Você está na página 1de 227

I SAMUEL

VOLTAR

INTRODUÇÃO

[O que segue é a introdução aos livros 1 e 2 de Samuel, que são parte de


um todo].

1.

Título.

Os dois livros conhecidos hoje como 1 e 2 do Samuel aparecem como um só volúmen


em todos os manuscritos hebreus preparados antes de 1517. Não foi até a
tradução do AT ao grego, ao redor do século III AC, quando o livro foi
dividido pela primeira vez em duas partes. Nessa tradução, a LXX, essas dois
partes apareciam como "Primeiro dos Reino" e "Segundo dos Reino"; os
livros que agora conhecemos como 1 e 2 Reis apareciam como "Terceiro dos
Reino" e "Quarto dos Reino". A Vulgata latina do Jerónimo, do século IV
DC, é a primeira que apresenta os títulos de "Reis" em lugar de "Reino". Foi
vários séculos depois de Cristo quando os masoretas notaram que a declaração
de 1 Sam. 28: 24 estava no centro do livro no texto hebreu. Em realidade,
as Bíblias hebréias conservaram a forma original até a edição impressa
feita pelo Daniel Bomberg em Veneza, em 1517.

devido a que a vida e o ministério do Samuel domina a primeira metade do


livro, a este originalmente lhe deu seu nome. Este título foi apropriado em
vista do importante papel que Samuel desempenhou como o último dos juizes,
por ser um dos maiores profetas, o fundador das escolas dos
profetas (ver 1 Sam. 10: 25). portanto, em essência, o nomes Samuel
designa contido mas bem que partenidad literária.

2.

Autor.

Em contraste com o Pentatéuco, no qual se declara especificamente, respeito


de certas porções, que foram escritas pelo Moisés, os livros do Samuel não
contêm informação alguma quanto a quem pôde ter sido o autor, ou os
autores. De acordo com a tradução judia, os primeiros 24 capítulos de 1
Samuel foram escritos pelo Samuel, e o resto de 1 Samuel, junto com 2 Samuel,
pelo Natán e Gad (ver 1 Crón. 29: 29). Quando o livro foi dividido -no texto
hebreu e na maioria das traduções- o nome original, Samuel, se
aplicou a ambas as partes, embora seu nome não se menciona nenhuma só vez na
segunda parte. A morte do Samuel se registra em 1 Sam. 25: 1, e seu nome, em
estes dois livros, aparece por última vez em 1 Sam. 28: 20.

Já que David se destaca na segunda parte, seu nome poderia ser um


título mais apropriado para 2 Samuel. É óbvio que é errônea a declaração do
448 Talmud de que Samuel escreveu tudo o que agora leva seu nome, porque
tudo 2 Samuel -como também a última parte de 1 Samuel- registram a história
do Israel depois de sua morte. Alguns eruditos bíblicos assinalaram 1 Sam.
27: 6 como uma prova de que os livros do Samuel datam do tempo da
divisão do reino. Mas se as duas partes do Samuel foram escritas em tempos
diferentes por distintos autores, por que se publicaram originalmente como uma
só entidade? Entretanto, se representarem a obra contínua de um autor, este
deve ter escrito depois da morte do Saúl (2 Sam. 21: 1-14) e do David
(ver 2 Sam. 23: 1). Parece muito razoável concluir que 1 e 2 Samuel são obras
de vários autores, e que são uma coleção de narrações, cada uma completa em
si mesmo. Cada autor escreveu por inspiração, e todas as partes foram
finalmente reunidas como um tudo sob a direção do Espírito Santo.

3.

Marco histórico.

O livro de 1 Samuel abrange o período de transição dos juizes até o


reino unido do Israel, e inclui o último juiz, Samuel, e ao primeiro rei, Saúl.
O segundo livro do Samuel trata exclusivamente do reinado do David. Pelo
tanto, 1 Samuel abrange quase um século, desde ao redor de 1100 até 1011 AC; e
2 Samuel, 40 anos, ou seja desde 1011 até 971 AC.

O período de 1200 a 900 AC foi de desassossego nacional e controvérsia


política. ficou pouco empenho no mundo antigo por registrar e conservar
relatos escritos dos sucessos desse tempo. Os historiadores antigos tais
como Herodoto, Beroto, Josefo e mais tarde Eusebio, viram-se na necessidade de
apoiar-se principalmente em relatos folclóricos dos sucessos ocorridos no mundo
durante essa época. Por esta razão é preciso cotejar suas declarações com os
descobrimentos arqueológicos modernos, que proporcionam muita informação não
disponível anteriormente. Há material novo que constantemente vai aparecendo
e que aumentam nosso conhecimento do período durante o qual ocorreram os
acontecimentos de 1 e 2 Samuel.

Este período de desassossego, agitação e transição se iniciou com as


migrações dos povos do mar que, direta ou indiretamente, afetaram a
todo o antigo Oriente. Durante o período abrangido por 1 e 2 Samuel
governaram ao Egito os reis sacerdotes da XX dinastia (ver pág. 28) e os
governantes seculares da XXI dinastia, cujos reinados se caracterizaram por
debilidade, decadência e desunião nacionais. Durante a maior parte deste
período Assíria foi também extremamente débil. Em Babilônia as condições eram
muito similares às do Egito e Assíria: a debilidade interna e as invasões
do exterior estavam à ordem do dia. A influência política do Egito e de
Síria desapareceu em tais circunstâncias da Palestina. As migrações dos
povos de mar e dos aramaicos se acrescentaram às dificuldades internas, e
mantiveram a situação política internacional em todo o antigo Oriente em
um estado de agitação durante quase dois séculos.

Como resultado, os primeiros reis do Israel estiveram comparativamente livres


para consolidar seu domínio sobre a terra prometida e as regiões
circundantes, sem a interferência de seus anteriormente fortes vizinhos do
norte e do sul. Seus únicos inimigos eram as nações da região de
Palestina, tais como os filisteus, amalecitas, edomitas, madianitas e
amonitas. A resistência destas tribos vizinhas foi vencida gradualmente, e a
maioria delas se submeteu ao domínio israelita. David e Salomón regeram
finalmente extensas regiões que tinham pertencido anteriormente ao império
egípcio e às nações da Mesopotamia.

Quando o Israel entrou no Canaán, o Senhor lhe ordenou que atribuísse cidades aos
levita em todas as diferentes tribos. Assim poderia instruir-se a todo o povo
nos caminhos da justiça. Mas os israelitas parecem ter emprestado pouca
ou nenhuma 449 atenção à ordem. Em realidade, nem sequer jogaram aos
cananeos, mas sim viveram entre eles (Juec. 1: 21, 27, 29-33). depois de
poucos anos, levita-os -que não tinham recebido uma herdade específica- se
acharam sem emprego. Até o Jonatán, o neto do Moisés (ver com. Juec. 18:
30), visitou a casa da Micaía o efrainita "onde morava" e pôde "encontrar
lugar" (Juec. 17: 5), e chegou a ser sacerdote para a "casa de deuses" de
Micaía (Juec. 17: 5). Finalmente roubou as imagens da casa da Micaía e se
foi com os migratórios descendentes de Dão para ser seu sacerdote (ver Juec.
18). Dessa maneira, em um tempo quando "cada um fazia o que bem o
parecia", Israel violou o plano de Deus de que os levita instruyesen ao povo
em seus caminhos, e logo caiu nos hábitos de ignorância e superstição de
quão pagãos o rodeavam. Seis vezes durante o período dos juizes Deus
procurou despertar a seu povo em relação ao engano de seu caminho, ao permitir que
fosse subjugado pelas nações circunvizinhas. Mas pouco depois de cada
liberação da servidão, voltava a cair na indiferença e a idolatria.

Embora cresceu nesse ambiente, Samuel preferiu repudiar os males desse tempo
e dedicar-se à correção dessas tendências. Seu plano para realizar isto
girou em volto do estabelecimento das assim chamadas "escolas dos
profetas". Uma destas estava no Ramá, seu lar ancestral (1 Sam. 19: 19-24),
e outras foram estabelecidas mais tarde no Gilgal (2 Rei. 4: 38), Bet-o (2 Rei.
2: 3) e Jericó (2 Rei. 2: 15-22). Ali os jovens estudavam os princípios
da leitura, a escritura, a música, a lei e a história sagrada. Se
ocupavam em diversos ofícios, a fim de que, tanto como fosse possível,
aprendessem a sustentar-se a si mesmos. A expressão "escolas dos profetas"
não aparece no AT, mas os jovens que ali estudavam eram chamados "filhos
dos profetas". Dedicavam-se ao serviço de Deus e alguns deles eram
empregados como conselheiros do rei.

Para o fim de sua vida Samuel -com desagrado de sua parte- foi chamado a ser o
instrumento para estabelecer a monarquia. depois de tratar o assunto com o
povo, escreveu um livro sobre "as leis do reino" e o guardou diante do
Senhor (1 Sam. 10: 25). Isto não foi provavelmente de valor algum para o Saúl, de
quem se acredita que não sabia ler. Samuel animou ao Saúl lhe assegurando a presença
permanente de Deus, mas este rechaçou logo o conselho inspirado do Samuel, se
rodeou de um forte guarda e se converteu rapidamente em um monarca absoluto.

Depois do rechaço do Saúl, Samuel foi chamado a escolher e preparar um homem


conforme ao coração de Deus (1 Sam. 13: 14), um que não ficasse por cima
da lei, mas sim obedecesse a Deus. A preparação do David, como a de
Cristo, foi levada a cabo frente ao ciúmes e o ódio. Embora David caiu a
vezes na transgressão da lei que venerava e defendia, sempre se humilhou
ante essa lei que considerava suprema. como resultado da cooperação de
David com os princípios estabelecidos Por Deus mediante Moisés e Samuel, Israel
gradualmente submeteu a todos seus inimigos, e os limites da nação se
estenderam para o norte, virtualmente até o Eufrates, e para o sul
até a fronteira do Egito. Deus pôde benzer ao Israel que, como resultado,
desfrutou de uma época de prosperidade e glória nacionais que continuou através
do reinado do Salomón, e que após nunca foi igualada.

4.

Tema.

O primeiro livro do Samuel registra e relata a transição, algo repentina, de


séculos de teocracia pura -que se exercia mediante profetas e juizes- à
condição de reino. O relato do reinado do Saúl revela alguns dos
problemas que acompanharam o estabelecimento do reino e explica por que a
casa do David substituiu a do Saúl. O segundo livro do Samuel trata do
glorioso reinado de David,450 primeiro no Hebrón e logo em Jerusalém, e
conclui com sua compra da era da Arauna, na qual mais tarde foi levantado
o templo pelo Salomón. O relato dos últimos anos do David e sua morte
aparece nos primeiros capítulos de 1 Reis.

5.

Bosquejo.

1 Samuel

I. Historia do Samuel, restaurador do Israel, 1 Sam. 1: 1 a 7: 17.

A. Nascimento e preparação inicial, 1: 1 a 2: 11.

1. Elcana e Ana, 1: 1-8.

2. Oração da Ana, l: 9-18.

3. Nascimento do Samuel e seus primeiros anos, 1: 19-23.

4. Apresentação do Samuel a Deus, 1: 24-28.

5. Canto de louvor da Ana, 2: 1-11.

B. Condicione no sacerdócio, 2: 12-36.

1. Ministério dos filhos do Elí, 2: 12-17.

2. Ministério do menino Samuel, 2: 18, 19.

3. Bênção de Deus sobre a Elcana e Ana, 2: 20, 21.

4. O fracasso do Elí na disciplina, 2: 22-36.

C. Iniciação do Samuel no ofício profético, 3: 1 a 4: L.

1. Mensagem de Deus para o Elí, 3: 1-18.

2. Samuel se desenvolve como profeta, 3: 19 a 4: 1.

D. Captura do arca e sua devolução, 4: 2 a 7: 1.

1. Batalha do Israel com os filisteus, 4: 2-9.

2. Os filisteus capturam o arca; morte do Ios filhos do Elí,


4: 10, 11.

3. Morte do Elí, o profeta e juiz, 4: 12-22.

4. O arca em Filistéia, 5: 1 a 6: 1.

5. O arca volta para o Israel, 6: 2 a 7: L.

E. Ministério de 20 anos do Samuel, 7: 2-6.

F. A sujeição dos filisteus, 7: 7-14.


G. Samuel estabelecido como juiz, 7: 15-17.

II. A criação de uma monarquia, 1 Sam. 8: 1 a 15: 35.

A. Se pede um rei, 8: 1-22.

B. Sucessos que levam a unção do Saúl, 9: 1-27.

C. Saúl chamado a ser rei, 10: 1-27.

1. O unção, 10: 1.

2. Evidências sobrenaturais do favor de Deus, 10: 2-13.

3. Silêncio do Saúl ao retornar a sua casa, 10: 14-16.

4. Eleição do Saúl por sorte, 10: 17-25.

5. A partida opositor, 10: 26, 27.

D. Sucessos que levam a confirmação final do Saúl como rei, 11: 1 a


12: 25.

1. Batalha com os amonitas, 11: 1-11.

2. Saúl aclamado rei, 11: 12-15.

3. Samuel transpassa o poder administrativo ao Saúl, 12: 1-5.

4. O testemunho de Deus da eleição do povo, 12: 16-18.

5. Contínuo interesse v oração do Samuel, 12: 19-25. 451

E. Guerra com os filisteus, 13: 1 a 14: 46.

1. Presunção do Saúl no Gilgal, 13: 1-23.

2. Façanha do Jonatán no Micmas, 14: 1-23.

3. A errônea decisão do Saúl, 14: 24-46.

F. Genealogia da casa do Saúl, 14: 47-52.

SEGUNDA G. prova do Saúl, 15: 1-35.

1. Perdoa a vida do Agag, 15: 1-9.

2. O Senhor rechaça ao Saúl, 15: 10-35.

III. A preparação do David para o reino, 1 Sam. 16: 1 a 31: 13.

A. O unção do David, 16: 1-13.

1. Samuel vacila antes de visitar Presépio, 16: 1-4.

2. Os filhos do Isaí e o unção do David, 16: 5-13.

B. Alienação mental do Saúl ao ser rechaçado, 16: 14-23.


C. A guerra com os filisteus e suas conseqüências, 17: 1 a 18: 8.

1. O desafio do Goliat, 17: 1-1 L.

2. A fortaleza e vitória do David, 17: 12-58.

3. O pacto do Jonatán, 18: 1-4.

4. Popularidade do David, 18: 5-8.

D. Ciúmes do Saúl e seus resultados, 18: 9 a 19: 24.

1. David em perigo, 18: 9-12.

2. Duplicidade do Saúl ao oferecer a sua filha, 18: 13-27.

3. Inimizade manifesta do Saúl contra David, 18: 28 a 19: 1 L.

4. David escapa de sua casa e vai ao Samuel, 19: 12-18.

5. Visita do Saúl ao Ramá e seus resultados, 19: 19-24.

E. Pactuo do Jonatán com o David, 20: 1-42.

1. Acordo para provar as intenções do Saúl, 20: 1-8.

2. Jonatán confirma seu pacto anterior, 20: 9-23.

3. A prova dos sentimentos do Saúl, 20: 24-34.

4. David recebe aviso de que corre perigo, 20: 35-40.

5. Jonatán se despede do David, 20: 40-42.

F. David foge do Saúl, 21: 1 a 22: 23.

1. David foge ao Nob e ao Ahimelec, 21: 1-9.

2. Escape ao Aquis no Gat, 21: 10-15.

3. Ida à cova do Adulam, 22: 1, 2.

4. Fuga ao Moab, 22: 3, 4.

5. Retorno ao Judá, 22: 5.

6. Saúl se venha da gente do Nob, 22: 6-23.

G. David socorre a Keila; a ingratidão de seus habitantes, 23: 1-12.

H. David foge pela segunda vez do Saúl, 23: 13 a 24: 22.

1. Fuga ao deserto do Zif, 23: 13-15.

2. Visita do Jonatán, 23: 16-18.

3. Ineficaz marcha do Saúl contra David, 23: 19-28.


4. David vai ao Engadi, 23: 29 a 24: 2.

5. Magnanimidade do David para com o Saúl no Engadi, 24: 3-22.

I. Morte do Samuel, 25: 1.

J. O que aconteceu com David com o Nabal e Abigail, 25: 2-44.

K. Ultimo intento do Saúl de matar ao David: seus resultados, 26: 1-25.

SEGUNDA L. fuga do David ao Gat, 27: 1 a 28: 2. 452

1. Sua residência no Siclag, 27: 1-12.

2. Aquis ordena ao David que vá com ele à batalha, 28: 1, 2.

M. Saúl recorre à necromancia, 28: 3-25.

N. Aquis se despede do David, 29: 1-1 L.

0. Incursão dos amalecitas e seus resultados, 30: 1-31.

P. Morte do Saúl, 31: 1-13.

2 Samuel

I. David reina sobre o Judá, 2 Sam. l: 1 a 5: 5.

A. David depois da morte do Saúl, l: 1-27.

1. As notícias da morte do Saúl, l: 1-16.

2. Lamento do David pelo Saúl, l: 17-27.

B. A casa do Saúl se opõe ao David, 2: 1 a 3: 39.

1. David ungido rei do Judá e seu governo no Hebrón, 2: 1-7.

2. Abner põe a Is-boset como rei do Israel, 2: 8-11.

3. Derrota do Abner e morte do Asael, 2: 12-32.

4. fortalece-se a casa do David; o nome de seus filhos, 3:


1-5.

5. Abner se submete ao David, 3: 6-21.

6. Joab assassina ao Abner, 3: 22-39.

C. David como única autoridade sobre tudo Israel, 4: 1 a 5: 5.

1. Assassinato de Is-boset, 4: 1-8.

2. Castigo do Recab e Baana, 4: 9-12.

3. David ungido rei sobre tudo Israel, 5: 1-5.


II. David reina sobre tudo Israel, 2 Sam. 5: 6 a 24: 25.

A. Reinado inicial do David podendo e esplendor, 5: 6 a 10: 19.

1. Captura de Jerusalém, 5: 6-16.

2. Vitória sobre os filisteus, 5: 17-25.

3. Traslado do arca a Jerusalém, 6: 1-23.

4. David deseja edificar um templo, 7: 1-29.

5. Vitória sobre inimigos estrangeiros, 8: 1-14.

6. Organização do reino, 8: 15-18.

7. David acolhe ao Mefi-boset, 9: 1-13.

8. Derrota dos amonitas e sírios, 10: l- 19.

B. Pecado do David e suas dificuldades, 1 l: 1 a 21: 22.

1. Adultério do David com o Betsabé e morte do Urías, ll: 1-27.

2. Repreensão do Natán e arrependimento do David, 12: 1-25.

3. Captura do Rabá, 12: 26-31.

4. Dificuldades familiares, 13: 1 a 14: 33.

A. Amnón e Tamar, 13: 1-21.

B. Absalón assassina ao Amnón, 13: 22-33.

C. A fuga do Absalón, 13: 34-39.

d. A volta do Absalón, 14: 1-24.

E. Beleza do Absalón e sua reconciliação com o David,


14: 25-33.

5. Absalón se revolta, 15: 1 a 19: 43.

A. Absalón ganha a vontade da gente, 15: 1-6.

B. A conspiração, 15: 7-12.

C. A fuga do David, 15: 13-37. 453

d. David se encontra com a Siba, 16: 1-4.

E. Simei ultraja ao David, 16: 5-14.

F. O conselho do Ahitofel e Husai, 16: 15 1 : 23.

(1) Husai enviado ao Absalón, 16: 15-19.

(2) Conselho do Ahitofel, 16: 20-23.


(3) O conselho do Ahitofel superado pelo de
Husai, 17: 1-23.

G. David no Mahanaim, 17: 24-29.

H. A rebelião dominada, e morte do Absalón, 18: 1-33.

I. David chora pelo Absalón, 19: 1-8.

J. David volta para Jerusalém, 19: 9-43.

6. A rebelião da Seba, 20: 1-22.

7. Dicionários do David, 20: 23-26.

8. Três anos de fome e o enforcamento dos filhos do Saúl,


21:1-14.

9. Guerra contra os filisteus, 21: 15-22.

C. Apêndice, 22: 1 a 24: 25.

1. Salmo de louvor do David, 22: 1-51.

2. Ultima palavras de instrução do David, 23: 1-7.

3. Os valentes do David e suas façanhas, 23: 8-39.

4. Pecado do David por recensear ao povo e a praga resultante,


24: 1-25.

A. David recenseia ao povo, 24: 1-10.

B. Peste enviada pelo Senhor, 24: 11-15.

C. Cessa a peste, 24: 16, 17.

d. Compra da era da Arauna, 24: 18-25.

CAPÍTULO 1

1 Elcana, um levita com duas mulheres, adora cada ano em Silo. 4 Ama a Ana,
embora esta é estéril e é desprezada pela Penina. 9 Ana, afligida, ora
pedindo um filho. 12 Elí ao princípio a reprova, mas logo a benze. 19
Ana tem um filho ao que chama Samuel, e fica em casa até que este é
desmamado. 24 O dedica ao Jehová em cumprimento de seu voto.

1 Houve um varão do Ramataim do Zofim, do monte do Efraín, que se chamava


Elcana filho do Jeroham, filho do Eliú, filho do Tohu, filho do Zuf, efrateo.

2 E tinha ele duas mulheres; o nome de uma era Ana, e o da outra, Penina. E
Penina tinha filhos, mas Ana não os tinha.

3 E todos os anos aquele varão subia de sua cidade para adorar e para oferecer
sacrifícios ao Jehová dos exércitos em Silo, onde estavam dois filhos do Elí,
Ofni e Finees, sacerdotes do Jehová.
4 E quando chegava o dia em que Elcana oferecia sacrifício, dava a seu Penina
mulher, a todos seus filhos e a todas suas filhas, a cada um sua parte.

5 Mas a Ana dava uma parte escolhida; porque amava a Ana, embora Jehová não o
tinha concedido ter filhos.

6 E seu rival a irritava, zangando-a e entristecendo-a, porque Jehová não o


tinha concedido ter filhos.

7 Assim fazia cada ano; quando subia à casa do Jehová, irritava-a assim; pelo
qual Ana chorava, e não comia.

8 E Elcana seu marido lhe disse: Ana, por que chora? por que não come? e por
o que está aflito seu coração? Não te sou eu melhor que dez filhos?

9 E se levantou Ana depois que teve comido e bebido em Silo; e enquanto o


sacerdote Elí estava sentado em uma cadeira junto a um pilar do templo de
Jehová,

10 ela com amargura de alma orou ao Jehová, e chorou abundantemente. 454

11 E fez voto, dizendo: Jehová dos exércitos, se te dignar olhar à


aflição de seu sirva, e te lembrar de mim, e não se esquecer de seu sirva,
mas sim dieres a seu sirva um filho varão, eu o dedicarei ao Jehová todos os
dias de sua vida, e não passará navalha sobre sua cabeça.

12 Enquanto ela orava longamente diante do Jehová, Elí estava observando a


boca dela.

13 Mas Ana falava em seu coração, e somente se moviam seus lábios, e sua voz
não se ouvia; e Elí a teve por ébria.

14 Então lhe disse Elí: Até quando estará ébria? Digere seu vinho.

15 E Ana lhe respondeu dizendo: Não, meu senhor; eu sou uma mulher afligida de
espírito; não bebi vinho nem cidra, mas sim derramei minha alma diante de
Jehová

16 Não tenha a seu sirva por uma mulher ímpia; porque pela magnitude de meus
angústias e de minha aflição falei até agora.

17 Elí respondeu e disse: Vê em paz, e o Deus do Israel te outorgue a petição


que lhe tem feito.

18 E ela disse: Ache seu sirva graça diante de seus olhos. E se foi a mulher
por seu caminho, e comeu, e não esteve mais triste.

19 E levantando-se de amanhã, adoraram diante do Jehová, e voltaram e foram a


sua casa no Ramá. E Elcana se chegou a Ana sua mulher, e Jehová se lembrou dela.

20 Aconteceu que ao cumprir o tempo, depois de ter concebido Ana, deu a


luz um filho, e lhe pôs por nomeie Samuel, dizendo: Por quanto o pedi a
Jehová.

21 Depois subiu o varão Elcana com toda sua família, para oferecer ao Jehová eI
sacrifício acostumado e seu voto.

22 Mas Ana não subiu, a não ser disse a seu marido: Eu não subirei até que o menino seja
desmamado, para que o leve e seja apresentado diante do Jehová, e fique
lá para sempre.

23 E Elcana seu marido lhe respondeu: Faz o que bem te pareça; fica até
que o desmame; somente que cumpra Jehová sua palavra. E ficou a mulher,
e criou a seu filho até que o desmamou.

24 Depois que o teve desmamado, levou-o consigo, com três bezerros, um f


de farinha, e uma vasilha de vinho, e o trouxe para a casa do Jehová em Silo; e o
menino era pequeno.

25 E matando o bezerro, trouxeram o menino ao Elí.

26 E ela disse: OH, meu senhor! Vive sua alma, meu senhor, eu sou aquela mulher
que esteve aqui junto a ti orando ao Jehová.

27 Por este menino orava, e Jehová me deu o que lhe pedi.

28 Eu, pois, dedico-o também ao Jehová; todos os dias que viva, será de
Jehová. E adorou ali ao Jehová.

1.

Ramataim do Zofim.

Literalmente, "dois lugares altos dos guardiães", ou "alturas geme as dos


zofitas". Isto indica cidades as gema ou possivelmente duas seções da mesma
cidade, pois nos caps. 1: 19 e 2: 11 se alude ao Ramataim do Zofim
simplesmente como Ramá. Não se conhece a localização do Ramá, cidade de onde
procedia Samuel. Ao fim do capítulo, veja-a nota adicional em que se trata
o tema das diversas localizações possíveis.

Elcana.

Literalmente, "a quem Deus comprou". Um levita (1 Crón. 6: 33-38; cf.


vers. 22-28; PP 614) da família do Coat que vivia na tribo do Efraín. É
interessante descobrir que Samuel era descendente do Coré (1 Crón. 6: 33-38),
que tão violentamente se opôs à decisão do Senhor de converter em
sacerdotes aos filhos do Aarón (ver Núm. 16). Isto é uma evidência de que
os filhos não recebem castigos pelos pecados de seus pais, mas sim "cada um
morrerá por seu pecado" (Deut. 24: 16).

2.

Duas mulheres.

O nome Ana significa , "afabilidade". Penina significa "a de cabelo


abundante". Neste período da história do mundo se considerava legítima
a poligamia, e Deus a permitia (ver com. Deut. 14: 26). Entretanto, devido
a restrições financeiras, tão solo as classes acomodadas e os reis parecem
ter praticado a pluralidade de casamentos. Os governantes procuravam
assegurar a paz enviando uma princesa ao harém de outro monarca. Mas em vez de
proporcionar paz, a prática da poligamia com freqüência suscitava
complicações, ciúmes e fracassos tanto para o harém real como para o lar
privado. Nos tempos do NT a poligamia desqualificava a um homem para
qualquer cargo religioso (1 Tim. 3: 2, 12). 455

3.
Subia.

Posto que vivia tão somente a 19 km do tabernáculo de Silo, era natural que
Elcana, sendo levita, assistisse regularmente às três festas anuais (ver
com. Exo. 23: 14-17; Lev. 23: 2), e especialmente à primeira e mais
importante a páscoa a princípios da primavera do hemisfério norte. Essa
festa que simbolizava a liberação dos israelitas do Egito, também os
fazia pensar antecipadamente no grande Cordeiro pascal simbolizado Jesus,
quem por meio de seu sacrifício proporcionou o meio para redimir ao homem de
a escravidão espiritual (1 Cor. 5: 7). Embora não se exigiam seus serviços em
o santuário, como muitos outros levita durante o período dos juizes (Juec.
17: 8, 9), Elcana subia como um israelita comum com seus sacrifícios próprios
para animar a seus vizinhos e para lhes dar um bom exemplo. Embora vivia rodeado
de um mal ambiente, é claro que mantinha em alto sua espiritualidade. Embora
Ofni e Finees eram corruptos, Elcana era fiel em seu culto e em oferecer seus
sacrifícios. Assim aconteceu também no caso da Ana e Simeón nos dias de
Cristo (Luc. 2: 25-38). O mesmo devesse acontecer nos tempos modernos.
Nossa lealdade a Cristo não deve depender das obras de outros.

Filhos do Elí.

O nepotismo- favoritismo com os parentes, lhes concedendo cargos já se


encontrava, neste tempo, firmemente enraizado no Israel. Enquanto os
levita pulverizados nas diferentes tribos faziam frente à ameaça da
falta de emprego, três membros da família do Elí -o pai e dois filhos-
conseguiram sua maneira de viver, sem tomar em conta que dois deles não
estavam moralmente qualificados para o cargo. Tal aberração injusta é um
fator que sempre contribui ao descontente e à revolução.

5.

Uma parte escolhida.

Literalmente, "uma porção de duas caras". Elcana fazia tudo o que podia em
altares da unidade, dando uma "parte" a cada membro de sua família. Para
mostrar publicamente que não desejava que Ana fora estéril, dava-lhe uma parte
dobro como se tivesse tido um filho (ver PP 615).

6.

Irritava-a.

O proceder da Penina se devia, em parte, a bem intencionada generosidade de


Elcana. Assim como aconteceu com Satanás no céu, o ciúmes devidos às
cuidados brindadas a outro -já seja no lar ou em outra parte- criam uma
malignidad zombadora e lhe exasperem que se manifesta a cada passo em expressões
de ridículo. Tais mofas não só tiravam o apetite a Ana, mas também também
faziam que se abstivera de participar da festa. Era porque se sentia
indigna, como Aarón depois da morte de seus filhos Nadab e Abiú? (Lev. 10:
19). Não necessitava acaso ainda mais as bênções espirituais da festa
em tais circunstâncias? Também poderia fazê-la pergunta: Quanto da
bênção da festa tinha recebido Penina posto que se tomava a liberdade
de mofar-se de sua companheira? Uma situação tal era comparável a que mencionou
Cristo no relato do fariseu e o publicano (Luc. 18: 10-14). Entretanto,
ao igual ao publicano, Ana não pagava com a mesma moeda, mas sim ocultava
sua amargura e chorava em silêncio.
9.

levantou-se Ana.

Ana não se havia obstinado em sua dor e autocompasión, nem se malhumoraba quando
seu marido lhe dirigia a palavra, mas sim manifestava um elogiável espírito de
domínio próprio. Procurava refúgio no santuário.

11.

Dedicarei-o ao Jehová.

Ao aceitar Ana a dádiva espiritual que Deus lhe dava por meio da festa, se
sentiu impulsionada a suplicar que lhe concedesse um dom mais tangível: um filho,
prometendo ao mesmo tempo devolvê-lo imediatamente ao Senhor para ser
consagrado a seu santo serviço. Possivelmente Deus tinha esperado muito tempo que
houvesse tal entrega. Poderia lhe haver dado um filho antes, mas teria estado
lista então ela para assumir essa responsabilidade?

A sabedoria mundana ensina que não é essencial a oração, e que para ela não
pode haver uma verdadeira resposta, porque isso violaria a lei natural, e que
não pode haver milagres. É parte do plano de Deus conceder, em resposta à
oração de fé, o que não prodigalizaria de outra maneira (CS 579, 580). por que?
Porque é parte do plano do céu que o homem se entregue em forma
voluntária tão plenamente ao henchimiento interior e à obra externa do
Espírito Santo, como o fez Cristo quando esteve na terra. No que
correspondia a Deus, não era necessário que Abraão esperasse 25 anos o cumprimento
do pacto divino. Quando o patriarca chegou ao ponto em que pôde entrar
plenamente no plano que o céu tinha para ele, Deus converteu todos os
fracassos passados em degraus de bênções. Assim aconteceu no caso da Ana.

Mas Deus não lhe falou mediante um anjo. 456 Usou o meio estabelecido do
sacerdócio, embora era imperfeito e necessitava uma reforma. Deus reconheceu que
o desejo natural da Ana de ter um filho finalmente se converteu em uma
paixão por consagrar o mais precioso dos dons a Deus, e ele respondeu a seu
petição mediante Elí.

14.

Ébria.

Elí, o guardião do santuário e a autoridade principal em lei e religião,


julgava por indícios circunstanciais e não pelos verdadeiros sentimentos de
os adoradores. Julgou a Ana pelo critério de sua própria experiência com seus
filhos. Entretanto, não tinha chegado ao ponto de onde não pudesse
compreender a revelação de Deus que se ia manifestando. Mediante a
experiência da Ana, o Espírito Santo lhe revelou que Deus tem em conta os
motivos do coração.

16.

Não tenha.

Com tranqüilo domínio próprio e acicateada por uma recriminação tal, com toda
suavidade e com respeitosa deferência pelo que estava em um posto de
autoridade, Ana se referiu a suas dores íntimos que tinham provocado a falsa
interpretação do Elí, e sem temor afirmou sua inocência. Era o mesmo espírito
com o qual Cristo responderia a seus acusadores.
17.

Vê em paz.

A paz só sobrevém quando cessam as hostilidades, quando há uma vitória ou


uma entrega plenas. Quando Ana fez essa entrega ao Senhor, descobriu que a
inimizade da Penina e suas brincadeiras deixavam de feri-la. Podia dizer com seu
Salvador: "Pai, perdoa-os, porque não sabem o que fazem" (Luc. 23: 34).

Elí rapidamente reconheceu a mão de Deus, e foi inspirado pelo Espírito


Santo para indicar a aprovação divina. Cristo exemplificou o verdadeiro
espírito de amor e discernimento, e repartirá esse mesmo espírito aos
pastores que dependem dele. Mas já seja que o recebam ou não, comuniquem-no ou
não a outros, nada pode impedir que a mais humilde ovelha do prado divino
escute a voz de Deus e o siga. Ana não dependia das circunstâncias. Deixou
seu caso em mãos de Deus, e a resposta veio imediatamente.

20.

Samuel.

O nome significa "ouvido Por Deus", e como outros nomes pessoais da


Bíblia estava cheio de significado. "Samuel" foi um recordativo do pedido de
Ana ao Senhor, um motivo de lembrança da promessa que fez e um reconhecimento
da aprovação de Deus. O tempo devia demonstrar a verdade de tudo isto.
Desde sua mais tenra infância, Samuel reconheceu que era servo do Senhor.

22.

Ana não subiu.

Para sua mãe, Samuel não era tão somente um menino a não ser uma oferenda dedicada a Deus.
portanto, procurou educá-lo para ele desde seus primeiros anos. Com muita
solicitude e oração atendeu as necessidades físicas de seu filho, e dirigiu os
pensamentos dele ao Senhor dos exércitos logo que teve uso de razão. Para
poder cumprir mais inteiramente sua missão, não visitou silo até depois de
ter desmamado ao menino. Quão te abranjam é a influência de uma mãe em
Israel! São extremamente preciosos seus momentos já se trate de uma exilada e
pulseira, como Jocabed a mãe do Moisés, já de um membro açoitado no
lar de um levita do Canaán. Tendo isto em conta, Ana começou a trabalhar
não só para um fim temporário, mas também para a eternidade. Tinha a responsabilidade
de imprimir em uma alma humana a imagem divina. Tal foi também o caso de
María, a mãe do Jesus.

mais de uma vez se confiou a uma sirva do Senhor a tarefa de reavivar a


decaída fé de um povo desanimado e inclinado ao pecado, que tinha deixado de
compreender que Deus usa o néscio do mundo para confundir aos sábios.
Convidam a meditar a consagração do Jocabed a sua tarefa, a clara visão da Ana
quando trouxe para o Samuel ao mundo, ou o sentido de solene responsabilidade de
María quando respondeu ao anjo: "Hei aqui a sirva do Senhor; faça-se comigo
conforme a sua palavra" (Luc. 1: 38).

Mas embora a mãe tenha os propósitos mais sérios, também ao filho lhe toca
fazer sua própria eleição na vida. Tal foi, por exemplo, o caso do Sansón.
Até depois de um comprido período no que procurou sua própria complacência, Sansón
percebeu uma visão de Deus que o induziu a dar sua vida sem esperar recompensa,
uma consagração que o colocou na grande galáxia dos que triunfaram pela
fé, como se registra no capítulo 11 de Hebreus. Às vezes precisamente a
aqueles a quem Deus se propõe usar como seus instrumentos para uma obra
especial, Satanás trata de empregar para desencaminhar a outros.

para sempre.

Ver com. Exo. 12: 14; 21: 6. Com as palavras "para sempre" Ana quis dizer
que Samuel seria nazareo durante toda sua vida (1 Sam. 1: 11; ver também com.
Gén. 49: 26; Núm.6: 2 ). 457 Um fragmento do livro de 1 Sam. encontrado na
quarta caverna do Khirbet Qumrán, e publicado em 1954, declara específicainente
que Samuel era nazareo.

23.

Seu marido lhe respondeu.

Elcana consentiu no voto de sua esposa (Núm. 30: 6, 7), e de acordo com 1
Sam. l: 21 o fez dele (ver com. Núm. 30: 6).

Cumpra Jehová sua palavra.

Quer dizer "realize o plano do Senhor para o Samuel!" Deus já tinha reconhecido
sua parte no cumprimento da oração e do voto da Ana. Elcana acreditava (1)
que Deus certamente tinha falado por meio do Elí (vers. 17); (2) que o
nascimento do Samuel confirmava a origem divina da promessa do Elí (vers.
20); e (3) que a promessa se cumpriria completamente no ministério da
vida do Samuel.

Muito depende da cooperação dos cônjuges no lar cristão. Elcana


estava profundamente emocionado pela consagração de sua esposa, e
cordialmente se uniu com ela em seu desejo. É um excelente exemplo da
admoestação do Pablo: "Maridos, amem a suas mulheres, assim como Cristo amou a
a igreja, e se entregou a si mesmo por ela" (F. 5: 25). Elcana se
responsabilizou pelo voto dela e tomou a peito. Entretanto, reconhecia
a liberdade de eleição de sua esposa e desejava que tivesse êxito a decisão
que ela tinha feito de consagrar seu filho a Deus. Sua atitude ilustra o desejo
cordial de Cristo de trabalhar com cada pessoa de tal maneira que possa expressar
sua própria personalidade, e revele assim ao universo a beleza multiforme do
caráter divino.

24.

Três bezerros.

A LXX traduz: "Um bezerro em seu terceiro ano". De acordo com o vers. 25,
mataram "o bezerro". Abraão, em seu sacrifício de consagração utilizou uma
becerra de três anos (Gén. 15: 9). O sacrifício da Elcana devotado em
cumprimento do voto (vers. 11, 21) consistiu em um novilho com sua respectiva
farinha e libação (Núm. 15: 9,10). Posto que Elcana e Ana trouxeram uma f
inteiro de farinha, e a quantidade requerida para um novilho era três décimos de
um f (Núm. 15: 8-10), é provável que o bezerro mencionado no vers. 25
fora o holocausto com o qual o menino Samuel foi consagrado ao Senhor, e que
os outros dois bezerros fossem sacrificados como a oferenda expiatória
acompanhante e o sacrifício de paz, cada um dos quais requeria três
décimas de um f de farinha. O fato de que Elcana trouxesse um f completo de
farinha, suficiente para três bezerros, implica que a LXX e as outras
traduções onde se lê "um bezerro em seu terceiro ano" estão equivocadas.
27.

Este menino.

Não se conhece a idade do Samuel quando foi desmamado. É comum no Oriente


que um menino siga sendo amamentado até que tenha três anos e, por exemplo, é
muito possível que Isaac pudesse ter tido cinco anos quando Abraão celebrou a
festa na qual o converteu em seu herdeiro (ver Gén. 21: 8). Posto que Ana
não tinha assistido à festa do nascimento do Samuel, provavelmente Elí
tinha esquecido o incidente.

De acordo com este versículo, Ana não havia dito ao Elí a natureza de seu
pedido, mas então o fez com grande gozo. Ao expressar sua alegria se valeu
da palavra hebréia sha'ao, "pedir", usando diferentes forma do verbo.
Traduzido literalmente, este versículo reza: "A respeito deste menino, eu me
interpus, e o Senhor me deu meu pedido que pedi dele, e também estou
constrangida a pedi-lo para o Senhor. Enquanto ele viva, é pedido para o
Senhor". Ana reconhecia com gozo que sua dádiva para Deus foi primeiro a dádiva
de Deus para ela. Podia dizer com o David: "Do recebido de sua mão lhe damos"
(1 Crón. 29: 14). Foi um amor como este o que induziu ao Rut a exclamar: "Assim
faça-me Jehová, e até me acrescente, que só a morte fará separação entre
nós dois" (Rut 1: 17), e moveu ao Pablo para que afirmasse: "Para mim o viver
é Cristo" (Fil. 1: 21).

NOTA ADICIONAL AO CAPÍTULO 1

Não se conhece a localização exata do Ramataim do Zofim, o povo de onde


procedia Samuel. sugeriram-se várias possibilidades: (1) Beit Rima, em
Efraín, a 18 km. ao oeste de Silo, onde as montanhas da Palestina central
esgotam-se e se convertem nas ondulantes colinas da Sefela, ou
possivelmente no Rentis, 8 km. mais para o oeste; (2) Er-Rám, em Benjamim, a
8,8 km. ao norte de Jerusalém, no caminho ao Siquem; (3) Ramallah no Efraín, a
14,4 km. ao norte de Jerusalém, 19,2 km. ao sul de Silo e a 2,8 km. ao sudoeste
do Bet-o. 458

Beit Rima, a 18 km. ao oeste de Silo, e Rentis, mais longe para o oeste,
estavam a muita distância da Gabaa do Saúl (em Benjamim) para que houvesse
podido estar ali o lar do Samuel (1 Sam. 9: 1 a 10: 9). Saúl não haveria
estado procurando as asnas de seu pai a 40 ou 50 km de sua casa dentro dos dois
dias seguintes a sua perda, nem tivesse sido possível que ele e seu servo
procurassem em todas as colinas, cerque e barrancos desse terreno montanhoso
durante o terceiro dia. Outras cidades, denominadas Ramá, no Aser (Jos. 19:
29), Neftalí (Jos. 19: 36), Simeón (Jos. 19: 8) e Manasés (Ramot no Galaad,
Deut. 4: 43, cf. 2 Rei. 8: 29; 2 Crón. 22: 6), estão ainda mais longe e, pelo
tanto, não as pode tomar em conta.

O amontoado de comprovações favorece ao Ramallah, nas montanhas do Efraín


meridional, perto da fronteira de Benjamim. Um povo se localizado nas
proximidades reúne todas as especificações conhecidas para ser considerado
como a localidade de onde procedia Samuel. Ramá do Juec. 4: 5, em cujas
proximidades estava a palmeira da Débora, não estava longe do Bet-o. Como se
fez notar, Ramallah, a 2,8 km. ao sudoeste do Bet-o, não poderia ser a Ramá de
Benjamim, pois o que escrevia então teria renomado a qualquer das
várias localidades mais próximas ao Ramá de Benjamim que Bet-o, nas montanhas
do Efraín.

Samuel nasceu no Ramá (1 Sam. 1: 1, 19, 20; PP 617). Foi aqui onde serve a
Israel como sacerdote, profeta e juiz, e onde estabeleceu uma das duas
primeiras escolas dos profetas (1 Sam. 7: 17; 8: 4; 15: 34; 19: 18-20; PP
654). Evidentemente este é o povo cujo nome se omite, onde Saúl se
encontrou com o Samuel pela primeira vez e foi ungido como rei (1 Sam. 9: 5, 6, 11,
14, 18; PP 658, 660). Aqui morreu e foi sepultado Samuel (1 Sam. 25: 1; 28: 3).

A Ramá do Samuel também era conhecida como Ramataim do Zofim (1 Sam. 1: 1,


19), em "a terra do Zuf" (1 Sam. 9: 5; cf. PP 658, 660). Zuf era
descendente do Leví, da linhagem do Coat e antepassado do Samuel na quinta
geração (1 Crón. 6: 33-38). Quando se fez a divisão do Canaán, se
atribuíram diversas cidades aos levita coatitas em várias tribos, que
incluíam Judá, Benjamim e Efraín (ver Jos. 21: 4, 5; 1 Crón. 6: 54-70). O
distrito onde viviam os descendentes do Zuf -os zofitas- pôde ser conhecido
adequadamente como "a terra do Zuf" (1 Sam. l: l; 9: 5), e Ramá, sua cidade,
como Ramataim do Zofim, literalmente "Ramataim dos zofitas".

Elcana, pai do Samuel, era do "monte do Efraín", e possivelmente era efrateo como
Zuf, seu antepassado (1 Sam. 1: 1). Um efrateo residia em Presépio (Rut 1: 2; 1
Sam. 17: 12) ou no Efraín (1 Rei. 11: 26). Indubitavelmente, Elcana era efrateo
neste último sentido. O monte do Efraín era tão somente a região montanhosa
compreendida dentro dos limites do território atribuído ao Efraín e, em
realidade, não incluía nenhuma parte das montanhas de Benjamim (ver Juec. 18:
12, 13; 19: 13-16; 1 Sam. 9: 4). De nenhum lugar de Benjamim se fala na
Bíblia como que tivesse estado no "monte do Efraín". Samuel recebeu do
Senhor a descrição do Saúl como "um varão da terra de Benjamim" (1 Sam.
9: 16). Além disso, quando Saúl saiu do Ramá -o lar do Samuel no monte de
Efraín-, cruzou a fronteira de Benjamim a fim de chegar a seu próprio lar em
Gabaa de Benjamim (2 Sam. 10: 2-9; PP 658, 660).

Alguns identificaram com Presépio à cidade cujo nome não se dá em 1 Sam.


9: 1 a 10: 9. Esta identificação se apóia na afirmação do Gén. 35: 16-19,
de que Raquel foi sepultada "no caminho da Efrata, a qual é Presépio", e na
referência de 1 Sam. 10: 2 que diz que a tumba do Raquel estava "no
território de Benjamim, na Selsa". Mas, como no caso do Ramá, não se conhece
a localização exata da tumba do Raquel, a qual estava no caminho entre
Bet-o e Presépio (Gén. 35: 16-19), a uma distância de 24 km. Mas no
original hebreu do Gén. 35: 16, a frase "no caminho da Efrata" diz
literalmente, "a alguma distância da Efrata", o que implica a uma distância
considerável (ver com. Gén. 35: 16).

A localização tradicional da tumba do Raquel, a quase 2 km. ao norte de Presépio,


estaria a 6,4 km. do limite de Benjamim. Mas segundo o original hebreu, a
tumba do Raquel (1 Sam. 10: 2) estava muito mais perto do limite, possivelmente dentro
do "território de Benjamim". Entretanto, se se entender o limite
setentrional e não o limite meridional de Benjamim, harmoniza-se o original
hebreu correspondente ao Gén. 35: 16 e a localização da Selsa ao norte de
Jerusalém.

A menção que faz Jeremías de que a 459 voz de "Raquel que lamenta por seus
filhos" (Jer. 31: 15; cf. Gén. 35: 16-19) foi ouvida "no Ramá", implica que a
tumba do Raquel não estava longe do Ramá, e isto concorda com as instruções
do Samuel ao Saúl, que achamos em 1 Sam. 10: 2. Mas o lugar que
tradicionalmente se localiza perto de Presépio estaria a 14,4 km. do Ramá de Benjamim
e a 20,8 km. do Ramallah do Efraín. A referência do Jeremías a "Raquel que
lamenta por seus filhos" apóia-se no incidente histórico da reunião dos
cativos judeus no Ramá ao preparar-se para ir a Babilônia (ver Jer. 31: 1-17;
40: l). A aplicação profético da declaração do Jeremías está no Mat. 2:
18 (ver com. Deut. 18: 15). A menos que esta Ramá estivesse perto da tumba
do Raquel, a referência do Jeremías a"Raquel que lamenta por seus filhos" seria
bastante estranha. Sua referência posterior a Samaria e ao monte do Efraín (Jer.
31: 5, 6) parece exigir uma Ramá perto do limite de Benjamim e do Efraín, e
isto corrobora a informação dada em 1 Sam. 10: 2.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-28 PP 614-616

3 SR 184

8, 10, 14-17, 20 PP 615

22 PP 642

27, 28 PP 616

28 5T 304

CAPÍTULO 2

1 Hino de agradecimento da Ana. 12 O pecado dos filhos do Elí. 18 O


ministério do Samuel. 20 Graças à bênção do Elí, Ana tem mais filhos. 22
Elí reprova a seus filhos. 27 Uma profecia contra a casa do Elí.

1 E Ana orou e disse:

Meu coração se regozija no Jehová,

Meu poder se exalta no Jehová;

Minha boca se alargou sobre meus inimigos,

Por quanto me alegrei em sua salvação.

2 Não há santo como Jehová;

Porque não há nenhum fora de ti,

E não há refúgio como nosso Deus.

3 Não multipliquem palavras de grandeza e altivez;

Cessem as palavras arrogantes de sua boca;


Porque o Deus de tudo saber é Jehová,

E a ele toca o pesar as ações.

4 Os arcos dos fortes foram quebrados,

E os fracos se ateram de poder.

5 Os saciados se alugaram por pão,

E os famintos deixaram de ter fome;

Até a estéril deu a luz sete,

E a que tinha muitos filhos adoece.

6 Jehová mata, e ele dá vida;

O faz descender ao Seol, e faz subir.

7 Jehová empobrece, e ele enriquece;

Abate, e enaltece.

8 O levanta do pó ao pobre,

E do depósito de lixo exalta ao carente,

Para lhe fazer sentar-se com príncipes e herdar um sítio de honra.

Porque do Jehová são as colunas da terra,

E ele afirmou sobre elas o mundo.


9 O guarda os pés de seu Santos,

Mas os ímpios perecem em trevas;

Porque ninguém será forte por sua própria força.

10 diante do Jehová serão quebrantados seus adversários,

E sobre eles trovejará dos céus;

Jehová julgará os limites da terra,

Dará poder a seu Rei,

E exaltará o poderio de seu Ungido.

11 E Elcana se voltou para sua casa no Ramá; e o menino ministraba ao Jehová diante
do sacerdote Elí. 460

12 Os filhos do Elí eram homens ímpios, e não tinham conhecimento do Jehová.

13 E era costume dos sacerdotes com o povo, que quando algum oferecia
sacrifício, vinha o criado do sacerdote enquanto se cozia a carne, trazendo
em sua mão um gancho de ferro de três dentes,

14 e o metia no tacho, na panela, no caldeirão ou na marmita; e todo o


que tirava o gancho de ferro, o sacerdote tomava para si. Desta maneira faziam
com todo israelita que vinha a Silo.

15 Do mesmo modo, antes de queimar a grosura, vinha o criado do sacerdote, e dizia


ao que sacrificava: Dá carne que assar para o sacerdote; porque não tirará de ti
carne cozida, a não ser crua.

16 E se o homem lhe respondia: Queimem a primeiro grosura, e depois toma tanto


como quer; ele respondia: Não, a não ser me dêem isso agora mesmo; de outra maneira eu a
tomarei pela força.

17 Era, pois, muito grande diante do Jehová o pecado dos jovens; porque os
homens menosprezavam as oferendas do Jehová.

18 E o jovem Samuel ministraba na presença do Jehová, vestido de um efod


de linho.

19 E o fazia sua mãe uma túnica pequena e a trazia cada ano, quando subia
com seu marido para oferecer o sacrifício acostumado.
20 E Elí benzeu a Elcana e a sua mulher, dizendo: Jehová te dê filhos desta
mulher em lugar de que pediu ao Jehová. E se voltaram para sua casa.

21 E visitou Jehová a Ana, e ela concebeu, e deu a luz três filhos e duas filhas.
E o jovem Samuel crescia diante do Jehová.

22 Mas Elí era muito velho; e ouvia de tudo o que seus filhos faziam contudo
Israel, e como dormiam com as mulheres que velavam à porta do tabernáculo
de reunião.

23 E lhes disse: por que fazem coisas semelhantes? Porque eu ouço de todo este
povo seus maus procederes.

24 Não, meus filhos, porque não é boa fama a que eu ouço; pois fazem pecar ao
povo do Jehová.

25 Se pecar o homem contra o homem, os juizes lhe julgarão; mas se algum


pecar contra Jehová, quem rogará por ele? Mas eles não ouviram a voz de seu
pai, porque Jehová havia resolvido fazê-los morrer.

26 E o jovem Samuel ia crescendo, e era aceito diante de Deus e diante de


os homens.

27 E veio um varão de Deus ao Elí, e lhe disse: Assim há dito Jehová: Não me
manifestei eu claramente à casa de seu pai, quando estavam no Egito em casa
de Faraó?

28 E eu lhe escolhi por meu sacerdote entre todas as tribos do Israel, para que
oferecesse sobre meu altar, e queimasse incenso, e levasse efod diante de mim; e
dava à casa de seu pai todas as oferendas dos filhos do Israel.

29 por que pisastes meus sacrifícios e minhas oferendas, que eu mandei oferecer
no tabernáculo; e honraste a seus filhos mais que a mim, lhes engordando do
principal de todas as oferendas de meu povo o Israel?

30 portanto, Jehová o Deus do Israel diz: Eu havia dito que sua casa e a
casa de seu pai andariam diante de mim perpetuamente; mas agora há dito
Jehová: Nunca eu tal faça, porque eu honrarei aos que me honram, e os que me
desprezam serão tidos em pouco.

31 Hei aqui, vêm dias em que cortarei seu braço e o braço da casa de você
pai, de modo que não haja ancião em sua casa.

32 Verá sua casa humilhada, enquanto Deus enche de bens ao Israel; e em nenhum
tempo haverá ancião em sua casa.

33 O varão dos teus que eu não corte de meu altar, será para consumir vocês
olhos e encher sua alma de dor; e todos os nascidos em sua casa morrerão na
idade viril.

34 E te será por sinal isto que acontecerá a seus dois filhos, Ofni e Finees:
ambos morrerão em um dia.

35 E eu me suscitarei um sacerdote fiel, que faça conforme a meu coração e a meu


alma; e eu lhe edificarei casa firme, e andará diante de meu ungido todos os
dias.

36 E o que tiver ficado em sua casa virá a prostrar-se diante dele por uma
moeda de prata e um bocado de pão, lhe dizendo: Rogo-te que adicione a
algum dos ministérios, para que possa comer um bocado de pão.

1.

regozija-se no Jehová.

Esta segunda visita a Silo foi de tudo diferente da registrada no cap.


1. Na primeira visita Ana 461 suplicou angustiada em favor de si mesmo. A
segunda foi um grande canto de louvor. como resultado de sua plena entrega ao
Senhor, estava feliz pelo privilégio de devolver a seu Criador o que o
tinha dado. Ao fazer isto, experimentou o gozo supremo, pois acaso não havia
aprendido a apreciar a amante bondade divina em uma forma nova? Ela elogiou
a Deus como o autor da misericórdia revelada em sua compaixão pelos
necessitados. Obteve uma nova visão do poder de Deus, cujo domínio sobre as
forças ocultas da natureza era agora evidente em sua silenciosa ação
para rebater as forças do mal que a desanimavam e poderiam derrotá-la,
e que além disso tinha feito que um ambiente negativo contribuíra
inmensurablemente à profundidade e plenitude de seu gozo. Entendeu de um modo
novo o pacto feito com seus antepassados: que os filhos de Deus chegariam a ser
uma bênção para todas as nações. O hino de gozo da Ana foi uma
profecia referente ao David e ao Mesías (PP 617).

A experiência da Ana pode ter resultado na bênção máxima manifestada


na vida da Penina. Deus desejava salvar tanto a Penina como a Ana. Como
podia realizar isto em uma forma mais eficaz que mostrando o elogio de
uma alma que confiava nele e que não pagava mal por mau? Tal foi o método de
Cristo ao tratar de salvar ao Simón o leproso: fazer notar a bênção que
podia receber María Madalena (Mar. 14: 3-9; Luc. 7: 37-50). Simón aprendeu seu
lição, e se converteu em um fervente discípulo (DTG 520, 521). Aprendeu seu
lição Penina?

3.

Cessem as palavras arrogantes.

Ana poderia haver sentido que pessoalmente superava a Penina em vista da


maravilhosa experiência que lhe tinha sobrevindo. Entretanto, acaso as
palavras destes versículos não indicam mas bem que o desejo da Ana era que
seu rival pudesse ver a beleza de uma entrega plena a Deus e compreendesse a
inutilidade da arrogância? Certamente, ninguém poderia acusar a Ana de uma
atitude farisaica para com a Penina depois da forma em que Deus havia
vindicado sua humilde consagração. Se Cristo teve lágrimas na voz enquanto
pronunciava seus ayes sobre os fariseus (DC 12; DTG 571, 572), o espírito de
abnegação da Ana ao entregar ao Samuel ao Senhor, não haverá meio doido o coração de
Penina de tal maneira que pudesse compreender de uma forma nova o modo em que
Deus avalia as ações? O permite que os que -como Penina- sentem-se
auto-suficientes colham o fruto de seu próprio egoísmo, que é morte
espiritual. Mas ele pode dar vida até aos que estão espiritualmente
mortos. Cristo brindou ao Judas as muito mesmos oportunidades que ofereceu a
Pedro. Entretanto, alguém se entregou e o outro não. Hei aí a diferença
decisiva.

7.

Empobrece, e ele enriquece.

Ana reconheceu que tinha sido salva do oprobio Por Deus, quem a havia
elogiado muito por cima das mofas da Penina. O pesar dos dias
pretéritos se tinha convertido em uma elevação no Senhor. A oração de
súplica tinha dado lugar ao louvor pela fortaleza divina. Abria agora
os lábios, uma vez fechados em silencioso sofrimento, para elogiar o
omnímodo poder de Deus. Pensou em seu caso como em um símbolo do triunfo
obtido Por Deus para seu povo, tão individual como coletivamente. Achou
inspiração para cantar muito por cima dos alcances de sua própria experiência
e, sob a direção do Espírito Santo, antecipou o gozo dos redimidos
quando estiverem sobre o mar de vidro com um "cântico novo" nos lábios (Apoc.
14: 3). O gozo que experimentou Ana não foi um deleite egoísta, a não ser uma
compreensão magnificada do caráter de Deus. assemelhava-se ao gozo que fez
que os "filhos de Deus" elogiassem-no pela criação do mundo (Job 38: 7), ou ao
que experimentaram os israelitas quando aclamaram ao Senhor depois de ser
liberados das hostes egípcias no mar Vermelho, ou ao que expressou a hoste
angélico quando nasceu Cristo: "Glorifica a Deus nas alturas, e na terra
paz, boa vontade para com os homens!"(Luc. 2: 14). As mofas e
aflições sofridas no lar foram precisamente o ambiente no qual uma
visão tal da salvação de Deus pudesse desenvolver-se de tal modo que
produje um céu na terra. Ana levava o céu no coração pois havia
aprendido a amar ao mundo como Cristo o ama (ver DTG 298,

596).

8.

O levanta.

A alma cristã, consciente sempre de sua impotência, mediante o poder de


Deus se eleva por cima das forças do egoísmo. Rodeada com a fortaleza
do alto, uma alma tal vence as dúvidas passadas, os temores e as tentações.
A vitória ocupa o lugar de 462 a derrota, e na plenitude de gozo a alma
forma-se à imagem de Cristo.

10.

Poder a seu rei.

Durante anos Ana tinha estado vendo como em um espelho, oscuramente (1 Cor. 13:
12), mas agora com olhar profético fala de sua fé no triunfo final e
completo de Cristo. Assim como Deus elogiou o "poderio" dela, também
elogiará o "poderio" de seu Ungido (ver Fil. 2: 9- 11). por que muitos dos
que vivem nesta última geração não permitem que o Senhor os eleve no meio
de seu ambiente desfavorável para que, como Ana, cantem um hino de louvor
e agradecimento no mar de vidro? (Apoc. 14: 3).

11.

O menino ministraba.

A palavra traduzido "menino" é ná´ar, que significa um moço de qualquer


idade até a maturidade. Aos 17 anos José é chamado ná'ar. O mesmo término
aplica-se aos filhos do Elí no vers. 17. Não se sabe quantos anos o
levavam ao Samuel. De acordo com o contexto, Elí os fez sacerdotes antes
de que chegassem à maturidade. calcula-se a idade do Samuel entre os 3 e os
15 anos (veja o material suplementar do EGW a respeito de 1 Sam. 1: 20-28).

Quando um filho assume alguma responsabilidade desacostumada, muitas suas vezes


pais procuram dessa maneira obter alguma vantagem para eles. É digno de
muito elogio Elcana porque -embora era levita- continuou com sua forma habitual
de vida no Ramá. Conhecendo, como certamente conheciam, a natureza do
ambiente que rodearia ao Samuel, Elcana e Ana devem haver sentido alguma
preocupação quando colocaram sua oferenda para o Senhor nas mãos do Elí e de
seus dois filhos, Ofni e Finces. Quanto major deve ter sido a preocupação do
Pai celestial quando colocou a seu Filho dentro da influência e das
acechanzas dos indignos sacerdotes de seus dias. Cristo tinha 12 anos quando
chamou a atenção dos sacerdotes. Entretanto, sua conduta nessa ocasião
atesta da realidade do amparo divino que se estende até sobre os
meninos que procuram a direção celestial (ver com. Luc. 2: 52). As
vicissitudes do Samuel atestam da mesma direção divina.

As Escrituras esclarecem que em meio desse mal ambiente Samuel servia ao Senhor.
A palavra "ministrar" pode referir-se a um serviço, já fora secular ou
sagrado. A usa para as responsabilidades do José na casa do Potifar e
para a ajuda do Josué ao Moisés no monte de Deus (Exo. 24: 13). A
capacidade do Samuel para resistir as más influências que o rodeavam, como
foi também o caso do José e Josué, pode-se atribuir a sua firme decisão de
ocupar-se das coisas de Deus.

12.

Homens ímpios.

Literalmente, "filhos sem valor". Assim descreve Moisés aos que insistiam a seus
próximos a servir a outros deuses (Deut. 13: 13). Nos primeiros dias dos
juizes, o levita que saiu de viagem de Presépio se deteve para passar a noite em
Gabaa e foi atacado por uns "filhos do Belial" (Juec. 19: 22 RVA). No NT
"Belial" se usa como um equivalente de Satanás (2 Cor. 6: 15). Assim como José
foi colocado no seio da degeneração cortesã, também Samuel cresceu
rodeado por um sacerdócio degenerado, "em meio de uma geração maligna e
perversa" (Fil. 2: 15).

Havendo-se rendido às más paixões, Ofni e Finees não tinham o devido


conceito do Deus a quem deviam servir. Não desfrutavam de comunhão com ele, não
simpatizavam com seus propósitos e não sentiam sua obrigação para com ele.
Meramente usufruíam os cargos que tinham por direito hereditário para seu
próprio egoísmo e seus fins corruptos. Roubavam ao povo para agradar seus
apetites pessoais. Roubavam a Deus não só da parte que lhes correspondia
nos sacrifícios, mas também menosprezavam a reverência e o amor dos
adoradores. Mediante suas vis concupiscências rebaixavam o serviço do Senhor
ante os olhos do povo ao nível das orgias sensuais dos bosquecillos
de ídolos vizinhos. Mas Deus permite que uma alma seja colocada em meio de
circunstâncias tais para provar ao universo que um mal ambiente não determina
necessariamente o destino de uma alma. Conhecendo o espírito ambicioso de
Judas, ninguém pensaria hoje em colocá-lo como tesoureiro. Entretanto Jesus assim o
fez (DTG 260, 261). Tinha o propósito de que Judas ficasse tão impressionado
com coisas muito mais valiosas, que se entregasse de todo coração a seu Salvador.
Jesus amava ao Judas e tivesse querido convertê-lo em um dos principais
apóstolos (ver DTG 261).

18.

Ministraba.

Não no sentido de tarefas domésticas, mas sim de deveres sagrados referentes à


obra dos levita no santuário. A palavra hebréia assim traduzida inclui
ambas as classes de "serviço". 463
Um efod de linho.

Neste caso, uma vestimenta usada pelos sacerdotes de categoria inferior e


levita-os, e às vezes até por pessoas importantes do povo. Por exemplo,
David dançou diante do Senhor vestido com um efod de linho (2 Sam. 6: 14). Isto
não se deve confundir com o efod do supremo sacerdote "de ouro, azul, púrpura,
carmesim e linho torcido" sobre o qual estavam sujeitos o peitoral com 12
pedras, e o Urim* e o Tumim que serviam para fazer perguntas a Deus (ver
com. Exo. 28: 6; cf. Juec. 8: 27). Se o efod mais singelo de linho era do
mesmo modelo que o do supremo sacerdote -como parece provável- era uma
vestimenta curta, sem mangas, que consistia em um pano dianteiro e outro traseiro
unidos nos ombros e rodeados na cintura com um cinturão (ver com. Juec.
8: 27).

19.

Sua mãe.

Ana não só ofereceu seu filho ao Senhor mas sim lhe demonstrou amor ano detrás ano.
Na mesma forma Deus vela continuamente sobre seu povo. Não só deu a seu
Filho uma vez por todos mas sim continuamente se interessa para que esse
sacrifício progressivamente seja mais eficaz para suprir as necessidades até do
mais fraco de seus filhos (Mat. 6: 30-34).

20.

Pediu ao Jehová.

Melhor, "empréstimo que ela cedeu ao Yahveh" (BJ). O que é cedido em


empréstimo ao Senhor, com segurança é devolvido com interesse composto. Ana dedicou
um filho ao Senhor e foi recompensada com outros cinco. Abraão fez assim com
Isaac, e Deus lhe prometeu uma descendência "como as estrelas do céu"(Gén.
22: 17). Cristo prometeu devolver cem vezes tão até nesta vida (Mat. 19:
29; Luc. 18: 30).

22.

Elí era muito velho.

Um fragmento do livro de 1 Sam. encontrado na quarta cova do Khirbet


Qumrân e publicado em 1954 diz: "Elí tinha noventa anos". Albright pensa que
trata-se de uma transposição da passagem do cap. 4: 15 onde na LXX se lê
"noventa" como a idade do Elí quando morreu. Entretanto, o novo fragmento não
indica que tinha 90 anos quando morreu, a não ser quando Samuel já tinha estado a seu
serviço durante algum tempo.

25.

Não ouviram.

O ministério dos filhos do Elí contrasta aqui com o do Samuel. Este ganhava
o favor tanto dos homens como de Deus; Ofni e Finees não respeitavam as
instruções do Senhor e faziam ouvidos surdos aos conselhos de seu pai.
Todos os homens são seres morais livres. Se escolhem repousar sob a mão
capitalista de Deus (1 Ped. 5: 6), são elogiados ao seu devido tempo; mas se
escolhem seguir seus próprios desejos, indevidamente colherão o fruto de um
proceder tal.
Jehová havia resolvido fazê-los morrer.

Tinham rechaçado o controle protetor de Deus, eleito seus próprios atalhos de


egoísmo e descartado deliberadamente o conselho do céu. Ao apartar do
anjo do Jehová (Sal. 34: 7), selaram sua própria condenação. Foram os
filisteus os que os mataram (1 Sam. 4: 10, 11); entretanto Deus permitiu seu
morte porque tinham recusado lhe seguir. "Deus não assume nunca para com o
pecador a atitude de um verdugo que executa a sentença contra a
transgressão; mas sim abandona a sua própria sorte aos que rechaçam seu
misericórdia, para que recolham os frutos do que semearam" (CS 40). Tal
foi o caso do Judas! Tal será o caso de todos os que rechaçam as súplicas
do Espírito Santo!

27.

Um varão.

Elí morreu de 98 anos (cap. 4: 15; ver com. cap. 2: 22), quando Samuel tinha
suficiente idade para ser reconhecido como profeta e como provável sucessor do Elí
como juiz (cap. 3: 19-21). Posto que naturalmente deve ter transcorrido
algum tempo entre as duas solenes admoestações dos caps. 2 e 3, parece
provável que esta visita do profeta anônimo se efetuou pouco depois da
dedicação do Samuel. Do contrário, não há razão aparente para que Samuel
não tivesse sido o portador de ambas as mensagens do Senhor.

Quão tolerante é Deus! Por exemplo, Saúl recebeu admoestação detrás


admoestação, e lhe deram muitos anos para que refletisse antes de que
finalmente escolhesse proceder de acordo com sua própria vontade.

Mas Elí se rendeu ante as exigências familiares em vez de cumprir com seu
dever ante Deus em bem do povo. A virtude não se herda; adquire-se. Os
filhos do Elí herdaram uma responsabilidade sagrada e um nome honorável. Sem
embargo, devido ao egoísmo, de tal maneira se converteram em servos de
Satanás, que mereciam a reprovação unânime do povo. Quando seu pai deixou
de exercer sua autoridade, lhe advertiu que assim 464 como a reverência e a
honra produzem uma colheita de bom caráter e utilidade, também quando se
semeiam irreverência e desonra, os resultados são pesares e decepções (vers.
32). "A lei do serviço próprio é a lei da destruição própria" (DTG
577).

34.

Em um dia.

Posto que Ofni e Finees tinham abusado das coisas do Senhor, foram sofrer
uma morte violenta. Com a esperança de desviar os de seu mal proceder, Deus
abriu brevemente a cortina do futuro. Teria sido natural esperar que
os jovens corrigissem sua conduta quando ouvissem esta profecia, a fim de não
colher seu cumprimento. Deus simplesmente previu sua condenação; não a
predeterminou. que vê o fim desde o começo conhece tudo o que afeta o
exercício do IA livre eleição. Ao admoestar a certos indivíduos quanto a
o que lhes proporciona o futuro, Deus prova ao universo que é tal o livre
arbítrio que outorgou ao ser humano, que nem esse conhecimento do futuro o
impede de realizar o que se proposto.

35.
Um sacerdote fiel.

As Escrituras não indicam com que sacerdote se cumpriu esta profecia. Alguns
eruditos pensam que se refere ao Sadoc, da linhagem do Eleazar, a quem Salomón
deu o sacerdócio quando Abiatar, da linhagem do Itamar, foi desposeído devido a
sua colaboração com o Adonías em uma tentativa para apoderar do trono de
Salomón (1 Rei. 2: 27, 35). Outros pensam que se refere a Cristo, e há outros
que pensam que a profecia se cumpriu com o Samuel e sua obra. Mas a lição
importante desta declaração deve buscar-se no fato de que o homem não
pode impedir o cumprimento final do desejo de Deus de restaurar sua própria
imagem no coração do homem. Ao Israel lhe tinha entregue o serviço
do santuário com todo seu minucioso simbolismo para ilustrar o meio pelo
qual obra Cristo. Contudo, embora sacerdotes e governantes rechaçaram o
plano, ainda o propósito de Deus -que não conhece nem pressa nem pausa- avançou
ininterrumpidamente até seu cumprimento pleno. Se o homem escolhe proceder
assim, pode associar-se com Cristo no lucro desta meta; se rehúsa, ele é o
único culpado. Não pode acusar a Deus de que tenha maus intuitos contra ele.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-36 PP 616-628

1-3 PP 616

3 TM 446

6-10 PP 617

9 MC 380

11 PP 617

12 1JT 399; 4T 516

12-16 PP 622

12-17 PR 306

17 PP 623, 627, 660

18 CM 374, 414; 1JT 399; PP 619; 4T 516 19 PP 618

22-24 1JT 399

22-25 PP 623

23-25 2T 620; 4T 199

25 PP 627

26 PP 618

27-30 PP 624

30 CH 50, 102; CM 286, 326; COES 155; ECFP 28, 121; FÉ 81; HAd 23; HH 347; 2JT
31, 134, 147, 422; 3JT 23; MC 135; MeM 293; MM 36; PP 569, 627; PR 355; 2T 40;
5T 304; 7T 193; 8T 123, 153; 4TS 65
35 PP 624 465

CAPÍTULO 3

1 Como foi revelada ao Samuel a palavra do Jehová pela primeira vez. 11 Deus o
anuncia ao Samuel a destruição da casa do Elí. 15 Samuel lhe comunica a
visão ao Elí. 19 Samuel cresce e goza do amparo de Deus.

1 O JOVEM Samuel ministraba ao Jehová em presença do Elí; e a palavra de


Jehová escasseava naqueles dias; não havia visão com freqüência.

2 E aconteceu um dia, que estando Elí deitado em seu aposento, quando seus olhos
começavam a obscurecer-se de modo que não podia ver,

3 Samuel estava dormindo no templo do Jehová, onde estava o arca de Deus;


e antes que o abajur de Deus fosse apagada,

4 Jehová chamou o Samuel; e ele respondeu: me haja aqui.

5 E correndo logo ao Elí, disse: me haja aqui; para que me chamou? E Elí o
disse: Eu não chamei; volta e te deite. E ele se voltou e se deitou.

6 E Jehová voltou a chamar outra vez ao Samuel. E levantando-se Samuel, veio ao Elí
e disse: me haja aqui; para que me chamaste? E ele disse: meu filho, eu não hei
chamado; volta e te deite.

7 E Samuel não tinha conhecido ainda ao Jehová, nem a palavra do Jehová lhe havia
sido revelada.

8 Jehová, pois, chamou a terceira vez ao Samuel. E ele se levantou e veio ao Elí, e
disse: me haja aqui; para que me chamaste? Então entendeu Elí que Jehová
chamava o jovem.

9 E disse Elí ao Samuel: Vê e te deite; e se te chamar, dirá: Fala, Jehová,


porque seu servo ouça. Assim se foi Samuel, e se deitou em seu lugar.

10 E veio Jehová e se parou, e chamou como as outras vezes: Samuel, Samuel!


Então Samuel disse: Fala, porque seu servo ouça.

11 E Jehová disse ao Samuel: Hei aqui farei eu uma coisa no Israel, que a quem a
oyere, o retiñirán ambos ouvidos.

12 Aquele dia eu cumprirei contra Elí todas as coisas que hei dito sobre sua casa,
desde o começo até o fim.

13 E lhe mostrarei que eu julgarei sua casa para sempre, pela iniqüidade que ele
sabe; porque seus filhos blasfemaram a Deus, e ele não os estorvou.

14 portanto, eu jurei à casa do Elí que a iniqüidade da casa do Elí


não será expiada jamais, nem com sacrifícios nem com oferendas.

15 E Samuel esteve deitado até a manhã, e abriu as portas da casa de


Jehová. E Samuel temia descobrir a visão ao Elí.

16 Chamando, pois, Elí ao Samuel, disse-lhe: meu filho, Samuel. E ele respondeu:
me haja aqui.

17 E Elí disse: O que é a palavra que te falou? Rogo-te que não me a


encubra; assim te faça Deus e até te acrescente, se me encobrisse palavra de todo o
que falou contigo.

18 E Samuel o manifestou tudo, sem lhe encobrir nada. Então ele disse:
Jehová é; faça o que bem lhe parecesse.

19 E Samuel cresceu, e Jehová estava com ele, e não deixou cair a terra nenhuma de
suas palavras.

20 E todo o Israel, desde Dão até o Beer-seba, conheceu que Samuel era fiel
profeta do Jehová.

21 E Jehová voltou a aparecer em Silo; porque Jehová se manifestou ao Samuel em


Silo pela palavra do Jehová.

1.

Não havia visão com freqüência.

"Não eram correntes as visões" (BJ). Esta declaração mostra que a


palavra do Senhor "escasseava" (RVR) ou era "estranha" (BJ) naquele tempo. Poucas
vezes chegavam mensagens inspiradas até o povo de Deus. Agora bem, o
narrador explica mais especificamente por que existia esta situação: Deus não
aparecia em visão com tanta freqüência como em outros tempos. A ênfase não
aplica-se tanto à maneira da revelação como a sua freqüência. 466

Este é o primeiro uso na Escritura da palavra jazon, "visão", e é o


único caso em que se usa nos dois livros do Samuel. Uma comparação de jazon
com mar'ah -também traduzida "visão"- esclarece o método de Deus de revelar seus
planos para a salvação da humanidade. A palavra jazon provém de um
verbo que significa "perceber com visão interior", em tanto que mar'ah se
deriva de um verbo que significa "ver visivelmente". Ambas se usam
indistintamente com jalom, "sonho". A palavra mar'ah se emprega usualmente em
os livros mais antigos da Bíblia para descrever mensagens de Deus para os
homens, já seja em sonhos ou mediante visita pessoais de mensageiros
celestiales. Quando Jacob saiu de viaje para o Egito (Gén. 46: 2), Deus o
falou "em visões [mar'ah] de noite". Jacob se sentiu na presença divina,
e a revelação foi tão real como a que recebeu Abraão quando o visitaram
os três anjos antes da destruição da Sodoma (Gén. 18: 2-22). Esta mesma
classe de revelação divina é também chamada um sonho -jalom- como quando Deus
admoestou ao Abimelec, a respeito da mulher do Abraão (Gén. 20: 3-13). Quando
aconteceu a rebelião do Aarón e María, Deus disse: "Quando houver entre vós
profeta do Jehová, aparecerei-lhe em visão [mar'ah], em sonhos [Jalom] falarei
com ele".

Daniel usa freqüentemente as três palavras. Quando relata a visão das


quatro bestas usa a palavra jazon (Dão. 7: 1, 2, 7, 13, 15) para descrever o
sonho; jalom (cap. 7: 1) quando se descrevem simbolicamente acontecimentos
futuros. Também usa a palavra jazon em cap. 8: 1. Mas quando Daniel se turvou
quanto ao significado da visão e foi à borda do rio, ali viu o
anjo Gabriel, a quem lhe ordenou: "Ensina a este a visão [mar'ah]". Mas
Gabriel, depois de respirar ao profeta, disse-lhe: "Entende, filho do homem,
porque a visão [jazon] é para o tempo do fim" (Dão. 8: 16, 17).

A impressão que o visitante celestial fez no Samuel foi tão real, que ele se
referiu a ela em 1 Sam. 3: 15 como a um mar'ah. portanto, a declaração
do vers. 1 não implica que o Senhor não estivesse disposto a guiar a seu povo.
Entretanto, é evidente que então as percepções espirituais e
intelectuais do Israel tinham decaído muito.

3.

Antes que o abajur.

Nunca devia apagar o castiçal de ouro de sete braços, colocado no lado


sul do lugar santo (ver com. Exo. 27: 20, 21). Os abajures estavam enchem
com o melhor azeite de oliva -símbolo do Espírito Santo- e o supremo sacerdote
"alistava" os abajures à manhã e de noite, quando colocava o incenso
sobre o altar diante do véu que separava o lugar santo do lugar muito santo
(ver com. Exo. 30: 7, 8). Assim como o brilho desses abajures iluminava na
escuridão da noite, também Cristo ilumina este mundo tenebroso, projetando
sempre a glória de seu amor e sacrifício nas trevas do coração humano
(ver Juan 1: 4, 5, 9). Quanto gozo se experimenta ao aceitar com sinceridade
esta luz celestial!

Assim como o castiçal dava luz no santuário da antigüidade, o Espírito


Santo ilumina espiritualmente aos homens para que possam perceber com
claridade o plano de salvação. Mas sem a luz interior que ilumina a alma,
a luz literal teria muito pouco valor. A letra do ritual do santuário nada
significaria se não estivesse ali o espírito (ver ISA. 1: 11, 13, 15, 16).
Embora tanto os dirigentes como o povo imitavam às nações idólatras
que os rodeavam, aqui e lá havia almas humildes -tais como Elcana e seu
casa- que preservavam a visão espiritual que tanto se necessitava.

8.

Jehová chamava.

