Aser 22 aldeias nesta zona. Este passagem enumera ao menos sete que não foram tomadas, entre as quais estão as conhecidas cidades de Acre e Sidón. Assim é evidente que os do Aser não progrediram muito na conquista do território que lhes tinha atribuído. 32. Morou Aser entre os cananeos. Nos vers. 29 e 30 se afirma que os cananeos moraram entre os hebreus, o que mostra que estes eram os mais fortes; mas neste versículo o autor troca a frase e diz que os do Aser moraram entre os cananeos. Isto pareceria indicar que os cananeos dominavam nessa zona. 33. Tampouco Neftalí. repete-se a mesma desafortunada narração. Os lugares que Neftalí não pôde conquistar eram antigas cidades que receberam seu nome pelos famosos templos construídos ali em honra à deusa Anat e ao Shamash, deus do sol. Entretanto, os hebreus foram o suficientemente fortes para submeter a estas cidades ao pagamento de tributos. Mais tarde o território do Neftalí passou a conhecer-se sob o nome da Galilea, onde o elemento pagão era tão forte que a região se chamava "Galilea dos gentis" (ISA. 9: 1), quer dizer, "o distrito estrangeiro". 34. Filhos de Dão. A parte que tinha correspondido à tribo de Dão era uma estreita bandagem de vales e colinas baixas entre as herdades do Efraín e Judá. Em um começo, os de Dão tentaram tomar os planos, e com a bênção de Deus deveriam ter estendido suas fronteiras até o mar. Mas, em vez de ocorrer isto, os habitantes dessa terra os obrigaram a voltar-se para as colinas, onde consolidaram sua posição em torno de Zora e Estaol. Desde esta tribo e desde este distrito. Sansón saiu para realizar suas façanhas contra os filisteus (caps. 13 a 16). Entretanto, esta região era tão pequena que quando a tribo cresceu, o núcleo principal dela emigrou ao norte da Palestina em volto da cabeceira do Jordão, onde tomou a cidade do Lais e lhe pôs por nome Dão (Jos. 18 e 19; ver com. Jos. 19: 47).

os habitantes da Palestina. Alguns pensam que os dois nomes se refeririam a um mesmo povo. Sustentam que os habitantes nativos, conhecidos como cananeos, vieram originalmente do mesmo lugar que os amorreos. Sem embargo, parece que os amorreos tinham formado parte de uma onda migratória posterior. Tendo chegado depois que os cananeos, possivelmente sua cultura era mais própria de quão nômades a dos cananeos já estabelecidos no país. Um antigo poema súmero descreve aos amorreos da seguinte forma: "A arma é sua companheira...

que não conhece submissão,

que come carne sem cozinhar,

que em sua vida não tem casa,

que não enterra a seu companheiro morto". É provável que os amorreos do tempo dos juizes já tivessem desenvolvido uma cultura mais sedentária que a que tão vivamente descreve este poema. Estavam pulverizados por todo o Próximo Oriente e havia reis amorreos que governavam reino grandes e pequenos. Hammurabi, o famoso rei babilonio, foi amorreo. O nome amorreo significa "ocidental", e foi dado a este povo pelos súmeros, os primeiros habitantes conhecidos de Babilônia. 35. O monte de Fere. acredita-se que seja outro nome do Bet-semes. Ajalón. Aldeia situada a 20,8 km ao noroeste de Jerusalém (ver com. Jos. 10: 12). Cobrou forças. Literalmente, "pesou sobre eles a mão da casa do José" (BJ). A tribo de Dão não pôde resistir ante a população nativo, e gradualmente deveu retroceder a uma zona muito restringida. Em vista disto, os hebreus da tribo do Efraín, cujo território era adjacente, socorreram aos de Dão lançando vigorosos ataques contra os amorreos. Os efrainitas tiveram tanto êxito que as aldeias dos amorreos e cananeos assinaram com eles tratados de submissão, comprometendo-se 315 a proporcionar gente para que fizesse trabalhos forçados em troca da cessação das hostilidades. Este estado de coisas continuou durante vários séculos até o tempo do Salomón (1 Rei. 4: 9), quando as aldeias passaram verdadeiramente a ser parte do território israelita. Bet-semes caiu em mãos dos israelitas muito antes (1 Sam. 6: 12). 36. O limite do amorreo.

mencionado aos amorreos, o autor se detém explicar que antigamente o território dos amorreos se estendia pelo sul até os lugares mencionados, os que em conjunto constituíam a fronteira com o Edom. As tribos israelitas meridionais tinham conquistado territórios até este antigo limite meridional. A ascensão do Acrabim. Literalmente, "ascensão ou passo dos escorpiões" (escorpiões). Sela. Literalmente, "da Penha" (BJ). Sela é uma transliteración da palavra hebréia que significa "rocha" ou "penha". Muitos consideram que esta era uma referência a Petra, a cidadela dos idumeos e nabateos cravada na penha, mas é mais provável que se refira a algum marco notável do lado judeu do Arará. Todo o versículo é um pouco difícil de entender. COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE 27-35 PP 585 CAPÍTULO 2 1 Um anjo repreende ao povo no Boquim. 6 Perversidade da nova geração depois do Josué. 14 Ira e compaixão de Deus por eles. 20 Os canaanitas são deixados para provar ao Israel. 1 O ANJO do Jehová subiu do Gilgal ao Boquim, e disse: Eu lhes tirei do Egito, e introduzi-lhes na terra da qual tinha jurado a seus pais, dizendo: Não invalidarei jamais meu pacto com vós, 2 contanto que vós não façam pacto com os moradores desta terra, cujos altares têm que derrubar; mas vós não atendestes a minha voz. por que fizeram isto? 3 portanto, eu também digo: Não os jogarei de diante de vós, mas sim serão açoites para seus flancos, e seus deuses lhes serão tropezadero. 4 Quando o anjo do Jehová falou estas palavras a todos os filhos do Israel, o povo elevou sua voz e chorou. 5 E chamaram o nome daquele lugar Boquim, e ofereceram ali sacrifícios a Jehová. 6 Porque já Josué tinha se despedido do povo, e os hijós do Israel se haviam ido cada um a sua herdade para possui-la. 7 E o povo tinha servido ao Jehová todo o tempo do Josué, e todo o tempo dos anciões que sobreviveram ao Josué, os quais tinham visto todas as grandes obra do Jehová, que ele tinha feito pelo Israel. 8 Mas morreu Josué filho do Nun, servo do Jehová, sendo de cento e dez anos. 9 E o sepultaram em sua herdade no Timnat-sera, no monte do Efraín, ao norte do monte do Gaas. 10 E toda aquela geração também foi reunida a seus pais. E se levantou depois deles outra geração que não conhecia o Jehová, nem a obra que ele fazia pelo Israel.

serviram aos baales. 12 Deixaram ao Jehová o Deus de seus pais, que os tinha tirado da terra de Egito, e se foram atrás de outros deuses, os deuses dos povos que estavam em seus arredores, aos quais adoraram; e provocaram a ira ao Jehová. 13 E deixaram ao Jehová, e adoraram ao Baal e ao Astarot. 14 E se acendeu contra Israel o furor do Jehová, o qual os entregou em mãos de robadores que os despojaram, e os vendeu em 316 mão de seus inimigos de ao redor; e não puderam já fazer frente a seus inimigos. 15 Por em qualquer lugar que saíam, a mão do Jehová estava contra eles para mau, como Jehová havia dito, e como Jehová o tinha jurado; e tiveram grande aflição. 16 Jehová levantou juizes que os liberassem de mão dos que lhes despojavam; 17 mas tampouco ouviram seus juizes, mas sim foram detrás deuses alheios, aos quais adoraram; apartaram-se logo do caminho em que andaram seus pais obedecendo aos mandamentos do Jehová; eles não fizeram assim. 18 E quando Jehová lhes levantava juizes, Jehová estava com o juiz, e os liberava de mão dos inimigos todo o tempo daquele juiz; porque Jehová era movido a misericórdia por seus gemidos por causa dos que os oprimiam e afligiam. 19 Mas acontecia que ao morrer o juiz, eles voltavam atrás, e se corrompiam mais que seus pais, seguindo a deuses alheios para lhes servir, e inclinando-se diante deles; e não se separavam de suas obras, nem de seu obstinado caminho. 20 E a ira do Jehová se acendeu contra Israel, e disse: Por quanto este povo transpassa meu pacto que ordenei a seus pais, e não obedece a minha voz, 21 tampouco eu voltarei mais para jogar de diante deles a nenhuma das nações que deixou Josué quando morreu; 22 para provar com elas ao Israel, se procurariam ou não seguir o caminho de Jehová, andando nele, como o seguiram seus pais. 23 Por isso deixou Jehová a aquelas nações, sem jogar as de uma vez, e não entregou-as em mão do Josué. 1. O anjo. Os primeiros cinco versículos deste capítulo correspondem na verdade ao primeiro capítulo. Servem para terminar devidamente o relato registrado no cap. 1, da conquista dos israelitas e seu estabelecimento no Canaán. Neles o autor explica a razão pela qual o povo escolhido não pôde completar a conquista do país. O tema principal destes versículos é uma recriminação para os israelitas por ter misturado com seus próprios ritos religiosos instituídos Por Deus as práticas pagãs da gente entre a qual se estabeleceram. Em vez de destruir os altares pagãos, os israelitas adoraram ante eles. É difícil determinar a quem se refere o escritor ao falar do "anjo de Jehová". Literalmente a palavra "anjo" significa "mensageiro ou enviado". Assim o "anjo do Jehová" no Hag. 1: 13 designa ao profeta que devia dar a mensagem divino ao Israel (a RVR traduz "enviado"), mas o mesmo nome (traduzido "anjo"), designa em alguns casos ao Senhor mesmo (ver Exo. 23: 20, 23; 33: 2).

Jehová", conforme acostumavam falar os profetas posteriores, sugere que era o Senhor mesmo quem falava. O uso da primeira pessoa apóia também esta posição. Do Gilgal. Cidade que tinha servido como centro provisório das atividades das tribos (Jos. 4: 19; 9: 6; 10: 6; etc.). Neste acampamento, na borda ocidental do Jordão, entre o Jericó e o rio, o misterioso "Príncipe do exército" lhe tinha aparecido ao Josué (Jos. 5: 13-15). Esse príncipe era Cristo (PP 522). É possível, embora não pode afirmar-se com inteira segurança, que nesta passagem se presente ao mesmo personagem. Boquim. Literalmente, "os que choram". Este nome foi dado ao lugar depois do caso que se relata a seguir (ver vers. 4, 5). Não se conhece hoje nenhum lugar que leve este nome nem o menciona em outra passagem bíblica. A LXX, depois da palavra "Boquim", acrescenta a frase "e ao Bet-o", o que se reflete na BJ onde diz: "O anjo do Yahvéh subiu do Guilgal ao Betel". O que se relata pôde ter ocorrido no Bet-o, mas o fato de que nesse lugar se oferecesse sacrifício (vers. 5) sugere que o lugar mais provável teria sido Silo, onde então estava o tabernáculo. O contexto indica uma grande assembléia, e é possível que estes sucessos tivessem transcorrido em relação com uma das grandes festas religiosas, como a páscoa ou a festa dos tabernáculos. De ter sido assim, o lugar assim designado teria sido Silo, ou alguma pequena aldeia perto dali. Tinha jurado. A promessa tinha sido dada no Gén. 12: 7; 13: 14-16; 15: 18; 26: 3; 28: 13. Meu pacto. Ver Exo. 34: 10-16. 2. Não façam pacto. Ver Exo. 34: 12. O registro do primeiro capítulo de Juizes demonstra que os israelitas tinham consertado muitas alianças com os pagãos da Palestina. 317 Os israelitas provavelmente argüiram que se viram obrigados a consertar essas alianças porque não tinham podido expulsar aos aborígenes de seus fortes posicione. Cujos altares têm que derrubar. Ver Exo. 34: 13. Estes eram os característicos "altares" de pedra em forma de coluna, tão comuns na Palestina. As relações sociais com os aldeãos constituíram o primeiro passo na infidelidade do Israel. O seguinte passo foi dado quando por suas relações sociais alguns foram levados a participar das festividades em torno de altares, árvores sagradas e colunas levantadas pelos pagãos. Uma vez que se derrubaram as barreiras, a apostasia os alagou como um dilúvio. Em muito pouco tempo esta fusão havia feito estragos em seus excelsos princípios religiosos. Os mesmos resultados-se produzem hoje por uma conduta similar. "Não sabem que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Qualquer, pois, que queira ser amigo do mundo, se constitui inimigo de Deus" (Sant. 4: 4). por que têm feito isto?

O mensageiro tinha iniciado seu discurso relatando o que Deus tinha feito por seu povo ao liberar o da escravidão egípcia e estabelecê-lo na terra prometida. Então surge a pergunta: Em troca, o que tinham feito eles por Deus? Sua ingratidão era evidente na apostasia religiosa que se feito tão notória no lapso de tão somente uns poucos anos. Israel tinha desobedecido abertamente em coisas importantes que Deus tinha ordenado especificamente. Tinha quebrantado o pacto; portanto, Deus não podia cumprir sua parte do convênio. 3. Também digo. "Vos pinjente" (BJ). Deus tinha dado uma advertência prévia (ver Núm. 33: 55; Jos. 23: 13). Essa ameaça estava a ponto de ser executada. Deus retiraria as promessas condicionais que tinha feito no Exo. 23: 31 e outras passagens. Eles serão tropezadero. A adoração dessas deidades pagãs daria como resultado uma grande corrupção, o que causaria a ruína nacional (ver Exo. 23: 33; 34: 12; Deut. 7: 16; Jos. 23: 13). O não ter expulso aos habitantes do país levava consigo seu próprio castigo. O mesmo ocorre contudo pecado. A concupiscência e a corrupção não só se separam da graça de Deus, mas também trazem uma retribuição e um castigo como resultado do mesmo pecado. Muitas vezes Deus castiga o pecado com o pecado (ver PP 788). 5. Boquim. Ver com. vers. 1. A severo recriminação pronunciada pelo mensageiro fez que a gente prorrompesse em pranto. Eram lágrimas de vergonha, e tão somente parcialmente de arrependimento. O nome Boquim serve após para recordar as lágrimas de decepção e desgraça. O lugar e os incidentes com ele relacionados nos recordam o moderno muro dos lamentos de Jerusalém. Assim como ocorreu com os hebreus no Boquim, muitas pessoas hoje se compungem quando prega-se o arrependimento, mas se endurecem novamente antes de que possam ser moldadas para receber uma nova forma. É notável quão rapidamente este povo extraviado se comoveu pela predicación deste mensageiro. A Palavra de Deus tem o poder de comover e converter aos seres humanos, e quem foi comovido por ela bem pode chorar por suas faltas e fracassos no passado. "Bem-aventurados os que choram, porque eles receberão consolação" (Mat. 5: 4). Entretanto, em vez de pôr ao lugar um nome que recordasse sentimentos e demonstrações de tristeza, teria sido preferível que pudessem havê-lo chamado "arrependimento". É esta vivencia a que Deus procura. Esta esperança está bem expressa nas palavras do Pablo: "Porque a tristeza que é segundo Deus produz arrependimento para salvação, de que não terá que arrepender-se" (2 Cor. 7: 10). Muitas vezes a religião é uma vivencia de sentimentos e emoções, e não de fé e obediência. 6. Josué tinha despedido. Com a narração dos primeiros esforços das tribos por consolidar-se em Palestina e a recriminação divina pelo fracasso do Israel ao não obedecer os

razão pela qual Deus suscitou aos juizes. Desde este ponto se volta para tema principal do livro: mostrar a forma em que os períodos de opressão, seguidos de liberação, ocorreram como resultado dos esforços divinos por fazer que o Israel se voltasse da idolatria à obediência leal a Deus e a seu lei. antes de começar a narração dos vaivéns da história de opressão e liberação, o autor liga seu relato ao do livro do Josué. Os vers. 6-10 são uma recapitulação na qual se continua o relato 318 do momento de a morte do Josué, e se dão brevemente os dados históricos do ocorrido antes do acontecido no Boquim, que acaba de relatar-se. 7. Tinha servido ao Jehová. Pelo menos externamente e em conjunto. A lembrança das grandiosas intervenções divinas em seu favor manteve por um tempo aos israelitas leais a sua fé, pelo menos na aparência. Josué. É grato pensar em quão te abranjam pode ser a influência de um dirigente piedoso. Sua ação e sua influência sobre o Israel foram tais que, durante seu vida, bastaram para que o povo fora leal às promessas que tinha feito a Deus. Anciões. Os anciões eram os chefes de famílias e clãs. Tinham autoridade oficial em assuntos sociais e religiosos, e um de seus deveres principais era o de manter a lealdade aos costumes e a religião definidas pelo Moisés. Quando morreram, a apostasia religiosa começou a difundir-se rapidamente. Este passagem ajuda a compreender que não só os grandes e renomados dirigentes podem influir para bem, mas sim os ajudantes também podem moldar as normas da vida religiosa. 8. Cento e dez anos. O relato não diz quanto tempo viveu Josué depois da reunião no Siquem. É provável que tivesse morrido pouco depois, posto que era "já velho e avançado em anos" (Jos. 23: 1, 2) quando, possivelmente porque compreendia que a morte morava-se, reuniu aos chefes e representantes das tribos. depois de relatar o fim da assembléia, o narrador informa que Josué morreu (Jos. 24: 29), indicando assim foi curto tempo depois. 9 Timnat-sera. O hebreu desta passagem usa "Timnat-Jeres" (BJ). É o mesmo lugar aludido em Jos. 19: 50 e 24: 30 que na BJ aparece como "Timnat Sérak" e "Timnat Séraj" respectivamente. É possível que se trate meramente de uma transposição de consonantes. Não pode dizer-se com segurança qual forma de escrever seria a correta. A aldeia se chamava Timnat, e possivelmente porque estava em uma zona montanhosa designada com o nome Fere (Jeres, BJ) (ver Juec. 1: 35), se o teria acrescentado a segunda parte do nome a fim de não confundi-la com outra aldeia do mesmo nome. O lugar se chama agora Khirbet Tibneh e está a 15,6 km ao noroeste do Bet-o. 10.

Outra geração. Esta era a geração que se criou na terra do Canaán, sujeita às influências corruptas do trato social e religioso com a gente idólatra do país. Os filhos estavam colhendo em forma abundante o que seus pais haviam semeado. Não conhecia o Jehová. Não conheciam por experiência própria as prodigiosas obras de Deus, e por causa de as influências corruptas do ambiente em que viviam não tinham desenvolvido firmeza e independência de caráter. Josué e os anciões dos tempos anteriores lhes tinham servido de sustento; mas ao morrer eles, a nova geração tropeçou e caiu porque não tinha um fundamento religioso forte. É imprescindível que todos os cristãos examinem bem os fundamentos de seu fé, para saber se sua experiência é uma relação pessoal e direta com Deus ou meramente um esforço externo apoiado na experiência de outros. Se não ocorrer o primeiro, podem sofrer o mesmo fim desses israelitas da segunda geração. Além disso, os cristãos devem recordar o que o Israel esqueceu: a direção providencial de Deus no passado. "Não temos nada que temer no futuro, exceto que esqueçamos a maneira em que o Senhor nos conduziu e seus ensinos em nossa história passada" (3JT 443). 11. Os baales. A palavra hebréia BA'ao pode significar "dono", "marido", "senhor" ou amo". Também a usa para referir-se às deidades pagãs. Nesse tempo o baal que mais ampliamente se adorava no Canaán era o deus da fertilidade agrícola. acreditava-se que ele proporcionava a chuva e que seu poder vitalizador fazia crescer novelo e animais. Era adorado em muitos lugares e baixo diferentes formas. Seu nome aparece em muitos nomes compostos: Baal-pior, Baal-hermón, Baalzebub, etc. Nos mitos cananeos Baal era o opositor do deus da morte (Mot). Ajudavam-lhe duas outras deidades: Anat, sua irmã, e Shamash, o deus sol. Algumas vezes se equiparava ao Baal com o Hadad, deus sírio da tormenta e a chuva. Posto que Canaán era predominantemente um país agrícola, o culto ao Baal, sob seu diferentes títulos, era a forma suprema de adoração. Algumas vezes os escritores hebreus usaram seu nome para indicar qualquer deidade pagã, coisa que bem poderia ocorrer aqui. Os israelitas devem ter conhecido os terríveis resultados de tal culto, e do castigo 319 que receberiam finalmente os que participassem dele. Dificilmente poderiam deixar de conhecer o que tinha ocorrido no Baal-pior, quando a praga se levou a 24.000 pessoas como resultado da adoração de Baal e as práticas relacionadas com esse culto (Núm. 25: 3-9). 12. Deixaram ao Jehová. O pecado do Israel não só consistia em haver-se afastado de Deus, ao que tinham prometido adorar, mas também em ter mostrado uma vil ingratidão por sua liberação da atroz servidão que tinham sofrido no Egito. Dessa servidão nunca se poderiam ter liberado por seu próprio poder. Deviam adoração ao verdadeiro Deus pelo que ele era e pelo que tinha feito. Seus obra em favor de seu povo lhe davam o direito à lealdade de este. Os deuses dos povos.

as deidades das nações vizinhas. Quando a gente abandona a Deus parece não haver limite às profundidades que alcança sua apostasia. 13. Baal. Ver com. vers. 11. Astarot. Plural do Astarté. Em Babilônia a chamava Istar. Era a deusa do amor sexual, da maternidade e a fecundidade. Nas tabuletas do Ras Shamra aparece também como a deusa da guerra e da caça. Seu culto estava difundido por todo o Próximo Oriente, desde o Moab (seu nome se encontra na Pedra Moabita) até Babilônia. A adorava no Canaán em tempos do Abraão (Gén. 14: 5); a armadura do Saúl foi posta como troféu em seu templo em Bet-seán (1 Sam. 31: 10); em seu apogeu, Salomón lhe rendeu comemoração (1 Rei. 11: 5). pensa-se que as numerosas estatuetas de figuras femininas encontradas pelos arqueólogos nas moradas hebréias e cananeas seriam representações do Astarté em seu papel de deusa mãe. No AT se usam nomes do Baal e Astarté como sinônimos de todos os deuses falsos da Palestina. O idioma hebreu não tem uma palavra que signifique "deusa", e para suprir essa falta, Astarté parece ter representado a qualquer deusa. 14. Robadores. Nesta palavra se resume o proceder das diversas nações do Canaán mesma e de seus contornos que invadiram, oprimiram, roubaram, saquearam, ou de alguma outra maneira incomodaram aos israelitas. A palavra hebréia que se emprega em esta passagem é quão mesma usavam os egípcios para referir-se às bandas de ladrões beduínos que perseguiam suas fronteiras. 15. Por em qualquer lugar que saíam. Quer dizer, quando saíam a guerrear ou iniciavam uma campanha militar, eram vencidos porque Deus já não estava com eles. A vitória dos israelitas poderia haver-se interpretado como sinal de que Deus aprovava sua conduta pecaminosa e só teria servido para confirmar e endurecer sua apostasia. Esta foi uma das razões pelas quais Deus permitiu que os povos pagãos vencessem e castigassem assim a seu povo desobediente. Mas em tudo isto, os propósitos de Deus eram saudáveis. Seus castigos eram corretivos e tinham o propósito de que os israelitas se convertessem de novo. 16. Juizes. Por sua experiência, seu nome é sinônimo de "libertador". Eram paladines ou dirigentes a quem o Senhor chamou para fazer frente a situações especiais (ver Introdução, pág. 301). depois de um período de castigo, Deus dava um descanso aos israelitas concedendo a um homem escolhido autoridade e dom de mando para que pudesse expulsar aos opressores. As vicissitudes posteriores foram revelar se a gente tinha aprendido ou não as lições que as conseqüências de sua apostasia religiosa deveria lhe haver ensinado. 17.

Tampouco ouviram. As derrotas que sofreram ante seus inimigos e a conseguinte opressão não serviram para ensinar ao povo hebreu que devia obedecer. Em seus esforços por salvá-lo, Deus permitia que às vezes o fustigasse o desastre; mas quando aliviava-o por meio da obra dos juizes, encontrava às pessoas tão impenitente como sempre. Foram detrás. O hebreu usa um verbo que indica ter relações sexuais ilícitas. A RVA diz: "fornicaram". É esta uma metáfora freqüente na Bíblia para indicar apostasia religiosa. Posto que a adoração das deidades pagãs no Próximo Oriente ia freqüentemente acompanhada de imoralidade sexual nos templos e bosques, este término não só seria uma metáfora, mas também um quadro tristemente literal. 18. Jehová era movido a misericórdia. "Yahvéh se comovia de quão gemidos proferiam ante os que maltratavam e oprimiam" (BJ). Deus permitia que fossem castigados para seu próprio bem. Quando esse castigo produzia os efeitos desejados. a misericórdia de 320 Deus fazia surgir a alguém que pudesse libertar aos oprimidos. Deus desejava que o sofrimento produje uma mudança na conduta. Quando se obtinha esse propósito, eliminava-se ou mitigava a opressão. Isto estava totalmente de acordo com seu propósito original. 19. Eles voltavam atrás. Voltavam para a apostasia anterior. Abandonavam o culto ao Jehová e reincidiam em a adoração das deidades pagãs e as práticas degradantes da idolatria. Dentro do marco destes fatos, o autor de Juizes apresenta seu tese: Deus permitiu que como resultado do pecado surgissem dificuldades para que seu povo compreendesse a maldade de seus caminhos. Quando essas tribulações produziam uma forma de tristeza e arrependimento, o Senhor suscitava a um libertador. Durante essa pausa, Deus dava a oportunidade para que seu povo demonstrasse se era genuíno seu arrependimento; mas, ingrato, depois de a morte do juiz voltava logo para sua conduta anterior. Quando se o considera desde este ponto de vista, o livro de Juizes é mais que uma narração histórica: é uma filosofia da história. Ao autor não só o interessa relatar o que ocorreu uma vez que os israelitas se houveram estabelecido no Canaán: é mais pregador que historiador, e deseja que o leitor compreenda por que ocorreram essas coisas. Informa que depois da entrada em Canaán houve uma época de instabilidade, pelo general desastrosa para os hebreus. Por um tempo eram livres, logo novamente ficavam na servidão ou sofriam alguma invasão. por que ocorreu isto? Porque o povo apartou-se de Deus, e em seus esforços por fazê-lo voltar para ele, Deus permitia que ocorresse o desastre. Em outras palavras, o autor nos diz que a mão de Deus dirigia a história para obter o cumprimento do fim desejado. O autor de Juizes foi um dos primeiros verdadeiros historiadores, pois procurou registrar para as gerações futuras o significado dos acontecimentos. Mais que seus pais. Uma das características notáveis do pecado é a facilidade com que cresce e aumenta. Não necessita mais que um pequeno começo, e logo aniquila a

E não se atavam de suas obras. Literalmente, "não deixavam cair [nada] de suas obras". Não estavam dispostos a abandonar nenhuma de suas ímpias práticas. Não tinham experiente uma verdadeira transformação interior. Se na verdade tivessem recebido um novo espírito, este lhes teria obrigado a renunciar às más práticas, assim como a seiva que sobe pelo tronco da árvore faz que caiam as folhas mortas. 20. A ira do Jehová. O propósito desta passagem é descrever o repúdio que Deus sente pelo pecado. Essa ira não procede do impulso, mas sim do aborrecimento que Deus tem para com o mal devido à santidade de seu caráter divino. A ira humana é um fogo que arde com paixão impulsivo e egoísta; a ira de Deus nasce dos princípios eternos de justiça e benevolência. Se o Senhor for imensamente bom e santo, e se conhecer a plenitude da desgraça que o pecado há introduzido na criação de Deus, o que outro sentimento pode ter para com o pecado a não ser indignação, que o condenará finalmente à aniquilação? Enquanto isso, Deus procura salvar ao pecador para que ele não seja consumido também nos fogos purificadores (Eze. 33: 11; 2 Ped. 3: 9). Transpassa meu pacto. O desagrado divino tinha amplos motivos. Por quanto o povo do Israel tinha participado da cerimônia do pacto no Sinaí e tinha acordado atenerse a esse pacto, lhe impunham obrigações que equivaliam a mandatos. A obrigação específica que tão palmariamente desobedecia, era a que proibia o culto de qualquer outro deus. 21. Tampouco eu voltarei mais para arrojar. As únicas vitórias que tinham obtido tinham sido ganhas com a ajuda do Senhor. Israel tinha quebrantado as condições do pacto adorando a outros deuses; portanto, o Senhor ficava .livre de sua parte do contrato e não tinha já a obrigação de cumprir sua promessa de jogar do país às nações que ainda ficavam ali (Exo. 23: 27, 31). 22. Para pobrar com elas. O propósito de deixar ali a essas nações pagãs não era o de determinar se Israel, exposto assim a um contato íntimo com o paganismo, permaneceria fiel a sua própria religião. "Deus não pode ser tentado pelo mal, nem ele prova a ninguém" (Sant. 1: 13). Pelo contrário, desde o começo foi evidente que Israel não ia permanecer fiel. Deus deixou às nações como instrumentos para que afligissem ao Israel, para castigá-lo e 321 para lhe ensinar que o caminho da apostasia não leva a nenhum fim desejável. Por meio das aflições Deus procurava que seu povo se voltasse para ele. Este parece ser o significado da palavra "provar", neste contexto. Quer dizer mas bem "provar" no sentido de afligir ou de fazer passar por vicissitudes que pudessem despertar ao povo para que se desse conta de sua verdadeira condição. Em todas as épocas os homens experimentaram crise similares. Os períodos de sofrimento e decepção serviram para que os tentados voltassem seus pensamentos à seriedade do dever e ao grande propósito que Deus tem

caráter do homem, porque ele conhece seu coração, mas sim mas bem para demonstrar a este seu verdadeiro estado. Apesar dos repetidos fracassos do Israel durante este período, a disciplina não fracassou totalmente. Os castigos infligidos pelas nações estrangeiras devem ter operada mudanças saudáveis na vida de alguns dos hebreus. Os castigos severos e convenientes sem dúvida fizeram compreender a muitos que o caminho do pecado conduzia à desgraça. Usando as frases do Bunyan em O peregrino, poderia dizer-se que Deus fez que o "Prado do Caminho Extraviada" fora mais áspero que o "Caminho Real". depois de ter sido tomados várias vezes pelo "Gigante Desespero", os israelitas estavam a miúdo contentes de voltar pelo caminho por onde antes tinham andado. Esses castigos ensinaram às pessoas lições suficientemente duras como para que em tempos do Samuel se notasse que os israelitas tinham feito já algum progresso espiritual. Ao final do período dos juizes, quando começou o período de Samuel, ouça-se menos a respeito da apostasia que antes. Além disso, todos esses problemas tendiam a fazer que as diferentes tribos estreitassem seus vínculos, de modo que já em tempos do Samuel se notou um sentimento fortemente nacionalista. Seguir o caminho. A tendência natural de fazer "cada um o que bem lhe parece" (Deut. 12: 8; cf. Juec. 17: 6; 21: 15) foi demonstrada cabalmente pelo Israel durante os séculos quando foi governado pelos juizes e posteriormente sob a monarquia. O caminho do homem pelo general é "reto em sua opinião" (Prov. 21: 2). Como resultado, "todos nos desencaminhamos como ovelhas, cada qual se apartou por seu caminho" (ISA. 53: 6). 23. Deixou Jehová a aquelas nações. Os obstáculos são necessários se tiver que obter o desenvolvimento do caráter. Era conveniente que os israelitas aprendessem a viver uma vida Santa no meio de um ambiente corrupto. Bem levado, o conflito contínuo com os poderes do mal desenvolveria a verdadeira fé em Deus. Por esta razão Deus não havia prosperado totalmente os primeiros esforços das tribos por consolidar seus territórios. Por essa mesma causa Deus não tinha permitido que Josué obtivesse dominar completamente todo o território cananeo. O Senhor tinha ajudado aos israelitas a expulsar a tantos cananeos como fora necessário, a fim de proporcionar lugar para que as tribos se estabelecessem. O plano divino era que à medida que o Israel aumentasse em número e aprendesse as lições de obediência e fé, lhe desse o poder de expulsar aos cananeos que ainda ficavam. Na história do Israel, em tempos do David e Salomón, esse fim foi obtido, pelo menos até certo ponto. COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE 2 MJ 430 7 PP 587 10-19 PP 587 22 HAd 184, 198; LS 323 322 CAPÍTULO 3 1 As nações que foram deixadas para provar ao Israel. 6 Ao estar em contato com elas se dedicam à idolatria. 8 Otoniel os libra do Cusan-risataim. 12

1 ESTAS, pois, são as nações que deixou Jehová para provar com elas ao Israel, a todos aqueles que não tinham conhecido todas as guerras do Canaán; 2 somente para que a linhagem dos filhos do Israel conhecesse a guerra, para que a ensinassem aos que antes não a tinham conhecido: 3 os cinco príncipes dos filisteus, todos os cananeos, os sidonios, e os heveos que habitavam no monte Líbano, do monte do Baal-hermón até chegar ao Hamat. 4 E foram para provar com eles ao Israel, para saber se obedeceriam aos mandamentos do Jehová, que ele tinha dado a seus pais por mão do Moisés. 5 Assim os filhos do Israel habitavam entre os cananeos, haja-lhe isso amorreos, ferezeos, heveos e jebuseos. 6 E tiraram de suas filhas por mulheres, e deram suas filhas aos filhos deles, e serviram a seus deuses. 7 Fizeram, pois, os filhos do Israel o mau ante os olhos do Jehová, e esqueceram ao Jehová seu Deus, e serviram aos baales e às imagens da Asera. 8 E a ira do Jehová se acendeu contra Israel, e os vendeu em mãos de Cusan-risataim rei da Mesopotamia; e serviram os filhos do Israel a Cusan-risataim oito anos. 9 Então clamaram os filhos do Israel ao Jehová; e Jehová levantou um libertador aos filhos do Israel e os liberou; isto é, ao Otoniel filho do Cenaz, irmão menor do Caleb. 10 E o Espírito do Jehová veio sobre ele, e julgou ao Israel, e saiu a batalha, e Jehová entregou em sua mão ao Cusan-risataim rei de Síria, e prevaleceu sua mão contra Cusan-risataim. 11 E repousou a terra quarenta anos; e morreu Otoniel filho do Cenaz. 12 Voltaram os filhos do Israel a fazer o mau ante os olhos do Jehová; e Jehová fortaleceu ao Eglón rei do Moab contra Israel, por quanto tinham feito o mau ante os olhos do Jehová. 13 Este juntou consigo aos filhos do Amón e do Amalec, e veio e feriu o Israel, e tomou a cidade das palmeiras. 14 E serviram os filhos do Israel ao Eglón rei dos moabitas dezoito anos. 15 E clamaram os filhos do Israel ao Jehová; e Jehová lhes levantou um libertador, ao Aod filho da Gera, benjamita, o qual era canhoto. E os filhos do Israel enviaram com ele um presente ao Eglón rei do Moab. 16 E Aod se feito uma adaga de dois fios, de um cotovelo de comprimento; e se o rodeou debaixo de seus vestidos a seu lado direito. 17 E entregou o presente ao Eglón rei do Moab; e era Eglón homem muito grosso. 18 E logo que teve entregue o presente, despediu às pessoas que o havia gasto. 19 Mas ele se voltou dos ídolos que estão no Gilgal, e disse: Rei, uma palavra secreta tenho que te dizer. O então disse: Cala. E saíram de diante dele todos os que com ele estavam.

20 E lhe aproximou Aod, estando ele sentado sozinho em sua sala do verão. E Aod disse: Tenho palavra de Deus para ti. O então se levantou da cadeira. 21 Então alargou Aod sua mão esquerda, e tomou a adaga de seu lado direito, e o colocou pelo ventre, 22 de tal maneira que o punho entrou também depois da folha, e a gordura cobriu a folha, porque não tirou a adaga de seu ventre; e saiu o esterco. 23 E saiu Aod ao corredor, e fechou atrás de si as portas da sala e as assegurou com o ferrolho. 24 Quando ele teve saído, vieram os servos do rei, os quais vendo as portas da sala fechadas, disseram: Sem dúvida ele cobre seus pés na sala de verão. 25 E tendo esperado até estar confusos, porque ele não abria as portas de a sala, tomaram a chave e abriram; e hei aqui seu senhor cansado em terra, morto. 26 Mas enquanto isso que eles se detiveram, 323 Aod escapou, e passando os ídolos, ficou a salvo no Seirat. 27 E quando tinha entrado, tocou o corno no monte do Efraín, e os filhos de Israel descenderam com ele do monte, e ele ia diante deles. 28 Então ele lhes disse: me sigam, porque Jehová entregou a seus inimigos os moabitas em suas mãos. E descenderam em detrás dele, e tomaram os vaus do Jordão ao Moab, e não deixaram passar a nenhum. 29 E naquele tempo mataram dos moabitas como dez mil homens, todos valentes e todos homens de guerra; não escapou nenhum. 30 Assim foi subjugado Moab aquele dia sob a mão do Israel; e repousou a terra oitenta anos. 31 depois dele foi Samgar filho do Anat, o qual matou a seiscentos homens de os filisteus com uma aguilhada de bois; e ele também salvou ao Israel. 1. Estas, pois, são as nações. depois de ter terminado de dar sua interpretação da história de todo o período dos juizes, o autor se dedica a enumerar os diferentes povos que permaneceram no Canaán e com quem teve que disputar os israelitas. Ao fazer isto acrescenta outra razão pela qual foram deixados esses cananeos, e também mostra como se obteve rapidamente a fusão social e religiosa com os pagãos (vers. 1-6). 2. Para que a ensinassem. Os que pertenciam à nova geração do Israel não sabiam dos horrores da guerra, nem conheciam por experiência própria as maravilhosas liberações que Deus tinha realizado em favor de seus antepassados. Havendo-se criado em uma situação relativamente cômoda, separaram-se do Deus em quem seus pais tinham crédulo para que os liberasse do inimigo, cujos exércitos eram mais numerosos que os seus. Por meio das nações que ficavam no Canaán e em seus arredores, Deus se propunha repetir as lições de seus anteriores e

guerras que teve que brigar, a geração mais jovem de israelitas aprendeu por amarga experiência que ao lutar contra esses numerosos e belicosos povos só poderia vencê-los com a ajuda do Deus de seus pais. 3. Príncipes. Heb., séren. Salvo uma exceção onde se traduz "eixos" (1 Rei. 7: 30), esta palavra só se usa para referir-se aos governantes das cidades filistéias. Evidentemente era um vocábulo ou título filisteu, pois o emprega exclusivamente para designar a esses governantes e não aparece em outras passagens. A confederação filistéia tinha cinco cidades principais: Gaza, Asdod, Ecrón, Gat e Ascalón (1 Sam. 6: 16-18). Três das cidades tinham sido saquieadas pelos guerreiros do Judá (Juec. 1: 18), mas tinham sido recuperadas pelos filisteus. Todos os cananeos. Quer dizer, os grupos de cananeos que tinham permanecido em todas as regiões do país. É obvio, os hebreus tinham feito incursões em uma boa parte de seu território. Heveos. Ver Jos. 11: 3. Em outras passagens se menciona aos heveos em relação com as cidades do centro da Palestina: no Siquem (Gén. 34: 2) e Gabaón (Jos. 9: 7). Os arqueólogos não podem identificar com toda precisão a este povo. há-se pensado que os heveos seriam um segmento dos horeos (ver com. Jos. 9: 3). Monte Líbano. Aqui se diz que os heveos viviam na zona do monte Hermón (no norte de Palestina) até chegar ao Hamat. Esta expressão se usou freqüentemente na Bíblia para designar a fronteira do norte do Canaán. A cidade do Hamat mesma estava sobre o rio Orontes, a 220 km ao norte do Hermón. Entretanto, seu território chegava até muitos quilômetros ao sul da cidade. Chegar ao Hamat. Ver com. Núm. 34: 8 e Jos. 13: 5. 4. Para provar com eles ao Israel. Ver com. cap. 2: 22, 23. 5. Amorreos. Ver com. cap. 1: 35, 36. Ferezeos. Ver com. cap. 1: 4. Jebuseos. Ver com. cap. 1: 21.

6. Tomaram a suas filhas por mulheres. O casamento entre quem servia a Deus e os que não o honravam se menciona no livro de Gênese como um dos fatores da impiedade que prevaleceu antes do dilúvio (Gén. 6: 2-4). Jehová tinha proibido categoricamente o casamento dos israelitas com os 324 pagãos do Canaán (Deut. 7: 3), mas o povo ignorava freqüentemente esse preceito. Os resultados de tais matrimônios foram evidentes no caso do Salomón (1 Rei. 11: 1-8). O perigo de que se repitam os mesmos resultados trágicos existe também hoje. Muito freqüentemente, o matrimônio de um crente com um cônjuge incrédulo corrompe a fé do crente. Dificilmente poderia ocorrer de outra maneira (ver 2 Cor. 6: 14-17). 7. As imagens da Asera. Heb.'asheroth, ou seja o plural de 'asherah. Parece que estas "imagens de Asera" eram paus ou troncos de árvores que geralmente se levantavam junto a os altares pagãos para ser venerados como objetos de culto. Talvez se considerava que neles vivia a deidade (ver Deut. 16: 21; 2 Rei. 17: 10). Tais imagens eram comuns nos santuários cananeos, e gradualmente se usaram no culto hebreu. Havia uma junto ao altar do Baal na aldeia de Gedeón (Juec. 6: 25), e se fala de que outras estiveram se localizadas na Samaria, Jerusalém e Bet-o (2 Rei. 13: 6; 23: 6, 15). O nome destes símbolos parece haver-se derivado do nome Astarté, famosa deusa cananea que aparece em as tabuletas do Ras Shamra como mãe dos deuses e se denomina freqüentemente Senhora do Mar. Não se sabe como chegou o tronco ou o pau a transformar-se em símbolo da deusa Astarté. 8. Vendeu-os. "Deixou-os a mercê" (BJ). Permitiu que fossem derrotados e postos em sujeição; só puderam reter seus territórios mediante o pagamento de um tributo. A partir deste ponto começa a verdadeira narração do livro de Juizes. Até aqui, mediante dois prefácios (caps. 1: 1 a 2: 5 e 2: 6 a 3: 7), há-se posto o fundamento histórico e se afirmou o princípio de que os pecados do povo levaram a opressão, mas que Deus proporcionou a liberação mediante "juizes" a fim de dar ao Israel outra oportunidade de aceitar seu excelso destino. Para ilustrar isto se apresenta o relato do juiz Otoniel, assim como as narrações referentes aos outros juizes. Cusan-risataim. Os registros históricos não mencionam a invasão do Canaán efetuada por um rei mesopotámico desse nome. O título significa "Cusan da dobro maldade". A segunda parte do nome possivelmente foi adicionada pelos israelitas para demonstrar a aversão que sentiam para ele. A invasão se originou no nordeste, em 'Aram Naharáyim, segundo o hebreu. Isso significa "Aram dos dois rios". Tal era a designação comum que se dava à região compreendida entre o alto Eufrates e o Jabur (Quebar). Mais tarde a palavra Mesopotamia passou a significar todo o território compreendido entre os rios Tigris e Eufrates. Posto que 'Aram Naharáyim estava nessa época sob o domínio dos reis do Mitani, é provável que Cusan-risataim fora rei de Mitani. 9.

Clamaram os filhos do Israel ao Jehová. Sem mais autoconfianza, e desvanecidos já os ilusórios sonhos de prazer, o povo ao fim se voltou para Deus. Repentinamente se tinha dado conta do engano da idolatria e de que os ídolos pagãos eram totalmente incapazes de ajudá-lo. Quando compreendeu isto, voltou-se novamente para Deus de seus pais. afirmou-se, com muita razão, que a aflição obriga aos que antes estranha vez falavam com Deus, a lhe importunar desesperadamente com seus clamores. Esse é o propósito divino que têm as provas. Deve dizer-se em favor dos israelitas que, contudo, voltaram-se para Senhor. Nunca se deixa de ouvir um sincero pedido de socorro. Embora não se tire em todos os casos a aflição, para os que amam a Deus, os que estão completamente entregues a ele, Deus fará que todas as coisas resultem para seu bem (ROM. 8: 28). Entretanto, virá o tempo quando os homens clamarão a Deus, e ele não os ouvirá (Jer. 11: 11). portanto, devêssemos clamar ao Senhor enquanto esteja próximo (ISA. 55: 6). Hoje é o dia de salvação. Levantou um libertador. Em sua angústia, quando os israelitas clamaram a Deus, ele ouviu e lhes suscitou um libertador hebreu: Otoniel, genro do Caleb (cap. 1: 13). 10. Espírito do Jehová. Deus não reservou as obrigado especiais do Espírito Santo só para os tempos do NT. Também na antigüidade capacitou a seus servos para que cumprissem suas tarefas mediante o derramamento do Espírito Santo. Otoniel foi um juiz destacado, já que não se registra que tivesse cometido nenhum desatino nem ato ímpio. Sobre muitos dos outros juizes, apesar de suas vitórias, caiu a sombra do engano, do pesar ou de um fim trágico. Julgou ao Israel. Quando foi imbuído do Espírito do Jehová, Primeiro Otoniel julgou ao Israel e depois saiu à guerra. Isto indicaria que arrumou o que estava mal em meio 325 do povo antes de tentar lutar contra o inimigo. Assim deveria fazer-se sempre. É necessário vencer em primeiro lugar o pecado, o pior dos inimigos. Só quando este inimigo está dominado, podemos esperar vencer a nossos inimigos externos. Saiu a batalha. Não é possível que vençamos nos mantendo inativos mesmo que tenhamos recebido o Espírito do Jehová. demanda-se ação de parte dos que têm o Espírito de Deus. O Espírito do Jehová é o originador de todo o bom e de todos os grandes lucros, mas trabalha por meio dos instrumentos humanos. Prevaleceu sua mão. Não se relatam os detalhes desta guerra, mas pela posição do rei opressor desprende-se que não foi uma luta de pouca magnitude. Entretanto, quando o Senhor novamente ajudou aos israelitas seus esforços se viram coroados por o êxito. 12. Voltaram ... a fazer o mau.

depois da morte do fiel juiz Otoniel, os israelitas pouco a pouco sucumbiram ante sua tendência à idolatria. Assim se entende quão poderosa pode ser a presença de um só homem bom na Igreja ou o Estado. Um dirigente justo e honrado é uma das maiores bênções que pode receber uma nação, não só pelas decisões que toma mas também pela influência que exerce, pelo exemplo de sua vida sobre outros. O mundo necessita hoje a homens como Otoniel, homens cheios do Espírito para que o levem de novo a Deus. Jehová fortaleceu. Aqui começa o segundo período de opressão. Quando Otoniel morreu e a nação voltou para seus caminhos pecaminosos, Deus permitiu novamente que outros povos oprimissem aos hebreus. O propósito desta opressão era saudável. Eglón. Os moabitas eram parentes próximos dos hebreus (Gén. 19: 36-38). Os dois povos nunca antes se feito guerra ativa o um ao outro. Eglón se aliou com os amonitas, cujo reino ficava ao norte do Moab, e com os amalecitas, beduínos nómades do sul. O primeiro ataque do Eglón foi arrojado contra Jericó, a cidade das palmeiras (ver com. Juec. 1: 16). Como resultado conquistou a cidade e o território de Benjamim que a rodeava. Provavelmente já tinham transcorrido 60 anos desde que os hebreus destruíram ao Jericó. A cidade, ou tinha sido reconstruída ao menos em parte, ou se tinha levantado outra em suas proximidades. 15. Aod. depois de ter servido a este rei estrangeiro durante 18 anos, os israelitas cansaram-se de sua condição o suficiente para dar-se conta de que seus dificuldades se deviam a sua apostasia religiosa, e com certa condição clamaram a Deus por ajuda. Embora já tinham traído a confiança divina uma vez, Deus respondeu lhes suscitando a um libertador da tribo de Benjamim. O primeiro juiz tinha sido do Judá, a tribo principal. Nesta segunda ocasião Judá parecia não ter nenhum paladín para o povo oprimido. Pelo menos o Senhor usou a um homem da tribo mais pequena, tribo que tinha sofrido mais por a opressão moabita. Canhoto. diz-se do Aod, a quem o Senhor escolheu como libertador, que era canhoto (literalmente, "impedido da mão direita"). Este fato está relacionado com o que segue, já que uma pessoa canhota se ateria a adaga ao lado oposto do que a levava usualmente, o que ajudaria muito a ocultar a arma. Um presente. Possivelmente o pagamento do tributo anual. É provável que esse tributo se pagasse em espécie, e portanto se teriam requerido vários israelitas para levá-lo e para proteger o dos ladrões pelo caminho. 16. Cotovelo. A palavra hebréia aqui traduzida "cotovelo" não aparece em nenhum outra passagem do AT. É, portanto, muito difícil determinar a longitude desta unidade de medida. Por isso segue, poderia deduzir-se que tinha 30 cm.

Muito grosso. Dado muito importante ao final. O introduz aqui em forma parentética, como antecipação do pináculo da narração. 18. Despediu às pessoas. Depois que Aod e os carregadores israelitas entregaram o tributo, partiram de retorno a sua terra. Quando já se encontraram a uma distância prudencial, Aod mandou aos carregadores que seguissem viagem enquanto ele retornava para tratar de cumprir sua perigosa missão. O relato não indica a localização da residência real. Mas a narração mostra que se encontrava em alguma aldeia do Moab, não longe do Jordão e do Gilgal. 19. ido-os. Literalmente, "imagens esculpidas" ou "pedras gravadas". Podem ter sido os marcos gravados que demarcavam a fronteira, ou talvez algum santuário pagão levantado perto do Gilgal pelos moabitas. Desde 326 AS PRIMEIRAS TRÊS SERVIDÕES DO Israel 327 qualquer modo, os israelitas o teriam considerado como um objeto idolátrico. A tradução, "imagens gravadas", que procede dos targumes judeus, verte o vocábulo desta maneira, possivelmente para evitar a possibilidade de que se deduzira que Aod se deteve perto dos ídolos ou que se tratava das pedras levantadas pelo Josué (Jos. 4: 20). Este monumento não houvesse sido descrito com o nome de "pedras gravadas". Possivelmente se mencionam estes ídolos porque eram marcos ou sinais topográficos bastante conhecidos. Palavra secreta. Ou seja, uma mensagem secreta. O pretexto parecia válido, e possivelmente o rei o aceitou sem suspeitas, pois Aod tinha entregue o tributo; talvez o rei supunha que estava a ponto de divulgar algum secreto quanto às condições que prevaleciam no Israel. É provável que ao rei lhe houvesse informado que Aod tinha ordenado que sua gente seguisse viagem, e naturalmente pensaria que Aod fazia isto para que não o observassem quando dava o mensagem secreta. Naturalmente, não se poderia ter esperado que Aod desse tal mensagem na audiência pública que antes lhe tinha concedido o rei. Cala. A palavra hebréia é onomatopéica. Corresponde a falar para pedir silêncio. Esse mandato ia dirigido ao séquito do Eglón. Aod não se teria atrevido a pedir que os cortesãos se retirassem. Por isso é provável que se houvesse comportado como se estivesse a ponto de relatar seu segredo diante de todos. É obvio, o rei não quereria que se desse assim a mensagem secreta do Aod. Por isso despediu de seus servos com esta expressão. 20. Sala do verão. Literalmente, "sala alta para refrescar". Em árabe moderno se usa o mesmo nome que aparece aqui em hebreu. trata-se de um piso adicional, pelo

ou sobre um anexo da mesma em forma de torre. Sua elevação e as janelas com persianas a fazem cômoda até na época de mais calor. É evidente que se omitiram alguns detalhes do relato. Indubitavelmente, depois de mandar alos servos que se fossem, o rei se retiro a sua câmara privada, onde chamou o Aod, ou talvez as primeiras palavras do Aod (vers. 19) foram levadas a rei por seus mensageiros. Palavra de Deus. Esta declaração foi uma artimanha do Aod para que lhe permitisse aproximar-se do rei. Quando ouviu estas palavras, o rei ficou de pé como sinal de respeito pelo oráculo divino. 21. Sua mão esquerda. O fato de que fosse canhoto impediu que o rei suspeitasse do Aod quando colocou sua mão debaixo da roupa para tirar a adaga. O violento impacto perfurou o abdômen do monarca com tal ímpeto que toda a adaga desapareceu da vista. A extrema obesidade do rei, devida com toda probabilidade à lascívia e a complacência do apetite, havia o tornado incapaz de defender-se a si mesmo. 23. Corredor. "Pórtico" (BJ). A palavra hebréia aqui traduzida "corredor" aparece só em esta passagem no AT. Vem de uma raiz que significa "ordenar", e pelo tanto pode referir-se a uma fileira de colunas. Tudo o que pode dizer-se com segurança é que se tratava de alguma parte do edifício. Assegurou-as com o ferrolho. É provável que pôde fazer isto porque os servos se retiraram a outro setor da casa. Entretanto, deduz-se que viram quando Aod saía da casa, pois voltaram para a sala onde estava o rei. Ao encontrar as portas fechadas, supuseram que o rei não desejava que o incomodasse por um tempo. 24. Cobre seus pés. Eufemismo para dizer que o rei estava evacuando o ventre. A mesma expressão se encontra em 1 Sam. 24: 3. Naturalmente, os servos vacilaram em bater na porta fechada de seu rei. 26. Escapou. A indecisão e a espera dos servos reais deram ao Aod o tempo necessário para fugir. Também é provável que a residência real tivesse estado perto do Jordão, o que teria permitido que Aod logo estivesse a salvo do outro lado do rio. Seirat. Não se conhece sua localização. Poderia ter estado nas próximas colinas de Efraín.

27. Monte do Efraín. Tendo em conta que Aod era da tribo de Benjamim, pode parecer estranho que não se dirigiu às aldeias mais próximas de sua própria tribo. Possivelmente havia ali fortes guarnições moabitas ou Aod pensou que os benjamitas seriam muito covardes para responder a seu chamado para ir a a guerra. A tribo do Efraín, a mais numerosa e agressiva das tribos, respondeu rapidamente a seu chamado à batalha. 28. Vaus do Jordão. Parecem indicá-los vaus que estavam diretamente ao leste de 328 Jericó, perto do Gilgal. Com este movimento impediam que Moab enviasse reforços e que escapassem as tropas moabitas apostadas do lado israelita do rio. 29 Não escapou nenhum. Tão geral e imediato foi o levantamento dos hebreus, que as guarnições moabitas, compostas de homens escolhidos, foram totalmente destruídas. 30. Assim foi subjugado Moab. O poderio moabita do lado israelita do Jordão foi quebrantado até tal ponto que não houve mais perigo dessa parte. 31. Samgar. Evidentemente foi o seguinte herói nacional que subiu ao cenário de ação. Suas façanhas foram tão somente de alcance local, já que foram dirigidas contra os filisteus do sul da Palestina. É provável que tivesse vivido pelo mesmo tempo quando Débora e Barac lutavam contra os cananeos no setor norte do país. No cap. 4: 1 se afirma que Débora e Barac liberaram o Israel depois da morte do Aod, mas não se alude ao Samgar. O canto da Débora parece sugerir que Samgar era seu contemporâneo (cap. 5: 6). A ausência do nome do Samgar no esquema cronológico da narração, e o fato de que não lhe atribuem anos de exercício como juiz, parecem indicar o mesmo. Mediante suas valorosas façanhas salvou aos israelitas de sua zona da opressão e escravidão dos filisteus. Foi um libertador, um herói nacional; mas não o denomina juiz do Israel. O nome Samgar não parece ser hebreu. pensou-se que seria horeo ou hitita. O nome estrangeiro pode dever-se a que sua mãe israelita se casou com um horeo ou um cananeo. Já o autor assinalou que tais matrimônios mistos eram comuns. Seu pai era Anat, nome de uma deusa pagã. Seria pouco provável que um hebreu levasse semelhante nome, a menos que seus pais tivessem sido apóstatas. Aguilhada de bois. A picana para fazer andar os bois. Estes instrumentos estavam acostumados a ter mais de 2

extremo tinham tina ponta de metal, e no outro uma cuchilla em forma de cinzel para limpar a grade do arado. Podiam usar-se com eficácia em lugar de uma lança. Era uma arma humilde, mas a aguilhada obtém muito mais com a bênção de Deus que sem ela "a espada do Goliat". Algumas vezes Deus prefere instrumentos muito insólitos para que possa revelar-se claramente que seu poder é o que atuou. CAPÍTULO 4 1 Débora e Barac liberam ao Israel do Jabín e Sísara. 18 Jael mata a Sísara. 1 DESPUES da morte do Aod, os filhos do Israel voltaram a fazer o mau ante os Olhos do Jehová. 2 E Jehová os vendeu em mão do Jabín rei do Canaán, o qual reinou no Hazor; e o capitão de seu exército se chamava Sísara, o qual habitava no Haroset-goim. 3 Então os filhos do Israel clamaram ao Jehová, porque aquele tinha novecentos carros ferrados, e tinha oprimido com crueldade aos filhos de Israel por vinte anos. 4 Governava naquele tempo ao Israel uma mulher, Débora, profetisa, mulher de Lapidot; 5 e acostumava sentar-se sob a palmeira da Débora, entre o Ramá e Bet-o, no monte do Efraín; e os filhos do Israel subiam a ela a julgamento. 6 E ela enviou a chamar o Barac filho do Abinoam, de Cede do Neftalí, e o disse: Não te mandou Jehová Deus do Israel, dizendo: Vê junta a sua gente em o monte do Tabor, e toma contigo dez mil homens da tribo do Neftalí e de a tribo do Zabulón; 7 e eu atrairei para ti ao arroio do Cisón a Sísara, capitão do exército de Jabín, com seus carros e seu exército, e o entregarei em suas mãos? 8 Barac lhe respondeu: Se você for comigo, 329 eu irei; mas se não for comigo, não irei. 9 Ela disse: Irei contigo; levantando-se Débora, foi com o Barac a Cede. 10 E juntou Barac ao Zabulón e ao Neftalí em Cede, e subiu com dez mil homens a seu mando; e Débora subiu com ele. 11 E Heber ceneo, dos filhos do Hobab sogro do Moisés, apartou-se de os lhes jante, e tinha plantado suas lojas no vale do Zaanaim, que está junto a Cede. 12 Vieram, pois, a Sísara as novas de que Barac filho do Abinoam havia subido ao monte do Tabor. 13 E reuniu Sísara todos seus carros, novecentos carros ferrados, com todo o povo que com ele estava, desde o Haroset-goim até o arroio do Cisón. 14 Então Débora disse ao Barac: te levante, porque este é o dia em que Jehová entregou a Sísara em suas mãos. Não saiu Jehová diante de ti? E Barac descendeu do monte do Tabor, e dez mil homens em detrás dele. 15 E Jehová quebrantou a Sísara, a todos seus carros e a todo seu exército, a fio de espada diante do Barac; e Sísara descendeu do carro, e fugiu a pé. 16 Mas Barac seguiu os carros e o exército até o Haroset-goim, e todo o

17 E Sísara fugiu a pé à loja do Jael mulher do Heber ceneo; porque havia paz entre o Jabín rei do Hazor e a casa do Heber ceneo. 18 E saindo Jael a receber a Sísara, disse-lhe: Vêem, meu senhor, vêem mim, não tenha temor. E ele veio a ela à loja, e lhe cobriu com uma manta. 19 E lhe disse: Rogo-te me dê de beber um pouco de água, pois tenho sede. E ela abriu um odre de leite e lhe deu de beber, e lhe voltou a cobrir. 20 E lhe disse: Estate à porta da loja; e se alguém viniere, e lhe perguntarei, dizendo: Há aqui algum? você responderá que não. 21 Mas Jael mulher do Heber tomou uma estaca da loja, e pondo um maço em sua mão, lhe aproximou silenciosamente e lhe colocou a estaca pelas têmporas, e a cravou na terra, pois ele estava carregado de sonho e cansado; e assim morreu. 22 E seguindo Barac a Sísara, Jael saiu a recebê-lo, e te disse: Vêem, e lhe mostrarei ao varão que você procura. E ele entrou onde ela estava, e hei aqui Sísara jazia morto com a estaca pela têmpora. 23 Assim abateu Deus aquele dia ao Jabín, rei do Canaán, diante dos filhos de Israel. 24 E a mão dos filhos do Israel foi endurecendo-se mais e mais contra Jabín rei do Canaán, até que o destruíram. 2. Jabín. Logo depois dos 80 anos de paz que seguiram depois que Aod quebrantou a opressão dos moabitas, os israelitas descuidaram sua vida espiritual, e novamente abandonaram a seu Deus. A fim de despertar a seu povo, o Senhor permitiu que o governante cananeo que comandava a forte cadeia de fortificações no norte da Palestina oprimisse às tribos hebréias setentrionais durante 20 anos. relata-se duas vezes como foi quebrantado esse jugo opressor pela Débora e Barac. No cap. 4, a narração aparece em prosa, e no cap. 5, em forma poética. No livro do Josué se menciona a um Jabín como rei do Hazor (Jos. 11: 1-9). Os israelitas tomaram naquele momento a cidade, mas é provável que os cananeos a tivessem recuperado antes de que os israelitas pudessem consolidar sua posição nessa zona. Outro Jabín, possivelmente neto do rei aniquilado pelo Josué, chegou mais tarde a dominar todas as forças cananeas da Palestina setentrional. Sísara. Desde este ponto não se volta a ouvir mais do Jabín, salvo uma breve menção no vers. 23. O rei lhe tinha encomendado a supervisão de seus exércitos ao capitão Sísara. É possível que Sísara também tivesse sido rei que governava a cidade onde vivia. Haroset-goim estava a 25 km do Meguido, no lugar onde a planície do Jezreel se estreita antes de sair à planície marítima de Acre. A planície era um terreno muito apto para as manobras da formidável força de 900 carros ferrados (cap. 4: 3) que comandava Sísara. Em sua estado de pecaminosa rebelião, os israelitas não puderam resistir a esse temível inimigo, e logo foram derrotados e tiveram que pagar tributo. 330 Haroset-goim.

4. Governava. Provavelmente não como princesa, nem por autoridade civil que lhe houvesse conferido, mas sim como profetisa que corrigia abusos e fazia justiça. Débora. Este nome significa literalmente, "abelha". De todos os juizes cujas façanhas registram-se neste livro, é a única da qual se diz que tinha o dom profético. Lapidot. Significa "tochas", "brilhos" ou "relâmpago". Alguns pensaram que a frase "mulher do Lapidot" deveria traduzir-se "mulher de espírito fogoso" ou "ardente", título bem aplicável a Débora pelo que se vê do relato que segue. 5. Acostumava sentar-se. sentava-se para julgar. Seu lugar preferido para ouvir os pleitos se achava debaixo de uma árvore que estava entre o Ramá e Bet-o (ver com. 1 Sam. 1:1). Este árvore parece ter estado perto da famosa "carvalho do pranto", debaixo da qual tinha sido enterrada Débora, ama de Blusa de lã (Gén. 35: 8). Este tipo de tribunal permitia que o povo se aproximasse até ela com facilidade, e "os filhos do Israel subiam a ela a julgamento" nesse lugar. 6. Cede do Neftalí. Possivelmente o que é agora Tell Qades, a 6,4 km ao noroeste do lago do Huleh, na alta Galilea. Cede do Neftalí tinha sido uma fortaleza cananea. O pitoresco sítio do Qades está hoje talher de ruínas. Monte do Tabor. Um monte proeminente (de 588 m de altura), a muitos quilômetros ao sul do Tell Qades, no território do Isacar, a 8,8 km ao leste do Nazaret. Dominava o caminho principal que acontecia o estreito vale que levava da planície do Esdraelón até a planície do Jordão, onde este rio sai do mar de Galilea. Por sua localização era um lugar lógico para que se juntassem as tropas das tribos do norte, e por sua altura era fácil de defender contra os carros da Sísara. A cúpula, uma plataforma retangular que tinha 915 m de comprido em direção esteja-oeste, e 396 m em sua parte mais larga, era um excelente acampo para formar as tropas. Séculos depois Antíoco Epífanes, e mais tarde Josefo usaram esta meseta com o mesmo propósito. Neftalí e ... Zabulón. O cap. 4 só menciona a estas duas tribos como participantes na batalha. No cap. 5, são seis as tribos que aparecem como combatentes. Provavelmente do Neftalí e Zabulón vieram a maioria das tropas, e só uns poucos guerreiros das outras tribos se fizeram pressentem. 7.

Cisón. A marcha da Sísara desde seu quartel geral no Haroset-goim até o monte Tabor, onde combateria contra os israelitas, levava-o com o passar do leito parcialmente seco do Cisón. Neste lugar o Senhor prometeu que seria derrotado. Era necessário que a vitória se efetuasse na planície e não no monte Tabor a fim de obter a destruição dos carros. 8. Se você for comigo. É provável que Barac se deu conta de que por si só não poderia manter o ânimo dos hebreus. A presença da Débora serviria como uma prova de que a empresa era de Deus. Talvez Barac queria que todos entendessem que era ela, a profetisa, e não ele, quem iniciava a campanha militar. O fato de que Barac tivesse seguido a direção profética nesta empresa perigosa é um elogio para ele. Também é digno de notar-se que Débora não recusou fazer o que tinha mandado que outros fizessem. Barac preferiu o papel mais humilde de que executa o mandato do Senhor. Voluntariamente se retirou da direção e ficou sob a autoridade de uma mulher a quem Deus tinha animado e inspirado. Hoje também se necessitam homens que estejam dispostos a obedecer a voz divina como o fez Barac. Deus não se limita ao sexo masculino quando escolhe profetas. menciona-se a profetisas tanto no AT como no NT (Exo. 15: 20,21; Núm. 12: 2; 2 Rei. 22: 12-20; Luc. 2: 36; Hech. 21: 9). 9. Mão de mulher. Débora consentiu em participar da expedição militar, mas antes de deixar seu lar no monte do Efraín para acompanhar ao Barac no norte da Palestina, profetizou que a victoría que ia se obter não seria para a glória do Barac mas sim de uma mulher. Não se referia a si mesmo, a não ser ao Jael (vers. 18-21), quem mataria a Sísara. 10. E subiu. Esta frase significa "sair à batalha". 11. Heber ceneo. Este versículo explica a razão pela qual alguns lhes jante viviam nessa zona setentrional quando, segundo a declaração prévia do autor (cap. 1: 16), se tinham estabelecido no sul da Palestina. Estes lhes jante se separaram do resto da tribo e 331 se estabeleceram na herdade do Zabulón e Neftalí. Um deles, Heber, tinha ido viver na longínqua região setentrional de Cede. Hobab. Ver com. Núm. 10: 29. Vale.

Saanannim" (BJ); "no encinar do Besananim" (NC). Este lugar estava próximo a Cede, onde vivia Barac. Ver com. Jos. 19: 33. 12. Vinierón, pois, a Sísara as novas. Alguns pensam que os lhes jante, que mantinham boas relações com seu rei cananeo Jabín, teriam informado das manobras militares do Barac. 13. Seus carros. Os 900 carros eram o total dos carros pertencentes a todas as cidades da aliança cananea. Cisón. O rio Cisón em si, embora muito curto, é o maior rio desta parte de Palestina. Alimentam-no numerosos regatos que recolhem as águas dos colinas vizinhas e atravessam a planície do Esdraelón. Perto do Tabor, um tributário corre do norte até unir-se à corrente principal perto de Meguido. É provável que Sísara dirigisse seus carros armados até este arroio e perto dali acampou na planície, junto ao rio. 15. Jehová quebrantou a Sísara. Não se descreve com precisão o método usado Por Deus para obter isto. O relato paralelo do cap. 5 afirma que a corrente do Cisón, em cujas ribeiras tinha acampado o exército cananeo, varreu às tropas (cap. 5: 20, 21). Deus pôde ter enviado uma repentina e torrencial chuva pouco depois da chegada do exército da Sísara. Sob tal chuva o chão argiloso da planície logo se teria convertido em um pegajoso lamaçal onde os carros dos cananeos não podiam manobrar. Um dos que trabalhou na escavação da antiga cidade do Meguido, perto desse lugar, relata que nos dias de chuva era quase impossível sair, até a cavalo, por causa do barro. As águas torrenciais contribuíram à derrota dos turcos neste mesmo lugar em abril de 1799, quando muitos de seus soldados fugitivos foram arrastados pela água e se afogaram. Durante a Primeira guerra mundial, as tropas inglesas encontraram que até um quarto de hora de chuva sobre esse chão argiloso fazia impossível realizar manobras de cavalaria. 16. Barac seguiu. A linha da retirada descia pelo vale, porque nas colinas, a cada lado desse vale, estavam as populações hebréias. O vale se volta mais estreito quando se aproxima do estreito desfiladeiro que leva ao Haroset-goim. antes de que os cananeos pudessem chegar de volta a seu quartel geral em Haroset-goim, seu exército tinha ficado aniquilado. Nem a gente viveu para chegar salvo até os muros da cidade. Haroset-goim. O quartel geral dos cananeos estava no extremo oriental da planície do Esdraelón, onde o Cisón passa pelas montanhas para sair à planície

brigou perto do Taanac e Meguido (cap. 5: 19). 17. Ceneo. O acampamento desta tribo ficava muito ao norte do cenário de batalha, tal vez a 40 ou 60 km. É possível que tivessem transcorrido um ou dois dias da batalha quando o outrora orgulhoso comandante militar, faminto e exausto, chegou às lojas de quem considerava seus amigos. 18. Jael. É possível que Heber estivesse ausente de sua casa e que sua esposa Jael estivesse cuidando o acampamento. Possivelmente os servos já tivessem informado que o comandante do exército do Jabín se aproximava a pé, e já tivessem notícia de a vitória hebréia. Posto que havia relações pacíficas entre os lhes jante e os cananeos, era natural que Sísara esperasse encontrar sustento e descanso entre os lhes jante. Não tenha temor. Estas palavras sugerem uma provável suspeita de parte da Sísara. Jael tentou acalmar esse temor. Manta. Sísara se deitou e Jael o cobriu com algum tipo de manta ou "cobertor" (BJ). A palavra traduzida "manta" aparece só nesta passagem e se desconhece seu sentido exato. Entretanto, o contexto indica que era algo com o qual cobrir a uma pessoa. 19. Rogo-te me dê. É um antigo costume oriental, comum a todos os beduínos, que qualquer que tenha comido ou bebido algo na loja seja acolhido com paz na casa. Um inimigo acérrimo podia descansar sem temor na loja de seu adversário se tinha bebido com ele. O pedido da Sísara mostrava sua cautela e suspeita. Embora exausto, não se atreveu a dormir até que Jael lhe desse alguma garantia quanto a suas intenções. Quando Jael abriu o odre e lhe deu 332 leite a beber, o comandante acreditou que podia dormir tranqüilo. 21. Uma estaca. A estaca de madeira que se cravava no chão para assegurar as cordas que asseguravam a loja. Jael teve que sentir muito intensas e diferentes emocione quando tomou afiada estaca e o pesado martelo que acostumava usar para levantar as lojas. Até onde saibamos, não havia nenhuma ofensa pessoal de a qual vingar-se, e é possível que sua ação fora impelida porque Sísara era o opressor do povo de Deus, com o qual se identificaram ela e seu família. 22. Sísara jazia morto.

Não sabemos quanto tempo depois da morte da Sísara chegaram perseguindo-o Barac e alguns de seus homens. Talvez os pastores que habitavam as colinas tinham observado ao general que fugia e tinham informado ao Barac e a seus homens do rumo que levava. O ansioso grupo de soldados do Barac chegou ao acampamento do Heber, e quão atônitos devem ter ficado quando Jael os levou até sua loja e mostrou a seu inimigo morto. Este relato, pois, começa com o valor de uma mulher e termina com a mesma nota. 23. Assim abateu Deus. O autor não atribui a vitória dos israelitas nem ao Barac, nem a Débora, nem ao Jael, a não ser a Deus, cujo poder tinha feito possível que os hebreus derrotassem a seus inimigos. 24. Foi endurecendo-se mais e mais. A batalha do Cisón foi o começo da liberação total do Israel do jugo cananeo. Nas batalhas subseqüentes os hebreus exerceram uma pressão sempre major sobre o reino do Jabín, até que quebrantaram completamente o poder deste rei cananeo. CAPÍTULO 5 O canto da Débora e Barac 1 AQUELE dia cantou Débora com o Barac filho do Abinoam, dizendo: 2 Por haver ficado à frente os caudilhos no Israel,

Por haver-se devotado voluntariamente o povo,

Louvem ao Jehová. 3 Ouçam, reis; escutem, OH príncipes;

Eu cantarei ao Jehová,

Cantarei salmos ao Jehová, o Deus do Israel. 4 Quando saiu do Seir, OH Jehová,

Quando te partiu dos campos do Edom,

A terra tremeu, e os céus destilaram,

E as nuvens gotejaram águas. 5 Os Montes tremeram diante do Jehová,

Aquele Sinaí, diante do Jehová Deus do Israel. 6 Nos dias do Samgar filho do Anat,

Nos dias do Jael, ficaram abandonados os caminhos,

E os que andavam pelos caminhos se apartavam por atalhos torcidos. 7 As aldeias ficaram abandonadas no Israel, tinham decaído,

Até que eu Débora me levantei,

Levantei-me como mãe no Israel. 8 Quando escolhiam novos deuses,

A guerra estava às portas;

via-se escudo ou lança

Entre quarenta mil no Israel? 9 Meu coração é para vós, chefes do Israel,

Para os que voluntariamente lhes ofereceram entre o povo.

Louvem ao Jehová. 10 Vós os que cavalgam em asnas brancas,

Os que presidem em julgamento,

11 Longe do ruído dos arqueiros, nos abrevaderos,

Ali repetirão os triunfos do Jehová,

Os triunfos de suas aldeias no Israel;

Então partirá para as portas o povo do Jehová. 12 Acordada, acordada, Débora;

Acordada, acordada, entoa cântico.

te levante, Barac, e leva seus cativos, filho do Abinoam. 333 13 Então partiu o resto dos nobres;

O povo do Jehová partiu por ele contra os capitalistas. 14 Do Efraín vieram os radicados no Amalec,

Em detrás de ti, Benjamim, entre seus povos;

Do Maquir descenderam príncipes,

E do Zabulón os que tinham vara de mando. 15 Caudilhos também do Isacar foram com a Débora;

E como Barac, também Isacar

precipitou-se a pé no vale.

Entre as famílias do Rubén.

16 por que ficou entre os redis,

Para ouvir os balidos dos rebanhos?

Entre as famílias do Rubén

Houve grandes propósitos do coração. 17 Galaad ficou ao outro lado do Jordão;

E Dão, por que se esteve junto às naves?

manteve-se Aser à ribeira do mar,

E ficou em seus portos. 18 O povo do Zabulón expôs sua vida à morte,

E Neftalí nas alturas do campo. 19 Vieram reis e brigaram;

Então brigaram os reis do Canaán,

No Taanac, junto às águas do Meguido,

Mas não levaram ganho alguma de dinheiro. 20 Dos céus brigaram as estrelas;

Desde suas órbitas brigaram contra Sísara. 21 Os varreu a corrente do Cisón,

A antiga corrente, a corrente do Cisón.

Marcha, OH minha alma, podendo. 22 Então ressonaram os cascos dos cavalos

Pelo galopar, pelo galopar de seus valentes. 23 Amaldiçoem ao Meroz, disse o anjo do Jehová;

Amaldiçoem severamente a seus moradores,

Porque não vieram ao socorro do Jehová,

Ao socorro do Jehová contra os fortes. 24 Bendita seja entre as mulheres Jael,

Mulher do Heber ceneo;

Sobre as mulheres bendita seja na loja. 25 O pediu água, e lhe deu leite;

Em tigela de nobres lhe apresentou nata. 26 Tendeu sua mão à estaca,

E sua mão direita ao maço de trabalhadores,

E golpeou a Sísara; feriu sua cabeça,

E lhe perfurou, e atravessou suas têmporas. 27 Caiu curvado entre seus pés, ficou tendido;

Entre seus pés caiu curvado;

28 A mãe da Sísara aparece à janela,

E por entre as persianas a vozes diz:

por que demora seu carro em vir?

por que as rodas de seus carros se detêm? 29 As mais avisadas de suas damas lhe respondiam,

E até ela se respondia a si mesmo: 30 Não acharam bota de cano longo, e o estão repartindo?

A cada um uma donzela, ou dois;

As vestimentas de cores para a Sísara,

As vestimentas bordadas de cores;

A roupa de cor bordada de ambos os lados, para os chefes dos que tomaram o bota de cano longo. 31 Assim pereçam todos seu inimigos, OH Jehová;

Mas os que lhe amam, sejam como o sol quando sai em sua força.

E a terra repousou quarenta anos. 1. Aquele dia cantou Débora. Muitas nações têm o costume de celebrar as vitórias nacionais por meio de cantos marciais. Os hinos nacionais de muitos países se assemelham ao tipo de canto encontrado neste capítulo. Em uma época quando os livros de texto eram escassos ou não existiam, este canto foi indubitavelmente um instrumento eficaz para conservar a narração da vitória do Israel sobre Jabín. Ressalta como um dos poemas épicos mais grandiosos que jamais se hajam escrito.

afirma-se que Débora e Barac cantaram este canto. Alguns pensaram que o poema foi escrito originalmente pela Débora para ser cantado como dueto, no qual Débora cantava primeiro e logo Barac respondia. Entretanto, não pode afirmar-se que assim tivesse ocorrido. Este canto é uma das passagens bíblicas mais difíceis de traduzir. Contém muitas palavras 334 hebréias que após deixaram de usar-se; portanto, é difícil precisar seu sentido. É provável que o canto tivesse sido irradiado sem mudanças desde sua composição original até ser incorporado ao livro de Juizes, quando se escreveu este livro, possivelmente muito tempo depois. Os idiomas antigos, a semelhança dos modernos, foram evoluindo, de tal maneira que com o correr de alguns séculos muitas palavras foram desaparecendo do uso comum. Este poema começa com palavras de louvor a Deus pela vitória (vers. 2-5), seguidas de uma descrição da situação existente antes da batalha (vers. 6-8). Há abundantes elogios para as tribos que participaram do levantamento, enquanto se reprova duramente aos que não responderam na hora de crise (vers. 14-17). Segue uma descrição da batalha (vers. 18-22), o relato da morte da Sísara à mão do Jael (vers. 24-27), e a ansiedade da mãe da Sísara quem espera que seu filho volte da guerra (vers. 28-31). 2. Por haver ficado à frente os caudilhos. Expressão difícil de compreender e traduzir. A BJ reza: "Ao soltar-se no Israel a cabeleira", e acrescenta em nota: "Rito de combate praticado em nossos dias entre os beduínos". O verbo hebreu para, "soltar o cabelo", poderia referir-se a uma preparação ritual para a batalha. 3. Ouçam, reis. Neste versículo se nota claramente o paralelismo característico da poesia hebréia. O versículo se divide em duas partes. Em cada uma delas se expressa duas vezes a mesma idéia, mas com palavras ligeiramente diferentes. Embora a RVR repete a palavra "cantarei" na segunda parte do versículo, o hebreu usa términos diferentes, dos quais o segundo tem a idéia adicional de cantar, acompanhando-se com um instrumento musical de cordas. 4. Seir. A região montanhosa que se estende do leste do mar Morto por volta do mar Vermelho. A referência a esta montanha parece ter o propósito de mostrar que a presença de Deus tinha acompanhado aos israelitas enquanto viajavam para Canaán. Essa presença se manifestou em formas milagrosas: a provisão sobrenatural de água e alimento, a presença de Cristo na coluna de fogo e a nuvem que os acompanhava. O mesmo Deus que no antigo tinha obrado tão maravilhosamente, tinha intervindo de novo e feito maravilha por seu povo. Neste caso, o monte Tabor, e não o Seir, tinha sido o cenário das façanhas divinas. 5. Os Montes tremeram.

lei. recorda-se também este acontecimento como ilustração do poder divino. 6. Os dias do Samgar. Ver com. cap. 3: 31. Ficaram abandonados os caminhos. Neste versículo e os dois seguintes se descreve a deplorável condição do país sob o domínio cananeo. O estado de guerra desbaratou as viagens e o comercializo a tal ponto que os caminhos não puderam usar-se, e os que deviam viajar se viam obrigados a usar caminhos pouco freqüentados que atravessavam a campina. Esta dificuldade de mobilização surgiu porque as guarnições cananeas estavam em lugares estratégicos sobre as rotas principais. Desde esses pontos os cananeos podiam dificultar os movimentos dos hebreus para assim impedir possíveis luta de guerrilheiros, e ao mesmo tempo anular o comércio e o tráfico. 7. As aldeias ficaram abandonadas. Talvez seria melhor traduzir "as aldeias desapareceram". "Vazios no Israel ficaram os povoados" (BJ). Por isso se indica que os habitantes das aldeias sem muros as abandonaram para viver nas cidades muradas, onde poderiam proteger do roubo e o saque, tanto dos cananeos como das bandas de ladrões, que sempre se multiplicam em tempos de anarquia como este. 8. Escolhiam novos deuses. Esta declaração parece haver-se incluído a fim de explicar a razão pela qual os israelitas tinham ficado reduzidos a este lamentável estado. A guerra estava às portas. Os hebreus não tinham paz. Os cananeos começaram a atacar as cidades muradas israelitas, cercando assim a seus habitantes. Evidentemente os cananeos, como também o fizeram os filisteus mais tarde, tinham proibido o trabalho de ferraria e toda fabricação de armas entre os hebreus; daí que entre os 40.000 homens em idade militar quase não havia lança nem escudo em boas condições. Esta política era eficaz para eliminar qualquer perigo de represálias dos hebreus. 9. Chefes. depois de descrever as dificuldades do Israel, nos vers. 9 aos 11 a profetisa pede a várias categorias de hebreus que dêem 335 graças aos que tinham ajudado a pôr fim a seus amos cananeos. Em primeiro término estão os "chefes", literalmente os que prescrevem e fazem obedecer as leis. Os tais eram príncipes que, como Barac, arriscaram a vida pela vitória do Israel. Eram os governantes do Israel cujo dever era manter a lei e a ordem nacional, e nesta ocasião demonstraram que eram dignos da tarefa que se os tinha crédulo. Bem podia Débora pedir ao povo que agradecesse a Deus por

cananeos. Atualmente há nas Iglesias muitos dirigentes fiéis, tanto laicos como missionários, que deram os melhores anos de sua vida, plena e voluntariamente, para o bem-estar da igreja. Tais pessoas merecem a avaliação da igreja e da sociedade. Bem podemos louvar a Deus por eles e por seu trabalho, assim como elogiou Débora a Deus por quão dirigentes ajudaram com seu zelo e ardor ao levantamento contra os cananeos. 10. Os que cavalgam. tratava-se de homens ricos e influentes, porque suas cavalgaduras eram animais escolhidos, fora do alcance dos menos ricos. Em outras palavras, que os enriquecidos, os que se sintam em ricas tapeçarias (pois assim também pode traduzi-la frase que diz "os que presidem em julgamento", ver BJ) e os que podem viajar pelos caminhos antes desertos, meditem na maravilhosa vitória obtida Por Deus em favor de seu povo nesta memorável ocasião, e dela falem. 11. Repetirão. Os que já podiam viver em paz, deviam deter-se em meio de seu tranqüilo ambiente para repetir este relato e dar graças a Deus por sua ajuda na derrota do inimigo e a restauração da paz no Israel. Já a gente podia mover-se sem temor e prosseguir com as atividades diárias normais. Sem embargo, deviam recordar que o estado de paz se devia aos justos atos de Deus, cujo poder ajudou aos valentes caudilhos israelitas a jogar fora a escravidão e a opressão dos cananeos. 12. Acordada. Em frases poéticas se chama a Débora para que se levante e convoque às tribos. Entoa cântico. Não um cântico de louvor pela vitória obtida, a não ser um canto épico para animar às tribos e inflamaria para a batalha. te levante, Barac. Como o reconhecido caudilho militar dos hebreus, Barac recebe a instrução de lançar-se à campanha cujo resultado seria que o cativante iria cativo. 14. Efraín. nomeou-se só ao Zabulón e ao Neftalí como os únicos que se uniram com Barac (cap. 4: 10); mas aqui se mostra que havia contingentes do Efraín, em as mesetas centrais e também mais longe ainda, para o sul. Maquir. Filho do Manasés (Gén. 50: 23). Chefe da principal família da tribo. Esta

acredita-se que nesta passagem se usaria o nome Maquir em forma poética para representar a toda a tribo do Manasés (ver também Núm. 32: 40; Deut. 3: 15). Os que tinham vara de mando. Literalmente, "vara do escriba". Acredita-se que a vara de mando seria a insígnia do oficial cujo dever era formar as tropas e levar o registro de quantos homens vinham de cada lugar. 15. Isacar. Outra tribo que participou da luta. Entretanto, não todas as tribos foram ante a proclama da Débora e Barac para sair à batalha. Algumas tribos recusaram diretamente unir-se com as tropas israelitas, outras vacilaram e refletiram até que terminou a batalha. Grandes resoluções. Com toda probabilidade, quando a convocação para a batalha chegou até as diversas famílias da tribo do Rubén que viviam relativamente perto, ao outro lado do Jordão, debateram rapidamente a respeito do que foram fazer. Cada família quis saber o que fariam as outras em relação com a convocatória a a guerra. Comentaram isto ampliamente em seus círculos familiares; mas, enquanto refletiam quanto à necessidade e a possibilidade de ir, passou o tempo de atuar. Evidentemente estavam ainda vacilando e planejando o que desejavam fazer quando lhes chegou a notícia da vitória. 17. Galaad. A zona que estava ao leste do Jordão e ao sul do mar da Galilea. Aqui se menciona como se fosse nome de uma tribo. Evidentemente o autor usou a palavra "Galaad", em vez do Gad, tribo que ocupava parte deste território. esteve-se junto às naves. Parece que a migração dos filhos de Dão para o norte, conforme se registra no Juec. 18, tinha ocorrido antes do tempo da Débora. A frase sugere 336 certo grau de amalgamação com os marinhos fenícios, ou pelo menos tal relação com eles que os de Dão até perderam o interesse nos esforços de seus irmãos israelitas por recuperar sua independência. manteve-se Aser. Aparentemente também Aser experimentava tanto a poderosa influência dos cananeos e navegantes fenícios de Tiro e Sidón, que não se sentiu inclinado a render-se à sublevação hebréia. Quando existe união com o mundo, quando se respira seu espírito e suas metas, desaparece o desejo de muitos cristãos de unir-se à luta contra as hostes das trevas. Enquanto seus irmãos participam ativamente do trabalho missionário cristão, descansam imutáveis e sem interesse algum na empresa. Em seus portos. Esta expressão se explicou pela aparência que apresentam as embarcações no porto e os espaços que separam umas de outras. 18.

As alturas. Estas palavras possivelmente se referem às pequenas elevações ou colinas sobre as quais as hostes da Sísara tentaram reagrupar-se para defender suas linhas. Os homens do Zabulón e Neftalí que, como se viu no cap. 4: 10, formavam a parte principal do exército israelita, arrasaram sorpresivamente esses centros e derrotaram por completo ao formidável exército da Sísara. 19. Reis do Canaán. É possível que no exército da Sísara lutassem também os reis das vizinhas cidades fortificadas cananeas, tais como Taanac e Meguido, que se achavam na ribeira sul do rio. Mas na confusão da batalha os atrevidos ataques dos homens do Zabulón e Neftalí penetraram nessas fortalezas. Não levaram ganho alguma. Em vez de receber um rico bota de cano longo por haver-se incorporado à campanha da Sísara, estes reis perderam suas cidades e a vida mesma. 20. Estrela. Quer dizer, as forças da natureza, já fora em forma literal ou poética, como representação do poder de Deus que as rege. 21. Varreu-os. Ver com. cap. 4: 15. Marcha, OH minha alma. "Avança, minha alma, com denodo!" (BJ). Débora parece imaginar-se que está presente no campo de batalha, e com estas palavras se anima a seguir com valor até que se obtenha a vitória. 23. Meroz. Não identificada, mas aparentemente perto da cena da batalha. Em contraste com os valentes patriotas das outras tribos que se atreveram a opor-se aos cananeos, os israelitas residentes no Meroz, situada na rota de retirada dos exércitos da Sísara, recusaram-se a emprestar ajuda alguma. Se tivessem ajudado, provavelmente os israelitas teriam podido impedir que os cananeos, ou talvez o mesmo Sísara, escapassem do campo de batalha. Porque se negaram a colaborar, o anjo do Jehová pronunciou uma maldição contra eles. O seu foi um pecado de omissão e não de comissão. Neste caso, sua transgressão consistiu em não fazer nada na hora da necessidade, e por isso recaiu sobre eles a maldição de Deus. Nenhum outro versículo do livro dos juizes constitui uma advertência tão severo aos membros da igreja atual como este em que se amaldiçoa aos que em um tempo de crise se negam a colaborar. Frente a uma tremenda necessidade de operários, muitos professos cristãos se conformam seguindo seu

contra Satanás. Dizem que a obra da igreja deve ser realizada pelos ministros, e não aceitam eles mesmos nenhuma responsabilidade. A maldição de Meroz recai sobre esses cristãos infiéis a menos que abandonem seu espírito apático. 24. Bendita seja entre as mulheres. A palavra hebréia aqui traduzida "bendita" se usa muitas vezes com o sentido de "elogiar", "falar bem de", "celebrar". Em contraste com a negativa dos habitantes do Meroz que não assistiram a seus compatriotas, está Jael, uma mulher que por sua raça não pertencia aos israelitas e que em realidade politicamente estava aliada com os inimigos deles. Na loja. Jael seria a mais destacada de todas as mulheres beduínas. 25. Tigela de nobres. Um tigela apropriado para que o usassem homens de hierarquia, talvez um dos formosos recipientes de Giz. 26. Sua mão direita ao maço. Combinando o relato poético com o que se narra a respeito da ação do Jael em Juec. 4: 21, obtém-se o quadro seguinte: enquanto Sísara estava profundamente dormido, Jael lhe deu um golpe tão tremendo na cabeça com o maço que lhe rompeu o crânio. Embora ferido de morte, tentou levantar-se. Então, segundo o relata o cap. 5: 27 "caiu curvado" (Heb. kara', "prostrar-se de joelhos"), e ficou ali morto (literalmente, "destruído em forma violenta"). 337 depois disso, Jael lhe perfurou a têmpora com a estaca e o cravou no chão. Entretanto, é difícil saber até que ponto devesse tomar-se literalmente a linguagem deste poema. 28. Mãe da Sísara. há-se dito com boa razão que esta passagem de dramática ironia, no qual se descreve o temor e a aflição da mãe da Sísara, só poderia ter sido escrito por uma mulher. Em contraposição ao regozijo pela ação de uma mulher, apresenta-se a desgraça de outra que trata em vão de dominar o pressentimento de um desastre. Enquanto que Sísara jaz morto ignominiosamente em sua longínqua capital sua mãe se pergunta ansiosa qual seria o motivo de seu atraso. Angustiada, olhe da janela para o caminho, esperando ver essa distante nuvem de pó que anunciaria a volta do exército do capitão. Observa e escuta, mas não se ouça o ruído dos carros vitoriosos, e o coração se o cheia de temor. 30. Estão-o repartindo. Para sossegar os maus pressentimentos da mãe, soube-as damas de companhia desculpam essa demora. A mãe também procura convencer a suas damas e

Com a imaginação vêem finas vestimentas, tecidos bordados, donzelas cativas, e imaginam que os valentes demoraram sua volta ao lar por estar repartindo-se todo esse bota de cano longo. É evidente a ironia da frase "as mais avisadas de suas damas", porque suas conjeturas distavam muito de ser verdade. O autor do poema em forma dramática deixa de descrever a decepção das orgulhosas damas, mas permite que o leitor -que sabe o ocorrido- imagine a cena quando chegou a mensagem da derrota da Sísara. Já não haveria bota de cano longo, nenhuma vitória; o herói está morto, o exército desfeito. Tudo está perdido! Não poderia apresentar um quadro mais terrível da derrota total de um inimigo. 31. Assim pereçam. A palavra que mais se destaca nesta frase é "assim". Faz surgir de novo ante nossos olhos todo o drama: a orgulhosa confiança dos cananeos, a terrível arremesso dos hebreus, o terror da derrota, a fuga de Sísara, sua morte à mãos de uma mulher, a ansiedade de sua mãe. O cântico conclui com o desejo rápido que da mesma maneira pereçam todos os inimigos de Deus. Esse será indubitavelmente o fim que terão os tais. A terrível matança do inimigo que se descreve neste capítulo deve entender-se à luz da época na qual transcorreram os acontecimentos. Ver com. Deut. 14: 26 onde se trata mais extensamente o mesmo problema. Como o sol. O glorioso quadro que aqui se apresenta dos que amam e servem ao Senhor é refletido pelos profetas Isaías (cap. 60: 1), Daniel (cap. 12: 3), e Malaquías (cap. 4: 2; cf. CS 690). Cristo mesmo usou uma linguagem similar para descrever aos que seriam cidadãos do reino (Mat. 13: 43). Juan viu um anjo que, como o sol, ascendia do oriente com o selo de Deus para aplicá-lo aos que estivessem preparados para recebê-lo (Apoc. 7: 2, 3). Aqueles que tinham sido selados por este anjo pareciam "como que o sol acabasse de sair detrás de uma nuvem e resplandecia sobre seus rostos, lhes dando aspecto triunfante, como se suas vitórias estivessem quase ganhas" (P 89). A terra repousou. Quão apropriado tivesse sido que, durante este período de repouso, o povo tivesse andado nos caminhos do Senhor. Há aqui uma lição para a igreja atual de Deus. Neste tempo de comparativa paz nos insiste a viver à altura da luz da verdade presente, e portanto apressar a terminação da obra de Deus e a consumação do glorioso destino do povo remanescente. COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE 23 C (1949) 59; CH 529; CM 162; CMC 53; EC 461; Ev 86, 87, 176, 291; 2JT 379; 3JT 224, 250, 351; MB 43, 145; SC 46; 2T 166, 216, 217, 284, 395,427, 626; 3T 57; 5T 77, 381; 6T 461, 464; 7T 237; 8T 80; 9T 140 338 CAPÍTULO 6 1 Os israelitas são oprimidos pelo Madián por causa de seu pecado. 8 Um profeta reprova-os. 11 Um anjo envia ao Gedeón a liberá-los. 17 A oferenda do Gedeón é consumida pelo fogo. 25 Gedeón destrói o altar do Baal e oferece um sacrifício sobre o altar do Jehová. 28 Joás defende a seu filho e o chama Jerobaal. 33 O exército do Gedeón. 36 Os sinais do Gedeón. 1 OS filhos do Israel fizeram o mau ante os olhos do Jehová; e Jehová os

2 E a mão do Madián prevaleceu contra Israel. E os filhos do Israel, por causa dos madianitas, fizeram-se covas nos Montes, e cavernas, e lugares fortificados. 3 Pois acontecia que quando o Israel tinha semeado, subiam os madianitas e amalecitas e os filhos do oriente contra eles; subiam e os atacavam. 4 E acampando contra eles destruíam os frutos da terra, até chegar a Gaza; e não deixavam o que comer no Israel, nem ovelhas, nem bois, nem asnos. 5 Porque subiam eles e seus gados, e vinham com suas lojas em grande multidão como lagostas; eles e seus camelos eram inumeráveis; assim vinham a a terra para devastá-la. Deste modo empobrecia o Israel em grande maneira por causa do Madián; e os filhos do Israel clamaram ao Jehová. 7 E quando os filhos do Israel clamaram ao Jehová, por causa dos madianitas, 8 Jehová enviou aos filhos do Israel um varão profeta, o qual lhes disse: Assim há dito Jehová Deus do Israel: Eu lhes fiz sair do Egito, e lhes tirei da casa de servidão. 9 Lhes liberei de mão dos egípcios, e de mão de todos os que lhes afligiram, a os quais joguei de diante de vós, e lhes dava sua terra; 10 e vos pinjente: Eu sou Jehová seu Deus; não temam aos deuses dos amorreos, em cuja terra habitam; mas não obedecestes a minha voz. 11 E veio o anjo do Jehová, e se sentou debaixo do carvalho que está na Ofra, a qual era do Joás abiezerita; e seu filho Gedeón estava sacudindo o trigo em o lagar, para esconder o dos madianitas. 12 E o anjo do Jehová lhe apareceu, e lhe disse: Jehová está contigo, varão esforçado e valente. 13 E Gedeón lhe respondeu: Ah, meu senhor, se Jehová estiver conosco, por que sobreveio-nos tudo isto? E onde estão todas suas maravilhas, que nossos pais nos contaram, dizendo: Não nos tirou Jehová do Egito? E agora Jehová nos desamparou, e nos entregou em mão dos madianitas. 14 E lhe olhando Jehová, disse-lhe: Vê com esta sua força, e salvará ao Israel de a mão dos madianitas. Não lhe envio eu? 15 Então lhe respondeu: Ah, meu senhor, com o que salvarei eu ao Israel? Hei aqui que minha família é pobre no Manasés, e eu o menor na casa de meu pai. 16 Jehová lhe disse: Certamente eu estarei contigo, e derrotará aos madianitas como a um só homem. 17 E ele respondeu: Eu te rogo que se tiver achado graça diante de ti, dê-me sinal de que você falaste comigo. 18 Te rogo que não vá daqui até que volte para ti, e saque minha oferenda e ponha-a diante de ti. E ele respondeu: Eu esperarei até que volte. 19 E entrando Gedeón, preparou um cabrito, e pães sem levedura de um f de farinha; e pôs a carne em um canastillo, e o caldo em uma panela, e tirando-o o apresentou debaixo daquele carvalho. 20 Então o anjo de Deus lhe disse: Toma a carne e os pães sem levedura, e

21 E estendendo o anjo do Jehová o bastão que tinha em sua mão, tocou com a ponta a carne e os pães sem levedura; e subiu fogo da penha, o qual consumiu a carne e os pães sem levedura. E o anjo do Jehová desapareceu de sua vista. 22 Vendo então Gedeón que era o anjo do Jehová, disse: Ah, Senhor Jehová, que vi ao anjo do Jehová cara a cara. 23 Mas Jehová lhe disse: Paz a ti; não tenha temor, não morrerá. 24 E edificou ali Gedeón altar ao Jehová, e 339 o chamou Jehová-salom; o qual permanece até hoje na Ofra dos Abiezeritas. 25 Aconteceu que a mesma noite lhe disse Jehová:Toma um touro da marmita de você pai, o segundo touro de sete anos, e derruba o altar do Baal que seu pai tem, e curta também a imagende Asera que está junto a ele; 26 e edifica altar ao Jehová seu Deus na cúpula deste penhasco em lugar conveniente; e tomando o segundo touro, sacrifica-o em holocausto com a madeira da imagem da Asera que terá talhado. 27 Então Gedeón tomou dez homens de seus servos, e fez como Jehová o disse. Mas temendo fazê-lo de dia, pela família de seu pai e pelos homens da cidade, fez-o de noite. 28 Pela manhã, quando os da cidade se levantaram, hei aqui que o altar do Baal estava derrubado, e atalho a imagem da Asera que estava junto a ele, e o segundo touro tinha sido devotado em holocausto sobre o altar edificado. 29 E se disseram uns aos outros: Quem tem feito isto? E procurando e inquirindo, disseram-lhes: Gedeón filho do Joás o tem feito. Então os homens da cidade disseram ao Joás: 30 Saca a seu filho para que mora, porque derrubou o altar do Baal e há talhado a imagem da Asera que estava junto a ele. 31 E Joás respondeu a todos os que estavam junto a ele: Disputarão vós pelo Baal? Defenderão sua causa? Qualquer que luta por ele, que mora esta manhã. Se for um deus, luta por si mesmo com o que derrubou seu altar. 32 Aquele dia Gedeón foi chamado Jerobaal, isto é: Luta Baal contra ele, por quanto derrubou seu altar. 33 Mas todos os madianitas e amalecitas e os do oriente se juntaram a uma, e passando acamparam no vale do Jezreel. 34 Então o Espírito do Jehová veio sobre o Gedeón, e quando este tocou o corno, os abiezeritas se reuniram com ele. 35 E enviou mensageiros por todo Manasés, e eles também se juntaram com ele; deste modo enviou mensageiros ao Aser, ao Zabulón e ao Neftalí, os quais saíram a lhes encontrar. 36 E Gedeón disse a Deus: Se tiver que salvar ao Israel por minha mão, como há dito, 37 hei aqui que eu porei um velo de lã na era; e se o rocio estivesse no velo somente, ficando seca toda a outra terra, então entenderei que salvará ao Israel por minha mão, como o há dito.

dele o rocio, um tigela cheio de água. 39 Mas Gedeón disse a Deus: Não se acenda sua ira contra mim, se ainda falar esta vez; somente provarei agora outra vez com o velo. Rogo-te que somente o velo fique seco, e o rocio sobre a terra. 40 E aquela noite o fez Deus assim; só o velo ficou seco, e em toda a terra houve rocio. 1. Madián. Os madianitas eram nómades que percorriam da parte sul da península de Sinaí (Exo. 3: 1), para o norte ao golfo da Akaba (1 Rei. 11: 18) e até as planícies ao leste do Moab (Gén. 36: 35; Núm. 22: 4; 25: 1, 6; Jos. 13: 21). Eram parentes dos hebreus pois Madián era filho do Abraão e da Cetura, seu segunda esposa (Gén. 25: 1-6). Conhecia-se como o sacerdote do Madián ao sogro do Moisés (Exo. 2: 15-21). Tão forte era a influência de stis vizinhos pagãos e tão fraco sua própria convicção religiosa, que os israelitas logo esqueceram a maravilhosa intervenção de Deus em seu favor no monte Tabor, e se voltaram para suas más práticas anteriores. Em sem novo esforço por fazer que a gente compreendesse sti pecado, o Senhor novamente permitiu que seu território fora invadido, esta vez pelos madianitas. 2. Covas. Para salvar a vida, os hebreus abandonaram seus lares para viver em covas e esconderijos entre as montanhas. 3. Quando o Israel tinha semeado. Sendo nômades, os madianitas não conquistavam a terra para estabelecer-se ali em forma permanente. A semelhança dos beduínos de hoje, preferiam que os povos sedentários fizessem as semeia. Depois, em tina série de incursões assolavam o país, e se levavam as colheitas e todo o gado que podiam encontrar. Acostumavam deixar intactas as moradias para que os agricultores se sentissem tentados a voltar e semear os campos de novo. Amalecitas. Também eram povos nômades 340 AS TRÊS ÚLTIMAS SERVIDÕES DO Israel NOTA:- As flechas indicam a direção das invasões cuja extención sedesconose. (A) O opressor foi Cusan-risataim; o libertador foi Otoniel do Debir. Nose mencionam lugares. (B) Eglón, rei do Moab, invadiu pelo menos ao Rubén e a Benjamim. Aod benjamita, Mato ao Eglón, provocou uma revolução no Efraín e isolou às guarnições moabitas dos vaus do Jordão.

Efraín pela Débora, derrotou ao enemogo no Cisós. Ao fugir, Sísara foi morto pelo Jael no Zaanaim. 341 dos desertos ao sul da Palestina (Exo. 17: 8). Os filhos do oriente. Literalmente, "filhos do Qédem". "Qédem" significa "oriente", mas aqui pareceria tratar-se de um nome próprio para designar o grande deserto sírio, ao leste do Moab e Amón. A passagem do cap. 8: 26 apresenta aos chefes da gente desta região vestidos de formosos mantos, com brincos de ouro, montados em dromedários e camelos, cujos pescoços estavam adornados com ornamentos de ouro em forma de lua. Sendo que as incursões que se descrevem nesta passagem foram feitas por diferentes tribos, crie-se provável que se trataria de um movimento geral de nômades, causado talvez pela falta de chuva em seus próprios distritos. 4. Até chegar a Gaza. É provável que os saqueadores tivessem seguido a seguinte rota: depois de cruzar o Jordão nos vaus do Bet-seán no tempo da colheita, estas bandas devastavam a rica planície do Jezreel e toda a Sefela, até a Gaza, ao sul, onde eram detidos pelas muralhas da cidade (cap. 16: 3). 5. Como lagostas. Uma comparação apropriada, porque os saqueadores varriam rapidamente o país, deixando-o nu e vazio (ver com. Exo. 10: 4-15). 6. Clamaram ao Jehová. depois de perder a colheita durante sete anos consecutivos, os israelitas estavam ao bordo da inanição. Nesta condição se desesperada recordaram a ajuda que Deus lhes tinha concedido em décadas passadas, e clamaram lhe pedindo ajuda. Embora tinham descuidado grandemente a Deus, e se negavam a clamar a ele até que as circunstâncias extremas o exigiram, Deus ainda ouviu seu clamor. Isto mostra sua disposição a perdoar e para ouvir a oração. Tal misericórdia de parte de Deus deveria animar aos pecadores a arrepender-se e voltar-se para ele. Em todas estas circunstâncias deveria se ter em conta a diferença entre o trato de Deus com a nação do Israel e sua relação com cada israelita. A calamidade e o julgamento da nação não significavam o rechaço das pessoas que compunham essa nação. A culpa que tinha causado o desastre descansava sobre cada israelita só se ele tinha participado pessoalmente na apostasia. A pesar do rechaço da nação, a porta da misericórdia estava tão aberta para a salvação pessoal como o tinha estado antes. Sem dúvida, muitos encontraram a Deus durante esses tempos perigosos, e seu aceitação individual não dependeu de maneira nenhuma de que a nação recuperasse o favor divino. Quer dizer, a relação de uma nação com Deus deve distinguir-se claramente da relação pessoal do cidadão com ele, exceto na medida em que a atitude de Deus para com a nação possa determinar-se pelo número de pessoas desse país que procuram seguir o plano divino. 8.

Não se sabe se este profeta falou com povo quando se reuniu para uma grande festa religiosa, ou se viajou de povo em povo e de aldeia em aldeia. Seu mensagem deve ter encontrado uma resposta favorável, porque pouco depois disto Deus mandou a liberação. Sua mensagem os repreendia por sua ingratidão para com Deus, quem tanto tinha feito por eles. Entretanto, é animador receber uma repreensão de parte do Senhor; é preferível ao silêncio. Recorda a quem a recebe que o Criador pensa nele, e lhe sugere que o propósito de as recriminações divinas é aproximá-lo de novo a Deus. 10. Amorreos. Ver com. cap. 1: 34 (ver Jos. 24:15; 1 Rei. 21: 26). 11. O carvalho. Heb. 'elah. A palavra traduzida aqui "carvalho" e na BJ "terebinto", não se refere a uma árvore específica, a não ser a uma árvore imponente. Entre tais árvores poderiam estar os já mencionados. As árvores grandes estavam acostumados a ser veneradas. A 'elah da Ofra parece ter estado na propriedade do pai do Gedeón. Ofra. Embora se desconhece a localização exata desta cidade, o relato do cap. 9 daria a entender que estava perto do Siquem. Pertencia ao clã dos abiezeritas (Juec. 6: 24), que eram da tribo do Manasés (Jos. 17: 2). No lagar. Foi-as geralmente se encontravam no campo aberto. Mas esses lugares eram muito vulneráveis a um ataque (1 Sam. 23: 1). Para não ser descoberto, Gedeón ventilava o trigo em um lagar, fossa cavada na rocha, com a esperança de que os merodeadores madianitas não procurassem em um lugar tão inapropriado. Trabalhando no lagar não podia limpar mais que uma pequena porção de grão cada vez. 12. Varão esforçado e valente. Estas palavras poderiam sugerir que Gedeón já se destacou por sua valentia na guerra. Na declaração do cap. 8:18 se insinúa que no 342 monte Tabor tinha ocorrido algum encontro anterior com os madianitas. Quando passou isto, Gedeón já não era jovem, pois tinha um filho moço (cap. 8: 20). O fato de que tivesse muitos servos e um criado que o atendia pessoalmente (cap. 7: 10) poderia indicar que era um homem rico. Mas apesar de ser um homem rico e conhecido, não pensou que fossem degradantes os humildes trabalhos de um agricultor. É digno de notar-se que quando Deus chama um ser humano para realizar certa tarefa, ou para lhe dar uma mensagem do céu, geralmente o busca entre os que estão ocupados, possivelmente nas tarefas comuns, como os apóstolos enquanto pescavam e os pastores enquanto guardavam seus rebanhos. É muito mais provável que os visitantes celestiales procurem pessoas ocupadas em trabalhos honrados e não a ociosos, porque Deus não pode usar ociosos em sua causa. 13. por que nos sobreveio tudo isto?