Quando Samuel se apresentou ante o Elí pela terceira vez, o ancião sacerdote
compreendeu que era Deus o que falava. O fato de que Deus o passasse por cima
para comunicar-se com um jovencito facilmente poderia haver despertado ciúmes
profissionais. Entretanto, recordando a mensagem que tinha recebido anos
atrás do varão de Deus, Elí, ao advertir que a mensagem era para ele, pôde
ter raciocinado que o Senhor deveria haver o revelado diretamente. É
admirável a honradez do Elí ao tratar com o Samuel nessas condições.
Compreendendo possivelmente pela primeira vez que Deus estava preparando a outro para que
ocupasse seu cargo, não sentiu rancor; pelo contrário, fez tudo o que pôde a
fim de preparar ao Samuel para sua importante missão, dando ao moço o melhor
conselho de que dispunha. Samuel recebeu a instrução de que pensasse em si
mesmo como o servo do Senhor, preparado para ouvir o conselho divino e para
obedecê-lo. Que lição há na experiência do Elí para quem teme não
receber a honra que demanda seu cargo, e de que as mãos de outros ocupem o
467 lugar das suas nas tarefas próprias desse cargo!

10.

Veio Jehová.

Posto que era uma experiência nova para o jovem Samuel, bondosamente o
Senhor manifestou sua presença em alguma forma definida que não se descreve com
detalhes. antes de que se pronunciasse uma palavra, tanto o ancião sacerdote
como seu jovem ajudante comprovaram ampliamente que ali estava a presença de
um poder sobrenatural e, como meninos instruídos por seus pais, ambos foram
induzidos pelo Espírito Santo a estar dispostos a escutar e a obedecer.
Isso não teria acontecido se a mensagem do Senhor se dirigiu a um homem
como Ofni! Por exemplo, quão diferente foi a recepção da recriminação de Deus
por parte do Saúl e do David! Saúl abundou em censuras, desculpas e
justificação própria (cap. 15: 16-31), mas David - devido a muitos anos de
entrega ao Senhor- não se desculpou por seu pecado; só procurou ter um coração
limpo e um espírito reto (2 Sam. 12: 1-14; cf. Sal. 51: 10; 103: 12).

Bem pode fazê-la pergunta: por que não falou o Senhor diretamente ao Elí?
Este parece ter sido um homem sincero e humilde que desejava paz e retidão
por cima de todo o resto. portanto, para que fazer intervir a
Samuel? Mas Deus já não se comunicava mais com o Elí nem com seus filhos (PP 629).

11.

Farei eu.

Samuel viveu durante anos em um mal ambiente, e não podia menos que ver a
diferencia entre as instruções dadas nos cilindros da lei e a vida de
os jovens sacerdotes com quem se relacionou intimamente. Se os
tivesse perguntado a eles, tão somente teria recebido irados desdéns. Seus
pais não estavam pressentem para lhe dar conselhos, e vacilava em recorrer ao
mesmo Elí. Enquanto meditava neste assunto, pôde lhe haver vindo a mesma
pergunta que vai à mente de um jovem piedoso de hoje em dia: Se a Palavra de
Deus estabelece certos princípios para realizar a obra divina, e os
dirigentes não só não seguem essas instruções mas também são culpados de
graves falta, por que lhes permite Deus que sigam ministrando em seu cargo
santo?

A semente semeada não rende imediatamente uma colheita porque se necessita


tempo para que o fruto chegue a sua maturidade. O processo do desenvolvimento do
caráter requer tempo: um tempo de graça. Tal foi o caso do Ofni e
Finces; assim também é hoje em dia. Finalmente Deus reduz a um nada aos que
desafiam seus estatutos (Sal. 119: 118). Do mesmo modo em que Cristo permitiu
que Judas ocupasse um posto em que tivesse a oportunidade de obter êxito,
também Deus permitiu que Ofni e seu irmão fossem colocados em um posto desde
o qual, confiando nele, pudessem chegar a ser ministros aceitáveis do pacto.
Mas, ao igual a Judas, os filhos do Elí não se entregaram à condução
divina. Permitindo que se enseñoreara o eu, impediram que Deus os
repartisse a preparação necessária. Deus sabia o que ia acontecer se
continuavam com sua conduta perversa, e com amor e tolerância lhes advertiu qual
seria o resultado. Entretanto, tal como Judas, fizeram o que os plugo tão
só para compreender finalmente a verdade expressa pelo Pablo séculos mais tarde:
"que semeia para sua carne, da carne segará corrupção"(Gál. 6: 8). Em seu
própria experiência, Samuel comprovou a admoestação do Pablo: "Não nos cansemos,
pois, de fazer bem; porque a seu tempo segaremos, se não deprimir"(Gál. 6:
9).

15.

Samuel temia.

Neste mundo de pecado, nunca é fácil ser porta-voz do Senhor. Elías arriscou
a vida quando advertiu ao Acab da fome que sobreviria; mas foi intrépido
em sua obediência, e Deus se encarregou dos resultados. Samuel era apenas um
jovencito! E teve que aprender em sua mocidade a não ter medo de confrontar a
os homens, assim como Jesus, quando era um moço de só 12 anos não temeu
confrontar aos dirigentes de seu tempo.

19.
Jehová estava com ele.

Estava por ficar o sol do Elí, mas já estava saindo o do Samuel. Cristo
sofreu as angústias da separação do Pai (ver DTG 636,637, 701, 704,
705), mas Deus nunca conduziu a seu povo através da escuridão total
que produz nossa separação dele. Na cruz pareceu a Cristo que
pisava sozinho o lagar; entretanto seu Pai estava ali sofrendo com ele.
depois de ter estado durante anos observando o pecado que o rodeava,
poderia haver parecido ao Samuel que Deus tolerava o pecado ou que havia
trocado seu plano para o homem. Mas não sabia Samuel quanto tempo Deus havia
esperado a um jovem a quem pudesse realmente repartir seu Espírito e lhe confiar
468 a liderança de sua obra na terra.

Por exemplo, quando fracassou Saúl não foi substituído imediatamente. Durante
anos ainda teve a oportunidade de trocar sua atitude mental e entregar-se à
condução de um Pai amante. Mas o fanatismo e a censura logo
produziram a rebelião contra a direção divina, enquanto que o orgulho e a
justificação própria o despojaram da fortaleza espiritual. Entretanto,
durante os anos da prova do Saúl, David foi convidado a sentar-se aos pés
do Rei de reis, como uma preparação para assumir as responsabilidades da
direção do Israel.

Nenhuma de suas palavras.

Naturalmente Samuel tinha muito que aprender, mas desde cedo se educou em
a escola da obediência às ordens de Deus. Que gozo deve ter sido
para o Senhor encontrar a um moço que desejava o privilégio de aprender
seus caminhos e que estava determinado a lhe obedecer qualquer fosse o custo!

Não é de admirar-se que o povo o tivesse aceito como profeta quando era
ainda muito jovem.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-21 PP 629-631

1-4 IJT 399

1-6 PP 629

7 PP 630

8-14 PP 630

9 ECFP 18

11 TM 417

11-14 SR 185

13, 14 1JT 28, 76; 2T 624

14 1T 190

15-18 PP 630

18 1JT 28; SR 185; 4T 200


19 CM 110

19, 20 PP 640

CAPÍTULO 4

1 Os israelitas são vencidos pelos filisteus no Eben-ezer. 3 Enviam em busca


do arca e os filisteus se enchem de terror. 10 Os israelitas são vencidos,
o arca é tomada pelos filisteus e Ofni e Finees são mortos. 12 Elí, quando
ouça as notícias, cai e se rompe a nuca. 19 A esposa do Finees dá a luz
repentinamente e morre.

1 E Samuel falou com todo o Israel. Por aquele tempo saiu o Israel a encontrar em
batalha aos filisteus, e acampou junto ao Eben-ezer, e os filisteus acamparam
no Afec.

2 E os filisteus apresentaram a batalha ao Israel; e travando o combate,


Israel foi vencido diante dos filisteus, os quais feriram na batalha
no campo como a quatro mil homens.

3 Quando voltou o povo ao acampamento, os anciões do Israel disseram: Por


o que nos feriu hoje Jehová diante dos filisteus? Tragamos para nós de
Silo o arca do pacto do Jehová, para que vindo entre nos salve de
a mão de nossos inimigos.

4 E enviou o povo a Silo, e trouxeram de lá o arca do pacto do Jehová de


os exércitos, que morava entre os querubins, e os dois filhos do Elí, Ofni e
Finees, estavam ali com o arca do pacto de Deus.

5 Aconteceu que quando o arca do pacto do Jehová chegou ao acampamento, tudo


Israel gritou com tão grande júbilo que a terra tremeu.

6 Quando os filisteus ouviram a voz de júbilo, disseram: Que voz de grande


júbilo é esta no acampamento dos hebreus? E souberam que o arca de
Jehová tinha sido gasta ao acampamento.

7 E os filisteus tiveram medo, porque diziam: veio Deus ao acampamento.


E disseram: Ai de nós! pois antes de agora não foi assim.

8 Ai de nós! Quem nos liberará da mão destes deuses poderosos?


Estes são os deuses que feriram o Egito com toda praga no deserto.

9 Lhes esforce, OH filisteus, e sede homens, 469 para que não sirvam aos
hebreus, como eles lhes serviram a vós; sede homens, e briguem.

10 Pelearon,pues, os filisteus, e Israel foi vencido, e fugiram cada qual a


suas lojas; e foi feita muito grande mortandade, pois caíram do Israel trinta
mil homens da pé.

11 E o arca de Deus foi tomada, e mortos os dois filhos do Elí, Ofni e Finees.

12 E correndo da batalha um homem de Benjamim, chegou o mesmo dia a Silo,


quebrados seus vestidos e terra sobre sua cabeça;

13 e quando chegou, hei aqui que Elí estava sentado em uma cadeira vigiando junto
ao caminho, porque seu coração estava tremendo por causa do arca de Deus.
Chegado, pois, aquele homem à cidade, e dadas as novas, toda a cidade
gritou.
14 Quando Elí ouviu o estrondo da gritaria, disse: Que estrondo de alvoroço
é este? E aquele homem veio às pressas e deu as novas ao Elí.

15 Era já Elí de idade de noventa e oito anos, e seus olhos se obscureceram,


de modo que não podia ver.

16 Disse, pois, aquele homem ao Elí: Eu venho da batalha, escapei hoje do


combate. E Elí disse: O que aconteceu, meu filho?

17 E o mensageiro respondeu dizendo: Israel fugiu diante dos filisteus, e


também foi feita grande mortandade no povo; e também seus dois filhos, Ofni e
Finees, foram mortos, e o arca de Deus foi tomada.

18 E aconteceu que quando ele fez menção do arca de Deus, Elí caiu para
atrás da cadeira ao lado da porta, e se desnucó e morreu; porque era homem
velho e pesado. E tinha julgado ao Israel quarenta anos.

19 E sua nora a mulher do Finees, que estava grávida, próxima à iluminação,


ouvindo o rumor que o arca de Deus tinha sido tomada, e mortos seu sogro e seu
marido, inclinou-se e deu a luz; porque lhe sobrevieram suas dores de repente.

20 E ao tempo que morria, diziam-lhe as que estavam junto a ela: Não tenha
temor, porque deste a luz um filho. Mas ela não respondeu, nem se deu por
entendida.

21 E chamou o menino Icabod, dizendo: Transpassada é a glória do Israel! por


ter sido tomada o arca de Deus, e pela morte de seu sogro e de seu marido.

22 Disse, pois: Transpassada é a glória do Israel; porque foi tomada o arca


de Deus.

1.

Samuel falou.

A maioria dos comentadores estão de acordo em que a primeira parte do


vers. 1 pertence ao último vers. do cap. 3, pois Samuel não aconselhou ao Israel
que guerreasse com os filisteus. Posto que não se menciona ao Samuel outra vez
até depois de que o arca esteve no Quiriat-jearim durante muitos anos,
pode ser que os príncipes do Israel tivessem recusado consultar ao profeta
recém reconhecido como tal (cap. 7: 3). O profeta de Deus nunca haveria
aconselhado que se tirasse o arca de Silo (ver com. vers. 3). Mas os que
tinham rechaçado a instrução do Senhor sobre o culto que lhe deveria
oferecer chegariam a considerar o arca com temor supersticioso e a tê-la como
um talismã cujas qualidades mágicas lhes assegurariam toda suérte de
bênções.

Entretanto, todo o Israel reconhecia a diferença entre o Samuel e os filhos de


Elí, e os que tinham inquietações espirituais foram ao novo profeta em procura
de conselho e ajuda. inteiraram-se de sua profecia contra Elí e sua casa, e
estavam convencidos de que Samuel tinha sido chamado pelo Senhor. Quando os
dirigentes erram, muitos permitem que decaia sua fibra moral. Mas sempre
há uns poucos que não se separam do caminho de justiça devido à conduta
de quem tem melhor posição social que eles.

Os filisteus.
O livro dos Juizes declara que o Israel esteve submetido aos filisteus por
40 anos (Juec. 13: 1), tempo durante o qual Sansón exerceu a função de juiz
no país por 20 anos (Juec. 15: 20; 16: 31). O lapso no que Elí atuou
como juiz seguiu ao do Sansón ou se sobrepôs com ele. Elí foi juiz durante 40
anos (1 Sam. 4: 18). Quando Elí envelheceu tanto que perdeu o controle dos
assuntos públicos, possivelmente pensaram os filisteus que tinha chegado o tempo de
obter o domínio do setor montanhoso do país. Sabendo que o centro do
governo estava em Silo, para este centro naturalmente enviaram seu exército.

Acamon no Afec.

Afec, "fortaleza" ou "recinto", provém de um verbo que significa "forçar",


"compelir", "sustentar". Identificou-se ao Afec com o Antípatris, povo da
470

CAPTURA E DEVOLUÇÃO DO ARCA PELOS FILISTEUS

471 planície do Sarón, a 18 km ao nordeste do Jope. Isto estaria dentro de um


rádio de 40 km de Silo, de onde foi levada o arca ao campo de batalha
(cap. 4: 10, 11). Com a exceção do Antípatris, não se conhece nenhum lugar
definido que pudesse identificar-se com o Afec. Afec na tribo do Aser (Jos.
19: 30, 31) está muito ao norte para que se possa tomar em conta. Posto
que Afec significa "fortaleza", poderia haver-se aplicado o nome a diversos
lugares fortificados, já fora permanente ou transitoriamente.

2.

Israel foi vencido.

Em muitas ocasiões Deus tinha mandado ao Israel a que saísse à batalha, e


ao obedecer tinha vencido ao inimigo. Esta vez as circunstâncias eram
diferentes. O fato de que levassem o arca à batalha (vers. 3) e de que
os filisteus tomassem, professora que os israelitas tinham crédulo em seu
própria força em vez de depender de Deus.

3.

por que?

Quando os povos politeístas do Próximo Oriente sofriam reversos,


geralmente chegavam à conclusão de que seus deuses estavam irados com
eles e que terei que esforçar-se por aplacá-los para evitar aflições piores
no futuro. Considerando a degradada condição religiosa do Israel nesse
tempo, não é de admirar-se que os israelitas procedessem da mesma forma com
o Senhor (ver PP 632). Provavelmente algumas vitórias passadas durante o
tempo quando Elí foi juiz tinham provocado neles um sentimento de
confiança própria que não lhes permitia ver sua necessidade de Deus. devido a que
os dirigentes voluntariamente tinham abandonado a Deus para voltar-se para os
deuses das nações que os rodeavam, o Senhor permitiu que colhessem seu
própria semeia. Em vez de humilhar-se diante de Deus, supersticiosamente
consideraram o arca como um mero talismã que assegurava o êxito.

Sem receber nenhum conselho do Alto, os príncipes sugeriram algo


completamente inusitado, e o povo esteve de acordo. Estavam só a poucos
quilômetros do santuário, e pensaram que se o arca estava em meio deles,
com segurança ganhariam a vitória. Esse precioso símbolo da presença de
Deus estava talher com seu envoltório de tecido e os levita encarregados tiraram
o arca do lugar onde estava dentro do véu (Núm. 4: 5, 6). Considerando a
conduta anterior dos filhos do Elí, não surpreende o que tivessem esquecido
toda reverência e que apressadamente percorressem os poucos quilômetros que os
separavam do exército, esperando que se pudesse evitar uma matança maior.

Mas o arca era o símbolo da presença de Deus, e posto que os


dirigentes tinham rechaçado a direção divina, Deus não podia guiá-los para
bem. Se os dirigentes se humilharam e afastado de seus caminhos
pecaminosos, teriam sido guiados pelo profeta como em anos posteriores. Em
os dias de Cristo as multidões seguiram cegamente a liderança de seus
sacerdotes clamando: "Seu sangue seja sobre nós, e sobre nossos filhos".
Assim também o exército do Israel no Eben-ezer, ao confrontar o desastre e ao
aferrar-se das volutas de fumaça fruto de sua própria imaginação, clamou
pretendendo que a vitória estava assegurada. A desdita ou a prosperidade de
os grupos organizados da sociedade -já sejam políticos ou religiosos- em grande
medida dependem das inclinações e da conduta dos dirigentes.

Entretanto, os indivíduos podem determinar seu próprio destino espiritual


independentemente do grupo. Embora Samuel compartilhou a humilhação que
sobreveio ao Israel como resultado da necedad lhe reinem, isto não impediu que
Deus o aceitasse pessoalmente. Nos dias do Acab, quando os dirigentes se
voltaram para o Baal, Elías acreditou que era o único que reconhecia e servia ao Deus
vivente. Contudo, o Senhor lhe informou que no Israel ainda ficavam milhares
que também, como ele, tinham eleito o correto. Os três anos de seca em
Israel não tinham trocado a fé deles em Deus nem sua lealdade a ele.

7.

veio Deus.

Os filisteus claramente reconheciam a diferença entre o Deus do Israel e os


muitos deuses que eles tinham. Embora no vers. 7 a palavra para Deus está
no plural -'Elohim- o verbo está em singular. Mas no vers. 8 a
palavra está em plural: um claro contraste entre o Deus verdadeiro e os deuses
filisteus do templo do Asdod.

8.

Estes deuses poderosos.

A palavra para "capitalistas" é 'addirim, "majestosos", que implica a idéia


adicional da nobreza do poder de Deus que tinha sido reconhecida pelos
filisteus quando souberam a forma em que Jehová tinha tratado às diversas
nações e povos do passado. Estando a ponto de render-se ao desespero,
sentiram-se impulsionados por uma impávida determinação de resistir até a
morte antes que ser subjugaram 472 por quem tinha sido seus escravos uns
poucos anos antes.

11.

O arca de Deus foi tomada.

Falando deste acontecimento, diz o salmista: "Deixou, portanto, o


tabernáculo de Silo . . . e entregou a cativeiro seu poderio, e sua glória em
mão do inimigo. . . Seus sacerdotes caíram a espada" (Sal. 78: 60-64).
Embora as perspectivas de vitória do Israel eram superiores às do
inimigo, e foi à batalha crédulo na vitória, tão completo foi seu
fracasso que fugiu cada sobrevivente não ao acampamento, como no vers. 3, a não ser
"a suas lojas". A palavra para loja é 'óhel, que significa "morada",
"habitação", e implica o pensamento que a derrota foi tão grande que cada
homem teve que fugir para salvar a vida, indo a seu lar da melhor maneira
que pôde.

Ofni e Finees.

Josefo diz que Elí nesse tempo tinha renunciado ao supremo sacerdócio em favor
do Finees, mas que ao ser tirada o arca de Silo advertiu a seus filhos que, "se
pretendiam sobreviver à captura do arca, não deviam apresentar-se mais ante ele"
(Antiguidades V. 11. 2). Se os dois jovens tivessem sido tão ciumentos em
obedecer a condução do Senhor no passado como eram agora diante do
inimigo em defender o símbolo material da presença divina, a história
posterior do Israel poderia ter sido muito diferente. Tinham recusado a
condução de Deus vez detrás vez, e agora tiveram que compreender que até a
vida mesma depende de uma entrega plena a ele. Mas aprenderam esta lição
muito tarde!

15.

Noventa e oito.

Na LXX se lê "noventa"(ver com. cap. 2: 22).

17.

Israel fugiu.

Quão diferente teria sido a história do Israel se tão somente seus dirigentes
tivessem procurado deus. Contudo, e apesar dos líderes egoístas que
procuram sua própria glória antes que a de Deus, e assim preparam o caminho para a
derrota, ele não fecha os ouvidos ao clamor de qualquer indivíduo que o busca
fervientemente. O fato de que Jerusalém fora despovoada pelo Nabucodonosor
não impediu que Daniel e seus companheiros vivessem muito perto do Senhor como para
dar as boas novas a muitos de seus vencedores. A luz brilha ao máximo em
a noite mais escura e com freqüência os melhores caracteres se desenvolvem em
meio dos piores ambientes possíveis. Deus é capitalista para transformar
momentos de tremenda humilhação em períodos de uma gloriosa oportunidade, não
só para o Israel mas também para todos os homens.

22.

Transpassada é a glória.

A palavra "Icabod" vem de duas palavras hebréias, 'i kabod, que significam
literalmente "não glorioso", ou "vergonhoso". Foi definida por- a esposa de
Finees: "Transpassada é a glória [literalmente, 'foi-se ao exílio'] de
Israel!" O capítulo termina com a descrição que faz uma moça que,
embora esteve casada com um ímpio e egoísta supremo sacerdote, não participou de seu
natureza. Sua preocupação, pela morte de seu marido e de seu sogro pôs em
evidencia seu afeto natural; mas sua preocupação muito major pela perda
do arca foi uma demonstração de sua piedosa consagração a Deus e às coisas
sagradas. Até os falecimentos ocorridos na família não a preocuparam
tanto como a perda do arca. Para ela podia ser um magro consolo que
nascesse um menino do Israel, em Silo, quando o arca estava em poder dos
filisteus. Embora vivia em tempos de corrupção e estava casada com um homem
ímpio, manteve-se plenamente fiel. Podia haver maior valor em dias de
perplexidade nacional?
A presença de Deus sempre devesse ser considerada como a maior bênção, e
a perda de sua presença e de seu poder restritivo sobre o mal deveria ser
temida como a calamidade mais horrível. As condições da vida unicamente
chegam a ser se desesperadas quando -como no caso do Judas- um deliberadamente
rehúsa ser conduzido pelo Espírito Santo.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-22 PP 631-634; PR 306

1-9 PP 631

1, 2 SR 185

3-11 SR 186

9 2JT 229

10, 1 1JT 28; PP 550, 632, 641, 673

12-22 PP 634; SR 187

17, 18 CV 142; 4T 166, 516

18 1JT 28 473

CAPÍTULO 5

1 Os filisteus levam o arca ao Asdod e a colocam na casa do Dagón. 3


Dagón cai prostrado em terra e se faz pedaços, e os habitantes do Asdod são
feridos com tumores. 8 O mesmo ocorre com os do Gat quando levam o arca a
esse lugar. 10 Os habitantes do Ecrón também são afligidos por mortandady
tumores quando lhes levam o arca.

1 QUANDO os filisteus capturaram o arca de Deus, levaram-na desde o Eben-ezer


ao Asdod.

2 E tomaram os filisteus o arca de Deus, e a meteram na casa do Dagón, e


puseram-na junto ao Dagón.

3 E quando ao seguinte dia os do Asdod se levantaram de amanhã, hei aqui Dagón


prostrado em terra diante do arca do Jehová; e tomaram ao Dagón e o voltaram
a seu lugar.

4 E voltando-se para levantar de amanhã o seguinte dia, hei aqui que Dagón havia
cansado prostrado em terra diante do arca do Jehová; e a cabeça do Dagón e as
duas Palmas de suas mãos estavam cortadas sobre a soleira, havendo ficado a
Dagón o tronco somente.

5 Por esta causa os sacerdotes do Dagón e todos os que entram no templo de


Dagón não pisam na soleira do Dagón no Asdod, até hoje.

6 E se agravou a mão do Jehová sobre os do Asdod, e os destruiu e os feriu


com tumores no Asdod e em todo seu território.

7 E vendo isto os do Asdod, disseram: Não fique conosco o arca do Deus


do Israel, porque sua mão é dura sobre nós e sobre nosso deus Dagón.
8 Convocaram, pois, a todos os príncipes dos filisteus, e lhes disseram: O que
faremos do arca do Deus do Israel? E eles responderam: Passe se o arca do
Deus do Israel ao Gat. E passaram lá o arca do Deus do Israel.

9 E aconteceu que quando a tinham passado, a mão do Jehová esteve contra a


cidade com grande quebrantamento, e afligiu aos homens daquela cidade
do menino até o grande, e se encheram de tumores.

10 Então enviaram o arca de Deus ao Ecrón. E quando o arca de Deus veio a


Ecrón, os ecronitas deram vozes, dizendo: passaram o arca do
Deus do Israel para nos matar a nós e a nosso povo.

11 E enviaram e reuniram a todos os príncipes dos filisteus, dizendo:


Enviem o arca do Deus do Israel, e volte-se para seu lugar, e não nos mate a
nós nem a nosso povo; porque havia consternação de morte em toda a
cidade, e a mão de Deus se agravou ali.

12 E os que não morriam, eram feridos de tumores; e o clamor da cidade subia


ao céu.

1.

Os filisteus.

Um estudo detido de Sal. 78: 60-64 junto com. Jer. 7: 12; 26: 6, 9 indica
que Deus não só permitiu que os filisteus derrotassem a seu povo no Eben-ezer
a não ser provavelmente que também o perseguissem em direção nordeste até Silo.
Os filisteus deixaram parte de seu exército para guardar o bota de cano longo que haviam
tirado do Israel, pois foi do acampamento do Israel (1 Sam. 5: 1) de onde
empreenderam o caminho de volta às cidades da planície. Há uma prova
arqueológica de que Silo foi destruída por este tempo. De todos os modos, se
acredita que cessaram os serviços do tabernáculo quando foi tomada o arca (ver
PP 660).

Que tremenda responsabilidade recaiu sobre o jovem Samuel quando morreu Elí e o
arca -o coração mesmo do culto religioso- estava em mãos do inimigo! Até
depois da volta do arca, sete meses mais tarde, com segurança deve haver
sido uma tarefa pesada para o Samuel -que viajava de lugar em lugar- o animar ao
povo e impedir o colapso da vida religiosa de uma nação que durante
séculos tinha estado acostumada a pensar em Silo como o mesmo centro de seu
vida nacional. O fato de que o Senhor não deixasse "cair a terra nenhuma de
suas palavras" (cap. 3: 19) indica que o povo o reconheceu como o sucessor
lógico do Elí, embora passaram 20 anos até que Samuel fora investido
formalmente com a autoridade de juiz (cap. 7: 1-15; ver PP 639; 4T 517, 518).
474

2.

Casa do Dagón.

Um dos templos mais importantes dos filisteus, pois Dagón era um de seus
principais deidades. Nunca se acreditou que os deuses dos pagãos se
opor a relacionar-se com outros deuses, e os filisteus devem haver-se
sentido contentes ao honrar à Deidade do Israel junto com os deuses que
tinham conhecido durante anos. Provavelmente colocaram o arca ao lado de
Dagón, com a intenção de lhe oferecer um grande sacrifício, como o tinham feito
anos antes quando levaram cativo ao Sansón (Juec. 16: 23, 24). Então se
gabaram de seu triunfo sobre o paladín do Israel; agora se regozijariam pela
suposta captura do Deus do Israel. Alguns acreditam que a palavra traduzida
"Dagón" se relaciona com a palavra hebréia dag, que significa "peixe" e que o
deus tinha forma humana da cintura para acima, e da cintura para abaixo
era como um peixe. Na obra Nineveh [Nínivel], do Layard, há uma descrição
de um sob relevo de jorsabad [Khorsabad] que representa uma batalha entre os
assírios e os habitantes da costa marítima de Síria. O relevo mostra uma
figura cuja metade superior é de um homem barbudo, e de peixe a metade inferior.
Outros pensam que o nome "Dagón" se deriva de dagan, que significa "cereal"
e que portanto, a deidade filistéia era um deus dos cereais que
representava fertilidade. que fora um híbrido de homem e peixe não significa
necessariamente que fora um deus marítimo.

3.

Prostrado.

Prostrado como em atitude de súplica.

4.

E a cabeça.

À segunda manhã Dagón não só estava prostrado outra vez mas também tinha a
cabeça e as mãos desprendidas do corpo e tiragens sobre a soleira do
templo, lugar que deviam pisar todos os que entravam. Privado dos
emblemas da razão e da atividade, jazia ali em sua verdadeira fealdade:
só um tronco disforme.

5.

Não pisam na soleira.

Os sacerdotes não pisavam na soleira mas sim passavam por sobre ele. Estaria
pensando nisto Sofonías quando disse: "Visitarei aquele dia a todos os que
saltam por cima da soleira" (Sof. 1: 9, BJ).

6.

Tumores.

O sintoma característico desta praga era um inchaço doloroso em forma de


tumor.

8.

O que faremos?

A derrota do Dagón diante do arca pareceu criar nos senhores de Filistéia


um ressentimento contra o Deus do céu e uma maior fidelidade ao Dagón. O
ainda era a deidade que lhes tinha dado a vitória no campo de batalha, e
eles o tinham honrado confiando o arca a seu amparo. Embora admitiam que
tinha sido vencido em um conflito pessoal, ainda era seu deus e não se
resignavam a render-se ante a idéia de reconhecer a supremacia do Criador de
todas as coisas. Uma epidemia açoitava a cidade. Isto, de acordo contudo
raciocínio pagão, era a obra da Deidade suprema de quem provinham tanto
o bem como o mal. portanto, a única coisa que podiam fazer era
liberar do símbolo ofensivo da presença de Deus. Mas Deus, que não faz
acepção de pessoas, desejava que os filisteus reconhecessem as dádivas de seu
providência para eles, quão mesmo esperava dos judeus (ver PP 635-637).

Entretanto, convencidos a contra gosto, os filisteus mantinham a mesma


opinião. Tal foi o caso de Faraó. Mas não era algo inevitável.
Nabucodonosor não permitiu que o dominasse o orgulho e, mediante repetidas
revelações do poder protetor de Deus, chegou ao ponto de apartar-se da
idolatria e adorar ao Deus do céu (Dão. 4: 24-27, 34, 35). Assim como Deus
tinha mostrado a Faraó seu poder restritivo sobre as pragas, aqui demonstrou a
os senhores filisteus que podia deter a epidemia que assolava seu país. O
orgulho impediu que tomassem qualquer decisão que significasse liberar-se do
que para eles era a verdadeira origem de suas calamidades e que, precisamente,
Deus queria que lhes resultasse um meio de salvação.

10.

Os ecronitas deram vozes.

O egoísmo e a credulidade dos filisteus se manifestaram quando cada cidade,


uma atrás de outra, enviou o arca à cidade vizinha. Finalmente chegou ao Ecrón, a
mais setentrional das cinco principais cidades de Filistéia. O clamor de
essa cidade demonstrava indignação por haver lhes imposto algo sem seu
consentimento. A palavra traduzida aqui "deram vozes" provém do verbo
za'aq, "clamar com alarme", enquanto que no vers. 12 o "clamor" da
cidade vem da palavra shawe'ah, "um clamor em procura de ajuda".

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-12 PP 635

1-4 SR 188 475

CAPÍTULO 6

1 depois de seis meses, os filisteus se consultam para devolver o arca. 1 0


Levam-na ao Bet- semes em um carro novo com uma oferenda. 19 Os homens de
Bet-semes que olham dentro do arca morrem. 21 Enviam mensageiros aos
habitantes do Quiriat-jeayim para que procurem o arca.

1 ESTEVE o arca do Jehová na terra dos filisteus sete meses.

2 Então os filisteus, chamando os sacerdotes e adivinhos, perguntaram:


O que faremos do arca do Jehová? nos façam saber de que maneira a temos que
voltar a enviar a seu lugar.

3 Eles disseram: Se enviarem o arca do Deus do Israel, não a enviem vazia,


mas sim lhe paguem a expiação; então serão sãs, e conhecerão por que não
separou-se de vós sua mão.

4 E eles disseram: E o que será a expiação que lhe pagaremos? Eles


responderam: Conforme ao número dos príncipes dos filisteus, cinco
tumores de ouro, e cinco ratos de ouro, porque uma mesma praga afligiu a
todos vós e a seus príncipes.

5 Farão, pois, figuras de seus tumores, e de seus ratos que


destroem a terra, e darão glória ao Deus do Israel; possivelmente aliviará sua mão
de sobre vós e de sobre seus deuses, e de sobre sua terra.

6 por que endurecem seu coração, como os egípcios e Faraó endureceram


seu coração? Depois que os tinha tratado assim, não os deixaram ir, e se
foram?

7 Façam, pois, agora um carro novo, e tomem logo duas vacas que criem, às
quais não tenha sido posto jugo, e uncid as vacas ao carro, e façam voltar seus
bezerros de detrás delas a casa.

8 Tomarão logo o arca do Jehová, e a porão sobre o carro, e as jóias


de ouro que lhe têm que pagar em oferenda pela culpa, porão-as em uma caixa
ao lado dela; e a deixarão que se vá.

9 E observarão; se subir pelo caminho de sua terra ao Bet-semes, ele nos há


feito este mal tão grande; e se não, saberemos que não é seu emano a que nos há
ferido, mas sim isto ocorreu por acidente.

10 E aqueles homens o fizeram assim; tomando duas vacas que criavam, as


uncieron ao carro, e encerraram em casa seus bezerros.

11 Logo puseram o arca do Jehová sobre o carro, e a caixa com os ratos


de ouro e as figuras de seus tumores.

12 E as vacas se encaminharam pelo caminho do Bet-semes, e seguiam caminho


reto, andando e tramando, sem apartar-se nem a direita nem a esquerda; e os
príncipes dos filisteus foram atrás delas até o limite do Bet-semes.

13 E os do Bet-semes segavam o trigo no vale; e elevando os olhos viram


o arca, e se regozijaram quando a viram.

14 E o carro veio ao campo do Josué do Bet-semes, e parou ali onde havia uma
grande pedra; e eles cortaram a madeira do carro, e ofereceram as vacas em
holocausto ao Jehová.

15 E os levita baixaram o arca do Jehová, e a caixa que estava junto a ela,


na qual estavam as jóias de ouro, e as puseram sobre aquela grande pedra;
e os homens do Bet-semes sacrificaram holocaustos e dedicaram sacrifícios a
Jehová naquele dia.

16 Quando viram isto os cinco príncipes dos filisteus, voltaram para o Ecrón
o mesmo dia.

17 Estes foram os tumores de ouro que pagaram os filisteus em expiação a


Jehová: pelo Asdod um, pela Gaza um, pelo Ascalón um, pelo Gat um, pelo Ecrón
um.

18 E os ratos de ouro foram conforme ao número de todas as cidades dos


filisteus pertencentes aos cinco príncipes, assim as cidades fortificadas
como as aldeias sem muro. A grande pedra sobre a qual puseram o arca de
Jehová está no campo do Josué do Bet-semes até hoje.

19 Então Deus fez morrer aos homens do Bet-semes, porque tinham cuidadoso
dentro do arca do Jehová; fez morrer do povo a cinqüenta mil e setenta
homens. E chorou o povo, porque Jehová o tinha ferido com tão grande
mortandade. 476

20 E disseram os do Bet-semes: Quem poderá estar diante do Jehová o Deus


santo? A quem subirá desde nós?

21 E enviaram mensageiros aos habitantes do Quiriat-jearim, dizendo: Os


filisteus hão devolvido o arca do Jehová; descendam, pois, e levem a
vós.

2.

Os sacerdotes e adivinhos.

O arca tinha estado no país dos filisteus durante sete meses. Os


habitantes das três cidades, Asdod, Gat e Ecrón (ver cap. 5: 5-12), haviam
sido castigados com uma terrível praga, e o país tinha sido assolado por
ratos que destruíam as colheitas (vers. 5). Entre os povos da
antigüidade, o camundongo era símbolo de pestilência, e assim aparece nos
hieróglifos egípcios. Em sua tribulação, os senhores dos filisteus
recorreram a seus magos. Esses "adivinhos" estudavam os fenômenos e presságios
naturais. Examinavam as vísceras de animais oferecidos em sacrifício -os
assim chamados "augure mediante o fígado" dos babilonios-; observavam o
vôo das aves, a forma em que caíam certos talismãs, o que lhes acontecia
às flores, etc. Correspondia aos astrólogos, adivinhos, médiums
espíritas e nigromantes classificar todas as coisas em duas categorias: o
propício e o funesto, o bom e o mau, os presságios favoráveis e
desfavoráveis. O Senhor ordenou especificamente a seu povo que não praticasse
a arte da adivinhação (Deut. 18: 10-12). Balaam, profeta apóstata do
Senhor, a quem Balac o rei do Moab tinha chamado para que amaldiçoara ao Israel,
afirmou que não havia tal coisa como um agouro ou adivinhação contra Israel (Núm.
23: 23). Mas Saúl evidentemente influenciado pelas práticas dos povos
circunvizinhos e impulsionado ao desespero pelo silêncio do conselho
divino, recorreu a pitonisa do Endor em procura de ajuda (1 Sam. 28).

O que faremos?

Entre as nações do Próximo Oriente nem mesmo os reis se atreviam a iniciar


uma campanha sem consultar primeiro a seus magos. Entre as tribos pagãs de hoje
dia, ninguém há mais respeitado e temido que o feiticeiro. Concordava
perfeitamente com os costumes da época, que os senhores dos
filisteus consultassem com os adivinhos quanto ao que correspondia fazer.

3.

Não a enviem vazia.

A resposta dos sacerdotes e adivinhos não só foi que se devolvesse o


arca, mas sim o fizesse de tal forma que apaziguasse ao ofendido Deus de
Israel e que se demonstrasse que ele tinha refreado a praga. O primeiro
requisito foi uma oferenda expiatório de cinco tumores de ouro e cinco ratos de
ouro. Entre as nações pagãs existia a prática de tratar de aplacar a
ira de seus deuses mediante oferenda votivas que tomavam a forma dos males
dos que procuravam liberar-se. Quão diferente isto era das instruções
dadas ao Israel a respeito das oferendas expiatórias. Se alguém pecava "por
erro nas coisas santas do Jehová" devia levar a sacerdote um carneiro sem
defeito dos rebanhos (Lev. 5: 14-19). além disto se compensava
plenamente com dinheiro qualquer prejuízo cometido, o que incluía não só
pagar o valor do defraudado mas também uma multa de uma quinta parte do
valor do artigo.

5.

Darão glória.
Quer dizer, reconhecer o poder de Deus para tirar essas pragas, qualquer fora
sua causa, e procurar a cura divina. Não todos estiveram de acordo com o
conselho dos sacerdotes. Sua religião pagã era de temor servil e egoísta.
Os filisteus eram leais ao Dagón e, entretanto, temiam ao Deus do Israel
devido aos sucessos recentes e estavam perplexos quanto à forma de
sair de suas dificuldades. Queriam desprender do arca, e entretanto o
orgulho lhes agitava o coração devido a sua captura. Dar glória a Deus haveria
sido uma falta de respeito ao Dagón. Estavam ainda menos dispostos a
renunciar a sua forma de culto, como aconteceu ao Nabucodonosor, séculos mais
tarde, quando se convenceu do poder- superior do Criador. antes de chegar a
esta consulta Final, tinham provado vários recursos, tais como o envio do
arca de uma cidade a outra.

6.

Endurecem seu coração.

Os adivinhos acreditaram conveniente advertir ao povo que não se rebelasse contra


o Senhor como o tinham feito os egípcios, posto que uma contínua resistência
contra a vontade de Deus tão somente provocaria maiores sofrimentos para eles
e para outros. Embora ao princípio não esteve disposto a escutar, depois de
semanas de sofrimentos o povo se sentiu constrangido a aceitar o conselho de
os magos. Com freqüência a convicção se impõe sobre os mais resistentes. Do
mesmo modo como o Espírito Santo falou mediante Balaam, também 477 deu aos
Filisteus um sábio conselho até por meio de seus adivinhos.

Deus sempre fala com os homens mediante forma e médios que lhes são
compreensíveis. Os acontecimentos posteriores demonstraram que Deus tratou a
os filisteus de acordo com a luz que tinham (ver 2 Cor. 8: 12).

7.

Um carro novo.

A primeira parte do vers. 7 diz literalmente: "Agora, tome e lhes faça um


novo carro, e duas vacas leiteiras". Ambos os verbos se referem a ambos
complementos. Não significa que os filisteus tinham que construir um carro
novo. A ênfase recai no fato de que devia ser novo, sem usar. Assim
também as vacas não deviam conhecer o que era o jugo, como sinal de que nunca
as tinha empregado para fins seculares. Esta era uma demonstração de
respeito. Em sua entrada triunfal em Jerusalém, Cristo se sentou sobre um pollino
"no qual nenhum homem" havia "montado" (Mar.11: 2).

Façam voltar seus bezerros.

Separando os bezerros de suas mães, os adivinhos esperavam determinar -ante


o consenso de todos- se as pragas provinham do Jehová ou não. Se o Deus de
os israelitas queria que voltasse sua arca, teria que fazer que as vacas
efetuassem algo antinatural: abandonar voluntariamente seus bezerros. Deus
esteve disposto a ser posto a prova por quem perguntava com sinceridade.

8.

Em uma caixa.

A palavra traduzida "caixa", 'argaz, aparece unicamente esta vez em todo o AT.
sabe-se que 'argaz era uma palavra a Palestina para designar a "caixa" de um
carro. Os filisteus mostraram maior respeito pelo arca, a qual não haviam
destampado, que os homens da cidade sacerdotal do Bet- semes que a
receberam de volta. Quantas vezes os pagãos envergonham aos cristãos
por seu comportamento quando estão em presença do sobrenatural! Parece que
as oferendas de ouro foram cuidadosamente colocadas em uma espécie de saca ou
bolsa que podia atar-se bem às varas com as quais se levava o arca ou a
o envoltório com que a cobria.

9.

Bet-semes.

Literalmente, "a casa do sol". Havia várias cidades palestinas de nome


Bet-semes quando o Israel entrou no país. acredita-se que uma delas, que
pertencia ao Isacar (Jos. 19: 22, 23), estava no lugar que agora se conhece
como O'Abeidiyeh, a pouca distancia ao sul do mar da Galilea. Outra cidade
do mesmo nome pertencia à tribo do Neftalí, e provavelmente estava ao
noroeste do mar da Galilea (ver Jos. 19: 38, 39; Juec. 1: 33). É evidente
que 1 Sam. 6: 9 se refere a uma terceira cidade que leva o mesmo nome,
agora Tell er-Rumeileh, na herdade do Judá (Jos. 15: 10, 12) que foi
apartada para os levita (Jos. 21: 13, 16; 1 Crón. 6: 59). Estava no
distrito do filho do Decar (1 Rei. 4: 9), um dos funcionários do Salomón
que proporcionava provisões para a mesa do rei, e foi o lugar onde Amasías
foi derrotado em seu conflito com o Joás do Israel (2 Rei. 14: 11, 13; 2 Crón.
25: 21-23). O fato de que tantos lugares tivessem esse nome indica que os
cananeos eram devotos adoradores dos corpos celestes, neste caso o sol.
De igual maneira, Ur dos Caldeos e Farão foram centros do culto da lua.

Convencidos do poder sobrenatural do arca, os adivinhos filisteus dispuseram


que fora enviada ao Bet-semes, a cidade sacerdotal mais próxima do Israel.
Raciocinavam que se as vacas que não estavam acostumadas ao jugo abandonavam a
seus bezerros e levavam diretamente o carro a essa fortaleça levítica, com
toda segurança o arca, ou mas bem o Deus do arca, era o autor da praga
que lhes tinha sobrevindo.

12.

Caminho reto.

A declaração diz literalmente:"Direito no caminho sobre o caminho a


Bet-semes, por um meio-fio"; o caminho direto do Ecrón ao Bet-semes. Tão somente
um poder sobrenatural manteria as vacas no caminho principal. Os
príncipes filisteus não as conduziram mas sim foram "depois delas". O fato
de que as vacas nunca tinham levado jugo (vers. 7), é uma evidência de que
não tinham estado antes no caminho.

Que demonstração mais capitalista podiam receber os adoradores do Dagón? Se em


forma antinatural umas bestas seguem a um Guia invisível, o homem
-generosamente bento com as faculdades do intelecto-, por que não poderia
ir em contra do orgulho natural e da tradição nacional para submeter-se à
condução daquele que também podia reprimir a praga e os ratos? por que
não tinha visto Balaam ao anjo do Senhor que estava no caminho tão facilmente
como o viu seu asna? Sob a influência hipnótica do maligno, os homens hoje
dia tão somente vêem o que Satanás deseja que vejam, sem compreender que muito perto
está Um preparado para desatar as ligaduras que os atam estreitamente. 478

13.

Segavam o trigo.
Posto que a colheita do trigo se efectúa na primavera, entre o tempo de
a páscoa e a festa das semanas ou Pentecostés, e sendo que o arca havia
estado em poder dos filisteus durante sete meses, a batalha em que aquela
foi capturada ocorreu no outono, pelo tempo da festa dos
tabernáculos. Por isso possivelmente muitos estavam em Silo para a festa e puderam
ter ajudado para proteger ao Israel contra os invasores. Ante a vitória
filistéia, teriam fugido a seus lares nas diferentes tribos (ver cap. 4:
10).

Os habitantes do Bet-semes estavam no campo ocupados na colheita,


provavelmente usando a foice e o restelo como se faz hoje na Palestina. Não
havia hortas na cidade mesma. Os campos não estavam separados por cercos
mas sim por pedras que marcavam os linderos. que não estava familiarizado com
a comarca não podia dizer onde começava uma parcela e onde terminava a
outra.

14.

Uma grande pedra.

No campo do Josué, possivelmente perto do caminho real. As vacas se detiveram o


lado dessa pedra. Bet-semes era uma cidade levítica, e seus habitantes tinham
tanto o direito como o dever de cuidar do arca. Como não havia tabernáculo,
levita-os colocaram o arca sagrada, junto com a oferenda expiatório dos
filisteus, em cima da grande pedra e ofereceram as vacas como holocausto ao
Senhor. Posto que Bet-semes está no mesmo coração da Sefela, ou comarca
montanhosa, onde os caminhos reais atravessam o centro dos vales, talvez
essa pedra me sobressaía da ladeira da colina, e facilmente podia chegar-se
a ela de acima. Entretanto, do lado de abaixo poderia ter estado a
mais de um metro por cima do caminho.

16.

Voltaram para o Ecrón.

Que decepção para os filisteus! Tinham sido testemunhas da derrota do Dagón


ante o Senhor no templo do Asdod. Tinham contemplado o proceder das
vacas, movidas por uma força sobrenatural, quando levaram de volta o arca a
Judá. Ainda tinham que ser testemunhas do poder represor de Deus ao deter a
epidemia e ao curá-los. Embora tinham visto maravilhas esse dia, voltaram para
seus deuses!

18.

A grande pedra.

Posto que os vers. 14 e 15 se referem a grande "pedra" na qual se


colocou o arca, e posto que os vers. 17 e 18 tratam dos recordativos de
esse acontecimento, resulta evidente que a pedra do campo do Josué se
menciona tão somente em relação com esses outros recordativos que contribuíam a
exaltar a Deus.

19.

Cuidadoso dentro.

Tanto o toque como a inspeção ocular irreverentes foram receber um sério


castigo (ver Núm. 4: 20). Ao Moisés lhe negou a entrada na terra de
Canaán porque não emprestou estrita obediência às ordens de Deus. Embora eram
sacerdotes, Nadab e Abiú pagaram com a vida sua falta de reverência.

Cinqüenta mil e setenta homens.

Literalmente, "setenta homens, cinqüenta mil homens". Contra a


sintaxe normal do hebreu, o número mais pequeno vem aqui primeiro. Este
ordem peculiar das palavras faz dificilísima a tradução do texto.
Alguns sugeriram: "O feriu setenta homens; cinqüenta de um milhar", ou
"ele matou a setenta homens de cinqüenta mil homens". Três importantes
manuscritos hebreus omitem as palavras "cinqüenta mil". No Juec. 6: 15 'élef,
"mil", traduz-se "família". É possível que também aqui deveria traduzir-se
"família". Se fosse assim, a afirmação diria: "E feriu entre o povo 70
homens de 50 famílias". A maioria dos comentadores estão de acordo em
que só foram mortos 70 homens do Bet-semes. A BJ traduz: "a setenta de
seus homens". Contudo, em uma cidade tão pequena como Bet-semes até isto
teria sido uma calamidade terrível. É obvio, os filisteus escutariam
a respeito disto, e teriam assim uma prova mais de que Deus teve em conta o
feito de que eles recusassem olhar dentro do arca e a reverência que o
demonstraram.

21.

Quiriat-jearim.

Literalmente, "a cidade de bosques". Esta era uma das cidades do Gabaón
que procurou o amparo do Josué depois da destruição do Jericó (Jos. 9:
17). Estava registrada na herdade do Judá (Jos. 15: 9) e situada nas
ladeiras ocidentais das montanhas próximas a Jerusalém, a 14,4 km de
Bet-semes. A mensagem para a cidade do Quiriat-jearim implica a crença de
que quanto mais se afastasse o arca dos filisteus, maior segurança haveria.
Quiriatjearim, situada nas montanhas, podia ser defendida mais facilmente
contra um ataque que uma cidade da zona mais baixa e ondulada. 479

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-21 PP 636-639; SR 188-191

1 PP 636

2 PP 638

2-4 PP 636

7-12 SR 189

7-14 PP 638

13, 14 PP 638

19 MC 343

19, 20 8T 283

19-21 PP 639

20, 21 SR 191
CAPÍTULO 7

1 os do Quiriat-jearim levam o arca à casa do Abinadab, e santificam a


Eleazar, seu filho, para que se dela encarregue. 2 Ao cabo de trinta anos 3 os
israelitas, aconselhados pelo Samuel, arrependem-se na Mizpa. 7 Enquanto Samuel
ora e faz sacrifício, Jehová atemoriza aos filisteus no Eben-ezer mediante
trovões. 13 Os filisteus são vencidos. 15 Samuel julga ao Israel em paz e no
temor de Deus.

1 VIERAM os do Quiriat-jearim e levaram o arca do Jehová, e a puseram em


casa do Abinadab, situada na colina; e santificaram ao Eleazar seu filho para
que guardasse o arca do Jehová.

2 Desde dia que chegou o arca ao Quiriat-jearim passaram muitos dias, vinte
anos; e toda a casa do Israel lamentava em detrás do Jehová.

3 Falou Samuel a toda a casa do Israel, dizendo: Se de todo seu coração


voltam-lhes para o Jehová, tirem os deuses alheios e ao Astarot de entre vós, e
preparem seu coração ao Jehová, e só a ele sirvam, e lhes liberará da mão
dos filisteus.

4 Então os filhos do Israel tiraram aos baales e ao Astarot, e serviram


só ao Jehová.

5 E Samuel disse: Reúnam a todo o Israel na Mizpa, e eu orarei por vós a


Jehová.

6 E se reuniram na Mizpa, e tiraram água, e a derramaram diante do Jehová, e


jejuaram aquele dia, e disseram ali: Contra Jehová pecamos. E julgou Samuel
aos filhos do Israel na Mizpa.

7 Quando ouviram os filisteus que os filhos do Israel estavam reunidos em


Mizpa, subiram os príncipes dos filisteus contra Israel; e para ouvir isto os
filhos do Israel, tiveram temor dos filisteus.

8 Então disseram os filhos do Israel ao Samuel: Não cesse de clamar por


nós ao Jehová nosso Deus, para que nos guarde da mão dos
filisteus.

9 E Samuel tomou um cordeiro de leite e o sacrificou inteiro em holocausto a


Jehová; e clamou Samuel ao Jehová pelo Israel, e Jehová lhe ouviu.

10 E aconteceu que enquanto Samuel sacrificava o holocausto, os filisteus


chegaram para brigar com os filhos do Israel. Mas Jehová trovejou aquele dia com
grande estrondo sobre os filisteus, e os atemorizou, e foram vencidos diante
do Israel.

11 E saindo os filhos do Israel da Mizpa, seguiram aos filisteus,


hiriéndoles até abaixo do Bet-car.

12 Tomou logo Samuel uma pedra e a pôs entre a Mizpa e São, e lhe pôs por
nomeie Eben-ezer, dizendo: Até aqui nos ajudou Jehová.

13 Assim foram submetidos os filisteus, e não voltaram mais para entrar no


território do Israel; e a mão do Jehová esteve contra os filisteus todos os
dias do Samuel.
14 E foram restituídas aos filhos do Israel as cidades que os filisteus
tinham tomado aos israelitas, desde o Ecrón até o Gat; e Israel liberou seu
território de mão dos filisteus. E houve paz entre o Israel e o amorreo.

15 E julgou Samuel ao Israel todo o tempo que viveu.

16 E todos os anos ia e dava volta ao Bet-o, ao Gilgal e a Mizpa, e julgava a


Israel em todos estes lugares.

17 Depois voltava para o Ramá, porque ali estava sua casa, e ali julgava ao Israel;
e edificou ali um altar ao Jehová. 480

1.

Abinadab.

A palavra Abinadab significa "meu pai é nobre" ou "meu pai é generoso". O


verbo do qual provém é nadab, "incitar", "impelir", sempre em um bom
sentido, e portanto "estar disposto", "ser voluntário". Não se conhece seu
genealogia, mas deve ter sido um levita estreitamente aparentado com o Aarón
já que se pôde nomear a seu filho Eleazar como guardião do arca. O
primogênito do Aarón se chamava Nadab (Núm. 3: 2), e poderia esperar-se que um
de seus descendentes diretos se chamasse Abinadab.

Na colina.

Heb. baggibe'ah. Quando aparece esta palavra, o contexto deve determinar se


usa-se como o nome de um lugar ou se a palavra só se referir a uma
"colina" ou "colina", tal como se traduz uniformemente no AT. Também
havia uma "Gabaa de Benjamim" (1 Sam. 13: 16) ou "Gabaa do Saúl" (cap. 11: 4).
Além disso, havia um "colina" -literalmente, "Gabaa"- do Finees no monte de
Efraín (Jos. 24: 33). Os gabaonitas literalmente eram "moradores de colinas",
e posto que Quiriat-jearim era uma das quatro cidades que se mencionam
como que lhes pertenciam (Jos. 9: 17), a colina ("Gabaa") onde morava
Abinadab corresponderia com uma colina no Quiriat- jearim ou em seus
proximidades.

A julgar pela direção que tomaram as vacas, a gente chegaria à conclusão


de que Bet-semes era o lugar lógico onde devia ficar o arca. Mas a ímpia
curiosidade da gente e o temor dos que sobreviveram ao castigo, indicam
que seus habitantes não eram idôneos para a reverente custódia do sagrado
símbolo da presença de Deus. A 15 km de distância estavam os
habitantes do Quiriat-jearim, cuja reputação justificava a crença de que
pudessem transladar e guardar a bom arrecado o que não queriam seus vizinhos.
Muitas vezes o Israel estorvou a Deus na realização de seus propósitos ao não
aceitar seu conselho e não ajustar-se a seu plano. Cristo amava ao Judas e haveria
querido convertê-lo em um dos principais apóstolos, mas Judas recusou
sério (ver DTG 261). Cristo também amava ao jovem rico que pergunta pelo
caminho, mas apesar do convite de seguir a Cristo, o jovem se afastou
pesaroso.

2.

Passaram muitos dias.

necessitaram-se 20 anos para que os israelitas reconhecessem que não era Deus o
que os tinha deixado mas sim eles, por seu egoísmo e rebelião, haviam
abandonado a Deus e por isso colhiam amargura e sofrimento. Uma vez se
necessitaram operários para construir o arca, e se encontraram hotnbres
dispostos para a tarefa quando Deus delineou o plano. Quando se necessitaram
homens para levar o arca em suas diversas jornadas, apresentaram-se os
levita com boa disposição para ajudar ao Moisés no Sinaí. Ao não cumprir
Israel com suas responsabilidades, o arca caiu em mãos dos idólatras, e se
necessitou ajuda para levar a de volta. Então falharam os homens; mas
as bestas do campo obedeceram a direção de Deus. Muito perto estavam os
que podiam levá-la e guardá-la com toda reverência e ordem. por que não
estiveram preparados para a responsabilidade? Não se dá nenhum espionagem de sua origem
ou genealogia que pudesse servir como base para algumas conclusões. Todo o
que se consigna é que se necessitaram 20 anos para que os israelitas
aprendessem que a idolatria dá maus resultados, e acudissem arrependidos a
Samuel. O arca ficou na casa do Abinadab enquanto Samuel foi juiz, durante
o reinado do Saúl e a primeira parte do reinado do David, enquanto se
preparava um lugar para ela em Jerusalém. Quão pacientemente espera Deus!

3.

Tirem os deuses alheios e ao Astarot.

Uma frase usada para representar aos diversos deuses e deusas aos quais
os israelitas adoravam quando se esqueciam do Senhor. Astoret (plural,
Astarot) estava associada aos baales fenícios ou cananeos, pois era a
principal deidade feminina destes (ver com. Juec. 2: 13).

considerava-se que esta deidade representava os poderes reprodutores da


natureza. Pelo general, seu culto consistia em orgias lascivas fomentadas
muitas vezes por mulheres dirigentes que se convertiam em suas devotas e se
conheciam como "mulheres sagradas" ou prostitutas do templo. Sem dúvida havia em
muitos lares israelitas estatuetas de deuses filisteus e cananeos.
Gradualmente o povo do Israel tinha cansado sob o domínio e controle dos
povos da planície com quem tinha trato comercial (1 Sam. 13: 19) e
intercâmbio social (Juec. 14). O fato de que o Israel deixasse o arca em
Quiriat-jearim durante muitos anos e não fizesse nada para restaurar o serviço
do templo ou para proporcionar um devido lugar de descanso para o arca,
mostra até que ponto se havia 481 afastado de Deus. A história não registra
uma deportação dos israelitas às planícies costeiras, similar às
deportações posteriores a Assíria e Babilônia. Entretanto, Israel deve haver
estado em relação com os filisteus em quase todos os entendimentos da vida,
lhes servindo (1 Sam. 4: 9), pagando um tributo anual com diversas classes de
produtos e deleitando-se nas orgias dos lugares altos tão comuns em tudo
o país. A restauração do arca de maneira nenhuma significava que os
filisteus deixaram de oprimir aos israelitas vencidos.

Samuel aparece agora no relato pela primeira vez da batalha do Afec,


desempenhando o papel de um reformador que tratou de que voltasse para Deus um
povo idólatra e egoísta. Tão somente a imaginação pode descrever o que o
significaram esses anos enquanto ia de um lugar a outro. Não só visitava os
distritos próximos a Filistéia; todo o Israel ouvia suas súplicas, admoestações e
orações, até que lenta mas certamente em toda a nação houve uma
convicção de pecado e da necessidade de uma renovada dependência de Deus.
Graficamente lhes descrevia a condição em que estavam em comparação com o
plano que Deus tinha para eles, e lhes prometia que seriam liberados dos
filisteus se tão somente se convertiam em verdadeiros israelitas, literalmente,
"governados Por Deus". Sabia Samuel que se o povo abandonava sua idolatria e
recusava servir aos deuses filisteus, isto se interpretaria como o
equivalente de uma rebelião contra a supremacia filistéia, e é obvio
significaria guerra. Mas Samuel tinha confiança nas promessas de Deus e
prosseguiu inspirando esperança em um povo desventurado.

4.

Aos baales e ao Astarot.

Ver com. Juec. 2: 11, 13.

Serviram só ao Jehová.

Os israelitas tinham estado submetidos aos filisteus durante 40 anos nos


dias do Samuel e Elí, e depois da morte do Elí claudicaram entre dois
opiniões durante outros 20 anos. O povo arrependido dificilmente sabia o que
passo dar, pois tinha estado muito tempo sob o poder da idolatria. O
arca tinha desaparecido do tabernáculo e se interrompeu o serviço do
santuário (ver PP 660). Não havia festas anuais nas que os adoradores
pudessem receber instruções. Virtualmente tinha surto uma geração
nova desde que foi tomada o arca. O povo do Israel era como ovelhas
extraviadas na ladeira de uma montanha. dava-se conta de que estava perdido,
mas não sabia como voltar para redil. Antecipando o tempo quando seu povo
desejaria apartar-se de seus maus caminhos, Deus preparou a um fiel pastor que
procuraria aos perdidos para levar os de volta ao às pressas. Tal como Deus o
tinha previsto, em sua ansiedade o Israel se voltou para o Samuel.

Um dos maiores motivos de ânimo que tem o cristão é a segurança de


que Deus sempre está preparado, quaisquer sejam as circunstâncias. Para
Aquele que conhece o fim desde o começo não há nem pressa nem pausa. O que o
teria acontecido ao Israel nesse tempo se não tivesse existido Samuel? O que o
teria acontecido ao Israel no Egito se não tivesse existido Moisés? Como haveria
sido instruído Nabucodonosor nos caminhos de Deus se não tivesse existido
Daniel? Através da história, sempre que uma crise demandou ação, há
estado preparado um dirigente bem preparado para a tarefa. Isto não significa que
o dirigente sempre fora tudo o que poderia ter desejado o Senhor. Muitos
são chamados mas poucos são escolhidos porque, a semelhança do Sansón, muitos
rehúsan ter em conta as instruções que Deus os envia. Certamente,
Jeremías esteve bem preparado para uma obra especial, e cumpriu bem seu papel.
Entretanto, Israel sofreu terrivelmente porque o rei Joacim recusou emprestar
atenção ao conselho que lhe dava este profeta. Tanto para as nações como para
os indivíduos, a grande pergunta no dia do julgamento será: "Que mais se podia
fazer a minha vinha, que eu não tenha feito nela?" (ISA. 5: 4).

5.

Mizpa.

Esta palavra significa "ponto para observar". Em hebreu, mitspeh era uma
"atalaia", e assim se traduz na ISA. 21: 8. Durante anos se pensou -e ainda
alguns opinam dessa maneira- que a Mizpa do Samuel é a moderna Nebí Samwîl,
a 8 km ao noroeste de Jerusalém, mas não foi possível realizar escavações
ali devido a que uma tumba se localizada neste lugar é sagrada para os árabes
como sítio tradicional da sepultura do Samuel. Entretanto, as escavações
favorecem a identificação da Mizpa com a moderna Tell no Natsbeh, a 12,2 km
ao norte de Jerusalém no caminho principal a Samaria.

6.

Tiraram água, e a derramaram.


Os comentadores não estão de acordo quanto aos 482 significado deste
texto. Alguns pensam que se refere à dor do Israel por seu pecado ao
reconhecer que se não tivesse sido pelo poder de Deus teriam sido como "águas
derramadas por terra" (2 Sam. 14: 14). Outros sugerem que estas palavras se
referem à água e ao vinho derramados pelo sacerdote no principal dia de
a festa dos tabernáculos, que representava o gozo com que tiravam água
"das fontes da salvação" (ISA. 12: 2, 3). A festa dos tabernáculos
era um recordativo do cuidado protetor de Deus sobre o Israel durante o êxodo,
quando emanaram abundantes águas da rocha ferida. Refiriéndose a este
incidente do deserto, Cristo declarou: "Se algum tiver sede, venha para mim e
bebê" (Juan 7: 37). Possivelmente o verdadeiro significado esteja em uma combinação de
as duas idéias. Realmente Cristo foi "derramado como águas" (Sal. 22: 14) para
que pudesse ser possível a salvação. Ao derramar esta libação na Mizpa,
Israel expressou o reconhecimento de sua própria indignidade e solenemente se
regozijou em uma renovada confiança em um Pai celestial que o recebeu com os
braços abertos apesar de seus extravios espirituais.

Julgou.

Este foi o começo do comprido período do Samuel como juiz.

7.

Subiram os príncipes dos filisteus.

Uma vez que decidiram apartar-se definitivamente da idolatria, os


israelitas se reuniram na Mizpa. Os príncipes dos filisteus reconheceram
que isso era equivalente a uma declaração de independência, e se apressaram a
impedir qualquer tentativa dos israelitas nesse sentido. Os filisteus
atacaram com tal rapidez, que os israelitas -reunidos desde diversas partes
do país com propósitos pacíficos- viram-se obrigados a lhes fazer frente sem
estar preparados para a guerra. Só ficava o recurso da oração.

8.

Não cesse de clamar.

Literalmente, "não te cale de dar vozes". Todos os homens passam por momentos
de prova, cada um dentro de suas próprio ambiente e circunstâncias. A primeira
prova do Samuel foi se devia esperar que o Senhor os guiasse na guerra, e
a segunda se o povo ia confiar no Senhor, em vez de fugir aterrorizado
frente às hostes que avançavam. Foi uma dura prova para os israelitas,
pois tendo renunciado a seus ídolos -aos que tinham servido durante todos
esses anos- perguntavam-se se lhes garantiria então a vitória esse profeta
que os tinha visitado vez detrás vez. Seu caso ia ser uma demonstração
prática do que diria Josafat: "Acreditem no Jehová seu Deus, e estarão
seguros; acreditem em seus profetas, e serão prosperados" (2 Crón. 20: 20).

9.

Ouviu.

Literalmente, "respondeu". 'Anah é um verbo comum, traduzido de diversas


maneiras em castelhano, mas com o significado fundamental de "responder". De
parte de Deus, com freqüência implica uma resposta visível, como em cap. 28:
15, quando Saúl se queixou ao espírito invocado pela pitonisa do Endor de que
Deus não lhe respondia.
10.

Jehová trovejou.

Neste caso a resposta de Deus (ver Sal. 99: 6) veio como em um trovão. Ver
com. 1 Sam. 14: 15 onde há outros exemplos do uso milagroso que faz Deus de
as forças da natureza. Tendo renunciado a seus ídolos e confessado -com
espírito humilde- seu afastamento do Senhor, agora seriam testemunhas de quão
prontamente Deus estava disposto a tomá-los sob seu amparo e demonstraria
o amor de um Pai celestial pelo filho pródigo que retornava. Tão logo
como seu povo trocou de proceder, Deus estendeu sobre ele seu braço protetor.
Bem podiam os israelitas converter esse lugar em um recordativo da eterna
piedade de Deus, de seu amante cuidado e de seu poder para proteger e liberar.

11.

Bet-car.

Embora seja duvidosa sua localização, alguns pensam que é a atual 'Ain Kãrim, a
6,7 km ao oeste de Jerusalém. Esta foi a opinião geral, mas ultimamente
identificou-se ao Bet-car com o Ramath-Rahel, a 4,6 km ao sul de Jerusalém.
Possivelmente a tormenta elétrica proveio do norte, e posto que se considerava a
Baal como um deus de tormentas, os supersticiosos filisteus podem ter fugido
aterrados por um deus cuja morada supunham que estava nas montanhas do
norte. Em sua fuga para o sul, provavelmente os filisteus tomaram o caminho
mais fácil para retornar à planície, caminho que os levaria a passar
diretamente pelo Bet-semes até chegar ao Ecrón. Pelo caminho foram
perseguidos pelos israelitas congregados. E ali -como o declarou Isaías
séculos mais tarde- bondosamente Deus lhes deu imediatamente "glorifica em lugar
de cinza, óleo de gozo em lugar de luto" (ISA. 61: 3).

12.

Eben-ezer.

Literalmente, 'ében há'ézer, "a pedra da ajuda", o que evidentemente 483


refere-se à liberação providencial recém mencionada. Assim como a ajuda
tinha sido específica, também o recordativo devia ser de uma forma definida e
permanente. O fato de que Deus os tivesse liberado dos inimigos nessa
ocasião era tão somente um objeto de futuras intervenções da Providência.
Samuel queria que os israelitas compreendessem que o Senhor os assistiria
sempre se tão somente lhe obedeciam dia detrás dia, e não sem tomar em sua conta
proceder subseqüente. É bom que o cristão volte constantemente para os
Eben-ezeres da vida, onde sobrevieram liberações providenciais, para
desconfiar de si mesmo e alcançar uma entrega plena e confiança em Deus.

13.

A mão do Jehová.

O mesmo incidente providencial pode ser tanto uma bênção como uma
desgraça. Uma bênção para os que se entregam à mão guiadora do Senhor,
e uma desgraça para os que escolhem servir ao eu. A mesma tormenta significou
uma vitória para os indefesos israelitas, e uma derrota para os filisteus,
que confiavam na fortaleza de deuses falsos e nas proezas de seus próprios
exércitos. A mesma coluna da presença de Deus que projetou luz sobre os
exércitos do Senhor envolveu em escuridão às hostes egípcias. Possivelmente os
filisteus chegaram à conclusão de que Baal -o deus das tormentas (ver
pág. 42)- agora estava lutando contra eles e a favor dos exércitos de
Israel. Mas, devido a sua renovada relação com Deus, os israelitas se
beneficiaram da crença pagã tradicional e consumaram completamente seu
vitória sobre os inimigos.

Assim foi então; assim é hoje em dia. O homem chega ao ponto em que reconhece que
sua vida é extremamente desagradável. encontra-se pacote a seus ídolos,
quaisquer sejam. dá-se conta da inutilidade dos hábitos que há
cultivado, os motivos que abrigou e os desejos que agradou. É
atraído à comunhão que vê que outros desfrutam com Deus, assim como o Israel viu
no Samuel durante esses 20 anos. Renuncia a sua vida passada e confessa seu
incapacidade para transformar-se por seus próprios esforços. Então se rende ao
Espírito Santo e descobre que adquiriu domínio próprio ao aceitar a ajuda
espiritual que Deus lhe dá para capacitá-lo a fim de que alcance uma vida
superior. Os fracassos passados se convertem assim em degraus. Os vales de
Acor se convertem em portas de esperança (Ouse. 2: 15).

15.

Julgou Samuel ao Israel.

Mais talentos lhe foram jogo de dados ao homem que já tinha comercializado com êxito com
os que lhe tinham sido concedidos. Não sonhava Samuel com a responsabilidade que
recairia sobre seus ombros quando foi pela primeira vez a Silo. Tampouco sonhou
Pedro quando deixou Betsaida para visitar o Juan na Betábara, que um dia chegaria
a ser pescador de homens. Quanto menos pensou que um dia se sentaria com
Cristo no trono do universo!

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-17 PP 639-641; SR 191

1, 2 PP 639, 643

3 4T 517

5-10 PP 640

6, 8 4T 517

10 4T 518

11, 12 PP 641

12 DC 127; 2T 274

15 PP 720

17 PP 643 484

CAPÍTULO 8

1 Como resultado do mau governo dos filhos do Samuel, os israelitas pedem


um rei. 6 Samuel é reconfortado Por Deus enquanto ora cheio de aflição. 10
Diz-lhes o que fará o rei. 19 Deus indica ao Samuel que acesse à
vontade do povo.

1 ACONTECIO que havendo Samuel envelhecido, pôs a seus filhos por juizes sobre
Israel.

2 E o nome de seu filho primogênito foi Joel, e o nome do segundo, Abías;


e eram juizes na Beerseba.

3 Mas não andaram os filhos pelos caminhos de seu pai, antes se voltaram
depois da avareza, deixando-se subornar e pervertendo o direito.

4 Então todos os anciões do Israel se juntaram, e vieram ao Ramá para ver


ao Samuel,

5 e lhe disseram: Hei aqui você envelheceste, e seus filhos não andam em seus caminhos;
portanto, nos constitua agora um rei que nos julgue, como têm todas as
nações.

6 Mas não agradou ao Samuel esta palavra que disseram: nos dê um rei que nos
julgue. E Samuel orou ao Jehová.

7 E disse Jehová ao Samuel: Ouça a voz do povo em tudo o que lhe digam; porque
não desprezaram a ti, a não ser me desprezaram, para que não reine sobre
eles.

8 Conforme a todas as obras que têm feito desde dia que os tirei do Egito
até hoje, me deixando a mim e servindo a deuses alheios, assim fazem também
contigo.

9 Agora, pois, ouça sua voz; mas protesto solenemente contra eles, e lhes mostre
como lhes tratará o rei que reinará sobre eles.

10 E referiu Samuel todas as palavras do Jehová ao povo que lhe tinha pedido
rei.

11 Disse, pois: Assim fará o rei que reinará sobre vós: tomará seus
filhos, E os porá em seus carros e em sua gente da cavalo, para que corram
diante de seu carro;

12 e nomeará para si chefes de milhares e chefes de cincuentenas; porá-os


deste modo a que arem seus campos e seguem suas colheitas, e a que façam suas armas de
guerra e os equipamento de seus carros.

13 Tomará também a suas filhas para que sejam aromatizadoras, cozinheiras e


amasadoras.

14 Deste modo tomará o melhor de suas terras, de suas vinhas e de


seus olivares, e os dará a seus servos.

15 Dizimará seu grão e suas vinhas, para dar a seus oficiais e a seus
servos.

16 Tomará seus servos e suas sirva, seus melhores jovens, e


seus asnos, e com eles fará suas obras.

17 Dizimará também seus rebanhos, e serão seus servos.

18 E clamarão aquele dia por causa de seu rei que lhes terão eleito, mas
Jehová não lhes responderá naquele dia.

19 Mas o povo não quis ouvir a voz do Samuel, e disse: Não, mas sim haverá rei
sobre nós;

20 e nós seremos também como todas as nações, e nosso rei nos


governará, e sairá diante de nós, e fará nossas guerras.

21 E ouviu Samuel todas as palavras do povo, e as referiu em ouvidos de


Jehová.

22 E Jehová disse ao Samuel: Ouça sua voz, e ponha rei sobre eles. Então disse
Samuel aos varões do Israel: Vades cada um a sua cidade.

1.

Pôs a seus filhos por juizes.

Em harmonia com a passagem do cap. 7: 15, esta declaração deve significar que,
ao chegar à idade quando já não podia visitar todo o território do país,
Samuel nomeou a seus filhos como ajudantes se localizados na Beerseba, uma das
cidades mais ao sul do distrito que pertencia ao Judá. Nunca foram juizes por
direito próprio.

2.

Joel.

O nome do Joel, "Jehová é Deus", e do Abías, "Jehová é meu pai", indicam


que Samuel continuou deleitando-se em servir a Deus, apesar da idolatria
nacional. A declaração de 1 Crón. 6: 28 que apresenta ao Vasni" como o
primogênito do Samuel, deveria 485 ler-se: "Os filhos do Samuel: o
primogênito, e o segundo [a expressão hebréia washeni, 'o segundo'], quer dizer
Abías". Falta o nome do Joel, mas o texto diz claramente que havia dois
filhos e que o segundo era Abías. A BJ não esclarece este problema. Outra versão
acrescenta em itálico: "O primogênito, Joel" (BC), e outra diz sem itálico: "O
primogênito, Joel, o segundo, Abías" (NC, 1 Paralipómenos 6: 28. [Este nome
equivale a Crônicas na maioria das Bíblias que levam o imprimatur ou
autorização da Igreja Católica]). O plano de nomear aos filhos como
ajudantes para administrar certos distritos sob a autoridade do juiz
principal também foi seguido pelo Jair muito antes dos dias do Samuel (Juec.
10: 4).

4.

Anciões.

Heb. zaqan, de uma raiz de significado duvidoso, outro de cujos derivados quer
dizer "queixo" ou "barba". Os "anciões" eram homens de idade amadurecida que
ocupavam postos de autoridade. Samuel organizou as tribos com chefes
responsáveis em cada lugar, que informavam ao "juiz" local que jerárquicamente
era inferior ao Samuel. Esses chefes tinham visto bastante da conduta dos
filhos do Samuel, pelo qual foram diretamente a este.

5.

Não andam em seus caminhos.

A confiança dos anciões no Samuel era tão grande que sabiam que em nenhuma
maneira era responsável pela impiedade de seus filhos. Raciocinavam que seria melhor
pedir ao Samuel que resolvesse o assunto, que esperar uma confusão depois de
sua morte quando seus filhos possivelmente procurariam afirmar sua própria
autoridade.

nos constitua agora um rei.

Deus havia dito mediante Moisés que chegaria um tempo quando o povo
pediria um rei "como todas as nações" (Deut. 17: 14). Possivelmente os anciões
citavam virtualmente este texto como uma desculpa para seu pedido. Evidentemente
o plano de Deus era que o Israel fosse distinto das nações circunvizinhas, e
através dos séculos do êxodo -de acordo com esse princípio- havia-o
protegido e guiado por meio de juizes. Se -como lhes disse Moisés- os
israelitas tivessem seguido o plano de Deus para eles, as nações que os
observavam haveriam dito: "Certamente povo sábio e entendido, nação grande
é esta" (Deut. 4: 6). Apoiando-se na diplomacia de que são capazes os
orientais -estando em oposição à vontade de Deus e sem procurar seu conselho-
eles fizeram conhecer sua mesquinha decisão. Ao princípio tão somente declararam
que queriam um rei para que os julgasse segundo o costume do mundo; mas
quando Samuel tratou de lhes advertir a respeito da maldição que estavam por
conduzir-se, acrescentaram uma segunda razão: "Nosso rei nos governará e sairá
diante de nós, e fará nossas guerras" (1 Sam. 8: 20). Uma elucidação de
as circunstâncias nas quais os anciões do Israel pediram um rei se dá
em cap. 12: 12: "Tendo visto que Nahas rei dos filhos do Amón vinha contra
vós, disseram-me: Não, mas sim tem que reinar sobre nós um rei".
Josefo confirma a opinião de que durante um tempo Nahas tinha estado
afligindo a quão judeus estavam mais à frente do Jordão, reduzindo seus
cidades à escravidão e tirando o olho direito de seus cativos para que
ficassem inutilizados para futuras guerras (Antiguidades vi. 5. 1).

Descobrimentos arqueológicos efetuados tanto na Palestina como no Jordânia


também fazem ressaltar que no século anterior todas as nações disso
distrito tinham começado a fortificar suas cidades, e se dispunham para
resistir às hordas migratórias dos povos do mar da região do Egeu
(ver pág. 35), que avançavam contra Egito tanto por terra como por mar. Parte
da onda migratória cruzou o Ásia Menor, destruiu aos hititas e seguiu em seu
parte asoladora para o sul, por Síria e Palestina rumo ao Egito. Derrotados
pelo faraó Ramsés III, alguns se estabeleceram na planície filistéia.
Outras nações observavam o horizonte político com temor e tremor, e não
resultou estranho que os dirigentes do Israel se preocupassem muitíssimo pela
política nacional e a condução do povo.

Deus procurava demonstrar que só havia um método para fazer frente aos
problemas internacionais, mas o Israel não via outro a não ser imitar às nações
que o rodeavam. Durante séculos os israelitas tinham sido seminómadas; viviam
principalmente em lojas; não tinham podido expulsar de suas cidades aos
habitantes nativos do Canaán (Juec. 1: 27-36). Entretanto, no período
compreendido entre 1200 e 1050 AC se estabeleceram cada vez mais em cidades.
Agora bem, indo contra a vontade divina, os israelitas só tinham
o propósito de consolidar seu governo 486 e de fortificar-se contra os
cananeos.

Anos antes os amonitas acusaram ao Israel de lhes haver tirado seu patrimônio
(Juec. 11: 13-27). Isso tinha sido nos dias do Jefté, quando terminou a
opressão amonita que tinha durado 18 anos. Agora os amonitas, pela segunda vez,
procuravam recuperar este território arrebatando o do Israel.

6.

Samuel orou.
Outra vez o Israel fez precisamente o que tinha feito durante séculos: procedeu
sem esperar a condução divina. Embora tinha sido admoestado a não deixar-se
arrastar pela idolatria, preferiu seguir os caminhos das nações que o
rodeavam antes que seguir as instruções do Senhor. Moisés havia predito
que chegaria o tempo quando o Israel ia pedir um rei a fim de ser como as
nações circunvizinhas (Deut. 17: 14), e agora os israelitas cumpriam
literalmente essa profecia. Embora os anciões provavelmente só eram movidos
por motivos políticos, Samuel lhes mostrou o caminho melhor: procurar o Senhor em
oração. Tinham subestimado seus excelsos privilégios religiosos, e não se haviam
dado conta de que a verdadeira necessidade da nação não era um poder novo
a não ser uma organização permanente da teocracia para fazer frente à
confusão que resultava de sua própria impaciência e perversidade.