Gedeón não só era valente e endinheirado, mas também inteligente. Sem dúvida refletia na incapacidade dos israelitas para defender seu país, e havia tratado de formular planos para expulsar aos invasores. Possivelmente por isso o mensageiro celestial começou a conversação com as palavras: "Jehová está contigo", como se lhe dissesse: "Deus está contigo em seus valentes projetos, Gedeón". "Se Jehová estiver conosco -pergunta Gedeón com ironia-, porquê me vejo obrigado a sacudir um pouco de trigo no lagar, quando deveria estar debulhando uma colheita abundante na era?" E onde estão todas suas maravilhas? A saída do Egito sempre foi o glorioso ponto de partida da narração de os portentos que Deus tinha realizado em favor dos israelitas. Gedeón insinúa que em dito momento Deus tinha estado com eles, mas que no presente já não os acompanha mais, pois do contrário realizaria os mesmos milagres para ajudá-los. Gedeón reconheceu que os pecados do povo haviam feito que a presença de Deus se afastasse da nação, mas sua fé não parecia captar a verdade de que quando o povo clama a Deus, ele volta a ajudá-lo com boa vontade. Resultava- difícil ao Gedeón reconciliar as penosas circunstâncias com a afirmação que o mensageiro fazia de que Deus estava com eles. Sua fé era débil. Queria ver milagres sem avançar por fé. O anjo tentou fortalecer seu fé lhe assegurando que Deus estava com eles. Assim também muitos interpretam falsamente os acontecimentos de sua própria vida. "Jehová nos desamparou, e nos entregou em mão dos madianitas", declarou Gedeón. Mas na verdade nenhuma destas asseverações era totalmente certa. Deus não havia desamparado a seu povo, mas sim este o tinha abandonado a ele. Ainda mais, a própria debilidade do Israel, resultado de sua voluntária separação da fonte de sua fortaleza, era a que o tinha entregue em mãos dos madianitas. É verdade que Deus não obrou um milagre para manter longe aos madianitas, mas tem um limite a intervenção de Deus nos assuntos humanos. Nunca força a vontade, e quando o homem escolhe um caminho contrário ao plano divino, Deus não impede que sigam as conseqüências naturais de tal conduta. Em tais circunstâncias, os homens não têm direito de culpar a Deus por não haver intervindo em seu favor. Por outra parte, quando os homens escolhem trabalhar com Deus, novamente ele pode obrar para benefício deles e obter grandes costure em seu favor. 14. Esta sua força. Isto é, utiliza a força que agora emprega em debulhar o trigo, as habilidades que desdobra para evitar aos madianitas; sim, emprega a soma total de suas capacidades humanas na nobre tarefa de liberar a seu povo. Deus estaria com ele e lhe proporcionaria o poder que o capacitaria para a tarefa. 15. Pobre. Esta palavra pode também traduzir-se "débil" ou "pequena". Estes sentidos parecem estar mais de acordo com o contexto (ver com. vers. 12). Literalmente, a passagem poderia ler-se: "minha família é a fraca", quer dizer, de todas as famílias da tribo. Em repetidas ocasiões se encontra tal espírito de humildade e modéstia nas pessoas a quem Deus chama a seu serviço (ver Exo. 4: 10; Jer. 1: 6). O menor.

É possível que Gedeón queria indicar com isto que era o mais jovem da família, e duvidava que fora prudente que ele assumisse a liderança de uma expedição quando havia irmãos ou outros parentes maiores. 16. Como a um só homem. Gedeón destruiria aos madianitas mediante um poderoso ataque, tão efetivamente como se o inimigo tivesse sido uma só pessoa. 17. Dê-me um sinal. Pareceria entender-se pelo vers. 22 que Gedeón não tinha estado 343 plenamente convencido de que seu visitante era um ser celestial. Pediu, pois, um milagre como demonstração de que o mensageiro tinha suficiente poder e autoridade como para respaldar sua declaração de que os madianitas seriam derrotados. 18. Oferenda. A palavra hebréia pode significar tanto "oferenda" como "presente". A usa com este último sentido no cap. 3: 15, 17, embora seu sentido mais comum era o de uma oferenda que se apresentava a Deus. É possível que Gedeón houvesse usado a propósito um vocábulo impreciso. Pode ter usado esta palavra ambígua porque suspeitava, embora não estava convencido disso, que o forasteiro que estava debaixo do carvalho era mais que humano. Se o visitante era só um homem, comeria o alimento que lhe proporcionava; se era um ser celestial, aceitaria-o como oferenda de sacrifício, e não como alimento. 19. Um cabrito. No vers. 6 se afirma que todo o Israel estava empobrecido pelas incursões dos madianitas. O fato de que Gedeón desse a sua hóspede um cabrito assado e pães feitos com 22 lt. de farinha (nosso equivalente de um f), indica que Gedeón compreendeu a importância de seu visitante, e de suas escassas provisões desejou lhe proporcionar uma comida abundante. Os pães eram sem levedura porque assim podiam fazer-se com maior rapidez. Contudo, os preparativos puderam ter levado uma ou duas horas. 20. Esta penha. Nesse momento a penha serve como altar. 22. Vi ao anjo. Imediatamente depois do milagre se esfumou toda a dúvida do Gedeón, e reconheceu que seu visitante era um mensageiro celestial. Então se encheu de temor e consternação. Provavelmente recordou as palavras de Deus ao Moisés: "Não me verá homem, e viverá" (Exo. 33: 20), e temeu morrer por ter cuidadoso ao ser divino (ver Juec. 13: 22; Gén. 32: 30; Deut. 5: 24; Heb. 12: 29).

Jehová-salom. A fim de comemorar as palavras que expressavam o favor divino para com ele, Gedeón construiu essa noite um altar ao qual pôs por nome "Jehová é paz", ou "Jehová falou paz". O nome aludia às palavras do anjo do vers. 23. O altar não só devia servir para oferecer sobre ele sacrifícios, mas também também para recordar a aparição divina (ver Gén. 33: 20; 35: 7; Exo. 17: 15). Se descreve a construção do altar nos vers. 25-27. Até hoje na Ofra. Quando ao autor escreveu o livro de juizes, vários séculos mais tarde, o altar estava ainda em pé como testemunho de que Jehová fala paz aos que lhe amam e lhe servem. 25. Disse-lhe. Não se indica por que meio Deus falou com o Gedeón, mas este reconheceu a voz divina. Sem dúvida refletia quanto ao que ainda nesse momento devia fazer. A imagem da Asera. Heb. 'asherah. O pau sagrado que se levantava junto ao altar (ver com. cap. 3: 7). Em primeiro lugar, deviam destrui-los altares do Baal. Deus não aceitaria um sacrifício enquanto os ídolos não fossem derrubados. Assim ocorre hoje. Deve tirar-se todo ídolo do coração se se pretender a bênção divina. 26. Edifica altar. Na seguinte declaração se dá a razão pela qual Deus podia mandar algo contrário ao que já tinha ordenado solenemente (Lev. 17: 8, 9). "O oferecimento de sacrifícios a Deus tinha sido encomendado somente aos sacerdotes, e devia limitar-se ao altar de Silo; mas Aquele que havia estabelecido o serviço ritual, e a quem assinalavam todos estes sacrifícios, tinha poder para trocar seus requerimentos" (PP 590). Em lugar conveniente. Talvez melhor, "altar bem preparado" (BJ), quer dizer, arrumado em forma conveniente e ordenada. 27. De noite. Gedeón era tão prudente como enérgico. Escolheu realizar esta façanha de noite, não porque fosse covarde, mas sim porque temia que não pudesse completar a tarefa se tentava realizá-la de dia. Durante o dia se teria levantado indevidamente uma voz de protesto seguida de uma luta. Isto haveria aterrorizado aos indecisos. Um fato consumado impressiona e dá ânimo. Seu tarefa consistia não só em derrubar o altar do Baal, que bem pode ter sido muito sólido, mas também em levantar um altar ordenado e digno para o Senhor sobre a penha onde tinha sido consumado o sacrifício. Esta tarefa bem pôde ter levado a maior parte da noite.

fazer a vontade de Deus, embora sabia que as conseqüências poderiam ser desastrosas para ele. Neste sentido Gedeón é exemplo para muitos 344 que hoje dia permitem que o temor aos homens os límpida ser ousados na obra de Deus. 29. Quén fez isto? Não se sabe quem revelou o segredo. Era natural que as suspeitas recaíssem sobre o Gedeón, cuja inclinação ao verdadeiro culto de Deus pode haver-se conhecido bem. 30. Para que mora. Resulta difícil entender como puderam os israelitas ser tão viciados no culto ao Baal, até o ponto de estar dispostos a matar a um compatriota que corajosamente tinha destruído dito altar e em seu lugar tinha levantado um altar ao Senhor. O altar do Baal pertencia ao pai do Gedeón (vers. 25), e entretanto os homens da aldeia se sentiram livres para julgá-lo pelo insulto que se feito a essa deidade pagã. Insistiram em que o pai mesmo entregasse ao Gedeón para que pudessem matá-lo, sem por isso incorrer em uma rixa de morte entre famílias. 31. Disputarão vós pelo Baal? O pai do Gedeón, que sabia da visita do anjo (PP 590), tinha cobrado valor pela atrevida ação de seu filho. Nesse momento ficou intrépidamente de parte do Gedeón. Raciocinou, pouco mais ou menos, com a irada multidão: "Se Baal é verdadeiramente deus, ele pode defender-se a si mesmo. por que necessitam vocês, pobres aldeãos, defender ao Baal? Adoraram-no como senhor do céu. Não é capaz de cuidar-se de si mesmo? Ao defendê-lo, mostram que Baal não tem poder algum; assim, seguindo seu raciocínio, são vocês os que devem morrer. E respeito a meu filho, que destruiu o altar do Baal, lhe concedam ao Baal um pouco de tempo para que se ele vingue mesmo". Com este raciocínio, o pai de Gedeón convenceu aos homens a que esperassem para ver o que faria Baal. Sabia que nesta classe de tumultos populares, as intensas emoções se acalmariam um pouco e a oposição se desvaneceria se se obtinha que transcorresse algum tempo. Possivelmente estava plenamente convencido de que Baal era impotente para machucar a seu filho. Seu estratagema deu resultado. O sentimento pupular, tão cambiante, logo esteve de parte do Gedeón. Este foi vindicado e aceito como caudilho no Manasés. 32. Jerobaal. Literalmente, "brigue Baal", ou "que Baal seja adversário" (ver cap. 7: 1). O nome era uma permanente recriminação e desafio ao culto do Baal, porque a vida e a prosperidade do Gedeón foram dali em adiante um testemunho diário da impotência desse deus pagão para vingar-se. Demonstrou que o temor ao Baal não tinha fundamento. Um escritor posterior o chama Yerubbésheth, ou seja, "que luta a vergonha" (2 Sam. 11: 21). 33. Todos os madianitas.

Eles, junto com as outras tribos do deserto, "passaram" -o Jordão- talvez em sua incursão anual acostumada para roubar o trigo. Enquanto isso, milhares além do Gedeón indubitavelmente estavam debulhando o trigo recém colhido em lugares secretos; provavelmente já lhes tinha chegado a notícia do levantamento dirigido pelo Gedeón. depois de ter cruzado o Jordão nos vaus perto do Bet-seán, acamparam, não na ampla planície ao oeste de Jezreel, a não ser no vale ao leste do Jezreel, onde sobe do Jordão, entre o monte da Gilboa e a colina de Morre, à ampla e fértil planície de Esdraelón. Este vale e a ampla planície na qual desemboca dividem as montanhas do centro da Palestina das colinas da Galilea. 34. Veio sobre. Literalmente, "revestiu" (BJ). Gedeón não começou a campanha vestido só com a armadura dos soldados, a não ser "revestido" do poder de Deus. Aos que Deus chama para realizar sua obra, também os capacita para fazê-la. Tocou o corno. Da destruição do altar do Baal, é indubitável que Gedeón tinha estado meditando nas instruções que o anjo lhe tinha dado para a erradicação dos madianitas. Quando os inimigos do Israel entraram no território israelita, o Espírito do Jehová impulsionou ao Gedeón a começar a luta que teria que liberar a seu povo. Tomando o shofar ou corno de carneiro, deu o pregão de batalha, e enviou mensageiros que fossem a sua tribo do Manasés e a outras três: Aser, Zabulón e Neftalí, lhes insistindo a unir-se a ele para combater contra o inimigo comum. reuniram-se fortes contingentes de todas estas tribos. Os abiezeritas, do clã do Gedeón, apoiaram-no totalmente. 36. Se tiver que salvar. Gedeón se deu conta de que com mera força humana os israelitas não poderiam repelir a grande hoste de invasores. Já tinha demonstrado sua fé chamando os israelitas à batalha, mas agora necessitava novo ânimo. É difícil censurar ao Gedeón por desejar que lhe repetisse a promessa de vitória, e sem embargo tinha recebido a promessa 345 do mensageiro celestial, a qual havia sido confirmada por um milagre. Uma fé amadurecida não teria pedido outro sinal. Em contraste com esta vacilação do Gedeón está a do centurião romano. Este soldado pagão não pediu um milagre no qual apoiar sua fé. Jesus declarou disso centurião: "Nem mesmo no Israel achei tanta fé"(Luc. 7: 9). Se Gedeón tivesse tido tal experiência, não teria pedido um sinal mais depois de haver recebido a prova convincente com o fogo que brotou da penha. Entretanto, Deus emprega aos melhores instrumentos disponíveis, e quando os que têm uma fé débil lhe pedem um sinal, muitas vezes responde a seu pedido. Entretanto, enquanto que a fé se vai desenvolvendo, Deus espera que os homens aceitem seu palavra e dependam cada vez menos e menos de sinais confirmatorias. Muitos arruinaram sua experiência religiosa por sua persistência em recorrer ao azar para ser guiados (ver com. Jos. 7: 14). 39. Provarei agora outra vez. O primeiro sinal que Gedeón pediu tinha sido concedida. O velo juntou água, e a terra em volto dele ficou seca. depois de meditá-lo, Gedeón pensou que, depois de tudo, isto era o que naturalmente aconteceria já que a lã por natureza absorve água. portanto, poderia não ter sido um sinal.

A experiência do Gedeón se repete com freqüência hoje. Há quem está continuamente decidindo coisas importantes, não sobre a base do que insígnia a Bíblia nem do que é lógico e razoável, a não ser sobre a base de sinais que eles mesmos formulam. Muitas vezes o sinal pedido pode explicar-se como coincidência e não como um milagre inegável. Então começam a duvidar. Isto ocorreu ao Gedeón. Temeu que isto pudesse ter acontecido em seu caso, e pediu que o sinal fora investido. Reconhecendo que a fé do Gedeón era limitada, o Senhor condescendeu a obrar o milagre para lhe dar o sinal que pedia. Quanto melhor teria sido que Gedeón fizesse confidencialmente e sem vacilação o que Deus lhe pedia. COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE 1-40 PP 588-591 1 PP 588 2-13 PP 588 11-16 OE 348 12 PP 597 14, 17-21 PP 589 22, 23 1T 410 25-31 PP 590 33-40 PP 591 CAPÍTULO 7 1 O exército do Gedeón de trinta e dois mil homens. 9 Gedeón é animado por um sonho de um pão de cevada e por sua interpretação. 16 Seu estratagema das trompetistas e as tochas nos cântaros. 24 Os efrainitas se apoderam de Oreb e Zeeb. 1 LEVANTANDO-SE, pois, de amanhã Jerobaal, o qual é Gedeón, e todo o povo que estava com ele, acamparam junto à fonte do Harod; e tinha o acampamento dos madianitas ao norte, mais à frente da colina de Morre, no vale. 2 E Jehová disse ao Gedeón: O povo que está contigo é muito para que eu entregue aos madianitas em sua mão, não seja que se elogie o Israel contra mim, dizendo: Minha mão me salvou. 3 Agora, pois, faz apregoar em ouvidos do povo, dizendo: Quem tema e se estremeça, madrugue e devolva-se do monte do Galaad. E se devolveram dos do povo vinte e dois mil, e ficaram dez mil. 4 E Jehová disse ao Gedeón: Ainda é muito o povo; leva-os às águas, e ali lhe os 346 provarei; e do que eu te diga: Vá este contigo, irá contigo; mas de qualquer que eu te diga: Este não vá contigo, o tal não irá. 5 Então levou o povo às águas; e Jehová disse ao Gedeón: Qualquer que lamber as águas com sua língua como lambe o cão, a aquele porá à parte; deste modo a qualquer que se dobrar sobre seus joelhos para beber. 6 E foi o número dos que lamberam levando a água com a mão a sua boca,

para beber as águas. 7 Então Jehová disse ao Gedeón: Com estes trezentos homens que lamberam o água lhes salvarei, e entregarei aos madianitas em suas mãos; e vá-se toda a demais gente cada um a seu lugar. 8 E tendo tomado provisões para o povo, e seus trompetistas, enviou a todos os israelitas cada um a sua loja, e reteve a aqueles trezentos homens; e tinha o acampamento do Madián abaixo no vale. 9 Aconteceu que aquela noite Jehová lhe disse: te levante, e descende ao acampamento; porque eu o entreguei em suas mãos. 10 E se tiver temor de descender, baixa você com a Fura seu criado ao acampamento, 11 e ouvirá o que falam; e então suas mãos se esforçarão, e descenderá ao acampamento. E ele descendeu com a Fura seu criado até os postos avançados de a gente armada que estava no acampamento. 12 E os madianitas, os amalecitas e os filhos do oriente estavam tendidos em o vale como lagostas em multidão, e seus camelos eram inumeráveis como a areia que está à ribeira do mar em multidão. 13 Quando chegou Gedeón, hei aqui que um homem estava contando a seu companheiro um sonho, dizendo: Hei aqui eu sonhei um sonho: Via um pão de cevada que rodava até o acampamento do Madián, e chegou à loja, e IA golpeou de tal maneira que caiu, e a transtornou de cima abaixo, e a loja caiu. 14 E seu companheiro respondeu e disse: Isto não é outra coisa a não ser a espada de Gedeón filho do Joás, varão do Israel. Deus entregou em suas mãos aos madianitas com todo o acampamento. 15 Quando Gedeón ouviu o relato do sonho e sua interpretação, adorou; e voltado ao acampamento do Israel. disse: lhes levante, porque Jehová entregou o acampamento do Madián em suas mãos. 16 E repartindo os trezentos homens em três esquadrões, deu a todos eles trompetistas em suas mãos, e cântaros vazios com tas ardendo dentro dos cântaros. 17 E lhes disse: me olhem a mim, e façam como faço eu; hei aqui que quando eu chegue ao extremo do acampamento, farão vós como faço eu. 18 Eu tocarei a trompetista, e todos os que estarão comigo; e vós tocarão então as trompetistas ao redor de todo o acampamento, e dirão: Pelo Jehová e pelo Gedeón! 19 Chegaram, pois, Gedeón e os cem homens que levava consigo, ao extremo do acampamento, ao princípio do guarda da meia-noite, quando acabavam de renovar os sentinelas; e tocaram as trompetistas, e quebraram os cântaros que levavam em suas mãos. 20 E os três esquadrões tocaram as trompetistas, e quebrando os cântaros tomaram na mão esquerda as lhas, e na direita as trompetistas com que tocavam, e gritaram: Pela espada do Jehová e do Gedeón! 21 E se estiveram firmes cada um em seu posto em redor do acampamento; então todo o exército pôs-se a correr dando gritos e fugindo. 22 E os trezentos tocavam as trompetistas; e Jehová pôs a espada de cada um contra seu companheiro em todo o acampamento. E o exército fugiu até o Bet-sita,

23 E juntando-se os do Israel, do Neftalí, do Aser e de todo Manasés, seguiram aos madianitas. 24 Gedeón também enviou mensageiros por todo o monte do Efraín, dizendo: Descendam ao encontro dos madianitas, e tomem os vaus do Bet-bara e do Jordão antes que eles cheguem. E juntos todos os homens do Efraín, tomaram os vaus do Bet-bara e do Jordão. 25 E tomaram a dois príncipes dos madianitas, Oreb e Zeeb; e mataram ao Oreb na penha do Oreb, e ao Zeeb o mataram no lagar do Zeeb; e depois que seguiram aos madianitas, trouxeram as cabeças do Oreb e do Zeeb ao Gedeón ao outro lado do Jordão. 347 1. Fonte do Harod. Esta abundante fonte, sob outro nome, ainda emana de uma cova ao pé de um colina junta ao bordo do monte da Gilboa. Um regato corre de ali para o este. É provável que em 1 Sam. 29:1 se aluda à mesma fonte. Harod significa "tremor", e bem pudesse ter recebido seu nome pelo pânico e o tremor que se empossaram dos madianitas quando atacou Gedeón. Colina de Morre. Ao lado oposto do vale, a 6 km de distância. Do lado norte deste colina estava a cova do Endor, onde Saúl visitou a pitonisa. Pelo tanto, a linha de batalha foi a mesma do combate do Saúl e os hebreus contra os filisteus antes da fatal batalha da Gilboa muitos anos mais tarde (1 Sam. 31). 2. É muito. Gedeón tinha 32.000 homens (vers. 3), e os madianitas 135.000 (cap. 8: 10). A fé do Gedeón deve ter sido posta duramente a prova quando o Senhor o disse que os que estavam com ele eram muitos. 3. Faz apregoar. Proclama-a era parte do anúncio que Moisés tinha mandado fazer (Deut. 20: 5-9) antes de uma batalha. Nela se convidava a quão temerosos deixassem as filas para que sua deserção em meio da batalha não fizesse que outros também fugissem. Por ser seu exército tão pequeno em comparação com o dos madianitas, Gedeón não tinha feito a proclama habitual (PP 592). Muitos se tinham apresentado pela comovedora chamada do Gedeón, mas sentiam temor e incredulidade. Para que não fugissem quando começasse a batalha ou se atribuíram a si mesmos a honra da vitória, o Senhor pediu que os fizesse voltar para suas casas. Os dois terços que se voltaram constituem uma triste demonstração da amplitude da destruição da fé do Israel que a idolatria tinha ocasionado. Galaad. Alguns pensaram que esta palavra deveria ler-se Gilboa, porque Galaad ficava ao leste do Jordão, longe d o lugar desta batalha. Entretanto,

possível que no nome de um arroio da zona, conhecido agora como Nahr o-J~lãd, reflita-se esse antigo nome. 5. Que lamber as águas. É evidente que a gente pensava cruzar imediatamente o arroio e avançar até o acampamento do inimigo a certa distância dali. Uns poucos estavam ansiosos de começar a luta, e enquanto foram cruzando o arroio, simplesmente tomavam um pouco de água com a mão, e seguiam avançando. Outros, temerosos de a iminente batalha e com escassas esperanças de obter a vitória, viram ali uma possível desculpa para atrasar-se. ajoelharam-se e pausadamente beberam até satisfazer-se. Os que apressadamente tomavam só um pouco de água na mão e a sorviam enquanto avançavam para o acampamento do inimigo, foram só 300. Com eles o Senhor prometeu derrotar aos madianitas. O sacudo tinha servido para eliminar aos que se haviam manchado com a idolatria, e para apartar aos homens de valor e fé, cuja confiança em Deus não tinha sido viciada pelo culto e as práticas da idolatria. Tinham a fé necessária para acreditar que se Deus estava com eles, poderiam ter êxito embora fossem poucos. Como Jonatán mais tarde recordou a seu pajem de armas, o número de soldados era de pouca importância à vista de Deus (ver 1 Sam. 14: 6). 9. Aquela noite. Possivelmente a prova junto ao arroio aconteceu ao entardecer, e a grande maioria dos soldados israelitas partiram de volta cobertas pela escuridão da noite. De qualquer modo, os madianitas pareciam não saber que a maior parte do exército israelita se retirou. 10. Se tiver temor. Deus estava disposto a dar novas garantias. Já que Gedeón tinha temor de atacar, o Senhor ofereceu lhe dar um novo motivo de ânimo se se aproximava sigilosamente ao acampamento madianita e escutava o que ali conversavam os soldados. 11. Até os postos avançados. Quer dizer, até os sentinelas. É provável que no acampamento dos madianitas houvesse também mulheres e meninos. Em volto do acampamento estavam apostados os homens armados. 12. Tendidos. Neste ponto o vale não era muito largo. Em conseqüência, a multidão que formava o acampamento estava estendida em uma estreita e larga fileira que possivelmente tinha vários quilômetros de longitude. A estreiteza do sítio onde acampavam pôde ter feito que seu número parecesse major do que era, "como a areia que está à ribeira do mar em multidão". 13.

Estava contando. Sendo que Madián foi filho do Abraão, sem dúvida os madianitas 348 falavam um idioma similar ao dos hebreus. De qualquer modo, Deus permitiu que Gedeón pudesse entender tanto o sonho como sua interpretação, o qual o encheu de confiança para cumprir a missão que lhe tinha sido encomendada. Um pão de cevada. Heb. salil, palavra que só aparece nesta passagem. Não se sabe com exatidão o sentido da mesma, mas parece provir de um verbo que significa "assar", embora outros consideram que é de um verbo similar que significa "ser redondo" ou "rodar". O pão de cevada era o alimento dos muito pobres. Nisto podia ver-se uma referência velada aos israelitas, empobrecidos detrás sete anos consecutivos de opressão madianita. A loja. É possível que representasse à loja principal do acampamento na qual vivia o comandante em chefe ou o rei, ou talvez a loja em que se achavam os dois homens, ou também poderia ter representado simbolicamente a todo o acampamento. 15. Adorou. Heb. shajah, "prostrar-se", "inclinar-se", "render adoração". Quando reconheceu que essa era uma evidência manifesta da presença divina em sua empresa, Gedeón atuou na forma como deve atuar-se em todas as ocasiões semelhantes: adorou. Sem dúvida sua oração expressou abertamente sua gratidão. Muito freqüentemente os que recebem uma bênção especial de Deus se esquecem de lhe render a gratidão que lhe devem. Gedeón poderia ter raciocinado que, em vista da urgência da tarefa por realizar-se e da necessidade de prosseguir imediatamente, poderia adiar seu culto de louvor até depois da vitória. Mas tais prosternações muitas vezes levam a descuidar por completo o louvor de Deus. Em seu culto, Gedeón possivelmente confessou seu sentimento de profunda indignidade. Havia dado amostra de humildade quando se referiu a si mesmo como "menor na casa de meu pai" (cap. 6: 15). Neste momento reafirmou essa atitude. Entre outros atributos do Gedeón, esta foi uma característica que o capacitou em forma especial para realizar sua missão. Deus pode usar a tais homens em sua obra. lhes pode confiar grandes êxitos, pois sabe que não se atribuirão a glória. O orgulho e a auto-suficiência incapacitam ao homem para realizar a obra de Deus. 16. Três esquadrões. Esta divisão se fez com o fim de criar a ilusão de que o exército atacante era muito numeroso, para que quando os madianitas vissem as tochas e ouvissem as trompetistas em diferentes pontos em volto do acampamento, supor que estavam rodeados. O plano de ataque foi sugerido pela direção divina (PP 593). Trompetistas. Heb. shofar. O corno curvo de carneiro ou de boi.

Vasilhas trocas de barro que a gente dessa época usava como recipientes e para cozinhar. Ardendo-tas. A palavra hebréia se usa geralmente para designar tochas acesas. Estando dentro das vasilhas de barro, logo que arderiam, mas quando as vasilhas se quebrassem e as tochas fossem agitadas no ar, arderiam com um repentino resplendor. Tais métodos singelos e pouco promissores, sob a direção e bênção de Deus podem obter mais que os recursos mais complicados ideados pelos homens. Deus não depende dos números. 19. Guarda da meia-noite. acredita-se que então a noite se dividia em três vigílias, com o qual a de meia-noite começaria pouco antes desta hora. Mais tarde os judeus adotaram o costume romana de quatro vigílias noturnas. 21. estiveram-se firmes. Em vez de atacar a um exército tão grande, os 300 hebreus ficaram nas subúrbios do acampamento tocando as trompetistas ou chifres, e agitando as tochas e gritando. Seu plano era causar pânico no acampamento madianita. 22. Contra seu companheiro. Quando a multidão ia correndo na escuridão pelo vale do Jezreel, tentando escapar ao outro lado do Jordão, os que foram à frente confundiram aos que os seguiam com os hebreus inimigos, e voltaram contra eles seus armas. Bet-sita. Lugar não identificado com precisão. Pode ter estado na parte inferior do vale do Jezreel, perto do rio Jordão. Zerera. É provável que corresponda com o Saretán (1 Rei. 4: 12). Pensa-se que estava no vale do Jordão, no extremo inferior do vale do Jezreel. A fronteira. Literalmente, "lábio", "penhasco" ou "escarpado". "Borda" (BJ), "limite" (NC). Abel-mehola. Literalmente, "pradaria da dança". Eliseo nasceu ali (1 Rei. 19: 16). Alguns o identificam com o Tell o-Hamma, a 14,4 km ao sul do Bet-seán, e outros com o Tell o-Maqlûb, a 11,6 km ao leste do Jordão, no 349 Wadi Y~bis, a 35,4 km ao sul do mar da Galilea. Anteriormente se pensava que Tell o Maqlûb era Jabes do Galaad, mas agora se acredita que era Tell Abû Kharaz, no mesmo Wadi Y~bis, a 4,3 km ao leste do rio Jordão.

É possível que seja Râs Abã T~bât, ao sudeste do Abel-mehola. 23. os do Israel. Muitos dos que poucas horas antes tinham sido despachados a suas casas voltaram para ajudar a seus irmãos na perseguição do inimigo que fugia. 24. Gedeón também enviou mensageiros. Para o sul do campo de batalha viviam a tribo do Manasés e a numerosa tribo do Efraín. Esta última não tinha sido chamada pelo Gedeón quando reuniu seus tropas. Quando as hostes dos madianitas começaram sua fuga, Gedeón enviou velozes mensageiros ao território do Efraín, insistindo às pessoas para que fora rapidamente ao Jordão a tomar posse dos vaus para os quais se dirigiam os madianitas. Os efrainitas responderam com prontidão, fechando o passo para que não pudessem escapar pelos vaus do sul. É provável que em essa época do ano o rio estivesse crescido, o que teria obrigado ao inimigo a passar só por determinado vau. Bet-bara. desconhece-se a localização exata do Bet-bara, mas deve ter estado a certa distancia ao sul, perto do território efrainita, para que Gedeón pedisse aos efrainitas que fechassem essa via de escapamento. Outra evidência de que os madianitas foram para o sul antes de tentar cruzar o Jordão a proporciona o fato de que quando Gedeón perseguia o inimigo, chegou até Sucot, aldeia próxima ao Jaboc (cap. 8: 5). 25. Oreb e Zeeb. Literalmente, "o corvo e o lobo", nomeie pitorescos destes chefes do deserto. A rápida ação dos efrainitas permitiu que os israelitas impedissem a fuga de muitos madianitas que tentavam cruzar o Jordão nos vaus meridionais. Perseguidos pelas forças conjuntas do Neftalí, Aser e Manasés, com o Jordão de um lado, e os efrainitas ante eles, muitos madianitas deveram render-se. Entre os cativos estavam dois príncipes: Oreb e Zeeb, os que foram logo executados. Para recordar a vitória, os lugares onde estes homens foram mortos receberam o nome de "penha do Oreb", ou seja "penha do corvo", e "lagar do Zeeb", ou seja "lagar do lobo". Evidentemente estes lugares ainda levavam esses nomes quando se escreveu o livro de Juizes muito tempo depois. A "penha do corvo" conhecia-se ainda em tempos do Isaías (ISA. 10: 26). Ao outro lado do Jordão. Ao lado oriental, no que hoje se denomina Transjordania. Segundo o cap. 8: 4, Gedeón não tinha cruzado ainda o Jordão. portanto, alguns pensaram que os efrainitas capturaram ao Oreb e ao Zeeb depois que estes cruzaram ao lado oriental do rio, e que depois levaram as cabeças dos cativos ao Gedeón, quem ainda perseguia os madianitas que fugiam desde o Jezreel para o Jordão. Melhor seria explicar que o autor de Juizes, logo depois de ter apresentado aos efrainitas e ter relatado o que eles fizeram na batalha, quis completar sua narração a respeito deles e sua disputa com o Gedeón, antes de contar o comprido relato de como perseguiu Gedeón aos madianitas ao leste do Jordão.

narrar o episódio do zelo dos efrainitas e de como Gedeón os apaziguou. Então, no cap. 8: 4, o autor retomou o fio do relato da batalha. Assim o encontro do Gedeón com os efrainitas teria acontecido quando Gedeón voltava depois de derrotar totalmente aos madianitas, ou ao menos depois de ter cruzado o Jordão. COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE 1-25 PP 591-596 2, 3 PP 591 4-7 PP 592 9-18 PP 593 19-25 PP 594 350 CAPÍTULO 8 1 Gedeón pacifica aos efrainitas. 4 Sucot e Peniel rehúsan aliviar aos soldados do Gedeón. 10 Derrota da Zeba e Zalmuna. 13 Destruição do Sucot e Peniel. 18 Gedeón venha a morte de seus irmãos na Zeba e Zalmuna. 22 Rehúsa o cargo de dirigente. 24 Seu efod é causa de idolatria. 28 Derrota do Madián. 29 Os filhos do Gedeón, e morte do Gedeón. 33 Idolatria e ingratidão dos israelitas. 1 MAS os homens do Efraín lhe disseram: O que é isto que tem feito com nós, não nos chamando quando foi à guerra contra Madián? E o repreenderam fortemente. 2 Aos quais ele respondeu: O que tenho feito eu agora comparado com vós? Não é o rebusco do Efraín melhor que a colheita de uvas do Abiezer? 3 Deus entregou em suas mãos ao Oreb e ao Zeeb, príncipes do Madián; e o que pude eu fazer comparado com vós? Então a irritação deles contra ele se aplacou, logo que ele falou esta palavra. 4 E veio Gedeón ao Jordão, e passou ele e os trezentos homens que trazia consigo, cansados, mas ainda perseguindo. 5 E disse aos do Sucot: Eu vos rogo que dêem às pessoas que me segue alguns bocados de pão; porque estão cansados, e eu persigo a Zeba e Zalmuna, reis de Madián. 6 E os principais do Sucot responderam: Estão já Zeba e Zalmuna em sua mão, para que demos pão a seu exército? 7 E Gedeón disse: Quando Jehová tenha entregue em minha mão a Zeba e a Zalmuna, eu debulharei sua carne com espinheiros e abrojos do deserto. 8 dali subiu ao Peniel, e lhes disse as mesmas palavras. E os do Peniel o responderam como tinham respondido os do Sucot. 9 E ele falou também com os do Peniel, dizendo: Quando eu volte em paz, derrubarei esta torre. 10 E Zeba e Zalmuna estavam no Carcor, e com eles seu exército como de quinze mil homens, todos os que tinham ficado de todo o exército dos filhos do oriente; pois tinham cansado cento e vinte mil homens que tiravam espada.

oriente da Noba e da Jogbeha, atacou o acampamento, porque o exército não estava em guarda. 12 E fugindo Zeba e Zalmuna, ele os seguiu; e prendeu aos dois reis de Madián, Zeba e Zalmuna, e encheu de espanto a todo o exército. 13 Então Gedeón filho do Joás voltou da batalha antes que o sol subisse, 14 e tomou a um jovem dos homens do Sucot, e lhe perguntou; e lhe deu por escrito os nomes dos principais e dos anciões do Sucot, setenta e sete varões. 15 E entrando nos homens do Sucot, disse: Hei aqui a Zeba e a Zalmuna, aproxima dos quais me criticaram, dizendo: Estão já em sua mão Zeba e Zalmuna, para que nós demos pão a seus homens cansados? 16 E tomou aos anciões da cidade, e espinheiros e abrojos do deserto, e castigou com eles aos do Sucot. 17 Deste modo derrubou a torre do Peniel, e matou aos da cidade. 18 Logo disse a Zeba e a Zalmuna: Que aspecto tinham aqueles homens que mataram no Tabor? E eles responderam: Como você, assim eram eles; cada um parecia filho de rei. 19 E ele disse: Meus irmãos eram, filhos de minha mãe. Vive Jehová, que se os tivessem conservado a vida, eu não lhes mataria! 20 E disse ao Jeter seu primogênito: te levante, e mata-os. Mas o jovem não desenvainó sua espada, porque tinha temor, pois era ainda moço. 21 Então disseram Zeba e Zalmuna: te levante você, e nos mate; porque como é o varão, tal é sua valentia. E Gedeón se levantou, e matou a Zeba e a Zalmuna; e tomou os adornos de lentes dos óculos que seus camelos traziam para o pescoço. 22 E os israelitas disseram ao Gedeón: Sei nosso senhor, você, e seu filho, e você neto; porque nos livraste que mão do Madián. 23 Mas Gedeón respondeu: Não serei senhor sobre vós, nem meu filho lhes senhoreará: Jehová senhoreará sobre vós. 24 E lhes disse Gedeón: Quero lhes fazer uma petição; que cada um me dê os brincos de 351 sua bota de cano longo (pois traziam brincos de ouro, porque eram ismaelitas). 25 Eles responderam: De boa vontade lhe daremos isso. E tendendo um manto, jogou ali cada um os brincos de sua bota de cano longo. 26 E foi o peso dos brincos de ouro que ele pediu, mil e setecentos siclos de ouro, sem as pranchas e joyeles e vestidos de púrpura que traziam os reis do Madián, e sem os colares que traziam seus camelos ao pescoço. 27 E Gedeón fez deles um efod, o qual fez guardar em sua cidade da Ofra; e todo o Israel se prostituyó detrás desse efod naquele lugar; e foi tropezadero a Gedeón e a sua casa. 28 Assim foi subjugado Madián diante dos filhos do Israel, e nunca mais voltou a levantar cabeça. E repousou a terra quarenta anos nos dias do Gedeón. 29 Logo Jerobaal filho do Joás foi e habitou em sua casa.

muitas mulheres. 31 Também sua concubina que estava no Siquem lhe deu um filho, e lhe pôs por nomeie Abimelec. 32 E morreu Gedeón filho do Joás em boa velhice, e foi sepultado no sepulcro de seu pai Joás, na Ofra dos abiezeritas. 33 Mas aconteceu que quando morreu Gedeón, os filhos do Israel voltaram para prostituir-se indo depois dos baales, e escolheram por Deus ao Baal-berit. 34 E não se lembraram os filhos do Israel do Jehová seu Deus, que os havia sacado de todos seus inimigos em redor; 35 nem se mostraram agradecidos com a casa do Jerobaal, o qual é Gedeón, conforme a todo o bem que ele tinha feito ao Israel. 1. Repreenderam-lhe. Efraín era a tribo mais numerosa e importante do norte da Palestina e defendia celosamente sua posição de liderança. Os efrainitas responderam logo ao chamada do Gedeón, e tinham demonstrado que apoiavam a causa nacional e o eram leais. Mas quando se encontraram com o Gedeón, seu orgulho e sua ambição menosprezada os levaram a lhe reprovar por não havê-los chamado antes que a batalha começasse, como se tivessem querido dar a entender que ninguém tinha direito a mobilizar-se para repelir ao inimigo comum sem consultar com eles. Sua arrogância se devia em parte para sua força, e em parte para a atitude formada quando Josué, quem era efrainita, era o dirigente reconhecido no Israel. Mais tarde esta tribo assumiu outra vez um ar ditatorial (cap. 12: 1-7), mas em esta ocasião os do Efraín sofreram uma humilhante derrota. Aqui há uma das lições mais importantes deste relato. Ao igual às outras tribos do norte, Efraín não tinha feito nada para opor-se às depredações dos madianitas. A semelhança dos outros, foram o bastante valentes para unir-se à luta só quando o inimigo já estava fugindo. Assim também há muitos hoje que censuram ao que com valor lança um projeto digno de elogio. Não o apóiam até que se faz evidente que tal projeto terá êxito. Então tentam atribuir o mérito do realizado, ou pretendem participar da direção da empresa. Tal espírito é censurável. 2. Rebusco. As sobras. Colheita de uvas do Abiezer. Gedeón não se mencionou a si mesmo, mas sim com toda modéstia se referiu aos 300 homens da família do Abiezer que lhe acompanhavam. Com esta clássica figura, Gedeón insinuava que Efraín, fazendo um esforço posterior e secundário, tinha obtido mais que ele e seu grupo. Entretanto, não faltava à verdade porque Efraín tinha obtido uma vitória significativa (ver ISA. 10: 26), embora o relato de sua batalha é em extremo breve. As aptidões que Gedeón tinha para a liderança e seu domínio próprio o permitiram tratar eficazmente com os invejosos efrainitas. Sua cortesia e diplomacia lhe fizeram possível apaziguar a ira deles e sair ele mesmo de

4. Veio Gedeón ao Jordão. continua-se o relato interrompido no cap. 7: 24 de como perseguiu Gedeón a os madianitas. Quando os madianitas fugiram, dividiram-se em grupos, um de os quais foi interceptado e destruído pelos efrainitas; outros obtiveram cruzar o Jordão entrando nas colinas do Galaad. Cansados, mas ainda perseguindo. Embora Gedeón e seus homens estavam cansados e famintos detrás ter lutado contra a retaguarda dos madianitas, não se 352 detiveram no Jordão a não ser que o cruzaram imediatamente e continuaram perseguindo o inimigo. Já tinham realizado muito, mas estavam dispostos a fazer ainda mais. Assim também, nossa luta espiritual demanda um esforço persistente. Em nenhum momento de a luta se devem diminuir os esforços devido ao cansaço. Muitas vitórias foram ganhas por cristãos que estavam "cansados" mas que continuaram "perseguindo". 5. Sucot. Literalmente, "choças", "cabanas" ou "ramagens". Esta cidade da tribo de Gad estava situada junto ao rio Jaboc, onde começavam a levantá-las montanhas, não longe do lugar onde o Jaboc desemboca no Jordão. A cidade recebeu seu nome pelas choças que Jacob levantou ali ao final de seu comprido viaje desde o Padan-aram de volta a Palestina (Gén. 33: 17). Bocados de pão. "Tortas de pão" (BJ); "pães" (NC). Literalmente "arenas" ou "círculos" de pão. São os pães chatos e redondos que se mencionam com freqüência na Bíblia. O pedido do Gedeón era justo e razoável. O estava servindo a tudo Israel, e nesta hora de necessidade bem podia esperar que seus irmãos sustentassem às tropas famintas. Assim também os que brigam as batalhas espirituais da igreja merecem o apoio de seus irmãos, e é uma ingratidão o lhes negar esse apoio. Deus havia mandado ao antigo o Israel: "Não porá focinheira ao boi quando debulhar" (Deut. 25: 4). Pablo faz uma aplicação espiritual desta ordem, refiriéndose à obrigação de manter aos que trabalham no ministério evangélico (1 Cor. 9: 9). Zeba e Zalmuna. É possível que nestes nomes houvesse um trocadilho. Zeba significa "sacrifício" ou "vítima que se sacrifica". Zalmuna pode significar "[o deus] Zelem reina", ou "o amparo é negado". 6. Principais do Sucot. Ver com. vers. 14 para a explicação da função e o cargo destes principais. Ao negar alimento à tropa do Gedeón, estes caudilhos foram culpados de covardia e de desprezar a seus irmãos. Tinham visto passar a os 15.000 madianitas, e possivelmente pensaram que era estranho que tão poucos homens vencessem a tantos. Talvez temeram que se ajudavam aos que os perseguiam,

compaixão e patriótica simpatia, manifestaram um egoísmo extremo ao tomar em conta só seus próprios e mesquinhos interesses. Exemplificaram o materialismo que serve a um tirano estrangeiro antes que arriscar a perda de algo. Além disso, seu espírito avaro e mesquinho não os dispunha a gastar em mantimentos para os 300 homens. 7. Debulharei sua carne. Às mofas dos príncipes, Gedeón respondeu com uma ameaça. Havia apaziguado aos efrainitas, mas eles tinham feito algo para ajudar à causa. Considerava que os principais do Sticot eram traidores e mereciam que os tratasse como a tais. 8. Peniel. Literalmente, "rosto de Deus". O lugar onde Jacob lutou com o anjo (Gén. 32: 22, 30). Estava perto de um dos vaus do Jaboc, provavelmente a vários quilômetros rio acima desde o Sucot. 9. Em paz. Quer dizer, são e salvo depois de ter obtido o êxito e a vitória. Esta torre. Possivelmente era uma torre usada como fortificação e lugar de refúgio em momentos de perigo. dentro de seus muros, provavelmente construídos de pedra, os caudilhos do Peniel se sentiam seguros frente aos madianitas e também frente ao Josué, por isso orgulhosamente recusaram ajudar aos israelitas. Por isso Gedeón ameaçou voltar e derrubar essa torre da qual tão confiada e rudamente tinham rechaçado seu pedido. 10. Carcor. desconhece-se sua localização. Possivelmente se encontrava na região de pedra vulcânica um tanto inacessível, ao bordo do deserto de Síria. 11. Pelo caminho. Em vez de seguir a rota dos madianitas, Gedeón e seus homens se aproximaram ao acampamento deles por um caminho tortuoso que atravessava uma região escassamente povoada de beduínos nômades. Por ter seguido este rodeio, pôde tomá-los por surpresa de uma direção da qual não esperavam nenhum ataque. Noba. desconhece-se sua localização exata. acredita-se que um dos montículos perto de a moderna Tsafût corresponda a Noba. diz-se no Núm. 32: 42 que era uma cidade do Manasés.

Cidade do Gad (Núm. 32: 35), identificada com o que agora se chama Jubeihât, a 10,4 km ao noroeste do Ammán, e a quase 30 km ao sudeste do Sucot. 12. Encheu de espanto. Possivelmente os madianitas acreditaram que já se afastaram o suficiente do cenário de sua derrota como para 353 estar seguros de que não seriam atacados de novo. É possível que tivessem estado tentando reagrupar-se depois de seu desastroso pânico. Provavelmente apostaram sentinelas pelo caminho pelo qual tinham vindo para dar a voz de alarme se se aproximavam os hebreus. Mas Gedeón e seus homens os superaram dando um grande rodeio a fim de atacar a os madianitas do lado leste do acampamento. Quando os surpreenderam, os madianitas tentaram novamente fugir, mas os intrépidos hebreus mataram a muitos e tomaram prisioneiros aos dois reis, Zeba e Zalmuna. O resto de os madianitas possivelmente escapou ao deserto em pequenos grupos. 13. Antes que o sol subisse. Esta passagem pode também traduzir-se "pela ascensão do Jares" (NC). Esta tradução possivelmente é a mais acertada já que se usa nesta passagem a palavra jéres, e não a palavra que se emprega usualmente para referir-se ao sol. Aparece na Bíblia nos nomes de lugares. Parecesse dar-se a entender que Gedeón a propósito voltou para o Sucot por um caminho diferente de que tinha seguido ao sair dali, a fim de surpreender aos príncipes e evitar que fugissem. 14. Deu por escrito. Um jovem da aldeia do Sucot, ao que tinham tomado por acaso, escreveu para o Gedeón os nomes dos príncipes e anciões da cidade. Sendo que tinham sido os governantes do Sucot os que altaneramente lhe tinham recusado auxílio, Gedeón sem dúvida desejava fazer distinção entre eles e os habitantes da cidade, a fim de não castigar aos que não tinham culpa. O fato de que um jovem tomado ao azar pedisse escrever, indica que ainda nessa época remota se generalizou o conhecimento da escritura. Principais. Heb. Ñarim. Esta palavra também se traduz "príncipes", "chefes", "governantes". É provável que nesta passagem se refira aos funcionários que dirigiam o conselho de anciões, quão dirigentes tinham a seu cargo os assuntos militares e civis. Anciões. Os chefes das famílias da cidade que formavam o conselho governante. 16. Tomou aos anciões. Gedeón começou então a levar a prática sua ameaça do vers. 7. O relato não informa como foram capturados os anciões. É provável que se

os madianitas deve ter quebrantado sua vontade de resistir. Castigou com eles. O castigo que foi administrado aos anciões, provavelmente com varas espinhosas, devia servir como uma lição eficaz para esses príncipes a fim de que não voltassem a mostrar essa arrogante despreocupação por seus compatriotas israelitas. 17. Derrubou a torre. Parecesse que os homens do Peniel resistiram, de modo que para derrubar a torre e cumprir a ameaça do Gedeón, foi necessário matá-los. Gedeón só tinha ameaçado derrubar a torre. É provável que tivesse sido a insensatez deles o que os levou a defender a torre, e dessa maneira perder a vida. Estas medidas drásticas do novo juiz do Israel podem ter sido necessárias a fim de advertir a outras aldeias israelitas a respeito das prováveis conseqüências que traria a falta de patriotismo. O castigo administrado aos do Sucot e Peniel possivelmente serve como barreira, ao menos parcial, contra a ação independente das aldeias israelitas isoladas. Assim foi possível que os israelitas apresentassem um frente mais unido no caso de uma futura invasão. 18. Logo disse. Gedeón não ajustou as contas com os dois reis cativos até que os houve exibido ante os habitantes do Sucot e Peniel, os quais se burlaram de a capacidade do Gedeón para vencer às numerosas forças madianitas. A cena que aqui se descreve provavelmente não aconteceu em seguida da queda de Peniel, a não ser vários dias mais tarde quando Gedeón já tinha retornado a sua casa da Ofra. Assim o sugere a presença do Jeter, jovem filho do Gedeón (vers. 20). Sendo que era um jovencito tímido, dificilmente poderia ter participado na arriscada expedição. Que aspecto? Heb. 'efoh. Possivelmente devesse traduzir-se, "onde", como no Rut 2: 19 e ISA. 49: 21. A LXX também usa "onde". Gedeón sabia sem lugar a dada que seus irmãos tinham sido mortos por estes revê. Sua pergunta era uma intimação aos reis que agora deveriam pagar por suas más ações. Que mataram. Não se sabe absolutamente nada das circunstâncias que acompanharam a esta batalha ou matança. Parece que vários dos irmãos do Gedeón foram capturados perto do monte Tabor e mortos por estes dois reis em uma de seus anteriores invasões 354 do país. Aqui aparece a primeira indicação de que Gedeón se estava vingando por algo pessoal. 19. Filhos de minha mãe. Esta expressão indica que eram irmãos por parte de pai e mãe. Com freqüência, quando os homens tinham várias algemas, se fazia necessário distinguir entre irmãos e meio irmãos. É natural que os irmãos de pai e mãe fossem mais queridos ao Gedeón que os filhos de seu pai e outra

Se lhes tivessem conservado a vida. A lei de vingar o sangue exigia que Gedeón matasse aos dois reis (Núm. 35: 17-19). Seu castigo por outros crímenes poderia ter sido menos severo. 20. Mata-os. Na antigüidade se considerava que era uma vergonhosa humilhação morrer a mãos de um jovem ou de uma mulher (ver cap. 9: 54). 21. te levante você. O pronome é enfático. Se deviam morrer, preferiam que fora à mãos de um herói e não de um simples menino. Como é o varão. Quer dizer, um homem tem a força de um homem. Não se pode esperar de um menino que faça o que exige a força de um homem. Era natural que os reis preferissem ser mortos de um golpe antes que ser rasgados e mutilados por um moço, o que daria como resultado uma morte mais dolorosa e lenta. Adornos de lentes dos óculos. Heb. Ñaharonim, "pequenas luas" ou "crescentes". Na ISA. 3: 18 se traduz, "lentes dos óculos". Ainda hoje os beduínos adornam o pescoço de seus camelos com ornamentos em forma de meia lua. Neste caso, sendo que Zeba e Zalmuna eram reis, estes ornamentos devem ter sido de ouro. 22. Sei nosso senhor. Pela magnitude da vitória obtida mediante o valor e a infatigável perseverança do Gedeón, os homens das diversas tribos que compunham seu exército lhe propuseram que fora seu rei, e que a sucessão passasse de pai a filho. Nesta ação se expressava o crescente desejo que as tribos israelitas tinham de unir-se sob uma monarquia para que pudessem apoiar-se mutuamente de uma maneira mais fácil e eficaz contra o inimigo. Pelo exemplo de seus vizinhos podiam ver o valor do esforço unido de um reinado eficiente. Este desejo foi tornando-se mais e mais forte até que as tribos conseguiram formar uma monarquia em tempos do Saúl. 23. Jehová senhoreará. Gedeón recusou o oferecimento de um reinado hereditário. Reconheceu que seus vitórias se deviam exclusivamente ao poder de Deus que tinha obrado em seu favor. Foi chamado Por Deus para emprestar um serviço especial à nação, e tinha-o realizado. Deus não o chamou para ser monarca. Sabia que seus filhos não poderiam dirigir a nação a menos que Deus os chamasse individualmente. Além disso, a chamada de Deus não se estende em virtude de uma relação familiar. Nisto radica a debilidade do governo hereditário. Muitas vezes o descendente de uma linhagem é pessoa totalmente inapta para seu cargo.

representado uma tentação para ele. Muitas vezes se necessita mais força para resistir os atrativos do poder devotado que para derrotar a um inimigo. Mas nesse momento Gedeón se manteve fiel a Deus, e suas palavras dignamente coroaram seus feitos heróicos. 24. Ismaelitas. Ismael era meio irmão do Madián (Gén. 25: 2). Nas Escrituras se usam muitas vezes indistintamente os dois nomes por seu parentesco próximo, e porque os dois habitavam a mesma região onde se mesclavam e casavam entre si (ver Gén. 37: 25, 27, 28). 25. De boa vontade. Tão grande era a alegria de estar livres da opressão madianita depois de sete anos de saque, e tão forte era o sentimento popular em favor de Gedeón, que os israelitas acessaram de boa vontade ao pedido de seu libertador e lhe entregaram a parte mais valiosa do bota de cano longo. 26. o peso. O peso dos brincos de ouro era de 19,3 kg. No Gén. 24: 22 se registra que um só brinco podia pesar meio siclo (5 g). Pranchas. "Lentes dos óculos" (BJ, NC). Heb. Ñaharonim (ver com. vers. 21). Joyeles. Heb. netifoth, quer dizer, "gotas"; "pendentes" (BJ, NC). Tratava-se de algum tipo de pendentes para as orelhas. 27. Efod. O efod era o manto exterior, sem mangas, do supremo sacerdote, ao qual foram unidas as duas pedras de ônix que levavam os nomes das doze tribos de Israel (Exo. 28: 6-35; PP 363). A palavra se usou também para referir-se ao singelo vestido usado pelo Samuel quando servia no templo (1 Sam. 2: 18), e à vestimenta do David quando dançou ante o arca (2 Sam. 6: 14). Era evidentemente um 355 vestido usado por muitos sacerdotes (1 Sam. 22: 18). O que tinha Abiatar, sacerdote do David, era usado para consultar ao Senhor (1 Sam. 23: 6, 9-12). O efod e o peitoral do Gedeón imitavam os que levava o supremo sacerdote (PP 598). Se prostituyó. É evidente que os israelitas chegaram a considerar este efod como um objeto de culto. Ver com. cap. 2: 17. Tropezadero. O autor parece sugerir que as desgraças acontecidas na família do Gedeón

efod. Não é fácil compreender as razões pelas quais Gedeón instituiu o culto rival na Ofra. O centro religioso dos israelitas estava em Silo, em a tribo do Efraín, onde se encontrava o tabernáculo. Possivelmente a arrogante atitude dos efrainitas (ver cap. 8: 1) fez que Gedeón sentisse tal ressentimento para eles que não queria entrar em seu território para render culto. O milagre realizado pelo anjo perto de sua própria casa, antes de que fosse chamado a ser juiz, poderia lhe haver levado a pensar que Deus indicava assim que se estabelecesse um novo centro de culto e que ele deveria oficiar ali como sacerdote. Tinha pedido sinais milagrosos, e lhe tinham sido concedidas. Em sua função posterior como juiz pôde haver sentido com freqüência a necessidade de consultar ao Senhor, e em vista de tudo isto fez um efod similar ao do tabernáculo. Seu pecado consistiu em assumir as prerrogativas do sacerdócio aarónico sem a sanção divina. Este engano preparou o caminho para uma apostasia maior, tanto em sua família como entre os outros membros da tribo. Assim o povo foi extraviado pelo mesmo que antes tinha derrubado seu idolatria. É indubitável que Gedeón não se propunha abandonar o culto de Deus, e suas intenções podem ter sido boas. Entretanto, sua conclusão de que necessitava-se um novo centro religioso, sem consultar a Deus, abriu a porta ao desastre. Não havia desculpa alguma para que Gedeón abandonasse o programa que Deus tinha instituído para o culto divino e seus serviços. Se Gedeón houvesse contínuo procurando a direção divina como o tinha feito antes, haveria-lhes economizado a sua família e a seu povo grandes tristezas. A história do Gedeón é uma advertência de que se necessita mais que boas intenções para fazer que um ato seja correto e digno de elogio. Por outra parte, quanto mais proeminente seja a posição de uma pessoa, quanto mais alcance terá a influência de seu mau exemplo. portanto, terá maior necessidade de enquadrar cada ato de sua vida segundo o modelo divino. A única regra correta de vida é a lei de Deus. Apesar de seu fracasso, na Epístola a os Hebreus (cap. 11: 32) elogia-se ao Gedeón por suas primeiras ações de fé. 30. Muitas mulheres. Este harém evidencia a riqueza e o poder do Gedeón. A poligamia em grande escala era praticada só pelos governantes ou pelos muito ricos. A descrição da família do Gedeón que aqui se apresenta (vers. 30, 31) serve para assinalar os antecedentes da série de acontecimentos que se registram (cap. 9). 31. Concubina. Por isso segue se presume que poderia ter sido cananea. que esta mulher tivesse permanecido com seus parentes no Siquem em lugar de transladar-se à casa do Gedeón na Ofra, mostra que este era um matrimônio chamado pelos antigos árabes matrimônio "sadika [amiga]". Segundo esse acerto matrimonial, a mulher vivia com os suas e era visitada de tanto em tanto pelo marido. Os filhos nascidos de tal matrimônio eram considerados membros do clã da esposa e sempre viviam com a mãe. Pô-lhe por nome. A construção hebréia aqui empregada se usa com freqüência no caso de ficar nomes adicionais a uma pessoa muito depois de ter nascido (2 Rei. 17: 34; Neh. 9: 7; Dão. 1: 7; 5: 12). Por esta razão, alguns pensaram que o nome Abimelec, que significa "pai de um rei", foi dado quando Gedeón observou o caráter ambicioso e arrogante do menino. Também pode significar, "meu pai é rei". A mãe poderia lhe haver posto este nomeie por vaidade,

Abimelec resultou um indigno filho do Gedeón. Tinha o valor e a energia de seu pai, mas lhe faltavam as virtudes do Gedeón. 32. Morreu. Gedeón morreu em paz e prosperidade, mas a má semente que tinha semeado deu amargos frutos na seguinte geração. Poucos se dão conta do grande alcance que tem a influência de suas palavras e ações. Ofra. Ver com. cap. 6: 11. 356 33. Baales. Ver com. cap. 2: 13, 17. As formas de culto não permitidas logo levaram a a adoração de falsos deuses. Baal-berit. Literalmente, "senhor do pacto". A mesma deidade leva o nome de "deus Berit", ou seja literalmente, "deus do pacto" (cap. 9: 46). No Siquem havia um templo dedicado a este deus (cap. 9: 4). Não resulta claro se o nome "senhor do pacto" refere-se a uma deidade que supostamente governava a uma confederação de cidades cananeas, ou a um pacto entre o Baal e seus adoradores, ou a um pacto entre os habitantes cananeos do Siquem e os recém chegados israelitas. Era comum que se estreitasse uma aliança entre dois povos mediante um culto comum. Em tempos posteriores, as alianças político-religiosas de esta classe muitas vezes levaram aos israelitas à idolatria. havia-se proibido aos israelitas fazer alianças (cap. 2: 2) com os povos pagãos. Um dos primeiros sintomas de sua apostasia foi a tendência a tirar as barreiras existentes entre eles e seus vizinhos pagãos. Parece que as concessões necessárias para poder estabelecer relações de pacto eram freqüentemente unilaterais; muitas vezes foi o Israel quem deveu claudicar em sua fé. 34. Não se lembraram. A tendência ao esquecimento foi uma falta comum entre os seguidores de Deus. A segurança está em recordar como Deus dirigiu e obrou no passado, e em seguir dependendo dessa direção. A gratidão nasce da lembrança e a reflexão, e quando a gente não pensa nas bênções que Deus derrama sobre ela, esquece-o e se volta ingrata. Esta ingratidão engendra incredulidade (ver com. ROM. 1: 20-28). precisa-se fazer um esforço positivo para recordar a Deus. A mente humana está constituída de tal modo que não retém na memória o que não se recorda com freqüência. Daí que seja necessário refrescar constantemente a história sagrada mediante o estudo da Bíblia e a assistência ao culto divino onde recordam-se esses assuntos. Por isso também é preciso repassar a história de a igreja contemporânea e recordar com freqüência as notáveis intervenções divinas na experiência pessoal. Como ocorre usualmente com muitas palavras hebréias, "recordar" não se refere só ao ato de reter algo conscientemente, mas também compreende fazer o que exige tal conhecimento da realidade. Assim, "recordar" a Deus significa

posteridade, fazer caso a seu conselho e procurar seguir o modelo que ele havia deixado para a futura jurisdição do domínio do Israel. Então se revelou em toda sua insensatez o engano do Gedeón, o engano de supor que ao fazer esse efod poderia conservar a fidelidade do povo a Jehová. depois de sua morte, os israelitas não pensaram mais no Gedeón nem em seu Deus que os tinha liberado. 35. Nem se mostraram agradecidos. Aqui se resume brevemente os acontecimentos do capítulo seguinte. Os que uma vez lhe tinham devotado ao Gedeón que reinasse sobre eles não se mostraram agradecidos com seus descendentes. A popularidade deste mundo é muito passageira: o herói de hoje é esquecido amanhã. COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE 1-35 PP 594-599 1-3 PP 597 4, 12 PP 594 18 PP 589 22, 23 PP 597 24-27, 31, 33 PP 598 34, 35 PP 599 357 CAPÍTULO 9 1 Abimelec é feito rei por conspiração com os siquemitas e assassinato de seus irmãos. 7 Jotam os reprova mediante uma parábola e prediz sua ruína. 22 Gaal conspira com os siquemitas contra ele. 30 Zebul revela o complô. 34 Abimelec os vence e semeia a cidade com sal. 46 Queima a torre do deus Berit. 50 No Tebes é morto por uma pedra de moinho. 56 Cumprimento da maldição do Jotam. 1 ABIMELEC filho do Jerobaal foi ao Siquem, aos irmãos de sua mãe, e falou com eles, e com toda a família da casa do pai de sua mãe, dizendo: 2 Eu vos rogo que digam em ouvidos de todos os do Siquem: O que lhes parece melhor, que lhes governem setenta homens, todos os filhos do Jerobaal, ou que vos governe um só homem? lhes lembre que eu sou seu osso, e sua carne. 3 E falaram por ele os irmãos de sua mãe em ouvidos de todos os do Siquem todas estas palavras; e o coração deles se inclinou a favor do Abimelec, porque diziam: Nosso irmão é. 4 E lhe deram setenta siclos de prata do templo do Baal-berit, com os quais Abimelec alugou homens ociosos e vagabundos, que lhe seguiram. 5 E vindo à casa de seu pai na Ofra, matou a seus irmãos os filhos de Jerobaal, setenta varões, sobre uma mesma pedra; mas ficou Jotam o filho menor do Jerobaal, que se escondeu.

escolheram ao Abimelec por rei, perto da planície do pilar que estava em Siquem. 7 Quando o disseram ao Jotam, foi e ficou na cúpula do monte de Gerizim, e elevando sua voz clamou e lhes disse: me ouçam, varões do Siquem, e assim vos ouça Deus. 8 Foram uma vez as árvores a escolher rei sobre si, e disseram ao olivo: Reina sobre nós. 9 Mas o olivo respondeu: Tenho que deixar meu azeite, com o qual em mim se honra a Deus e aos homens, para ir ser grande sobre as árvores? 10 E disseram as árvores à figueira: Anda você, reina sobre nós. 11 E respondeu a figueira: Tenho que deixar minha doçura e meu bom fruto, para ir a ser grande sobre as árvores? 12 Disseram logo as árvores à videira: Pois vêem você, reina sobre nós. 13 E a videira lhes respondeu: Tenho que deixar meu mosto, que alegra a Deus e aos homens, para ir ser grande sobre as árvores? 14 Disseram então tudas as árvores à sarça: Anda você, reina sobre nós. 15 E a sarça respondeu às árvores: Se na verdade me escolhem por rei sobre vós, venham, lhes abrigue desço de minha sombra; e se não, saia fogo da sarça e devore aos cedros do Líbano. 16 Agora, pois, se com verdade e com integridade procedestes em fazer rei a Abimelec, e se tiverem atuado bem com o Jerobaal e com sua casa, e se lhe hão pago conforme à obra de suas mãos 17 (porque meu pai brigou por vós, e expôs sua vida ao perigo para lhes liberar de mão do Madián, 18 e lhes levantastes hoje contra a casa de meu pai, e hão matado a seus filhos, setenta varões sobre uma mesma pedra; e pusestes por rei sobre os do Siquem ao Abimelec filho de sua criada, por quanto é seu irmão); 19 se com verdade e com integridade procedestes hoje com o Jerobaal e com seu casa, que gozem do Abimelec, e ele goze de vós. 20 E se não, fogo saia do Abimelec, que consuma aos do Siquem e à casa de Melo, e fogo saia dos do Siquem e da casa de Melo, que consuma a Abimelec. 21 E escapou Jotam e fugiu, e se foi ao Beer, e ali se esteve por medo de Abimelec seu irmão. 22 Depois que Abimelec teve dominado sobre o Israel três anos, 23 enviou Deus um mau espírito entre o Abimelec e os homens do Siquem, e os de Siquem se levantaram contra Abimelec; 358 24 para que a violência feita aos setenta filhos do Jerobaal, e o sangue de eles, recaísse sobre o Abimelec seu irmão que os matou, e sobre os homens de Siquem que fortaleceram as mãos dele para matar a seus irmãos.

roubavam a todos os que aconteciam eles pelo caminho; do qual foi dado aviso ao Abimelec. 26 E Gaal filho do Ebed veio com seus irmãos e se passaram ao Siquem, e os de Siquem puseram nele sua confiança. 27 E saindo ao campo, vendimiaron seus vinhedos, e pisaram na uva e fizeram festa; e entrando no templo de seus deuses, comeram e beberam, e amaldiçoaram ao Abimelec. 28 E Gaal filho do Ebed disse: Quem é Abimelec, e o que é Siquem, para que nós lhe sirvamos? Não é filho do Jerobaal, e não é Zebul ajudante dele? Sirvam aos varões do Hamor pai do Siquem; mas por que lhe temos que servir a ele? 29 Oxalá estivesse este povo sob minha mão, pois eu arrojaria logo a Abimelec, e diria ao Abimelec: Aumenta seus exércitos, e sal. 30 Quando Zebul governador da cidade ouviu as palavras do Gaal filho do Ebed, acendeu-se em ira, 31 e enviou secretamente mensageiros ao Abimelec, dizendo: Hei aqui que Gaal filho do Ebed e seus irmãos vieram ao Siquem, e hei aqui que estão revoltando a cidade contra ti. 32 Te levante, pois, agora de noite, você e o povo que está contigo, e ponha emboscadas no campo. 33 E pela manhã ao sair o sol madruga e cai sobre a cidade; e quando ele e o povo que está com ele saiam contra ti, você fará com ele segundo se presente a ocasião. 34 Levantando-se, pois, de noite Abimelec e todo o povo que com ele estava, puseram emboscada contra Siquem com quatro companhias. 35 E Gaal filho do Ebed saiu, e ficou à entrada da porta da cidade; e Abimelec e todo o povo que com ele estava, levantaram-se da emboscada. 36 E vendo Gaal ao povo, disse ao Zebul: Hei ali gente que descende das cúpulas dos Montes. E Zebul lhe respondeu: Você vê a sombra dos Montes como se fossem homens. 37 Voltou Gaal a falar, e disse: Hei ali gente que descende de em meio da terra, e uma tropa vem pelo caminho do carvalho dos adivinhos. 38 E Zebul lhe respondeu: Onde está agora sua boca com que dizia: Quem é Abimelec para que lhe sirvamos? Não é este o povo que tinha em pouco? Sal pois, agora, e briga com ele. 39 E Gaal saiu diante dos do Siquem e brigou contra Abimelec. 40 Mas o perseguiu Abimelec, e Gaal fugiu diante dele; e caíram feridos muitos até a entrada da porta. 41 E Abimelec ficou na Aruma; e Zebul jogou fora ao Gaal e a seus irmãos, para que não morassem no Siquem. 42 Aconteceu o seguinte dia que o povo saiu ao campo; e foi dado aviso a Abimelec, 43 o qual, tomando gente, repartiu-a em três companhias, e pôs emboscadas em

contra eles e os atacou. 44 Porque Abimelec e a companhia que estava com ele atacaram com ímpeto, e se detiveram a entrada da porta da cidade, e as outras duas companhias atacaram a todos os que estavam no campo, e os mataram. 45 E Abimelec brigou contra a cidade todo aquele dia, e tomou a cidade, e matou ao povo que nela estava; e assolou a cidade, e a semeou de sal. 46 Quando ouviram isto todos os que estavam na torre do Siquem, meteram-se na fortaleza do templo do deus Berit. 47 E foi dado aviso ao Abimelec, de que estavam reunidos todos os homens da torre do Siquem. 48 Então subiu Abimelec ao monte de Salmão, ele e toda a gente que com ele estava; e tomou Abimelec uma tocha em sua mão, e cortou um ramo das árvores, e levantando-aa pôs sobre seus ombros, dizendo ao povo que estava com ele: O que me viram fazer, lhes apresse a fazê-lo como eu. 49 E todo o povo cortou também cada um seu ramo, e seguiram ao Abimelec, e puseram-nas junto à fortaleza, e prenderam fogo com elas à fortaleza, de modo que 359 tuda os da torre do Siquem morreram, como uns mil homens e mulheres. 50 Depois Abimelec se foi ao Tebes, e pôs sítio ao Tebes, e tomou. 51 Em meio daquela cidade havia uma torre fortificada, a qual se retiraram todos os homens e as mulheres, e todos os senhores da cidade; e fechando atrás de si as portas, subiram ao teto da torre. 52 E veio Abimelec à torre, e combatendo-a, chegou até a porta da torre para lhe prender fogo. 53 Mas uma mulher deixou cair um pedaço de uma roda de moinho sobre a cabeça de Abimelec, e lhe rompeu o crânio. 54 Então chamou apressadamente a seu escudeiro e lhe disse: Tira sua espada e me mate, para que não se diga de mim: Uma mulher o matou. E seu escudeiro o atravessou, e morreu. 55 E quando os israelitas viram morto ao Abimelec, foram-se cada um a seu casa. 56 Assim pagou Deus ao Abimelec o mal que fez contra seu pai, matando a seus setenta irmãos. 57 E todo o mal dos homens do Siquem o fez Deus voltar sobre seus cabeças, e veio sobre eles a maldição do Jotam filho do Jerobaal. 1. Siquem. achava-se a 50 km ao norte de Jerusalém em um vale estreito e fértil. Provavelmente estava sob a jurisdiccion do Gedeón. Ao menos, ali vivia seu concubina com seus familiares. Tão logo foi enterrado Gedeón, Abimelec foi a Siquem para procurar que seus parentes -que parecem ter sido cidadãos de renome dessa cidade- ajudassem-lhe a herdar a autoridade para governar que tinha exercido seu pai.

os do Siquem. A palavra hebréia traduzida "os" é o plural do BA'ao, que significa "donos" ou "cidadãos". Os habitantes eram de diferentes raças: alguns israelitas, outros cananeos, e alguns, como Abimelec, eram consangüíneos de ambos. Viviam juntos, amalgamados até certo ponto, mas sentiam certo desprezo mútuo. No vers. 28 se indica que nesta cidade preponderavam os cananeos. O que lhes parece melhor? Abimelec acreditou que este era um argumento poderoso. Não há razão para pensar que os 70 filhos do Gedeón queriam governar. Abimelec apresentou o caso da pior maneira possível, aproveitando-se dos temores e prejuízos da população. seu osso. Abimelec parece dirigir-se ao setor cananeo da população; mas embora assim não tivesse sido, quão israelitas viviam no Siquem eram da tribo do Efraín, e ele conhecia bem sua ambição de ser a tribo principal. A eles sem dúvida não os teria gostado que Gedeón, da tribo do Manasés, fora o caudilho de toda a zona. portanto, teriam estado muito dispostos a aproveitar a oportunidade de elevar ao posto de seu pai ao filho do Gedeón, que era do Siquem. 4. Baal-berit. Na antigüidade se depositavam nos templos os recursos privados e estatais, assim como os coloca hoje nos bancos. Além disso, cada templo tinha sua própria tesouraria onde se acumulava o dinheiro entregue por votos, multas e doações. O apoio financeiro da empresa do Abimelec proveio de um templo do Baal. Que desgraça que o filho de que começou sua carreira mostrando a inutilidade da adoração do Baal, iniciasse a sua com uma dádiva do templo do Baal e que com esse dinheiro matasse a todos seus irmãos! Tal é o resultado final da poligamia, a ambição e a falta de piedade. Nas casas onde se pratica a poligamia há pouco afeto e muitos ciúmes. Setenta siclos. Um siclo por cada irmão morto, aproximadamente 11,4 g de prata por cada um. Ociosos e vagabundos Literalmente, "vazios [sem valor] e indisciplinados". Levaram-se a cabo muitas revoluções sangrentas porque seus dirigentes se rodearam de tais seguidores indisciplinados e de má fama. 5. Matou a seus irmãos. Este era o método habitual que os usurpadores empregavam para conseguir o trono. que não tinha nenhum direito eliminava a todos os que tinham direito ao trono, a fim de que não tivesse nenhum competidor. Os déspotas previam as conspirações que se levantariam contra eles, e portanto matavam a todos seus irmãos e parentes próximos. Sobre uma mesma pedra.

possivelmente sobre a penha onde Gedeón fazia seu altar. Jotam Este nome significa literalmente, 360 "Jehová é perfeito". O fato de que Gedeón lhe tivesse posto esse nomeie a seu 70.º filho indica que seguiu sendo fiel crente no Senhor a pesar do efod que tinha feito. 6. Casa de Melo. É provável que a casa de Melo tivesse sido um lugar a pouca distância de Siquem. Não se dá a entender se a palavra "casa" se refere à família ou a os habitantes de Melo, ou a um edifício. Aqui e no vers. 20 a frase parece corresponder com "os do Siquem". portanto, poderia referir-se ao clã ou a a família de Melo. Por outra parte, bem poderia designar um edifício. A referência do vers. 46 parece indicar que a "torre do Siquem" e a "casa de Melo" eram uma mesma coisa. Planície. Heb. 'elon. A palavra significa carvalho ou "terebinto" (BJ, NC) (ver com. Juec. 6: 11; Gén. 35: 8). Esta árvore era possivelmente o mesmo debaixo do qual Jacob mandou que sua família enterrasse seus adornos e amuletos relacionados com o culto idolátrico (Gén. 35: 4), e sob o qual Josué levantou sua pedra de testemunho (Jos. 24: 26). Pilar. Uma das pedras sagradas que acostumavam usar os hebreus e os cananeos em seus lugares de culto (Gén. 28: 18; Exo. 24: 4; Deut. 12: 3). Abimelec foi proclamado rei no mesmo sítio onde Josué tinha reunido por última vez a toda a nação para renovar o pacto do Israel com o Jehová (Jos. 24: 1, 25, 26). Era costume escolher ao rei em algum santuário ou lugar sagrado (1 Sam. 11: 15). 7. A cúpula do monte do Gerizim. Talvez não falou da "cúpula" do monte, que está a 274,3 m sobre a aldeia, a não ser provavelmente desde algum ponto mais próximo na ladeira da montanha. Jotam, o único filho do Gedeón que tinha escapado de ser morto por Abimelec, inteirou-se de que os do Siquem estavam proclamando rei a seu irmão. Arriscando a vida, subiu a uma rocha que me sobressaía do monte, por cima de a gente que estava reunida junto ao carvalho. Quando teve conseguido a atenção da multidão que acabava de fazer rei ao Abimelec, Jotam deu um mensagem em alta voz. Na parábola do discurso se destaca o contraste entre a atitude do Gedeón e seus filhos e a do aventureiro Abimelec, e se prediz que a ação dos siquemitas ao escolher rei ao Abimelec, acabará no desastre. Este discurso é uma das obras professoras da literatura. 8. Foram uma vez as árvores. Os povos da antigüidade gostavam muito das alegorias deste tipo, em as quais as coisas inanimadas falam e atuam. Escolher rei.

Jotam conhecia bem o desejo que o povo sentia por ter rei, não só para ser como as nações que o rodeavam, mas sim porque pensava que seus frectientes sofrimentos à mãos de seus inimigos se deviam a um defeito em seu sistema de governo, quando em realidade esses sofrimentos eram conseqüência da apostasia. Este pedido de ter rei se expressou pela primeira vez quando o povo ofereceu fazer rei ao Gedeón. Seguiu incrementando-se até que se fez este desafortunado intento. Em tempos do Saúl se fez tão forte, que o profeta Samuel, por ordem de Deus, Finalmente cedeu e oficiou na eleição de um rei. Olivo. Na Palestina o olivo é a árvore de maior valor. Ainda existem extensos Montes de tais árvores no fértil vale do Siquem. O olivo, a figueira e a videira, aos que lhes ofereceu a dignidade real, representam a homens que, como Gedeón, interessavam-se mais no bem-estar da comunidade que em lucros pessoais. 9 Tenho que deixar? Gedeón se tinha negado a deixar a legítima obra de juiz para tomar um cargo que, embora pudesse ter tido a capacidade de exercê-lo, Deus não lhe havia pedido que ocupasse. Sua resposta foi: "Jehová senhoreará sobre vós"(cap. 8: 23). Se tivesse aceito ser rei, sua ação teria sido tão incongruente como se uma árvore tivesse deixado sua própria função útil para reinar sobre os demais árvores. honra-se a Deus. usava-se o azeite de oliva para os sacrifícios, as oferendas e as consagrações no serviço do tabernáculo, assim como também na comida. É possível traduzir nesta passagem a palavra 'elohim, "deuses" (BJ), e não "Deus", o que também é correto. supõe-se que Jotam aplicou sua parábola a a idolatria dos siquemitas (ver também vers. 13). 10. Figueira. Representava aos outros filhos do Gedeón, ou talvez até a alguns dos anteriores juizes. Eles poderiam ter tido dons e qualidades para governar muito maiores que os do Abimelec. É possível que lhe tivesse feito alguma oferta de ser rei a um ou mais deles, mas a tinham rechaçado. 13. Mosto. Heb. tirosh. O suco da uva, fresco ou fermentado. 361 Alegra a Deus. "Aos deuses" (BJ). Ver com. vers. 9. Jotam estaria acomodando a parábola a os costumes conhecidos pelos idólatras siquemitas. Sem dúvida conheciam bem as freqüentes libações de vinho que se ofereciam às deidades pagãs, quem supostamente participava delas. Por outra parte, usava-se também o vinho nas libações do serviço do santuário (Exo. 29: 40; Núm. 15: 7, 10; etc.).

Para ir ser grande. Literalmente, "ondear". A ação representa um gesto de autoridade. Os três árvores que proporcionavam as mais abundantes bênções às pessoas -o olivo, a figueira e a videira- recusaram uma depois da outra a honra de ser rei dos árvores. Os três deram a mesma razão: por que tinham que deixar a função com a qual emprestavam um serviço muito valioso para assumir um cargo que os parecia desnecessário? A figura de "ondear ou ondular" sobre as árvores é uma figura apropriada da vontade popular: incerta e brinquedo de todo vento. Uma posição obtida graças ao favor popular só poderia manter-se inclinando-se ante cada brisa, ou se não, perdendo a verdadeira nobreza no esforço de manter essa posição pela força das armas. As palavras do Jotam indian que Gedeón também compreendeu a natureza cambiante dos israelitas. Nenhum homem de verdadeiro valor deixaria um cargo de utilidade para ser rei de um povo cujos desejos e metas variavam com a rapidez do vento. 14. Sarça. Uma planta Espinosa comum nas colinas da Palestina. Representava a antítese das árvores valiosas que tinham rechaçado o oferecimento de ser feitos rei. 15. Se na verdade. Quer dizer, com um propósito sério. A sarça, reconhecendo-se de menos valor que as outras árvores, suspeita que se faz o oferecimento em são de brincadeira. lhes abrigue sob minha sombra. "Lhes cubra a minha sombra" (BJ). Com toda seriedade, a incauta sarça faz uma convite impossível. Seus ramitas não oferecem nenhuma sombra e estão cheias de espinhos. Aqui há uma mordaz ironia. Descreve o absurdo da situação em a qual se encontravam os siquemitas. Jotam diz ao povo que Abimelec não pode lhes proporcionar amparo, assim como a débil e Espinosa sarça não é capaz de dar sombra nem de proteger ao olivo e à figueira. Eram vões promessas, impossíveis de cumprir. E se não. A sarça não só estava ansiosa de reinar mas também pronuncia perigosas e vingativas ameaças: a equivalência das intimidações que sem dúvida usou Abimelec para desanimar aos habitantes do Siquem que pudessem ter pensado em lhe retirar seus oferecimentos de apoiá-lo. Saia fogo. As sarças ou espinheiros eram causa freqüente de incêndios, pois ardiam facilmente e o fogo se estendia com rapidez (Exo. 22: 6; cf. Sal. 58: 9; ISA. 9: 18). Embora Abimelec, como a sarça, não tinha poder nem capacidade para ajudar, poderia causar grandes danos. Os que tinham feito rei ao Abimelec estavam em um dilema: se permaneciam leais, gozariam de seu ilusório amparo; se o abandonavam, seriam arruinados. A moral de toda a parábola é esta: os homens débeis, inúteis e malvados serão sempre os primeiros em colocar-se no poder, e ao fim serão

o qual presidem. 16. Se com verdade. Aqui Jotam começa a fazer a aplicação da parábola. Até eles mesmos teriam que admitir que ao fazer rei ao Abimelec tinham atuado a tolas e a loucas. Conforme à obra de suas mãos. depois de mostrar a perigosa situação dos habitantes do Siquem, Jotam repreendeu-os severamente pela ingratidão que tinham mostrado para com o Gedeón ao financiar o ataque do Abimelec contra a casa do Gedeón, durante o qual Abimelec tinha ultimado a 69 de seus irmãos. Esta era a recompensa que os habitantes do Siquem davam à família de que tinha arriscado a vida para libertar aos habitantes da Palestina das hostes madianitas. Os grandes favores muitas vezes recebem más recompensas, sobre tudo de parte da posteridade. 18. matastes a seus filhos. Por ter ajudado financeiramente ao Abimelec em sua malvada obra, Jotam sustentava que os homens do Siquem eram partícipes da responsabilidade da matança de seus irmãos. Sua criada. Quer dizer, de uma pulseira concubina. O término é intencionalmente pejorativo. O cap. 9: 1 indica que a concubina do Gedeón possivelmente era uma mulher livre, tal vez membro de uma família Influente. 19. Se com verdade ... procedestes. As palavras são irônicas. Era como dizer: se sua conduta for justa e boa, vos desejo que de 362 ela obtenham grande gozo. Que seu rei-sarça vos proporcione paz e prosperidade, se tiverem atuado de boa fé. 20. E se não. Os ouvintes do Jotam sabiam que não tinham atuado de boa fé, e esta imprecação deve ter sido fúnebre para eles. Fogo saia. A maldição do Jotam foi que Abimelec e os homens do Siquem pereceriam por destruição mútua. Muitas vezes a união dos maus se torna rapidamente em inimizade e extermínio recíproco. Esta maldição se cumpriu exatamente, depende registra-se no resto do capítulo (ver vers. 56, 57). 21. Beer.

é impossível identificar com precisão o lugar. É provável que Jotam houvesse encontrado refúgio em qualquer ponto dos territórios do Judá ou Benjamim, e provavelmente fugiu a um desses lugares. 22. Sobre o Israel. Quer dizer, sobre todos quão israelitas aceitassem sua autoridade. Provavelmente seriam principalmente os da zona do Siquem. 23. Enviou Deus. Quer dizer, que Deus não evitou as conseqüências naturais de um mal proceder. Com freqüência se apresenta o que Deus permite como se ele fosse seu autor. Aqueles que não escolhem servir a Deus ficam assim sob o domínio de Satanás. Mau espírito. "Espírito de discórdia" (BJ). Pode significar mau gênio ou uma atitude ímpia. usa-se muitas vezes a palavra "espírito" para descrever uma atitude ou estado de ânimo (ver Núm. 14: 24). levantaram-se contra Abimelec. "Traíram ao Abimélek" (BJ). Os homens do Siquem começaram a atuar contra Abimelec assim como lhe tinham ajudado contra os filhos do Gedeón. Era algo natural que os que foram desleais ao Gedeón fossem também a Abimelec. Não se registra a causa imediata da ruptura entre o Abimelec e os siquemitas. Estes possivelmente se deram conta logo de que era um terrível déspota que logo que foi feito rei não vacilou em aproveitar-se deles. 25. Puseram ... asechadores. É provável que Abimelec residisse na Ofra depois de matar ali a seus irmãos. Descontentamentos os do Siquem, puseram uma emboscada com a esperança de capturar ao Abimelec quando estivesse acompanhado só de uns poucos homens. Enquanto esperavam que aparecesse sua vítima, os cruéis asechadores começaram a roubar a todos os viajantes e as caravanas que por ali passavam. Logo reinou em toda a zona uma situação de insegurança que danificou o prestígio e a popularidade do Abimelec. Cúpulas dos Montes. Provavelmente perto do Siquem. Esta cidade estava sobre as duas principais artérias de trânsito nas montanhas do Efraín. Das alturas dos Montes Ebal e Gerizim era fácil dominar todos os caminhos. Esta zona de Palestina sempre foi um lugar predileto dos assaltantes. 26. Gaal. Seu nome significa "aborrecimento". Seus irmãos.

secuaces do Gaal. passaram-se. Isto poderia sugerir que Gaal tinha vivido antes ao outro lado do Jordão. 27. Festa. Heb. hilulim, da raiz halal, "elogiar". No Lev. 19: 24 hilulim se traduz "louvores". A festa da colheita de uvas era a mais alegre de todo o ano. Entre os cananeos se acompanhava geralmente com banqueteos, bebedeiras e festejos buliçosos. Assim foi a reunião que se descreve aqui. Em tal ocasião a evidente desconformidad com o governo do Abimelec tinha que manifestar-se. Sob a influência do vinho e da festa, atreveram-se a insultar ao Abimelec e a falar abertamente contra ele. No mesmo templo onde tinham conspirado com o Abimelec e do qual tinham tirado os tesouros para financiar seu primeira nefasta incursão, agora o amaldiçoavam e tramavam sua ruína. 28. Quem é Abimelec? É evidente que o disse em forma depreciativa. Compare-se com "Quem é David, e quem é o filho do Isaí?" (1 Sam. 25: 10). O que é Siquem? Provavelmente uma recriminação à cidade por ter permitido que uma pessoa como Abimelec governasse sobre seus habitantes. Pertencia-lhe acaso Siquem naturalmente e por tradição ao Abimelec? Zebul ajudante dele. queixavam-se de não ser governados nem sequer pelo Abimelec, a não ser só pelo Zebul, ajudante dele, homem sem valor algum. Parece que Abimelec tinha posto a Zebul como governador ou prefeito da cidade (ver vers. 30). Gaal estava preparando o caminho para usurpar o posto e a autoridade do Zebul. 363 Varões do Hamor. Indicou que seria muito melhor ter por dirigente a um cananeo de pura cepa, descendente do antigo príncipe Hamor, dono hereditário do Siquem (ver Gén. 33: 19; Jos. 24: 32). 29. Oxalá estivesse este povo. Comparem-nos métodos do Gaal com os que usou Absalón para escavar o prestígio do David (2 Sam. 15: 4). A declaração vai dirigida contra Zebul. Gaal sugeria que se ele fosse governador da cidade em lugar do Zebul, acabaria logo com o Abimelec. Diria. Assim reza a LXX. O hebreu diz "e ele disse ao Abimelec". Mas segundo o contexto, seria mais lógico como está. No hebreu as duas formas são muito parecidas, e é possível que um copista as tivesse confundido. No vers. 31 sugere-se que Zebul enviou uma mensagem secreta ao Abimelec para lhe informar do

teria existido a necessidade de tal missão secreta. Se se retiver a tradução "e ele disse", poderia interpretar-se como que Gaal falou com o Abimelec em um diálogo imaginário, animado e eloqüente. Se assim fora, o aplauso dos siquemitas encorajou ao orador acalorado pelo vinho e desafiou com arrogância, como se estivesse dirigindo-se ao Abimelec: "Aumenta seus exércitos, e sal". 30. Governador da cidade. Ver com. vers. 28. Ouviu as palavras. Os traidores são freqüentemente traídos a sua vez por seus próprios seguidores. Quando se amaldiçoa ao rei, as aves do céu levam a voz (Anexo 10: 20). A jactância do Gaal, pronunciada sob os efeitos da bebida, chegou para ouvidos de Zebul, quem se irou porque se inteirou de que sua derrocada devia estar relacionado com o do Abimelec. Este relato, embora singelo, está magnificamente narrado, e permite riscar com claridade o progresso da conspiração, na qual a traição secreta e a dissipação manifesta, a jactância e o ciúmes conspiram juntos para provocar a ruína da cidade. 31. Secretamente. Heb. betormah. Pode traduzir-se "em segredo" ou "no Tormah". Se se traduzira desta última maneira, Abimelec teria estado vivendo em um lugar chamado Tormah. O vers. 41 afirma que vivia na Aruma. A menos que os dois nomes se refiram a um mesmo lugar (assim o interpreta a BJ, 1967), deverá traduzir-se como o faz a RVR. Zebul atuou em forma secreta. Não era bastante forte para tratar com o Gaal, assim não lhe opôs abertamente. Se Gaal houvesse sido mais sábio poderia ter atuado com maior sutileza com o Zebul. 35. A entrada da porta. No período dos Juizes, o lugar habitual onde se reuniam os magistrados com a gente era a porta da cidade. Zebul foi à porta essa manhã porque supunha que surgiriam dificuldades. Gaal também chegou até ali porque estava observando atentamente o que acontecia dentro da cidade, a fim de promover seus próprios fins. 36. Gente que descende. Durante a noite, as forças do Abimelec se aproximaram da cidade tanto como puderam sem causar alarme. Cedo na manhã, depois de haver-se aberto as portas e de sair muitos a seus campos, os soldados do Abimelec começaram a avançar sobre a cidade. Gaal, que observava da porta, os viu em seguida, e nervosamente a gritos informou disto ao Zebul. Podemos imaginar que este, a fim de ganhar tempo, com toda calma saiu a olhar e logo replicou com engano e brincadeira: "Está alvoroçado sem razão. São só as sombras do monte Ebal e o Gerizim". Zebul pareceria tratar ao Gaal como se este ainda estivesse sofrendo algo da embriaguez da noite anterior. 37.

De em meio da terra. Literalmente, do "Umbigo da Terra" (BJ). Provavelmente era o nome de uma colina, assim chamado porque estava a metade de caminho entre o Jordão e o mar. Uma tropa. Desde todos os pontos avançavam as tropas do Abimelec, para consternação de Gaal e surpresa dos cidadãos. Carvalho dos adivinhos. É provável que este carvalho fora domicílio de uma família ou seita de adivinhos. 38. Onde está agora sua boca? Nesta passagem, "boca" metaforicamente significa "jactância". É uma repreensão contra a audácia e imprudência do Gaal. Embora Zebul não parece estar ainda em uma posição que lhe permita abertamente opor-se ao Gaal por temor de sua própria segurança pessoal, por suas brincadeiras ante os pressente o inca a cumprir o que jactanciosamente tinha prometido no vers. 29, e a sair a lutar contra as forças do Abimelec. Os insolentes e jactanciosos muitas vezes devem trocar em pouco seu tempo 364 atitude imprudente e temer aos que anteriormente insultaram. 40. Caíram feridos. Melhor, "muitos caíram mortos" (BJ). Sem grande dificuldade Abimelec obteve a vitória completa. É evidente que os secuaces do Gaal sofreram fortes baixas. Permanece a dúvida quanto à razão pela qual Zebul não fechou as portas da cidade para impedir a fuga do Gaal. Possivelmente Gaal deixou um forte contingente para proteger a porta a fim de que ele e seus homens pudessem achar refúgio dentro dos muros se eram derrotados. 41. ficou na Aruma. Posto que ali residia, Abimelec retornou a esse lugar. Não tentou tomar Siquem por assalto. Suas muralhas eram suficientemente formidáveis como para que decidisse tomá-la mediante uma estratagema. Por isso voltou para sua casa da Aruma, como se depois de haver-se desfeito do Gaal não se dispusera a seguir a luta com os siquemitas. Com a retirada de seus exércitos, conseguiu aquietar aos siquemitas com a convicção erro de que estavam seguros. Jogou fora ao Gaal. Sua incapacidade para opor-se ao Abimelec custou ao Gaal a perda de seus secuaces no Siquem. Ninguém lhe tinha já confiança, e esperando talvez que Abimelec se apaziguasse se Gaal era jogado, os habitantes do Siquem cederam ante o Zebul. pediu-se ao Gaal e aos poucos homens que ficavam que abandonassem a cidade, o qual fizeram. 43. Atacou-os.

soldados do Abimelec os atacaram e destruíram sem misericórdia. É difícil entender como neciamente acreditaram os habitantes do Siquem que Abimelec se conformaria com o desterro do Gaal e não atacaria a cidade logo depois de seu vitória inicial. 44. A entrada da porta da cidade. Esta vez a estratégia do Abimelec foi melhor. Assim que começou o ataque dirigiu a um grupo de soldados até a porta da cidade e tomou. Com essa perigosa manobra pôde impedir que os siquemitas que estavam fora da cidade voltassem para ela, ou que os que estivessem dentro saíssem a resgatar a seus camaradas. Não pode negar o valor do Abimelec. 45. Tomou a cidade. Os habitantes do Siquem lutaram a morte. Abimelec necessitou todo um dia para avançar da porta da cidade até finalmente devastá-la. Não permitiu que ninguém escapasse. É de supor que toda a população pereceu pela espada ou o fogo. Semeou-a de sal. A ira do Abimelec não se acalmou até que toda a cidade, com seus edifícios e seus muros, foi devastada. Então Abimelec pulverizou sal sobre as ruínas, como ação simbólica para expressar o desejo de que a cidade permanecesse deserta e sem habitantes para sempre (ver Deut. 29: 23). Tivesse sido difícil pôr ali suficiente sal para arruinar a terra, ao menos em uma zona apreciável. A passagem não significa isto. informa-se de ações similares de parte dos assírios, da Atila e do Carlos IX da França. Em tempos do Salomón, Siquem aparece novamente como uma cidade prospera (1 Rei. 12: 1). Sua zona vizinha era muito fértil, e sua localização no cruzamento de os caminhos era muito vantajosa como para que permanecesse muito tempo sem ser habitada. 46. Torre do Siquem. Poderia ter sido a "casa de Melo" (ver com. ver. 6). A fortaleza. Heb. tseríaj. Uma escavação subterrânea. Em 1 Sam. 13: 6 aparece a mesma palavra, mas se traduz "rochas". "A cripta do templo do-Berit" (BJ). Deus Berit. Não há absoluta certeza de que o templo deste deus Berit fora o mesmo de Baal-berit que se menciona no vers. 4 deste mesmo capítulo. supõe-se que eram dois nomes de um mesmo templo. Na antigüidade se considerava que os templos eram lugares de asilo. Isto ocorria entre os judeus (1 Rei. 2: 28-34) e os pagãos (1 MAC. 5: 43). A literatura clássica dos gregos contém muitas menções de pessoas que fugiram a templos em procura de asilo político. Os residentes do lugar poderiam ter brigado desde sua torre fortificada, mas escolheram ir ao templo e pedir misericórdia. Se Abimelec não tivesse sido tão cruel, provavelmente

a misericórdia parecia ser totalmente alheia a sua natureza. 48. Monte do Salomón. Um monte desconhecido diminui distância dali. 49. Prenderam fogo com elas à fortaleza. É evidente que a fortaleza não era um lugar destinado à defesa. Era um subsolo amuralhado dentro do recinto do templo ao qual tinham fugido os refugiados esperando 365 que Abimelec respeitaria ali seu direito de asilo. O calor intenso do fogo desses ramos resinosos logo acendeu o recobrimento de madeira do lugar, e como resultado pereceram os 1.000 homens e mulheres que se refugiaram nessas habitações cavernosas. A profecia do Jotam se cumpriu literalmente. Tinha saído fogo do rei-sarça e tinha destruído às pessoas do Siquem (vers. 20). É provável que boa parte dessa gente não tivesse nada que ver com a questão nem com o fato de que Abimelec tivesse sido coroado rei. Possivelmente não tomaram partido com um grupo nem com o outro. Entretanto, ao longo de todos os séculos, homens de espírito turbulento fazem que morram outros junto com eles. Milhões de pessoas inocentes morrem ainda em cruéis guerras desatadas por uns poucos malvados. 50. Tebes. Hoje em dia existe uma cidade de nome Tûbâts a 14,4 km ao nordeste do Siquem. Muitos pensam que esta era a antiga Tebes, embora outros o põem em dúvida. Tebes aparentemente seguiu ao Siquem na rebelião contra o governo de Abimelec. 51. Teto da torre. acharam-se na Palestina torre como esta, cujos muros têm até 3 m de espessura. dentro da torre havia diferentes pisos ou níveis e uma plataforma em cima, da qual defendê-la. Os cidadãos do Tebes fugiram como último recurso a esta formidável cidadela depois que Abimelec irrompeu em sua cidade. A freqüente menção de torres reflete o estado incerto em que se vivia então nesse país. 52. Chegou até a porta. Com seu característico ímpeto e valentia Abimelec atacou a torre. Quando os defensores resistiram seus furiosos ataques, Abimelec tentou incendiar a porta de madeira. Se tivesse conseguido queimá-la, seus soldados poderiam haver tomado com êxito a torre. 53. Uma mulher. Até as mulheres colaboravam na defesa. Enquanto isso que os homens usavam

aventuravam perto da base da torre. Um pedaço de uma roda de moinho. Literalmente, "a pedra de moinho que cavalga", quer dizer, a pedra superior do moinho. Era a que se movia para moer, enquanto que a inferior permanecia fixa. que a mulher tivesse uma pedra de moinho sugere que ali armazenaram-se grãos e que havia instrumentos para moer farinha, possivelmente em previsão de um assédio. Rompeu-lhe o crânio. A palavra aqui traduzida "crânio" é gulgoleth, de onde provém o nome Gólgota, lugar onde Jesus foi crucificado. Embora Abimelec tivesse estado usando um pesado casco, tal objeto, caindo de 10 ou 12 m, haveria-lhe esmagado a cabeça. 54. Seu escudeiro. Os dirigentes militares acostumavam ter um ajudante de campo ou escudeiro como distintivo de sua importância, e também para levar o pesado escudo e a lança do amo quando este não lutava (ver Juec. 7: 10; 1 Sam. 14: 6; 31: 4). Para que não se diga. O horror de ser morto por uma mulher não se limitava aos hebreus (ver caps. 4: g; 5: 24-27). Na literatura grega e romana se expressa o mesmo sentir. É provável que Abimelec tivesse temido cair ferido de morte entre seus inimigos, quem o tivesse ludibriado e torturado. Apesar de seus esforços por acabar sua vida de outra maneira, Abimelec não escapou ao oprobio de ter sido morto por uma mulher (ver 2 Sam. 11: 2 l). Em seus momentos últimos, Abimelec bem pôde ter pensado no que os homens pensavam de sua vida, porque sobre essa base a posteridade finalmente julga a um homem. Ainda hoje, os assuntos aos quais os seres humanos são mais sensíveis não são os que realmente importam na vida. Os que só têm em conta seu orgulho e ambição, geralmente morrem como viveram: com mais preocupação de que se conserve sua reputação ante outros que da salvação de sua alma. Atravessou-lhe. O primeiro homem que procurou reinar sobre o Israel, e Saúl, primeiro verdadeiro rei do Israel, insistiram em morrer da mesma maneira (ver 1 Sam. 31: 3, 4). O que triste fim! 55. Cada um a sua casa. Na antigüidade, pelo general bastava que muriese o dirigente para que o exército se dispersasse (ver 1 Sam. 17: 51). 56. Assim pagou Deus. Nesta frase se dá a moral de todo o relato. O autor deste livro tinha a funda convicção de que Deus regia os sucessos históricos, e que

assassinou aos filhos do Gedeón 366 "sobre uma mesma pedra" foi morto por uma pedra que lhe caiu sobre a cabeça. Os malvados siquemitas que usaram o dinheiro do templo para pagar o assassinato de homens bons, morreram no incêndio desse mesmo templo, provocado pelo mesmo Abimelec, a quem haviam ajudado a consumar o fato. A maldição do Jotam se cumpriu totalmente. Deus retribuiu a cada um conforme a seus feitos. COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE 1-6 PP 599 CAPÍTULO 10 1 Tola julga ao Israel no Samir. 3Jair, cujos trinta filhos têm trinta cidades. 6 Os filisteus e amonitas oprimem ao Israel. 10 Deus os envia a pedir seu socorro a seus deuses falsos. 15 Quando se arrependem, os libra. 1 depois do Abimelec, levantou-se para liberar ao Israel Tola filho da Fúa, filho do Dodo, varão do Isacar, o qual habitava no Samir no monte do Efraín. 2 E julgou ao Israel vinte e três anos; e morreu, e foi sepultado no Samir. 3 Atrás dele se levantou Jair Galaadita, o qual julgou ao Israel vinte e dois anos. 4 Este teve trinta filhos, que cavalgavam sobre trinta asnos; e tinham trinta cidades, que se chamam as cidades do Jair até hoje, as quais estão na terra do Galaad. 5 E morreu Jair, e foi sepultado no Camón. 6 Mas os filhos do Israel voltaram a fazer o mau ante os olhos do Jehová, e serviram aos baales e ao Astarot, aos deuses de Síria, aos deuses de Sidón, aos deuses do Moab, aos deuses dos filhos do Amón e aos deuses dos filisteus; e deixaram ao Jehová, e não lhe serviram. 7 E se acendeu a ira do Jehová contra Israel, e os entregou em mão dos filisteus, e em mão dos filhos do Amón; 8 os quais oprimiram e quebrantaram aos filhos do Israel naquele tempo dezoito anos, a todos os filhos do Israel que estavam ao outro lado do Jordão na terra do amorreo, que está no Galaad. 9 E os filhos do Amón passaram o Jordão para fazer também guerra contra Judá e contra Benjamim e a casa do Efraín, e foi aflito o Israel em grande maneira. 10 Então os filhos do Israel clamaram ao Jehová, dizendo: Nós havemos pecado contra ti; porque deixamos a nosso Deus, e servido aos baales. 11 E Jehová respondeu aos filhos do Israel: Não fostes oprimidos de Egito, dos amorreos, dos amonitas, dos filisteus, 12 dos do Sidón, do Amalec e do Maón, e clamando para mim não lhes liberei de seus mãos? 13 Mas vós me deixastes, e servistes a deuses alheios; portanto, eu não lhes liberarei mais. 14 Andem e clamem aos deuses que lhes escolhestes; que lhes eles liberem no tempo de sua aflição. 15 E os filhos do Israel responderam ao Jehová: pecamos; faz você com

16 E tiraram de entre si os deuses alheios, e serviram ao Jehová; e ele foi angustiado por causa da aflição do Israel. 17 Então se juntaram os filhos do Amón, e acamparam no Galaad; juntaram-se deste modo os filhos do Israel, e acamparam na Mizpa. 18 E os príncipes e o povo do Galaad disseram o um ao outro: Quem começará a batalha contra os filhos do Amón? Será caudilho sobre todos os que habitam no Galaad. 1. depois do Abimelec. Não se proporciona aqui nenhuma informação quanto aos 367 intervalo transcorrido entre a morte do Abimelec e a atuação da Tola como juiz. Para liberar. Estas palavras sugerem que, apesar da maldade de seu reinado, Abimelec fez algo por defender ao Israel dos inimigos estrangeiros, ou pelo menos para mantê-los a raia. Tola. Tola e seu pai Fúa eram da tribo do Isacar e levavam os nomes de dois de os filhos do Isacar (Gén. 46: 13; Núm. 26: 23). Em tempos do David, o clã da Tola tinha fama por seus homens valentes (1 Crón. 7: 1, 2). Tola parece ter sido o único juiz procedente da tribo do Isacar. O monte do Efraín. A tribo do Isacar morava ao norte do monte do Efraín, além da planície do Esdraelón. Mas evidentemente parte da tribo se estabeleceu no território do Manasés e Efraín. 2. Julgou ao Israel. Fora de afirmar-se que Tola julgou ao Israel durante 23 anos, nada se relata a respeito de seu governo. Evidentemente não ocorreram batalhas importantes com os inimigos invasores durante esse período. Não é menos digno de elogio governar bem a uma nação em tempo de paz que brigar batalhas e vencer a inimigos, mas não se diz quão bem Tola julgou ao Israel. A seguinte declaração indica que era temeroso de Deus: "depois da morte do Abimelec, o governo de alguns Juizes que temiam ao Senhor manteve por um tempo em xeque à idolatria" (PP 599). 3. Jair. No Núm. 32: 41 se menciona a um contemporâneo do Moisés, de nomeie Jair, pertencente à tribo do Manasés, quem tomou algumas aldeias do Galaad e se estabeleceu ali. Pode supor-se que este Jair seria da mesma tribo. Galaadita. Galaad era o nome que se dava ao território que estava ao leste do Jordão,

Julgou ao Israel. Estas palavras nunca foram aplicadas ao cruel Abimelec. dele se disse meramente que "reinou sobre o Israel". O governo do Jair deve ter sido benéfico e razoável como o dos outros Juizes. 4. Trinta filhos. Isto poderia ser uma prova quase segura de que, como Gedeón, praticou a poligamia. Trinta asnos. Antes do tempo do Salomón, quando os israelitas não possuíam cavalos, o possuir asnos era sinal de riqueza, e portanto de honra e dignidade. É provável que se registre este fato para mostrar as ricas bênções de um homem que tinha trinta filhos, todos os quais gozavam da honra e a distinção de cavalgar como chefes ou governadores. As cidades do Jair. Literalmente, "aduares" (BJ) ou aldeias de lojas. Este nome foi dado à região em tempos do Moisés quando o primeiro Jair tomou várias aldeias do Og, rei de Apóiam (Núm. 32: 4 l; Deut. 3: 14). Enquanto isso se tinham levantado mais cidades ou possivelmente outras foram tomadas, de modo que quando Jair julgou ao Israel pôde lhe dar uma cidade a cada um de seus 30 filhos, que foram prefeitos de elas. Galaad. Literalmente, "duro" ou "áspero". Recebeu o nome pelas escarpadas colinas característicos da zona. O rio Jaboc divide ao Galaad em duas partes (Deut. 3: 12; Jos. 12: 2, 5). Israel lhe tirou ao rei amorreo Sehón a parte meridional Jos. 12: 2). A tribo do Gad se estabeleceu na parte sul, enquanto que a parte norte correspondeu ao Manasés. Em alguns casos se usa na Bíblia a palavra Galaad com grande elasticidade, para designar todo o território que fica ao leste do Jordão até Dão pelo norte (Deut. 34: l). 6. Voltaram a fazer o mau. Tinham transcorrido muitos anos desde que Gedeón deteve a difundida apostasia e quebrantou a opressão dos madianitas. Muitos dos israelitas haviam voltado para a idolatria. enumeram-se sete deidades pagãs como novos objetos de culto. Eram os deuses dos povos que rodeavam por todos lados a Israel. O número e a distribuição revelam que havia um movimento maciço para a idolatria. Baales e ao Astarot. Ver com. cap. 2: 11, 13. Os deuses de Síria. Síria (ou Aram) era o país que se estendia desde Fenícia até o Eufrates. Damasco era a cidade mais conhecido da zona. Os principais deuses da região eram Hadad, Baal, Mot e Anat. No AT se menciona também a um deus

Deuses do Sidón. 0 seja, de Fenícia. menciona-se só a cidade principal. Os deuses dos fenícios eram também os do Canaán e Síria. Deuses do Moab. A Pedra Moabita e o livro de Reis (1 Rei. l l: 33; etc.) mostram que esta deidade era o deus Quemos. Deuses dos filhos do Amón. Um dos 368 deuses amonitas era Moloc (1 Rei. l l: 7, 33; ver com. Lev. 18: 2 l). Deuses dos filisteus. Eram deuses cananeos adotados pelos filisteus, dos quais Dagón e Baal-zebub eram os mais destacados. 7. Filhos do Amón. Neste momento, a pior ameaça para o Israel provinha do Oriente, onde os amonitas estavam subjugando às tribos que viviam do outro lado do Jordão. Os amonitas eram um povo de pastores do deserto oriental. Os filisteus também se estavam fortalecendo e oprimiam já aos israelitas no Judá e em Dão. Ali Sansón se constituiu como chefe da oposição à dominação filistéia (cap. 13: 1-5). 9. Passaram o Jordão. Encorajados por suas vitórias sobre as tribos que viviam no Galaad, os amonitas cruzaram o rio Jordão, e começaram a atacar todo o centro de Palestina, onde viviam as tribos do Judá, Benjamim e Efraín. 10. Clamaram ao Jehová. Ao menos isto é digno de elogio, mas o reconhecimento do fato que haviam pecado e seu clamor por ajuda não eram ainda aceitáveis, porque não estavam acompanhados do verdadeiro arrependimento. Entretanto, o Senhor reconhece a mais mínima inclinação do pecador para ele e busca levá-lo a verdadeira reforma. 11. Jehová respondeu. Não se indica aqui como falou o Senhor aos israelitas, mas foi por meio de um profeta (PP 600). O objeto principal da mensagem do profeta foi recordar ao povo apóstata sua ingratidão. Apesar das muitas maravilhosas liberações que Deus tinha obrado em seu favor, não tinham aprendido que a idolatria era insensatez. Dos amorreos.