Não estavam dispostos a submeter o caso a Deus para conhecer sua vontade, e
Samuel empregou sua prerrogativa oficial para insistir em que esperassem a
decisão tão importante de Deus, quem sempre tinha estado preparado a liberá-los
em momentos de perplexidade. Samuel deve ter estado profundamente ferido por
esse pedido de parte do povo. Entretanto, a igual a em ocasiões mais
agradáveis, ficou a disposição dos israelitas como profeta, apesar de
que a pergunta era lesiva para ele. Seu proceder parece ter sido muito semelhante
ao de Cristo, séculos mais tarde, quando clamou: "Pai, perdoa-os, porque não
sabem o que fazem" (Luc. 23: 34), e o do Juan quando disse a respeito de Cristo:
"É necessário que ele cresça, mas que eu mingúe" (Juan 3: 30).

7.

Ouça a voz.

Aqui está a melhor evidencia possível de que as nações, ao igual aos


indivíduos, são entes morais livres. Se o Israel tivesse ido a Deus
lhe pedindo conselho, o teria dado. Como lhe apresentaram com um ultimato,
aceitou sua eleição.

Desprezaram-me.

Estando regido pelos juizes, Israel tinha numerosas vantagens que se foram a
perder com a monarquia. Por exemplo:

1.

Sob os juizes, cada tribo era prácticarnente independente e os impostos


eram muito baixos. Mas os anciões rechaçaram a independência de uma
confederação tribal, e escolheram uma forma autoritária de governo que depois
de umas poucas décadas criou um sistema de impostos exorbitantes.

2.

Deus tinha dado a cada israelita considerável liberdade individual para ganhar
a vida, escolher sua própria forma de culto e administrar a sua maneira seus assuntos
generais. Mas os anciões trocaram essa liberdade por uma servidão sob um
rei que tinha poder de vida e morte sobre seus súditos, e que podia executar a
os que não estavam de acordo com ele.

3.

Durante vários séculos, o Espírito do Senhor veio sobre alguns homens de


diversas tribos. Sob a liderança desses homens, Israel desfrutou de repouso e
certa medida de paz e segurança para dedicar-se a suas vocações prediletas.
Não havia uma sucessão hereditária. Os juizes eram suscitados Por Deus de vez
em quando, de acordo com suas qualidades pessoais. Mas agora os anciões
rechaçaram essa ajuda divina e preferiram uma monarquia hereditária.

4.

Vez detrás vez, quando os israelitas procuraram deus em procura de conselho, ele
protegeu-os milagrosamente dos ataques do inimigo (ver 1 Sam. 7: 10; Jos.
10: 11; etc.). Ao rechaçar a Deus como o Senhor supremo da teocracia, em
realidade os anciões abriam o caminho pelo qual o Israel se converteria em uma
peça chave da intriga internacional. Exigiram tributo a seus inimigos
derrotados e se glorificaram em suas proezas bélicas. Em outras ocasiões caíram
sob o domínio de nações mais poderosas. Equivocadamente atribuíram seus
reversos militares e períodos de opressão à forma de governo antes que a seu
próprio mal proceder.

5.

O plano de Deus era trocar os vales do Acor por portas de esperança quando
seu povo se voltasse humilhado ante ele (Ouse. 2: 15). sob a direção de
Deus, os enganos podiam converter-se em degraus para um conhecimento maior do
Muito alto e de seu plano de salvação.

6.

Deus tinha esparso aos levita por todas as tribos a fim de que dessem a
os meninos uma educação especial a respeito de Deus. Devido 487 a sua própria
relutância egoísta para levar a cabo este plano, os israelitas deixaram de
sustentar aos levita, e permaneceram no analfabetismo e a ignorância. A
maioria dos habitantes não quiseram ser educados para pensar por si mesmos.
Estavam perfeitamente contentes com que os dirigentes pensassem por eles,
enquanto esses dirigentes não lhes pedissem de seus recursos nem turvassem seu
tranqüilo egoísmo.

Do tempo quando começou no céu o grande conflito (Apoc. 12:7-9)


até o dia de hoje, o grande plano de Deus para o universo foi mau
interpretado por alguns. Professando ser sábios, puseram em dúvida a veracidade
e o apetecível da direção divina, e em troca seguiram o que -em seu
ignorância- pareceu-lhes um proceder melhor, tão somente para encontrar que haviam
entrado em um beco sem saída. Deus sempre deu aos homens a
oportunidade de comprovar que os caminhos celestiales são os melhores; mas a
vezes condescende com seus desejos, e lhes permite que sigam os atalhos de seu
própria eleição a fim de que seus fracassos -embora graves- finalmente os
induzam a dobrar os joelhos e a reconhecer a superioridade do eterno plano de
Deus (ver Fil. 2:10, 11; PP 655, 656).

9.

Protesto solenemente.

Literalmente, "de certo, você protestará ante eles", ou melhor, "de certo, você
admoestará-os". Como ser moral livre, o homem deve decidir -pelas provas
que tem à mão- que deseja fazer consigo mesmo. Tem duas formas de obter
essa prova: mediante um cuidadoso estudo dos conselhos, estatutos e falhas
de Deus aplicáveis em seu caso, e experimentando com outras insinuações em um
esforço para convencer-se por si mesmo quanto a seu valor. Um pai possivelmente
diga: "Filho, está cometendo um engano. Se crie que deve seguir no caminho
que te propõe, terá que atenerte às conseqüências". Mas depois de
admoestar contra o proceder proposto, Deus diz virtualmente: "Se crie que
isso te convém, faz a prova. Embora saiba que seus planos não terão êxito,
deve aprendê-lo por sua própria experiência. Só então estará disposto a
seguir meu conselho". Assim instruiu ao Samuel que admoestasse aos israelitas
quanto ao resultado do plano deles. Entretanto, Deus os ajudaria para
que tivessem êxito. Em relação com isto, estude-se cuidadosamente o Sal. 139,
especialmente os vers. 7-13.

11.

Assim fará o rei.

"Hei aqui o foro do rei" (BJ). Literalmente, "o juízo do rei". A


palavra mishpat, "juízo", descreve o ato ou a decisão do shofet, "juiz".
A decisão do rei deve aceitar-se como legal e obrigatória. Se sentir a
necessidade de ajuda para levar a cabo suas responsabilidades, tem o direito
de recrutar forzosamente (ou expropriar) já seja para deveres civis ou militares.

13.

Aromatizadoras.

É mais correta neste caso a palavra "perfumistas" da BJ. Literalmente,


"misturadoras de especiarias". Em 1 Crón. 9: 30 se usam as palavras da mesma
raiz para referir-se à obra de certos filhos dos sacerdotes que "faziam
os perfumes aromáticos". Samuel também poderia ter mencionado o fato de
que muitas de suas filhas entrariam no harém do rei como concubinas (1 Rei.
11:3).

14.

A seus servos.

Literalmente "escravos". A mesma palavra se usa ao falar do Egito como uma


"casa de servidão" (Exo. 13: 3; Deut. 5: 6; etc.). O rei tinha poder de
vida e morte sobre seus súditos, e na maioria das nações do Próximo
Oriente o povo existia principalmente para o benefício do rei, que podia
fazer com ele como lhe agradasse. O povo não só supria as necessidades da
casa real, mas sim lhe proporcionava recursos para enriquecer a seus favoritas,
já fossem algemas ou concubinas, e também a seus dignatarios civis e
militares.

18.

Não lhes responderá.

Isto está completamente em harmonia com o contexto, pois no cap. 8:7 se


afirma que não foi Deus quem fez planos para efetuar uma mudança no governo
a não ser os dirigentes do Israel. portanto, posteriormente quando ficassem
insatisfeitos com sua situação, deviam recordar que ao pedir um rei haviam
posto em marcha um novo regime que certamente trocaria materialmente seu
forma de viver. A nação seria afetada por novas tentações, novas
relações, novos problemas. Por sua própria eleição semearam as sementes de
a contumácia, e ao fazê-lo colocaram ao Senhor em uma situação em que o
era necessário deixar que essa semente produzira sua própria colheita. Não alteraria
a lei universal de que toda semente semeada produz uma colheita segundo seu
espécie.
Dessa maneira, com freqüência Deus permite que os seres humanos disponham de
o 488 que ele mesmo não passa. Concede o que em sua misericórdia previamente
tinha retido. Ao pôr em dúvida a ordem de Deus, Adão provocou a existência
de um novo regime que devia seguir seu curso para demonstrar plenamente ante
homens e anjos que nenhum outro plano -fora de que foi ordenado por
Deus- pode proporcionar vida e felicidade a todos. Os acontecimentos futuros
da história do Israel mostram que embora Deus com freqüência lhe permitiu
que recolhesse a colheita do que tinha semeado, nunca o abandonou. Sempre
esteve com o Israel, preparado para ajudá-lo. Além disso, os profetas atestam que em
meio de um ambiente tal, qualquer indivíduo que assim o dita pode apartar-se
dos atalhos da multidão para ser guiado pelo Senhor (ver Eze. 18:1-24).

20.

Como todas as nações.

Durante sua permanência na Palestina, os israelitas tinham sido testemunhas dos


esforços consertados dos povos do mar e de outras nações para
conquistar todas as terras do Próximo Oriente, vencendo toda resistência e
pulverizando temor em todo coração. Mas os israelitas de agora nada sabiam do
terror que tinha gelado o sangue dos cananeos quando Josué dirigiu ao
povo de Deus na conquista da Palestina (ver Jos. 2: 9-11). Neciamente
acreditavam seus anciões que o tributo imposto sobre os povos conquistados
enriqueceria ao Israel. esqueciam-se de que as verdadeiras riquezas provêm de
uma melhor maneira de viver. Desgostados com a cobiça e os latrocínios de
dirigentes sacerdotais como os filhos do Elí e do Samuel, pensaram que a
solução se achava em submeter-se à férula de um rei, tal como o faziam as
outras nações. esqueciam-se de que um rei encontraria ainda mais oportunidades
para demonstrar favoritismo e para satisfazer seus desejos egoístas que os
sacerdotes dissolutos.

Ao começo de seu trabalho como juiz, Samuel tinha demonstrado ao povo que a
verdadeira solução de suas dificuldades não radicava em uma mudança de
administração a não ser em uma mudança de coração, em uma contrita conversão ao
Senhor.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-22 PP 654-658

3-5 PP 654

5 Ed 46; 6T 249

7, 8 PP 655

10-18 PP 657

19, 20 PP 657

20 PP 667

22 PP 658

CAPÍTULO 9

1 Saúl está aflito por não poder encontrar as asnos de seu pai, 6 e por
conselho de seu servo, 11 e direção de umas donzelas, 15 segundo a revelação
de Deus 18 se encontra com o Samuel. 19 Samuel hospeda ao Saúl na festa. 25
Samuel, depois de lhe dar uma comunicação secreta, despede-o e sai com ele.

1 HAVIA um varão de Benjamim, homem valoroso, o qual se chamava Cis, filho de


Abiel, filho do Zeror, filho do Becorat, filho da Afía, filho de um benjamita.

2 E tinha ele um filho que se chamava Saúl, jovem e formoso. Entre os filhos de
Israel não havia outro mais formoso que ele; de ombros acima ultrapassava a
qualquer do povo.

3 E se perderam as asnas do Cis, pai do Saúl; por isso disse Cis a


Saúl seu filho: Toma agora contigo algum dos criados, e te levante, e vá a
procurar as asnas.

4 E ele passou o monte do Efraín, e dali à terra da Salisa, e não as


acharam. Passaram logo pela terra do Saalim, e tampouco. Depois passaram por
a terra de Benjamim, e não as encontraram.

5 Quando vieram à terra do Zuf, Saúl disse a seu criado que tinha consigo:
Vêem, nos voltemos; porque possivelmente meu pai, abandonada a preocupação pelas
asnas, estará triste por nós. 489

6 O lhe respondeu: Hei aqui agora há nesta cidade um varão de Deus, que é
homem insigne; tudo o que ele diz acontece sem falta. Vamos, pois, lá;
possivelmente nos dará algum indício sobre o objeto pelo qual empreendemos nosso
caminho.

7 Respondeu Saúl a seu criado: Vamos agora; mas o que levaremos a varão?
Porque o pão de nossas alforjas se acabou, e não temos o que lhe oferecer ao
varão de Deus. O que temos?

8 Então voltou o criado a responder ao Saúl, dizendo: Hei aqui se acha em


minha mão a quarta parte de um siclo de prata; isto darei ao varão de Deus, para
que nos declare nosso caminho.

9 (Antigamente no Israel qualquer que ia consultar a Deus, dizia assim:


Venham e vamos ao vidente; porque ao que hoje se chama profeta, então se o
chamava vidente.)

10 Disse então Saúl a seu criado: Diz bem; anda, vamos. E foram à
cidade onde estava o varão de Deus.

11 E quando subiam pela costa da cidade, acharam umas donzelas que


saíam por água, às quais disseram: Está neste lugar o vidente?

12 Elas, lhes respondendo, disseram: Sim; gelo ali diante de ti; date pressa,
pois, porque hoje veio à cidade em atenção a que o povo tem hoje um
sacrifício no lugar alto.

13 Quando entrarem na cidade, encontrarão-lhe logo, antes que subida ao lugar


alto a comer; pois o povo não comerá até que ele tenha chegado, por quanto ele
é o que benze o sacrifício; depois disto comem os convidados. Subam,
pois, agora, porque agora lhe acharão.

14 Eles estonces subiram à cidade; e quando estiveram em meio dela,


hei aqui Samuel vinha para eles para subir ao lugar alto.
15 E um dia antes que Saúl viesse, Jehová tinha revelado ao ouvido do Samuel,
dizendo:

16 Manhã a esta mesma hora eu enviarei a ti um varão da terra de Benjamim,


ao qual ungirá por príncipe sobre meu povo o Israel, e salvará a meu povo de
mão dos filisteus; porque eu olhei a meu povo, por quanto seu clamor há
chegado até mim.

17 E logo que Samuel viu o Saúl, Jehová lhe disse: Hei aqui este é o varão do
qual te falei; este governará a meu povo.

18 Aproximando-se, pois, Saúl ao Samuel em meio da porta, disse-lhe: Rogo-te


que me ensine onde está a casa do vidente.

19 E Samuel respondeu ao Saúl, dizendo: Eu sou o vidente; sobe diante de mim


ao lugar alto, e come hoje comigo, e pela manhã te despacharei, e lhe
descobrirei tudo o que está em seu coração.

20 E das asnas que lhe perderam faz já três dias, perde cuidado de
elas, porque se acharam. Mas para quem é tudo o que tem que cobiçável
no Israel, a não ser para ti e para toda a casa de seu pai?

21 Saúl respondeu e disse: Não sou eu filho de Benjamim, da mais pequena das
tribos do Israel? E minha família não é a mais pequena de todas as famílias de
a tribo de Benjamim? por que, pois, há-me dito coisa semelhante?

22 Então Samuel tomou ao Saúl e a seu criado, introduziu-os à sala, e os


deu lugar à cabeceira dos convidados, que eram uns trinta homens.

23 E disse Samuel ao cozinheiro: Traz aqui a porção que te dava, a qual te disse
que guardasse à parte.

24 Então elevou o cozinheiro uma espaldilla, com o que estava sobre ela, e a
pôs diante do Saúl. E Samuel disse: Hei aqui o que estava reservado; ponha
diante de ti e come, porque para esta ocasião te guardou, quando disse: Eu hei
convidado ao povo. E Saúl comeu aquele dia com o Samuel.

25 E quando tiveram descendido do lugar alto à cidade, ele falou com o Saúl
no terrado.

26 Ao outro dia madrugaram; e ao despontar o alvorada, Samuel chamou o Saúl, que


estava no terrado, e disse: te levante, para que te despeça. Logo se levantou
Saúl, e saíram ambos, ele e Samuel.

27 E descendendo eles ao extremo da cidade, disse Samuel ao Saúl: Dava ao


criado que se adiante (e se adiantou o criado), mas espera você um pouco para
que te declare a palavra de Deus.

1.

Cis.

De acordo com o Gesenio, a palavra transliterada Cis provém de qosh, "tender


um laço", ou "armar uma armadilha" (ver ISA. 29: 21). 490 Uma palavra árabe
parecida significa "ser dobrado como um arco". Se se der ao Cis o significado de
"arco", então Quisi (1 Crón. 6: 44) significaria "meu arco" (ver também o
nomeie Elcos no Nah. 1: 1, de 'elqoshi, "Deus é meu arco"). Às vezes o nome
combinava-se com o da Deidade, como Cusaías, "o arco de Deus" (1 Crón. 15:
17). O pai do Cis foi Abiel, "Deus é meu pai", e o de seu avô foi
Zeror, "unido junto". A mesma raiz verbal se emprega em 1 Sam. 25: 29-31, onde
Abigail roga ao David que perdoe as ofensas que lhe inferiu Nabal. O pai
do Zeror foi Becorat, de bekor, "primogênito", e o nome de seu avô Afía,
de significado duvidoso. Dessa maneira se rastreia a ascendência do Saúl por mais
de um século.

Filho do Abiel.

Ver com. cap. 14: 50.

2.

Saúl.

Heb. sha'ul, do verbo sha'ao, "pedir", "requerer". Um dos reis do Edom


também se chamava Saúl (Gén. 36: 37, 38). Se se pensar no Cis como "o arco de
Deus" (ver com. 1 Sam. 9: 1) por liberar o Israel de mãos das nações
circunvizinhas, também deve haver dardos para a aljaba divina. Zacarías fala
do Judá como arco de Deus e do Efraín como sua flecha. Sion é "como espada de
valente" (Zac. 9: 13).

Saúl, que "dos ombros acima avantajava a todos" (BJ), tinha um porte régio
que ganhava o favor da multidão. Que melhor lição podia dar Deus aos
que desejavam ser como as nações que os rodeavam que lhes escolher um rei que
fora apreciado de acordo com as normas humanas? De igual modo os discípulos
do Jesus consideraram o Judas como um líder porque desconheciam as trevas
que lhe envolviam o coração. Não é tempo para que o povo de Deus de hoje
dia peça esse colírio celestial que o capacite para discernir sempre com
claridade as qualidades da verdadeira liderança?

3.

As asnas.

Com freqüência, de que incidentes aparentemente fúteis depende o destino de


as raças e dos povos! Saúl partiu para procurar as asnas perdidas, sem
sonhar que lhe tinha chegado o dia em que assumiria as responsabilidades de um
reino. Os acontecimentos posteriores demonstraram que estava mal preparado
para a tarefa a qual o chamou Deus. Poucas pessoas estão preparadas para um
liderança tal. Moisés tampouco estava plenamente preparado para dirigir nem
sequer quando se encontrou com Deus na sarça ardente. Mas o fator que
anima quando Deus chama a alguém para dirigir, é que ele toma aos homens
tais como os encontra, com o propósito de prepará-los enquanto se ocupam de
a obra. Tudo o que espera de qualquer ser humano é que faça "justiça", ame
"misericórdia" e se humilhe ante seu "Deus" (Miq. 6: 8). A passagem diz
literalmente: "Humilhar-se a gente mesmo para caminhar com Deus". Assim o fez Pedro,
mas Judas não; fez-o David, mas não Saúl. Se alguém fracassa, não é porque
Deus não possa prepará-lo, mas sim porque não se humilha para que Deus possa
exaltá-lo ao seu devido tempo (1 Ped. 5: 6).

4.

Monte do Efraín.

Já fora que se chegasse a ele do vale do Jordão ou das colinas


onduladas da Sefela, ao oeste, o monte do Efraín sobressaía na cadeia
montanhosa que corria para o norte das cercanias do Bet-o para o Salim,
a poucos quilômetros ao leste do Siquem. Estas montanhas formavam uma linha
divisória das águas (de 800 a 1.000 m sobre o nível do mar) desde
onde corriam os arroios, ao este para o Jordão e ao oeste para o
Mediterrâneo.

Terra da Salisa.

Nada se sabe quanto à localização da "terra da Salisa". Alguns hão


sugerido que estava ao pé das colinas ocidentais, ao noroeste do Bet-o;
outros pensam que pode ter estado no vale do Jordão, ao noroeste de
Jericó.

Saalim.

Ou Sual (cap. 13: 17), de shu'ao, "raposa", ou "chacal", ou de sho'ao, "oco da


mão". Provavelmente o distrito do Saalim era considerado como uma terra de
chacais. A maior parte dos contrafortes orientais das montanhas da
Palestina central eram silvestres, acidentadas e desoladas, por isso eram
principalmente a morada de animais selvagens.

depois de atravessar os distritos mencionados no terceiro dia de busca,


Saúl e seus servos chegaram ao Ramá, a 10 km ao norte da Gabaa (vers. 20;
ver com. cap. 1: 1). Os animais tinham estado perdidos tão somente dois dias
completos (cap. 9: 20; ver pág. 491), e não podiam haver-se afastado vagando mais
que uns poucos quilômetros de sua casa. Em sua busca das asnas perdidas,
Saúl tinha percorrido todas as colinas, cerque e terrenos baixos, e se havia
detido aqui e lá para perguntar a respeito dos animais. A zona assim
abrangida em dois ou três dias é óbvio que fora de pouca 491 extensão. Pelo
tanto, é provável que Saúl e seu servo nunca chegassem a estar longe da Gabaa e
Bet-o, no setor setentrional de Benjamim e meridional do Efraín. "A
terra do Sual" (cap. 13: 17) estava nas proximidades da Ofra, a 8 km
ao nordeste do Bet-o. Saúl não procurou atentamente em todas as regiões
nomeadas, a não ser só onde podia supor-se que se extraviaram as
asnas. Durante os dois dias ou mais que esteve ausente de casa facilmente pôde
ter viajado 50 ou 70 km até que, encontrou-se com o Samuel, incluindo
incursões laterais às cúpulas das colinas e ao fundo dos vales e
das quebradas.

5.

A terra do Zuf.

Ver com. cap. 1: 1.

6.

Esta cidade.

Quer dizer, Ramá, o lar do Samuel (PP 658-661; ver com. cap. 1: 1).

11.

Subiam pela costa.

Naturalmente, as asnas não estavam nos povos. Saúl e seu servo as


procuravam nos campos, onde a gente tinha suas hortas, ou nos distritos
rurais.
14.

Vinha para eles.

Possivelmente, "vinha a chamá-los". Esta tradução também é possível de


acordo com o texto hebreu e também com o contexto.

16.

Eu enviarei.

Isto dá a razão do vers. 14. Um estudo cuidadoso dos versículos


precedentes indica que Saúl não estava seguro de que fora adequado ir até o
vidente sem um presente, e que o servo precisou persuadi-lo antes de que
consentisse em ir à cidade. Isto ilustra a condução do Espírito Santo,
que põe aos que estão perplexos em relação com os que podem ajudá-los. Em
uma forma similar a Providência guiou ao Rut até o campo do Booz (Rut 2: 3) e
ao Felipe até o eunuco que ia de Jerusalém a Etiópia (Hech. 8: 26-29). É um
privilégio sagrado estar tão plenamente entregues à direção do Espírito
Santo que ele possa nos guiar -assim como guiou ao Samuel- até as almas que
necessitam nossa ajuda.

18.

Em meio da porta.

Havendo já sido instruído pelo Senhor, e recordando o momento do dia em que


recebeu a mensagem, possivelmente Samuel ficou em marcha para procurar o jovem de
quem lhe tinha falado o Senhor. Os dois se encontraram "em meio da
porta", o lugar onde se sentavam os anciões e davam conselhos, ou ajudavam a
os forasteiros para que se orientassem. Aqui Samuel podia conseguir informação
a respeito de qualquer forasteiro que pudesse ter chegado ao povo. A
sincronização foi exata. antes de que falasse Saúl, Samuel sabia que ele era
o homem de quem lhe tinha falado o Senhor no dia anterior (vers. 17). O que
emoção deve ter experiente Samuel ao compreender que o guiava Deus, a
quem tinha servido fielmente por tantos anos! Há alguma razão para que um
não possa experimentar essa mesma emoção hoje em dia, se se entregar a Deus tão
completamente como o fez Samuel? Os vers. 18 e 19 possivelmente são uma explicação
detalhada do vers. 14.

20.

acharam-se.

Samuel declarou que as asnas tinham estado perdidas durante três dias,
literalmente "hoje, três dias". antes de lhe comunicar a seu Saúl elevada vocação,
Samuel fez que se tranqüilizasse quanto aos propósitos práticos de seu
visita. Cristo sempre aliviou as necessidades físicas de seus ouvintes tanto como
seus desejos espirituais. Precisamente, que se interessasse no bem-estar
fisico deles influiu muito para que escutassem enquanto atendia seus
necessidades espirituais. Dessa maneira, a informação de que as asnas se
tinham encontrado influiu muito para convencer ao Saúl da origem divina do
mensagem do Samuel sobre o reino.

O que tem que cobiçável no Israel.

"O melhor do Israel" (BJ). Embora era profeta e juiz, Samuel aceitou a
determinação do Senhor de acessar ao desejo dos israelitas. Não expressou
nenhum sentimento de desgosto nem de ciúmes ao encontrar-se jovem que
devia assumir a responsabilidade de liberar o Israel dos filisteus (vers.
16). Pelo contrário, prodigalizou ao Saúl evidencia de honra e respeito (ver vers.
20-24). Aqui Samuel demonstrou um verdadeiro espírito de abnegação. Ao igual a
Moisés, estava ansioso de que o Espírito do Senhor descendesse sobre todos os
homens (Núm. 11: 29). Cristo não considerou a igualdade com Deus o Pai como
uma coisa a qual aferrar-se, mas sim manifestou o verdadeiro princípio de
desprendimento, a fim de que os vencedores pudessem sentar-se com ele em seu
trono (Apoc. 3: 21). Da mesma maneira, Samuel não só indicou que estava
disposto a dar a responsabilidade ao Saúl, mas sim também faria tudo o que
estava de sua parte a fim de preparar ao futuro rei para o desempenho de seus
deveres.

22.

A sala.

Quer dizer a habitação que estava junto ao lugar alto onde se comiam os 492
mantimentos rituais. Ao Saúl e a seu servo atribuíram os assentos de honra de
a habitação, onde se achavam 30 dos anciões. Saúl tinha sido
constante na tarefa de procurar as asnas de seu pai e possivelmente os anciões, ao
contemplá-lo e escutar seu relato, acreditaram que ali estava um homem que em
forma igualmente constante poderia encontrar uma maneira de liberar os das
hostilidades dos filisteus.

24.

Uma espaldilla.

A festa a qual se convidou ao Saúl evidentemente era uma oferenda de


sacrifício de paz na qual participaram os anciões do Ramá (ver T. I, pág.
712 e com. Lev. 3: 1). Os filhos do Israel fizeram sacrifícios tais no
Sinaí quando ratificaram o pacto (Exo. 24: 4-8). Nesse sacrifício, o peito e
a "espaldilla elevada" ("perna reservada" BJ) pertenciam ao sacerdote
lhe oficiem (Lev. 7: 33, 34). Devia-se comer a carne do sacrifício o dia mesmo
em que se matava o animal; não podia sobrar nada (Lev. 7: 16). Não se menciona
se a "espaldilla" apresentada ao Saúl foi a esquerda -da qual podiam comer
os laicos- ou a direita que pertencia aos sacerdotes (Lev. 7: 32). Mas foi
a porção reservada ao Saúl como hóspede de honra.

Samuel disse.

Embora a palavra "Samuel" não está no hebreu, evidentemente ele foi o


orador. Foi evidente para o Saúl que sua vinda tinha sido prevista e que se
faziam planos minuciosos para ela, e deve ter estado convencido da
convite de Deus para que assumisse as responsabilidades do governo.

25.

Falou com o Saúl.

Ao Saúl não lhe falou de sua elevada vocação esse dia. Evidentemente, Samuel
passou algum tempo explicando a sua hóspede os grandes princípios do governo
teocrático que já tinha estado em função durante séculos, e o que significavam
as mudanças em que insistiam os anciões. Mas é evidente que os inesperados
acontecimentos desse dia não afligiram ao Saúl, porque dormiu até que o
profeta o chamou o dia seguinte.
COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-27 PP 659-661

2-8 PP 659

11, 12, 14-21 PP 660

22-24, 27 PP 661

CAPÍTULO 10

1 Samuel unge ao Saúl. 2 Confirma sua ação mediante uma predição de três
sinais. 9 Deus muda o coração do Saúl e este profetiza. 14 Oculta a seu seu tio
unção como rei. 17 Saúl é eleito por sortes na Mizpa. 26 Diferentes
atitudes de seus súditos.

1 TOMANDO então Samuel uma redoma de azeite, derramou-a sobre sua cabeça, e
beijou-o, e lhe disse: Não te ungiu Jehová por príncipe sobre seu povo
Israel?

2 Hoje, depois que te tenha afastado de mim, achará dois homens junto ao
sepulcro do Raquel, no território de Benjamim, na Selsa, os quais lhe
dirão: As asnas que tinha ido procurar se acharam; seu pai deixou já
de inquietar-se pelas asnas, e está aflito por vós, dizendo: O que farei
a respeito de meu filho?

3 E logo que dali siga mais adiante, e chegue ao carvalho do Tabor, lhe
sairão ao encontro três homens que sobem a Deus no Bet-o, levando um e três
cabritos, outros três tortas de pão, e o terceiro uma vasilha de vinho;

4 os quais, logo que lhe tenham saudado, darão-lhe dois pães, os que tomará
de mão deles.

5 depois disto chegará à colina de Deus onde está a guarnição dos


filisteus; e quando entrar lá na cidade encontrará uma companhia de
profetas que descendem do lugar alto, e diante deles salterio, pandeiro,
flauta e harpa, e eles profetizando.

6 Então o Espírtu do Jehová virá sobre ti podendo, e profetizará com


eles, e será mudado em outro homem. 493

7 E quando lhe tiverem acontecido estes sinais, faz o que lhe viniere à mão,
porque Deus está contigo.

8 Logo baixará diante de mim ao Gilgal; então descenderei eu a ti para


oferecer holocaustos e sacrificar oferendas de paz. Espera sete dias, até que
eu venha a ti e te ensine o que tem que fazer.

9 Aconteceu logo, que ao voltar ele as costas para apartar-se do Samuel, o


mudou Deus seu coração; e tudo estes sinais aconteceram naquele dia.

10 E quando chegaram lá à colina, hei aqui a companhia dos profetas que


vinha a encontrar-se com ele; e o Espírito de Deus veio sobre ele podendo, e
profetizou entre eles.

11 E aconteceu que quando todos os que lhe conheciam antes viram que
profetizava com os profetas, o povo dizia o um ao outro: O que lhe há
acontecido ao filho do Cis? Saúl também entre os profetas?

12 E algum dali respondeu dizendo: E quem é o pai deles? Por


esta causa se fez provérbio: Também Saúl entre os profetas?

13 E cessou de profetizar, e chegou ao lugar alto.

14 Um tio do Saúl disse a ele e a seu criado: aonde foram? E ele respondeu:
A procurar as asnas; e como vimos que não pareciam, fomos ao Samuel.

15 Disse o tio do Saúl: Eu te rogo me declare o que lhes disse Samuel.

16 E Saúl respondeu a seu tio: Declarou-nos expressamente que as asnas haviam


sido achadas. Mas do assunto do reino, de que Samuel lhe tinha falado, não o
descobriu nada.

17 Depois Samuel convocou ao povo diante do Jehová na Mizpa,

18 e disse aos filhos do Israel: Assim há dito Jehová o Deus do Israel: Eu


tirei o Israel do Egito, e lhes liberei de mão dos egípcios, e de mão de
todos os reino que lhes afligiram.

19 Mas vós desprezastes hoje a seu Deus, que vos guarda de todas
suas aflições e angústias, e hão dito: Não, a não ser ponha rei sobre
nós. Agora, pois, lhes apresente diante do Jehová por suas tribos e por
seus milhares.

20 E fazendo Samuel que se aproximassem todas as tribos do Israel, foi tomada a


tribo de Benjamim.

21 E fez chegar a tribo de Benjamim porsus famílias, e foi tomada a família


do Matri; e dela foi tomado Saúl filho do Cis. E lhe buscaram, mas não foi
achado.

22 Perguntaram, pois, outra vez ao Jehová se ainda não tinha vindo ali aquele
varão. E respondeu Jehová: Hei aqui que ele está escondido entre a bagagem.

23 Então correram e o trouxeram dali; e posto no meio do povo,


dos ombros acima era mais alto que todo o povo.

24 E Samuel disse a todo o povo: Viram ao que escolheu Jehová, que


não há semelhante a ele em todo o povo? Então o povo clamou com alegria,
dizendo: Viva o rei!

25 Samuel recitou logo ao povo as leis do reino, e as escreveu em um


livro, o qual guardou diante do Jehová.

26 E enviou Samuel a todo o povo cada um a sua casa. Saúl também se foi a
sua casa na Gabaa, e foram com ele os homens de guerra cujos corações Deus
havia meio doido.

27 Mas alguns perversos disseram: Como nos tem que salvar este? E lhe tiveram
em pouco, e não lhe trouxeram presente; mas ele dissimulou.

1.

Redoma de azeite.
O azeite de oliva era um símbolo de prosperidade (Deut. 32: 13; 33: 24). Ungir
o corpo com azeite é uma prática empregada dos começos da história
e ainda segue em rema entre os povos primitivos. Posteriormente se usaram
ungüentos perfumados. ungia-se às pessoas por diversos motivos: como uma
amostra de honra (Luc. 7: 46; Juan 11: 2), ao preparar-se para acontecimentos
de índole social (Rut 3: 3), ou para reconhecer a devida idoneidade para
determinado serviço, dignidade, função ou prerrogativa.

Ungiu-te Jehová.

Entre os hebreus, o fato de que um profeta ungisse a um homem era um


símbolo de lhe haver repartido de um modo especial a graça do Espírito Santo
para a realização de sua tarefa atribuída. O óleo santo do unção se
usava na consagração de artigos empregados para fins religiosos, tais
como o tabernáculo (Exo. 30: 26-29) e para a consagração de sacerdotes (Exo.
29: 7; 30: 30; Lev. 8: 10-12; etc.). Sempre 494 devia se ter especial
cuidado em sua preparação e uso (Exo. 30: 23-33). É obvio, não havia mais
santidade no azeite mesmo que na água batismal. Não transmitia virtude
especial alguma; era só um símbolo. Alguns pensam que o costume de
ungir aos reis se originou no Egito; outros vêem no antigo ritual cananeo
uma evidência de que é antiquísimo.

O unção com azeite é uma excelente ilustração de como Deus usa as


costumes humanos para nos induzir a procurar um conhecimento mais profundo e
verdadeiro da salvação. Deus instruiu aos israelitas para que fizessem
coberturas de um tipo familiar, está %parado para o transporte, etc. para os móveis
sagrados e os copos do tabernáculo que se parecessem em certa medida aos
que se usavam nos templos do Egito. Artigos de um artesanato similar se
acharam na tumba do Tutankamón. Nela também se encontraram figuras a
maneira de guardiães semelhantes a querubins, cujas asas se tocavam, esculpidos
em alto-relevo no sarcófago deste faraó. Deus deu aos magos dos
dias de Cristo um sinal em que empregou um meio que lhes era familiar: uma
estrela que os guiasse até Presépio. Segundo a época e os costumes das
gente, Deus emprega médios conhecidos para elas ao lhes ensinar sua santidade e a
beleza do plano de redenção.

2.

Achará.

Era algo completamente natural que Saúl estivesse um tanto ofuscado pelo giro
inesperado dos acontecimentos. Que surpresa deveu haver-se levado a ver-se
convertido no centro de atração, enquanto Samuel o dirigente do Israel
estava preparado para recebê-lo com honras! Bem podia haver-se perguntado o que
significava todo isso. Como evidência de que o Senhor o chamava, o Espírito
Santo falou por meio do Samuel para lhe revelar acontecimentos futuros. A
evidência da presciencia de Deus, comprovada às poucas horas de seu
unção, animou ao Saúl a aceitar a responsabilidade a que era chamado.
Sentiu a segurança de que Deus estaria com ele. Samuel já lhe tinha informado
que tinham aparecido as asnas; logo se acrescentaram mais comprovações
inspiradas pelo céu a fim de confirmar a mensagem do profeta.

Aos humildes e bem dispostos de coração Deus multiplica as evidências em


quanto ao caminho que devem tomar (ISA. 30: 21;Jer. 33: 3; ver DTG 297, 298,
621, 622; DMJ 126). E a beleza de tudo isto é que ele tem mil formas para
manifestar essas evidências. Não está restringido a determinado método. O
feito de que o Espírito Santo falasse nos dias dos apóstolos por meio
de línguas de fogo não é uma razão para que deva manifestar-se da mesma
maneira em outro tempo. Os apóstolos foram induzidos a escolher o 12.º membro
de seu grupo jogando sortes, mas isto não significa que atirar uma moeda ao
ar seja a melhor forma para achar solução aos problemas individuais de
hoje em dia.

Junto ao sepulcro do Raquel.

Ver a nota adicional do cap. 1.

3.

O carvalho do Tabor.

Às vezes os carvalhos vivem muitíssimo e alcançam grande tamanho. Tais árvores


serviam como excelentes marcos. Os deuses alheios da casa do Jacob foram
enterrados debaixo "de um carvalho que estava junto ao Siquem" (Gén. 35: 4).
Débora, o ama de Blusa de lã, foi sepultada perto do Betel "debaixo de um carvalho"
(Gén. 35: 8). Em algum lugar, entre a tumba do Raquel e Gabaa, estava este
árvore que pertencia a um homem chamado Tabor, ou estava em um distrito disso
nome.

5.

Colina de Deus.

"Guiará de Deus" (BJ). Literalmente, "Gabaa de Deus". Assim como Gabaa (vers.
26) era o lar do Saúl, "Gabaa de Deus" era provavelmente a parte da
colina onde estava o lugar alto e de onde devia ver-se descender a
companhia dos profetas.

A companhia dos profetas.

Resulta claro pelo contexto que os profetas se estavam valendo da música


sagrada e do canto para que ressurgissem em sua mente alguns atos
providenciais de Deus. A palavra traduzida "profetizando" significa
literalmente "farão o papel de profeta". Cantavam com ardor louvores a
Deus. Este parece ter sido um dos métodos instituídos pelo Samuel como
parte do programa das escolas que estabeleceu para refinar e espiritualizar
a mente dos alunos (ver Ed 44).

6.

Profetizará.

É uma inflexão verbal de naba', "atuar como porta-voz de Deus". Aqui não se
faz referência a predizer acontecimentos futuros, a não ser à expressão da
verdade divina na forma de canto sagrado. A mesma forma do verbo se emprega
para descrever aos falsos profetas do Baal que se cortavam a si mesmos, como
se tivessem estado 495 poseídos por um mau espírito (1 Rei. 18: 28, 29), embora
ninguém poderia sustentar que um espírito completamente diferente ao do Saúl era o
que possuía a esses profetas pagãos. Mas estes "filhos dos profetas"
cantavam louvores a Deus quando Saúl os encontrou e lhes uniu nesse canto.
As muitas provas da providência divina que Saúl achou em seu atalho
durante as últimas horas sem dúvida tinham provocado uma transformação que
embora foi transitiva demonstrou o que Deus estava ansioso de fazer para ele se
permanecia humilde e submisso.

Será mudado em outro homem.


Há oportunidades na vida dos homens quando uma mudança das
circunstâncias ou algum dom divino os libera de limitações anteriores e se
encontram submetidos a uma mudança tão rápida, novo e notável como quando uma
mariposa sai de seu casulo ou um cacto que floresce de noite de repente começa
a desdobrar sua beleza deliciosa e emana seu maravilhoso perfume, onde só
sítios poucos momentos antes não havia nada que pressagiasse semelhante
transformação. Tudo bem e dom perfeito provêm de Deus (Sant. 1: 17 ).
Bezaleel e Aholiab receberam sabedoria e habilidade especiais para a obra do
tabernáculo (Exo. 31: 26); quase da noite para o dia Moisés foi transformado
de um tímido pastor de ovelhas em um emancipador que se apresentou intrépidamente
diante do rei. Assim também Gedeón foi convertido em um homem muito valente,
capaz de conduzir um exército à vitória, não por sua própria sabedoria e
habilidade, mas sim por inspiração de Deus. O egocêntrico e farisaico Pedro
também foi transformado em um intrépido dirigente da igreja primitiva.
Tais mudanças se efectúan quando o Espírito de Deus reparte aos homens uma
visão de novas possibilidades, e sua alma responde com sagrado gozo e alegria
ao deleitar-se em aceitar a responsabilidade dada Por Deus.

A realidade da transformação se faz manifesta ao ocorrer mudanças nos


pensamentos, os hábitos, a vida. As coisas velhas passam; todas as coisas se
fazem novas (2 Cor. 5: 17). Mas deve recordar-se que uma mudança tal só chega
a ser permanente com a reafirmación diária da eleição que assim se feito.
Gedeón, por exemplo, fez que os israelitas caíssem em uma idolatria tão
grande como aquela da que ele acabava de liberá-los (Juec. 6: 1, 10, 25; 8:
24-33). Da mesma maneira, Saúl recusou prosseguir no conhecimento do
Senhor, e como resultado finalmente chegou ao ponto de ficar inteiramente sob o
domínio de Satanás. Hoje em dia, quantos homens parecem levar um rótulo que
diz: "poderia ter sido"!

7.

Faz o que lhe viniere à mão.

Saúl devia dar-se conta em tudo o que lhe sobreviesse que Deus lhe estava dando
evidência de sua eleição. por que não tinha encontrado antes as asnas? Por
o que tinha vagado daqui para lá até que se encontrou com o Samuel, antes de
que soubesse nada delas? Devia entender em tudo isto que, embora invisível,
Deus tinha estado com ele em todo o caminho. Com todas estas provas diante de
ele deva esperar uma evidência adicional da condução divina. Pelo
isto momento foi tudo o que Deus acreditou conveniente revelar ao Saúl sobre o
futuro.

Deus está contigo.

Todo o céu estava interessado em ajudá-lo a determinar que sua vida devia ser
ordenada Por Deus. Nas circunstâncias de sua vida diária, devia contemplar
a condução de Deus. Quão diferente poderia ter sido a história do Israel
se Saúl tivesse acatado a direção do Senhor, Tinha a evidência de que as
circunstâncias de sua volta ao lar foram dispostas pelo Senhor. Se o
havia dito o que ia acontecer a fim de que pudesse animar-se a cooperar com
Deus, permitindo que o Espírito o instruíra, protegesse-o e dirigisse seus
ações.

8.

Baixará.
Samuel deu ao Saúl suficiente discernimento do futuro para lhe provar que
Deus obrava em seu favor. No momento não podia referir ao Saúl com precisão
as circunstâncias que o levariam ao Gilgal. Isso teria tendido a confundir
ao jovem antes que lhe ajudar (ver caps. 11: 15; 13: 4, 8). Simplesmente,
Samuel assegurou ao futuro rei que -ao proceder de acordo com o que requeria a
ocasião- sempre poderia esperar tanto êxito, contando com a direção divina,
como aquele de que tinha desfrutado no dia de sua unção.

9.

Mudou Deus seu coração.

Literalmente, "Deus transformou para ele outro coração", o que significa: "Deus
converteu-o". Esta mudança de coração também seria acompanhado por uma mudança
de direção em seu pensamento. Em vez de pensar em asnas e granjas, Saúl
devia aprender a pensar nos problemas que deve confrontar um estadista, um
general e um rei. 496 Deus estava preparado para repartir ao Saúl a habilidade
necessária para cumprir suas novas responsabilidades. Que pensamentos devem
ter passado pela mente do Saúl esse dia, quando se cumpriram um incidente
depois de outro tal como Samuel o havia predito! (vers. 2-7).

Deus estava preparado para transformar a visão, a ambição e as aspirações de


Saúl em tal forma, que as coisas de Deus chegassem a ser para ele o propósito
supremo da vida. Séculos mais tarde, disse um profeta: "Tirarei o coração de
pedra de em meio de sua carne, e lhes darei um coração de carne" (Eze. 11: 19).
Saúl tinha interrogado a Deus por meio do Samuel em um esforço para
orientar-se entre as perplexidades pessoais. Deus respondeu primeiro seu rogo
em procura de orientação pessoal, e logo o convidou a aceitar sua direção em
assuntos que afetavam o bem-estar de toda a nação. Assim também é hoje em dia:
Deus toma a homens onde os encontra e os convida a cumprir o glorioso plano
divino para sua vida.

11.

Saúl também entre os profetas?

Isto lhe parecia incrível ao povo. Indubitavelmente, a vida do Saúl antes de


esse momento não podia haver-se considerado como um modelo de piedade. Era pouco
menos que um milagre que se converteu em profeta embora, é certo, não
no sentido de ter sido chamado ao ofício profético. Mas hei aqui que
estava elogiando a majestade e o poder de Deus e expressando-se em forma
inspirada quanto a verdades sagradas. Guardava um segredo que lhe deve haver
sido difícil manter, e as confirmatorias prova recentes da graça e
providência divinas o comoviam até o mais íntimo da alma. Suas emoções
reprimidas estalaram ante a evidência de que as palavras do Samuel se haviam
completo certamente: ele se havia "mudado em outro homem" (vers. 6). Seu
experiência também atestou de que Deus pode transformar aos homens menos
promissores em instrumentos que lhe serão úteis. Além disso, no caso do Saúl,
esta notável mudança chamaria a atenção do povo e ganharia sua confiança a
fim de prepará-lo para seguir a seu caudilho.

Com freqüência o proceder de Deus não concorda com os planos humanos. Era
incrível -assim pensaram os judeus- que os discípulos falassem em idiomas
estrangeiros no dia do Pentecostés. nos parece imprudente que
Cristo, conhecendo o caráter do Judas, tivesse-o convertido no tesoureiro
dos discípulos (Juan 12: 6). Ao Naamán parecia absurdo que as turvas
águas do Jordão possuíssem mais poder curativo que os limpos arroios de
Damasco (2 Rei. 5: 12). A cruz de Cristo foi desprezada pelos gregos como
um meio extremamente desdenhável para a salvação do mundo (1 Cor. 1: 18-24).
Segundo o modo moderno de pensar, possivelmente pareça injusto que o Senhor ordenasse a
Abimelec que devolvesse a Sara a seu marido e pedisse as orações de este,
quando a tinha tomado com limpa consciência (Gén. 20: 5). Ao Juan o Batista
parecia-lhe indevido batizar ao Filho de Deus (Mat. 3: 13-15). Simón pensou que
não condecía com a hierarquia do Jesus o que este permitisse que María o
ungisse os pés, se sabia que classe de mulher era (Luc. 7: 37-40). Sem
embargo, todas estas contradições aparentes ficam resolvidas quando se tomam
em conta a obra e o poder do Espírito Santo.

As escolas proféticas, administradas pelo Samuel, foram organizadas para que


a juventude pudesse educar-se nas verdades de Deus. estudava-se cabalmente
a história, dedicava-se muito tempo para memorizar as Escrituras, orar e
aprender cantos sagrados. Em lugar das expressões poéticas referentes a
Baal -o deus das tormentas- Israel foi instruído nas maravilhosas obras
do Senhor, e seu louvor foi expressa em cantos. À medida que a
contemplação das misericórdias de Deus trazia gozo e paz ao coração
aflito dos israelitas, seu rosto resplandecia refletindo a iluminação
interna do Espírito Santo.

16.

Não lhe descobriu nada.

O sábio afirmou que há "tempo de calar, e tempo de falar" (Anexo 3: 7).


Quão diferente foi a reação do Saúl da do Jehú (2 Rei. 9: 4-13) ante seu
unção pelo profeta. Se Deus era responsável por ter chamado ao Saúl
para que fora rei, ele faria conhecer isso a quem correspondia no momento
devido. Sob o controle do Espírito Santo, Saúl obedeceu as instruções de
Samuel de que aguardasse a direção de Deus. A fim de ser idôneo para seu alto
cargo, Primeiro Saúl devia aprender a dominar a língua. Sua reserva foi uma
evidência de que estimava devidamente a responsabilidade que agora descansava
sobre ele.

19.

desprezastes hoje a seu Deus.

497 Quão curto de vista é o homem que pensa pôr em conflito sua sabedoria
limitada contra a onisciência do Criador! Durante os dias dos juizes,
quando as forças armadas do Egito percorriam o país vez detrás vez, os
israelitas se haviam posto a salvo dos ataques que tinham subjugado uma
cidade atrás de outra na Palestina. Desconheciam que os senhores egípcios voltavam para
sua pátria com a notícia de que não havia nada que temer dos israelitas que
moravam nas colinas. Não sabia o Israel que esses mesmos exércitos que
percorriam o país foram um meio para conter às tribos próximas que sem
dúvida observavam com olhar ambicioso as bem regadas alturas ao oeste do
Jordão (ver com. Exo. 23: 28).

Através de toda a história do mundo, os seres humanos foram tentados a


duvidar da conveniência de obedecer os planos de Deus. Depois do dilúvio,
Deus fez um pacto com o homem de que nunca seria destruída outra vez a
terra por meio de água. Em vez de confiar nessa promessa, os antigos
acreditaram que deviam construir uma torre cujo topo não pudesse ser alcançada
jamais por nenhuma inundação. Em procura de segurança, acreditaram que deviam
construir cidades e viver em íntimo contato com seus vizinhos. Até os judeus
dos dias de Cristo se esqueceram de colocar primeiro o reino de Deus e
sua justiça, e deixar que Deus lhes acrescentasse o necessário para suprir as
necessidades temporárias e materiais da vida como lhe parecesse melhor.

Em seu desejo por semelhar-se às nações que os rodeavam, os israelitas não


compreenderam que estavam colocando um obstáculo mais nos planos de seu Rei
celestial. Por ser entes morais livres, estavam limitando a Deus seu mediante
eleição (Sal. 78: 41), e ao fazer isso estavam semeando as sementes de
egoísmo e rebelião. A funesta colheita era inevitável. Entretanto, Deus em
sua misericórdia e longanimidad nunca os abandonou.

22.

A bagagem.

Literalmente, "as coisas". Quer dizer, as provisões aprovisionadas para a reunião


especial.

24.

Ao que escolheu Jehová.

Muitos formulam a pergunta: por que escolheu Deus ao Saúl como rei sabendo muito
bem como seria sua vida? O contexto revela que os israelitas queriam a um
homem de personalidade dominante que lhes servisse como um poderoso caudilho em
a guerra (cap. 8: 19, 20). Deus o escolheu em harmonia com o desejo deles
para lhes demonstrar: (1) que não limitava sua liberdade de eleição, (2) que a pesar
de sua néscia preferência, o Senhor limitaria as más influências provenientes
da monarquia, (3) que deviam aprender por experiência que o que se semeia,
isso também se colhe e (4) que a separação nacional do caminho escolhido por
Deus não impedia que os indivíduos, dentro dessa nação, vivessem em harmonia
com a vontade divina e recebessem a bênção celestial.

27.

Alguns perversos.

Não podia menos de esperar-se que Saúl, membro da mais pequena das tribos
do Israel, encontrasse duas classes de indivíduos: uns "cujos corações Deus
havia meio doido" (vers. 26) e que pareciam dispostos a seguir a direção de
Deus, e outros -incluindo possivelmente a alguns dos mesmos anciões que haviam
vindo do Judá, a tribo maior, para pedir um rei- que pensavam que haviam
sido menosprezados e portanto recusaram ser leais (ver PP 663). A mesma
situação se expôs quando Deus ordenou ao Moisés que substituíra aos
primogênitos de todas as tribos com os levita, restringindo assim o cargo
sacerdotal aos filhos do Aarón. Naquela ocasião, Coré e 250 dos
príncipes do Israel recusaram obedecer a Deus e acusaram ao Moisés de colocar a
sua própria família no cargo. O mesmo feito de que Saúl suportasse tão
pacientemente este rechaço de sua autoridade e não fizesse nenhum esforço para
manter seu direito ao trono pela força, é a melhor evidencia de que Deus
havia-lhe meio doido o coração e lhe estava repartindo a sabedoria requerida para
a realeza.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-27 PP 661-664

1- 11 PP 661

5, 6 CM 285
8 PP 670, 679

10 PP 674, 690

17, 20-25, 27 PP 663 498

CAPÍTULO 11

1 Nahas ameaça aos do Jabes do Galaad. 4 Eles enviam mensageiros e som


liberados pelo Saúl. 12 Saúl é confirmado e feito rei publicamente.

1 DESPUES subiu Nahas amonita, e acampou contra Jabes do Galaad. E todos os de


Jabes disseram ao Nahas: Faz aliança conosco, e lhe serviremos.

2 E Nahas amonita lhes respondeu: Com esta condição farei aliança com vós,
que a cada um de todos vós tire o olho direito, e ponha esta afronta
sobre tudo Israel.

3 Então os anciões do Jabes lhe disseram: nos dê sete dias, para que
enviemos mensageiros por todo o território do Israel; e se não haver ninguém que nos
defenda, sairemos a ti.

4 Chegando os mensageiros a Gabaa do Saúl, disseram estas palavras em ouvidos do


povo; e todo o povo elevou sua voz e chorou.

5 E hei aqui Saúl que vinha do campo, depois dos bois; e disse Saúl: O que tem
o povo, que chora? E lhe contaram as palavras dos homens do Jabes.

6 Para ouvir Saúl estas palavras, o Espírito de Deus veio sobre ele podendo; e ele
acendeu-se em ira em grande maneira.

7 E tomando um par de bois, cortou-os em partes e os enviou por todo o


território do Israel por meio de mensageiros, dizendo: Assim se fará com os
bóie do que não sair em detrás do Saúl e em detrás do Samuel. E caiu temor de
Jehová sobre o povo, e saíram como um só homem.

8 E os contou no Bezec; e foram os filhos do Israel trezentos mil, e trinta


mil os homens do Judá.

9 E responderam ao Ios mensageiros que tinham vindo: Assim dirão aos do Jabes
do Galaad: Amanhã ao esquentar o sol, serão liberados. E vieram os
mensageiros e o anunciaram aos do Jabes, os quais se alegraram.

10 E os do Jabes disseram aos inimigos: Amanhã sairemos a vós, para que


façam conosco tudo o que bem lhes parecer.

11 Aconteceu que ao dia seguinte dispôs Saúl ao povo em três companhias, e


entraram no meio do acampamento à vigília da manhã, e feriram os
amonitas até que o dia esquentou; e os que ficaram foram dispersos, de tal
maneira que não ficaram dois deles juntos.

12 O povo então disse ao Samuel: Quais são os que diziam: Tem que reinar
Saúl sobre nós? nos dêem esses homens, e os mataremos.

13 E Saúl disse: Não morrerá hoje nenhum, porque hoje Jehová deu salvação em
Israel.
14 Mas Samuel disse ao povo: Venham, vamos ao Gilgal para que renovemos ali o
reino.

15 E foi todo o povo ao Gilgal, e investiram ali ao Saúl por rei diante de
Jehová no Gilgal. E sacrificaram ali oferendas de paz diante do Jehová, e se
alegraram muito ali Saúl e todos os do Israel.

1.

Nahas amonita.

O nome Nahas é a palavra qtie em hebreu significa "serpente". Abundavam


os adornos em forma de serpentes nos templos pagãos da Palestina. Aos
filhos do Israel lhes pareceu conveniente preservar a serpente de bronze
depois do que lhes passou com os répteis venenosos no deserto do Zin
quando saíram do Cades (Núm. 20: 1; 21: 59; cf. 2 Rei. 18: 4). Vendo a
importância que se dava às serpentes nas religiões de todos seus
vizinhos, não muito tempo depois os israelitas também começaram a venerar a
serpente que pensavam que os tinha salvado no deserto (cf. Eze. 8:
7-12). Posteriormente, nos dias do Ezequías, foi destruída a serpente de
bronze devido a esse culto (2 Rei. 18: 4). Posto que os nomes pessoais
com freqüência eram formados com os de diversas deidades, é evidente que a
Nahas lhe deu um nome que implicava certas características da
serpente, tais como sabedoria, astúcia e manha. 499

Jabes do Galaad.

Melhor "Yabés" (BJ). Até faz algum tempo, os eruditos acreditavam que este
povo esteve nas colinas que dominam o Wadi Y~bis (Jabes) a 11,5 km
ao leste do rio Jordão. Mas esta distância teria sido muito grande para
que os homens do Jabes do Galaad levassem os corpos do Saúl e do Jonatán a
mesma noite em que tiraram os cadáveres decapitados e empalados desses
personagens do muro da cidade do Betseán (cap. 31: 11-13). O arqueólogo
Nelson Glueck encontrou várias provas muito claras que o levaram a identificar
ao Jabes do Galaad com os atuais montículos do Tell o-Meqbereh e Tell Abã
Kharaz, que estão a quase três kilometros ao leste do Jordão, e que dominam o
rio Yabis depois de que este emerge de seu profundo ravina nas colinas de
Galaad e corre para o oeste até unir-se com o Jordão (The River Jordan [O
rio Jordão, págs. 159-167). Esta cidade tinha sido o lar das 400
donzelas cujos pais foram mortos porque não participaram da guerra civil
contra Benjamim, e que foram dadas como algemas ao resíduo dessa tribo
depois de sua extinção quase total (Juec. 21: 8- 14).

Muitos anos antes do Nahas, Israel tinha estado submetido aos amonitas durante
18 anos. Teria sido natural que os amonitas, ressentidos ainda por seu
derrota à mãos do Jefté, tivessem estado aguardando uma oportunidade para
recuperar o domínio do Galaad. Os gaditas e a meia tribo do Manasés
dispunham de férteis terras regadas pelos rios Jaboc, Yabis e Yarmuk.
devido a que por sua localização elevada não se viam afetados pelo calor do
deserto, seus vinhedos e excelentes campos de pastoreio provocavam a inveja de
os moradores dos desertos orientais. Jabes do Galaad tinha ressurgido de
a ruína de dias prévios, mas provavelmente seus habitantes não tinham esquecido
o brutal castigo que sofreram depois do assunto de Benjamim. Mas mais
forte que a inimizade entre os homens do Jabes do Galaad e seus próprios
parentes, estava o ódio que sentiam os amonitas contra todo o Israel como
resultado da derrota que lhes infligiu Jefté.

2.
Afronta sobre tudo Israel.

Indubitavelmente Nahas não sabia que o Israel desejava uma coesão mais estreita de
as tribos sob o governo de um rei. Se os homens do Jabes do Galaad
conheciam o plano -e todas as tribos estiveram representadas quando foi
eleito Saúl na Mizpa (cap. 10: 17)-, parecesse que lhe deram pouca importância.
O proceder do Jabes do Galaad dá uma idéia da desorganização da nação,
nem tanto devido a que necessitava um rei mas sim porque tinha rechaçado o plano do
Senhor. O egoísmo tinha aumentado até o ponto de que qualquer solução
oferecida Por Deus não ia resultar aceitável para a nação em seu conjunto
(ver cap. 10: 27). Nahas não tinha uma aversão especial contra os anciões de
Jabes mais que contra o resto do Israel. Seu propósito era demonstrar seu
desprezo por todos os israelitas lesando a alguns deles. Da mesma
maneira o adversário das almas provoca sofrimentos a alguma alma perdida, e
logo se as engenha para que sejam desprezadas as hostes dos céus
pretendendo que esse castigo é o resultado natural de servir a Deus.

3.

Enviemos mensageiros.

Pareceria que desde que o Israel esteve submetido a servidão pelos amonitas,
Jabes tinha tido pouca relação até com as tribos próximas, tais como
Isacar, Efraín e Benjamim. A cidade não estava a mais de 50 km de Silo, e
o ministério do Samuel parece ter estado limitado principalmente ao Efraín,
Benjamim e Judá. Poderia ter sido que os homens do Jabes do Galaad por
tanto tempo tinham fomentado sua aversão contra as outras tribos que não sabiam
que Samuel era juiz? Até parece que nada sabiam da nomeação do Saúl.
Possivelmente não tinham tomado parte na campanha contra os filisteus; mas bem se
tinham incluído sem estar dispostos a participar de suas responsabilidades
tribais. Nem sequer estavam seguros de que as tribos dariam alguma
resposta a sua súplica. Em seu agudo desespero virtualmente reconheceram
suas faltas e se entregaram à misericórdia de seus compatriotas israelitas, a
quem tinha desatendido no passado.

5.

Depois dos bois.

É evidente que Saúl tinha estado arando e retornava com seus bois ao
anoitecer. Josefo pensa que isto aconteceu pelo menos um mês depois de seu
nomeação (Antiguidades vi. 5. 1). Posto que sua eleição não resultou
agradável para muitos, é indubitável que voltou para seu lar para esperar as
instruções do profeta que o tinha ungido. O que teria acontecido se Nahas
tivesse sitiado ao Jabes antes de que Saúl fora constituído como rei? E podia
haver algo mais essencial para o novo rei que ter 500 a ocasião de demonstrar
o que valia, ante os descontentamentos que recusavam reconhecê-lo como rei? O
homem e o acontecimento se complementavam mutuamente. Não temos nada que
temer, a menos que esqueçamos como guiou Deus a seu povo no passado.
Esta experiência assegura a cada humilde cristão que é impossível que se ache
em uma situação para a qual Deus já não haja provido abundantes recursos.

6.

Veio sobre ele podendo.

Esta expressão é a mesma que se emprega para descrever a experiência do Saúl


quando voltava para sua casa depois de sua unção (cap. 10: 6, 10). Sobre o
chamada do Gedeón, o registro diz literalmente que "o Espírito do Jehová
vestiu-se com o Gedeón" (Juec. 6: 34). Assim como Josué recebeu a instrução de
ir em ajuda dos gabaonitas -quando os cinco reis do sul do Canaán
procuravam castigá-los por ter celebrado um tratado com os filhos do Israel-
assim também, sem tomar em conta o passado, quando Jabes necessitou ajuda ante o
ataque de um inimigo, o Espírito de Deus demonstrou que já estava em marcha a
resposta a sua oração em procura de ajuda. Graças a Deus porque tem mil
forma para nos liberar de cada dificuldade que nos apresenta!

7.

Um par de bois.

Possivelmente a mesma junta com que tinha estado arando. Quão próximos estão os
instrumentos com os que sempre Deus demonstra seu poder! Moisés não necessitou
os cavalos e carros do Egito. Seu cajado de pastor se converteu na "vara
de Deus". Gedeón não necessitou as lanças de ferro indispensáveis para os
filisteus. Foram melhores uns poucos cântaros de argila e umas lhas. Saúl não
pediu uma equipe especial. Sacrificando seus próprios bois, convenceu ao Israel
de sua boa vontade para gastar-se e ser gasto a favor do Senhor. Resultaram
contagiosas sua energia e engenhosidade, "e caiu temor do Jehová sobre o
povo". Uma vez mais demonstrou a realidade de que, regido pelo Espírito,
seria guiado para fazer o correto no tempo devido. O eu foi
completamente esquecido. As críticas dos "perversos", que provavelmente
tinham ocupado um lugar importante no pensamento do Saúl durante o último
mês ou algo mais, desvaneceram-se na insignificância. Baixo esse novo poder
-estranho para ele- Saúl sentiu que aumentava seu valor. Crédulo no êxito,
sem vacilar ficou do lado do Samuel para proporcionar amparo a uma
cidade acossada.

8.

Bezec.

Bezec, o lugar de reunião dos exércitos das diversas tribos, está a uns
20,4 km ao nordeste do Siquem no caminho ao Bet-seán, e a 16 km ao
sudoeste do Jabes do Galaad. Não ficava muito longe para as tribos do
norte, mas está a 67,6 km ao norte de Jerusalém. De modo que resultava
impossível que muitos da tribo do Judá se reunissem ali dentro do tempo
dado. Desde o Bezec, a mais de 300 m sobre o nível do mar, os exércitos podiam
descender com o passar do Wadi o-Khashneh até o Jordão, que nesse ponto
está a perto de 300 m sob o nível do mar. Vadeando esse arroio podiam chegar
à cidade, a um par de quilômetros mais para o este. Esta reunião de homens
armados pôde realizar-se dentro de um período de seis dias, e partindo desde
Bezec durante a noite, Saúl pôde chegar ao Jabes cedo pela manhã do
sétimo dia. À manhã do sexto dia o exército com que contava Saúl
resultou suficiente para assegurar aos anciões do Jabes que receberiam ajuda a
tempo.

11.

À vigília da manhã.

Entre os antigos hebreus a noite estava dividida em três vigílias militares.


A primeira vigília se menciona no Lam. 2: 19. Gedeón e seus homens caíram
sobre os madianitas "ao princípio do guarda [vigília] da meia-noite"
(Juec. 7: 19). Em ocasião da terceira, ou "vigília da manhã", foi quando
Moisés estendeu sua vara e as águas do mar Vermelho, voltando para seu leito,
cobriram aos egípcios perseguidores (Exo. 14: 24-27). depois de partir
toda a noite, Saúl e suas três divisões caíram sobre os despreparados
amonitas durante a vigília da manhã -justamente antes do amanhecer- e se
brigou a batalha até o meio-dia. A derrota foi completa: não ficaram dois
inimigos juntos.

Muitas das liberações providenciais de Deus se produziram nesse


momento do dia. David pode ter estado pensando na liberação do mar
Vermelho quando cantou: "De noite durará o choro, e à manhã virá a
alegria" (Sal. 30: 5). A semelhança das palavras do guarda que respondeu:
"A manhã vem, e depois a noite" (ISA. 21: 12), a manhã trouxe gozo aos
anciões do Jabes, mas a noite foi de ruína para o Nahas e seus seguidores. A
destruição que tramava para os homens da cidade sitiada se voltou 501
sobre sua própria cabeça e em medida dobro.

Foi no momento da vigília matutina quando disse o adversário do Jacob:


"me deixe, porque raia o alvorada" (Gén. 32: 26). O despontar de um novo dia
trouxe consigo consolo e segurança. Foi na vigília da manhã (a quarta
vigília, tal como se computava nos dias dos romanos) quando Jesus chegou
até a barco sacudida pela tormenta no mar da Galilea, e tranqüilizou
o coração dos discípulos turvados com dúvidas quanto a seu messianismo (ver
com. Mat. 14: 25). Foi na vigília da manhã quando o céu enviou o
poderoso anjo com fulmínea velocidade até a tumba que estava fora das
portas de Jerusalém, para que derrubasse o guarda de soldados e exclamasse:
"Filho de Deus, sal fora; seu Pai te chama" (DTG 725, 726).

Saúl não se deteve perguntar por que os anciões do Jabes não responderam a
o convite do Samuel quando ia se nomear um rei. Não perguntou assim que
a seu passado, qualquer que tivesse sido. Estavam em necessidade, e o Espírito
Santo se empossou dele para lhes levar ajuda. Deus se interessa muito mais em
nossa reação depois de que reconhecemos os enganos, que nos enganos em
sim. Por seu comportamento posterior, os homens do Jabes demonstraram que
tinham experiente uma genuína mudança de coração (1 Crón. 10: 11, 12).

12.

Disse ao Samuel.

Isto, junto com a declaração do Saúl do vers. 7, indica que o profeta foi
com o Saúl pelo menos até o Bezec e ajudou no planejamento da campanha.
Possivelmente os exércitos voltaram para o Bezec antes de desagregar-se, muito alvoroçados por
sua vitória e preparados para castigar a qualquer que se houvesse oposto ao
unção do Saúl. Seu proceder como militar, manifestado durante esses poucos
dias, foi para eles uma confirmação maior de seu título que sua eleição por
sorteio (cap. 10: 19-21) ou quando o ungiu Samuel (cap. 10: 1).

13.

E Saúl disse.

Sem esperar a resposta do Samuel, Saúl deu outra prova de que se havia
transformado em outro homem quando disse que a vitória era do Jehová, e que não
devia matar-se a ninguém. Se devido a acontecimentos recentes um inimigo podia
transformar-se em um amigo, seria major a vantagem que se era morto.
Exatamente o mesmo Espírito que falou mediante Saúl foi o que falou mediante
Cristo, em seu Sermão do Monte, quando disse: "Amem a seus inimigos,
benzam aos que lhes amaldiçoam, façam bem aos que lhes aborrecem, e orem por
os que lhes ultrajam e lhes perseguem" (Mat. 5: 44).

15.

Gilgal.

Sua localização é incerta. A tradição moderna favorece na Nitla, a 4,8 km ao


sudoeste da Jericó do AT; mas é mais provável que seja Khirbet o-Mefjer, a
2 km ao nordeste. De acordo com o Jos. 15: 7 estava ao norte do vale do Acor
e, portanto, no território que pertencia a Benjamim. Ali esteve o
quartel geral do Israel durante todo o período de seis anos de guerra pela
posse da Palestina, mas uma vez que foi submetido o país, o tabernáculo
foi transladado a Silo (Jos. 18: 1). Entretanto, ainda se considerava a
Gilgal como o lugar mais sagrado. Samuel o visitava em sua excursão anual (1 Sam.
7: 16). Era um sítio especialmente freqüentado para oferecer sacrifícios (cap.
13: 8; 15: 21; etc.). É evidente que mais tarde se converteu em um centro de
idolatria (ver pág. 848).

Neste lugar, tão saturado com as lembranças do milagroso proceder de Deus,


Samuel convocou aos filhos do Israel para renovar o reino. Sem dúvida, ali
voltou a lhes recordar o amoroso cuidado e a paciente longanimidad de um Pai
celestial durante os séculos passados. Teria sido muito melhor se houvessem
estado satisfeitos com o plano de governo original de Deus; mas, já que
desejavam um reino, Deus prometeu conceder seu Espírito ao novo rei como o
fazia com os juizes. Embora o tinham rechaçado, tinham um abundante
testemunho de que Deus ainda estaria com eles. Ao estabelecer uma monarquia
hereditária, os israelitas estavam abrindo as portas a muitos problemas e
perigos que não teriam encontrado se tivessem estado regidos pelos juizes.
Mas por meio do Samuel Deus afirmou seu amor e afeto eternos, e prometeu
rodeá-los com o mesmo solícito amparo de que tinham desfrutado nos
séculos passados.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-15 PP 664, 665, 772

1-8 PP 664

9-15 PP 665 502

CAPÍTULO 12

1 Samuel fala de sua integridade. 6 Reprova ao povo sua ingratidão. 16


Atemoriza ao povo com trovões e chuva em tempo de colheita. 20 Consola ao
povo na misericórdia de Deus.

1 DISSE Samuel a todo o Israel: Hei aqui, eu ouvi sua voz em tudo que me
hão dito, e lhes pus rei.

2 Agora, pois, hei aqui seu rei vai diante de vós. Eu sou já velho e
cheio de cãs; mas meus filhos estão com vós, e eu andei diante de
vós desde minha juventude até este dia.

3 Aqui estou; testemunhem contra mim diante do Jehová e diante de seu ungido, se
tomei o boi de algum, se tiver tomado o asno de algum, se tiver caluniado a
alguém, se tiver ofendido a algum, ou se de alguém tomei suborno para cegar
meus olhos com ele; e lhes restituirei isso.
4 Então disseram: Nunca nos caluniaste nem ofendido, nem tomaste algo
de mão de nenhum homem.

5 E ele lhes disse: Jehová é testemunha contra vós, e seu ungido também é
testemunha neste dia, que não achastes coisa alguma em minha mão. E eles
responderam: Assim é.

6 Então Samuel disse ao povo: Jehová que designou ao Moisés e ao Aarón, e tirou
a seus pais da terra do Egito, é testemunha.

7 Agora, pois, aguardem, e disputarei com vós diante do Jehová a respeito de


todos os fatos de salvação que Jehová fez com vós e com seus
pais.

8 Quando Jacob teve entrado no Egito, e seus pais clamaram ao Jehová,


Jehová enviou ao Moisés e ao Aarón, os quais tiraram seus pais de
Egito, e os fizeram habitar neste lugar.

9 E esqueceram ao Jehová seu Deus, e ele os vendeu em mão da Sísara chefe do


exército do Hazor, e em mão dos filisteus, e em mão do rei do Moab, os
quais lhes fizeram guerra.

10 E eles clamaram ao Jehová, e disseram: pecamos, porque deixamos a


Jehová e servimos aos baales e ao Astarot; libra nos, Pois, agora de mão
de nossos inimigos, e lhe serviremos.

11 Então Jehová enviou ao Jerobaal, ao Barac, ao Jefté e ao Samuel, e lhes liberou de


mão de seus inimigos em redor, e habitaram seguros.

12 E tendo visto que Nahas rei dos filhos do Amón vinha contra vós,
disseram-me: Não, mas sim tem que reinar sobre nós um rei; sendo assim
Jehová seu Deus era seu rei.

13 Agora, pois, hei aqui o rei que escolhestes, o qual pediram; já vêem
que Jehová pôs rei sobre vós.

14 Se temerem ao Jehová e lhe serviram, e oyereis sua voz, e não forem


rebeldes à palavra do Jehová, e se tanto vós como o rei que reina
sobre vós servem ao Jehová seu Deus, farão bem.

15 Mas se não oyereis a voz do Jehová, e se forem rebeldes às palavras de


Jehová, a mão do Jehová estará contra vós como esteve contra seus
pais.

16 Esperem ainda agora, e olhem esta grande coisa que Jehová fará diante de
seus olhos.

17 Não é agora a ceifa do trigo? Eu clamarei ao Jehová, e ele dará trovões e


chuvas, para que conheçam e vejam que é grande sua maldade que hão
feito ante os olhos do Jehová, pedindo para vós rei.

18 E Samuel clamou ao Jehová, e Jehová deu trovões e chuvas naquele dia; e


todo o povo teve grande temor do Jehová e do Samuel.

19 Então disse todo o povo ao Samuel: Roga por seus servos ao Jehová você
Deus, para que não morramos; porque a todos nossos pecados acrescentamos este
mal de pedir rei para nós.
20 E Samuel respondeu ao povo: Não temam; vós têm feito todo este
mau; mas com tudo isso não lhes separem de em detrás do Jehová, a não ser lhe sirvam com
todo seu coração.

21 Não lhes apartem em detrás de vaidades que não aproveitam nem liberam, porque são
vaidades.

22 Pois Jehová não desamparará a seu povo, 503 por seu grande nome; porque
Jehová quis lhes fazer povo dele.

23 Assim, longe seja de mim que eu peque contra Jehová cessando de rogar por
vós; antes lhes instruirei no caminho bom e reto.

24 Somente temam ao Jehová e lhe sirvam de verdade com todo seu coração, pois
considerem quão grandes costure tem feito por vós.

25 Mas se perseverassem em fazer mau, vós e seu rei perecerão.

1.

ouvi.

O reino de Deus se apóia no princípio da livre eleição. O fato de que


Deus conheça o fim desde o começo em nenhuma forma limita ao homem para
que tome suas próprias decisões (ver Ed 174). antes de que os israelitas
entrassem na Palestina, Deus lhes revelou que chegaria o tempo quando pediriam
um rei (Deut. 17: 14). Ao fazer essa revelação, não lhes expressou qual era seu
vontade no assunto. Tão somente desdobrou ante eles a forma em que se
desenvolveriam os acontecimentos.

Em tudo que me hão dito.

Deus lhes tinha dado um rei que correspondia com os ideais deles -pelo
menos no que concernia à aparência- e que também parecia estar à
altura das normas espirituais desejadas Por Deus. Durante os últimos meses
Saúl tinha demonstrado que estava poseído pelo Espírito de Deus. Era aprazível
em seu proceder, paciente com seus inimigos, humilde diante do Senhor, obediente
aos conselhos do profeta, enérgico para a guerra, decisivo nas
emergências e se destacava por sua abnegação.

Pu-lhes rei.

Se o Senhor tivesse permitido eleições no Israel, as aspirações políticas


das tribos maiores sem dúvida teriam produzido confusão e uma amarga
divisão. Ao jogar sortes, foi tomado um da tribo mais pequena. Israel
devia compreender sua contínua necessidade da direção divina. Embora os
israelitas agora tinham um rei de acordo com seu desejo, deviam recordar que não
pode-se progredir com exército nem com força, a não ser com o Espírito de Deus
(ver Zac. 4: 6). Deveriam ter estado dispostos a seguir a seu juiz -Samuel-
que os tinha conduzido através de mais de uma crise durante as décadas de seu
ministério. Mas uma vez que sua decisão em favor de uma forma monárquica de
governo tinha sido confirmada irrevocablemente, Samuel procurou que
compreendessem que um dirigente não pode ir mais depressa do que os seus
estão dispostos a acompanhá-lo, e que as ações do caudilho devem estar
condicionadas pela eleição voluntária do povo. Embora se dava conta de
que havia inexprimíveis perigos por diante, não guardou ressentimento para com
eles, nem em forma alguma os abandonou para que seguissem suas próprias
inclinações.
3.

Aqui estou.

O ancião profeta não era egocêntrico. Procurou que os israelitas -então


muito excitados como resultado de suas últimas vitórias e felizes pelo
nomeação de um rei- tranqüilamente fizessem memória da forma em que Deus
tinha-os tratado no passado e que examinassem as perspectivas do futuro.
Na monarquia recém estabelecida não se necessitariam mais os serviços de
Samuel como juiz. O rei se rodearia de homens de guerra (cap. 14: 52) e a
influência moral do Samuel seria sobrepujada pela força física das
ordens do Saúl. Contudo, Samuel ainda podia ser o porta-voz de Deus e
podia ser ainda o canal por cujo meio o Espírito de Deus dirigiria a seu
povo.

Foi um tempo de aguda crise para o Samuel, quem compreendeu que em grande medida
a eficácia convincente da mensagem que estava por apresentar dependia de seu
própria integridade de caráter. A não ser por isso, seu conselho seria pouco
eficaz. Os israelitas o conheciam desde seu nascimento; sabiam de sua obra como
profeta; eram testemunhas de sua conduta como juiz e profeta; conheciam seu caráter
exemplar; estavam familiarizados com a justiça e eqüidade de suas decisões
judiciais; era-lhes fácil admitir que nunca se enriqueceu com seu cargo;
estavam convencidos de que seu único propósito na vida era pôr em prática
as ordens de Deus para o bem-estar deles.

A vida do Samuel mostra claramente que o caráter, como uma planta, cresce
gradualmente. Suas faculdades tinham sido regidas da infância por um
espírito de consagração. Assim como a seiva proporciona os elementos para o
crescimento da planta, também o Espírito de Deus se converteu em 504
força interior, silenciosa, que se difundia por todos seus pensamentos,
sentimentos e ações, até que todos os homens puderam ver que sua vida
seguia as pautas divinas. O caráter simétrico do Samuel era o resultado
do cumprimento de seus deveres, realizados sob a direção do Espírito
Santo. Assim é hoje em dia: "Em todos os que se submetam a seu poder, o Espírito de
Deus consumirá o pecado" (DTG 82). É tão plenamente possível ser um Samuel
hoje em dia como foi mil anos antes de Cristo.

6.

Jehová.

Este Jehová a quem todos eles tinham invocado como testemunha, "designou"
-literalmente "fez"- ao Moisés e ao Aarón, protegeu-os da vingança de Faraó
e os tirou da casa de servidão. Entretanto, ao pedir um rei queriam
dizer que Deus não podia proteger os dos estragos das bandas merodeadoras
das nações circunvizinhas, mesmo que estavam estabelecidos em suas próprias
cidades e não eram mais escravos.

9.

Esqueceram ao Jehová.

Rodeados por idólatras, como tinham estado no Egito, e vivendo agora entre
nações que praticavam as formas mais degradantes de culto, resultou-lhes
difícil aos israelitas ser o povo peculiar de Deus e dar testemunho com seu
vida de uma forma melhor de fazer frente aos intrincados problemas da vida.
As formas de culto estavam então tão firmemente estabelecidas como o estão
hoje as modas de vestir. necessitava-se muito valor para resistir a maré de
a opinião pública, e poucos estavam dispostos a tentá-lo. Muito antes da
migração do Israel ao Egito, Lot acreditou que ele e sua família poderiam viver em
Sodoma sem sentir a influência dos costumes ali prevalecentes. Tristes
foram os resultados de sua decisão. Deus proibiu ao Israel que fizesse
aliança alguma com os idólatras nativos dessas terras. Mas, cansados de
guerrear, os israelitas pensaram que era melhor que se relacionassem intimamente
com os cananeos. Tristes foram as opressões resultantes do Eglón, rei de
Moab (Juec. 3: 12-14), da Sísara, capitão das hostes do Jabín (Juec. 4: 2),
dos filisteus (Juec. 13: 1) e de outros.

10.

Clamaram.

Esta súplica consta de duas partes: (1) uma confissão de haver-se desviado ao não
seguir a seu Guia, e (2) um pedido de liberação acompanhado pela promessa de
servir a Deus fielmente de então em adiante. Mas parece que o ser humano
sempre será incapaz de aprender pela experiência alheia. Segue suas próprias
inclinações até que quase é muito tarde e finalmente, com profunda
desespero, admite sua própria necessidade de ajuda exterior. Pensa que há
aprendido sua lição e que nunca voltará a cair.

Por exemplo, Salomón entrou no laboratório da vida e provou toda forma


concebível de felicidade. Mas em cada experimento só achou vaidade e
aflição de espírito (Anexo 1: 14, 17; 2: 11, 15, 17, 23, 26; etc.). Finalmente
chegou à conclusão de que o temor do Jehová e a obediência a seus
mandamentos constituem o todo do homem (Anexo 12: 13). Mas até com
exemplos tais diante de si, os homens logo esquecem as conclusões do
sábio até que percorreram o caminho por si mesmos e comprovaram bem que
a gente colherá com segurança o que semeia.

11.

Jerobaal.

Outro nome do Gedeón que recorda a ocasião quando derrubou o altar do Baal
(ver Juec. 6: 25-32).

Barac.

"Bedán" (RVA). Não há nenhum juiz que leve o nome do Bedán". Na LXX e
na versão Siriaca se lê "Barac". A letra hebréia d se parece muito à
letra r, e a n a k (ver com. Gén. 10: 4; 25: 15). Outros identificam a
"Bedán" com "Abdón" (ver Juec. 12: 13, 15) devido ao parecido entre estes dois
nomes em hebreu, maior que o que há entre "o Bedán" e "Barac".

Jefté.

O paladín do Israel quando os filhos do Amón tentaram recuperar a terra de


Galaad (Juec. 11). Jefté disse aos amonitas que ele confiava no poder de
Deus para proteger ao Israel em sua posse da terra (Juec. 11: 24), e seu
vitória sobre eles foi tão completa como foi mais tarde a do Saúl.

Samuel.

Na Siriaca e na LXX revisão pelo Luciano se lê "Sansón" em vez de


"Samuel", possivelmente porque se pensou que Samuel teria sido muito modesto para
mencionar seu próprio nome. Outros eruditos pensam que o nome "Samuel" foi
inserido na margem por um escriba posterior e que finalmente foi admitido
no texto. Mas enquanto que o nome hebreu "Barac" facilmente poderia
confundir-se com "Bedán", ou mais possivelmente "Abdón" pelo Bedán" devido à
semelhança das letras, o nome "Sansón" nunca poderia confundir-se com
"Samuel" por causa da diferença das letras. 505

14.

Se temerem ao Jehová.

Fora de si de gozo por sua vitória, os israelitas tinham coroado ao Saúl como
rei sem pensar nem no futuro nem na liderança protetora de Deus no
passado. Ao igual a Adão, quem por sua livre eleição tinha escolhido uma
forma de vida contrária à vontade divina, também agora a decisão de
Israel foi tal que afetou a vida futura de toda a nação. Entretanto, Deus
assegurou sua direção divina às hostes do Israel se reconheciam seu
dependência dele, aceitavam seu conselho e seguiam suas ordens.

15.

Se não oyereis.

Israel se tinha rebelado contra Deus ao pedir um rei. Com freqüência se havia
rebelado no passado. Entretanto, cada vez que clamou ao Senhor, havia
recebido ajuda.

A mão do Jehová.

Não podiam dizer que a mão de Deus tinha estado contra eles. Havia-os
protegido e salvo repetidas vezes embora, por seu egoísmo e necedad, vez detrás
vez se tinham afastado dele. Deus procurou lhes induzir a responder
voluntariamente a seu amor como indivíduos. No que outra forma podiam aprender
que nenhuma nação pode ser salva como nação, mas sim cada indivíduo deve
decidir por si mesmo sem tomar em conta seu ambiente?

17.

Trovões e chuvas.

Deus não podia dar ao Israel uma evidência mais impressionante que o sinal da
chuva em tempo da colheita. Seria algo surpreendente uma chuva em
primavera: o tempo da colheita. Na Palestina, as chuvas primaveris
normalmente cessam antes do tempo da páscoa, e imediatamente se inicia a
estação seca. A chuva volta no outono antes da semeia do trigo e a
cevada.

Para que conheçam.

Deviam conhecer duas coisas: (1) que tinham pecado diante do Senhor ao demandar
um rei, e (2) que Deus os amava e nunca os abandonaria. Esse dia acrescentaram
outro recordativo às muitas provas que já tinham recebido: que o filho
pródigo que volta para lar recebe a mais cordial bem-vinda de parte de seu
Pai.

20.

Com todo seu coração.


O serviço para Deus é uma escravidão voluntária que emana do amor. Por
causa do amor, o homem fará o que não faria de outra maneira. Samuel amava ao
Senhor, e seu serviço era o de um escravo que se deleitava em estar com seu amo.
Quando o povo observava uma comunhão tal entre o Samuel e o Senhor, tendia a
criar o desejo de experimentar o mesmo.

21.

Não lhes apartem.

O verdadeiro amor não é estático; é progressivo. Deus esteve preparado para


revelar seu amor permanente para o Israel. Doía-lhe ver que os israelitas se
voltavam egoístas e o esqueciam. É constante o amor de Deus para o homem e
convida-o a que retribua esse amor na forma de um serviço consagrado.

23.

Instruirei-lhes.

Samuel assegurou a quão israelitas não tinha má vontade devido à


eleição que tinham feito, e que dedicaria sua vida para segui-los instruindo
nas coisas de Deus. Embora não teria a responsabilidade do governo agora
que eles tinham eleito um rei, como profeta ainda seria o representante de
Deus para eles. Samuel compreendia os perigos do futuro. Sabia que era
impossível que o ser humano fizesse o correto sem ser guiado pelo Espírito
de Deus. Começava a dar-se conta de que suas responsabilidades como profeta
provavelmente seriam ainda maiores que no passado; entretanto, estava resolvido
a que ninguém jamais pudesse assinalá-lo com o dedo para lhe dirigir o possível
recriminação de que não tinha estado perto do Israel através de todas as
vicissitudes da vida. Como juiz, tinha sido leal aos israelitas; e agora
que o tinham rebaixado de categoria, por assim dizê-lo, ia demonstrar lhes que seu
amor para eles não tinha trocado como tampouco o amor de Deus.

24.

Considerem.

Uma das coisas que mais necessitam os homens hoje em dia é dar-se tempo para a
meditação na infinita bondade de Deus e nas provas de seu cuidado e
condução.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-25 PP 666-668

1-4, 11 PP 666

12 PP 667

13 PP 689

16-25 PP 667

19 DC 38; 5T 641 506

CAPÍTULO 13
1 O exército escolhido do Saúl. 3 Chama os hebreus ao Gilgal para que lutem
contra os filisteus, cuja guarnição Jonatán destruiu. 5 O grande exército
dos filisteus. 6 Aflição dos israelitas. 8 Saúl se cansa de esperar a
Samuel e oferece um sacrifício. 11 Samuel o reprova. 17 Os três esquadrões
de merodeadores filisteus. 19 Os filisteus não deixam ferreiro no Israel.

1 HAVIA já reinado Saúl um ano; e quando teve reinado dois anos sobre o Israel,

2 escolheu logo a três mil homens do Israel, dos quais estavam com o Saúl
dois mil no Micmas e no monte do Bet-o, e mil estavam com o Jonatán na Gabaa
de Benjamim; e enviou ao resto do povo cada um a suas lojas.

3 E Jonatán atacou à guarnição dos filisteus que havia na colina, e


ouviram-no os filisteus. E fez Saúl tocar trompetista por todo o país,
dizendo: Ouçam os hebreus.

4 E todo o Israel ouviu que se dizia: Saúl atacou à guarnição dos


filisteus; e também que o Israel se feito abominável aos filisteus. E
juntou-se o povo em detrás do Saúl no Gilgal.

5 Então os filisteus se juntaram para brigar contra Israel, trinta mil


carros, seis mil homens da cavalo, e povo numeroso como a areia que está
à borda do mar; e subiram e acamparam no Micmas, ao oriente do Bet-avén.

6 Quando os homens do Israel viram que estavam em estreito (porque o povo


estava em apuro), acenderam-se em covas, em fossos, em penhascos, em rochas e
em cisternas.

7 E alguns dos hebreus passaram o Jordão à terra do Gad e do Galaad;

mas Saúl permanecia ainda no Gilgal, e todo o povo ia atrás dele tremendo.

8 E ele esperou sete dias, conforme ao prazo que Samuel havia dito; mas Samuel
não vinha ao Gilgal, e o povo lhe desertava.

9 Então disse Saúl: me tragam holocausto e oferendas de paz. E ofereceu o


holocausto.

10 E quando ele acabava de oferecer o holocausto, hei aqui Samuel que vinha; e
Saúl saiu a lhe receber, para lhe saudar.

11 Então Samuel disse: O que tem feito? E Saúl respondeu: Porque vi que o
povo me desertava, e que você não vinha dentro do prazo famoso, e que os
filisteus estavam reunidos no Micmas,

12 me disse: Agora descenderão os filisteus contra mim ao Gilgal, e eu não hei


implorado o favor do Jehová. Esforcei-me, pois, e ofereci holocausto.

13 Então Samuel disse ao Saúl: Locamente fez; não guardou o


mandamento do Jehová seu Deus que ele te tinha ordenado; pois agora Jehová
tivesse confirmado seu reino sobre o Israel para sempre.

14 Mas agora seu reino não será duradouro. Jehová se procurou um varão conforme
a seu coração, ao qual Jehová designou para que seja príncipe sobre seu
povo, por quanto você não guardaste o que Jehová te mandou.

15 E levantando-se Samuel, subiu do Gilgal a Gabaa de Benjamim. E Saúl contou a


gente que se achava com ele, como seiscentos homens.
16 Saúl, pois, e Jonatán seu filho, e o povo que com eles se achava, se
ficaram na Gabaa de Benjamim; mas os filisteus tinham acampado no Micmas.

17 E saíram merodeadores do acampamento dos filisteus em três esquadrões;


um esquadrão partia pelo caminho da Ofra para a terra do Sual,

18 outro esquadrão partia para o Bethorón, e o terceiro esquadrão partia para


a região que olhe ao vale do Zeboim, para o deserto.

19 E em toda a terra do Israel não se achava ferreiro; porque os filisteus


haviam dito: Para que os hebreus não façam espada ou lança.

20 Pelo qual todos os do Israel tinham que descender aos filisteus para
afiar cada um a grade de seu arado, seu azadón, sua tocha ou sua foice.

21 E o preço era um pim pelas grades de 507 arado e pelos cave, e a


terceira parte de um siclo por afiar as tochas e por compor as espetadas.

22 Assim aconteceu que no dia da batalha não se achou espada nem lança em
mão de nenhum do povo que estava com o Saúl e com o Jonatán, exceto Saúl e
Jonatán seu filho, que as tinham.

23 E a guarnição dos filisteus avançou até o passo do Micmas.

1.

Havia já reinado Saúl um ano.

O significado desta passagem das Escrituras não é claro, como o reconhecem


todos os tradutores e comentadores. A BJ começa este versículo com pontos
suspensivos acompanhados de um asterisco. Na nota de pé de página
correspondente ao asterisco se lê: "O hebr. traduziria-se: 'Saúl tinha um
ano quando chegou a ser rei e reinou dois anos sobre o Israel', o qual é absurdo".
(A respeito da forma de expressar a idade em hebreu, veja o T. I, págs. 190,
191; também com. Gén. 5: 32.) Dos dias das primeiras versões da
Bíblia, este texto foi um enigma para os tradutores. Nos primeiros
exemplares da LXX se evitou a dificuldade omitindo todo o versículo. Os
targumes o parafraseavam desta maneira: "Saúl era tão inocente como um menino
de um ano quando começou a reinar". A Siriaca o apresenta assim: "Quando Saúl
tinha reinado um ou dois anos". Ao igual às traduções anteriores do
texto, a da RVR é uma paráfrase que não nos dá o hebreu como o temos
hoje em dia, a não ser o que os tradutores pensaram que tinha sido o texto
original hebreu. A RSV recorre a duas omissões: "Saúl tinha ... anos de idade
quando começou a reinar; e reinou ... e dois anos sobre o Israel".

Alguns comentadores estão de acordo em que sem dúvida este é um exemplo de uma
omissão produzida no processo das cópias, embora ninguém pode dizer no que
tempo da transmissão do texto pôde ter ocorrido essa omissão (ver T. I
pág. 16). Se o texto hebreu existente for o resultado de uma omissão, ressalta
como evidência do cuidado e minuciosidad dos copistas posteriores enquanto
dedicavam-se a sua tarefa de produzir novos manuscritos, pois não introduziram
nenhuma modificação no texto mesmo mas sim o deixaram como o encontraram,
embora seu significado era escuro.

Pouco ganhará fazendo conjeturas. Entretanto, poderia dar uma explicação


provisório. A forma da declaração que estamos considerando corresponde
com exatidão com a fórmula usada usualmente pelos escritores bíblicos ao
dar a idade de um rei quando começou a reinar e a duração de seu reinado. A
fórmula correspondente para o David aparece em 2 Sam. 5: 4 (ver também 2 Rei. 2
1: 1; 24: 8, 18; etc.). Se se tivesse incorrido em omissões similares às
que parece haver em 1 Sam. 13: 1 em um texto da mesma natureza como 2 Rei.
21: 1, leríamos: "De ... anos era Manasés quando começou a reinar, e reinou em
Jerusalém ... e cinco anos". As duas passagens são idênticas em sua construção
básica. A inserção de uma cifra para a idade do Saúl quando chegou a ser rei
e outra para a duração de seu reinado faria a declaração paralela com as
declarações correspondentes ao David e a outros reis. "Tinha Saúl, quando
alcançou o reino, ... anos, e reinou sobre o Israel... e dois anos" (BC). No
texto original a palavra "... dois" poderia ter sido "quarenta" (ver Hech. 13:
21). O texto hebreu de 1 Sam. 13: 1 tal como está agora implica que
originalmente constituiu uma declaração da idade do Saúl e da duração de
seu reinado. Se não ser assim, então Saúl é o único rei hebreu do qual não se
faz uma declaração tal no AT.

De acordo com outra explicação, 1 Sam. 13: 1 deveria entender-se: "Saúl reinou
um ano; e reinou dois anos sobre o Israel". Quer dizer, tinha completado o primeiro
ano de seu reinado (ver pág. 141) e estava no segundo ano quando ocorreram
os acontecimentos deste capítulo. Entretanto, deve admitir-se que
interpretar o hebreu de 1 Sam. 13: 1 como para que signifique que os
acontecimentos do cap. 13 ocorreram no segundo ano do Saúl é
antinatural, e constitui uma construção sem nenhum caso paralelo exato em
o registro bíblico dos reis.

A passagem poderia entender-se como que significa razoavelmente que Saúl tentou
submeter aos filisteus em seu segundo ano, embora o primeiro ataque verdadeiro
-o do Jonatán, aqui registrado- ocorreu algum tempo depois. Assim entendido,
há harmonia com a tradução e a primeira interpretação aqui 508

A BATALHA DO MICMAS

509 mencionada para 1 Sam. 13: 1. Se se chegar à conclusão de que o


comentário do PP 669 está influenciado pela interpretação da KJV deste
versículo,* poderia fazer-se notar que a declaração mesma pode entender-se como
que se refere à primeira tentativa do Saúl. Mas não importa qual seja a
tradução ou interpretação que se dê a esta passagem, ainda ficamos perplexos
quanto ao que dizia o texto original. Entretanto, em este como em outros
casos de textos difíceis e escuros, não está implicada nenhuma questão de
doutrina e, portanto, de salvação.

2.

Gabaa.

Gabaa se identifica agora geralmente com o Tell o-F»l, um ponto lhe ressaltem em
a cúpula da cadeia central de montanhas, e 5,6 km ao norte de Jerusalém.
foram escavadas as ruínas do que se acredita que foi a capital fortificada
do Saúl (ver T. I, pág. 131).

3.

A guarnição.

Heb. netsib, "coluna", "prefeito", "deputado", "guarnição" ou "posto".


Geralmente os comentadores acreditaram que o significado "prefeito" ou
"governador" devesse aplicar-se aqui por estar mais em harmonia com o contexto
(entretanto, ver PP 669). No Gén. 19: 26 netsib se traduz "estátua", e em 1
Rei. 4: 19 e 2 Crón. 8: 10 como "governador" e "governadores" respectivamente.

A colina.

No original hebreu se utiliza a palavra geba', nome próprio que a BJ


traduz "Gibeá", e a VM "Geba". Esta palavra hebréia se parece
grandemente a outra, gib'ah, que significa "colina" ou "colina". A 6,4 km
ao nordeste desta colina corre o Wadi Medineh, uma grande greta na
superfície da terra, apenas perceptível até a curta distância de seu bordo.
Suas ladeiras se elevam como precipícios insalvables, de muitos metros de altura.
Geba ("Guiará" na BJ) está no lado sudoeste do wadi, e a 2,8 km ao
nordeste, cruzando o wadi, está o povo do Micmas em uma meseta a 250 m
por debaixo do distrito que rodeia Gabaa (Tell o-Fãl). O terreno ao leste de
Micmas forma suaves declives que cobrem certa área apta para a agricultura e
vê-se com claridade o acesso desde o Jericó. Bet-o está situada a 9,6 km ao
norte da Gabaa e a uma altura de 30,5 m maior que Gabaa.

Micmas dominava o caminho principal do Jericó e o vale do Jordão ao Bet-o


como deste modo o caminho real mais importante que vai ao norte de Jerusalém a
Siquem. Saúl apostou em seu filho Jonatán e a um terço de seus soldados armados em
Gabaa, ao passo que com dois terços de seus homens protegeu o acesso ao Bet-o e
Gabaa do este. Este era o caminho mais provável que deviam tomar os
amonitas se queriam vingar-se do Saúl por sua vitória no Jabes do Galaad. O não
antecipava nenhum ataque do oeste pois tinha estado em paz com os
filisteus durante vários anos (cap. 7: 13).

Os filisteus.

Embora os filisteus não estavam em guerra com o Israel, mantinham guarnições em


as colinas, tais como a que estava em "Guiará" ao sudoeste do Micmas,
cruzando o wadi e a 70 m mais acima. A palavra netsib, traduzida
"guarnição", provém do verbo natsab, "ocupar um seu posto", "estar
estacionado", quer dizer, por ter sido renomado ou em cumprimento do dever.
Não muito longe -no Ramá (ver com. cap. 1: 1)- estava uma escola dos profetas
organizada pelo Samuel. É evidente que Samuel tratava de rebater a
influência pagã dos filisteus colocando perto destes sua escola, com a
esperança de que assim voltasse o povo ao culto do Jehová. Se tão somente a
influência da escola profética se difundiu na vida dos
habitantes de "Guiará" -de modo que os filisteus tivessem podido ver a
verdadeira importância da salvação de Deus-, teria se podido evitar uma
guerra sangrenta e muitos filisteus poderiam ter aceito a Deus assim como o
fez Naamán o sírio anos depois (2 Rei. 5).

Ouçam os hebreus.

O nome "hebreu", aplicado ao povo hebreu, aparece só 35 vezes em toda a


Bíblia, 31 vezes no AT e 4 vezes no NT. Das 31 referências do AT, 16
estão relacionadas com a permanência do Israel no Egito e 5 com esta guerra
contra os filisteus (caps. 13 e 14). Por contraste, a palavra "o Israel" se
usa centenares de vezes nas Escrituras, e surge a pergunta quanto ao
motivo para que haja tal contraste nestes dois casos. Entretanto, um fato
é claro: o término "hebreu" sempre é empregado por estrangeiros ou por
israelitas quando falam de 510 si mesmos a estrangeiros. Agora se crie
geralmente que "hebreu" era o nome comum pelo qual eram conhecidos os
israelitas por seus vizinhos (ver com. Gén. 10: 21; 14: 13). Faraó e sua gente
parecem ter usado ambos os nomes indistintamente (ver Exo. 1: 16; 5: 2; 14: 5;
etc.; ver também com. 1 Sam. 13: 7).
4.

feito-se abominável aos filisteus.

Possivelmente melhor "feito-se odioso". O mesmo verbo se usa para descrever o


maná que tinha sido deixado para o dia seguinte (Exo. 16: 20, 24).

Em detrás do Saúl no Gilgal.

Posto que o reino tinha sido confirmado no Gilgal (cap. 11: 14, 15), Saúl
convocou a todo o Israel ali antes que na Gabaa ou Micmas, onde seus preparativos
poderiam ser observados pelos filisteus. Estes teriam tido pouca dificuldade
em chegar ao lugar mencionado em último término, seguindo o curso dos
diversos wadis tributários. É difícil compreender por que Saúl não pediu a
Israel que reforçasse o exército que já estava apostado no distrito de
Benjamim. Isso teria estado perto do lar do Samuel e do sítio sagrado de
Bet-o (ver com. cap. 1: 1). As rochas do wadi em "Guiará" constituíam uma
magnífica fortaleza, e certamente os residentes nesse distrito sabiam mais em
quanto às características defensivas do terreno que os filisteus,
empenhados em vingar-se. Em seu dilema, parece que Saúl tivesse recordado o que
Samuel lhe havia dito respeito a ir ao Gilgal (cap. 10: 8).

5.

Trinta mil.

No texto do Luciano da LXX e na versão Siriaca se lê: "três mil".


É muito leve a diferença entre as palavras hebréias para 3 e para 30, e
facilmente as poderia confundir.

6.

esconderam-se.

Os israelitas foram sobressaltados de pânico ao recordar muito bem a derrota


sofrida anos antes perto de Silo, e especialmente em ausência do Samuel. A
mobilização dos filisteus aterrorizou de tal maneira ao povo, que Saúl não
pôde conservar a ordem no acampamento, e rapidamente estendeu o desânimo.
Completamente esquecida ficou a vitória obtida no Jabes uns poucos meses
antes. Também se esqueceram as confissões e os sacrifícios mais recentes,
quando se tinham regozijado ante Deus nesse mesmo lugar (cap. 11: 15). É
notável o contraste entre seu pânico e a fé manifestada mais tarde pelo Eliseo
quando a seu servo -aterrorizado pela hoste de sírios que estava diante de
as portas da cidade- lhe abriram os olhos para que visse a montanha
cheia das forças angélicas. Quão importante era neste tempo de crise,
que Saúl e seus homens aguardassem o conselho do profeta e sua bênção antes
de entrar em batalha!

7.

Os hebreus passaram.

Quando Saúl chamou as armas, disse: "Ouçam os hebreus" (vers. 3). Sem
embargo, o vers. 7 registra que "os hebreus" fugiram cruzando o Jordão (as
palavras "alguns de" não estão no texto original), enquanto que o vers. 6
declara que o Israel se ocultou em covas "no monte do Efraín" (cap. 14: 22).
A palavra "hebreus" sempre é usada pelos filisteus ao referir-se a seus
adversários, mas o autor do livro do Samuel parece diferenciar entre os dois
términos -"Israel" e "hebreus"- como por exemplo no vers. 19 onde se
menciona que os filisteus controlavam a todos os ferreiros "para que os
hebreus não se" fizessem "espada". Por contraste, o mesmo autor diz que "os
do Israel tinham que descender aos filisteus" para que afiassem seus
ferramentas. Entretanto, a LXX traduz aqui a palavra "hebreus" como
"escravos". Ver com. vers. 3.

8.

Esperou sete dias.

Isto não significa necessariamente que Saúl já tinha esperado sete dias
completos e que Samuel não chegou até o começo do oitavo dia, e que pelo
tanto chegou à entrevista com um dia de atraso. É possível que quando o profeta
não se apresentou ao começar o dia famoso (ver PP 670, 671), Saúl assumiu a
responsabilidade de oferecer o sacrifício. Ao ungir ao Saúl como rei, Samuel o
tinha instruído respeito a esta ocasião: devia ir ao Gilgal para esperar ali
até que chegasse Samuel (ver cap. 10: 8; cf. PP 670). Entretanto, Samuel
chegou pouco depois do tempo famoso para o sacrifício, tão somente para
descobrir o ato de desobediência do Saúl (cap. 13: 10).

11.

O povo me desertava.

Ao predizer que o Israel pediria um rei, Moisés advertiu que o governante não
devia "aumentar cavalos", quer dizer, confiar em implementos materiais para seu
amparo (Deut. 17: 16; cf. ISA. 31: 3). Pelo contrário, o rei, como
dirigente da nação e como exemplo do povo, devia conseguir uma cópia de
a lei para converter-se em estudante diligente dela e obedecer as
instruções registradas ali 511 Mas Saúl, pensando no armamento dos
vizinhos do Israel e em seus exércitos permanentes, chegou a pensar que obteria
segurança e êxito prescindindo da fé singela e a confiança em Deus.
Movido por este conceito, deixou de inspirar a seus homens com o valor que
resulta da fé em Deus. lhes faltando isto, e não dispondo de armas, seus
homens -com uma visão mais clara que a do Saúl- não podiam ver uma razão para
esperar a vitória. As perspectivas eram se desesperadas. Por isso, ante a
primeira insinuação de verdadeiro perigo, para salvar a vida desertaram a
maioria dos homens do exército do Saúl quem ficou com apenas 600 homens
no Gilgal. Seus exploradores haviam lhe trazido notícias de uma concentração
inimizade a 18,4 km de distância, no Micmas, e não só temeu pela nação mas também
também por sua própria segurança.

Saúl tinha perdido a confiança e o respeito de seu exército. Cada dia


desertavam mais e mais de seus homens. Estava completamente desanimado.
Descendia rapidamente a maré de sua popularidade. Estava disposto a jogar a
culpa de tudo ao Samuel porque este não tinha chegado a tempo. Saúl se sentia
ofendido porque Samuel não estava presente. Nesse estado de ânimo se encontrou
com o profeta. Não apresentou desculpas mas sim mas bem demonstrou um espírito de
justificação própria. Que contraste com o espírito com que se preparou
para atacar ao Amón!

13.

Locamente fez.

Quer dizer, ao permitir que o dominassem os sentimentos antes que a confiança


em Deus, apoiada nos fatos providenciais passados. Se Deus estiver contigo,
quem pode estar contra ti? O que Gedeón fez com os 300 que ficaram de
32.000 homens, certamente Saúl podia realizar com os 600 que ficaram de
3.000. Mas se recusava ter confiança nas promessas de Deus e na palavra
de seu profeta, e se mostrava incrédulo e vacilante em um momento de crise,
como poderia seguir acompanhando-o Deus? Se Saúl tivesse estado disposto a
humilhar-se, muito diferente teria sido a história do Israel.

14.

Seu reino.

Saúl não apresentou como desculpa o que tivesse entendido mal as instruções de
Samuel ou que este não as tivesse exposto com claridade. Por outro lado,
admitiu francamente a violação deliberada dessas instruções para seguir
seus próprios desejos. Compare o proceder do Saúl com o do Adão no horta
do Éden, ou contraste-lhe com o de Cristo no monte da tentação. Antes
de entrar no deserto para ser tentado pelo diabo, Cristo tinha a
segurança de que era o amado Filho de Deus. Seis semanas mais tarde, esgotado
pela fome e sem saber o que lhe aguardava, esperou com paciência a
direção divina. Quando aparentemente estava descuidado, e debilitado e
macilento pela tensão mental, Satanás fez todo o possível para remover seu
confiança na Palavra de Deus. Mas Cristo venceu ali onde fracassou Adão e
onde Saúl escolheu o caminho descendente!

Samuel expressou sua recriminação em uma forma para convidar à contrição e a


a humildade, mas foi em vão. A só presença do profeta deveria haver
sido um motivo para que Saúl recordasse seus afãs e seu interesse abnegado dos
últimos meses. Mas por desgraça Saúl esqueceu todo isso e procurou justificar-se
atribuindo a falta ao Samuel. Tal como foi o caso do Saúl, aconteceu com
todos os seres humanos através dos séculos. Quando oprime a dificuldade,
o temor de um perigo iminente elimina o raciocínio sensato e induz a uma
impaciência nervosa para que o problema fique resolvido imediatamente.
Estando em uma tensão tal, a razão se cega quanto ao dever; em troca,
condena a outros e se faz presente uma violenta determinação para justificar
o proceder assim eleito. A confiança anterior no cuidado protetor e
orientador de Deus é substituída por uma cínica incredulidade e finalmente por
a rebelião.

15.

Gabaa.

Heb. gib'ah (ver com. vers. 16).

16.

Gabaa.

Em hebreu aqui se lê "Gueba" (BJ) e não Gabaa (gib'ah) como no vers. 15.
Gueba estava diretamente ao outro lado do wadi frente a Micmas (ver cap. 14:
4, 5, onde Gueba e não Gabaa está no original do vers. 5). A confusão em
a tradução provavelmente se deveu a que se supôs que Gabaa e Gueba eram tão
só diferentes forma de escrever o nome de um mesmo lugar, tal como
ainda aparece em mapas mais antigos. É certo que às vezes Gueba é chamada
Gabaa, mas parece que foram dois lugares (ver com. cap. 14: 16). Se as
escavações modernas, além de outros indícios bíblicos, localizaram
corretamente o baluarte do Saúl, Gabaa, no Tell o-Fãl, a 5 km ao
sudoeste da Gueba e diretamente ao norte de Jerusalém 512 (ver T. I, pág.
131), Jonatán não foi ali mas sim evidentemente "ficou" na Gueba, frente a
Micmas, como se deduz depois de que a tirou dos filisteus (vers. 3), e
Saúl provavelmente se uniu com ele depois de voltar do Gilgal.

17.

Três esquadrões.

Ofra possivelmente estava onde se uniam dois caminhos principais, ao noroeste de


Jericó. A terra do Sual -literalmente, "a terra de chacais"- possivelmente
designe os contrafortes cavernosos do distrito oriental da Ofra, onde as
montanhas descendem rapidamente do topo do monte do Efraín para o
Jordão. Esta zona está perfurada com cavernas de pedra calcária: excelentes
lugares para ocultar-se.

18.

Bet-horón.

O Bet-horón superior e o Bet-horón inferior estão a 15,2 e 18,4 km,


respectivamente, ao oeste do Micmas, perto do limite entre o Efraín e Benjamim,
onde as montanhas descendem abruptamente para a Sefela. Zeboim se menciona
no Neh. 11: 34 ("Seboim" na RVR) como que tivesse estado nas proximidades
do Anatot e de outros povos ao sul do Micmas, na direção do deserto de
Judá. O mapa mostra claramente que os filisteus não avançaram para o Gilgal,
mas sim mediante movimentos de flanqueio para o norte, oeste e sul,
procuraram cortar a chegada de reforços procedentes dos homens do Saúl a
quem pensava ter engarrafados nas cavernas ao leste do Micmas.

19.

Não se achava ferreiro.

Parece que por um tempo os filisteus virtualmente desfrutaram de do monopólio


no Canaán da elaboração de objetos de ferro e possivelmente de outros metais. Em
esse tempo, o ferro usado na Palestina provinha do Ásia Menor, e era
importado pelas cidades costeiras. É obvio, elas estavam sob o
controle dos filisteus. Assim lhes resultava fácil pôr em prática o que,
desde seu ponto de vista, era uma sábia política para manter desarmados aos
hebreus.

21.

Um pim.

Um "pim" era uma unidade monetária equivalente a b de um siclo, ou seja 7,6 G.

A terceira parte de um siclo.

Heb. lishelosh qilleshon, frase cujo significado não se conhece ciência certa.
A palavra lishelosh se compõe de duas partes: o, "para", e shelosh, "terceira
parte". A palavra qilleshon só aparece aqui. Uma tradução moderna hebréia
sugere que se faz referência aqui a bifurcações de três pontas. Em todo caso,
fala-se de alguma ferramenta de ferro empregada pelos israelitas, já que
as ferramentas de madeira não precisariam ser arrumadas pelos ferreiros
filisteus.

A tradução "terceira parte de um siclo" é uma conjetura apoiada na


suposta transposição de letras na palavra qilleshon, de modo que se
pudesse ler shéqel, "siclo", mais a terminação on como diminutivo. Em tudo
caso, é seguro que o pim era um peso, e portanto corresponde a um
preço, e que nos vers. 20 e 21 se enumeram ferramentas de ferro que
deviam ser forjadas e afiadas pelos filisteus. Sua identificação precisa não
é possível.

22.

Espada nem lança.

depois de anos de opressão filistéia, parece que Saúl e Jonatán eram os únicos
que possuíam essas armas de metal. Os soldados do exército podem ter tido
arcos e fundas -armas nada desprezíveis nas mãos de peritos (ver Juec.
20: 16)- mas que não podiam competir em um combate corpo a corpo com os
filisteus providos de armas de ferro. Este versículo revela duas coisas: (1)
A batalha se brigou antes de que o Israel estivesse bem organizado, provavelmente
nos começos do reinado do Saúl, e (2) a falta de equipe fez que ambos
bandos compreendessem que Deus interveio a favor de seu povo. Saúl podia
rebelar-se e dessa maneira poderia cometer muitos desatinos, mas Deus ainda
intervinha em favor do Israel de modo que animasse aos indivíduos a unir-se com
o reino celestial e a colocar sua confiança no Eterno. Saúl recusou ir onde
Deus o conduzia, mas Jonatán esteve preparado e ansioso de fazer o que seu pai
poderia ter feito.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-23 PP 669-674

2, 3 PP 669

4-8 PP 670

8-10 PP 671

8-14 PP 677, 679, 687

11-15 PP 672

14 PP 690, 782

22 PP 669 513

CAPÍTULO 14

1 Jonatán destrói milagrosamente uma guarnição dos filisteus, sem que o


saiba seu pai, o sacerdote nem o povo. 15 Um terror enviado Por Deus faz
que os filisteus se matem uns aos outros. 17 Saúl persegue os filisteus. 21
Quão hebreus tinham estado cativos e quão israelitas tinham estado
ocultos se unem contra eles. 24 Um juramento apressado do Saúl entorpece a
vitória. 32 Impede que o povo coma sangue. 35 Constrói um altar. 36
Jonatán é salvado pelo povo. 47 Poderio militar do Saúl e a família do
rei.

1 ACONTECIO um dia, que Jonatán filho do Saúl disse a seu criado que lhe trazia as
armas: Vêem e passemos à guarnição dos filisteus, que está daquele lado.
E não o fez saber a seu pai.
2 E Saúl se achava ao extremo da Gabaa, debaixo de um amadurecido que há em
Migrón, e a gente que estava com ele era como seiscentos homens.

3 E Ahías filho do Ahitob, irmão do Icabod, filho do Finees, filho do Elí,


sacerdote do Jehová em Silo, levava o efod; e não sabia o povo que Jonatán
foi-se.

4 E entre os desfiladeiros por onde Jonatán procurava passar à guarnição de


os filisteus, havia um penhasco agudo de um lado, e outro do outro lado; o um
chamava-se Boses, e o outro Sene.

5 E um dos penhascos estava situado ao norte, para o Micmas, e o outro ao sul,


para a Gabaa.

6 Disse, pois, Jonatán a seu pajem de armas: Vêem, passemos à guarnição destes
incircuncisos; possivelmente faça algo Jehová por nós, pois não é difícil para
Jehová salvar com muitos ou com poucos.

7 E seu pajem de armas lhe respondeu: Faz tudo o que tem em seu coração; vê,
pois aqui estou contigo a sua vontade.

8 Disse então Jonatán: vamos passar a esses homens, e mostraremos a


eles.

9 Se nos dijeren assim: Esperem até que cheguemos a vós, então nos
estaremos em nosso lugar, e não subiremos a eles.

10 Mas se nos dijeren assim: Subam a nós, então subiremos, porque Jehová
entregou-os em nossa mão; e isto nos será por sinal.

11 Se mostraram, pois, ambos à guarnição dos filisteus, e os filisteus


disseram: Hei aqui os hebreus, que saem das cavernas onde se haviam
escondido.

12 E os homens da guarnição responderam ao Jonatán e a seu pajem de armas,


e disseram: Subam a nós, e lhes faremos saber uma coisa. Então Jonatán
disse a seu pajem de armas: Sobe atrás de mim, porque Jehová os entregou em mãos
do Israel.

13 E subiu Jonatán subindo com suas mãos e seus pés, e atrás dele seu pajem de
armas; e aos que caíam diante do Jonatán, seu pajem de armas que ia atrás dele
matava-os.

14 E foi esta primeira matança que fizeram Jonatán e seu pajem de armas, como
vinte homens, no espaço de uma meia trampada de terra.

15 E houve pânico no acampamento e pelo campo, e entre toda a gente da


guarnição; e os que tinham ido rondar, também eles tiveram pânico, e
a terra tremeu; houve, pois, grande consternação.

16 E os sentinelas do Saúl viram desde a Gabaa de Benjamim como a multidão


estava turvada, e ia de um lado a outro e era desfeita.

17 Então Saúl disse ao povo que estava com ele: Passem agora revista, e vejam
quem se tenha ido dos nossos. Passaram revista, e hei aqui que faltava
Jonatán e seu pajem de armas.

18 E Saúl disse ao Ahías: Traz o arca de Deus. Porque o arca de Deus estava
então com os filhos do Israel.

19 Mas aconteceu que enquanto ainda falava Saúl com o sacerdote, o alvoroço
que havia no acampamento dos filisteus aumentava, e ia crescendo em grande
maneira. Então disse Saúl ao sacerdote: Detén sua mão.

20 E juntando Saúl a todo o povo que com ele estava, chegaram até o lugar
da batalha; e hei aqui que a espada de cada um estava volta contra seu
companheiro, e havia grande confusão.

21 E quão hebreus tinham estado com os 514 filisteus de tempo atrás, e


tinham vindo com eles dos arredores ao acampamento, ficaram também
do lado dos israelitas que estavam com o Saúl e com o Jonatán.

22 Deste modo todos os israelitas que se esconderam no monte do Efraín,


ouvindo que os filisteus fugiam, também eles os perseguiram naquela
batalha.

23 Assim salvou Jehová ao Israel aquele dia. E chegou a batalha até o Bet-avén.

24 Mas os homens do Israel foram postos em apuro aquele dia; porque Saúl
tinha juramentado ao povo, dizendo: Qualquer que coma pão antes de cair a
noite, antes que tenha tomado vingança de meus inimigos, seja maldito. E todo o
povo não tinha provado pão.

25 E todo o povo chegou a um bosque, onde havia mel na superfície do


campo.

26 Entrou, pois, o povo no bosque, e hei aqui que o mel corria; mas não
houve quem fizesse chegar sua mão a sua boca, porque o povo temia o
juramento.

27 Mas Jonatán não tinha ouvido quando seu pai tinha juramentado ao povo, e
alargou a ponta de uma vara que trazia em sua mão, e a molhou em um favo de
mel, e levou sua mão à boca; e foram esclarecidos seus olhos.

28 Então falou um do povo, dizendo: Seu pai tem feito jurar


solenemente ao povo, dizendo: Maldito seja o homem que tome hoje alimento.
E o povo desfalecia.

29 Respondeu Jonatán: Meu pai turvou o país. Vejam agora como foram
esclarecidos meus olhos, por ter gostado de um pouco deste mel.

30 Quanto mais se o povo tivesse comido livremente hoje do bota de cano longo tirado de
seus inimigos? Não se teria feito agora maior estrago entre os filisteus?

31 E feriram aquele dia aos filisteus desde o Micmas até o Ajalón; mas o
povo estava muito cansado.

32 E se lançou o povo sobre o bota de cano longo, e tomaram ovelhas e vacas e bezerros, e
degolaram-nos no chão; e o povo os comeu com sangue.

33 E deram aviso ao Saúl, dizendo: O povo peca contra Jehová, comendo


a carne com o sangue. E ele disse: Vós prevaricastes; me rodem agora
aqui uma pedra grande.

34 Além disso disse Saúl: Esparcíos pelo povo, e lhes digam que me tragam cada
um sua vaca, e cada qual sua ovelha, e as degolem aqui, e comam; e não pequem
contra Jehová comendo a carne com o sangue. E trouxe todo o povo cada
qual por sua mão sua vaca aquela noite, e as degolaram ali.

35 E edificou Saúl altar ao Jehová; este altar foi o primeiro que edificou a
Jehová.

36 E disse Saúl: Descendamos de noite contra os filisteus, e os saquearemos


até a manhã, e não deixaremos deles nenhum. E eles disseram: Faz o que
bem te parecesse. Disse logo o sacerdote: nos aproximemos aqui a Deus.

37 E Saúl consultou a Deus: Descenderei depois dos filisteus? Entregará-os em


mão do Israel? Mas Jehová não lhe deu resposta aquele dia.

38 Então disse Saúl: Venham aqui todos os principais do povo, e saibam e


vejam no que consistiu este pecado hoje;

39 porque vive Jehová que salva ao Israel, que embora for no Jonatán meu filho,
de seguro morrerá. E não houve em todo o povo quem lhe respondesse.

40 Disse logo a todo o Israel: Vós estarão a um lado, e eu e meu Jonatán


filho estaremos ao outro lado. E o povo respondeu ao Saúl: Faz o que bem lhe
parecesse.

41 Então disse Saúl ao Jehová Deus do Israel: Dá sorte perfeita. E a sorte


caiu sobre o Jonatán e Saúl, e o povo saiu livre.

42 E Saúl disse: Joguem sortes entre mim e Jonatán meu filho. E a sorte caiu
sobre o Jonatán.

43 Então Saúl disse ao Jonatán: me declare o que tem feito. E Jonatán se o


declarou e disse: Certamente gostei de um pouco de mel com a ponta da vara que
trazia em minha mão; e tenho que morrer?

44 E Saúl respondeu: Assim me faça Deus e até me acrescente, que sem dúvida morrerá,
Jonatán.

45 Então o povo disse ao Saúl: Tem que morrer Jonatán, que tem feito esta
grande salvação no Israel? Não será assim. Vive Jehová, que não tem que cair um
cabelo de sua cabeça em terra, porque atuou hoje com Deus. Assim o
povo liberou de morrer ao Jonatán.

46 E Saúl deixou de seguir aos filisteus; e os filisteus se foram a seu lugar.

47 depois de ter tomado posse do reinado do Israel, Saúl fez guerra a


todos 515 seus inimigos em redor: contra Moab, contra os filhos do Amón,
contra Edom, contra os reis de Sova, e contra os filisteus; e em qualquer lugar
que se voltava, era vencedor.

48 E reuniu um exército e derrotou ao Amalec, e liberou ao Israel de mão dos que


saqueavam-no.

49 E os filhos do Saúl foram Jonatán, Isúi e Malquisúa. E os nomes de seus


duas filhas eram, o da maior, Merab, e o da menor, Mical.

50 E o nome da mulher do Saúl era Ahinoam, filha do Ahimaas. E o nome


do general de seu exército era Abner, filho do Ner tio do Saúl.

51 Porque Cis pai do Saúl, e Ner pai do Abner, foram filhos do Abiel.
52 E houve guerra encarniçada contra os filisteus todo o tempo do Saúl; e a
tudo o que Saúl via que era homem esforçado e apto para combater, juntava-o
consigo.

1.

Não o fez saber a seu pai.

Jonatán aparece pela primeira vez no relato no cap. 13, quando lhe confiou
uma terceira parte dos homens de armas que estavam na Gabaa, enquanto que
Saúl, com os outros dois terços acampava no Micmas, ao nordeste. Quando
apareceram os filisteus para vingar a derrota que Jonatán tinha infligido a
a guarnição da Geba ("Guiará" na BJ), Saúl se retirou ao Gilgal, mas parece
que Jonatán permaneceu na Geba (Gabaa de Benjamim, segundo a RVR)* e os
filisteus ocuparam Micmas (cap. 13: 16). O texto não diz com claridade se
Samuel voltou para o Ramá ou permaneceu na Gabaa (vers. 15), mas é indubitável -a
medida que se vai desenvolvendo o relato neste capítulo- que Deus procurava
convencer aos israelitas de que precisavam depender dele. O sigilo de
Jonatán é uma clara evidência de sua fé em Deus a pesar do rechaço do Saúl em
Gilgal. O que usualmente se consideraria como uma temeridade se converte em
uma poderosa prova da ação da divina providência. O Senhor usou cada
prova material possível para convencer a um povo que ignorava o amor que o
tinha, e que todas as coisas são possíveis para quem deseja ser liberados
do jugo do pecado.

4.

Entre os desfiladeiros.

Diz Josefo: "Agora bem, o acampamento do inimigo estava sobre um precipício


que tinha três cúpulas que terminavam em uma extremidade pequena, bicuda e
larga, rodeadas a sua vez por uma rocha que formava como linhas para impedir os
ataques de um inimigo" (Antiguidades vi. 6. 2). Os que visitaram o lugar,
ao lado norte do acidentado wadi [na BJ aparece a grafia guadí, nota, 13:
16], dizem que os aldeãos ainda falam dele como "o forte". Este
penhasco era chamado Boses, que pode significar "branco" ou "brilhante", mas
mais provavelmente "suave" ou "tenro". No lado sul do wadi há outro penhasco
mais ou menos da mesma altura chamado "Sene" ou "matagal espinhoso", muito mais
fácil de escalar que o que está no lado norte. diz-se que a informação
topográfico desta passagem das Escrituras foi utilizada pelo general
britânico Allenby quando desalojou aos turcos do Micmas em 1917, durante a
Primeira guerra mundial.

6.

Possivelmente faça algo Jehová por nós.

Jonatán não dependia tanto de sua própria armadura como do poder ilimitado de
Deus. Tão somente usou o que tinha à mão, e Deus benzeu sua humilde dependência
do céu. Mesmo que o rei se apartou do atalho da obediência,
Deus se propunha demonstrar a todo o Israel que a salvação é um assunto de
eleição e ação individuais e nem tanto um movimento coletivo. Muito trágica
teria sido a situação se Deus tivesse rechaçado a todo o Israel quando o rei
escolheu não obedecer.

10.
Se nos dijeren.

Gedeón tinha pedido um sinal quase impossível, humanamente falando, quando rogou
que caísse rocio sobre o terreno mas não sobre o velo (Juec. 6: 39). Assim
também Jonatán converteu o convite do inimigo a "subir" no sinal de
que Deus combateria pelo Israel. Escalar os muros perpendiculares do penhasco
do lado norte era 516 uma proeza aparentemente impossível, de um modo especial
levando armaduras. honra-se a Deus quando seus filhos esperam muito dele e
tentam grandes costure para ele.

13.

Subiu Jonatán.

Josefo pensa que foi ao amanhecer quando Jonatán e seu escudeiro se aproximaram
ao reduto filisteu e que chegaram a ele quando ainda dormiam a maioria de
seus homens (Antiguidades vi. 6. 2). O relato do cap. 14 confirma a idéia de
que era cedo pela manhã (ver vers. 15, 16, 20, 23, 24-28, 30, 31, 45).
Não se diz se os dois israelitas esperaram até a noite para escalar o
penhasco ou se tão somente necessitaram uns poucos minutos para fazê-lo. É evidente
que tomaram a fortaleza por surpresa pois reinou a mais completa confusão em
a guarnição filistéia.

15.

Houve, pois, grande consternação.

Literalmente, "houve um terror de Deus ['elohim]" (BJ). A palavra 'elohim aqui


refere-se à intensidade do terremoto, e reflete o terror e a confusão
que prevaleceram. A palavra 'elohim se usa assim ocasionalmente como um
superlativo (ver com. Gén. 23: 6; 30: 8). Sem dúvida o movimento sísmico foi
um ato de intervenção divina (ver PP 675). Deus se interpôs com freqüência
usando as forças da natureza, como no mar Vermelho (Exo. 14: 21-28), em
o vale do Ajalón (Jos. 10: 11-14), no Eben-ezer, quando os filisteus foram
vencidos (1 Sam. 7: 10), e em outras ocasiões.

16.

Gabaa de Benjamim.

Gabaa e Geba (Gueba, na BJ) são as formas feminina e masculina de uma


palavra que significa "colina" ou "altura". Ambos eram povos de Benjamim
(Jos. 18: 24, 28; 1 Sam. 13: 16). Parece que às vezes se usavam indistintamente
as formas masculina e feminina desse nome. A distinção entre os dois
lugares se esclarece na ISA. 10: 29, onde os menciona na ordem em que
chegaria a eles um invasor procedente do norte. Uma aldeia chamada Jeba
existe hoje em dia na antiga localização, a 2,2 km ao sudoeste do Micmas e a 9,6
km ao nordeste de Jerusalém. A aldeia moderna Tell o-Fãl ocupa o que se crie
que foi o sítio da antiga Gabaa, a capital do Saúl, a 5,6 km ao norte de
Jerusalém. Escavações realizadas ali desenterraram o que parece ser o
palácio do Saúl (ver T. I, pág. 131; T. II, pág. 74). A Gabaa de 1 Sam. 14:
16 é Geba, ao outro lado do wadi vindo do Micmas (ver vers. 5; PP 674), não
Gabaa o lar do Saúl, se esta última se identificou corretamente como
Tell o-Fãl (ver com. cap. 13: 2, 3). Desde esta Gabaa, 7 km ao sudoeste de
Micmas e com duas cadeias de colinas que se interpõem, dificilmente houvesse
sido possível observar o que acontecia no Micmas, mas desde a Geba, diretamente
ao outro lado do wadi, isto tivesse sido relativamente fácil.
19.

Detén sua mão.

A impetuosidade do Saúl crescia rapidamente. A manifesta confusão do


acampamento inimigo o alvoroçou de tal maneira que nem mesmo pôde esperar o conselho
do Senhor. Durante dias, ele e seus companheiros tinham estado detidos e haviam
ouvido informe de incursões do inimigo nos povos vizinhos, e embora não
sabia a razão da fuga das forças que cruzaram o wadi, súbitamente deu
a ordem de atacar. Se se tivesse dado tempo para procurar a direção divina,
provavelmente teria evitado muitas das dificuldades que teve que confrontar
o exército do Israel durante as horas seguintes, e sua vitória sobre o
inimigo teria sido muito mais completa. Este foi um caso no que o
pressa ocasionou prejuízos. O tempo que dedicava Jesus à
meditação e à oração permitiu ter o julgamento sereno necessário para
suportar com paciência a prova severo que lhe esperava; a noite da luta
do Jacob com o anjo, perto do Jaboc, deu-lhe força não só para enfrentar-se
com o Esaú a não ser para confrontar os anos das sérias dificuldades que seguiram.

21.

Os hebreus.

Ver com. cap. 13: 3.

23.

Salvou Jehová ao Israel,

Aqui há um notável exemplo do poder divino que coopera com o esforço


humano. Jonatán desejava que o Israel ficasse livre das incursões dos
filisteus. Os acontecimentos do dia não permitiam duvidar que sua aspiração
emanava do Espírito Santo. Jonatán viu o impulsivo acesso de depressão que
afligia a seu pai, mas isto só o inspirou a ter maior confiança no
Governante divino que tinha posto ao Saúl no primeiro lugar. Com cada passo
que dava para frente, Jonatán sentia uma quebra de onda de poder -emanado da fé-
que o fortalecia para dar o seguinte. Aquele dia estava comprovando que
Jehová é um Deus fiel a seu pacto, capaz de fazer que redunde em seu louvor a
ira do homem.

Quanto contêm estas palavras: "Salvou Jehová ao Israel"! A força agressiva


e o valor do jovem guerreiro, a companhia e leal apoio 517 de seu escudeiro, o
crédulo descuido dos sentinelas que estavam no penhasco, a sincronização
exata para o assalto, o pânico provocado pelo ataque sorpresivo, o
terremoto, a derrota de uma hoste confusa, a liberação dos escravos que,
devido ao estímulo da façanha do Jonatán, sentiram-se livres para voltar-se
contra seus opressores, e a volta de um rei e seu exército, antes
indeciblemente humilhado por seus inimigos. Agora todos pareciam ansiosos de
demonstrar seu desejo de completar a derrota do inimigo.

Bet-avén.

O nome do Bet-avén possivelmente signifique "a casa de ídolos" ou "a casa da


vacuidade". Pensa-se que se refere a uma localidade do distrito setentrional
do Micmas e ao leste do Bet-o. A rota principal dos filisteus estava ao
oeste, para sua terra natal, mas sua confusão evidentemente foi tão grande
que fugiram em todas direções.
24.

Saúl tinha juramentado ao povo.

Evidentemente Saúl estava tratando de "ficar bem", porque já não pensava em


que a vitória fora do Senhor (ver cap. 11: 13), a não ser só em que ele pudesse
vingar-se de seus inimigos. Este é o segundo caso, no mesmo dia, quando não
procurou o conselho do Senhor e impôs sua própria vontade ao povo, como o havia
feito antes com o sacerdote (cap. 14: 19). Possivelmente ainda estava intimamente
doído pela recriminação do Samuel no Gilgal. A presença do sacerdote Ahías
(vers. 3) como conselheiro implica que o profeta tinha voltado para o Ramá em vez de
permanecer com o Saúl na Gabaa (cap. 13: 15).

Jonatán foi tão cuidadoso em emprestar atenção à ordem de Deus como


descuidado seu pai. A atitude do Jonatán provavelmente obedecia, em boa
medida, à influência do Samuel. Possivelmente uma mensagem animadora anterior
do Samuel inspirava ao Jonatán para que agora se atrevesse a realizar esta audaz
façanha. Assim como Saúl tinha sido advertido do que aconteceria no Gilgal meses
antes de que isso acontecesse (caps. 10: 8; 13: 8), uma mensagem similar do Samuel
pode ter preparado ao filho do Saúl para que realizasse sua parte nos
sucessos deste dia memorável. Sem que importe o que isso tivesse sido,
Jonatán era humilde como seu pai foi ao princípio, por isso esperou a
direção divina, seguiu-a e esteve disposto a atribuir a Deus os resultados
(cap. 14: 10, 12). A ordem arbitrária e apressada do Saúl para que houvesse
um dia de jejum contrasta muitíssimo com a fiel docilidade do povo ante as
instruções recebidas, que não tomavam em conta os desejos e as necessidades
pessoais.

Parecia que Saúl tinha perdido para sempre a humildade, e em seu lugar
apareceram um falso zelo, um orgulho secreto e um abuso de autoridade que
tinham que maturar através dos anos até levá-lo a suicídio. Como Judas,
Saúl andou bem por um tempo. Se tivesse morrido antes de convocar ao Israel
no Gilgal, teria sido considerado como digno do lugar mais elevado na
lista de honra real. Agora tinha traído seu sagrado encargo. Sem
embargo, lhe permitiu que continuasse vivendo para que pudesse ver o fruto
do egoísmo e a perversidade.

29.

Meu pai turvou.

Ao conhecer a precipitada ordem de seu pai, imediatamente Jonatán reconheceu


a desvantagem que isso impunha sobre o exército, e não vacilou em fazer saber ao
povo que não estava de acordo com tais restrições. Isto é
muito interessante em vista das repetidas afirmações sobre o indubitável
afeto que lhe tinham os soldados. Posto que Saúl fazia jurar aos
israelitas (vers. 28), eles se sentiam pessoalmente atados pelo juramento,
em tanto que Jonatán -não tendo jurado nada- não sentia nenhuma obrigação.

O país.

Quer dizer o povo (ver vers. 25).

31.

Desde o Micmas até o Ajalón.

Uma distância de 21 km sobre a meseta montanhosa da Palestina central que


descendia até a ondulada região da Sefela, a 305 m por debaixo do Micmas,
passando por canhões como o Wadi Selman. A principal estrada moderna de
Jerusalém a Lida passa pelo Wadi Selman depois de bifurcar do caminho que
vai ao norte para o Siquem, a 8 km ao norte de Jerusalém. Uma marcha comum sobre
um terreno tal, como o que há entre o Micmas e Ajalón, considerava-se como uma
jornada completa. O contexto implica que o ataque do Jonatán se efetuou muito
cedo pela manhã (ver com. vers. 13). Se foi assim, Israel perseguiu ao
inimigo durante todo um dia, detendo-se apenas para recolher os despojos que
devem ter sido grandes neste caso. Os filisteus tinham reunido uma grande
quantidade de carros e cavalos no Micmas. A isso se acrescentavam lanças, escudos,
mantimentos e outros diversos fornecimentos que deve levar um exército. A proeza
militar dos homens do Saúl 518 teria sido uma grande empresa para um
exército bem alimentado, e foi muito major para uma multidão mau alimentada
de camponeses indisciplinados como os que ele dirigia. Isto deveria ter sido
uma lição para o Saúl, que ainda estava doído pela recriminação e que só
estava ciumento de sua própria reputação. Mas uma vez que afirmou os pés nas
areias movediças do orgulho, cada intento débil e indeciso para escapar tão
só fazia que se afundasse mais.

32.

lançou-se ao povo sobre o bota de cano longo.

Era de noite, e os israelitas ficaram liberados de seu voto (ver vers. 24).
Em sua fome mataram tanto vacas como bezerros, e em sua pressa
descuidaram a devida eliminação do sangue (Lev. 17: 10-14).

34.

Que me tragam.

Como os fariseus dos dias de Cristo, Saúl era puntilloso quanto à


observância das formas externas, embora ele mesmo descuidava deveres muito
mais importantes. O povo foi outra vez leal à ordem de seu rei. Quão
diferente teria sido a história se Saúl tivesse refletido por uns
momentos até que ponto a transgressão do povo se devia ao pecado dele.
Quantas oportunidades dá o Senhor a um homem que prefere rechaçar o conselho
divino, a fim de que se volte e o busque com toda humildade! Quão difícil é
que essa alma, cegada pelo pecado, aceite tais oportunidades e faça como fez
o filho pródigo: volte para a casa do Pai!

35.

Este altar foi o primeiro.

Literalmente, "um altar comenzólo ele a edificar". Alguns pensam que isto
significa que começou um altar mas não o terminou; outros, que este foi o
primeiro altar que construiu em sua vida. É evidente que a interpretação de
os tradutores coincidia com o segundo parecer; portanto, traduziram
hejel como "o primeiro", em vez de "começou", pensando que isto se adapta melhor
ao hebreu idiomático. Este é o único caso no AT em que se faz tal
tradução de hejel.

36.

nos aproximemos aqui a Deus.

Compreendendo que lhe escapava uma grande oportunidade, Saúl propôs que,
tendo comido, continuassem durante a noite. Tais manobras não eram
insólitas. Saúl tinha efetuado uma marcha noturna desde o Bezec até o Jabes de
Galaad para liberar essa cidade do poder do Nahas amonita (cap. 11: 11).
Gedeón seguiu em grande medida a mesma tática em sua campanha contra os
madianitas (Juec. 7: 19-23). O povo facilmente esteve de acordo com a
proposta do Saúl, mas o sacerdote Ahías sugeriu que consultassem ao Senhor.
Evidentemente acreditava que o rei se equivocou ao não procurar o conselho
divino mais cedo esse dia (1 Sam. 14: 18, 19).

39.

Embora for no Jonatán.

por que não disse Saúl: "embora for no rei"? Havia- dito alguém ao Saúl
que Jonatán tinha provado alimento? O silêncio do Senhor significava a
desaprovação divina, e Saúl chegou à conclusão de que tinha pecado no
acampamento. O povo tinha demonstrado sua lealdade vez detrás vez durante o dia,
e sem dúvida sua própria consciência o acusava ao Saúl. Mas possivelmente para encobrir seu
sentimento de culpabilidade, virtualmente acusou a seu filho, o qual, sob a
direção de Deus, tinha obtido uma grande vitória. Assim como no Gilgal havia
insinuado com insistência que a falta não era dela mas sim de Deus, também agora
insinuava que ele, como rei, estava livre de culpa. Provavelmente compreendia
que o povo não era culpado. portanto, o único que podia estar em
pecado era seu filho. Assim também os dirigentes dos dias de Cristo pensavam
deles mesmos que estavam por cima de toda recriminação, e votaram para que o
grande Herói de nossa salvação levasse a maldição por toda a nação.
Profundamente assombrados pela precipitada violência do Saúl, os homens de
Israel não lhe responderam uma palavra. Estando Deus calado e também o
povo, o que podia fazer Saúl a não ser jogar sortes?

42.

Caiu sobre o Jonatán.

Uma mente inquisitiva bem poderia perguntar: Posto que Jonatán era inocente e
Saúl muitas vezes tinha dado provas claras de sua culpabilidade, por que
permitiu Deus que a sorte caísse sobre o primeiro e não sobre o segundo?
Certamente, Deus não tinha aprovado os juramentos do Saúl (vers. 24, 39), e
com absoluta segurança não estava de acordo com a execução do Jonatán depois
de havê-lo dirigido tão milagrosamente durante o dia. Mas assim como nos
dias de Cristo -permitindo que fora condenado o Inocente Deus pôs de
manifesto o mal proceder dos dirigentes do Israel- também ao permitir que
a sorte caísse sobre o inocente Jonatán, em forma inequívoca Deus pôs de
manifesto o mal proceder do Saúl, que tinha começado seu reinado 519 com toda
humildade mas que ao procurar a justificação própria já tinha perdido toda
esperança. A menos que algo extraordinário o pudesse sacudir fazendo-o sair
de seu engano de que um rei não podia equivocar-se, Saúl logo arruinaria seu
utilidade como dirigente.

43.

E tenho que morrer?

"Estou disposto a morrer" (BJ). Jonatán podia justificar plenamente seus atos.
Entretanto, disse a verdade e se submeteu às ordens do rei. Em que melhor
forma poderia ter condenado a seu pai por desobedecer as ordens do Rei de
reis? diante do Samuel, Saúl tinha justificado seu proceder de franco
rebeldia, mas Jonatán tinha justificado sua conduta desse dia submetendo-se ao
julgamento precipitado de seu pai.

44.

Sem dúvida morrerá.

Com que aparente facilidade Saúl pronunciou o veredicto! Enquanto que Jonatán
reconheceu sua transgressão cerimoniosa -algo para o qual tivesse sido suficiente
uma oferenda expiatório-, Saúl tinha cometido uma falta moral que agora ficava
publicamente demonstrada pela dureza da sentença contra seu filho. A
consciência do Saúl o condenava por ter obrigado ao povo a que se
abstivera de alimento, mas esperava ocultar seu temor pela forma em que
pronunciou seu juramento. Pelo contrário, tão somente conseguiu condenar-se a si
mesmo.

45.

O povo liberou de morrer ao Jonatán

O povo tinha obedecido com fidelidade ao Saúl todo o dia. Apesar de lhe haver
ouvido dar as ordens mais irrazonables, tinha obedecido. Tinham-no visto
manter-se firme frente a minúsculas restrições cerimoniosas, mas
consentiram. Tinham-no visto resentirse pelo silêncio do Urim* e do
Tumim, e entretanto deixaram que jogasse sortes. O povo tinha visto como a
sorte caiu sobre o Jonatán embora sabia que era inocente. Então os
israelitas recordaram as façanhas do herói do dia e como Deus lhes tinha dado
a vitória mediante o valor e a fé do Jonatán. O mesmo Deus que havia
movido ao Jonatán para que realizasse sua famosa façanha, agora inspirou ao exército
para que clamasse como um só homem: "Não tem que cair um cabelo de sua cabeça em
terra".

Jonatán ainda devia cumprir um papel dificilísimo, e ninguém podia tocá-lo até
que terminasse sua obra. Sem tomar em conta a forma em que era tratado, foi
fiel a seu pai. Às vezes essa lealdade o induziu a apaziguar a impulsividade de
seu progenitor e também a lutar a seu lado, o que fez até o mesmo fim. A
honradez, integridade e fé do Jonatán eram qualidades extremamente necessárias em
essa hora da história do Israel. Nem sequer Saúl podia quebrantar os
limites fixados pelo Espírito Santo.

47.

Era vencedor.

Nos últimos versículos deste capítulo a ênfase se coloca sobre os


progressos materiais do reino, antes que sobre os espirituais. Saúl parecia
regozijar-se com seu gênio militar. Em vez de proteger os direitos de seu
povo, tomou a ofensiva contra as nações vizinhas para acrescentar sua própria
reputação como rei. Imitou a outras nações quando poderia ter devotado ao
mundo um método de administração novo e mais perfeito.

49.

Isúi.

Sem dúvida lsbaal ou Is-boset (ver com. 2 Sam. 2: 8).

50.
Abner, filho do Ner.

Por este só versículo não é de tudo claro se Abner ou Ner era o tio do Saúl.
Ner é chamado filho do Abiel (vers. 5 l) e também do Jehiel (1 Crón. 9: 35,
36). portanto, é provável que Abiel e Jehiel sejam dois nomes jogo de dados ao
mesmo homem (ver com. Exo. 2: 18). Posto que Cis, o pai do Saúl, é
também chamado "filho do Abiel" (1 Sam. 9: 1), pareceria que Cis e Ner foram
irmãos, mas o registro diz que "Ner engendrou ao Cis" (1 Crón. 9: 39). Esta
aparente contradição implica não só uma diferença de nomes mas também também
de gerações, pois Ner é também chamado filho do Abiel. Entretanto, isto
não significa necessariamente uma discrepância entre os livros do Samuel e de
Crônicas. Ao igual a em outras partes das Escrituras, os relatos
independentes parecem diferir nos detalhes apresentados, mas harmonizam
quando os examina à luz dos costumes e as formas de pensamento e
expressão dos hebreus. Há duas possíveis situações que explicariam estes
nomes que diferem: (1) Na lista de 1 Sam. 9: 1 pode haver-se omitido o
nome do Ner e haver-se registrado ao Cis como o filho (neto) do Abiel, pois
"filho" às vezes se usa em lugar de neto ou até de um descendente mais remoto, e
as genealogias bíblicas não sempre incluem cada elo da cadeia (ver
com. 1 Rei. 19:16; 520 Dão. 5: 11, 13, 18; ver também T. I, págs. 190, 196).
(2) Cis, o filho do Ner, pode haver-se convertido no filho de seu avô por
adoção, assim como Manasés e Efraín, filhos do José, converteram-se em filhos de
Jacob e estiveram na lista entre outros filhos, como cabeças de tribos
(Gén. 48: 5, 6; Núm. 1: 10; Jos. 14: 4). Qualquer destas explicações
-que estariam em harmonia com os fatos apresentados- fariam que Abner fora o
tio do Saúl. Ver com. Núm. 10: 29 e Mat. 1: 12 onde há casos similares.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-46 PP 674-678

2 PP 674

6-15 PP 675

16, 17 PP 676

18, 19 PP 673

20-24, 27, 32, 33 PP 676

44-46 PP 677

47, 48 PP 681

CAPÍTULO 15

1 Samuel envia ao Saúl a destruir ao Amalec. 6 Saúl favorece aos lhes jante. 8
Perdoa a vida ao Agag e ao melhor do despojo. 10 Samuel denuncia a
desobediência do Saúl e lhe participa o rechaço de Deus. 24 Humilhação de
Saúl. 32 Samuel mata ao Agag. 34 Separação do Samuel e Saúl.

1 DESPUES Samuel disse ao Saúl: Jehová me enviou a que te ungisse por rei sobre seu
povo o Israel; agora, pois, está atento às palavras do Jehová.

2 Assim há dito Jehová dos exércitos: Eu castigarei o que fez Amalec a


Israel ao opor-se o no caminho quando subia do Egito.
3 Vê, pois, e fere o Amalec, e destrói tudo o que tem, e não tenha piedade de
ele; mata a homens, mulheres, meninos, e até os de peito, vacas, ovelhas, camelos
e asnos.

4 Saúl, pois, convocou ao povo e lhes passou revista no Telaim, duzentos mil de
a pé, e dez mil homens do Judá.

5 E vindo Saúl à cidade do Amalec, pôs emboscada no vale.

6 E disse Saúl aos lhes jante: Vades, lhes aparte e saiam de entre os do Amalec, para
que não lhes destrua junto com eles; porque vós mostraram
misericórdia a todos os filhos do Israel, quando subiam do Egito. E se
apartaram os lhes jante de entre os filhos do Amalec.

7 E Saúl derrotou aos amalecitas desde a Havila até chegar ao Shur, que está ao
oriente do Egito.

8 E tomou vivo ao Agag rei do Amalec, mas a todo o povo matou a fio de
espada.

9 E Saúl e o povo perdoaram ao Agag, e ao melhor das ovelhas e do gado


maior, dos animais engordados, dos carneiros e de todo o bom, e não o
quiseram destruir; mas tudo o que era vil e desprezível destruíram.

10 E veio palavra do Jehová ao Samuel, dizendo:

11 Me pesa ter posto por rei ao Saúl, porque se tornou de em detrás de mim, e
não cumpriu minhas palavras. E se afligiu Samuel, e clamou ao Jehová toda
aquela noite.

12 Madrugou logo Samuel para ir encontrar ao Saúl pela manhã; e foi dado
aviso ao Samuel, dizendo: Saúl veio ao Carmel, e hei aqui se levantou um
monumento, e deu a volta, e passou adiante e descendeu ao Gilgal.

13 Veio, pois, Samuel ao Saúl, e Saúl lhe disse: Bendito você seja do Jehová; eu hei
completo a palavra do Jehová.

14 Samuel então disse: Pois que balido de ovelhas e bramido de vacas é este
que eu ouço com meus ouvidos?

15 E Saúl respondeu: Do Amalec os trouxeram; porque o povo perdoou o


melhor das ovelhas e das vacas, para as sacrificar ao Jehová seu Deus, mas
o resto o destruímos.

16 Então disse Samuel ao Saúl: me deixe te declarar o que Jehová me há dito


esta noite. E lhe respondeu: Dava. 521

17 E disse Samuel: Embora foi pequeno em seus próprios olhos, não foste feito
chefe das tribos do Israel, e Jehová te ungiu por rei sobre o Israel?

18 E Jehová te enviou em missão e disse: Vê, destrói aos pecadores do Amalec,


e lhes faça guerra até que os acabe.

19 por que, pois, não ouviste a voz do Jehová, mas sim voltado para bota de cano longo há
feito o mau ante os olhos do Jehová?

20 E Saúl respondeu ao Samuel: Antes bem obedeci a voz do Jehová, e fui a


a missão que Jehová me enviou, e trouxe para o Agag rei do Amalec, e destruí
aos amalecitas.

21 Mas o povo tirou do bota de cano longo ovelhas e vacas, as primicias do anátema, para
oferecer sacrifícios ao Jehová seu Deus no Gilgal.

22 E Samuel disse: sente prazer Jehová tanto nos holocaustos e vítimas, como
em que se obedeça às palavras do Jehová? Certamente o obedecer é melhor
que os sacrifícios, e o emprestar atenção que a grosura dos carneiros.

23 Porque como pecado de adivinhação é a rebelião, e como ídolos e idolatria


a obstinação. Por quanto você desprezou a palavra do Jehová, ele também lhe
desprezou para que não seja rei.

24 Então Saúl disse ao Samuel: Eu pequei; pois quebrantei o


mandamento do Jehová e suas palavras, porque temi ao povo e consenti à voz
deles. Perdoa, pois, agora meu pecado,

25 e volta comigo para que adore ao Jehová.

26 E Samuel respondeu ao Saúl: Não voltarei contigo; porque desprezou a palavra


do Jehová, e Jehová te desprezou para que não seja rei sobre o Israel.

27 E voltando-se Samuel para ir-se, ele se agarrou da ponta de seu manto, e este
rasgou-se.

28 Então Samuel lhe disse: Jehová rasgou hoje de ti o reino do Israel, e


deu-o a um próximo teu melhor que você.

29 Além disso, que é a Glória do Israel não mentirá, nem se arrependerá, porque
não é homem para que se arrependa.

30 E ele disse: Eu pequei; mas te rogo que me honre diante dos anciões
de meu povo e diante do Israel, e volte comigo para que adore ao Jehová você
Deus.

31 E voltou Samuel detrás o Saúl, e adorou Saúl ao Jehová.

32 Depois disse Samuel: me tragam para o Agag rei do Amalec. E Agag veio a ele
alegremente. E disse Agag: Certamente já passou a amargura da morte.

33 E Samuel disse: Como sua espada deixou às mulheres sem filhos, assim sua mãe
será sem filho entre as mulheres. Então Samuel cortou em pedaços ao Agag
diante do Jehová no Gilgal.

34 Se foi logo Samuel ao Ramá, e Saúl subiu a sua casa na Gabaa do Saúl.

35 E nunca depois viu Samuel ao Saúl em toda sua vida; e Samuel chorava ao Saúl;
e Jehová se arrependia de ter posto ao Saúl por rei sobre o Israel.

1.

Está atento.

Literalmente, "ouça", com o pensamento adicional de obedecer. Samuel queria


dizer que Saúl uma vez tinha ouvido as instruções referentes a seu encontro
no Gilgal, mas não tinha sido obediente. Agora devia ser provado outra vez para
ver se estava disposto a cumprir com os desejos de Deus, ou ia se entregar
de novo a suas próprias complacências.
2.

Eu castigarei.

Os amalecitas eram um povo nômade que habitava a região desértica entre


Palestina e Egito. Parece que se sustentavam mediante incursões de rapina
contra as tribos vizinhas (ver com. Gén. 36: 12). Sem ser provocados, haviam
atacado aos filhos do Israel nas proximidades do monte Sinaí (Exo. 17:
8-16). depois dessa batalha, Moisés deu a esse lugar o nome de
"Jehová-nisi", dizendo "Jehová terá guerra com o Amalec de geração em
geração". Na profecia do Balaam, chama-se ao Amalec "cabeça de nações",
com o significado de que foi o primeiro que lutou contra Israel, mas, acrescentou
Balaam, "ao fim perecerá para sempre" (Núm. 24: 20).

Sem dúvida, pouco antes os amalecitas tinham estado incursionando na parte


meridional do Judá, nas proximidades da Beerseba, e esta pode ter sido
uma razão para que os anciões da região pedissem um rei (ver cap. 8: 1-5).
Assim como Josué recebeu a instrução de defender aos gabaonitas do ataque,
sem que mediasse provocação alguma, dos cinco reis da confederação do
sul, também Saúl recebeu a ordem de aliviar ao Israel dos ataques dos
amalecitas. A 522 morte dos cinco reis produziu paz nos dias do Josué.
Se Saúl tivesse realizado o plano de Deus, provavelmente o Israel teria tido
paz nesse frente por muito mais tempo do que realmente teve. A referência a
os amalecitas na passagem do cap. 14: 48 pode aludir a esta campanha, pois
é óbvio que os vers. 49-52 formam um parêntese.

3.

Destrói tudo.

Literalmente, "destruam [note o plural] completamente". A responsabilidade


de cumprir com o decreto a respeito das posses dos amalecitas descansava
sobre os mesmos componentes do exército. Mas a forma verbal "fere", na
ordem "fere o Amalec" está na segunda pessoa singular, o que coloca a
responsabilidade do extermínio dos amalecitas pessoalmente sobre o Saúl como
rei do Israel. A palavra hebréia, jaram, traduzida "destrói", significa,
"anatematizar", "dedicar" e portanto "exterminar". Quando um país era
anatematizado, considerava-se como maldito tudo o que pertencia à nação.
Devia ser morto o povo, também o gado e os outros seres viventes, mas
coisas tais como prata e ouro deviam levar-se a tesouraria do Senhor (ver Jos.
6: 17-19). Um costume similar existia entre outras nações do Próximo
Oriente em tempos antigos.

4.

No Telaim.

Alguns eruditos identificam este lugar com o Telem do Jos. 15: 24, povo de
a fronteira meridional do Judá perto do território amalecita, mas não se sabe
nada definido quanto a sua localização. Telaim serve como base para a campanha
contra os amalecitas, assim como Bezec o tinha sido para a campanha contra os
amonitas (ver com. 1 Sam. 11: 8). É estranho que só cinco por cento do
exército do Saúl proviesse do Judá, já que essa tribo foi a que mais
sofreu à mãos dos amalecitas.

6.
Os lhes jante.

chama-se madianitas aos membros da família com a qual Moisés se uniu por
seu casamento (Núm. 10: 29), e também os chama lhes jante (Juec. 1: 16). Se
isto débito a que ambos os nomes se referem ao mesmo tronco familiar ou porque se
tinham unido as duas famílias. Alguns comentadores identificaram aos
lhes jante como descendentes do Cenez, neto do Esaú pela linha do Elifaz, mas
não se conhece sua origem com certeza (ver com. Gén. 15: 19). Os
madianitas, e por isso também provavelmente os lhes jante, eram descendentes de
Abraão, por sua esposa Cetura (ver com. Exo. 2: 16). Os amalecitas eram
descendentes do Esaú (ver com. Gén. 36: 12) e portanto consangüíneos
tanto dos lhes jante como dos israelitas. Alguns dos lhes jante, ou
madianitas, acompanharam aos filhos do Israel à terra prometida (ver com.
Núm. 10: 29-32) e receberam ali uma herdade entre o povo do Judá (Juec. 1:
16), e muito mais ao norte no Neftalí (Juec. 4: 10, 11). Poderia ser que os
lhes jante aludidos aqui tivessem sido descendentes dos que se haviam
estabelecido na parte meridional do Judá, vizinha ao território amalecita, e
houvessem-se aparentado, por vínculos matrimoniais, com os amalecitas (ver 1
Sam. 27: 10).

7.

Havila.

desconhece-se a localização da Havila. Alguns eruditos pensam que se refere a


uma "terra de areias"; outros, a "dunas arenosas". Do rio do Egito (ver
com. Núm. 34: 5), a fronteira sudoeste do Judá, que limita ao oeste com
Egito, na atualidade é tão somente um estéril areal. A palavra shur
significa "muro". Se pensa que se refere ao muro de fortalezas edificadas
pelos reis egípcios ao longo de sua fronteira oriental, desde mar Vermelho
até o Mediterrâneo, para proteger-se contra as invasões dos asiáticos
(ver com. Exo. 2: 15; 13: 20; 14: 2). O deserto justo ao leste do Egito é
chamado "o deserto do Shur" (ver Com. Gén. 16: 7; 25: 18; Exo. 15: 22).
Posto que os amalecitas ainda habitavam no mesmo distrito meridional em
os dias do David (1 Sam. 30), é provável que o rei Agag residisse na
"cidade do Amalec" (cap. 15: 5) e que o exército do Saúl tivesse destruído esse
lugar e esparso aos amalecitas até muito longe no deserto do Shur.
Esta incursão contra os amalecitas provavelmente foi muito parecida com as de
eles contra Israel, antes e depois dos dias do Saúl (Juec. 6: 3-5; 10: 1
2; 1 Sam. 30:1-18). É evidente que Saúl se contentou com uma campanha
incompleta. Tinha capturado ao Agag, e na antigüidade, quando se aprisionava
a um rei, parece que se considerava que seu país ficava subjugado (ver Jos. 12:
7-24).