Ver Jos. 10: 5-27. Dos amonitas. Ver com. Gén. 19: 38. Dos filisteus. Ver com. cap. 3: 3 L. 12. os do Sidón. Ver págs. 69-73. Do Amalec. Eram aliados do Moab (cap. 3:12, 13) e do Madián (cap. 6: 3). Do Maón. O relato da anterior liberação do Israel de mãos dos amonitas, filisteus e sidonios é muito breve, mas da liberação do poder do Maón não há registro algum. Possivelmente Maón corresponda aos "meunitas" de 2 Crón. 26: 7 (BJ), e "maonitas" de 2 Crón. 20: 1 (BJ). Se eram estes, viviam ao sul do mar Morto. A pouca informação que se dá quanto a alguns destes incidentes mostra que o livro de Juizes não apresenta uma história exaustiva da época, mas sim relata os episódios típicos que ilustram o comportamento dos israelitas e os esforços de Deus por ajudá-los. 13. Eu não lhes liberarei mais. Deve entender-se como uma ameaça condicional (Jer. 18: 7, 8), segundo o mostram os acontecimentos subseqüentes. 14. Que lhes eles liberem. A ironia destas palavras deve lhes haver resultado muito dolorosa, porque os ídolos a cujo serviço se derrubaram os israelitas eram os deuses das nações que os estavam oprimindo. Deus fala aqui com uma tristeza similar a do pai que trata de raciocinar com seu filho irrefletido, a quem só uma severo reprimenda e provocação podem induzir a pensar a sério. Embora pelo momento Deus tinha deserdado ao Israel, não o tinha abandonado para sempre. Enviou-lhe castigos cada vez de maior severidade e magnitude. Deve recordar-se de novo que esta ameaça de rechaço era só para a nação do Israel por quanto não cumpriu seu propósito divino. A porta da salvação pessoal estava aberta para cada israelita. Durante os escuros anos de apostasia houve sempre um remanescente que se negou a prostrar-se ante o Baal. 15. Como bem lhe ezca. Em sua aflição, os israelitas reconheceram seu engano e pediram ao Senhor que castigasse-os como bem lhe parecesse, com tal de que os salvasse de seus inimigos. Como o faria posteriormente David, preferiram cair em mãos do

estavam fartos. 16. Tiraram de entre si os deuses alheios. A repreensão do Senhor pronunciada pelo profeta, aguda, solene, mas à vez bondosa, teve seu efeito desejado. A gente se arrependeu de seu proceder, e produziu frutos que indicaram que seu arrependimento era genuíno. Foi angustiado. Literalmente, "foi cortado". Hoje se diria: "ficou impaciente". Quer dizer, Deus "não pôde suportar o sofrimento do Israel" (BJ). A compaixão que Deus sentia pelo Israel, e sua indignação contra seus opressores se mesclavam para obrigá-lo a atuar. Já não se manteria distante. Quando com oração e sincero arrependimento os seres humanos clamam a seu Deus misericordioso, ele, como tenro pai, ouça sua súplica. Embora a gente professe andar nas pegadas de Cristo, não sempre manifesta este atributo 369 de Deus em seu trato mútuo, e segue albergando irritação. Se Deus encheu-se de compaixão para com os rebeldes israelitas, como podiam eles permanecer insensíveis ante os rogos de quem sofria as mesmas paixões deles? O guardar rancor é uma característica muito freqüente entre os que aparentam ser cristãos. O Deus sem pecado, que foi objeto de um mau trato imensamente maior, perdoa, e segue perdoando, enquanto que seus professos filhos muitas vezes guardam rancor e má vontade durante anos. Os homens devessem considerar seriamente o pedido que se faz no Padrenuestro: "nos perdoe nossas dívidas como também nós perdoamos a nossos devedores" (Mat. 6: 12). 17. juntaram-se. Literalmente, "foram chamados". Acamon no Galaad. Durante os 18 anos anteriores os amonitas tinham vindo regularmente ao território israelita para levá-las colheitas e exigir tributo. dúvida esperavam que de novo os habitantes os receberiam com a servil submissão que tinham-lhes exigido todos os anos anteriores. juntaram-se. É provável que tivessem recebido a segurança de que Deus tinha aceito seu arrependimento pelo mesmo meio que lhes transmitiu a repreensão divina (vers. 11-14). De qualquer modo, fizeram-se de suficiente valor como para planejar a resistência. Mizpa. Literalmente, "posto ou torre de vigia". Pelo general esta palavra significa uma torre ou um ponto de observação sobre um muro elevado. É provável que corresponda com "Mizpa do Galaad" (cap. 11: 29). Poderia ter sido o lugar onde se despediu Jacob do Labán (Gén. 31: 25, 49). Alguns acreditam que Mizpa de Galaad, Ramat-mizpa (os. 13: 26) e Ramot no Galaad (os. 20: 8; 1 Rei. 4:13; 22: 3, 6) eram uma mesma cidade. Mizpa estava em território do Gad e era uma importante fortaleza.

18.Quem começará? Os príncipes das tribos que viviam ao leste do Jordão tinham atuado de concerto para reunir aos israelitas armados, a fim de opor-se aos amonitas, mas depois de reunir-se acreditaram necessitar um dirigente que fosse hábil para a guerra, valente em batalha e que tivesse a suficiente diplomacia para unir os diversos contingentes, a fim de que formassem uma forte unidade bélica. Naqueles tempos o resultado das guerras estava acostumadas depender de uma batalha, e os príncipes se deram conta de que deviam escolher com cuidado. Em outras crises Deus tinha eleito ao dirigente, mas é provável que esta vez não indicou sua eleição, e assim o povo se viu obrigado a escolher de entre eles ao que melhor lhes pareceu. Deus aceitou sua eleição e o encheu de seu Espírito (cap. 11: 29 ). Seu caráter pôde não ter sido o melhor, mas já que Deus obra por meio de instrumentos humanos, escolhe entre as pessoas disponíveis. Ainda hoje Deus leva a cabo sua obra através de canais humanos imperfeitos. Se se entendesse melhor este fato, censuraria-se menos às pessoas que Deus chamou a seu serviço. COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE 1-16 PP 599, 601 7-10 PP 600 10-16 5T 640 11-14 PP 600 16 Ed 256; PP 601 370 CAPÍTULO 11 1 O pacto entre o Jefté e os galaaditas no que acordam que ele será seu caudilho. 12 O tratado de paz entre ele e os amonitas resulta em vão. 29 O voto do Jefté. 32 Sua conquista dos amonitas. 34 Cumpre seu voto em sua filha. 1 JEFTÉ galaadita era esforçado e valoroso; era filho de uma mulher rameira, e o pai do Jefté era Galaad. 2 Mas a mulher do Galaad lhe deu filhos, os quais, quando cresceram, jogaram fora ao Jefté, lhe dizendo: Não herdará na casa de nosso pai, porque é filho de outra mulher. 3 Fugiu, pois, Jefté de seus irmãos, e habitou em terra do Tob; e se juntaram com ele homens ociosos, os quais saíam com ele. 4 Aconteceu andando o tempo, que os filhos do Amón fizeram guerra contra Israel. 5 E quando os filhos do Amón fizeram guerra contra Israel, os anciões de Galaad foram trazer para o Jefté da terra do Tob; 6 e disseram ao Jefté: Vêem, e será nosso chefe , para que briguemos contra os filhos do Amón. 7 Jefté respondeu aos anciões do Galaad: Não me aborreceram vós, e me jogaram da casa de meu pai? por que, pois, vêm agora a mim quando estão em aflição? 8 E os anciões do Galaad responderam ao Jefté: Por esta mesma causa voltamos agora a ti, para que venha conosco e brigue contra os filhos do Amón e

9 Jefté então disse aos anciões do Galaad. Se me fazem voltar para que brigue contra os filhos do Amón, e Jehová os entregar diante de mim. serei eu seu caudilho? 10 E os anciões do Galaad responderam ao Jefté: Jehová seja testemunha entre nós, se não fizéssemos como você diz. 11 Então Jefté veio com os anciões do Galaad, e o povo o escolheu por seu caudilho e chefe; e Jefté falou todas suas palavras diante do Jehová na Mizpa. 12 E enviou Jefté mensageiros ao rei dos amonitas, dizendo: O que tem você comigo, que vieste a mim para fazer guerra contra minha terra? 13 O rei dos amonitas respondeu aos mensageiros do Jefté: Por quanto Israel tomou minha terra, quando subiu do Egito, desde o Arnón até o Jaboc e o Jordão; agora, pois, devolve-a em paz. 14 E Jefté voltou a enviar outros mensageiros ao rei dos amonitas, 15 para lhe dizer: Jefté há dito assim: Israel não tomou terra do Moab, nem terra dos filhos do Amón. 16 Porque quando o Israel subiu do Egito, andou pelo deserto até o Mar Vermelho, e chegou ao Cades. 17 Então o Israel enviou mensageiros ao rei do Edom, dizendo: Eu te rogo que deixe-me passar por sua terra; mas o rei do Edom não os escutou. Enviou também ao rei do Moab, o qual tampouco quis; ficou, portanto, Israel em Cades. 18 Depois, indo pelo deserto, rodeou a terra do Edom e a terra do Moab, e vindo pelo lado orienta da terra do Moab, acampou ao outro lado de Arnón, e não entrou em território do Moab; porque Arnón é território do Moab. 19 E enviou o Israel mensageiros ao Sehón rei dos amorreos, rei do Hesbón, lhe dizendo: Rogo-te que me deixe passar por sua terra até meu lugar. 20 Mas Sehón não se confio no Israel para lhe dar passo por seu território, mas sim reunindo Sehón toda sua gente, acampou na Jahaza, e brigou contra Israel. 21 Mas Jehová Deus do Israel entregou ao Sehón e a todo seu povo em mão de Israel, e os derrotou; e se apoderou o Israel de toda a terra dos amorreos que habitavam naquele país. 22 Se apoderaram também de todo o território do amorreo desde o Arnón hasta.Jaboc, e do deserto até o Jordão. 23 Assim, o que Jehová Deus do Israel desapropriou ao amorreo diante de seu povo o Israel, pretende você dar procuração dele? 24 O que lhe hiciere possuir seu Quemos 371 deus, não o possuiria você? Assim, tudo o que desapropriou Jehová nosso Deus diante de nós, nós o possuiremos. 25 É você agora melhor em algo que Balac filho do Zipor, rei do Moab? Teve ele questão contra Israel, ou fez guerra contra eles? 26 Quando o Israel esteve habitando por trezentos anos ao Hesbón e seus aldeias, ao Aroer e suas aldeias, e todas as cidades que estão no território do Arnón, por que não as recuperastes nesse tempo?

27 Assim, eu nada pequei contra tí mas você faz mal comigo brigando contra mim. Jehová, que é o juiz, julgue hoje entre os filhos do Israel e os filhos do Amón. 28 Mas o rei dos filhos do Amón não atendeu às razões que Jefté lhe enviou. 29 E o Espírito do Jehová veio sobre o Jefté; e passou pelo Galaad e Manasés, e de ali passou a Mizpa do Galaad, e da Mizpa do Galaad passou aos filhos do Amón. 30 E Jefté fez voto ao Jehová, dizendo: Se entregar aos amonitas em meus mãos, 31 qualquer que sair das portas de minha casa a me receber, quando retornar vitorioso dos amonitas, será do Jehová, e o oferecerei em holocausto. 32 E foi Jefté para os filhos do Amón para brigar contra eles; e Jehová os entregou em sua mão. 33 E desde o Aroer até chegar ao Minit, vinte cidades, e até a vega das vinhas, derrotou-os com muito grande estrago. Assim foram submetidos os amonitas pelos filhos do Israel. 34 Então voltou Jefté a Mizpa, a sua casa; e hei aqui sua filha que saía a lhe receber com pandeiros e danças, e ela era sozinha, sua filha única; não tinha fora dela filho nem filha. 35 E quando ele a viu, rompeu seus vestidos, dizendo: Ai, minha filha! na verdade abateste-me, e você mesma vieste a ser causa de minha dor; porque lhe hei dado palavra ao Jehová, e não poderei me retratar. 36 Então lhe respondeu: meu pai, se deste palavra ao Jehová, faz de mim conforme ao que prometeu, já que Jehová fez vingança em vocês inimigos os filhos do Amón. 37 E voltou a dizer a seu pai: me conceda isto: me deixe por dois meses que vá e descenda pelos Montes, e chorei minha virgindade, eu e minhas companheiras. 38 O então disse: Vê. E a deixou por dois meses. E ela foi com seus companheiras, e chorou sua virgindade pelos Montes. 39 Passados os dois meses voltou para seu pai, quem fez dela conforme ao voto que tinha feito. E ela nunca conheceu varão. 40 E se fez costume no Israel, que de ano em ano fossem as donzelas de Israel a endechar à filha do Jefté galaadita, quatro dias no ano. 1. Jefté. Literalmente, "ele abrirá". Alguns pensam que este nome poderia ter sido uma forma curta do Jefte-o (Jos. 19: 14, 27), que significa "Jehová abrirá". Rameira. Sua mãe não tinha sequer a posição de concubina ou esposa inferior. Era uma mera prostituta, e por isso parece que o pai levou a menino a sua casa e o criou ali, indicando assim seu desejo de tratá-lo como a um filho legítimo. O pai do Jefté era Galaad.

relato, exceto no vers. 2, refere-se à região do Galaad. Manasés tinha um neto de nome Galaad, e por ele se chamou Galaad a esta zona (Núm. 26: 29, 30; Jos. 17: 1; 1 Crón. 7: 14-17). Mas é pouco provável que ele tivesse sido o pai do Jefté. Se assim fora, os acontecimentos aqui registrados com referência ao Jefté teriam que ter estado entre os primeiros do livro de Juizes. Resulta difícil que só transcorressem quatro gerações da opressão no Egito até este ponto no período dos Juizes. É provável que o pai do Jefté fora outro homem da tribo do Manasés, que também levava o conhecido nome tribal. Devesse notar-se que a narração começa uns anos antes para explicar algo a respeito da família do Jefté. 2. A mulher do Galaad. Esta era sua esposa legítima, com a qual teve depois vários filhos. Jogaram fora ao Jefté. Depois que os filhos legítimos cresceram, e possivelmente depois da morte do pai, jogaram ao Jefté da casa para impedir que compartilhasse a herdade, embora o pai, ao trazer para o Jefté à casa, evidentemente desejava considerá-lo como filho legítimo. A atitude destes irmãos com toda probabilidade estava em harmonia com 372 as leis e tradições familiares da época, e pode ter encontrado certo apoio na rigorosa interpretação da lei do Moisés (Deut. 23: 2, 3). Outra mulher. Pode referir-se simplesmente a outra mulher que não era a esposa legal, ou poderia também dar a entender que era de uma raça estrangeira. 3. Tob. Um lugar chamado Is-tob figura na lista de pequenos Estados aramaicos ao este do Jordão, de entre os quais os amonitas conseguiram tropas mercenárias para brigar contra David (2 Sam. 10: 6-8). Homens ociosos. Literalmente, "homens vazios", quer dizer, pobres, sem propriedades nem emprego, nem preparação para ganhá-la vida, fora de sua habilidade para brigar. Não eram necessariamente homens carentes de qualidades morais, mas sim mas bem que não tinham prosperado, pelo qual viviam desconformes e necessitados. Saíam com ele. "Fazia correria com ele" (BJ). Em certo sentido eram aventureiros que se ganhavam a vida como mercenários, espiões ou guardas. Como mais tarde o faria David (1 Sam. 22: 1,2; 25:1-35), recebiam pressentem em troca de proteger aos ricos dos ladrões ou por repelir pequenas incursões dos invasores do deserto. Com estas atividades Jefté se granjeou a reconhecida fama de ser valente, sagaz e empreendedor. Na Epístola aos Hebreus (1 l: 32) se o menciona como homem de fé. 4. Andando o tempo.

Israel chegaram ao ponto onde o autor tinha deixado sua narração (cap. 10: 18), a fim de relatar algo da história do Jefté. 5. Os anciões. Os chefes de famílias e de clãs. foram trazer. Os anciões tinham estado procurando a alguém que organizasse o ataque contra os amonitas, mas nenhum dos habitantes do Galaad tinha as habilidades nem a fama para ganhá-la confiança dos chefes das tribos a fim de dirigir a infeliz empresa. Todos tinham ouvido das proezas do Jefté e de seu grupo de guerreiros, e ao escolher um dirigente, a eleição recaiu nele. 6. Jefte. Heb. qatsin, da raiz qatsah, "decidir", "julgar". É provável que seu primeira tarefa fora a de presidir na guerra. Estavam dispostos a lhe conceder poderes ditatoriais enquanto durasse a guerra. Nesse sentido o estavam convidando como mercenário. 7. Me hechais. É evidente que Jefté tinha sido jogado não só de sua casa, mas também também de seu tribo e de seu país, porque os direitos tribais e hereditários se acompanhavam. Quando uma pessoa era expulsa de sua casa, era proscrita, nômade, já não tinha família que a ajudasse nem protegesse suas posses. Também se vê que os anciões do Israel tinham apoiado aos irmãos do Jefté quando estes o tinham jogado de sua casa, porque ele os acusa de havê-lo aborrecido e de ter mimado em que fora expulso. Ainda acreditava que se tinha atuado injustamente com ele; embora não se violou a letra da lei, tinham ignorado os desejos de seu pai. O pretexto do direito legal muitas vezes não é mais que um disfarce dos piores males e as feridas mais profundas. 8. Por esta mesma causa. Não se sabe com exatidão se a resposta dos anciões se refere à primeira ou à segunda parte do que Jefté acaba de dizer. Pode entender-se em ambas as formas. Se se referir à primeira parte, reconheceram que não o tinham tratado corretamente, e "por esta mesma causa" queriam reparar sua má ação; se se tomar no segundo sentido, quiseram dizer: "Assim é; mas como estamos em grande apuro vamos a tí em busca de ajuda para proteger nosso território". Seja caudilho. Além disso do primeiro oferecimento de ser o chefe militar (vers. 6), prometem nomeá-lo caudilho de todos os clãs do Galaad, tanto na paz como na guerra.

Serei eu seu caudilho? O patriotismo do Jefté não pareceria ter sido totalmente desinteressado. Mas, considerando que antes o tinha expulso de sua tribo e lhe havia negado sua herança, procurava alguma garantia de que a promessa se cumpriria. Desejava estar seguro de que não houvesse incompreensão alguma. Era prudente que então fizesse um acerto para o futuro, já que tratava com pessoas das quais tinha razão para desconfiar. Embora no que pediu Jefté pôde haver certo elemento de egoísmo, seu prudência ao querer deixar em claro o trato antes de prosseguir com o proposto deveria imitar-se mais freqüentemente. Os cristãos demonstram sabedoria quando são claros e explícitos em seus 373 convênios para que depois não possa haver lugar a dúvidas ou recriminações. O Senhor é Deus de ordem e claridade, não de ambigüidade. 10. Jehová seja testemunha. Literalmente, "Jehová seja auditor entre nós". "Yahveh seja testemunha entre nós" (BJ). O Senhor devia tomar nota de seu convênio e vigiaria entre eles quando não estivessem juntos, para que cumprissem sua promessa (ver Gén. 31: 49). Os anciões pediram ao Senhor, a quem acabavam de renovar sua lealdade, que fora testemunha de que aceitavam as condições do Jefté. 11. Escolheu-o por seu caudilho. A promessa dos anciões foi confirmada pelo povo, que instituiu a Jefté como dirigente civil e militar das tribos que viviam ao leste do Jordão. Falou todas suas palavras. "Jefté repetiu todas suas condições diante do Yahvéh no Mispá" (BJ). Este passagem não é totalmente clara. Poderia significar que Jefté emprestou juramento, especificando as condições de seu governo, ou que disse ao povo, em uma assembléia religiosa, o que devia fazer para derrotar a seus inimigos, ou que não desejava iniciar uma campanha contra os amonitas sem pedir conselho do Senhor. Na Mizpa. O lugar onde as tribos se reuniram para resistir o avanço dos amonitas (cap. 10: 17). 12. Enviou Jefté mensageiros. antes de travar-se em luta com os amonitas, Jefté se fez anunciar como o novo caudilho dos galaaditas mediante um intercâmbio de mensagens com o rei dos invasores inimigos. Falou em nome do Israel como um príncipe reconhecido. Na mensagem apresentou um protesto formal pela invasão amonita. O que tem você? Quer dizer: "Que assunto temos o um com o outro?" Que razão tem você para

na guerra, mas sim preferia evitá-la mediante negociações pacíficas. Desejava resolver a disputa com justiça. Se os amonitas podiam convencê-lo de que o Israel lhes tinha feito algum mal, estava disposto a lhes devolver o que pertencia-lhes. E se não, estava preparado a defender a causa do Israel, embora isso significasse guerra. 13. Por quanto o Israel. O rei do Amón declarou com exatidão a causa de sua questão. Pretendia que toda a terra do Galaad entre o Arnón e o Jaboc pertencia aos amonitas, e exigia como única condição de paz que lhe devolvesse. Isto não era assim. A os israelitas lhes tinha proibido guerrear contra os moabitas e amonitas (Deut. 2: 9, 19), assim deram um rodeio em volto do Moab, fugindo também entrar no território do Amón, que estava junto ao deserto; tinham cruzado o Arnón e entrado no território do Sehón, rei dos amorreos. É verdade que antes Sehón tinha tirado este território ao Moab e Amón (Núm. 21: 21-30; Jos. 13: 25), mas esse era um assunto com o qual os israelitas nada tinham que ver. Quando conquistaram esse território, era de outro. Desde o Arnón até o Jaboc. O profundo e escarpado vale do Arnón que formava o limite sul do Israel, separava à tribo do Rubén do Moab. Há 80 km entre o Arnón e o rio Jaboc, ao norte. deram-se ao Rubén e ao Gad as colinas e vales desta região porque eram terrenos apropriados para o pastoreio. Esta enfaixa entre o Jordão e o deserto tinha 30 km de largura. 14. Voltou a enviar outros mensageiros. Dá testemunho da natureza pacífica do Jefté, e é digno de elogio o que ainda estivesse tentando terminar esta controvérsia mediante negociações, para assim evitar um inútil derramamento de sangue. 15. Israél não tomou. Jefté refutou as declarações do rei do Amón. Mostrou que os amonitas e os moabitas, que pareciam estar unidos em suas demandas contra Israel, não tinham direito legal ao território entre o Arnón e o Jaboc. Para demonstrá-lo descreveu em detalhe o que tinha ocorrido quando os israelitas se apoderaram desse território. Tinham conquistado o país do Sehón, rei dos amorreos, e não estavam dispostos a discutir quanto a quem teria sido o dono anterior. Terra do Moab. Em toda sua negativa, Jefté pôs juntos aos moabitas e aos amonitas, como se tivessem sido um só povo. No vers. 24, Quemos, deus dos moabitas, é chamado deus do rei do Amón. Disto se deduziu que nesse tempo possivelmente o rei do Amón dominava também aos moabitas pela força ou mediante alguma aliança matrimonial, de modo que só um rei governava em ambos os países. O deus nacional do Amón era Milcom ou Moloc (ver com. Lev. 18: 2 l). 16. Chegou a Cede.

Nessa zona acamparam os israelitas durante seus 40 anos de peregrinações (ver Núm. 20: l; cf. Núm. 33: 37, 38; Deut.1: 46; 2: 14 ). 374 Este lugar, algumas vezes chamado Cades-barnea, não se identificou com toda precisão, mas parece ter estado perto de 'Ain Qedeis, no Neguev, a 80 km ao sul da Beerseba. 17. Rei do Edom. Ver Núm. 20: 14-22; PP 447-459. Rei do Moab. Moisés não registra este incidente, mas sim afirma que os israelitas não entraram no território do Moab (Deut. 2: 9). No Deut. 2: 29 se sugere que Moab pôde lhes haver negado o passo assim como o tinha feito Edom. 19. Rei dos amorreos. Ver Núm. 21:21-24; Deut. 2: 24-36. O território do Sehón ficava do Arnón até o Jaboc ao norte, e do Jordão até o território amonita ao este (ver Juec. 11: 22). Seu capital, Hesbón e todo o território circundante tinha pertencido antes ao Moab (Núm. 21: 26). Com freqüência os autores bíblicos posteriores relacionam ao Hesbón com os moabitas e amonitas (ISA. 15: 4; 16: 8, 9; Jer. 48: 2, 34, 45; 49: 3). Até meu lugar. O plano original era que todo o Israel se estabelecesse ao oeste do Jordão (ver Deut. 2: 29), mas a hostilidade do Sehón obrigou aos israelitas a derrotá-lo para que pudessem chegar até o Jordão, a fim de cruzá-lo para entrar em Canaán. depois da derrota do Sehón, quando seu território esteve em mãos dos israelitas, as tribos do Rubén e Gad e a meia tribo do Manasés formularam um pedido especial para que Moisés lhes permitisse estabelecer-se em esse território (Núm. 32: 1-33). 20. Jahaza. Esta aldeia provavelmente estava imediatamente ao norte do rio Arnón, o qual os israelitas se prepararam para cruzar e invadir o país do Sehón. Séculos mais tarde, Jahaza aparece na Pedra Moabita como aldeia do Israel. 22. Todo o território. Este era precisamente o território que os amonitas agora reclamavam como próprio. 23. Desapropriou ao amorreo. A terra que os israelitas tiraram aos amorreos passou a ser deles, sem importar quem tivessem sido seus donos anteriores. Não tinham lutado contra os amonitas nem tinham tomado suas terras (Núm. 21: 24; Deut. 2: 37).

Pretende você dar procuração dele? Segundo a lei primitiva das nações, este território era claramente de Israel. por que pensavam os amonitas que tinham direito a ele? A pergunta de Jefté expressa indignação e surpresa. 24. Quemos seu Deus. Milcom e não Quemos, era o deus nacional dos amonitas (1 Rei. 11: 5, 33). Quemos era o deus dos moabitas. explicou-se que a designação de Quemos como deus amonita indica que neste momento o rei do Amón poderia haver estado reinando sobre o Moab e Amón. As duas nações tinham parentesco de sangue e similitude de costumes (ver Gén. 19: 37, 38; Juec. 3: 12, 13). A menção do Quemos era muito apropriada, pois o território em litígio uma vez tinha pertencido aos moabitas, mas Quemos não tinha podido salvar o dos amorreos invasores. Na inscrição da Pedra Moabita, Mesa, rei do Moab (2 Rei. 3: 4, 5), atribui todas as vitórias moabitas à boa vontade de Quemos, e todas as derrotas a sua ira. Jefté assinalou que se Amón se negava a reconhecer os direitos que o Israel tinha sobre esse território, ao mesmo tempo escavava, em princípio, o direito que ele mesmo tinha de possuir o país onde vivia. Jefté tentava fazer a paz por meios diplomáticos. Nestas circunstâncias não pretendia que o Deus do Israel devia dominar tudo. Por outra parte, é possível que, por haver-se criado como exilado entre pagãos, não compreendesse plenamente que Jehová era o Deus de toda a terra. 25. Balac. Ver Núm. 22: 1 a 24: 25. Embora o Israel tinha tomado o território do Sehón, que antes tinha sido do Moab, nesse momento o rei do Moab pelo visto não pretendeu que seu fora a região que acabavam de conquistar. Tinha lutado contra Israel por ódio e não porque pretendesse que a terra conquistada aos amorreos fora dela (Jos. 24: 9). Como, pois, poderiam ser válidas as pretensões do Amón séculos mais tarde? Sem dúvida o rei moabita havia reconhecido claramente o direito de conquista. Se a terra lhe houvesse pertencido na verdade, por que não a tinha reclamado antes? Este era um argumento importante para apoiar a justiça da causa do Israel. 26. Trezentos anos. Com referência à cronologia do período dos juizes, ver págs.131,132. 27. Julgue hoje. Jefté conclui seu argumento pedindo a Deus que aprovasse a justiça 375 de seu pleito. Era diferente o conceito que tinham os hebreus de seu Deus do que os pagãos tinham dos seus. Os hebreus acreditavam que o Deus deles era justo e moral. Neste reconhecimento do caráter moral de Deus estava um dos pontos de superioridade da crença israelita, em relação com a de seus vizinhos pagãos. Jefté declara que se os amonitas desejam decidir o caso mediante o uso de armas, está disposto a confiar que Deus decidirá com

Estes versículos demonstram a diplomacia franco, honrada e firme, mas à vez conciliatória, que usou Jefté. Tinha insistido que eram três as razões que fundamentavam a posição do Israel: (1) o direito da conquista direta, não em luta contra Amón a não ser contra os amorreos (vers. 15-20); (2) a decisão de Deus (vers. 21-24), que Jefté apoiava sugiriendo com toda diplomacia que até o próprio deus do Moab não se havia oposto à conquista de Sehón; (3) a posse indiscutida da terra durante um comprido período (vers. 25, 26). Concluiu apelando a Deus para que aprovasse a justiça de sua causa. 28. Não atendeu. É evidente que o rei do Amón nem se incomodou em responder aos argumentos de Jefté. Só lhe importava o argumento da espada. 29. Espírito do Jehová. A presença do Espírito Santo é o que faz que o serviço para Deus seja eficaz para o bem. Pode haver muita atividade e febril ansiedade, mas a menos que a obra seja santificada pela presença e o poder do Espírito, se obterão poucos resultados bons e perduráveis. Passou. Jefté percorreu Galaad e todo o território do Manasés recrutando mais tropas. Atravessou o país de um extremo ao outro para acender a tocha da guerra e para animar à população a fim de que resistisse aos invasores amonitas. No cap. 12: 2 se insinúa que também as tribos hebréias que viviam do outro lado do Jordão, na Palestina ocidental, receberam o convite de participar da guerra. 30. Jefté fez voto. O registro do precipitado voto do Jefté nos põe frente a um desses passagens bíblicas difíceis de explicar, nos quais o relato é muito breve para permitir saber sem lugar a dúvidas o que ocorreu em realidade. Segundo uma explicação, Jefté realmente ofereceu a sua filha como holocausto, o qual o colocaria em uma posição abominável. Já que Deus lhe deu êxito logo depois de ter feito esse voto, tal ação de sua parte parece especialmente odiosa e dificilísima de entender. A segunda posição, que supõe que Jefté dedicou sua filha a uma vida de celibato, exoneraria-o da acusação de havê-la devotado como sacrifício (ver com. vers. 39). Aqui, como também em outras passagens, temos o dever de determinar o que diz a Bíblia e de evitar os intentos por fazer harmonizar suas declarações com nossos conceitos do relato. Temos que aceitar o que a Bíblia diz, e nos conformar com isso. É obvio que não devemos pensar mal de uma pessoa innecesariamente, e não devêssemos julgá-la sem provas. Voto. A literatura das nações da antigüidade mostra que com freqüência os antigos faziam votos a seus deuses. Esta prática era comum entre os hebreus (ver Gén. 28: 20; 1 Sam. 1: 11; 2 Sam. 15: 8).

na soleira de uma empresa muito perigoso. Por desgraça, os votos como este faziam-se pelo general em momentos de perigo ou crise, quando a pressão de as emoções contribuía à formulação de promessas precipitadas. 31. Qualquer que sair. Quem podia esperar Jefté que saísse das portas de sua casa a recebê-lo quando voltasse da vitória se não sua esposa, sua filha, ou algum escravo? Alguns tentaram demonstrar que nesta passagem está comprometida um animal, que usualmente havia na casa dos antigos. Mas o vocábulo hebreu usado por ele, traduzido "me receber", não concorda com esta idéia. Esta palavra se usa geralmente para referir-se ao encontro entre pessoas (ver Gén. 18: 2; Exo. 18: 7; 2 Rei. 1: 6; etc.). Há-se dito que o voto de oferecer um cordeiro ou um boi em agradecimento pela vitória não teria sido algo extraordinário. Muitos israelitas tinham devotado esses sacrifícios. Deve recordar-se que embora Jefté adorava ao Deus do Israel, e confiava nele em esta empresa, criou-se em um país estrangeiro entre gente pagã. Em estas nações se ofereciam sacrifícios humanos em momentos de grande crise. Compare-se com a ação do rei do Moab que sacrificou a seu filho maior ao deus Quemos como um último ato desesperado 376 para salvar a sua cidade do ataque dos israelitas (2 Rei. 3: 26, 27). A lei do Moisés proibia sacrifícios humanos (Lev. 18: 21; Deut. 12: 31; etc.), mas, até os tempos do Acaz e Manasés (2 Crón. 28: 3; 33: 6), ocasionalmente foi desdenhada esta proibição. O Espírito de Deus veio sobre o Jefté para que o Israel pudesse ser salvado da destruição. Mas a presença do Espírito não garante infalibilidade nem onisciência. Quem recebe o Espírito segue tendo livre-arbítrio, e se espera dele que progrida devidamente em seu crescimento e conhecimento espirituais. Jefté, ignorando o que era correto, precipitadamente prometeu algo mau. Da mesma maneira, embora Gedeón esteve revestido do Espírito de Jehová e efetuou uma grande liberação, o Espírito não lhe impediu que estabelecesse um culto legal. Este relato do voto precipitado do Jefté se narra, como tantos outros casos bíblicos, sem notas nem comentários pois não são necessários. No caso do Jefté só cabe a desaprovação. Será do Jehová. Evidentemente, no mesmo sentido em que Jericó e seus habitantes foram "dedicados" ao Jehová (ver com. Jos. 6: 17). E o oferecerei. Alguns procuraram traduzir a conjunção hebréia por "ou". Acreditam que Jefté haveria dito em realidade: "Algo que sair das portas de minha casa a me receber será consagrada exclusivamente ao serviço do Senhor, se for um ser humano, ou, se for um animal limpo, oferecerei-o como holocausto". Já que saiu a filha do Jefté a recebê-lo, tais intérpretes dizem que se aplicaria a primeira frase: "será do Jehová". Os comentadores que tomam esta posição explicam que a declaração do Jefté significa que a moça nunca se casou, mas sim se dedicou ao serviço religioso durante toda a vida (ver com. vers. 39). O. Alguns comentadores explicam que "o" é um objeto indireto que se refere a Deus, e traduzem: "Oferecerei [a] ele [Deus] holocausto". Mas a construção hebréia exige que "o" seja o objeto direto do verbo, pelo que a tradução da RVR é bem precisa. Além disso, a dor do Jefté (vers.

contemporâneos (vers. 37, 40), exigem algo inteiramente fora do comum, algo mais que o holocausto de um simples animal. 33. Aroer. Na Transjordania havia duas cidades deste nome. Uma (ver vers. 26) estava na borda norte do Arnón e outra ao leste do Rabat-amón, em território amonita (Jos. 13: 25). É difícil determinar a qual delas se refere este passagem. Minit. Aparece no Eze. 27: 17 como cidade exportadora de trigo. acredita-se que estava perto do Hesbón. A vega das vinhas. Possivelmente seria melhor pensar que se trata de um nome próprio, "Abel-Keramim" (BJ). Eusebio diz que estava a 11 km da Filadelfia, hoje Ammán. A identificação com o Khirbet é-Tsûk, ao sul do Ammán, permanece incerta. 34. A Mizpa. depois de que lhe convidasse a voltar do exílio para ser o governante de Galaad, possivelmente Jefté transladou sua família a Mizpa e se estabeleceu ali. Com pandeiros. Era costume que as mulheres recebessem assim aos homens quando voltavam vitoriosos da guerra (1 Sam. 18: 6; cf. Exo. 15: 20). Filha única. A construção hebréia é enfática: "Ela sozinha era filha única". A família de Jefté se extinguiria no Israel, o qual todos os hebreus deploravam. 35. Rompeu seus vestidos. Costume habitual entre os hebreus para expressar grande dor (Gén. 37: 29; 2 Sam. 13: 19, 31; etc.). Abateste-me. Quando Jefté viu sua filha, o significado pleno de seu voto apressado o deixou débil e quebrantado. vieste a ser causa de minha dor. "A causa de minha desgraça" (BJ). A palavra hebréia 'akar, traduzida "dor", designa um pesar excepcional, uma ansiedade ou aflição desmesurada. Toda a vida do Jefté tinha sido uma contínua sucessão de lutas e problemas. Agora seu própria e preciosa filha lhe ocasionou a dor mais aguda de todos. Dei-lhe palavra.

A fim de ser obrigatório, um voto devia pronunciar-se (Núm. 30: 2, 3, 7; Deut. 23: 23). Não poderei me retratar. considerava-se que era uma grave falta retratar-se de um voto tão sério. Entre os hebreus se conheciam dois tipos de voto: o voto simples, néder (Lev. 27: 2-27), e o que era "consagrado", o "interdição", jérem. O que se consagrava a Deus mediante um jérem não podia redimir-se, e se considerava "coisa muito santo" para ele e devia sacrificar-se 377 (Lev. 27: 28, 29; ver com. Lev. 27: 2, 28). O voto do Jefté era um néder. Apesar de que era um voto sagrado, quem o fazia não estava obrigado a cumpri-lo se por isso tinha a obrigação de realizar uma má ação (ver PP 540). O voto do Jefté era contrário ao mandato rápido da lei, e portanto seu cumprimento não era obrigatório. Entretanto, acreditou que lhe era obrigatório, e embora tinha jurado em prejuízo próprio, não esteve disposto a retratar-se. 36. Então lhe respondeu. A angústia do pai e o sentido de suas palavras, induziram à filha a discernir imediatamente, com o rápido pressentimento feminino, qual era a natureza desse voto. Não precisava dizer-lhe Jehová fez vingança. Por sua compreensão limitada da natureza de Deus, ela acreditou sinceramente que a vitória tinha sido ganha devido ao voto de seu pai, e que seu sacrifício era um preço apropriado que devia pagar-se por tal vitória. 37. me deixe. O cumprimento de um voto podia adiar-se por uma razão definida. Chore minha virgindade. A perspectiva de não poder participar da alegria dos festejos de umas bodas ou do prazer de criar filhos era algo extremamente amargo para uma menina hebréia, sobre tudo para uma filha única. Isso significava para a filha do Jefté que ela e a casa de seu pai perderiam a esperança de compartilhar as futuras glórias do Israel. 38. Com suas companheiras. Seus jovens amigas, com as quais muitas vezes tinha falado e sonhado de um futuro matrimônio, lhe uniram para chorar o triste fim que lhe ia tocar. 39. Conforme ao voto que tinha feito. Isto parece indicar que a ofereceu como holocausto, conforme tinha prometido (ver com. vers. 31). Sugeriu-se que ao autor do livro de Juizes, com fino recato, correu o véu para que não se visse o trágico ato do sacrifício. Em relação com a outra opinião de que Jefté não sacrificou a sua filha (ver com.

Em torno do ano 1200 DC, o rabino Kimchi, junto com muitos outros autores, divulgou a opinião de que Jefté não sacrificou a sua filha. Disse que as palavras "oferecerei-o em holocausto" (vers. 31) só se aplicavam se o que recebia a Jefté era um animal apto para o sacrifício. Interpretou que o vers. 39 significa que Jefté construiu a sua filha uma casa onde esta passou o resto de seu vida separada dos homens, em sagrado celibato, a fim de que estivesse sempre dedicada ao Senhor, e que as vírgenes do Israel foram ali cada ano a visitá-la e a chorar sua sorte. O fato de que nos costumes daquela época não se registra de mulheres monjas, vai contra esta interpretação. consideravam-se a virgindade perpétua e a falta de filhos como as desgraças máximas. No AT não aparece nenhuma lei, nenhum uso, nenhum costume que insinúe sequer que uma mulher solteira fora considerada mais Santa, mais do Senhor ou mais inteiramente entregue a ele que uma mulher casada. Isto não formava parte alguma da lei dos sacerdotes ou nazareos. diz-se claramente que Hulda e Débora, profetisas as dois, eram casadas. Mais ainda, se a filha tinha que permanecer solteira, em harmonia com tal costume desconhecido, o caso não teria sido tão trágico como se o pinta nesta passagem; tampouco teria necessitado dois meses para chorar seu virgindade, pois teria tido o resto de sua vida para fazê-lo. Todos os intérpretes cristãos e judeus até o tempo do Kimchi, sustentaram que tinha ocorrido exatamente o que a passagem diz: que Jefté sacrificou a sua filha como oferenda ao Senhor, coisa que Abraão quase fez com seu filho Isaac em circunstâncias diferentes. Nunca conheceu varão. Pode também traduzir-se, "não tinha conhecido varão" (BJ). Ver Gén. 24: 16 onde aparecem as mesmas palavras em hebreu. 40. A endechar. O verbo hebreu assim traduzido, tanah, não aparece a não ser duas vezes no AT: aqui e no Juec. 5:11, onde se traduz "repetir". Da palavra equivalente em idiomas aparentados, acredita-se que significava "recitar" ou "comemorar". As antigas versões gregas e latinas traduzem "lamentar", palavra que também usa a BJ. COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE 29, 32 PP 601 378 CAPÍTULO 12 1 Os efrainitas brigam com o Jefté e som identificados pela pronúncia da palavra Shibolet, depois do qual são mortos pelos galaaditas. 7 Morte do Jefté. 8 Ibzán, quem tem trinta filhos e trinta filhas, 11 Elón, 13 e Abdón, quem tem quarenta filhos e trinta sobrinhos, julgam ao Israel. 1 ENTÃO se reuniram os varões do Efraín, e passaram para o norte, e disseram ao Jefté: por que foste fazer guerra contra os filhos do Amón, e não chamou-nos para que fôssemos contigo? Nós queimaremos sua casa contigo. 2 E Jefté lhes respondeu: Eu e meu povo tínhamos uma grande luta com os filhos do Amón, e lhes chamei, e não me defenderam de sua mão. 3 Vendo, pois, que não me defendiam, arrisquei minha vida, e passei contra os filhos do Amón, e Jehová me entregou isso; por que, pois, subistes hoje

4 Então reuniu Jefté a todos os varões do Galaad, e brigou contra Efraín; e os do Galaad derrotaram ao Efraín, porque haviam dito: Vós são fugitivos do Efraín, vós os galaaditas, em meio do Efraín e do Manasés. 5 E os galaaditas tomaram os vaus do Jordão aos do Efraín; e aconteceu que quando diziam os fugitivos do Efraín: Quero passar, os do Galaad os perguntavam: É você efrateo? Se ele repondía: Não, 6 então lhe diziam: Agora, pois, dava Shibolet. E ele dizia Sibolet; porque não podia pronunciá-lo corretamente. Então lhe jogavam mão, e lhe degolavam junto aos vaus do Jordão. E morreram então dos do Efraín quarenta e dois mil. 7 E Jefté julgou ao Israel seis anos; e morreu Jefté galaadita, e foi sepultado em uma das cidades do Galaad. 8 depois dele julgou ao Israel Ibzán de Presépio, 9 o qual teve trinta filhos e trinta filhas, as quais casou fora, e tirou de fora trinta filhas para seus filhos; e julgou ao Israel sete anos. 10 E morreu lbzán, e foi sepultado em Presépio. 11 depois dele julgou ao Israel Elón zabulonita, o qual julgou ao Israel dez anos. 12 E morreu Elón zabulonita, e foi sepultado no Ajalón na terra do Zabulón. 13 depois dele julgou ao Israel Abdón filho do Hilel, piratonita. 14 Este teve quarenta filhos e trinta netos, que cavalgavam sobre setenta asnos; e julgou ao Israel oito anos. 15 E morreu Abdón filho do Hilel piratonita, e foi sepultado no Piratón, na terra do Efraín, no monte do Amalec. 1. Para o norte. Heb. tsafónah. Galaad estava ao este e ao nordeste do Efraín. Por isso a maioria das traduções dão esta palavra como nome próprio ("Safón" BJ, NC). No vale do Jordão havia uma aldeia de nome Zafón, do lado de Galaad, não longe do Sucot (Jos. 13: 27). Não nos chamou. Tanto nesta passagem como no Juec. 8: 1-3 se apresenta um aspecto desfavorável da tribo do Efraín. No momento da opressão os efrainitas permaneciam passivos, e quando outros tinham tomado a iniciativa e gado a vitória, eram arrogantes. Gedeón fazia a paz com eles e tinha passado por cima seu falta de tino, mas Jefté não estava disposto a deixar-se dominar por eles. Seu suposta queixa surgia do desejo que abrigavam de ser a principal tribo dos israelitas. Seu orgulho os fazia sentir-se ofendidos por não ter participado na glória da vitória. Além disso, negavam ao Galaad o direito de atuar em forma independente, e muito menos de escolher um dirigente. 2. Chamei-lhes.

Na parte anterior do relato não se menciona que fora chamada nenhuma das tribos da Canaán ocidental para que ajudassem a repelir aos opressores. Em essas passagens o autor tinha narrado só os fatos destacados. 3. por que, pois...? Os efrainitas eram mais culpados, se isso fosse possível, que os 379 mesmos amonitas. Seria difícil saber se a resposta do Jefté foi pronunciada com espírito conciliatório. De qualquer modo, os efrainitas parecem não haver estado satisfeitos com seu raciocínio, pois houve guerra civil a seguir. 4. Todos os varões do Galaad. É provável que se incluiu a todos quão israelitas viviam ao este do Jordão. Assinale mediante fogueiras e o sonar das trompetistas logo poderiam ter feito chegar a convocatória às armas em todas as aldeias de as tribos orientais. Porque haviam dito. Apesar da resposta razoável dada pelo Jefté, os efrainitas parecem haver precipitado o conflito com brincadeiras intoleráveis. Fugitivos do Efraín. Não pode captar-se todo o alcance deste insulto, pois se desconhecem muitos detalhes do ocorrido. Parece que havia um grave ressentimento entre os de Manasés que viviam ao leste do Jordão, e o resto dos do Manasés e seus parentes próximos, os efrainitas, da Palestina ocidental. os do Manasés orientais tinham deixado adoecer suas relações familiares e se identificavam cada vez mais com as tribos de pastores do Rubén e Gad entre quem vivia. Por este cisma das relações familiares, os efrainitas se burlavam deles chamando-os fugitivos, quer dizer, a escória e a classe mais baixa dos parentes das tribos do oeste. 5. Vaus do Jordão. Só por estes vaus os efrainitas podiam cruzar o Jordão para retornar rapidamente a seu próprio território. Os fugitivos do Efraín. São as mesmas palavras que tinham usado pouco antes os efrainitas* para burlar-se dos homens do Galaad. Mas nesta ocasião os efrainitas eram os fugitivos. É você efrateo? Nos vaus havia bastante movimento de pessoas de um lado do Jordão ao outro. O propósito da pergunta era distinguir entre os fugitivos e os inofensivos viajantes e mercados. Os que se gabaram de sua tribo pouco tempo antes, estavam agora dispostos a negar sua relação com ela a fim de salvar a vida. 6.

Agora, pois, dava Shibolet. É provável que se escolheu ao azar uma de entre as palavras que começasse com a letra shin. Qualquer outra palavra que começasse com a mesma letra tivesse servido de igual maneira. Quão hebreus viviam ao leste do Jordão pronunciavam essa shin de uma maneira, e os do oeste, de outra. Os primeiros diziam shibbolet, enquanto que os outros diziam sibbolet, usando para a consonante um som mais suave. Era uma dessas diferenças dialectales que surgem com o correr dos anos. Shibbolet significa "correnteza". 7. Seis anos. O período de governo do Jefté foi o mais curto de todos os juizes. É possível que tivesse cansado em batalha enquanto brigava contra outros inimigos israelitas. 8. Ibzán. desconhece-se o significado deste nome. É a única vez em que aparece em a Bíblia. De Presépio. Embora poderia ter sido Presépio do Judá, é mais provável que tivesse sido Presépio da tribo do Zabulón, lugar que hoje se conhece como Beit Lahm, a 11,2 km ao noroeste do Nazaret (ver Jos. 19: 15, 16). Ibzán, junto com os outros dois juizes que se mencionam aqui: Elón e Abdón, e os dois cujos nomes aparecem no cap. 10: 1-5: Tola e Jair, formam um grupo de juizes de cujas façanhas não se relata nada. apresentam-se só os dados mais indispensáveis: o nome, o lugar onde viveram, o período durante o qual governaram, o lugar onde foram enterrados. No caso de três deles (Jair, Ibzán e Abdón) dá-se o número de filhos que tiveram, como também alguma indicação de sua riqueza. 9. Casou fora. Ibzán tinha um plano definido para afiançar sua posição mediante alianças matrimoniais. Deu em casamento a suas 30 filhas a homens de outras tribos, e tomou para seus 30 filhos mulheres de outras tribos. registra-se esta informação para mostrar que Ibzán foi um grande homem de ampla influência. Além disso, que tivesse vivido até ver casados a seus 60 filhos indica que teve uma vida larga e próspera, embora só governou ao Israel durante 7 anos. Provavelmente foram os últimos 7 anos de sua vida. Possivelmente alcançou sua posição como juiz por seu política de fazer amizade com as outras tribos mediante os matrimônios de seus filhos. Evidentemente houve paz durante o período de seu governo. 11. Elón. Elón significa "carvalho" ou "terebinto". 380 Era costume oriental pôr a uma pessoa o nome de uma árvore. Este nome aparece no Gén. 46: 14 e Núm. 26: 26 como nome de uma das famílias do Zabulón.