8.

Agag.

Possivelmente signifique "chamejante" ou "violento". É possível, embora não é de nenhuma


maneira seguro, que fora um título que se adotavam os reis amalecitas,
similar ao de Faraó entre os egípcios. De acordo com o Josefo (Antiguidades
xI. 6. 5), Amam agagueo 523 descendia do Agag amalecita através de 16
gerações (ver com. Est. 3: l).

Matou a fio de espada.

Quer dizer aos amalecitas que viviam nas proximidades do lugar do ataque
do Saúl. Os amalecitas estavam pulverizados em uma ampla zona da península
do Sinaí, o Neguev e o norte da Arábia (ver com. Gén. 36: 12). Não houvesse
sido possível que Saúl derrotasse a todos os amalecitas nesta curta
expedição. É evidente que não o fez porque depois David realizou outras
campanhas contra eles (1 Sam. 27: 8; 30: 1-20; 2 Sam. 8: 12). Tão somente no
tempo do Ezequías foram finalmente exterminados (1 Crón. 4: 42, 43).

9.

Tudo o que era vil.

Ao destruir o que, de todos os modos, não valia a pena preservar, Saúl e seus
homens pretenderam ter obedecido a ordem de Deus de destruir "tudo" o que
era do Amalec (vers. 3). Ao mesmo tempo, os israelitas vitoriosos
preservaram "o melhor".

11.

Pesa-me.

"Arrependo-me" (BJ), "Estou arrependido" (NC). Ver com. Gén. 6: 6; Exo. 32:
14; Juec. 2: 18. A muitos resulta difícil reconciliar esta afirmação com
1 Sam. 15: 29, onde diz que Deus não "arrependerá-se, porque não é homem para
que se arrependa". Ambas as formas verbais procedem de najam, que Gesenio
define como "lamentar-se" ou "afligir-se" devido à desgraça de outros e,
portanto, "compadecer-se"; também, "arrepender-se" devido às ações de
a gente mesmo. Em nenhum lugar diz a Bíblia que o homem se arrepende do
bom que possa fazer; a não ser só do mau. Entretanto, diz-se que Deus se
arrepende do bem que faz, tanto como do mal (ver Jer. 18: 7-10). "O
arrependimento do homem implica uma mudança de parecer. "O arrependimento
de Deus implica uma mudança de circunstâncias e relações" (PP 682). A palavra
najam devesse traduzir-se de tal maneira que expressasse este pensamento.

De acordo com o princípio da livre eleição, Deus não faz de nenhum homem
uma mera máquina para levar a cabo os propósitos divinos. É certo que esses
propósitos finalmente se levarão acabo (ISA. 46: 10), mas o indivíduo ou a
nação a quem se pede que os realize não por isso renunciam ao privilégio de
acatar ou rechaçar o que Deus lhes pede (ver Ed 174). que diz primeiro "não
quero" mas troca de parecer, é muito melhor que o que promete ir mas
depois decide não fazê-lo (ver Mat. 21: 28-32). Em cada caso, se o
instrumento dos desejos de Deus demonstra ser indigno, a Deus "pesa-lhe" por
a decisão do indivíduo, mas permite que siga o curso de ação que há
escolhido e que colha a semente que semeou. A decisão do Saúl de
seguir seus próprios desejos não torceu no mais mínimo o propósito eterno de
Deus, mas sim significou uma oportunidade para que Deus demonstrasse seu
longanimidad ao permitir que Saúl continuasse como rei. O resultado natural de
causa e efeito é uma das grandes lições que deve aprender o homem em
este grande conflito entre o bem e o mal.

afligiu-se Samuel.

Literalmente, "acendeu-se Samuel". Quando este verbo se emprega em relação


com a palavra "ira", geralmente se traduz "acendeu-se sua ira". Este é o
único caso do AT em que o verbo najam se traduz "afligir-se". É
incorreto traduzir "Samuel esteve zangado", pois se afirma a seguir que
Samuel "clamou ao Jehová toda aquela noite" (ver vers. 11). O profeta estava
tão estalado e perplexo que procurou o Senhor de todo coração para que o
mostrasse a forma de sair da deplorável situação.
12.

Carmel.

Não se trata do monte Carmelo onde Elías enfrentou aos profetas do Baal, a não ser
de um povo a 11,6 km ao sul do Hebrón, onde David se encontrou com o Nabal.

Levantou um monumento.

Aqui comemorou Saúl sua vitória, e logo foi ao Gilgal, perto do Jericó, possivelmente
para reparar a desgraça que tinha experiente ali (cap. 13: 11-16).

13.

Eu cumpri.

Dando a aparência de um grande respeito, Saúl esperou ansiosamente para receber


o louvor do Samuel. Como os homens ao longo de todo o transcurso da
história, Saúl esteve preparado para acreditar que tinha completo a comissão que o
tinha sido dada, realizando tão somente a parte que lhe resultava agradável.
Tinha efetuado uma incursão contra os inimigos tradicionais do Israel e
havia tornado com o Agag como prova do cumprimento de sua missão. O monumento
à vitória ereto no Carmel o era a sua vaidade pessoal. Como Saulo de
Tarso, Saúl filho do Cis sem dúvida chegou a acreditar que as ações de sua própria
eleição se tinham feito em harmonia com a vontade de Deus. Entretanto, é
claro que aqui termina a semelhança entre os dois, pois a gente conhecia a 524
vontade de Deus e não a cumpriu, enquanto que o outro procedia com ignorância
(1 Tim. 1: 13).

14.

Balido.

Embora nesse momento parecia clara a consciência do Saúl, o balido dos


rebanhos demonstrava claramente sua desobediência e que não podia confiar-se em seu
consciência. pode-se ter a consciência cauterizada (1 Tim. 4: 2) em vez de
que esteja limpeza de obras mortas (Heb. 9: 14) e sem ofensa (Hech. 24: 16).
Desde que foi ungido, Saúl tinha demonstrado muitos nobres rasgos de caráter, e
Samuel o amava, assim como Jesus amava ao Judas. Mas o lucro do poder havia
convertido ao homem em um déspota que não tolerava interferências.
Precisamente, enquanto estava no ato de proclamar sua obediência, os
rebanhos denunciavam em alta voz seu desacato.

15.

O povo perdoou o melhor.

Como Adão e Eva, Saúl procurou jogar a culpa a outro. Acaso o povo não havia
sido tão leal à ordem do Saúl de destruir tudo o que pertencia aos
amalecitas como o tinha sido antes ao abster-se de alimento o dia quando
derrotou aos filisteus? (cap. 14: 24). Para qualquer da natureza e a
inteligência do Saúl o procurar refúgio em uma desculpa tal é uma clara evidência
de bancarrota espiritual.

17.

Embora foi pequeno.


Uma tradução literal do hebreu do vers. 17 permite qualquer destas
traduções: "Embora [ou quando] você [foi] pequeno ante sua própria vista, não
[foi] você [feito] cabeça das tribos do Israel?" ou "Embora você [é] pequeno
ante sua própria vista, não [é] você cabeça das tribos do Israel?" No
texto hebreu os verbos estão tácitos, pelo qual a tradução ao castelhano
requer que os acrescente. Caso que Samuel aqui se refere a uma
experiência passada, na RVR diz "foi", enquanto que a BJ -mais moderna em
sua tradução- reza "é", considerando que Samuel pensava na afirmação de
Saúl do vers. 15, e por isso se dirigiu a ele lhe falando em tempo presente. A
RVR entende que Samuel estabelecia um contraste entre a anterior humildade de
Saúl e seu orgulho atual, mas a BJ interpreta esta declaração como um
contraste entre a subordinação à vontade do povo expressa pelo Saúl
(vers. 15) -uma falsa humildade- e sua nomeação divina como dirigente (vers.
17).

A frase "Jehová te ungiu por rei sobre o Israel" parece ser uma simples
repetição da declaração anterior: "Não foste feito chefe das tribos
do Israel?" Além disso, Saúl tinha explicado sua conduta pretendendo que foi "o
povo" que guardou "o melhor" dos despojos, com o que queria dizer que
não pôde impedir-lhe vers. 15). De acordo com a BJ, Samuel pôs em tecido de
julgamento a tentativa do Saúl de fugir da responsabilidade -"Você é pequeno a
seus próprios olhos", quer dizer, incapaz de exercer um controle eficaz sobre vocês
homens- com uma solene afirmação de que Saúl era seu caudilho. Nos vers.
17-19 (ver vers. 1-3) diz-se que Samuel fez recordar ao Saúl a
responsabilidade pessoal que tinha no assunto: (1) Jehová o tinha ungido
como rei, e portanto como caudilho do Israel, (2) tinha-o enviado contra
os amalecitas, e (3) tinha-lhe ordenado que os exterminasse. por que não havia
obedecido? A obediência sempre é algo central em nossa relação com o
Deus do céu.

De acordo com a RVR, Samuel recordava ao Saúl o que este mesmo havia dito ao
ser ungido (cap. 9: 21), quando foi elevado de um nível muito humilde até
ser o caudilho do Israel. Não é o plano de Deus colocar a seus servos onde
não possam ser tentados, nem jogá-los em meio da tentação, onde -quando
caem- deve perdoá-los e logo lhes permitir que continuem em pecado. O desejo
divino é mas bem resgatá-los para que possam ganhar a batalha contra o
pecado aqui e agora. O Espírito Santo levou a Cristo ao deserto para que
fora tentado por Satanás (Mar. 1: 12). Saúl tinha recebido a evidência
indubitável de que o Senhor o amava e que seria seu ayudador constante. Nunca
podia acusar a Deus de que -conhecendo sua natureza egoísta- não lhe deu toda
oportunidade possível de fazer o bom e vencer seus maus rasgos de caráter.
O fato de que Deus lhe desse outro coração (1 Sam. 10: 9) não significava que
Saúl não pudesse voltar para seus velhos hábitos de vida se assim o desejava. Se
exaltaria Saúl? Se o fazia, Deus tinha que humilhá-lo.

20.

Antes bem obedeci.

Só um coração perverso e obstinado podia pretender fazer acontecer a


desobediência como obediência. Ao fazer Saúl demonstrou quanto se afastou
dos caminhos de justiça. Foi quando Eva

"viu" que o fruto da árvore proibida era "bom para comer, e que era
agradável aos olhos, e árvore cobiçável para525 alcançar a sabedoria" quando
"tirou de seu fruto, e comeu" (Gén. 3: 6). Quando um se convence a si mesmo de
que o que Deus assinalou claramente como um veneno moral é desejável para
uma vida mais abundante, então abjura de sua lealdade a Deus e disposta juramento
de lealdade ao diabo. Quando aparece como correto o que Deus há dito que é
mau, a gente pode estar seguro de que pôs os pés em terreno proibido e
está desprotegido contra as tentações hipnóticas do tentador. cegou
sua própria visão espiritual e endurecido o coração (ver F. 4: 30; ver com.
Exo. 4: 21).

Cristo advertiu a seus discípulos que chegaria o tempo quando qualquer que
matasse-os pensaria que estava rendendo "serviço a Deus" (Juan 16: 2). Desde
os dias da igreja apostólica (Hech. 26: 9-11; cf. 1 Tim. 1: 13) até o
dia de hoje, as mais duras perseguições contra os servos de Deus se hão
levado a cabo em nome da religião. depois de que termine o tempo de
graça, homens ímpios continuarão com as formas externas da religião com
zelo aparente para Deus (CS 672, 673). A mais hábil artimanha do diabo é
dissimular de tal modo o engano que pareça verdade. Por esta razão, em um
tempo quando o máximo falsificador porá em ação seus esforços com maior
êxito, a Testemunha Fiel e Verdadeira aconselha aos laodicenses que usem
"colírio" espiritual para que vejam (Apoc. 3: 18) sua verdadeira condição, para
que possam distinguir entre a verdade e o engano, para que saibam distinguir as
artimanhas de Satanás e as evitem, para que sejam capazes de detectar o pecado
e aborrecê-lo, e para que possam ver a verdade e obedecê-la (2JT 74, 75). De
o contrário, como os judeus do tempo de Cristo, será evidente que aceitam
como doutrina os mandamentos dos homens (ver Mat. 15: 9).

trouxe para o Agag.

Quão absurdo embora verdadeiro! Saúl apresenta seu ato supremo de desobediência
como uma prova de ter completo plena e completamente com a ordem de Deus
recebida mediante o profeta Samuel. Em sua estado de cegueira espiritual
confundiu o errôneo com o correto, e se sentiu ofendido porque Samuel não
reconhecia o que ele considerava -e em certo sentido o era- uma victona muito
grande (ver PP 681).

21.

As primicias do anátema.

"O melhor do anátema" (BJ). Da palavra hebréia jérem, "as coisas


consagradas", "as coisas dedicadas", "as coisas malditas" ou "coisas consagradas
à destruição". Jérem se deriva do verbo jaram, "proibir para o uso
comum", "consagrar para Deus", "extirpar". Acán se apropriou para seu uso
pessoal "do anátema [jérem]" (Jos. 7: 1, 11, 13, 15; cf. cap. 6: 17, 18), o
que incluía prata e ouro (Jos. 7: 21) reservados para o serviço do santuário
(Jos. 6: 19). O fato de que uma pessoa ou coisa fora "maldita" ou "dedicada"
não significava necessariamente que devia ser destruída; a não ser tão somente que devia
empregar-lhe precisamente na forma em que Deus indicasse. Em contraste com a
prata e o ouro, todo o resto que havia na cidade devia ser destruído
completamente (Jos. 6: 21). Entretanto, essas coisas também eram "anátema":
"malditas" ou reservadas "ao Jehová" (Jos. 6: 17). A mesma palavra hebréia jérem
também designa as oferendas "dedicadas" para uso sagrado (ver Lev. 27: 21, 28,
29; Núm. 18: 14; etc.).

A afirmação do Saúl a respeito de "as primicias do anátema", ou literalmente


"as coisas dedicadas", cobra um novo significado à luz do uso dado na
Bíblia à palavra hebréia assim traduzida. Samuel tinha instruído ao Saúl para
que "destruíra [jaram]" aos amalecitas e todas suas posses, que os
matasse. Não só estavam "dedicados", a não ser "dedicados para a destruição". É
evidente que Saúl raciocinou que tinha o privilégio de decidir como tinha que
realizá-la ordem divina.

Sem dúvida Saúl expressou a verdade quando disse que "o povo" quis salvar o
melhor dos rebanhos e das manadas. Não lhes permitia que tomassem para si
os rebanhos e as manadas dos amalecitas. Mas podiam enriquecer-se
empregando os animais dos amalecitas em lugar de quão próprios de outra
maneira teriam tido que sacrificar (PP 68l). Simplesmente Saúl aprovou a
sugestão tal como lhe chegou, e assim se apropriou do direito de interpretar a
ordem do Senhor na forma que viu conveniente. Por sua parte, Saúl não tinha
interesse no gado; tinha suficientes animais e até lhe sobravam. Mas se
voltava com um rei vencido -de acordo com o costume de seus dias- poderia
apresentar diante de todo o Israel uma evidência tangível de sua proeza militar e
incrementaria-se muito seu prestígio. Sem dúvida Saúl tinha o plano de executar
em público ao Agag depois de apresentá-lo ao povo como uma amostra de seu
habilidade 526 como guerreiro. Mas Samuel, instruído Por Deus, realizou ele mesmo
a execução e privou ao Saúl da exibição prevista.

Provavelmente Saúl raciocinou que obedeceria a ordem de Deus tanto respeito ao


ganho como ao rei, e ao mesmo tempo aumentaria a riqueza de seus súditos e
seu próprio renome. Cumpriria a sua maneira com a vontade de Deus.
Finalmente, seriam mortos tanto o rei como os animais; mas enquanto isso ele
e seu povo aproveitariam deles. Nisto estribava a debilidade do
caráter do Saúl: enquanto que pretendia servir a Deus, em realidade servia
primeiro seus próprios interesses e depois os de Deus. Sem dúvida por esta mesma
razão, ao enviar ao Saúl contra os amalecitas com a ordem de "dedicá-los" e
"dedicar" também todas suas posses, Deus especificou o meio pelo qual
deviam ser "dedicados": a morte.

Saúl fracassou nesta grande prova final de seu caráter. Até Samuel, que havia
passado a noite em oração ante Deus em favor do Saúl para que se anulasse a
sentença de rechaço (PP 682), encheu-se de indignação quando viu a prova de
a rebelião do Saúl (PP 683). devido a que Saúl tinha deixado ao Senhor, o
céu o abandonou para que seguisse o caminho de sua própria eleição; e Samuel
por sua parte "nunca depois viu ... o Saúl em toda sua vida" (vers. 35). Saúl
desqualificou-se completamente como rei ao submeter-se aos desejos do
povo, ao culpá-lo por suas próprias decisões errôneas, e ao procurar
atribuir a honra que em realidade pertencia a Deus.

No Gilgal.

Embora não era a residência do Saúl, Gilgal parece ter sido de fato em
alguns respeitos a capital da monarquia hebréia. Assinalava o sítio do
primeiro acampamento do Israel depois do cruzamento do Jordão (Jos. 4: 19) e o
quartel geral militar para a conquista do Canaán (Jos. 10: 15; etc.). Foi
ali onde se efetuou a verdadeira divisão da terra (Jos. 14: 6 a 17: 18).
Quando se completou a conquista do país, uns seis ou sete anos depois do
cruzamento do Jordão, o arca foi transladada do Gilgal a Silo (Jos. 18: 1). Nesse
tempo Josué residia em "Timnat-sera, no monte do Efraín" (Jos. 19: 49, 50).

O serviço do santuário se interrompeu em Silo quando os filisteus se


levaram o arca (1 Sam. 4: 11; Sal. 78: 60) e a cidade de Silo foi destruída
(ver Jer. 26: 6, 9). O arca foi levada de volta, primeiro até o Bet-semes (1
Sam. 6: 7-15) e depois ao Quiriat-jearim (cap. 7: 1), onde ficou até que
David a transpassou a Jerusalém (2 Sam. 6: 2-12; cf Jos. 15: 9, 60). Em um
sentido, assim se descentralizou o culto de Deus, embora Samuel oferecia
sacrifícios em diversos lugares (PP 660), provavelmente também no Gilgal (1
Sam. 7: 16). Foi aqui onde Samuel reuniu aos israelitas para confirmar a
Saúl como rei depois de sua vitória no Jabes do Galaad (1 Sam. 11: 14, 15);
aqui também se reuniram forças para o ataque contra a guarnição filistéia
do Micmas (1 Sam. 13: 4). Também poderia ter sido a base para a campanha
contra os amalecitas, como parece dizer-se tacitamente na proposta do Saúl
de voltar ali para oferecer sacrifícios a Deus.

22.

sente prazer Jehová?

Impelido pelo Espírito Santo, Samuel expressou esta profunda verdade que havia
de ressonar através dos séculos seguintes (ver Sal. 51: 16-19; Isa.1:11;
Ouse. 6: 6; Miq. 6: 6-8; etc.).

23.

Desprezou-te.

Aqui se apresenta claramente o motivo para uma mudança da relação entre Deus
e o homem: "Por quanto você desprezou". Quando o homem escolhe seguir seu
próprio caminho, Deus está obrigado a reajustar as condições para fazer frente
à situação. Quando o Israel quis um rei, Deus lhe deu a oportunidade de
provar a viabilidade de um plano tal. O mesmo feito de que Deus permitisse
que Saúl continuasse como rei mostra que não o tinha abandonado. Se Saúl não
seguia a Deus, teria que pôr em prática suas próprias idéias quanto à
realeza sem a ajuda do conselho divino, não porque Deus fora resistente a guiá-lo,
mas sim porque ele recusava aceitar a direção.

24.

Eu pequei.

antes de que Samuel anunciasse que Deus tinha rechaçado ao Saúl como rei (vers.
23), este defendeu firmemente seu proceder. Tão somente quando se pronunciou a
sentença e se deu a conhecer o castigo, esteve disposto a admitir que se
tinha afastado da ordem divina. Saúl não demonstrou a prova de uma vida
transformada que acompanha a "a tristeza que é segundo Deus"; a sua foi "a
tristeza do mundo" (2 Cor. 7: 9-11). Não foi o sincero desejo de fazer o
correto o que o moveu a essa admissão, a não ser o temor de perder o direito a
seu reino. Só quando se viu frente a essa perspectiva, fingiu arrependimento
com o propósito de salvar seu posto de rei, de ser isso possível. O louvor
527 humana significava mais para ele que a aprovação divina.

Perdoa, pois, agora meu pecado.

Quão diferente foi este pedido de que apresentaram os israelitas na Mizpa


quando clamaram: "Contra Jehová pecamos... Não cesse de clamar por nós
ao Jehová" (cap. 7: 6-8). O pecado do Saúl foi contra Samuel ou contra o
Senhor? Estava tão preocupado pela mudança de coração que necessitava como
estava de perder seu prestígio ante o povo, ante a possibilidade de que
perdesse o reino? Suas ações futuras deviam revelar claramente a verdadeira
razão de sua conduta.

26.

Não voltarei.
Samuel, acreditando que Deus tinha rechaçado ao Saúl, ao princípio recusou render
culto a Deus com o rei. Humanamente falando, não tinha nada que fazer com um
homem que apreciava tão pouco o que Deus tinha feito por ele. A atitude de
Samuel era simplesmente um reflexo da atitude de Deus. Se o Senhor não
queria ter mais trato com o Saúl (ver cap. 28: 6), Samuel -como representante de
Deus- tampouco podia o ter (cap. 15: 35), para que uma relação tal não fora
interpretada como uma evidência da aprovação divina.

28.

Deu-o.

Deus se referia à unção do David e a sua coroação, embora estavam


ainda no futuro, como se já se realizaram. Saúl se havia
desqualificado irreparavelmente para servir como rei, e a decisão de Deus
a respeito dele era irrevogável. Na vontade e no propósito de Deus o
reino já tinha sido dado a outro. Nada que fizesse Saúl, como oferecer um culto
(vers. 30), trocaria a sentença. Nem a oração a trocaria (ver Jer. 7:
16; 11: 14; 14: 11; PP 682). Com toda segurança, o rechaço do Saúl como rei
não implicava necessariamente que tinha terminado seu tempo de graça e que o
Senhor recusaria aceitá-lo como indivíduo. Ainda podia arrepender-se
pessoalmente e converter-se. Se nesse tempo Saúl tivesse estado disposto a
renunciar ao trono e a viver dali em adiante uma vida privada, poderia haver
achado a salvação; mas era evidente que não podia desempenhar-se no cargo
de rei em harmonia com a vontade divina.

Melhor que você.

De acordo com o registrado, a única falta do Saúl até esse tempo foi a
que cometeu no Gilgal (cap. 13: 8-14). Não havia uma mancha em seu registro como
no caso do David com o Betsabé e Urías heteo. Ambos foram grandes pecadores.
A diferença entre eles esteve em que quando foi famoso seu pecado, Saúl
justificou seu proceder (caps. 13: 11, 12; 15: 20), em tanto que David se
arrependeu sinceramente de seus pecados (2 Sam. 12: 13; Sal. 51).

29.

A Glória do Israel.

Este título aplicado a Deus só aparece neste lugar do AT. A palavra


traduzida "Glória" é nétsaj, que provém do verbo nalsaj, "ser preeminente",
"ser permanente". No marco em que aqui se usa, é extremamente apropriada esta
forma de denominar a Deus. Nétsaj muitas vezes se traduz "perpetuamente" (2
Sam. 2: 26) ou "para sempre" (Sal. 52: 5).

Arrependa.

Quanto ao "arrependimento" de Deus, ver com. Gén. 6: 6; Exo. 32: 14; Juec.
2: 18; 1 Sam. 15: 11.

30.

Para que adore.

Para o Saúl as formas do culto só eram importantes como um meio de conseguir


para si a lealdade do povo. Tinha o propósito de dar a impressão de que
seu proceder se originava em Deus a fim de que o povo acreditasse que ao segui-lo
a ele, faziam a vontade de Deus. Assim se rebaixou a religião para que servisse
aos fins do poder civil, pois Saúl se propunha usar a Deus como um meio
para obter seus próprios fins.

31.

Voltou Samuel.

Possivelmente houve duas razões pelas quais Samuel trocou de parecer: (1)Queria fazer
todo o possível para ganhar no Saúl como pessoa. (2) Ao saber-se que havia
desaprovado ao Saúl, isso poderia induzir a alguns descontentamentos do Israel como
uma desculpa para revoltar-se. A ordem estabelecida pelo governo devia
continuar mesmo que o rei tivesse rechaçado a liderança de Deus para fazer
sua própria vontade.

33.

Samuel cortou em pedaços ao Agag.

De acordo com o código civil dado ao Israel (Exo. 21: 23, 24), Agag merecia a
morte, e Samuel o executou "diante do Jehová", assim como Elías mais tarde
mataria aos profetas do Baal no Carmelo, de acordo com a lei da
blasfêmia (Lev. 24: 11, 16). Ao matar ao Agag, Samuel desbaratou o propósito de
Saúl de exibir ao rei como testemunho de sua suposta habilidade como caudilho.

35.

Nunca depois viu Samuel ao Saúl.

Ver com. vers. 26; ver também cap. 16: 14.

Samuel chorava.

Ao princípio Samuel esteve sem vontade para dar um rei ao Israel, mas uma vez
que foi eleito o rei, Samuel foi fiel apesar de suas faltas. Para o Samuel
-e 528 mais tarde para o David- Saúl era "o ungido do Jehová" (cap. 24: 10). O
pesar do Samuel pela conduta do Saúl (cap. 15: 11; PP 682) é uma prova de
a sinceridade da forma em que Samuel velava por ele.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-35 PP 679-690

2, 3 PP 679, 715

3 1JT 488

6 PP 681

7-9 PP 681

8, 9 PP 715

9 1JT 488

1 1 PP 682

13, 14 5T 88
13-15 1JT 488; PP 683

16, 17 1JT 488; PP 683

17 1T 707; 2T 297

18-21 1JT 488; PP 684

22 DTG 541; 1JT 313, 474; PP 684, 688; 2T 653; 3T 57; TM 244

22, 23 1JT 489; 1T 323

23 PP 688; 3T 357

23-25 PP 684

26, 28 PP 684

28 Ed 248

29 PP 682

30-34 PP 685

CAPÍTULO 16

1 Samuel é enviado Por Deus a Presépio. 6 Se reprova o uso de seu próprio julgamento
na eleição. 11 Unge ao David. 15 Saúl envia a procurar o David para que
tranqüilize seu espírito alterado.

1 DISSE Jehová ao Samuel: Até quando chorará ao Saúl, lhe havendo eu descartado
para que não reine sobre o Israel? Enche seu corno de azeite, e vêem, enviarei a
Isaí de Presépio, porque de seus filhos me hei provido de rei.

2 E disse Samuel: Como irei? Se Saúl soubesse, mataria-me. Jehová respondeu:


Toma contigo uma becerra da vacaria, e dava: A oferecer sacrifício ao Jehová hei
vindo.

3 E chama o Isaí ao sacrifício, e eu te ensinarei o que tem que fazer; e me


ungirá ao que eu lhe dijere.

4 Fez, pois, Samuel como lhe disse Jehová; e logo que ele chegou a Presépio, os
anciões da cidade saíram a lhe receber com medo, e disseram: É pacífica
sua vinda?

5 O respondeu: Sim, devo oferecer sacrifício ao Jehová; lhes santifique, e venham


comigo ao sacrifício. E santificando ele ao Isaí e a seus filhos, chamou-os ao
sacrifício.

6 E aconteceu que quando eles vieram, ele viu o Eliab, e disse: De certo
diante do Jehová está seu ungido.

7 E Jehová respondeu ao Samuel: Não olhe a seu parecer, nem muito bem de seu
estatura, porque eu o desprezo; porque Jehová não olhe o que olhe o homem;
pois o homem olhe o que está diante de seus olhos, mas Jehová olhe o
coração.

8 Então chamou Isaí ao Abinadab, e o fez passar diante do Samuel, o qual


disse: Tampouco a este escolheu Jehová.

9 Fez logo passar Isaí a Sama. E ele disse: Tampouco a este escolheu Jehová.

10 E fez acontecer Isaí sete seus filhos diante do Samuel; mas Samuel disse a
Isaí: Jehová não escolheu a estes.

11 Então disse Samuel ao Isaí: São estes todos seus filhos? E ele respondeu:
Fica ainda o menor, que apascenta as ovelhas. E disse Samuel ao Isaí: Envia por
ele, porque não nos sentaremos à mesa até que ele venha aqui.

12 Enviou, pois, por ele, e lhe fez entrar; e era loiro, formoso de olhos, e de
bom parecer. Então Jehová disse: te levante e unge-o, porque este é.

13 E Samuel tomou o corno do azeite, e o ungiu em meio de seus irmãos; e


desde aquele dia em adiante o Espírito do Jehová veio sobre o David. levantou-se
logo Samuel, e se voltou para o Ramá.

14 O Espírito do Jehová se separou do Saúl, e lhe atormentava um espírito mau


de parte do Jehová .529

15 E os criados do Saúl lhe disseram: Hei aqui agora, um espírito mau de parte
de Deus te atormenta.

16 Diga, pois, nosso senhor a seus servos que estão diante de ti, que procurem
a algum que saiba tocar o harpa, para que quando estiver sobre ti o espírito mau
de parte de Deus, ele toque com sua mão, e tenha alívio.

17 E Saúl respondeu a seus criados: me busquem, pois, agora algum que toque bem,
e me tragam isso

18 Então um dos criados respondeu dizendo: Hei aqui eu vi a um


filho do Isaí de Presépio, que sabe tocar, e é valente e vigoroso e homem de
guerra, prudente em suas palavras, e formoso, e Jehová está com ele.

19 E Saúl enviou mensageiros ao Isaí, dizendo: me envie ao David seu filho, que
está com as ovelhas.

20 E tomou Isaí um asno carregado de pão, uma vasilha de vinho e um cabrito, e o


enviou ao Saúl por meio do David seu filho.

21 E vindo David ao Saúl, esteve diante dele; e lhe amou muito, e lhe fez
seu pajem de armas.

22 E Saúl enviou a dizer ao Isaí: Eu te rogo que esteja David comigo, pois há
achado graça em meus olhos.

23 E quando o espírito mau de parte de Deus vinha sobre o Saúl, David tomava o
harpa e tocava com sua mão; e Saúl tinha alívio e estava melhor, e o espírito
mau se separava dele.

1.

Até quando?

Saúl se tinha convertido em um caudilho inspirador. Como o primeiro governante


de um Estado com uma nova forma de administração, exercia um poder quase
hipnótico sobre o galhardo povo israelita, amante de sua independência. Mas
rapidamente havia se tornado déspota, cruel, tirânico e implacável. Sem
embargo, recorde-se que embora o rei tinha recusado o conselho de Deus e havia
separado à nação da condução divina, isso não excluía pessoalmente a
Saúl da salvação. Nabucodonosor, por exemplo, glorificava-se no
pensamento de que seu deus Marduk era mais capitalista que Jehová, e entretanto o
Espírito Santo o comoveu mediante Daniel, até o ponto de que exaltou ao
Deus do Daniel como o Muito alto (Dão. 4: 4-37).

Isaí de Presépio.

Possivelmente Samuel conhecia alguns dos habitantes de Presépio devido a suas visitas
prévias. Embora seja provável que conhecesse o Isaí, não acontecia assim com o resto
de sua família (vers. 11, 12).

2.

Toma contigo uma becerra.

Era completamente natural e adequado que o profeta visitasse Presépio para oferecer
um sacrifício. O arca estava ainda no Quiriat-jearim. sabe-se que o
santuário esteve no Nob pelo menos durante uma parte do reinado do Saúl
(cap. 21: 1-6), mas não nos diz se as festas anuais se celebravam ali
como antes em Silo. Desde que cessaram de oferecer-se sacrifícios em Silo, isto
feito-se em diversas cidades por todo o país (PP 660). Em tais
reuniões, o profeta instruía ao povo sobre o grande plano de salvação, e
animava-o para que enviasse seus jovens às diversas escolas dos profetas
a fim de elevar o nível intelectual e espiritual da nação. O rei não
tinha pois por que sentir saudades da visita do Samuel a Presépio. No que corresponde
ao povo, para o profeta era uma obra rotineira, similar a uma reunião
distrital de hoje em dia.

A oferecer sacrifício ... vim.

Não era de interesse público que se conhecesse imediatamente o unção de


David. Acaso o unção do Saúl não se efetuou em uma forma muito parecida?
Os 30 anciões que responderam então ao convite para assistir à
festa, sabiam por que Samuel tinha dado ao Saúl o lugar de honra? Não
estiveram pressentem enquanto Samuel e Saúl praticaram depois da festa
(cap. 9: 25). Nem eles, e nem sequer o servo do Saúl, foram testemunhas do
unção realizado cedo pela manhã (caps. 9: 27 a 10: 1). Tampouco a
família do Saúl soube do unção até o tempo da reunião da Mizpa para
escolher um rei (cap. 10: 20-27). O unção resultou ao Saúl uma
declaração do plano de Deus para sua vida. Foi convidado mas não obrigado a
aceitar os requerimentos de Deus. Tal unção não o autorizava para
começar o que se requeria a fim de realizar sua aparição pública como rei.
O registro demonstra que até depois de sua eleição na Mizpa, Saúl voltou para seu
lar e esperou que o Senhor dirigisse o passo seguinte.

A única diferença entre o unção do Saúl e a viagem do Samuel ao lar


do Isaí foi 530 que para então já havia um rei, ciumento de cada passo que dava
o profeta, posto que lhe tinha anunciado ao Saúl o repúdio do Senhor. Essa
suscetibilidade sem dúvida aumentou muitíssimo devido à vacilação do Samuel
para render culto junto com seu rei. Pode ter acontecido muito tempo entre
os caps. 15 e 16.

4.

É pacífica sua vinda?


Pela descrição dada no cap. 9, é claro que a festa do unção de
Saúl se celebrou no lugar alto, em relação com uma festa bem conhecida de
antemão. Mas a sorpresiva chegada do Samuel a Presépio com uma becerra, e o
feito de que convocasse aos anciões para que estivessem pressentem,
naturalmente devia provocar muitas especulações. Os anciões chegaram com
temor e tremor, perguntando-se que coisa terrível teria acontecido. Uma reação
tal ante a inesperada chegada de um funcionário importante era inteiramente
natural e, em realidade, acrescenta um matiz de autenticidade ao relato.

5.

Sim.

Samuel aquietou todos seus temores e os autorizou a santificar-se, quer dizer, a


passar por todo o procedimento da purificação cerimoniosa, o que incluía
lavar o corpo e os vestidos, como também continência (ver Exo. 19: 10-15; 1
Sam. 21: 4-6). Pessoalmente Samuel se cuidou de que Isaí e pelo menos seus
filhos maiores estivessem desencardidos (1 Sam. 16: 5). Então todos foram
chamados para oferecer o sacrifício. Devia haver umas poucas horas entre o
sacrifício e a festa, pois a becerra devia ser guisada e assada antes de que
comessem-na. Samuel aproveitou esse intervalo para conhecer melhor ao Isaí e a seu
família. Que eles mesmos ainda não se reuniram para a festa se vê
pelo vers. 11, onde aparece David vindo do campo antes de que se
sentassem para comer.

7.

Jehová olhe o coração.

O "coração" se refere ao intelecto, os afetos e a vontade (Sal. 139: 23;


Mat. 12: 34; etc.). É o fator que preside para determinar o destino, pois
como é o pensamento do homem "em seu coração, tal é ele" (Prov. 23: 7). Em
sua essência, a livre eleição é um assunto do intelecto, mas freqüentemente com
grande influencia dos sentimentos e as emoções. dentro dos limites do
tempo de graça Deus convida aos homens: "Venham logo... e estejamos a conta"
(ISA. 1: 18). O quer que o conheçamos e nos inteiremos de seu plano, porque
"olhando a cara descoberta" somos transformados (ver 2 Cor. 3: 18). Deus se
dirige ao intelecto. A aparência externa não revela os verdadeiros motivos de
a vida pois com freqüência se interpretam mal as ações. Quando Moisés
disse aos filhos do Israel: "Amará ao Jehová seu Deus de todo seu coração" (Deut.
6: 5), pensava na influência guiadora que atua na vida por meio de uma
relação pessoal com Deus. O fato de que os discípulos tivessem visto
Deus mediante uma íntima relação com o Jesus (Juan 14: 9) fortaleceu-os
muitíssimo em sua entrega aos planos divinos para eles. David tinha aprendido
a conhecer deus enquanto apascentava suas ovelhas e, embora não o reconhecessem
seus irmãos, esse conhecimento fez possível que o Espírito Santo o guiasse
passo detrás passo.

12.

De bom parecer.

"Formosa presença" (BJ).

Unge-o.

por que escolhe Deus a certos homens para que sejam seus representantes e passa
de comprimento a outros? Que diferença houve em sua eleição do Saúl e sua eleição de
David? Sendo onisciente, Deus sabia com exatidão a conduta futura de
Saúl; entretanto o ungiu e lhe prometeu estar com ele (cap. 10: 7). Em contra
dos melhores interesses dos israelitas e da vontade divina para eles,
Deus respondeu a sua demanda de um rei. É claro que Saúl era popular entre a
gente: um rei segundo o coração deles mas não de Deus. Não pensavam em um
liderança espiritual a não ser no poder nacional. Quando foi eleito, Saúl tinha
sérios impedimentos. Por isso Deus lhe advertiu dos perigos que encontraria
e lhe deu um conselho preciso quanto à forma de lhes fazer frente.

O caso do David era diferente. Não há prova de que o povo estivesse


descontente com o Saúl. Em realidade, estava muito satisfeito pelos resultados de
a campanha contra os amalecitas. David era o menor na casa de seu pai, e
no Oriente a idade significava respeito e prioridade (Gén. 29: 25, 26). Era
um mozuelo despretensioso até entre os membros de seu próprio lar (1 Sam.
17: 28). Não tinha a imponente estatura do Saúl nem o físico do Sansón. Saúl
foi chamado do arado porque os anciões clamavam por um rei com urgência.
Teve pouco tempo para preparar-se. David foi chamado enquanto apascentava ovelhas
e era ainda moço, e teve mais de uma década a fim de preparar-se para 531
suas árduas tarefas como caudilho das doze tribos.

Eleito em sua juventude, David desfrutou da oportunidade de um período de


preparação e prova antes de que assumisse as responsabilidades de seu elevado
cargo. Os aspectos do caráter do David que não estavam à altura das
normas divinas puderam ser trocados antes de sua coroação. Da mesma
maneira Deus trata a cada indivíduo a quem convida a ser membro de seu reino, e
especialmente aos que chama a ocupar postos de responsabilidade. Sem que o
saiba, todo homem é provado pelas vicissitudes comuns da vida, até que
finalmente Deus possa dizer: "Sobre pouco foste fiel, sobre muito te porei"
(Mat. 25: 23). Até esse momento David tinha demonstrado possuir vigor juvenil,
um espírito amante e gentil e intrepidez que emanava da confiança no
poder divino. Não tinha sido corrompido pelo mundo. Tinha uma alma
comtemplativa que se desenvolvia na quietude das colinas de Presépio. Ali,
pastoreando as ovelhas como Moisés no Madián, adquiriu um sentido de
responsabilidade e desenvolveu qualidades de liderança que deviam acompanhá-lo a
través da vida.

13.

Corno.

Heb. qéren, o "corno" de um touro, cabra ou carneiro.

Espírito do Jehová.

O Espírito do Senhor não faz acepção de pessoas. Deu ao Saúl um coração


novo e lhe mostrou os abismos que havia diante dele. Entretanto, Saúl
rapidamente rechaçou a direção divina. Então Deus se propôs guiar a
David como tinha tratado de guiar ao Saúl. Como no caso de muitos dos
grandes dirigentes do mundo, David cresceu em um ambiente humilde,
desenvolvendo silenciosamente um áureo caráter sob a direção do Espírito
Santo, o qual um dia o capacitaria plenamente para o papel que desempenharia
no grande conflito entre o bem e o mal. Quando foi ungido, o Espírito de
Deus "veio sobre o David" assim como o Espírito divino descendeu sobre Cristo
durante seu batismo (ver com. Mat. 3: 16).

14.
O Espírito do Jehová se apartou.

Saúl tinha rechaçado ao Espírito de Deus -tinha cometido o pecado


imperdoável- e nada mais podia fazer o Senhor para ele (ver com. cap. 15: 35).
O Espírito do Jehová não se apartou arbitrariamente do Saúl, mas sim mas bem Saúl
rebelou-se contra sua direção e deliberadamente fugiu a influência do
Espírito. Isto deve entender-se em harmonia com Sal.139: 7 e com o princípio
fundamental da livre eleição. Se Deus, por meio de seu Espírito, houvesse
imposto sua vontade ao Saúl contra os desejos de este, Deus teria feito
do rei uma mera máquina.

De parte do Jehová.

As Escrituras às vezes apresentam a Deus como se ele fizesse o que não impede
diretamente. Em realidade, ao dar a Satanás uma oportunidade para demonstrar seus
princípios, Deus limitaria seu próprio poder. É obvio, havia limites que
Satanás não poderia ultrapassar (ver Job 1: 12; 2: 6), mas dentro de sua esfera
limitada teria a permissão divina para atuar. Dessa maneira, embora seus
atos são contrários à vontade divina, não pode fazer nada a menos que Deus
o permita, e tudo o que fazem ele e seus maus espíritos, é feito com o
permissão de Deus. portanto, quando Deus retirou seu Espírito do Saúl (ver
com. 1 Sam. 16: 13, 14), Satanás ficou em liberdade de atuar.

Atormentava-lhe.

Josefo descreve essa doença assim: "Quanto ao Saúl, sobrevieram-lhe alguns


desórdenes estranhos e demoníacos, e lhe provocavam tais asfixias como se
tivessem estado a ponto de afogá-lo" (Antiguidades vi. 8. 2). É evidente que
foi aumentando uma grave melancolia enquanto refletia devido ao anúncio do
profeta de que tinha perdido o direito à coroa para ser dada a um homem
"melhor" que ele (cap. 15: 28). Sendo poseído intermitentemente pelo espírito
mau, Saúl foi induzido a sentir e atuar em uma forma parecida com a de um
demente.

15.

Um espírito mau de parte de Deus.

Ver com. vers. 14 no que corresponde a uma expressão equivalente.

16.

O harpa.

Melhor, "a lira". Aconselhou-se ao Saúl que procurasse alívio em uma terapia
musical. O som da lira do David e seu canto de excelsos hinos aliviavam
transitoriamente ao Saúl do espírito mau que o acossava. Quando Saúl
escutava a música do David, seus maus sentimentos de compaixão própria e
ciúmes o deixavam por um tempo, mas voltavam com redobrado poder ao transcorrer
o tempo. devido a seu contínuo rechaço da direção de Deus, parecia-se com o
poseído pelo demônio da parábola de Cristo (Luc. 11: 24-26), em que "o
último estado" de uma alma tal é "pior que o primeiro".

17.

me busquem.

Não devia passar-se por alto 532 nenhum meio que oferecesse esperança de alívio
do espírito mau que atormentava ao Saúl.

18.

Filho do Isaí.

Indubitavelmente a reputação do David como músico e homem de valor, são


julgamento e prudente já se cimentou antes de que aparecesse na corte e
de que vencesse ao Goliat. Provavelmente David era um jovem que se aproximava de
a virilidade, pois pouco depois, em ocasião de seu encontro com o Goliat, se o
descreve como um "moço", Heb. ná'ar (cap. 17: 58) e como um "jovem", Heb.
'élem (vers. 56).

Jehová está com ele.

Embora não se divulgou a novidade de que David tinha sido ungido como
rei, nada podia ocultar o fato de que o Espírito Santo -que se havia
empossado de sua vida de um modo especial desde sua unção (ver com. vers.
13)- estava preparando-o devidamente para as importantes tarefas vindouras.

20.

Um asno.

O presente do Isaí tinha o propósito de expressar boa vontade respeito ao


desejo do rei de que David servisse na corte. Não mandar um presente
certamente se tivesse interpretado como uma expressão de má vontade e, por
o tanto, teria prejudicado o êxito do David na corte.

21.

Esteve diante dele.

Esta afirmação não se refere à presença do David diante do Saúl, a não ser ao
feito de que David "ficou a seu serviço" (BJ; ver Gén. 41: 46; Dão. 1: 19).
devido à providência de Deus, David foi colocado em uma posição em que
podia relacionar-se com os dirigentes da nação -que assim poderiam apreciar
seus talentos- e com os assuntos de governo. Possivelmente se permitiu que Saúl
permanecesse no trono até que as sementes do mal produziram em sua vida
uma colheita inevitável, e até que se completasse a preparação preliminar de
David.

Amou-lhe muito.

Até Saúl chegou a honrar e respeitar a personalidade naturalmente atraente de


David, e estimou nele as qualidades implantadas pelo Espírito Santo. Saúl
reconheceu a evidente superioridade desse jovem promissor, admitindo
tacitamente a sabedoria da eleição de Deus de um sucessor para o trono.

Pajem de armas.

"Escudeiro" (BJ). Esta nomeação colocou ao David na mais estreita relação


possível com o rei e o fez responsável pessoalmente pela segurança do
monarca. É possível que esta afirmação apareça antes do papel que
desempenharia David na corte depois de sua vitória sobre o Goliat (ver cap.
18: 2, 5).

22.
Esteja David comigo.

depois de um período de prova na corte, Saúl converteu em um cargo


permanente o que ao princípio só tinha o propósito de ser algo transitivo.

achou graça.

Ver com. vers. 21. Deus considerou que David era da classe de homens que
podia usar em seu serviço (vers. 7). Contemplando só a aparência exterior
e as ações, que em certo grau refletiam o coração do David, Saúl chegou
à mesma conclusão (ver Prov. 23: 7).

23.

Saúl tinha alívio.

Literalmente, "Saúl respirava". a palavra rúaj significa "respirar", "sopro",


especialmente com as fossas nasais. O uso deste verbo implica uma
exalação de fôlego profunda e forçada, tal como a que freqüentemente
acompanha a uma relaxação depois de um período de tensão, seguida por uma
respiração normal. Os acessos de posse demoníaca de que sofria Saúl eram
acompanhados indubitavelmente por tensões físicas e nervosas.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-23 PP 691-698

1-4 PP 691

6, 7 Ed 259; PP 692

7 DC 33; CM 36; 2JT 273, 456; MB 34; OE 511; PP 333; PVGM 56; SC 80; 1T 320; 2T
72,418,633; 3T201,244,301; 5T 31,333, 625; 8T 146; TM 171; 5TS 45

8-11 PP 693

10 Ed 259

11-13 MC 106; PP 642

12 CM 36; 2JT 456

12, 13 PP 693

16-23 PP 696

18 PP 698, 802 533

CAPÍTULO 17

1 Os exércitos dos israelitas e os filisteus preparados para a batalha. 4


Goliat desafia aos israelitas. 12 David, enviado por seu pai a visitar seus
irmãos, aceita o desafio do gigante. 28 Eliab o repreende. 30 David é
levado ante a presença do Saúl. 32 Explica as razões de sua confiança. 38
Mata ao gigante sem levar nenhuma armadura e impulsionado por sua fé em Deus. 55
Saúl pergunta pela identidade do David.
1 OS filisteus juntaram seus exércitos para a guerra, e se congregaram em
Soco, que é do Judá, e acamparam entre o Soco e Azeca, em Fs-damim.

2 Também Saúl e os homens do Israel se juntaram, e acamparam no vale de


L, e ficaram em ordem de batalha contra os filisteus.

3 E os filisteus estavam sobre um monte a um lado, e Israel estava sobre outro


monte ao outro lado, e o vale entre eles.

4 Saiu então do acampamento dos filisteus um paladín, o qual se chamava


Goliat, do Gat, e tinha de altura seis cotovelos e um palmo.

5 E trazia um casco de bronze em sua cabeça, e levava uma cota de malha; e era
o peso da cota cinco mil siclos de bronze.

6 Sobre suas pernas trazia grebas de bronze, e fêmea de javali de bronze entre seus
ombros.

7 O haste de sua lança era como um pau de macarrão de tear, e tinha o ferro de seu
lança seiscentos siclos de ferro; e ia seu escudeiro diante dele.

8 E se parou e deu vozes aos esquadrões do Israel, lhes dizendo: Para que vos
pusestes em ordem de batalha? Não sou eu o filisteu, e vós os
servos do Saúl? Escolham de entre vós um homem que venha contra mim.

9 Se ele poderia brigar comigo, e me vencer, nós seremos seus


servos; e se eu poderia mais que ele, e o vencesse, vós serão nossos
servos e nos servirão.

10 E acrescentou o filisteu: Hoje eu desafiei ao acampamento do Israel; me dêem um


homem que brigue comigo.

11 Ouvindo Saúl e todo o Israel estas palavras do filisteu, turvaram-se e


tiveram grande medo.

12 E David era filho daquele homem efrateo de Presépio do Judá, cujo nome era
Isaí, o qual tinha oito filhos; e no tempo do Saúl este homem era velho e
de grande idade entre os homens.

13 E os três filhos maiores do Isaí tinham ido seguir ao Saúl à guerra.


E os nomes de seus três filhos que tinham ido à guerra eram: Eliab o
primogênito, o segundo Abinadab, e o terceiro Sama;

14 e David era o menor. Seguiram, pois, os três maiores ao Saúl.

15 Mas David tinha ido e voltado, deixando ao Saúl, para apascentar as ovelhas de
seu pai em Presépio.

16 Vinha, pois, aquele filisteu pela manhã e pela tarde, e assim o fez
durante quarenta dias.

17 E disse Isaí ao David seu filho: Toma agora para seus irmãos um f deste
grão torrado, e estes dez pães, e leva-o logo ao acampamento a vocês
irmãos.

18 E estes dez queijos de leite os levará a chefe dos mil; e olhe se vocês
irmãos estão bons, e toma objetos deles.
19 E Saúl e eles e todos os do Israel estavam no vale de L, brigando
contra os filisteus.

20 Se levantou, pois, David de amanhã, e deixando as ovelhas aos cuidados de um


guarda, foi com sua carga como Isaí lhe tinha mandado; e chegou ao acampamento
quando o exército saía em ordem de batalha, e dava o grito de combate.

21 E ficaram em ordem de batalha o Israel e os filisteus, exército frente a


exército.

22 Então David deixou sua carga em emano de que guardava a bagagem, e correu ao
exército; e quando chegou, perguntou por seus irmãos, se estavam bem.

23 Enquanto ele falava com eles, hei aqui que aquele paladín que ficava em
meio dos dois acampamentos, que se chamava Goliat, o filisteu do Gat, saiu
de entre as filas dos filisteus e falou as mesmas palavras, e as ouviu
David. 534

24 E todos os varões do Israel que viam aquele homem fugiam de sua presença,
e tinham grande temor.

25 E cada um dos do Israel dizia: Não viram aquele homem que há


saído? O se adianta para provocar ao Israel. Ao que lhe vencer, o rei o
enriquecerá com grandes riquezas, e lhe dará sua filha, e eximirá de tributos à
casa de seu pai no Israel.

26 Então falou David aos que estavam junto a ele, dizendo: O que farão ao
homem que vencer a este filisteu, e tirar o oprobio do Israel? Porque
quem é este filisteu incircunciso, para que provoque aos esquadrões do
Deus vivente?

27 E o povo lhe respondeu as mesmas palavras, dizendo: Assim se fará ao


homem que lhe vencer.

28 E lhe ouvindo falar Eliab seu irmão maior com aqueles homens, acendeu-se
em ira contra David e disse: Para que descendeste para cá? e a quem deixaste
aquelas poucas ovelhas no deserto? Eu conheço sua soberba e a malícia de
seu coração, que para ver a batalha vieste.

29 David respondeu: O que tenho feito eu agora? Não é isto mero falar?

30 E apartando-se dele para outros, perguntou de igual maneira; e lhe deu o


povo a mesma resposta de antes.

31 Foram ouvidas as palavras que David havia dito, e as referiram diante de


Saúl; e ele o fez vir.

32 E disse David ao Saúl: Não deprima o coração de nenhum por causa dele; você
servo irá e brigará contra este filisteu.

33 Disse Saúl ao David: Não poderá você ir contra aquele filisteu, para brigar com
ele; porque você é moço, e ele um homem de guerra desde sua juventude.

34 David respondeu ao Saúl: Seu servo era pastor das ovelhas de seu pai; e
quando vinha um leão, ou um urso, e tomava algum cordeiro da manada,

35 saía eu atrás dele, e o feria, e o liberava de sua boca; e se se levantava


contra mim, eu lhe jogava mão da queixada, e o feria e o matava.
36 Fosse leão, fosse urso, seu servo o matava; e este filisteu incircunciso
será como um deles, porque provocou ao exército do Deus vivente.

37 Acrescentou David: Jehová, que me livrou que as garras do leão e das


garras do urso, ele também me liberará da mão deste filisteu. E disse Saúl
ao David: Vê, e Jehová esteja contigo.

38 E Saúl vestiu ao David com suas roupas, e pôs sobre sua cabeça um casco de
bronze, e lhe armou de couraça.

39 E rodeou David sua espada sobre seus vestidos, e provou a andar, porque nunca
fazia a prova. E disse David ao Saúl: Eu não posso andar com isto, porque
nunca o pratiquei. E David jogou de si aquelas coisas.

40 E tomou seu cajado em sua mão, e escolheu cinco pedras lisas do arroio, e as
pôs no saco pastoril, no zurrón que trazia, e tomou sua funda em sua mão, e
foi para o filisteu.

41 E o filisteu vinha andando e aproximando-se do David, e seu escudeiro diante de


ele.

42 E quando o filisteu olhou e viu o David, teve-lhe em pouco; porque era


moço, e loiro, e de formoso parecer.

43 E disse o filisteu ao David: Sou eu cão, para que venha para mim com paus?
E amaldiçoou ao David por seus deuses.

44 Disse logo o fílisteo ao David: Vêem mim, e darei sua carne às aves do
céu e às bestas do campo.

45 Então disse David ao filisteu: Você vem para mim com espada e lança e
fêmea de javali; mas eu venho a ti no nome do Jehová dos exércitos, o Deus de
os esquadrões do Israel, a quem você provocaste.

46 Jehová te entregará hoje em minha mão, e eu te vencerei, e te cortarei a cabeça,


e darei hoje os corpos dos filisteus às aves do céu e às bestas de
a terra; e toda a terra saberá que há Deus no Israel.

47 E saberá toda esta congregação que Jehová não salva com espada e com lança;
porque do Jehová é a batalha, e ele lhes entregará em nossas mãos.

48 E aconteceu que quando o filisteu se levantou e pôs-se a andar para ir ao


encontro do David, David se deu pressa, e correu à linha de batalha contra
o filisteu.

49 E colocando David sua mão na bolsa, tomou dali uma pedra, e a atirou com
a funda, e feriu o filisteu na frente; e a pedra ficou cravada na
frente, e caiu sobre seu rosto em terra.

50 Assim venceu David ao filisteu com funda e pedra; e feriu o filisteu e o


matou, sem ter David espada em sua mão.

51 Então correu David e ficou sobre 535 o filisteu; e tomando a espada


dele e tirando a de sua vagem, acabou-o de matar, e lhe cortou com ela a
cabeça. E quando os filisteus viram seu paladín morto, fugiram

52 Levantando-se logo os do Israel e os do Judá, gritaram, e seguiram aos


filisteus até chegar ao vale, e até as portas do Ecrón. E caíram os
feridos dos filisteus pelo caminho do Saaraim até o Gat e Ecrón

53 E voltaram os filhos do Israel de seguir depois dos filisteus, e saquearam seu


acampamento

54 E David tomou a cabeça do filisteu e a trouxe para Jerusalém, mas as armas


dele as pôs em sua loja

55 E quando Saúl viu o David que saía a encontrar-se com o filisteu, disse a
Abner general do exército: Abner, de quem é filho esse jovem? E Abner
respondeu

56 Vive sua alma, OH rei, que não sei. E o rei disse: Pergunta de quem é
filho esse jovem

57 E quando David voltava de matar ao filisteu, Abner tomou e o levou diante


do Saúl, tendo David a cabeça do filisteu em sua mão

58 E lhe disse Saúl: Moço, de quem é filho? E David respondeu: Eu sou


filho de seu servo Isaí de Presépio

1.

Soco.

Mencionada antes no Jos. 15: 35, é a moderna Khirbet 'Abbád, situada a um


pouco mais da metade do caminho entre Jerusalém e a cidade filistéia do Gat.
Esta população pertencia à tribo do Judá, e estava a 27 km ao sudoeste de
Jerusalém.

Fs-damim.

Ou Ps-damim, como figura em 1 Crón. 11: 11-13, onde se apresenta a lista de


os valentes do David. O nome significa "a fronteira de sangues", possivelmente
devido a que houve muitas lutas nessa zona.

2.

Vale de L.

Um fértil vale de suaves ladeiras que se levantam o este e ao oeste, e que


corre por vários quilômetros em direção noroeste desde o Soco.

3.

O vale entre eles.

Pelo centro do vale de L corre um wadi chamado Wadi é Sant do qual se


fala neste versículo como de um "vale". Heb. gaye'. Isto é muito diferente
do "vale", Heb. 'émeq, de L (vers. 2). A primeira palavra hebréia se usa
para uma garganta regada por uma corrente durante a estação chuvosa, a segunda
para um vale amplo e fértil. Este gaye' era quase infranqueável exceto em
certos pontos, e nesse respeito é similar ao wadi que está frente a Micmas
(ver com. cap. 14: 4-10). Saúl e seu exército acamparam nas colinas do lado
oriental deste gaye', e os filisteus fortificaram as colinas do oeste (ver
1 Cron 11: 13).
4.

Goliat.

Possivelmente de galah, "desentupir", "apartar", o nome Goliat possivelmente signifique


"exílio", no sentido de que Goliat foi "afastado" de seu povo ancestral, e
portanto era filisteu só no sentido de que vivia entre essa gente. Se
acredita que descendia dos anaceos (ver com. Deut. 9: 2). Sua estatura de 6
cotovelos e um palmo, ou 61/2 cotovelos, seria o equivalente a 2,9 M. Outros hão
sugerido que o nome Goliat poderia significar "conspícuo". Mas neste caso
-como no caso de "exílio"-tudo se apóia na possibilidade de que Goliat fora
um nome semítico.

Gat.

Uma das cinco cidades principais de Filistéia. desconhece-se sua localização


(ver 2 Rei. 12: 17).

5.

Malha.

A "malha" dos soldados dos tempos bíblicos consistia em um peitilho


superior e uma armadura que protegia o abdômen. Onde quer que as duas
peças não encaixassem perfeitamente, ficava um ponto vulnerável no corpo do
soldado (1 Rei. 22: 34).

Cinco mil siclos

O equivalente a 57 kg.

6.

Grebas.

Pranchas magras de metal que se levavam na parte dianteira das


pernas, debaixo dos joelhos.

Fêmea de javali.

Ou um "escudo" ou "maça", que evidentemente se levava às costas, pendurando


entre os ombros.

7.

O ferro de sua lança.

Seu peso seria de 6,82 kg. Embora a armadura deste paladín era de bronze, a
ponta de sua lança era de ferro, metal relativamente novo e mais caro.

8.

O filisteu.

O uso do artigo definido aqui implica egoismo de parte do antagonista de


David. Estava orgulhoso de sua habilidade e se glorificava de seu título conspícuo.
Este título do Goliat se usa mais de 25 vezes no capítulo em contraste com seu
nome pessoal que só se usa duas vezes (vers. 4, 23). É obvio, os
filisteus sabiam que a Deidade do Israel era superior ao Dagón (cap. 5: 1-7).
Tinham fugido aterrorizados da Mizpa (cap. 7: 10- 13). Além disso, depois de anos
de tranqüilidade (cap. 7: 13), tinham sido testemunhas do sorpresivo ataque de
Jonatán que lhes arrebatou 536

BATALHA DO David E GOLIAT

537 muito material bélico (cap. 14: 31, 32). A contra gosto, os filisteus
ainda eram da mesma opinião e tendo encontrado um paladín, decidiram
renovar o ataque.

9.

Se eu poderia mais.

Na antigüidade, com freqüência existia o costume de decidir as lutas


tribais mediante combate singulares, nos quais se considerava que havia
sido derrotado o exército do rei ou caudilho perdedor. Quando Josafat foi com
Acab a guerrear contra os sírios, o rei de Damasco ordenou a seus capitães que
lutassem "só contra o rei do Israel" (1 Rei. 22: 31). Entretanto, esse não
foi um combate singular. Quando se combatiam a casa do Saúl com a do David,
escolheram-se 12 homens de cada lado para decidir o resultado. A
conseqüência foi que "Abner e os homens do Israel foram vencidos" (2 Sam. 2:
12-17), embora não participaram da luta.

10.

Desafiado.

Literalmente, "reprovado" ou "desprezado", quer dizer por não aceitar o desafio


do Goliat. Pontuou aos homens do Israel de ser covardes e extremamente faltos de
fidalguia. O wadi que separava às forças contendoras era tão difícil de
cruzar, que se qualquer delas se arriscava a dar um ataque frontal,
estava quase segura da derrota. Os filisteus estavam tão confiados de que
fisicamente não podia encontrar-se nenhum rival que pudesse fazer frente a seu
paladín, que propuseram decidir a batalha mediante um combate singular. Este
desafio continuou diariamente durante mais de um mês (vers. 16).

11.

turvaram-se.

Na passagem do cap. 2: 10 esta mesma forma verbal se traduz "quebrantados".


A raiz significa "ser destroçado", o que se refere a um estado mental ou
físico. Neste caso Saúl -déspota egotista -teve que fazer frente a outro
fanfarrão, e não sabia o que fazer. Além disso, Saúl era um gigante entre seu próprio
povo, e lógicamente era o que devia aceitar o desafio. Dos ombros para
acima sobressaía entre os seus e tinha um casco de bronze e uma couraça de
malha (vers. 38); entretanto, tremia ante o Goliat. Embora tinha renunciado a
a presença e ao amparo do Espírito de Deus, compreendia que devia
triunfar nesta grave dificuldade ou perderia seu prestígio ante o povo.
Tinha o espírito quebrantado e a consciência turvada; dava-se conta de que o
dilema em que se colocou ele mesmo e seu exército se fazia mais difícil com
cada hora que passava. A longitude do profundo terreno baixo que corria pelo
vale de L não podia ser mais que de uns poucos quilômetros. Isso significaria
que os exércitos rivais não eram muito grandes; do contrário, antes de um
mês, um exército ou o outro teria feito um movimento de flanqueio para rodear
os extremos do vale.
15.

David tinha ido e voltado.

Não é claro se isto se referir à presença do David na corte a fim de


tocar e cantar para o Saúl, ou a viagens repetidas, de ida e volta, ao acampamento
israelita para levar alimento. O fato de que a afirmação apareça no
contexto do relato do Goliat pareceria coincidir com esta última explicação.
Possivelmente David era um dos encarregados de levar alimento para os homens que
estavam no fronte. Por outro lado, os vers. 13-15 possivelmente expliquem por que
David -que já estava na corte do Saúl de acordo com o capítulo precedente
(cap. 16: 19-23)- estava agora em casa e não com o Saúl. O autor de 1 Samuel
possivelmente acreditou necessário explicar este fato a seus leitores, e o fez afirmando
que David não estava permanentemente na corte do Saúl, mas sim aparecia ali
só ocasionalmente. O autor faz notar depois que David era tão somente um
jovem (cap. 17: 14, 42, 56), em contraste com seus irmãos maiores que
"seguiram ... ao Saúl" (vers. 14).

Os comentadores não estão de acordo quanto a se este combater com os


filisteus ocorreu antes ou depois de que David fora a corte a fim de tocar
para o Saúl (cap. 16: 18-23). O fato de que Saúl mais tarde não reconhecesse a
David (cap. 17: 55-58), junto com a repetição dos nomes de seus irmãos
em cap. 17: 13, 14 (ver cap. 16: 6-11), indica mas bem que a ordem destes
capítulos poderia investir-se sem criar nenhuma dificuldade cronológica grave.
Muitas vezes a Bíblia continua com um pensamento ou relato até sua conclusão
antes de voltar para tomar outro fio de argumento ou relato, a fim de fazer cada
unidade completa em si mesmo (ver com. Gén. 25: 19; 27: 1; 35: 29; Exo. 16: 33,
35; 18: 25). Se fosse assim neste caso, a declaração do cortesão do Saúl
a respeito do David que o descreve como "valente e vigoroso e homem de guerra"
(1 Sam. 16: 18) pareceria ter mais significado. Por outro lado, se David já
tinha dado morte ao Goliat, que falou poderia haver-se referido a ele como a um
grande herói nacional (cap. 18: 5-9). Mas se David já se 538 houvesse
distinto como o vencedor do Goliat, teria necessitado Saúl que se o
dissesse quem era David? Além disso, do tempo quando David matou ao Goliat,
"Saúl tomou ... e não lhe deixou voltar para casa de seu pai" (cap. 18: 2; cf. PP
703). Entretanto, quando Saúl pediu ao Isaí que mandasse ao David para que
tocasse e cantasse na corte, referiu-se ao David como "seu filho, que está com
as ovelhas" (cap. 16: 19), e ao começo do relato do Goliat, David ainda
cuidava as ovelhas em Presépio (cap. 17: 15). Ver também com. caps. 17: 55; 18:
1.

16.

Quarenta dias.

Durante mais de um mês Goliat repetiu seu desafio diário. O fato de que
durante esse tempo os filisteus não tivessem feito nenhuma tentativa para
flanquear ao exército do Israel, implica que desde sua desastrosa derrota em
Micmas os filisteus não tinham sido o suficientemente fortes para fazer
um ataque em grande escala. Agora se valiam de uma intimidação e da
possibilidade de uma vitória mediante um combate singular. Sua precipitada
retirada depois da morte do Goliat, robustece esta conclusão.

17.

Grão.
Provavelmente cevada ou trigo.

18.

Ao chefe.

O ter em conta ao chefe do regimento em que serviam Eliab, Abinadab e Sama


tinha o propósito de induzi-lo a que tivesse em conta a esses três soldados
cetins de sua tropa e fora considerado com eles.

20.

levantou-se, pois, David de amanhã.

Só havia uma distância de 25 km indo pelo caminho de Presépio ao Soco.


Estando familiarizado com o país, possivelmente David conhecia atalhos que reduziam
muito a distância (ver o mapa da pág. 536). Pareceria que não houvesse
empregado mais de quatro ou cinco horas para fazer a viagem. Possivelmente já era bem
entrada a manhã quando chegou David, mais ou menos quando Goliat se adiantava
para lançar seu desafio (ver vers. 16).

26.

Quem é este filisteu incircunciso?

Literalmente, "quem é o filisteu, este incircunciso?" David expressou com


ênfase seu desdém pelo gigante que mantinha aterrorizados ao Saúl e seus
homens. Com fé em Deus, uma fé que Saúl também poderia ter tido, David não
ficou impressionado no mais mínimo pela estatura do Goliat. Se Saúl houvesse
sido obediente a Deus, bem poderia ter sido sua a vitória; mas Deus não
podia lhe conceder uma vitória como esta. alude-se ao Goliat, em todo o
capítulo, como "o filisteu". Ao David custava ocultar seu desprezo por esse
fanfarrão. Até as recriminações de seu irmão (vers. 28) não o acovardaram. De
muitas bocas ouviu o que se dizia do Goliat, e falou com tal determinação que
a notícia logo chegou até o Saúl.

32.

Disse David ao Saúl.

Que contraste: um humilde pastorcillo animando a tão experiente e bem-sucedido


guerreiro do Israel! Saúl, o único gigante do Israel (cap. 10: 23), compreendia
que ele deveria ter sido quem aceitasse o desafio do Goliat. Mas seu
consciência culpado o fazia temeroso. Se tivesse havido amor de Deus em seu
isso coração teria sido suficiente para expulsar todo temor; mas não habitava
nele nada do amor de Deus. Em seu lugar só havia o "tortura" de uma
consciência culpado (ver 1 Juan 2: 5; 4: 18). Pelo contrário, David
irradiava aquele espírito de genuíno otimismo e valor que é a insígnia de
"uma consciência sem ofensa ante Deus e ante os homens" (Hech. 24: 16; cf.
Sal. 51: 10, 11). era tão valente como Saúl era covarde.

36.

provocou.

David era ciumento do bom nome do Israel e do Deus do Israel, como o havia
sido Moisés antes dele (Exo. 32: 12, 13; Núm. 14: 13-16; Deut. 9: 26-29; cf.
Eze. 20: 9). A inatividade do povo de Deus em um tempo de vergonha e
crise era mais do que David podia suportar.

37.

Liberará-me.

Uma vez Saúl tinha pedido grandes costure de Deus e tinha tentado grandes costure
para ele. Entretanto, depois que o orgulho e a glorifica do eu lhe haviam
cheio o coração, parecia-lhe insuperável cada obstáculo. Em seu esforço por
vindicarse esqueceu de que tudo é possível com Deus. A melhor forma
em que Deus podia impressioná-lo com sua falta era permitindo que no David se
repetisse o amparo providencial com que Deus o tinha amparado no
passado. O Espírito de Deus uma vez se empossou do Saúl. Agora
teria a oportunidade de ver o que ele mesmo poderia ter sido se não se
tivesse rebelado contra aquele Espírito. Outra vez estava em um dilema. Se
recusava que lutasse David, o exército esperaria que ele, como rei, fora o
paladín de sua causa. Se deixava que lutasse David, e Goliat o matava, se
teria perdido a batalha e Israel outra vez estaria sob o jugo dos
filisteus. Para salvar sua própria vida e reputação Saúl enviou ao David ao
combate. Mas o mesmo 539 médio que usou Saúl em um esforço por salvar seu
reputação como rei e caudilho resultou em sua perda (cap. 18: 6-9). Resultou
evidente que sem Deus, Saúl era incapaz de confrontar a seus inimigos (cap. 14:
24; cf. 15: 23) e que eram de Deus as vitórias passadas pelas quais ele
tinha recebido a reputação.

38.

Saúl ... lhe armou de couraça.

Saúl estava em um apuro e fez tudo o que pôde a fim de assegurar o êxito de
David. Confiou em sua armadura; David confiou em Deus (ver vers. 45).

39.

Provou a andar.

"Tentou David caminhar" (BJ).

Nunca o pratiquei.

Saúl era um covarde. Tinha uma armadura, mas sabia que não podia confrontar a
Goliat com sua própria força. Com prudência visível primeiro recusou permitir
que David lutasse, devido a sua juventude. Logo deu outra prova de seu
insensatez tratando de dar sua própria armadura ao David.

A cortês resposta do David: "Nunca o pratiquei", é uma evidência de (1) seu


fé em outra equipe que tinha provado antes e (2) sua confiança em experiências
passadas ao confrontar novas situações que surgiam (ver 3JT 443). David
atribuiu ao poder de Deus a vitória até sobre animais selvagens. O perigo
tinha desenvolvido nele um valor santificado, e sua fidelidade nas coisas
pequenas o tinha preparado eficazmente para que lhe confiassem as maiores.
Tinha demonstrado ser um pastor digno de confiança quando velava pelos rebanhos
de seu pai. Agora foi chamado a ser o paladín da causa do rebanho de seu
Pai celestial (ver Eze. 34: 5, 23; 37: 24; Mat. 9: 36; 25: 33; Juan 10: 12,
13). O proceder que escolheu estava condicionado por suas próprias convicções
espirituais antes que pelo julgamento não santificado de outros, sem tomar em
conta sua posição. Quanto depende um da pureza de motivos quando empreende
uma empresa perigosa! David não podia lutar com a armadura do Saúl; devia
ser ele mesmo. O propósito de Deus é que cada pessoa se dirija com sua própria
armadura. Vemos um homem na vida pública que sabe levar-se com a gente,
e copiamos suas maneiras esperando ter êxito dessa forma. Mas Deus necessita
homens que eles sejam mesmos, que aprendam das experiências de cada dia o
que precisam saber a fim de resolver os problemas do manhã. Graças a Deus
por quem se atreve a usar quão médios Deus lhes há provido.

44.

Darei sua carne.

Possivelmente uma forma comum para desafiar a um combate (ver Apoc. 19: 17, 18).

45.

Você vem ... eu venho.

Hei aqui um claro contraste entre duas formas distintas de vida. Goliat
representa a segurança da fortaleza pessoal, o orgulho da exaltação
própria, a vaidade da aclamação popular, a indomável ferocidade da paixão
humana. David manifesta uma tranqüila confiança na fortaleza divina e a
determinação de glorificar a Deus ao levar a cabo sua vontade. O móvel de
David -expresso aqui e mais tarde em sua vida- não era o de fazer sua própria
vontade nem chegar a ser famoso ante os olhos de seus próximos, mas sim "toda
a terra" soubesse que havia "Deus no Israel" (vers. 46).

50.

Assim venceu David.

Quão rapidamente uma prova seguiu à outra. Esta foi a terceira vitória de
David em um dia. Sua primeira vitória se apresentou quando Eliab se mofou dele
lhe dizendo que não servia para nada a não ser para cuidar ovelhas. haveria-se
justificado uma resposta áspera; em troca, com tranqüilo domínio próprio, tão
só disse: "O que tenho feito eu agora? Não é isto mero falar?" (vers. 29). Um
caráter tal não nasce em um momento. Se não tivesse aprendido paciência com seus
ovelhas, não teria tratado com paciência a seus ciumentos irmãos. Evitando uma
questão, David demonstrou que dominava seu temperamento. Tal foi o caso de
Cristo quem, tendo demonstrado sua humildade ante a mais dura provocação,
disse:"Aprendam de mim, que sou manso e humilde de coração; e acharão descanso
para suas almas" (Mat. 11: 29). Só assim a gente pode chegar a ser um
verdadeiro condutor de outros. Esta é uma lição que todos devemos aprender.

David ganhou sua segunda vitória quando o levaram a presença de seu rei.
Olhando ao corajoso jovem, o rei não pôde menos que contrastar a inexperiência
juvenil e falta de preparação militar com a astúcia do guerreiro
experiente. Se Saúl, com toda sua imponente personalidade, tinha fugido o
combate com o Goliat, como podia tentá-lo um mozuelo como David (1 Sam. 17:
33). Sem sonhar sequer na possibilidade de uma intervenção sobrenatural,
Saúl plantou sementes de dúvida na mente do David, e o incitou a levar a
armadura do rei. Mas outra vez, com cortês deferência, David obteve a
vitória sobre a dúvida aferrando-se a seu propósito inspirado 540 pelo céu de
manter sua fé e total dependência do Senhor.

Tudo isto o preparou bem para sua terceira vitória: a que obteve sobre o
filisteu, que era a mesma personificação da blasfêmia. Foi uma vitória
das forças espirituais sobre a força da matéria bruta. Em vista de
os acontecimentos dos meses prévios, quão necessário era que se acostumasse
esta lição ao Israel! Em resposta à maldição do Goliat, David clamou em
triunfo: "Venho a ti no nome" do "Deus dos esquadrões do Israel"
(vers. 45). Uma singela pedra do arroio, unida à habilidade de um
moço e sua confiada entrega ao Deus eterno, deu aos israelitas uma lição
que nunca foram esquecer, embora poucas vezes a emularam.

51.

Fugiram.

fez-se evidente a perfídia dos filisteus no momento em que foi morto


seu paladín. Tinham prometido converter-se em servos dos israelitas se era
morto Goliat (vers. 9). Ao fugir, renunciaram ao acerto que tinham proposto
ao exército do Saúl, e além disso demonstraram que se Goliat tivesse vencido,
teriam sido inmisericordes com o Israel. A morte teria sido preferível à
escravidão que tivessem proposto como um gesto de magnanimidade.

53.

Saquearam seu acampamento.

Quando os israelitas perseguiram o inimigo, que agora se dispersava em todas


direções, possivelmente devastaram povos que estavam detrás da linha de combate
e mataram a muitos além dos filisteus no Soco. Josefo (Antiguidades vi. 9.
5) diz que mataram a 30.000 e feriram o dobro desse número.

54.

A Jerusalém.

Quer dizer, finalmente foram ali. David não tivesse levado a cabeça a
Jerusalém imediatamente porque os jebuseos ainda dominavam essa cidade, e
tão somente foi arrebatada depois da coroação do David (ver 1 Crón. 11:
4-8; 2 Sam. 5: 6-9). O historiador consigna aqui o último lugar de descanso
desse troféu, sem tomar em conta o elemento cronológico comprometido. É
indubitável que a armadura do Goliat foi levada a lar do David em Presépio (ver
com. 2 Sam. 18: 17; cf. 1 Sam. 4: 10; 13: 2; etc.), e sua espada foi levada a
Nob (ver cap. 21: 9).

55.

De quem é filho?

Ver com. cap. 18: 1, 2.

56.

Não sei.

É evidente que Abner não se relacionou antes com o David e que, pelo
tanto, David não era bem conhecido na corte. Sem dúvida tinha sido apresentado
tão somente como um músico visitante e não tinha chegado a ser membro da corte
(ver PP 696).

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-58 CV 162-164; Ev 118; PP 698-702


4-8 CV 162

4-10 PP 700

13 PP 698

15 Ed 146, 159

17, 18, 20, 26, 28 PP 698

29, 32 PP 699

32 CV 163

34, 35 DTG 445; PP 698

37 PP 699

38, 39 Ev 495, 496

38-47 PP 700

39-47 CV 164

47 1JT 338

48-54 PP 702

CAPÍTULO 18

1 Jonatán ama ao David. 5 Saúl fica invejoso por causa dos louvores dados
ao David, 10 e trata de matá-lo em meio de sua fúria. 12 Lhe teme por causa de seu
êxito, 17 e oferece a suas filhas para lhe tender uma armadilha. 22 David é
persuadido a converter-se em genro do rei em troca de duzentos prepúcios de
os filisteus. 28 O ódio do Saúl para o David aumenta e se acrescenta o
avaliação da gente pelo David.

1 ACONTECIO que quando ele teve acabado de falar com o Saúl, a alma do Jonatán
ficou ligada com a do David, e o amou Jonatán como a si mesmo.

2 E Saúl tomou aquele dia, e não lhe deixou voltar para casa de seu pai.

3 E fizeram pacto Jonatán e David, porque lhe amava como a si mesmo.

4 E Jonatán se tirou o manto que levava, e o deu ao David, e outras roupas


delas, até sua espada, seu arco e seu talabarte.

5 E saía David a em qualquer lugar que Saúl o 541 enviava, e se comportava


prudentemente. E o pôs Saúl sobre gente de guerra, e era aceito aos olhos
de todo o povo, e aos olhos dos servos do Saúl.

6 Aconteceu que quando voltavam eles, quando David voltou de matar ao filisteu,
saíram as mulheres de todas as cidades do Israel cantando e dançando, para
receber ao rei Saúl, com pandeiros, com cânticos de alegria e com instrumentos
de música.

7 E cantavam as mulheres que dançavam, e diziam:


Saúl feriu seus milhares,

E David a seus dez e milhares.

8 E se zangou Saúl em grande maneira, e lhe desagradou este dito, e disse: Ao David
deram dez e milhares, e a mim milhares; não lhe falta mais que o reino.

9 E desde aquele dia Saúl não olhou com bons olhos ao David.

10 Aconteceu ao outro dia, que um espírito mau de parte de Deus tomou ao Saúl, e
ele desvairava em meio da casa. David tocava com sua mão como os outros
dias; e tinha Saúl a lança na mão.