Abdón. Literalmente, "servo". Do Hilel. Significa "louvor". Aqui aparece pela primeira vez este nome que mais tarde fez-se famoso entre os judeus. encontra-se só aqui na Bíblia. O Hilel posterior presidiu uma escola filosófica feijão pouco antes do tempo de Cristo, e o considera como o major de todos os rabinos judeus. Piratonita. Segundo o vers. 15, Piratón estava na terra do Efraín; portanto, podemos supor que Abdón pertencia a essa tribo. Em 1 Crón. 8: 23 se nomeia entre os de Benjamim a um homem chamado Abdón, mas sendo que o nome era comum, este Abdón que foi juiz bem pôde ter sido efrainita (ver 1 Crón. 27: 14). Pelo general se considera que Piratón foi o que hoje é Far'athã, a 11,2 km ao sudoeste do Siquem. 14. Quarenta filhos. Só se menciona aos descendentes varões. Sem dúvida teve também muitas filhas. diz-se que era grande sua família, como uma evidência de riqueza e posição. Também isto demonstra a difusão da poligamia entre os que podiam manter a numerosas algemas. 15. O monte do Amalec. Os amalecitas residiam no Neguev, ao sul do Judá. Entretanto, o nome deste lugar indica que em um tempo tinham chegado até a região do Efraín no norte, e por essa incursão seu nome tinha ficado nesse lugar. Possivelmente foram derrotados ali, ou talvez se permitiu que uns poucos amalecitas se radicassem nesse lugar em tempos passados. CAPÍTULO 13 1 o Israel cai em mãos dos filisteus. 2 Um anjo se aparece à esposa de Manoa. 8 O anjo se aparece a Manoa. 15 O sacrifício da Manoa mediante o qual o anjo é descoberto. 24 Nascimento do Sansón. 1 OS filhos do Israel voltaram a fazer o mau ante os olhos do Jehová; e Jehová os entregou em mão dos filisteus por quarenta anos. 2 E havia um homem da Zora, da tribo de Dão, o qual se chamava Manoa; e seu mulher era estéril, e nunca tinha tido filhos. 3 A esta mulher apareceu o anjo do Jehová, e lhe disse: Hei aqui que você é estéril, e nunca tiveste filhos; mas conceberá e dará a luz um filho. 4 Agora, pois, não beba vinho ní cidra, nem coma coisa imunda. 5 Pois hei aqui que conceberá e dará a luz um filho; e navalha não passará sobre sua cabeça, porque o menino será nazareo a Deus desde seu nascimento, e ele começará a salvar ao Israel de mão dos filisteus. 6 E a mulher veio e o contou a seu marido, dizendo: Um varão de Deus veio a mim, cujo aspecto era como o aspecto de um anjo de Deus, temível em grande

nome. 7 E me disse: Hei aqui que você conceberá, e dará a luz um filho; portanto, agora não beba vinho, nem cidra, nem coma coisa imunda, porque este menino será nazareo a Deus desde seu nascimento até o dia de sua morte. 8 Então orou Manoa ao Jehová, e disse: Ah, Meu senhor, eu te rogo que aquele varão de Deus que enviou, volte agora para vir a nós, e nos ensine o que tenhamos que fazer com o menino que tem que nascer. 9 E Deus ouviu a voz da Manoa; e o anjo de Deus voltou outra vez à mulher, estando ela no campo; mas seu marido Manoa não estava com ela. 10 E a mulher correu prontamente a lhe avisar a seu marido, lhe dizendo: Olhe que me apareceu aquele varão que veio o outro dia. 11 E se levantou Manoa, e seguiu a sua mulher; e veio ao varão e lhe disse: É você aquele varão que falou com a mulher? E ele disse: Eu sou. 12 Então Manoa disse: Quando suas palavras se cumpram, como deve ser a maneira de viver do menino, e o que devemos fazer com ele? 381 13 E o anjo do Jehová respondeu a Manoa: A mulher se guardará de todas as coisas que eu lhe disse. 14 Não tomará nada que proceda da videira; não beberá vinho nem cidra, e não comerá coisa imunda; guardará tudo o que lhe mandei. 15 Então Manoa disse ao anjo do Jehová: Rogo-te nos permita te deter, e prepararemo-lhe um cabrito. 16 E o anjo do Jehová respondeu a Manoa: Embora me detenha, não comerei de você pão; mas se quer fazer holocausto, oferece-o ao Jehová. E não sabia Manoa que aquele fosse anjo do Jehová. 17 Então disse Manoa ao anjo do Jehová: Qual é seu nome, para que quando cumpra-se sua palavra lhe honremos? 18 E o anjo do Jehová respondeu: por que perguntas por meu nome, que é admirável? 19 E Manoa tomou um cabrito e uma oferenda, e os ofereceu sobre uma penha a Jehová; e o anjo fez milagre ante os olhos da Manoa e de sua mulher. 20 Porque aconteceu que quando a chama subia do altar para o céu, o anjo do Jehová subiu na chama do altar ante os olhos da Manoa e de seu mulher, os quais se prostraram em terra. 21 E o anjo do Jehová não voltou a aparecer a Manoa nem a sua mulher. Então conheceu Manoa que era o anjo do Jehová. 22 E disse Manoa a sua mulher: Certamente morreremos, porque a Deus vimos. 23 E sua mulher lhe respondeu: Se Jehová nos queria matar, não aceitaria de nossas mãos o holocausto e a oferenda, nem nos tivesse mostrado todas estas coisas, nem agora nos teria anunciado isto. 24 E a mulher deu a luz um filho, e lhe pôs por nomeie Sansón. E o menino cresceu, e Jehová o benzeu. 25 E o Espírito do Jehová começou a manifestar-se nele nos acampamentos de

1. Voltaram a fazer o mau. Com referência à cronologia desta apostasia e a opressão filistéia, ver págs. 37, 38. Filisteus. O autor de Juizes já os mencionou em forma breve várias vezes antes (caps. 3: 31; 10: 7-11). Assim como os hebreus, os filisteus tinham invadido e estabeleceram-se na terra do Canaán. Eram poucos os filisteus que já estavam no país em tempos do Abraão (Gén. 21: 32). Mas a grande onda migratório dos filisteus possivelmente entrou no Canaán no século XII AC, junto com as de outras tribos do Ásia Menor e das ilhas do mar Egeu que não eram semitas (ver pág. 29). Os registros arqueológicos dos egípcios, que os denominaram "povos do mar", indicam que foram repelidos às portas mesmas do Egito pelo Ramsés III, em volto do ano 1194 AC. Para comemorar o êxito obtido e o rechaço dos invasores, Ramsés III fez construir um grande tempero no Tebas (agora conhecido como Medinet Habú) e cobriu seus muros com quadros da batalha. Entre estes há representações realistas dos guerreiros filisteus. Depois que os "povos do mar" foram derrotados por os egípcios, parte desses emigrantes se estabeleceram na planície marítima do Canaán, onde adotaram em boa medida a religião, os costumes e o idioma dos cananeos. Os hebreus chamavam os filisteus Pelishtim, e denominavam Pelesheth ao território que ocupavam. Com a evolução da linguagem, esta palavra se transformou na Palestina". Os filisteus se estabeleceram principalmente em as cinco antigas cidades da planície: Ecrón, Gaza, Ascalón, Asdod e Eglón, as quais se converteram em centros da confederação filistéia. De ali os filisteus se estenderam à a Sefela, e finalmente, durante a época de Saúl, dominaram toda a Palestina ocidental até a planície do Esdraelón em o norte e o mar da Galilea. Do tempo do Sansón em adiante foram os principais inimigos dos israelitas, até que os dominó David. Aparecem dados adicionais quanto aos filisteus, sua origem e história, em com. Gén. 10: 14; 21: 32; e T. II, págs. 29, 35, 36, 49. Quarenta anos. existiram dúvidas quanto à verdadeira duração deste período. Talvez começou antes do tempo do Sansón, compreendendo o tempo de sua atuação, e estendeu-se até além da batalha do Eben-ezer em tempos do Samuel (1 Sam. 7: 13). Sansón nasceu nos primeiros anos da opressão filistéia (PP 603). Segundo algumas autoridades, esta opressão foi contemporânea 382 com a opressão amonita e o governo do Jefté (ver pág. 132). 2. Zora. O nome significa "lugar de vespas". Hoje é Tsar'a, se localizada na Sefela, a 23.5 km ao oeste de Jerusalém. No Jos. 19: 41, como também aqui, a chama cidade do território de Dão, mas no Jos. 15:33, aparece como cidade do Judá. Possivelmente a cidade foi dada em primeiro lugar ao Judá e mais tarde a Dão (ver com. Jos. 19: 41). Pelo general se menciona a cidade em relação com o Estaol (Juec. 13: 25; 18: 2, 8, 11; etc.). Infere-se que a tribo de Dão estava principalmente limitada aos arredores destas duas cidades. Zora era uma antiga aldeia cananea que se menciona nas Cartas da Amarna. Sua proximidade a

Manoa. O nome, que significa "descanso", pode ter expresso o desejo dos israelitas nesses tempos tão difíceis. Só aparece aqui na Bíblia. Estéril. A esterilidade era para a mulher hebréia a maior de todas as calamidades. Sara, Blusa de lã e Raquel também foram estéreis. Foram-no também Ana, mãe do Samuel, e Elisabet, mãe do Juan o Batista. 3. O anjo do Jehová. Este era o anjo que lhe tinha aparecido ao Moisés, ao Josué e a outros; era Cristo mesmo (ver EGW, material suplementar, com. vers. 2-23). Conceberá. Alguns dos hebreus mais eminentes nasceram de mães que até então tinham sido estéreis. Em um sentido muito especial, estes meninos foram dádivas de Deus, concedidos a seus pais, porque estes estavam inteiramente consagrados ao Senhor, e os criariam de tal forma que pudessem chegar a ser instrumentos especiais do Senhor para bem de seu povo. 4. Não beba vinho. A mãe devia cuidar-se de não tomar vinho nem nenhuma bebida lhe embriaguem feita de uvas. Por providência direta de Deus deviam protegê-la saúde e o caráter deste menino mediante os hábitos de temperança da mãe do momento de sua concepção. Cidra. Ver com. Gén. 9: 21; Núm. 6: 3; 28: 7; Deut. 14: 26. Coisa imunda. Sem dúvida muitos israelitas descuidavam a observância das leis levíticas sobre mantimentos limpos e imundos. De outro modo, não teria sido necessário mencionar isto especificamente. 5. Navalha não passará. A pessoa que fazia o voto de nazareo não devia cortar o cabelo enquanto durasse esse voto. Quando o tempo do voto se cumprisse, devia cortar-se tudo o cabelo e apresentá-lo no tabernáculo (Núm. 6: 18). O cabelo comprido do nazareo era o sinal visível de sua consagração, e servia para lhe recordar a ele mesmo e aos que o rodeavam os sagrados votos que tinha formulado. Assim o cabelo comprido era o sinal do nazareo como a vestimenta de linho o era do levita. Nazareo. A palavra significa "separado" ou "consagrado". É provável que seja uma forma

voluntário e temporario: só durava por um período especificado (ver com. Núm. 6: 2). Significava uma consagração da vida a Deus. As manifestações externas do voto eram três: (1) abstinência de todos os produtos de uva, inclusive veio, e fruta, fresca ou seca (Núm. 6: 3, 4); (2) deixar-se crescer o cabelo, sem que o tocasse navalha nem nenhum outro instrumento para cortar (Núm. 6: 5); (3) não aproximar-se de um corpo morto em nenhuma circunstância a fim de não poluir-se (Núm. 6: 6). O voto de nazareato era tido em alta estima entre os hebreus (Amós 2: 1l; Lam. 4: 7). Samuel foi nazareo (1 Sam. 1: 11), como foi também Juan o Batista (Luc. 1: 15; DTG 76, 77). Alguns pensaram que talvez José foi também nazareo (ver Gén. 49: 26, onde a palavra hebréia traduzida "foi afastado" é a mesma que nesta passagem se aplica ao Sansón, e que se usa para referir-se a todos os nazareos). Começará a salvar. Embora pelo general o voto de nazareato era voluntário e temporario, no caso do Sansón esta dedicação foi imposta por ordem divina e começou desde seu nascimento. Deus tinha um plano para o Sansón mediante o qual, e sob o liderança do Sansón, os israelitas deviam ser libertados do jugo dos filisteus. Tanto o voto como a fiel educação dada pelos pais teriam que influir no menino para que reconhecesse este plano que Deus tinha para ele, e o levariam a consagrar-se a seu cumprimento. Na dedicação do Sansón a Deus, o Senhor queria pôr diante do povo uma lição objetiva do poder que poderiam alcançar para vencer a seu inimigos mediante a submissão e o serviço a ele. Quando Sansón se fez homem, desgraçadamente 383 impediu que sua vida harmonizasse com o plano que Deus tinha esboçado para ele. voltou-se caprichoso e moralmente descuidado. A debilidade do caráter do Sansón o incapacitou para que obtivesse a completa liberação dos israelitas. Essa tarefa deveu ficar para que outros a realizassem depois. Entretanto, pelas proezas de seu força, iniciou-se a queda final dos filisteus. Deus tem um plano para cada vida. Mas tal plano não impede o exercício do livre-arbítrio. Os homens sempre devem escolher se terão que seguir o plano divino ou não. O caso do Sansón ilustra como o homem pode frustrar por completou o elevado destino que lhe designou. 6. Varão de Deus. Este término se usava pelo general para referir-se aos profetas (Deut. 33: 1; 1 Sam. 2: 27; 9: 68; 1 Rei. 12: 22; etc.). Possivelmente a esposa da Manoa pensou que seu visitante era tão somente um profeta, embora ficou tão maravilhada pela majestade de sua aparência, que não se atreveu a lhe falar nem a lhe perguntar como chamava-se nem de onde vinha. Compare-se com o vers. 10, onde novamente o chama "aquele varão", e o vers. 16, onde se diz que Manoa não sabia que se tratava de um visitante celestial. Segundo o costume oriental, o primeiro que está acostumado a perguntar-se a um estranho é como se chama. 7. Até o dia de sua morte. Ao relatar a seu marido a mensagem que tinha recebido quanto ao menino, acrescentou estas palavras que estavam implícitas no que o anjo lhe havia dito(ver vers. 5).

Orou Manoa ao Jehová. Manoa temeu que ele e sua esposa pudessem equivocar-se no cumprimento das instruções. Por isso procurou mais elucidações e informações. Pediu a Deus em oração que fizesse voltar para aquele varão para que lhes ensinasse mais a respeito da educação desse menino prometido. Não pode deixar de admirá-la fé da Manoa, que aceitou plenamente e acreditou a palavra do anjo. Deu por sentado que a seu devido tempo lhes seria concedido o menino da promessa. Sua fé contrasta nitidamente com a do sacerdote Zacarías, pai do Juan o Batista, quem pediu um sinal quando o anjo lhe apareceu para lhe prometer um filho (Luc. 1: 18). Bem-aventurados os que não viram, mas que, como Manoa, acreditaram. 9. Deus ouviu. Deus concedeu o que esse leal israelita pediu em oração, assim como sempre responde às orações das almas crentes. 12. Quando suas palavras se cumpram. Manoa desejava mostrar sua confiança na mensagem do estranho, expressando assim não só seu desejo mas também sua fé de que se cumpriria a promessa. Como deve ser? Literalmente, "Qual será a regra [regulamento, regime de vida] do menino?" Todos os pais devessem elevar esta prece. Em um sentido especial, os filhos são dádivas do Senhor. Sobre os pais e as mães descansa a responsabilidade de preparar a seus pequenos para que possam cumprir o destino que Deus tem para eles. O criar aos filhos na disciplina e admoestação do Senhor (F. 6: 4) é uma das tarefas mais importantes e difíceis da vida. Esta obra não pode realizar-se com êxito sem a ajuda divina. Os pais deveriam procurar a direção do Senhor para que saibam como conduzir a seus filhos. Quando Manoa perguntou o que deviam fazer com o menino, usou a primeira pessoa do plural. O mensageiro tinha dado as primeiras instruções a sua esposa, mas Manoa fez bem em considerar-se intimamente relacionado com a devida condução do menino prometido. O esforço unido dos pais é essencial para a devida educação dos meninos. O que devemos fazer com ele? Literalmente, "Qual será sua obra?" A pergunta da Manoa procurava a confirmação do que o anjo havia dito a sua esposa em sua primeira visita: que o menino seria nazareo, inteiramente consagrado ao serviço de Deus, e que seu obra seria a de libertar ao Israel. 14. Tudo o que lhe mandei. O mensageiro não deu mais resposta à pergunta da Manoa, tão somente repetiu as indicações que já tinha dado a sua esposa na primeira visita. O Senhor não mandou ao anjo para que desse mais instruções, a não ser para fortalecer a fé de Manoa e para ajudar a impedir que em seu coração germinassem as sementes da dúvida. insistiu-se aos pais a que obedecessem minuciosamente as ordens que

a Deus para a obra que devia realizar. 15. Você prearemos um cabrito. Pelo general se considerava que um cabrito era um manjar especial. Manoa ofereceu ao mensageiro desconhecido o melhor possível em um esforço 384 por induzi-lo a que permanecesse por um tempo como hóspede deles, para que pudessem conhecê-lo melhor e obter dele maiores informações. 16. Mas se quer fazer holocausto. O anjo rechaçou o alimento devotado, mas sugeriu que Manoa poderia apresentar o cabrito como holocausto ao Senhor. É pouco provável que Manoa estivesse pensando oferecer um sacrifício ao mensageiro, porque o relato afirma claramente que não sabia que era um anjo do Jehová. Entretanto, os anjos que visitaram ao Abraão e ao Lot participaram do alimento terrestre (Gén. 18: 8; 19: 3). 17. Qual é seu nome? Aumentava a incerteza da Manoa quanto à natureza e a identidade do misterioso mensageiro que lhe tinha feito tão notável promessa. Quando recusou servir-se mantimentos e sugeriu que oferecessem um sacrifício, Manoa ficou tão perplexo que lhe formulou uma pergunta direta, esperando assim saber quem era. Honremo-lhe. Se as palavras do mensageiro se cumpriam, Manoa e sua esposa foram honrar o de algum modo especial, possivelmente lhe pondo seu nome ao menino, ou proclamando seu poder profético, ou lhe fazendo um presente. Como estavam as coisas, nem sequer sabiam quem era, e não tinham a esperança de honrá-lo mais tarde. 18. por que perguntas? depois de ter reconhecido que aquele com quem tinha estado lutando era um visitante celestial, Jacob lhe tinha perguntado ao anjo como se chamava, mas não tinha recebido resposta (Gén. 32: 29). Este anjo (ver com. vers. 3) também recusou identificar-se ante a Manoa. Mas, em contraste, Gabriel se identificou por nomeie ao falar com o Zacarías (Luc. 1: 19). Admirável. A palavra hebréia pel'i é um adjetivo que significa "maravilhoso". A forma sustantivada da mesma palavra se traduz ,"admirável" na ISA. 9: 6 (ver também Exo. 15: 11 "prodígios"; ISA. 25: 1 "maravilhas"; ISA. 29: 14 "prodígio"; etc.). A palavra indica algo extraordinário, inefável, que está além da compreensão humana. A melhor ilustração do significado desta palavra se encontra na forma como a usa em Sal. 139: 6: "Tal conhecimento é muito maravilhoso para mim; alto é, não o posso compreender". Outra forma da mesma palavra é a que aparece no Job 42: 3, "coisas muito maravilhosas para mim"; Sal. 131: 1, "coisas muito sublime para mim"; Prov. 30: 18, "são-me ocultas". Manoa não era capaz de compreender o nome do anjo.

Chama-a subia. Talvez não foi um fogo milagroso como o do cap. 6: 21. O anjo não aceitou o alimento, mas sugeriu que se oferecesse um holocausto. É provável que Manoa tivesse proporcionado o fogo ao oferecê-lo. Subiu na chama. Este prodígio tinha o propósito de aumentar a fé do matrimônio no nascimento prometido. Deviam reconhecer que Deus ainda obrava maravilhas em seus dias. 21. Conheceu Manoa. Tinha suspeitado que o visitante era um mensageiro de Deus. Agora tinha provas indiscutíveis. 22. Certamente morreremos. Ver com. cap.6: 22. 23. Queria-nos matar. O raciocínio da esposa da Manoa era lógico. Manoa estava tão aterrorizado que pensou que morreriam por ter contemplado ao anjo. Sua esposa, com maior perspicácia, imediatamente se deu conta de que o Senhor não lhes houvesse prometido um menino que teria que libertar ao Israel, e que logo os destruiria por ter cuidadoso ao mensageiro por cujo meio tinha enviado a mensagem. Seu dedução era correta. Deus não obra em forma caprichosa com seu povo. Os pensamentos que tem a respeito de nós são de paz e não de mau (Jer. 29: 11). 24. Sansón. Heb. shimshon. Não há unanimidade de pareceres quanto ao significado deste nome. Alguns pensam que vem de shémesh, "sol". Perto do Bet-semes havia um centro de culto ao sol. Entretanto, seria pouco provável que a esposa de Manoa lhe tivesse posto a seu filho prometido o nome de um deus pagão. Em aramaico, idioma estreitamente vinculado com o hebreu, a raiz dessa palavra significa "servir". Outros relacionam este nomeie com o verbo shaman, "destruir". Josefo explica que o nome significa "o forte", e o faz derivar de shamen, "robusto" (Antiguidades V. 8. 4). Por outra parte, o nome shimshon simplesmente pode descrever o gozo dos pais quando nasceu o menino, ou "o sol de alegria" que encheu a casa quando Sansón se incorporou à família. Jehová o benzeu. As bênções de Deus são de diferentes classes. As bênções às quais aqui se alude compreendiam o dom da saúde, a força e o valor. 385 RECLAMAÇÕES TRIBAIS DURANTE O PERÍODO DOS JUIZES

O Espírito do Jehová. Ver com. cap. 11: 29. Sansón sabia que tinha sido dedicado a Deus para realizar um trabalho especial. O cabelo comprido e seus hábitos de abstinência que o distinguiam do resto da gente o recordavam constantemente. Mas por si sozinhos, os esforços e atributos do homem não bastam para realizar a obra de Deus (ver HAp 43). Começou a manifestar-se nele. "Começou a lhe excitar" (BJ). O verbo hebreu significa "impelir", "impulsionar", "turvar", "inquietar", "agitar". Os impulsos do Senhor começaram a lhe inquietar, a lhe agitar a mente para que fizesse planos de atuar contra a opressão dos filisteus. Sansón se sentiu impulsionado a exercitar em feitos de valor sua força pouco comum. Alguns pensaram que durante este primeiro período de sua atuação Sansón usou sua força descomunal para realizar façanhas que não se descrevem no livro de Juizes, e das quais seria esta a única menção. Os acampamentos de Dão. Este é um nome próprio. O nome teve sua origem na migração da oprimida tribo, acontecimento que se descreve nos caps. 18 e 19. O acampamento de Dão estava perto do Quiriat-jearim (cap. 18: 12), a 13 km ao norte da Zora (ver cap. 18: 2). Estaol. desconhece-se a localização exata desta aldeia. Sempre a menciona em relação com a Zora, o que faz supor que eram aldeias as gema (ver com. vers. 2). Alguns pensaram que era o que hoje se chama Eshwa', a 3,2 km ao nordeste da Zora (ver com. vers. 2). COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE 1-25 PP 603-606 2-8 PP 603 3, 4 Lhe 80, 258 4 CRA 256; DTG 123; MC 256 5 PP 612 7 MC 288; Lhe 208 12 Ed 268; MC 293; PP 618 12-14 PP 604 13, 14 CRA 256; HAd 230; MC 288 14 Lhe 80, 239 21, 22 1T 410 24 PP 606

CAPÍTULO 14 1 Sansón deseja uma mulher filistéia. 5 Arbusto a um leão durante sua viagem. 8 Encontra mel no cadáver durante uma segunda viagem. 10 Festa de bodas de Sansón. 12 Sua mulher revela o significado da adivinhação. 19 Arbusto a trinta filisteus. 20 Sua mulher se casa com outro. 1 DESCENDEU Sansón ao Timnat, e viu no Timnat a uma mulher das filhas dos filisteus. 2 E subiu, e o declarou a seu pai e a sua mãe, dizendo: Eu vi em Timnat uma mulher das filhas dos filisteus; vos rogo que me tomem por mulher. 3 E seu pai e sua mãe lhe disseram: Não há mulher entre as filhas de vocês irmãos, nem em todo nosso povo, para que você vá a tomar mulher dos filisteus incircuncisos? E Sansón respondeu a seu pai: Tome esta por mulher, porque ela me agrada. 4 Mas seu pai e sua mãe não sabiam que isto vinha do Jehová, porque ele procurava ocasião contra os filisteus; pois naquele tempo os filisteus dominavam sobre o Israel. 5 E Sansón descendeu com seu pai e com sua mãe ao Timnat; e quando chegaram a as vinhas do Timnat, hei aqui um leão jovem que vinha rugindo para ele. 6 E o Espírito do Jehová veio sobre o Sansón, quem despedaçou ao leão como quem despedaça um cabrito, sem ter nada em sua mão; e não declarou nem a seu pai nem a sua mãe o que tinha feito. 7 Descendeu, pois, e falou com a mulher; e ela agradou ao Sansón. 386 8 E voltando depois de alguns dias para tomá-la, separou-se do caminho para ver o corpo morto do leão; e hei aqui que no corpo do leão havia um enxame de abelhas, e um favo de mel. 9 E tomando-o em suas mãos, foi comendo-o pelo caminho; e quando alcançou a seu pai e a sua mãe, deu-lhes também que comessem; mas não os descobriu que tinha tomado aquele mel do corpo do leão. 10 Veio, pois, seu pai aonde estava a mulher, e Sansón fez ali banquete; porque assim estavam acostumados a fazer os jovens. 11 E aconteceu que quando eles lhe viram, tomaram trinta companheiros para que estivessem com ele. 12 E Sansón lhes disse: Eu lhes proporei agora um enigma, e se nos sete dias do banquete me declaram isso e decifram, eu lhes darei trinta vestidos de linho e trinta vestidos de festa. 13 Mas se não me podem declarar isso, então vós me darão os trinta vestidos de linho e os vestidos de festa. E eles responderam: Propón seu enigma, e o ouviremos. 14 Então lhes disse: Do devorador saiu comida,

E do forte saiu doçura.

E eles não puderam lhe declarar o enigma em três dias. 15 Ao sétimo dia disseram à mulher do Sansón: Induz a seu marido a que nos declare este enigma, para que não queimemos a ti e à casa de seu pai. Nos chamastes aqui para nos despojar? 16 E chorou a mulher do Sansón em presença dele, e disse: Somente me aborrece, e não me ama, pois não me declara o enigma que propôs aos filhos de meu povo. E ele respondeu: Hei aqui que nem a meu pai nem a minha mãe o declarei, e lhe tinha isso que declarar a ti? 17 E ela chorou em presença dele os sete dias que eles tiveram banquete; mas ao sétimo dia ele o declarou, porque lhe pressionava; e ela o declarou a os filhos de seu povo. 18 Ao sétimo dia, antes que o sol ficasse, os da cidade lhe disseram: Que coisa mais doce que o mel?

E que coisa mais forte que o leão? E ele lhes respondeu: Se não arassem com meu novilla,

Nunca tivessem descoberto meu enigma. 19 E o Espírito do Jehová veio sobre ele, e descendeu ao Ascalón e matou a trinta homens deles; e tomando seus despojos, deu as mudas de vestidos a os que tinham explicado o enigma; e aceso em irritação se voltou para a casa de seu pai. 20 E a mulher do Sansón foi dada a seu companheiro, ao qual ele tinha tratado como seu amigo. 1. Descendeu. Zora está a 356,7 m sobre o nível do mar, enquanto que Timnat está a 244 m (ver vers. 5, 7, 10). À inversa, usa-se a expressão "subiu" para referir-se à viagem de volta (ver vers. 2 e 19). Timnat. Provavelmente era Tell o-Batâshi, a 7,2 km ao sudoeste da Zora. A cidade, que tinha sido atribuída a Dão (Jos. 19: 43; cf. Jos. 15: 10), estava então sob o domínio dos ímpios filisteus. Uma mulher. É de esperar-se que aqui se usasse uma palavra como "donzela" (ver Gén. 24: 14, 16), em vez de "mulher". Este término poderia indicar que a amiga do Sansón era viúva ou divorciada, embora jovem (PP 606); do contrário, trata-se de uma expressão usada em tom depreciativo (ver Juec. 16: 4). Muitos dos incidentes da vida do Sansón giraram em volto de suas relações com mulheres. Embora tinha um físico forte, seu poder moral e seu domínio próprio eram débeis. Seus

sua alma. Dos filisteus. proibiu-se aos israelitas que se casassem com os naturais do país (Exo. 34: 16; Deut. 7: 3, 4). 2. Declarou-o a seu padra. Em forma correta Sansón consultou com seus pais quanto a seu desejo de casar-se. Entretanto, é possível que tivesse feito isto mais porque era costume que os pais arrumassem os detalhes do matrimônio, que por respeito aos desejos deles. 3. Não há mulher? Os pais do Sansón se opuseram a sua proposta e o insistiram a 387 tomar uma esposa de entre os hebreus e não de entre os pagãos filisteus. Tal matrimônio teve que ser sobremaneira repulsivo para a Manoa e sua esposa, pois sabiam que Sansón tinha sido chamado a realizar uma obra especial para Deus. Os pais que temem a Deus têm o dever de animar a seus filhos a que se casem com uma pessoa de sua mesma fé. Sobre eles descansa a responsabilidade de sentar os princípios religiosos enquanto os meninos são ainda pequenos, para que mais tarde escolham em forma conveniente. Tome esta por mulher. "Toma a essa para mim" (BJ). No hebreu o pronome que corresponde a "esta" é enfático. Sansón desdenha as objeções de seus pais. Não permitirá que se interponham a seus desejos. Rechaçou tanto o conselho paterno como o divino. É triste que tantos jovens não se sintam obrigados a considerar cuidadosamente os conselhos de seus pais quando estão pensando no casamento. Por outra parte, os pais podem correr o perigo de ser muito terminantes em suas negativas. Deus roga ao homem que siga o caminho do bem, mas não impede que faça a eleição contrária. Do mesmo modo, tem limites o direito dos pais a controlar a vontade de seus filhos quando estes chegaram à idade de ser responsáveis por seus atos. Ela me agrada. Literalmente, "ela está bem a meus olhos". Sua paixão o cegava para ver que ela não era apta para chegar a ser a companheira da vida do que tinha que ser um caudilho no Israel. Uma pessoa sábia, temerosa de Deus, reconhecerá que há outros critérios importantes que devem ser tomados em conta, tais como os conceitos fundamentais, as convicções religiosas, os ideais. 4. Vinha do Jehová. Até neste desventurado matrimônio, Deus estava dirigindo os acontecimentos para a consecução de seus próprios intuitos. Deus faz que até a debilidade e o julgamento errado dos homens redundem em sua honra. O procurava.

É provável que este pronome se refira a Deus, embora alguns pensam que "ele" se referiria ao Sansón. Ocasião. Literalmente, "encontro", quer dizer possivelmente uma oportunidade para provocar hostilidades. É possível que Sansón não tivesse empreendido a obra que o correspondia fazer quando tinha chegado o momento oportuno, e se necessitava algum acontecimento que o impulsionasse à ação. Deus usou os incidentes relacionados com o matrimônio como "pretexto" (BJ). Dominavam. Ver caps. 10: 7; 13: 1. 5. Seu pai. Evidentemente os pais do Sansón tinham cedido ante a insistente vontade de seu filho, e embora com dor se davam conta das funestas conseqüências que poderia ter tal matrimônio, acompanharam-no ao Timnat para fazer os devidos acertos para o casamento. Um leão jovem. A palavra hebréia kefir indica um leão jovem, em todo seu vigor. Outra palavra, gur, indica um cachorrinho de leão que ainda não cresceu. Em um tempo os leões eram comuns nos desertos ao sul do Judá e no vale do Jordão, mas desapareceram do tempo das cruzadas. 6. O Espírito do Jehová. O Espírito dispensa diversos dons e habilidades (Exo. 31: 2-5; 1 Cor. 12). O dom especial do Sansón se revelou em sua força sobre-humana. Despedaçou ao leão. Com sua força sobrenatural, Sansón aniquilou ao animal a emano poda, possivelmente golpeando-o contra a terra ou lhe rasgando as patas traseiras como o fazia o mitológico herói Enkidu, conforme o mostram as antigas representações babilônicas. David (1 Sam. 17: 34-37) e Benaía (2 Sam. 23: 20) mais tarde realizaram similares proezas. Como quem despedaça um cabrito. Quer dizer, com a mesma facilidade com a que um homem comum poderia despedaçar um cabrito. destaca-se a facilidade com a qual Sansón realizou a façanha, não o método. Nada em sua mão. Sansón não tinha saído a caçar. portanto, não levava armas. Além disso, os filisteus obrigavam aos hebreus a que andassem desarmados, mediante a proibição de que nenhum hebreu trabalhasse como ferreiro (1 Sam. 13: 19-22). Não declarou. Este silêncio pode indicar que ao menos neste momento não era jactancioso.

7. Descendeu. Não se diz que os pais tivessem participado dos acertos. Alguns hão pensado que embora viajaram com o Sansón, recusaram cumprir com sua parte no acerto. 8. depois de alguns dias. Não há nada no relato que indique quanto tempo transcorreu entre a visita do versículo anterior e este viaje para consumar o matrimônio. Um compromisso podia durar até um ano. 388 No corpo. Por natureza, as abelhas evitam toda decomposição e putrefação. Evidentemente os chacais e os abutres tinham devorado toda a carne que recubría os ossos e o calor os tinha secado. Só ficava o esqueleto. Na cavidade formada pelas costelas, um enxame de abelhas tinha construído sua colméia. Herodoto relata como a caveira de um inimigo, pendurado pela gente do Amato sobre a porta de sua cidade, servia de colméia para as abelhas. 9. Em suas mãos. Sansón tomou o favo em suas mãos para comer o mel pelo caminho (ver 1 Sam. 14: 29). Sem dúvida esta era uma violação do voto de nazareato, porque o tirar o mel de um esqueleto fazia que fora imunda, e o alimento imundo estava proibido (cap. 13: 7). A seu pai. Evidentemente os pais consentiram em ir à bodas, embora não se menciona seu presença ali. Sansón se tinha afastado do caminho por um momento para ver o leão. 10. Banquete. Literalmente, "ocasião de beber". Usava-se esse término para descrever as festas, porque a bebida era um dos maiores atrativos delas. Essa reunião de amigos devia durar sete dias (vers. 12). Como nazareo, ao Sansón o estava proibido tomar bebidas alcoólicas. Entretanto, tinha dado um passo para unir-se com o mundo, e como ocorre usualmente, era-lhe mais fácil dar outro. Parece que em tudo, salvo o cabelo comprido, tomava livianamente seus votos de nazareato. 11. Quando eles lhe viram. A razão pela qual se acrescenta esta frase não é muito clara. É provável que signifique: "quando viram quão forte era". Algumas das traduções gregas rezam "como lhe temia"; "e porque lhe temiam" (NC). As duas variantes são muito similares no hebreu.

Aparentemente estes deviam lhe servir de acompanhantes no casamento, mas é provável que na verdade estivessem ali para a defesa, pois os filisteus conheciam a hostilidade dos hebreus para com eles. Pelo general, o noivo se fazia acompanhar de seus amigos, mas neste caso Sansón estava em uma cidade estranha, casando-se com a desaprovação de seu próprio povo. Por isso os filisteus lhe proporcionaram os acompanhantes. Acreditavam que esses acompanhantes bastariam para dominar ao poderoso noivo hebreu se tentava causar distúrbios. Por outra parte, podem ter disposto que os 30 companheiros fossem uma escolta durante a festa de bodas. 12. Um enigma. O uso de enigmas ou adivinhações nas festas era um entretenimento antigo predileto. Muitas vezes se ofereciam grandes somas ao que pudesse resolvê-los. Isto sempre fazia mais alegre e interessante a ocasião. Trinta. Sem dúvida porque havia 30 acompanhantes (vers. 11). Vestidos de linho. Alguns pensam que eram grandes peças retangulares de linho fino que podiam usar-se como vestimentas durante o dia ou como lençóis de noite. Outros pensam que se trataria de uma túnica interior. Esta palavra aparece também no Prov. 31: 24, onde se traduz "tecidos", e ISA. 3:23, onde se traduz "linho fino". Vestidos de festa. Ver Gén. 45: 22. 13. Darão-me. O oferecimento do Sansón era muito justo. Se perdia, teria que proporcionar as 30 mudas de roupa. Se eles perdiam, não teriam que proporcionar mais que uma cada um. 14. Do devorador. O enigma, ou adivinhação, foi apresentado em forma poética. A resposta do Sansón (vers. 18) também está na característica forma de verso hebreu. 15. Ao sétimo dia. A LXX diz "ao quarto dia". Isto corresponderia com a última parte do vers. 14, onde se afirma que tentaram resolver o enigma por espaço de três dias. A que nos declare. Queriam que Sansón o declarasse mediante sua esposa, quem devia conseguir a informação para transmiti-la a eles.

Para que não lhe queimemos. Os filisteus eram cruéis e traiçoeiros até com sua própria gente. Antes que perder uma aposta, sob ameaça obrigaram à mulher a ajudá-los. Não era uma vã ameaça, porque mais tarde a queimaram a ela e a seu pai (ver cap. 15: 6). 16. Chorou a mulher. O enigma proposto pelo Sansón tinha tido o efeito de fazer que a festa de bodas não fora uma ocasião de gozo mas sim de angústia. A chorosa e inquieta noiva e os ásperos convidados devessem ter servido de advertência ao Sansón de que os matrimônios com filistéias conduziam angústia e tristeza. Tinha-lhe isso que declarar? Sansón replica que não o contou nem sequer a seus pais, e que seu negativa de fazersaber o 389 enigma a ela, a quem tinha conhecido por tão pouco tempo, não era uma prova de falta de amor. 17. Os sete dias. É possível que a noiva não começasse a pressionar ao Sansón até depois dos três dias do vers. 14. Mas esta declaração geral mostra o estado emotivo da noiva durante toda a festa. É indubitável que do começo tinha estado pedindo que Sansón compartilhasse com ela o segredo. Em realidade, os acompanhantes do Sansón imediatamente podem ter tentado conseguir a informação por intermédio dela, e quando não conseguiram nada atrás de alguns dias, recorreram à ameaça registrada no vers. 15. Pressionava-lhe. "Tinha-o assediado" (BJ). Sansón tinha vencido ao leão, mas esta mulher filistéia o tinha vencido a ele. 18. Antes. Para elogiar seu triunfo, os filisteus esperaram até o último momento antes de revelar o segredo que lhe tinham arrancado por meio de sua esposa. A resposta, assim como o enigma, está em forma poética. Arassem. Sansón se deu conta em seguida da traição de sua esposa, e o demonstrou citando, em forma poética, o provérbio que fala de arar com a novilla alheia. Não tinham usado sua própria inteligência para resolver o enigma, mas sim tinham descoberto o secreto mediante a que amava e lhe pertencia. A declaração afirma que se tivessem atuado com honradez, ele teria ganho a aposta. 19. O Espírito do Jehová. O Senhor procurou comover ao Sansón para que se dedicasse à obra a qual

Ascalón. Esta cidade estava a 36,8 km de distância, o que representaria uma viagem de 7 ou 8 horas a pé. Matou a trinta homens. Talvez os surpreendeu em algum tipo de reunião de amigos durante a noite, e assim pôde conseguir de seus cadáveres os vestidos de festa que necessitava para pagar a aposta. Aceso em irritação. Estava zangado, tanto com os filisteus como com sua esposa, que resultou traindo-o durante a mesma Festa de bodas. Por essa razão não quis ficar com ela, mas sim voltou para a casa de seu pai. 20. Seu companheiro. Possivelmente teria sido o principal dos 30 acompanhantes, que se chama "o amigo do marido" no Juan 3: 2 9. A mulher acrescentou infidelidade a sua traição. É possível que do começo não tivesse amado ao Sansón. Tais foram os resultados de uma conduta que violava os rápidos mandatos de Deus. Se Sansón tivesse aprendido de sua experiência e permitido que a vaidade e a decepção do pecado o impulsionassem a procurar um caminho melhor, Deus poderia havê-lo aceito ainda, e lhe haver permitido que levasse ao Israel ao triunfo completo sobre os filisteus. Entretanto, Deus seguiu obrando a través do Sansón na medida em que este lhe permitiu que o usasse. O caso do Sansón indica que Deus não abandona imediatamente a seus servos quando caem no pecado. Pode seguir benzendo seus esforços, embora conscientemente desatendam algum requisito divino específico. Posto que não há nenhum homem perfeito, Deus não poderia usar instrumentos humanos em sua obra se só pudesse benzer os esforços de quem não tem pecado. Mas em vista desta verdade, ninguém deve interpretar que as bênções do céu demonstram que Deus aprova todas suas obras. COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE 1-20 PP 606, 607 1-3 PP 606 5, 6, 19 PP 607 10-20 PP 607 390 CAPÍTULO 15 1 Não se permite ao Sansón visitar sua mulher. 3 Queima os semeados dos filisteus com zorras e lhas acesas. 6 Sua mulher e o pai dela são queimados pelos filisteus. 7 Sansón fere os filisteus quadril e coxa. 9 É tomado prisioneiro pelos homens do Judá e entregue aos filisteus. 14 Os mata com uma queixada. 18 Deus abre uma fonte em-hacore, no Lehi, e lhe dá de beber. 1 ACONTECIO depois de algum tempo, que nos dias da ceifa do trigo

aposento. Mas o pai dela não o deixou entrar. 2 E disse o pai dela: Persuadi-me de que a aborrecia, e a dava a você companheiro. Mas sua irmã menor, não é mais formosa que ela? Toma-a, pois, em seu lugar. 3 Então lhe disse Sansón: Sem culpa serei esta vez em relação aos filisteus, se mal os hiciere. 4 E foi Sansón e caçou trezentas zorras, e tomou, e juntou cauda com cauda, e pôs uma lha entre cada duas caudas. 5 Depois, acendendo as lhas, soltou as zorras nos semeados dos filisteus, e queimou as colheitas amontoadas e em pé, vinhas e olivares. 6 E disseram os filisteus: Quem fez isto? E lhes responderam: Sansón, o genro do timnateo, porque lhe tirou sua mulher e a deu a seu companheiro. E vieram os filisteus e a queimaram a ela e a seu pai. 7 Então Sansón lhes disse: Já que assim têm feito, juro que me vingarei de vós, e depois desistirei. 8 E os feriu quadril e coxa com grande mortandade; e descendeu e habitou na cova da penha do Etam. 9 Então os filisteus subiram e acamparam no Judá, e se estenderam por Lehi. 10 E os varões do Judá lhes disseram: por que subistes contra nós? E eles responderam: A prender ao Sansón subimos, para lhe fazer como ele nos fez. 11 E vieram três mil homens do Judá à cova da penha do Etam, e disseram ao Sansón: Não sabe você que os filisteus dominam sobre nós? por que nos fez isto? E ele lhes respondeu: Eu lhes tenho feito como eles me fizeram. 12 Eles então lhe disseram: Nós viemos para te prender e te entregar em mão dos filisteus. E Sansón lhes respondeu: me jurem que vós não me matarão. 13 E eles lhe responderam, dizendo: Não; somente lhe prenderemos, e lhe entregaremos em suas mãos; mas não lhe mataremos. Então lhe ataram com dois cordas novas, e lhe fizeram vir da penha. 14 E assim veio até o Lehi, os filisteus saíram gritando a seu encontro; mas o Espírito do Jehová veio sobre ele, e as cordas que estavam em seus braços se voltaram como linho queimado com fogo, e as ataduras caíram de suas mãos. 15 E achando uma queixada de asno fresca ainda, estendeu a mão e tomou, e matou com ela a mil homens. 16 Então Sansón disse: Com a queixada de um asno, um montão, dois montões;

Com a queixada de um asno matei a mil homens. 17 E acabando de falar, jogou de sua mão a queixada, e chamou a aquele lugar

18 E tendo grande sede, clamou logo ao Jehová, e disse: Você deste esta grande salvação por mão de seu servo; e morrerei eu agora de sede, e cairei em mão de os incircuncisos? 19 Então abriu Deus a concha que há no Lehi; e saiu dali água, e ele bebeu, e recuperou seu espírito, e se reanimou. Por isso chamou o nome daquele lugar, Em-hacore, o qual está no Lehi, até hoje. 20 E julgou ao Israel nos dias dos filisteus vinte anos. 1. Ceifa do trigo. Nessa zona a colheita do trigo se realizava desde meados de maio 391 até meados de junho. menciona-se a estação porque o incidente narrado nos vers. 4 e 5 se refere à queimação do grão amadurecido. Um cabrito. Um cabrito pode ter sido o presente acostumado em tal ocasião (ver Gén. 38: 17). O aposento. Quer dizer, a parte da casa onde viviam as mulheres. Embora esta mulher era esposa de outro homem, ainda vivia na casa de seu pai. 2. Aborrecia-a. O pai insistiu em que tinha pensado que Sansón não queria ter nada mais que ver com essa mulher depois de que ela o tinha traído, e por isso a havia dado a outro homem. O pai bem pôde ter pensado que posto que Sansón se tinha ido zangado e não havia tornado, tinha-a abandonado. Irmã menor. Já que o pai tinha aceito a dote, ofereceu ao Sansón uma filha menor. Reconhecia a força do Sansón, e com temor e ansiedade procurou liberar-se de uma situação difícil. Tinha temor do que Sansón fizesse pela injustiça de que tinha sido objeto. 3. Disse-lhe. O hebreu diz "a eles". As antigas versões gregas e latinas corrigem o singular para indicar que Sansón não falava só com pai. Outras pessoas puderam ter estado presentes na habitação, ou as mulheres mesmas talvez puderam ouvi-lo desde seus aposentos, onde estavam comentando animadamente a situação. Sem culpa. Poderia traduzir-se: "Esta vez serei inocente ante os filisteus". Era um momento importante na vida do Sansón. Em circunstâncias comuns poderia haver-se vingado do pai temeroso ou da esposa traidora. Sansón poderia haver pensado que tinham atuado assim para com ele devido à pressão dos

poderia decidir ir à raiz do problema atacando a tirania filistéia em general. Os filisteus tinham provocado os problemas. Por isso Sansón se acreditou sem culpa ao empreender a sério as hostilidades contra eles. 4. Zorras. Heb. shu'alim. usa-se também para designar ao chacal (ver Sal. 63: 10). É provável que Sansón tivesse caçado chacais, porque vivem em matilhas, e são mais fáceis de caçar que as zorras. A essa altura do ano, na época da colheita do trigo (vers. 1), a qual segue a uma larga temporada seca, os campos estariam ressecados. Sem dúvida Sansón levou a cabo seu plano na noite, quando seriam inadvertidas suas ações e não haveria quem apagasse as chamas. 5. Vinhas. Os ramos baixas das videiras e os troncos secos dos olivos arderam facilmente. Possivelmente Sansón não se deu conta cabal das dimensões que alcançaria o incêndio que estava iniciando. Quando se apagaram os fogos, só ficavam quilômetros e quilômetros de campos enegrecidos onde o dia antes tinha existido a promessa de uma rica colheita. 6. E lhes responderam. Provavelmente foram os do Timnat, ou talvez os hebreus mesmos os que informaram que tinha sido Sansón o que acendeu os campos. Sansón não tinha que enfrentar-se só aos filisteus, mas sim também devia disputar com o letargia e a aberta oposição de seu próprio povo que estava disposto a cooperar com os filisteus antes que unir-se com ele para lhes fazer guerra e liberar do jugo estrangeiro. Queimaram-na a ela. Embora os filisteus desafogaram sua ira na mulher e sua família culpados de havê-lo iniciado tudo, pretendiam também insultar ao Sansón. vingaram-se barbaramente destruindo à mulher a quem uma vez ele pretendeu com persistência e com a qual esperava reunir-se outra vez. 7. Já que assim têm feito. Em realidade, Sansón lhes disse que se eles procediam assim, vingando-se covardemente de uma mulher indefesa, ele se vingaria deles. 8. Feriu-os quadril e coxa. Não se conhece a origem desta figura de dicção. Era uma expressão proverbial que significava "inteiramente" ou "completamente". Não se diz a qual grupo de filisteus feriu Sansón, mas com toda probabilidade foram os que queimaram a seu mulher e ao pai dela.

Literalmente, "fenda" ou "fissura" (na ISA. 2: 21 "cavernas"; na ISA. 57: 5 "penhascos"). É provável que se tratasse de uma cova inacessível em um grande farallón. Tal localização explicaria a expressão "descendeu", neste versículo. Etam. desconhece-se o sítio dessa cova. Na Bíblia se mencionam dois lugares que levam o nome Etam: (1) Khirbet o-Khôkh perto de 'Ain 'Atam, ao sul de Presépio e não longe da Tecoa (2 Crón. 11: 6); e (2) um lugar não identificado no sul do Judá nas terras dadas ao Simeón 392 (1 Crón. 4: 32). A cova mencionada aqui não se identificou, entretanto, com nenhum destes lugares. 9. Acamparam no Judá. Sansón era da tribo de Dão, mas essa tribo tinha recebido sua herdade dentro do território da tribo do Judá. Os filisteus, preparados para a batalha, subiram contra os hebreus para vingar do terrível dano causado pelo Sansón. Lehi. Literalmente, "queixada". É provável que esse lugar não tivesse esse nomeie até depois dos acontecimentos relatados nesta passagem (ver com. vers. 19). desconhece-se a localização do Lehi. Os que se localizam ao Etam perto de Presépio, preferem pensar em um lugar próximo a essa cidade, mas os que pensam que Etam estava perto da Zora se localizam ao Lehi no Wadi ets-Tsarâr, perto da Zora e Timnat. 10. por que subistes? É evidente que a tribo do Judá vivia tranqüilamente na servidão. Por isso parecem expressar surpresa quando os atacam os filisteus. Ao fim de conta Sansón não era da tribo do Judá, e eles não tinham mostrado nenhum ressentimento contra os filisteus. A prender ao Sansón. Evidentemente os filisteus não se propunham lutar contra todos os hebreus. Só procuravam o Sansón. Mas também era evidente que haviam trazido suficientes homens para proteger-se de qualquer ataque sorpresivo. 11. Três mil. Os homens do Judá sabiam da proeza do Sansón e possivelmente por essa razão vieram tantos para rodeá-lo e evitar que escapasse. Contudo não se haveriam atrevido a aproximar-se dele se não tivessem estado convencidos de que não feriria seus próprios compatriotas. Não sabe, você? Os homens do Judá repreenderam ao Sansón por haver-se rebelado contra o governo filisteu e por havê-los posto em perigo escondendo-se em seu território. Esta recriminação e a prontidão com a qual se dispunham a entregá-lo

homens tinham sido capitalistas para a guerra, mas agora sua decadência moral tinha-os debilitado. Tinham perdido não só seu relígión, mas também também o ardor patriótico. Quanto não poderiam ter obtido com estes Sansón 3.000 se tivessem sido como os 300 do Gedeón! 12. me jurem. Sansón não tinha medo dos filisteus. Acreditava que Deus ajudaria a defender-se deles quando chegasse o momento oportuno. Mas desconfiava de seus compatriotas, e exigiu que lhe jurassem que não lhe fariam nada para que ele não visse-se obrigado a destrui-los a eles também. 13. Duas cordas novas. Ver cap. 16: 11. Queriam usar as cordas mais fortes possíveis, porque conheciam sua tremenda força. 14. Saíram gritando a seu encontro. Quando chegou ao acampamento filisteu a notícia de que seu inimigo tinha sido aceso e que seus covardes compatriotas o traziam pela força, se enlouqueceram de alegria e correram a seu encontro, ansiosos de vingar-se. 15. Queixada de asno fresca ainda. O osso de um animal que tinha morrido fazia pouco, e que portanto não estava ainda quebradiço. Quando Sansón rompeu as cordas que o atavam, possivelmente olhou rapidamente a sua redor em busca de alguma arma. antes de que seus inimigos pudessem sossegar seus gritos de exultação, ele já estava propinándoles golpes mortais. Os filisteus fugiram aterrados, mas antes de que pudessem escapar à planície aberta, 1.000 deles tinham cansado ante a irresistível força do Sansón. 16. Sansón disse. Tão extraordinária foi a matança, que Sansón a celebrou com um poema de vitória. Em verso o poema seria assim: "Com a queixada de um asno,

um montão, dois montões;

Com a queixada de um asno,

matei a mil homens".

Este poema expressa também um interessante trocadilho, evidente em hebreu mas impossível de traduzir ao castelhano. As palavras que se traduzem "asno" e "montão" têm exatamente o mesmo som. dá-se a transliteración do estribilho para que possa apreciar o efeito: Bilji hajamor

jamor jamoratháyim

Bilji hajamor

hikkethi 'élef 'ish 17. Ramat-lehi. Ou seja, "colina da queixada." 18. Grande sede. Nessa zona o calor é intenso,sobre todo na época da colheita, e a água é escassa. Sem dúvida os esforços do Sansón o tinham deixado quase totalmente exausto. Possivelmente temeu que os filisteus se reagrupassem ou conseguissem reforços e o atacassem logo. Se o encontravam na condição em que estava, não poderia resistir. Mediante 393 estas circunstâncias Deus tratava de ensinar ao Sansón que sem a ajuda divina não poderia libertar ao Israel. Esta grande vitória se deveu à ajuda de Deus. Sansón nem sequer podia valer-se de suas próprias forças para afastar do campo de batalha, e pereceria se Deus não ajudava-o. Clamou logo ao Jehová. Quando se viu em grandes apuros, Sansón recorreu à oração. Só neste momento de crise e em uma situação similar quando estava por morrer (cap. 16: 28) registra-se que Sansón orou a Deus. E nessas ocasiões, o Senhor respondeu sua oração. Que tragédia que sua vida de oração fora tão deficiente! Poderia ter sido um poderoso caudilho espiritual se tivesse tido mais inclinação religiosa. Mas, conforme se registra, só quando temeu que a morte se morava, clamou a Deus, e como resultado foi sempre um pigmeu espiritual. É bom clamar a Deus no dia da aflição, mas é uma lástima que tantas pessoas se olvíden dele durante o resto de seus dias. 19. Concha. Heb. maktesh, "morteiro". Talvez se refira a uma depressão circular cuja forma recordava um morteiro. A respeito de outros casos em que se proporcionou água milagrosamente a quem tinha sede, ver Gén. 21: 18, 19; Exo. 17: 6; ISA. 41: 17, 18. Saiu dali água.

Deus realizou um milagre fazendo que se abrisse o fundo desse oco para que dali brotasse água. Com essa água, Sansón se repôs e pôde retornar imediatamente a sua casa. Em-hacore. "A fonte de que clama". Sansón deu esse nomeie à fonte porque brotou água quando em sua grande necessidade a pediu ao Senhor. 20. Julgou ao Israel. Sansón não governou às 12 tribos, a não ser, por isso pode deduzir-se, só aos hebreus de sua zona. É provável que a gente lhe tivesse concedido as imprecisas prerrogativas que estava disposta a lhe outorgar a um herói militar. Nos dias. Isto parece indicar o período de 40 anos de opressão filistéia (ver pág. 131). Vinte anos. É evidente que este período de 20 anos durante o qual Sansón regeu aos hebreus do sul correspondeu com perto do fim dos 40 anos de opressão de os filisteus, porque Sansón tinha nascido nos primeiros anos de sorte opressão (PP 603). O fato de que os hebreus não se uniram com o Sansón na revolta contra os filisteus mas sim seguiram submissos a eles, sugere que o governo do Sansón pôde haver-se limitado a sua própria e pequena vizinhança (ver cap. 16: 31). COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE 1-20 PP 607, 608 8-15, 20 PP 607 CAPÍTULO 16 1 Sansón escapa da Gaza e se leva as portas da cidade. 4 Dalila, subornada pelos filisteus, engana ao Sansón. 6 Ela é engana três vezes. 15 Por fim o vence. 21 Os filisteus o aprisionam e lhe tiram os olhos. 22 Quando recupera sua força destrói um palácio dos filisteus e morre. 1 FOI Sansón a Gaza, e viu ali a uma mulher rameira, e se chegou a ela. 2 E foi dito aos da Gaza: Sansón veio para cá. E o rodearam, e espreitaram toda aquela noite à porta da cidade; e estiveram calados toda aquela noite, dizendo: Até a luz da manhã; então o mataremos. 3 Mas Sansón dormiu até a meia-noite; e à meia-noite se levantou, e tomando as portas da cidade com seus dois pilares e seu ferrolho, as jogou ao ombro, e se foi e as subiu à cúpula do monte que está diante de Hebrón. 4 depois disto aconteceu que se apaixonou por uma mulher no vale do Sorec, a qual se chamava Dalila. 5 E vieram os príncipes dos filisteus, e lhe disseram: lhe engane e te informe 394 no que consiste seu grande força, e como o poderíamos vencer, para que o atemos e o dominemos; e cada um de nós te dará mil e cem siclos de

6 E Dalila disse ao Sansón: Eu te rogo que me declare no que consiste seu grande força, e como poderá ser pacote para ser dominado. 7 E lhe respondeu Sansón: Se me atarem com sete vimes verdes que ainda não estejam enxutos, então me debilitarei e serei como qualquer dos homens. 8 E os príncipes dos filisteus lhe trouxeram sete vimes verdes que ainda não estavam enxutos, e lhe atou com eles. 9 E ela tinha homens em espreito no aposento. Então lhe disse: Sansón, os filisteus contra ti! E ele rompeu os vimes, como se rompe uma corda de estopa quando toca o fogo; e não se soube o segredo de sua força. 10 Então Dalila disse ao Sansón: Hei aqui você me enganaste, e me há dito mentiras; me descubra, pois, agora, rogo-te, como poderá ser pacote. 11 E lhe disse: Se me atarem fortemente com cordas novas que não se hajam usado, eu me debilitarei, e serei como qualquer dos homens. 12 E Dalila tomou cordas novas, e lhe atou com elas, e lhe disse: Sansón, os filisteus sobre ti! E os espiões estavam no aposento. Mas ele as rompeu de seus braços como um fio. 13 E Dalila disse ao Sansón: até agora me engana, e tráficos comigo com mentiras. me descubra, pois, agora, como poderá ser pacote. O então o disse: Se tecer sete jubas de minha cabeça com o tecido e as assegurar com a estaca. 14 E ela as assegurou com a estaca, e lhe disse: Sansón, os filisteus sobre ti! Mas despertando ele de seu sonho, arrancou a estaca do tear com a tecido. 15 E lhe disse: Como diz: Eu te amo, quando seu coração não está comigo? Já me enganaste três vezes, e não me tem descoberto ainda no que consiste você grande força. 16 E aconteceu que, lhe pressionando ela cada dia com suas palavras e lhe importunando, sua alma foi reduzida a mortal angustia. 17 Lhe descobriu, pois, todo seu coração, e lhe disse: Nunca a minha cabeça chegou navalha; porque sou nazareo de Deus do ventre de minha mãe. Se for rapado, minha força se separará de mim, e me debilitarei e serei como todos os homens. 18 Vendo Dalila que lhe tinha descoberto todo seu coração, enviou a chamar a os principais dos filisteus, dizendo: Venham esta vez, porque ele me há descoberto todo seu coração. E os principais dos filisteus vieram a ela, trazendo em sua mão o dinheiro. 19 E ela fez que ele dormisse sobre seus joelhos, e chamou um homem, quem lhe rapou as sete jubas de sua cabeça; e ela começou a afligi-lo, pois sua força se separou dele. 20 E lhe disse: Sansón, os filisteus sobre ti! E logo que despertou ele de seu sonho, disse-se: Esta vez sairei como as outras e me escaparei. Mas ele não sabia que Jehová já se apartou dele. 21 Mas os filisteus lhe jogaram mão, e lhe tiraram os olhos, e lhe levaram a Gaza; e lhe ataram com cadeias para que moesse no cárcere.

23 Então os principais dos filisteus se juntaram para oferecer sacrifício ao Dagón seu deus e para alegrar-se; e disseram: Nosso deus entregou em nossas mãos ao Sansón nosso inimigo. 24 E vendo-o o povo, elogiaram a seu deus, dizendo: Nosso deus entregou em nossas mãos a nosso inimigo, e ao destruidor de nossa terra, o qual tinha dado morte a muitos de nós. 25 E aconteceu que quando sentiram alegria em seu coração, disseram: Chamem a Sansón, para que nos divirta. E chamaram o Sansón do cárcere, e serve de brinquedo diante deles; e o puseram entre as colunas. 26 Então Sansón disse ao jovem que lhe guiava da mão: me aproxime, e me faça apalpar as colunas sobre as que descansa a casa, para que me apóie sobre elas. 27 E a casa estava cheia de homens e mulheres, e todos os principais dos filisteus estavam ali; e no piso alto havia como três mil homens e mulheres, que estavam olhando o escárnio do Sansón. 28 Então clamou Sansón ao Jehová, e disse: Senhor Jehová, te lembre agora de mim, e me fortaleça, rogo-te, está acostumado a esta vez, OH Deus, para que de uma vez tome vingança dos filisteus por meus dois olhos. 395 29 Agarrou logo Sansón as duas colunas de no meio, sobre as que descansava a casa, e jogou todo seu peso sobre elas, sua mão direita sobre uma e sua mão esquerda sobre a outra. 30 E disse Sansón: Mora eu com os filisteus. Então se inclinou com toda seu força, e caiu a casa sobre os principais, e sobre tudo o povo que estava nela. E os que matou ao morrer foram muitos mais que os que tinha matado durante sua vida. 31 E descenderam seus irmãos e toda a casa de seu pai, e tomaram, e o levaram, e lhe sepultaram entre a Zora e Estaol, no sepulcro de seu pai Manoa. E ele julgou ao Israel vinte anos. 1. Gaza. Esta era a maior e mais meridional das cidades filistéias. Era um centro importante porque ali convergiam o caminho que chegava do Egito e as rotas das caravanas que vinham do deserto. Estava a 48 km da zona onde tinham acontecido as outras aventuras do Sansón. Este confiou em seu grande força, a que tinha causado tanto temor aos filisteus, e se aventurou a chegar ao mesmo coração do território inimigo. Uma mulher rameira. Pareceria que Sansón tinha perdido quase por completo os princípios morais. Pelo menos, de contínuo permitia que seus desejos impulsivos triunfassem sobre eles. Um passo equivocado levava a seguinte. Sansón tinha cometido seu primeiro engano ao escolher más companhias em sua juventude. O resultado trágico foi seu matrimônio com a mulher filistéia. Depois foi descendendo mais e mais em a escala de valores morais. 2. E foi dito.

Esta frase falta no hebreu original, mas aparece nas mais antigas versões. Completa o sentido da passagem. Sansón veio para cá. A ousadia do Sansón pode havê-lo induzido a não tentar encobrir sua identidade nem sua presença. Os filisteus estavam ansiosos de vingar-se, e não demoraram para formular planos para prender ao que presidia a oposição dos hebreus. Rodearam-no. Possivelmente não sabiam em que casa estava. De qualquer modo, estavam fechadas as portas dessa cidade tão fortificada, e os filisteus se sentiam seguros de seu presa. 3. À meia-noite se levantou. Com remorso de consciência (PP 609) Sansón se levantou a meia-noite. Talvez suspeitou que o tinha reconhecido e quis sair enquanto as ruas estivessem desertas. Encontrou as portas fechadas. Os muros da cidade eram muito altos para escalá-los. Interviria Deus para liberá-lo a pesar do grande pecado que tinha cometido? Tomando as portas. Deus não tinha abandonado ainda ao Sansón. Não se diz se os guardas estavam dormidos, ou se se tinham ausentado por uns momentos, nem tampouco se ofereceram resistência. Sansón tomou a barra com a qual estavam travadas as portas, e desdobrando sua magnífica força arrancou até os dois postes ou "pilares" sobre os quais giravam essas portas. O hebreu diz literalmente que "arrancou" as portas. "Arrancou-as junto com a barra" (BJ). As jogou ao ombro. Sansón se levou tudo junto: as portas com toda sua armação. diante do Hebrón. Hebrón fica a 60 km da Gaza. Entretanto, não se afirma que Sansón, com as portas ao ombro, andou até chegar ao Hebrón. Só se diz que as deixou sobre um monte no caminho para o Hebrón. 4. Vale do Sorec. Vale onde estava Zora, a cidade do Sansón. acredita-se que este vale seria o que hoje se conhece como Wadi ets-Tsarâr, no qual se encontram ruínas chamadas Sãr§k, as que possivelmente corresponderiam com a antiga Sorec. A aldeia do Sorec estava a 3 km da Zora. Dalila. Embora nada se diz em forma específica, pensa-se que era filistéia. Mas outros pensaram que não podia ser filistéia, pois de sê-lo não a haveriam subornado para que entregasse ao Sansón, mas sim a teriam ameaçado como o fizeram com a mulher do Sansón (cap. 14: 15). 5.

Os príncipes dos filisteus. Possivelmente os cinco principais governantes dos filisteus (ver com. cap. 3: 3) uniram-se neste esforço para obter mediante suborno o que não haviam podido fazer pela força das armas. No que consiste seu grande força. Embora Sansón deve haver poseído um corpo muito desenvolvido, os filisteus se deram conta de que sua força ultrapassava em grande medida o 396 que se esperaria simplesmente de um homem muito forte. imaginavam que devia possuir algum talismã mágico que era o segredo de sua força. Talvez em algum momento Sansón se tinha gabado de que seu grande força se devia a algum recurso secreto. Atemo-lo. Os filisteus odiavam muito ao Sansón para matá-lo. Se assim o fizessem o sofrimento dele e a alegria deles durariam pouco. Queriam mantê-lo em cadeias para ridicularizá-lo e burlar-se dele. Mil e cem siclos de prata. Segundo o costume da época, isto se pagava em barras de prata, cada uma de as quais pesava um siclo (aproximadamente 11,4 g). Segundo esta passagem, eram cinco os príncipes dos filisteus que se comprometiam a lhe pagar a Dalila 1.100 siclos de prata cada um por obter que Sansón revelasse o segredo de seu força sobrenatural. Tendo em conta o valor do dinheiro nessa época, esse era um suborno enorme. Mostra quão ansiosos estavam os filisteus de capturar ao Sansón. Esta soma equivale ao preço de 275 escravos, se se tomarem como base os 20 siclos que pagaram os madianitas pelo José (Gén. 37: 28). 6. Como poderá ser pacote. Sansón tem que ter suspeitado a razão pela qual Dalila lhe perguntava. Daí que lhe mentisse quanto ao secreto de sua força. 7. Sete. pensava-se que este número tinha um poder especial. É de notar que o cabelo do Sansón, última evidência de sua consagração a Deus, estava dividido em sete jubas (vers. 13). Possivelmente já estava revelando inconscientemente parte de seu secreto. Vimes. Melhor, "cordas de arco ainda frescas, sem as deixar secar" (BJ). A palavra hebréia em questão se usa para referir-se às cordas de arcos e as cordas que sustentam as lojas. É provável que fossem as cordas feitas de tripa ou tendão de algum animal. Verdes. Heb. laj, "úmido", "fresco", "verde". O sentido depende do objeto ao qual qualifica. Como qualquer dos homens.

8. Lhe atou. Sem dúvida, enquanto o atava seguiu lhe falando, fazendo como que tudo era uma costure sem importância. 9. Homens em espreita. O hebreu usa o singular, mas é provável que deva entender-se em sentido coletivo como no Juec. 20:37; Jos. 8: 14. Alguns puseram em dúvida que Dalila tivesse podido ocultar a mais de um espião sem que Sansón se desse conta, mas isto é duvidoso. Os filisteus contra ti! Não se diz se os homens saíram de um esconderijo quando ela gritou, mas ao menos as circunstâncias foram tais como para que Sansón recebesse a mais clara evidência de que os filisteus estavam conjurados com a Dalila (ver PP 610). Estopa. As fibras de linho que não se usavam para fazer tecido por sua debilidade. Se as usava para acender o fogo. 10. Dalila disse. Não é necessário inferir que Dalila fizesse imediatamente o segundo tento por conhecer o segredo. Sem dúvida esperou alguns dias até que as suspeitas do Sansón se acalmaram. Mas logo que teve o que o pareceu um momento oportuno, queixo-se da falta de bondade dele ao não lhe contar seu segredo. 11. Cordas novas. Outros já tinham tentado atá-lo com cordas novas, mas não tinham tido êxito (cap. 15: 13, 14). Ao especificar que se deviam usar cordas novas que não tivessem sido usadas nem destinadas a outro propósito, Sansón poderia haver-se referido remotamente a seu segredo: sua consagração a Deus como nazareo. Dalila esperava que nesta nova revelação Sansón não a teria enganado. Com toda astúcia o atou novamente, mas Sansón rompeu as cordas como se houvessem sido fios. Possivelmente mediante estes enganos Sansón esperava terminar com as indagações da Dalila. Mas, recordando sempre a enorme soma que lhe haviam prometido, ela não estava disposta a dar-se por vencida com tanta facilidade. E Sansón, cuja enorme força o fazia muito crédulo, estava-se entregando mais e mais nas mãos da sedutora. 13. Com o tecido. Com insensatez e obscenidade quase incríveis, Sansón quase chega a divulgar agora

cabelo com o tecido que está fazendo no tear. Sem dúvida o lisonjeou elogiando sua força varonil, e manifestando uma curiosidade própria de uma amante, insidiosamente lhe pergunto de novo o segredo de sua força. Sansón lhe deu pouca importância, e lhe sugeriu que se lhe entretecia o cabelo com a trama de seu tecido, não teria força para livrar-se. 14. Assegurou com a estaca. Literalmente, 397 "golpeou com a estaca". Isto parece que fora a expressão técnica que se refere à ação de afirmar a trama com a "cavilha do tecedor" (BJ). Esta "estaca" ou "cavilha" sem dúvida era a lançadeira, como se desprende do versículo seguinte. Arrancou. Quando quis desfazer do tear ao qual tinha o cabelo firmemente fixado, fez pedaços o tear, e possivelmente partiu airadamente, levando-a lançadeira, partes do tecido e pedaços do tear. 15. Lhe disse. Outra vez pode ter transcorrido algum tempo. Se o episódio anterior ocasionou uma ruptura temporária de relações, Sansón se acalmou e esteve disposto a voltar para a Dalila. Sem dúvida ela seguiu insistindo que não a movia nenhum motivo especial para descobrir seu segredo, mas usou o pretexto de que ele não se tinha-o revelado como uma recriminação de que não a amava. Insistiu que em lugar de amá-la, como ele afirmava, estava-se burlando dela. E assim foi vencendo sua oposição a lhe revelar a verdade a respeito de seu grande força. 17. O declarou. A narração dá a impressão de que Sansón era incrivelmente insensato. Em qualquer momento pôde ter posto fim às averiguações da Dalila com apenas deixá-la e voltar-se para sua casa. Mas o principal defeito do Sansón não era tanto seu necedad como sua paixão sensual. Na ruína e a vergonha que o causou esta tendência sensual, e na forma em que, pouco a pouco, levou-o a perder o milagroso dom divino da força sobrenatural, está a principal moral do relato. Três vezes tinha provado seu enorme força. Na quarta ocasião demonstrou sua imensa insensatez. Deus se tinha proposto dar ao Sansón um nobre destino, mas sua debilidade de dar à complacência sexual o primeiro lugar em seu pensamento estragou o plano divino para sua vida, e finalmente levou-o a um fim ignominioso. 18. Vendo Dalila. Sansón não chegou até o ponto de revelar o grande secreto sem sentir certo temor e vergonha. Imediatamente Dalila se deu conta de que ao fim havia conseguido saber o segredo, e enviou em seguida a procurar os governantes dos filisteus, com a certeza de que poderia entregar ao Sansón e receber sua generosa recompensa. 19.

Quer dizer, maltratá-lo e lhe causar dor. 20. Escaparei-me. "Desembaraçarei-me" (BJ). Heb, "sacudirei-me para me liberar". devido a esta frase, muitos pensaram que além de lhe cortar o cabelo, Dalila poderia ter pacote ao Sansón. Mas o contexto não o indica com claridade. Os filisteus quereriam ter alguma evidência de que verdadeiramente sua força o tinha abandonado antes de atrever-se a lhe fazer frente, mas sua reação ante as aflições da Dalila (vers. 19) proporcionou-lhes a prova. Jehová já se atou. Muitas vezes Sansón tinha violado seus votos de nazareato tomando vinho e poluindo-se de outros modos (PP 609); mas, apesar de tudo, por haver conservado o cabelo comprido demonstrava que tinha algum interesse em manter seu consagração ao serviço de Deus. No cabelo mesmo não havia virtude, mas já que era um sinal de sua lealdade a Deus, que fora sacrificado ante o capricho de uma mulher sem princípios, fez que Deus lhe retirasse o dom da força sobrenatural. Deus tinha tolerado durante muito tempo a insensatez de Sansón, mas quando quebrantou do todo seu voto, o Senhor lhe retirou sua bênção e amparo. 21. Tiraram-lhe os olhos. Um castigo bem merecido. O profano desejo do Sansón de contemplar a formosura de mulheres ímpias o tinha levado de uma experiência pecaminosa a outra, e ao fim tinha sido a causa imediata de que fora capturado pelos filisteus. Estes decidiram não matar ao Sansón, evidentemente a fim de adular sua vaidade pela grande façanha realizada. Entretanto, temiam que em qualquer momento Sansón pudesse recuperar sua tremenda força. Para evitar esse perigo, tiraram-lhe os olhos, provavelmente queimando-lhe com um ferro quente ou perfurando-lhe com algum instrumento agudo. Na antigüidade se usavam os dois métodos. Para que moesse. Obrigaram-no a fazer girar um pesado moinho, talvez dos que estavam acostumados a fazer funcionar com bois ou asnos. 22. Começou a crescer. Sansón reconheceu que tinha sido uma loucura revelar seu segredo e permitir que se cortasse-lhe o cabelo. Renovou sua consagração a Deus. devido a essa resolução, Deus começou a lhe devolver a força. 23. Oferecer sacrifício. Esses sacrifícios pelo general foram acompanhados de um grande festejo ou celebração. Ao Dagón.

É pouco o que se sabe deste deus. explicou-se de diversas maneiras o significado do nome. Alguns o têm feito 398 derivar da palavra hebréia e cananea dagan, que significa "grão". Em tal caso, Dagón seria um dos tantos deuses da agricultura na Palestina. Mas o nome pode derivar-se também da palavra dag, "peixe". Ambas as explicações são muito antigas. O feito de que se desenterraram moedas na cidade filistéia do Ascalón que levam a imagem de um deus metade homem e metade peixe nos leva a aceitar a segunda explicação (ver PP 611). Em 1 Sam. 5: 4 se mencionam a cabeça e as mãos do Dagón. Nosso deus entregou. A maior parte das nações antigas atribuíam suas vitórias ao poder de seu deus nacional. 24. Vendo-o o povo. É possível que ao Sansón o tivessem exibido no moinho onde estava trabalhando, ou que se permitiu que a gente o visse na prisão, para que todos pudessem contemplar de perto a seu odiado inimigo. Dizendo. Em hebreu o que segue é uma composição de quatro versos, cujos finais rimam entre si. 25. Chamem o Sansón. Quer dizer, que o trouxessem do cárcere ao grande salão que formava parte do templo, onde todos os reunidos pudessem vê-lo. Para que nos divirta. Isto não significa necessariamente que Sansón tivesse que servir de palhaço, a não ser que a presença de seu capitalista inimigo, agora cego e em cadeias, provocaria risada e mofas. 26. As colunas. Este edifício possivelmente era um salão ou um pórtico de teto plano apoiado em colunas que formava parte do templo. 27. Os principais dos filisteus. Os governantes dos cinco distritos filisteus que tinham subornado a Dalila para que traísse ao Sansón (ver com. vers. 5). Piso alto. Essas 3.000 pessoas tinham procurado um bom lugar no piso alto ("terrado" BJ) de onde pudessem olhar melhor ao Sansón que era atormentado diante da multidão. Se se derrubavam várias colunas, este peso adicional certamente faria cair o teto ou "piso alto".

No hebreu as palavras que se traduzem "homens e mulheres" não são as mesmas nos dois casos. Pode entender-se que havia uma distinção de classes: os que estavam na planta baixa eram os nobres que se sentavam com "os principais"; no piso alto, estava a gente comum. 28. Senhor Jehová, . . . OH Deus. Nesta passagem Sansón usou três nomes diferentes para dirigir-se a Deus: 'Adonai, Yahweh e 'Elohim (ver T. I, págs. 39 e 179). Esta é a segunda vez em que o autor de Juizes menciona que Sansón orou. Não necessariamente se deve chegar à conclusão de que estas foram as únicas vezes que o fez, mas se tivesse cultivado mais o hábito de orar, poderia haver-se economizado esta vergonha e humilhação, e sua vida teria completo o grande destino que Deus tinha para ele. Desde uma vez tome vingança. Alguns traduzem esta passagem para dar a entender que Sansón pedia tomar vingança por um de seus dois olhos. Supõem que Sansón morreu com uma expressão de humor tétrico nos lábios, muito de acordo com sua anterior maneira liviana de proceder. Segundo esta tradução, embora se dava conta de que ao fazer cair o piso alto causaria uma grande catástrofe, isto não bastaria para compensar a perda de sua vista, mas sim para vingar-se por um olho. Embora esta tradução é possível, a que aparece na RVR e a BJ, ou a tradução mais literal que se dá na LXX, a Vulgata e a siriaca: "Eu pagarei uma recompensa", é também correta, e parece concordar melhor com o contexto. Já que as amargas experiências de sua humilhação tinham levado ao Sansón ao arrependimento, parece muito mais provável que tivesse morrido pensando com seriedade, procurando redimir nos últimos momentos de sua vida as oportunidades que tinha desprezado. As brincadeiras que atribuíam a vitória dos filisteus ao deus pagão Dagón, podem havê-lo impulsionado a vindicar o nome do Deus de Israel sobre o qual ele mesmo tinha conduzido tanta desonra. 30. Mora eu. O hebreu diz: "Mora minha alma". Muitas vezes se usa a palavra "alma" para representar ao "eu" (Gén. 12: 13; 27: 25; 1 Sam. 18: 1; Sal. 25: 20; etc.). A tradução da RVR e BJ é correta. A pessoa é quem morre, não só o corpo. A designação "alma" assinala ao homem como um "ser" ou "indivíduo" único. inclinou-se. Sansón provavelmente rodeou com os braços as duas colunas centrais, e as juntou, jogando sobre elas todo seu peso além da força de seus braços. Assim pôde as haver arrancado de sua base ou do apoio superior, ou as haver partido por a metade. Sem as duas colunas centrais, o teto começou a 399 afundar-se, fazendo possivelmente que as outras colunas cedessem e ficasse assim esmagada a multidão reunida na planta baixa, enquanto lançava à morte aos que estavam na planta alta. Os que matou ao morrer. Este foi o momento cúpula da luta do Sansón contra os filisteus. Quando morreu, deu morte a mais filisteus e a pessoas mais importantes -porque entre eles estavam os principais- que os que tinha morrido em vida.

31. Seus irmãos. Esta é a única indicação de que Sansón teve irmãos. Pode referir-se esta expressão a seus parentes mais próximos, embora, como Ana, Manoa e sua esposa puderam ter tido outros filhos depois do nascimento do Sansón. Eles, e possivelmente o resto dos familiares do Sansón por parte de seu pai, foram a Gaza ao inteirar-se de sua morte, e levaram o corpo a sua aldeia natal, onde o enterraram no sepulcro de seu pai. É possível que para esta data Manoa e sua esposa tivessem estado mortos, pois todo o tempo da luta do Sansón contra os filisteus tinha durado 20 anos (ver cap. 15: 20). Os familiares de Sansón não se uniram a ele em sua luta contra os filisteus, e possivelmente por esta razão lhes permitiu levar o corpo para enterrá-lo. Note-se por contraste a atitude dos filisteus em relação com o corpo do Saúl (1 Sam. 31: 10-13). COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE 1-31 PP 609-613 1-6, 15 PP 609 16-22 PP 610 23-26, 28-31 PP 611 CAPÍTULO 17 1 Com o dinheiro que Micaía tinha roubado e logo devolvido, sua mãe faz imagens, 5 e ele as decora. 7 Empreitada a um levita para que seja seu sacerdote privado. 1 HOUVE um homem do monte do Efraín, que se chamava Micaía, 2 o qual disse a sua mãe: Os mil e cem siclos de prata que lhe foram furtados, aproxima e os quais amaldiçoou, e dos quais me falou, hei aqui o dinheiro está em meu poder; eu tomei. Então a mãe disse: Bendito seja do Jehová, meu filho. 3 E ele devolveu os mil e cem siclos de prata a sua mãe; e sua mãe disse: Em verdade dediquei o dinheiro ao Jehová por meu filho, para fazer uma imagem de talha e uma de fundição; agora, pois, eu lhe devolvo isso. 4 Mas ele devolveu o dinheiro a sua mãe, e tomou sua mãe duzentos siclos de prata e os deu ao fundidor, quem fez deles uma imagem de talha e uma de fundição, a qual foi posta na casa da Micaía. 5 E este homem Micaía teve casa de deuses, e fez efod e terafines, e consagrou a um de seus filhos para que fora seu sacerdote. 6 Naqueles dias não havia rei no Israel; cada um fazia o que bem o parecia. 7 E havia um jovem em Presépio do Judá, da tribo do Judá, o qual era levita, e forasteiro ali. 8 Este homem partiu da cidade de Presépio do Judá para ir viver onde pudesse encontrar lugar; e chegando em seu caminho ao monte do Efraín, veio a casa da Micaía.

do Judá, e vou viver onde possa encontrar lugar. 10 Então Micaía lhe disse: Fica em minha casa, e será para mim pai e sacerdote; e eu te darei dez siclos de prata por ano, vestidos e comida. E o levita ficou. 11 Agradou, pois, ao levita morar com aquele homem, e foi para ele como um de seus filhos. 12 E Micaía consagrou ao levita, e aquele 400 jovem lhe servia de sacerdote, e permaneceu em casa da Micaía. 13 E Micaía disse: Agora sei que Jehová me prosperará, porque tenho um levita por sacerdote. 1. Monte do Efraín. Ver com. caps. 2: 9 e 3: 27. Não se define com precisão a localização do lar da Micaía. Se insinúa que estava em algum lugar com o passar do caminho que atravessava as montanhas do centro da Palestina no território do Efraín. Micaía. Heb. mikayehu. Esta forma do nome aparece só aqui e no vers. 4. As outras vezes que se repete o nome neste relato, usa-se a forma curta mikah. O nome completo significa, "quem é como Deus [Yahweh]", enquanto que a abreviatura significa "quem é como". Começando com o cap. 17, o resto do livro de Juizes se compõe de dois apêndices do que se relatou nos capítulos anteriores. Até este ponto na narração do livro de Juizes os sucessos giraram em volto da apostasia, a opressão e a liberação. Os últimos cinco capítulos registram dois acontecimentos ocorridos em tempos de juizes anteriores. relatam-se para mostrar o estado de anarquia lhe reinem durante essa época. Os capítulos 17 e 18 apresentam feitos da vida da Micaía e relatam a migração de uma parte da tribo de Dão desde seu território atribuído entre o mar e a fronteira sul do Efraín, até a parte norte da Palestina adjacente ao território do Neftalí. O relato se divide em três partes: (1) a origem da idolatria da Micaía (cap. 17: 1-6), (2) como um levita renegado chegou a ser sacerdote desse culto idolátrico (cap. 17: 7-13), (3) e como a imagem foi levada a Dão junto com a migração de parte dessa tribo. Os acontecimentos que aqui se descrevem possivelmente aconteceram durante o tempo de os anciões que seguiram ao Josué (cap. 2: 6-10; ver com. cap. 18: 29). 2. Mil e cem siclos. Sobre "siclo", veja-se T. I deste Comentário, págs. 172-178. Amaldiçoou. Quando a mãe, que indubitavelmente era uma viúva rico que vivia com seu filho, descobriu que lhe tinham furtado a prata, amaldiçoou terrivelmente o dinheiro e ao que o tinha tomado, sem sonhar possivelmente que seu próprio filho Micaía era o ladrão. Ao amaldiçoar a prata é possível que tivesse mencionado, como o fez no vers. 3, que a tinha destinado para fazer uma imagem, com o que proibia seu uso para outros fins. Nesta forma o ladrão não poderia usá-la, de

invocava. Dos quais me falou. Micaía ouviu a terrível imprecação contra o ladrão e talvez se turvou ao ponto. Nesses tempos se acreditava que o poder de uma maldição era muito grande e real. Eu tomei. É possível que a confissão da Micaía pudesse haver-se feito com a esperança de aliviar sua consciência e evitar o efeito antecipado da maldição. Bendito seja. Os antigos acreditavam que uma maldição não podia retirar-se; não obstante, é possível que a mãe da Micaía tivesse tentado evitar seus efeitos neutralizando-a com uma bênção. 3. dediquei o dinheiro. A veemência de sua maldição se devia a que tinha prometido esse dinheiro "a Jehová". Entretanto, não fica claro se ela disse que acabava de consagrá-lo, em agradecimento por sua devolução, ou se o tinha consagrado antes de que o fosse roubado. Os dois sentidos são possíveis. Ao Jehová. Isto indicaria que esta mãe e seu filho adoravam ao Deus dos hebreus. Mas seu culto se degradou, como tinha ocorrido com o de outros israelitas, até o ponto de que fizeram imagens esculpidas diante do Senhor em direta violação do segundo mandamento. Uma imagem de talha. Não é claro se pésel ("imagem de talha") e massekah ("imagem de fundição") representam duas imagens diferentes, ou uma só imagem de prata adornada com ornamentos esculpidos. Muitas vezes se esculpia uma imagem de algum metal inferior e se a recubría com um metal mais precioso. encontrou-se uma imagem tal de um deus na cidade do Meguido, na Palestina, e está agora no museu do Instituto de Estudos Orientais da Universidade de Chicago. Sem embargo, a passagem do cap. 18: 17 pareceria indicar que se tratava de dois imagens. Nessa passagem, as duas palavras estão separadas de tal maneira que dificilmente possa entender-se que a segunda é uma explicação da primeira. Mas, outra vez no cap. 18: 20, 30, só aparece uma imagem. 401 5. Casa de deuses. O hebreu pode também traduzir-se "casa de Deus" (ver cap. 18: 31; também está assim na BJ), o qual significaria que Micaía levantou um santuário particular. Efod. Ver a descrição do efod que aparece em com. Juec. 8: 27; Exo. 28: 6. O sacerdote tinha posto o efod quando consultava a Deus.

Estes eram os ídolos familiares (Gén. 31: 19, 34 [Heb. terafim] etc; ver com. Gén. 31: 19). Também os consultava nos oráculos (Eze. 21: 21; Zac.10: 2). Alguns deles parecem ter tido forma humana (1 Sam. 19: 13-17). Consagrou. A frase hebréia que assim se traduz significa literalmente "encheu a mão". A expressão pôde haver-se originado pelo costume de encher as mãos dos sacerdotes recém consagrados com porções do sacrifício. Um de seus filhos. Micaía tinha apostatado em forma tão completa que não só se fez uma imagem e um santuário particular, mas sim chegou a investir a um de seus filhos como sacerdote desse santuário. Cada uma dessas ações era uma violação direta dos requerimentos da lei do Moisés. 6. Não havia rei. Tampouco havia outra forma reconhecida de governo nacional. A fidelidade a seu Rei invisível lhe teria proporcionado ao Israel unidade nacional, segurança contra a invasão, e teria impedido que fora servo de seus vizinhos pagãos. O que bem lhe parecia. A anarquia prevalecia. A força era o direito, e os homens se deixavam guiar por seus caprichos e não pelas instruções das leis de Deus. Aos israelitas lhes tinha advertido que não deviam governar-se por tal filosofia de a vida (Deut. 12: 8). O autor pôs estas palavras em seu relato para explicar como podiam ocorrer tais violações da lei do Moisés sem que ninguém as refreasse nem castigasse. Esta frase pareceria indicar que o autor do livro de Juizes escreveu durante o reinado de um rei forte que reprimiu a ilegalidade em diversas partes de seu reino. 7. Havia um jovem. Embora pareça estranho, este levita apóstata era provavelmente neto do Moisés (ver com. cap. 18: 30). Presépio do Judá. A chamava assim para distinguir a de Presépio do Zabulón (Jos. 19: 15; ver com. Juec. 12: 8). Levita. Não se diz como podia ser levita e de uma vez membro da família do Judá. Seu mãe pôde ter sido de uma tribo e seu pai da outra. É possível que em essa época Presépio do Judá tivesse sido um centro levítico (ver vers. 8; cap. 19: 1, 18), embora essa cidade não aparece entre as que se deram aos levita segundo Jos. 21: 4-41. Forasteiro. Um "forasteiro residente" estabelecido ali em forma temporária.

Onde pudesse encontrar lugar. Por causa da apostasia prevalecente, os israelitas não mantinham aos levita com seus dízimos como deviam fazê-lo. Posto que os levita não haviam recebido território como as outras tribos, não podiam ganhá-la vida com seus campos. Este levita evidentemente andava em busca de emprego e lugar onde viver. 10. Pai. Este era um título de respeito dado aos profetas e a outros magistrados distinguidos (Gén. 45: 8; 2 Rei. 2: 12; 5: 13; 6: 21; etc.). Dez siclos. O dinheiro que receberia em efetivo cada ano era pouco, mas além Micaía o daria vestido, comida e alojamento 12. Consagrou. Ao investir a este levita como sacerdote, é provável que Micaía houvesse relevado dessa posição a seu filho (ver vers. 5). 13. Porque tenho. Micaía considerava que tinha tido boa sorte ao conseguir um levita que provavelmente se tinha preparado nos deveres próprios dos sacerdotes para que oficiasse em seu santuário privado. Tinha consagrado a seu filho só por necessidade, mas agora se alegrava de ter a um sacerdote profissional ao menos uma pessoa que originalmente tinha sido chamada para o serviço do santuário para que desempenhasse esse posto em sua casa. A presença do levita lhe dava a segurança de que como resultado de seu ministério, Jehová o prosperaria em tudo quanto fizesse. Não podemos a não ser nos compadecer da Micaía pelo desejo que sentia de obter a bênção de Deus. Mas estava violando, ao parecer inconscientemente, os regulamentos de Deus quanto ao método de seu culto. COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE 6 IT 316 402 CAPÍTULO 18 1 A tribo de Dão envia a cinco homens em busca de uma herdade. 3 Na casa da Micaía consultam com o Jonatán e recebem palavras de ânimo. 7 Exploram a cidade do Lais e voltam com boas notícias. 11 Enviam a seiscentos homens a surpreender a cidade. 14 Durante a viagem roubam a Micaia seu sacerdote e seus coisas consagradas 27 Vencem a cidade do Lais e a chamam Dão. 30 Estabelecem a idolatria, e Jonatán e seus descendentes atuam como sacerdotes. 1 NAQUELES dias não havia rei no Israel. E naqueles dias a tribo de Dão procurava posse para si onde habitar, porque até então não tinha tido posse entre as tribos do Israel. 2 E os filhos de Dão enviaram de sua tribo cinco homens de entre eles, homens

e lhes disseram: Vão e reconheçam a terra. Estes vieram ao monte do Efraín, até a casa da Micaía, e ali posaram. 3 Quando estavam perto da casa da Micaía, reconheceram a voz do jovem levita; e chegando lá, disseram-lhe: Quem te trouxe para cá? e o que faz aqui? e o que tem você por aqui? 4 O lhes respondeu: Desta e desta maneira tem feito comigo Micaía, e me há tomado para que seja seu sacerdote. 5 E eles lhe disseram: Pergunta, pois, agora a Deus, para que saibamos se tiver que prosperar esta viagem que fazemos. 6 E o sacerdote lhes respondeu: Vão em paz; diante do Jehová está seu caminho em que andam. 7 Então aqueles cinco homens saíram, e vieram ao Lais; e viram que o povo que habitava nela estava seguro, ocioso e crédulo, conforme à costume dos do Sidón, sem que ninguém naquela região lhes perturbasse em coisa alguma, nem havia quem possuísse o reino. E estavam longe dos sidonios, e não tinham negócios com ninguém. 8 Voltando, pois, eles a seus irmãos na Zora e Estaol, seus irmãos os disseram: O que há? E eles responderam: 9 Lhes levante, subamos contra eles; porque nós exploramos a região, e vimos que é muito boa; e vós não farão nada? Não sejam preguiçosos em lhes pôr em marcha para ir tomar posse da terra. 10 Quando forem, chegarão a um povo crédulo e a uma terra muito espaçosa, pois Deus a entregou em suas mãos; lugar onde não há falta de coisa alguma que haja na terra. 11 Então saíram dali, da Zora e do Estaol, seiscentos homens da família de Dão, armados de armas de guerra. 12 Foram e acamparam no Quiriat-jearim no Judá, pelo qual chamaram a aquele lugar o acampamento de Dão, até hoje; está ao ocidente do Quiriat-jearim 13 E dali passaram ao monte do Efraín, e vieram até a casa da Micaía 14 Então aqueles cinco homens que tinham ido reconhecer a terra do Lais disseram a seus irmãos: Não sabem que nestas casas há efod e terafines, e uma imagem de talha e uma de fundição? Olhem, portanto, o que têm que fazer. 15 Quando chegaram lá, vieram à casa do jovem levita, em casa de Micaía, e lhe perguntaram como estava. 16 E os seiscentos homens, que eram dos filhos de Dão, estavam armados de suas armas de guerra à entrada da porta. 17 E subindo os cinco homens que tinham ido reconhecer a terra, entraram lá e tomaram a imagem de talha, o efod, os terafines e a imagem de fundição, enquanto estava o sacerdote à entrada da porta com os seiscentos homens armados de armas de guerra. 18 Entrando, pois, aqueles na casa da Micaía, tomaram a imagem de talha, o efod, os terafines e a imagem de fundição. E o sacerdote lhes disse: O que fazem vós?

nós, para que seja nosso pai e sacerdote. É melhor que você seja sacerdote em casa de um só homem, que de uma tribo e família do Israel? 20 E se alegrou o coração do sacerdote, o 403 qual tomou o efod e os terafines e a imagem, e se foi no meio do povo. 21 E eles se voltaram e partiram, e puseram os meninos, o gado e o bagagem por diante. 22 Quando já se afastaram da casa da Micaía, os homens que habitavam nas casas próximas à casa da Micaía se juntaram e seguiram aos filhos de Dão. 23 E dando vozes aos de Dão, estes voltaram seus rostos, e disseram a Micaía: O que tem, que juntaste gente? 24 O respondeu: Tomaram meus deuses que eu fiz e ao sacerdote, e vão; que mais fica? por que, pois, dizem-me: O que tem? 25 E os filhos de Dão lhe disseram: Não dê vozes atrás de nós, não seja que os de ânimo colérico lhes ataquem, e perca também sua vida e a vida dos teus. 26 E prosseguiram os filhos de Dão seu caminho, e Micaía, vendo que eram mais fortes que ele, voltou e retornou a sua casa. 27 E eles, levando as coisas que tinha feito Micaía, junto com o sacerdote que tinha, chegaram ao Lais, ao povo tranqüilo e crédulo; e os feriram fio de espada, e queimaram a cidade. 28 E não houve quem os defendesse, porque estavam longe do Sidón, e não tinham negócios com ninguém. E a cidade estava no vale que há junto ao Bet-rehob. Logo reedificaron a cidade, e habitaram nela. 29 E chamaram o nome daquela cidade Dão, conforme no nome de Dão seu pai, filho do Israel, bem que antes se chamava a cidade Lais. 30 E os filhos de Dão levantaram para si a imagem de talha; e Jonatán filho de Gersón, filho do Moisés, ele e seus filhos foram sacerdotes na tribo de Dão, até o dia do cativeiro da terra. 31 Assim tiveram levantada entre eles a imagem de talha que Micaía havia feito, todo o tempo que a casa de Deus esteve em Silo. 1. Não havia rei no Israel. É provável que o autor tivesse querido explicar que o ato ímpio dos filhos de Dão se deveu à ausência da autoridade de um rei que fizesse respeitar a lei e a ordem. Até então. O território que lhe tinha sido atribuído a Dão estava nos planos entre os Montes e o mar, mas os de Dão não tinham sido capazes de arrebatar-lhe aos habitantes do lugar. Os cananeos os tinham obrigado a retirar-se de novo ao território montanhoso (cap. 1: 34). 2. De entre eles.

Literalmente, "de suas fronteiras", quer dizer de todas partes de seu território ou de todas suas aldeias. A delegação parece ter representado a todas as partes da tribo. Da Zora. Ver com. cap. 13: 2, 25. Para que reconhecessem. Não viam nenhuma perspectiva de poder conquistar o território que lhes havia meio doido em sorte. Por isso enviaram a alguns de sua tribo para que procurassem um lugar onde pudessem estabelecer-se com menos dificuldade. Ao fazer isto, se estavam opondo ao plano original de Deus que lhes tinha dado sua herdade dentro da herdade do Judá. A confiança em Deus os teria capacitado para expulsar aos habitantes do país. A migração para o norte constituiu uma clara admissão de que não estavam dispostos a seguir o plano de Deus. Posaram. Pernoitaram. 3. Reconheceram a voz. Isto poderia significar que tinham conhecido ao levita antes de que viesse a casa da Micaía e reconheceram sua voz, ou que se deram conta de que era levita pela maneira como falava com realizar o serviço no santuário da Micaía. Se era neto do Moisés (ver com. vers. 30), este levita teve que ser bem conhecido. 5. Pergunta. Ao inteirar-se de que o levita tinha um efod e terafines para consultar a Deus, os espiões de Dão lhe pediram que consultasse ao Senhor para saber se sua excursão de exploração ia ter êxito. 6. diante do Jehová. Quer dizer, "sua viagem está à vista de Deus, e conta com seu favor". Em este versículo o levita usou a palavra Yahweh (Jehová). Estava praticando o culto do Deus dos hebreus sob formas de ritual proibidas na lei de Moisés. 7. Lais. No Jos. 19: 47 a chama Lesem. depois de que os de Dão tomaram, o puseram o nome de Dão (Juec. 18: 29). Baixo este nome aparece repetidas vezes no AT na expressão "desde Dão até a Beerseba". Era a cidade mais setentrional do Israel (Juec. 20: 1; 1 Sam. 3: 20; 2 Sam. 3: 10; etc.). Estava perto do pé do monte Hermón, 404 nas cercanias do nascimento do rio Jordão, a 42,7 km ao sudeste de Tiro e a 67,2 km ao sudoeste de Damasco. Estava seguro, ocioso e crédulo.

A palavra que se traduz "ocioso" significa mas bem "tranqüilo". "Viram que as gente que habitavam ali viviam seguras, segundo os costumes dos sidonios, tranqüilas e confiadas" (BJ). Os sidonios não eram guerreiros; se dedicavam ao comércio. Ao parecer, os habitantes do Lais estavam tão isolados de gente que os perturbasse, que evidentemente não tinham construído grandes muros para proteger-se nem tinham colocado atalaias para proteger sua cidade. Longe. Não havia muitos quilômetros entre o Lais e Sidón, mas as separava uma cadeia de montanhas. Não tinham negócios. conformavam-se com uma vida de isolamento e independência. 9. É muito boa. Compare-se com o Núm. 14: 7; Jos. 2: 23, 24. Os exploradores deram um relatório unânime quanto à conveniência de transladar-se ao Lais, e insistiram para que atuasse-se imediatamente. 11. Seiscentos homens. Não se transladou todo o clã, a não ser talvez só os mais audazes e os que não tinham boas terras. Posto que os 600 homens levaram consigo a seus famílias (vers. 21), todo o grupo teria sido possivelmente de 1.500 a 2.000 pessoas. 12. Quiriat-jearim. Seu nome significa "cidade de bosques". Dos tempos do Eusebio (século V DC) a identificou com o Tell o-Azhar, perto do que é hoje Karyat o'Inab, a 12,8 km de Jerusalém sobre o caminho a Jaffa. Ao princípio, Quiriat-jearim foi uma das cidades dos gabaonitas Jos. 9: 17). Em tempos do Samuel estava principalmente habitada por membros da tribo do Judá. Acampamento de Dão. Ver com. cap. 13: 25. 13. Casa da Micaía. Possivelmente deva considerar-se como nome próprio: "Bet-Micaía". Talvez se haveria levantado uma aldeia em volto da casa e o santuário da Micaía, que recebeu o nome do Bet-Micaía. os de Dão, em sua viagem ao norte, acamparam perto de esse lugar. 14. Estas casas. Equivale a "esta aldeia".

Quer dizer, estudar a situação para ver como conseguir que o efod, os terafines e a imagem de talha passassem a ser dos de Dão. Pelo que siga-se conclui que decidiram que um grupo distrairia com sua conversação ao levita, enquanto os outros entravam no santuário e se apropriavam de seus objetos religiosos. 15. Perguntaram-lhe como estava. usa-se uma construção similar em 2 Sam. 11: 7, onde David perguntou como ia a guerra. 16. À entrada da porta. Evidentemente havia um muro protetor em volto da aldeia, ou ao menos ao redor da casa e do santuário da Micaía. O grupo principal dos de Dão entreteve com sua conversação ao levita na porta (ver vers. 17). 17. Os cinco homens. Enquanto isso, os cinco exploradores que tinham estado antes nas casas e conheciam o lugar se escorreram sem que os notasse, e roubaram os objetos de culto do santuário da Micaía. 18. O que fazem vós? Quando os cinco homens voltaram para a porta trazendo os objetos de culto, o sacerdote exclamou surpreso:"O que fazem vós?" 19. Sobre sua boca. Pôr um dedo sobre a boca é um dos gestos mais universais (ver Job 21: 5; 29: 9; Prov. 30: 32). 20. alegrou-se. É notável a perfídia deste levita. Em primeiro lugar, tinha traído o culto puro especificado na lei do Moisés, para ministrar ante o ídolo de Micaía devido ao dinheiro que lhe tinha devotado. Em segundo lugar, abandonou a seu benfeitor que o tinha tratado como a filho (cap. 17: 11), e com alegria acompanhou aos que se levavam o que não lhes pertencia. Deve notar-se que nenhum dos personagens deste relato era no mais mínimo digno de imitar-se. Micaía mesmo era ladrão; o levita era mercenário; os de Dão eram uns foragidos merodeadores. As lições têm que extrair-se por contraste. No meio. Para ocultar-se e proteger-se.

Os meninos. O fato de que esta fora uma migração que incluía meninos e a mulheres aparece aqui só nesta menção passageira. Bagagem. Seus pertences. A palavra hebréia insinúa "objetos de valor", "riquezas". "Objetos preciosos" (BJ). Por diante. Evidentemente as mulheres, assim como os meninos, foram diante dos homens armados, já que é indubitável que os de Dão esperavam que os perseguisse. Não se menciona às mulheres, mas sem dúvida estavam pressentem (ver Gén. 34: 29; 2 Crón. 20: 13). 22. As casas. considerou-se que o roubo de 405 as imagens foi uma perda para toda a aldeia e não só para a Micaía. juntaram-se. Literalmente, "foram chamados", quer dizer, às armas. 23. Voltaram seus rostos. Com toda probabilidade, sem sequer deter sua marcha. 24. Meus deuses. Micaía não tem inconveniente em chamar deuses às imagens e os terafines. Embora professava adorar ao Jehová (ver com. cap. 17: 2, 3), retinha em boa medida o conceito pagão das deidades. Que eu fiz. Esta expressão surpreende por quanto provém de lábios de um israelita. por que pois me dizem... Micaía estava irado porque pretendiam ser inocentes e tentavam tomar o assunto em forma ligeira. Evidentemente a força dos de Dão era muito major que a da Micaía. De outro modo aqueles não teriam atuado com tanto descaramento (ver vers. 26). 25. os de ânimo colérico. Literalmente, "homens amargos de alma", quer dizer, pessoas de caráter violento e gênio arrebatado. Em outras palavras, os de Dão lhe disseram: "Não nos incomode com seus queixa para que não provoque o ataque dos homens de gênio

gênio do David e seus companheiros com o de uma vas a quem lhe roubaram seus cachorrinhos. 27. Tranqüilo e crédulo. O relatório que tinham dado os espiões era preciso. Os cruéis filhos de Dão surpreenderam às pessoas do Lais, que não estava preparada para resistir. A cidade foi tomada e arrasada com fogo. 28. Estavam longe do Sidón. A desventurada colônia estava muito longe para obter ajuda do Sidón, que possivelmente era a cidade principal e posto que, evidentemente, os habitantes de Lais não tinham feito aliança com nenhuma das cidades ou tribos aramaicas vizinhas, não houve força amiga que os socorresse. Vale. É provável que se refira à depressão pela qual correm as águas do alto Jordão ao pé da cadeia mais baixa do Líbano, ao norte do lago Huleh. Bet-rehob. Significa "casa da rua". Segundo 2 Sam. 10: 6, 8 era um pequeno Estado cujos habitantes falavam aramaico. Reedificaron a cidade. Sobre as enegrecidas ruínas do Lais, os de Dão construíram uma nova cidade. Este era o costume nos tempos antigos. As cidades se construíam junto a fontes de água e sobre o ponto mais elevado possível para facilitar seu amparo. Por isso se escolhiam os mesmos sítios para construir cidades sucessivas. 29. Dão. Chamaram a sua nova sede conforme no nome de sua tribo, e em memória de Dão, filho do Jacob e da Bilha, sirva do Raquel. No canto da Débora se localiza a Dão no norte (cap. 5: 17). Isto mostra claramente que a migração descrita nos caps. 17 e 18 se realizou na primeira parte do período dos juizes. É provável que tivesse ocorrido durante os dias dos anciões que seguiram ao Josué, antes de que Otoniel fora juiz. O autor de Juizes relata esta migração e a idolatria que se menciona em relação com ela, para ilustrar a apostasia e a anarquia do período que deu por resultado as sucessivas invasões e opressões. 30. Jonatán. Aqui aparece pela primeira vez o nome do levita que tinha servido a Micaía e que aconteceu ser o sacerdote da tribo de Dão. Moisés.

Assim rezam a LXX e a Vulgata, mas o texto masorético diz Manasés. Em verdade, Gersón, a menos que fora outro personagem, foi filho do Moisés e não de Manasés (Exo. 2: 22; 18: 3). Em hebreu, se não se tomarem em conta as vocais (que aparecem só nos manuscritos posteriores e como pequenos pontos, por o general debaixo das consonantes), há só a diferença de uma letra entre o Manasés e Moisés. Falta a letra N. É interessante notar que nos manuscritos hebreus da Bíblia, editados pelos masoretas, neste caso a letra n está escrita em uma forma estranha, "suspensa" sobre a linha. Isto sugere que com toda probabilidade foi acrescentada mais tarde. Há outros casos de letras "suspensas" na Bíblia hebréia (Sal. 80: 14; Job 38: 13, 15). Os antigos rabinos e eruditos hebreus, assim como também os eruditos modernos, tanto judeus como não judeus, afirmam que esta letra foi introduzida no nome do Moisés pelos rabinos ou escribas, para que se lesse Manasés e assim livrasse-se ao Moisés da má fama de ter tido um neto que foi sacerdote renegado do afamado santuário idolátrico de Dão. O Talmud diz que Jonatán foi neto do Moisés, mas porque fez as obras do Manasés, posterior rei de Judá, as Escrituras o designam como membro da família do Manasés. 406 E se fosse certo, coisa que parece bem provável, que Jonatán tivesse sido neto do Moisés, a grande antigüidade do que se relata no cap. 18 seria testemunhada pelo fato de que só uma geração separou do Moisés ao levita que serve a Micaía. Cativeiro. É provável que isto se refira a um cativeiro não registrado, quando as tribos do norte foram levadas cativas por algum poder estrangeiro, como os Estados aramaicos da vizinha Síria. Dificilmente poderia referir-se ao cativeiro das tribos do norte em tempos do Tiglat-pileser, porque no seguinte versículo se diz que o período do santuário de Dão foi paralelo com o "tempo que a casa de Deus esteve em Silo" (ver 1 Sam. 1: 24), o qual exclui totalmente essa possibilidade. CAPÍTULO 19 1 Um levita vai a Presépio a procurar a sua esposa. 16 Um ancião o hospeda na Gabaa. 22 Os gabaonitas abusam de sua concubina, a que morre como resultado. 29 O a divide em doze pedaços e os envia às doze tribos. 1 NAQUELES dias, quando não havia rei no Israel, houve um levita que morava como forasteiro na parte mais remota do monte do Efraín, o qual tinha tomado para si mulher concubina de Presépio do Judá. 2 E sua concubina foi infiel, e se foi dele a casa de seu pai, a Presépio de Judá, e esteve lá durante quatro meses. 3 E se levantou seu marido e a seguiu, para lhe falar amorosamente e fazê-la voltar; e levava consigo um criado, e um par de asnos; e lhe fez entrar na casa de seu pai. 4 E lhe vendo o pai da jovem, saiu a lhe receber contente; e lhe deteve seu sogro, o pai da jovem, e ficou em sua casa três dias, comendo e bebendo e alojando-se ali. 5 Ao quarto dia, quando se levantaram de amanhã, levantou-se também o levita para ir-se; e o pai da jovem disse a seu genro: Conforta seu coração com um bocado de pão, e depois irão. 6 E se sentaram eles dois juntos, e comeram e beberam. E o pai da jovem disse ao varão: Eu te rogo que queira acontecer aqui a noite, e se alegrará seu coração.