11 E arrojou Saúl a lança, dizendo: Cravarei ao David à parede. Mas David


evadiu-o duas vezes.

12 Mas Saúl estava temeroso do David, por quanto Jehová estava com ele, e se
tinha afastado do Saúl;

13 pelo qual Saúl o afastou de si, e lhe fez chefe de mil; e saía e entrava
diante do povo.

14 E David se conduzia prudentemente em todos seus assuntos, e Jehová estava com


ele.

15 E vendo Saúl que se comportava tão prudentemente, tinha temor dele.

16 Mas todo o Israel e Judá amava ao David, porque ele saía e entrava diante de
eles.

17 Então disse Saúl ao David: Hei aqui, eu te darei Merab minha filha maior por
mulher, contanto que me seja homem valente, e brigue as batalhas do Jehová.
Mas Saúl dizia: Não será minha mão contra ele, mas sim será contra ele a mão de
os filisteus.

18 Mas David respondeu ao Saúl: Quem sou eu, ou o que é minha vida, ou a família
de meu pai no Israel, para que eu seja genro do rei?

19 E chegado o tempo em que Merab filha do Saúl se tinha que dar ao David, foi
dada por mulher ao Adriel meholatita.

20 Mas Mical a outra filha do Saúl amava ao David; e foi dito ao Saúl, e o
pareceu bem a seus olhos.

21 E Saúl disse: Eu a darei, para que lhe seja por laço, e para que a mão de
os filisteus seja contra ele. Disse, pois, Saúl ao David pela segunda vez: Você
será meu genro hoje.

22 E mandou Saúl a seus servos: Falem em segredo ao David, lhe dizendo: Hei aqui
o rei te ama, e todos seus servos lhe querem bem; sei, pois, genro do rei.

23 Os criados do Saúl falaram estas palavras aos ouvidos do David. E David


disse: Parece-lhes com vós que é pouco ser genro do rei, sendo eu um homem
pobre e de nenhuma estima?

24 E os criados do Saúl lhe deram a resposta, dizendo: Tais palavras há


dito David.

25 E Saúl disse: Digam assim ao David: O rei não deseja a dote, a não ser cem prepúcios
de filisteus, para que seja tomada vingança dos inimigos do rei. Mas Saúl
pensava fazer cair ao David em mãos dos filisteus.

26 Quando seus servos declararam ao David estas palavras, pareceu bem a coisa a
os olhos do David, para ser genro do rei. E antes que o prazo se cumprisse,

27 se levantou David e se foi com sua gente, e matou a duzentos homens dos
filisteus; e trouxe David os prepúcios deles e os entregou todos ao rei, a
fim de fazer-se genro do rei. E Saúl lhe deu sua filha Mical por mulher.

28 Mas Saúl, vendo e considerando que Jehová estava com o David, e que sua filha
Mical o amava,

29 teve mais temor do David; e foi Saúl inimigo do David todos os dias.

30 E saíram a campanha os príncipes dos filisteus; e cada vez que saíam,


David tinha mais êxito que todos os servos do Saúl, pelo qual se fez de
muita estima seu nome.

1.

Quando ele teve acabado.

O relato continua sem interrupção. Tendo prometido Saúl atraentes


recompensa ao que matasse ao Goliat (cap. 17: 25), fez chamar então ao David
e perguntou quem era. Se inserirmos a passagem do cap. 16: 14-23 entre os
vers. 9 e 10 do cap. 18 como o fazem alguns eruditos, a primeira relação de
Saúl com o David haveria 542 sido no fronte de batalha e a irritação do Saúl
teria se produzido pela adulação que o povo prodigalizou ao David (vers. 6,
e 7). Entretanto, se o relato seguir uma ordem cronológica, a pergunta de
Saúl (cap. 17: 55) poderia explicar-se caso que tinha emprestado tão pouca
atenção ao humilde músico da lira durante seus períodos de retraimento que
não sabia quem era David, e nesse caso a passagem do cap. 16: 21 se
consideraria como que menciona algo que aconteceu depois. Isto último parece
preferível (ver com. cap. 16: 21). Seja como for, posto que David era tanto
um herói militar como um inspirado músico, não é de sentir saudades que Saúl não o
permitisse "voltar para casa de seu pai" (cap. 18: 2). Ver também com. cap. 17:
15.

A alma do Jonatán.

A tenra amizade entre o David e Jonatán é o exemplo clássico de almas afins


que se reconhecem mutuamente ideais comuns e se regozijam com sua relação.
Jonatán já tinha expresso desconformidad pelo proceder de seu pai e por seu
conduta (cap. 14 : 29). Para ele, as humildes e espirituais respostas de
David às perguntas do Saúl -nas que dava toda a glória a Deus pelas
proezas do passado- foram como água lhe refrigerem para um viajante cansado e
sedento. Para o Jonatán, o herói do Micmas, devem ter existido tristes horas
de desengano e frustación devido à falta de discernimento espiritual de seu
pai. Não se dava conta Jonatán de que -em forma de tudo desconhecida para
ele- a mesma fé em Deus e a entrega a sua condução estavam amoldando outra
vida a uns poucos quilômetros para o sul.

2.
Saúl tomou.

David se converteu em cortesão do Saúl, unido em forma estável à casa real.


O relato da passagem do cap. 16: 14-23 dificilmente poderia seguir a esta
ação do Saúl (ver com. cap. 18: 1).

3.

Pacto.

Possivelmente feito com posterioridad e registrado aqui a maneira de introdução para


o relato da amizade do David e Jonatán. O pacto de amizade deve haver
sido o resultado de inumeráveis conversações, de expedições levadas a
cabo juntos, de um afeto amadurecido. Na formosa amizade destes dois espíritos
consagrados e ardentes temos o privilégio de contemplar algo dos
sentimentos de Cristo quando um dia contemple na vida de seus redimidos a
mesma visão espiritual, a mesma humildade de alma, a mesma tranqüilidade de
espírito, a mesma obediência aos eternos princípios da verdade que
reinaram em seu coração divino enquanto esteve aqui na terra. Assim, em que pese a
a intensa aflição de sua alma, ficará satisfeito (ISA. 53: 11). De grande
gozo será o céu para as almas afins, com uma eternidade de companheirismo por
diante.

4.

Jonatán se tirou o manto.

Seu amor pelo David foi tão grande, que esteve preparado para dizer, como o
faria Juan o Batista séculos mais tarde: "É necessário que ele cresça, mas que
eu mingúe" (Juan 3: 30). Contemplava no David o que uma vez sonhou que ele mesmo
poderia ter chegado a ser. Todos os rasgos louváveis dos dois caracteres
foram aglutinados por um verdadeiro afeto, e Jonatán compreendeu que a
felicidade consiste em amar antes que em ser amado. Cristo nos amou de tal
maneira que voluntariamente se despojou de todas suas prerrogativas divinas (Fil.
2: 6-8) a fim de que pudesse iluminar "a todo homem" (Juan 1: 9).

5.

Salia David a em qualquer lugar.

A semelhança do Moisés na corte de Faraó, David recebeu uma preparação em


assuntos administrativos que ia ser lhe útil em anos vindouros. Foi colocado
em um posto do qual podia ver a vida em todos seus aspectos, e Deus o
deu perspicácia espiritual para que pudesse distinguir entre o correto e o
errôneo. A semelhança do Daniel, David manteve sua integridade em um ambiente que
não tinha escolhido, nem temeu a contaminação. Deus não vacila em colocar a seus
servos na mesma voragem do egoísmo humano, sabendo que quanto mais
escura seja a noite, mais brilhante será a luz que irradiem. David, que havia
sido um respeitoso filho na casa de seu pai, Isaí, demonstrou sua idoneidade
como fiel embaixador do rei.

Pô-lo Saúl sobre.

Saúl cumpriu sua promessa de honrar ao homem que esteve disposto a aceitar o
desafio que tinham declinado seus próprios soldados. Embora era pouco mais que um
jovem, David se comportou com tão louvável discrição que todos o aceitavam
facilmente. Eram óbvios seus excelentes rasgos de caráter. Isto não significa
que substituiu ao Abner que tinha sido -e seguia sendo- capitão das forças
armadas.

8.

Não lhe falta mais que o reino.

Não se dá um intervalo entre o anúncio da eleição Por Deus de outro homem


"melhor que você" (cap. 15: 28) como rei, e esta experiência do David na corte
real. Embora seja provável que houvessem 543 passado vários anos, com segurança
Saúl estava à expectativa de indícios que lhe mostrassem ao homem que devia
ser seu sucessor (ver vers. 9). Acabava de demonstrar sua debilidade ante os
filisteus, e se não tivesse sido pela façanha deste jovem pastor, poderia
ter perdido sua própria vida. Entretanto, incomodava-lhe o pensamento de que
esse moço a quem tinha honrado colocando perto de si poderia estar
lhe arrebatando o afeto do povo e também do exército. Que classe de
gratidão era essa? O tempo não tinha aliviado a ardência da recriminação
profético (ver cap. 15: 23). Outra vez Saúl expressou sentimentos de descontente
e más hipóteses, até que por fim se transtornou sua mente ciumenta.

10.

Um espírito mau.

Ver com. cap. 16: 15, 16. Embora Deus permite que chegue a tentação, nunca
prova ao homem para que peque (Sant. 1: 13; cf. 1 Cor. 10: 13).

Desvairava.

"Delirada" (BJ). "Mostrábase em sua casa com trasportes de profeta" (RVA). A


forma verbal que aqui se emprega, embora com freqüência se usa para uma profecia
verdadeira, pode também referir-se aos sussurros dos falsos profetas. O
frenesi arrebatado do Saúl se devia a um espírito de paixão violenta, possivelmente
unido com a esperança de impressionar a seus cortesãos com sua santidade.

David tocava.

Que contraste entre estes dois homens! Movido por uma fúria ciumenta, Saúl
tomava sua lança com o propósito deliberado de matar ao David. Este
provavelmente sentia o perigo, e compreendendo a causa da paixão do Saúl
aferrava-se de sua harpa com a qual procurava aliviar a tensão mental do rei.

12.

Saúl estava temeroso.

A razão do Saúl para temer ao David era sua convicção de que Deus se havia
afastado dele para favorecer ao David. Mas, apartou-se
deliberadamente o Senhor do Saúl ou foi este quem renegou de seu Pai celestial?
devido a que Deus dotou ao homem da faculdade da livre eleição, ele
não o restringe pela força se rechaça seu conselho. Adão renegou de Deus
quando se rendeu às sugestões do adversário. Abandonou-o Deus? Pablo
deliberadamente perseguiu à igreja de Cristo. Abandonou-o Deus? Se foi
assim, como pôde afirmar Pablo mais tarde que "Cristo Jesus veio ao mundo para
salvar aos pecadores, dos quais eu sou o primeiro"? (1 Tim. 1: 15).

Mediante o ministério do David, o Senhor estava chamando o coração endurecido


do Saúl, convidando-o a voltar e a dar-se conta do poder curador de Deus em
favor dele. Embora Saúl irreversivelmente se desqualificou como rei,
ainda podia encontrar salvação como indivíduo (ver com. cap. 15: 23, 35).

13.

Saúl o afastou de si.

Desde seu próprio ponto de vista egoísta, um dos grandes enganos da vida
do Saúl foi quando apartou ao David de seu corte e o "fez chefe de mil". Nunca
mais a melodia da música do David acalmaria a aflição do Saúl. Nenhum
outro podia sustentar a mão do rei diante do público como o tinha feito
David, indo "em qualquer lugar que Saúl lhe enviava" (vers. 5). Obcecado pelo
desejo de matar ao David, Saúl realizou precisamente o que fez mais difícil que
humilhasse-se e se voltasse para seu Pai celestial.

14.

conduzia-se prudentemente.

"Executava com êxito" (BJ) como o diz implicitamente a forma verbal hebréia.
As faltas cometidas pelos homens que estão no poder ao tratar a seus
subordinados, facilmente podem ser usadas por estes mesmos como degraus para
o êxito se procederem com sabedoria. David aceitou sua descida de categoria
-pois assim parece que foi- com toda humildade, e em sua nova função ganhou a
admiração de todo o Israel. Não houve recriminações nem se compadeceu de si
mesmo devido ao injusto trato. David se manteve alegre e espiritual como
sempre tinha sido. Sendo muito amado pelo Senhor, apesar da ira do rei,
estava recebendo precisamente a preparação que necessitava antes de entrar em
o desempenho das responsabilidades da liderança. Deus adapta a disciplina
da vida às necessidades peculiares de cada indivíduo que se propõe ser
fiel ao dever.

16.

Saía e entrava.

Os deveres atribuídos ao David eram de tal natureza para mantê-lo


constantemente à vista do público.

17.

Seja-me homem valente.

Aqui ressaltam em agudo contraste duas personalidades diferentes: a ardilosa


duplicidade do Saúl contra a simplicidade e a reta conduta do David. Saúl não
só estava turbado por sua consciência, mas sim secretamente também temia ao
povo, o qual amava ao David e lhe expressava sua lealdade em voz alta. Ciumento
por cada palavra de louvor que se pronunciava em favor do jovem, Saúl
recorreu à duplicidade -o recurso favorito 544 dos egoístas-, a
adulação manifesta e a maquinação secreta. Parece que ao princípio David
não se deu conta das armadilhas que lhe tinham tendido. Aceitou tanto a
promoção como o descida de categoria com o mesmo espírito da humildade
disposta a cooperar. Sendo de coração puro diante de Deus, só se
preocupava com o desempenho eficiente de cada tarefa que lhe atribuía, e se
manteve sereno ante o perigo pessoal.

Não será minha mão.

Saúl não estava preparado ainda para tirar a vida ao David diretamente.
Esperava realizar seu propósito indiretamente, a fim de evitar a má vontade
do povo.

18.

Quem sou eu?

Merab, a filha maior do Saúl -o nome dela significa "aumento",


"multiplicação" (ver ISA. 9: 6, 7)- evidentemente tinha sido prometida ao David
como parte da recompensa por matar ao Goliat (1 Sam. 17: 25), ou com a
esperança de persuadi-lo para que aceitasse correr o risco de outros ataques
contra os filisteus. A vacilação do David em casar-se com o Merab pode
haver-se devido a que não estava em condições para dar a dote requerida.

19.

Foi dada.

Ao princípio, provocado pelo rechaço do David, Saúl não pôde ocultar seu
crescente antipatia pelo recém renomado capitão. Então deu Merab a
Adriel, que significa "minha ajuda é Deus", caso que a palavra seja aramaica.

Meholatita.

Abel-mehola, o lugar de nascimento do Eliseo, era um povo que não estava


longe do Bet-seán (1 Rei. 4: 12; 19: 16), possivelmente ao leste do Jordão no Tell o
Maqlub, lugar anteriormente identificado com o Jabes do Galaad (ver com. Juec. 7:
22). A duplicidade do Saúl devesse ter aberto os olhos do David, mas como
ainda ele considerava que outros eram sinceros como ele o era, submeteu-se
humildemente a que Saúl anulasse o primeiro convênio matrimonial.

21.

Seja-lhe por laço.

Saúl urdiu uma trama para que, mediante sua filha Mical, tivesse ainda uma
oportunidade para levar a cabo seu nefasto plano de destruir ao David. Ia a
pedir uma dote de tal natureza, que com toda probabilidade realizasse seu
propósito em uma forma até melhor que a que tivesse sido possível se lhe houvesse
dado ao Merab. Saúl ficou muito agradado, mas tinha que proceder com muita
cautela pois David não devia saber que Mical estava apaixonada por ele.

Pela segunda vez.

refere-se a que esta era a segunda proposição feita ao David.

22.

Mandou Saúl a seus servos.

Saúl deliberadamente não lhe tinha dado ao Merab por esposa, mas em forma
oculta fez que chegasse informação ao jovem de que ainda o queria como
genro. Tendeu um laço ao David por meio de uma campanha de intrigas propagadas
na corte. Os servos mesmos provavelmente não se davam conta da parte
que inconscientemente desempenhavam no drama.

23.
Sendo eu um homem pobre.

Possivelmente David expressou sua perplexidade pela duplicidade do Saúl. Entretanto, não
estava amargurado pensando talvez que a decisão do Saúl se devia a que ele era
pobre.

25.

Não deseja a dote.

O interesse do David tinha sido despertado com tanto tato como para que não
tivesse nenhuma suspeita. É um fato que a idéia lhe caiu muito bem. Disso
modo, ao mesmo tempo podia vingar ao Israel de um inimigo já antigo e ganhar a
mão de uma jovem que possivelmente lhe parecia até mais adequada para ele que sua irmã
maior, mas que possivelmente não podia casar-se antes que a primogênita (ver Gén. 29:
26). Posto que os pais eram quem arrumava os casamentos, David não
advertiu nada mau nas intenções do Saúl.

Cem prepúcios.

Em relevos egípcios se vêem montões de prepúcios cortados de inimigos cansados,


apresentados ante o rei e contados em sua presença como uma evidência de
vitória. A proposta do Saúl estava, pois, de acordo com os costumes
pagãs da época.

26.

Antes que o prazo se cumprisse.

Esta cláusula pertence ao vers. 27.

27.

Duzentos homens.

Cem era o número estipulado pelo Saúl. O rei tinha divulgado tanto este
assunto, que se viu obrigado a cumprir com seu próprio convênio. Assim Deus outra
vez chamou a atenção do Saúl para o homem a quem o Muito alto queria
honrar.

29.

Inimigo do David.

A moléstia que lhe provocou o fracasso de seu perverso plano intensificou o ódio
que Saúl sentia pelo David. Mas em vez de entregar-se a Deus, Saúl se afligia
por seu orgulho ferido. O prestígio do David era maior que nunca. Agora bem,
inteiramente poseído por um mau espírito, entrevada-a e cavilosa mente de
Saúl procurou com afã a forma de tender uma nova armadilha a seu inimigo, que agora
era seu genro. 545

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-30 PP 703-707

1 Ed 151

1-5 PP 703
6-8 PP 704

13-16 PP 705

17-25, 28 PP 706

CAPÍTULO 19

1 Jonatan revela o propósito de seu pai de matar ao David. 4 Persuade a seu


pai a reconciliar-se. 8 A ira do Saúl se reaviva por causa de um novo êxito de
David na guerra. 12 Mical engana a seu pai colocando uma estátua na cama
do David. 18 David visita o Samuel, no Naiot. 20 Os mensageiros do Saúl são
enviados a apoderar-se do David. 22 Saúl profetiza.

1 FALO Saúl ao Jonatán seu filho, e a todos seus servos, para que matassem a
David; mas Jonatán filho do Saúl amava ao David em grande maneira,

2 e deu aviso ao David, dizendo: Saúl meu pai procura te matar; portanto,
te cuide até a manhã, e estate em lugar oculto e te esconda.

3 E eu sairei e estarei junto a meu pai no campo onde esteja; e falarei de


ti a meu pai, e te farei saber o que houver.

4 E Jonatán falou bem do David ao Saúl seu pai, e lhe disse: Não peque o rei
contra seu servo David, porque nada cometeu contra ti, e porque seus
obras foram muito boas para contigo;

5 pois ele tomou sua vida em sua mão, e matou ao filisteu, e Jehová deu grande
salvação a todo o Israel. Você o viu, e te alegrou; por que, pois, pecará
contra o sangue inocente, matando ao David sem causa?

6 E escutou Saúl a voz do Jonatán, e jurou Saúl: Vive Jehová, que não morrerá.

7 E chamou Jonatán ao David, e lhe declarou todas estas palavras; e ele mesmo trouxe
ao David ao Saúl, e esteve diante dele como antes.

8 Depois houve de novo guerra; e saiu David e brigou contra os filisteus, e


feriu-os com grande estrago, e fugiram diante dele.

9 E o espírito mau de parte do Jehová veio sobre o Saúl; e estando sentado em


sua casa tinha uma lança à mão, enquanto David estava tocando.

10 E Saúl procurou cravar ao David com a lança à parede, mas ele se apartou
de diante do Saúl, o qual feriu com a lança na parede; e David fugiu, e
escapou aquela noite.

11 Saúl enviou logo mensageiros a casa do David para que o vigiassem, e o


matassem à manhã. Mas Mical sua mulher avisou ao David, dizendo: Se não salvar
sua vida esta noite, amanhã será morto.

12 E desprendeu Mical ao David por uma janela; e ele se foi e fugiu, e escapou.

13 Tomou logo Mical uma estátua, e a pôs sobre a cama, e lhe acomodou por
cabeceira um travesseiro de cabelo de cabra e a cobriu com a roupa.

14 E quando Saúl enviou mensageiros para prender ao David, ela respondeu: Está
doente.
15 Voltou Saúl a enviar mensageiros para que vissem o David, dizendo: tragam-me isso
na cama para que o mate.

16 E quando os mensageiros entraram, hei aqui a estátua estava na cama, e


um travesseiro de cabelo de cabra a sua cabeceira.

17 Então Saúl disse ao Mical: por que me enganaste assim, e deixaste


escapar a meu inimigo? E Mical respondeu ao Saúl: Porque ele me disse: Deixe ir;
se não, eu te matarei.

18 Fugiu, pois, David, e escapou, e veio ao Samuel no Ramá, e lhe disse tudo o que
Saúl fazia com ele. E ele e Samuel se foram e moraram no Naiot.

19 E foi dado aviso ao Saúl, dizendo: Hei aqui que David está no Naiot no Ramá.

20 Então Saúl enviou mensageiros para que trouxessem para o David, os quais viram
uma companhia de profetas que profetizavam, e ao Samuel que estava ali e os
presidia. E veio o Espírito de Deus sobre os mensageiros do Saúl, e eles
também profetizaram.

21 Quando soube Saúl, enviou outros mensageiros, os quais também


profetizaram. E Saúl voltou a enviar mensageiros pela terceira vez, e eles
também profetizaram.

22 Então ele mesmo foi ao Ramá; e chegando 546 ao grande poço que está no Secú,
perguntou dizendo: Onde estão Samuel e David? E a gente respondeu: Hei aqui estão
no Naiot no Ramá.

23 E foi ao Naiot no Ramá; e também veio sobre ele o Espírito de Deus, e seguiu
andando e profetizando até que chegou ao Naiot no Ramá.

24 E ele também se despojou de seus vestidos, e profetizou igualmente diante de


Samuel, e esteve nu todo aquele dia e toda aquela noite. daqui se disse:
Também Saúl entre os profetas?

1.

Matassem ao David.

Melhor, "faria morrer ao David" (BJ). Saúl decidiu fazer do David o branco de um
crime por motivos políticos, e tratou o assunto com o Jonatán e alguns de seus
magistrados. Sem dúvida lhes assegurou que não sofreriam castigo nenhum.

Esta foi a quinta tentativa do Saúl para livrar-se do David: (1) Quis matá-lo
com sua lança (cap. 18: 10, 11). (2) Logo tratou de obter seu mau propósito
colocando ao David à frente com a esperança de que seria morto (cap. 18: 17).
(3) Depois Saúl o enganou lhe prometendo a mão do Merab, e a deu a outro,
esperando possivelmente que David procedesse com imprudência e como resultado fosse
castigado (cap. 18: 19). (4) A seguir autorizou ao David para que ganhasse a
dote correspondente ao Mical mediante uma missão perigosa (cap. 18: 25). (5)
Agora, sendo evidente que o Senhor estava com o David, Saúl procurou a ajuda de
outros para matá-lo.

3.

Falarei de ti.
A adversidade demonstra quão sincera é uma verdadeira amizade. Bem sabia
Jonatán que David não pensava usurpar o trono, mas não podia convencer disso a
Saúl. A posição do Jonatán não era fácil pois teria que opor-se aos
desejos de um tirano, e se pensaria que era desleal a seu próprio pai. Sem
embargo, como verdadeiro amigo, Jonatán disse a verdade ao David quanto ao Saúl,
não para assustá-lo a não ser para acautelá-lo e para lhe assegurar a lealdade de um
verdadeiro amigo. Isto foi uma verdadeira prova para o Jonatán. Tinha que
decidir-se entre ser leal a seu pai ou ser leal ao David. Era impossível que por
mais tempo fora leal aos dois. Demonstrou bom julgamento comportando-se de tal
forma para conservar sua influência sobre seu pai e, entretanto, salvar a
David ao mesmo tempo de uma morte segura.

4.

Não peque o rei.

Unido a seu amigo por vínculos até mais estreitos que os da consangüinidade,
com um amor "mais maravilhoso ... que o amor das mulheres" (2 Sam. 1: 26), e
conhecendo os pensamentos íntimos do coração do David, Jonatán resultava
ideal para mediar entre ele e Saúl. No rogo do Jonatán ante seu pai se
manifestaram tanto o respeito pela autoridade como a mais estrita obediência
aos princípios. Como filho do Saúl, conhecia os argumentos que teriam mais
peso para o rei: a vitória do David sobre o Goliat e seu contínuo e leal
serviço pessoal para o rei em toda oportunidade.

5.

Sem causa.

Com muito tato, Jonatán demonstrou ao Saúl que não tinha razão para matar ao David,
e lhe fez recordar que tinha amplos motivos para apreciar o leal serviço que
este lhe rendia.

6.

Escutou Saúl.

Quão eficazes som as palavras devidas no momento apropriado! (ver Prov. 25:
11; ISA. 50: 4). Jonatán sabia que seu pai estava equivocado, não só neste
caso mas também em muitos outros. Mas não teria ganho nada se houvesse
repreendido a seu pai por seus enganos.

8.

Com grande estrago.

A Providência deu ao Saúl outra prova da lealdade do David e do valor de


seus serviços.

9.

O espírito mau.

Ver com. cap. 16: 14, 15. O diabo sabia, do tempo quando foi ungido
David, que estava sendo preparado para ser rei. De modo que podia esperar-se
que o maligno tentasse torcer o plano de Deus. Não poderia ter concebido um
medeio mais eficaz de fazê-lo que convencer ao Saúl de que David procurava usurpar
o reino.
10.

Escapou aquela noite.

De acordo com o estilo da narração hebréia, dão-se os resultados finais


da fuga do David e depois se acrescentam mais detalhes. David não escapou
imediatamente; primeiro foi por um curto tempo a seu lar.

11.

Esta noite.

O relato não diz como soube Mical que Saúl tinha ordenado matar ao David. Possivelmente
viu os "mensageiros" que estavam esperando ao David e, conhecendo o caráter
de seu pai, percebeu seu propósito. Ou talvez David se sentiu impulsionado a
confiar nela. Possivelmente David pensou nesta vicissitude quando 547 cantou com
ardor: "Pelo Jehová são ordenados os passados do homem" (Sal. 37: 23).
Imaginemos ao David lá na ladeira da montanha, sem lar e açoitado como
um animal selvagem. Mas depois de uma noite de pranto, pôde dizer David: "Eu
cantarei de seu poder, e elogiarei de amanhã sua misericórdia; porque foste meu
amparo e refúgio no dia de minha angústia" (Sal. 59: 16. Veja o título
[sobrescrito] deste salmo).

12.

Por uma janela.

A palavra traduzida "janela" provém de um verbo que significa "perfurar",


"furar". Na antigüidade se estava acostumado a construir as casas de tal forma que
todas as aberturas dessem a um pátio amuralhado, com a exceção de uma
entrada principal externa. Com freqüência os tetos eram planos e se podia
chegar a eles do interior da casa ou do pátio. O relato não
diz se a abertura pela qual Mical fez descender ao David estava em cima do
teto ou se dava à parte traseira da casa. Seja como for, estava em um
ponto oposto à entrada dianteira, onde vigiavam os emissários do rei. Em
uma forma parecida se fez descender aos espiões, dos muros do Jericó (Jos.
2: 15). Ao Pablo o fez descender do muro de Damasco (Hech. 9: 25); os
discípulos abriram o teto plano para fazer descender ao paralítico ante
Jesus (Luc. 5: 19). A sabedoria da pronta ação do Mical ficou de
manifesto quando, à manhã seguinte, pediram entrar na casa os
enviados para prender ao David.

Há vezes quando a causa do bem pode progredir mais fugindo que lutando.
Alguns possivelmente pensem que posto que Deus tinha ungido ao David e Saúl se havia
afastado do correto até o ponto de tentar um assassinato, teria sido
melhor que David resistisse. Até esse momento, nunca tinha fugido de um
inimigo. Se tivesse feito frente a Saúl com o mesmo espírito com o que
confrontou ao Goliat, sem dúvida teria conseguido a ajuda de muitos; mas isso
teria provocado uma guerra civil, pois Saúl também era popular e muitos o
rendiam uma obediência implícita. Como o demonstraram mais tarde os
acontecimentos, passaram sete anos depois da morte do Saúl antes de que
David fosse aceito por todo o Israel. Tal como passou com o David, assim também
aconteceu com Cristo. Intrépido e sem temor, El Salvador poderia ter convocado
em sua ajuda aos exércitos do céu. Em troca, permitiu que cumprissem seus
intuitos alguns homens maus.

13.
Uma estátua.

Heb. terafim (ver com. Gén. 31: 19; Lev. 19: 31).

Um travesseiro.

A palavra aqui traduzido "travesseiro" não aparece em nenhuma outra parte do AT, e
seu significado é duvidoso. O fato de que os "travesseiro" da antigüidade
geralmente eram sólidas, e eram feitas de madeira, argila, pedra ou metal
(ver com. Gén. 28: 1l), faz supor que o objeto ao que aqui se faz
referência era diferente do que conhecemos como "travesseiro". Poderia haver
sido uma espécie de peruca feita de cabelo negro de cabra, pega à cabeça de
a estátua para imitar o cabelo humano.

14.

Está doente.

Embora possivelmente David pode ter estado literalmente "doente", o mais provável
é que Mical mentiu deliberadamente. De ser assim, dificilmente poderia
desculpar-se sua ação apesar de que desse modo deu ao David mais tempo
para assegurar sua fuga (ver vers. 15, 16).

17.

por que me enganaste?

Saúl tinha estado disposto a usar ao Mical como um chamariz para atrair ao David
a fim de que morrera. Depois se exasperou muito porque sua própria filha fora
leal ao David antes que a ele. Tendo sido superado no engano, temeu ficar
desacreditado ante os seus. Evidentemente Mical tinha herdado alguns de
os rasgos de seu pai. Não vacilou em dar a desculpa de que seu marido havia
ameaçado matá-la. Esta falsidade deu um pretexto ao Saúl para prosseguir com
vigor renovado seu propósito de matar ao David, o qual -segundo as aparências-
tinha ameaçado a sua filha. Se David podia atrever-se a matar a sua própria
esposa, não poderia haver segurança para nenhum da família real até que ele
fora eliminado. Entretanto, a falsidade do Mical era o resultado da
educação que Saúl lhe tinha dado e ele devia culpar-se a si mesmo. Da mesma
maneira, o exemplo de engano do Labán foi depois um castigo para ele (Gén. 31:
14-20, 35). Tanto Labán como Jacob e Saúl comprovaram a verdade da
afirmação de Cristo: "Com a medida com que medem, será-lhes medido" (Mat. 7:
2).

18.

Veio ao Samuel.

Sem dúvida David estava muito perplexo pela conduta do Saúl, o caudilho
renomado Por Deus. por que permitia Deus que Saúl continuasse como rei? Era
estrito Deus? Tinha abandonado à nação? 548 Se tinha interrompido o
serviço do tabernáculo em Silo; o arca estava no lar de um levita em
Quiriat-jearim. Poderia ser que todos estes séculos de culto e religião houvessem
sido um engano? Havia realmente um Deus no céu? Tinha ele um plano para
Israel? por que ele -David- devia abandonar seu trabalho com as ovelhas para
ajudar no progresso do reino se as elevadas normas que sempre havia
mantido foram ser postas a um lado? O que ganhava lutando contra os
filisteus se o rei estava determinado a assassinar ao que tinha obtido a
vitória? David não se atreveu a levantar a mão contra o ungido do Senhor
(cap. 24: 6, 10); entretanto não podia dizer o que devia fazer. Ver mapa da
pág. 556.

Muito aterrorizado pelo intento do Saúl de lhe tirar a vida, naturalmente David
procurou o conselho do que o tinha chamado do às pressas a um posto de
responsabilidade no Israel e talvez lhe tinha ensinado no Ramá. Estando com
Samuel se sentia tão seguro do Saúl como se tivesse havido um santuário ao qual
tivesse podido fugir (ver 1 Rei. 1: 50-53; 2: 28-34).

Moraram no Naiot.

Possivelmente literalmente "sentaram-se em residências"; mas o significado de


"Naiot" é incerto. A BJ traduz "celas", e explica na nota
correspondente: "Morada dos profetas, cf. 2 Rei. 6: 1 s, no Ramá ou nos
arredores. Ou acaso um lugar do Ramá: 'no Navit' ou 'no Nayot' ". O verbo
yashab, "morar", significa também "sentar-se", como sem rei em seu trono ou um
juiz diante de seu tribunal, ou um professor ante sua classe. David encontrou a
Samuel no Ramá, instruindo a seus alunos, em vez de estar efetuando sua excursão
anual (1 Sam. 7: 16, 17).

20.

Saúl enviou mensageiros.

Três vezes ficou frustrado o propósito do Saúl pela conduta dos homens
que enviou para que levassem ao David a Gabaa (ver vers. 21). O Espírito Santo
impediu a cada um dos grupos que prendesse o David, e em troca se renderam
às atividades da escola dos profetas.

23.

O Espírito de Deus.

Só tinha que 11 a 13 km da Gabaa ao Ramá. Saúl estava tão enfurecido pelo


acontecido durante o dia, que finalmente resolveu matar ao David com sua própria
emano sem lhe importar as conseqüências (ver PP 708, 709). Entretanto, o poder
do Espírito foi tal que Saúl se sentiu induzido a revelar a todos a perfídia
de sua alma, e a ira do homem serve para elogiar a Deus.

24.

Profetizou igualmente diante do Samuel.

Uma vez antes -em ocasião de sua unção- Saúl se tinha unido com os
profetas e sua sinceridade de propósito lhe produziu uma transformação de coração
(cap. 10: 5-11). Agora de novo sua ira foi refreada e recebeu uma clara
evidência de que Deus protegia ao David. Diz Josefo: "perturbou-se sua mente e
esteve sob a veemente agitação de um espírito; e despojando-se da roupa,
caiu e ficou no chão todo o dia e toda a noite, em presença do Samuel e
do David" (Antiguidades vi. 11. 5).

Nu.

A palavra assim traduzida pode significar completamente nu (Job 1: 21),


esfarrapado ou insuficientemente vestido (Job 22: 6; 24: 7, 10; ISA. 58: 7) ou possivelmente
vestido só com uma túnica, tendo posto a um lado o manto (cf. ISA. 20:
2). É provável que aqui se use no último sentido. Em outras palavras, Saúl
tirou-se seu manto real e só esteve vestido com sua túnica, um objeto interior
usualmente usada em casa. Na rua, o manto exterior ou capa se estava acostumado a
levar em cima. Despojado de seu manto real, possivelmente Saúl ficou vestido a
semelhança de um dos alunos da escola.

Possivelmente aqui o Espírito Santo influiu no Saúl pessoalmente por última vez.
Possivelmente brotou de seus lábios não só uma confissão da justiça da causa de
David mas também a condenação de seus próprios atos obstinados. No dia
do julgamento final o grande adversário das almas admitirá a justiça do grande
plano de salvação de Deus e o engano de seus próprios caminhos (ver Fil. 2: 10,
11). Mas voltarão o antigo ciúmes e inimizades e estalarão em uma grande
expressão final de ódio e fúria (ver CS 729, 730). Tal foi o caso do Saúl em
seu rancor contra David. Voltando uma vez mais, o espírito mau que o havia
dominado portanto tempo o encontrou com o coração vazio da graça de
Deus, e se emposso dele em uma forma até mais firme que antes (ver Mat. 12:
44, 45).

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-24 PP 707-709

2-10 PP 707

11, 12, 18-22 PP 707

23, 24 PP 709 549

CAPÍTULO 20

1 David consulta com o Jonatán a respeito de sua segurança. 11 Jonatán e David


renovam seu pacto mediante juramento. 18 O sinal do Jonatán para o David. 24
Saúl sente falta da o David e tráfico de matar ao Jonatán. 35 Separação entre
David e Jonatán.

1 DESPUES David fugiu do Naiot no Ramá, e veio diante do Jonatán, e disse: O que
fiz eu? Qual é minha maldade, ou qual meu pecado contra seu pai, para que
procure minha vida?

2 O lhe disse: Em nenhuma maneira; não morrerá. Hei aqui que meu pai nada
fará, grande nem pequena, que não me descubra isso; por que, pois, tem-me que
encobrir meu pai este assunto? Não será assim.

3 E David voltou a jurar dizendo: Seu pai sabe claramente que eu achei
graça diante de seus olhos, e dirá: Não saiba isto Jonatán, para que não se
entristeça; e certamente, vive Jehová e vive sua alma, que logo que há um passo
entre mim e a morte.

4 E Jonatán disse ao David: O que desejar sua alma, farei por ti.

5 E David respondeu ao Jonatán: Hei aqui que manhã será nova lua, e eu
acostumo me sentar com o rei a comer; mas você deixará que me esconda no
acampo até a tarde do terceiro dia.

6 Se seu pai hiciere menção de mim, dirá: Rogou-me muito que o deixasse ir
correndo a Presépio sua cidade, porque todos os de sua família celebram lá o
sacrifício anual.

7 Se ele dijere: Bem está, então terá paz seu servo; mas se se zangar,
sabe que a maldade está determinada de parte dele.

8 Fará, pois, misericórdia com seu servo, já que tem feito entrar em seu servo
em pacto do Jehová contigo; e se houver maldade em mim, me mate você, pois não há
necessidade de me levar até seu pai.

9 E Jonatán lhe disse: Nunca tal te aconteça; antes bem, se eu supere que meu
pai determinou maldade contra ti, não lhe avisaria isso eu?

10 Disse então David ao Jonatán: Quem me dará aviso se seu pai lhe
respondesse asperamente?

11 E Jonatán disse ao David: Vêem, saiamos ao campo. E saíram ambos ao campo.

12 Então disse Jonatán ao David: Jehová Deus do Israel, seja testemunha! Quando
tenha-lhe perguntado a meu pai amanhã a esta hora, ou nos terceiro dia, se
resultasse bem para com o David, então enviarei a ti para fazer-lhe saber.

13 Mas se meu pai tentasse te fazer mau, Jehová faça assim ao Jonatán, e até o
acrescente, se não lhe o hiciere saber e te enviar para que vá em paz. E esteja
Jehová contigo, como esteve com meu pai.

14 E se eu viver, fará comigo misericórdia do Jehová, para que não mora,

15 e não apartará sua misericórdia de minha casa para sempre. Quando Jehová haja
talhado um por um os inimigos do David da terra, não deixe que o nome
do Jonatán seja tirado da casa do David.

16 Assim fez Jonatán pactuo com a casa do David, dizendo: Requeira-o Jehová de
a mão dos inimigos do David.

17 E Jonatán fez jurar ao David outra vez, porque lhe amava, pois lhe amava como a
si mesmo.

18 Logo lhe disse Jonatán: Amanhã é nova lua, e você será sentido falta de,
porque seu assento estará vazio.

19 Estará, pois, três dias, e logo descenderá e virá ao lugar onde


estava escondido o dia que ocorreu isto mesmo, e esperará junto à pedra
do Ezel.

20 E eu atirarei três setas para aquele lado, como me exercitando ao branco.

21 Logo enviarei ao criado, lhe dizendo: Vê, busca as setas. E se dijere ao


criado: Hei ali as setas mais para cá de ti, tome; você virá, porque paz
tem, e nada mau há, vive Jehová.

22 Mas se eu dijere ao moço assim: Hei ali as setas além de ti; vete,
porque Jehová te enviou.

23 Quanto ao assunto de que você e eu falamos, esteja Jehová entre nós


dois para sempre.

24 David, pois, escondeu-se no campo, e quando chegou a nova lua, sentou-se


o rei a comer pão.

25 E o rei se sentou em sua cadeira, como estava acostumado a, no assento junto à parede, e
Jonatán se 550 levantou, e se sentou Abner ao lado do Saúl, e o lugar do David
ficou vazio.

26 Mas aquele dia Saúl não disse nada, porque se dizia: Terá-lhe acontecido algo,
e não está limpo; de seguro não está desencardido.

27 Ao seguinte dia, o segundo dia da nova lua, aconteceu também que o


assento do David ficou vazio. E Saúl disse ao Jonatán seu filho: por que não há
vindo a comer o filho do Isaí hoje nem ontem?

28 E Jonatán respondeu ao Saúl: David me pediu encarecidamente que lhe deixasse ir


a Presépio,

29 dizendo: Rogo-te que me deixe ir, porque nossa família celebra


sacrifício na cidade, e meu irmão me mandou isso; portanto, se houver
achado graça em seus olhos, permita ir agora para visitar meus irmãos.
Por isso, pois, não veio à mesa do rei.

30 Então se acendeu a ira do Saúl contra Jonatán, e lhe disse: Filho da


perversa e rebelde, acaso não sei eu que você escolheste ao filho do Isaí para
tua confusão, e para confusão da vergonha de sua mãe?

31 Porque todo o tempo que o filho do Isaí viver sobre a terra, nem você
estará firme, nem seu reino. Envia pois, agora, e me traga isso porque tem que morrer.

32 E Jonatán respondeu a seu pai Saúl e lhe disse: por que morrerá? O que há
feito?

33 Então Saúl lhe arrojou uma lança para feri-lo; de onde entendeu Jonatán
que seu pai estava resolvido a matar ao David.

34 E se levantou Jonatán da mesa com exaltada ira, e não comeu pão o segundo
dia da nova lua; porque tinha dor por causa do David, porque seu pai o
tinha afrontado.

35 Ao outro dia, de amanhã, saiu Jonatán ao campo, ao tempo famoso com


David, e um moço pequeno com ele.

36 E disse ao moço: Corre e busca as setas que eu atirar. E quando o


moço ia correndo, ele atirava a seta de modo que passasse além dele.

37 E chegando o moço aonde estava a seta que Jonatán tinha atirado,


Jonatán deu vozes depois do moço, dizendo: Não está a seta além de ti?

38 E voltou a gritar Jonatán depois do muchacho:Corre, date pressa, não lhe pares.
E o moço do Jonatán recolheu as setas, e veio a seu senhor.

39 Mas nada entendeu o moço; somente Jonatán e David entendiam


pelo que se tratava.

40 Logo deu Jonatán suas armas a seu moço, e lhe disse: Vete e as leve a
cidade.

41 E logo que o moço se foi, levantou-se David do lado do sul, e se


inclinou três vezes prostrando-se até a terra; e beijando o um ao outro,
choraram o um com o outro; e David chorou mais.

42 E Jonatán disse ao David: Vete em paz, porque ambos juramos pelo nome
do Jehová, dizendo: Jehová esteja entre você e eu, entre sua descendência e meu
descendência, para sempre. E ele se levantou e se foi; e Jonatán entrou na
cidade.

1.

David fugiu.

Evidentemente a Gabaa para consultar com o Jonatán. É difícil que David, se


tivesse atrevido a voltar para esse lugar enquanto Saúl estivesse ali, mas baixo
o poder coercitivo do Espírito, Saúl permaneceu no Ramá a maior parte do
dia e da noite (ver cap. 19: 23, 24). A demora lhe deu uma oportunidade a
David para encontrar ao Jonatán e inteirar do parecer do Saúl. Não se menciona
que David visitasse sua esposa nesse tempo. Estava seguro de que Jonatán
calaria, mas não estava muito seguro do Mical. Veja o mapa da pág.
556.

Minha maldade.

"Minha falta" (BJ). As duas palavras "maldade" (ou melhor "falta" [BJ]) e "pecado"
não são sinônimos redundantes. A palavra 'awon, traduzida "maldade" (melhor
"falta") provém da raiz 'awah, "ter uma mente perversa". 'Awon com
freqüência abrange a falta e o castigo do pecado. A palavra jatta'ah,
traduzida "pecado", vem da raiz jatta', "errar ao branco". David
perguntava: Qual é minha falta e no que fui perverso em meu proceder para com
o rei ou para com o reino? Não trabalhei para o Saúl em condições
dificilísimas? Não emprestei um valente serviço ao Israel lutando contra
seus inimigos? Acaso meus motivos e desejos não foram sempre proporcionar
êxito a meu amado povo? Onde ferrei ao branco e falhado meu proposito?

2.

De maneira nenhuma.

Heb. jalilah, palavra usada como uma exclamação de aversão, um protesto.


Parece que Jonatán estava 551 seguro de que o proceder de seu pai se devia a
sua alienação mental. Assegurou ao David que Saúl não faria nada em segredo, como
resultou evidente quando falou com o Jonatán e a seus servos quanto a matar a
David (cap. 19: 1). Jonatán já tinha podido raciocinar com o Saúl e aquietá-lo, e
estava seguro de que agora havia uma solução para o problema. Mas depois
de ver a conduta do Saúl nas moradias dos estudantes no Ramá, David
não estava convencido.

3.

David voltou a jurar.

Quer dizer, afirmou com um juramento que sabia do que falava. David chamou a
atenção do Jonatán ao feito de que Saúl conhecia a íntima amizade deles, e
embora Jonatán tinha podido raciocinar com seu pai no passado, agora David
temia que Saúl prosseguisse com seus maus planos tão secretamente como para não
falar do assunto com ninguém, e muito menos com seu próprio filho. Possivelmente Jonatán
não tinha visto seu pai imediatamente antes do que aconteceu no Ramá, e não
sabia de sua súbita piora.

Passo.

Heb. penha´. Esta palavra aparece só aqui no AT. Seu uso na frase é
uma ilustração de uma expressão familiar comparável com nossos modismos
modernos. Tais expressões acrescentam cor à narração e atestam da
autenticidade do relato.

David tinha disposto de umas poucas horas para repor-se de seu temor, e
então pôde pensar com claridade e riscar planos sensatos. Demonstrou
características de verdadeiro dirigente quando esboçou seu plano a fim de
conseguir a informação necessária para determinar ações futuras.

5.

Nova lua.

Os judeus, como muitas das nações que os circundavam, observavam um


calendário lunar, no qual o primeiro dia do mês começava com a noite na
que aparecia a crescente da lua nova. O primeiro dia do mês, chamado
"nova lua", era um dia de festa especial que incluía oferendas (Núm. 28:
11-15) e se tocavam trompetistas ao oferecer-se oferendas e sacrifícios (Núm. 10:
10). Tais festas nesse tempo eram um assunto tribal e da comunidade, e
devia esperar-se que David, como genro do Saúl, estivesse presente. A
narração não dá o nome do mês. Entretanto, posto que havia uma festa
tal em Presépio chamada "o sacrifício anual" (1 Sam. 20: 6), é possível que esta
fora uma festa anual, o mais provável a do ano novo, que caía no 1er
dia do 7º mês, Tishri, entre setembro e outubro, como ocorre no
calendário judeu moderno (ver pág. 112). Uma reunião tal tinha sido autorizada
no lugar de reunião central de todas as tribos (Deut. 12: 5-16). Nos
dias do Elí se celebrava em Silo. Mais tarde, nos dias dos reis, se
celebrou em Jerusalém. depois de que se transladou o arca de Silo, muito
provavelmente cada distrito realizava sua própria reunião. Desse modo, a mesma
classe de festa poderia haver-se celebrado em Presépio como se celebrou na Gabaa.

6.

Todos os de sua família.

Melhor, "todos os de seu clã". Israel estava dividido em 12 tribos, mas essas
tribos também estavam subdivididas em clãs ou famílias (ver Exo. 6: 14-30).
Nas tribos de Benjamim e Judá um clã podia reunir-se na Gabaa e outro em
Presépio.

Alguns puseram em dúvida a integridade do David ao pedir ao Jonatán que o


dissesse ao Saúl de seu propósito de visitar seu lar, pois acreditam que David não
tinha plano algum de ir a Presépio. Um exame cuidadoso do contexto não confirma
isto. Com freqüência os relatos bíblicos omitem muitos detalhes que -se
tivessem sido jogo de dados- esclareceriam o quadro. O breve relato aqui apresentado dá
a impressão de que todo o incidente foi uma mera fábula para sondar ao Saúl.
Mas o que Jonatán afirmou a seu pai (vers. 28, 29) claramente implica que os
dois amigos tinham estudado bem o assunto, e que disseram mais do que se há
registrado. Parece evidente que David fazia planos para ver seus
irmãos, e provavelmente realizou uma breve visita presépio (ver PP 708-710).
Mas antes de que Saúl pudesse fazê-lo buscar, voltou e se ocultou no campo a
fim de esperar a informação do Jonatán quanto ao proceder do Saúl.

8.

Se houver.

David se dava conta de que sua situação não se devia a nenhum pecado de seu
parte. Se um peso de culpabilidade se acrescentou à ofensa de ser tratado
como um inimigo político e à desdita de ser fugitivo, a carga teria sido
quase insuportável. A segurança de sua inocência sustentou ao David nesta hora
de prova.

Uma consciência limpa pode compensar qualquer perda neste mundo. Os que
invejam aos ímpios que sentem prazer nos prazeres do pecado, devessem
recordar que esses prazeres se pagam com horas de remorso e de aversão
própria. Muitos que 552 beberam que as fontes poluídas da terra
dariam tudo o que têm se tão somente pudessem desfazer o passado e limpar assim
a imunda mancha de sua vida. Por outro lado, quem pode olhar a Deus e a
seus próximos com uma consciência livre de culpa são os mais felizes do mundo.
Possivelmente disponham de poucas vantagens materiais, mas retêm um tesouro que não
pode comprar toda a riqueza do mundo (ver 1 Ped. 3: 13-17).

9.

determinou mau.

Intimamente Jonatán acreditava que David estava equivocado em suas conclusões


a respeito dos propósitos do Saúl. Parecia ter confiança em que tão somente a
alienação mental do Saúl era o fator que, às vezes, o fazia proceder como
um demônio. Poderia ter estado em completo desacordo com o David, mas posto
que esta experiência afetava ao David em uma forma pessoal, esteve disposto a
acatar o método de seu amigo para determinar os propósitos do Saúl. O futuro
revelaria a verdade e, depois de tudo, não havia prejuízo algum em seguir o
método do David. Que atitude tão nobre teve Jonatán!

Há uma valiosa lição nesta experiência. Os homens não procedem do mesmo


linhagem nem do mesmo ambiente e, portanto, não enfocam os problemas da
vida da mesma maneira. Cada um acredita que seu próprio método individual é o
correto. Com freqüência, o resultado cria diferenças de opiniões,
contradições e recriminações. intercambiam-se palavras ásperas que
separam famílias, amigos e até a seres que se amam. acrescenta-se o egoísmo e
o orgulho mantém a posição adotada, seja sustentável ou não. Este capítulo
apresenta um contraste notável entre as formas em que Saúl e Jonatán confrontaram
tais situações. Em sua impaciente tirania e intolerância, Saúl acreditou que ele
devia estar primeiro e que o que dizia era correto e final. Qualquer que não
concordasse com ele devia ser eliminado, sem ter em conta os meios que se
empregassem. Entretanto, seu mesmo filho enfocava a vida de um ângulo
inteiramente diferente. por que existia essa diferencia entre pai e filho
quando ambos tinham participado, em grande medida, do mesmo ambiente e da
mesma preparação? Iluminou Deus uma vida e não a outra? Nasceu Saúl para o mal
e seu filho, por contraste, para possuir nobres rasgos de caráter? Estava
obrigado o povo a aceitar ao Saúl com todas suas excentricidades e a tolerar
toda sua agressividade e seus procederes tirânicos?

A solução para estas perguntas se acha nas palavras do Pablo: "São


escravos daquele a quem obedecem" (ROM. 6: 16). Movido por seu livre
eleição, o homem dá seu serviço, seus pensamentos e sua perspectiva da
vida a um destes dois amos; dois caudilhos que representam normas
diametralmente opostas. Possivelmente Saúl serve a seu próprio eu durante toda seu
primeira juventude. Possivelmente sendo menino foi um problema na casa de seu pai ou
um "valentão" entre seus companheiros; entretanto -ao igual a Judas-, era um
caudilho nato. Se isto for verdade, é fácil compreender a ansiedade de seu pai
quando Saúl se ausentou de sua casa enquanto procurava as asnas. Contudo, quando
Saúl foi ungido houve uma ampla demonstração de que Deus o aceitava apesar de
suas faltas, e que lhe deu um coração novo (cap. 10: 6, 9). Mas Saúl recusou
caminhar na luz do céu. Por contraste, Jonatán, o filho do Saúl, escolheu
seguir outros interesses alheios ao eu. Desde cedo na vida, Jonatán
-mediante uma entrega feita com oração ante as providências manifestas de
Deus- gradualmente tinha desenvolvido as normas que regeram sua existência.
Seu enfoque da vida o induziu a aceitar com gozo a sugestão do David. Esta
experiência, junto com outras, pode ter estado na mente do David quando
cantou mais tarde: "Olhem quão bom e quão delicioso é habitar os irmãos
juntos em harmonia!" (Sal. 133: 1).

13.

Esteja contigo Jehová.

Estando no campo, Jonatán se ligou com o David mediante um solene juramento,


que não o abandonaria, acontecesse o que acontecesse. Se as notícias eram
boas, como ele esperava que fossem, não abandonaria ao David. Pelo
contrário, se as notícias fossem más, notificaria-lhe a verdade e oraria a
Deus para que o benzera enquanto fugisse para salvar a vida. Jonatán havia
estado convencido da presença de Deus com seu pai quando Saúl assumiu as
pesadas responsabilidades do reino. Mas desde que conheceu o David recebeu a
impressão celestial de que o Senhor também tinha preparado um destino excelso
para o David, e que esse destino se cumpriria apesar da maldade do Saúl para
com ele. Ao proceder assim, Jonatán demonstrou verdadeira magnanimidade.

15.

De minha casa.

Por nascimento Jonatán pertencia à casa que tinha jurado inimizade 553 a
David. Entretanto, reconheceu o propósito de Deus de confiar a liderança de
Israel a seu cunhado. Por sua própria vontade, Jonatán escolheu identificar-se com
a casa que Deus tinha indicado que substituiria a decadente família na
que ele tinha nascido. No coração do Jonatán o plano de Deus preponderou sobre
os vínculos familiares. Isso não se deveu a seu desejo de segurança pessoal,
mas sim a que entendeu que filialmente a verdade devia triunfar.

para sempre.

Heb. ´ad´olam. Literalmente, "até uma idade". A duração da idade deve


ser determinada pela idéia com a qual a associa. Neste caso, o lapso
seria o período da existência simultânea das duas casas. Para comprovar
que a expressão "para sempre" não significa necessariamente perpetuidade, ver
com. Exo. 21: 6.

16.

Fez Jonatán pactuo.

É difícil traduzir o hebreu deste versículo. O Códice B da LXX diz:


"E se você não o faz, quando o Senhor faça desaparecer cortando aos inimigos
do David cada um da face da terra, se acontecesse que o nome do Jonatán
fora descoberto pela casa do David, então o Senhor procure os inimigos
do David". A BJ reza: "Que não seja exterminado Jonatán com a casa do Saúl; de
o contrário, que Yahvéh peça contas ao David". E acrescenta em nota de pé de
página: "Vers. 14-16; texto muito corrompido, restaurado com a ajuda do
grego".

23.
Entre nós dois.

Naturalmente, Jonatán esperava boas notícias. Se não era assim, confiava em que
o Senhor de algum jeito levaria a cabo seus propósitos. Estava seguro de que
o mesmo Deus que lhe tinha concedido horas tão preciosas de comunhão com o David
continuaria velando sobre ambos.

26.

Não está limpo.

Com todas suas más características, é evidente que Saúl respeitava as formas.
Entendia que qualquer impureza cerimoniosa seria uma razon suficiente para que
David se abstivera de uma festa especial dessa natureza (ver Lev. 15: 1; 1
Sam. 21: 3-5; etc.). Entretanto, nesse momento o que mais lhe preocupava não
era a forma do serviço a não ser o paradeiro de um jovem que se atreveu a
receber os aplausos do povo que o tinha elogiado por cima do rei.

27.

O segundo dia.

Se tão somente tivesse sido uma questão de impureza, David poderia haver-se lavado
e ter estado limpo ao entardecer, podendo assim ter estado
presente o segundo dia. Quando Saúl descobriu que estava ausente,
desmascarou seus verdadeiros sentimentos ao lhe perguntar a seu filho sobre o
"filho do Isaí". O ódio que lhe inspirava David era tão grande que possivelmente seus
palavras distaram muito de ser bondosas (ver vers. 31). Duas vezes David se
tinha liberado de suas mãos assassinas; estava resolvido a que isso não aconteceria
outra vez.

28.

Deixasse-lhe ir.

Ver com. vers. 6.

30.

A perversa e rebelde.

sugeriu-se que ao omitir a palavra "mulher", e ao usar em hebreu os dois


adjetivos no gênero feminino, Saúl acrescentava insulto sobre insulto ao recusar
proferir a palavra "mulher" ou "mãe". Estava tão zangado que só empregou os
qualificativos. Uma das piores ofensas a que se recorre no Oriente é
expressar insultos dirigidos à mãe de alguém.

31.

Nem você estará firme.

Saúl tinha o propósito de afiançar sua dinastia a qualquer preço, usando


médios corretos ou errôneos. Com este proceder, o rei do Israel estava
seguindo o exemplo dos reis vizinhos que se mantinham pela força no
trono e lutavam até morrer por manter suas dinastias. Saúl recusava
reconhecer a Deus como o governante supremo do Israel.

34.
Dor por causa do David.

Esta experiência foi uma desilusão que sacudiu ao Jonatán. Era-lhe extremamente
penoso seu manifesto rompimento com seu pai. Sua decisão de compartilhar a
sorte do "filho do Isaí" estava sendo posta a prova, mas recusou apartar-se
do correto. Ao igual a Moisés, que deu as costas ao trono do Egito,
Jonatán escolheu "antes ser maltratado com o povo de Deus, que gozar dos
deleites temporários do pecado" (Heb. 11: 25). Conhecia por experiência a
verdade que mais tarde apresentou Cristo: "que ama a pai ou mãe mais que a mim,
não é digno de mim" (Mat. 10: 37).

35.

Um moço pequeno.

Ao fazer-se acompanhar pelo "moço" e levar arco e setas, Jonatán ocultava


o propósito de sua saída para campo. Só podia supor-se que saía de caça ou
para atirar ao branco.

38.

Date pressa.

Compare-se com o vers. 22. Estas palavras foram acrescentadas para que David
ficasse impressionado com a soma gravidade da situação.

41.

David chorou mais.

Literalmente, "David engrandeceu ou fez grande". É duvidoso o 554 significado


exato desta cláusula. Em nota de pé de página, a BJ, ed. 1967, comenta:
"Texto inseguro". A LXX dá a idéia de chorar durante muito tempo até um
grau supremo. Alguns entenderam as palavras literalmente no sentido de
que David "fez-se grande", ou "fortaleceu-se" para as vicissitudes que o
esperavam.

COMENTÁRIOS DO ELENA DO G. WHITE

1-42 PP 709-711

1-3, 5 PP 709

6, 7, 25-35, 41, 42 PP 710

CAPÍTULO 21

1 David vai ao Nob e obtém pão sagrado de mãos do sacerdote Ahimelec. 7 Doeg
presença a cena. 8 David se apodera da espada do Goliat. 10 David se
finge louco no Gat.

1 VEIO David ao Nob, ao sacerdote Ahimelec; e se surpreendeu Ahimelec de seu


encontro, e lhe disse: Como vem você sozinho, e ninguém contigo?

2 E respondeu David ao sacerdote Ahimelec:El rei me encomendou um assunto, e me


dijo:Nadie saiba coisa alguma do assunto a que lhe envio, e o que te hei
encomendado; e eu assinalei aos criados um certo lugar.
3 Agora, pois, o que tem à mão? me dê cinco pães, ou o que tenha.

4 O sacerdote respondeu ao David e disse: Não tenho pão comum à mão,


somente tenho pão sagrado; mas o darei se os criados se guardaram ao
menos de mulheres.

5 E David respondeu ao sacerdote, e lhe disse: Na verdade as mulheres estiveram


longe de nós ontem e ante ontem; quando eu saí, já os copos dos jovens
eram Santos, embora a viagem é profana; quanto mais não serão Santos hoje seus
copos?

6 Assim o sacerdote lhe deu o pão sagrado, porque ali não havia outro pão a não ser
os pães da proposição, os quais tinham sido tirados da presença de
Jehová, para pôr pães quentes o dia que aqueles foram tirados.

7 E estava ali aquele dia detido diante do Jehová um dos servos de


Saúl, cujo nome era Doeg, edomita, o principal dos pastores do Saúl.

8 E David disse ao Ahimelec: Não tem aqui a emano lança ou espada? Porque não
tomei em minha mão minha espada nem minhas armas, por quanto a ordem do rei era
premente.

9 E o sacerdote respondeu: A espada do Goliat o filisteu, ao que você venceu


no vale de L, está aqui envolta em um véu atrás do efod; se quiser
tomá-la, toma-a; porque aqui não há outra a não ser essa. E disse David: Nenhuma como
ela; dêem-me isso Aquis rey de Gat.

10 E levantando-se David aquele dia, fugiu da presença do Saúl, e se foi a


Aquis rei do Gat.

11 E os servos do Aquis lhe disseram: Não é este David, o rei da terra?


não é este de quem cantavam nas danças, dizendo:

Feriu Saúl a seus milhares,

David a seus dez e milhares?

12 E David pôs em seu coração estas palavras, e teve grande temor do Aquis rei de
Gat.

13 E trocou sua maneira de comportar-se diante deles, e se fingiu louco entre


eles, e escrevia nas capas das portas, e deixava correr a saliva por
sua barba.

14 E disse Aquis a seus servos: Hei aqui, vêem que este homem é demente; por
o que o trouxestes para mim?

15 Acaso me faltam loucos, para que hajam trazido para este que fizesse de louco
diante de mim? Tinha que entrar este em minha casa?

1.

Nob.
Esta é a primeira referência a este lugar que aparece nas Escrituras. Só
o menciona seis vezes em todo o AT, quatro delas nos caps. 21 e 22.
Em nenhuma delas se dá uma relação clara com outros sítios bem conhecidos.
Entretanto, no Neh. 11: 32 se 555 menciona ao Nob imediatamente depois de
Anatot, um povo a 4 km ao nordeste da zona do templo de Jerusalém.
Na visão do Isaías a respeito das hostes assírias que se aproximam de Jerusalém
do norte, menciona-se ao Nob como que tivesse estado entre o Anatot e
Jerusalém (ISA. 10: 30-32). Mas nessa visão se mencionam outras duas cidades
entre o Anatot e Nob. vá aos assírios elevando a mão contra o monte de
Sion ao chegar ao Nob. O principal caminho ao Siquem passa de Jerusalém para
o norte pelo monte Scopus, de onde se aprecia o último panorama da
cidade. À direita desse caminho, perto do topo do monte Scopus, há uma
meseta que alguns pensam que bem poderia ser o lugar do Nob. Esta localização
estaria quase na metade do caminho de Jerusalém ao Anatot. Outros pensam que
Nob estava no monte dos Olivos. Ao Nob foi transladado o tabernáculo
quando o tirou de Silo depois de que os filisteus tomaram o arca. Até
então ainda o arca estava em casa do Abinadab, no Quiriat-jearim. Mais
tarde David levou o arca a Jerusalém (2 Sam. 6: 2, 3). devido a que o arca
não estava nesse tempo no tabernáculo, possivelmente os serviços se realizavam em
uma forma muito parecida com a empregada nos dias de Cristo quando estava vazio
o lugar muito santo do templo.

Ahimelec.

Ver com. 2 Sam. 8: 17.

Sacerdote.

Sem dúvida o supremo sacerdote a cargo do santuário. A presença dos pães de


a proposição (ver vers. 6) demonstra que o tabernáculo estava então em
Nob (ver PP 711, 712).

surpreendeu-se.

Literalmente, "estremeceu-se". A ansiedade e o temor se refletiam no


rosto do David. Ahimelec soube que algo andava completamente mal. Todo o
comportamento do David era tão diferente do que tinha sido antes, que
Ahimelec estava perplexo sem saber o que fazer.

2.

O rei me encomendou.

Não há dúvida de que David apresentou ante o Ahimelec um quadro completamente


distorcido dos fatos. David estava em grande perigo. Tinha estado tão
afligido pela recente aparência dos acontecimentos que lhe resultava difícil
ver as provas desse momento à luz das evidências manifestas da
forma em que Deus o chamava e de, seu cuidado protetor. Se fugia aonde
estava Samuel, poderia pôr em perigo a vida desse homem venerável; se
voltava para seu lar da Gabaa, sua presença poderia conduzir a morte de seu
esposa. Com toda sinceridade, seu desejo era consultar ao Senhor, e o único
lugar em que pôde pensar era o tabernáculo que estava no Nob. Posto que Saúl
tinha exigido ao sacerdote que estivesse ao seu dispor na guerra, é
provável que David como "chefe de mil" (cap. 18: 13) previamente se houvesse
detido no Nob em procura de ajuda antes de prosseguir com suas correrias.

Seu problema consistia em fazer perguntas sem dar ao Ahimelec um conhecimento


verdadeiro da situação. Que o sacerdote consultou por ele ao Jehová, é
evidente pelo relato do Doeg ao Saúl (cap. 22: 10) e pelo reconhecimento
implícito do Ahimelec quanto a uma completa ignorância de dificuldades entre
Saúl e seu genro (cap. 22: 14, 15). A situação no Nob se complicou muito para
David devido à presença do Doeg. Parecia que tudo estava contra ele.
Necessitava ajuda, e no momento da tentação lhe pareceu que a única forma
de conseguir ajuda e ao mesmo tempo de proteger ao sacerdote era falar de tal
maneira que Ahimelec não soubesse a razão de sua chegada. Indubitavelmente David
cometeu uma falta ao recorrer ao engano (ver PP 711, 712).

O fato de que a Bíblia aqui não condene a duplicidade do David não se deve
tomar como uma justificação do ato. As Escrituras requerem estrita
veracidade.

Do ponto de vista das normas dos dias do David, poderia considerar-se


a dissimulação como algo defensável. diz-se que entre a gente do Próximo
Oriente era moeda corrente e ainda o é em grande medida acreditar que não era um
crime dizer uma mentira para salvar uma vida. Os gabaonitas recorreram a
uma estratagema tal, e entretanto foi perdoada a vida (Jos. 9: 3- 18).
Mas, embora Deus aceitava aos homens manchados com os costumes desses
dias, tratava de guiá-los a uma norma mais elevada. Não os rechaçava nem os
abandonava pela prática ocasional ou possivelmente habitual dos costumes disso
tempo. O plano de Deus era efetuar finalmente uma reforma em todos esses
assuntos.

Embora David não podia aduzir ignorância por seu ato, Deus não o abandonou.
Possivelmente tivesse sido melhor que ele tivesse ido ao Samuel, quem conhecia bem tudo
o assunto. Deus tinha 556

PEREGRINAÇÕES DO David PELO DESERTO QUANDO FUGIA DO SAÚL

557 mil formas para superar a dificuldade. Se David lhe houvesse dito a verdade
ao Ahimelec, o sacerdote teria estado prevenido e teria podido escapar da
mão assassina do rei (ver PP 711, 712).

Eu lhes assinalei.

Gramaticalmente esta afirmação poderia referir-se a palavras do Saúl ou do David.


Possivelmente David tinha colocado a seus homens perto do caminho oriental que ia de
Gabaa a Presépio para que vigiassem aos emissários do Saúl enquanto foram a Presépio
para capturá-lo. Conhecer os movimentos dos homens do Saúl era de grande
valor para o David.

4.

Pão sagrado.

Cada sábado se substituíam as 12 tortas do pão da proposição. De


acordo com as disposições levíticas, o pão velho devia ser comido
unicamente pelos sacerdotes e tão somente no lugar santo (Lev. 24: 5-9).

De mulheres.

Até onde saibamos, não havia nada nas disposições mosaicas que proibisse
que comessem o pão os que estavam ceremonialmente limpos. Alguns hão
observado que era costume nas nações antigas, até no caso dos
sacerdotes pagãos, manter-se separados de mulheres antes de realizar seus
deveres oficiais, e é muito possível que os levita também observassem essa
costume. De acordo com a lei mosaica, esse tipo de relações fazia que uma
pessoa ficasse ceremonialmente imunda até a noite (Lev. 15: 16-18; cf.
Exo. 19: 15). Possivelmente devido à urgência do assunto do rei, e porque David
era o genro e aparentemente o comissionado do rei, Ahimelec passou por cima a
letra da lei considerando que David e seus homens estavam ceremonialmente
limpos.

LUGAR - REFERÊNCIA - ACONTECIMENTO - SALMO

O pão da proposição, literalmente "pão da presença" (BJ), simbolizava


a Cristo, o Pão vivo (Juan 6: 28-51). Todo o alimento do homem, tanto
espiritual como temporário, recebe-se tão somente pela mediação de Cristo. Tanto
o maná como o pão da proposição davam testemunho de que "não só de pão
viverá o homem, mas de tudo o que sai da boca do Jehová viverá o
homem" (Deut. 8: 3). Do ponto de vista físico, cinco fogaças
significavam pouco para o David e seus homens. Mas se Ahimelec "consultou por ele
ao Jehová" e lhes deu também "provisões", como atestou Doeg (1 Sam. 22: 10),
teve mais valor a visita ao sacerdote. Também é possível que se David pensou
no significado do pão que tinha conseguido, isto pôde haver ajudado a
dar-se conta novamente da verdade que a presença de Deus estaria com ele
onde quer fosse. David ia necessitar uma segurança tal nos anos de provas
que lhe aguardavam.

6.

Pães quentes.

Alguns assinalam isto como uma evidência de que David visitou o tabernáculo em
dia sábado, mas o registro tão somente diz que os pães tinham sido tirados
quando foram substituídos com pão quente.

7.

Doeg, edomita.

Possivelmente um dos reféns ou escravos gastos pelo Saúl de sua guerra contra Edom
(cap. 14: 47).

Detido.

Doeg tinha abraçado a religião hebréia e estava no tabernáculo pagando seus


votos (PP 711). Não se conhecem os antecedentes desses votos. É evidente que
tinha cometido algumas falta que mereceram a recriminação do Ahimelec, pois essa
ação do sacerdote foi uma das razões principais para que Doeg depois
convertesse-se em delator do Ahimelec (PP 715).

8.

Lança ou espada.

Vendo o Doeg, David compreendeu que tinha saído da Gabaa com tanta pressa que
não tinha tido tempo para tomar arma alguma a fim de proteger-se em caso de
ataque. Estando fora da lei, se 558 achava a mercê de qualquer que o
achasse.

9.

A espada do Goliat.
Todo o armamento do Goliat se converteu em propriedade pessoal do David.
É provável que previamente ele tivesse apresentado a espada no tabernáculo
como uma oferenda de gratidão para Deus. Bem compreendia David que o
tabernáculo não era uma armería, mas possivelmente pensando na possibilidade de que a
espada ainda estivesse ali, perguntou de repente se o sacerdote não tinha um
arma que pudesse lhe emprestar.

Nenhuma como ela.

Pelo lugar da espada no tabernáculo e pela forma em que estava


envolta, podia-se saber que a guardava como um recordativo de uma grande
vitória providencialmente concedida ao Israel. Parece que David se alegrou ante
a idéia de conseguir essa espada, possivelmente nem tanto por seu valor militar a não ser
porque seria um recordativo constante da direção protetora do Senhor.
Necessitava desse motivo de ânimo nesse momento.

10.

Aquis.

Aquis é chamado Abimelec no título [ou sobrescrito] do Sal. 34. Aquis era
um nome filisteu, e Abimelec, um nome semítico. David escreveu esse salmo
quando fingiu estar louco diante dos homens de Filistéia. Estando fora de
a lei, David não podia encontrar ajuda no Israel. Era algo bastante comum que
os proscritos de uma nação recebessem amparo de parte dos inimigos de
essa nação. Gat não estava longe, possivelmente a menos de 50 km do Nob. Dificilmente
Saúl pensaria em buscá-lo ali. David conhecia bem o país onde tinha ganho
a dote para sua esposa Mical. Se ganhava a confiança do Aquis, estava seguro
de que não se permitiria que Saúl tomasse Preso.

A história apresenta muitos casos nos quais os filhos de Deus foram


perseguidos por seu próprio povo e receberam muita ajuda dos que eram
considerados inimigos. Por exemplo, Sedequías capturou ao Jeremías por seu
profecia (Jer. 32: 3), mas os conquistadores babilonios lhe mostraram
misericórdia (Jer. 40: 1-6). As vicissitudes do David mostram estranhos
contrastes e estranhas paradoxos. por que permitiu Deus que chegasse a estar
exilado? Que lição havia em que Deus um dia lhe permitisse ser o genro do
rei e que mendigasse pão ao dia seguinte?

11.

Rei da terra.

Possivelmente esta conclusão não se devia a que os filisteus soubessem do unção


do David, mas sim mas bem a que era o que tinha aceito o desfío do Goliat.
Isto lhe tinha ganho reputação por igual, entre inimigos e amigos, de ser o
herói do dia. Tinha demonstrado ser o mais firme defensor do Israel.

13.

fingiu-se louco.

Um segundo engano para o qual não há justificação (ver cap. 21: 2). Os
resultados desta experiência induziram ao David a ver a necessidade de confiar
mais em Deus. devido a isto seu coração se encheu de agradecimento, e em seu
louvor a Deus se sentiu inspirado para compor o Salmo 34. Alguns acreditam
que David compôs o Salmo 56 durante sua primeira visita ao rei do Gat. Possivelmente
mas bem tenha sido na segunda visita do David, depois de que Saúl o
perseguisse tão implacavelmente para pôr em grave risco sua mesma vida
(ver cap. 27).

Em momentos de agudas provas e tentações pessoais, quando os inimigos som


exaltados e os amigos são humilhados, quando de todas maneiras um está privado
do conselho e da ajuda que necessita, faz bem repassar o relato da forma
em que David fugiu do Saúl, sua relação com o Ahimelec e Doeg no Nob e sua fuga a
os inimigos do Israel no Gat, e então ler seu inspirado canto de
agradecimento (Sal. 34) que se pensa foi composto nesse tempo.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-15 PP 711-713 559

CAPÍTULO 22

1 Muitos se unem ao David no Adulam. 3 David encomenda a seus pais ao rei de


Moab na Mizpa. 5 Aconselhado pelo profeta Gad, vai ao Haret. 6 Saúl persegue
ao David e se queixa da infidelidade de seus servos. 9 Doeg acusa ao Ahimelec.
11 Saúl ordena matar aos sacerdotes. 17 Os servos do rei rehúsan executar
a ordem e em troca Doeg o faz. 20 Abiatar escapa da morte e leva as
novas ao David.

1 INDO-SE logo David dali, fugiu à cova do Adulam; e quando seus irmãos
e toda a casa de seu pai souberam, vieram ali a ele.

2 E se juntaram com ele todos os afligidos, e tudo o que estava endividado, e


todos os que se achavam em amargura de espírito, e foi feito chefe deles; e
teve consigo como quatrocentos homens.

3 E se foi David dali a Mizpa do Moab, e disse ao rei do Moab: Eu te rogo


que meu pai e minha mãe estejam com vós, até que saiba o que Deus fará de
mim.

4 Os trouxe, pois, à presença do rei do Moab, e habitaram com ele todo o


tempo que David esteve no lugar forte.

5 Mas o profeta Gad disse ao David: Não te esteja neste lugar forte; anda e
vete a terra do Judá. E David se foi, e veio ao bosque do Haret.

6 Ouviu Saúl que se sabia do David e dos que estavam com ele. E Saúl estava
sentado na Gabaa, debaixo de um tamarisco sobre um alto; e tinha sua lança em seu
mão, e todos seus servos estavam ao redor dele.

7 E disse Saúl a seus servos que estavam ao redor dele: Ouçam agora, filhos de
Benjamim: Dará-lhes também a todos vós o filho do Isaí terras e vinhas, e
fará-lhes a todos vós chefes de milhares e chefes de centenas,

8 para que todos vós tenham conspirado contra mim, e não haja quem me
descubra ao ouvido como meu filho tem feito aliança com o filho do Isaí, nem algum
de vós que se aduela de mim e me descubra como meu filho levantou meu
servo contra mim para que me espreite, tal como o faz hoje?

9 Então Doeg edonita, que era o principal dos servos do Saúl, respondeu
e disse: Eu vi o filho do Isaí que veio ao Nob, ao Ahimelec filho do Ahitob,

10 o qual consultou por ele ao Jehová e lhe deu provisões, e também lhe deu a
espada do Goliat o filisteu.

11 E o rei enviou pelo sacerdote Ahimelec filho do Ahitob, e por toda a casa
de seu pai, os sacerdotes que estavam no Nob; e todos vieram ao rei.

12 E Saúl lhe disse: Ouça agora, filho do Ahitob. E ele disse: me haja aqui, meu senhor.

13 E lhe disse Saúl: por que conspirastes contra mim, você e o filho do Isaí,
quando lhe deu pão e espada, e consultou por ele a Deus, para que se
levantasse contra mim e me espreitasse, como o faz hoje em dia?

14 Então Ahimelec respondeu ao rei, e disse: E quem entre todos seus servos
é tão fiel como David, genro também do rei, que serve a suas ordens e é
ilustre em sua casa?

15 comecei eu desde hoje a consultar por ele a Deus? Longe seja de mim; não
culpe o rei de coisa alguma a seu servo, nem a toda a casa de meu pai; porque
seu servo nada sabe deste assunto, grande nem pequena.

16 E o rei disse: Sem dúvida morrerá, Ahimelec, você e toda a casa de seu pai.

17 Então disse o rei às pessoas de seu guarda que estava ao redor dele:
lhes volte e matem aos sacerdotes do Jehová; porque também a mão deles
está com o David, pois sabendo eles que fugia, não me descobriram isso. Mas os
servos do rei não quiseram estender suas mãos para matar aos sacerdotes de
Jehová.

18 Então disse o rei ao Doeg: Volta você, e arremete contra os sacerdotes. E


voltou-se Doeg o edomita e atacou aos sacerdotes, e matou naquele dia a
oitenta e cinco varões que vestiam efod de linho.

19 E ao Nob, cidade dos sacerdotes, feriu fio de espada; assim a homens


como a mulheres, meninos até os de peito, bois, asnos e ovelhas, tudo o feriu
a fio de espada.

20 Mas um dos filhos do Ahimelec filho 560 do Ahitob, que se chamava


Abiatar, escapou, e fugiu detrás o David.

21 E Abiatar deu aviso ao David de como Saúl tinha dado morte aos sacerdotes
do Jehová.

22 E disse David ao Abiatar: Eu sabia que estando ali aquele dia Doeg o edonita,
ele o tinha que fazer ter sabor do Saúl. Eu ocasionei a morte de todas as
pessoas da casa de seu pai.

23 Fica comigo, não tema; quem procurar minha vida, procurará também a tua;
pois comigo estará a salvo.

1.

Cova do Adulam.