7 E se levantou o varão para ir-se, mas insistiu seu sogro, e voltou a passar ali a noite. 8 Ao quinto dia, levantando-se de amanhã para ir-se, disse-lhe o pai da jovem: Conforta agora seu coração, e aguarda até que decline o dia. E comeram ambos os juntos. 9 Logo se levantou o varão para ir-se, ele e sua concubina e seu criado. Então seu sogro, o pai da jovem, disse-lhe: Hei aqui já o dia declina para anoitecer, rogo-te que passem aqui a noite; hei aqui que o dia se acaba, dorme aqui, para que se alegre seu coração; e amanhã lhes levantarão cedo a seu caminho e irá a sua casa. 10 Mas o homem não quis acontecer ali a noite, mas sim se levantou e se foi, e chegou até em frente do Jebús, que é Jerusalém, com seu par de asnos selados, e sua concubina. 11 E estando já junto ao Jebús, o dia tinha declinado muito; e disse o criado a seu senhor: Vêem agora, e vamos a esta cidade dos jebuseos, para que passemos nela a noite. 12 E seu senhor lhe respondeu: Não iremos a nenhuma cidade de estrangeiros, que não seja dos filhos do Israel, mas sim passaremos até a Gabaa. E disse a seu criado: 13 Vêem, sigamos até um desses lugares, para passar a noite na Gabaa ou em Ramá. 14 Passando, pois, caminharam, e lhes pôs o sol junto à Gabaa, que era de Benjamim. 15 E se separaram do caminho para entrar em passar ali a noite na Gabaa; e entrando, sentaram-se na praça da cidade, porque não houve quem os acolhesse em casa para passar a noite. 16 E hei aqui um homem velho que vinha de seu trabalho do campo ao anoitecer, o qual era do monte do Efraín, e morava como forasteiro na Gabaa; mas os moradores daquele lugar eram filhos de Benjamim 407 17 E elevando o velho os olhos, viu aquele caminhante na praça da cidade, e lhe disse: aonde vai, e de onde vem? 18 E ele respondeu: Passamos de Presépio do Judá à parte mais remota do monte de Efraín, de onde sou; e tinha ido a Presépio do Judá; mas agora vou à casa de Jehová, e não há quem me receba em casa. 19 Nós temos palha e forragem para nossos asnos, e também temos pão e veio para mim e para seu sirva, e para o criado que está com seu servo; não nos faz falta nada. 20 E o homem ancião disse: Paz seja contigo; sua necessidade toda fique somente a meu cargo, contanto que não passe a noite na praça. 21 E os trouxe para sua casa, e deu de comer a seus asnos; e se lavaram os pés, e comeram e beberam. 22 Mas quando estavam contentes, hei aqui que os homens daquela cidade, homens perversos, rodearam a casa, golpeando à porta; e falaram com ancião, dono da casa, dizendo: Tira o homem que entrou em sua casa, para que o conheçamos.

que não cometam este mau; já que este homem entrou em minha casa, não façam esta maldade. 24 Hei aqui minha filha virgem, e a concubina dele; eu lhes tirarei isso agora; as humilhem e façam com elas como lhes parece, e não façam a este homem costure tão infame. 25 Mas aqueles homens não lhe quiseram ouvir; por isso tomando aquele homem a sua concubina, tirou-a; e entraram nela, e abusaram dela toda a noite até a manhã, e a deixaram quando apontava o alvorada. 26 E quando já amanhecia, veio a mulher, e caiu diante da porta da casa daquele homem onde seu senhor estava, até que foi de dia. 27 E se levantou pela manhã seu senhor, e abriu as portas da casa, e saiu para seguir seu caminho; e hei aqui a mulher sua concubina estava tendida diante da porta da casa, com as mãos sobre a soleira. 28 O lhe disse: te levante, e vamos; mas ela não respondeu. Então a levantou o varão, e jogando-a sobre seu asno, levantou-se e se foi a seu lugar. 29 E chegando a sua casa, tomou uma faca, e jogou mão de sua concubina, e a partiu por seus ossos em doze partes, e a enviou por todo o território de Israel. 30 E tudo o que via aquilo, dizia: jamais se tem feito nem visto tal coisa, do tempo em que os filhos do Israel subiram da terra do Egito até hoje. Considerem isto, tomem conselho, e falem. 1. Naqueles dias. A narração registrada nos caps. 19-21 descreve acontecimentos ocorridos na primeira parte da história da tribo de Benjamim (ver com. cap. 20: 28). Não havia rei no Israel. De novo o autor põe como prefácio de seu relato a anarquia desses tempos e as lutas entre as tribos, com a explicação de que tais coisas eram possíveis porque não havia rei no Israel que mantivera a lei e a ordem. Não sempre se aprecia como se devesse a tranqüilidade que existe nos países onde se respeita e se faz obedecer a lei. Mulher concubina. Uma esposa de categoria inferior, que nem sequer ocupava a posição de segunda esposa, e entretanto não era uma relação passageira, a não ser uma relação regular e constante, porque embora se considerou digna de sua repreensão infidelidade, mais tarde o marido procurou obter a reconciliação. Presépio do Judá O levita do relato anterior também tinha relações em Presépio (ver com. cap. 17: 7). 2. Foi infiel.

(BJ). Os tárgumes judeus também apóiam esta idéia. Esta situação quadraria melhor dentro do contexto, porque quando o levita a foi procurar, não a aprendeu, a não ser lhe falou bondosamente para apaziguá-la. Entretanto, estas considerações não parecem ser suficientes para apartar do texto hebreu. 3. Para lhe falar amorosamente. Literalmente, "lhe falar com coração". Ela o fez entrar. Até então tinha tido êxito, porque ela fez entrar em seu marido na casa. 4. Contente. O desejo do pai da concubina por mostrar-se hospitalar com o levita, possivelmente indica que a separação era considerada 408 uma desgraça para a família. O pai se mostrou disposto a apresentar desculpas, e sua insistência em que o levita acontecesse vários dias com a família evidenciou que se alegrava pela reconciliação. Deteve-lhe. O pai da jovem insistiu em que o levita ficasse mais do que este tinha desejado. Esta hospitalidade exagerada do sogro sem dúvida tinha o propósito de impressionar bem ao levita. Era evidente que não desejava que a casal voltasse a brigar. Estava fazendo todo o possível por afiançar seu relação. 5. Conforta seu coração. Melhor, "fortalece seu coração". "Toma primeiro um bocado de pão para cobrar ânimo" (BJ). A palavra hebréia traduzida "conforta", significa "apoiar", "sustentar", e nesta expressão idiomática referida ao coração poderia entender-se, "vivificar [o corpo] com alimento". Bocado. Uma forma elegante de expressar-se. É provável que lhe tivesse preparado um festim. 8. Até que decline o dia. Outra vez o sogro os persuadiu para que demorassem a partida até que pudesse preparar outra comida. Evidentemente também foi um grande festim que o sogro não se apressou em preparar, e durante o qual houve muita conversação sem nenhuma urgência. 10. Não quis acontecer ali a noite.

Sem dúvida o levita se deu conta de que lhe resultaria tão difícil partir para dia seguinte como lhe tinha sido nos dois dias anteriores. Declinou, pois, a convite, e empreendeu a viagem de volta a seu lar a essa hora pouco propícia. Os resultados foram desastrosos a julgar pelos acontecimentos posteriores. A insistência com a qual, depois de três dias, o sogro apressava ao levita para que ficasse, embora este estava ansioso por partir, era uma forma de cortesia comum nos países orientais, mas em realidade era contrária ao verdadeiro espírito de hospitalidade. Igualmente objetável é o caso do anfitrião que apressa a quão convidados desejam ficar. O autor de Juizes faz contrastar o exagero do sogro com a total falta de hospitalidade que logo experimentou o levita na Gabaa. Quanto a este, seu caso foi o de muitas almas débeis e vacilantes: primeiro, uma demora desnecessária, logo, o apuro desmesurado. Jebús. Este era o antigo nome de Jerusalém, que neste momento pertencia aos jebuseos (ver 1 Crón. 11: 4, 5; ver com. Juec. 1: 21). O nome Jerusalém também é muito antigo, pois já aparece como Urusalim em textos egípcios dos séculos XIX e XVIII AC, e nas cartas de governantes cananeos (tabuletas de Amarna) escritas em volto do ano 1400 AC. 11. O dia tinha declinado. A viagem de Presépio a Jerusalém, uma distância de 8 km, levaria umas duas horas. 12. Cidade de estrangeiros. Segundo esta afirmação, Jerusalém estava ainda sob o controle dos jebuseos. O levita temia que os direitos da hospitalidade pudessem ser violados em Jerusalém e eles fossem vítimas de um roubo. Por isso, embora se aproximava a noite, apressou-se para chegar a uma aldeia israelita onde pudessem pernoitar. Naqueles tempos era extremamente perigoso ficar no campo aberto de noite. Este incidente ilustra a hostilidade latente que existia entre os israelitas e os jebuseos de Jerusalém. Gabaa. Esta cidade, destino que o levita se propunha alcançar, estava a 5,6 km mais lá de Jerusalém, sobre o caminho que levava ao norte. Mais tarde Saúl nasceu na Gabaa e ali estabeleceu a capital política de seu reino. O lugar hoje se denomina Tell o-Fúl. 13. Ramá. Esta cidade estava a 3 km além da Gabaa. Em outras ocasiões se mencionam juntas as duas cidades (ISA. 10: 29; Ouse. 5: 8). Possivelmente o levita sabia que Gabaa não tinha boa fama pelo que, consideraria melhor chegar até o Ramá, de ser possível. 14.

faz-se esta elucidação para que se saiba que não se tratava da Gabaa do Judá (Jos. 15: 57), nem Gabaa das colinas do Efraín (Jos. 24: 33, onde a palavra hebréia traduzida "colina" é também gib'ah). 15. separaram-se do caminho. A aldeia não estava sobre o caminho principal. Na praça. Em todas as cidades era costume deixar um espaço aberto, uma "praça", por o general perto da porta, para que ali vendessem sua mercadoria os comerciantes e agricultores. Em aldeias pequenas como Gabaa, é provável que não tivesse posadas e os viajantes tivessem que depender da hospitalidade dos vizinhos. O levita e seus acompanhantes se sentaram na praça do mercado, esperando que alguém lhes oferecesse alojamento durante a noite. Não houve quem. Embora sem dúvida muitos 409 dos habitantes os viram ali sentados ao cair a noite, ninguém esteve disposto a lhes prodigalizar hospitalidade que, drgún a antigo costume, era o primeiro dever no Oriente (ver Job 31: 32; Mat. 25: 35). Embora alguns puderam ter estado dispostos a proporcionais a amparo de sua casa, possivelmente temeram que isso lhes conduziria dificuldades com seus ímpios vizinhos. Se Lot não tivesse devotado sua casa aos anjos que chegaram a Sodoma, o mesmo poderia ter ocorrido ali (Gén. 19: 1-3). 16. Do monte do Efraín. O único que se interessou pelos viajantes não era oriundo do lugar. Era um ancião que provinha da mesma zona de onde era o levita mas manifestou seu interesse neles antes de sabê-lo. Era um só forasteiro que recidía transitoriamente na Gabaa. menciona-se isto para fazer ressaltar o contraste entre a falta de hospitalidade dos habitantes benjamitas e a bondade do forasteiro efrateo. 17. aonde vai? Os palestinos amigáveis até hoje fazem as mesmas perguntas aos estranhos. 18. Casa do Jehová. O levita se estava refiriendo a Silo, onde estavam o arca e o tabernáculo. esta silo no território do Efraín, quiza bastante da casa do levita. Ali desejava ir, talvez para apresentar uma oferenda de agradecimento ao Senhor por lhe haver devolvido sua esposa, ou para oferecer uma oferenda espiatoria por ela ou por ambos, ou talvez para realizar suas tarefas levíticas habituais. A LXX diz: "Volto para minha casa" (BJ). Apóia esta interpretação a clara evidência do contexto que indica que o levita poderia ter tido em conta os dois propósitos.

Não nos faz falta nada. O levita tinha abundante alimento para si, para os que o acompanhavam e para seus animais. Tudo o que pedia era o teto e o amparo que se o brindasse. 20. Sua necessidade ... a meu cargo. Cortesmente o ancião insistiu em proporcionar alimento e alojamento para os estranhos. 21. Deu de comer a seus asnos. Ao atender em primeiro lugar aos animais, dió amostra de sua atitude compassiva. 22. Homens perversos. "Gente malvada" (BJ). Literalmente, "filhos do Belial" (RVA), ou sua equivalente, "filho de inutilidade ou perversidade", ou seja gente inútil, perversa, de baixas paixões; gente que não respeita a lei, patifes. Mais tarde Belial passou a usar-se como nome próprio, como sinonimo de Satanás (2 Cor. 6: 15), mas é duvidoso que tivesse tido esse sentido nesta passagem. Por isso podem considerar-se corretas as traduções da RVR e a BJ. Rodearam a casa. assemelha-se muito este relato à narração igualemente repulsiva que aparece no Gén. 19: 8. Estes homens eram piores que os irracionais. Seu concupiscência antinatural e sua infâmia foram recordadas com horror durante séculos (ver Ouse. 9: 9; 10: 9). 23. Não cometam este mau. A violação do direito de brindar hospitalidade e de proteger ao próximo era em si um crime terrível. Nos paises orientais era uma regra rígida que depois de haver lhe devotado hospitalidade a um viajante, devia assegurar-se o amparo ante qualquer perigo. Maldade. "Essa infâmia" (BJ). Esta palavra se usava com freqüência para indicar um atropelo das leis da natureza sobre tudo de tipo sexual (Gén. 34: 7; Deut. 22: 21; 2 Sam. 13: 12). 24. Minha filha. É notável o parecido entre este versículo e Gén. 19: 8. Como Lot, cujo caso que sem duvidem conhecia, o ancião ofereceu sacrificar a sua filha virgem ante a paixão desses infames envilecidos, antes que permitir que seu huesped fora tratado nessa forma vergonhosa. Embora possa apreciar o desejo que tinha de

oferecimento nos cheia de horror. Reflete o sob conceito que se tinha a mulher na antigüidade. Deve julgar-se ao homem, ao menos em parte, de acordo com os conceitos da época na qual vivia (ver com. Gén. 19: 8). 25. Tomando ... a sua concubina. O verbo hebreu que se traduz "tomando" é jazaq. Significa "tomar pela força". O marido tomou à mulher indefesa e a obrigou a sair. É natural que a concubina se resistiu a tal ato vergonhoso. A covardia do levita é digna de severo repreensão. Quando apontava o alvorada. Quando começou a esclarecer, os malvados desapareceram para que não se os pudesse indentificar. 26. diante da porta. Com seu último fôlego, voltou-se para a casa onde estava o que devia ser seu protetor, mas que a havia 410 abandonado em sua hora de necessidade. Teve suficiente força para arrastar-se até a porta, mas não pôde chamar para que lhe abrissem. Caiu morta junto à porta. 27. Sobre a soleira. As mãos da mulher estavam sobre a soleira, como se se tivessem estendido para seu marido em um último clamor de agonia. 28. Vamos. depois de semelhante experiência, o levita se expressou com uma indiferença que causa-nos repugnância, e já podemos esperar algo de parte dele. Não é estranho, pois, que a mulher o tivesse abandonado uma vez. 29. Partiu-a. Sem dúvida poderia haver-se encontrado alguma forma menos horrível de reunir às tribos para castigar aos malvados homens da Gabaa. Mas o levita já havia procedido de tal maneira, que não surpreende seu espantoso método de notificar a as diversas tribos. Por seus ossos. "Partiu-a membro por membro" (BJ). Literalmente, partiu-a "segundo seus ossos", quer dizer que algumas parte eram maiores, outras mais pequenas, segundo as juntas permitissem a divisão. 30. Jamais se tem feito.

de todos os hebreus na Palestina. Reconheceram que era um crime tão tremendo que nem sequer a falta de um governo central, nem os agitados tempos em que vivia-se serviriam de desculpa para que ficasse sem ser castigado. CAPÍTULO 20 1 O levita declara sua afronta em uma assembléia geral. 8 A declaração da assembléia. 12 Quando os israelitas pedem contas aos benjamitas estes os fazem frente. 18 Os israelitas perdem quarenta mil soldados em duas batalhas. 26 Mediante uma estratagema destroem a todos os benjamitas, menos seiscentos. 1 ENTÃO saíram todos os filhos do Israel, e se reuniu a congregação como um só homem, desde Dão até a Beerseba e a terra do Galaad, ao Jehová em Mizpa. 2 E os chefes de todo o povo, de todas as tribos do Israel, acharam-se presentes na reunião do povo de Deus, quatrocentos mil homens da pé que tiravam espada. 3 E os filhos de Benjamim ouviram que os filhos do Israel tinham subido a Mizpa. E disseram os filhos do Israel: Digam como foi esta maldade. 4 Então o varão levita, marido da mulher morta, respondeu e disse: Eu cheguei a Gabaa do Benjamin com minha concubina, para passar ali a noite. 5 E levantando-se contra mim os da Gabaa, rodearam contra mim a casa pela noite, com ideia de me matar, e a minha concubina a humilharam de tal maneira que morreu. 6 Então tomando eu minha concubina, cortei-a em pedaços, e a enviei por todo o território da posse do Israel, por quanto têm feito maldade e crime em Israel. 7 Hei aqui todos vós são filhos do Israel; dêem aqui seu parecer e conselho. 8 Então todo o povo, como um só homem, levantou-se, e disseram: Nenhum de nós irá a sua loja, nem voltará nenhum de nós a sua casa. 9 Mas isto é agora o que faremos a Gabaa: contra ela subiremos por sorteio. 10 Tomaremos dez homens de cada cento por todas as tribos do Israel, e cento de cada mil, e mil de cada dez mil, que levem mantimentos para o povo, para que indo a Gabaa de Benjamim lhe façam conforme a toda a abominação que cometeu no Israel. 11 E se juntaram todos os homens do Israel contra a cidade, ligados como um só homem. 12 E as tribos do Israel enviaram varões por toda a tribo de Benjamim, dizendo: Que maldade é esta que foi feita entre vós? 13 Entreguem, pois, agora a aqueles homens perversos que estão na Gabaa, para que os matemos, e tiremos o mal do Israel. Mas os de Benjamim não quiseram ouvir a voz de seus irmãos os filhos do Israel, 14 mas sim os de Benjamim se juntaram das cidades da Gabaa, para sair a brigar contra os filhos do Israel. 15 E foram contados naquele tempo os filhos de Benjamim das cidades,

foram por conta setecentos homens escolhidos. 16 De toda aquela gente havia setecentos homens escolhidos, que eram canhotos, todos os quais atiravam uma pedra com a funda a um cabelo, e não erravam. 17 E foram contados os varões do Israel, ora de Benjamim, quatrocentos mil homens que tiravam espada, todos estes homens de guerra. 18 Logo se levantaram os filhos do Israel, e subiram à casa de Deus e consultaram a Deus, dizendo: Quem subira de nós o primeiro na guerra contra os filhos de Benjamim? E Jehová respondeu: Judá será o primeiro. 19 Se levantaram, pois, os filhos do Israel pela manhã, contra Gabaa. 20 E saíram os filhos do Israel a combater contra Benjamim, e os varões de Israel ordenaram a batalha contra eles junto à Gabaa. 21 Saindo então da Gabaa os filhos de Benjamim, derrubaram por terra aquele dia vinte e dois mil homens dos filhos do Israel. 22 Mas reanimando o povo, os varões do Israel voltaram a ordenar a batalha no mesmo lugar onde a tinham ordenado o primeiro dia. 23 Porque os filhos do Israel subiram e choraram diante do Jehová até a noite, e consultaram ao Jehová, dizendo: Voltaremos a brigar com os filhos de Benjamim nossos irmãos? E Jehová lhes respondeu: Subam contra eles. 24 Pelo qual se aproximaram os filhos do Israel contra os filhos de Benjamim o segundo dia. 25 E aquele segundo dia, saindo Benjamim da Gabaa contra eles, derrubaram por terra a outros diecioho mil homens dos filhos do Israel, todos os quais tiravam espada. 26 Então subiram todos os filhos do Israel, e todo o povo, e vieram a a casa de Deus; e choraram, e se sentaram aquele dia até a noite; e ofereceram holcaustos e oferendas diante do Jehová. 27 E os filhos do Israel perguntaram ao Jehová (pois o arca do pacto de Deus estava ali naqueles dias, 28 e Finees filhos do Eleazar, filhos do Aarón, ministraba diante dela em aqueles dias), e disseram: Voltaremos ainda para sair contra os filhos de Benjamim nossos irmãos, para brigar, ou desistiremos? E Jehová disse: Subam, porque amanhã eu lhes entregarei. 29 E pôs o Israel emboscadas ao redor da Gabaa. 30 Subindo então os filhos do Israel contra os filhos de Benjamim o terceiro dia, ordenaram a batalha diante da Gabaa, como as outras vezes. 31 E saíram os filhos de Benjamim ao encontro do povo, afastando-se da cidade; e começaram a ferir alguns do povo, matando-os como as outras vezes pelos caminhos, um dos quais sobe ao Bet-o, e o outro a Gabaa. Em o campo; mataram uns trinta homens do Israel. 32 E os filhos de Benjamim diziam: Vencidos são diante de nós, como antes. Mas os filhos do Israel diziam: Huirémos, e os afastaremos da cidade até os caminhos. 33 Então se levantaram todos os do Israel de seu lugar, e ficaram em

a pradaria da Gabaa. 34 E vieram contra Gabaa dez mil homens escolhidos de todo o Israel, e a batalha aumentava; mas eles não sabiam que o desastre se aproximava deles. 35 E derrotou Jehová a Benjamim diante do Israel; e mataram os filhos do Israel aquele dia a vinte e cinco mil e cem homens de Benjamim, todos os quais tiravam espada. 36 E viram os filhos de Benjamim que eram derrotados; e os filhos do Israel cederam campo ao Benjamin, porque estavam confiados nas emboscadas que tinham posto detras do Gabaal. 37 E os homens das emboscadas atacaram prontamente a Gabaa, e avançaram e feriram fio de espada a toda a cidade. 38 E era o sinal consertado entre os homens do Israel e as emboscadas, que fizessem subir uma grande fumaça da cidade. 39 Logo, pois, que os do Israel retrocediron 412 na batalha, os de Benjamim começaram a ferir e matar às pessoas do Israel como trinta homens, e já diziam: Certamente eles têm cansado diante de nós, como na primeira batalha. 40 Mas quando a coluna de fumaça começou a subir da cidade, os de Benjamim olharam para trás; e hei aqui que a fumaça da cidade subia ao céu. 41 Então se voltaram os homens do Israel, e os de Benjamim se encheram de temor, porque viram que o desastre tinha vindo sobre eles. 42 Voltaram, portanto, as costas diante do Israel para o caminho do deserto; mas a batalha os alcançou, e os que saíam das cidades os destruíam em meio deles. 43 Assim cercaram aos de Benjamim, e os acossaram e pisaram desde a Menúha até em frente da Gabaa para onde nasce o sol. 44 E caíram de Benjamim dezoito mil homens, todos eles homens de guerra. 45 Voltando-se logo, fugiram para o deserto, à penha do Rimón, e deles foram abatidos cinco mil homens nos caminhos; e foram perseguindo-os até até o Gidom, e mataram deles a dois mil homens. 46 Foram todos os que de Benjamim morreram aquele dia, vinte e cinco mil homens que tiravam espada, todos eles homens de guerra. 47 Mas se voltaram e fugiram ao deserto à penha do Rimón seiscentos homens, os quais estiveram na penha do Rimón quatro meses. 48 E os homens do Israel voltaram sobre os filhos de Benjamim e os feriram a fio de espada, assim aos homens de cada cidade como às bestas e todo o que foi achado; deste modo puseram fogo a todas as cidades que achavam. 1. Saíram. Saíram preparados para a batalha (ver cap. 2: 15; etc.). Como um só homem.

problema. Dão até a Beerseba. Quer dizer, desde Dão, a aldeia mais setentrional dos hebreus (ver cap. 18), até a Beerseba, a cidade mais meridional no limite do Neguev, ao sul de Judá. A expressão aparece sete vezes na Bíblia (Juec. 20: 1; 1 Sam. 3: 20; 2 Sam. 3: 10; 17: 11; 24:2, 15; 1 Rei. 4: 25), e uma vez "desde a Beerseba até Dão" (1 Crón. 21: 2). A terra do Galaad. Esta expressão pareceria compreender a todos quão hebreus viviam ao leste do Jordão (ver caps. 5: 17; 11: 5, 6; etc.). Todas as aldeias e cidades hebréias, salvo ao leste do Jades-galaad (cap. 21: 8, 10), tinham enviado delegações. Ao Jehová. Isto significa necessariamente que levaram ali o arca ou o tabernáculo, nem que Mizpa fora Silo, onde estava o arca. David foi instituído como rei em Hebrón, "diante do Jehová" (2 Sam. 5: 3), e entretanto não havia arca ali. Esta frase poderia indicar que se reuniram para tratar o que teriam que fazer, e para pedir a Deus que os guiasse em suas deliberações (ver com. Jos. 24: 1; ver também com. Juec. 20: 27). Mizpa. Muitas vezes se identifica esta aldeia com a colina do Neb§ TsamwTl, a 8 km ao noroeste de Jerusalém e a 4,8 km da Gabaa, lugar onde ocorreu o crime. O colina tem 1.000 m de altura. Mas é mais provável a identificação com Tell no Natsbeh, a 12 km ao norte de Jerusalém. Mizpa de Benjamim serve em outras ocasiões como lugar de reunião das tribos (1 Sam. 7: 5-17; 10: 17). Esta foi a primeira grande convocação de todos os hebreus depois dos tempos do Josué. 2. Chefes. Literalmente, "ângulos" ou "pedras de ângulo". Os que eram as colunas, os principais de todas as tribos foram a Mizpa. 3. Os filhos de Benjamim ouviram. As notícias de que os israelitas se estavam reunindo para castigar esse crime bem pôde ter chegado até os benjamitas da Gabaa logo que os primeiros grupos começaram a chegar a Mizpa, ou ainda antes. Possivelmente também os benjamitas receberam a mesma convocatória como as outras tribos (ver cap. 19: 29). Digam. As palavras foram dirigidas ao levita. Quando se teve reunido uma grande multidão de israelitas, pediram ao levita que lhes desse uma descrição exata do crime dos homens da Gabaa. 5. Com idéias de me matar.

Embora no capítulo anterior não se apresentava esta ameaça, possivelmente seguiu a a realização do intento registrado no cap. 9: 22. 413. 8. levantou-se. Quando o levita terminou de narrar o ultraje que tinha acontecido, toda a assembléia se uniu ao protesto e resolveram que nenhum deles voltaria para seu casa antes de que esse mal fora vingado. 9. Subiremos. Decidiram subir contra Gabaa, preparados para a batalha e para exigir a entrega dos culpados. 10. Dez homens de cada cento. Posto que havia tanta gente acampada em um mesmo lugar, era difícil conseguir alimento para todos. À décima parte do exército, escolhida possivelmente por sorte, lhe atribuiu a tarefa de sair a procurar alimento para as forças reunidas. Assim um homem tinha que aprovisionar a nove que estavam no fronte de batalha. 11. Ligados como um só homem. Quer dizer, unidos como uma sociedade. É notável que pudesse obter-se tanta unanimidade em vista dos interesses divergentes das diversas tribos hebréias. 12. Por toda a tribo. antes de recorrer à força, reunido-los debateram com os benjamitas, insistindo-os a reconhecer a enormidade do pecado cometido, e a entregar aos homens culpados para que fossem mortos. Os culpados deviam ser castigados por suas más ações. Este era o único curso correto de ação que podia seguir-se. 13. Tiremos o mal. O pecado cometido era tão grave, que exigia a pena de morte. Só assim poderiam estar livres as tribos de culpa (ver Deut. 13: 5; 17: 7; 19: 19-21). Não quiseram ouvir. os da tribo de Benjamim preferiram a guerra civil antes que entregar a seus criminais. Neste caso, o orgulho e a solidariedade da tribo serviram par sustentar e defender a gente da pior índole possível. 14. juntaram-se.

os da tribo de Benjamim demonstraram um grande valor, mas posto ao serviço de uma má causa. 15. Vinte e seis mil homens. Este número era inferior em menos de um terço à quantidade recenseada ao final dos 40 anos de peregrinação no deserto (Núm. 26: 41). A mesma diminuição se nota também nas outras tribos (ver com. Juec. 20: 17). 16. Setecentos. Estes peritos honderos eram sem dúvida os mesmos 700 homens escolhidos do versículo anterior que representavam a Gabaa no exército de Benjamim. Não é provável que houvesse dois diferentes grupos de 700 homens mencionados dentro do mesmo contexto, embora não pode exclui-la possibilidade de tal coincidência. A um cabelo. Esta expressão só implica a extrema precisão com que disparavam. Em épocas posteriores, os benjamitas tinham fama de ser destros honderos (1 Crón. 12: 2). Na história secular se registra de homens que foram tão peritos no arte de arrojar pedras, que estas foram com tanta força como se tiveram sido lançadas por uma catapulta, e atravessavam escudos e cascos. Não erravam. Heb. jata'. Esta é a mesma palavra que em quase todas a vezes que aparece (mais de 200), traduz-se "pecar". O significado básico do verbo é "errar o branco". Quando se usa a palavra para indicar "pecado", descreve um ato que erra o branco divino que Deus estabeleceu para seu povo: a meta da perfeição definida na lei de Deus. 17. Quatrocentos mil homens. A população israelita estava diminuindo. registra-se que no primeiro ano depois do êxodo do Egito, os homens de guerra eram 603.550, incluindo a 35.400 de Benjamim (Núm. 1: 46, 37). No 40.º ano do êxodo havia 601.730, incluindo 45.600 benjamitas (Núm. 26: 51, 41). 18. levantaram-se. É muito provável que só os dirigentes da hoste reunida foram a Silo para consultar diante do arca quanto ao plano que deviam seguir. Dificilmente pode pensar-se que um exército de 400.000 homens maracharía mais de 30 km até o tabernáculo para consultar com o Senhor. Sem dúvida alguma, foi uma delegação representativa. Casa de Deus. Heb. beth,el-. Se esta frase se translitera e não se traduz, deve ler-se "subiram ao Betel" (BJ). Entretanto, é possível que seja melhor traduzir a palavra e não usá-la como nome próprio, porque nesse momento o tabernáculo

onde estava acampado o exército. Sem dúvida, foram a Silo ao tabernáculo, para consultar ao Senhor (ver cap. 21: 2, 4, 12). Entretanto, é possível que o arca tivesse sido retirada de Silo por um tempo, como mais tarde em tempo do Elí (1 Sam. 4: 3, 4). Quem subirá de nós? Um exército tão grande não poderia manobrar com facilidade em volto do pequeno colina onde estava situada 414 Gabaa. Tinham decidido que só uma tribo atacaria de uma vez. Judá. Esta tribo tinha fama de ser agressiva. Do começo do livro de Juizes ocupou um lugar preeminente (cap. 1: 1, 2). 19. levantaram-se. Evidentemente, partiram da Mizpa, onde o grosso do exército estava acampado. 21. Saindo então. Todo o exército de Benjamim, de 26.700 homens, reuniu-se dentro de Gabaa e em volto da cidade. Com valentia saíram dela e baixaram o fecho para atacar ao exército do Judá. Derrubaram por terra. Quer dizer, mataram-nos. Veintidos mil homens. Quer dizer que os benjamitas mataram quase um homem cada um. Não se diz nada quanto às perdas dos benjamitas, mas sem dúvida as houve. 22. Reanimando o povo. Alguns pensaram que o vers. 22 deveria seguir aos 23 para poder entender-se bem o relato, e que algum copista, sem querer, teria investido a ordem de estes dois versíctilos. Esta hipótese motiva o investimento dos versículos na BJ. Entretanto, pode entender o relato assim como aparece na RVR. 23. Subiram. Parece que as tribos aliadas tivessem enviado outra delegação a Silo para consultar ao Senhor. Choraram. A derrota stifrida pelo Israel fez que o povo se humilhasse diante do Senhor e reconhecesse mais plenamenteque dependia dele. Talvez necessitava aprender a lição de que "o de vós esteja sem pecado, seja o primeiro em

pelo crime dos homens da Gabaa eram sem dúvida culpados de faltas similares. Por exemplo, no Sinaí e no Baalpeor, todo o Israel tinha cansado em a mais abominável idolatria. Nossos irmãos. Os israelitas estavam preocupados. davam-se conta de que estavam empenhados em uma guerra fratricida. Sua ira contra os homens de Benjamim havia começado a suavizar-se. Entretanto, o Senhor lhe disse que continuassem o ataque. A gente de Benjamim também precisava ser humilhada e reconhecer seu culpa. 26. Jejuaram. Pela segunda vez o exército do Israel tinha sofrido perdas desastrosas frente aos altivos benjamitas. Estavam perplexos, confundidos e angutiados. O Senhor lhes tinha mandado atacar, e entretanto tinham sofrido fortes baixas. Para saber a razão de seu fracasso, jejuaram e ofereceram holocaustos e oferendas de paz. Esta é a primeira passagem bíblica onde aparece a palavra "jejuar", mas sem dúvida a prática do jejum já era conhecida desde muito antes. 27. Arca do pacto. É esta a unica vez em que se menciona o arca do pacto no livro de Juizes. Ali. Muitos acreditam que se refere a Silo, e não ao Bet-o. O tabernáculo com o arca permaneceu em Silo desde que Josué o pôs ali (Jos. 18: 1), até que o arca foi tomada pelos filisteus (1 Sam. 4: 10, 11) ao fim do período do Elí. Com referência ao feito de que o tabernáculo estava em Silo, ver Jos. 22: 12; 1 Sam. 1: 3; 2: 14; 3: 21 ; 4: 3. Quanto a tão possível traslado do arca a uma localização temporaria, ver com. Juec. 20: 18. 28. Finees. Segundo Jos. 22: 12, 13, Finees foi sacerdote do tabernáculo em Silo durante os dias do Josué. que se mencione seu nome nesta passagem me localizaria este caso do levita e sua concubina durante o tempo quando viveu a primeira geração de israelitas na Palestina. Apóia a posição já afirmada (ver com. Juec. 18: 29, 30; 19: 1) de que os dois casos relatados nos últimos cinco capítulos de Juizes ocorreram muitos anos antes dos outros acontecimentos descritos em o livro. É interessante notar que no relato da migração dos filhos de Dão, o provável neto do Moisés joga um papel importante, enquanto que em o relato do levita se menciona ao neto do Aarón. Amanhã eu lhes entregarei isso. Não se permitiu que os israelitas obtiveram a vitória até depois de um período de preparação. As derrotas tiveram o efeito de obrigá-los a jejuar e a orar, e a indagar com ardor qual teria sido a causa de seu fracasso. Deus aproveitou essa demora para lhes assinalar seus próprios defeitos de caráter que precisavam ser corrigidos, tanto como os defeitos dos outros, que captavam tão claramente. Os israelitas estavam muito dispostos a embarcar-se na

29. Emboscadas. Nas duas batalhas anteriores, as forças israelitas se confiaram muito porque acreditavam que sua causa era justa e porque eram mais numerosos. Mas tais vantagens não excluem a necessidade de 415 realizar uma preparação cuidadosa, com muita oração e prudente estratégia. 31. Afastando-se da cidade. O exército israelita fingiu a retirada, obtendo assim que os benjamitas o perseguissem. Ao fazer isto, os flancos e a retaguarda do exército de Benjamim ficaram expostos ante as tropas israelitas que estavam emboscadas. Caminhos. A rota que tomou o exército israelita em sua fingida retirada ia por dois caminhos: um que ia ao norte para o Bet-o e Silo, e o outro que ia a uma aldeia chamada Gabaa. Esta, para distinguir-se da Gabaa onde os benjamitas tinham seu centro, era denominada "Gabaa no campo". Gabaa era um nome comum que significava "colina". Esta aldeia parece não ter estado em uma colina, como o indicaria seu nome, a não ser em uma planície. 33. No Baal-tamar. Literalmente, "Baal da palmeira". Desconhece-se sua localização exata. Alguns identificaram-na com o R~s et-Taw§l perto da Gabaa. além dos homens que estavam emboscados perto da Gabaa, outra parte do exército israelita estava em este sítio próximo, mas desconhecido para nós. Enquanto que os benjamitas foram seguindo ao exército do Israel que se retirava, foram objeto do inesperado ataque deste novo grupo de tropas intactas. Ao mesmo tempo, os que estavam emboscadas perto da Gabaa atacaram ao exército de Benjamim da retaguarda. Ao parecer o exército do Israel estava dividido em três partes. 34. Dez mil homens escolhidos. Sem dúvida eram quão emboscadas atacaram a cidade da Gabaa. Eles não sabiam. Embora os benjamitas se davam conta de que a batalha era robusta, estando cada um deles ocupado em sua próprio frente de batalha, não perceberam que seus forças estavam completamente rodeadas e assim condenadas à destruição. Este versículo e o seguinte são uma interrupção do detalhado relato da batalha, para dar seu resultado final, como se o autor desejasse relaxar a tensão do leitor. 36. Viram. depois de haver descrito com grandes traços a batalha, o autor recapitula e

capítulo bem poderia ter seguido diretamente ao vers. 33, para dar um relato contínuo da batalha, mas o autor introduziu os vers. 34 e 35 como uma explicação entre parêntese, possivelmente para informar ao leitor qual foi o resultado final da batalha. Logo prosseguiu o relato detalhado a partir do vers. 36. 37. Feriram ...toda a cidade. Os 10.000 homens que tinham estado emboscados (vers. 34) conseguiram tomar a cidade e lhe prenderam fogo. Fizeram isto para avisar a seus companheiros que a emboscada tinha tido êxito, e que tinha chegado o momento de voltar-se de sua fingida fuga e brigar contra a parte principal do exército dos benjamitas que os tinha estado perseguindo. 39. os do Israel retrocederam. Parece mais fácil entender o relato se se considerar que a primeira parte do vers. 39, junto com o vers. 38, é uma descrição do plano que tinham esboçado os israelitas. Nesta forma se leria: "E era o sinal consertado ... que fizessem subir uma grande fumaça da cidade, e que logo os do Israel retrocedessem na batalha". depois de expor o plano, o autor do livro continua a narração dos acontecimentos com as palavras: "os de Benjamim começaram a ferir". Então descreve como funcionou a estratagema tal qual a tinha planejado (vers. 40, 41). Os benjamitas viram a fumaça que subia de sua cidade, e ao mesmo tempo quão israelitas até agora foram fugindo, repentinamente se voltaram e começaram a oferecer uma forte resistência. Então os homens de Benjamim reconheceram que os havia enganado, que estavam entre duas partes do exército israelita e que seus possibilidades de escapar eram reduzidas. 42. Caminho do deserto. Sem dúvida, "o deserto do Bet-avén" (Jos. 18: 12), ao leste da Gabaa. Este deserto descende das colinas até o vale do Jordão. descreve-se a região no Jos. 16: 1 como "o deserto que sobe do Jericó pelas montanhas de Bet-o". Os que saíam. O hebreu só diz: "os da cidade". A RVR e a BJ interpretam que eram quão israelitas saíam das cidades e destruíam aos benjamitas. Outros interpretam que os benjamitas fugiram a suas próprias cidades e foram perseguidos e mortos ali pelos 10.000 israelitas que tinham incendiado a cidade. 43. Desde a Menúha. O hebreu diz literalmente:"Rodearam a Benjamim, perseguiram menujah e pisotearam até frente a Gabaa". Menujah significa "descanso" ou "lugar de descanso". Desde aí a tradução da BJ: "perseguiram 416 sem descanso", embora a KJV traduz: "com descanso", ou seja "com facilidade". Menujah também poderia traduzir-se "desde o Nujah", tradução que aparece na LXX, como apó Noua, "desde a Nua", como se se tratasse de um nome próprio. Não importa como se

44. Dezoito mil homens. Estes foram provavelmente os que caíram na batalha inicial. O resto de os 25.100 (vers. 35) foram alcançados e mortos quando fugiam para o deserto (vers. 45). 45. Penha do Rimón. acredita-se que era a escarpada e esbranquiçada colina que se vê desde todos lados, a 5,6 km ao leste do Bet-o e a 13,6 km ao nordeste da Gabaa. A aldeia que ali se encontra hoje se chama Rammãn. Gidom. Lugar desconhecido. 47. À penha do Rimón. Os únicos soldados de todo o exército de Benjamim que conseguiram escapar foram os 600 homens que se ocultaram nas covas de pedra calcária da colina de Rimón. 48. Tudo o que foi achado. Não havia razão para matar sem discriminação aos não combatentes e ao remanescente do exército que fugia. O pecado dos homens da Gabaa devia ser castigado, porque era grande. Entretanto, quando se eliminou a resistência efetiva do exército de Benjamim, o dever das forças do Israel havia concluído. Podiam tomar aos que tinham cometido o crime para castigá-los. Gabaa já estava em ruínas. Isso deveria ter sido suficiente. Não havia desculpa para o implacável extermínio da tribo inteira, nem para queimar suas cidades. Entretanto, o frenesi da batalha acordada nos homens paixões irracionais que os levam a fazer o que em seu são julgamento nunca fariam. Em tais momentos os homens não são donos de si mesmos; não são guiados pela razão e a voz da consciência não se deixa ouvir. Com mais razão, no caso de não ter um caudilho sobressalente que dominasse tudo, e de quem as tropas pudessem receber ordens. O ferido orgulho do exército israelita, atormentado pelas duas derrotas ante seus adversários muito menos numerosos, levou-os a cometer um mal maior em sua extensão que o pecado que eles mesmos estavam tratando de castigar. CAPÍTULO 21 1 O povo se lamenta por causa da desolação de Benjamim. 8 Destroem a Jabes-galaad e lhes proporcionam quatrocentas algemas. 16 Lhes aconselham que se roubem as vírgenes que dançam em Silo. 1 OS varões do Israel tinham jurado na Mizpa, dizendo: Nenhum de nós dará sua filha aos de Benjamim por mulher. 2 E veio o povo à casa de Deus, e se estiveram ali até a noite em presença de Deus; e elevando sua voz fizeram grande pranto, e disseram:

3 OH Jehová Deus do Israel, por que aconteceu isto no Israel, que falte hoje do Israel uma tribo? 4 E ao dia seguinte o povo se levantou de amanhã, e edificaram ali altar, e ofereceram holocaustos e oferendas de paz. 5 E disseram os filhos do Israel: Quem de todas as tribos do Israel não subiu à reunião diante do Jehová? Porque se tinha feito grande juramento contra o que não subisse ao Jehová na Mizpa, dizendo: Sofrerá a morte. 6 E os filhos do Israel se arrependeram por causa de Benjamim seu irmão, e disseram: Atalho é hoje do Israel uma tribo. 7 O que faremos quanto a mulheres para os que ficaram? Nós havemos jurado pelo Jehová que não lhes daremos nossas filhas por mulheres. 8 E Disseram: Há algum das tribos do Israel que não tenha subido ao Jehová em Mizpa? E acharam que nenhum do Jabes-galaad tinha vindo ao acampamento, à reunião. 9 Porque foi contado o povo, e não houve ali varão dos moradores de Jabes-galaad. 10 Então a congregação enviou lá a doze mil homens dos mais valentes, e lhes mandaram, dizendo: Vão e firam fio de espada aos moradores de Jabes-galaad, com as mulheres e meninos. 417 11 Mas farão desta maneira: matarão a todo varão, e a toda mulher que haja conhecida prefeitura de varão. 12 E acharam dos moradores do Jabes-galaad quatrocentas donzelas que não tinham conhecida prefeitura de varão, e as trouxeram para o acampamento em Silo, que está na terra do Canaán. 13 Toda a congregação enviou logo a falar com os filhos de Benjamim que estavam na penha do Rimón, e os chamaram em paz. 14 E voltaram então os de Benjamim, e lhes deram por mulheres as que haviam guarado vivas das mulheres do Jabes-galaad; mas não lhes bastaram estas. 15 E o povo teve compaixão de Benjamim, porque Jehová tinha aberto uma brecha entre as tribos do Israel. 16 Então os anciões da congregação disseram: O que faremos respeito de mulheres para os que ficaram? Porque foram mortas as mulheres de Benjamim. 17 E disseram: Tenha Benjamim herança nos que escaparam, e não seja exterminada uma tribo do Israel. 18 Mas nós não lhes podemos dar mulheres de nossas filhas, porque os filhos do Israel juraram dizendo: Maldito o que diere mulher aos benjamitas. 19 Agora bem, disseram, hei aqui cada ano há festa solene do Jehová em Silo, que está ao norte do Bet-o, e ao lado oriental do caminho que sobe do Bet-o a Siquem, e ao sul da Lebona. 20 E mandaram aos filhos de Benjamim, dizendo: Vão, e ponham emboscadas nas vinhas, 21 e estejam atentos; e quando virem sair às filhas de Silo a dançar em

Silo, e vades a terra de Benjamim. 22 E se vinieren os pais delas ou seus irmãos a nos demandar isso nós diremo-lhes: nos façam a mercê de nos conceder isso porque nós na guerra não tomamos mulheres para todos; além disso, não são vós os que se as deram, para que agora sejam culpados. 23 E os filhos de Benjamim o fizeram assim; e tomaram mulheres conforme a seu número, roubando as de entre as que dançavam; e se foram, e voltaram para seu herdade, e reedificaron as cidades, e habitaram nelas. 24 Então os filhos do Israel se foram também dali, cada um a sua tribo e a sua família, saindo dali cada um a sua herdade. 25 Nestes dias não havia rei no Israel; cada um fazia o que bem lhe parecia. 1. Tinham jurado. Até aqui não havia nenhuma menção deste juramento. Sem dúvida as tribos juraram isto pouco depois de reunir-se na Mizpa, antes de que começassem as hostilidades. Os antigos consideravam que um juramento era inviolável (ver com. caps. 11: 30; 17: 1, 2). Embora tais juramentos não podiam quebrantar-se nem retirar-se, os israelitas, sobre tudo em tempos posteriores, encontraram muitas maneiras de observar a letra de um juramento mas quebrantando o espírito do mesmo mediante enganos ou algumas outras evasivas. Entretanto, ninguém está obrigado a manter seu palavra se isso lhe exige cometer algum ato equivocado ou mau. Dará sua filha. A promessa possivelmente foi feita baixo juramento com uma maldição, como no Hech. 23: 14. O que fizeram os benjamitas, ao apoiar aos malvados homens da Gabaa, excitou a ira dos israelitas até tal ponto que juraram não casar-se com os benjamitas, assim como o Senhor lhes tinha mandado que não se casassem com pessoas das sete nações pagãs do Canaán (Deut. 7: 1-4). 2. Casa de Deus. Talvez se refira a Silo. Alguns pensam que também neste caso deveria transliterarse o hebreu e considerar-se "Bet-o" como nome próprio do lugar (ver com. cap. 20: 18, 27). Fizeram grande pranto. depois de que sua intensa ira se dissipou, o povo reconheceu que seu vingança contra uma de suas próprias tribos tinha sido excessiva. Quanto melhor teria sido se tivessem chorado antes de ter cometido a atrocidade. 3. por que aconteceu isto? Esta pergunta implica que os israelitas estavam acusando a Deus de ter feito um extermínio quase total da tribo de Benjamim (ver vers. 15). As tribos reunidas deveriam haver-se dado conta de que a verdadeira causa da matança quase completa da tribo radicava em 418 sua ira e seu desejo de vingança,

4. Edificaram ali altar. apresentou-se esta declaração como uma prova de que os israelitas estavam reunidos no Bet-o e não em Silo, posto que neste lugar deveria haver existido já um altar em relação com o tabernáculo. Mas os que pensam que a reunião se realizou em Silo interpretam que a passagem significa que a gente construiu um novo altar em Silo porque o antigo necessitava reparação, ou porque fazia falta outro para poder sacrificar tantos animais (ver com. caps. 20: 18, 27; 21: 2). 5. Não subiu. depois de ter terminado a batalha, os israelitas indagaram para determinar se toda a nação tinha respondido à convocatória de participar da guerra contra Benjamim. Quando o exército acabou de reunir-se, as tribos tomaram um juramento contra qualquer segmento de quão israelitas recusasse apoiar a empresa. Talvez era preciso tomar tais medidas extremas para assegurar a cooperação. 8. Jabes-galaad. identifica-se esta cidade com o Tell o-Meqbereh e Tell Abã Kharaz a 15 km ao sudeste do Bet-seán no Wadi o-Y~bis, ao leste do Jordão. Parece haver existido um vínculo de afinidade entre a tribo de Benjamim e a cidade de Jabes-galaad. Esta afinidade parece ter contínuo ainda depois de que a cidade foi destruída e reconstruída. Saúl, da tribo de Benjamim, realizou seu primeira façanha salvando ao Jabes-galaad dos amonitas (1 Sam. 11: 3-15). Quando morreu Saúl, os habitantes do Jabes-galaad pagaram sua dívida de gratidão resgatando o cadáver do Saúl dos muros do Bet-seán (1 Sam. 31: 8-13). 10. Doze mil homens. Este método de formar um exército que representasse a todo o grupo já se havia usado antes (Núm. 31: 1-6). Vão e firam. que recorressem a este procedimento para conseguir algemas para os 600 sobreviventes da tribo de Benjamim que estavam ocultos nas covas do colina do Rimón nos ajuda a ver quão estreitos eram os conceitos morais de esses tempos. Essas medidas tão cruéis, tomadas em nome da religião, nos resultam repulsivas, e devem entender-se no contexto de sua época. 11. Toda mulher. Deviam ser destruídos todos os habitantes, salvo as moças solteiras em idade de casar-se. Os outros membros das famílias não eram na verdade mais culpados que essas senhoritas. Todo esse procedimento cruel, embora foi levado a cabo com o pretexto de cumprir um sagrado juramento ante o Senhor, não foi a não ser um expediente brutal para impedir a extinção da tribo de Benjamim.

12. Quatrocentas. Faltavam 200 a fim de completar o número necessário para proporcionar uma algema a cada um dos 600 benjamitas que ainda estavam refugiados nas covas. Silo. Ver com. vers. 2,4; cap. 20: 18. Possivelmente o acampamento se transladou a Silo pouco depois de ter terminado as hostilidades com os benjamitas. 15. Jehová tinha aberto uma brecha. Na verdade, a brecha entre as 12 tribos tinha sido aberta pelos mesmos israelitas por ter prometido que o castigo da má ação de certos benjamitas fosse irracional e desmesurado. Se em todo momento tivessem atuado com o espírito do verdadeiro amor fraternal, poderiam ter obtido o fim desejado sem a inútil matança e as atrocidades que tinham cometido. 16. O que faremos? Os anciões sabiam que necessariamente esses homens se casariam com mulheres cananeas. Para evitar essa calamidade, empregaram métodos tortuosos para violar o espírito de seu juramento sem quebrantar sua letra. Em vez de repudiar resolutamente seu voto, em primeiro lugar, e permitir que os benjamitas se casassem com mulheres das outras tribos, sua crença erro de que um juramento é sempre inviolável os levou a perpetrar o assassinato de inocentes mulheres, meninos e homens. 17. Herança. É provável que não se refira à propriedade, embora alguns sugeriram que os anciões estavam advertindo aos exércitos vitoriosos que não deviam dividir-se entre eles o território de Benjamim. Queriam dizer que haveria descendência dos benjamitas que tinham ficado. 19. Festa solene. Eram três as festas anuais às quais deviam assistir todos os varões israelitas (Exo. 23: 17). Posto que nesse momento o tabernáculo se encontrava em Silo, essas reuniões se realizavam ali. É duvidoso que nesses tempos tão instáveis se tentou seguir em grande escala o ritual prescrito. Por isso se diz em 1 Sam. 1: 3, 419 se vê que até as famílias piedosas não sempre assistiam às três festas anuais. Que está ao norte. O autor de Juizes apresenta uma descrição detalhada da localização de Silo. O fato de que tivesse acreditado necessário explicar a seus leitores a localização de Silo, levou a muitos a dizer que este livro foi escrito muitos anos depois de que os filisteus destruíram a Silo ao final da vida do Elí. O

cidade; mas, por outra parte, deve notar-se também que já tinha mencionado a Silo muitas vezes, sem explicar sua localização. Lebona. chama-se agora Lubban. Ficava a 5 km ao noroeste de Silo. 21. As filhas de Silo. Só os varões tinham obrigação de assistir às festas (Exo. 23: 17; Deut. 16: 16). Algumas vezes os homens foram acompanhados de suas algemas e filhas, mas a maioria das mulheres presentes na festa seriam as que viviam em Silo ou em seus cercanias. Dançar. As festas da colheita significavam tanto uma festa social como um serviço religioso (ver PP 581). 22. Irmãos. Na antigüidade, o irmão de uma menina que era raptada jogava um papel importante no julgamento que se fazia para exigir uma recompensa pelo mal trato que tinha recebido (ver Gén. 34: 7-3 l; 2 Sam. 13: 20-38). Para que agora sejam culpados. Os anciões do Israel prometeram apaziguar aos pais e irmãos das meninas raptadas com os seguintes argumentos: primeiro, o conselho de anciões tinha convencionado em que os homens de Benjamim deviam conseguir esposas de alguma parte; segundo, que o voto não era violado pelos pais, porque não tinham dado em casamento a suas filhas, mas sim estas tinham sido tomadas por a força. 24. foram-se. Quando concluiu a festa e os sobreviventes de Benjamim já tinham conseguido algemas, desintegrou-se o exército. As tropas têm que ter estado ausentes de suas casas ao menos durante cinco ou seis meses, porque os 600 homens de Benjamim estiveram escondidos na penha do Rimón durante quatro meses (cap. 20: 47). 25. Não havia rei no Israel. Com esta declaração se faz uma transição apropriada ao livro do Samuel, onde descreve-se o começo da monarquia. 421

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->