Segundo Josefo (Antiguidades vi. 12. 3) trata-se de uma cova próxima à cidade
do Adulam. Adulam se identificou com o Khirbet esh-Sheikh Madhkûr, a 26 km
ao sudoeste de Jerusalém, na baixada ocidental das montanhas do Judá,
onde descendem para a Sefela. O povo está no extremo ocidental do
vale de L, onde David fez frente ao gigante filisteu. Nessas colinas há
muitas cavernas, algumas das quais são muito grandes. As formações de
arenito são tão suaves que as paredes se podem cortar com conchas.
Nem o correr dos séculos apagou as marcas dessas conchas. Os pastores
cuidavam seus rebanhos em algumas destas cavernas. afirma-se que os
cristãos primitivos viveram em algumas delas, poucos quilômetros ao sul de
Adulam, no tempo quando a perseguição os fez fugir das cidades de
Palestina. Algumas das covas contêm tumbas e criptas similares às de
as catacumbas de Roma. No Adulam era onde David estava oculto quando quis
beber do poço de Presépio. Três de seus valentes, por lhe trazer água, arriscaram
a vida infiltrando-se nas linhas dos filisteus que se deram procuração
do vale do Refaim, perto de Jerusalém. Tão afligido ficou David por seu
lealdade, que derramou a água como uma libação ante o Jehová (2 Sam. 23: 13-17; 1
Crón. 11: 15-19). Este incidente ocorreu no tempo da colheita (2 Sam.
23: 13; cf. 1 Sam. 23: 1), na primavera e princípio do verão. Possivelmente David
passou o inverno nessa cova.

De acordo com o sobrescrito do Salmo 57, David o escreveu enquanto estava


na cova do Adulam. Recuperando a fé e o valor, então expressou seu
confiança na liberação divina, embora se encontrava "entre leões ... entre
filhos de homens" cujos dentes eram como "lanças e setas, e sua língua espada
aguda" (Sal. 57: 4). A mudança de seu estado de ânimo possivelmente se deveu à
presença do profeta Gad, o qual -como alguns o sugeriram- uniu-se com
David e seus companheiros na cova (ver com. vers. 5).

3.

Mizpa.

Literalmente, "atalaia". As ruínas destes "refúgios" ou fortalezas se hão


encontrado por todo o distrito montanhoso do Moab. construíam-se nas
salientes dos topos montanhosos a curta distância uma de outra. apostavam-se
observadores nessas fortalezas para formar uma cadeia de comunicações.
Não se conhece o lugar exato desta Mizpa do Moab. Possivelmente foi uma das
fortalezas das colinas moabitas perto do Kir. Parece que Kir, pelo menos
em uma época posterior, foi a capital do Moab (ver 2 Rei. 3: 25-27). Seu
nome moderno é Kerak, população situada nas ladeiras do Wadi Kerak, em
uma eminência particularmente apta para a defesa. A 22,4 km do Kir está o
Wadi Hes~ -o arroio que na Bíblia se chama Zered- que formava a fronteira
setentrional do Edom. Saúl tinha guerreado contra Moab depois de subir ao
trono (1 Sam. 14: 47). portanto, qualquer que fora proscrito pelo Saúl
refugiava-se nessa região. Talvez David também sentiu a influência do
feito de que Rut, sua bisavó, era moabita.

4.

Lugar forte.

Heb. metsudah, "uma praça forte", "um baluarte", da raiz tsud que significa
"perseguir".

5.

Gad.

Esta é a primeira menção de um homem que ia figurar muito na vida de


David. Posto que Saúl se voltou não só contra os sacerdotes mas também também
contra os profetas -dos quais Samuel era o principal-, era de esperar-se
que o rei tivesse perdido o favor de todos os que eram verdadeiramente
religiosos. Possivelmente foi Samuel quem enviou ao Gad para que se relacionasse com
David. O futuro rei do Israel se beneficiaria muito com a presença de um
vidente divinamente inspirado. Enquanto viveu David, Gad foi seu vidente (2
Sam. 24: 11-19). junto com o Natán o profeta, Gad foi o recopilador da
biografia do David (1 Crón. 29: 29). Posto que sobreviveu a seu rei e amigo de
toda a vida, o natural é que começasse a relacionar-se com o David quando
ainda Gad era 561 jovem. Embora não se consigna, é provável que Gad houvesse
visitado o David enquanto este estava no Adulam e que o acompanhasse ao Moab mais
bem que ter ido encontrar o na Mizpa. Só tratando de reunir os
fragmentos de informações a respeito do David, de diversas porções das
Escrituras, pode-se ver quantos detalhes -interessantes se tão somente pudéssemos
recuperá-los- omitiram-se ao apresentar o relato da ajuda providencial de
Deus prodigalizada a seus filhos.

O que Deus fez pelo David ao lhe proporcionar direção profético, havia-o
feito pelo Saúl. Estas duas vistas se colocam em contraste e demonstram que Deus
não faz acepção de pessoas. Os que não alcançam a norma divina, fracassam não
porque o Senhor não lhes tenha posto ao seu dispor todo o necessário para o
verdadeiro êxito, mas sim porque rechaçam persistentemente o plano do céu.

Não te esteja.

David não devia ficar no Moab. O necessitava no Judá. As forças do Saúl


pareciam ineficazes contra as contínuas incursões dos filisteus (1 Sam.
23: 1, 27; 1 Crón. 11: 15) e as condições eram instáveis. O relato de
Nabal implica que os pastores necessitavam amparo armada (1 Sam. 25: 15,
16, 21). O ódio que Saúl sentia pelo David não era uma razão para que este
fugisse a um país estrangeiro. Deus, que o tinha protegido tantas vezes no
passado, não o abandonaria, mas sim represaria os acontecimentos para que,
mediante penalidades e sofrimentos, recebesse a preparação necessária para o
liderança futuro.

A disciplina do sofrimento foi eficaz até na vida do Jesus. O Capitão


de nossa salvação foi aperfeiçoado "por aflições" (Heb. 2: 10). David,
ao voltar para estar em meio de todos os que tinham dificuldades no Judá,
devia comportar-se de maneira que desse ânimo a todos os que o rodeavam. Hoje
em dia Deus deseja demonstrar a lealdade de seus filhos em toda sorte de
ambientes; não deseja que se retirem quando as circunstâncias se fazem
difíceis. Quer que seus seguidores demonstrem a beleza da religião
cristã e revelem sua imensa superioridade sobre o serviço do eu e de
Satanás.

Haret.

Possivelmente a moderna Kharâs, ao noroeste do Hebrón, no limite do distrito


montanhoso; mas sua identificação é incerta ainda.

6.

sabia-se do David.

Alguns comentadores tomam o relato do resto deste capítulo como uma


ilustração da forma em que às vezes o texto hebreu se separa de uma
sucessão cronológica estrita dos acontecimentos, a fim de levar um
pensamento até sua conclusão antes de tratar outro. Uma interpretação tal
desta passagem supõe que a acusação do Doeg contra o sacerdote Ahimelec e
a matança do Nob, seguiram imediatamente ao descobrimento da primeira
fuga do David, mas que a narração continua com o relato a respeito do David e
seus homens, até que resulta necessário apresentar a matança para explicar a
chegada do Abiatar a Keila no capítulo seguinte. Esta interpretação se
base principalmente na confissão do Ahimelec de sua ignorância quanto à
verdadeira situação do David. Esta dedução não carece de lógica.

É igualmente razoável supor que o relato segue sem interrupção. Neste


caso, a declaração de que foram descobertos David e seus homens significa
que se chegou ou seja que tinham saído de seu esconderijo no forte do Adulam e
que acampavam no bosque do Haret; e que quando soube isto o rei, queixou-se a
seus servos acusando os de colaborar a traição com o proscrito (vers. 8). Ao
ponto Doeg, o pastor, aproveitou a oportunidade para delatar ao Ahimelec (vers.
9, 10). Não há razão para supor que um homem no posto do Doeg -quando
viu o David no santuário- tivesse sabido algo da verdadeira razão de seu
vinda. Posto que não teria havido nada de estranho em que David se detivera
ali em procura de conselho antes de prosseguir em alguma missão para o Saúl, Doeg
teria considerado que não valia a pena informar isso então. Mediante a
resposta do Ahimelec não podemos determinar a ordem dos sucessos, pois seu
argumento de que ignorava a situação do David seria uma defesa lógica (ver
com. vers. 14, 15), até sem tomar em conta o intervalo entre esta suposta
traição e a acusação dos sacerdotes ante o Saúl. De modo que o assassinato
dos sacerdotes e a matança do Nob não seguiram necessária e imediatamente a
a visita do David ao santuário (ver PP 714, 715).

debaixo de um tamarisco.

O "alto" da Gabaa provavelmente era um lugar favorito de reunião para os


homens da cidade.

8.

Conspirado contra mim.

devido a seu ciúmes demenciales, Saúl começou a compadecer-se 562 de si mesmo e a


acusar a todos menos a si mesmo, por suas tentativas frustradas para capturar a
David. Começou então a morrer de calor aos próprios homens de sua tribo por não
havê-lo informado a fim de ajudar a um rival do Judá. Pensava que até seu
próprio filho se tornou contra ele e era culpado de traição. Já uma vez
tinha ameaçado fazendo-o matar (cap. 14: 44); agora acreditava que o povo
simpatizava com o Jonatán ainda mais que antes.

9.

Então Doeg ... respondeu.

Doeg, o principal dos servos, viu sua oportunidade para vingar do


sacerdote Ahimelec (ver com. cap. 21: 7), como também para melhorar sua posição
ante o rei. Disse implicitamente ao Saúl que Jonatán e os benjamitas não tinham
tanta culpa como o sacerdote, o qual não só deu alimento ao David mas também
consultou ao Jehová por ele e lhe deu uma arma (vers. 10). Sem dúvida Doeg não se
ofereceu para dar essa informação até que foi estimulado pelo oferecimento
de ricas recompensas e elevados cargos (ver PP 715).

14.

Ahimelec respondeu.

Não negou Ahimelec a acusação de ter ajudado ao David, mas sim negou ter sido
desleal. De sua resposta uma diferença de opinião para se localizar este incidente
no tempo (ver com. vers. 6). Os que sustentam que o incidente ocorreu
imediatamente depois da fuga do David da Gabaa interpretam que as
palavras do Ahimelec significavam que, até esse momento, ele não sabia que David
já não era o servo mais fiel do Saúl e membro honorável da casa real.
depois de que David tinha estado prófugo e proscrito por tantos meses,
dificilmente Ahimelec poderia ter sido tão ignorante ou tão néscio como para
dizer ao Saúl que David servia a suas "ordens" e era "ilustre" em sua casa.

Esta conclusão se apóia em nossa tradução castelhana, que apresenta os


verbos no tempo presente. Em realidade, o hebreu tem um só verbo, sul,
traduzido aqui "serve". A forma verbal "é", é acrescentada embora apareça dois
vezes neste versículo. A forma do verbo sul que aqui se apresenta pode
receber um sentido tanto de presente como de passado, de modo que a sentença
é bastante indefinida no que corresponde ao período de tempo de que se trata.
O tempo do verbo deve entender-se pelo contexto. A tradução literal de
as palavras do Ahimelec é: "E quem entre todos seus servos como David, fiel
e o genro do rei e voltando-se [ou se voltou] a suas ordens, e honorável em você
casa?" O contexto parece requerer o uso do tempo passado. A inserção de
as formas verbais necessárias ao traduzir ao castelhano uma oração como esta,
depende do julgamento dos tradutores, mas a índole do caso permite
diferenças de opinião. É óbvio que Ahimelec quis dizer que tinha ajudado a
um a quem supunha nesse tempo -já fora recente ou remoto- que era um
representante honorável do rei.

15.

comecei eu desde hoje?

"É que comecei hoje?" (BJ). Deduz-se que se ele tivesse começado
então a procurar a direção divina para o David, depois de saber a verdadeira
situação de este, isso tivesse significado emprestar ajuda a um inimigo
declarado do Saúl; mas que quanto tinha feito antes de que soubesse do
conflito entre o Saúl e David não influía em sua fidelidade. Com tranqüila
dignidade Ahimelec respondeu à acusação do Saúl de que tinha usado os Urim*
e o Tumim em uma forma contrária às idéias do rei, ao declarar que havia
feito uma pergunta quanto ao que estava mais perto do Saúl, um que sempre
tinha-lhe sido leal e dedicado, e que tinha emprestado seu serviço ao mensageiro
do rei. Sua última palavra foi negar que tivesse sabido nada da
situação.

17.

A gente de seu guarda.

Heb. ratsim, literalmente, "os corredores" (BJ). Esta palavra se usa às vezes
para designar o guarda real, como é óbvio aqui. Possivelmente Samuel se referiu a
esse ofício quando advertiu a quão israelitas o rei pelo qual clamavam
tomaria a seus filhos e recrutaria a alguns deles para que corressem "diante
de seu carro" (cap. 8: 11). Saúl ficou frustrado ante a negativa de seus
guardas de levantar a mão contra os sacerdotes do Senhor. O que o rei
pedia era algo espantoso. Até entre as tribos pagãs de hoje em dia se considera
que o feiticeiro é sagrado e ninguém se atreve a levantar a mão contra ele.
Quanto mais deveria ter respeitado Saúl ao servo do Muito alto!

18.

Doeg o edomita.

Este descendente do Esaú aparece como um homem semelhante ao Saúl: ciumento,


ressentido, maligno e como que tivesse estado aguardando ansiosamente qualquer
débil desculpa para realizar os 563 propósitos de sua má natureza. Ao
receber permissão do rei do Israel, Doeg não vacilou em levantar a mão contra o
servo de Deus, sem ter em conta a sagrada investidura do Ahimelec e a de
seus companheiros. Oitenta e cinco homens caíram esse dia ante a paixão da
cobiça egoísta. É grande o contraste entre o professo ardor religioso de
Saúl que preservou vivo ao Agag (cap. 15: 20) e seu frenesi que o fez capaz de
perpetrar este ato de barbárie sem paralelo na história judia.

19.

A homens como a mulheres.

Os inocentes sofreram com os supostamente culpados. Possivelmente os habitantes


do Nob não tinham tido nada que ver com o traslado a sua cidade do
tabernáculo e das famílias sacerdotais (ver com. cap. 21: 1). Entretanto,
a fúria insensata e satânica do Saúl arrasou a todo o povo. Uma vez antes,
os filisteus tinham destruído a cidade sagrada de Silo. Eram os inimigos de
Israel, e entretanto não se registra que tivessem aniquilado a toda a
população.

20.

Abiatar.

Até onde se saiba, o único sobrevivente do Nob. Fugindo "detrás" o David,


provavelmente não o alcançou até que este tinha saído do bosque do Haret
para ir à cidade da Keila (ver com. cap. 23: 2, 6).

21.

Deu aviso ao David.

É óbvio que David não tinha ouvido antes a notícia. portanto, este
versículo indica que a atrocidade tinha acontecido imediatamente antes da
chegada do Abiatar a Keila e não em um tempo anterior em relação com a visita
do David ao Nob.

23.

Fica comigo.

Que gozo deve ter sido para o David dar a bem-vinda ao Abiatar! Deve haver
recebido ânimo ao ver o Urim e o Tumim (cap. 23: 6) e saber que apesar da
devastação do Nob, Deus tinha preservado o efod e ao sacerdote que o
guardava. Entretanto, quando David soube da terrível tragédia, ficou cheio
de remorso ao compreender que tinha sido responsável pela morte do supremo
sacerdote e dos que tinham perecido com ele. Quanto tivesse dado por não
ter incorrido nesse ato de engano. Com regozijo teria procedido de um
modo diferente se tivesse podido viver de novo o ano. Mas não podia desfazer
o passado. Espantosa foi sua acusação própria e entretanto não podia fazer nada
a não ser estender-se "ao que está diante" (Fil. 3: 13).

depois de ter ouvido o que fez Doeg, David escreveu o Salmo 52 (veja o
sobrescrito desse salmo). Ficou assombrado de que um homem pudesse erguer-se
em arrogante antagonismo frente ao plano de Deus em vez de descansar em seu
misericórdia eterna. Com língua afiada como uma navalha Doeg tinha semeado
engano e calamidade até o ponto de que se converteu na mesma
personificação da fraude e do mal. Mas colheria o que tinha semeado.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-23 PP 713-716

1 PP 713; 3TS 376

2 Ed 147

2-5 PP 714

7-10, 16, 18, 19 PP 715

20-23 PP 716

CAPÍTULO 23

1 David pergunta ao Jehová mediante o sacerdote Abiatar e resgata a Keila, 7


Deus lhe confirma a vinda do Saúl e a traição dos habitantes da Keila, e
David escapa desse lugar. 14 Jonatán o visita no Zif e o consola. 19 Os
habitantes do Zif revelam ao Saúl o esconderijo do David. 25 No Maón é liberado
do Saúl por causa da invasão dos filisteus. 29 David vai se viver em
Em-gadi.

1 DERAM aviso ao David, dizendo: Hei aqui que os filisteus combatem a Keila, e
roubam as foi.

2 E David consultou ao Jehová, dizendo: irei atacar a estes filisteus? E


Jehová respondeu ao David: Vê, ataca aos filisteus, e libra a Keila. 564

3 Mas os que estavam com o David lhe disseram: Hei aqui que nós aqui no Judá
estamos com medo; quanto mais se formos a Keila contra o exército dos
filisteus?

4 Então David voltou a consultar ao Jehová. E Jehová lhe respondeu e disse:


te levante, descende a Keila, pois eu entregarei em suas mãos aos filisteus.

5 Foi, pois, David com seus homens a Keila, e brigou contra os filisteus, se
levou seus gados, e lhes causou uma grande derrota; e liberou David aos da Keila.

6 E aconteceu que quando Abiatar filho do Ahimelec fugiu seguindo ao David a


Keila, descendeu com o efod em sua mão.

7 E foi dado aviso ao Saúl que David tinha vindo a Keila. Então disse Saúl:
Deus o entregou em minha mão, pois se encerrou entrando em cidade com
portas e fechaduras.

8 E convocou Saúl a todo o povo à batalha para descender a Keila, e pôr


sitio ao David e a seus homens.

9 Mas entendendo David que Saúl ideava o mal contra ele, disse ao Abiatar
sacerdote: Traz o efod.

10 E disse David: Jehová Deus do Israel, seu servo tem entendido que Saúl
trata de vir contra Keila, a destruir a cidade por minha causa.

11 Entregarão os vizinhos da Keila em suas mãos? Descenderá Saúl, como há


ouvido seu servo? Jehová Deus do Israel, rogo-te que o declare a seu servo. E
Jehová disse: Sim, descenderá.

12 Disse logo David: Entregarão os vizinhos da Keila a mim e a meus homens


em mãos do Saúl? E Jehová respondeu: Eles entregarão.

13 David então se levantou com seus homens, que eram como seiscentos, e
saíram da Keila, e andaram de um lugar a outro. E veio ao Saúl a nova de
que David se escapou da Keila, e desistiu de sair.

14 E David ficou no deserto em lugares fortes, e habitava em um monte


no deserto do Zif; e o buscava Saúl todos os dias, mas Deus não o
entregou em suas mãos.

15 Vendo, pois, David que Saúl tinha saído em busca de sua vida, esteve-se em
Hores, no deserto do Zif

16 Então se levantou Jonatán filho do Saúl e vinho ao David ao Hores, e


fortaleceu sua mão em Deus.

17 E lhe disse: Não tema, pois não te achará a mão do Saúl meu pai, e você
reinará sobre o Israel, e eu serei segundo depois de ti; e até Saúl meu pai assim
sabe.

18 E ambos fizeram pacto diante do Jehová; e David ficou no Hores, e


Jonatán se voltou para sua casa.

19 Depois subiram os do Zif para lhe dizer ao Saúl na Gabaa: Não está David
escondido em nossa terra nas penhas do Hores, na colina da Haquila,
que está ao sul do deserto?

20 portanto, rei, descende logo agora, conforme a seu desejo, e nós o


entregaremos na mão do rei.

21 E Saúl disse: Benditos vós sejam do Jehová, que tivestes compaixão


de mim.

22 Vão, pois, agora, lhes assegure mais, conheçam e vejam o lugar de seu esconderijo, e
quem o tenha visto ali; porque me há dito que ele é ardiloso em grande
maneira.

23 Observem, pois, e lhes informe de todos os esconderijos onde se oculta, e


voltem para mim com informação segura, e eu irei com vós; e se ele estivesse em
a terra, eu lhe buscarei entre todos os milhares do Judá.

24 E eles se levantaram, e se foram ao Zif diante do Saúl. Mas David e seu


gente estavam no deserto do Maón, no Arará ao sul do deserto.

25 E se foi Saúl com sua gente para buscá-lo; mas foi dado aviso ao David, e
descendeu à penha, e ficou no deserto do Maón. Quando Saúl ouviu isto,
seguiu ao David ao deserto do Maón.

26 E Saúl ia por um lado do monte, e David com seus homens pelo outro lado
do monte, e se dava pressa David para escapar do Saúl; mas Saúl e seus homens
tinham encerrado ao David e a sua gente para capturá-los.

27 Então veio um mensageiro ao Saúl, dizendo: Vêem logo, porque os filisteus


fizeram uma irrupção no país.
28 Voltou, portanto, Saúl de perseguir o David, e partiu contra os filisteus.
Por esta causa puseram a aquele lugar por nomeie Sela-hama-lecot.

29 Então David subiu dali e habitou nos lugares fortes de Em-gadi.

1.

Keila.

Um povo que estava a 4 km ao sul do Adulam, situado nas ladeiras rochosas


do 565 Wadi é-Sul, de onde este emerge do distrito montanhoso e entra na
planície de L. Keila estava a 14,4 km do baluarte filisteu do Gat. Agora se
conhece como Khirbet Qîl~.

Foi.

Estava entrando o verão pois se colheu e trilhado o grão, e os


áureos montões esperavam a distribuição. A maior parte deste trabalho se
fazia em forma coletiva. tomavam em conta três fatores para a seleção
destas foi: (1) A necessidade de uma superfície plaina, preferentemente rocha.
(2) A necessidade de um lugar o suficientemente alto para permitir que uma
boa brisa se levasse o felpa. (3) A conveniência de uma localização tão
central na comunidade como fora possível (ver 1 Crón. 21:18-26).

2.

David consultou.

Alguns consideram isto como uma prova de que Abiatar estava com o David e que
a consulta foi feita por meio dos Urim e do Tumim (ver com. vers. 9),
embora o texto não menciona a maneira em que se fez a consulta. Mas o
vers. 6 parece implicar que Abiatar não alcançou ao David até que este esteve em
Keila. Entretanto, antes disto, Gad, o vidente, esteve com o David (cap. 22:
5). Nesse tempo, normalmente se consultava a Deus por meio de um vidente
(cap. 9: 9). De modo que facilmente David poderia ter procurado a direção
de Deus mediante Gad.

3.

No Judá estamos com medo.

Se os homens do David se deixaram ver nesse tempo, teriam deslocado


o perigo de ser reconhecidos ao ponto. logo que Saúl houvesse
descoberto seu esconderijo, teria enviado uma tropa contra eles. Estando em
perigo sua vida entre sua própria tribo, vacilaram em fazer frente a um capitalista
inimigo estrangeiro. Com gosto teriam defendido ao Israel contra os ataques
sem motivo de seus inimigos, mas quanto bem podiam fazer estes assim chamados
proscritos em povos que deviam ser leais à coroa e que naturalmente se
esperaria que ajudassem ao rei capturando a seus oponentes? Apesar da
debilidade do Saúl, a maioria do povo era obediente à coroa. David e
seus conselheiros estavam em um verdadeiro dilema, e pensaram que o único prudente
que podiam fazer era apresentar seu problema ante o Senhor.

4.

Descende.
Deus se agrada quando seus filhos consultam sua divina vontade. Quanto mais
freqüentemente façam isto, mais confiança terão em que Deus os tirará de seu
dificuldade. Deus estava fortalecendo ao Israel para que reprimisse as
depredações dos filisteus. Se David tivesse tomado uma parte ativa em
isto, poderia ter ganho o favor do povo, o qual sabia que a política de
David era a de fortalecer o reino e não fomentar uma revolução contra ele.

5.

Foi ... a Keila.

O consentimento dos homens para seguir a condução divina indica que


durante os meses de relação com o David, este os tinha convencido de que
primeiro precisavam definir qual era a vontade de Deus, e depois prosseguir
sem temor, confiando em que o céu lhes abriria o caminho. A mesma cuidadosa
investigação da vontade de Deus a respeito de cada ato e proceder devesse
caracterizar a conduta dos cristãos de hoje em dia.

Keila era um povo amuralhado (vers. 7), mas seus inexperientes habitantes não
podiam competir com os experimentados soldados de Filistéia. Saúl estava a
muitos quilômetros de distância, mas perto se achavam David e seus homens. A
ação imediata destes derrotou aos surpreendidos filisteus.

levou-se seus gados.

Talvez os derrotados filisteus foram expulsos até tão longe dentro de seu
próprio território, que David pôde obter uma indenização pelo dano feito,
ou o gado consistia nos bois que os filisteus tinham levado para
transportar o grão em carretas. Não nos diz quanto do bota de cano longo deu David a
Keila e quanto guardou para seus homens. Vários centenares de homens
necessitavam muitas provisões.

6.

Abiatar.

Parece que o sobrevivente do Nob se encontrou com o David na Keila e lhe deu a
notícia da matança (cap. 22: 20, 21). Embora alguns entenderam que a
expressão "a Keila" corresponde com a forma verbal que segue, "descendeu",
geralmente se considera que a frase significa que Abiatar se encontrou
primeiro com o David na Keila.

7.

encerrou-se.

É evidente que David ficou suficiente tempo na Keila como para que Saúl
pensasse que por fim o tinha apanhado.

8.

Pôr sítio ao David.

É provável que Saúl estivesse convencido de que Deus o guiava em sua luta
contra David. Um homem pode pensar o mal portanto tempo, que este se
converte em bem ante seus olhos, e a consciência pode estar realizando os
pensamentos 566 e as intenções de seu coração. Por exemplo, Coré estava
convencido de que Deus o tinha renomado para presidir a rebelião contra
Moisés; María acreditava estar no correto quando censurou à esposa do Moisés;
e é evidente que Joacim, sem nenhum remorso, recusou aceitar a profecia
do Jeremías sobre o cativeiro babilônico do Israel, e queimou o cilindro
profético (Jer. 36: 22-30).

Pelo contrário, David desejava manter injustiça e a dignidade de seu povo


ante as tribos circunvizinhas, e também ajudar a qualquer no Israel que
pudesse estar sofrendo alguma desgraça. Não se revoltou contra Saúl ao ganhar
a simpatia dos membros de sua própria tribo. Tampouco lutava -como o
estavam fazendo os filisteus- em procura de um bota de cano longo obtenible mediante
incursões nos distritos vizinhos.

9.

O efod.

Por seu crime contra os sacerdotes, Saúl se tinha privado dos benefícios de
os Urim e do Tumim, se era que na verdade o Senhor se comunicou com ele
por esse meio desde que foi rechaçado (ver cap. 28: 6). Não recebendo mais
mensagens divinas, aquietava sua consciência culpado vendo em cada oportunidade
uma revelação divina para ele, em harmonia com os desejos de sua mente doente.
Mediante a divina Providência, e sem dúvida devido à fidelidade do David para
acatar a vontade de Deus, chegou até ele o efod que Saúl tinha perdido.

As Escrituras não dizem exatamente como responderam os Urim e o Tumim à


consulta. Este silêncio criou muita especulação entre os rabinos. O
Talmud babilônico afirma que o oráculo era chamado Urim porque acrescentava
explicações a suas afirmações; era chamado Tumim porque suas declarações
sempre eram completas. A tradição afirmava que essas pedras eram as mesmas
em que estavam inscritos os nomes das 12 tribos e que as letras
necessárias para soletrar a resposta se sobressaíam como as de uma moeda. As
letras que formam os nomes das 12 tribos não constituíam todo o alfabeto
hebreu, mas a tradição lhes acrescenta os nomes: "Abraão", "Isaac", "Jacob" e
"Tribos do Jesurún" (Talmud, Yoma 73 a, b).

Diz Josefo: "essas mediante doze pedras que o supremo sacerdote levava no
peito e que estavam inseridas em seu peitoral, Deus declarava de antemão
quando sairiam vitoriosos em uma batalha; pois um esplendor tão intenso
refulgia delas antes de que o exército começasse a marcha, que todo o
povo compreendia que Deus estava presente para lhe emprestar ajuda" (Antiguidades
iII. 8. 9). Entretanto, os Urim e o Tumim não eram as 12 pedras do
peitoral a não ser 2 pedras de grande brilho, uma a cada lado do peitoral. A
aprovação era indicada por uma luz que rodeava a pedra da direita, e a
desaprovação por uma sombra sobre a pedra da esquerda (ver PP 364). As
respostas correspondentes aos Urim e ao Tuinim não sempre eram o
equivalente de Si ou Não (ver Juec. 1: 2; 20: 18; 1 Sam. 23: 11, 12), mas é
possível que o sacerdote desse uma resposta em forma de uma declaração breve
para responder a uma série de perguntas.

10.

Destruir a cidade.

Sem dúvida os habitantes da Keila estavam agradecidísimos pela ajuda do David,


e possivelmente no momento não pensaram em futuras complicações. Em vez de
permanecer no bosque do Haret, David achou a cidade aberta para ele e seus
homens, e sem dúvida a população fez todo o possível para suprir as
necessidades desse grande grupo. Mas as notícias viajam rapidamente, e não passou
muito antes de que se notificasse ao Saúl dos detalhes do encontro com os
filisteus, e a aparência da situação trocou súbitamente. os da Keila se
deram conta de que se veriam forçados a decidir, por um lado, entre a
lealdade ao Saúl com a conseguinte retenção de seu estado legal no Israel, e
por outro lado, o inevitável rechaço do Saúl por ser amistosos com o proscrito
David, com a conseguinte destruição de sua cidade.

David revelou previsão ao antecipar uma situação tal, mas com toda sua larga
experiência não sabia que caminho tomar. Tinha ido ao Haret guiado pela
direção divina precisamente quando se necessitava sua presença para salvar a
Keila. Entretanto, sabia que se ficava dentro das muralhas, atuaria
contra o ungido do Senhor e iniciaria uma revolução civil contra a qual se
rebelava do mais íntimo da alma.

12.

Eles entregarão.

Deus não ao David para que saísse da Keila como lhe tinha dado instruções de
que lutasse pouco tempo antes. David ficou liberado ao uso de seu próprio julgamento
depois de saber o que aconteceria. Mostrou suas boas condições de caudilho
ao não pensar tanto em sua própria segurança 567 como na de toda a comunidade.

Deus tinha proporcionado ao Saúl a mesma direção divina nos começos de


sua carreira. Saúl rechaçou o conselho de Deus; David o aproveitou e foi de
vitória em vitória. David se retirou sem ruído da Keila e seus homens o
seguiram sem vacilações. Dia detrás dia cada nova experiência o reanimava e
aumentava a confiança de seus homens nele como líder.

14.

Zif.

Um povo em uma meseta a 6 km ao sudeste do Hebrón. Hebrón está ao oeste de


duas montanhas de 915 m de altura. Um profundo wadi está entre essas duas colinas.
Na baixada da colina oriental por volta do mar Morto começa o deserto de
Zif, que se estende para o este por vários quilômetros. Este distrito é um
deserto árido e calcinado, cheio de wadis profundos que oferecem excelentes
esconderijos. Os "lugares fortes", ou fortaleça, eram mirantes que dominavam
extensas zonas do país e estavam o bastante perto como para que fora
impossível que alguém atravessasse essa seção sem ser advertido. Talvez David
colocou a seus homens em vários pontos estratégicos, e cada dia recebia
informação a respeito da localização das forças do Saúl. Quase era impossível
obter água e mantimentos.

15.

Hores.

Alguns localizaram este lugar a 2,8 km ao sul do povo do Zif, sobre a rota
principal do Hebrón a Em-gadi. Possivelmente David chegou aqui em busca de alimento e
água.

16.

Veio ao David.

Jonatán achou algum meio para convir um encontro com o David. Possivelmente alguns
dos soldados enviados nessas patrulhas de exploradores informaram ao Jonatán
de algo que não disseram ao Saúl. Se foi assim, David deve ter ficado convencido
de que muitos lhe tinham simpatia.

Precisava ser reanimado por uma visita tal. Embora o sobrescrito do Salmo
11 não indica o tempo quando foi composto, seu tom de confiança induziu a
alguns a acreditar que, depois da visita do Jonatán, David expressou nas
linhas desse salmo sua confiança nas ajudas oportunas do Senhor (ver Sal.
11; PP 716, 717).

19.

os do Zif.

O hebreu não usa aqui o artigo definido. portanto, a frase bem poderia
traduzir-se melhor: "alguns do Zif". Isto sugere que não todos procuraram
trair ao David. Quando David ouviu que tinha sido traído, compôs o
Salmo 54.

Colina da Haquila.

Não se conhece a localização exata desta colina. Alguns a identificaram


com uma larga cadeia argilosa de pedra calcária que vai do deserto do Zif
por volta do mar Morto.

24.

Maón.

Um povo a 12,8 km ao sul do Zif. O deserto do Maón está ao leste do povo


que se estende por volta do mar Morto. O sítio se conhece agora como Tell MA'Tn.

28.

Sela-hama-lecot.

Literalmente, "a penha das divisões". Segundo Conder, "entre a colina do


Kolah (a antiga colina da Haquila) e nas proximidades do Maón há um grande
ravina chamado "vale de Rochas", um precipício estreito mas profundo, que
só se pode salvar dando um rodeio de muitos quilômetros, de modo que Saúl
poderia ter tido ao David ao alcance de seu olhar, e entretanto estava
incapacitado para dar alcance a seu inimigo; e agora se aplica o nome de
Malaky a esta 'penha das divisões', palavra muito similar ao hebreu
Mahlekoth. As proximidades estão fendidas por muitos leitos torrentosos, mas
não há outro lugar perto do Maón onde possam encontrar-se tais penhascos como os
que se inferem da palavra sei-a'. portanto, parece-me bastante seguro
considerar que este precipício foi o cenário da maravilhosa fuga de
David, devida a uma súbita invasão dos filisteus, que pôs fim à
história de suas difíceis fugas na zona meridional do país" (Tent Work, T.
2, pág. 91).

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-29 PP 716, 717

5, 14, 16-18 PP 716

19, 20, 24, 25 PP 717 568


CAPÍTULO 24

1 David perdoa a vida ao Saúl em uma cova de Em-gadi e lhe corta o extremo de
seu manto. 8 Com isso confirma sua inocência. 16 Saúl reconhece seu engano, faz um
juramento ao David e se vai.

1 QUANDO Saúl voltou de perseguir os filisteus, deram-lhe aviso, dizendo:


Hei aqui David está no deserto de Em-gadi.

2 E tomando Saúl três mil homens escolhidos de todo o Israel, foi em busca de
David e de seus homens, pelas cúpulas dos penhascos das cabras monteses.

3 E quando chegou a um redil de ovelhas no caminho, onde havia uma cova,


entrou Saúl nela para cobrir seus pés; e David e seus homens estavam sentados
nos rincões da cova.

4 Então os homens do David lhe disseram: Hei aqui o dia de que te disse
Jehová: Hei aqui que entrego a seu inimigo em sua mão, e fará com ele como lhe
parecesse. E se levantou David, e silenciosamente cortou a borda do manto de
Saúl.

5 depois disto se turvou o coração do David, porque tinha talhado a borda


do manto do Saúl.

6 E disse a seus homens: Jehová me guarde de fazer tal coisa contra meu senhor, o
ungido do Jehová, que eu estenda minha mão contra ele; porque é o ungido de
Jehová.

7 Assim reprimiu David a seus homens com palavras, e não lhes permitiu que se
levantassem contra Saúl. E Saúl, saindo da cova, seguiu seu caminho.

8 Também David se levantou depois, e saindo da cova deu vozes detrás de


Saúl, dizendo: Meu senhor o rei! E quando Saúl olhou para trás, David
inclinou seu rosto a terra, e fez reverência.

9 E disse David ao Saúl: por que ouve as palavras dos que dizem: Olhe que
David procura seu mau?

10 Hei aqui viram hoje seus olhos como Jehová te pôs hoje em minhas mãos em
a cova; e me disseram que te matasse, mas te perdoei, porque pinjente: Não
estenderei minha mão contra meu senhor, porque é o ungido do Jehová.

11 E olhe, meu pai, olhe a borda de seu manto em minha mão; porque eu cortei a
borda de seu manto, e não te matei. Conhece, pois, e vê que não há mau nem
traição em minha mão, nem pequei contra ti; entretanto, você anda a caça por mim
vida para me tirar isso

12 Julgue Jehová entre você e eu, e me vingue de ti Jehová; mas minha mão não será
contra ti.

13 Como diz o provérbio dos antigos: Dos ímpios sairá a impiedade;


assim que minha mão não será contra ti.

14 Atrás de quem saiu o rei do Israel? A quem persegue? A um cão


morto? A uma pulga?

15 Jehová, pois, será juiz, e ele julgará entre você e eu. O veja e sustente meu
causa, e me defenda de sua mão.

16 E aconteceu que quando David acabou de dizer estas palavras ao Saúl, Saúl
disse: Não é esta tua voz, filho meu David? E elevou Saúl sua voz e chorou,

17 e disse ao David: Másjusto é você que eu, que me pagaste com bem,
havendo-se eu pago com mau.

18 Você mostraste hoje que tem feito comigo bem; pois não me deste morte,
me havendo entregue Jehová em sua mão.

19 Porque quem achará a seu inimigo, e o deixará ir são e salvo? Jehová lhe
pague com bem pelo que neste dia tem feito comigo.

20 E agora, como eu entendo que você tem que reinar, e que o reino do Israel há
de ser em sua mão firme e estável,

21 me jure, pois, agora por jehová, que não destruirá minha descendência depois de
mim, nem apagará meu nome da casa de meu pai.

22 Então David jurou ao Saúl. E se foi Saúl a sua casa, e David e seus homens
subiram ao lugar forte.

1.

Deserto de Em-gadi.

Este capítulo devesse ter começado com o vers. 29 do capítulo precedente,


tal como está no texto hebreu usual. Em-gadi é um belo oásis à beira
569 do mar Morto, na desembocadura do Wadi o-Kelb, um canhão íngreme e
tortuoso que começa a 12,8 km no deserto de pedra calcária de Em-gadi, a
uma altura de 368 m sobre o nível do mar. Nesse curto trajeto o leito do
wadi descende 762 m até que chega ao mar Morto, a 398 m sob o nível do
mar. Os escarpados penhascos do deserto, de 610 m de altura, chegam até 2,4
km do mar, de modo que formam um formidável farallón ao oeste do povo.
Acima no wadi, a vários centenares de metros por cima da base do
penhasco, a bela vertente de águas termais do Eng-adi flui de debaixo de um
grande penhasco, a uma temperatura que se diz que chega a 28' C. Nas ladeiras
do wadi há muitas covas, tão naturais como artificiais. Na
atualidade se conhece este lugar como Engedi.

2.

Os penhascos das cabras monteses.

Algumas parte do deserto, ao oeste do oásis, sofreram que tal maneira o


efeito da erosão que são quase intransitáveis. Mas há um caminho de
Carmel, no Judá, que cruzamento os desertos do Maón e Em-gadi e descende a este
oásis pelo Wadi o-Kelb. Possivelmente Saúl tomou esta rota em sua obstinada
perseguição do David.

3.

Redil de ovelhas.

Por toda a Palestina os pastores usam as covas naturais para proteger em


elas suas ovelhas das inclemências do tempo. Pelo general, perto de
estas covas há uns cercas circulares construídos de pedras e sarças,
chamados "currais", os que durante o bom tempo protegem as ovelhas tanto
dos homens como das bestas.

Cobrir seus pés.

"Para fazer suas necessidades" (BJ). Vindo do exterior, Saúl não podia ver
nada, mas os que estavam na cova podiam ver com claridade pois tinham os
olhos acostumados à escuridão.

4.

A borda do manto do Saúl.

Literalinente, "a asa da roupa exterior do Saúl". Provavelmente esse pranto


era a túnica exterior, sem mangas, ampla e que chegava até os tornozelos,
que usavam as mulheres v tatnbiéii os homens de alta linhagem, tais como os
reis e sacerdotes. Sem dúvida os hombires do David reconheceram ao rei por seu
vestido e por sua aparência pessoal. Embora não se registra que houvesse uma
proidesa divina de que o inimigo do David lhe seria entregue, certamente o
que disseram os homens pode ter sido verdade. Possivelmente ao David lhe apresentou
a oportunidade para demonstrar as características que tinha fomentado. Se em
essa ocasião houvesse matádo ao Saúl, teria demonstrado que pelo menos em um
sentido não era melhor que Saúl, o qual -se se tivessem investido as
circunstâncias- teria se gozado em matar ao David.

Satanás pôs em dúvida a bondade de job, pretendendo que este teria amaldiçoado a
Deus se tivessem desaparecido certas bênções e se viu dentro de
certas restrições. Respondendo a essa acusação, Deus permitiu que Satanás
afligisse ao Job para demonstrar a falsidade de sua afirmação, assim como também
a retidão de seu servo. David suportou a prova ao igual a Job; tinha tal
comunhão com Deus que quando teve a seu inimigo ao seu dispor, não só recusou
lhe fazer danifico ele mesmo, mas sim reprimiu a seus homens para que não cometessem
nenhum ato hostil em seu nome.

5.

O coração do David.

Quer dizer, acusou-o sua consciência. Os antigos usavam a palavra "coração"


para descrever a sede do intelecto (Prov. 15: 28; 16: 9,23; 23: 7, 12; Mat.
12: 34; Luc. 6: 45). A palavra "conscientiza" só aparece uma vez no AT
(Sal. 16: 7 na RVR; em hebreu literalmente diz "meus rins"). Este
vocábulo aparece 30 vezes no NT (na RVR). Os seres humanos revistam dizer
que lhes governa a consciência quando, em realidade, com freqüência lhes regem
os sentimentos. A consciência é uma guia segura só quando está iluminada
pela luz do alto. Saúl tinha a consciência obscurecida, até cauterizada
com o ferro candente do ciúmes e a inveja (ver 1 Tim. 4: 2). David a
tinha educada Por Deus e, a semelhança do Pablo, em grande medida estava livre de
ofensa (Hech. 24: 16). Tendo recebido a unção divina do discernimento
espiritual, tinha demonstrado ser um verdadeiro dirigente. Não tinha dependido de
os costumes e tradições de seus dias, mas sim possuía um conhecimento do
que era correto divina e intrinsecamente.

7.

Reprimiu David a seus homens.

Possivelmente, ao igual aos discípulos de Cristo, os homens do David esperavam


os postos de honra que ocupariam quando se estabelecesse seu reino. Haviam
chegado ao ponto de não estar satisfeitos com a escassa comida e os dias e as
noites de vigilante alerta, e por ter que fugir. Nesse momento, quando Saúl
estava em seu poder, todos alvoroçados pensaram que 570 tinham triunfado e
estavam impacientem por concluir suas largas insônias. David os repreendeu
desculpando-se até pela pequena liberdade que se tomou ao estragar
a vestimenta do rei. Talvez lhes ensinou -como depois lhe disse ao rei- que a
única forma de obter o verdadeiro êxito consiste em esperar a hora de Deus.

Abraão esperou a sugestão de Deus, e pôde libertar ao Lot, homem que se


precipitou por seu caminho seguindo os ditados de sua própria sabedoria. Moisés
recusou as honras do Egito. Entretanto, depois de anos de prova se
converteu no profeta do Muito alto. O homem que entra na oficina da
vida para converter-se em aprendiz de Cristo, do que outra forma pode realizar
as obras de Deus?

8.

Inclinou seu rosto.

Seu agudo discernimento espiritual e profundo amor pela justiça impediram


que David odiasse ao Saúl, censurasse-o ante outros e o atacasse na primeira
oportunidade. David não precisava sentir a assim chamada Santa indignação por
o trato que tinha recebido. No que correspondia à forma em que Saúl procedia
com ele, podia deixar isso com Deus. Tinha na alma a tranqüila confiança de
que Deus estava com ele e até se compadecia do rei. Ninguém teria estado mais
contente que David se Saúl tivesse sacrificado seu egoísmo e se houvesse
humilhado ante Deus. Com toda a sinceridade de sua alma, possivelmente David desejava
que Saúl experimentasse o mesmo companheirismo com Deus que ele tinha. Pelo
tanto, sua obediência não era um formalismo. inclinou-se com o coração cheio de
reverencia ante a hierarquia do rei e mostrou solicitude pelo homem que
estava nesse cargo.

Cristo tinha aceito ao Judas como a um dos doze. Tinha-o enviado em


missões de misericórdia e intercessão. Tinha-o visto trocar gradualmente
até converter-se no oponente crítico, capitoso e egotista, de todo seu
programa. Entretanto, Cristo o amava e tivesse estado contente de
convertê-lo em um dos dirigentes de sua igreja (ver DTG 260, 261, 664).
Finalmente se inclinou ante o Judas com todo o desejo de sua alma, e ao lhe lavar
os pés, sem palavras o exortou a que se entregasse a Aquele que não veio para
ser servido a não ser para servir. Pablo se, ergueu diante da Agripa para defender
sua nova forma de vida. Também tinha tido muitas evidências do cuidado
providencial do qual pessoalmente podia aferrar-se. Os governantes haviam
cometido muitas injustiças com ele. Não devia pensar nelas. Tinha o
coração cheio de ansiedade pelo rei, quem exclamou ao fim: "Por pouco me
persuade a ser cristão" (Hech. 26: 28).

9.

As palavras dos que dizem.

Note-se quão bondosa e delicadamente David se dirigiu ao rei. Em vez de


culpar ao Saúl por todos seus feitos, David aludiu à influência das línguas
falsas que gotejavam a maldade do interesse próprio e instigavam ao rei usando-o
para seu próprio benefício. Pela passagem do cap. 22: 7 se pode inferir que
Saúl estava influenciado por línguas tais. Ao igual a Saúl, mais de um dirigente
está rodeado de pessoas que o seguem pelos pães e os peixes. A segurança
da posição deles depende da forma em que possam adular ao caudilho.
Se houvesse uma mudança de administração, ficariam sem apoio. Os secuaces de
Saúl tinham posto de lado a entristecedora evidência do cuidado que Deus
prodigalizava ao David. Não emprestavam atenção à estimativa do Jonatán por "o
filho do Isaí". Embora muitos estavam convencidos dos enganos do Saúl, por
razões pessoais o apoiavam e jogavam sombras sobre o nome do David (ver
Sal. 55: 3; 56: 5, 6; 57: 4; etc.). O fato de que David fora de outra tribo
pode ter tido algo que ver com os maus informe que se divulgavam, os
que careciam completamente de fundamento.

10.

Matasse-te.

Os leitores superficiais das Escrituras pensam que há um marcado


contraste entre a filosofia do olho por olho de certas passagens do AT e a
filosofia do amor apresentada nos escritos do NT. Mas aqui, séculos antes
dos tempos do NT, as ações do David ilustram o mesmo espírito
ensinado por Cristo em suas bem-aventuranças (Mat. 5: 11). Os homens do David
estavam dispostos a amar a seus amigos, mas albergavam ódio para seus
inimigos. Em meio de todo isso, David revelou respeito por seu pior inimigo (ver
Mat. 5: 43-48).

11.

Olhe a borda.

Talvez Saúl tinha emprestado pouca atenção às palavras do David quanto a


levantar a mão contra o ungido do Jehová, mas quando viu o bordo de seu
manto ante seus olhos e compreendeu quão perto tinha estado da morte, tremeu
pela evidência material da inocência do David. Era o 571 triunfo da
força espiritual sobre as façanhas físicas.

12.

Julgue Jehová.

O rei só podia falar em términos de façanhas físicas, e quando David referiu


todo o assunto a Aquele que tinha ungido ao Saúl, o rei sabia que tinha que
confessar que era culpado. A resposta do Saúl foi voluntária, como foi a
do Judas quando devolveu o suborno que tanto tinha cobiçado (Mat. 27: 3-5).
Assim será no dia do julgamento. Quando a inocência e o sacrifício eterno de
Cristo sejam postos em evidencia diante das hostes congregadas de todos
os séculos, dobrará-se cada joelho e cada língua aclamará a perfeição do
caráter de Cristo (Fil. 2: 10, 11).

13.

Provérbio dos antigos.

David não acrescentou o contrário: "O bem sai dos justos", mas Saúl pôde
tirar suas próprias conclusões e provavelmente o fez. Se David houvesse
estado tramando para prejudicar ao Saúl, não teria perdido a oportunidade que se
tinha-lhe apresentado poucos momentos antes. É natural que os atos do homem
reflitam seus sentimentos, de modo que de um coração realmente ímpio saem
maus feitos. Ao apresentar isto como uma prova adicional de sua inocência,
David insistia ao rei a compreender que cada indivíduo é responsável ante Deus
por seus atos. Assegurava-lhe que sem tomar em conta a profundidade até a
que tinha cansado, Deus podia e, ainda mais, queria transformar sua má natureza.
Tudo o que se precisava era a eleição do Saúl e sua cooperação.

14.

A uma pulga?

A declaração faz ressaltar a humildade do David. Compare-se com o proceder


da mulher de Tiro quando pediu a ajuda de Cristo para sua filha (Mar. 7:
24-30).

17.

Mais justo é você que eu.

Compare-a forma em que David respeitava ao Saúl -como sogro e como rei- e seu
reverencia pelo rei como ungido do Senhor, com o arrebatado egoísmo do Saúl
ao tratar de matar ao David por meio do Mical, seu zelo invejoso que o
converteu em um demônio e sua sede insaciável do sangue do homem que o
tinha perdoado a vida. Dos lábios do Saúl brotou a contra gosto a
confissão da verdade quando o calor da magnanimidade do David derreteu seu
gélido ódio.

19.

Jehová te pague com bem.

Que notável mudança no tom empregado na crítica que Saúl dirigiu a seus
irmãos de tribo porque não podia conseguir informe deles quanto ao
paradeiro do David! (cap. 22: 8). Então o rei foi áspero e exigente, mas
agora sua voz foi evidentemente tenra. emocionou-se tanto que chorou. Apenas
podia acreditar que se salvou por uma margem tão estreita. Uma vez foi
jactancioso; agora, humilde! Assim estarão os ímpios ante o tribunal do
Muito alto (ver CS 726, 727).

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

22 PP 717-719

1-6 PP 717

4-6 MC 385

11 PP 796

8-11, 16-22 PP 718

CAPÍTULO 25

1 Morte do Samuel. 2 David envia a pedir mantimentos ao Nabal. 10 Ante a


negativa do Nabal, propõe-se destrui-lo. 14 Abigail se dá conta do que vai
a ocorrer, 18 toma um presente, 23 e graças a sua sabedoria 32 pacifica a
David. 36 Morte do Nabal. 39 David toma como suas mulheres a Abigail e a
Ahinoam. 44 Mical é dada ao Palti.

1 MORREU Samuel, e se juntou todo o Israel, e o choraram, e o sepultaram em seu


casa no Ramá. E se levantou David e se foi ao deserto de Param.

2 E no Maón havia um homem que tinha sua fazenda no Carmel, o qual era muito
rico, e tinha três mil ovelhas e mil cabras. E aconteceu que estava tosquiando
suas ovelhas no Carmel.

3 E aquele varão se chamava Nabal, e sua mulher, Abigail. Era aquela mulher de
bom entendimento e de formosa aparência, 572 mas o homem era duro e de
más obras; e era da linhagem do Caleb.

4 E ouviu David no deserto que Nabal tosquiava suas ovelhas.

5 Então enviou David dez jovens e lhes disse: Subam ao Carmel e vão ao Nabal, e
lhe saúdem em meu nome,

6 e lhe digam assim: Seja paz a ti, e paz a sua família, e paz a tudo que tem.

7 soube que tem tosquiadores. Agora, seus pastores estiveram com


nós; não lhes tratamos mau, nem lhes faltou nada em todo o tempo que hão
estado no Carmel.

8 Pergunta a seus criados, e eles lhe dirão isso. Achem, portanto, estes
jovens graça em seus olhos, porque viemos em bom dia; rogo-te que dê
o que tiver a emano a seus servos, e a seu filho David.

9 Quando chegaram os jovens enviados pelo David, disseram ao Nabal todas estas
palavras em nome do David, e calaram.

10 E Nabal respondeu aos jovens enviados pelo David, e disse: Quem é David,
e quem é o filho do Isaí? Muitos servos há hoje que fogem de seus senhores.

11 Tenho que tomar eu agora meu pão, minha água, e a carne que preparei para meus
esquiadores, e dá-la a homens que não sei de onde som?

12 E quão jovens tinha enviado David se voltaram por seu caminho, e vieram
e disseram ao David todas estas palavras.

13 Então David disse a seus homens: Ata-se cada um sua espada. E se ateu
cada um sua espada, e também David se ateu sua espada; e subiram detrás o David
como quatrocentos homens, e deixaram duzentos com a bagagem.

14 Mas um dos criados deu aviso a Abigail mulher do Nabal, dizendo: Hei
aqui David enviou mensageiros do deserto que saudassem nosso amo, e ele os
criticou.

15 E aqueles homens foram muito bons conosco, e nunca nos trataram


mau, nem nos faltou nada em todo o tempo que estivemos com eles, apascentando
os gados.

16 Muro foram para nós de dia e de noite, todos os dias que estivemos
com eles apascentando as ovelhas.

17 Agora, pois, reflete e vê o que tem que fazer, porque o mal está já
resolvido contra nosso amo e contra toda sua casa; pois ele é um homem tão
perverso, que não há quem pode lhe falar.

18 Então Abigail tomou logo duzentos pães, dois couros de vinho, cinco
ovelhas guisadas, cinco medidas de grão torrado, cem cachos de uvas passas, e
duzentos pães de figos secos, e o carregou tudo em asnos.

19 E disse a seus criados: Vão diante de mim, e eu lhes seguirei logo; e nada
declarou a seu marido Nabal.

20 E montando um asno, descendeu por uma parte secreta do monte; e hei aqui
David e seus homens vinham frente a ela, e ela lhes saiu ao encontro.

21 E David havia dito: Certamente em vão guardei tudo o que este tem
no deserto, sem que nada lhe tenha faltado de tudo que é dele; e ele me há
voltado mal por bem.

22 Assim faça Deus aos inimigos do David e até lhes acrescente, que daqui a manhã,
de tudo o que for seu não tenho que deixar com vida nem um varão.

23 E quando Abigail viu o David, baixou-se prontamente do asno, e prostrando-se


sobre seu rosto diante do David, inclinou-se a terra;

24 e se tornou a seus pés, e disse: meu senhor, sobre mim seja o pecado; mas lhe
rogo que permita que seu sirva fale com seus ouvidos, e escuta as palavras de
seu sirva.

25 Não faça caso agora meu senhor desse homem perverso, do Nabal; porque
conforme a seu nome, assim é. O se chama Nabal, e a insensatez está com ele;
mas eu seu sirva não vi quão jovens você enviou.

26 Agora pois, meu senhor, vive Jehová, e vive sua alma, que Jehová te há
impedido o dever derramar sangue e te vingar por sua própria mão. Sejam, pois,
como Nabal seus inimigos, e todos os que procuram mal contra meu senhor.

27 E agora este presente que seu sirva trouxe para meu senhor, seja dado aos
homens que seguem a meu senhor.

28 E eu te rogo que perdoe a seu sirva esta ofensa; pois Jehová de certo
fará casa estável a meu senhor, por quanto meu senhor briga as batalhas do Jehová,
e mau não se achou em ti em seus dias.

29 Embora alguém se levantou para te perseguir e atentar contra sua vida,


contudo, a vida de meu senhor será ligada no feixe dos que vivem diante de
Jehová seu Deus, e ele arrojará a vida de seus inimigos como de em meio da
palma de uma funda. 573

30 E acontecerá que quando Jehova faça com meu senhor conforme a todo o bem que
falou que ti, e te estabeleça por príncipe sobre o Israel,

31 então, meu senhor, não terá motivo de pena nem remorsos por haver
derramado sangue sem causa, ou por te haver vingado por ti mesmo. Guarde-se,
pois, meu senhor, e quando Jehová faça bem a meu senhor, te lembre de seu sirva.

32 E disse David a Abigail: Bendito seja Jehová Deus do Israel, que te enviou para
que hoje me encontrasse.

33 E bendito seja seu raciocínio, e bendita você, que me estorvaste hoje de ir


a derramar sangue, e a me vingar por minha própria mão.

34 Porque vive Jehová Deus do Israel que me defendeu que te fazer mau, que se
não te tivesse dado pressa em vir a meu encontro, daqui a manhã não o
tivesse ficado com vida ao Nabal nem um varão.

35 E recebeu David de seu emano o que havia lhe trazido, e lhe disse: Sobe em paz a
sua casa, e olhe que ouvi sua voz, e te tive respeito.
36 E Abigail voltou para o Nabal, e hei aqui que ele tinha banquete em sua casa como
banquete de rei; e o coração do Nabal estava alegre, e estava completamente
ébrio, pelo qual não lhe declarou coisa alguma até o dia seguinte.

37 Mas pela manhã, quando já ao Nabal lhe tinham acontecido os efeitos do


veio, referiu-lhe sua mulher estas coisas; e deprimiu seu coração nele, e ficou
como uma pedra.

38 E dez dias depois, Jehová feriu o Nabal, e morreu.

39 Logo que David ouviu que Nabal tinha morrido, disse: Bendito seja Jehová, que
julgou a causa de minha afronta recebida de mão do Nabal, e preservou que mal
a seu servo; e Jehová tornou a maldade do Nabal sobre sua própria cabeça.
Depois enviou David a falar com a Abigail, para tomá-la por sua mulher.

40 E os servos do David vieram a Abigail no Carmel, e falaram com ela,


dizendo: David enviou a ti, para tomar por sua mulher.

41 E ela se levantou e inclinou seu rosto a terra, dizendo: Hei aqui seu sirva,
que será uma sirva para lavar os pés dos servos de meu senhor.

42 E levantando-se logo Abigail com cinco donzelas que lhe serviam, montou em um
asno e seguiu aos mensageiros do David, e foi sua mulher.

43 Também tomou David ao Ahinoam do Jezreel, e ambas foram suas mulheres.

44 Porque Saúl tinha dado a sua filha Mical mulher do David ao Palti filho do Lais,
que era do Galim.

1.

Morreu Samuel.

Quanto à relação entre as idades do Samuel, Saúl e David, veja-a pág.


135.

Foi notável a contribuição que fez Samuel quando organizou escolas para a
juventude, de modo que o Israel pudesse preparar-se guiado pelos grandes
princípios da salvação. O plano original de Deus foi que os levita
estivessem pulverizados por todo o país, ensinando ao povo a respeito de Deus.
Mas posto que na maioria dos casos não tinham empregos, os membros de
esta tribo se viram obrigados a ganhá-la vida em outras formas de trabalho, o
que deu como resultado que o povo logo fora pouco melhor que os pagãos
que o rodeavam. Em vista disto, instituíram-se as escolas dos
profetas.

Em sua casa.

A palavra "casa" não precisa entender-se como que se referisse à residência


do Samuel, mas sim aqui provavelmente se usa para uma câmara mortuária. Se
Samuel tivesse sido literalmente sepultado "em sua casa", teria havido uma
contaminação perpétua (Núm. 19: 11-22). O lugar que a tradição assinala como
a sepultura do Samuel é uma cova sobre a qual se construiu uma mesquita
muçulmana no Neb§ SamwTl, povo que está a 8 km ao noroeste de Jerusalém,
mas cuja identificação é duvidosa.

O deserto de Param.
Deserto que se estende da Judea meridional em direção sul para o Sinaí
(ver Núm. 10: 12). Em um caso Param é o equivalente do Seir (Deut. 33: 2), e
Seir era o lar do Esaú no Neguev, debaixo do Hebrón (ver Gén. 32: 3;
etc.). Acredita-se que o deserto de Param inclui o deserto do Zin, entre
Cades-barnea e o grande Arará ou planície entre o mar Morto e o golfo de
Akaba. Posto que as tribos que habitavam essa região se dedicavam à
rapina, David deve ter sido recebido muito fríamente quando fugiu a Param, e sem
dúvida 574 reconheceu seu engano. Essa recepção, unida à inimizade do Saúl, débito
haver-se acentuado depois da morte do Samuel, o que fez que David
sentisse a necessidade de uma ajuda definida do alto. devido a seu grande
ansiedade, compôs os Salmos 120 e 121 (ver PP 720).

2.

Carmel.

Povo a 2 km ao norte do Maón, no topo das montanhas. Toda a água


ao oriente deste lugar corre por volta do mar Morto; toda a água do oesta
flui para o Mediterrâneo. O deserto do Maón, um distrito pouco povoado,
cheio de wadis secos, está ao este e ao sul do Carmel. Durante sua permanência
nos desertos do Zif e Maón (cap. 23: 24-26), antes de transladar-se ao Engadi
(cap. 23: 29), David e seus homens se familiarizaram com os pastores de
Nabal e tinham deixado uma impressão extremamente favorável. Vivendo perto do
deserto, Nabal estava exposto constantemente às bandas de merodeadores.
O povo agora se chama Kermel.

3.

Nabal.

Literalmente, "tolo", "insensato". O significado provável do nome de seu


esposa -Abigail- é "meu pai é gozo" ou "pai de regozijo".

8.

Seu filho David.

David se dá este nomeie por respeito a alguém que era maior que ele. Os
viajantes que hoje em dia percorrem este distrito advertem que os hábitos e as
costumes de agora são quase iguais aos do tempo do David.

Embora para o Saúl era um proscrito, David tinha sido o protetor de seu povo
das incursões hostis procedentes do deserto. Sem receber nenhuma
remuneração, tinha protegido os rebanhos do Nabal. O natural era que os
donos de ovelhas estivessem contentes de recompensar aos que os ajudavam
para que não houvesse perdas. Ao pedir provisões, David estava em seu direito
e procedia em harmonia com os costumes de seu tempo.

10.

Quem é David?

Dificilmente se teriam feito tais observações insultantes se David houvesse


arroxeado ainda no Maón. A referência aos servos que fugiam de seus senhores
pode ter aludido ao rompimento das relações do David com o Saúl ou a esses
jovens a quem Nabal despediu secamente com a insinuação de que não podia
dizer se eram homens do David ou não (ver vers. 11).
13.

Também David.

David cometeu um sério desatino em sua decisão apressada de procurar vingar-se


pessoalmente. Ainda tinha que aprender a lição da paciência.
Adquiriu mais tarde esse valioso rasgo de caráter. Observe o contraste entre
a forma em que procedeu aqui e posteriormente, quando Absalón tratou de
usurpatar o reino. Quando David fugia de Jerusalém, Simei, da casa do Saúl,
arrojou-lhe pedras e o amaldiçoou. No momento quando um de seus homens quis
matar ao ofensor, David disse: "lhe deixem que amaldiçoe . . . Possivelmente . . . me dará
Jehová bem por suas maldições de hoje" (2 Sam. 16: 11, 12).

14.

Deu aviso a Abigail.

Não sabemos que combinação de circunstâncias determinou que uma mulher disso
caráter se unisse com um homem tão arrebatado e imprudente como Nabal, mas
com freqüência duas pessoas de natureza diametralmente oposta se unem na
relação mais íntima que pode haver: a do matrimônio. Possivelmente esta não foi a
primeira vez quando se recorreu a Abigail para que atuasse como pacificadora
entre seu marido e os que estavam relacionados com ele. Não se dava conta
Abigail que na ajuda que diariamente estava dando ao Nabal ia desenvolvendo
uma claridade de percepção espiritual, e que sua intuição feminina se
fortalecia para que um dia pudesse impedir que David cometesse um sério engano
(vers. 18-28).

17.

Tão perverso.

Heb. "filho do Belial". Literalmente, "filho de inutilidade", ou "filho de


impiedade". Belial não aparece como um nome próprio nesse tempo, embora mais
tarde chegou a considerar-se como tal (ver 2 Cor. 6: 15).

18.

Cinco medidas.

Literalmente, "cinco seahs" (ver 2 Rei. 7: 1, 16, 18). Um seah equivale a 7,33
lt., e os 5 seahs totalizariam 36, 65 lt.

Cachos.

Provavelmente "vultos". O costume antigo era comprimir passas de uva para


formar pastelillos.

24.

meu senhor, sobre mim seja.

Um ato de bondade, e que provavelmente lhe chegou a ser habitual. Sem dúvida com
freqüência -sem que soubesse Nabal- ela tinha transformado a necedad de
Nabal em uma nova oportunidade para sua vida, com a esperança de que ele pudesse
ver a beleza de um conceito inteiramente diferente da existência. Esta
nobre mulher se apresentou como a que tinha cometido a necedad e, portanto,
quem devia receber o castigo. 575

25.

Conforme a seu nome.

Ver com. do vers. 3.

Não vi os jovens.

Nabal, como cabeça do lar e representante da família em todas as


transações comerciais, não tinha pensado em sua esposa. Se lhe houvesse
dispensado sua confiança, teriam se podido evitar inumeráveis dificuldades;
mas agora ela era quem devia tratar de reparar a quebra e aceitar toda
a culpa pelos incidentes desfavoráveis.

26.

Impediu-te.

Abigail não se atribuiu a si mesmo, a não ser ao Jehová, que tivesse dissuadido a
David de seus propósitos precipitados. Estas palavras só podiam provir de
uma pessoa profundamente religiosa.

27.

Presente.

"Bênção" (RVA). Abigail deu este nomeie a seu presente. Com isso queria dizer
que não pretendia, mérito algum para si, mas sim atribuía a Deus a dádiva,
pois ele proporcionava essas Mercedes em resposta às petições do David.

28.

Perdões . . . esta ofensa.

Ver vers. 24. Abigail fundava seu pedido em duas considerações importantes:
(1) David estava empenhado nas batalhas do Jehová. Esta alusão era um
recriminação tácita, porque David não estava ocupado então em um pouco do Jehová,
a não ser em uma missão que tinha eleito inteiramente por sua conta. Quando lutou
contra os filisteus na Keila, David havia constiltado a vontade de Deus
(cap. 23: 2). Neste caso não efetuou tal consulta. David não contava com a
aprovação do céu em sua nova empresa.

(2) David incorreria em uma falta da qual até então sua vida havia
estado bastante livre. A expressão "mal não se achou em ti", é uma
observação de um ponto de vista humano. David tinha cometido faltas graves
(ver cap. 21:1, 2, 12, 13). Mas é claro que Abigail avaliava o caráter de
David do ponto de vista de sua idoneidade para seu futuro carrego como rei de
Israel. Suas defecções até esse momento ainda não o tinham desqualificado
para ocupar essa alta investidura. Mas se tivesse levado a seu cabo
propósitos contra Nabal, o incidente teria levantado sérias perguntas no
povo quanto à idoneidade do David para ser seu futuro rei. Se continuava
sua política de exterminar aos cidadãos de seu reino que se atrevessem a
opor-se a sua vontade, sua administração poderia ser muito indesejável.

29.
Alguém.

"Um homem" (BJ). O hebreu parece referir-se a"um homem" em geral. É


óbvio que Abigail pensava no Saúl, mas sua linguagem era diplomática.

O feixe dos que vivem.

A figura está tirada do costume de pôr coisas valiosas em atados, ou


faz, para que o proprietário possa as levar consigo. Estas palavras se usam
hoje em dia nas lápides judias. Conforme afirmam os eruditos judeus, referem-se
à vida futura.

31.

Pena.

Heb. puqah, literalmente "tropezadura". A palavra se usa em sentido figurado


para remorsos de consciência. Abigail rogou ao David que se comportasse de
tal maneira, que quando chegasse a ser rei agradecesse a Deus por lhe enviar um
poder fortalecedor em seus momentos de desespero e compaixão própria pelas
ingratidões que se acumulassem sobre ele. depois de tudo, ela tinha estado
obrigada a suportar a esse altivo, resmungão e ciumento avaro muito mais tempo que
David.

33.

Bendito seja seu raciocínio.

necessita-se humildade para receber com amabilidade as recriminações. David não se


esforçou por justificar suas ações. Transbordava de gratidão pela ação de
aquela mulher que com sua sabedoria o tinha salvado de cometer um ato
imprudente e criminal.

35.

ouvi.

Deve elogiá-la pronta aceitação da recriminação. David se tinha acostumado a


ser testemunha das obras misteriosas da Providência, e viu a mão divina em
estes acontecimentos, Agradeceu a Deus por ter começado o curso dos
sucessos que culminaram com seu encontro com a Abigail, precisamente no lugar e
momento devidos e para o estímtilo de uma alma tão piedosa como Abigail.

37.

Deprimiu seu coração.

Quer dizer, sumiu-se em um estado de insensibilidade. ficou como uma pedra.


paralisou-se.

38.

Jehová feriu o Nabal.

Com freqüência as Escrituras apresentam a Deus como que fizesse o que não
evita. Nabal tinha tido sua oportunidade. A piedade de sua esposa não havia
tido uma influência eficaz sobre ele. Renunciou a seu direito a continuar
recebendo o misericordioso amparo de Deus em sua vida.
42.

Foi sua mulher.

David já estava casado (cap.18: 27). A poligamia era usual nesse tempo, e
os contemporâneos do David não podiam ter censurado sua ação. Deus tolerou
576 o costume nesse período como o tinha feito antes (ver com. Deut. 14:
26), passando por cima os tempos de ignorância (ver Hech. 17: 30). Sem
embargo, a poligamia deixou em seu trajeto muita dor e muita desgraça que se
teria economizado a gente se tivesse estado disposta a aceitar o modelo
original que Deus tinha dado no Éden (Gén. 2: 24; cf. Mat. 19: 5).

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-44 PP 719-725

1 PP 719

1-5 PP 721

6-17 PP 722

18, 19, 23-29 PP 723

30-33, 36, 37 PP 724

38, 42 PP 725

CAPÍTULO 26

1 Os zifeos revelam ao Saúl que David se encontra na Haquila. 5 David impede


que Abisai mate ao Saúl, mas se apodera de sua lança e da vasilha da água. 13
David reprova ao Abner, 18 e precatória ao Saúl. 21 Saúl reconhece seu pecado.

1 VIERAM os zifeos ao Saúl na Gabaa, dizendo: Não está David escondido no


colina da Haquila, ao oriente do deserto?

2 Saúl então se levantou e descendeu ao deserto do Zif, levando consigo


três mil homens escolhidos do Israel, para procurar o David no deserto de
Zif.

3 E acampou Saúl na colina da Haquila, que está ao oriente do deserto,


junto ao caminho. E estava David no deserto, e entendeu que Saúl lhe seguia
no deserto.

4 David, portanto, enviou espiões, e soube com certeza que Saúl tinha vindo.

5 E se levantou David, e veio ao sítio onde Saúl tinha acampado; e olhou David
o lugar onde dormiam Saúl e Abner filho do Ner, general de seu exército. E
estava Saúl dormindo no acampamento, e o povo estava acampado em redor
dele.

6 Então David disse ao Ahimelec heteo e ao Abisai filho da Sarvia, irmão de


Joab: Quem descenderá comigo ao Saúl no acampamento? E disse Abisai: Eu
descenderei contigo.

7 David, pois, e Abisai foram de noite ao exército; e hei aqui que Saúl estava
tendido dormindo no acampamento, e sua lança cravada em terra a sua cabeceira;
e Abner e o exército estavam tendidos ao redor dele.

8 Então disse Abisai ao David: Hoje entregou Deus a seu inimigo em sua mão;
agora, pois, me deixe que lhe fira com a lança, e o cravarei na terra de
um golpe, e não lhe darei segundo golpe.

9 E David respondeu ao Abisai: Não lhe mate; porque quem estenderá sua mão
contra o ungido do Jehová, e será inocente?

10 Disse além David: Vive Jehová, que se Jehová não o hiriere, ou seu dia chegue
para que mora, ou descendendo em batalha pereça,

11 me guarde Jehová de estender minha mão contra o ungido do Jehová. Mas toma
agora a lança que está a sua cabeceira, e a vasilha de água, e vamos.

12 Se levou, pois, David a lança e a vasilha de água da cabeceira do Saúl, e


foram-se; e não houve ninguém que visse, nem entendesse, nem velasse, pois todos
dormiam; porque um profundo sonho enviado do Jehová tinha cansado sobre eles.

13 Então passou David ao lado oposto, e ficou na cúpula do monte ao


longe, havendo grande distancia entre eles.

14 E deu vozes David ao povo, e ao Abner filho do Ner, dizendo: Não responde,
Abner? Então Abner respondeu e disse: Quem é você que grita ao rei?

15 E disse David ao Abner: Não é você um homem? e quem há como você no Israel?
por que, pois, não guardaste ao rei seu senhor? Porque um do povo há
entrado em matar a seu senhor o rei.

16 Isto que tem feito não está bem. Vive Jehová, que são dignos de morte,
porque não guardastes a seu senhor, ao ungido do Jehová. Olhe pois,
agora, onde está 577 a lança do rei, e a vasilha de água que estava a seu
cabeceira.

17 E conhecendo Saúl a voz do David, disse:Não é esta sua voz, filho meu David?
E David respondeu: Minha voz é, rei meu senhor.

18 E disse:por que persegue assim minha senhora seu servo? O que tenho feito? Que mau
há em minha mão?

19 Rogo, pois, que o rei meu senhor ouça agora as palavras de seu servo. Se
Jehová te incita contra mim, ele aceite a oferenda; mas se forem filhos de
homens, malditos eles sejam em presença do Jehová, porque me arrojaram hoje
para que não tenha parte na herdade do Jehová, dizendo: Vê e serve a deuses
alheios.

20 Não caia, pois, agora meu sangue em terra diante do Jehová, porque há
saído o rei do Israel a procurar uma pulga, assim como quem persegue uma perdiz
pelos Montes.

21 Então disse Saúl: pequei; te volte, filho meu David, que nenhum mal lhe
farei mais, porque minha vida foi estimada preciosa hoje a seus olhos. Hei aqui eu
fiz neciamente, e errei em grande maneira.

22 E David respondeu e disse: Hei aqui a lança do rei; passe aqui um dos
criados e tome-a.
23 E Jehová pague a cada um sua justiça e sua lealdade; pois Jehová te havia
entregue hoje em minha mão, mas eu não quis estender minha mão contra o ungido de
Jehová.

24 E hei aqui, como sua vida foi estimada preciosa hoje a meus olhos, assim seja meu
vida aos olhos do Jehová, e me libere de toda aflição.

25 E Saúl disse ao David: Bendito é você, filho meu David; sem dúvida empreenderá
você costure grandes, e prevalecerá. Então David se foi por seu caminho, e Saúl
voltou-se para seu lugar.

1.

Haquila.

Ver com. cap. 23: 19. Alguns tratam de fazer corresponder a narração de
este capítulo com o que está registrado nos caps. 23 e 24 e explicam isto
mediante os seguintes parecidos: (1) Os zifeos como os que informaram a
Saúl. (2) A presença do David na Haquila. (3) O exército de 3.000 homens de
Saúl. (4) A forma em que os homens do David o insistiram para que matasse a
Saúl. (5) A negativa do David de tocar ao ungido do Senhor. (6) O pesar de
Saúl. (7) A forma em que David se comparou com uma pulga. Por outro lado, há
notáveis diferencia. Por exemplo: (1) O lugar onde se ocultou David. (2) A
identificação do Saúl; em um caso depois de que entrou na cova, enquanto
que no outro os movimentos do rei foram observados por exploradores. (3)
A prova material que teve David em suas mãos; no primeiro caso, um pedaço
do adorno do Saúl; no segundo, a lança do rei e uma vasilha de água. Não
há razão válida para aceitar as duas narrações como relatos com variantes
do mesmo incidente. No intervalo entre os dois incidentes, David havia
estado oculto no deserto de Param e passou pelo desafortunado caso do Nabal.
Agora bem, quando foi outra vez ao norte, os zifeos informaram ao Saúl de seu
presença. Exasperado porque David se atreveu a voltar para distrito
perto do Hebrón, Saúl se esqueceu da recente promessa feita a seu genro, e em
um acesso de loucura uma vez mais ficou em campanha para capturar a seu rival.

5.

Acampamento.

Possivelmente David e seus homens viram o exército adversário que acampava para passar
a noite, e David pôde ver a localização do Saúl em meio de seu exército.
Abner, primo do Saúl (cap. 14: 50), era seu guarda-costas.

6.

Ahimelec heteo.

O nome deste homem só aparece aqui. Já em tempo do Abraão se


menciona aos lhe haja isso Gén. 23: 3-20). Estes descendentes do Het viviam perto
do Hebrón. Deles comprou Abraão uma sepultura para sua esposa, Sara. Mais
tarde os haja lhe chegaram isso a converter-se em uma nação poderosa que ocupou um
lugar estratégico no Ásia Menor, e ao seu devido tempo chegaram a ser o
equilíbrio do poder na região da grande curva do rio Eufrates, no que
agora se conhece como o norte de Síria e Turquia. Depois, quando os povos
egeus migraron através do Ásia Menor em sua marcha para o Egito, o império
heteo (ou hitita) foi virtualmente puído. Havia resíduos de lhe haja isso em
Palestina nos dias do Salomón (1 Rei. 9: 20, 21). Possivelmente este Ahimelec em
alguma forma estava relacionado com a tribo do Judá mediante um casamento, e
acreditava que só estaria seguro relacionando-se com o David. Talvez se havia
destacado tanto, que David o teve de guarda-costas.

Abisai.

Neto do Isaí. Abisai era filho de 578 Sarvia, irmã do David, e portanto
sobrinho de este. Joab, irmão do Abisai (1 Crón. 2: 16) era o chefe das
forças do David.

8.

me deixe que lhe fira.

Abisai não tinha aprendido a difícil lição de ser magnânimo com um inimigo.
Saúl tinha iniciado uma luta de tribos entre Benjamim e Judá, e é
evidente que Abisai chegou à conclusão de que isso demandava represálias.
Saúl tinha arrojado sua lança contra David, mas tinha errado. Nesse momento,
segundo o critério do Abisai, tocava- seu turno ao David, e Abisai, como seu
gardaespaldas, oferecia-se para atuar em lugar de seu tio.

9.

Não lhe mate.

David tinha um critério independente. Tinha por norma não matar a ninguém.
Tinha dado forma a sua filosofia da vida não por tradição mas sim pelos
princípios estabelecidos na revelação divina. Entre os preceitos da lei
mosaica, com os quais se familiarizou David, estava o seguinte: "Não
blasfemará contra Deus, nem amaldiçoará ao principal de seu povo" (Exo. 22: 27
BJ, vers. 28 na RVR). David possuía um agudo discernimento espiritual e
entendia que esta lei proibia que se atacasse ao rei. A interpretação
espiritual que deu David à norma mosaica estava muito por cima da dos
dirigentes judeus dos dias de Cristo, que tratavam de manter a letra de
a lei em tanto que violavam seu espírito. A capacidade do David para
interpretar corretamente as Escrituras tinha o apoio da direção que
recebia mediante (1) os profetas, (2) os Urim e o Tumim, (3) as
indicações do amparo providencial que desde muitos anos se apresentava
em sua vida, (4) as provas históricas do poder de Deus durante os séculos
passados, como lhe tinham sido repetidas aos pés do Samuel nas escolas de
os profetas, (5) a inspiração recebida em seu trato com almas afins enche
do mesmo discernimento espiritual, e (6) o dom do Espírito Santo que o
capacitava para falar por inspiração (ver 2 Sam. 23: 2).

10.

Vive Jehová.

David estava contente de deixar tudo em mãos de Deus, e em nenhuma forma


tentava determinar o caminho que Deus devia seguir. Alegremente pôs todos
seus planos aos pés de seu Professor, para esperar com paciência o desenvolvimento
dos misteriosos procedimentos de Deus.

11.

A lança.

David compreendia muito bem que necessitava uma prova material da forma em que
procedeu com o Saúl. Enquanto esperava que Deus fizesse grandes costure para ele,
sabia que ele também tinha uma parte que realizar nesse momento.

12.

Um profundo sonho.

Que ânimo deve ter recebido David ao dar-se conta do amparo do


Muito alto, enquanto ele e Abisai se filtravam entre as filas dos soldados de
Saúl! O milagre que fez possível que esses homens entrassem e saíssem a
través das filas de 3.000 homens, até o mesmo centro do exército, sem
ser advertidos, foi uma prova que demonstrou de que lado da luta estava
a Providência. Esta intervenção condenava a natureza volúvel do Saúl,
quem pouco tempo depois de ter feito uma promessa violou sua palavra e fez
exatamente o oposto.

17.

Não é esta sua voz?

Posto que provavelmente ainda era escuro, Saúl só podia reconhecer ao David
pela voz.

18.

O que tenho feito?

O proceder do David com o Saúl foi respeitoso e cheio de uma súplica amante.
Poderia haver dito: "por que violaste seu pacto comigo ante Deus? Quanto
tempo continuará pecando contra mim e contra Jehová?" Mas essas palavras só
teriam despertado a ira do Saúl. necessita-se tato para reprovar de modo
que a censura provoque uma mudança de conduta no que está no engano. O
esforço do David alcançou tudo o que se podia esperar em um homem tão
endurecido como Saúl (ver vers. 21).

19.

Se Jehová.

David apresentou diante do Saúl duas soluções possíveis que poderiam


parafrasear-se desta maneira: (1) Se devido a um pecado de minha parte -cometido
ignorantemente contra ti ou contra todo o Israel, sobre o qual você está ungido
como rei-, Deus te impressionou para que execute julgamento contra mim,
me permita seguir as instruções da Torah para procurar perdão na forma
estabelecida divinamente (Lev. 4). (2) Mas se por meio de intrigas infamatórias
e sugestões caluniosas foste impelido a me perseguir como a um rebelde,
acreditando que trato de usurpar seu lugar, a prova de Em-gadi e a daqui
demonstram a falsidade de tais palavras e ações. portanto, os que lhe
incitam são malditos diante de Deus de acordo com as ordens da mesma
Torah (Deut. 27: 24-26), e você não deve segui-los nem ser guiado por seu conselho.
579

Arrojaram-me.

David abriu o coração ante o Saúl como em um rapto de desalento. Em vez de ser
aceito como servo (vers. 18), cargo que com muito gosto teria ocupado,
tinha sido açoitado como um proscrito; seu rei se converteu em seu
inimigo, e aquele a quem gozosamente teria seguido com respeito agora o havia
obrigado a fugir como uma perdiz pelos Montes (vers. 20). Mas muito pior que
isso, estava sendo expulso de "a herdade de, Jehová", a terra de seus
antepassados e da religião que tinha sido seu principal gozo e distração durante
todos esses anos. viu-se obrigado a viver em covas, na solidão do
deserto e entre os inimigos de seu próprio povo. Para então, o único
refugio seguro para ele e seus homens era um exílio completo.

21.

Então disse Saúl.

Saúl se sentiu completamente afligido no momento, quando uma vez mais viu
que sua vida tinha sido preciosa aos olhos do David. A magnanimidade disso
patriota proscrito lhe arrancou dos lábios várias confissões dignas de notar:
(1) "pequei" ao fazer planos secretos para a morte de um próximo. (2) "Hei
feito neciamente" ao repetir meu intento de matar ao que bondosamente me
preservou a vida. (3)"errei em grande maneira" ao me render à compaixão
própria e às mais baixas paixões. Convidou ao David para que voltasse para a Gabaa e
prometeu-lhe seu amparo. Embora o convite a voltar era um gesto
bondoso, a volta do David teria provocado uma situação dificilísima,
pois Saúl tinha dado a esposa daquele a outro (cap. 25: 44).

22.

David respondeu.

O relato não registra uma resposta direta como se David tivesse recebido a
convite do Saúl. Possivelmente no tom do Saúl, mais que em suas palavras, havia
um ar de arrogante condescendência que David captou rapidamente, e que o
convenceu de que o que aparentemente era tão humilde, ainda era orgulhoso e
obstinado. David não tinha segurança alguma de que continuaria essa disposição
do Saúl.

24.

Estimada.

Literalmente, "magnificada", quer dizer, de grande valor. Duas vezes David afirmou
sua integridade ao preservar a vida do Saúl, mas em vez de confiar-se nas
mãos do rei, pediu em oração o amparo de Deus para ele em todas seus
tribulações.

25.

foi por seu caminho.

Não podendo confiar em uma mudança permanente do proceder do Saúl, David


preferiu seguir como fugitivo.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-25 PP 726, 727

1, 2, 4-8 PP 726

9-19 PP 726

15, 16 PP 756
21, 22 PP 727

25 PP 727

CAPÍTULO 27

1 Saúl se inteira que David está no Gat e deixa de persegui-lo. 5 David pede a
Aquis que lhe dê um lugar onde morar e este dá ao Siclag. 8 David ataca a
diversos povos mas faz acreditar no Aquis que esteve brigando contra Judá.

1 DISSE logo David em seu coração: Ao fim serei morto algum dia pela mão de
Saúl; nada, portanto, será-me melhor que me fugir à terra dos filisteus,
para que Saúl não se ocupe de mim, e não me ande procurando mais por todo o
território do Israel; e assim escaparei de sua mão.

2 Se levantou, pois, David, e com os seiscentos homens que tinha consigo se


passou ao Aquis filho do Maoc, rei do Gat.

3 E morou David com o Aquis no Gat, ele e seus homens, cada um com sua família;
David com suas duas mulheres, Ahinoam jezreelita e Abigail a que foi mulher de
Nabal o do Carmel.

4 E veio ao Saúl a nova de que David tinha fugido ao Gat, e não o buscou mais.

5 E David disse ao Aquis: Se tiver achado graça ante seus Olhos, me seja dado lugar em
alguma 580 das aldeias para que habite ali; pois por que tem que morar você
servo contigo na cidade real?

6 E Aquis deu aquele dia ao Siclag, pelo qual Siclag deveu ser dos reis
do Judá até hoje.

7 Foi o número dos dias que David habitou na terra dos filisteus, um
ano e quatro meses.

8 E subia David com seus homens, e faziam incursões contra os gesuritas, os


gezritas e os amalecitas; porque estes habitavam de comprimento tempo a terra,
desde como quem vai ao Shur até a terra do Egito.

9 E assolava David o país, e não deixava com vida homem nem mulher; e se levava
as ovelhas, as vacas, os asnos, os camelos e as roupas, e retornava a
Aquis.

10 E dizia Aquis: Onde rondastes hoje? E David dizia: No Neguev de


Judá, e o Neguev do Jerameel, ou no Neguev dos lhes jante.

11 Nem homem nem mulher deixava David com vida para que viessem ao Gat; dizendo:
Não seja que dêem aviso de nós e digam: Isto fez David. E esta foi seu
costume todo o tempo que morou na terra dos filisteus.

12 E Aquis acreditava no David, e dizia: O se tem feito abominável a seu povo de


Israel, e será sempre meu servo.

1.

Ao fim serei morto.

David não se dava conta de que apesar das maquinações do Saúl,


silenciosamente Deus estava realizando sua vontade. David interpretava alguns
sucessos recentes como uma evidência de que não havia esperança de
reconciliação e de que, passo a passo, teria êxito o plano do Saúl para
arruiná-lo e destrui-lo. No passado David tinha gozado da direção de
Deus e do Abiatar -dos Urim e do Tumim-, mas agora, em seu desânimo, se
separou-se da ajuda divina e riscou planos por sua própria conta. Entretanto,
bondosamente Deus converteu os enganos do David em degraus para o êxito
final.

Será-me melhor.

Apesar de tudo o que tinha feito David para seus compatriotas, manifestavam-lhe
pouca simpatia por ter cansado em desgraça com o rei. Os habitantes da Keila
o teriam entregue ao Saúl (ver cap. 23:1-13). Os zifeos duas vezes
informaram ao Saúl quanto a seu esconderijo (caps. 23: 19; 26: 1), e Nabal
resultou ser tão hostil como o tinha sido Doeg (cap. 25: 10, 11). Duas vezes
tinha demonstrado misericórdia com o ciumento e desequilibrado tirano que à
vista de todos procurava matá-lo (caps. 24: 6-11; 26: 8-12). O mesmo povo
que sempre deveria ter sido cortês com ele, tão somente lhe tinha pago com
censura e ingratidão, e sua vida entre os seus tinha sido uma contínua
pesadelo. Insuficientemente alimentado, morando em covas e bosques, em desertos e
em despenhadeiros, o tinha tratado como a um proscrito.

Não muito antes destes incidentes (cap. 22: 5), Deus tinha indicado ao David
que voltasse do Moab ao Judá. Tinha muito que fazer para seus compatriotas, e
David respondeu gozosamente. Poderia ter suposto que o convite para que
voltasse para o Judá provinha da necessidade de proteger a seu povo contra as
incursões dos povos circundantes. Mas possivelmente o propósito de Deus era
demonstrar acima de tudo o Israel a fortaleza, a humildade e o valor de que havia
sido eleito como rei: uma fé que pacientemente confiava em que Deus levaria a
cabo sua própria vontade ao seu devido tempo.

Vez detrás vez o Senhor interveio a favor do David, e o comum do povo deve
ter começado a pensar que ele tinha algum talismã. Mas depois de cada
liberação maravilhosa se apresentou outra severo prova, e finalmente David
começou a acreditar que era inútil seguir lutando contra perigos e incertezas
aparentemente intermináveis. Manter aos centenares de homens que agora o
seguiam e conservá-los unidos era uma tarefa capaz de extenuar aos homens mais
capazes. É certo que Abigail e Jonatán tinham reanimado ao David, mas a
maioria estava contra ele. debilitou-se sua fé.

Descorazonado, finalmente procurou refúgio entre os inimigos do Jehová. Pensava


que só assim acharia segurança. Contra a vontade de Deus, David
começou a percorrer uma Espinosa caminho de duplicidade e intrigas. Sacrificando
a confiança em Deus em altares de suas próprias idéias quanto a sua segurança,
David empanou a fé que Deus quer que todos seus servos manifestem diante de
os homens e dos anjos. Quão diferente poderia ter sido a história de
Israel se David, antes de sair do Judá, tivesse procurado e seguido o 581
conselho do Senhor tão fervientemente como o fez em uma oportunidade anterior
antes de sair do Moab (ver cap. 22: 5).

2.

Aquis filho do Maoc.

É duvidosa a etimologia do nome "Aquis". Alguns eruditos pensam que este


Aquis é o mesmo que se menciona em 1 Rei. 2: 39 como o filho da Maaca. Mas
Maoc é a forma masculina da palavra, ao passo que Maaca é a feminina (ver
1 Rei. 15: 2; 1 Crón. 2: 48; 3: 2; 7: 15; etc.). Se as duas passagens se referirem
à mesma pessoa, o Aquis de 1 Rei. 2: 39 teria sido muito ancião, pois o
incidente que aqui se registra ocorreu perto de 50 anos depois de que David
fugiu pela primeira vez para refugiar-se com o Aquis (1 Sam. 21: 10). Mas se Aquis,
filho do Maoc, casou-se com uma mulher de nome Maaca, poderia haver-se aludido ao
filho como "filho da Maaca", e portanto neto do Maoc. Entretanto, é
provável que o Aquis ante quem David fingiu estar louco (1 Sam. 21: 12, 13) é
o mesmo rei ao qual fugiu David. No máximo, os dois incidentes não estiveram
separados por muitos anos. No primeiro caso, David esteve sozinho; agora esteve
acompanhado por centenares de seguidores com suas famílias. Ao menos por um
tempo os refugiados permaneceram no Gat. De acordo com os Targumes, a
palavra "Gitit" dos sobrescritos dos Salmos 8, 81 e 84 designa um
instrumento musical inventado pelo David ou uma classe de música que primeiro
compôs ele durante sua permanência no Gat, no caso de que gitit proviesse de
Gat. Foi em uma de suas visitas ao Gat quando David compôs o Salmo 56, o que
corresponde com o sobrescrito que diz: "Quando os filisteus lhe prenderam em
Gat". Ver com. 1 Sam. 21: 13.

4.

Não o buscou mais.

Naturalmente, Saúl se refreava de invadir um território inimigo a fim de


capturar ao David. Um ato tal teria provocado uma guerra para a qual não
estava preparado. A redação do texto indica, com muito pouca margem de dúvida,
que se David tivesse permanecido no Judá, Saúl teria esquecido até sua última
promessa e o teria açoitado uma vez mais. Possivelmente esperava Saúl que esta vez,
como em uma ocasião anterior (1 Sam. 18: 17, 25), David cairia em mãos dos
filisteus.

6.

Siclag.

Nome de etimologia duvidosa. menciona-se primeiro no Jos. 15: 31 como uma de


as cidades compreendidas dentro da herdade do Judá. Mas quando ao Simeón
lhe concederam certas cidades dentro dos limites do Judá, transferiu-se
Siclag a essa tribo (ver Jos. 19: 1-5). Estava na parte oriental da zona
da planície, e nos dias dos juizes os filisteus arrebataram ao Siclag
do poder do Simeón. Possivelmente estava no lugar conhecido agora como Tell
o-Khuweilfeh, a 32,4 km ao sudoeste do Adulam e 15,2 km ao norte da Beerseba.
Ao Siclag acudiram muitos voluntários de Benjamim, Gad, Manasés, Judá e outras
tribos para unir-se com o David (1 Crón 12).

8.

Subia ... e faziam incursões.

Embora David era açoitado pelo Saúl como um animal selvagem e seus mesmos
compatriotas se mofavam dele, nunca se debilitou seu interesse pelo Israel. Siclag
estava no limite do território dos merodeadores do deserto, que
sempre tinham incomodado ao Israel desde sua entrada no Canaán. O Senhor havia
ordenado o completo aniquilamento das tribos malignas, tais como os
amalecitas (Exo. 17: 16; Núm. 24: 20; Deut. 9: 1-4; 25: 17-19; cf. Gén. 15:
16); e em sua condição de herdeiro ungido para o trono, David se sentia
responsável por cumprir o que Saúl não tinha obtido. Sem dúvida David queria
assim merecer a lealdade de sua nação.

Os gesuritas.
Quando os israelitas invadiram as terras do Sehón e Og (Jos. 12), chegaram
até o limite dos gesuritas, perto do monte Hermón (Jos. 12: 5; 13: 11).
É possível que estes gesuritas tivessem feito uma migração para o norte
do Neguev (ver com. Gén. 12: 9; Juec. 1: 9) e o deserto de Param, e
que uma tribo afim com eles vivia perto de Filistéia.

Os gezritas.

Mais exatamente, "guirzitas" (BJ). De sua localização só se sabe por sua íntima
relação com os amalecitas do deserto, "como quem vai ao Shur até a terra
do Egito".

Os amalecitas.

Ver com. cap. 15: 2.

9.

Assolava David o país.

Durante séculos as tribos do deserto tinham sido os inimigos do Israel e


intermitentemente tinham feito incursões contra as comunidades israelitas
adjacentes ao deserto. Antes, quando Saúl "matou" aos amalecitas (cap. 15:
8), é provável que muitos deles fugissem ao deserto, e pouco depois
reaparecessem para continuar com suas incursões. Os beduínos errantes têm
uma forma misteriosa para desaparecer 582 súbitamente, tão somente para reaparecer
ao seu devido tempo. A afirmação de que David "não deixava com vida homem nem
mulher", é obvio tão somente se refere aos que residiam nas comunidades
que ele atacava. A única forma de manter paz permanente nos povos
fronteiriços do Israel era rechaçar essas tribos o mais longe possível dentro do
deserto, de modo que vacilassem antes de voltar. Era quase impossível
as exterminar. Viviam da pilhagem obtido mediante uma guerra de guerrilhas,
e uma boa parte do gado e outros bens que David obteve nesta ocasião
provavelmente tinha sido tomado antes de comunidades israelitas.

10.

O Neguev do Judá.

A zona ocupada por estas tribos estava dentro do Neguev. De modo que
enquanto David incursionaba no "Neguev do Judá", não estava lutando contra
seu próprio povo a não ser contra povos estrangeiros que tinham violado o
território do Judá. Ao mesmo tempo sua declaração foi o suficientemente
ambígua como para que Aquis a interpretasse de outra maneira.

Jerameel.

Jerameel era o primogênito do Hezrón, neto do Judá (1 Crón. 2: 9, 25).


Provavelmente nasceu depois de que Jacob foi ao Egito, pois não o menciona
entre as 70 pessoas da casa do Jacob que se transladaram ao Egito (Gén. 46:
12). Não é seguro se este clã acompanhou ao Israel no movimento do êxodo ou
não. Parece que seus membros se estabeleceram na região do sul do Hebrón.
Provavelmente viviam como nômades, e não tomaram parte nas atividades
nacionais do Israel.

lhes jante.
Ver com. Gén. 15: 19.

11.

Não dêem aviso.

David não levava prisioneiros ao Siclag para que esses escravos não informassem a
os filisteus da incursão.

12.

Aquis acreditava.

A duplicidade do David foi outro grave equívoco, indigna de um que havia


sido tão elogiado com privilégios espirituais. O preço da vitória em
o conflito com o pecado é uma vigilância e uma entrega constantes à
vontade de Deus. Mas a bondade de Deus não abandonou ao David em sua hora de
desalento. David tinha um firme propósito e um sincero desejo de cooperar
plenamente com o programa de Deus. Este proceder o induziu a reconhecer seus
pecados e a tratar imediatamente de remediar seus enganos.

David cometeu seu primeiro engano ao abandonar ao Judá. Ao pecado de desamparar a


seus compatriotas sem permissão divina, acrescentou o segundo: a duplicidade. Se
David tivesse permanecido no Judá, Deus poderia havê-lo liberado como o havia
feito previamente. Quando o Israel foi a Gilboa para fazer frente ao ataque de
os filisteus (cap. 28: 4), David poderia ter sido usado pelo Senhor para
alcançar uma vitória tal que tivesse ganho a aclamação popular de todo o
país. Em tanto que Saúl tinha cometido uma grave falta ao procurar matar a
David, este cometeu um engano quase fatal ao abandonar sua própria terra sem um
claro conselho de Deus.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-12 PP 729, 730

1, 2 PP 728

3, 5, 6, 12 PP 729

CAPÍTULO 28

1 Aquis confia no David. 3 Saúl, quem eliminou aos encantados e


adivinhos, 4 temeroso de ter sido abandonado Por Deus, 7 busca a uma adivinha.
9 A adivinha, animada pelo Saúl, invoca o espírito do Samuel. 15 Saúl se
deprime ao escutar as notícias de sua ruína. 21 A mulher e seus servos o
alimentam e lhe fazem recuperar as forças.

1 ACONTECEU naqueles dias, que os filisteus reuniram suas forças para


brigar contra Israel. E disse Aquis ao David: Tenha entendido que tem que sair
comigo a campanha, você e seus homens.

2 E David respondeu ao Aquis: Muito bem, você saberá o que fará seu servo. E
Aquis disse ao David: portanto, eu te constituirei guarda de minha pessoa durante
toda minha vida.

3 Já Samuel tinha morrido, e todo o Israel o tinha lamentado, e lhe haviam


sepultado em 583 Ramá sua cidade. E Saúl tinha arrojado da terra aos
encantadores e adivinhos.
4 Se juntaram, pois, os filisteus, e vieram e acamparam no Sunem; e Saúl
juntou a todo o Israel, e acamparam na Gilboa.

5 E quando viu Saúl o acampamento dos fílisteos, teve medo, e se turvou seu
coração em grande maneira.

6 E consultou Saúl ao Jehová; mas Jehová não lhe respondeu nem por sonhos, nem por
Urim, nem por profetas.

7 Então Saúl disse a seus criados: me busquem uma mulher que tenha espírito de
adivinhação, para que eu vá a ela e por meio dela pergunte. E seus
criados lhe responderam: Hei aqui há uma mulher no Endor que tem espírito de
adivinhação.

8 E se disfarçou Saúl, e ficou outros vestidos, e se foi com dois homens, e


vieram a aquela mulher de noite; e ele disse: Eu te rogo que me adivinhe por
o espírito de adivinhação, e me faça subir a quem eu lhe dijere.

9 E a mulher lhe disse: Hei aqui você sabe o que Saúl fez, como cortou que
a terra aos evocadores e aos adivinhos. por que, pois, põe tropeço a
minha vida, para fazer morrer?

10 Então Saúl lhe jurou pelo Jehová, dizendo: Vive Jehová, que nenhum mal lhe
virá por isso.

11 A mulher então disse: A quem te farei vir? E ele respondeu: me faça vir
ao Samuel.

12 E vendo a mulher ao Samuel, clamou em alta voz, e falou aquela mulher ao Saúl
dizendo:

13 por que me enganaste? pois você é Saúl. E o rei lhe disse: Não tema.
O que viu? E a mulher respondeu ao Saúl: Vi deuses que sobem da
terra.

14 O lhe disse: Qual é sua forma? E ela respondeu: Um homem ancião vem,
talher de um manto. Saúl então entendeu que era Samuel, e humilhando o
rosto a terra, fez grande reverencia.

15 E Samuel disse ao Saúl: por que me inquietaste me fazendo vir? E Saúl


respondeu: Estou muito angustiado, pois os filisteus brigam contra mim, e Deus se
apartou que mim, e não me responde mais, nem por meio de profetas nem por
sonhos; por isso te chamei, para que me declare o que tenho de fazer.

16 Então Samuel disse: E para que me pergunta , se Jehová se houver


afastado de ti e é seu inimigo?

17 Jehová te tem feito como disse por meio de mim; pois Jehová tirou o
reino de sua mão, e o deu a seu companheiro, David.

18 Como você não obedeceu à voz do Jehová, nem cumpriu o ardor de sua ira
contra Amalec, por isso Jehová te tem feito isto hoje.

19 E Jehová entregará ao Israel também contigo em mãos dos filisteus; e


amanhã estarão comigo, você e seus filhos; e Jehová entregará também ao exército
do Israel em mão dos filisteus.
20 Então Saúl caiu em terra quão grande era, e teve grande temor pelas
palavras do Samuel; e estava sem forças, porque em todo aquele dia e aquela
noite não tinha comido pão.

21 Então a mulher veio ao Saúl, e lhe vendo turbado em grande maneira, disse-lhe:
Hei aqui que seu sirva obedeceu a sua voz, e arrisquei minha vida, e ouvi
as palavras que você me há dito.

22 Te rogo, pois, que você também ouça a voz de seu sirva; porei eu diante
de ti um bocado de pão para que coma, a fim de que cobre forças, e siga você
caminho.

23 E ele recusou dizendo: Não comerei. Mas instaram com ele seus servos
junto com a mulher, e ele lhes obedeceu. levantou-se, pois, do chão, e se
sentou sobre uma cama.

24 E aquela mulher tinha em sua casa um bezerro engordado, o qual matou logo; e
tomou farinha e a amassou, e cozeu dela pães sem levedura.

25 E o trouxe diante do Saúl e de seus servos; e depois de ter comido, se


levantaram, e se foram aquela noite.

1.

Tem que sair comigo.

Não se tratava de um convite mas sim de uma ordem. David, como vassalo de
Aquis, estava sob as ordens de um rei pagão. O governante filisteu havia
fiscalizado os movimentos do David durante os últimos meses, e o que havia
ouvido o tinha convencido de que David se uniu tanto com os filisteus,
que as tropas israelitas seriam um valioso acréscimo para a força
expedicionária que partiria por volta do norte depois de uns poucos dias. 584

ÚLTIMA BATALHA DO SAÚL CONTRA OS FILISTEUS

585

2.

Você saberá.

David mesmo não estava seguro quanto à forma de evitar a luta uma vez
que se vissem envoltos realmente na batalha. Em seu foro interno não
pensava levantar sua espada contra sua própria nação; entretanto, devido a seu
anterior relação com o Aquis, acreditava que não podia recusar-se a acompanhá-lo à
batalha. Outra vez lhe pareceu que estava obrigado a recorrer a duplicidades.
Sua ambígua resposta era muito parecida com os oráculos dos deuses. Qualquer
fora o resultado dos acontecimentos, o oráculo seria correto. Sem
embargo, sua resposta foi compreendida pelo Aquis como uma promessa de ajuda, e a
mudança prometeu ao David uma recompensa grande e atraente (ver PP 730).

3.

Samuel.

É evidente que já fazia um tempo que Samuel estava morto (cap. 25: 1). Este
versículo parece ser um parêntese para introduzir o tema principal do
capítulo: a visita do Saúl à mulher do Endor.
Tinha arrojado.

O relato não dá nenhuma indicação para assinalar em que período de seu reinado
Saúl erradicou a nigromancia no país. Alguns pensam que talvez foi em
os começos, mas outros sugerem que esta medida foi tomada quando Saúl se
encontrou poseído por um mau espírito, e que assim esperava liberar-se da causa
de todas suas dificuldades. O espiritismo era comum entre as nações
circunvizinhas, mas ao Israel lhe tinha proibido praticá-lo (Deut. 18:
9-14). Ver PP 732, 733.

4.

Sunem.

Agora Sôlem, a 5 km ao nordeste do Jezreel, na base meridional do


colina de Morre, ao outro lado do vale que está frente ao monte da Gilboa.
Este vale, chamado Jezreel ou Esdraelón, era uma planície fértil e bem regada
a que facilmente se chegava da planície costeira pelo passo do Meguido.
O vale corre para o sudeste, curta as montanhas centrais e descende
para o este ao vale do Jordão, no Bet-seán. A colina de Morre e o monte
Gilboa se levantam no extremo oriental da ampla planície do Esdraelón, e
formam uma concha para essa parte da Palestina. Toda a água que fica ao este
verte-se no Jordão; toda a do oeste flui ao rio Cisón, e dali ao mar
Mediterrâneo. O grande vale que está entre estas duas montanhas e que forma algo
assim como uma extensão inferior do Esdraelón, é o vale do Jezreel, que
verte suas águas no rio Jalud, o qual segue seu curso e passa pelo Bet-seán em
seu caminho ao Jordão.

Embora não o diz explicitamente, o fato de que os filisteus pudessem


passar, pelo vale, ao Sunem indica que enquanto Saúl tinha estado tão
preocupado procurando o David, tinha sido muito remisso em proteger suas fronteiras, e
os filisteus se aproveitaram desse descuido. O desejo veemente de
Saúl por exterminar ao David, involuntariamente tinha aberto todo o país às
invasões dos filisteus. Talvez os invasores fizeram correrias por
boa parte do território do Isacar, Zabulón e Aser. Da cúpula do
monte Gilboa, Saúl dominava o panorama do vale do Jezreel e do exército
adversário localizado na base de Morre, a 6 ou 8 km de distância. Possivelmente os
exploradores israelitas tinham intensificado o desespero do Saúl ao
lhe advertir a presença do David com as hostes filistéias, e temeu que este
agora se vingasse (ver PP 731).

6.

Consultou Saúl ao Jehová.

Não há discrepância entre esta declaração e a de 1 Crón. 10: 14, onde se


afirma que Saúl não consultou ao Jehová. Com freqüência as palavras hebréias são
mais abarcantes que as nosso em seu significado. A palavra "consultar"
pode incluir -como em 1 Crón. 10: 14- todo o processo de (1) pedir
informação, (2) receber uma resposta, (3) atuar de acordo com a resposta.
No versículo que agora consideramos, Saúl não efetuou esta classe de
consulta. A palavra "consultou" se usa em um sentido mais restringido. Saúl
tratou de conseguir informação de Deus, mas o Senhor não lhe respondeu.

Não lhe respondeu.

O Senhor nunca rechaça a nenhuma alma que vem a ele com sinceridade e humildade.
A resposta possivelmente não venha na forma ou no momento esperados, mas Deus
toma nota da petição e faz o que mais convém dentro das
circunstâncias. As súplicas frenéticas do Saúl chegaram ao ouvido divino, mas
em vista da situação Deus decidiu não dar a informação que pedia o rei.
Deliberadamente Saúl tinha recusado esperar o conselho de Deus no Gilgal (cap.
13: 8-14) ou aceitar qualquer mensagem contrária a suas idéias como monarca.
Tinha tido acesso ao tabernáculo no Nob, mas tinha assassinado aos
sacerdotes. Posto que Saúl voluntariamente tinha eleito fazer o que o
agradava, Deus permitiu que colhesse os frutos dessa 586 semeia. Se se
tivesse arrependido e tivesse sido submisso, Deus poderia ter convertido seus
falta em degraus para o êxito. A experiência do Saúl ilustra a verdade:
"Tudo o que o homem semear, isso também segará" (Gál. 6: 7; cf. 5T 119).

O texto parece indicar que em seu desespero Saúl apressadamente tratou de


consultar por meio de sonhos, os Urim e os profetas, mas a resposta de
os três foi o silêncio. Posto que o efod estava em poder do Abiatar,
alguns pensam que Saúl mandou que se fizesse outro.

7.

me busquem uma mulher.

Em sua insensato pressa Saúl recorreu à fonte de informação que ele


mesmo tinha condenado (vers. 3). O homem que uma vez esteve cheio de zelo
espiritual, agora se entregou à superstição pagã de invocar os supostos
espíritos dos defuntos em procura de ajuda.

Que tenha espírito de adivinhação.

Heb. BA'alath'ob. BA'alath significa "senhora". 'Ob corresponde com


"nigromante" (BJ), ou "médium" em linguagem moderna (ver com. Lev. 19: 31). A
palavra também significa "nigromancia", como no vers. 8, onde Saúl diz
literalmente: "Consulta por mim, rogo-te, por meio da nigromancia"
("me adivinhe por um morto", BJ). Nossa palavra castelhana "nigromancia" (ou
"necromancia") provém de duas palavras gregas: nekrós, morto, e manteía,
adivinhação, e descreve a arte de indagar o futuro mediante uma suposta
comunicação com os espíritos dos mortos.

Endor.

Um povo se localizado na ladeira setentrional da colina de Morre, frente ao


acampamento dos filisteus, a 11,2 km de onde estava Saúl com suas forças em
o monte da Gilboa. Ainda tem o mesmo nome, Endôr.

9.

Adivinhos.

Literalmente, "os que sabem". Os adivinhos pretendiam ter um conhecimento


especial do mundo invisível. Estão classificados com os nigromantes e, ao
igual a eles, são aborrecidos Por Deus (ver Lev. 19: 31; 20: 6, 27; Deut.
18: 11; 2 Rei. 21: 6; 23: 24; 2 Crón. 33: 6; ISA. 8: 19; 19: 3).

Para fazer morrer.

O decreto nacional do Saúl não conseguiu a cooperação plena de todos seus


súditos. Com freqüência os decretos imperiais não recebem o apoio total.
As perseguições romanas contra os cristãos não impediram que sobrevivesse
o cristianismo e que florescesse em muitos casos.

Indubitavelmente os espíritos informaram à mulher quanto à identidade de


Saúl (ver com. vers. 12). Por isso viu sua vida em perigo (ver com. vers. 25).
Apesar de compreender plenamente que suas artes ocultas estavam sob o anátema
real, tinha-as praticado em segredo. Não se dava conta de que desde fazia
muito Saúl mesmo tinha estado turbado por maus espíritos (cap. 16: 14-16), e
que agora estava completamente a mercê deles.

10.

Nenhum mal.

Saúl acreditava que, por ser o rei, estava por cima das leis e que podia
prometer uma franquia a qualquer que o ajudasse a sair de sua dificuldade.

11.

Faz vir ao Samuel.

por que devia pedir Saúl que viesse Samuel e não outros? O profeta tinha sido
guia e mentor do rei, e lhe tinha dado várias predições no tempo do
unção do Saúl que lhe provocaram gozo e paz quando as viu cumprir-se. Mas
logo que começou a manifestar-se seu temperamento despótico, diminuiu seu
respeito pelo conselho divino. A sua vez, este proceder se converteu em
indiferença e chegou a ser ódio, até que o rei descuidou todas seus
responsabilidades administrativas em seu intento de exterminar a seu rival. O
lembrança da bondade do David expressa em duas ocasiões diferentes ainda
causava rancor na mente doente do Saúl, e este começou a dar-se conta de
que tinha fracassado ante a vista de muitos de seus súditos a quem via
desertar para unir-se com o David. Irritadísimo pelo silêncio do céu, procurou
algum outro método para obter à força uma resposta.

13.

Você é Saúl.

A informação era de origem sobrenatural; mas não procedia de Deus. O havia


mostrado seu aborrecimento pela prática da nigromancia ao condenar a
morte a quantos a praticavam (Lev. 20: 27). Até os que consultassem a
médiums espíritas deviam ser puídos (Lev. 20: 6). De modo que a
comunicação deve ter procedido de outra fonte. Há quem sustenta que
os espíritos dos mortos voltam para comunicar-se com os vivos. Para
eles, o espírito do Samuel respondeu à invocação da médium. Mas uma
comunicação do Samuel, falando como profeta, indiretamente teria sido uma
comunicação de Deus, e se declara expressamente que o Senhor recusava
comunicar-se com o Saúl (1 Sam. 28: 6). Saúl foi morto "porque consultou a uma
adivinha, e não consultou ao Jehová" (1 Crón. 10: 13, 14). 587

O ensino de que os espíritos dos mortos voltam para comunicar-se com


os vivos se apóia na crença de que o espírito do homem existe em estado
consciente depois da morte e que, em realidade, esse espírito é o homem
mesmo. A Bíblia ensina claramente que, ao morrer, o espírito volta para Deus
que o deu (Ecl 12: 7), mas o AT enfaticamente nega que esse espírito seja uma
entidade consciente (Job 14: 21; Sal. 146: 4; Anexo 9: 5, 6). O NT ensina a
mesma doutrina. Jesus indicou que será em sua segunda vinda, e não no momento
da morte, quando o crente se reunirá com seu Senhor (Juan 14: 1-3). Do
contrário, Jesus poderia ter consolado a seus discípulos afligidos com o
pensamento de que logo lhes sobreviria a morte e que assim imediatamente
iriam às mansões celestiales para estar com ele. Para confortar aos que
tinham levado a seus amado ao descanso, Pablo declarou expressamente que os que
vivessem não foram preceder aos mortos, mas sim todos se reuniriam com o
Senhor no mesmo momento (1 Lhes. 4: 16, 17).

É pois evidente que o espírito do Samuel não se comunicou neste momento com
Saúl. Fica outra fonte para essa comunicação. As Escrituras revelam que
Satanás e seus anjos podem repartir informações, e também trocar sua forma
(ver Mat. 4: 1-11; 2 Cor. 11: 13, 14). A aparição que se apresentou ante a
mulher do Endor era uma personificação satânica do Samuel, e a mensagem
repartido teve sua origem no príncipe das trevas.

Embora muitos dos fenômenos das sessões espíritas são fraudes e atos
de prestidigitação, não todos os fenômenos se podem explicar assim. Muitos que
investigaram essas sessões admitem a presença de um poder que não se pode
explicar mediante fraudes nem com leis científicas conhecidas.

As Escrituras predizem um aumento das manifestações sobrenaturais nos


últimos dias (Mat. 7: 22, 23; 2 Lhes. 2: 9; Apoc. 13: 13, 14; 16: 14). A única
proteção contra estes artifícios enganosos é estar tão bem afiançado em
as verdades bíblicas, como para que o tentador seja reconhecido apesar de seu
disfarce. Uma fé firme na verdade do estado inconsciente dos mortos
desbaratará qualquer intento do inimigo para infiltrar sua propaganda por
médiums espíritas e supostas comunicações com os mortos (ver CS cap.
35).

Parece que o espírito que informava à mulher se deleitou desmascarando o


disfarce do Saúl e se mofou do estranho proceder do rei ao pedir ajuda ao mesmo
poder que antes tinha procurado silenciar. Em presença do poder satânico
sobrenatural, as bravatas do rei, sua justificação própria e suas variadas
desculpas se dissiparam como felpa frente ao vento.

Deuses.

Heb. 'elohim, título usado mais de 2.500 vezes para o verdadeiro Deus (ver T.
I, págs. 179, 180), e freqüentemente para os deuses falsos (Gén. 35: 2; Exo.
12: 12; 20: 3; etc.). A RVR três vezes traduz a palavra como "juizes" (Exo.
21: 6; 22: 8, 9). É possível que o vocábulo devesse traduzir-se assim aqui, de
modo que a mulher dissesse: "Vejo juizes que sobem da terra". Isto estaria em
harmonia com a identificação do Samuel como juiz. Embora a mulher usou a
forma plural, Saúl parece ter entendido isto em número singular, pois
perguntou: "Que aspecto tem?" (BJ). Por outro lado, pode ter entendido a
palavra 'elohim em seu significado mais comum: "deuses".

14.

Qual é sua forma?

As perguntas do Saúl, junto com as respostas da mulher, em si mesmos


constituem uma evidência de que ele mesmo não viu a aparição. Possivelmente estava
separado da médium por uma cortina, ou se achava diretamente frente a ela
na densa escuridão da caverna. Quando ela descreveu a aparição, Saúl
"entendeu que era Samuel".

Seria contrário a todo princípio de retidão imaginar que uma nigromante


recebeu autoridade divina para chamar o Samuel de seu lugar de descanso. Seria
completamente inconcebível supor que Deus, que havia anatematizado a
nigromancia (Deut. 18: 10-12), tivesse acessado ao pedido de uma médium para
perturbar ao Samuel, seu santo que dormia. Mas assim como Satanás teve poder para
apresentar-se diante do Jesus no deserto como um anjo de luz, também ele ou
seus instrumentos, se lhes permitia, podiam imitar ao Samuel, tanto na forma
como na voz. O diabo aproveitou esta oportunidade para mofar-se do Saúl com
a ironia de sua sorte. O mesmo homem que uma vez tinha açoitado aos que
praticavam a magia negra, agora de joelhos implorava ajuda a esse poder.

15.

Samuel disse.

Esta cláusula não deve ser interpretada como que significasse que realmente falou
Samuel. O escritor tão somente descreve 588 os sucessos tal como pareciam, que
é o normal em um relato. Também a Bíblia fala do sol que sai e que se
põe, e assim também o fazemos nós, e ninguém se engana ou se confunde porque
tão somente estamos falando de aparências. Em realidade, o sol não se levanta nem
fica, a não ser a terra é a que excursão. No versículo que consideramos, o
contexto e uma comparação com outras passagens fazem ver que as palavras aqui
atribuídas ao profeta falecido provinham de uma personificação do Samuel (ver
com. vers. 12).

me fazendo vir.

Veja o vers. 11, onde aparecem as expressões "Farei-te vir" e "Me faça
vir". É evidente que os antigos, em geral, tinham o conceito de uma
região subterrânea onde moravam os mortos. Se a doutrina sustentada pela
maioria dos cristãos -de que os justos sobem ao céu quando morrem-
tivesse sido aceita neste antigo período, a mulher nunca haveria dito que
via o Samuel que subia "da terra" (vers. 13); mas bem haveria dito que
descendia do céu. Este fato é suficiente para eliminar este relato como
uma prova a favor da doutrina do estado consciente de quão justos hão
morto.

16.

Seu inimigo.

Estas palavras identificam a seu autor. A declaração feita aqui e nos


versículos seguintes ilustram um engano característico do diabo. A partir
de sua queda, Satanás se esforçou para pintar o caráter de Deus com falsos
cores. Representa a Deus como um tirano vingativo que joga no inferno
a todos os que não lhe temem (ver CS 589). Seduz aos homens para que pequem
e logo apresenta seu caso como completamente sem esperança. Representa a Deus
como resistente a perdoar ao pecador enquanto exista a mais pequena desculpa para não
recebê-lo. Assim apresenta a Deus ante os homens como seu inimigo. Este
conceito está na raiz das religiões pagãs que ensinam a necessidade de
os sacrifícios para apaziguar a um Deus zangado. É muito oposta esta doutrina
aos ensinos das Escrituras, onde se representa a um Deus que ama a
todos e esteve disposto a fazer um sacrifício supremo para salvar aos
culpados (Juan 3: 16; 2 Ped. 3: 9).

17.

tirou o reino.

O espírito, fazendo-se passar por uma voz que procedia do céu, mofou-se de
Saúl lhe dizendo que sua coroa iria a seu rival. Satanás inspirou aos que
acompanhavam ao Saúl para que estimulassem a animosidade do rei contra David, e
depois o amargurou em supremo grau lhe anunciando -como que já se realizou-
precisamente o que tanto tinha lutado Saúl por evitar. Tinha ouvido que David
estava com os filisteus (PP 731), e talvez agora se imaginava que os
inimigos do Senhor o venceriam e dariam o reino ao David.

18.

Jehová te tem feito isto.

Embora Satanás inspirou os pensamentos que provocaram a desobediência do Saúl


em seu proceder com o Amalec, agora condenou ao rei em nome do Senhor. Assim se
apresento a Deus como se tivesse empregado as mesmas táticas de Satanás. Em
realidade, Deus não se tornou inimigo do Saúl. Tão somente permitia que este
colhesse o que tinha semeado. O apuro em que se encontrava Saúl era o
resultado de sua própria eleição. Deus se tinha esforçado para salvá-lo do
desastre lhe enviando admoestações e conselhos repetidos, mas Saúl persistiu em
opor-se à instrução divina.

19.

Dos filisteus.

Devido a Saúl se rebaixou voluntariamente ajudando ao adversário, Satanás usou


esta oportunidade para burlar-se dele e desanimá-lo. Ante a batalha iminente,
Satanás fez que Saúl acreditasse que estava irremediavelmente perdido. Em
realidade, o Senhor poderia ter salvado então ao Israel tão facilmente como
tinha-o feito na Mizpa (cap. 7: 10). Mas naquela ocasião os israelitas
tinham confessado seus pecados e clamado "ao Jehová". Se Saúl tivesse confessado
seu pecado, tivesse convocado aos israelitas, tivesse-lhes falado de seu
debilidade e os tivesse induzido a renovar sua consagração ao Senhor, o
resultado da batalha poderia ter sido muito diferente. Ao apresentar diante
do rei a aparente impossibilidade de receber perdão, Satanás teve êxito em
desanimar de tudo ao Saúl e induzi-lo a sua ruína.

20.

Quão grande era.

A tensão física mais a preocupação mental, e finalmente a terrível noticia


de sua derrota e morte iminentes, de tal maneira o desalentaram, que se
desabou.

25.

levantaram-se.

Ao igual a Judas, Saúl saiu de noite. Ao ficar sozinha, a médium possivelmente


estava tão perturbada como o rei. Saúl tinha sido culpado de duplicidade e
traição em seu trato com o David. Como podia saber ela se sua vida não ia ser
o preço pelos sucessos 589 daquela noite? Saúl tinha estado muito
doente para pronunciar uma palavra de avaliação por seus serviços. Ela não
tinha os consolos da oração nem da fé. Era pulseira de um poder tão
capaz de mofar-se dela como se burlou do rei.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-25 PP 730-736
6-20 PP 738-745

1, 2 PP 730

4, 5 PP 731

6 PP 738

6, 7 PP 732

7 Ev 441, 442; HAp 235

7, 8 PP 738

9 CS 613

8-11 PP 733

12 PP 734

13, 14 PP 734

15-19 PP 734

20-25 PP 735

CAPÍTULO 29

1 David sai à guerra contra os filisteus, 3 mas os príncipes o


rechaçam. 6 Aquis elogia sua fidelidade e o faz voltar.

1 OS filisteus juntaram todas suas forças no Afec, e Israel acampou junto à


fonte que está no Jezreel.

2 E quando os príncipes dos filisteus passavam revista a suas companhias da


cento e da mil homens, David e seus homens foram na retaguarda com
Aquis.

3 E disseram os príncipes dos filisteus: O que fazem aqui estes hebreus? E


Aquis respondeu aos príncipes dos filisteus: Não é este David, o servo
do Saúl rei do Israel, que esteve comigo por dias e anos, e não achei
falta nele desde dia que aconteceu comigo até hoje?

4 Então os príncipes dos filisteus se zangaram contra ele, e lhe disseram:


Despede-se deste homem, para que se volte para lugar que lhe assinalou, e não venha
conosco à batalha, não seja que na batalha nos volte inimigo;
porque com que coisa voltaria melhor à graça de seu senhor que com as cabeças
destes homens?

5 Não é este David, de quem cantavam nas danças, dizendo: Saúl feriu
seus milhares, E David a seus dez e milhares?

6 E Aquis chamou o David e lhe disse: Vive Jehová, que você foste reto, e que me
pareceu bem sua saída e sua entrada no acampamento comigo, e que nenhuma
coisa má achei em ti desde dia que veio para mim até hoje; mas aos
olhos dos príncipes não agrada.
7 Te volte, pois, e vete em paz, para não desagradar aos príncipes dos
filisteus.

8 E David respondeu ao Aquis: O que tenho feito? O que achaste em seu servo desde
o dia que estou contigo até hoje, para que eu não vá e brigue contra os
inimigos de meu senhor o rei?

9 E Aquis respondeu ao David, e disse: Eu sei que você é bom ante meus olhos,
como um anjo de Deus; mas os príncipes dos filisteus me hão dito: Não
venha conosco à batalha.

10 Te levante, pois, de amanhã, você e os servos de seu senhor que vieram


contigo; e lhes levantando o amanhecer, partam.

11 E se levantou David de amanhã, ele e seus homens, para ir-se e voltar para a
terra dos filisteus; e os filisteus foram ao Jezreel.

1.

Afec.

Nome de vários povos (ver com. cap. 4: 1), mas não de nenhum sítio conhecido
perto da Gilboa, como pareceria estar comprometido, se os caps. 28 e 29 estão em
ordem cronológica: os filisteus acamparam primeiro no Sunem, frente a
Gilboa, onde estavam os israelitas (cap. 28: 4), e logo se transladaram a
Afee (cap. 29: 1). Mas em vários livros de consulta, a opinião está dividida
entre um Afec do norte e um Afec do sul. Se a 590 narração, depois da
história da visita que Saúl fez ao Endor (cap. 28: 3-25), volta atrás para
continuar a história do David no ponto em que se suspende no cap. 28: 2
(David recrutado pelo Aquis para lutar com os filisteus contra Israel),
então o cap. 29 continua desde esse ponto com seu rechaço pelos senhores
filisteus no Afec, onde "juntaram todas suas forças" (cap. 29: 1). Se esta
foi a mesma reunião que se menciona como precedendo imediatamente sua vinda
ao Sunem (cap. 28: 4), Afec estava na rota de Filistéia ao Sunem, mas não
necessariamente perto do Sunem. Por isso muitos supõem que se trata da Afec
que geralmente se identifica com o Antípatris, de onde os filisteus haviam
atacado antes ao Israel (cap. 4: 1) e tomado o arca.

A fonte que está no Jezreel.

Havia duas grandes fontes no vale do Jezreel; uma, 'Ain J~lãd, conhecida
como "a fonte do Harod", que surgia do penhasco norte de uma das salientes
do monte Gilboa, a uns poucos centenares de metros por cima do vale, e a
outra, 'Ain Cana'ãn, no coração do vale. Parece mais provável que Saúl
tivesse permanecido na saliente da montanha por cima de 'Ain J~lãd,
posição em grande medida inacessível do vale, e que não tivesse descendido
a 'Ain Cana'ãn que, embora estava mais perto dos filisteus, não lhe haveria
proporcionado vantagem tática alguma.

3.

O que fazem aqui estes hebreus?

Tal pergunta deve ter sido para o David como uma recriminação lhe esmaguem. Estava
completamente fora de ambiente no acampamento dos inimigos de seu próprio
povo. Em primeiro lugar, não deveria ter procurado refúgio entre os filisteus.
Tinha dado esse passo sem procurar a direção divina. Agora, ao aproximá-la
crise, David se viu em um grande apuro. Logo deveria decidir o que faria
quando se lutasse. Não desejava empregar suas armas contra seus irmãos.

Não achei falta.

Que contraste deve ter havido entre a expressão de confiança do Aquis na


habilidade e integridade do David, e a estimativa que este tinha de si mesmo ao
repensar em sua duplicidade e fraude! Deus se compadece dos que estão em
perplexidade e angústia. Com ternura lhes abre uma via de escapamento para que não
fiquem abandonados completamente às conseqüências de sua conduta.
Misericordiosamente troca os néscios enganos em degraus para o êxito. Os
que estejam dispostos a aceitar a direção divina com toda humildade, receberão
liberação proveniente de fontes inesperadas em formas imprevistas, e nas
horas mais escuras de sua experiência. Quando esses príncipes filisteus
demandaram que David fora expulso do acampamento, Deus obrava assim seu
liberação.

4.

Despede-se deste homem.

A palavra "este" não se acha no hebreu. Os príncipes foram respeitosos


com o Aquis ao referir-se a seu colaborador; mas a fraseología indica que estavam
muito ressentidos pela presença do David.

6.

Vive Jehová.

Tratando-se de um rei pagão, esta é uma declaração notável. Alguns hão


sugerido que Aquis pode ter sido atraído à religião dos hebreus por seu
relação com o David, assim como Nabucodonosor foi induzido a elogiar ao "Rei do
céu" pela influência do Daniel e seus companheiros (Dão. 4: 37). Outros só
vêem no juramento um equivalente do que Aquis disse realmente. Não se pode
negar que David, por seu comportamento, impressionou profundamente ao Aquis. Três
vezes o rei chamou a atenção à retidão da vida do David (1 Sam. 29:
3, 6, 9), comparando-o em um caso nada menos que com "um anjo de Deus" (1 Sam.
29: 9).

8.

O que tenho feito?

David ficou emocionado pela súbita mudança dos acontecimentos que o


liberou de seu dilema. Entretanto, a fim de não trair seus sentimentos,
dirigiu esta evasiva pergunta ao rei como se tivesse querido dar a impressão
de que tinha sido ofendido por essa arruda despedida (ver PP 747).

Em um momento de desânimo, e não sabendo que caminho tomar, David tinha dado
passos que o puseram em um dilema do que lhe resultava completamente impossível
escapar sem ajuda externa. Se desertava do Aquis e lutava contra os
filisteus, ia demonstrar que era verdadeira a acusação dos príncipes
filisteus. Se lutava contra Israel, lutaria contra o ungido do Senhor e assim
ajudaria aos estrangeiros para que dominassem sua terra natal (ver PP 746).
Quão misericordioso foi o Senhor ao tisar a má vontade e o rancor dos
filisteus para abrir a porta, a fim de que David se liberasse da ignomínia
em que ia cair qualquer fora o insultado da luta. 591

David se deu conta de quanto melhor teria sido se tivesse permanecido no Judá.
Se não tivesse sido porque por cima de todas as coisas desejava ser leal a
Deus, o Senhor não poderia havê-lo liberado. Os pecados do David não eram tanto
separações conscientes e voluntárias do atalho da retidão, como
debilidade de sua fé e enganos de critério. viu-se frente à necessidade de
tomar decisões rápidas, e não sempre esperou uma resposta divina, possivelmente
confiando em que o céu respaldaria suas idéias. De todo coração deve haver-se
arrependido desses enganos. Agora se encontrava frente a frente com um
bondoso protetor que lhe tinha confiança, tinha-lhe sido amigável, mas ao fim
tinha que despedi-lo devido a uma pressão política. Enquanto David escutava
a resposta de confiança e amor do rei, deve haver sentido o peso da
vergonha de seu fingimento, e também deve haver-se emocionado novamente com
gratidão porque -apesar de seu pecado- a misericórdia de Deus havia
quebrantado a armadilha em que tinha estado. Quão pormenorizado é nosso Pai
celestial!

10.

Os servos de seu senhor.

A palavra 'adon, "senhor", é o vocábulo comum hebreu para dirigir-se a um


superior. Não devesse confundir-se com a palavra séren aplicada aos príncipes
filisteus (vers. 2, 6, 7), os governantes das cinco cidades (cap. 6: 17;
ver com. Juec. 3: 3). Outra palavra, sar, geralmente traduzida "príncipe", se
usa como sinônimo de séren em 1 Sam. 29: 3, 4, 9 para referir-se aos mesmos
governantes. Em 1 Sam. 29: 4, 10 'adon parece aplicar-se ao Saúl, e em 1 Sam.
29: 8 a usa David quando fala com o Aquis. O emprego destes términos possivelmente
sugira que Aquis não considerava mais ao David como seu vassalo, mas sim com
delicadeza insinuava ao David que ficava em liberdade para ir-se de Filistéia
se assim o desejava.

lhes levantando o amanhecer.

Talvez era uma forma diplomática de lhe dizer ao David que se a luz do alvorada o
encontrava a ele e a seus homens ainda no acampamento, matariam-nos os
príncipes. Sem dúvida David experimentou um grande alívio ante esta exoneração
oficial. Já não podia haver nenhum ressentimento porque ele e os seus não
tivessem apreciado o asilo que bondosamente lhes tinha concedido Aquis. Ao
ir para os seus, sem dúvida David elogiou a Deus pelo amparo e liberação
divinas.

O relato deste capítulo ilustra a forma em que Deus procede para salvar a
seus filhos. Procura persuadi-los a que aceitem os caminhos do céu, e sem
embargo os deixa em liberdade de rechaçá-los se assim o desejam. É assim não só
na decisão principal de servir a Deus, a não ser em todas as decisões
-grandes e pequenas- que se vê obrigado a tomar o que procura viver em harmonia
com os princípios divinos. É inevitável que haverá enganos, e as provas
conseguintes se convertem em evidências que revelam o engano de critério.
David escolheu refugiar-se em Filistéia para proteger-se do Saúl. Acomodando seus
acione a seus sentimentos, logo descobriu que as sementes do interesse
próprio tinham produzido uma colheita de fingimento e falsidade. Mas David
reconheceu seu engano, e de todo coração procurou seguir a norma divina. Este
proceder fez que Deus pudesse amoldar as circunstâncias para liberar o David,
embora a dificuldade em que este se achava fora um resultado de suas próprias
faltas.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-11 PP 746, 747


3-10 PP 747 592

CAPÍTULO 30

1 Os amalecitas incendeiam ao Siclag. 4 David pede conselho a Deus e é animado a


persegui-los. 11 Um Egípcio farelo de cereais da morte o conduz ao lugar onde
estão os amalecitas e David recupera o bota de cano longo. 22 David ordena que o bota de cano longo se
distribua por partes iguais entre os soldados e os que guardam a bagagem.
26 Envia presen lhes a seus amigos.

1 QUANDO David e seus homens vieram ao Siclag ao terceiro dia, os do Amalec


tinham invadido o Neguev e ao Siclag, e tinham assolado ao Siclag e lhe haviam
aceso fogo.

2 E se levaram cativas às mulheres e a todos os que estavam ali,


do menor até o major; mas a ninguém tinham dado morte, a não ser se os
tinham levado a seguir seu caminho.

3 Veio, pois, David com os sua à cidade, e hei aqui que estava queimada, e
suas mulheres e seus filhos e filhas tinham sido levados cativos.

4 Então David e a gente que com ele estava elevaram sua voz e choraram, até
que lhes faltaram as forças para chorar.

5 As duas mulheres do David, Ahinoam jezreelita e Abigail a que foi mulher de


Nabal o do Carmel, também eram cativas.

6 E David se angustiou muito, porque o povo falava de lhe apedrejar, pois tudo
o povo estava em amargura de alma, cada um por seus filhos e por suas filhas;
mas David se fortaleceu no Jehová seu Deus.

7 E disse David ao sacerdote Abiatar filho do Ahimelec: Eu te rogo que me


aproxime o efod. E Abiatar aproximou o efod ao David.

8 E David consultou ao Jehová, dizendo: Perseguirei a estes merodeadores? Os


poderei alcançar? E lhe disse: Segue-os, porque certamente os alcançará, e
de certo liberará aos cativos.

9 Partiu, pois, David, ele e os seiscentos homens que com ele estavam, e
chegaram até a corrente do Besor, onde ficaram alguns.

10 E David seguiu adiante com quatrocentos homens; porque ficaram atrás


duzentos, que cansados não puderam acontecer a corrente do Besor.

11 E acharam no campo a um homem egípcio, o qual trouxeram para o David, e o


deram pão, e comeu, e lhe deram a beber água.

12 Lhe deram também um pedaço de massa de figos secos e dois cachos de passas.
E logo que comeu, voltou nele seu espírito; porque não tinha comido pão nem
bebida água em três dias e três noites.

13 E lhe disse David: De quem é você, e de onde é? E respondeu o jovem


egípcio: Eu sou servo de um amalecita, e me deixou meu amo hoje faz três dias,
porque estava eu doente;

14 pois fizemos uma incursão à parte do Neguev que é dos cereteos, e


do Judá, e ao Neguev do Caleb; e pusemos fogo ao Siclag.
15 E lhe disse David: Levará-me você a essa tropa? E ele disse: me jure Por Deus
que não me matará, nem me entregará em mão de meu amo, e eu te levarei a essa
gente.

16 O levou, pois; e hei aqui que estavam esparramados sobre toda aquela
terra, comendo e bebendo e fazendo festa, por tudo aquele grande bota de cano longo que
tinham tirado da terra dos filisteus e da terra do Judá.

17 E os feriu David desde aquela manhã até a tarde do dia seguinte; e


não escapou deles nenhum, a não ser quatrocentos jovens que montaram sobre os
camelos e fugiram.

18 E liberou David tudo o que os amalecitas tinham tomado, e deste modo libertou
David a suas duas mulheres.

19 E não lhes faltou coisa alguma, garota nem grande, assim de filhos como de filhas, do
roubo, e de todas as coisas que lhes tinham tomado; tudo o recuperou David.

20 Tomou também David todas as ovelhas e o gado maior; e trazendo-o tudo


diante, diziam: Este é o bota de cano longo do David.

21 E veio David aos duzentos homens que tinham ficado cansados e não
tinham podido seguir ao David, aos quais tinham feito ficar na corrente
do Besor; e eles saíram a receber ao David e ao povo que com ele estava. E
quando David chegou às pessoas, saudou-lhes com paz. 593

22 Então todos os maus e perversos de entre os que tinham ido com o David,
responderam e disseram: Porque não foram conosco, não lhes daremos do bota de cano longo
que tiramos, a não ser a cada um sua mulher e seus filhos; que tomem e se
vão.

23 E David disse: Não façam isso, meus irmãos, pelo que nos deu Jehová,
quem nos guardou, e entregou em nossa mão aos merodeadores que
vieram contra nós.

24 E quem lhes escutará neste caso? Porque conforme a parte do que


descende à batalha, assim tem que ser a parte de que fica com a bagagem; eles
tocará parte igual.

25 Desde aquele dia em adiante foi isto por lei e regulamento no Israel, até
hoje.

26 E quando David chegou ao Siclag, enviou do bota de cano longo aos anciões do Judá, seus
amigos, dizendo: Hei aqui um presente para vós do bota de cano longo dos inimigos
do Jehová.

27 O enviou aos que estavam no Bet-o, no Ramot do Neguev, no Jatir,

28 no Aroer, no Sifmot, na Estemoa,

29 no Racal, nas cidades do Jerameel, nas cidades do ceneo,

30 em Fôrma, no Corasán, no Atac,

31 no Hebrón, e em todos os lugares onde David tinha estado com seus homens.

1.
Ao terceiro dia.

Embora não se conhece a localização exata do Siclag, sabe-se que estava no


território do Gat. Alguns a identificam com o Tell o-Khuweilfeh, a 80,5 km de
Afec na planície do Sarón (ver com. cap. 29: 1). Posto que David e seus
homens não saíram até o dia seguinte de sua demissão, só tinham a marcha
do segundo dia completo antes do "terceiro dia" quando chegaram ao Siclag. Por
tanto, provavelmente andaram toda essa distancia em duas etapas. Isso
pressupõe um médio de 40 km por dia, e o grande esforço explica o que
ficassem exuaustos alguns dos homens enquanto perseguiam os amalecitas
(vers. 10).

2.

A ninguém tinham dado morte.

Isto não se deveu a que tivessem sido misericordiosos, mas sim a que as mulheres e
os meninos representavam um bom ganho como escravos e concubinas. Parece
que era costume entre as belicosas nações do Próximo Oriente preservar a
as mulheres e aos meninos, especialmente às virgens e às meninas (ver Núm.
31: 15-18; Juec. 21: 1-24). David se equivocou ao sair do Siclag sem
amparo. Possivelmente esperava que seus últimos viagens pelo deserto houvessem
dissuadido aos merodeadores a que não fizessem incursões por algum tempo.
Desejava impressionar da melhor maneira possível às hostes dos filisteus
indo ao norte com -Aquis.

5.

Jezreelita.

"Ahinoam jezreelita" foi a mãe do Amnón, primogênito do David, que mais tarde
seduziu ao Tamar sua irmã (2 Sam. 13). Havia pelo menos dois Jezreeles em
Palestina: uma na tribo do Isacar (Jos. 19: 18), onde então os
israelitas lutavam contra os filisteus; outra no Judá (Jos. 15: 54-56),
intimamente relacionada com lugares como Hebrón, Maón, Zif, etc. Alguns hão
localizado-se esta Jezreel entre o Zif e Carmel, em um sítio agora conhecido como
Khirbet Terr~ma, mas não há certeza a respeito deste sítio.

6.

Em amargura.

Heb. marah, literalmente, "era amargurou". derivou que a raiz marah no Exo.
15: 23; Rút 1: 20. A amargura dos homens contra seu caudilho sem dúvida se
devia a que David tinha deixado seus lares desprotegido.

No Jehová.

A conduta do David foi agora de tudo diferente de seu proceder durante os


meses de sua duplicidade ante o Aquis. Tinha recebido uma prova indubitável da
amparo de Deus durante o tempo de seu grande falta ao fugir do Judá, e agora
confrontou humildemente a nova crise. fortaleceu-se" no Jehová chamou a
Abiatar para consultasse Deus por meio dos Urim e do Tumim (vers. 7). Isto
deveria ter feito quando fazia planos para fugir a Filistéia.

9.
A corrente do Besor.

pensa-se que é o arroio que passa pelo Gerar e desemboca no Mediterrâneo,


perto da Gaza. Não se pode determinar sem distância do Siclag, pois não se sabe
a qual de seus ramos se alude, se a do norte ou a do sul. Além disso se
desconhece a localização exata do Siclag.

11.

Um homem egípcio.

O fato de que este "jovem" fora egípcio projeta uma luz horripilante sobre
o caráter desses merodeadores. Assim como haviam incursionado no Judá e o
território filisteu, sem dúvida tinham invadido partes do Egito e tinham tomado
cativos para negociá-los como escravos. Nenhuma nação nem tribo estava a
salvo de suas depredações. 594

12.

Três dias e três noites.

Posto que o moço estava informado do incêndio do Siclag (vers. 14), se


infere que este tinha ocorrido pelo menos três dias antes, já que os
cruéis tribeños o tinham abandonado fazia dois dias (vers, 13). O tempo era
suficiente para que os merodeadores pudessem escapar e ocultar-se no
deserto intransitado.

14.

Neguev . . . dos cereteos.

Alguns acreditam que os cereteos eram os cretenses. Uma comparação do Eze. 25:
16 e Sof. 2: 5 indica que os cereteos ocupavam parte do litoral marítimo de
Filistéia; evidentemente a parte meridional, pois os amalecitas chegaram
primeiro a eles provenientes do deserto do Shur. Siclag estava no
território dos cereteos ou em suas proximidades.

Neguev do Caleb.

Caleb cenezeo (Jos. 14: 14) recebeu uma porção do que correspondeu ao Judá,
perto do Hebrón (Jos. 15: 13-19). Posto que os amalecitas residiam no
deserto na direção ao Egito (1 Sam. 15: 7), e posto que a incursão a
a zona dos do Caleb se menciona depois da incursão aos cereteos, é
provável que a invasão fora do oeste a este e tivesse assolado primeiro o
limite dos cereteos. Depois, à medida que os merodeadores prosseguiam
rumo ao este, levando consigo aos prisioneiros cereteos, provavelmente
souberam que David não estava em seu próprio distrito; portanto, decidiram
voltar para seu lugar de origem pelo caminho do Siclag para destrui-lo, e depois
retornar com seus cativos e fugir às profundidades do deserto do Shur.

16.

Comendo e bebendo.

Os amalecitas, que se tinham detido em algum oásis para banquetear-se com os


despojos, poderiam comparar-se com os quatro reis da Mesopotamia que
incursionaron por este mesmo distrito nos dias do Abraão (Gén. 14), e
empreenderam a volta com o Lot e outros cativos da Sodoma, tão somente para
deter-se perto da Hoba (Gén. 14: 15) a fim de celebrar sua vitória (ver PP
128). A influência do licor os deixou totalmente despreparados para o súbito
ataque do David.

17.

Quatrocentos jovens.

O número dos que escaparam indica a magnitude da hoste que tomou parte
na incursão e a quantidade do gado que devem ter tido consigo quando
David caiu sobre eles. Tendo deixado sua bagagem à beira do arroio Besor,
David pôde sobrepujar a essa hoste estorvada com os despojos. Lutando toda
a noite e até o dia seguinte, ao fim David libertou aos cativos, reuniu
o gado e recolheu as provisões para voltar para o Siclag.

20.

Todas as ovelhas e o gado.

Este versículo é algo escuro. A BJ o traduz assim: "Tomaram todo o gado


maior e menor e o conduziram ante ele dizendo: 'Este é o bota de cano longo do David' ".
O hebreu parece dar a idéia de que David recuperou o gado e outras posses
que antes tinham pertencido a seu grupo. Além disso, havia outros rebanhos e outras
emanadas grandes que os amalecitas tinham acumulado em sua recente incursão.
Tudo isto foi considerado como o bota de cano longo do David e partiu à cabeça do
ganho recuperado, à medida que o destacamento voltava para suas lareiras.

24.

Parte igual.

Quando o Israel lutou pela primeira vez com os madianitas, impôs-se um sistema
preciso para a distribuição dos despojos. Só uma parte do acampamento
foi à guerra, mas imediatamente depois da batalha o Senhor ordenou a
Moisés que dividisse o bota de cano longo em duas partes, de modo que os combatentes e os
que ficaram com a bagagem pudessem receber partes iguais. Também deviam
ficar à parte quantidades precisas para os levita e como uma oferenda para o
Senhor (ver Núm. 31: 25-54). Não sempre se cumpriu este plano, mas do
tempo do David em adiante parece que foi um estatuto estabelecido no Israel.

26.

Um presente.

David estava longe de ser egoísta e miserável. Durante os anos de seus


peregrinações, não só lhe uniram muitos do Judá, mas também muitos outros o
deram provisões. Até esse momento não tinha podido corresponder a seu
bondade. Então, na primeira oportunidade lhes enviou porções liberais de
sua abundante bota de cano longo. Este gesto naturalmente aplainou o caminho para ganhar a
amizade permanente de seus compatriotas quando voltasse para o Hebrón depois da
morte do Saúl.

27.

Bet-o.

Dificilmente poderia ser a localidade do Bet-o da tribo de Benjamim, a não ser


mas bem Betul, um dos povos atribuídos ao Judá que foram jogo de dados ao Simeón
(Jos. 19: 4), e que não estava longe do Siclag.

Ramot do Neguev.

Um dos povos jogo de dados ao Simeón (Jos. 19: 8) mas cuja localização exata se
desconhece.

Jatir.

acredita-se que é a moderna Khirbet 'AttTr, a vários quilômetros ao leste do


caminho 595 principal entre o Hebrón e Beerseba, e a 12,8 km ao sudoeste do Maón.

28.

Aroer.

Não Aroer sobre o arroio do Arnón, que se menciona no Jos. 12: 2 como o lugar
tomado pelos filhos do Israel antes de que atacassem ao Hesbón, a não ser um povo
do Neguev, a 16,8 km ao sudoeste da Beerseba, conhecido agora como 'Ar'arah.

Sifmot.

Possivelmente um dos povos que ajudaram ao David quando este foi ao deserto de
Param (cap. 25: 1), mas hoje em dia desconhecido.

Estemoa.

Povo relacionado com o Debir na lista das localidades que pertenciam a


Judá (Jos. 15: 20, 49, 50), e identificado com o é-Semf' da atualidade,
entre 13 e 15 km ao sul do Hebrón e perto do deserto do Zif.

29.

Racal.

Em toda a Bíblia, é a única vez em que aparece o nome deste lugar. Seu
localização é desconhecida. A BJ o chama "Carmelo", possivelmente imitando à
LXX.

30.

Fôrma.

Antigamente chamada Sefat (Juec. 1: 17). Uma das cidades do Neguev


atacada pelos filhos do Israel quando se atreveram a entrar no Canaán desde
Cades-barnea, indo contra a ordem do Senhor (Núm. 14: 45), e outra vez
quando Arem o cananeo lutou contra eles depois da morte do Aarón (Núm.
21: 1-3).

Corasán.

Quão mesmo Assam (Jos. 15: 42-44) ao noroeste da Beerseba. Um dos nove
povos da Sefela que tinham relação com a Keila e que foram jogo de dados ao Judá.

Atac.

Só se menciona aqui. Sua localização é desconhecida.


31.

Todos os lugares.

Tendo sido ungido como rei, David demonstrou seu espírito generoso e seu
liberalidade régia. O registro não menciona os pressente que deu aos
anciões da Keila nem ao povo hostil do Zif (ver cap. 23: 11, 12, 19), embora
podem ter estado incluídos em "todos os lugares".

O fato de que desse a "todos os lugares" mostra como chegou a depender David
da hospitalidade de diversas partes da terra do Judá.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-31 PP 748-751

1-4, 6 PP 748

8-19 PP 749

20-24, 26 PP 751

CAPÍTULO 31

1 Saúl perde seu exército, seus filhos são mortos, e ele e seu escudeiro se matam.
7 Os filisteus se apoderam das cidades abandonadas pelos israelitas. 8
Despojam os cadáveres. 11 os do Jabes do Galaad recuperam os corpos do Saúl
e de seus filhos, queimam-nos e os sepultam no Jabes.

1 OS fílisteos, pois, brigaram contra Israel, e os do Israel fugiram diante


dos filisteus, e caíram mortos no monte da Gilboa.

2 E seguindo os filisteus ao Saúl e a seus filhos, mataram ao Jonatán, ao Abinadab


e a Malquisúa, filhos do Saúl.

3 E aumentou a batalha contra Saúl, e lhe alcançaram os flecheros, e teve grande


temor deles.

4 Então disse Saúl a seu escudeiro: Tira sua espada, e me transpasse com ela, para
que não venham estes incircuncisos e me transpassem, e me ludibriem. Mas seu
escudeiro não queria, porque tinha grande temor. Então tomou Saúl sua própria
espada e se tornou sobre ela.

5 E vendo seu escudeiro ao Saúl morto, ele também se tornou sobre sua espada, e
morreu com ele.

6 Assim morreu Saúl naquele dia, junto com seus três filhos, e seu escudeiro, e
todos seus varões.

7 E os do Israel que eram do outro lado do vale, e do outro lado do Jordão,


vendo que o Israel tinha fugido e que Saúl e seus filhos tinham sido mortos,
deixaram as cidades e fugiram; e os filisteus vieram e habitaram nelas.

8 Aconteceu ao seguinte dia, que vindo os filisteus a despojar aos


mortos, acharam 596 ao Saúl e a seus três filhos tendidos no monte da Gilboa.

9 E lhe cortaram a cabeça, e lhe despojaram das armas; e enviaram mensageiros


por toda a terra dos filisteus, para que levassem as boas novas ao
templo de seus ídolos e ao povo.

10 E puseram suas armas no templo do Astarot, e penduraram seu corpo no


muro do Bet-sán.

11 Mas ouvindo os do Jabes do Galaad isto que os filisteus fizeram ao Saúl,

12 todos os homens valentes se levantaram, e andaram toda aquela noite,


e tiraram o corpo do Saúl e os corpos de seus filhos do muro do Bet-sán; e
vindo ao Jabes, queimaram-nos ali.

13 E tomando seus ossos, sepultaram-nos debaixo de uma árvore no Jabes, e jejuaram


sete dias.

1.

os do Israel fugiram.

Parecesse que os exércitos do Israel tivessem tido a vantagem tática de


estar no monte da Gilboa. Do ponto de vista militar, era difícil que
os filisteus cruzassem o rio Jalud e ascendessem lutando o monte da Gilboa.
Entretanto, caiu o Israel. A apostasia do Saúl, que procurou a ajuda de uma
adivinha, tinha precipitado o desastre. acautelou-se aos israelitas
que quando recusassem os estatutos e o pacto do Jehová, huirian sem que
houvesse quem os perseguisse (Lev. 26: 17).

Caíram mortos.

Ou "caíram feridos". O significado básico do verbo hebreu jalal, do qual se


deriva o particípio aqui traduzido "mortos", é "atravessar". Pode
significar ferir mortalmente ou tão somente ferir sem provocar a morte imediata,
como é seu significado no vers. 3.

2.

Seguindo.

"Apertaram de perto" (BJ). A desastrosa derrota ensinou aos israelitas que


era uma necedad amoldar-se aos costumes do mundo para pedir um rei. Quando
esse rei se voltou um tirano, toda a nação participou de seus enganos e
compartilhou com ele a responsabilidade de seu pecado.

Mataram ao Jonatán.

Espontaneamente surge a pergunta: Porquê permitiu o Senhor que Jonatán


morrera com seu pai quando seu proceder era totalmente oposto ao dele?

Sendo ele piedoso, tendo repudiado a conduta de seu pai e estando em


harmonia com o David para obedecer as indicações providenciais do Senhor, não
podia haver lhe prolongado a vida? Não podia ter morrido Is-boset em seu
lugar, em vez de sobreviver para seguir nas pegadas de seu pai Saúl? Esta
é uma pergunta que a capacidade humana não pode responder (ver CS 51). Os
registros da história sagrada revelam que a perseguição e a morte hão
sido a sorte dos justos em todos os séculos. devido às complicações
do grande conflito entre o bem e o mal, a Satanás deve dar-se o uma
oportunidade de afligir aos justos. Mas o consolo do cristão é que
embora o adversário pode destruir o corpo, não pode destruir a alma (Mat.
10: 28). Uma vez que se decidiu definitivamente a relação da alma com
Deus, a continuação ou terminação da vida atual não é de importância
capital. Poemos "magnificar" a Cristo "por vida ou por morte" (Fil. 1: 20-
23).

3.

Alcançaram-lhe.

Literalmente, "acharam-lhe". "Foi ferido" (BJ). Os filisteus compreenderam


a vantagem de matar ao rei do Israel. Possivelmente um destacamento especializado
recebeu a ordem de perseguir o Saúl. Assim também procederam os sírios em seu
batalha contra Acab e Josafat (2 Crón. 18: 28- 34).

4.

Ludibriem-me.

Saúl temia que os filisteus o tratassem na mesma forma em que haviam


tratado ao Sansón. Saúl não tinha demonstrado essa preocupação pelo David, a não ser
que uma vez fez toda uma maquinação para que caísse em mãos dos filisteus
incircuncisos (cap. 18: 21- 25).

tornou-se sobre ela.

Ao igual a Judas, tirou-se a vida. Possivelmente influenciado pelos augúrios do


espírito mau de que ia morrer, perdeu o julgamento e procurou suicidarse a fim
de escapar aos escárnios do inimigo.

As opiniões variam quanto à forma exata de sua morte. Possivelmente apoiando-se


no que disse o amalecita (2 Sam. 1: 1- 10), Josefo diz que em realidade o
matou aquele quando o encontrou ainda vivo depois de haver-se tornado sobre seu
espada (Antiguidades vi. 14. 7). Entretanto, é evidente que o jovem inventou
seu relato com o propósito de ganhar a aprovação do David (ver PP 736, 752).

6.

Morreu Saúl.

Ver 1 Crón. 10: 13, 14. Assim terminou uma vida que uma vez foi tão promissora.
A ruína do futuro do Saúl e a perda 597 de sua alma resultaram de seu
própria e fatal eleição. Os seres humanos não são objetos de argila inanimada
nas mãos de um oleiro arbitrário, a não ser seres conscientes que, por seu
própria eleição, entregam-se à direção de um ou outro de dois poderes
diametralmente opostos. Por sua própria eleição, Saúl tinha convidado ao
príncipe das trevas para que o dominasse. Seu amo lhe tinha pago seu
salário.

7.

Do outro lado.

Ao lado norte do vale do Jezreel estavam as tribos do Neftalí e Zabulón, assim


como parte da tribo do Isacar. Ao leste do Jordão estava a meia tribo de
Manasés e a tribo do Gad. Ao ocupar os vales do Esdraelón, Jezreel e do
Jordão, os filisteus tinham perfurado completamente o centro do domínio de
Israel. O povo que tão a voz em pescoço tinha pedido um rei, agora teve a
oportunidade de ver os resultados de sua decisão. Ante uma derrota tão
ignominiosa, pôde dar-se conta de quanto melhor teria sido esperar uma
indicação do Senhor e não adiantar-se o A realeza e o comum do povo por
igual eram co-participantes das desgraças que tinham sobrevindo.

Um estudo do ignominioso reinado do Saúl mostra que assim como tinha sido útil
o governo do Samuel, o do Saúl foi justamente o contrário. Nem a vida nem a
propriedade estiveram seguras durante seu reinado. Houve agressões provenientes
do estrangeiro, e não se fortaleceram as relações internacionais. Mediante
a dura lição da experiência, Israel teve que aprender que era ineficaz
colocar no poder a um rei que se preocupava principalmente pelo
enriquecimento de sua casa e pela imposição de seus desejos arbitrários. O
povo não tinha tido bom julgamento e ao Saúl tinha faltado sabedoria
executiva.

9.

Cortaram-lhe a cabeça.

Isto mostra o desdém que os filisteus tinham pelo Israel, e reflete o grau
até o qual tinha tido êxito Saúl em sacudir o jugo filisteu. A
decapitação concordava com os costumes da época, e possivelmente também foi uma
vingança pela forma em que o Israel tinha tratado ao Goliat (cap. 17: 51- 54).
A cabeça do Saúl foi colocada no templo do Dagón (1 Crón. 10: 10),
santuário que talvez estava no Asdod (1 Sam. 5: 2- 7). Isto indicaria que os
filisteus atribuíram ao Dagón a grande vitória do monte da Gilboa. Não se
davam conta de que não teriam tido nenhum poder se não lhes tivesse sido dado
do alto (Juan 19: 11). Os filisteus tinham tido muitas provas da
superioridade do Jehová sobre o Dagón (ver 1 Sam. 5), mas preferiram depender de
sua própria capacidade e rechaçaram a Deus.

10.

Astarot.

Forma plural do Astoret, deusa também conhecida como Astarté, Asera e Anat.
Cada nome depende do tempo e do lugar. A deusa era consorte do Dagón,
Hadad ou Baal. Levaram a armadura do Saúl a Filistéia, ao templo do Astarot
(ver PP 737).

Bet-sán.

No extremo oriental do vale do Jezreel. Jezreel, agora Tell o-Jutsn,


perto da moderna Beisán, estava a uma distância de 13 a 16 km do campo de
batalha. Posto que empalaram os corpos na muralha da cidade, é muito
possível que ali também colocassem a armadura. Não é seguro se os filisteus
tinham ocupado previamente a cidade ou se tomaram depois da batalha.

11.

Jabes do Galaad.

Ver com. cap. 11: 1- 11. Recordando que Saúl tinha tido tanto êxito na
liberação desta cidade, os anciões estimaram que era um privilégio honrar
o corpo de seu libertador. A desgraça, a morte e a derrota fazem surgir
as simpatias ocultas e revelam os sentimentos mais nobres.

13.

Jejuaram sete dias.


Os habitantes do Jabes do Galaad demonstraram uma fidelidade caiba-a seu caudilho
cansado. depois de dar sepultura honrosa a seu corpo e aos corpos de seus
filhos, observaram um breve período de luto.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1- 13 PP 736, 737

1- 4 PP 736

5, 7- 10, 12, 13 PP 737 599